Você está na página 1de 38

Manual de Contabilidade Bancaria

Licenciatura em Contabilidade

Introdução

O estudo da Contabilidade Bancária nos países desenvolvidos começa a ganhar maior amplitude
enquadrado no campo da gestão bancária. No nosso país este ramo de contabilidade aplicada só
é leccionado por algumas escolas técnicas e algumas faculdades, muitas das vezes dentro do
programa de contabilidade sectorial.
Tal como noutros ramos de actividade o departamento de contabilidade numa instituição
financeira reveste-se de maior importância e com maior relevância que nos outros sectores
devido a importância que ela tem na economia, dai a necessidade de maior controlo pelas
autoridades monetárias.

Conceito

A contabilidade Bancária é um ramo da contabilidade Aplicada que estuda, regista e controla as


operações pertinentes a instituições de crédito e sociedades financeiras, determinando o resultado
destas operações e a situação patrimonial.

As características específicas do património das empresas bancárias e sociedades financeiras, a natureza


própria das suas operações, tais como empréstimos, depósitos, cobrança de valores, etc. Justifica o
estudo da contabilidade bancária.

Plano de contas para as instituições de crédito e sociedades financeiras

Sistematização

O PCICSF em vigor estabelece uma aproximação as regras e práticas da comunidade bancária


internacional e é constituído por nove classes, nomeadamente:

1. Disponibilidades
2. Aplicações
3. Imobilizações

1
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

4. Recursos alheios
5. Contas internas e de regularização
6. Recursos próprios e equiparados
7. Custos e perdas
8. Proveitos e Ganhos
9. Contas extras patrimoniais

Posicionamento das contas no balanço


Apesar de existir discrepância entre o PCICSF e o PGC-NIFR (plano regulador de outras actividade
económicas excluindo a actividade seguradora) a equação fundamental do balanço é a mesma, senão
vejamos:

Activo = Passivo+Capitais Próprios

Activo: Disponibilidades, Investimentos financeiros, Investimentos de capital, Contas internas e de


regularização, Contas extra patrimoniais

Passivo e Capitais Próprios: Recursos alheios, Contas internas e de regularização, recursos próprios e
equiparados, Contas extra patrimoniais.

Análise das classes das contas

Um banco, como qualquer unidade económica, está inserido num determinado ambiente
económico com o qual mantem permanentes ligações em termos de fluxos reais a que
correspondem fluxos monetários, mas no sentido oposto àquele. No sector bancário, dada
natureza da sua actividade (Intermediação financeira), haverá fluxos de recursos dos poupadores
para o banco e deste para os investidores. Assim estar-se-á na presença de aplicações, ao
falarmos de:
• Aquisição de imobilizado;
• Concessão de crédito;
• Deposito noutros bancos;
• Pagamento de salários;
• Liquidação de juros.

2
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Estamos na presença de recursos nas seguintes situações:


• Aumento de capital por entrada de dinheiro;
• Obtenção de fundos no MMI;
• Depósitos de clientes;
• Cobrança de juros
Tal como em qualquer facto patrimonial, os fluxos são susceptíveis de revestir duas naturezas diferentes
patrimoniais (factos patrimoniais qualitativos) e de exploração (factos patrimoniais modificativos), veja
tabela a baixo:

Fluxos Natureza
Patrimoniais De exploracao
Aquisicao de imobilizado x
Concessao de creditos x
Aplicacoes Deposito noutros bancos x
Pagamento de salarios X
Liquidacao de juros X
Aumento de capital x
Obtencao de fundos no MMI x
Recursos
Deposito de clientes x
Cobranca de juros x

Normas e princípios contabilísticos

O produto final da contabilidade são as demonstrações financeiras e estas devem dar uma imagem
verdadeira e apropriada do património, da situação financeira, assim como do resultado das operações
da empresa de modo a satisfazer todos utentes da informação financeira sejam eles credores,
devedores, Accionistas Estado etc.

A qualidade essencial da informação proporcionada pelas demonstrações financeiras é a de que seja


compressível pelos utentes acima referidos e só é possível através do cumprimento das normas de
contabilidade, sobretudo as de relevância e fiabilidade.

O PCICSF de 2007 que é de utilização de todas instituições de supervisão do Banco de Moçambique,


estão consagradas de forma explícita as seguintes normas e princípios contabilísticos.

3
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Normas:

O PCICSF, sendo de utilização obrigatória, para todas as instituições financeiras, nomeadamente: Bancos
comerciais, empresas de leasing, de factoring, sociedades de compra em grupo, de capital de risco, de
entre outras sujeitas a supervisão do Banco de Moçambique, estabelece um conjunto de normas, a
saber:

Relevância: É entendida como sendo a qualidade que a informação tem de influenciar as decisões dos
seus utentes, ao ajuda-los a avaliar os acontecimentos passados, presentes e futuros ou a confirmar ou
a corrigir as avaliações.

Fiabilidade: É a qualidade que a informação tem de estar liberta de erros materiais e de juízos prévios,
ao mostrar apropriadamente o que tem por finalidade apresentar ou se espera que razoavelmente
represente, podendo, por conseguinte, dela depender os utentes.

Não compensação das contas: Não são permitidas quaisquer compensações entre saldos devedores e
credores, seja nas contas de terceiros, proveitos, ganhos, Gastos ou perdas

Princípios contabilísticos: O seguimento de princípios contabilísticos, reveste-se de grande importância,


sobretudo se assumirmos que os utentes da informação contabilística ultrapassam as fronteiras de um
país, devido ao fenómeno de globalização que esta mais patente nos mercados financeiros do que em
qualquer outro sector onde a nacionalidade do capital esta cada vez mais diluída. No PCICSF estão
patentes os seguintes princípios contabilísticos geralmente aceites:

Da continuidade: Presume-se que a instituição continua as suas actividades, não tendo a intenção nem
necessidade de entrar em liquidação ou de reduzir significada mente a sua actividade.

