Você está na página 1de 7

A RECORDAÇÃO DE LENDAS POPULARES E SUA IMPORTÂNCIA NA

ATUALIDADE

Cezar Augustos Auriquio


Luis Felipe Beraldo
Daniel Ferreira Guimarães
Henrique Ferreira Guimarães
Vitoria Moncaio
Bruno Vaamonde Villar Siqueira

Resumo

O presente estudo busca ressaltar a importância da preservação de mitos e contos populares


brasileiros, tendo em vista que são elementos intrínsecos à construção cultural do país e que
podem ser dotados de novos significados ou funções na sociedade contemporânea, servindo
desde como base para ações afirmativas que tratam de temas atuais, até como potenciais
fomento para o mercado audiovisual, posto que algumas obras a serem citadas obtiveram
sucesso em utilizar essa ampla fonte de inspiração narrativa e artística em tempos recentes.
Em um primeiro momento, será contextualizado como certos tipos de Lendas e Contos
populares perderam certa força ultimamente, apontando possíveis fatores que contribuem para
tal, em seguida, um exemplo real da ressignificação de uma lenda folclórica para um contexto
contemporâneo e por último obras audiovisuais que retratam o tema, como forma de
demonstrar a possibilidade da exploração deste como fonte de inspiração.

Palavras-chave: Folkcomunicação; Cultura Popular; Lendas Populares; Ressignificação;


Produção Audiovisual.

Introdução
Lendas e Contos Populares no Brasil

O fato de que o Brasil é um país que conta com amplo acervo cultural é uma noção
mundialmente difundida. Diferente de muitos países, principalmente aqueles do velho mundo,
aqui podemos identificar a ocorrência do encontro de múltiplas facetas culturais, oriundas do
enorme território que as bordas nacionais delimitam e da diversidade de povos – tanto nativos
como de ascendências estrangeiras – que aqui habitam. E esta colisão de culturas presta ao
serviço de expandir e trabalhar mais ainda sobre a herança que cada povo sujeito a ela traz
consigo.

Isto posto, temos que muitas vezes a relevância de algumas expressões culturais
percebidas outrora é deixada de lado, em favor do consumo de produtos oriundos da indústria
cultural presente no cenário globalizado atual. Um exemplo destes elementos são as Lendas
Urbanas, os Contos Populares, que durante muito tempo representavam uma parcela de
grande importância da produção cultural de nosso país.

Percebe-se a importância que estas histórias têm ao tomar conhecimento do conceito de


Folkcomunicação1, no que tange ao “processo de intercâmbio de informações e manifestação
de opiniões, ideias e atitudes da massa, por intermédio de agentes e meios direta ou
indiretamente ligados ao folclore” (BELTRÃO: 2004, p. 47):

A identidade do povo era impressa - bem como em outras expressões culturais – neste
tipo de narrativa. Nele é possível traçar o perfil dos seres humanos das épocas das quais estas
lendas são oriundas, suas preocupações, prioridades e sua ótica a respeito do que os rodeava.

O impacto da Globalização sobre a Cultura Popular

Hoje, principalmente as camadas mais jovens, percebe-se que os aspectos citados


anteriormente por Beltrão são cada vez mais homogêneos ao redor do mundo. Os meios de
comunicação transcontinentais permitem que as ideias sejam transmitidas universalmente,
mas ao mesmo tempo, torna clara a necessidade de preservar aquilo que origina das
comunidades enquanto grupos menores.

1
Termo cunhado pelo professor Luiz Beltrão de Andrade Lima em 1967
Para tanto, é necessário tornar novamente relevante nossa herança cultural, interpretá-la
de forma sobreposta a questões do mundo contemporâneo e expô-la de formas que captem o
interesse de novas gerações. Em tempos de globalização, é possível construir um novo olhar
em relação à prática das culturas populares. (MACIEL; DA SILVA: 2009, p. 8)

Pode-se observar que este processo se dá de forma orgânica com algumas formas de
expressão – inclusive aproveitando-se do mundo globalizado – como a música ou as artes
plásticas, nas quais os artistas se prestam a retomar elementos culturais do passado e aplicar a
eles elementos novos - exemplo observável no disco Trama Sessions (VÁRIOS: 2003, Samba
Loco Records, 1 CD), que mistura de elementos do samba com drum ‘n’ bass2.

