Você está na página 1de 17

Alessandra Guerreiro RA : 961839

Sandra Cecília Bannwart RA : 963226

DIÓXIDO DE TITÂNIO

1. Aspectos Gerais1
Pigmento é um material sólido finamente dividido, insolúvel no meio, são utilizados para
conferir cor, opacidade, certas características e outros efeitos.O dióxido de titânio é um dos
mais importantes pigmentos brancos produzidos, sendo sua produção mundial em torno de
2,5 milhões de ton/ano. Apresenta ampla faixa de aplicação incluindo tintas arquitetônicas,
industriais e de impressão, plásticos, borrachas, papel, produtos têxteis, alimentícios e
fármacos.
Dióxido de titânio puro (TiO2) é um sólido cristalino incolor, estável. Ele é anfótero, apesar
de apresentar características mais ácidas do que básicas; é também polimorfo, existindo em
três formas cristalinas fundamentais: rutilo tetragonal ou anatase e bruquita ortorrômbica,
sendo que apenas as duas primeiras são comercialmente produzidas e o pigmento de forma
rutilo, o mais importante em termos de volume.
Os cristais de rutilo apresentam uma estrutura mais compacta que a forma anatase, o que
explica as importantes diferenças entre as duas formas, em particular o seu elevado índice de
refração, maior estabilidade e alta densidade.
O alto índice de refração dos cristais de rutilo, que leva ao seu maior poder opacificante e
superior estabilidade exterior, é a principal razão para seu uso preferencial em relação ao
anatase. O anatase é usado apenas em algumas aplicações específicas, em que é selecionado
pela sua tonalidade azulada, sua habilidade de agir como branqueador óptico ou sua baixa
abrasividade

2. Propriedades1
A capacidade de opacificar e branquear o meio em que está disperso, é a mais importante
propriedade de um pigmento branco. O potencial opacificante é essencialmente controlado por duas
propriedades : índice de refração e tamanho de partícula.
O índice de refração é uma propriedade associada à estrutura cristalina, ficando assim fora do
controle do fabricante. O dióxido de titânio rutilo é o que apresenta o maior índice de refração de
todos os pigmentos brancos disponíveis.
Pela equação de Fresnel simplificada, pode-se obter uma indicação da influência do índice de
refração na opacidade:

F = ( np – nr )2 / ( np + nr )2

Onde : F = refletividade do filme


np = índice de refração do pigmento
nr = índice de refração do veículo (aproximadamente 1,5 para a maioria dos veículos)
Pigmento Índice de Refração Refletividade (F x Opacidade Relativa
100)

TiO2 (rutilo) 2,71 8,26 100

TiO2 (anatase) 2,55 6,72 81

Óxido de Antimônio 2,20 3,58 43

Óxido de Zinco 2,01 2,11 26

- Índice de Refração e Refletividade de alguns pigmentos brancos1:


Um filme é opaco porque as partículas pigmentadas espalham e/ou absorvem a luz incidente,
impedindo que esta alcance o substrato.
Tintas brancas opacificam basicamente por espalhamento de luz, enquanto que em tintas coloridas
há um aumento da dependência do efeito de absorção com o aumento da concentração de pigmentos
coloridos.
Antes da luz que penetra um filme ser absorvida pelo substrato, esta é refratada e refletida muitas
vezes. Quanto maior for o índice de refração, maior será o ângulo de deflexão da luz incidente, e
assim, menor a possibilidade de a luz atingir o substrato.
A eficiência do espalhamento de uma partícula pigmentar está diretamente ligada a suas dimensões
e a concentração do pigmento por volume (PVC) nos sólidos da tinta. Portanto, o tamanho de um
pigmento de dióxido de titânio influenciará a opacidade do filme. O tamanho médio do cristal de
um pigmento é controlado pelo fabricante durante o processo, mas a distribuição do tamanho de
partícula depende da eficiência do processo de distribuição.

