Você está na página 1de 12

Oficina de Manutenção de

Fontes de Computadores
MANUTENÇÃO DE FONTES CHAVEADAS PARA
COMPUTADORES

PORQUE MANUTENÇÃO DE FONTES DE PC

Antigamente, na época do XT, o conserto de fontes fazia parte da rotina


dos técnicos de informática. Com a popularização dos PCs e da manutenção
de micro a troca passou a ser comum.
Evitar que as sucatas das fontes sejam jogadas na natureza e sabendo
que existem algumas que custam valores consideráveis são justificativas
para realizar a manutenção, alem de que a maioria dos defeitos são simples.

TESTES PRELIMINARES

Na manutenção de fontes é necessário um conhecimento mínimo do


manuseio do multímetro, que será descrito de acordo com a necessidade no
decorrer desse material.
A primeira utilização é a medida de tensão da tomada, onde utilizamos
a maior escala AC do Multímetro (750V AC), como mostrado na Fig. 01:

Fig. 01
A posição das ponteiras pode ser qualquer uma, TENHA CUIDADO,
POIS NESSE TIPO DE MEDIDA HÁ RISCO DE CHOQUES, antes de ligar
uma fonte à tomada, verifique a chave seletora de voltagem se é a mesma
que obtida.
Verifique também se a polaridade da tomada esta correta e se existe
aterramento, como mostrado na Fig. 02.

Fig. 02
Existirá uma tensão entre terra e fase próxima a medida anteriormente
entre fase e neutro.
MEDINDO TENSÃO DA FONTE
Para verificar as tensões de saída da fonte utilizamos a escala de
tensão DC de 20 V DC, esta escala é suficiente para todas as saídas. As
medidas são feitas como mostrado na Fig. 03, onde o terminal negativo
(preto) fica fixo no GND e o positivo (vermelho), é o que movemos para
verificar as diversas tensões de saída.

Fig. 03

Os possíveis valores de tensão serão descritos a seguir de acordo com


o tipo de fonte.

FONTES AT

Apesar de estar ultrapassada seu principio de funcionamento é


semelhante as fontes ATX, exceto pelo seu acionamento. Nas fontes AT
temos que “curtocircuitar” os terminais que ficam ligados a chave (on/off),
que podem ser dois ou quatro. No caso de quatro terminais ligue o azul com
o branco e o marrom com o preto, ou de acordo com instruções na carcaça.
FAÇA A CONEXÃO E ISOLE ANTE DE LIGAR A TOMADA, POIS A RISCO
DE CHOQUE NESSES TERMINAIS.
As tensões encontradas nesses tipos de fonte estão descritas na Fig.
04, e as cores dos fios na Tab. 01

Fig. 04
Tensão Cor
P.G. (3,3V) Laranja
+5 V Vermelho
-5 V Branco
+12 V Amarelo (raramente laranja)
-12 V Azul
GND (terra) Preto
Tab. 01

FONTE ATX

O grande diferencial das fontes ATX é que pode ser ligada e desligada
pela placa mãe, pois possuem circuito stand-by. Para isso ela permanece
alimentada mesmo com o PC desligado, aumentando a incidência de
defeitos.
Para ligar uma fonte ATX fora do PC é necessário aterra o pino 14 (fio
verde), para isso basta conectar um condutor entre o fio verde e o preto,
como mostrado na Fig. 05.

Fig. 05

O primeiro sinal de que ela pode estar boa é o funcionamento do


cooler, que é alimentado com o +12V (aplicável também para fontes AT). As
tensões podem ser verificadas como já demonstrado na Fig. 03. Para um
teste mais preciso devemos adicionar uma carga de 10 Ω por 10 W nas
principais tensões (+12V e +5V), como mostra a Fig. 06:

Fig. 06

As tensões encontradas nesses tipos de fonte estão descritas na Fig.


07, e as cores dos fios na Tab. 02
Fig. 07

Tensão Cor
P.G. (3,3V) Cinza
+5 V Vermelho
-5 V Branco
+12 V Amarelo
-12 V Azul
GND (terra) Preto
+3,3 V Laranja (raramente marrom)
+5 VSB Roxo
OS-ON Verde
Tab. 02

Existem ainda outros conectores auxiliares como o 12V auxiliar, para


Pentiun IV(Fig. 08), o 3,3V auxiliar (Fig. 09) e os 4 pinos extras da ATX II
(Fig. 10), alem dos conectores para periféricos SATA.

Fig. 08 Fig. 09 Fig. 10


INICIO A MANUTENÇÃO EM FONTES ATX

Para os profissionais que trabalham com manutenção de fontes


chaveadas é importante a utilização de uma lâmpada em serie. Sua
construção simples Fig. 11, economizará fusíveis e semicondutores.

Fig. 11

Acrescente uma tomada universal com uma lâmpada incandescente


em série com o fio fase. Neutro e terra são ligados normalmente na rede.
Também pode ser usado um estabilizador e um bom estoque de fusíveis.

