Você está na página 1de 22

Administração

de Materiais
Material Teórico
Introdução à Administração de Materiais

Responsável pelo Conteúdo:


Prof.ª Me. Brena Bezerra da Silva

Revisão Textual:
Prof.ª Me. Luciene Santos
Introdução à Administração de Materiais

• Introdução à Administração de Materiais;


• Evolução da Administração de Materiais;
• Gestão de Materiais;
• Gestão de Materiais e Outras Áreas da Produção.

OBJETIVO DE APRENDIZADO
· Apresentar as definições, delimitações e importância estratégica so-
bre a administração de materiais.
Orientações de estudo
Para que o conteúdo desta Disciplina seja bem
aproveitado e haja maior aplicabilidade na sua
formação acadêmica e atuação profissional, siga
algumas recomendações básicas:
Conserve seu
material e local de
estudos sempre
organizados.
Aproveite as
Procure manter indicações
contato com seus de Material
colegas e tutores Complementar.
para trocar ideias!
Determine um Isso amplia a
horário fixo aprendizagem.
para estudar.

Mantenha o foco!
Evite se distrair com
as redes sociais.

Seja original!
Nunca plagie
trabalhos.

Não se esqueça
de se alimentar
Assim: e de se manter
Organize seus estudos de maneira que passem a fazer parte hidratado.
da sua rotina. Por exemplo, você poderá determinar um dia e
horário fixos como seu “momento do estudo”;

Procure se alimentar e se hidratar quando for estudar; lembre-se de que uma


alimentação saudável pode proporcionar melhor aproveitamento do estudo;

No material de cada Unidade, há leituras indicadas e, entre elas, artigos científicos, livros, vídeos
e sites para aprofundar os conhecimentos adquiridos ao longo da Unidade. Além disso, você
também encontrará sugestões de conteúdo extra no item Material Complementar, que ampliarão
sua interpretação e auxiliarão no pleno entendimento dos temas abordados;

Após o contato com o conteúdo proposto, participe dos debates mediados em fóruns de discus-
são, pois irão auxiliar a verificar o quanto você absorveu de conhecimento, além de propiciar o
contato com seus colegas e tutores, o que se apresenta como rico espaço de troca de ideias e
de aprendizagem.
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

Contextualização
Como as revoluções industriais contribuíram com a Administração de Materiais? Por que
Explor

algumas fábricas decidem administrar seus estoques em centros de distribuição espalhados?

Para responder a essas perguntas, precisamos entender o gerenciamento da


administração de materiais. Seremos capazes de respondê-las com o nosso estudo
desta apostila.

Na indústria ou no setor de serviços, há a necessidade de controlar adequada-


mente os materiais que fazem parte da empresa para minimizar os custos. Por bens
materiais, podemos entender todos os materiais tangíveis da empresa.

Introdução à Administração de Materiais


A Administração de Materiais compreende o agrupamento dos materiais, de vá-
rias origens, e a coordenação dessa atividade com a demanda de produtos ou servi-
ços da empresa. Desse modo, soma esforços de vários setores, que, naturalmente,
apresentam visões diferentes. Mesmo assim, pode-se concluir que uma empresa
englobaria todas as atividades relativas aos materiais, exceto as diretamente vincu-
ladas ao projeto, ou a manutenção dos dispositivos, equipamentos e ferramentas.
Em outras palavras, a Administração de Materiais inclui a maioria ou a totalida-
de das atividades realizadas dos seguintes departamentos: compras, recebimento,
planejamento e controle da produção, expedição, transportes e estoques. A mo-
vimentação dos produtos acabados ou semiacabados de uma unidade fabril para
outra ou da empresa para seu cliente também exige a coordenação entre demanda
e suprimento; esta coordenação constitui a distribuição física. Pode ser definido
como o transporte eficiente de produtos acabados do final da linha de produção até
o consumidor, incluindo em alguns casos também o transporte de matéria-prima
da fonte de suprimento ao início da linha de produção. Esse conjunto de atividades
engloba o transporte de carga, armazenagem, movimentação física de materiais,
embalagem, controle de estoque, seleção de locais para o armazém, processamen-
to de pedidos e atendimento ao cliente (DIAS, 2010).