Da consistência: Os critérios valorimétricos não podem ser modificados de um exercício para o outro.
Ocorrendo qualquer derrogação a este princípio com efeitos materialmente relevantes, deve a mesma
contar denota especifica a incluir no anexo refe

Base do acréscimo: Os proveitos e custos são reconhecidos quando obtidos ou incorridos e atribuídos
por períodos mensais, segundo a regra do pró rata temporis, quando se trata de operações que
produzam fluxos redituais ao longo de um período superior a um mês.

Da prudência: As contas devem, integrar níveis de precaução exigidos por estimavas realizadas em
condições de incerteza, não permitindo, com tudo, a criação de reservas ocultas ou provisões excessivas
ou deliberada quantificação de activos e proveitos por defeitos ou de passivos e custos por excesso. Em
particular, devem ser tomados em conta os riscos previsíveis e as perdas eventuais que tenham a sua

4
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

origem no exercício anterior, mesmo se estes riscos ou perdas apenas tiverem sido conhecidos entre a
data de encerramento do balanço e da data no qual ele é elaborado.

Da Substância sobre a forma: A contabilidade deve atender a substância das operações e a sua
realidade financeira e não apenas a forma legal de que as mesmas se revestem.
Em particular, não serão reconhecidos como resultados ou lucros aparentes obtidos mediante a venda
de imóveis, títulos, participações ou outros activos a pessoas ou entidades vinculadas à instituição, cujo
preço se satisfaça directamente ou indirectamente, com fundos desta, nem as reavaliações realizadas
através da venda e posterior anuição de activos, não podendo efectuar reavaliações que não sejam
expressamente previstas por lei.

Da materialidade: As demonstrações financeiras devem evidenciar todos os elementos que sejam


relevantes e que possam afectar avaliações ou decisões de terceiros.

Da correspondência do balanço de abertura de um exercício com o do encerramento do exercício


anterior: Os saldos de abertura do balanço de um exercício devem ser iguais aos saldos de
encerramento constantes do balanço do exercício precedente.

5
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Os produtos Bancários e a Sua Relevação Contabilística


1. Compressão
A banca no exercício da sua actividade tradicional, praticava primordialmente as operações de
compra e venda de dinheiro, isto é, aceitava, sob forma de activos monetários, depósitos de
clientes que depois geria e aplicava sob forma de crédito. Actualmente, graças a uma agressiva e
sã concorrência, os bancos são levados a colocar no mercado produtos e serviços que não lhe
competiam tradicionalmente como intermediário financeiro. Com efeito a banca promove e
divulga a prestação de serviços, tais como, transferências, ordens de pagamento, operações
sobre títulos de crédito, operações cambiais e comércio externo. Esses novos produtos
oferecidos pelos bancos, designam-se Serviços Bancários Gerais.
Os serviços bancários gerais, representam uma inovação na actividade bancaria e têm uma
grande importância para os bancos, porque através deles os bancos conseguem uma
remuneração (comissões) sem incorrer em risco que geralmente acarretam as operações de
crédito e se os mesmos forem bem concebidos conseguem atrair recursos (depósitos) com
menor custo para os aplicar em operações mais rentáveis. Assim através das operações de
prestações de serviços os bancos podem incrementar as suas margens financeiras e
consequentemente os resultados.
Actualmente tem aparecido os chamados bancos universais, que para além dos serviços de
consultório, serviços de consultoria, serviços de intermediação e outros que tradicionalmente
eram oferecidos apenas, por empresas de consultoria.

Produtos Bancários Tradicionais

Os produtos bancários tradicionais, são de duas categorias:


• Produtos bancários de captação de fundos, geralmente designados por depósitos e
• Produtos bancários de concessão de fundos ou créditos bancários.

6
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Actualmente, podemos encontrar uma gama variada de depósitos e créditos mas no essencial
são todos idênticos ou substituídos. Os bancos procuram introduzir pequenas variáveis de
diferenciação, tais como: taxas, juros diferentes, diferenças nas condições de movimentação.
Saldos mínimos de aberturas diferentes, garantias etc. Essas variáveis são normalmente
introduzidos para satisfazer as necessidades de um determinado segmento de mercado.

7
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Produtos Bancários de Captação de Fundos


Operações passivas

As operações passivas, são as primeiras a serem realizadas, uma vez que será por meio delas que
o estabelecimento bancário disporá de numerário para aplicar em seu comércio. Para obter
resultados, o banco realiza a captação de recursos amoedados, ele irá aplicá-los mediante
empréstimos à comerciantes, a pessoas físicas, etc, cobrando juros superiores aos que paga na
captação.

Esquema das operações


Iniciamos a nossa primeira operação passiva do estabelecimento bancário, que é sua obrigação
em relação aos accionistas que fornecem recursos de sua fortuna pessoal para a formação do
capital social da entidade financeira.
Quando o banco faz captação de recursos, tornando-se devedor de quem lhe passou tais
recursos, ele realiza uma operação passiva.
As operações passivas através das quais os bancos obtêm recursos, teremos:
2. Depósitos a ordem;
3. Depósitos a prazo;
4. Ordens de pagamento;
5. Redescontos e empréstimos do banco central;
6. Obrigações por empréstimos nos pais;
7. Obrigações por empréstimos no exterior;
8. Obrigações por repasse.

Suponhamos que o Banco do Sul, SA. Se constitui com um capital de 1.500.000,00 cujas acções
foram totalmente integralizadas, ou seja, seus valores pagos ao banco ELCAMAX, S.A.
Após o trânsito do depósito obrigatório, teremos:
Debito das contas, disponibilidades e investimentos de capital em contrapartida da (55) capital.
Nesta operação, o banco tornou-se devedor aos accionistas que subscreveram e realizarão

8
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

integralmente as acções em que se pulveriza seu capital, recolhendo seu primeiro recurso,
chamado de capital próprio.

