Você está na página 1de 8

Bases Neurológicas do Desenvolvimento

Psicomotor
dispersos e aparentemente incoordenados.
Esses movimentos resultam de reflexos
DESENVOLVIMENTO HUMANO: simples, aplicados em determinadas
Segundo Dessen e Guedea (2005) O regiões do corpo. Quando se põe um objeto
desenvolvimento representa uma em contato com a boca do bebê recém-
organização contínua dentro da unidade nascido, por exemplo, esse provavelmente
tempo-espaço, que opera no nível das começará a sugar, podendo haver, porém,
ações, percepções, atividades e interações em outras partes do corpo, muitos
do indivíduo com o seu mundo, sendo movimentos adicionais que nada têm a ver
estimulado ou inibido por meio das com a sucção. Embora a criança apresente
interações com diferentes participantes do numerosos movimentos generalizados, há,
ambiente pessoal. desde o início, certa especialização do
comportamento, Bee (1997).
Becker (2003): “se o sujeito tem condições
ótimas de ação devido as suas experiências CAPACIDADE SENSORIAIS INICIAIS
anteriores significativas e o meio Desde muito cedo, os bebês percebem o
positivamente desafiador, a qualidade da mundo ao seu redor. O reconhecimento da
interação cresce e será função de um competência do recém-nascido da sua pré-
desenvolvimento cognitivo ótimo”. adaptação para iniciar o conhecimento do
Todavia, o crescimento humano não se meio no qual está inserido, em termos
manifesta apenas através do biológico, mas físicos e sociais, evidencia o papel ativo do
também das condições existentes no bebê no mundo e nas relações diádicas.
mundo social, em especial dos avanços Um estudo realizado por Moura et al
técnicos e das conquistas culturais (2004) analisou as relações entre
(GALLAHUE e OZMUN, 2003). Esse características de interações mãe – bebê,
crescimento ocorre dentro de um espaço atividades maternas e a concepção acerca
em contínua transformação pela ação das competências dos bebês e as relações
social. Nele, o psíquico e o biológico estão entre características destas atividades e o
em constante interação, de modo que o estado de vigília dos bebês. Participaram
primeiro impulsiona o segundo na mesma 30 díades mãe- bebê, considerando a
direção, podendo sofrer constantes e percentagem de ocorrências nos intervalos,
sucessivas modificações (LORDELA et al, verificou – se que as atividades
2000). predominantes das mães nos períodos
observados foram: olhar o bebê (99,2%) e
O COMPORTAMENTO tocar o bebê (83,4%). Estes achados
sugerem a importância das atividades de
Logo após o nascimento, a criança
olhar e tocar no processo interacional mãe-
desenvolve características bem definidas
bebê. A audição começa no útero e é aguda
relacionadas a movimentos, que são
mesmo antes do nascimento. Os fetos
respondem a sons e podem até aprender a que persistem até hoje, como o reflexo de
reconhece – lós. A sensibilidade dos bebês preensão. Esse reflexo opera da seguinte
a diferenças auditivas podem ser um forma: quando for colocado o dedo
indicador de habilidades cognitivas. atravessado na palma da mão do bebê, ele
reflexamente irá fechar a mão fortemente
A visão do bebê é o sentido menos ao redor do dedo. Se isso for feito em
desenvolvido ao nascer. O bebê também ambas as mãos, é possível levantar o bebê
tem capacidade de ver, mas é míope ao pelas mãos devido a força de preensão.
nascer. Ele tem reação aos estímulos
luminosos e pode distinguir o rosto Os reflexos primitivos são chamados dessa
materno dos demais. O olfato do bebê é forma, porque são controlados pelas partes
rudimentar, mas atuante. Ele diferencia o mais primitivas do cérebro. Por volta dos
cheiro da mãe dos demais, porém isso seis meses, a criança perde esses reflexos e
exige uma certa experiência e os substitui por funções cerebrais mais
aprendizagem, uma vez que em bebês com complexas. Entre os reflexos primitivos
dois dias de vida não é observado esse estão o reflexo de moro e o de Babinsky. O
reconhecimento. O bebê discrimina os reflexo de moro ocorre quando assustamos
quatro sabores básicos: salgados, doce, o bebê de alguma forma ou produzimos um
azedo e amargo e tem reações agradáveis som alto e ele arremessa os braços para
em relação ao açúcar, tal preferência ajuda frente e arqueia as costas. Já, quando
o bebê a adaptar –se a vida fora do útero, estimulamos a planta dos pés de um bebê e
pois o leite materno é um tanto adocicado. ele estica imediatamente os dedos e depois
Frente a um estímulo gustativo, a resposta os encolhe, chamamos esse reflexo de
dele é de sucção. O bebê é muito sensível Babinsky.
ao toque principalmente na boca, ao redor
dessa e nas mãos. HABILIDADES MOTORAS