Assim, segundo Dias (2010), a administração de materiais compreende as ati-


vidades de:
·· Compras;
·· Controle de estoque de matérias-primas;
·· Controle de estoque de componentes;

8
· Armazenagem de matérias-primas;
· Armazenagem de componentes;
· Controle de estoque nos centros de distribuição;
· Administração dos centros de distribuição;
· Planejamento dos centros de distribuição.

Slack, Chambers e Johnston (2009) complementam que o conceito de gestão


de materiais envolve a função compras, expedição, gestão de estoques, gestão de
armazenagem, planejamento e controle de produção e gestão de distribuição física.

Uma boa administração de materiais pode estar relacionada com boas condi-
ções financeiras em uma empresa. Segundo Francischini e Gurgel (2002), uma
administração de materiais deficiente utiliza mal os recursos financeiros escassos,
muitas vezes sem resultado na área produtiva ou, como é mais grave, no nível de
atendimento ao cliente. Quando se elabora um programa para a implantação de
administração de materiais, estabelecem-se objetivos financeiros e administrativos
bem definidos, conforme exemplificado por Francischini e Gurgel (2002):
· Eliminar totalmente itens sem movimentação, pela erradicação definitiva
das causas da existência de itens em estoque sem utilidade à produção ou
para a venda;
· Reduzir em 50% os investimentos em estoques, sem prejuízo da produção
e do atendimento aos clientes;
· Reduzir drasticamente as perdas de materiais na logística pela utilização de
técnicas de movimentação e acondicionamento;
· Obter um nível de serviço próximo de 100% no atendimento aos pedidos
dos clientes;
· Eliminar 50% do custo das embalagens dos materiais pela utilização de
novos sistemas de movimentação e abastecimento.

Assim, a administração de materiais eficiente é, sem dúvida, uma das condições


fundamentais para o equilíbrio econômico financeiro de uma empresa. Tratar ade-
quadamente do abastecimento, do planejamento e do reaproveitamento de mate-
riais contribui para a melhoria do resultado de qualquer organização.

Evolução da Administração de Materiais


A evolução de materiais passou por diversas fases. Primeiramente, devemos
entender que a administração de materiais faz parte da Gestão de Cadeia de
Suprimentos e Logística.

9
9
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

Explor
Logística é o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz
de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto
de consumo dos produtos/serviços com o propósito de atender às necessidades dos clientes
(BALLOU, 2006).
Já a Gestão de Cadeia de Suprimentos, ou, em inglês, Supply Chain Management, é um termo
que capta a essência da logística integrada, é a coordenação estratégica e sistemática das
tradicionais funções de negócios e das táticas ao longo dessas funções de negócios no
âmbito de uma determinada empresa (BALLOU, 2006).

Segundo Dias (2010), a Logística é dividida em Administração de Materiais e


Transporte e Distribuição Física. Dessa forma, a Administração de Materiais é um
subsistema da Logística.

Assim, para compreendermos a evolução da Administração de Materiais, pode-


mos entender a evolução da Logística.

Segundo Machine (2011), o transporte dos materiais – matérias-primas, produ-


tos em fabricação e produtos acabados – sempre mereceu atenção por parte dos
responsáveis pela gestão industrial, por ser assunto estreitamente ligado ao layout e
à estrutura física do prédio e por ter implicações na produtividade, na qualidade, na
segurança no local de trabalho e nos custos da operação. Em vista dos imperativos
operacionais e dos custos envolvidos, o transporte das matérias-primas, dos com-
ponentes e dos demais insumos, desde suas fontes até a fábrica, sempre foi tópico
essencial da administração da produção e constituiu um dos fatores mais relevantes
para a localização da indústria. Pelas mesmas razões, o escoamento dos produtos
acabados até os centros de consumo (distribuição) também exigiam, numa conside-
ração de máxima importância, a escolha da localização da empresa.

