Você está na página 1de 4

6.

Afinação

Afinação é um tema bastante complexo. Para compreendermos melhor


sobre ela é necessário aprofundar em inúmeros conceitos teóricos sobre Música
e de Física como ondulatória, série harmônica, sistemas de temperamento,
construção dos instrumentos etc. O foco do nosso curso não é teorizar, mas
melhorar a performance no trompete. Portanto, sugiro que na medida do
possível, busquem ler sobre os conceitos citados acima.

Tocar afinado é algo que devemos buscar constantemente. Ao meu ver,


a prática do solfejo é o que mais contribui nesse processo, pois quando pegamos
uma partitura e conseguimos cantá-la (solfejo melódico), obtemos os parâmetros
de altura e quase sempre executamos assertivamente com o instrumento.

O trompete, diferente do violão, do piano e da harpa é um instrumento não


temperado. Ou seja, ajustes na afinação precisam ser realizados ao longo da
execução para que as notas no instrumento soem relativamente equilibradas. Os
ajustes podem ser feitos de duas formas: com os lábios ou com as bombas dos
pistons 1 e 3. Usa-se os lábios na correção de notas em que não podemos utilizar
as bombas dos pistons. São elas, as notas executadas sem o acionamento dos
pistons e as notas utilizando o pistom número 2). Já para as correções de
afinação utilizando as bombas, podemos seguir a tabela abaixo:

Tabela 1: Relação aproximada para ajuste na afinação.

Embora tenha vários recursos a serem utilizados o mais importante é


educar nossos ouvidos para se ter em mente a afinação das notas e intervalos
muito bem estabelecidas.
O centro da nota:

Existe um conceito bastante utilizado pelos instrumentistas de sopro que


é o “tocar no centro da nota”. Isso quer dizer que existe uma região em que a
nota obtém mais ressonância, projeção, sonoridade e consequentemente estará
mais afinada. Sobre esse conceito Flávio Gabriel descreve:

“Quando tocamos no centro da nota, ela soa magicamente. Os


instrumentistas de cordas percebem isso mais facilmente: quando tocam na veia
da nota, o instrumento vibra mais. Conosco, essa sensação é um pouco parecida
com a passagem de ar mais livre e uma projeção maior. Buscar o centro da nota
é uma tarefa árdua inicialmente, no entanto, traz inúmeros benefícios.

Comece tocando uma nota no registro médio. Buscando tocar na parte


alta e baixa da nota, suba e desça lentamente. Perceba que, quando você̂ sobe,
normalmente o som escurece e o volume de som diminui; quando você̂ desce, o
som abre mais e fica mais forte. Em algum lugar você̂ encontrará o centro.
Normalmente o centro está sempre mais abaixo do que imaginamos.”

Afinador

O tira-teima para checar a afinação é o afinador, obviamente. Entretanto,


se não soubermos utilizá-lo ele pode se tornar um vilão no processo de
aprendizagem. A afinação é um processo auditivo e não visual. Se nos
orientarmos apelas pelas luzes do afinador eletrônico, não estaremos treinando
nos nossos ouvidos. Qual músico profissional fica tocando o tempo todo na frente
do afinador? Isso não faria o menor sentido!

Afinal, como usar o afinador?

Método 1

1- Coloque-o para soar a nota que você deseja afinar e, sem ficar olhando,
toque a mesma nota e afine.
2- Um estudo muito prazeroso e que rende é pegar uma nota no afinador e
usá-lá como base para arpejos. Você̂ afina a tônica, terça, quinta etc.
(Flávio Gabriel)

Método 2

1- Toque a nota e afine-a de acordo com o que o afinador está mostrando.


2- Em seguida não olhe para o afinador toque a nota novamente, preste
bastante atenção na sua sonoridade e altura.
3- Toque mais uma vez e agora olhe para o afinador e confira se ela ficou
afinada.

Exercícios práticos:

Antes de iniciarmos os exercícios práticos, seguem as dicas, sugestões e


reflexões para o aprimoramento da afinação:

• Ter um bom trompete ajuda na afinação, mas não resolve o problema.


• Para os trompetes que possuem os gatilhos, é fundamental que eles
estejam funcionando perfeitamente.
• A coluna de ar está relacionada à afinação. Quanto menos ar temos nos
pulmões, mas a afinação varia.
• As notas graves geralmente são baixas, pois relaxamos muito a
musculatura ao tocá-las e as notas mais agudas ficam altas.
• Estudar notas longas é uma das formas mais efetivas para aprimorar a
afinação.
• Estudar com play along pode ser um excelente referencial na prática da
afinação.
1) JOHN GAGE (Brass Players – Aquecimento e Guia Prático)

Exercícios das páginas 7 e 8.

2) MAX SCHLOSSBERG (Daily Drills and Technical Studies for trumpet)

Exercícios 1 ao 4, página 1.
Exercício 12 e 13 páginas 3 e 4.

3) FERNANDO DISSENHA (Caderno de Trompete)

Exercícios da página 12.

4) ARBAN (Complete Conservatory Method)

Exercícios 9 e 10 das páginas 12 e 13.

Vídeos complementares:

1) Professor Érico Fonseca - Afinação

https://www.youtube.com/watch?v=ox9bcU2v9ro&ab_channel=EricoFonseca

2) James Morrison - Tuning

https://www.youtube.com/watch?v=VS175i5YB38&ab_channel=PhilippeKinnaer