REFLEXO As habilidades motoras dos recém-


nascidos são precárias. Eles não
O reflexo é uma resposta automática e conseguem manter a cabeça ereta, rolar,
involuntária que é desencadeada por meio sentar ou alcançar as coisas que veem. O
de algum estímulo. Segundo Bee (1997), primeiro desenvolvimento motor da
os bebês apresentam, muitos reflexos, que criança é quando ela consegue ficar de
podem ser divididos em reflexos bruços puxando os joelhos para cima sob o
adaptativos e reflexos primitivos. Os abdômen, e ficar com a pélvis erguida e a
reflexos adaptativos são aqueles que cabeça ao lado para respirar. O recém-
auxiliam o bebê a sobreviver no mundo nascido mantém sempre as pernas
real. São exemplos desses reflexos os de flexionadas. Um estudo realizado por
sugar, de engolir, de buscar, que é quando Bonvicine et al (2004) demonstra que o
ele é tocado na face e vira a cabeça na controle postural estável constitui a base
direção do toque, de retraimento quanto a para a organização e execução voluntária
estímulos dolorosos e de abertura e do movimento.
fechamento da pupila devido à intensidade
luminosa. Existem também os reflexos que Este é exteriorizado através da emergência
foram adaptativos na história evolutiva e de habilidades motoras como, por
exemplo, o controle da cabeça. Foram para seu divertimento, passa a ser
avaliados os itens relacionados com a nitidamente tentativas de palavras. Porém,
aquisição do controle de cabeça da ainda predomina como meio de
avalição Gross Motor Function comunicação o choro e as expressões
Measurement (GMFM). Através dessa faciais. A imitação é seu forte, desse modo
análise, observou – se uma diferença de sintetiza milhares de informações. Segundo
pontuação entre o grupo das crianças pré- Kaplan (1997), os bebês são capazes de
termo e a termo. No entanto, estes valores emitir ruídos, como choro, mas não
não foram significativos ao serem vocalizam até cerca de 8 semanas. Os sons
analisados estatisticamente pelo teste t de guturais os balbucios em resposta à mãe
student. Por meio dos resultados obtidos ocorrem espontaneamente. As
neste estudo, pode-se sugerir que a vocalizações da criança para sua evolução
prematuridade não é um fator influenciador adicional e persistência dependem do
do controle de cabeça final e que apesar de esforço parental.
um ligeiro atraso do desenvolvimento da
aquisição do controle de cabeça das O DESENVOLVIMENTO MENTAL
crianças pré-termo, ao final dos quatro Se constrói continuamente e se constitui
meses de idade, ambos os grupos pelo aparecimento gradativo de estruturas
apresentavam pontuações similares. mentais. As estruturas mentais são formas
DESENVOLVIMENTO COGNITIVO de organização da atividade mental que
vão se aperfeiçoando e se solidificando, até
O desenvolvimento cognitivo é tudo aquilo o momento em que todas elas, estando
que a criança vai aprender, ou seja, o plenamente desenvolvidas, caracterizarão
conhecimento. O processo cognitivo tem um estado de equilíbrio superior em
início nos reflexos do recém-nascido e relação à inteligência, à vida afetiva e às
progride por fases, até o raciocínio lógico e relações sociais. Algumas estruturas
formal do adulto. Crianças de dois meses mentais podem permanecer ao longo de
sorriem a qualquer estímulo quando a mãe toda a vida, como, por exemplo: a
ou outra pessoa conversa com ela, ou motivação. Outras estruturas são
mesmo um brinquedo que lhe chame a substituídas a cada nova fase da vida do
atenção. Mas só aos três meses saberá que indivíduo. A obediência da criança é
está sorrindo para o rosto que está bem em substituída pela autonomia moral do
frente ao seu. adolescente. A relação da criança com os
objetos que, se dá primeiro apenas de
Com seis meses, a criança quase sempre forma concreta se transforma na
acha tudo engraçado dando gargalhadas, já capacidade de abstração.
pode pegar os objetos e com isso se distrai
quando a mãe se ausenta, embora fique Portanto, a ocorrência desses movimentos
magoado ao ver –se sozinha. Nesse organiza a atividade mental e são
período, não presta muita atenção as cores, conhecidos também como estruturas
embora já saiba distingui-las. O bebê já vê variáveis. Os movimentos realizados em
a mãe como alguém diferente dele e resposta aos interesses ou às necessidades
demonstra isso. Aos sete meses, o do indivíduo fazem com que a mente
