Você está na página 1de 14

AULAS ESPECIAIS

PORTUGUÊS
AS OBRAS DA FUVEST

ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA
1. BIOGRAFIA DA AUTORA inventaram fabulosos mundos geométricos, onde os
relógios revelaram o segredo do seu mecanismo, e as
1901 – Cecília Meireles nasce no Rio de Janeiro, a 7 de bonecas o jogo do seu olhar.1
novembro, filha de Carlos Alberto de Carvalho Meireles,
que falecera três meses antes. Sua mãe, Matilde 1910 – Termina o curso primário na Escola Estácio de Sá.
Benevides, morre quando a menina ainda estava com três O inspetor escolar do distrito em que estava instalado o
anos. Passa a ser criada pela avó materna, Jacinta Garcia colégio era Olavo Bilac, de quem a jovem recebe uma
Benevides, açoriana que transferiu para a neta uma medalha de ouro por ter concluído o estágio educacional
herança cultural portuguesa marcada tradicionalmente com “distinção e louvor”. Seu bom desempenho deve-se,
pela saudade, reforçada pela ausência que a criança sente provavelmente, à paixão que desenvolveu pela leitura,
dos pais. Outros fatores ocorridos na infância que inclusive de textos literários. Certa vez chegou a confessar
comporão o repertório poético da autora serão o contato que sua ligação especial com a literatura se deu pela
constante com a morte e as dificuldades econômicas. O
resultado se materializará numa poesia marcada não só visão da vida mais especificamente através da
pela consciência da relação entre o efêmero e o eterno, palavra – e isso, desde o princípio, desde as primeiras
mas também pelo desapego aos elementos terrenos, histórias ouvidas, das primeiras cantigas, dos primeiros
materiais. No entanto, desde cedo a menina afastou-se do brinquedos. Quando eu ainda não sabia ler, brincava
pessimismo, buscando beleza e encantamento poético em com livros, e imaginava-os cheios de vozes, contando o
mundo. Sempre me foi muito fácil compor cantigas para
céus estrelados, tempestades, chuvas nas flores, os brinquedos; e, desde a escola primária, fazia versos –
frutas maduras, casas fechadas, estátuas, negros, o que não quer dizer que escrevesse poesia.2
aleijados, bichos, suínos, realejos, cores de tapete, bacia
de anil, nervuras de tábuas, vidros de remédio, o limo 1917 – Forma-se como professora na Escola Normal
dos tanques, a noite em cima das árvores, o mundo visto (Instituto de Educação). Além do magistério, dedica-se à
através de um prisma de lustre, o encontro com o eco, aprendizagem de línguas, música e cultura oriental.
essa música matinal dos sabiás, largatixas (sic) pelos 1919 – Publica seu primeiro livro de poesia, Espectros.
muros, enterros, borboletas, o carnaval, retratos de 1921 – Casa-se com o pintor luso-brasileiro Fernando
álbum, o uivo dos cães, o cheiro do doce de goiaba, Correia Dias.
todos os tipos populares, a pajem que me contava com 1930 – Envolve-se no espírito de renovação educacional
a maior convicção histórias do Saci e da Mula-sem- que dominava o país na época. Dirige até 1934, no Diário
cabeça (que ela conhecia pessoalmente); minha avó que de Notícias, uma página diária voltada à reforma na
me cantava rimances e me ensinava parlendas... educação.
Minha infância de menina sozinha deu-me duas
coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas 1 MEIRELES, Cecília. “Notícia biográfica”. In: Poesia
para mim: silêncio e solidão. Essa foi sempre a área da completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 81.
2 Ibid., p. 84.
minha vida. Área mágica, onde os caleidoscópios

