Você está na página 1de 5

Você é criativo?

Provamos por a+b que você já nasceu criativo

Será a capacidade de criar um dom inato? Se for, e você não o tiver, está condenado a
morrer assim? Se você acredita nisso, prepare-se para mudar de paradigma!
Para saber se alguém é criativo, precisamos antes ter clareza sobre o que é criatividade.
Veja algumas definições, coletadas em livros diversos:
• Capacidade de elaborar teorias científicas, inventar instrumentos e/ou aparelhos, ou
produzir obras de arte;
• A capacidade de produzir coisas novas e valiosas;
• A capacidade de desestruturar a realidade e reestruturá-la de outras maneiras;
• O ato de unir duas coisas que nunca haviam estado unidas e tirar daí uma terceira
coisa;
• Uma técnica de resolver problemas;
• Uma capacidade inata que é bloqueada por influências culturais e ambientais.
Aqui adotamos uma definição diferente e subjetiva de criatividade: uma pessoa cria
quando concebe em sua mente algo que nunca viu, ouviu ou sentiu antes. Essa definição
ignora o fato de a criação ser útil ou não para algum propósito ou para resolver algum
problema. Mas é importante distinguir esses dois tipos de criatividade; ao primeiro
chamamos criatividade pura, e ao segundo, criatividade aplicada.
A criatividade pura é um ato mental, que consiste em última análise da capacidade de
combinar sons e imagens de forma subjetivamente nova, independentemente de qualquer
conexão lógica com o mundo exterior. Essa definição de criatividade desloca os aspectos
novidade e originalidade, beleza, utilidade, veracidade, viabilidade e implementação para um
segundo momento; criar é um ato pessoal e subjetivo, a criatividade pura vem antes da
aplicada. Criações não têm necessariamente que servir para alguma coisa, como solucionar
um problema, dar retorno financeiro, serem maravilhosas e belas, nada disso.
Assim, se você imagina sua cabeça fora do corpo, e o faz de uma forma que nunca fez
antes (não é uma lembrança), você está criando. Estará também criando nas seguintes
situações:
• Combinar letras para inventar uma palavra;
• Combinar duas ou mais imagens para formar uma nova (imagine um jacaré comendo
um tomate);
• Segmentar uma imagem em formas novas ou de uma forma nova (imagine um
triângulo azul e separe-o em lados e interior);
• Distorcer uma imagem (imagine seus olhos inchando e saindo das órbitas oculares);
• Ver uma imagem sob outra perspectiva, um diferente "ângulo de câmera" (veja seus
olhos inchando de frente e depois de lado);
• Combinar algumas notas musicais para formar uma melodia nunca antes ouvida;
• Combinar palavras para formar uma nova frase.
• Imaginar a si mesmo executando comportamentos novos.
Já a criatividade aplicada consiste tipicamente em elaborar operações que conduzem de
uma situação a outra, seja de uma situação-problema para uma solução ou, mais
genericamente, elaborar comportamentos que modificam uma situação percebida para uma
desejada. A criatividade aplicada em geral está associada à observação de regras, padrões e
limites, como:
• construir frases com significado e estrutura (sintaxe);
• construir melodias harmônicas e rítmicas;
• observar preferências pessoais (gostos, combinações).
• observar valores éticos e morais;
• seguir estilos (no caso de imagens, impressionista, realista);
• usar recursos disponíveis.
A criatividade aplicada tipicamente é treinável; veja por exemplo uma estratégia geral
para gerar idéias diferentes na matéria (A técnica do estímulo aleatório).
Podemos concluir que, uma vez que todos nós, humanos, temos a capacidade de
processar imagens e sons de formas variadas na mente, todos nós temos a capacidade da
criatividade pura. Você é criativo por definição, por construção. E quanto às criatividades
aplicadas, temos aquelas para as quais nos preparamos, em termos de conhecimentos e
habilidades. Um exemplo de criatividade aplicada muito desenvolvida na nossa cultura é a
lingüística; todos praticamos desde criancinhas a combinação de palavras, usando regras,
para atingir objetivos do tipo comunicar idéias e influenciar pessoas para conseguir o que
queremos.
Sendo potencialmente criativos, talvez as únicas coisas que nos impeçam de criar mais
sejam não acreditar nessa possibilidade ou simplesmente não ter um motivo para fazer isso.
Ou desejo.

Virgílio Vasconcelos Vilela

Gente Criativa e Esperta

Johnny e as moedas
Muito esperto, ele
Os amigos de Johnny, um garoto australiano de cinco anos, lhe oferecem uma escolha entre duas
moedas, uma maior, de $1, e outra menor, de $2, dizendo que ele pode ficar com uma delas. Ele
escolhe a moeda maior, de $1. Seus amigos consideram-no estúpido por não saber que a moeda
menor vale o dobro. Sempre que querem que ele passe por bobo, os amigos lhe oferecem a mesma
escolha e Johnny sempre apanha a moeda de $1, parecendo que nunca aprende.
Um dia, um adulto que observou a transação chama Johnny de lado e lhe diz que moeda menor na
verdade vale mais que a maior – embora possa parecer o contrário.
Johnny escuta educadamente e diz: "Sim, eu sei disso. Mas quantas vezes você acha que eles iriam
me oferecer moedas, se eu tivesse escolhido a moeda de $2 na primeira vez?"
Edward de Bono
O segundo ganso
Como a anfitriã salvou o jantar
No jantar de uma grande festa, a empregada entra carregando o ganso assado em uma
travessa. Ela tropeça e vai ao chão, com ganso e tudo. A anfitriã tem que pensar rápido. Que opções
ela tem para servir os convidados? Se for isso que ela está enfocando, ela pode pensar em várias:
frios, pedir comida fora, omeletes e assim por diante. Mas esta anfitriã em particular está enfocando
um conjunto diferente de alternativas: ela quer um jeito de "salvar o ganso". Ela diz para a
empregada: "Tudo bem, Matilda, jogue esse ganso fora e traga o outro."
Edward de Bono

