Você está na página 1de 24

Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES, seção ES

2 - Sistemas primários de tratamento de


efluentes
O processo de tratamento do esgoto pode adotar diferentes
tecnologias para depuração do efluente mas, de modo geral segue um
fluxo que compreende as seguintes etapas:

Preliminar - remoção de grandes sólidos e areia para proteger as


demais unidades de tratamento, os dispositivos de transporte (bombas
e tubulações) e os corpos receptores

Primário -. Os materiais flutuantes como graxas e óleos, de menor


densidade, são removidos na superfície. A eliminação média do DBO é
de 30%.
2 - Sistemas primários de tratamento de
efluentes
Secundário - processa, principalmente, a remoção de sólidos e de
matéria orgânica não sedimentável e, eventualmente, nutrientes como
nitrogênio e fósforo.
Terciário - remoção de poluentes tóxicos ou não biodegradáveis ou
eliminação adicional de poluentes não degradados na fase secundária.
Desinfecção - grande parte dos microorganismos patogênicos foi
eliminada nas etapas anteriores, mas não a sua totalidade.
Gradeamento e peneiramento
Conceito
Resíduos sólidos contidos nos esgotos domésticos sanitários de fácil
remoção e retenção através de operações físicas de gradeamento e
peneiramento.
Finalidade
- Proteção dos dispositivos responsáveis pelo transporte do esgoto em
suas diversas fases;
- Proteção dos dispositivos de tratamento dos esgotos;
- Proteção dos corpos receptores;
- Remoção parcial de Carga orgânica;
Características das grades de barras

Tipo de grade Polegadas Milímetros

Grades grosseiras Acima de 1 1/2 40 a 100

Grades médias 3/4 a 1 1/2 20 a 40

Grades finas 3/8 a 3/4 10 a 20

Grades ultrafinas ou peneiras 1/4 a 3/4 3 a 10


Gradeamento e peneiramento
Tipos de grade

- Tipo rastelo ;
- Tipo cremalheira;
- Tipo rolante ou escalares (0,5 mm a 30,0 mm);
- Tipo grade perfuradas;
- Tipo barras curvas;
- Tipo parafuso classificador;
Gradeamento – Tipo Rastelo
Gradeamento – Barra curva
Gradeamento - Tipo rolante ou escalares
Gradeamento - Tipo parafuso classificador
Gradeamento e peneiramento
Recomendações – ABNT – NBR 12.209/2009

- Dimensionamento em função da vazão máxima de cada unidade;


- Quando o gradeamento for mecanizado recomenda-se a instalação de
pelo menos duas unidades, podendo uma ser de limpeza manual,
utilizada como reserva;
- Instalação de uma grade grossa a montante de grades mecanizadas para
minimizar riscos de danos;
- Instalar em suportes ou quadros nunca chumbar na estrutura de
concreto;
- Ausências de arestas no encontro das paredes com o fundo do canal da
grade;
Gradeamento e peneiramento
Peneiras
Dispõe de aberturas pequenas de 0,25 a 10 mm, para remoção de
sólidos muito finos

- Peneiras Estáticas

- Peneiras movéis
Gradeamento e peneiramento

- Peneiras Estáticas
Remoção de areia
Conceito
Areia contida no esgoto, material mineral (areia, pedrisco, silte, escória,
cascalho) contem reduzida carga orgânica putrescível
Finalidade
- Evitar abrasão nos equipamentos e tubulações;
- Reduzir a possibilidade de avarias e obstrução nas unidades da ETE;
- Facilitar o manuseio e tranporte das fases líquidas e sólidas;
- Remoção parcial de Carga orgânica
Tipos - caixa de areia ou desarenador

- De acordo com a forma – Retangular ou quadrada, cilíndrica (secção


circular);
- De acordo com separação sólido-líquida – por gravidade ou centrifuga;
- De acordo com remoção – manual ou mecanizada;
- De acordo com o fundo – plano, inclinado e cônico;
Remoção de areia
Recomendações – ABNT – NBR 12.709/2009

- Velocidade de escoamento na faixa de 0,20 a 0,40 m/s – Tipo retangular;


- Previsão de espaço para acumulação do material sedimentado;
- Velocidade de entrada na faixa de 0,60 a 1,00 m/s – Tipo Vortex;
- Instalar em suportes ou quadros nunca chumbar na estrutura de
concreto;
- Ausências de arestas no encontro das paredes com o fundo do canal da
grade;
Remoção e areia – ETE Goiânia
Remoção e areia – ETE Goiânia
Remoção e areia – Gravitacional
Remoção e areia – Tipo Vortex
Remoção de areia
Operação das caixas de areia

- Medição periódica da camada de areia acumulada;


- Estimativa da quantidade de areia removida para registro;
- Verificação da quantidade de areia nas unidades subsequentes e
remoção de areia, caso necessário;
- Vistoriar e esvaziar a unidade anualmente para avaliação de
equipamentos e verificar condições da estrutura de concreto;
- Excesso de matéria organica no material removido;
- Arraste de areia no efluente;
Gradeamento e peneiramento
Remoção de Gorduras
Conceito
Óleos, graxas, gorduras, ceras e outros materiais de densidade inferior à
água. Substâncias denominadas como sólidos flutuantes ou escuma.
Finalidade
- Evitar obstruções dos coletores;
- Evitar aderência nas peças especiais;
- Evitar acumulo nas unidades de tratamento provocando odores e
perturbações nas etapas de tratamento;
- Evitar aspectos desagradáveis nos corpos receptores;
Tipos – caixa de gordura

- Dispositivo de remoção de gordura em decantadores;


- Tanques aerados por ar comprimido;
- Separadores de óleo;
- Tanques de flotação por ar dissolvido;

Você também pode gostar