Você está na página 1de 49

Manual de Qualidade

Assegurada - Fornecedores

Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como
fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível de revisão.
Qualquer cópia impressa desse documento será considerada uma cópia não controlada.

MQAF
Junho/2010
2
APROVAÇÕES DO MANUAL DE QUALIDADE ASSEGURADA

Aprovado por:

Paulo Solano S. Ferreira


Coordenador de EQF

Signatários:

Carlos Alberto Pereira Luciano André Merigo Alexandre Condotta


Diretor de Suprimentos e Aftermarket Diretor de Operações Diretor de Engenharia

Márcio Korzeniewski João Carlos Giollo Fernando Katz


Gerente de Compras Diretas Gerente CP&L Gerente Engenharia de Produto

Alessandro Pulice
Gerente de Gestão da Qualidade

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
3
MENSAGEM DA DIREÇÃO

Estamos vivendo na era da competitividade e da qualidade intrínseca. O mercado e os consumidores estão cada
vez mais exigentes, preço e qualidade não são mais diferenciais, são requisitos básicos para a sobrevivência das
empresas. Frente a este cenário a DHB busca cada vez mais a melhoria contínua nos seus produtos, processos,
prazos e na gestão do seu negócio.

Na busca pela excelência operacional, garantir a competitividade da cadeia de suprimento é um fator estratégico de
sobrevivência no mercado automotivo para a DHB.

Visando estreitar as relações com nossos fornecedores e parceiros, o presente Manual de Qualidade Assegurada foi
profundamente revisado para refletir: as melhores práticas / metodologias ao pleno atendimento dos requisitos de
nossos clientes e para propiciar uma eficaz e contínua melhoria da gestão da cadeia de suprimentos.
Com o comprometimento em obter o entusiasmo de nossos clientes, esperamos de nossos fornecedores a melhoria
contínua e a uma forte disciplina no atendimento as práticas e requisitos deste Manual.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
4
ÍNDICE

1. TERMO DE RECEBIMENTO E ACEITAÇÃO DO MANUAL DE QUALIDADE ASSEGURADA ............................ 6


1.1 Visão .............................................................................................................................................................. 7
1.2 Missão DHB.................................................................................................................................................... 7
2. UNIDADES DA DHB ............................................................................................................................................. 7
3. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO DHB.......................................................................................................... 8
4. REQUISITOS GERAIS .......................................................................................................................................... 8
4.1 Escopo ................................................................................................................................................................ 8
4.2 Propósito ............................................................................................................................................................. 8
4.3 Requisitos Mínimos de Certificação dos Fornecedores ........................................................................................ 9
4.4 Responsabilidades dos Fornecedores ................................................................................................................. 9
4.5 Linguagem ........................................................................................................................................................ 10
4.6 Planos de Contingência ..................................................................................................................................... 10
4.7 Recall ................................................................................................................................................................ 10
4.8 Proteção ao Meio Ambiente e Substâncias Restritas ......................................................................................... 11
4.9 Confidencialidade da Informação ....................................................................................................................... 11
4.10 Acesso, Atualização do Manual e Documentos Referenciados ........................................................................ 11
5. REQUISITOS PARA NOVOS DESENVOLVIMENTOS E LANÇAMENTOS ......................................................... 12
5.1 Critérios de Seleção e Desenvolvimento de Fornecedores ................................................................................ 12
5.1.1 Novos Fornecedores de Itens Produtivos ........................................................................................................ 12
5.1.2 Validade das Auditorias do Sistema de Gestão da Qualidade ......................................................................... 12
5.1.3 Fornecedores Correntes e Ativos para Novos Itens Produtivos ....................................................................... 13
5.1.4 Critério de classificação do sistema de gestão da qualidade de fornecedores (ASGQ).................................... 14
5.2 Análise Crítica de Contrato ................................................................................................................................ 15
5.3 APQP – Planejamento Avançado da Qualidade do Produto ............................................................................... 15
5.4 Submissão de Amostras e Peças de pré-produção ............................................................................................ 16
5.5 Capacidade de e-Business ................................................................................................................................ 16
5.6 Características Principais de Produto (CPP) e gestão das Características de segurança ................................... 16
5.7 Características Principais de Controle (CPC) ..................................................................................................... 17
5.8 PPAP – Processo de aprovação de peças de produção .................................................................................... 17
5.9 Rastreabilidade de Lotes ................................................................................................................................... 18
5.10 Requisitos para Processos de Tratamentos Térmicos ...................................................................................... 18
5.11 Requisitos para Processos de Pintura ............................................................................................................. 18
5.12 Requisitos para Processo de Proteção Superficial ........................................................................................... 18
5.13 FMEA – Análise de Modo e Efeito de falha potencial e Redução de Risco - NPR ............................................. 19
5.14 Capacidade Produtiva ..................................................................................................................................... 19
5.15 Ferramental e Equipamentos de Propriedade da DHB CA e/ou clientes ........................................................... 20

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
5
5.16 Ferramentas de Contenção Avançada Agressiva (GP-12, C.A.R.E.) ................................................................ 20
5.17 Desenhos e Especificações Controlados ......................................................................................................... 21
6 REQUISITOS PARA PRODUÇÃO SERIADA ....................................................................................................... 22
6.1 Auditoria de Processos dos Fornecedores (APF) ............................................................................................... 22
6.2 Capabilidade de Processo ................................................................................................................................. 23
6.3 Acesso a Planta do Fornecedor (Tier 2) e sub-fornecedores (Tier-3) ................................................................ 24
6.4 Gerenciamento de sub-fornecedores (Tier 3) ..................................................................................................... 24
6.5 Embalagem e Identificação................................................................................................................................ 24
6.6 Etiqueta Global de Fornecimento ....................................................................................................................... 25
6.7 Solicitação para Alteração de Especificações de Produto e/ou de Processo Aprovados e Atualização de PPAP 26
6.8 Gerenciamento de Não Conformidades (RNC-ACP) .......................................................................................... 27
6.9 Requalificação – Inspeção de Layout ................................................................................................................ 28
6.10 Retenção de Amostra de Produto e Documentos ............................................................................................. 28
6.11 Desvios de Especificações de Produto ou Processo ........................................................................................ 28
6.12 Derrogas ......................................................................................................................................................... 29
7. REQUISITOS PARA MELHORAMENTO CONTÍNUO ......................................................................................... 29
7.1 IDGF - Índice de Desempenho Global de Fornecimento .................................................................................... 29
7.2 Matriz Q - Fornecedores / Decisão de Negócios e Gestão da Melhoria Contínua ............................................... 37
7.3 PEMIF - Processo Escalonado de Melhoramento Intensivo de Fornecedores .................................................... 38
7.4 requisito de Contenção - Embarque Controlado ................................................................................................. 42
7.5 Programa QSB - Fundamentos do Sistema da Qualidade .................................................................................. 43
7.6 Processo de Recuperações de Custos .............................................................................................................. 44
7.7 Fretes Especiais ................................................................................................................................................ 47
7.8 Renovação de Certificados de Qualidade .......................................................................................................... 47
7.9 Comunicação com Fornecedores ...................................................................................................................... 47

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
6
1. TERMO DE RECEBIMENTO E ACEITAÇÃO DO MANUAL DE QUALIDADE ASSEGURADA

Prezado Fornecedor,

A DHB CA revisou e atualizou seu Manual de Qualidade Assegurada, visando atingir os seguintes objetivos:

• Adotar as melhores práticas e metodologias para gestão eficaz da Cadeia de Suprimentos;


• Transversalizar os requisitos específicos dos nossos clientes na Cadeia de Suprimentos;
• Aperfeiçoar e realizar a melhoria contínua dos requisitos existentes;
• Consolidar o Manual de Qualidade Assegurada como o principal pilar técnico normativo das relações técnicas -
comerciais da DHB com seus fornecedores.

Todos fornecedores de itens produtivos devem atender aos requisitos contidos no Manual.
O nível de revisão desse Manual passa a ter vigência imediata a sua edição e comunicação das alterações para a
Cadeia de Suprimentos, conforme comunicado realizado pelo Departamento de Engenharia de Qualidade de
Fornecedores - EQF DHB.
A DHB CA requer de sua empresa a confirmação do recebimento e aceitação dos requisitos contidos nesse Manual.
Favor realizar a análise crítica e retornar esse termo assinado ao Engenheiro de Qualidade de Fornecedores de
contato da sua empresa na DHB.
Nós recebemos o Manual de Qualidade Assegurada de Fornecedores, entendemos e concordamos com as
expectativas da DHB expressas no MQA-DHB – Revisão: Junho 2010.

Código do Fornecedor:
Empresa:
Endereço:
Cidade:

----------------------------------------------------- ---------------------------------------------- -------------------


Responsável da Qualidade Cargo Data

----------------------------------------------------- ---------------------------------------------- -------------------


Responsável Comercial Cargo Data
Observação:
1. A ausência de pronunciamento formal de sua empresa, através da assinatura desse termo, em prazo superior
a 21 dias da notificação, presumirá o aceite dos termos expressos no Manual;
2. Quaisquer dúvidas e/ou divergências deverão ser encaminhadas ao seu EQF DHB. A exceção e/ou supressão
parcial e/ou total ao atendimento de qualquer requisito do Manual deve ser documentada e previamente autorizada
pelo EQF DHB.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
7
1.1 Visão

Ser considerada pelo mercado como a melhor opção em sistemas de direção.

1.2 Missão DHB

Criar valor aos acionistas, clientes, colaboradores, sociedade e fornecedores, oferecendo sistemas de direção que
promovam segurança e conforto aos usuários finais.

2. UNIDADES DA DHB

DHB Componentes Automotivos S.A.


Avenida das Indústrias, 864
Bairro Anchieta
CEP: 90200-290 Porto Alegre - RS - Brasil
Telefone: (51) 2121-1300
Fax: (51) 2121-1355
E-mail: dhb@dhb.com.br

DHB - Produtos & Serviços


Avenida das Indústrias, 864
Bairro Anchieta
CEP: 90200-290 Porto Alegre - RS - Brasil
Telefone: (51) 2121-1427
Fax: (51) 2121-1430
E-mail: dhb@dhb.com.br

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
8
3. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO DHB

A DHB CA, situada em Porto Alegre/RS, na bacia hidrográfica do Guaíba, atuante no comércio nacional e
internacional de sistemas de direção aplicados às linhas automotiva e náutica buscando, com o seu respectivo
sistema de gestão, obter o entusiasmo do cliente e atender as partes interessadas, compromete-se a:
- Melhorar continuamente a qualidade de nossos produtos, processos e a eficácia do sistema de gestão DHB,
utilizando-se da melhor tecnologia;
- Prevenir a poluição e reduzir o impacto ambiental na geração de resíduos, principalmente com fluídos;
- Atender os requisitos legais e específicos do cliente, normas aplicáveis e legislação ambiental;
- Prover recursos, estabelecer objetivos e metas para atingir e monitorar os resultados da companhia.

4. REQUISITOS GERAIS

4.1 Escopo

Os critérios previstos neste Manual contemplam a sistemática de Seleção, Desenvolvimento, Avaliação,


Monitoramento e Melhoria Contínua dos fornecedores e são considerados requisitos mínimos para fornecimento de
materiais e/ou serviços destinados à produção da DHB Componentes Automotivos. Visa estabelecer um conjunto de
regras e define as bases da relação Técnica - Comercial da DHB com a sua Cadeia de Fornecimento.
O Manual aplica-se a: materiais e/ou serviços de fornecedores em desenvolvimento e/ou fornecedores correntes de
produção seriada.

4.2 Propósito

Este Manual comunica o conjunto de requisitos mínimos e obrigatórios para o Sistema de Gestão da Qualidade e de
Gestão Ambiental as quais os fornecedores de produtos e serviços à produção da DHB devem atender.

Estes requisitos foram estabelecidos baseados em quatro pilares, conforme segue:

• Requisitos Gerais;
• Requisitos para Novos Desenvolvimentos e Lançamento;
• Requisitos para Produção Seriada;
• Requisitos para Melhoramento Contínuo.
A DHB está comprometida em fornecer produtos com qualidade e no prazo e que atendam as necessidades e
superem as expectativas de nossos clientes finais e requer de seus fornecedores o mesmo comprometimento além

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
9
de esperar que os mesmos implantem sistemas e controle apropriados para assegurar 100% de entregas no prazo e
isentas de não-conformidades para a DHB.

