Você está na página 1de 6

PARA ENTENDER

O MARCO TEMPORAL

O QUE QUER DIZER MARCO TEMPORAL?

No dia 28 de outubro de 2020 está marcado, no Supremo Tribunal Federal, o


julgamento do MARCO TEMPORAL sobre os direitos indígenas às suas terras.
É uma data que marca um tempo — No caso a data é o dia 05 de outubro de
1988 – quando foi aprovada a atual Constituição Federal Brasileira.
Mas esse tema para os povos representa muito mais que uma simples
data, porque a depender do que for aprovado poderá mudar radicalmente o
presente e o futuro desses povos.

Os ministros do STF vão decidir se o direito dos indígenas às terras está


relacionado exclusivamente a data de 05 de outubro de 1988 ou se os
indígenas possuem direitos originários sobre às terras.

O QUE O ESTÁ SENDO DISCUTIDO NESSE JULGAMENTO?

Os ministros do STF vão dia 05 de outubro de vias administrativas


julgar e decidir se os 1988 para ter direito a ou judiciais. Mas
indígenas possuem o elas. isso precisa ficar
direito originário sobre as Caso não estivessem bem demonstrado
t e r r a s q u e ocupando a terra (Essa disputa
tradicionalmente ocupam naquela data, deveriam definida com
ou se os povos deveriam estar lutando por elas, Esbulho Renitente).
estar ocupando a terra no seja em disputas nas
Página 2

SE OS INDÍGENAS FORAM EXPULSOS OU TRANSFERIDOS


ANTES DE 1988 ELES PERDERIAM O DIREITO ÀS TERRAS?

Se aprovado o MARCO diversas ações para 1988. Se aprovado o


TEMPORAL, sim. Os recuperá-la, como Marco Temporal os
indígenas não teriam mais retomadas, conflitos Guarani perderiam o
direito a elas, porque não armados ou não. perderiam o direito
estavam em cima da terra No caso das terras sobre elas ou o direito
na data de 05/10/1988. A Guarani alagadas pela de serem reparados.
não ser, como dito acima, Itaipu
que naquela data eles Binacional em
tivessem com uma ação 1982, os
judicial tramitando Guarani não
pedindo a devolução da podiam estar
mesma ou desenvolvendo sobre elas em

POR QUE UMA PARTE DOS INDÍGENAS NÃO ESTAVA NA


TERRA EM 05 DE OUTUBRO DE 1988?
Os indígenas foram expulsos de suas assentar camponeses como no caso
terras em diferentes contextos: do Guarani kue em Foz do Iguaçu;
• Construção de hidrelétricas, cujas • Expulsos pelos governos estaduais –
terras estavam alagadas naquela a exemplo do Governo Brizola (RS) e
data; Lupion (PR) que reduziram e
• Expulsão por empresas extinguiram terras indígenas;
colonizadoras, fazendeiros e • Transferidos pela pelo SPI e Funai.
colonos, muitos inclusive foram Vários casos de transferência, como
expulsos sob fogo armado; os Xavante da terra de
• Expulsão pelo INCRA – vários Marãiwatséde; os Guarani do Araçai
casos no Brasil em que o Incra (SC), Lope`ì (PR) e muitos outros
expulsava os indígenas para casos.
Página 3

POR QUE OS INDÍGENA NÃO ACIONARAM A JUSTIÇA OU


BRIGARAM PELAS TERRAS (ESBULHO RENITENTE)

Os indígenas eram Os indígenas Os Indígenas que


considerados, pelo não podiam entrar com ousassem reclamar
Código Civil de 1916, ações judicias por serem eram perseguidos e
como “Relativamente tutelados; até assassinados
Incapazes – (crianças ou Durante o regime como ocorreu com o
de menor)” – eram militar no Brasil 1964 – Xokleng Brasílio Priprá
impedidos de entrar com 1985 os indígenas que na década de
ação judicial; sequer tinham 1950 foi ao Rio de
Pelo regime possibilidade de se Janeiro denunciar o
tutelar quem reunir. Eram proibidos de chefe de posto que
representava e decidia fazer reuniões, encontros estava entregando as
pelos indígenas era o e assembleias. Nas terras do seu povo
Estado, através do assembleias que para madeireiros e no
Serviço de Proteção aos ocorreram a partir de regresso foi
Índios (SPI) e pela 1974 várias indígenas assassinado no interior
Fundação Nacional do foram perseguidas por da TI. Outros foram
Índio (FUNAI) só eles parte da Funai, Polícia assassinados por
podiam entrar com ações Federal e do Serviço fazendeiros como
judiciais, mas no geral Nacional de Informação Marçal de Souza
eles concordavam com (SNI); Tupa`i;
as expulsões;
Página 4

Importante:
No dia 28 de outubro o STF vai iniciar o julgamento do Recurso Extraordinário (RE)
1.017.365 sobre a terra do Povo Xokleng Laklãnõ de Santa Catarina; Mas a decisão que for
tomada nesse julgamento pelo STF julgamento pelo STF valerá para todo o Brasil. Isso se
chama REPERCUSSÃO GERAL.