Páginas matinais
Que tal uma drenagem mental?
Providencie um caderno. A cada manhã, você deve escrever três páginas com tudo o que lhe
vier à cabeça. Qualquer coisa! "Ah, meu Deus, que vontade de ficar na cama! Ih, tenho que levar o
carro pra consertar. Que saco, ter que trabalhar! Pensando bem, até que tem coisas boas por ali.. blá,
blá, blá...".
Sugerida por Julia Cameron no Guia Prático Para a Criatividade (Ediouro), esta prática pode
ser vista de várias formas: como uma drenagem mental, um jorro de consciência, um exercício de
liberdade interior. Ela sugere e recomenda:
• Não existe uma forma errada de se escrever as páginas.
• As páginas não precisam ser uma obra literária.
• Nada é demasiado belo, tolo, estúpido ou estranho para ser incluído.
• Não crie expectativas de que as páginas serão inteligentes (embora às vezes possam ser).
• As páginas matinais são inegociáveis: não omita, não economize, não se importe com o seu
estado de espírito nem com que seu Censor interno diga.
As páginas matinais são a principal ferramenta de recuperação criativa da proposta da
autora. Vale a pena aprofundar-se no tema.
Virgílio Vasconcelos Vilela

Para saber mais e se divertir:


http://www.possibilidades.com.br/criatividade
Como gerar idéias diferentes, deliberadamente
Uma estratégia fácil para você criar

Você já se sentiu preso ou presa aos mesmos caminhos anteriormente percorridos, e


apreciaria imensamente algo diferente? Você gostaria de algo que estimulasse sua mente a buscar o
novo, o diferente? Ou ainda melhor, várias coisas novas e diferentes, para que você possa escolher a
melhor?
Vamos descrever aqui a técnica de criatividade chamada "estímulo aleatório", fácil de
aplicar, que não exige aprendizado e que produz resultados imediatos. Ela se baseia na capacidade
imensa que o nosso cérebro tem de estabelecer relações, ligações, conexões entre tudo; de fato,
fazemos isto todo o tempo, ligando o que vemos e ouvimos ao que conhecemos e estabelecendo
conexões entre o que já sabemos. Nessa técnica, ao invés de ficarmos sentados esperando a maçã
cair, vamos sacudir a árvore.
A estratégia consiste em escolher uma palavra relacionada ao que queremos e depois
escolher aleatoriamente uma outra, ligando-as com a palavra po e observando as conexões que
surgem. A palavra po vem de possibilidade, hipótese, suposição, podendo também ser vista como as
iniciais de possibilitar operação. Siga os seguintes passos:
1. Escolha uma palavra que representa a situação alvo ou uma direção: "aprender", "emprego",
"esposa".
2. Providencie uma palavra aleatória (um substantivo). Não a escolha você mesmo, já que
queremos evitar o pensamento existente. A palavra pode ser sorteada das seguintes maneiras:
a) Use um dicionário. Pense em um número de página (por exemplo, 1347 no Aurélio)
e uma posição nessa página (por exemplo, 9). Para isso você pode usar também o
ponteiro de segundos de um relógio. Abra o dicionário na página 1347 e procure a nona
palavra. Se ela não for um substantivo, continue até achar um.
b) Feche os olhos e coloque a ponta do dedo sobre uma página de um jornal, revista ou
livro. Escolha a palavra mais próxima do dedo.
3. Ligue as duas palavras pela palavra po: "desemprego po programa", "disciplina po exame".
Registre as idéias produzidas pela provocação.
Aplicada a este site, uma das boas idéias produzidas, com a palavra aleatória "invalidez", foi
a de uma seção sobre pessoas que vão além de seus limites presumidos, como aquela sem braços
que pinta segurando o pincel com os lábios. Veja outros exemplos de idéias geradas por meio desta
técnica, para o tema "aula":
Aula po lábio: Para chamar a atenção dos alunos ou fazer graça, manter os lábios se
movendo enquanto deixa de emitir sons, como se estivesse mudo. Aperfeiçoar a dicção. Para
mulheres, aumentar os lábios com batom para os tornar mais atrativos e fazer com que os alunos
tenham mais atenção. Dar uma aula inteira sem falar nada.
Um exemplo do criador da técnica e papa da criatividade, Edward de Bono: cigarro po flor
conduziu à idéia de colocar sementes de flores nos filtros dos cigarros, para que quando um cigarro
seja jogado fora em um jardim ou em um parque dele nasçam flores.
A idéia do estímulo aleatório é a provocação e a busca de novas e diferentes linhas de
pensamento. Para preservar esse espírito, siga as seguintes diretrizes:
- Não dê passos demais: isto sugere isso... que leva àquilo... e que me faz lembrar
de...
- Use a palavra como ela vem e não rearranje as letras, nem pegue uma parte dela
para dar outra palavra. Isto é simplesmente mudar a palavra aleatória para encontrar
uma que se encaixe melhor nas idéias que você já tem, perdendo-se o efeito
provocativo.
- Não decida que a palavra atual não é utilizável, partindo imediatamente em busca
de outra. Assim, você estará somente esperando por uma palavra que se encaixe nas
idéias existentes.
Para obter o estímulo aleatório você pode usar também imagens e objetos, embora palavras
normalmente possam ser mais ricas (são informações "empacotadas") e mais práticas de usar.

Virgílio Vasconcelos Vilela

Para saber mais e se divertir:


http://www.possibilidades.com.br/criatividade