balbuciar do bebê, antes servindo mais realize adaptações de ordem motora,
intelectual e afetiva, sendo a afetiva com concretas (início da lógica), sentimentos
suas dimensões individuais e sociais. Esses morais e sociais de cooperação; (07 a
movimentos ou estruturas variáveis são 11/12 anos);  6º Operações intelectuais
comumente conhecidos como: assimilação, abstratas, formação da personalidade e da
adaptação, acomodação e equilibração, e inserção afetiva e intelectual na vida adulta
são considerados fundamentais no (adolescência) (PIAGET).
processo de construção do conhecimento.
Piaget (1999) afirma que o
Piaget (1999) afirma que é necessário desenvolvimento mental é composto de
compreender as estruturas variáveis, a fim pequenas construções progressivas que
de diferenciar a conduta de uma criança, a buscam uma equilibração cada vez mais
de um adolescente ou a de um adulto. completa; ora assimilando objetos, a ação
Condutas essas que assumem formas ou o pensamento, acomodando-se a cada
diferentes de acordo com o grau de variação exterior ou interior. Identifica-se
desenvolvimento. Sendo conduta a forma nesse processo de assimilação e
do comportamento representada na ação do acomodação de novos conhecimentos, a
sujeito; que, através do desenvolvimento adaptação, um processo de reorganização
natural do processo orgânico e físico do mental, movimento que leva a um estado
corpo, somado às experiências anteriores de equilíbrio momentâneo.
faz a mente evoluir.
O DESENVOLVIMENTO E
São esses diferentes níveis de EXPRESSÃO DAS LINGUAGENS DOS
conhecimento, mencionado no exemplo BEBÊS
acima, que um indivíduo constrói desde o
seu nascimento e que todas as O processo de aquisição e
características que são aprendidas e desenvolvimento das linguagens é algo
acomodadas resultam nos estágios de extremamente complexo, principalmente
desenvolvimento. quando se trata de bebês, que se expressam
a partir de diferentes tipos de linguagem,
Distinguem-se, então, seis estágios ou como o choro e as expressões faciais
períodos de desenvolvimento.  1º inicialmente e, logo os gestos, as pequenas
reflexos, mecanismos hereditários, palavras e frases, pois como Ostetto (2004)
tendências instintivas e as primeiras nos apresenta, “(...) a linguagem é viva e
emoções;  2º primeiros hábitos motores, muitas palavras podem ser contadas e
primeiras percepções organizadas, cantadas, criando espaços e momentos de
primeiros sentimentos diferenciados;  3º interlocução, partilhando afetos e
início da inteligência senso-motora ou conhecimentos.
prática (antes da linguagem), regulações
Até os três anos de idade, acontece o
das afeições elementares, fixações
período crítico do desenvolvimento da
exteriores da afetividade; (período de
criança. É o período quando ocorre uma
amamentação, antes da linguagem e do
explosão de aprendizagens, pois o cérebro
pensamento)  4º Inteligência intuitiva,
está em pleno desenvolvimento e se
sentimentos interindividuais espontâneos,
modificando o tempo todo com as
relações sociais e submissão ao adulto; (de
experiências que a criança vivencia. Da
02 a 07 anos)  5º Operações intelectuais
mesma forma, a criança nasce pronta para A importância dos fatores orgânicos e
o desenvolvimento da linguagem como socioculturais é a mesma neste processo, a
forma de comunicação, expressão dos criança nasce com a capacidade biológica
pensamentos e interação social. de aprender, mas a aprendizagem só se
constrói socialmente e pode auxiliar ou
Desenvolvimento infantil pode ser definido prejudicar no desenvolvimento da criança.
como capacidade que a criança possui de “Desta forma, está com os bebês, aceitando
resolver um problema sozinho, ou ainda, o desafio de conviver com suas
significa capacidade de desenvolver ações especificidades, reafirma a necessidade de
cada vez mais complexas e é sinônimo de aprendermos a ver e ouvir suas linguagens.
maturação, a capacidade de ” (OSTETTO, 2008).
desenvolvimento potencial se caracteriza
pela resolução de um problema com o Piaget (1975) utiliza o termo afetividade,
auxílio de outra pessoa. que representa para ele a emoção e também
afirma que a afetividade influência positiva
Para Piaget (1975) o conhecimento se dá ou negativamente os processos de
na interação do sujeito com o meio em que aprendizagem, acelerando ou atrasando o
está inserido e afirma em sua teoria que o desenvolvimento intelectual.
pensamento é prioridade no processo de
