Você está na página 1de 46

O SECTOR FLORESTAL

Amândio Torres
Presidente

Eco-Escolas – Seminário Nacional | Guarda, 4 de Fevereiro de 2011


1. GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA
1.GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA

1. Grandes números
da floresta
portuguesa
Os espaços florestais ocupam cerca de 5,86
2. A organização do milhões de hectares.
sector e seu
financiamento
 povoamentos florestais (espaços florestais
3. Gestão florestal arborizados);

4. Caça, pesca e  matos e pastagens naturais;


outros recursos
silvestres
 improdutivos (afloramentos rochosos, areais,
5. Fileiras florestais etc.);
6. Defesa da
floresta  massas de água interiores.

7. Questões
internacionais
1.GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA

1. Grandes números áreas sociais


da floresta
portuguesa 3%
áreas
2. A organização do
sector e seu agrícolas
financiamento 33%
3. Gestão florestal
florestas
4. Caça, pesca e 38%
outros recursos
águas
silvestres
interiores
matos e
5. Fileiras florestais 2% improdutivos
pastagens
2%
6. Defesa da espontâneas
floresta 21%
7. Questões
internacionais
Usos do solo em Portugal (5.º IFN – 2005/06)
1.GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA

1. Grandes números O crescimento contínuo da superfície


da floresta arborizada é principalmente resultado de:
portuguesa

2. A organização do
 programas estatais de fomento de arborização em
sector e seu terrenos públicos e privados;
financiamento
 iniciativa privada no âmbito do crescimento das
3. Gestão florestal fileiras emergentes;

4. Caça, pesca e  regeneração natural da floresta em pastagens,


outros recursos
terrenos agrícolas abandonados e áreas percorridas
silvestres
por incêndios (parte).
5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta
Actualmente a ocupação florestal ascende
7. Questões a 3,54 milhões de hectares.
internacionais
(Continente e arquipélagos dos Açores e Madeira)
carvalhal de c.-alvarinho carvalhal-negral laurissilva (durissilva pluvial oceânica)
pinhal-bravo eucaliptal

souto e castinçal

pinhal-manso sobreiral e montado de sobro azinhal e montado de azinho

Principais tipos de florestas em Portugal


1.GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA

1. Grandes números
da floresta 4000
portuguesa
3500
2. A organização do
3000 Eucaliptais
sector e seu
financiamento 2500 So uto s&Carvalhais

3. Gestão florestal 2000 Montado

4. Caça, pesca e 1500


outros recursos
1000
silvestres
Pinhais & outros
500 Ard.,c.raso, N. ident.
5. Fileiras florestais outras
0
6. Defesa da
floresta 9 02 9 09 9 16 9 23 9 30 9 37 9 44 9 51 9 58 9 65 9 72 9 79 9 86 9 93 0 00
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2

7. Questões
internacionais Evolução da ocupação florestal em Portugal
continental 1902-2006.
1.GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA

1. Grandes números O espaço florestal português gera riqueza e bem-estar para


da floresta toda a sociedade, constituindo um dos sustentáculos do
portuguesa desenvolvimento do País:
2. A organização do
sector e seu  3% do PIB nacional e 11% do PIB industrial;
financiamento
 11% das exportações, com uma tendência clara para
3. Gestão florestal aumentar;
4. Caça, pesca e
 contributo fundamental para as metas nacionais associadas
outros recursos
silvestres ao cumprimento do Protocolo de Quioto;

5. Fileiras florestais  260 000 postos de trabalho directos e indirectos.

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais A Estratégia Nacional para as Florestas avaliou em
1300 milhões de euros a contribuição anual para a
economia nacional (2001)
1.GRANDES NÚMEROS DA FLORESTA
PORTUGUESA

1. Grandes números
da floresta
portuguesa Instrumentos legislativos e de planeamento específicos de
orientação para a intervenção nos espaços florestais:
2. A organização do
sector e seu
financiamento  A Lei de Bases da Política Florestal, 1996;
3. Gestão florestal
O Código Florestal, publicado em Setembro de 2009,
4. Caça, pesca e entrando em vigor em Dezembro de 2011;
outros recursos
silvestres A Estratégia Nacional para as Florestas, 2006;

