Você está na página 1de 14

Instituto Superior de Transportes e Comunicações

Engenharia Informática e de Telecomunicações

Disciplina: Física II - LEIT I11

Trabalho Laboratorial 3: Lei de Faraday

Nomes:
Khalidy Safar
Suneila Mussagy
Shany Mandlate

Docente: Cardoso Massango

Maputo,10 de Novembro de 2020


Índice
1. Introdução ............................................................................................................................................. 3
1.1- Objetivos da Experiência .............................................................................................................. 3
2. Resumo teórico ..................................................................................................................................... 4
2.1- Fluxo magnético............................................................................................................................ 4
2.2- Lei de Faraday-New-Neumann-Lenz............................................................................................ 4
2.4- Enunciado qualitativo ................................................................................................................... 6
2.5- Enunciado quantitativo ................................................................................................................. 7
2.6- Equação de Maxwell-Faraday ....................................................................................................... 8
2.7- Aplicações ..................................................................................................................................... 9
Transformador....................................................................................................................................... 9
Gerador ............................................................................................................................................... 10
Resolução Prática ........................................................................................................................................ 11
Resposta aos objetivos ................................................................................................................................ 11
Conclusão.................................................................................................................................................... 13
Bibliografia ................................................................................................................................................. 14
1. Introdução

No presente trabalho o grupo ira apresentar o tema sobre a lei de Faraday apresentaremos os
resultados obtidos na experiência.
Lei de Faraday, também conhecida como lei da indução eletromagnética, afirma que a variação
no fluxo de campo magnético através de materiais condutores induz o surgimento de
uma corrente elétrica.
O fenômeno da indução eletromagnética foi descoberto pelo físico e químico
britânico Michael Faraday em 1831. Essa descoberta foi uma das mais importantes de toda a
história, uma vez que, graças a esse fenômeno, somos capazes de gerar energia em
usinas hidrelétricas, produzir movimento usando motores elétricos, gerar calor por meio
de fornos de indução, fazer leituras e gravações magnéticas e outros.
Para compreendermos como funciona a lei de Faraday, é fundamental que conheçamos o
conceito de fluxo magnético (Abordado no resumo teórico).

1.1- Objetivos da Experiência


 Explicar o que acontece quando o íman passa por meio da espira com diferentes
velocidades e como este afeta a claridade (brilho) da lâmpada (magnitude e sinal no
voltímetro)
 Explicar a diferença em mover o íman, aproximando-o ou afastando-o da bobina.

 Explicar a diferença em mover o íman na bobina com menor número de espiras e na


bobina com maior número de espiras.
2. Resumo teórico
2.1- Fluxo magnético
O fluxo magnético (Φ) é uma grandeza escalar que mede a quantidade de linhas de
campo magnético (B) que atravessam uma área fechada (A). Além disso, o fluxo
magnético depende do ângulo que é formado entre o campo magnético e a reta normal
(N) na área A. Confira a fórmula utilizada para calcular esse fluxo:

Φ - fluxo magnético (Wb - weber ou T/m²)


B - campo magnético (T - tesla)
A - área (m²)
Ex:

2.2- Lei de Faraday-New-Neumann-Lenz

Formalmente, a lei da indução eletromagnética é conhecida como lei de Faraday-Neumann-


Lenz, no entanto, é frequentemente referida apenas como lei de Faraday. Isso acontece porque
o fenômeno da indução foi descoberto por Michael Faraday, mas sua formulação matemática foi
feita por Franz Ernst Neumann. Além disso, Heinrich Lenz propôs a necessidade de usar o sinal
negativo da fórmula, que diz respeito ao sentido da corrente elétrica induzida.
A lei de Faraday foi de suma importância para o desenvolvimento do eletromagnetismo, uma vez
que ela revela a existência de uma relação direta entre fenômenos elétricos e magnéticos, esses
que foram tratados como fenômenos de natureza distinta durante muitos anos.

Ela prevê como um campo magnético interage com um circuito elétrico para produzir uma força
eletromotriz — um fenômeno chamado de indução eletromagnética. É a base do funcionamento
de transformadores, alternadores, dínamos, indutores, e muitos tipos de motores
elétricos, geradores e solenoides.