3. Produção do Pigmento1
Comercialmente, o dióxido de titânio é produzido por dois processos: sulfato ou cloreto. O processo
sulfato envolve todos os processos químicos clássicos, exceto a destilação, e é uma operação
industrial complexa de múltiplo estágio. O minério bruto de titânio é reagido com ácido sulfúrico e
o sulfato de titanila obtido é hidrolisado, obtendo-se um óxido hidratado que é calcinado a 900oC
para produzir o dióxido de titânio pigmentar. Após esse processo o produto pode ser moído e
embalado ou sofrer tratamento superficial para lhe conferir melhorias em suas propriedades, como
dispersibilidade e durabilidade.
A figura 1 apresenta um esquema dos passos seguidos no processo sulfato. As reações envolvidas
no processo são:
FeOTiO2 + 2H2SO4 TiOSO4 + FeSO4 + 2H2O (Digestão)

TiOSO4 + 2H2O TiO(OH)2 + H2SO4 (Hidrólise)

TiO(OH)2 TiO2 + H2O (Calcinação)

O processo cloreto foi desenvolvido a nível de laboratório no início dos anos 20, mas apenas
aplicado em escala industrial no final dos anos 50. Neste processo, rutilo mineral ou minério
refinado é reagido com cloro gasoso em presença de coque para formar tetracloreto de titânio
líquido. Após destilação, este é oxidado na fase vapor pruduzindo dióxido de titânio pigmentar, que
também pode passar por um processo de tratamento de superfície. A figura 2 demonstra o esquema
dos passos seguidos neste processo, com as reações:

TiO2 + C + 2Cl2 TiCl4 + CO2 (Cloração)

TiCl4 + O2 TiO2 + 2Cl2 (Oxidação)


(pigmentar)
Figura 1 : Processo Sulfato.

Figura 2: Processo Cloreto.

4. Comercialização3:
A indústria de dióxido de titânio é complexa e bastante sofisticada por requerer constante
desenvolvimento tecnológico para produtos especiais, como o processo de produção via cloreto que
se baseia na proteção ambiental. Ele se diferencia do processo sulfato com uma acentuada
adequação às propriedades ópticas e melhoria de qualidade.
Em 1996 o mercado de dióxido de titânio viveu uma fase histórica de sua transição no tocante ao
aumento da alíquota de importação, alterada de 12% para 20% . A Abrafati – Associação Brasileira
dos Fabricantes de tintas e o Sitivesp – Sindicato da Indústria de Tintas e Vernizes do Estado de
São Paulo, expressaram sua preocupação com a alteração da alíquota de importação da matéria-
prima ser mais elevada do que a do produto final. "A TEC – Tarifa Externa Comum, para Tintas é
de 14% e para pigmento a base de dióxido de Titânio passou para 20% e isso tornou-se contrário a
uma política industrial coerente, pois desistimula a produção nacional à importação do produto
acabado ".
Em 1996 o preço do TiO2, no Brasil, variava em torno de US$ 2.000 a US$ 2.200 a tonelada e
contava com uma diferença de 6% do valor internacional. Além de ser o único pigmento branco
existente no mundo, o dióxido de titânio possue sucedâneos que estão sendo estudados para garantir
sua substituição. O produto, apesar de ser amplamente utilizado na indústria de tintas em geral,
compartilha com outros setores crescentes neste mercado como a indústria de plásticos, papel,
metal, borracha, entre outros.
Mundialmente existe um excedente para o titânio em cerca de 300 a 400 mil toneladas. A estimativa
de demanda mundial em 1995 foi aproximadamente 3,3 a 3,5 milhões de toneladas. Em 1996
acompanhou o crescimento do PIB, significando para o mercado um volume aproximado de 85 mil
toneladas de TiO2.

