Você está na página 1de 3

AULA 9: Carta a Sardes (Ap. 3.

1-6)

Introdução (contexto da cidade)


- Sardes era uma cidade rica com uma grande comunidade judaica cheia de privilégios de Roma e muitos
cidadãos ricos.

Ordem para escrever (v.1a): “E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve”
Atributo de Cristo (v.1b) - “Isto diz” o que tem os 7 espíritos de Deus, e as 7 estrelas – Aqui quem fala é Jesus
Cristo que tem o Espírito Santo (doador de vida plena e santa) e tem a autoridade máxima sobre a liderança da
igreja (soberano). Eu sou o Senhor da vida e da própria autoridade da Igreja. Não é Artêmis ou César que é o
doador da vida ou autoridade máxima sobre vocês, mas Eu, Jesus Cristo.
Aspecto positivo/elogio a virtude (v. 1c) - “conheço tuas obras” que tens nome de que vives, e estás
morto”. Esta é ironia, quando ela pensava ser elogiada ela é criticada pelo doador de Vida (o que tem os 7
espíritos). Nos surpreende, porque o único ponto positivo desta igreja que Cristo mostra é o ponto negativo
(defeito). Vocês são bons/ótimos em serem ruins!

Eles viviam uma vida falsa (de aparência), uma contradição entre o que os de fora falavam sobre ela, viva, e
o que ela realmente era, morta. Deus tem pleno conhecimento de sua real situação. Para o padrão do mundo era
viva, mas para o padrão de Deus, morta. Para voltarem a uma verdadeira vida (santa) devem submeter-se aquele
que tem o Espírito Santo que dá a vida de volta (7 espíritos; contra Artêmis) e devem buscar o nome daquele tem
a autoridade da igreja (7 estrelas na destra; contra César). Existem aos menos três paralelos entre a cidade e aquela
igreja:

 História da cidade/igreja: vivia da boa reputação/aparência do passado (a cidade era rica e poderosa, assim a igreja
era tinha boa reputação, mas suas obras não eram nada boas/santas). Talvez fossem no passado, mas agora não
mais.
 Templo a Ártemis (ou Cibele): competia com o enorme templo de Éfeso, padroeira de Sardes e deusa da Anatólia.
Muito de sua vida religiosa girava em torno da adoração da natureza (ciclo de fertilidade e vida além da morte). Um
interesse especial pela vida/morte e pela imortalidade. O padrão do que é vida não é Deus, mas um ídolo.
 Cemitério famoso: nos arredores da cidade onde se enterravam antigos reis. Sardes era como aquele cemitério e não
uma igreja viva.

Aspecto negativo/crítica ao pecado - “tenho contra ti” – não tem porque o único aspecto positivo é falso, ela não
é viva, mas aparenta ser.
A igreja de Sardes é o oposto de Pérgamos e Tiatira em relação a quantidade de fieis. Naquela alguns
poucos não se contaminaram nestas havia os seguidores de Balaão e Jezabel e mesmo assim foram elogiadas.
A igreja de Sardes em seu fim.

Ordem p/ se arrepender/solução (vv.2-3a)


 Vigie (Sê vigilante, atento, acorde! Se comprometa radicalmente até a volta de Cristo!)
 Fortalece resto ou restante (confirma, pessoas ou coisas prestes a morrer)

Ajam rápido enquanto ainda há tempo! Deus é o juiz que encontrou as obras dos cristãos de Sardes
“incompletas”, em quantidade, e qualidade. Para uma vida santa eles deixam muito a desejar. A maior parte da
igreja já está morta (pessoas e obras), mas uma minoria permanece com alguma vida, por pouco tempo, é uma
igreja que está morrendo. Os poucos justos devem se levantar como missionários em suas próprias igrejas para
despertar os mortos. Nós temos esta responsabilidade.
Portanto, pois
 Traga a memória (Lembra-te do recebido O recebido e ouvido fora a Palavra de Deus (no
e ouvido); passado). Logo deve-se trazer a memória, obedecer e
 Obedeça (Guarda-o); mudar de acordo com a Palavra de Deus sabermos o
 Mude, de mente e atitude (Arrepende-te) que é vida, a vida só é de verdade se for santa.

Juízo/desobediência (3b) E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti
virei.
A cidade era uma fortaleza militar em um alto cume quase inconquistável (460 metros de três lados e no
quarto lado um declive enorme). Os soldados invadiam a fortaleza pelo despenhadeiro de surpresa, abriam as
portas e destruíam a cidade. Se vocês não vigiarem Eu virei como os ladrões do passado e destruirei vocês
quando vocês menos esperarem! Temos que estar prontos/preparados para o julgamento de Cristo para que Ele
encontre uma igreja verdadeiramente viva! Só estamos prontos quando vigiamos a nós mesmos, caso contrário
nos tornamos inimigos de Deus!

Para entender os vv. 4-5 precisamos entender que:

“Vestes brancas”:
- Tingir lã em Sardes (invenção, centro e fonte de riqueza).
- Roupas para celebrar vitórias militares dos cidadãos.
- Santidade (sacerdote) e glória (novo corpo iluminado, brilhante): Manifestação do caráter santo. Assim como a
roupa me cobre, as vestes brancas cobrem meu espírito e expressam meu status.