–1
1934 – Cria a Biblioteca Infantil, que passa a funcionar Poemas escritos na Índia (1962)
no Pavilhão Mourisco, em Botafogo, Rio de Janeiro. Antologia poética (1963)
Primeira do gênero, que se espalhou pelo Brasil, foi, Solombra (1963)
durante quatro anos, um centro promotor de realizações e Ou isto ou aquilo (1965)
eventos culturais. Nesse mesmo ano, convidada pelo Crônica trovada da cidade de San Sebastian (1965)
Secretariado de Propaganda de Portugal, faz conferências Poemas italianos (1968)
em Lisboa e Porto para divulgação da literatura brasileira.
1935 – Falece seu marido, Fernando Correia Dias. B) Teatro
1938 – Publica Viagem, que conquista o prêmio de poesia O menino atrasado (1966)
da Academia Brasileira de Letras. No ano seguinte, o livro
é editado em Lisboa. C) Ficção
1940 – Casa-se com o professor Heitor Vinícius da Olhinhos de gato (s/d)
Silveira Grillo, fitopatologista. Nesse mesmo ano, leciona
Literatura e Cultura Brasileira na Universidade do Texas, D) Prosa poética
nos Estados Unidos. Parte também para o México para Evocação lírica de Lisboa (1948)
intercâmbio cultural, divulgando a literatura, o folclore e Giroflê, Giroflá (1956)
a educação do Brasil. Eternidade de Israel (1959)
1942 – Passa a publicar, até 1944, no jornal A Manhã,
estudos sobre folclore infantil. E) Crônica
1945 – Viagem a Ouro Preto, que inspirou a confecção de Escolha o seu sonho (1964)
Romanceiro da Inconfidência. Inéditos (1968)
1964 – Falece em 9 de novembro, no Rio de Janeiro.
1965 – A Academia Brasileira de Letras concede-lhe, post- 3. CARACTERÍSTICAS DA AUTORA
mortem, o Prêmio Machado de Assis pelo conjunto da obra.
Nos livros didáticos, Cecília Meireles é costumeira-
2. OBRAS mente classificada como pertencente ao Segundo Tempo
Modernista (1930-1945), mais especificamente à poesia
A) Poesia espiritualista desse período. De fato, ela compartilha com
Espectros (1919) essa vertente o abandono do radicalismo da fase heroica
Nunca mais... e Poema dos poemas (1923) modernista, o que se realiza por meio da retomada de valores
Baladas para El-Rei (1925) tradicionais da literatura. No entanto, a poeta apresenta uma
Viagem (1939) dicção própria. Não se vê em sua obra, por exemplo, a
Vaga música (1942) utilização marcante do português coloquial brasileiro.
Mar absoluto (1945) A poesia ceciliana trilha caminho próprio. Um dos
Retrato natural (1949) seus procedimentos mais relevantes é a adoção de
Amor em Leonoreta (1952) musicalidade leve para expressar temática de tendência
Doze noturnos de Holanda e O aeronauta (1952) neossimbolista, como a efemeridade e a busca pelo
Romanceiro da Inconfidência (1953) transcendente. Sua literatura, portanto, marcada pela
Pequeno oratório de Santa Clara (1955) espiritualidade, pelo jogo entre o fugidio e o eterno,
Pistoia, cemitério militar brasileiro (1955) valoriza formas aéreas, vagas e desconectadas da
Canções (1956) realidade presente imediata. É por isso que alcança um
Romance de Santa Cecília (1957) fôlego universal, diferenciando-se, portanto, da noção
A rosa (1957) convencional que se tem do Modernismo brasileiro,
Metal rosicler (1960) voltado para o contexto nacional.