4.3 Requisitos Mínimos de Certificação dos Fornecedores

É requisito mínimo para fornecimento à DHB CA que o fornecedor possua:


• Sistema de Gestão da Qualidade certificado de terceira parte em Norma Internacional ISO 9001, desejável,
ISO/TS 16949 e/ou ISO 14001 e licenciamento ambiental. Novos desenvolvimentos não serão aprovados se o
certificado de qualidade do fornecedor estiver desatualizado;
• Requisitos de Laboratórios (Calibração, Metrologia e Ensaios): São considerados aptos os laboratórios que
possuam suas instalações credenciadas a ISO/IEC 17025 ou equivalente nacional (INMETRO / RBC / RBLE) ou ser
afiliado a ANFAVEA e possuir cadastro válido no órgão ambiental.

A DHB CA recomenda a seus fornecedores o uso dos seguintes Manuais da AIAG e/ou IQA nas versões mais
atualizadas para o desenvolvimento de seus Sistemas da Qualidade:
• Manual de FMEA – Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial;
• Manual de APQP – Planejamento Avançado da Qualidade do Produto;
• Manual de MSA – Análise dos Sistemas de Medição;
• Manual de CEP – Controle Estatístico de Processo;
• Manual de PPAP – Processo de Aprovação de Peças de Produção.

4.4 Responsabilidades dos Fornecedores

• Atender o MQAF-DHB. Falhas em atender esses requisitos podem resultar em perdas de negócios correntes
e/ou negócios futuros, em adição ao pagamento a DHB dos custos resultantes dessas falhas;
• Assegurar a aplicação desses requisitos e estender a seus sub-fornecedores de material direto e/ou serviços os
requisitos do MQAF-DHB, sempre que aplicáveis e/ou quando requerido pelo EQF DHB;
• Adotar padrões de Zero Defeito e entregas 100% no prazo para a DHB CA bem como entender que o
estabelecimento de qualquer objetivo de PPM não é um nível de qualidade aceitável, mas representa um passo
intermediário no processo de melhoria contínua visando atingir o fornecimento de produtos e serviços com Zero
Defeito;
• Enviar a cada atualização os certificados de Sistema da Qualidade ao EQF DHB por meio eletrônico ou cópia
física;
• A DHB não aceita por parte de seus fornecedores a prática ou submissão de seus profissionais ao trabalho
escravo, assim como promoção a exploração de menores e nem a aquisição de material extraído de forma ilegal

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
10
(que não respeitem as leis ambientais do Brasil), reservando-se no direito de realizar auditoria nesses aspectos,
podendo esses fatores gerarem impedimentos da aprovação do fornecedor.

4.5 Linguagem

A linguagem oficial da DHB é o Português para todo tipo de comunicação e documentação. Para fornecedores
situados no exterior é permitida a comunicação em Inglês em documentos oficiais.

4.6 Planos de Contingência

Os fornecedores devem possuir Planos de Contingência (ex.: interrupção de energia, falhas em equipamentos
críticos e devoluções de produtos) visando proteger adequadamente a DHB contra a descontinuidade de
fornecimento de produtos e/ou serviços em eventos de emergência, excluindo-se Atos de Deus e/ou motivos de
força maior.

4.7 Recall

O fornecedor compromete-se a observar a legislação pertinente, em vigor ou que venha a vigorar na vigência do
fornecimento, com especial observância ao artigo 10 da Lei 8.078 de 11/09/90 (Código de Defesa do Consumidor) e
Portaria nº 789, de 24 de agosto de 2001, do Ministério da Justiça em caso de necessidade de ação de Recall em
decorrência de defeitos relacionados aos produtos DHB CA no mercado e que apresente como causa raiz
comprovada do Recall uma não conformidade originada de falha proveniente de produtos e/ou serviços sob
responsabilidade do fornecedor.
O fornecedor de mútuo acordo deve assumir os custos decorrentes do evento e apoiando a DHB CA nas medidas
que forem necessárias para atender ao mercado e à legislação vigente.
Por falha, entenda-se uma divergência / desvio em manufaturar o produto / componente fornecido conforme as
especificações de produto DHB (desenhos, normas etc.) e/ou divergência no atendimento aos requisitos de PPAP
originalmente aprovados pela área de EQF DHB – ver atendimento aos itens 5.8 e 6.7 do Manual.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
11
4.8 Proteção ao Meio Ambiente e Substâncias Restritas

Em conformidade com os requisitos de nossos clientes finais e a Normativa da Comunidade Européia (Directive,
2000/53/EC (End-of-Life Vehicle) relativos à proibição e/ou uso restrito de metais pesados, tais como Mercúrio,
Cádmio, Chumbo e Cromo Hexavalente em veículos e partes de veículos, a DHB CA requer dos fornecedores: o
cadastro da matéria-prima e sua composição química no IMDS (International Material Data System -
www.mdsystem.com) e a declaração de conformidade nas situações de desenvolvimento de novos itens ou
substituição de matéria-prima e/ou alterações de processos, e quaisquer outras situações onde aplicável esse
requisito e/ou quando requerido pelo EQF DHB. Para envio de cadastro do IMDS, utilizar o ID DHB nº 14264.
A submissão desse requisito passa a fazer parte da documentação do PPAP e é requisito mandatário para sua
aprovação.
O fornecedor compromete-se a observar e cumprir a legislação de meio ambiente vigente e requisitos por ela
subscritos, bem como à Política do Sistema de Gestão da DHB CA, ficando responsável pela obtenção e
manutenção de quaisquer alvarás ou licenças exigidos pelos órgãos públicos em decorrência da execução direta ou
indireta de fornecimento de produtos e/ou serviços para a DHB CA, incluindo comprometimento com um
desenvolvimento sustentável, com a prevenção de poluição e desperdício de recursos naturais.
O fornecedor deverá manter e disponibilizar sua documentação sempre atualizada e seus funcionários e/ou
prepostos devidamente informados, com especial observância para as normas pertinentes, isentando desde já a
DHB CA de quaisquer reclamações e/ou indenizações advindas de descumprimento por parte do fornecedor.

4.9 Confidencialidade da Informação

O fornecedor não deve revelar a terceiros não envolvidos diretamente no projeto, produção ou inspeção dos
produtos DHB, qualquer informação ou documento que tenha sido disponibilizado pela DHB para o cumprimento do
fornecimento e/ou desenvolvimento de produto, a não ser que haja autorização formal de representante da DHB.
Todos os desenhos, especificações, modelos, amostras, dados e quaisquer outras informações fornecidas pela DHB
CA ao fornecedor e todos os direitos patrimoniais e autorais sobre os mesmos são de propriedade exclusiva da DHB
CA.

4.10 Acesso, Atualização do Manual e Documentos Referenciados

A versão atualizada e oficial do Manual deve ser obtida pelo fornecedor no endereço eletrônico www.dhb.com.br.
Cópias físicas são consideradas documentos não controlados. O EQF DHB irá comunicar as alterações e
atualizações desse Manual aos fornecedores, todavia é esperado e obrigatório que os fornecedores mantenham-se

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
12
atualizados dos requisitos DHB através de visitas regulares ao web-site DHB. Questões relativas ao Manual de
Fornecedores devem ser endereçadas por escrito ao Engenheiro de Qualidade de Fornecedor de seu contato.

5. REQUISITOS PARA NOVOS DESENVOLVIMENTOS E LANÇAMENTOS

5.1 Critérios de Seleção e Desenvolvimento de Fornecedores

5.1.1 Novos Fornecedores de Itens Produtivos

Novos fornecedores para participarem do processo de cotação e receberem indicações de negócios, têm como
requisito obrigatório:
• Possuir certificação ISO 9001 realizada por organismo de terceira parte, como requisito mínimo;
• Obter a pontuação mínima em Auditoria de Processo - APF (form. SQ297) a ser realizada pelo método de auto-
avaliação ou preferencialmente realizada pelo EQF DHB na planta do fornecedor, conforme tabela e Critérios de
Pontuação descrito no item 5.1.4.

Regras Gerais:
• Aos fornecedores que forem certificados ISO/TS 16949 não se aplica à necessidade de auditorias pelo EQF
DHB. Nesse caso o fornecedor deve preencher a folha de capa da auditoria e submetê-la preenchida ao EQF DHB
juntamente com a cópia do certificado;
• Em concordância com a diretriz de melhoria contínua da Cadeia de Fornecimento é recomendável que o
fornecedor desenvolva um plano de ação visando obter a certificação de acordo com os requisitos da ISO/TS 16949;
• A critério do EQF DHB, novos fornecedores para itens considerados críticos, que possuam característica (s) de
segurança / legislação envolvida e/ou de elevada complexidade técnica, podem ser auditados pelo EQF DHB
independente da condição de certificação do fornecedor.

5.1.2 Validade das Auditorias do Sistema de Gestão da Qualidade

Validade das Auditorias:


• Realizadas pelo EQF DHB: Validade - 24 meses;
• Auto-avaliação: Validade - 18 meses.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
13
5.1.3 Fornecedores Correntes e Ativos para Novos Itens Produtivos

Para participarem do processo de cotação e receberem indicação de negócios, os fornecedores têm como requisito
obrigatório:
• Possuir avaliação satisfatória na Análise Crítica do Histórico de Desempenho de Fornecimento - IDGF ≥ 87,5
e/ou 87,4 < IDGF < 60, desde que haja plano de ação sistêmico em implantação;
Observação: o período de apuração considerado são os últimos 6 meses de fornecimento e IDGF médio.
• Não estarem classificados em “status NBH” (bloqueados para novos negócios) no sistema de gerenciamento de
fornecedores pelo EQF – DHB;
• Observar as diretrizes do item 7.2 – Matriz Q;
• Obter a pontuação mínima em Auditoria de Processo - APF (form. SQ297) a ser realizada pelo método de auto-
avaliação ou preferencialmente realizada pelo EQF DHB na planta do fornecedor, conforme tabela e Critérios de
Pontuação descrito no item 5.1.4;
• Submeter ao EQF DHB os certificados do sistema de qualidade atualizados e dentro do período de validade
quer seja para ISO 9001 e/ou ISO/TS 16949.

Regras Gerais:
• Em concordância com a diretriz de Melhoria Contínua da Cadeia de Fornecimento é recomendável que o
fornecedor desenvolva um plano de ação visando obter a certificação de acordo com os requisitos da ISO/TS 16949.

Exceções à regra:
• Se o fornecedor sofreu auditoria de processo in loco, realizada pelo EQF DHB ou terceiro acreditado pelo EQF
DHB, em período de 06 meses anteriores ao processo de cotação a mesma será usada como referência não
havendo a necessidade inclusive de auto-avaliação.

Observação:
• Fornecedores que estiverem inativos, sem fornecimento regular por período maior que 12 meses, enquadram-se
na regra de novos fornecedores - item 5.1.1.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
14
5.1.4 Critério de Classificação do Sistema de Gestão da Qualidade de Fornecedores (ASGQ)

CLASSIFICAÇÃO ESCORE
Sistema de Qualidade atende ou excede os requisitos.
Preferencial ≥ 80%
Risco baixo.
Sistema de Qualidade aceitável, mas requerido plano de ação a ser
< 80%
Aprovado condicional implementado antes do início de fornecimento.
> 60%
Risco médio.
Sistema de Qualidade não atende os requisitos mínimos. Fornecedor
Não Capaz ≤ 60% não apto para fornecimento.
Risco alto.

A pontuação a ser considerada na avaliação dos itens do check-list de auditoria do fornecedor seguirá os seguintes
critérios:
CRITÉRIO DE PONTUAÇÃO DOS REQUISITOS
AVALIAÇÃO DO ATENDIMENTO DOS REQUISITOS INDIVIDUAIS Escore
Requisito totalmente atendido. 10
Requisito basicamente atendido: desvios mínimos encontrados. 8
Requisito parcialmente atendido: desvios maiores encontrados.
6
Não está comprovada a prática na maioria das vezes.
Requisito insuficientemente atendido: desvios consideráveis.
4
Não está comprovada a prática na maioria das vezes.
Requisito não atendido: não está comprovada a prática. 0

Prazos para submissão dos planos de ações corretivas e verificação da eficácia:


Os planos de ações relativos às não conformidades elencadas na auditoria devem ser submetidos ao EQF DHB,
num prazo máximo de 10 dias úteis a contar da emissão do relatório da auditoria, exceto para aqueles casos em
que a urgência e/ou criticidade requeiram ação imediata / contenção ou casos especiais que devem ser objeto de
acordo formal entre o EQF DHB e o representante do fornecedor.
Depois de concluída a implementação das ações corretivas, as mesmas a qualquer momento poderão ser objeto de
auditoria do EQF DHB com o objetivo de verificar evidências e a eficácia das ações inclusive in loco na planta dos
fornecedores.