Os produtos Bancários de captação de fundos, são constituídos maioritariamente, pela variada


gama de depósitos, entretanto quando o montante captado pelo banco nos depósitos não é
suficiente podem recorrer ao mercado monetário interbancário (MMI) ou a emissão de valores
imobiliários (obrigações).

Depósitos Bancários
É um produto que garante o Direito a remuneração de segurança pelos fundos disponibilizados,
constituiu meio, através do qual, o banco capta recursos financeiros que lhe permitem operações
de crédito.

Os depósitos representam a maioria dos recursos de que o banco dispõe, normalmente são
agrupados em função do seu grau de exigibilidade, a saber:

• Depósitos á ordem
• Depósito com pré-aviso
• Depósito a prazo

Se um Banco tem um défice de tesouraria de curto prazo, geralmente recorre ao mercado


monetário interbancário, e quando a carência de fundos é estrutural, como por exemplo,
recursos para financiamentos de investimentos, recorre-se a emissão de valores imobiliários.
Todos os recursos atrás referidos estão enquadrados na classe 39, podendo se distinguir os de
instituições de crédito no país (conta 390), que são fundamentalmente o mercado monetário
interbancário e as facilidades permanentes de pagamento concedido pelo Banco de
Moçambique, instituições de crédito no estrangeiro (conta 391), os depósitos de residentes
(conta 40), empréstimos (conta 41) e responsabilidades representadas por títulos (conta 42),
onde se enquadram a emissão de valores imobiliários e ainda os recursos consignados.

9
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Esquematicamente, o tratamento contabilístico das operações de captação de recursos, também


designadas por operações passivas, pode ser descritos da seguinte maneira:

Deposito à ordem

Estes depósitos caracterizam –se pela sua livre movimentação. São realizados tanto em dinheiro
como em cheque e recibos de ordens de pagamento.

Cabe ao banco, no depósito em cheque, acautelar-se no sentido de impedir eventual liberação


de saldo, anteriormente a cobrança dos cheques depositados. E proibido o pagamento de juros
a qualquer titulo, sobre Deposito a ordem.

Esquematização das operações de recursos (Depósitos à ordem)


No depósito do cliente constituído por numerário, debitamos a conta (10) caixa e
disponibilidades em bancos centrais em contrapartida da conta (40) Recursos de clientes.

No caso de cheques ha lugar a lançamento da compensação (cheques sacados sobre outros


bancos) debitamos a conta (548) Outras operações a regularizar em contrapartida da conta (110)
Disponibilidades em outras instituições de crédito.

No Lançamento da compensação recebida debitamos a conta (11) disponibilidades no banco de


Moçambique e creditamos a conta (548) outras operações a regularizar.

Na regularização da compensação se o saldo for favorável debitamos a conta (101) depósitos a


ordem no Banco de Moçambique em contrapartida da (548) outras operações a regularizar.

Na regularização da compensação se o saldo for desfavorável debitamos a conta (548) outras


operações a regularizar em contrapartida da (101) depósitos a ordem no banco de Moçambique.

Deposito com Pré-aviso e a prazo

10
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

O depósito a prazo é aquele que tem pré-fixada a data do seu levantamento ou retirada,
auferindo juros variáveis, o seu prazo é estabelecido entre as partes.

Sobre os juros há incidência do Imposto de Renda, nos limites fixados pela repartição
competente. O documento fornecido pelo banco ao depositante é um recibo ao valor do capital
depositado, especificando as demais condições do depósito.

O depósito com pré-aviso, é aquele em que o depositante fica na obrigatoriedade de cientificar


o banco, com antecedência variável de 30 a 120 dias da data da sua retirada, que tanto poderá
ser total como parcial.

Os juros pagos nesta modalidade de depósito oscilam de acordo com o prazo do aviso e em
consonância com as instruções emanadas do Banco Central e poderão ser retirados sem aviso
prévio.

São calculados e contabilizados semestralmente (nos balanços) e por ocasião da retirada. Sobre
os mesmos, se tratando de pessoa física, o imposto de Renda é retido na fonte, tratando-se de
pessoas jurídicas não a retenção do imposto de renda.

Esquematização das operações de captação de recursos (depósitos a prazo e com pré-


aviso)

A constituição do depósito com pré-aviso ocorre em duas modalidades:

1. Na entrega de valores pelo cliente, debitamos a conta (100) caixa em contrapartida da


conta (40000x) depósitos com pré-aviso de residentes ou (40011x) de não residentes.
2. Na transferência da sua conta a ordem: debitamos a conta (40000x) depósitos a ordem
em contrapartida da conta (40000x) depósitos com pré-aviso de residentes ou de não
residentes (40011x).
Na constituição de depósito a prazo debita-se a conta (40000x) depósitos a ordem em
contrapartida da conta (40000x) depósitos a prazo.

Na especialização de juros, no final do mês antes do seu vencimento, credita-se conta a ordem
em contrapartida custos respeitante.

11
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Vencimento do depósito a prazo e devolução do capital para conta de depósito a ordem, debita-
se a conta (40000x) depósitos a prazo em contrapartida da conta (40000x) depósitos a ordem.

• Na data do vencimento do depósito a prazo, para além do capital, o cliente é creditado


também pelo valor dos juros.
a) Composição de Valores
Com o desenvolvimento da actividade bancária e do conceito de moeda escritural, foram-se
criando meios alternativos de pagamento mais práticos e mais seguros do que a utilização do
próprio dinheiro. O Cheque foi o primeiro e o mais significativo.