2–
4. ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA – atropelar privilégios, tudo para cobrar uma dívida que
CARACTERÍSTICAS GERAIS atingiu o patamar de 538 arrobas. Um clima de terror se
instaura, principalmente entre os maiores devedores,
membros da elite de Minas Gerais. É por isso que planejam
Uma leitura apressada do Romanceiro da
uma insurreição, que seria detonada no instante em que a
Inconfidência diria que Cecília Meireles traiu as suas
Derrama fosse efetivada. Contavam com o apoio da guarda
diretrizes, pois essa obra não apresentaria um caráter
local (Companhia dos Dragões), que também estava
universal, já que apresenta uma trama que se passa em um
envolvida nos negócios escusos do grupo. Ganhando o
lugar específico (Minas Gerais) e em um tempo
apoio da população, estabeleceriam a independência com
determinado (século XVIII). No entanto, não há quebra de
relação a Portugal. No entanto, o que os movia, no fundo,
fidelidade. A poeta utiliza esses eventos particulares para,
era o desejo de se livrar da cobrança da dívida.
no fundo, discorrer sobre seus já conhecidos temas, como
A inspiração para esse levante vinha do contexto em
o embate entre o efêmero e o eterno. Basta lembrar, de
que o mundo se encontrava à época. Da Europa vinham os
imediato, como esse fato histórico, alimentado por tantos
ideais iluministas que defendiam a tão afamada liberdade.
sonhos, e que também os inspirou, ligado a uma
Alguns dos inconfidentes, como Tomás Antônio Gonzaga
grandiosidade impedida pela mediocridade, representa
(magistrado) e Cláudio Manuel da Costa (advogado),
características que fazem parte da essência humana.
homens de extrema cultura, tinham contato com essas
Para se entender o Romanceiro da Inconfidência, é
ideias, o que revela os livros presentes em suas
necessário ter em mente a sua matéria histórica, ligada ao
bibliotecas. Esses mesmos ideais, como é sabido, haviam
Ciclo da Mineração. À época, autoridades portuguesas
atravessado o Oceano Atlântico e chegaram às treze
inicialmente recolhiam um quinto do ouro extraído, mas
colônias inglesas da América Norte, inspirando nelas a
depois adotaram um novo sistema de cobrança: a
independência com relação à Inglaterra. Os inconfidentes,
arrecadação de uma cota anual de 100 arrobas dessa
portanto, na clandestinidade,
riqueza. No entanto, o poder central, ignorando que o ouro
não é um recurso renovável, não se viu satisfeito com a
Atrás de portas fechadas,
queda da captação, passando a desconfiar que o
à luz de velas acesas,
decréscimo se devia à corrupção – que de fato ocorria, e
brilham fardas e casacas,
muito. A Coroa determinou então que, se a meta não fosse
junto com batinas pretas.
atingida, estaria autorizada a Derrama, que consistiria em
E há finas mãos pensativas,
exigir que a população completasse o índice, mesmo que
entre galões, sedas, rendas,
fosse com o pagamento de imposto ou até mesmo
e há grossas mãos vigorosas,
apreensão de bens. Esse expediente chegou a ser usado
de unhas fortes, duras veias,
uma vez, mas nas outras sempre sofreu um emaranhado de
e há mãos de púlpito e altares,
empecilhos que impossibilitaram sua realização, como a
de Evangelhos, cruzes, bênçãos.
renegociação de dívidas que, no final, deixavam de ser
Uns são reinóis, uns, mazombos;
pagas. E os mais beneficiados acabavam sendo os
e pensam de mil maneiras;
membros da elite mineira, mergulhados em fortes
mas citam Vergílio e Horácio
esquemas desonestos que lesavam o tesouro imperial.
e refletem, e argumentam,
Basta lembrar, a título de exemplo, que dos quase dois
falam de minas e impostos,
milhões de mil-reis que Minas Gerais devia à Coroa,