desenvolvimento do indivíduo que está Ao nascer, inicia-se o estágio pré-
ligado às estruturas do ser humano e pode linguístico, quando acontecem as reações
ser resumido como estruturas físicas, de reflexo instintivos da criança, Cairuga,
biológicas e psíquicas, assumindo a função Castro e Costa (2014) explicam este
de desenvolver a identidade e autonomia, estágio do desenvolvimento em poucas
proporcionar segurança, interação e palavras, sendo que “A comunicação
conhecimento de mundo e, da mesma inicial se dá pelo choro, sorriso, grito,
forma acontece com o desenvolvimento da bocejo, gemido, etc., basicamente
linguagem, que também acontece a partir relacionados a reações fisiológicas do
das interações. bebê. ” O bebê já identifica a voz dos pais
ou pessoas com quem teve maior contato
Pode-se dizer que a principal forma de durante a gestação, principalmente da mãe,
aprendizagem da criança pequena ocorre o que pode proporcionar conforto à
através do brincar, brincar de todas as criança. Comunica-se através do choro e
formas possíveis, com a música, a arte, expressões emocionais, sinalizando
com objetos e com o próprio corpo e conforto ou desconforto.
segundo Vygotsky (1987), o brincar
possibilita a construção e recriação de Com um mês de vida, a criança já
significados, mas para que isso aconteça, a diferencia as falas de outros sons e
criança deve estar inserida em um utilizase de uma linguagem própria. Com
ambiente estável, com rotina estruturada, três meses de vida a criança começa a
com objetos e brinquedos disponíveis e a balbuciar e percebe da onde vem os sons,
possibilidade de interação com adultos e procurando-os e respondendo através do
com outras crianças, compartilhando olhar e do sorriso.
hipóteses e vivências.
Com seis meses de vida, o bebê produz construções mais complexas, como “nenê”,
sons, ainda que sem sentido, “criando” “papá”, “dá colo”, “nenê qué”, etc.”
palavras, como “mama”, “papa”, que é a (RAPOPORT, 2012). Aparece a repetição
chamada linguagem materna. Utiliza de de palavras que lhe são familiares e a
diferentes entonações nas vocalizações. compreensão e realização de ordens
Andrea Rapoport (2012) explica que. Essas simples, bem como, identifica e nomeia
sequências ainda não têm um significado, algumas partes do corpo.
não querem dizer coisa alguma. No
entanto, à medida em que ocorre uma Com dois anos, a criança entra na fase da
maior interação do adulto com as crianças fala linguística, ou seja, compreende a
pela fala, essas sequências passam a ser língua como forma de comunicação social.
empregadas pelos bebês com um sentido Espera-se nesta faixa etária um vocabulário
definido. É dessa forma que o “papapa” se de aproximadamente 100 palavras, mesmo
transforma em comida; “papa”, em papai; que não pronunciadas corretamente.
“mama”, em mamar; “mamama” em Características principais das crianças até
mamãe, não necessariamente nessa ordem dois anos:
e com essa correlação.
 Revelam expansão do vocabulário; 
Com dez meses de vida a criança apresenta Utilizam-se de generalizações; combinam
a capacidade de imitação dos sons que palavras;  Têm preferência por
ouve. Percebe as influências do ambiente e
substantivos e palavras de ação;  Sua
utiliza-se de palavras e gestos para
linguagem acompanha, representa e orienta
conseguir o que deseja. Com um ano, se
a ação;  Ocorrem os primórdios da
inicia o estágio linguístico, que é
narrativa;  O motor do desenvolvimento é
caracterizado pela maturação do aparelho
o afeto, a percepção e a ação. (CAIRUGA,
fonador. Pode iniciar a pronúncia de
CASTRO E COSTA, 2014).
palavras atribuindo sentindo às mesmas.
Com três anos a criança tem capacidade de
criança utiliza a chamada palavra-frase, ou
falar, compreender e fazer sinais quase
seja, usa apenas uma palavra para
como os adultos. Inicia a fase dos
comunicar o que deseja. O adulto é quem
“porquês”, perguntando e demonstrando
deve interpretar estas situações a partir do
curiosidade sobre tudo. A criança refere-se
contexto, nomeando os objetos, narrando
a si mesma na terceira pessoa, identifica e
as situações, auxiliando a criança a se
nomeia objetos de uso cotidiano, aponta e
comunicar cada vez mais de forma a ser
nomeia objetos e cenas em gravuras,
compreendida. Os gestos ainda fazem parte
interpreta histórias contadas por adultos.
da comunicação e expressão.
Propiciar o faz de conta, criatividade e