5. Fileiras florestais O Plano Nacional de Defesa da Floresta contra


Incêndios, 2006;
6. Defesa da
floresta
 Os 21 planos regionais de ordenamento florestal
7. Questões (PROF), os quais foram aprovados em 2006 e 2007.
internacionais
2. A ORGANIZAÇÃO DO SECTOR
E SEU FINANCIAMENTO
2. A ORGANIZAÇÃO DO SECTOR E SEU
FINANCIAMENTO

1. Grandes números Lei de Bases da Política Florestal e a Estratégia


da floresta Nacional para as Florestas salientam a necessidade
portuguesa de parcerias entre os diferentes agentes:
2. A organização do
 adopção de programas comuns;
sector e seu
financiamento
 partilha de responsabilidades de intervenção entre o
3. Gestão florestal Estado e os sectores privado e comunitário.

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais
As OPF e OB
6. Defesa da Programa de Sapadores Florestais;
floresta Criação e gestão de ZIF,
Planeamento e gestão dos territórios
7. Questões comunitários;
internacionais
OSC, Lei da Caça;
Programa de Combate ao NMP.
2. A ORGANIZAÇÃO DO SECTOR E SEU
FINANCIAMENTO

1. Grandes números Neste âmbito, tem-se procedido ao reconhecimento e


da floresta estruturação do universo de organizações de
portuguesa produtores florestais (OPF), através do seu registo e
preparação de base de dados nacional.
2. A organização do
sector e seu
financiamento Tipo de OPF

3. Gestão florestal Região Nacional Regional Municipal Complementar Total

Norte 1 2 40 9 52
4. Caça, pesca e
outros recursos Centro 1 2 71 14 88
silvestres
LVT 2 1 7 0 10
5. Fileiras florestais
Alentejo 0 0 9 0 9
6. Defesa da
floresta Algarve 0 1 7 1 9
Total 4 6 134 24 168
7. Questões
internacionais
2. A ORGANIZAÇÃO DO SECTOR E SEU
FINANCIAMENTO

1. Grandes números É fundamental avaliar as estratégias relativas às fontes


da floresta e volumes de financiamento disponíveis para a
portuguesa implementação de projectos florestais :
2. A organização do
sector e seu
financiamento  no quadro do PRODER, simplificar e melhorar
estrategicamente os apoios.
3. Gestão florestal
 do Fundo Florestal Permanente (FFP), direccionar.
4. Caça, pesca e
outros recursos  do PIDDAC, no que concerne às Matas Nacionais.
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta Garantir que os investimentos correspondam a um efectivo
aumento da capacidade de gestão, expansão e
7. Questões protecção da floresta nacional.
internacionais
3. GESTÃO FLORESTAL
3. GESTÃO FLORESTAL

1. Grandes números GESTÃO DAS ÁREAS PÚBLICAS


da floresta e COMUNITÁRIAS
portuguesa

2. A organização do
sector e seu  113 000 ha de propriedades estatais
financiamento

3. Gestão florestal  26 000 ha de propriedades autárquicas

4. Caça, pesca e  465 500 ha de baldios


outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da 538 000 ha no regime florestal,


floresta dos quais 456 000 ha geridos pela AFN

7. Questões
internacionais
3. GESTÃO FLORESTAL

1. Grandes números GESTÃO DAS ÁREAS PÚBLICAS


da floresta e COMUNITÁRIAS
portuguesa

2. A organização do A prioridade na gestão das matas nacionais e


sector e seu perímetros florestais administrados pela AFN:
financiamento
 elaboração de planos de gestão florestal/planos de
3. Gestão florestal
utilização de baldios – 418 aprovados, com 172 000 ha,
4. Caça, pesca e
399 em aprovação, com 208 000 ha
outros recursos
silvestres  a recuperação e valorização dos povoamentos
florestais públicos
5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta
Programa Nacional para a Valorização dos
Territórios Comunitários (já apresentado)
7. Questões
internacionais Estudo sobre futuro da gestão das Matas Nacionais
3. GESTÃO FLORESTAL