Ressignificação: Atribuindo à Lenda de Outrora, Relevância na Contemporaneidade

Um primeiro passo em direção ao resgate da herança cultural presente nas Lendas e


Contos populares é ressignificá-las. Este processo diz respeito à mudança de mentalidade
daqueles que passam as Lendas e Contos adiante, que devem visualizá-los através de um filtro
atualizado, identificando formas de encaixar tópicos relevantes e explorar temas relevantes
utilizando estas lendas como pano de fundo como era feito na época da concepção destas.

Um exemplo da aplicação prática da ressignificação sobre um Conto Popular foi o


trabalho realizado pelo Professor Julio Cezar Pereira Araujo, que ministrava a disciplina de
informática educativa em uma escola particular do estado do Rio de Janeiro. Neste trabalho,
aplicado aos alunos do 5º ano do ensino fundamental, foi eleita a lenda do Boto Cor-de-Rosa,
típica do Amazonas e foi determinado que estes alunos identificassem temas abordados por
ela.

Julio recebeu como respostas de seus alunos que na história do boto estavam presentes
tópicos como “meio ambiente, formas da utilização da água, formas do cultivo de peixes,
animais em extinção, dentre outros” (ARAUJO; JULIO: 2018). Em seguida, ele suscitou a
questão do abuso sexual, como uma possível mensagem carregada pela lenda.

De forma adequada à faixa etária dos alunos, o professor discorreu sobre o tema e
apresentou dados presentes no Anuário Brasileiro de Segurança Pública do ano de 2016 para
que os estudantes entendessem quão presente na sociedade atual é este tema.

2
Drum and Bass é um gênero de música eletrônica que se originou na metade dos anos 90 na Inglaterra. O
gênero é caracterizado por batidas rápidas, próximas a 170 BPM.
Partindo destes dados, evidenciei uma proposta para ressignificar a lenda: Estaria
certo pensar que a gravidez das ribeirinhas talvez não tenha sido consentida, mas
que possa ser fruto de um abuso sexual cometido pelo Boto? Mas o Boto não sendo
humano, com quem ficará com a responsabilidade paterna?
(ARAUJO; JULIO: 2018, p3).

Por fim, fica evidente que o trabalho realizado pelo professor Julio
A Representação Audiovisual da Cultura Popular

No tocante às Lendas e Contos, o recurso do Cinema e Audiovisual é o que talvez seja o


mais apropriado: Primeiro, a própria natureza do meio é ideal para contar as narrativas e
segundo, a mídia é de enorme visibilidade atualmente, já que o consumo de filmes e vídeos
em geral é um dos principais meios de entretenimento do jovem contemporâneo.

Na medida em que os meios de comunicação de massa passam a se apropriar dos


elementos da cultura popular e do folclore como estratégia para se aproximar de seu
público, somando a sua capacidade de persuasão tradicional o elemento familiar e
muitas vezes, inusitado, da cultura. Quem se aventura a embarcar nesta viagem?
(MACIEL: 2007, p10).

A fim de sanar a questão suscitada pela professora Betania Maciel, em seu artigo para o
XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (2007), serão expostas neste trabalho
duas obras audiovisuais, que são perfeitos exemplos de produções que buscam retomar
Lendas Populares, preservando-as enquanto patrimônio histórico e trazendo nova importância
a elas.

Primeiramente, temos o caso do trabalho de Conclusão de Curso da professora Maria do


Carmo Freitas, concluinte do curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal
do Pará (UFPA), que celebrando sua ascendência quilombola, produziu fascinantes curtas de
animação3, em conjunto com alunos do PARFOR. Estas animações contam histórias que
permeavam a infância e a cultura da professora e que agora fazem parte da das crianças
envolvidas no projeto.

3
Disponíveis em [https://www.youtube.com/channel/UCfZPlcK17ScMCt3Wiz7R2Mg/videos]. Acessado em
12/10/2019
Corroborando com o argumento, Ida Hamoy, coordenadora do curso de artes visuais do
PARFOR comenta que “é uma geração jovem que começa a perceber o quanto essas novas
tecnologias podem trazer de volta uma linguagem que talvez estivesse esquecida”4.