Exceções às regras:
• O fornecedor que apresentar pontuação ≤ 4 conforme tabela em algum dos requisitos avaliados, desvios graves
ao atendimento do requisito, deve ficar enquadrado no status de aprovação condicional com pontuação máxima de
80% mesmo que na soma total a sua pontuação exceda esse valor;

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
15
• Cláusulas de barreiras para pontuação de fornecedores conforme o nível de certificação:
Pontuação conforme nível de certificação do fornecedor e tipo de auditoria realizada:
- Tipo de auditoria: auto-avaliação executada pelo fornecedor.
O EQF DHB considerará para efeitos de cadastro no sistema DHB as seguintes pontuações máximas para os
fornecedores que executarem a auto-avaliação, conforme segue:
Fornecedores ISO 9001: 70%
Fornecedores ISO/TS 16949: 85%
- Tipo de auditoria: na planta do fornecedor pelo EQF DHB e/ou terceiro acreditado pela DHB.
A pontuação máxima de um fornecedor ISO 9001 é de 79% mesmo com a auditoria realizada pelo EQF DHB in
loco, para efeito de cadastro no sistema DHB.

5.2 Análise Crítica de Contrato

O fornecedor deve analisar criticamente todos os requisitos constantes dos documentos de compras, antes da
aceitação do pedido (prazo de entrega, quantidade, volumes, horário de recebimento, etc.) incluindo os requisitos
desse Manual. Qualquer divergência deve ser comunicada e acordada formalmente com a DHB no prazo
estabelecido nos documentos. Atenção especial é requerida quando o item possuir desenhos técnicos, cujo número
de revisão constará em campo específico do documento de compra.
A área de EQF possui atribuição exclusiva e formal para emissão de derrogas sobre os requisitos técnicos desse
Manual, quaisquer outras formas de acordo visando suprimir total e/ou parcialmente os requisitos desse Manual
serão consideradas desprovidas de curso legal para efeitos de aplicação do mesmo.

5.3 APQP – Planejamento Avançado da Qualidade do Produto

A DHB recomenda a utilização do APQP - Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (form. SQ996) como
metodologia para o gerenciamento de programas e para o desenvolvimento de novos produtos / componentes e/ou
serviços comprados bem como seu uso como documento de interface entre os Times de Desenvolvimento de
Fornecedores DHB CA.
A exigência de uso da Metodologia do APQP é de responsabilidade do Time de Desenvolvimento de Fornecedores
DHB CA que terá critérios básicos como: complexidade técnica do item, nível de investimento, prazo de efetivação
do desenvolvimento e abrangência dos requisitos de validação técnica.
O Comprador é o responsável por obter a versão inicial do APQP do fornecedor. A aprovação do APQP versão
inicial é de responsabilidade do Time de Desenvolvimento de Fornecedores DHB CA.
O EQF é o responsável por monitorar, atualizar e validar modificações no APQP junto aos demais elementos do
Time de Desenvolvimento de Fornecedores na DHB CA, ao longo do desenvolvimento do produto / componente.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
16
Poderá ser utilizado padrão de APQP do fornecedor desde que as etapas essenciais do desenvolvimento estejam
consideradas e o documento devidamente aprovado pelas áreas de Compras e EQF da DHB.

5.4 Submissão de Amostras e Peças de Pré-Produção

O fornecedor deve enviar suas amostras, devidamente embaladas, e identificadas através do “Certificado de Envio
de Protótipos e Amostras de Fornecedores” (form. SQ011). Cada embalagem / caixa deve conter internamente uma
cópia do formulário (form. SQ011 - folha 01) e, colada externamente, a etiqueta (SQ011 - folha 02). É mandatório a
emissão de uma Ordem de Compra de Desenvolvimento para amostras, protótipos e/ou peças do lote de PPAP.

5.5 Capacidade de e-Business

Os fornecedores devem possuir e-mail, internet e browser como capacidades mínimas de e-Business. Visando
agilizar a comunicação entre a Logística DHB e os fornecedores, está disponível no web-site DHB - extranet o Aviso
de Embarque Eletrônico e o Manual de Aviso de Embarque, onde os fornecedores, via senha cadastrada pelo
Departamento de Compras, informam os seus embarques.

5.6 Características Principais de Produto (CPP) e Gestão das Características de Segurança

A DHB CA identifica nas suas especificações técnicas dois tipos de Características Principais de Produto, conforme
segue:
• CPP de Segurança / Legislação (S / L) ou ;
• CPP de Fixação / Função (F / F) ou .
A gestão, melhoria contínua e controle dessas características deve ser diferenciada no desenvolvimento, na fase de
produção seriada e as mesmas devem estar identificadas nos documentos do Sistema da Qualidade, onde
referenciadas (p. ex: Instruções de Operação, Plano de Controle de Processo, PFMEA, etc.).
Produtos que possuírem identificada nas Especificações de Engenharia característica(s) de Segurança / Legislação
(S / L) ou deverão possuir um processo especial de gestão que envolverá requisitos adicionais de auditoria
conforme requerido no item “F” da Auditoria de Processo dos Fornecedores (form. SQ297).
É facultado aos fornecedores utilizarem simbologia própria para essas características nas documentações do PPAP
desde haja uma tabela de equivalência definida, procedimentada e aprovada pelo EQF DHB e que deverá ser
fornecida junto com a submissão da documentação de PPAP.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
17
5.7 Características Principais de Controle (CPC)

A DHB CA recomenda como uma boa prática na gestão dos processos de seus fornecedores a utilização de uma
simbologia especial para identificação das Características Principais de Controle (Característica Crítica de Processo)
assim designados àqueles parâmetros que ao variarem fora de valores alvos no processo de fabricação podem
afetar uma Característica Principal de Produto (CPP). Tais parâmetros em geral caracterizam-se por não fazerem
parte das especificações de produto (desenhos, normas etc.).
Exemplo: Corrente elétrica, tensão, temperatura, tempo, amplitude de vibração, concentração, etc. Atenções
diferenciadas a essas características devem ser dadas durante o projeto do processo e realização do PFMEA.
Quando apropriado a utilização de técnicas estatísticas tais como DOE – Projetos de Experimentos, Análises de
Correlação devem ser usadas para definição dos valores alvo e variações permissíveis das CPC’s principalmente
quando elas afetarem as CPP’s de Segurança / Legislação.

5.8 PPAP – Processo de Aprovação de Peças de Produção

Os fornecedores não estão autorizados a iniciar a produção ou o envio de peças a DHB CA sem a aprovação formal
do PPAP pelo EQF DHB.
Peças de produção enviadas a DHB CA sem aprovação de PPAP e/ou sem a aprovação do fornecedor estarão
sujeitas a bloqueio de recebimento fiscal.
Se o PPAP não é requerido, algum requisito específico para aprovação será emitido pelo EQF DHB.

Fornecedores - Tier 2 (Fornecimento Direto para a DHB):


Os requisitos de submissão de PPAP são definidos no formulário SQ188 que é enviado pelo EQF ao representante
do fornecedor em novos desenvolvimentos e/ou para alterações e atualizações técnicas de produtos, serviços e/ou
processos, conforme requisito específico do cliente final. Submissão de PPAP nível 05 é requerido, sendo que toda
º
a documentação comprobatória deve ser submetida à DHB, de acordo com o Manual PPAP 4 edição, exceções e
derrogas podem ser emitidas somente pelo EQF DHB e devem estar adequadamente documentadas por meio
eletrônico e/ou formulário próprio etc.

Sub-fornecedores - Tier 3 (Fornecimento Indireto para a DHB):


Fornecedores devem utilizar o Processo de Aprovação de Peças de Produção - PPAP em sub-fornecedores de
material produtivo. Caso o fornecedor possua sub-fornecedores com sistema de qualidade em desenvolvimento que
não atenda os requisitos mínimos para elaboração do PPAP, o fornecedor deve, em conjunto com o sub-fornecedor,
elaborar um plano de ação para implementação do PPAP.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
18
5.9 Rastreabilidade de Lotes

Para itens com características de Segurança / Legislação (S / L) ou , o fornecedor deve ser capaz de rastrear
para cada lote fornecido a origem de sua matéria-prima e sua seqüência de produção. Quando a matéria prima
possuir alguma operação de tratamento térmico, o sistema de rastreabilidade do fornecedor deve permitir rastrear o
lote de tratamento térmico com o certificado da matéria prima e a nota fiscal de recebimento do produto na DHB;
como boa prática, recomenda-se evitar a mistura de lotes de diferentes tratamentos térmicos e/ou matérias primas.
Esse requisito poderá ser aplicado a outros processos de beneficiamento conforme requisitos de PPAP.
Para itens de Segurança / Legislação é recomendada à identificação individual de rastreabilidade do componente
fornecido, que deve manter-se na vida útil da peça e preferencialmente deve estar visível externamente.

5.10 Requisitos para Processos de Tratamentos Térmicos

Os fornecedores de serviços de tratamento térmico e/ou fornecedores que realizem operações de tratamento
térmico devem atender os requisitos do Manual CQI-9 (AIAG), realizar sua auto-avaliação e submeter junto com o
PPAP do item. Este requisito é aplicável aos fornecedores e sub-fornecedores da Cadeia de Suprimentos DHB.
A avaliação desse requisito será periódica, a ser definida pelo EQF DHB, e a avaliação poderá dar-se por auto-
avaliação e/ou auditoria in loco.

5.11 Requisitos para Processos de Pintura

Requisito aplicável para processos de pintura e quando requerido pelo EQF DHB que tem como referência
normativa o Manual CQI-12 (AIAG).

5.12 Requisitos para Processo de Proteção Superficial

Requisito aplicável para processos de proteção superficial e quando requerido pelo EQF DHB que tem como
referência normativa o Manual CQI-11 (AIAG).

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
19
5.13 FMEA – Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial e Redução de Risco - NPR

A realização do PFMEA deve ser liderada pelo EQF DHB, e preferencialmente ser realizado nas dependências da
DHB. Quando isso não for possível e/ou o EQF DHB julgar desnecessário o PFMEA pode ser realizado por equipe
multidisciplinar do fornecedor e ficando sob responsabilidade do EQF DHB a análise crítica e validação do PFMEA.
A equipe de desenvolvimento do PFMEA deve desenvolver ações para atingir um Nível de Prioridade de Risco
(NPR) conforme as classificações das características abaixo:
• Característica Principal de Produto (CPP) de Segurança / Legislação: o índice de severidade deve ser no
mínimo 9, sendo a meta obter um NPR ≤ 40;
• Característica Principal de Produto de Fixação / Função: o índice de severidade deve ser no mínimo 7, sendo a
meta obter um NPR ≤ 90;
• Características comuns: a meta é obter um NPR ≤ 110;
• Característica Principal de Controle (CPC): a meta é obter NPR ≤ 90;
Exceto quando requerido em requisitos específicos do cliente final e informado pelo EQF-DHB.
Em hipótese alguma é aceitável a liberação de FMEA para início de produção do componente e/ou serviço sem a
definição de plano de ação corretiva para reduzir e atender o nível de risco conforme definido no parágrafo acima
e/ou sem as respectivas ações de contenção até a implementação completa do plano de ação.
O fornecedor deve desenvolver uma Gestão de Redução de Risco (NPR), que considere os seguintes elementos,
mas não limitado a:
• Definir um líder habilitado para conduzir o PFMEA;
• Possuir calendário de reuniões regulares para análise de NPR;
• Definir um time multidisciplinar para execuções de PFMEA em que participem pelo menos as funções:
qualidade, engenharia e produção;
• Realizar a retroalimentação sistemática do PFMEA baseado nas falhas internas e externas.