A escala crescente das operações nas décadas do pós-guerra, de 1945 adiante,


o advento de novos equipamentos e tecnologias de transporte, tais como a empi-
lhadeira de garfos, o transelevador, a paletização, as correias transportadoras, o
contêiner e os graus crescentes de mecanização e automação exigiam que se desse
um nível de atenção sempre maior ao transporte, tanto de entrada (input) quanto
interno e de saída (output). A engenharia de produção e a engenharia econômica,
que analisam os equipamentos e permitem determinar os mais adequados de for-
ma técnica e econômica, encontravam, na área de transporte, um fértil campo de
aplicações (MACHINE, 2011).

Nos Estados Unidos, na década de 1960, uma nova visão gerencial estava
alterando a percepção anteriormente dominante acerca da área de transporte.
Notava-se que a tarefa de entregar o produto na quantidade certa, no local certo,
na hora certa, incluía mais do que o transporte em si. A integração da gestão dos
estoques, do armazenamento, das compras, da produção, da comunicação e da
informação seria necessária para abastecer corretamente, ao mínimo custo possí-
vel. Em vez da única variável transporte, a equação do abastecimento necessitava

10
da introdução de mais variáveis. Os militares utilizavam o termo ‘logística’ para
designar o suprimento de munições e provisões às tropas nos campos de batalha.
Os resultados da logística militar, que havia contribuído decisivamente para a vitória
dos aliados na Segunda Guerra Mundial, incitavam as empresas a adotar seus en-
sinamentos. Também influiu na aceitação da nova visão logística a divulgação das
técnicas de pesquisa operacional. Essa área propunha a quantificação da gestão,
por meio da criação de modelos matemáticos para solução dos problemas adminis-
trativos complexos, como, em especial, os de transporte. Um problema típico era,
por exemplo: que fábricas ou que filiais deveriam abastecer quais mercados, para
minimizar os custos totais da operação? (MACHINE, 2011).

Dessa forma, surgiram diversas pesquisas sobre o transporte de mercadorias,


mas adicionado a isso o conceito de logística foi ampliado para a administração de
materiais, englobando assim, as dimensões de compras, gestão de estoques, arma-
zenamento, comunicação, informação e administração. Somada a essa ampliação,
as pesquisas e as empresas passaram a envolver diversas áreas empresariais e de-
cisões estratégicas voltadas para a logística, assim também uma nova concepção,
chamada cadeia de suprimentos (supply chain), surgiu na comunidade empresarial
e veio enriquecer o ponto de vista logístico.

Francischini e Gurgel (2002) complementam que com o surgimento da mecani-


zação, da busca pela produção mais eficiente e a automação, o excedente da linha
de produção se torna cada vez mais uma preocupação, e com isso a Administração
de Materiais se torna uma ferramenta fundamental para que exista o equilíbrio dos
estoques, para que não falte a matéria-prima, porém, não haja excedentes. Pode-
-se dizer ainda que a administração de materiais tem o objetivo de harmonizar os
interesses entre as necessidades de suprimentos e a melhoria dos recursos financei-
ros e operacionais das empresas.

Assuntos tradicionalmente ensinados sob os nomes de gestão de materiais, ar-


mazenamento, administração de almoxarifados, transportes também são engloba-
dos sob a denominação genérica de logística, ou cadeias de suprimento.

Gestão de Materiais
Do ponto de vista de gestão de materiais, os materiais constituem os insumos
básicos para que o processo produtivo possa transformar em produtos acabados.
Assim, representam a base fundamental do processo produtivo das empresas
industriais e o elemento básico de transformação.

O material parado ou estocado é material inutilizado, ao menos temporariamen-


te. Isso representa um custo adicional: o custo de apenas ter os materiais disponí-
veis sem utilização. O fluxo de materiais significa trânsito que todo material per-
corre, desde transformar em produto acabado no depósito de produtos acabados.

