Você está na página 1de 34

Roma

Roma
Monarquia - 753 a 509 a.C.

República - 509 a 27 a.C.

Império - 27 a 476 d.C.


Origens

Rômulo Remo
Versão Histórica

Gregos
Península
Gaulese Itálica
s
Etrusco
s
Italiotas
Origens
- Expansão etrusca
em direção ao
Lácio.

-Roma se constituiu
quando essas
povoações
fundiram-se em
uma única
comunidade.
Monarquia
753 - 509 a.C.

Rei Senado Assembléia

Executivo Ou Cúria
Judiciário Legislativo Aprovava
Religioso as Leis
A sociedade romana
Patrícios Proprietários, direitos
políticos

Clientes Plebeus que trabalham


para os patrícios

Plebeus Camponeses e comércio,


sem direitos políticos

Escravos Prisioneiros e
endividados
Em 509 a.C.,
uma revolta
patrícia,
apoiada pelos
plebeus,
depôs o
último rei
etrusco de
Roma,
Tarquínio, o
Soberbo.

República
Importante:

. Consolidação
do modo de
produção
escravista

. Definição do
perfil
imperialista
República
Magistrados

02 Cônsules Pretores : Justiça


Questores : Impostos
+ Censores : Censo
Edis : Polícia e Lazer

Senado

Vitalício
Escolhidos entre os Patrícios

Assembléia

Centurial Curial Tribal


Elege senadores Religiosa Elege
e magistrados Questores
Vota Leis e Edis
Expansão Territorial

Guerras Púnicas (Roma x Cartágo) (272-265 a. C)


Conquista da Macedônia (149 a. C)
Conquista da Ásia e Egito (129 a. C)
Expansão Territorial: guerras púnicas

Cartago, que dominava o comércio marítimo no


mediterrâneo, foi destruída em 146 a.C.
Expansão Romana

“Mare Nostrum”
Consequências da expansão
Fortalecimento Aumento do Latifúndio Avanço Social Plebeu
dos Chefes Nº Escravos dos
Militares Patrícios

Triunviratos * 12 Tábuas
Migração para * Lei Canuléia
cidade * Lei Licínia
* Tribunal da Plebe
Império

. Ruína de pequenos proprietários, pela concorrência


desigual dos latifúndios e importação de cereais das
províncias conquistadas.
. Declínio moral: luxo excessivo das novas elites e miséria
dos desempregados – promiscuidade e guerra civil.
As conquistas plebéias
Tribunato da Plebe (493 a.C.)

Magistratura exercida por plebeus,


mas que eram eleitos pela Assembléia
Centuriata (controlada por patrícios)

Assembléia da Plebe (471 a.C.)

Exercida só por plebeus, elegia os


tribunos da plebe.
As conquistas plebéias

Lei das doza tábuas (450 a.C.)

As leis escritas deram transparência


ao direito romano e possibilitou
julgamentos mais justos para a plebe
As conquistas plebéias

Lei Canuléia (445 a.C.)

Casamentos entre patrícios e plebeus

Lei Licínia (367 a.C.)

Aboliu a escravidão por dívidas


As conquistas plebéias

Lei Ogúlnia (300 a.C.)

Igualdade religiosa

Lei Hortência (287 a.C.)

Legitimidade das resoluções da


Assembléia da plebe
Irmãos Graco
133 a.C. a 121 a.C.

Tibério Caio

Tentou estabelecer Aplicou a lei de


limites a propriedade reforma agrária e a
da terra e reforma frumentária: preços
agrária reduzidos para
alimentos.
Ambos:
1º Triunvirato (60 a.C.)

Crasso

Pompeu Julio
César
Após conquistar a Gália, Júlio César derrotou as forças de
Pompeu e tornou-se ditador perpétuo em Roma. Assumiu para si
vários cargos e funções, como cônsul, pontífice máximo e
supremo comandante militar. Concentrando amplos poderes,
César promoveu a construção de obras públicas, reorganizou as
finanças, distribuiu terras, tentou diminuir o desemprego, fundou
colônias e estendeu o direito de cidadania romana à extensa
parcela da população.