Com um ano e meio, espera-se que a imaginação são extremamente importantes
criança apresente um vocabulário de e podem ser proporcionados através de
aproximadamente 50 palavras, mesmo que cantinhos organizados na sala para a livre
não pronunciadas corretamente. Começa a expressão das crianças, com brinquedos,
utilizar duas ou três palavras para se diferentes tipos de objetos para serem
expressar. “Pouco a pouco, as crianças vão explorados e manuseados, materiais
ampliando o seu vocabulário e vão fazendo artísticos, fantasias, etc., bem como,
explorar diferentes espaços internos e com poucas semanas de vida e vai até o
externos para o deslocamento e quatro mês. Nessa etapa acontece a
desenvolvimento do movimento e do assimilação
corpo, manter livros de pano e
emborrachados ao alcance das crianças, O fato primitivo geralmente é admitido
reconhecendo a alimentação, higiene e como o mais elementar da vida psíquica: a
cuidados pessoais como parte dos repetição. O bebê tende a repetir, quando
processos pedagógicos, considerando as algum comportamento tem resultado
necessidades físicas, fisiológicas, sociais e interessante. Inicia – se a organização da
emocionais da criança e da sua família. No visualização, na qual a criança segue com
contexto da escola de Educação Infantil, os olhos os objetos que passam por ela.
destaca-se a importância das interações das Reação circular secundária: o bebê procura
crianças com outras crianças e com os por novos estímulos no ambiente, começa
adultos, as diferentes situações que a prever as consequências do próprio
proporcionam a expressão, interpretação e comportamento, quanto a agir
a intenção de comunicação. propositadamente, a fim de modificar o
INTELIGÊNCIA ambiente; início do comportamento
intencional. Os movimentos centram-se
A inteligência surge com a linguagem. num resultado produzido no meio exterior
e a ação tem como objetivo manter esse
Segundo Piaget (1984), durante o estágio- resultado. A originalidade das reações
motor o bebê responde ao mundo quase circulares do presente estágio é que
inteiramente através dos esquemas constituem as manifestações intelectuais
sensório e motor; responde aos estímulos mais avançadas de que a criança é capaz,
presentes, não planeja nem intenciona e depois passarão a ter uma posição cada vez
não tem nenhuma representação interna de mais derivada. A duração desse estágio é
objetos, imagens mentais, ou palavras que do quarto ao sexto mês.
representem objetos e possam ser
manipulados mentalmente. Coordenação de esquemas secundários:
esse estágio tem duração do sétimo décimo
Uso de reflexos: a criança exerce durante o segundo mês. A criança mostra os sinais
primeiro mês de vida. Depois ela coordena preliminares da constância de objeto,
reflexos e reações, surgindo além dos possui uma vaga ideia de que os objetos
reflexos instintivos, como por exemplo, a têm uma existência independentemente
sucção, as primeiras tendências imitativas. dele próprio, imita comportamentos novos.
Esse período tem duração do zero aos dois
meses. Reação circular terciária: o bebê procura
novas experiências e produz novos
Reação Circular Primária: a criança conhecimentos. A descoberta de novos
coordena as atividades do próprio corpo e meios por experimentação ativa é utilizada
dos cincos sentidos, como sugar o dedo, pela criança para a solução de novos
brincar com a língua. A realidade problemas.
permanece subjetiva, não procura
estímulos fora do ambiente; mostra Ela começa a experimentar ao invés de
curiosidade e imitação. Esse período inicia repetir as experiências; diferencia o eu e o
objeto, e esse de um ato ou ação. Há a
formação de estruturas através de
deslocamento de objetos, de posições e de
relações causais ligadas à ação.

ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL

Para que o bebê tenha um bom


desenvolvimento cognitivo e motor é
necessário que ele seja estimulado. As
interações pais-bebê como o
desenvolvimento social e afetivo da
criança pequena têm sido objeto de
numerosos estudos nas últimas três
décadas. Grande parte destes estudos teve
impulso a partir do reconhecimento do
potencial social do bebê e de seu papel
ativo já nas suas primeiras interações com
os pais (Brazelton, 1982).

Estudos comprovam que crianças que não


são estimuladas, principalmente, no
primeiro ano de vida, têm o seu
desenvolvimento prejudicado.

Crianças de três a seis meses