11
11
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

Aspectos do Fluxo de Materiais


Segundo Chiavenato (2014), o fluxo de materiais, tráfego interno ou transporte
interno de materiais representa toda e qualquer movimentação de materiais, desde
a aquisição de matérias-primas até a chegada do produto acabado em um plano lo-
gístico. A movimentação de materiais deve atender aos seguintes aspectos básicos:
1. Repor continuamente as matérias-primas nas linhas ou células de produ-
ção da fábrica.
2. Transportar o material em processamento pelos diversos postos de traba-
lho ao longo da empresa.
3. Encaixotar e armazenar materiais em função de limitações, como espaço
e tempo.
4. Utilizar uma abordagem integrada de sistemas que esteja ou não automa-
tizada, já que tem conexões com várias e diferentes áreas da produção.
5. Atender a procedimentos de segurança, seja para as pessoas envolvidas,
seja para os materiais, ou ainda para a própria continuidade da produção.
6. Levar em conta o aspecto econômico, pois a entrega de materiais e maté-
rias-primas no lugar certo e no tempo certo é indispensável para a eficácia
do sistema e para a garantia de baixo custo.

O fluxo de materiais interno e externo em uma empresa é representado na


Figura 1.

Figura 1 – Fluxo de materiais externo


Fonte: Chiavenato, 2014

Todo o processo produtivo envolve um fluxo de materiais. Quase sempre, o


fluxo envolve algumas paradas, ou passa por alguns gargalos da produção, nos
quais o material fica estacionado durante muito tempo.

12
Gargalo de produção é o ponto em que a produção é mais demorada, fazendo com que o
Explor

material fique parado por mais tempo.

O fluxo de materiais internamente é apresentado na Figura 2.

Figura 2 – Apresentação do fluxo de materiais na fábrica


Fonte: Chiavenato, 2014

Classificação dos Materiais


O fluxo de materiais faz com que os materiais se modifiquem gradativamente
ao longo do processo produtivo. À medida que os materiais seguem o fluxo, eles
podem ser classificados em diferentes categorias. Assim, de acordo com Chiavenato
(2014), os materiais se classificam em:
1. Matérias-primas;
2. Materiais em processamento e materiais semiacabados;
3. Materiais acabados ou componentes;
4. Produtos acabados;

A seguir, veremos cada um dos tipos de materiais separadamente.

Matérias-Primas
As matérias-primas são os insumos e materiais básicos que ingressam no processo
produtivo da empresa. Constituem todos os itens para o processamento da produção.

13
13
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

As matérias-primas variam de acordo com o tipo de produto a ser produzido, cada


setor da economia e cada tipo de indústria precisa estudar o melhor negócio na com-
pra de matéria-prima, analisando principalmente questões como: preço, condições
de entrega, qualidade, prazos e flexibilidade (CHIAVENATO, 2014).

A Figura 3 apresenta alguns tipos de matérias-primas para diferentes indústrias.

Figura 3 – Exemplos de matérias-primas


Fonte: Chiavenato, 2014

As empresas que vendem matérias-primas para as empresas que processam são


chamadas de fornecedores. Segundo Chiavenato (2014), quando a própria empre-
sa resolve produzir suas matérias-primas, ela passa a ser seu próprio fornecedor
interno. A isso se dá o nome de verticalização, que significa a inclusão de mais de
um estágio do processo produtivo, que antes era externo e agora passa a ser exe-
cutado pela própria empresa.

Materiais em Processamento
Os materiais em processamento são aqueles que estão sendo processados ao
longo do processo produtivo. Podem ser chamados também de materiais em pro-
cessamento. Uma vez que as matérias-primas passam pela primeira operação,
são chamadas de materiais em processamento até o término das operações.
Após as operações serem concluídas, os materiais em processamento irão
para o depósito e passam a ser materiais semiacabados ou materiais acabados
(CHIAVENATO, 2014).
Exemplos de produtos em processamento podem ser vistos na Figura 4.