Suas aplicações são inúmeras; na prática, quase todos os equipamentos eletro-eletrônicos


utilizam o fenômeno da indução, seja para produzir uma corrente contínua, como nos dínamos,
ou uma corrente alternada, como nos geradores, transformadores, alternadores e indutores, todos
por meio da variação no campo magnético.

A equação de Maxwell – Faraday é uma generalização da lei de Faraday, e compõe uma


das equações de Maxwell. Ela descreve como a variação de um campo magnético no tempo
através de um circuito em repouso produz um campo elétrico não-eletrostático que, por sua vez,
produz uma corrente elétrica no circuito. O movimento relativo entre um imã e o condutor e a
produção, ou não, de um campo elétrico nessa experiência levaram a uma aparente dicotomia,
exercendo, por sua vez, papel fundamental no desenvolvimento da relatividade restrita por Albert
Einstein em 1905.

2.3- Um pouco da história


A indução eletromagnética foi descoberta de forma independente por Michael Faraday em 1831
e Joseph Henry em 1832. Faraday, no entanto, foi o primeiro a publicar os resultados de seus
experimentos. Em 29 de agosto de 1831, data da primeira demonstração experimental da indução
eletromagnética feita por Faraday, ele amarrou dois fios em lados opostos de um anel de ferro
(ou toro, um arranjo similar a um transformador toroidal moderno). Face às recém-descobertas
propriedades do eletromagnetismo, ele esperava que, quando a corrente começasse a passar em
um fio, uma espécie de onda viajaria através do anel e causaria algum efeito elétrico no lado
oposto. Conectou, então, um dos fios a um galvanômetro e o outro a uma bateria. Foi observada,
de fato, uma corrente transiente – que ele chamou de "onda de eletricidade" – nos momentos em
que conectou e desconectou o fio à bateria. Esta indução ocorreu devido à mudança que houve
no fluxo magnético quando a bateria foi conectada e desconectada.

Faraday explicou a indução eletromagnética usando um conceito que chamou de linhas de força.
No entanto, grande parte dos cientistas da época rejeitavam suas ideias teóricas, principalmente
porque não havia uma formulação matemática para elas. James Clerk Maxwell, contudo, usou as
ideias de Faraday como a base para sua teoria eletromagnética quantitativa. Nos estudos de
Maxwell, o aspecto da variabilidade com o tempo da indução eletromagnética é expressado
como uma equação diferencial, a qual Oliver Heaviside referiu-se como a lei de Faraday, embora
seja diferente da versão original da lei de Faraday. A versão de Heaviside é a forma que hoje é
reconhecida como parte do grupo de equações conhecido como equações de Maxwell.

A lei de Lenz, formulada por Heinrich Lenz em 1834, descreve o "fluxo através do circuito", e
fornece a direção da força eletromotriz e corrente induzidas resultantes da indução
eletromagnética.

Ex:

2.4- Enunciado qualitativo


A versão mais difundida da lei de Faraday afirma:

A força eletromotriz induzida em qualquer circuito fechado é igual ao negativo da variação do


fluxo magnético com o tempo na área delimitada pelo circuito.

Esta versão da lei de Faraday é estritamente válida apenas quando o circuito fechado é um laço
de fio metálico infinitamente fino, e é inválida em outras circunstâncias a serem discutidas. Uma
versão diferente, a equação de Maxwell–Faraday, é válida em todas as circunstâncias.
2.5- Enunciado quantitativo
A lei da indução de Faraday faz uso do fluxo magnético através de uma superfície hipotética
, cujo bordo é um laço de fio metálico. Uma vez que o laço pode estar se movendo com o
tempo, escreve-se para a superfície. O fluxo magnético é definido pela integral de
superfície:

onde : dA é um elemento de área da superfície Σ(t), B é o campo magnético (também chamado de


"densidade do fluxo magnético"), e B·dA é um produto escalar dos dois vetores (a quantidade
infinitesimal de fluxo magnético). De outro modo, o fluxo magnético através do laço é proporcional ao
número de linhas do fluxo magnético que passam por ele.

Quando o fluxo se modifica — devido a uma mudança do B, ou porque o laço é movido ou


deformado, ou ambos — a lei da indução de Faraday afirma que o fio adquire uma FEM, ε,
definida como o trabalho por unidade de carga que uma força não-eletrostática realiza quando
uma carga é transportada em volta do laço. De forma equivalente, é a voltagem que seria medida
ao cortar o arame para criar um circuito aberto, ligando um voltímetro às pontas.