Nome:
- Reconhecimento de Cidadania (Depósito de registros de nomes de cidadãos e oficiais, foi capital de impérios
passados); (aceito, recompensado e lembrado)
- Fama e prestígio (queriam que seus nomes fossem lembrados e ligados a César ou Artêmis – moeda com rosto e
inscrição sardes cesariana e templo dedicado a César, mas perdido p/ Esmirna);
- Identidade (o nome expressa quem a pessoa é)

(v.4) Mas também tens em Sardes algumas poucas pessoas que  remanescente fiel
- não contaminaram suas vestes (estado de santidade, as vestes refletem seu status social, mas aqui diante de
Deus)
- comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso (a veste branca do presente garante a veste branca do
futuro, a santidade garantirá o cortejo da vitória militar)
Recompensa/obediência (desafio p/ vencer) (v.5) O que vencer será (perseverar até o fim):
- “vestido de vestes brancas” (receberá um novo corpo, santo, perfeito e andará com Cristo celebrando sua vitória).
Na cidade e na igreja as pessoas só conheciam a derrota e um triunfo passado, mas agora andarão com Cristo em
seu cortejo triunfal.
- “de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida” (certeza da vida e cidadania eterna) –
Riscar/remover o nome estava associado a exclusão, condenação e apagar da memória de um povo. Logo a pessoa
que tiver seu nome riscado será excluída, condenada e esquecida por Deus na morte eterna (21.17; 20.15). O livro
da vida contém os nomes e as obras dos cidadãos dos céus, logo quem tiver seu nome escrito será aceito como
cidadão dos céus, recompensado e lembrado por Deus e viverá eternamente com Ele, com uma nova identidade.
- “confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos” (certeza da comunhão com Deus). Jesus
mesmo irá confessar nossa inocência diante do Pai e de seus anjos que destruirão este mundo e ajuntarão aqueles
que são seus para seu Reino.
Muitos se tornaram desqualificados para adorarem a Deus em comunhão com seu povo e assim o desonram
em seus corpos quando dizem ser igreja. Alguns poucos não se sujaram com o pecado (idolatria = imoralidade).
Eles se recusaram a se misturar com o mundo permanecendo fieis a Jesus Cristo. Por viverem de maneira digna
(por permanecerem puros e pelas obras completas) participarão de uma nova vida em pureza alcançada pela vitória
em Cristo (“comigo andarão de branco”). Na cidade e na igreja as pessoas só conheciam a derrota e um triunfo
passado, mas agora andarão com Cristo em seu cortejo triunfal. Os que permanecem santos (estilo de vida e
comportamento) são os vitoriosos que herdarão a vida eterna em um novo corpo! Os que adoram ao Cordeiro e
não Satanás (21.17; 13.4,8), estes são os vencedores. Estar no livro = sacrifício de Cristo + perseverança do fiel.
Comportamento é adoração! Logo as vestes refletem o seu modo de adorar e quem você adora. Quando estivermos
perfeitos adoraremos a Deus em perfeição! Se você pertence a igreja de Cristo você se comporta como tal, você
usa “vestes brancas”. O seu comportamento deve condizer com que grupo você diz participar.

Advertência profética p/ ouvir/obedecer a Deus (v.6) - “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”

Conclusão (aplicação)-Da identidade de Cristo a Igreja extrai sua prática, a verdadeira adoração
- Propósito e modelo de vida santo ou sujo? De Deus ou do mundo? Sardes pensavam serem vivos, mas
A metáfora da morte no presente e no futuro na Bíblia.
- Os nomes e o nosso tempo. As pessoas de Sardes se preocupavam tanto que se seus nomes estariam em tudo ou
de que o nome de César estivesse em tudo que fosse deles, mas eles deveriam se preocupar com seu nome escrito
no livro da vida e ter o seu nome conhecido diante de Deus e ligado a Deus!
- Formação da nossa identidade/personalidade/vida pela associação com pessoas e seus nomes. Aqueles que
permanecem fiéis a Cristo têm uma nova identidade, uma nova cidadania e um novo futuro.
- Prestígio e reconhecimento dos homens e não de Deus, por isso não alcançamos a santidade.
- Culto a personalidade; quem são os ídolos de nossa época?
Mídia: Atleta (Jogador de Futebol): TV (Ator/apresentador), Músico, Redes sociais, Político. Imitação de
modelos, seja cristão em qualquer lugar, avalie e retenha o que é bom. Não viva um cristianismo morto. Os
ídolos matam a nossa vida em Cristo. Somente Ele pode nos dar vida (eterna) e é a principal autoridade que
devemos obedecer e querer sermos parecidos
- O centro da vigilância é sabermos que Ele voltará, mesmo não sabendo quando e que é soberano sobre nossas
vidas. É o cerne da vigilância: reconhecer a supremacia de Cristo em todas as coisas (estrelas em suas mãos)

Você também pode gostar