de lavras e de fazendas,
quase metade estava nas mãos de apenas dois homens:
de ministros e rainhas
Joaquim Silvério dos Reis e Rodrigues de Macedo.
e das colônias inglesas.3
Entretanto, por volta de 1788, Portugal assume uma
nova postura tributária, mais aguerrida, mostrando-se 3 MEIRELES, Cecília. Romanceiro da Inconfidência. In: Poesia
disposto até a fazer uma devassa rigorosa que prometia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 526-527.
–3
No excerto acima, o planejamento clandestino da Já a referência à Derrama está em “falam de minas e
Inconfidência é mencionado nos dois primeiros versos impostos, / de lavras e de fazendas, / de ministros e
(“Atrás de portas fechadas, / à luz de velas acesas”). Além rainhas”. Por fim, o último verso, “e das colônias
disso, Cecília nos apresenta nele os diferentes setores que inglesas”, é uma alusão ao evento histórico que inspirou
fizeram parte desse planejamento, como se percebe na os inconfidentes: a independência dos Estados Unidos da
referência a peças de vestuário ou outros elementos que América do Norte.
lhe são características: batinas pretas representam o clero É interessante notar que Cecília Meireles, no
(padres José da Silva e Oliveira Rolim, Manuel Rodrigues Romanceiro da Inconfidência, relata os fatos históricos de
da Costa, Carlos Correia de Toledo e Melo e o cônego Luís maneira fiel. Essa fidedignidade, no entanto, não a impede
Vieira da Silva4); as fardas, o setor militar (o capitão José de dar a esses eventos um tratamento poético. É o que se
de Resende e Costa, o sargento-mor Luís Vaz de Toledo percebe, por exemplo, no trecho acima, por meio do
Pisa); as finas mãos pensativas, os pensadores, que eram emprego da metonímia, em que a parte (batina, farda)
poetas e representantes do Judiciário (Cláudio Manuel da representa o todo (padre, militar). Mas a matéria literária
Costa, Tomás Antônio Gonzaga); “galões, sedas e rendas” se dá também em tantas outras frentes. Inicialmente, a
os ricos, sejam eles contratadores ou proprietários (João poeticidade da obra está na regularidade de boa parte de
Rodrigues de Macedo, Domingos de Abreu Vieira, seus versos, muitos deles redondilhos. A elaboração
Alvarenga Peixoto – que era também poeta – e Joaquim estética da linguagem encontra-se também na forma
Silvério dos Reis); e as “grossas mãos vigorosas, / de unhas empregada pela poeta para discorrer sobre a Inconfidência
fortes, duras veias” provavelmente pertencem ao mais Mineira: o romance, poema narrativo que remonta à
humilde do grupo, o alferes Joaquim José da Silva Xavier, tradição medieval portuguesa.
mais conhecido como Tiradentes. A identificação da Por fim, vale lembrar que O Romanceiro da
variedade do grupo também é notada pela menção a reinóis Inconfidência, além de apresentar tanto uma matéria
(cidadãos nascidos em Portugal, mas que se encontravam histórica quanto uma literária, possui também uma
na colônia) e mazombos (cidadãos nascidos no Brasil). abordagem lírico-reflexiva, presente principalmente nas
Por sua vez, o verso “e pensam de mil maneiras” é uma “falas”6 (mas também no corpo de vários romances), em
alusão ao contexto de circulação de ideais instigado pelo que o eu lírico expressa suas emoções e opiniões em
Iluminismo. Contemporâneo a esse fato está o Arcadismo, relação aos fatos narrados. Exemplo é a “Fala aos
que consiste na retomada da cultura clássica, o que se nota pusilânimes”, da qual extraímos o seguinte trecho:
em “mas citam Vergílio e Horácio”. Ambos são poetas
latinos. Este é o que criou os ideais seguidos pelos árcades. Escrevestes cartas anônimas,