5.14 Capacidade Produtiva

É esperado do fornecedor DHB a disponibilidade da capacidade contratada evidenciado através do “Estudo de


Capacidade Produtiva e Gargalos” – SQ950, preenchido pela equipe de desenvolvimento de projetos do fornecedor
e submetido junto com o PPAP do item. Após o início de produção, quando houver variações significativas de
incremento de produção, o fornecedor deverá submeter o SQ950 atualizado ao EQF DHB.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
20
5.15 Ferramental e Equipamentos de Propriedade da DHB CA e/ou Clientes

Ferramentais de propriedade da DHB CA devem estar identificados e com gravação “Propriedade da DHB CA” e
devem possuir controle que permita sua rápida localização e verificação de estado de conservação. Para
ferramentais de propriedade do cliente final, a identificação deve ser conforme acordado com o EQF DHB.

5.16 Ferramentas de Contenção Avançada Agressiva (GP-12, C.A.R.E.)

A aplicação dessa metodologia visa assegurar a identificação, contenção e solução dos problemas dentro da planta
do fornecedor, garantindo dessa forma a conformidade dos produtos e/ou serviços comprados pela DHB CA e o
sucesso de novos desenvolvimentos de componentes na fase de início e aceleração da produção.

Criticidade das peças e controles:


Os procedimentos serão aplicados conforme os critérios descritos abaixo:
• Peças de baixo e médio risco técnico:
Intensificar controles atuais (freqüência de inspeção e amostragem) em todos os postos de controle, desde a
inspeção até o produto acabado, quando aplicável.
O Plano de Controle de produção deve ser submetido à análise do EQF DHB:
• Peças de alto risco técnico: adicionar inspeção 100% pelo fornecedor.
Além dos planos de controle intensificados, será necessário a introduzir mais um posto de verificação 100%, após a
aprovação / liberação dos lotes de produção e antes do envio das peças a DHB CA. Deve constar uma bancada
específica em local pré-definido e identificado para:
• Inspeção visual e/ou;
• Inspeção funcional e/ou;
• Inspeção dimensional.

Documentação específica de contenção avançada:


Nas etapas de fabricação onde o Plano de Controle especificar controles especiais, deverá estar disponível nos
postos de trabalho e de inspeção documentos específicos para execução dos mesmos, tais como:
• Instruções de Trabalho e de inspeção;
• Registros de Controle;
• Registro de não conformidades;
• Modelo padrão de peças “conforme”;
• Modelos padrão de peças “não conforme”, com detalhamento das anomalias e/ou fotos representativas da não
conformidade.
Recomenda-se que os resultados sejam tratados através de Diagramas de Pareto e Gráficos de Tendências,
facilitando a análise e priorização de ações.
Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010
Engenharia de Qualidade de Fornecedores
21
Essa documentação deverá estar completa e disponível para auditorias por parte do EQF DHB.

Responsabilidades:
É de responsabilidade do EQF DHB e do fornecedor a definição das características a serem controladas.
EQF DHB: definir a classe de risco da peça em baixo, moderado ou alto.

Notificação e critérios de saída:


A Notificação da Contenção Avançada Agressiva deve ser formal e é de responsabilidade do EQF DHB. O(s)
critério(s) de saída da contenção deve ser formalmente estabelecido, considerando-se as necessidades de cada
situação, devendo ser documentado e assinado pelo representante do fornecedor em até 72 horas da sua
notificação.
O período da contenção não deve ser inferior a 90 dias a partir do início de produção e deve considerar um período
representativo da produção seriada do fornecedor de forma a possibilitar a avaliação da capacidade inicial de seu
sistema de produzir itens em conformidade com as especificações. A análise dos incidentes no posto de contenção
avançada, bem como a eficácia das ações realizadas pelo fornecedor são parâmetros obrigatórios de avaliação para
a sua remoção. A remoção da contenção avançada deve ser realizada por meio de documento formal e é de
responsabilidade do EQF DHB a sua emissão.

5.17 Desenhos e Especificações Controlados

Os fornecedores devem possuir desenhos de produto e/ou instruções de trabalho, quando aplicável, com status de
cópias controladas disponíveis em seus sites no último nível de alteração técnica. Os mesmos podem ser cópias
eletrônicas e/ou físicas. É de responsabilidade da Engenharia de Qualidade de Fornecedores o envio de cópia
controlada atualizada aos fornecedores. As cópias controladas são caracterizadas por uma fotocópia física com
carimbo de cópia controlada e/ou cópia eletrônica tipo “pdf” identificada com o logo de fundo com a gravação de
cópia controlada.
A emissão de PPAP para itens produtivos é valida somente para desenhos e instruções de trabalho com o status de
cópias controladas.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
22
6 REQUISITOS PARA PRODUÇÃO SERIADA

6.1 Auditoria de Processos dos Fornecedores (APF)

É uma auditoria que visa assegurar o pleno controle do fornecedor sobre seu processo e sobre a conformidade do
produto enviado a DHB. A Auditoria de Processo de Fornecedores (form. SQ297) pode ser realizada pelo método de
auto-avaliação ou preferencialmente na planta do fornecedor pelo EQF DHB.
A Auditoria de Processo é priorizada naqueles fornecedores que se enquadrem nas seguintes situações:
• Fornecedores que façam parte do ranking dos 20 piores IDGF’s no ano corrente e/ou quando apurado o IDGF
relativo a um período de 6 meses de fornecimento;
• Fornecedores com históricos de não conformidades e que constem no ranking dos 10 maiores em RNC-ACP
acumulados no ano corrente;
• Fornecedores com ações corretivas não eficazes provocando não conformidades reincidentes e/ou que estejam
em EC N1 e/ou EC N2;
• Fornecedores que provocaram paradas de linha na DHB e/ou bloqueio de expedição causado por não
conformidades e/ou produto suspeito;
• Fornecedores que apresentaram não conformidades que afetaram o cliente final.
Critério de classificação do processo do fornecedor:
ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO
Sistema e/ou processo atende ou excede os requisitos.
Preferencial ≥ 80%
Risco baixo.
Sistema e/ou processo aceitável, mas requerido plano de ação para
< 80%
Aprovado condicional continuidade do fornecimento.
> 60%
Risco médio.
Sistema e/ou processo não atende os requisitos. Descontinuidade de
Não capaz ≤ 60% fornecimento e/ou New Business Hold.
Risco alto.
A pontuação a ser considerada na avaliação do fornecedor seguirá o seguinte critério:
CRITÉRIO DE PONTUAÇÃO DOS REQUISITOS
AVALIAÇÃO DO ATENDIMENTO DOS REQUISITOS INDIVIDUAIS ESCORE
Requisito totalmente atendido. 10
Requisito basicamente atendido: desvios mínimos encontrados. 8
Requisito parcialmente atendido: desvios maiores encontrados.
6
Não está comprovada a prática na maioria das vezes.
Requisito insuficientemente atendido: desvios consideráveis.
4
Não está comprovada a prática na maioria das vezes.
Requisito não atendido: não está comprovada a prática. 0

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
23
Prazos para submissão dos planos de ações corretivas e verificação da eficácia:
Os planos de ações relativos às não conformidades elencadas na auditoria de processo devem ser submetidos ao
EQF DHB, num prazo máximo de 10 dias úteis a contar da emissão do relatório da auditoria, exceto para aqueles
casos em que a urgência e/ou criticidade requeiram ação imediata / contenção ou casos especiais que devem ser
objeto de acordo formal entre o EQF DHB e o representante do fornecedor.
Depois de concluída a implementação das ações corretivas, as mesmas a qualquer momento poderão ser objeto de
auditoria do EQF DHB com o objetivo de verificar evidencias e eficácia das ações inclusive in loco na planta do
fornecedor.

6.2 Capabilidade de Processo

É requerido do fornecedor um desempenho de processo mínimo conforme tabela a seguir:


ÍNDICE & RESULTADOS REQUERIDOS INTERPRETAÇÃO
O processo atualmente atende plenamente o critério de
aceitação. Tamanho da amostra mínimo de 125 peças
Capabilidade preliminar de processo produzidas em seqüência.
Pp e Ppk ≥ 1,67 Em situações especiais é permitido um tamanho de
amostra inferior a 125 peças desde que previamente
aprovado formalmente pelo EQF DHB.
O processo pode ser aceitável. Entrar em contato com o
Capabilidade preliminar de processo EQF DHB para uma análise crítica dos resultados do
1,33 ≤ Pp e Ppk ≤ 1,67 estudo. Exceto para característica de Segurança /
Legislação que é requerido Pp e Ppk ≥ 1,67.
O processo atualmente não atende o critério de aceitação.
Capabilidade preliminar de processo
Entrar em contato com o EQF DHB para uma análise
Pp e Ppk < 1,33
crítica dos resultados do estudo. Ver Nota 1.
Capabilidade de processo / capabilidade contínua
de processo Para processo de produção seriada.
Cp e Cpk > 1,33

Nota 1: Se o critério de aceitação não puder ser atingido até a data requerida de submissão do PPAP, o fornecedor
deve submeter ao EQF DHB um plano de ação corretiva e um plano de controle modificado para a aprovação,
normalmente provendo inspeção 100%.
Nota 2: Requisito mínimo para capabilidade de processo para características de rugosidade superficial e dureza: Pp
e Ppk ≥ 1,00.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
24
6.3 Acesso a Planta do Fornecedor (Tier 2) e sub-fornecedores (Tier-3)

Mediante comunicado prévio, o fornecedor deve permitir a DHB e a seu cliente acesso a sua planta e a de seus sub-
fornecedores, com o propósito de verificar conformidade de peças e documentos de processo e/ou auditar execução
de planos de ações, quando aplicável (ex.: PFMEA, plano de controle de processo, instruções e registros da
qualidade, etc.) bem como as metodologias e processos de fabricação usados em produtos fornecidos a DHB CA.

6.4 Gerenciamento de sub-fornecedores (Tier 3)

Fornecedores da DHB CA devem ser capazes de gerenciar seus respectivos sub-fornecedores, incluindo disciplinas
de avaliação, monitoramento, auditorias periódicas, disciplinas de controle de não conformidades e fechamento de
planos de ações. O EQF DHB, quando julgar necessário, fará auditorias em processos críticos de sub-fornecedores
para assegurar que controles apropriados, bem como os requisitos desse Manual, estão sendo utilizados ao longo
da cadeia de fornecimento, essa prática de forma alguma eximirá a responsabilidade primário do Tier 2 com a
certificação do seu sub-fornecedor.

6.5 Embalagem e Identificação

As embalagens devem garantir:


• Integridade do produto fornecido;
• Facilitar o manuseio e movimentação;
• Facilitar a armazenagem no almoxarifado e no ponto de abastecimento na linha;
• Preservar o produto contra contaminantes, quando aplicável;
• Estar adequada as práticas de manufatura enxuta - ferramenta Kanban de gestão de estoques DHB. Deve
atender ao Manual de Embalagem de Fornecedores DHB,disponível no web site juntamente com esse Manual; para
itens em desenvolvimento a análise de requisitos e adequação da embalagem será realizada durante o PFMEA do
item que deve ter a participação do representante da área de Logística. A aprovação preliminar da embalagem se
dará pela submissão da proposta do fornecedor através do formulário SQ1000 e conseqüente aprovação do mesmo.
A aprovação final da embalagem dar-se-á pela aprovação e teste em produção do lote de PPAP com a formalização
dada através da aprovação do PPAP do componente.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
25
6.6 Etiqueta Global de Fornecimento

Etiqueta padrão definida pela DHB para seus fornecedores. Contempla informações de extrema importância para o
gerenciamento de estoque DHB e requisitos de rastreabilidade.
• Especificações: As etiquetas deverão ser coladas na embalagem em locais apropriados conforme definido no
Manual de Embalagens DHB;
Cada etiqueta será identificada por um número de série único que será utilizado internamente tanto para o
armazenamento das informações quanto para controle das movimentações.
• Especificação dos campos: Esta seção contém informações relativas aos campos específicos da etiqueta.
Campo Descrição
Preenchido com as informações mínimas do remetente: nome do
Dados do fornecedor
fornecedor, endereço, cidade/estado, telefone de contato e país.
Campo disponível para código de barras do fornecedor, quando julgar
Código de barras do fornecedor
necessário.
Descrição da peça Descrição da peça conforme desenho de produto DHB.
Característica Principal de Produto Deverá constar o símbolo quando a peça enviada possuir uma CPP de
(CPP) Segurança / Legislação.
Quantidade de peças Campo destinado a quantidade de peças constante em cada embalagem.
Campo destinado a informar a quantidade total de peças do lote enviado
Quantidade total do lote
(Nota Fiscal).
Este campo é composto do código ou nome do almoxarifado do cliente que
identifica a fábrica para a qual a peça se destina. Os almoxarifados poderão
ser os seguintes:
Almoxarifado - BP01 - Peças para uso nas fábricas (Caixas de Direção, Bombas
Hidráulicas e Náutica);
- DES - Peças em desenvolvimento e/ou amostras para teste de
engenharia.
Número da Nota Fiscal Campo destinado ao número da NF das peças enviadas a DHB.