O primeiro diagnóstico em uma fonte é o cooler, como já mencionado,


e os capacitores estourados. Se o capacitor for da saída, apenas troque-os,
mas se for o filtro da entrada, poderá ter algo mais.
A limpeza também faz parte da manutenção, a poeira pode parar o
cooler, e a oxidação bastante comum, romper as trilhas. Sempre que
suspeitar de uma trilha verifique a continuidade com o multímetro, Fig. 12.

Fig. 12
Também utilizaremos o multímetro para o teste de semicondutores
(diodos, e transistores). Os diodos podem ser testados como mostrados na
Fig. 13. Para o teste de transistores podemos compará-los a dois diodos
como mostrado na Fig. 13. Na Tab. 03 temos alguns resultados possíveis.

Fig. 13
Tab. 03

Esses resultados podem ser obtidos no circuito, mas para confirmar


devemos testar o componente fora do circuito.

DEFEITOS MAIS FREQUENTES

Entrada de tensão, retificador e filtro.

Fig. 14

Essa é a parte da entrada da fonte. A maioria das fontes é exatamente


igual nessa parte, e em alguns casos não há o filtro de linha com bobinas e
capacitores na entrada.
Como podemos ver, depois do fusível há um termistor. Esse termistor é
um NTC, que diminui a resistência conforme a temperatura aumenta.
A utilidade dele nesse circuito é amenizar o pico de corrente no momento em
que se liga a fonte, para não danificar os diodos, os capacitores ou a chave,
que iria deteriorar os contatos em pouco tempo devido ao faiscamento.
Após o termistor, há um filtro formado pelos componentes T1, C1, C2,
C3 e C4, que tem por função evitar que o ruído gerado pelo chaveamento da
fonte não seja propagado pela rede elétrica. Além disso, o filtro desvia para a
terra os eventuais picos de tensão vindos da rede, por isso é importante
sempre instalar o fio terra, ou na PIOR DAS HIPÓTESES, liga-lo ao neutro
da rede.
S1 é a chave seletora 110/220 volts. Na posição 220 ela fica aberta e
não tem nenhuma função no circuito. A tensão da rede será retificada e
carregará os dois capacitores em serie com cerca de 150 a 170 volts cada
um, conforme a rede. Com a chave na posição 110, o retificador passará a
funcionar como um dobrador de tensão, fazendo com que igualmente cada
capacitor se carregue com 150 a 170 volts, numa rede de 110 volts. Algumas
fontes têm um circuito de comutação automática com relé.
Algumas fontes possuem em paralelo com os capacitores eletrolíticos,
(C5 e C6) um par de varistores, que entram em curto caso a fonte receba
uma tensão acima do suportado, causando a queima do fusível e protegendo
o resto do circuito contra maiores danos. Geralmente esses varistores ficam
envolvidos em um pedaço de luva termo-encolhivel.

Defeitos relacionados

Ponte retificadora em curto, capacitores


Não liga e fusível queima do filtro de linha em curto, varistores em
quando é trocado: curto. Também pode ser causado por
curto no circuito chaveador.

Não liga e fusível queimado, mas Termistor aberto, ou ponte retificadora


não torna a queimar se for aberta.
trocado:
Não consegue manter as Capacitores do dobrador de tensão
tensões na saída estabilizadas secos.

Tab. 04

Circuito chaveador.

Fig. 15
Aqui temos a área da fonte onde acontece boa parte dos defeitos,
sejam eles defeitos visíveis como a explosão dos transistores, ou invisíveis,
como a abertura dos resistores de partida. Essa topologia de conversor com
dois transistores usada na maioria das fontes é conhecida como "forward em
meia ponte".
O enrolamento que aparece no lado direito da Fig. 15 é o primário do
transformador principal, e T2 o transformador de acoplamento. R3 e R6 são
os resistores comumente chamados de resistores de partida. Eles servem
para aplicar uma corrente mínima na base dos 3 transistores, para que eles
possam iniciar a oscilação. O valor mais comum para eles é 330K. Q1 e Q2
são os transistores do circuito chaveador. Existem vários transistores usados
para essa função, sendo os mais comuns: MJE13007, MJE13009, 2SC4242,
NT407F, 2SC2335, 2SC3039, 2SC4106 e 2N6740. Eles chaveiam
alternadamente, numa freqüência de cerca de 60 a 70 kHz.

Defeitos relacionados

Fonte queimando fusível: Transistores em curto ou com fuga. Na


maioria dos casos de queima dos
transistores, os resistores e diodos ligados
nas suas bases também queimam.

Não liga, tem tensão nos Resistores de partida abertos.


capacitores do dobrador e os
transistores estão bons:
Às vezes liga, às vezes não: Um dos resistores aberto.
Aquecimento excessivo dos Capacitores de acoplamento (C7 e C8)
transistores: secos. Mais provável de acontecer em
fontes muito velhas.

Outros setores das fontes ATX

RETIFICAÇÃO E FILTRAGEM.

ALIMENTAÇÃO DO CIRCUITO DE CONTROLE.

CIRCUITO DE CONTROLE.

POWER GOOD.

SENSOR DE CORRENTE.

FONTE STAND-BY.
Esquema de fonte AT e ATX