5. Aplicações1
A aplicação deste pigmento varia de acordo com a posição geográfica :
6. Preço do TiO2 2 : 1,17 $/kg ( anatase )
1,39 $/kg ( rutilo )

7. Posição na TEC ( Tarifa Externa Comum) 4 :


Capítulo 28: "Produtos Químicos Inorgânicos, Compostos Inorgânicos ou Orgânicos de Metais
Preciosos, de elementos Radioativos, de Metais de Terras Raras ou de Isótopos".
Posição e Subposição
2823.00 - 2823.00.01.01 - Tipo Anatase
2823.00 - 2823.00.01.02 - Tipo Rutilo
2823.00 – 2823.00.99.00 - Outros

8. Bibliografia

(1) Tintas e Vernizes – Ciência e Tecnologia – Vol.1, 2a edição, 1995 – Abrafati (Associação
Brasileira dos Fabricantes de Tintas).

(2) Encyclopedia of Chemical Technology, Third Edition, Vol. : 17.

(3) Tintas e Vernizes – Ano XXXVI – Agosto 1996 – No 163 : " Dióxido de Titânio – Novas
medidas para Comercialização do produto" pg 6 – 9.

4. http//members.tripod.com/~zemarco/cap28.htm

Dióxido de titânio
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa


Dióxido de titânio

Geral
Nome IUPAC Dióxido de titânio
(sistemática) Óxido de titânio (IV)
Outros nomes Titânia,
Rutilo
Brookita
Anatase
Fórmula Química TiO2
Massa molar 79,87 g·mol–1
Cor e aparência sólido branco
Número CAS 13463-67-7
Número E E171
Óxidos de titânio: 2823.00
Número HS 2823.00.10.000(anatase)
2823.00.90.000(outros)
Propriedades Físicas
Densidade 4,23 g.cm–3
Ponto de fusão 1870°C
Ponto de ebulição 2972°C
Constante dielétricaεr 80-110
Capacidade térmica 298,13 J/(mol °C)
Condutibilidade térmica 6,531 W/(m K)
Solubilidade Insolúvel
Propriedades Termodinâmicas
249 kJ·mol-1 (gás)
∆f H° 879 kJ·mol-1 (líquido)
944 kJ·mol-1 (sólido)
S° 51 J·mol-1·K-1
Unidades do SI são usadas quando possível. Salvo
quando especificado o contrário, são consideradas
condições normais de temperatura e pressão

O dióxido de titânio, também conhecido como óxido de titânio (IV) ou titânia, é um óxido de
titânio encontrado na natureza, cuja fórmula química é TiO2. Quando usado como pigmento, é
chamado de titânio branco, pigmento branco PW-6 ou CI 77891. É de se notar que este composto é
utilizando em uma grande variedade de aplicações, da pintura e do protetor solar ao seu uso como
corante alimentar.
Visto seu baixo coeficiente de atrito, o dióxido de titânio possui ótimas propriedades quando
misturado a material de lubrificação, como graxas, entre outros, fazendo com que sua pigmentação
reflita na cor do composto. Mas não se deve confundir graxas brancas com graxas à base de dióxido
de titânio, pois a cor nas graxas que não contém o TiO2 é resultante apenas de corantes.

Rutilo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa


Nota: Este artigo é sobre o mineral. Para a cor, veja Rútilo (cor).
Pendente de quartzo sagenítico, podendo observar-se os cristais aciculares de rutilo dispersos no
interior do quartzo.
O rutilo ou rútilo é um mineral composto de dióxido de titânio , TiO2, sendo um dos três
polimorfos de TiO2:
• Rutilo, um mineral usualmente tetragonal de hábito prismático, geralmente com cristais
maclados;
• Anatase ou octaedrita , um mineral tetragonal de hábito octaédrico, e
• Brookita, um mineral ortorrômbico. A anatase e a brookita são minerais relativamente raros.
Índice
• [esc
ond
er]1
Pro
prie
dad
es
físi
cas
• 2
Tip
os
de
oco
rrên
cia
• 3
Rut
ilo
sint
étic
o
• 4
Uso
se
apli
caç
ões
• 5
Eti
mol
ogi
a