Código de cadastro do fornecedor na DHB (emitido pelo departamento de


Código do fornecedor
Compras após a homologação do fornecedor).

Campo destinado ao preenchimento do código da peça presente no


Código do item
desenho de produto DHB.
Campo destinado ao número da corrida de matéria-prima da peça produzida
Número da corrida
(quando aplicável).
Campo destinado ao número do certificado de TTO (tratamento térmico) da
Número da corrida TTO
peça produzida (quando aplicável).

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
26
Número de identificação atribuído pelo fornecedor para identificar grupos de
Número do lote
produtos de uma mesma ordem de produção / fabricação.
Este campo é utilizado para especificar a data de fabricação na última etapa
Data de fabricação
do processo de fabricação do fornecedor. Ex.: DD/MM/AA.
O número da etiqueta deverá ser um número único não necessariamente
Número serial em ordem sequencial definido pelo fornecedor. Os fornecedores não devem
repetir os números de etiqueta durante pelo menos 1 ano.
Campo destinado ao preenchimento do código do serviço prestado em
Item / serviço fornecedores DHB. Quando este item não é aplicado, deve-se deixá-lo em
branco. Ex.: 1906000T – Serviço de pintura do Conjunto Bomba Hidráulica.
Neste campo, devem constar as seguintes informações para leitura: nº da
nota fiscal (N6), código do fornecedor (N6), código do item (A10),
quantidade de peças (N6), quantidade total do lote (N7), nº do lote (N10),
data de fabricação (N6 formato DDMMAA), almoxarifado (A3), número de
Código de barras Data Matrix
série (N10), número da corrida (N10), número da corrida TTO (N10),
item/serviço (A30) e nota fiscal DHB de envio para fornecedor (N6) (quando
aplicável).

- Campos alfanuméricos devem ser alinhados a esquerda e preenchidos com brancos para completar o número
de caracteres (An – sendo “n” o número de caracteres);
- Campos numéricos devem ser alinhados a direita e preenchidos com zeros não significativos para completar o
número de caracteres (Nn – sendo “n” o número de caracteres do campo numérico).
• Características gerais da etiqueta:
O tamanho da etiqueta completa é 120 x 85mm (tamanho referência). O papel deve ser autocolante, branco e a
impressão em preto com contraste suficiente para garantir sua leitura de forma clara. Deve-se usar
preferencialmente etiqueta de transferência térmica (ribbon/etiqueta).
• Impressão:
Qualquer fonte de caracteres legível poderá ser utilizada. O tamanho dos caracteres utilizados depende do
comprimento das informações a serem impressas em cada campo, devendo ser o maior possível em cada caso.

6.7 Solicitação para Alteração de Especificações de Produto e/ou de Processo Aprovados e Atualização de
PPAP

Alterações incluindo, mas não limitadas a, processo de fabricação, projeto do produto, componentes, embalagens,
sub-contratados ou alteração do local de fabricação dos componentes previamente aprovados devem seguir as
recomendações do Manual do PPAP 4ª edição e/ou conforme definido pelo EQF DHB.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
27
Para alterações requeridas pelo fornecedor, o mesmo deve notificar previamente ao EQF DHB, através do
formulário SQ978, e obter aprovação formal para implementação da alteração. O PPAP atualizado deve ser enviado
pelo fornecedor, conforme requisitos definidos no formulário SQ188 - Requisitos de Submissão de PPAP. Após
receber a notificação de aprovação do PPAP, é de responsabilidade do fornecedor notificar previamente, pelo
menos por meio eletrônico, o envio do primeiro lote modificado com o número da nota fiscal para as áreas de EQF e
CQR bem como proceder à identificação do lote com a etiqueta SQ011. O não atendimento a esses requisitos são
passíveis de emissão de relatório de não conformidade conforme SQ140 - item 6.8. Alterações realizadas pelo
fornecedor sem a aprovação prévia e formal do EQF DHB são de total responsabilidade do mesmo, devendo estar
ciente dos riscos e dos encargos aplicáveis em caso de não conformidades, podendo inclusive ocorrer a
descontinuidade de negócios correntes e/ou bloqueio do fornecedor para novos negócios a critério da DHB CA.

6.8 Gerenciamento de Não Conformidades (RNC-ACP)

As não conformidades são formalmente notificadas ao fornecedor através do envio do formulário SQ140 - RNC-ACP
(relatório de não conformidade - ação corretiva / preventiva). As ações de contenção para problemas de qualidade
deverão ser reportadas em até 24 horas.
A análise de causa raiz e as ações corretivas deverão ser apresentadas em até 07 dias, prazo que conta a partir do
dia posterior a data de emissão da RNC-ACP (form. SQ 140). Após preenchimento de todos os campos do
formulário o mesmo deve ser endereçado eletronicamente às áreas de Controle de Qualidade de Recebimento
(CQR) e ao EQF DHB responsável pelo fornecedor. É de responsabilidade do EQF DHB analisar criticamente o
RNC-ACP e validá-lo, autorizando o fechamento do documento no sistema. As não conformidades que afetarem o
cliente final devem possuir evidência de fechamento in loco pelo EQF DHB e/ou documentos complementares que
comprovem a implementação das ações corretivas na planta do fornecedor. Podem ser anexados ao SQ140
quaisquer outros documentos de uso do fornecedor como ferramenta de análise e solução de problemas. Quando
aplicável, ações de contenção na planta da DHB são de total responsabilidade do fornecedor. Todo e qualquer custo
resultante de não conformidades e/ou falhas no atendimento de entregas do fornecedor possuem tratativa conforme
definido no item 7.6.

Notificação proativa de não conformidade e/ou de falha potencial pelo fornecedor:

Quando proativamente o fornecedor notificar o EQF e/ou CQR DHB de não conformidades potenciais em lotes já
embarcados para a DHB a RNC-ACP poderá não ser emitida desde que a não conformidade:
• Não afete produtos já manufaturados e/ou montados total ou parcialmente na DHB ou em terceiros e/ou que não
afete produtos finais que estejam na área de expedição prontos para embarque;
• Que não esteja envolvida uma característica de Segurança / Legislação na falha potencial e/ou não
conformidade.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
28
Todos os custos relativos a inspeção, retrabalho, etc., sob os lotes fornecidos e suspeitos são de responsabilidade
do fornecedor.

6.9 Requalificação – Inspeção de Layout

A realização anual de uma completa inspeção de layout é requerida, exceto para característica de Segurança /
Legislação que deverá ser semestral. Os fornecedores não necessitam submeter ao EQF DHB os resultados desta
inspeção, mas devem manter em sua planta evidência desta ação pelo período de 03 anos, exceto para as
características principais de produto de Segurança / Legislação que seguem o tempo de retenção definido no item
6.10.

6.10 Retenção de Amostra de Produto e Documentos

Os fornecedores deverão reter registros em arquivo de fácil acesso, de acordo com os requisitos a seguir:
• Certificado de matéria-prima utilizada na manufatura de itens de Segurança / Legislação: 02 anos em arquivo de
fácil acesso e 13 anos armazenado em arquivo morto;
• Documentação de PPAP: manter todos os dossiês, desde a aprovação original até a última atualização em fácil
acesso enquanto o item estiver ativo. Após o encerramento da produção, em arquivo morto por mais 01 ano.

6.11 Desvios de Especificações de Produto ou Processo

Detecção de Desvio de Especificações na Planta do Fornecedor:


Encaminhar solicitação de concessão de desvio de engenharia ao EQF DHB juntamente com uma completa análise
da não conformidade e plano de ação para erradicação da causa raiz, aguardar a emissão de autorização prévia e
formal aprovando a expedição e as condições de envio de peças para DHB. O total das peças produzidas com o
desvio somente poderá ser enviado após a aprovação formal emitida pelo EQF DHB. O não atendimento aos
passos acima caracterizará uma não conformidade com as devidas penalizações do fornecedor no seu IDGF -
Índice de Desempenho Global de Fornecimento e/ou outras penalizações aplicáveis em decorrência da gravidade
da ocorrência e os riscos envolvidos.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
29
6.12 Derrogas

A área de EQF possui atribuição exclusiva e formal para emissão de derrogas sobre os requisitos técnicos desse
Manual, quaisquer outras formas de acordo visando suprimir total e/ou parcialmente os requisitos do mesmo serão
consideradas desprovidas de curso legal para efeitos de aplicação do Manual.
As derrogas devem ser documentadas e formalizadas apropriadamente, não sendo aceitáveis quaisquer acordos
verbais.

7. REQUISITOS PARA MELHORAMENTO CONTÍNUO

7.1 IDGF - Índice de Desempenho Global de Fornecimento

Os fornecedores serão avaliados através do IDGF em periodicidade mensal.


O acompanhamento do indicador poderá ser feito na web-site da DHB, www.dhb.com.br através da senha de
acesso do fornecedor.
O IDGF mínimo para a cadeia de fornecimento é de 87,5 pontos no ano corrente.
O indicador é uma consolidação ponderada do desempenho do fornecedor que atingirá uma pontuação máxima de
100 pontos com a estrutura conforme tabela a seguir:

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
30
IDGF - ÍNDICE DE DESEMPENHO GLOBAL DE FORNECIMENTO

Ponderação e
Área Índices e Critérios Básicos
Pontuação

IPPM Índice de Partes por milhão 30%

Auditoria do Sistema de Gestão da Qualidade – ASGQ


IDAQ 20%
Auditoria de Processo – APF

Nº de RNCs no mês
Eficácia das ações corretivas – RNC
QUALIDADE Retrabalho/seletivo – RNC
Desvio de engenharia – RNC
Perdas e Falhas Internas – RNC
IQLR Falhas externas – RNC 50%
Parada de planta – “Plant Disruption”
Embarque Controlado nível 01
Embarque Controlado nível 02
Atraso na atualização de certificados de qualidade e ambiental
Atraso na submissão de PPAP
Pontuação máxima-subtotal 45

COMPCOM Competitividade comercial (preços/custos) 60%

COMPRAS PRZPAG Prazo de pagamento 20%

RELACI Relacionamento 20%


Pontuação máxima-subtotal 15

Excelência em Tecnologia de Produto 50%


ENGENHARIA TECNOL
Excelência em Tecnologia de Processo 50%
Pontuação máxima-subtotal 10

IPE Índice de pontualidade de entrega 50%

CP&L IQT Índice de quantidade 30%

IS Índice de serviço 20%


Pontuação Máxima- Subtotal 30

Pontuação máxima - total 100

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
31
Os fornecedores serão classificados de acordo com a seguinte tabela:
ESCORE CLASSIFICAÇÃO
IDGF ≥ 95 Excelência
87,5 ≤ IDGF ≤ 94 Satisfatório
61 ≤ IDGF ≤ 87,4 Regular
≤ 60 Insatisfatório
Definição das siglas do indicador:
IPPM: Índice de Partes por Milhão
IDAQ: Índice de Auditoria de Qualidade
IQLR: Índice de Qualidade dos Lotes Recebidos
COMPCOM: Competitividade Comercial
PRZPAG: Prazo de Pagamento
RELAC: Relacionamento
IPE: Índice de Pontualidade de Entrega
IQT: Índice de Quantidade
IS: Índice de Serviço

Critério para apuração dos índices:

• QUALIDADE
Índice de Partes por Milhão - IPPM / Peso ponderado: 30%
O Indicador de PPM é gerado a partir dos relatórios de não conformidades RNC-ACP emitidos pelo Controle de
Qualidade de Recebimento e é calculado conforme segue:

PPM = Soma total do número de defeitos x 1.000.000


Soma total do número de peças fornecidas

Os fornecedores são classificados de acordo com as commodities e cada commodity possui um objetivo de PPM
conforme definido pelo EQF DHB. O Índice de PPM será gerado conforme tabela:

Indicador Critério: Percentual Pontuação


0-50% do Objetivo Commodity 100% 13,50

50% - 100% do Objetivo commodity 80% 10,80

100% - 150% do Objetivo Commodity 60% 8,10


Índice de partes por milhão
150% - 200% do Objetivo Commodity 40% 5,40

200% - 350% do Objetivo Commodity 20% 2,70

>350% do Objetivo Commodity 0% 0,00

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
32
Índice de Auditoria da Qualidade - IDAQ / Peso ponderado: 20%
CASO 1: CASO 2:
Tipo de Auditoria: Critérios: Percentual
Pontuação Pontuação
Auditoria do Sistema de Gestão da
Qualidade - ASGQ
IDAQ ≤ 60% 0% 0,00 0,00

ou 60 < IDAQ < 80% 70% 6,30 31,50

Auditoria de Processo - APF IDAQ ≥ 80% 100% 9,00 45,00


O Caso 1: aplicam-se aos demais casos conforme item 5.1.3.
Para efeito de avaliação do desempenho do fornecedor será usado o cadastro da auditoria mais recente no sistema
de controle do EQF DHB, independente da pontuação atingida.
O Caso 2: aplica-se ao primeiro mês de fornecimento de peças de produção para um novo fornecedor da DHB.
Nesse caso o índice obtido na Auditoria do Sistema de Gestão da Qualidade conforme item 5.1.1 deve ser usado
pelo EQF DHB como referencia para pontuação do IDGF.