14
Figura 4 – Exemplos de materiais em processamento
Fonte: Chiavenato (2014)

Há também a classificação de materiais em processamento quando estes estão


em estágio final do processo, que são os materiais semiacabados. Os materiais
semiacabados são materiais parcialmente acabados, diferem dos materiais em pro-
cessamento, pois se encontram quase acabados, faltando apenas algumas etapas
do processo produtivo para se transformarem em materiais acabados, ou em pro-
dutos acabados (CHIAVENATO, 2014).

Materiais Acabados ou Componentes


Os materiais acabados são também denominados de componentes, porque
constituem peças isoladas ou componentes já acabados e prontos para serem mon-
tados ao produto. Na realidade, são partes prontas ou pré-montadas que, quando
juntadas ou integradas, constituirão o produto acabado (CHIAVENATO, 2014).

Figura 5 – Exemplos de materiais acabados


Fonte: Chiavenato, 2014

15
15
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

Produtos Acabados
Os produtos acabados são os produtos já prontos e cujo processamento foi
completado inteiramente. Constituem os produtos em estoque final para serem
despachados ou disponíveis para clientes.

Então, os produtos acabados são aqueles materiais que passaram por todos os
estágios do processo produtivo, conforme mostra a Figura 6. Dessa forma, pode-
mos classificar os materiais na fábrica conforme seus estágios.

Figura 6 – Classificação dos materiais conforme os estágios de produção


Fonte: Chiavenato, 2014

A classificação dos materiais é importante uma vez que facilita a gestão dos ma-
teriais. Assim, o gestor poderá planejar adequadamente a quantidade necessária de
estoques para cada fase do fluxo dos materiais ao longo dos estágios de produção
e também os requisitos de acomodação para esses materiais, conforme apresenta
a Figura 7.

Figura 7 – Gestão dos materiais


Fonte: Chiavenato, 2014

16
A influência dos equipamentos e sistemas para a armazenagem na produtividade
industrial pode ser observada em todas as suas frentes. Um método adequado para
estocar matéria-prima, peças em processamento e produtos acabados permite di-
minuir os custos de operação, melhorar a qualidade dos produtos e acelerar o ritmo
dos trabalhos. Além disso, provoca redução nos acidentes de trabalho, redução no
desgaste dos equipamentos de movimentação e menor número de problemas de
administração (DIAS, 2010).

Gestão de Materiais e
Outras Áreas da Produção
A gestão de materiais engloba o fluxo de informações com outras áreas da
produção como o Planejamento e Controle da Produção (PCP), gestão financeira
da empresa, relacionamento com clientes e fornecedores e logística e entre outras.
De acordo com Gonçalves (2016), a administração de materiais tem uma grande
interface com diversos setores da empresa, como:
· A área financeira, considerando a necessidade de aporte de recursos para
a aquisição de diversos recursos, incluindo os materiais, que serão neces-
sários para a produção de bens e serviços;
· A produção propriamente dita e o PCP, responsável pelo fornecimento
das previsões de utilização dos diversos insumos, matérias-primas e com-
ponentes necessários para a fabricação dos produtos;
· A área de vendas, por representar o elemento-chave para definir o volume
de fabricação dos produtos e, consequentemente, estabelecer sua corres-
pondência quanto ao suprimento dos diversos itens;
· A área dos recursos humanos, em face da necessidade de suprir a área
de administração de materiais com o pessoal devidamente capacitado e
treinado ao exercício da função;
· A área de logística e distribuição, objetivando a articulação entre os pro-
cessos de fornecimento de produtos, produção e clientes, atendendo a
necessidade e expectativas dos clientes;
· A área de sistemas de informação e tecnologia da empresa, garantindo o
fluxo de informações confiáveis sobre a necessidade dos materiais. Com
a função de apoiar e manter os registros e informações necessárias aos
diversos órgãos da empresa, envolvendo as várias etapas do fluxo de su-
primento de bens, tanto destinados à produção quanto ao abastecimento
do mercado consumidor.