[editar] Propriedades físicas


O rutilo tem uma fratura subconcoidal, é fragil , com dureza 6 a 6,5 , densidade relativa 4,1 a 4,2 ,
brilho metálico a adamantino, geralmente de cor marrom ou vermelho, algumas vezes, amarelo,
azul ou violeta. É transparente a opaco. O rutilo natural é geralmente opaco ou vermelho muito
escuro. O rutilo pode pode conter até 10% de ferro. O rutilo é a forma mais estável de dióxido de
titânio e é produzido em temperaturas mais altas, com a brookita formando-se em temparaturas
mais baixas e, a octaedrita, em temperaturas ainda mais baixas.
[editar] Tipos de ocorrência

Tufo de rutilo acicular encravado em quartzo (originário do Brasil, actualmente no Museu de


História Natural de Londres)
O rutilo é encontrado como mineral acessório em algumas rochas igneas alteradas, e em certos
gnaisses e xistos cristalinos. Nos grupos de cristais aciculares é frequentemente encontrado
incrustrado no quartzo como no "fléches d'amour" de Grisons, Suíça. Pequenas agulhas de rutilo
encontrado em algumas gemas são responsáveis pelo fenômeno ópticos denominado asterismo, que
aparece em safiras, rubis e outras pedras preciosas.

[editar] Rutilo sintético


O rutilo sintético foi produzido pela primeira vez em 1948 sendo comercializado sob vários nomes.
Tem uma elevada dispersão óptica e um elevado índice de refração a luz, tão forte que demonstra
ser falso, porém muito colorido. O rutilo sintético pode ser produzido em várias cores, porém nunca
como branco transparente puro, sendo sempre levemente amarelo.

[editar] Usos e aplicações


Quando finamente moído o rutilo é usado como um brilhante pigmento branco , utilizado em tintas,
plásticos, papel, alimentos e outras aplicações que requerem uma cor branca brilhante. Os
pigmentos de dióxido de titânio são a principal aplicação do titânio a nível mundial, pois não é, para
já, economicamente viável a produção de titânio metal a partir do rutilo. Nanopartículas de rutilo
são transparentes para a luz visível mas altamente reflectoras de luz ultravioleta sendo por isso
usadas no fabrico de protectores solares. Uma variedade sintética praticamente incolor, designada
por titania, é comercializada como substituto de diamante.

[editar] Etimologia
O nome rutilo é derivado do latim rutilus, vermelho, em referência a cor vermelha profunda
encontrada em alguns espécimes quando vistos sob a luz.

Anatase
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa


Anatase
Geral
Categoria Mineral
Fórmula química TiO2
Identificação
Preto, castanho-
avermelhado,
Cor
castanho-amarelado,
azul-escuro, cinza
Hábito cristalino Piramidal, tabular
Tetragonal (4/m 2/m
Sistema cristalino 2/m) Grupo espacial: I
41/amd
[101] Perfeita, [001]
Clivagem
Distinta
Fratura Concoidal
Dureza Mohs 5.5-6
Adamantino -
Brilho
Resinoso
Risca amarelo-claro, branco
Densidade 3.9
não-radioactivo, não-
Outras Características magnético, não-
fluorescente
Anatase é uma das três formas minerais do dióxido de titânio, sendo as outras duas o rutilo e a
brookite. É sempre encontrado na forma de pequenos cristais isolados e bem desenvolvidos, e tal
como o rutilo, uma forma mais comum de dióxido de titânio, cristaliza no sistema tetragonal.
Porém, ainda que o grau de simetria seja o mesmo nos dois minerais, não existe relação entre os
seus ângulos interfaciais, exceptuando, claro, na zona-prisma de 45 e 90º.
Índice
• [esc
ond
er]1
Ori
ge
m
do
no
me
• 2
Pro
prie
dad
es
físi
cas
e
oco
rrên
cia
• 3
Out
ras
desi
gna
çõe
s
• 4
Ref
erê
ncia
s
• 5
Ver
tam

m

[editar] Origem do nome


A pirâmide de anatase comum, paralela às faces nas quais existe clivagem perfeita, tem um ângulo
de 82°9', enquanto o ângulo correspondente no rutilo é 56°52½'. Foi por conta desta pirâmide mais
inclinada que Haüy deu o nome a este mineral em 1801, a partir do grego anatasis ("extensão"),
sendo o eixo vertical dos cristais de anatase mais longo que o do rutilo.