Índice de Qualidade dos Lotes Recebidos - IQLR / Peso ponderado: 50%


Índice que reflete o desempenho do fornecedor quanto a não conformidades ocorridas na área de recebimento de
materiais da DHB, no processo produtivo e/ou nos clientes finais.
Critérios: Deméritos em Pontos: Observação:
1 RNC (-2,5) pontos da base 100%
Nº de RNC’s no mês / fornecedor 2 a 3 RNC’s (-5,0) pontos da base 100%
≥ 4 RNC’s (-7,5) pontos da base 100%
Resposta no prazo e aceitável / RNC Com atraso (-5,0) pontos da base 100%
Ação não eficaz
Eficácia das ações corretivas / RNC (-7,5) pontos da base 100% Deméritos são
- reincidência
Retrabalho / seletivo / RNC Se, Sim. (-5,0) pontos da base 100% cumulativos e
Desvio de engenharia / RNC Se, Sim. (-2,5) pontos da base 100%
Perdas internas / RNC Se, Sim. (-7,5) pontos da base 100% deduzem da base
Falhas externas / RNC Se, Sim. (-10,0) pontos da base 100% 100% até o limite
Parada de planta – Plant Disruption Se, Sim. (-10,0) pontos da base 100%
de 22,50 pontos.
Embarque controlado nível 01 Se, Sim. (-7,5) pontos da base 100%
Embarque controlado nível 02 Se, Sim. (-10,0) pontos da base 100%
Atraso na atualização de certificados de
Se, Sim. (-2,5) pontos da base 100%
qualidade
Atraso na submissão de PPAP ou
Se, Sim. (-2,5) pontos da base 100%
retrabalho na documentação de PPAP
Base 100% = 22,50 Pontos --

Retrabalho / seletivo:
Necessidade de realização de retrabalho e/ou seletivo (inspeção) 100% realizada em lote na área de CQR da DHB,
e sob responsabilidade do fornecedor.

Desvio de engenharia:
Quando para o lote ou partes do lote for emitido o documento de desvio de engenharia da DHB para autorizar o uso
dos componentes sob desvios de especificações e que a origem do desvio seja do fornecedor.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
33
Perdas internas:
Quando a detecção de não conformidades ocorrer no processo produtivo da DHB, em lotes previamente liberados, e
que resultarem em refugos e/ou retrabalhos de componentes em sub-conjuntos e/ou no conjunto final.

Perdas externas:
Quando a detecção de não conformidades, oriundas de fornecedores da DHB, ocorrer no processo produtivo do
cliente final e/ou no usuário final.

Paradas de planta - Plant Disruption:


As seguintes situações serão consideradas para caracterizar parada de planta / Plant Disruption na DHB:

• A linha de montagem do produto final ficou parada por tempo igual ou maior a 60 minutos devido à falta de
produto comprado;
• É de responsabilidade da área de Planejamento e Controle de Produção a caracterização desse status e a sua
notificação as áreas de CQR, EQF, Compras Diretas e o fornecedor;
• Ocorrer uma alteração no fluxo normal de produção do produto DHB, provocando à montagem do produto com a
supressão de uma etapa e que necessita de posterior montagem do componente faltante. Apurado para incidentes
que impactam a produção em tempo superior a 60 minutos;

Embarque controlado nível 01 (EC 01):


Quando o fornecedor tiver algum item enquadrado nessa condição, conforme item 7.3 do Manual, o mesmo será
penalizado durante o período de permanência no EC 1; é de responsabilidade do EQF DHB cadastrar e remover do
cadastro do sistema de gestão dos fornecedores a condição de EC 1.

Embarque controlado nível 02 (EC 02):


Quando o fornecedor estiver algum item enquadrado nessa condição, conforme item 7.3 do Manual, o mesmo será
penalizado durante o período de permanência no EC 2; é de responsabilidade do EQF DHB cadastrar e remover do
cadastro do sistema de gestão dos fornecedores a condição de EC 2.

Atraso na atualização de certificação de qualidade:


O atraso para atualização de certificados será considerado uma vez excedido o prazo para envio dos documentos
conforme definido no item 7.7.

Atraso na submissão de PPAP e/ou retrabalhos na documentação de PPAP:


O atraso na submissão de PPAP será apurado pelo desvio nas datas quando acordado com o EQF DHB quer seja
para itens de desenvolvimento e/ou para atualizações de PPAP de itens correntes.
O retrabalho na documentação de PPAP será considerado quando o fornecedor submeter à documentação e a
mesma requerer mais de uma etapa de revisão pelo EQF DHB para correções de pendências e incorreções na
elaboração da documentação.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
34
• COMPRAS
Competitividade Comercial - COMPCOM / Peso ponderado: 60%
É o comparativo do custo do fornecedor com o melhor custo de mercado. Base: preços CIF.
Na ausência de base comparativa usar 100%.
CompCom Pontuação Percentual
≤ 0% 9,00 100%
> 0% ou ≤ 5% 8,55 95%
> 5% a ≤ 10% 6,75 75%
> 10% a < 15% 4,50 50%
> 15% a < 20% 2,25 25%
≥ 20% 0,00 0%

Prazo de Pagamento - PRZPAG / Peso ponderado: 20%


Prazo de pagamento atual possui classificação diferente para fornecedores nacionais e importados conforme segue:
PrzPag Pontuação Percentual
Nacional
> 45 dias 3,00 100%
= 45 dias 2,85 95%
≥ 28 dias a < 45 dias 1,50 50%
< 28 dias 0,00 0%
Internacional
≥ 90 dias 3,00 100%
< 90 dias a ≥ 60 dias 1,50 50%
< 60 dias 0,00 0%

Relacionamento - RELAC / Peso ponderado: 20%


Classificação realizada pelos compradores conforme tabela abaixo:
Relacionamento Pontuação Percentual
Ótimo 3,00 100%
Bom 1,50 50%
Ruim 0,00 0%

- Ótimo: resposta no prazo, retorno satisfatório, sugestões (melhorias, técnica, conceito, tecnologia);
- Bom: cumpre modestamente os prazos, dá retorno. Apresenta algumas sugestões;
- Ruim: para aqueles que não atendem os aspectos acima.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
35
• ENGENHARIA
Tecnologia de Produto - TECNOL / Peso ponderado: 5%
Classificação realizada pela Engenharia de Produto conforme tabela abaixo:
Itens de Avaliação
Suporte Tempo de
Pontuação Inovação Nota Final
Técnico Resposta
< 5,00
≥ 5,00 e ≤ 7,00 = soma das
notas / 3
> 7,00

- Inovação: capacidade do fornecedor de propor melhorias ao componente ou apresentar evoluções tecnológicas;


- Suporte técnico: apoio técnico e colaboração recebida do fornecedor durante o desenvolvimento de um novo
componente, alterações ou na investigação de problemas de qualidade;
- Tempo de resposta: tempo de resposta com relação a questionamentos técnicos ao fornecedor.

Tecnologia de Processo - TECNOL / Peso ponderado: 5%


Classificação realizada pela EQF conforme tabela abaixo:
Itens de Avaliação
Desenvolvimento
Investimento
Suporte de novos
Pontuação em ativos e Nota Final
Técnico processos e
modernização
melhorias
= soma das
0 – 10
notas / 3

- Suporte técnico: relacionado a competência técnica do fornecedor em suportar análises e planos de ações com
utilização de metodologias de análises e soluções de problemas;
- Investimento em ativos e modernização: realização de investimentos em máquinas, equipamentos, meios de
medição e controle de processo tanto para fins de melhorias bem como atendimento de capacidade produtiva;
- Desenvolvimento de novos processos e melhorias: realização de atividades que visem a utilização de tecnologias
e/ou processos que maximizem qualidade e produtividade bem como ações de implantação de conceitos de
manufatura enxuta e melhoria contínua.
Observação: O score do fornecedor será 0, 2, 4, 6, 8 ou 10.

• CONTROLE DE PRODUÇÃO E LOGISTICA


Índice Pontualidade de Entregas - IPE / Peso ponderado: 50%

IPE = (data de entrega do lote) – (data de entrega prevista da ordem de compra)

IPE = somatórias das notas atribuídas às ordens atendidas no mês


n° de ordens prev istas no mês

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
36
Parâmetros para pontuação:
Entregas no prazo: + 3dias a - 3dias = 15,0 pontos
Entregas até o prazo: + 4dias a - 4dias = 7,5 pontos
Entregas fora prazo: > + ou - 4dias = 0 pontos

Índice de Quantidade - IQT / Peso ponderado: 30%

IQT = (quantidade total do lote entregue) – (quantidade prevista da ordem de compra)

IQT = somatórias das notas atribuídas às ordens atendidas no mês


n° de ordens previstas no mês

Parâmetros para pontuação:


Qtde. da ordem de compra: de 95% a 105% = 9,0 pontos
Qtde. da ordem de compra: de 80% a < 90% = 4,5 pontos
Qtde.da ordem de compra: de < 80% e > 105% = 0 pontos

Índice de Serviços - IS / Peso ponderado: 20%


Indicador que busca avaliar o relacionamento, qualidade da informação e serviços entre DHB e fornecedores sob a
ótica do Planejamento e Logística. A avaliação será realizada mensalmente e no mês abril todos os fornecedores
receberão sua avaliação.