Aquele é autor de uma écloga, da qual os inconfidentes apontastes vossos amigos,

retiraram o lema que os caracterizou – e que será irmãos, compadres, pais e filhos...

incorporado à bandeira atual de Minas Gerais. Trata-se de Queimastes papéis enterrastes

um diálogo entre Meliboeus e Tityrus: o ouro sonegado, fugistes


para longe, com falsos nomes,

M: “Et quæ tanta fuit Romam tibi causa videndi?” Angeles, 1979, p. 79 (grifos nossos). A tradução livre para o
T: “Libertas, quæ sera tamen, respexit inertem, português seria: “M: E o que fez você querer vir para Roma? /
T: Liberdade, ainda que tarde, olhada gentilmente nesta
Candidior postquam tondenti barba cadebat,
espreguiçadeira / Após minha barba crescer e embranquecer
Respexit tamen et longo post tempore venit.5 tanto para não ser mais cortada; / Por fim, olhada gentilmente,
ainda que vinda muito atrasada.”
4 É curioso notar que os membros do clero ocupavam-se no 6 É válido notar que as falas se diferenciam dos romances, não
Brasil não apenas com questões religiosas. Estavam só pela mudança do tipo de letra, do caráter tipográfico. Estes
mergulhados também em questões financeiras, o que a sua apresentam a narração dos eventos ligados à Inconfidência
filiação à Inconfidência Mineira atesta. Mineira; aquelas veiculam os pensamentos e sentimentos do eu
5 Apud: AULPERS, Paul. A study of virgilian pastoral.
lírico.
Califórnia: University of California Press, Berkeley and Los
4–
e a vossa glória, nesta vida, discurso alcança também um fôlego universal (processo
foi só morrerdes escondidos comum na obra), na medida em que se configura em um
podres de pavor e remorsos! ataque aos covardes e mesquinhos, que, por causa de sua
tibieza ética, acabam prejudicando a humanidade,
Vistes caídos os que matastes, atrapalhando-a de alçar voo para a grandiosidade.
em vis masmorras, forcas, degredos,
indicados por vosso punho, 5. ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA –
por vossa língua peçonhenta, RESUMO
por vossa letra delatora...
– só por serdes os pusilânimes, O Romanceiro da Inconfidência está dividido em
os da pusilânime estirpe, cinco partes. A primeira (da “Fala inicial” ao Romance
que atravessa a história do mundo XXI) encarrega-se de apresentar o contexto preliminar da
em todas as datas e raças, Conjuração. Nela temos a “Fala Inicial”, que funciona
como veia de sangue impuro como uma proposição, anunciando não só o tema, mas
queimando as puras primaveras, também o clima lírico que marcará a obra:
enfraquecendo o sonho humano
quando as auroras desabrocham! Não posso mover meus passos,
por esse atroz labirinto
Mas homens novos, multiplicados de esquecimento e cegueira
de hereditárias, mudas revoltas, em que amores e ódios vão:
bradam a todas as potências – pois sinto bater os sinos,
contra os vossos míseros ossos, percebo o roçar das rezas,
para que fiqueis sempre estéreis, vejo o arrepio da morte,
afundados no mar de chumbo à voz da condenação;
da pavorosa inexistência. – avisto a negra masmorra
E vós mesmos o quereríeis, e a sombra do carcereiro
ó inevitáveis criminosos, que transita sobre angústias,
para que, odiados ou malditos, com chaves no coração;
pudésseis ter esquecimento...7 – descubro as altas madeiras
do excessivo cadafalso
Nesse excerto, o eu poemático ataca os pusilânimes, e, por muros e janelas,
aqueles que têm fraqueza de caráter. De maneira imediata, o pasmo da multidão.9
os versos referem-se a Joaquim Silvério dos Reis, que
delatou a insurreição que estava sendo preparada8. Mas o Logo após vem “Cenário”, em que o eu poemático
7 descreve o ambiente em que se deu a narrativa. É lá que,
Ibid., p. 568-569.
8 de maneira feérica, o eu lírico avista Tiradentes:
Na verdade, Luís António Furtado de Castro do Rio de
Mendonça e Faro, visconde de Barbacena, a autoridade que
tinha sido enviada de Portugal para ser o novo governador de Mas, nos campos sem fim que o sonho corta,
Minas Gerais e fazer a devassa nas dívidas ao tesouro real, já
vejo uma forma no ar subir serena:
havia desistido de fazer a Derrama, o que esvaziou o movimento