Tendo em linha de conta que o sistema bancário é composto por diversas instituições, verifica-
se na prática, que uma elevada percentagem de cheques emitidos por uma instituição de crédito
acaba de reentrar no sistema através de outra, obrigado a circulação de cheques entre várias
instituições. Foi esta razão que foi criado um sistema de compensação de cheques e outros
valores.

Compensação consubstancia –se na entrega de determinações conjuntos de documentos, tais


como, cheques, ordens de transferências, efeitos comerciais, etc, sacados sobre outros bancos e
recebimentos daqueles que foram sacados sobre si, em local e hora fixa. O serviço de
compensação é coordenado pelo Banco de Moçambique, disponibilizando o espaço físico para o
efeito, controlar o horário dos bancos intervenientes, registos dos documentos a serem
compensados e o controlo do balanceamento da respectiva compensação.

12
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

O movimento de compensação, sob o ponto de vista contabilístico, pode caracterizar-se da


seguinte maneira:

Debito Credito
• Movimentos que lhe é apresentado, via • As apresentações a compensão
compensação • As devoluções de documentos que lhe foram
• Devoluções de Documentos por ele apresentados via compensação.
apresentados na compensação.

Movimentos contabilísticos de compensação

Na contabilização da captação de depósitos, debitamos a conta 100 caixa, para expressar a


entrada de valores em cofre, e creditamos a conta 40 recursos de clientes, esta que expressa a
obrigação que o banco assume perante terceiros.

Na concessão do credito, seja em forma de desconto, empréstimos em conta corrente

Pela apresentação dos valores a compensação, debita-se a conta (11) Disponibilidades em


outras instituições de crédito em contrapartida da conta (548) Outras operações a regularizar,
assumindo que esta conta foi debitada no registo da remessa dos valores a compensação.

Exemplos:

Manuel Paqueleque, comerciante a título próprio procedeu no mês de Junho DE 2013 a abertura
das seguintes contas no Banco ELCAMAX:

Dia 6 - depósito a ordem no valor de 250 000,00mt, talão de depósito nr 2013000

Dia 7 - ordem de transferência de sua conta a ordem para a constituição de uma conta depósito a
prazo de 16 meses e outra com pré-aviso no valor de 125 000,00mt e 75 000,00mt
respectivamente, nota de transferência nr 2013001.

Dia 8 – depósito de um cheque no valor de 8 000,00 do banco KUTXONA SOLUCOES, talão


de depósito nr 2013002.

13
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade
Banco ELCAMAX

Maputo, 6 Marco de 2013


Transporte

10 Caixa e Disponibilidades em bancos centrais


100 Caixa
1000 Notas e moedas nacionais 250,000.00
40 Recursos de clientes
400 Depositos
4000 De Residentes
40000 Moeda Nacional
400003 Empresas privadas
4000030 A Ordem
40000300 Paqueleque 250,000.00
P/ deposito a ordem, recibo nr 20130
………………………..07/03……………………………………………
40 Recursos de clientes
4000 De Residentes
40000 Moeda Nacional
400003 Empresas privadas
4000030 A Ordem 125,000.00
40000300 Paqueleque
40 Recursos de clientes
400 Depositos
4000 De Residentes
40000 Moeda Nacional
400003 Empresas privadas
4000031 Pre-aviso (Paqueleque) 75,000.00
4000032 A prazo (Paqueleque) 125,000.00
P/ constituicao de contas a prazo e com pre-aviso
nota de transferencia nr 2013001.
…………………………………08/03………………………………………..
11 disponilidades em outras instituicoes de credito

110 dispon S/ IC's no pais

1101 Cheques a cobrar


11010 Cheques a cobrar s/ outras IC's
110100 KUTXONA SOLUCOES 8,000.00
40 Recursos de clientes
400 Depositos
4000 De Residentes
4000 De Residentes
40000 Moeda Nacional

14
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade
400003 Empresas privadas
4000030 A Ordem
40000300 Paqueleque 8,000.00
P/ deposito do CHQ nr 2013002Kutsona

Operações activas

As operações activas são geradas após a entrada de recursos que o banco obteve junto ao público
e aos investidores. Será por essas operações, quando bem conduzidas, que o estabelecimento
bancário alcançara seus resultados ou lucros.

Quando o banco faz aplicação de recursos tornando-se credor de quem lhe passa a dever tais
recursos, ele realiza uma operação activa.

Nas operações activas temos:

• Empréstimos ao comércio, a indústrias e rurais;


• Empréstimos a pessoas físicas;
• Descontos de efeitos comerciais;
• Financiamentos;
• Adiantamentos a depositantes;
• Cheques de viagens;
• Crédito em liquidação;
• Aplicações a médio e a longo prazo.

Produtos bancários e concessão de fundos

Os produtos bancários de concessão de fundos visam satisfazer as necessidades de antecipação


do consumo ou de capital para financiar oportunidades de investimento. Para o Banco, esses
produtos representam uma aplicação de fundos captados e outros produtos contra o
recebimento de uma determinada remuneração. A remuneração vária em função do risco ligado
a operação. Esses produtos são designados por produtos comerciais de crédito.

15
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

- Na contabilização da captação de depósitos, debitamos a conta (100) caixa, para expressar a


entrada de valores em cofre, e creditamos a conta 40 recursos alheios, esta que expressa a
obrigação que o banco assume perante terceiros.
- Na concessão do crédito, seja em forma de desconto, empréstimos em conta corrente
debitamos a conta (14) crédito a clientes

Em Moçambique, os produtos de crédito mais comuns são os seguintes:


• Crédito a particulares Financiamento a curto prazo (habitação, consumo, cartões)
• Financiamento de médio/longo prazo
• Empréstimos ao comércio externo
• Locações financeiras
• Garantias e letras de crédito.