Parâmetros para pontuação:


Questionário - que será avaliado por fornecedor mensalmente, conforme quadro abaixo:
Serviço atende = sim / 6,0 pontos
Serviço não atende = não / 0 pontos

Um exemplo de apuração da pontuação do Índice de Serviço encontra-se na tabela a seguir (Questionário):

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
37
Questionário para avaliação MENSAL: SIM NÃO Pontos
P O fornecedor cadastra o Plano de Ação no site DHB ? 6,0
1 X
l
a
n 2 O fornecedor cumpre o Plano de Ação cadastrado no site DHB ? X 0
e
j
a 3 O fornecedor emite AEs - Aviso de Embarque de mercadorias para a DHB ? X 6,0
m
e O fornecedor acessa o site da DHB para verificar a programação de
4 X 6,0
n materiais ?
t
O fornecedor tem flexibilidade de negociação quanto a entregas, adicionais
o 5 X 6,0
e cortes de programas?
O fornecedor entrega seus materiais em embalagens limpas e padronizadas
6 X 6,0
(pallets, KLT´s) ?
L
o O fornecedor tem quantidade suficientes de embalagens que garante o
7 X 6,0
g fluxo de materiais ?
í
s
O fornecedor atende a janela de entregas de materiais na DHB e no
8 X 6,0
t Operador Logístico ?
i
c 9 O fornecedor identifica os materiais conforme padrão DHB ? X 0
a
O fornecedor tem flexibilidade na negociação quanto a Logística de
10 X 6,0
materiais?
TOTAL 48

7.2 MATRIZ Q - Fornecedores / Decisão de Negócios e Gestão da Melhoria Contínua

Escopo de aplicação: fornecedores correntes e ativos

Métricas - APF x IDGF

Define o posicionamento dos fornecedores pelos escores e respectivas classificações nas métricas IDGF- Índice de
Desempenho Global de Fornecimento e APF- Auditoria de Processo de Fornecedor, principais referencias técnicas
para direcionar:

• Decisões de inclusão e/ou exclusão do fornecedor em processos de cotação e a recomendação para obtenção
de novos negócios para fornecedores correntes;
• Foco das ações estratégicas e táticas do EQF para a gestão da melhoria contínua da cadeia de suprimentos,
incluindo a ação sobre os fornecedores críticos e a aplicação PEMIF.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
38

*Avaliar *Candidato a
100 Continuidade da *Candidato a
Preferencial

Premiação
*Plano de Ação para Premiação
Relação Comercial Fornecedores do Ano
AUDITORIA DE PROCESSO FORNEC. - APF

Melhorar Desempenho Fornecedores do Ano


Sair - *Obter Excelência no
é requerido. *Alta Prioridade para
Aplicar NBH e/ou Desempenho pode ser
*Potencial aplicação Novos Negócios
Phase Out um objetivo
80 do PEMIF *Potencial para Co-
Manter - *Prioridade para Novos
Design
Aplicar PEMIF negócios

79 * Monitoramento para
Condicional

*Requerido Plano de
Aprovado

Sair - Manter o Desempenho. *Prioridade para


Ação Detalhado para
*Apto a participar de Novos Negócios
Melhoria do Processo.
*Phase-Out Novos Negócios mediante plano de
*Requerido aplicação
*NBH mediante Plano de ação no Processo.
do PEMIF.
61 Ação.

* Fornecedor não aprovado para continuidade de fornecimento


60 Manter -
Não Capaz

se for Estratégico e/ou Fonte Única mediante aprovação da Diretoria de Suprimentos nesse
caso é mandatório Plano de Ação de Melhoria,de curto prazo.
Sair -
a) Aplicar NBH e / ou Phase-Out e
0 b) Desqualificar Fornecedor

0 60 61 87,4 87,5 94 95 100


Insatisfatório Regular Satisfatório Excelencia

MONITORAMENTO DO DESEMPENHO - IDGF

7.3 PEMIF - Processo Escalonado de Melhoramento Intensivo de Fornecedores

O Processo Escalonado de Melhoramento Intensivo de Fornecedor (PEMIF) é composto de um conjunto de ações


e/ou etapas que objetivam a recuperação e melhoria significativa do nível de desempenho de qualidade dos
fornecedores considerados críticos que, todavia também pode resultar numa decisão técnica / comercial de
descontinuidade da fonte de fornecimento. A seqüência de etapas abaixo é a preferencial representando uma
seqüência crescente de requisitos e restrições ao fornecedor, mas não obrigatória podendo ocorrer antecipação
e/ou superposição e/ou supressão de ações / etapas, uma vez avaliado o desempenho do fornecedor (histórico), a
gravidade da situação e a mitigação de riscos para a DHB CA e para o cliente final. São de responsabilidade do
EQF DHB a gestão e a liderança do PEMIF.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
39
Fazem parte desse processo as seguintes etapas:

PEMIF - Níveis de Escalonamento

e8
e7 DESQUALIF.
e6 NBH Phase-Out
e5 PMC-QZD Phase-Out
e4 PACIF Pl.Ação
e3 EC N2 Pl. Ação
e2 R. EXECUT Pl.Ação
e1 EC N1 Pl. Ação
RNC - ACP Pl. Ação
Pl. Ação

• Escalonamento nível 1 - e1
Relatório de não conformidade – ação corretiva preventiva (RNC-ACP), conforme item 6.8 do Manual.

Ação do EQF no suporte técnico aos fornecedores na utilização de metodologias de Análise e Solução de
Problemas para identificação da causa raiz fundamental, tais como: método dos 5 (cinco) porquês, matriz de
contenção, abrangência de ação, identificação das lições aprendidas.
Validação da resposta da RNC e solicitação de evidencias da implementação das ações, quando aplicável, e na
autorização para fechamento da RNC no sistema DHB.

• Escalonamento nível 2 - e2
Embarque controlado nível 1 – EC N1, aplicado conforme item 7.4 do Manual.

• Escalonamento nível 3 - e3
Reunião Executiva – Desempenho de Fornecedor.

Baseado no histórico de não conformidades sistêmicas e crônicas, e/ou severidade das não conformidades, um
representante do EQF poderá programar uma Reunião Executiva na DHB entre os representantes do fornecedor
(gestor da qualidade / gestor de planta e gestor comercial) com a direção da DHB.
Ao fornecedor será solicitado apresentar um plano de ação sistêmico com prazos definidos para erradicação das
não conformidades, uma reunião subseqüente poderá ser programada para verificar-se a o atendimento e evolução
do plano de ação apresentado bem como os resultados evolução dos resultados.
É responsabilidade do EQF DHB organizar essa etapa bem como monitorar a execução do plano de ação e a sua
eficácia.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
40
• Escalonamento Nível 4 - e4
Embarque controlado nível 2 - EC N2, aplicado conforme item 7.4 do Manual.

• Escalonamento Nível 5 - e5
PACIF – Processo de Auditoria e Controle Intensivo do Fornecedor.

Nessa fase o EQF realizará uma atividade profunda de Auditoria de Processo de Fornecedor – APF e auxiliara a
elaboração supervisionada do plano de ação sistêmico do fornecedor, conforme formulário SQ297 e item 6.1 do
Manual.
Outras modalidades de auditorias poderão ser aplicadas conforme a peculiaridade do processo do fornecedor e do
histórico de falhas apresentados.
A critério do EQF poderá ser solicitado ao fornecedor comparecer em periodicidade regular em reuniões na DHB
para apresentar a evolução do plano de ação sistêmico e comprovar a sua sustentação.
Essa fase pode se caracterizar por uma presença regular do EQF na planta do fornecedor para auditar e confirmar a
execução do plano de ação e o processo de melhorias em andamento.

• Escalonamento Nível 6 - e6
PMC-QZD – Programa de Melhoria Contínua - Qualidade Zero Defeito.

A notificação de entrada do fornecedor nesse programa deve ser formalizada, bem como a saída do mesmo. A
prioridade para aplicação do programa nos fornecedores seguirá a classificação do IDGF (média) do escore menor
para o escore maior.

Programa de Gestão Focado no Diagnóstico e ao ataque as fraquezas do Processo dos Fornecedores, cujo escopo
é atacar os 15 piores fornecedores no ranking do IDGF quando apurado o desempenho médio dos últimos 6 (seis)
meses de fornecimento.
O programa tem como facilitador / driver um representante do EQF DHB.
Esse programa direciona a resolução de problemas sistêmicos, com o seguimento de um plano de ação robusto de
atendimento aos principais indicadores, que deverá estar formalizado, e de um compromisso da alta direção do
fornecedor e de um representante executivo designado que exercerá a liderança e responsabilidade pela
coordenação das atividades do time multidisciplinar do mesmo.
Quando esses objetivos não forem atingidos medidas de remediação (contenção) devem ser tomadas.
O programa utilizará como ancora técnica as seguintes metodologias, mas não restrita a:
- Auditoria de Processo do Fornecedor;
- Metodologia de Caracterização de Processo;
- Plano de Ação Sistêmico – Modelo 5W 2H;
- Definição do Quadro de Métricas Chaves e Acompanhamento Periódico, em complemento ao IDGF;
- Kaizen de Qualidade e/ou Produtividade.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
41
A partir do diagnóstico elaborado pelo EQF outras metodologias e ferramentas de qualidade poderão ter requeridas
as suas implantações e/ou ações de treinamento e/ou requalificação dos colaboradores do fornecedor. Por exemplo,
Pilares do Programa QSB – Fundamentos do Sistema da Qualidade da GMB / Fiat.
O tempo de execução do programa não deverá exceder a 8 (oito) meses,desde o início formal do mesmo, exceções
a regra deverão ser objeto de acordo entre fornecedor e representante da DHB. O fluxo abaixo descreve as
principais etapas do programa.

• Escalonamento Nível 7 - e7
NBH - Bloqueio para novos desenvolvimentos e Phase - Out potencial.

O status de NBH será caracterizado pelo menos nas seguintes situações, mas não limitado a:
- O NBH é decorrência natural do processo de escalonamento, total e/ou parcial dos níveis descritos
anteriormente, uma vez que múltiplas instancias de planos de ações corretivas mostraram-se ineficazes e persistam
não conformidades sistêmicas e crônicas na DHB e/ou nos clientes finais;
- O NBH é colocado independente do processo do processo de escalonamento devido a incidentes de nível
crítico na DHB e/ou no cliente final, entenda-se por incidente crítico: Plant Disruption / parada de linha significa na
planta da DHB e/ou o que afete o cliente final, Recall envolvendo não conformidade em componente comprado.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
42
O fornecedor recebe o status de NBH através de notificação formal do EQF DHB.
As restrições para um fornecedor em NBH são:
- Ficar bloqueado para participar de cotações para novos negócios de desenvolvimento;
- Ficar bloqueado para obter expansão de volumes de fornecimento em negócios correntes.
Nessa fase a critério da DHB CA poderá ocorrer uma decisão de descontinuidade total e/ou parcial do fornecedor e
a decisão de inicio de desenvolvimento de uma nova fonte fornecedora.

• Escalonamento Nível 8 - e8
Desqualificação do fornecedor.
O fornecedor é descontinuado totalmente para fornecimento e removido da Lista de Fornecedores Aprovados para
fornecimento a DHB CA.

7.4 Requisito de Contenção - Embarque Controlado

É uma ferramenta utilizada pelo EQF DHB que visa assegurar a identificação, contenção e solução dos problemas
dentro da planta do fornecedor, garantindo dessa forma a conformidade dos produtos. O fornecedor poderá entrar
neste regime, quando ocorrer:
• Não conformidades resultantes em: paradas de linha, incidência em cliente final, em características de produtos
de Segurança / Legislação;
• Reincidências de não conformidades resultantes de ações não eficazes;
• Desempenho do IDGF abaixo dos objetivos mínimos fixados pelo EQF DHB e o fornecedor encontra-se entre os
10 piores desempenhos, quando apurado a média do IDGF dos últimos 6 meses;
• Após realização de auditoria que demonstre fragilidade significativa no Sistema de Qualidade do fornecedor.
A aplicação do embarque controlado deve ser realizada para especificações e/ou características dos produtos e/ou
serviços fornecidos conforme definido na Carta de Notificação de Embarque Controlado pelo EQF DHB.

Embarque controlado nível 01 (EC N1):


A partir da Carta de Notificação de EC N1, enviada pelo EQF DHB, o representante do fornecedor deve responder a
notificação em 48 horas. O fornecedor deve implementar uma área de inspeção isolada da linha de produção, com
fluxo de entrada, saída e situação de inspeção bem definida. Inspecionar 100% das peças, conforme características
descritas nesta notificação. Evidenciar o treinamento dos operadores sobre a realização desta atividade. Identificar
as peças inspecionadas (conforme acordado com o EQF DHB) e colocar uma identificação por caixa / volume
enviado, contendo a descrição “Embarque Controlado Nível 01”. Reportar a evolução / estatísticas (número de não
conformidades por característica) do EC N1 conforme acordado com o EQF DHB. O período de vigência do EC N1 é
de no mínimo 60 dias, as regras de saída estarão definidas na Carta de Notificação de Embarque Controlado.
Exceções de derrogas as regras acima devem ser acordadas com o EQF DHB.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
43
Embarque Controlado nível 02 (EC N2):
Será aplicado quando houver reincidências de não conformidades em características que façam parte do EC N1.
Além das ações descritas acima, o processo de inspeção deverá ser realizado por uma empresa especializada em
seletivos, indicada pela DHB, que reportará o resultado deste seletivo diretamente para o EQF DHB. Os custos
relativos a este processo são de responsabilidade do fornecedor. O período de vigência do EC N2 é de no mínimo
45 dias, as regras de saída estarão definidas na Carta de Notificação de Embarque Controlado.
O fornecedor que entrar em regime de EC N2 deverá notificar o Organismo Certificador em um período máximo de
05 dias a contar do início do EC N2. O EQF DHB também deverá ser notificado.
Decorridos 05 dias do início do EC N2 e sem o recebimento da notificação do fornecedor ao EQF, a DHB reserva-
se o direito de notificar o Organismo Certificador do fornecedor.