1. Grandes números GESTÃO DAS ÁREAS PRIVADAS


da floresta
portuguesa
 92% da floresta é privada
 400 000 proprietários e 6,5 milhões de prédios rústicos
2. A organização do  508 PGF aprovados, com 430 000 ha
sector e seu
financiamento matas autárquicas
matas do Estado e comunitárias
3. Gestão florestal 2% 6%

4. Caça, pesca e matas privadas


outros recursos (empresas)
silvestres 6%

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais
matas privadas
(particulares)
86%
3. GESTÃO FLORESTAL

1. Grandes números ZONAS DE INTERVENÇÃO FLORESTAL


da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
139 ZIF constituídas, com 672 507 ha
financiamento
PEIF: 39 aprovados e 12 em aprovação
3. Gestão florestal
PGF: 5 aprovados e 10 em aprovação
4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta
Necessário:
7. Questões
internacionais  Avaliar o processo

 As ZIF como base para a execução de cadastro predial


3. GESTÃO FLORESTAL

1. Grandes números CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL


da floresta
portuguesa
 PEFC: 118 174 ha de certificação individual
2. A organização do (povoamentos de Eucalyptus globulus e 12 certificados de
sector e seu cadeia de custódia, de diversos)
financiamento

3. Gestão florestal  FSC: 222 274 ha de áreas florestais certificadas.


Acresce que as cadeias de responsabilidade certificadas ao
4. Caça, pesca e abrigo do FSC correspondem a 23 empresas.
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais Desafio:


6. Defesa da
floresta
 Promover o aumento da área certificada

7. Questões  Cumprir a meta para 2013 = 500.000 ha


internacionais
4. CAÇA, PESCA E OUTROS
RECURSOS SILVESTRES
4. CAÇA, PESCA E OUTROS
RECURSOS SILVESTRES

1. Grandes números SECTOR CINEGÉTICO


da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres Factores e indicadores:

5. Fileiras florestais
 Sistema para
6. Defesa da externalizar para as
floresta OSC a preparação e
análise dos processos de
7. Questões constituição de zonas de
internacionais
caça.
4. CAÇA, PESCA E OUTROS RECURSOS
SILVESTRES

Terreno
1. Grandes números 4370 Zonas de Caça Não
da floresta
Ordenado
portuguesa 12%

2. A organização do
sector e seu
financiamento
Terreno
3. Gestão florestal Ordenado
88%
4. Caça, pesca e 100% 0,61%
outros recursos
silvestres 42,06%
75%
5. Fileiras florestais ZCN
ZCM
6. Defesa da 50% 16,73%
ZCT
floresta
ZCA
7. Questões 25%
40,60%
internacionais
0%
% dos 7.132.240 ha de Terreno ordenado
4. CAÇA, PESCA E OUTROS RECURSOS
SILVESTRES

1. Grandes números
da floresta
portuguesa
100%
2. A organização do
sector e seu
financiamento 80%
Caçadores
3. Gestão florestal licenciados
137 000
60%
4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres 40%

Caçadores encartados
5. Fileiras florestais
e não licenciados
20%
6. Defesa da 121 000
floresta
0%
7. Questões
internacionais 258.000 cartas válidas (Novembro 2009)
4. CAÇA, PESCA E OUTROS RECURSOS
SILVESTRES

1. Grandes números
da floresta
portuguesa
230.000
2. A organização do
sector e seu 220.000

financiamento
Caçadores Licenciados
210.000
3. Gestão florestal
200.000

4. Caça, pesca e
outros recursos 190.000
silvestres
180.000

5. Fileiras florestais
170.000

6. Defesa da
floresta 160.000

7. Questões 150.000
99-00 00-01 01-02 02-03 03-04 04-05 05-06 06-07
internacionais
Épocas de Caça
4. CAÇA, PESCA E OUTROS RECURSOS
SILVESTRES