[editar] Propriedades físicas e ocorrência


Existem também diferenças importantes entre as características físicas da anatase e do rutilo. A
anatase não é tão dura (dureza=5½–6), nem tão densa (densidade=3.9); é opticamente negativa,
enquanto o rutilo é positivo; o seu lustre é ainda mais adamantino ou metálico-adamantino que o do
rutilo.

Estrutura cristalina da anatase


Podem ser distinguidos dois hábitos nos cristais de anatase. O mais comum ocorre na forma de
simples pirâmides duplas aguçadas de cor indigo a preta e lustre metálico. Os cristais deste tipo são
abundantes em Le Bourg-d'Oisans em Dauphiné, onde estão associados a cristal de rocha,
feldspatos e axinite em fissuras em granito e micaxisto. Cristais semelhantes, mas de tamanho
microscópico, têm ampla distribuição em rochas sedimentares, como arenito, argila e ardósia, das
quais podem ser separados por lavagem dos constituintes mais leves da rocha pulverizada.
Os cristais do segundo tipo têm numerosas faces piramidais desenvolvidas, e são geralmente mais
achatados e por vezes de hábito prismático; a cor varia do amarelo-mel a castanho. Tais cristais têm
aparência semelhante ao xenótimo, e de facto pensou-se durante muito tempo que pertenciam a esta
última espécie, sendo designados wiserina. Ocorrem agarrados às paredes de fissuras em gnaisses
dos Alpes, com Binnenthal próximo de Brig no cantão Valais, Suíça, a ser uma ocorrência famosa.
Quando aquecida acima de 915 ºC, a anatase é convertida em rutilo, passando a sua densidade para
4.1; pseudomorfos naturais de rutilo após anatase são também conhecidos. Os cristais de anatase
podem ser preparados em laboratórios através de métodos químicos como o processo sol-gel.
Exemplos incluem a hidrólise controlada de tetracloreto de titânio (TiCl4) ou de alcóxidos de
titânio. Estas anatases sintéticas são de considerável interesse para aplicações de fotocatálise e em
células fotovoltaicas.

[editar] Outras designações


Outro nome muitas vezes usado para este mineral é octaedrite, um nome que é, na realidade, mais
antigo que anatase, e cuja origem está no comum hábito octaédrico dos cristais. Outros nomes,
agora obsoletos, são oisanite e dauphinite, a partir da bem conhecida ocorrência francesa.

Brookita
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa

Brookita.
A Brookita é um mineral constituido de óxido de titânio, TiO2, sendo idêntico ao rutilo e anatase
em termos de sua composição química, porém cristaliza no sistema ortorrômbico.
O mineral foi nomeado por James Brooke, mineralogista inglês ( 1771 – 1857).
O titânio é o elemento químico de número atômico 22 e massa atômica 47,867 u. Foi descoberto
pelo clérico inglês William Justin Gregor através de um isolamento de ilmenita (FeTiO3).
Posteriormente ocorreu uma redescoberta pelo químico alemão Martin Heinrich, agora através do
mineral rutilo (TiO2). É atribuída a Martin a autoria da denominação titânio.

Possui como uma das principais funções, a indicação para


seu uso em ambientes que propiciem a corrosão, pois se trata de um metal
Trata-se do nono elemento mais abundante da Terra, pode ser encontrado no sol

Aplicações
ligas
A área da segurança também tira proveito de suas propriedades, onde o metal é matéria importante
na fabricação de carros blindados, cofres e portões de segurança.
O titânio é utilizado para fazer próteses com a finalidade de substituir articulações. Outra aplicação
essencial é feita em implantes dentários, onde pinos de titânio substituem as raízes dos dentes. O
uso é indicado devido a sua alta biocompatibilidade, além de possuir alta resistência à corrosão, que
pode ocorrer devido aos fluidos humanos.