Assim, uma boa gestão de materiais envolve uma relação de confiança com as
diversas áreas da empresa e produção de modo a garantir a quantidade adequada
de materiais e no prazo necessário. As previsões de demanda e informações de

17
17
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

softwares de tecnologia e informação, sobre o andamento da produção usados na


área de PCP, devem ser compartilhadas com o gestor de materiais, a fim de garantir
o fluxo contínuo de produção e evitar a falta de materiais nos estágios da produção.

Dessa forma, a integração de todas as áreas da empresa pode garantir eficiência


e eficácia da gestão de materiais, levando a uma vantagem competitiva da empresa
e redução de custos.

Trocando ideias...Importante!
Lembra que fizemos duas perguntas no início desta unidade? As revoluções industriais
contribuíram muito para o desenvolvimento da Administração de Materiais, uma vez que
ajudaram a desenvolver tecnologias para armazenagem, gestão de estoques e transportes.
Graças às evoluções da tecnologia, conseguimos comprar itens por um determinado site de lojas
on line e receber nossos produtos em pequeno intervalo de tempo. A revolução da informática
também influenciou muito na administração dos materiais. As tecnologias de informação são
cruciais para o bom atendimento, uma vez que informam a quantidade de itens disponíveis,
para prometer e atender às necessidades dos clientes. Com o estudo do comportamento
dos clientes, as fábricas podem investir em diversos centros de distribuição e economizar com
transportes. Assim, uma fábrica poderá implantar diversos centros de distribuição para atender
seus clientes e reduzir custos de entrega.

Nas próximas unidades, iremos entender as principais áreas da gestão de mate-


riais e como garantir um bom planejamento de compras e estoques.

18
Material Complementar
Indicações para saber mais sobre os assuntos abordados nesta Unidade:

Livros
Administração de Materiais
LÉLIS, Eliacy Cavalcanti. Administração de materiais. São Paulo: Pearson Educa-
tion Brasil, 2016. (E-book)
Administração da Produção e Operações com Ênfase em Logística
SUZANO, Márcio Alves. Administração da produção e operações com ênfase em
logística. Rio de Janeiro: Interciência, 2013. (E-book).
From Waste to Sustainable Materials Management: Three Case Studies of the Transition Journey
SILVA, Angie. ROSANO, Micheli. STOCKER, Laura. GORISSEN, Leen. From waste
to sustainable materials management: Three case studies of the transition journey.
Waste Management, v. 61, pp. 547-557, 2017.
The Importance of the Administration of Materials in the Receipt and Dispatch of a Small Business Family Company
DOMINGUES, Marco Aurélio Zenardi. GIACAGLIA, Giorgio Eugenio Oscare. The
importance of the administration of materials in the receipt and dispatch of a small
business family company. Engineering Research: technical reports, v. 8, n. 6,
pp. 1-16, 2017.

19
19
UNIDADE Introdução à Administração de Materiais

Referências
BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. 5. ed. Porto
Alegre: Bookman, 2006. 616 p.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de materiais: uma abordagem introdutória. 3.


ed. Barueri, SP: Manole, 2014. (E-book).

DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística.


5. ed. São Paulo: Atlas S.A., 2010. 537 p.

FRANCISCHINI, Paulino G. GURGEL, Floriano do Amaral. Administração dos


materiais e patrimônio. São Paulo: Thompson Pioneira, 2002. 309 p.

GONÇALVES, Paulo Sérgio. Administração de materiais. 5. ed. Rio de Janeiro:


Elsevier, 2016.

MACHINE, Claude. Cinco décadas de logística empresarial e cadeia de suprimentos


no Brasil. Revista Administração de empresa, v. 51, n. 3, pp. 227 – 231, São
Paulo, 2011.

SLACK, Nigel. CHAMBERS, Stuart. JOHNSTON, Robert. Administração da


produção. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 703 p.

20

Você também pode gostar