A lei de Faraday afirma que a FEM também é dada pela taxa de variação do fluxo magnético:
Φ
ε
Onde: ε é a força eletromotriz (FEM) e ΦB é o fluxo magnético. A direção da FEM é dada
pela lei de Lenz.

Para um fio enrolado firmemente em uma bobina, composta de N voltas idênticas, cada uma com
o mesmo ΦB, a lei da indução de Faraday afirma:

Φ
ε

Onde: N é o número de voltas do fio e é o fluxo magnético através de uma única volta.
2.6- Equação de Maxwell-Faraday
A equação de Maxwell-Faraday é uma generalização da lei de Faraday, e afirma que um campo
magnético que varia com o tempo é sempre acompanhado por um campo elétrico não-
conservativo que varia espacialmente, e vice-versa. A equação de Maxwell–Faraday é:

(em unidades do SI), onde é o operador rotacional e, novamente, E (r, t) é o campo elétrico
e B(r, t) é o campo magnético. Tais campos podem estar em função da posição r e do tempo t.

A equação de Maxwell – Faraday é uma das quatro equações de Maxwell, tendo, portanto, um
papel fundamental na teoria do eletromagnetismo clássico. Ela também pode ser escrita na forma
integral pelo Teorema de Kelvin-Stokes:

Onde: é uma superfície limitada pelo seu bordo é o campo elétrico; B é o campo
magnético; dℓ é um elemento vetorial infinitesimal de é um elemento vetorial
infinitesimal de

Ambos e têm uma ambiguidade de sinal; para obter o sinal correto, usa-se a regra da mão
direita. Para uma superfície plana , um elemento de curva positivo da curva é definido
pela regra de mão direita como estando na direção dos dedos da mão direita quando o polegar
aponta na direção do vetor normal n exterior à superfície

Embora a lei de Faraday seja válida para circuitos de fio infinitamente fino, ela pode fornecer um
resultado errado caso seja ingenuamente extrapolada para outros contextos. Um exemplo é
o gerador unipolar: um disco metálico girando na presença de um campo magnético homogêneo
gera uma FEM de corrente contínua. Na lei de Faraday, a FEM é dada pela derivada do fluxo no
tempo; logo, uma FEM contínua só é possível caso o fluxo magnético esteja aumentando. Porém,
no gerador, o campo magnético é constante e o disco permanece na mesma posição, então, o
fluxo magnético não aumenta. Portanto, esse exemplo não pode ser analisado diretamente pela
lei de Faraday.
Outro exemplo, como exposto por Richard Feynman, apresenta uma mudança dramática no fluxo
através do circuito, no entanto, a FEM permanece arbitrariamente pequena. Veja a figura e
legenda acima à direita.

Em ambos os exemplos, as mudanças no percurso da corrente são diferentes do movimento do


material que compõe o circuito. Os elétrons em um material tendem a seguir o movimento dos
átomos que constituem o material, devido à dispersão na massa e o confinamento da função
trabalho nas bordas. Por conseguinte, a FEM relativa ao movimento é gerada quando os átomos
do material movem-se através de um campo magnético, arrastando os elétrons com ela,
sujeitando-os, assim, à força de Lorentz. No gerador unipolar, os átomos do material movem-se,
embora a geometria do circuito como um todo permaneça a mesma. No segundo exemplo, os
átomos do material são praticamente estacionários, embora a geometria do circuito como um
todo mude dramaticamente. Por outro lado, a lei de Faraday sempre é verdadeira para um fio
suficientemente fino, pois a mudança na geometria do circuito é sempre diretamente
proporcional ao movimento dos átomos do material.

Embora a lei de Faraday não seja válida em todas as situações, a equação de Maxwell–Faraday e
a lei da força de Lorentz são sempre corretas e podem ser sempre usadas diretamente.

2.7- Aplicações

As aplicações da lei de Faraday são inúmeras, podendo-se


citar: indutores, alternadores, dínamos e transformadores. Praticamente todos os
equipamentos eletros-eletrônicos usam o fenômeno de indução, seja com indutores em
circuitos ou em transformadores para utilizar vários níveis de tensão.