Dióxido de Titânio

Tem como composto mais famoso o dióxido de titânio


(TiO2), tanto que aproximadamente 95% de todo titânio produzido tem como objetivo a obtenção
desse composto, é usado como um pigmento branco muito importante na produção de tintas e
papéis. Usa-se também na indústria cosmética, pois é um constituinte de quase toda marca de
protetor solar.
Existem também utilizações menos conhecidas e até certo ponto, curiosas, como a demarcação de
linhas de quadras de tênis, e boa contribuição para a indústria cinematográfica na aplicação de cenas
com neve artificial.

bjbj UV Melhoramento dos filmes finos de óxidos nanométricos de titânio como


sensores de gás Tsung Yeh-Yang, Lin Hong-Ming, Wei-Jen Liou, Leszek Stobinski.
Departamento de Engenharia de Materiais, Universidade Tatung, Taipei 104,
Taiwan, ROC Autor para correspondência. Tel:. +886-2-25866030; Fax: +886-2-
25936897. E-mail: hmlin@ttu.edu.tw
TiO2 nanocristalinas são reforçadas através da apresentação do sistema de sensor
de radiação UV em luz. A estrutura cristalina e microestrutura dos pós cerâmicos
são determinadas por microscopia eletrônica de varredura (MEV). O tamanho médio
do cristalito do pó foi obtido a partir de difração de raios X (XRD), utilizando
padrões equação de Scherrer. O tamanho dos grânulos e morfologia de superfície
foram analisados por microscopia de força atômica (AFM). Estudos estruturais e
morfológicas, bem como radiação UV são realizadas a fim de investigar sua
influência sobre as propriedades de detecção do sensor de TiO2. A fim de
compreender a base para a detecção de CO, podemos comparar o comportamento de
detecção de anatase para CO e em ambiente oxidante mais típico de aplicações
práticas, e achar que a presença de TiO2 produz um sensor de CO que discrimina a
diferentes temperaturas. A sensibilidade do sensor de TiO2 é afetada pela
presença de O2-ou O-TiO2 na superfície que é reforçado pelo efeito
fotocatalítico. Introdução Devido Além disso, um sensor de trabalho em alta
temperatura tem necessidade de um aquecedor e isso pode levar a uma integração
completa em substratos Al2O3 com as técnicas de impressão convencionais para
produzir dispositivos de baixo custo. Nós examinamos a ativação de sensores de
gás propriedades de filmes finos de TiO2 para monóxido de carbono em diferentes
temperaturas de 250 ARREIRAS por uma absorção intrínseca ou extrínseca óptica.
[3]. sensores para monitoramento ambiental Comercial de CO, impulsionada
principalmente pela insalubre, e às vezes mortal efeitos da exposição ao CO,
estão disponíveis [4]. Muitos destes usam sensores de óxidos metálicos
semicondutores, tais como WO3 [5-6], SnO2 [7]. Por exemplo, WO3 é relatado para
ter boa sensibilidade e seletividade para NO2 e ozônio [8], e Pd/SnO2 é relatado
para ter boa sensibilidade e seletividade para CO Todos estes sensores, o e
tempe trabalhando em cima da exposição a gás fornece a base para a detecção.
Estamos focados em óxidos metálicos como catalisadores. Nossos estudos
anteriores têm incluiu uma pesquisa sobre o comportamento de detecção de anatase
com luz UV e sem luz UV para CO em um ambiente de atmosfera. [11]. No presente
estudo, comparamos o comportamento de detecção de anatase para CO em um vácuo de
piscina filme sensoriamento poroso. O processo de aquecimento passo não só
melhora a aderência entre o substrato ea nano-TiO2, mas também mantém a
estrutura frouxa da rede como de nano-TiO2, aumentando assim a área de detecção.
Por outro lado, o recozimento em temperaturas acima de 600 mentos à mesma
temperatura e mantém um equilíbrio dinâmico. O aquecedor bobina de platina é