SECTOR DA PESCA
1. Grandes números
da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais
4. CAÇA, PESCA E OUTROS RECURSOS
SILVESTRES

SECTOR DA PESCA
1. Grandes números
da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais
4. CAÇA, PESCA E OUTROS RECURSOS
SILVESTRES

1. Grandes números SECTOR RECURSOS MICOLÓGICOS


da floresta
portuguesa

2. A organização do AFN e a DGADR têm liderado uma iniciativa no


sector e seu contexto dos recursos micológicos:
financiamento
 criando grupos de trabalho de (Inventariação,
3. Gestão florestal Exploração/boas práticas, Formação/Divulgação)
4. Caça, pesca e
outros recursos  agregando organizações do sector, entidades de
silvestres investigação e outras entidades públicas e privadas com
vista a desenvolver e organizar o conhecimento sobre
5. Fileiras florestais este sector

6. Defesa da
floresta

7. Questões A informação disponível aponta para um universo de


internacionais mais de 30.000 colectores e um volume de 1500
toneladas/ano cogumelos silvestres.
5. FILEIRAS FLORESTAIS
5. FILEIRAS FLORESTAIS

As fileiras de pinheiro, eucalipto e sobreiro, possuem uma


1. Grandes números
da floresta
longa tradição em Portugal e representam um importante
portuguesa contributo no desempenho económico nacional.

2. A organização do Alguns indicadores macroeconómicos


sector e seu
financiamento Ano: 2006

Emprego -
Valor acrescentado
3. Gestão florestal Produção
bruto
equivalente tempo
completo
Actividade económica
4. Caça, pesca e Milhões de Milhões de
Milhares
% % de %
outros recursos euros euros
pessoas
silvestres
Silvicultura,
739 0,3 645 0,5 12 0,20
exploração florestal
5. Fileiras florestais
Indústria da madeira e
3.259 1,1 796 0,6 55 1,10
da cortiça e suas obras
6. Defesa da
Indústria da pasta de
floresta papel e papel, edição e 4.986 1,7 1.933 1,4 50 1,00
impressão

7. Questões Sub-total sectorial 8.984 3,1 3.374 2,5 117 2,40

internacionais Total nacional 287.910 137.827 4 909


5. FILEIRAS FLORESTAIS

Principais investimentos em curso no sector no período


1. Grandes números
da floresta 2007-2010
portuguesa
Investimento
N.º de
2. A organização do Sectores (milhões de
empresas
sector e seu euros)
financiamento Indústria de papeleira 3 1 522
3. Gestão florestal Centrais termoeléctricas a biomassa 14 235

4. Caça, pesca e Indústria de pellets e briquetes 26 260


outros recursos
silvestres TOTAL 43 2 017

5. Fileiras florestais
Mercados de carbono - área importante para o sector
6. Defesa da florestal uma vez que espaços florestais contribuem:
floresta
 para o sequestro de carbono;
7. Questões
internacionais
 cumprimento dos compromissos nacionais no âmbito
do Plano Nacional para as Alterações Climáticas.
6. DEFESA DA FLORESTA
6. DEFESA DA FLORESTA

1. Grandes números Defesa da Floresta 2 eixos: a Prevenção Estrutural


da floresta (PE) e a Sanidade Florestal (SF).
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres
 AFN - responsável pela coordenação do primeiro dos
5. Fileiras florestais três pilares do Sistema Nacional de Defesa da Floresta
Contra Incêndios (SNDFCI) - a Prevenção Estrutural.
6. Defesa da
floresta  GNR - coordena as actividades de vigilância e
7. Questões
fiscalização.
internacionais
 ANPC - coordena o combate.
6. DEFESA DA FLORESTA

1. Grandes números AS PERDAS RESULTANTES DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS


da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais Variação da área ardida em povoamentos e matos, de
2000 a 2010.
6. DEFESA DA FLORESTA

1. Grandes números PLANEAMENTO MUNICIPAL


da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais
Municípios abrangidos por GTF Municípios com PMDFCI
6. DEFESA DA FLORESTA

1. Grandes números
da floresta Uso do fogo - incorporado como uma importante
portuguesa ferramenta de gestão no espaço florestal.