Transformador

Vamos usar como exemplo um transformador ideal. Um transformador ideal consiste de um


núcleo que contém completamente o fluxo magnético dentro dele e duas bobinas: uma que
chega com a tensão e corrente vindas de um gerador e o outro lado que vai ser usado em
algum circuito, uma tomada por exemplo.
Esquema de um transformador ideal
Dado o número de voltas da bobina 1 e o número de voltas da bobina 2. Temos então:

Como a tensão de entrada é conhecida e o fluxo magnético é igual nas duas bobinas:

E a razão entre as tensões depende somente da razão entre o número de voltas das bobinas:

Gerador

Como visto antes, o processo regido pela Lei de Faraday-Neumann-Lenz não discrimina entre
condutor ou ímã se movendo.

O fluxo de um campo magnético uniforme passando por uma bobina fina pode ser escrito como:

Onde é o ângulo entre o campo e a normal da área orientada da bobina. Se a bobina está
girando temos:
Calculamos a FEM (força eletromotriz) então como:

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Resolução Prática

Resposta aos objetivos

1 Explicar o que acontece quando o íman passa por meio da espira com diferentes
velocidades e como este afeta a claridade (brilho) da lâmpada (magnitude e sinal no
voltímetro)
R: Quanto maior a velocidade, menor é o tempo de intensidade que a corrente passa é
caminha para a lâmpada, causando um forte intensidade na luz produzida pela mesma.

2 - Explicar a diferença em mover o íman, aproximando-o ou afastando-o da bobina.


R: Aproximando o íman há iluminação. Afastando não cria iluminação na lâmpada

3 - Explicar a diferença em mover o íman na bobina com menor número de espiras e na


bobina com maior número de espiras.
R: Com menos bobinas a intensidade e menor. Com mais bobinas a intensidade da
iluminação e maior, ou seja, são inversamente proporcionais.

Perguntas de Controlo
1. Explicar por que se produz corrente elétrica ao movimentar o íman no interior duma
bobina.
R: Porque durante o movimento há uma variação do fluxo magnético.

2. Explicar porque quando o íman esta em repouso não se apresenta corrente elétrica
induzida.
R: Não há corrente induzida nestes casos porque não há trabalho realizado.
3. Que acontece ao aumentar a velocidade do íman no interior do condutor.
R: Com o aumento da velocidade do íman no interior do condutor o voltímetro oscila o
seu ponteiro e a lâmpada oscila também.

4. Explicar o significado físico do sinal (-) que aparece no voltímetro.


R: Quando aproximamos o sinal fica negativo, e quando afastamos fica positivo.

Orientação para apresentação do Relatório


1. Desenhe a orientação do vector campo magnético para as linhas de campo do iman,
nos pontos seguintes:
i) próximo do polo norte N,
ii) próximo do polo sul S,
iii) na metade do íman.
Com base no desenho interprete as variações do sinal no voltímetro.

i) próximo do polo norte N: as linhas do campo saem e o sinal do voltímetro é negativo


ii) próximo do polo sul S: as linhas do campo entram e o sinal do voltímetro é positivo
iii) na metade do íman. : nulo.

2. Explicar a importância da indução eletromagnética no desenvolvimento tecnológico


atual.
R: Praticamente todos os equipamentos eletrônicos usam o fenômeno de indução, seja
com indutores em circuitos ou em transformadores para utilizar vários níveis de
tensão, fazendo ele totalmente importante desenvolvimento tecnológico, pois os
objectos de uso tendem a evoluir também.
Conclusão
Neste trabalho, descrevemos uma montagem por meio da qual pode-se testar de maneira rápida e
convincente aspectos fundamentais da lei de indução de Faraday, analisando a fem (força
eletromotriz) induzida numa bobina em função da velocidade de um íman livre ao passar através
dela. Um aspecto importante deste trabalho é que conseguimos relacionar, utilizando apenas
princípios básicos da eletromagnetismo e com um mínimo de formalismo matemático, a tensão
pico-a-pico da fem induzida com a velocidade do íman ao passar pelo centro da bobina. Isto
facilitou enormemente a análise dos dados e tornou o trabalho mais acessível para estudantes
com algum conhecimento de física básica, bem como adequado para ser reproduzido em
laboratórios de física básica.
Bibliografia
https://mundoeducacao.uol.com.br/fisica/lei-faraday.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_de_Faraday-Neumann-Lenz
https://www.todamateria.com.br/lei-de-faraday/
https://phet.colorado.edu/en/simulations/filter?subjects=physics

Você também pode gostar