A actividade de concessão de crédito tem riscos associados:

- Risco de crédito
Risco da contraparte (cliente) não cumprir as suas obrigações contratuais. O risco de crédito
reflecte-se normalmente pelo não pagamento de juros e/ou capital em divida.
O risco de crédito está também associado a operações extra patrimoniais como garantias
prestadas.
Outras operações, tais como aplicações em instituições de crédito ou investimentos em títulos,
encontram-se igualmente sujeitas a risco de crédito.
A concertação de risco em determinada contraparte ou sector de actividade pode originar
perdas significativas.

- Risco cambial
A volatilidade das taxas de câmbio de mercado pode ter impactos significativos no valor dos
créditos concedidos a clientes denominados em moeda estrangeira.
Todos investimentos denominados em moeda estrangeira estão expostos ao risco cambial.

16
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

- Risco da taxa de juro


A volatilidade das taxas de juro de mercado pode ter impacto significativo no valor dos créditos
concedidos a clientes. O risco da taxa de juro pode ser entendido segundo duas perspectivas:
(i) Créditos à taxa variável – Num cenário de descida das taxas de juro, s proveitos
diminuem
(ii) Crédito a taxa fixa – Num cenário de subida das taxas de juro de mercado, o justo
valor do crédito desce.

- Risco operacional
Risco de que as operações de credito não tenham sido adequadamente processadas e
documentadas

- Risco de fraude, legal e regulatório.


Risco de as transacções não serem fidedignas, legais, serem realizadas em condições diferentes
de mercado, não cumprirem os regulamentos locais, etc

- Risco de gestão
Risco de existência de erros ao nível do julgamento e decisão das estruturas do banco desde a
originação das operações até à sua cobrança, passando pela revisão e supervisão das mesmas.

As operações de crédito passam por um conjunto de fases:


. Originação, aprovação, negociação, confirmação, fluxos financeiros, recuperações.

Mensuração inicial
Na data da concessão de crédito os créditos concedidos são reconhecidos pelo seu valor nominal.
Na data inicial é igualmente necessário proceder à constituição de provisões para riscos gerais
de crédito: 2% sobre o capital vincendo. Esta provisão é reduzida para 1% para o crédito

17
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

imobiliário e locações financeiras e 0,4% para créditos a ou garantidos por instituições financeiras
sob supervisão do Banco de Moçambique.

Exemplo:
O banco ELCAMAX concedeu um empréstimo de 400 000,00mt a empresa de construção Makulo
kuyaca, por um ano a taxa de 36% com prestações mensais”C” incluindo capital e juro.

Taxa anual i=36%


Nr Montante P.Mensal Juros Capital Saldo
1 400,000.00 40,184.83 * 12,000.00 28,184.83 371,815.17
2 371,815.17 40,184.83 11,154.45 29,030.38 342,784.79
3 342,784.79 40,184.83 10,283.54 29,901.29 312,883.50
4 312,883.50 40,184.83 9,386.51 30,798.32 282,085.18
5 282,085.18 40,184.83 8,462.56 31,722.27 250,362.91
6 250,362.91 40,184.83 7,510.89 32,673.94 217,688.96
7 217,688.96 40,184.83 6,530.67 33,654.16 184,034.80
8 184,034.80 40,184.83 5,521.04 34,663.79 149,371.02
9 149,371.02 40,184.83 4,481.13 35,703.70 113,667.32
10 113,667.32 40,184.83 3,410.02 36,774.81 76,892.50
11 76,892.50 40,184.83 2,306.78 37,878.05 39,014.45
12 39,014.45 40,184.83 1,170.43 39,014.45 0.00
Total 400,000.00

78 Provisões
788 Outras provisões 8 000
a 47 Provisões
478 Outras provisões 8 000
P/constituição da provisão

14 Credito a clientes
141 Credito nao representado por valores mobiliarios
1410 Credito a residentes

18
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade
14100 Moeda nacional
141000 Curto prazo
1410002 Garantias de hipoteca
14100022 Creditos em conta corrente
141000222 Empresa privada
1410002220 Makulo kuyaca 400 000,00
A 10 Caixa e disponibilidades em Bancos centrais
100 Caixa
1000 Notas e moedas nacionais 400 000,00
P/ concessao do credito

33 Rendimentos a receber
330 Juros e rendimentos similares
3304 Juros de creditos a clientes
33041 Credito nao representados por valores mobil
330410 Credito a residentes
3304100 Moeda nacional
33041000 Curto prazo
330410002 Garantias de hipoteca
3304100022 Credito em conta corrente
33041000222 Empresas privadas
33040002220 Makulo Kuyaca 82,218.02
A 79 Juros rendimentos similares
790 Juros e rendimentos similares
7904 Juros de créditos a clientes
79041 Créditos não representados por valores mobl 82,218.02
P/reconhecimento do proveito a obter

A quando da cobrança da primeira prestação efectuar-se-á:


10 Caixa e disponibilidades em Bancos centrais
100 Caixa
1000 Notas e moedas nacionais 40 184,81
A 14 Credito a clientes
141 Credito nao representado por valores mobiliarios
1410 Credito a residentes
14100 Moeda nacional
141000 Curto prazo
1410002 Garantias de hipoteca

19
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

14100022 Creditos em conta corrente


141000222 Empresa privada
A 1410002220 Makulo kuyaca 28 184,83
33 Rendimentos a receber
330 Juros e rendimentos similares
3304 Juros de creditos a clientes
33041 Credito nao representados por valores mobil
330410 Credito a residentes
3304100 Moeda nacional
33041000 Curto prazo
330410002 Garantias de hipoteca
3304100022 Credito em conta corrente
33041000222 Empresas privadas
33040002220 Makulo Kuyaca 12 000,00
P/ reconhecimento do juro

Mensuração subsequente
Os créditos concedidos são mensurados no balanço ao valor nominal deduzido de reembolsos de
capital. Os juros são especializados por contrapartida de resultados.
No período máximo de 90 dias após o incumprimento, a contagem de juros é interrompida
(excepto se existir garantia real suficiente). Na realidade dos bancos Moçambicanos tem-se visto
a aplicação de prazos mais conservadores.