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta

7. Questões
internacionais
2069 hectares de FC executados no 1.º semestre de 2010
6. DEFESA DA FLORESTA

1. Grandes números
da floresta Gestão de Combustíveis:
portuguesa
Nos últimos 3 anos cerca de
2. A organização do Área
100.000 hectares de espaço intervencionada
sector e seu
financiamento florestal com gestão de matos.

3. Gestão florestal Área ardida


Potencia uma protecção efectiva de
4. Caça, pesca e 2.000.000 hectares de floresta.
outros recursos
silvestres
Esta intervenção garante ainda a salvaguarda de pessoas e
5. Fileiras florestais bens em territórios de alto risco.

6. Defesa da Deste trabalho faz parte a infra-estruturação do


floresta território que no primeiro semestre de 2010 implicou a
beneficiação de 342 pontos de água principais e
7. Questões 6263 km de caminhos florestais.
internacionais
6. DEFESA DA FLORESTA
As equipas operacionais

1. Grandes números
da floresta Equipas de Sapadores Florestais
portuguesa
296 equipas - 1480 sapadores florestais:
2. A organização do
sector e seu
financiamento
 gestão de combustíveis,
3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e manutenção de infra-estruturas florestais,


outros recursos
silvestres  repovoamento de ecossistemas,

5. Fileiras florestais  acompanhamento da exploração florestal,


6. Defesa da
floresta  execução de medidas fitossanitárias,

7. Questões  apoio na área dos recursos florestais,


internacionais
 na vigilância e primeira intervenção em incêndios.
6. DEFESA DA FLORESTA

1. Grandes números SENSIBILIZAÇÃO – ALTERAÇÃO DE COMPORTAMENTO


da floresta
portuguesa

2. A organização do
sector e seu
financiamento

3. Gestão florestal

4. Caça, pesca e
outros recursos
 público generalista de carácter mais urbano, utiliza
silvestres meios como a televisão, a rádio e a imprensa nacionais.

5. Fileiras florestais  população escolar, que têm tido a participação do


Ministério da Educação e/ou Confederação Nacional de
6. Defesa da Associações de Pais, entre outros.
floresta

7. Questões
 grupos específicos de cariz rural (pastores,
internacionais agricultores), enquadrando as suas necessidades de
modo a harmonizar os vários usos do território. Parceria
entre o MADRP, MAI e o Movimento ECO.
6. DEFESA DA FLORESTA

#
##
# ### ## # ##
#
# ## # ## #

1. Grandes números
## #

Sanidade Florestal
# # # ## #
# ##### ## # #
#
# #
# #
#
## # # # #### ##
# #
# # # ## # # ###
##### # ## # # ## # #
# # ## # # # # # ## # # # #

# # ### # ##
# # ## #
# # # #
# ### # #
# ## # ## #
# # #
# #
# # # ## ## ###
# # ##
# ## ### ### # # ## # ###
#### # # # #
# # # # ## # # ## # # # ## # #

da floresta
# #
### # ## # # ## # ####
### ###### # # # #
### ## # ## ## ## ## # #
# # # ##
# ##
## # # ### # # ## ### #
# # # # # # # # # # # ## # # # #
###
# # ##
# #
# # # # ##
#
# # #
#
### # # # #
# # # ## ### # ## # # # # #
#
# ## # # ## # # # ## #
# # #
# #
#
## # # # ## # # #
## # ###### # # # # # #
# # # # ## # # # # # # ###
# # # # # # #

portuguesa
# # ## # # ## ##
# # #
# # ## ## # # #
# # # # # #
# ## # # # #
## # #
# # ## # ## # # # # ## # #
# #
# # # # # ### # # #
# # # ## ## # #
# ## #### ## # # # #
#
##
# # # ## # ####
### # # ### # # #
# # # #
## ## ### # # #####
# ## ### # ### ## ## # ### # # # #
# ##
# ## #### ## # # ## ## # ###
# ## ### # ## # # # # # #
# # #### # # ## # # # # # #