usado para aquecer e controlar a temperatura de operação dos sensores. O sistema
de detecção é ligado ao computador com uma placa NI PCI para ajustar os
parâmetros do sistema e gravar os dados. As propriedades elétricas do sensor são
medidos em temperaturas diferentes da temperatura ambiente até 300 tiva
alterações nos parâmetros elétricos do filme são considerados como de saída do
sensor. O set-up do sistema de medição está descrito na fig. 1. O filho do rei
de luz UV (modelo SKUVL-100) com um comprimento de onda de 368nm e potência de
3,25 mW/cm2 um é usado neste estudo. A distância entre a luz UV ea amostra é dez
centímetros. Fig. 1. Esquema do sistema de medição do sensor de gás. Resultados
e discussão traços típicos difratômetro de raios-X de amostras de TiO2 no como-
depositadas e depois de um filme fino depende fortemente das suas
características morfológicas. A elevada área superficial facilita o processo de
quimissorção, aumentando as taxas de adsorção e dessorção. [12] A microestrutura
e morfologia da superfície dos filmes foram analisados usando um MEV, como
mostrado na figura. 3 (a) e (b). A morfologia do TiO2 são estruturas esféricas
em grão como depositados e após o recozimento das amostras. Imagens de AFM da
amostra de TiO2 mostrado na Fig.4 (a) e (b), respectivamente. São indicam uma
distribuição homogênea de grãos TiO2 com diâmetro de 40-50nm sobre o substrato.
Esta peculiar exposições nanoestrutura uma superfície altamente ondulado, onde
vazios entre o aumento cristalina a área superficial específica, que é uma
característica fundamental para alta sensibilidade dos sensores de gás. medições
de gás foram feitas sob condições de temperatura constante e as concentrações de
gases foram variadas para o monóxido de carbono na gama 1-3 Torr. As
temperaturas de trabalho foram variadas na faixa de radiação UV 250 Hout. A
sensibilidade do gás, definido como a razão entre a corrente em 1,1 10-3 Torr, é
indicado em cada figura. Os resultados descritos acima confirmam que a
sensibilidade do sensor de CO TiO2 com um eletrodo de Au surge a partir de dois
mecanismos: um é a mesma que a de semicondutores para sensores de gás, ou seja,
a reactividade do adsorbato oxigênio sobre as matérias sensores com CO, É claro
que a menor oferta de oxigênio íons no TiO2 pode ser a reação com o CO para
formar o CO2. A fórmula de reação é representado como segue: a ordenação + 2CO,
etc) é suficiente para a troca de comando. Como regra geral, reduziu
parcialmente os íons, por exemplo Ti 4 na rede TiO2, o papel dos centros de
adsorção para o CO e O2. A transferência de um elétron ao oxigênio com a
formação de O-2 e S-radicais ocorre no complexo intermediário de TiO4 + CO e O2.
[13] Outro mecanismo é o oxigênio rede participam na oxidação de CO em 573K. O
papel do oxigênio adsorvido é recoze defeitos estruturais (vacâncias de
oxigênio, por exemplo) e para oxidar Ti4 + i dade elétrons é o processo mais
provável de uma redução de TiO2. Estes dois mecanismos que causam o aumento da
mudança em curso e da linha de base não pode voltar ao original. Estudos prévios
mostram que na superfície de TiO2 expostas no ar, há ionosfera de espécies de
oxigênio. A O2-e O-, dependendo da temperatura. Quando a luz UV absorvida pelo
semicondutor, pode ser criado um par elétron-buraco. O buraco é puxado para a
superfície pelo elétrica arquivado e ele pode se recombinam com o oxigênio
adsorvido. O elétron aumenta a condutividade entrar em banda de condução, e
aumenta a condutividade do grão-intra, modificando o potencial de superfície.
Fig. 6 (a), (b) e (c) relatório são a resposta para 1,0 a 3,0 Torr Torr do CO
como a temperatura de funcionamento do sensor é mantido em 250