Exemplo 1: Outras formas de crédito


Desconto de uma letra a favor do cliente Paqueleque de 12 000,00 vencível dentro de 3meses a
taxa de 12% a.a.

14 Credito a clientes
141 Creditos nao representados por valores mobiliarios
1410 Credito a residentes
14100 Moeda nacional
141000 Curto prazo

20
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

1410009 Sem garantia


14100090 Desconto
141000902 Emprresas privadas
1410009021 Paqueleque 11 640,00
33 Rendimentos a receber
330 Juros e rendimentos similares
3304 Juros de creditos a clientes
33041 Credito nao representados por valores mobil
330410 Credito a residentes
3304100 Moeda nacional
33041000 Curto prazo
330410009 Sem garantia
3304100022 Desconto
33041000222 Empresas privadas
33040002220 Paqueleque 360
40 Recursos de clientes
400 Depositos
4000 De residentes
40000 Moeda nacional
400003 Empresas privadas
4000030 A ordem
40000300 Paqueleque 11640
79 Juros e rendimentos similares
790 Juros e rendimentos similares
7904 Jurois de credito a clientes
79041 Credito nao representados por valores mobil
790410 Credito a residentes
7904100 Moeda nacional
79041000 Curto prazo
790410009 Sem garantia
7904100090 Desconto
7904100090x Paqueleque 360,00

Exemplo de uma aplicação de Fundos: Compra junto ao banco central de 10 000 unidades de títulos
do banco central @ 50mt a taxa de 16% a.a com prazo de 90 dias.

13 Aplicacaoes em IC's
130 Aplicacaoes em IC's no pais

21
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

1300 No banco de Mocambique


13004 Operacoes de compra com acordo de revenda 500 000,00
Caixa e disponibilidades no Banco de
a 10 Mocambique
101 Depositos a ordem no BM
1010 Moeda nacional 500 000,00
P/ compra de de titulos junto ao BM

33 Juros e rendimentos similares


330 Juros e rendimentos similares
3303
33030 Aplicacoes em IC's no pais
330300 No Banco de Mocambique
3303008 Outras aplicacoes 20 000,00
a 79 Juros e rendimentos similares
790 Juros e rendimentos similares
7903 Juros de aplicacoes em IC's
79030 Aplicacoes em IC's no pais
790300 No Banco de Mocambique
7903004 Operacoes de compra com acordo de revenda 20 000,00

22
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Operação em Moeda estrangeira

As operações em moeda estrangeira decompõe-se em:


- Posição cambial a vista a vista
- Posição cambial a prazo
- Swaps cambiais

Posição cambial a vista à vista


Agrega os actives e passivos em moeda estrangeira mais as operações à vista a aguardar
liquidação e as operações a prazo que se vençam nos dias úteis subsequentes.

Posição cambial a prazo


Agrega todas as operasses a prazo (que não se vençam nos dias úteis subsequentes)

Os Swaps cambiais
Os swaps cambiais não são considerados nas posições à vista e a prazo, sendo o respectiva custo
ou proveito amortizado durante o período de vida da operação.

Reconhecimento inicial
A contabilização de operações em moeda estrangeira segue o sistema multidivisas, segundo o
qual, todas as contas se encontram subdivididas em outras tantas quantas moedas
transaccionadas.
As operações são inicialmente reconhecidas a câmbio spot da transacção

23
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Exemplo:
Compra de 100 Euros à taxa EUR/MZN de 20,00mt (pagamento em MZN). No momento de
reconhecimento inicial sa efectuados s seguintes movimentos:

Lançamento em MZN

54 Outras contas de regularização


540 Posição Cambial
5400 Posição Cambial a vista 2 000 000 MT
10 Caixa e Disponibilidades em B.centrais
100 Caixa
1000 Notas e moedas nacionais 2 000 000 MT

Lançamento em EUR
10 Caixa e Disponibilidades em Centrais
100 Caixa
1001 Notas e moedas estrangeiras 100 €
54 Outras contas de regularização
540 Posição Cambial
5400 Posição Cambial a vista 100 €

Conversão Cambial
10 Caixa e Disponibilidades em B.centrais
100 Caixa
1001 Notas e moedas estrangeiras 2 000 000MZN
54 Outras contas de regularização
540 Posição Cambial
5400 Posicao Cambial a vista 2 000 000MZN

24
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Mensuração subsequente
Diariamente todos os saldos em moeda estrangeira são reavaliados aplicando-se as taxas de
cambio publicadas pelo Banco de Moçambique
O saldo da conta de posição cambial à vista é então transferido para resultados.

Exemplo: No final do dia o câmbio EUR/MZN ascendia a 20.3


(i) Reavaliação dos saldos em EUR ao câmbio de fecho

10 Caixa e Dispnibilidades em Bcentrais


100 Caixa
1001 Notas e moedas estrangeiras 100 €
54 Outras contas de regularizaca
540 Posicao Cambial
5400 Posicao Cambial a vista 100 €

Conversão cambial
10 Caixa e Dispnibilidades em Bcentrais
100 Caixa
1001 Notas e moedas estrangeiras 2 000 000MZN
54 Outras contas de regularizaca
540 Posicao Cambial
5400 Posicao Cambial a vista 2 000 000MZN

(ii) Apuramento da posição cambial à vista total

54 Outras contas de regularização


540 Posição Cambial
5400 Posição Cambial a vista 2 000 000 MZN
5400 Posição cambial a vista total 30 000
54 Outras contas de regularização
540 Posicao Cambial
5400 Posicao Cambial a vista 2 030 000EUr