PROSPECÇÃO
# # ## # ## #### #
## ### ## ## ##
# # # # # ## ### # # # ## #
#### ## ## ## # # # ####
# ## ## ## #
# # ## # ## ##
##
# # ## ##
# ### # # # # #
#
# # # # #
## ### # ### # # # # # #
# # ## ## ## # ## # ## # # ## # # # #
## # # # ## # # # ## # ## ## # # #
##
# # # ## # #
# ### ## ## #
### # # # # # # ### # ## #
###
# # ## ## # # ## # # #
#### # # ## ##### # ### ## ## # # #

2. A organização do
#
# #### # # # #
# # # # ## # # # # ## # ###
# ###
### #
###
# # #
### # # #
# # # #
## # ### # #
### # # # # #### ## ## # # # # # # ## ##
# # #
## # # #
####
#### ## # ## # # # ## # #
# ## # # # # # # # ### # # # #
## #
# # ##
## # # # # ### # # # ## # # ## #
# ## # ## # # # ### # # #
## # # # # # # ## ## # ##### ## # # # # # ##
### ###
# # ## ### # # # # ##
## ### # #### ### ### ## # ##
# # # # # ## #
# # ## # ## # ## # # # # #### #### # # # # ##
# ## # # ## # # ### # # ## ##
# # ## # # # # # #
## ## # ## ## #
# # # ### #
### ### ## ## # ## # # #
# # #
# ##
## # ##
##
#
# ### # ##
## ## # # ###
# ## #### ## ### # ## # ## # ##
# ## ## # # ## # # ##
####### ###
# ## # ## #

sector e seu
# # #
# ## # ## ###### ######### #### ##
# # # ### # #
#
## ## # # # ### # # ## # # ## ## ## # # ######
# ## ### # # # ######
## #
## ### #
## ## ## ## # # ## ## # ### ## # #
#
## ## ## ## # ## # ## # # # ## ###
## ##
### #
# # ## # # ## #### #####
### ## ### ###
### # ##
# #### # # # ##
##
## #
### # # # # ## ### # ## ## # ## ### ##
# ##
## # # #
# ## ## # ### # # ########## # ### ## # ### #####
## ###
##### ### ## ###
# ## ### # ###
#### ###### # #
##
## # ## ## ##
### ### # ## #
###
# ##
##
# ## # ## # ## ##
# # ###### # # #

##### # # # # # # # #### #### ## # # # ###


## ####
## ## # ##
### ## # #
# #####
### # ##
#
###
### ## # # ## # #### ### #### # # ##
## #####
### ##
# ## ## # # # # # #
#### #
### #
## # ## #### # ## # #### # ##
# ###
##### # ## #
##
#### # # # # # ## ## # # # ### ## ## #

financiamento
# # ## # # # #
# ##
###
# #### ## # ## # ### ## ## ### # # ####
## ### # ##
#### # # # ### # # #
# # # # # # # # ###
## # ### ## # #
#### #
## # # ## ### ## ## ## # ## # #

objectivo
# # # #
# ##
# # # #
## ## ### #
# #
## # # # # ### ###
## #
# ## # # # ##
# # # ### #
# # # # # # # # #
# # # # ## #
###
#
#
# # #
# # ## # #
# #
# # # # ##### #
#
# ## #
# # # #
# # ### # # # # #
# # #
# ## ## ## #
# # # #
##
# # ##

3. Gestão florestal
# ## # ## # # # # #
## ## # ## # #
# # ## #
#
#
#

##
#
# #
# #
## ## #
####
# # ##
###
###
## #
# ##
#
# # ## ##
####
###
#### # ### #
## ##
##
# # # #
## ### ## # #
# # ##
###
### ## #
##
## # #

