Você está na página 1de 37

CURSO TÉCNICO de

ENFERMAGEM
MÓDULO II e III

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
NA SAÚDE DA MULHER

PREVENÇÃO DO CÂNCER DE
MAMA

JOSE MARCOS NUNES Assinado de forma digital por JOSE MARCOS NUNES
BENEVENUTE:01532955707
BENEVENUTE:01532955707 Dados: 2020.10.27 12:25:59 -03'00'

Professor José Marcos Nunes Benevenute


Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
É uma doença resultante da
multiplicação de células anormais
da mama que forma um tumor
com potencial para invadir outros
órgão.

Profº José Marcos - FAFIA


Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
EPIDEMIOLOGIA

O câncer de mama é o mais incidente em mulheres no mundo, representando 24,2%


do total de casos em 2018, com aproximadamente 2,1 milhão de casos novos. É a
quinta causa de morte por câncer em geral (626.679 óbitos) e a causa mais
frequente de morte por câncer em mulheres.

No Brasil, excluídos os tumores de pele não melanoma, o câncer de mama também é o mais
incidente em mulheres de todas as regiões. Para o ano de 2020 foram estimados 66.280
casos novos, o que representa uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100.000 mulheres.

Profº José Marcos - FAFIA


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

• Nódulo ou tumor no seio,


acompanhado ou não de dor;

• Alterações na pele-
abaulamentos, retrações ou
aspecto de “casca de laranja”;

• À expressão da papila,
secreção sanguinolenta;

• Nódulos palpáveis na axila.

Profº José Marcos - FAFIA


Prevenção e
diagnóstico precoce
podem fazer a
diferença!!!

Profº José Marcos - FAFIA


Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Fatores ambientais e Fatores da história reprodutiva e
Fatores genéticos e hereditários*
comportamentais hormonal
Obesidade e sobrepeso após a Primeira menstruação antes de 12 História familiar de câncer de
menopausa; anos; ovário;
Casos de câncer de mama na
Sedentarismo e inatividade física; Não ter tido filhos; família, principalmente antes dos
50 anos;
História familiar de câncer de
Consumo de bebida alcoólica; Primeira gravidez após os 30 anos;
mama em homens;
Exposição frequente a radiações Parar de menstruar (menopausa) Alteração genética, especialmente
ionizantes (Raios-X). após os 55 anos; nos genes BRCA1 e BRCA2.
Uso de contraceptivos hormonais
(estrogênio-progesterona);
Ter feito reposição hormonal pós-
menopausa, principalmente por
mais de cinco anos.
Profº José Marcos - FAFIA
Três passos para uma
Fatores protetores
vida melhor

Alimentação Atividade
equilibrada física
regular

Peso na
medida certa

Prevenção primária Profº José Marcos - FAFIA


Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Educação em
saúde é
primordial!

Você pode
fazer a
diferença!

Profº José Marcos - FAFIA


Profº José Marcos - FAFIA
Atenção primária Atenção terciária
educação (AEM) e ECM tratamento

Atenção secundária Reabilitação


ECM e diagnóstico

Profº José Marcos - FAFIA


Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Achados suspeitos de malignidade na
mamografia:

 nódulo denso, irregular ou espiculado


 microcalcificações pleomórficas
 distorção da arquitetura
 áreas densas assimétricas
 alterações cutâneas

Mamografia Profº José Marcos - FAFIA


Profº José Marcos - FAFIA
Ultra-sonografia
Profº José Marcos - FAFIA
Tratando o câncer deProfºmama
José Marcos - FAFIA
Estadiamento

Estádios I e II
A conduta habitual nas fases iniciais do câncer de mama é a cirurgia, que pode ser conservadora (retirada
apenas do tumor) ou mastectomia (retirada da mama) parcial ou total, seguida ou não de reconstrução mamária.
Após a cirurgia, tratamento complementar com radioterapia pode ser indicado em algumas situações. Já a
reconstrução mamária deve ser sempre considerada nos casos de retirada da mama para minimizar os danos
físicos e emocionais do tratamento.

Estádio III
Pacientes com tumores maiores que 5cm, porém ainda localizados, enquadram-se no estádio III. Nessa
situação, o tratamento sistêmico (na maioria das vezes, com quimioterapia) é a opção inicial. Após a redução do
tumor promovida pela quimioterapia, segue-se com o tratamento local (cirurgia e radioterapia).

Estádio IV
Nessa fase, em que já há metástase (o câncer se espalhou para outros órgãos) é fundamental buscar o
equilíbrio entre o controle da doença e o possível aumento da sobrevida, levando-se em consideração os
potenciais efeitos colaterais do tratamento.
A atenção à qualidade de vida da paciente com câncer de mama deve ser preocupação dos profissionais de
saúde ao longo de todo o processo terapêutico.
Profº José Marcos - FAFIA
Orientações pós-dissecção axilar
Profº José Marcos - FAFIA
Retalho
mio-cutâneo

Músculo reto
abdominal

Área doadora

Reconstrução mamária
Profº José Marcos - FAFIA
Qualidade de vida após o tratamento
Profº José Marcos - FAFIA
Profº José Marcos - FAFIA
Referências
WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Agency for Research on
Cancer. Globocan. Acesso em 05/02/2020.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (Brasil). Estimativa 2020. Incidência do Câncer no


Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2019.

PNS 2013 - https://www.pns.icict.fiocruz.br/

https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-de-
mama/publicacoes?title=Cancer+de+&field_ano_value=All&field_tipo_de_publicac
ao_tid%5B%5D=832
https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//cartilha-
cancer-de-mama-vamos-falar-sobre-isso2016.pdf
Profº José Marcos - FAFIA

Você também pode gostar