COMO DESCONSTRUIR ESSE ARGUMENTO

FOI A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 QUE CRIOU O DIREITO


ORIGINÁRIO?
1. Não. O direito originário sobre as terras vem da tradição europeia. A Constituição Federal de
1988 apenas reconheceu que esse direito é legitimo. No Brasil a primeira vez que esse direito foi
reconhecido e explicitado, ocorreu em 01 de abril de 1680.

2. O DIREITO ORIGINÁRIO fez parte da Lei de Terras de 1850, quando foi Instituída no Brasil a
propriedade privada da terra;

O Alvará Régio da Coroa portuguesa de 1º de abril de 1680 reconhecia expressamente


aos índios como “os primeiros ocupantes e donos naturais” das terras do Brasil

3. A Constituição Federal de 1934 também reconheceu o direito originário. É a primeira vez que
aparece em uma Constituição no Brasil:

Art 129 - Será respeitada a posse de terras de silvícolas que nelas se achem.
permanentemente localizados, sendo-lhes, no entanto, vedado aliená-las.

4. A Constituição de 1988 apenas ratificou esse direito já reconhecido e mudou o conceito de


PERMANENTEMENTE ocupadas, para TRADICIONALMENTE ocupadas. Justamente por
entender que muitos povos tinham seus umbigos enterrados em locais que não podiam ocupar
Página 5

POR QUE ENTÃO OS RURALISTAS DO AGRONEGÓCIO


QUEREM O MARCO TEMPORAL.

1. Porque se aprovado, o 3. Porque eles dizem os que e desejam retomá-las;


agronegócio ficará com indígenas não trabalham; 6. Porque eles têm medo da
muito mais terras para 4. Porque o agronegócio é História, sabem que
produzir transgênicos contra o meio ambiente grande parte das terras
para exportação, preservado, desejam foram tomadas com
aumentando seus lucros; apenas o lucro; violência;
2. Porque eles dizem que os 5. Para que os indígenas 7. Porque há muito
indígenas já possuem não reivindiquem as terras preconceito contra os
muita terra; das quais foram expulsos povos indígenas.

OS INDÍGENAS OCUPAM MUITA TERRA E QUEREM TODO O BRASIL


DE VOLTA?

1) Esse é um argumento muito usado pelo agronegócio, mas ele é mentiroso;


2) Os indígenas ocupam atualmente cerca de 13% do território Nacional, os não
indígenas ocupam 87%. Dos 13%, quase que a sua totalidade está na região
amazônica. As terras indígenas não são apenas para os indígenas, são também
lugares de preservação da flora, fauna e da água, tão importante para a vida no
planeta;
3) Nas região Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil os indígenas ocupam cerca de
0,5% do território regional. As terras pequenas não permitem a sobrevivência
física e cultural;
4) Mesmo demarcando todas as terras reivindicadas pelos indígenas nas regiões
Sul, Sudeste e Nordeste, não chegaria a 1% do território;
5) Recuperar todo o Brasil é fantasia dos ruralistas, porque sabem que muitos
povos desapareceram e os procedimentos de demarcação seguem normas
jurídicas bastante rígidas e específicas;
O QUE FAZER?

- Produzir pequenos vídeos contando a história como o seu povo teve suas terras
roubadas; comente se o SPI ou a Funai defendeu o direito de seu povo por que desejam
recuperar essas terras, qual a importância delas.
- Escrever e-mail aos ministros do STF pedindo que reafirme o direito originário.
Divulgar nos seus contatos e enviar para nosso e-mail para reproduzirmos:
observatorio.indigena@unila.edu.br
https://www.facebook.com/observatorioindigenanaamericalatina ou
comunica@cimi.org.br
https://www.facebook.com/conselhoindigenistamissionario

• MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL


TRIBUNAL FEDERAL (STF) LUIS FUX - FEDERAL (STF) ROBERTO BARROSO
gabineteluizfux@stf.jus.br audienciamlrb@stf.jus.br
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
FEDERAL (STF) GILMAR MENDES -
(STF) EDSON FACHIM
audienciasgilmarmendes@stf.jus.br
gabineteedsonfachin@stf.jus.br
• MINISTRA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL
(STF) ROSA WEBER
FEDERAL (STF) ALEXANDRE DE MORAIS -
audienciasrw@stf.jus.br gabmoraes@stf.jus.br
• MINISTRA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
(STF) CARMEM LÚCIA • MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL
audienciagabcarmen@stf.jus.br FEDERAL (STF) RICARDO LEWANDOLSKI -
audiencia.mrl@stf.jus.br
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
(STF) DIAS TOFFOLI
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL
gabmtoffoli@stf.jus.br
FEDERAL (STF) MARCO AURÉLIO MELLO -
• MINISTRODO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL audienciagabmmam@stf.jus.br
(STF) ALEXANDRE DE MORAIS
gabmoraes@stf.jus.br • MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL FEDERAL (STF) ROBERTO BARROSO -
(STF) RICARDO LEWANDOLSKI audienciamlrb@stf.jus.br
audiencia.mrl@stf.jus.br
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL
• MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL FEDERAL (STF) GILMAR MENDES -
(STF) MARCO AURÉLIO MELLO audienciasgilmarmendes@stf.jus.br
audienciagabmmam@stf.jus.br

Contatos:
observatorio.indigena@unila.edu.br
comunica@cimi.org.br
Fotos: acervo do Cimi