4. Caça, pesca e
#
#
# ##
#
###
### # ##
#

MONITORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO CONTINENTAL


#
##

# #

outros recursos #

silvestres
# #
# #
# # #
# # #
## #
### #

#
#

5. Fileiras florestais

6. Defesa da
floresta Parcelas Outras Áreas
Inventário Áreas Afectadas Fronteira
7. Questões (Sistemática) Declínio (Delimitação)
internacionais
6. DEFESA DA FLORESTA

Nemátodo da madeira
0 150000 300000 450000

600000
600000
1. Grandes números o
da floresta do pinheiro
portuguesa Norte

450000
450000 ERRADICAÇÃO
2. A organização do
sector e seu Centro
financiamento

objectivo
300000
300000

3. Gestão florestal
LVT

4. Caça, pesca e
outros recursos Alentejo
REDUÇÃO DO DECLÍNIO E DA
Legenda

150000
150000

silvestres DRF
Limite Zona Tampão

INCIDÊNCIA DE NMP
Elaborado pela Divisão de Sanidade Florestal

Área de Intervenção
Classificação

5. Fileiras florestais Local de Intervenção


Envolvente

Algarve Zona Tampão

6. Defesa da
0 25 50 Km

0
0

floresta 0 150000 300000 450000

Área de Intervenção - Protocolos 2010

Sistema de Referência:
Projecção Rectangular de Gauss-Kruger Data de elaboração: 12/Out/2010

7. Questões Elipsóide de Hayford, Datum Lisboa


Falsa Origem SW Cabo S. Vicente Data de actualização: 19/Out/2010
Fontes: AFN (2005,2010); IGP (2010)

internacionais Áreas Áreas Zona


Afectadas Circundantes Tampão
6. QUESTÕES INTERNACIONAIS
7. QUESTÕES INTERNACIONAIS

1. Grandes números FLORESTAS E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS


da floresta  Elaboração dos relatórios no âmbito do Protocolo
portuguesa de Quioto, para o período 2008-2012, da
responsabilidade da APA com intervenção da AFN no
2. A organização do
sector florestal.
sector e seu
financiamento
 Elaboração da Estratégia Nacional de Adaptação às
3. Gestão florestal alterações climáticas (Subgrupo de trabalho “Florestas”).

4. Caça, pesca e
outros recursos
silvestres
MADEIRA E PRODUTOS DE MADEIRA
 FLEGT e Regulamento do Parlamento Europeu e do
5. Fileiras florestais Conselho que fixa as obrigações dos operadores que
colocam no mercado madeira e produtos de
6. Defesa da madeira.
floresta

7. Questões INICIATIVA “FOREST EUROPE”


internacionais  A criação de um instrumento legal vinculativo
europeu para a protecção das florestas?
7. QUESTÕES INTERNACIONAIS

1. Grandes números COMBATE À DESERTIFICAÇÃO (UNCCD)


da floresta
portuguesa Convenção das Nações Unidas de Combate à
Desertificação (UNCCD):
2. A organização do
sector e seu
financiamento
 criação da Comissão Nacional de Coordenação do
3. Gestão florestal Programa de Acção Nacional de Combate à
Desertificação e do Observatório Nacional da
4. Caça, pesca e Desertificação (PANCD), sob presidência e
outros recursos responsabilidade da AFN, e de que decorrem também a
silvestres representação externa do país nestas matérias, na figura
do Ponto Focal Nacional da UNCCD.
5. Fileiras florestais

6. Defesa da  para a prossecução dos objectivos estratégicos e


floresta específicos do PANCD, a AFN tem estabelecido um
conjunto de intervenções prioritárias de curto e médio
7. Questões prazos, no âmbito das relações multilaterais e de
internacionais cooperação com os PALOP, da União Europeia e interno.
Muito obrigado

O SECTOR FLORESTAL

Eco-Escolas – Seminário Nacional | Guarda, 4 de Fevereiro de 2011