Você está na página 1de 4

Guião do conto “O suave milagre”

Meggy: Boa tarde, hoje vamos apresentar o conto- O suave


milagre, escrito por Eça de Queirós.
Como podem ver, o índice está dividido em 5 partes:
1. o resumo do conto
2. a análise do conto
3. a atividade lúdica
4. a opinião e para finalizar
5. a bibliografia.

Agora vamos explicar um pouco acerca do conto. O conto fala


acerca de uma realidade muito antiga, onde remontamos atrás no
tempo até á altura de Jesus Cristo mais conhecido nessa altura
como “rabi”, este vivia na Galileia perto das margens do lago de
Tiberíade, curava todos os males, alimentava multidões,
amedrontava os demónios e emendava todas as desventuras.
Um homem de olhos ardentes e deslumbrados um dia anunciou a
existência de um rabi. Jesus fez grandes milagres, na estrada de
Magdala curou a lepra e ressuscitou a filha de Jairo. Os aldeões
singulares, muitos deles analfabetos, perguntavam-se se este era o
verdadeiro messias, o salvador da humanidade.
Obed era chefe de religião vivia na localidade de Enganim, este era
um homem de dinheiro possuía rebanhos e diversas vinhas, que
por sua vez o calor secava e as suas crias mais robustas morriam
uma por uma, levando ao desespero de Obed. Este grande homem
especulava que este rabi na realidade fosse um feiticeiro,
desesperado por um milagre Obed ordena seus servos a
procurarem pela galileia este homem tão dotado e que o
trouxessem a Issacar.
Estes partiram em busca de Jesus e a meio da viagem cruzam-se
com um pescador que afirma que o rabi estava pelos lados do rio
Jordão, com esta informação estes seguiram caminho, encontrando
mais á frente Essénio que estava estendido na margem do rio
Jordão apanhando algumas ervas, este era genuíno, tinha um
coração puro e era bastante respeitado.
Essénio contradiz a afirmação do pescador dizendo que Jesus
atravessara o oásis de Engaddi. Seguindo mais uma vez o caminho
os servos param pois perto do poço de Yakob avistam umas
caravanas paradas com destino ao Egito, estes confessam que em
Gadara o messias arrancara sete demónios do peito de uma
tecedeira e ressuscitara um homem. Os servos ficam a saber
também que Jesus navegara com um povo até Magdala. Por sua
vez, estes encontram um fariseu e detêm-no, este acaba no final do
diálogo por os apedrejar.
Kailany: Obed sem ter notícias do paradeiro do rabi fica sem
esperanças pois o seu negócio está a falir: o seu gado a morrer, as
vinhas a secar, enquanto isso Jesus ganha cada vez mais fama.
Públio Sétimo outro homem de sucesso um centurião romano muito
conhecido, manda também os seus soldados procurarem o rabi pois
sua filha estava a morrer.
Os soldados procuraram Jesus por todo o lado mas infelizmente
não o conseguiram encontrar, na viagem dois mercadores fenícios
pagam a cada decurião para ver este homem que realizara tantos
milagres. Quando chegaram a um bosque com uma clareira
bastante iluminada, avistaram um homem que logo negou a
exigência de um rabi.
Uma mulher humilde vivia com o seu filho que estava gravemente
doente, estes eram bastante pobres não tendo muitos recursos
económicos, viviam entre Enganim e Cesareia. A certa altura um
homem que também tinha poucas possibilidades económicas foi
repartir o pouco que tinha com a triste família, e logo confessou a
sua fé no rabi e ditou todos os seus feitos. O rapaz teve o desejo
ardente de conhecer Jesus e pediu á sua mãe que lhe trouxesse
esse homem maravilhoso mas a mãe estando ciente de todas as
suas dificuldades afirmou que infelizmente era impossível que isso
acontecesse, pouco tempo depois Jesus aparece e cumprimenta o
pobre menino.
Terminado o resumo do conto iremos realizar a sua análise. O
narrador é heterodiegético ou seja não participa na ação como
dá para verificar através da frase: “Nesse tempo Jesus ainda não se
afastara da Galileia (…) “ e é subjetivo pois existem comentários e
descrições de espaços ao longo do conto, como dá para perceber
através da frase: “(…) Uma tarde um homem de olhos ardentes e
deslumbrados passou o fresco vele, (…)“.
A ação está dividida em três partes introduzidas pela introdução
que se inicia em “Nesse tempo…” e acaba em “no país de Issacar.”
Seguida pelo desenvolvimento que se inicia em : “Uma tarde…” e
termina em “a esperança dos tristes.” E finaliza com a conclusão
que se inicia em : “De entre os…” e termina em “-Aqui estou”.
A ação desenlaça-se por ordem cronológica dos acontecimentos
tendo um desenlace aberto, não tendo um fim definido.
O conto é constituído por várias personagens. As principais são:
 Jesus
 Obed e
 Públio Sétimo,

Taish: As secundárias são:


 os servos de Obed,
 Essénio,
 o pescador, entre outros

e os figurinos são :
a filha de Jairo,
o Povo…

A caracterização das personagens é indireta, ou seja não são


dadas diretamente as características sobre as personagens mas
através da leitura conseguimos perceber as características.
E a conceção é modelada, ou seja o comportamento altera-se ao
longo da ação.
A ação localiza-se em diversos sítios mas apenas iremos citar
os mais importantes neste caso:
Galileia,
Enganim e
Issacar;
Relativamente ao espaço social naquela altura existia muita
pobreza e tinham uma vida com muitas dificuldades, tendo de lutar
para sobreviver.
No espaço psicológico são identificados alguns momentos
sonhadores e íntimos. A ação relativamente ao tempo psicológico
demora alguns meses, ao tempo cronológico verifica-se a omissão
dos dados de tempo cronológico, e, por fim relativamente ao tempo
histórico o conto decorre na altura de Jesus Cristo.
Agora iremos envolver-vos numa atividade lúdica neste caso as
famosas palavras cruzadas de modo a desenvolvermos a vossa
memória audio-visual. Posto isto iremos dar-vos a conhecer a nossa
opinião enquanto grupo ácerca deste conto. No nosso entender nós
achámos este conto um pouco antiquado e com uma linguagem
bastante exigente. Porém achámos fácil a compreensão e muito
interessante o conteúdo. O texto tinha um comprimento nem muito
curto nem muito extenso, tinha um comprimento razoável, o que por
sua vez ajudou na sua compreensão. Nós gostámos de realizar a
análise deste texto particularmente a parte final do desenlace, onde
o rabi faz a sua aparição na casa de uma família com um jovem que
estava a adoecer.
Meggy: E vamos terminar com a bibliografia que é constituída pelo
site: https://dicionario.priberam.org/. Em suma esperemos que a
mensagem tenha sido bem transmitida e que tenham absorvido as
informações que acharam mais importantes, nós temos em conta
que qualquer dos contos de Eça de Queirós que aqui forem
apresentados possam aparecer no exame nacional que iremos
realizar no final deste ano letivo, por essa mesma razão tentámos
analisar este conto da melhor forma para que mais tarde possam
usufruir deste mesmo, obrigada a todos se houver alguma dúvida
ou curiosidade agradeciamos a vossa colaboração de alguma
forma.