25
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

(iii) Reconhecimento da reavaliação cambial em resultados

54 Outras contas de regularização


540 Posição Cambial
5400 Posição cambial à vista total 30 000

83 Ganhos em operações cambiais

830 Ganhos em diferenças cambiais


8308 Outros itens em moeda estrangeira 30 000

Operações com títulos

No que respeita a carteira de títulos, deverão ser observados os seguintes procedimentos


contabilísticos:

Os títulos de rendimento fixo emitidos com base no valor nominal, são registados ao custo de
aquisição. Os juros corridos, se os houver, são contabilizados como proveito a receber. A
personificação dos juros será feita com base no valor nominal e na taxa de juro aplicável ao
período. O prémio ou desconto verificado por ocasião da compra, será repartido de modo
escalonado através da movimentação da conta “160 Títulos” por contrapartida da respectiva
conta de proveitos ou custos;

O valor dos títulos com capitalização de juros deve incluir o montante correspondente a
periodificação dos mesmos;

Os títulos emitidos a valor descontado são registados ao valor do reembolso (valor nominal),
sendo a diferencial entre o valor nominal e custo de aquisição revelado como “receitas com
proveito diferido”. No fim de cada mês, os juros corridos são registados nas correspondentes
contas de proveito

As acções são mantidas ao custo de aquisição.

Exemplos;

26
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Compra junto ao banco central de 10 000 unidades de títulos do banco central @ 50mt a taxa de

16% a.a com prazo de 90 dias.

13 Aplicações em IC's
130 Aplicações em IC's no país
1300 No banco de Moçambique
13004 Operações de compra com acordo de revenda 500 000,00
a 10 Caixa e disponibilidades no Banco de Moçambique
101 Depósitos a ordem no BM
1010 Moeda nacional 500 000,00
P/ compra de títulos junto ao BM
………………………………….’’’’…………………………………………
33 Juros e rendimentos similares
330 Juros e rendimentos similares
3303
33030 Aplicações em IC's no pais
330300 No Banco de Moçambique
3303008 Outras aplicações 20 000,00
a 79 Juros e rendimentos similares
790 Juros e rendimentos similares
7903 Juros de aplicações em IC's
79030 Aplicações em IC's no país
790300 No Banco de Moçambique
7903004 Operações de compra com acordo de revenda 20 000,00

27
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Demonstrações Financeiras

As demonstrações financeiras incluem normalmente as seguintes componentes:

✓ Balanço
✓ Demonstração de resultados
✓ Demonstração de fluxos de caixa
✓ Anexa às contas
Balanço

O balanço de um banco é o mapa financeiro que apresenta os activos, passivos e capitas


próprios, por ordem decrescente de liquidez.

Esta ordenação reforça a importância da análise da liquidez e solvabilidade dos bancos.

Adicionalmente são apresentados em separado os valores de activo bruto,


provisões/amortizações e activo líquido.

Activo: Recurso controlado pela instituição e originado por eventos passados, de que se espera
um influxo de benefícios económicos futuros.

Passivo: Obrigação presente da instituição e originado por eventos passados, de que se espera
um exfluxo futuro de recursos.

Capital próprio: Interesse residual = (Activos – Passivos)

O reconhecimento e desreconhecimento dos activos e passivos obedece aos princípios


contabilísticos definidos.

Na avaliação da definição de activo, passivo ou capital próprio deve considerar-se a substância


económica e não meramente a forma legal.

28
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Critérios usados na elaboração do balanço

O PCICSF consagra um balanço na base do critério contabilístico por natureza, entretanto para efeitos de
gestão de instituições de crédito poderão elaborar-se balanços na base de critérios de estatísticas
monetárias e financeiras, económico ou de rendibilidade, financeira ou de liquidez

• Base do critério contabilístico por natureza, já constituído no PCICSF.

• O balanço de acordo com o critério estatístico e monetário é sistematização de acordo com os


sectores da economia, como indica a tabela abaixo

Activo =Passivo
1. Reservas 6. Responsabilidades monetárias
2.Disponibilidades S/ o exterior 7.Responsabilidades quase monetárias
3.Credito a residentes 8. Responsabilidades não monetárias
4.Disponibilidades s/ Instituições monetárias 9. Recursos próprios e equiparados
5.Diversos 10. Diversos

• Critério económico ou da rendibilidade, o que determina o enquadramento das contas no


balanço é a ligação dos elementos patrimoniais a função da instituição, assim o balanço tem a
seguinte configuração:

Activo=Passivo
• Activos rendíveis ou ligados a actividade
financeira • Passivos correntes
• Outros activos • Outros passivos
• Situação liquida
Inicial
Adquirida

29
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Demonstração de resultados

A demonstração de resultados de um banco é o mapa financeiro que apresenta os


proveitos/ganhos e custos/perdas, bem como os resultados decorrentes da actividade.

A demonstração de resultados pode ser apresentada por naturezas ou por funções.

Proveitos: Aumento dos benefícios económicos no período


Ganhos: Proveitos que não decorrem das actividades normais.
Custos: Diminuição de benefícios económicos no período
Perdas: Custos que não decorrem das actividades normais

Exemplo da contabilização de um custo

Dia 15- Pagamento das facturas de telefone n 6754 e energia n 9834,7000 e 5000
respectivamente.

71 Gastos Gerais e Administrativos


710 Com fornecimento de terceiros
7100 Agua e energia e combustivel
71000 Energia 5 000,00
711 Com servicos
7111 Comunicacao e dispesa de expedicao 7 000,00
12 000,00
a 10 Caixa e Disponibiklidade no banco central
100 Caixa
1000 Notas e Moedas Nacionais
10000 Notas 12 000,00
P/Pagamento das facturas de telefone e energia

30
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

31
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

O apuramento de resultados do exercício é apresentado através do mapa que consta no PCICSF


eu constitui uma peça de publicação obrigatória. O referido modelo contem uma coluna
reportando ao ano anterior o que permite efectuar uma análise comparativa, ao nível de custos
e proveitos.