Outro caso importante é o do filme curta metragem “A Moça que Dançou com o Diabo”
(Diretor: João Paulo Miranda Maria , Produção: Fernanda Tosini, Grupo Kino-Olho, 2016, 14
minutos), produzido pelo Grupo Kino-Olho, baseado na cidade de Rio Claro/SP. O filme
reconta a lenda homônima, famosa no interior de São Paulo, mas com uma nova roupagem,
situando a história em um palco mais moderno e trazendo mudanças na narrativa original, de
forma a tratar de temas recorrentes na atualidade, como é deixado claro na resenha de
Amanda Martinez:

A Moça que Dançou com o Diabo acerta ao encontrar o equilíbrio de um filme que


entretém de forma construtiva e, a partir de uma história simples, faz sua crítica, sem
cair em uma linguagem óbvia ou abstrata demais. Uma espécie de sátira ao
fundamentalismo religioso, o filme se apresenta em um momento historicamente
importante no Brasil, onde cresce o conservadorismo e a influência religiosa na
política, e acaba por contribuir de forma excepcional para esse debate.
(Disponível em: [http://cinefestivais.com.br/criticas/a-moca-que-dancou-com-o-
diabo-de-joao-paulo-miranda-maria/], acessado em 15/10/2019)

Outra forma interessante de explorar o audiovisual como médium para a transmissão da


Cultura Popular brasileira é em jogos eletrônicos, uma forma de entretenimento que encontra
cada vez mais espaço no país - já que cada vez mais o acesso a consoles e computadores é
facilitado ao consumidor, fato acompanhado do crescente interesse no desenvolvimento de
jogos virtuais por desenvolvedoras independentes.

Para este meio de comunicação o exemplo selecionado foi o jogo The Last NightMary –
A Lenda do Cabeça de Cuia5, produzido pela equipe independente Submersivo Game Studio e
apresentado como trabalho de conclusão para o curso de Artes Visuais da Universidade
Federal do Piauí no ano de 2015 e finalista no festival de jogos SBGames no mesmo ano.

Neste, acompanhamos a personagem Maria, que precisa escapar da criatura conhecida


como Crispim que, segundo a lenda originária do Piauí, amaldiçoa e persegue os habitantes
4
(Disponível em: [http://www.palmares.gov.br/?p=53579]. Acessado em 13/10/2019)
5
(Disponível para download em:
[https://store.steampowered.com/app/407300/The_Last_NightMary__A_Lenda_do_Cabea_de_Cuia/]. Acessado
em 29/10/2019)
do interior da região. O produto foi bem recebido pela comunidade até em escopo
internacional, visto que é disponível também na língua inglesa e, conforme a página do jogo
presente na loja da plataforma Steam, tem a maioria de suas avaliações por usuários positivas
fato que demonstra que ainda há interesse e espaço no contexto atual para as Lendas e Contos
populares.

Considerações Finais

Pode-se concluir dessa forma, que além da importância que tais Lendas representam do
ponto de vista de nossa herança cultural, elas podem encontrar novas aplicações nos dias de
hoje. Com o auxílio de artistas empenhados em cultivar esta herança, possuidores de mentes
que almejam abordar temas que afligem a sociedade de agora, estas histórias encontram novo
propósito de existir.
Referências bibliográficas

GOMES Gleidson, Folkcomunicação e mídia radical alternativa: uma reflexão sobre as


teorias de Luiz Beltrão e John Downing, Revista Internacional de Folkcomunicação –
Volume 2, 2010, disponível em:
[https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/1278], acessado em 15/10/2019.
MACIEL, Betania; DA SILVA, Rosi, Tradições e Apropriações das Culturas Populares
na Modernidade: A Lenda do Pantel da Mata, Intercom, Curitiba – PR, 2009, disponível
em [http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-3160-1.pdf], acessado em
15/10/2019.
MACIEL Betania, O papel da folkcomunicação na construção do desenvolvimento
regional, Santos/SP, 2007, disponível em
[http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2007/resumos/R0841-1.pdf], acessado em
15/10/2019.
MARTINEZ Amanda, Resenha: A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda
Maria, disponível em: [http://cinefestivais.com.br/criticas/a-moca-que-dancou-com-o-diabo-
de-joao-paulo-miranda-maria/], acessado em 15/10/2019
MONTEIRO Sebastião, DE LIMA Antonia, O Mito Na Formação Da Identidade,
disponível em [http://cefort.ufam.edu.br/dialogica/files/no1/Vol01-05-o mito na formacao da
identidade.PDF], acessado em 15/10/2019.
SANTANA, Mateus, Quilombola recria contos e lendas da Amazônia em vídeos de
animação, Fundação Cultural Palmares, 2019, disponível em: [http://www.palmares.gov.br/?
p=53579], acessado em: 15/10/2019.