Observação:
• Escalonamento de embarque controlado - a ativação de embarque controlado nível 2 prevê que o fornecedor
execute o EC N1 simultaneamente. Nesse caso após ocorrer à eliminação do EC N2 a contenção EC N1
(quarentena) deverá ficar ativa por mais 30 dias após o fechamento do EC N2;
• O EC N2 pode ser uma escalada proveniente do EC N1, mas não necessariamente.
Nos seguintes casos o EC N2 pode ser adotado diretamente:
- Ficar caracterizada uma ineficácia do fornecedor após as ações implementadas o qual é recomendado em
adotar uma empresa terceirizada para garantir a conformidade do produto expedido a DHB CA;
- Casos particularmente graves que demonstrem fragilidade forte do Sistema de Qualidade implementado
(também após uma auditoria negativa com não conformidade(s) maior(es), PFMEA e Planos de Controle frágeis.
- Histórico de longo prazo de reincidências de qualidade na mesma característica / modo de falha, mesmo que
as falhas sejam isoladas / pontuais, e que envolvam não conformidades de nível moderado / grave em
características de difícil detecção na DHB CA.
- A não conformidade classificada como crítica / alta severidade pelo EQF DHB ou pelo cliente final que cause
um Plant Disruption e/ou necessidade de inspeção ou retrabalho de produtos na expedição da DHB e/ou estoques
do cliente as quais podem ou não estar relacionadas a uma ação de recall preventivo ou de recall.

7.5 Programa QSB - Fundamentos do Sistema da Qualidade

Programa que visa aplicar um conjunto de fundamentos (10 pilares) básicos para a gestão da produção, conforme
descrição abaixo:

• Resposta Rápida
- Lições Aprendidas
- Prática de Solução de Problemas
- 7 Diamantes

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
44
- 8-D
• Controle de Produto Não Conforme
• Estação de Verificação
• Operações Padronizadas
- Organização do Espaço de Trabalho – Os 7 Desperdícios
- Instruções de Trabalho Padronizado – Folha de Operação Padrão
- Instruções de Operador – Folha de Elementos de Trabalho
• Treinamento Padronizado do Operador
• Verificação de Dispositivos a Prova de Erros
• Auditoria Escalonada no Processo
• Redução de Riscos NPR
• Controle de Contaminação
• Gestão da Cadeia de Fornecimento

A DHB CA recomenda a utilização dessa ferramenta nos fornecedores como uma boa prática dentro de uma visão
de gestão estratégica da cadeia de fornecimento e de melhoria contínua.

7.6 Processo de Recuperações de Custos

O processo de recuperação de custos tem início a partir de uma não conformidade originada pelo fornecedor e da
emissão e envio de um RNC-ACP, conforme item 6.8, e que provoque a necessidade de utilização de recursos
próprios e/ou de terceiros para a realização de atividades não planejadas na planta da DHB e/ou no cliente final.
Todas as ações necessárias, preventivas e corretivas, para assegurar a proteção ao processo de nossos clientes
serão tomadas.
Os custos envolvidos no processo incluem, mas não estão limitados a:
• Refugos e/ou perdas;
• Substituição de peças;
• Horas de mão de obra em inspeções, retrabalhos e/ou seletivos;
• Despesas de viagens;
• Prestação de serviço de terceiros;
• Processos de garantia;
• Paradas de planta / Plant Disruption na DHB;
• Parada de planta / Plant Disruption do cliente final.

O Fluxo do processo de recuperação de custos é conforme segue:

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
45

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
46
A DHB CA definiu como procedimento padrão considerar os seguintes encargos aos fornecedores:
Custo padrão e/ou
Item Evento Base de cálculo dos custos
método de apuração
Seletivo / Retrabalho nas Por evento de seletivo e/ou
1 instalações da DHB – custo retrabalho realizado nas instalações R$ 500,00.
da infra-estrutura DHB. da DHB.
Emissão de Desvio de
Por emissão de desvio de
2 Engenharia - custo da infra- R$ 1500,00.
engenharia.
estrutura DHB.
Seletivo / retrabalho – custo Qtd de horas homem e custo da hora
3 Ver item 3 do campo observações.
da mão de obra. - homem do contratado.
Parada de planta na DHB
e/ou cliente final com ou sem Quantidade de horas paradas
4 R$ 1500,00 por hora
refugos, retrabalhos e/ou re- x custo padrão
inspeções.

Observações / premissas:

1. O custo da infra-estrutura para seletivo/retrabalho nas instalações da DHB compreende: uso das instalações,
luz, água, marcadores industriais, instrumentos de medição, bancadas de testes, pessoal de apoio técnico do CQR,
EQF, Engenharia da DHB;
2. O custo da infra-estrutura para emissão de Desvio de Engenharia compreende: a utilização de horas-homens
das áreas de EQF, Engenharia de Produto, Engenharia Experimental, Engenharia de Manufatura, Planejamento e
Programação, Qualidade de Fábrica e a utilização das bancadas de laboratório de engenharia, quando aplicável;
3. A DHB possui empresas de serviços de seletivos e/ou retrabalhos credenciados; é de responsabilidade do
fornecedor contratar diretamente essas empresas e realizar os acertos comerciais aplicáveis em situações que se
fizerem necessários o seletivo / retrabalho na DHB;
4. Para os itens 1, 2 e 3 da tabela, os custos são cumulativos conforme a ocorrência do evento;
5. É de responsabilidade da área solicitante a notificação do fornecedor e obtenção do aceite, relativo aos
encargos acima;
6. É de responsabilidade da área Financeira o envio da cobrança e fechamento do processo de recuperação de
custos, quando aplicável;
7. Parada de planta ou Plant Disruption na DHB considera-se para efeito de recuperação de custo conforme
requisito Plant Disruption do item 7.1;

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
47
7.7 Fretes Especiais

Em situações de falha nas entregas e/ou relacionadas a não qualidade de itens comprados que resulte em fretes
aéreos e/ou expressos da planta do fornecedor para a DHB e/ou da DHB para o cliente final quando aplicável, os
custos envolvidos são de responsabilidade do fornecedor, de acordo com formulário SQ905.
É de responsabilidade da área de PCP e/ou Logística a notificação do fornecedor e obtenção do aceite comercial
referentes aos custos envolvidos quando envolver fretes especiais para clientes da DHB.
É de responsabilidade da área Financeira o envio da cobrança e fechamento do processo de recuperação de custo
quando aplicável.

7.8 Renovação de Certificados de Qualidade

É de responsabilidade do fornecedor manter o EQF DHB informado e atualizado das alterações na certificação de
seu Sistema de Qualidade. Os certificados serão considerados ainda válidos até 60 dias após sua data de
vencimento, devido ao trâmite e logística necessários para uma certificação / recertificação. Após este prazo o
certificado será considerado como sem validade e o fornecedor terá um demérito na pontuação do IDGF a cada mês
em que não renovar os seus certificados, conforme item 7.1, no Índice de Qualidade dos Lotes Recebidos e poderá
ter bloqueado a sua liberação para fornecimento de peças para a DHB CA.
É requerido de todos fornecedores notificar o EQF DHB formalmente dentro de 10 dias do ocorrido, quando uma
não conformidade maior tiver sido encontrada durante uma auditoria de 3ª parte e/ou quando, por quaisquer
motivos, seu status de certificação for reprovado / revogado.

7.9 Comunicação com Fornecedores

A comunicação do fornecedor com a DHB deve ser feita preferencialmente no contato por telefone, com a
transmissão de dados via e-mail. Dependendo do assunto a ser tratado, devem ser localizadas as pessoas
conforme a relação a seguir:

• COMPRAS: assuntos relativos a contratos e negociações comerciais;


• PCP: volumes de produção, datas de entrega, fracionamento, etc;
• EQF: todo assunto relacionado ao desenvolvimento, melhoria contínua e eventuais problemas de qualidade do
produto e/ou processo;
• CQR: informações relativas a não conformidades.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
48
Alteração Descrição Revisão Data Aprovado

01 Revisão geral Daniel Weber 26/12/05 Fernando Katz

02 Alterado requisitos: G, H, I, O, Q, R Alexandre Ricardo 21/03/06 Fernando Katz

03 Revisão geral Fernando Lanzoni 28/06/07 Paulo Solano


Revisão geral e reorganizada em seções conforme
04 Fernando Lanzoni 04/04/08 Paulo Solano
os requisitos aplicáveis.
Item 5.1.4, pontuação ISO9001 de 79% para
05 Rafael Targanski 14/07/08 Paulo Solano
auditoria in loco.
- Acrescentado na capa do manual e no rodapé,
nota relativo à Cópia Controlada;
- Item 4.7 - revisado descrição relativa à Recall;
- Item 5.1.3 - Acrescentado referencia ao IDGF
como monitoramento de fornecedores;
- Item 5.2 - Análise Critica de Contrato, adicionado
o termo “incluído os requisitos desse manual”;
- Item 5.7 - Acrescentado parágrafo relativo ao uso
de DOE - Projeto de Experimentos para definição
das CPC´s;
- Item 5.9 - Revisado requisitos de rastreabilidade
de itens com características do tipo S/L;
- Item 6.1 - Auditoria de Processo, acrescentado
referencia ao IDGF e referencia a fornecedores
com EC N1 e EC N2.
- Item 6.5 - Acrescentado referencia ao Manual de
Embalagens DHB bem como endereço eletrônico
para acesso;
- Item 6.7 - Alterado título do item com a inclusão
de “Atualização de PPAP” e parágrafos reescritos
relativos a esse item;
- Item 6.8 - Gerenciamento de Não Conformidades
revisado descrição do último parágrafo
06 endereçando os custos para o item 7.5; Fernando Lanzoni 17/04/09 Paulo Solano
- Item 6.11 - Alterado o título para Desvios de
Especificações e acrescentado requisito de
submissão de análise de causa raiz e plano de
ação juntamente com a solicitação de desvio de
especificação;
- Item 6.12 - Acrescentado o item “Derrogas”;
- Item 7.1 - Acrescentado meta de 80 pontos
mínimos para o IDGF no ano de 2009. Revisado
Índice de Qualidade dos Lotes Recebidos -
acrescentado penalizações para status de EC N1,
EC N2, Parada de Planta, atraso na atualização de
certificados e atrasos na submissão de PPAP bem
como definições e responsabilidades;
- Acrescentado Item 7.2 - PEMIF;
- Item 7.3 - Embarque Controlado - acrescentado
referencia o IDGF nos critérios para aplicação dos
Embarques Controlados;
- Item 7.5 - Recuperação de Custos - revisado e
redefinido critérios para Custos Padrões e Métodos
de Apuração dos Custos aplicáveis a fornecedores;
- Item 7.6 - Fretes Especiais, acrescentado item e
definições;
- Item 7.7 - Acrescentado item relativo a Renovação

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores
49
de Certificados de Qualidade, Ambiental e/ou
Licença de Operação.
- Item 4.4 – Incluído requisito sobre relações do
trabalho;
- Item 5.1.1 – Removido critério de auditoria de
ASGQ;
- Item 5.1.3 – Alteração da meta de IDGF de 80
para 85 pontos no critério de avaliação;
- Item 5.8 – Alteração dos requisitos para
Fornecedores - Tier 2;
- Item 6.7 – Substituída etiqueta de identificação
07 SQ100 por SQ011; Fernando Lanzoni 10/06/10 Paulo Solano
- Item 7.1 – Alteração da meta de IDGF de 80 para
87,5 pontos e incluído avaliação do EQF
juntamente na avaliação de Tecnologia. Revisadas
situações de Plant Disruption;
- Item 7.2 – Revisado pontuação Matriz Q;
- Item 7.6 – Revisada tabela de encargos e
observações / premissas;
- Item 7.7 – Incluído formulário para apuração dos
custos.

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Junho 2010


Engenharia de Qualidade de Fornecedores