Actualmente as instituições e crédito apresentam a demonstração de resultados por funções


destacando a margem financeira, o produto bancário e por fim o resultado de exploração. Este
tipo de demonstração de resultados permite leituras mais ricas que podem ditar as estratégias
quanto ao futuro, como por exemplo investir mais em tecnologia para reduzir custos
administrativos, ver o resultado de diversificação através de oferecimento de mais serviços aos
seus clientes.

32
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Estrutura da demonstração e resultado por funções.

Demonstração de resultados em n Ano


Rubricas
1 Juros e proveitos equiparados
2 Juros e custos equiparados
3 Margem financeira (1-2)
4 Lucros em operações financeiras
5 Prejuízos em operações financeiras
6 Margem financeira alargada (3+4+5)
7 Outros proveitos e lucros
8 Comissões cobradas
9 Comissões pagas
10 Margem financeira liquida (6+7+8-9)
11 Custos administrativos
12 Resultados antes das amortizações e prov (10-11)
13 Amortizações do exercício
14 Provisões do exercício
15 Resultados de exploração (12-(13+4))
16 Imposto S/ Lucro

17 Resultado do exercício (15-16)

33
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Exemplo:

O banco ElCAMAX , apresentou em 2013 no balancete, entre outros, os seguintes valores com
referencia a 31 de Dezembro, antes do apuramento de resultados.

Balancete de ELCAMAX em Dezembro de 2013

Cod Saldos
54 Outras contas a regularizar 12 000 10 630
55 Capital 25 000
60 Reservas 16 000
47 Provisões 40 700
64 Resultado do exercício
66 Juros e custos equiparados 67 000
68 Comissões 3 500
69 Prejuízos em operações financeiras 230
70 Custos com pessoal 13 000
71 F.S.T 4 600
77 Amortizações 1 260
78 Provisões 16 600
79 Juros e proveitos equiparados 103 000
80 Comissões 16 600
83 Lucro em operações financeiras 7 400
84 Outros proveitos 1 000

Pretende-se:

• O apuramento de resultados no diário Geral


• Apresentação da demonstração de resultados dinâmica do banco ELCAMAX
• Aplicação dos resultados sabendo que:

1. O IRPC é de 32% de 70%


2. Reservas 30% do Lucro

34
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Diversos
a Diversos
P/ apuramento d resultados
79 Juros e proveitos equiparados 103000,00
80 Comissões 16600,00
83 Lucro em operações financeiras 7400,00
84 Outros proveitos 1000,00
128000,00
a 66 Juros e custos equiparados 67000,00
a 68 Comissões 3500,00
a 69 Prejuízos em operações financeiras 230,00
a 70 Custos com pessoal 13000,00
a 71 F.S.T 4600,00
a 77 Amortizações 1260,00
a 78 Provisões 16600,00
a 64 Resultado do exercício 21810,00

65 Resultado Corrente
a 49 Passivos por imposto sobre o rendimento 4885.5
490 Passivos por impostos correntes
4900 IRPC a pagar 4885.5
P/ apuramento o Imposto

35
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Demonstração de Resultados 2013


Rubricas
1 Juros e proveitos equiparados 103 000,00
2 Juros e custos equiparados 67 000,00
3 Margem financeira (1-2) 36 000,00
4 Lucros em operações financeiras 7 400,00
5 Prejuízos em operações financeiras 230,00
6 Margem financeira alargada (3+4+5) 43 170,00
7 Outros proveitos e lucros 1 000,00
8 Comissões cobradas 16 600,00
9 Comissões pagas 3 500,00
10 Margem financeira liquida (6+7+8-9) 57 270,00
11 Custos administrativos 17 760,00
12 Resultados antes das amortizações e prov (10-11) 39 670,00
13 Amortizações do exercício 1 260,00
14 Provisões do exercício 16 600,00
15 Resultados de exploração (12-(13+4)) 21 810,00
16 Imposto S/ Lucro 4 885,50

17 Resultado do exercício (15-16) 16 924,50

36
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

Contabilidade Bancária ------------------------------------------------------------------- Error! Bookmark not defined.

Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1

Conceito ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1

Plano de contas para as instituições de crédito e sociedades financeiras ----------------------------------------- 1

Posicionamento das contas no balanço------------------------------------------------------------------------------------- 2

Análise das classes das contas ------------------------------------------------------------------------------------------------ 2

Normas e princípios contabilísticos ------------------------------------------------------------------------------------------ 3

Os produtos Bancários e a Sua Relevação Contabilística --------------------------------------------------------------- 6

Compressão------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 6

Produtos Bancários Tradicionais ---------------------------------------------------------------------------------------------- 6

Produtos Bancários de Captação de Fundos ------------------------------------------------------------------------------- 8

Depósitos Bancários------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9

Esquematização das operações de recursos (Depósitos à ordem) ------------------------------------------------ 10

Movimentos contabilísticos de compensação -------------------------------------------------------------------------- 13

Outras formas de operações passivas -----------------------------------------------------------------------------------------

Operações activas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15

Produtos bancários e concessão de fundos------------------------------------------------------------------------------ 15

Operação em Moeda estrangeira ------------------------------------------------------------------------------------------ 23

Posição cambial a vista à vista ---------------------------------------------------------------------------------------------- 23

Posição cambial a prazo ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 23

Os Swaps cambiais-------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 23

Operações com títulos --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 26

Balanço ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 28

Critérios usados na elaboração do balanço ------------------------------------------------------------------------------- 29

Estrutura da demonstração e resultado por funções. ------------------------------------------------------------------ 33

37
Docente: Dr F. Moiane
Manual de Contabilidade Bancaria
Licenciatura em Contabilidade

38
Docente: Dr F. Moiane

Você também pode gostar