Vercingétorix, chefe dos gauleses, se rende à Júlio César.


Temendo as medidas estabelecidas por Júlio
César, que poderiam provocar o fim da república,
os Senadores conspiraram contra o ditador,
assassinando-o em 44 a.C.
2º Triunvirato (43 a.C.)

Marco
Antônio

Lépido Otávio
Em 31 a.C., Otávio derrotou Marco Antônio. Em seguida,
conquistou o Egito e retornou a Roma, onde recebeu
sucessivamente do Senado os títulos de primeiro cidadão
(Princeps), chefe religioso (pontífice máximo), divino (Augustus) e
supremo (Imperator). Senhor absoluto do poder, Otávio (que
passou a ser chamado de Augusto) tornou-se o primeiro
imperador de Roma.
Império Romano - 27 a.C. a 476 a.D.
Caivs Ivlivs Caesar Octavivs Avgvstvs
. Pax Romana: fim da política agressiva
de conquistas e aperfeiçoamento na
administração das províncias
conquistadas (dois séculos).

. Panem et circenses: O crescimento


urbano, o desemprego gerado pela
escravidão na zona rural, a migração
das massas para as cidades aumentava
as possibilidades de revoltas.
Alto Império
(séculos I - II)
Panem et circenses
31ac –14dC Otávio, Augusto Pax Romana

14-68 Júlio – Claudiana Tibério,Calígula,


Cláudio e Nero

69-96 Flávios Vespasiano,Tito e


Domiciano

96-192
Antoninos Trajano,Adriano,
Antonino Pio,
Marco Aurélio e
Cômodo

Séptimo,Caracala,
193-235 Severos Heliogábalo,
Severo Alexandre

Crise
Fim do Império Romano
. Dinastia Julio-Claudiana (14-68): caracterizada pelos constantes
conflitos entre o Senado e os imperadores (Calígula e Nero).
. Dinastia dos Flávios (69-96): neste período, os romanos dominaram
a Palestina e houve a dispersão (diáspora) do povo judeu.
. Dinastia dos Antoninos (96-192): marcou o apogeu do Império
Romano (Marco Aurélio).
. Dinastia dos Severos (193-235): várias crises internas e pressões
externas exercidas pelos bárbaros (os povos que ficavam além das
fronteiras) pronunciaram o fim do Império Romano, a partir do
século III da era cristã.
Baixo Império (séculos III-V)
. Crise política: fim do imperialismo, guerras civis
(disputas, corrupção)
. Gradual perda dos territórios.
. Diminuição das remessas de tributos, suprimentos e
escravos.
. Colapso do sistema escravista: agricultores e artesãos
livres quase haviam desaparecido. Colonato: instituição
da servidão.
. Anarquia militar: generais lutando entre si pelo
controle dos territórios
. Fronteiras expostas a ataques dos povos germanos...
476 d.C.: Fim da Idade Antiga
Fim do Império Romano do Ocidente
O Cristianismo

Contribuiu para a crise romana pois a


doutrina condenava a escravidão, as guerras
de expansão e o caráter divino do imperador.

Por isso, os cristãos foram vítimas da


perseguição imperial, o que não impediu sua
proliferação nas áreas do império.
O Cristianismo

Constantino (313 d.C.)


Edito de Milão – liberdade de culto aos cristãos.

Teodósio (391 d.C.)


Edito de Tessalônica - Oficialização do
cristianismo.
LEGADO CULTURAL
CRISTIANISMO
• de ameaça à ordem a religião oficial;
• monoteísmo e formação da Igreja Católica;
• resistência à crise do Império.

DIREITO
• base da ciência jurídica no Ocidente;
• Jus Naturale (Direito Natural), Jus Gentium
(Direito das Gentes), Jus Civile (Direito Civil).

ARTES
• pintura e escultura: influência grega;
• arquitetura: luxo e grandiosidade;
• circos, termas, aquedutos (Fórum, Coliseu);
• latim: raiz do italiano, português, espanhol;
• letras: Virgílio (Eneida), Tito Lívio (História).