rebelde. Prova disso é a declaração, atribuída a Tomás Antônio vaga forma, do tempo desprendida.
Gonzaga, de que os inconfidentes haviam perdido o gatilho, o
estopim para a revolta. Ainda assim, a dívida continuava a
incomodar a elite mineira. Curiosamente, Joaquim Silvério dos insurreição (autoabortada), o que surpreendeu o mandatário,
Reis tinha sido solicitado para comparecer diante do mandatário dando início às investigações que levaram à condenação dos
português. O motivo da convocação era para acertar seus conjuradores.
9 Ibid., p. 479.
débitos (que eram volumosos), mas acabou delatando a
–5
É a mão do Alferes, que de longe acena. contrita, diante do altar!”12), já que as mesmas pessoas
Eloqüência da simples despedida: que se dedicavam a um culto religioso passavam agora a
“Adeus! que trabalhar vou para todos!...” brigar. Condena também o clima de guerra por algo
(Esse adeus estremece a minha vida.)10 aparentemente banal (“Subir um punhal nos ares, / por ter
descido uma flor!”13). Na verdade, toda essa confusão é
Após esses momentos, que funcionam como uma sintomática da atmosfera negativa que se estava
proposição da obra, reconstitui-se a formação das Minas instalando entre os reinóis (portugueses) e os mazombos
Gerais, desde a descoberta de minérios, que atrairá a ação (brasileiros, filhos de portugueses).
humana movida pela cobiça e destruição da natureza. Há espaço também para a lenda de Chico Rei, figura
Estabelecido o povoamento, Cecília Meireles apresenta as folclórica que marcou o Ciclo da Mineração, do qual não
histórias que marcarão o repertório cultural da região, se pode excluir o trabalho dos africanos escravizados (e
todas marcadas pela riqueza a arrasar sonhos e dignidades. que o Romanceiro da Inconfidência faz questão de
É o que se vê, por exemplo, no “Romance IV ou da mostrar). Trata-se de um suposto monarca que foi preso e
Donzela Assassinada”, morta pelo pai por causa do escravizado na África e mandado ao Brasil. Ainda assim,
simples crime de acenar um lenço a um rapaz cuja não havia perdido a magnanimidade. Graças ao ouro,
condição social (e econômica) não agradava o progenitor. conseguiu sua liberdade, comprando a partir de então a de
Há também o “Romance V ou da Destruição de Ouro alguns de seus súditos14.
Podre”, que trata de uma insurreição liderada por Filipe Faz parte ainda desse repertório cultural a narrativa
dos Santos11 e que, de certa forma, não só prenuncia a sobre Chica da Silva, a negra que havia conquistado o
Inconfidência Mineira, mas também revela o clima de coração do Contratador15 Fernandes, assumindo em
animosidade que se estava gerando entre Minas Gerais e Diamantina um prestígio que muitos brancos não possuíam.
a Metrópole. Muito de sua posição privilegiada era garantida pela riqueza
A sanha por ouro trará mais problemas. No “Romance do companheiro, que chegou a chamar a atenção de
XI ou do Punhal e da Flor”, vemos o desentendimento autoridades portuguesas, o que motivou a vinda do Conde
provocado pelo Ouvidor Bacelar, agente régio enviado por de Valadares. Este, dominado pela cobiça, aproveita-se da
Portugal para se confrontar com a elite mineira. Imbuído hospitalidade do contratador para, ganhando-lhe a
dos ideais do Iluminismo, não respeita o ambiente sagrado confiança (apesar das cismas e advertências de Chica da
em que se celebrava a missa e corteja uma moça de uma Silva), obter riquezas. No fim, o golpe é efetivado – o conde
importante família local. O primo dela, Felisberto está abonado e ainda leva traiçoeiramente o contratador
Caldeira Brant, resolve tomar satisfações, mas só não para as autoridades portuguesas.
consegue ferir o ousado porque o botão da casaca impediu A segunda parte, que vai dos romances XX a XLVII,
que o punhal se cravasse. O enunciador do poema tece dedica-se a narrar da preparação da Inconfidência
vários comentários condenatórios, primeiro contra a Mineira. É o momento em que se acompanham a
hipocrisia religiosa (“Vede a mão que há pouco esteve / conspiração e a circulação de ideais iluministas,
principalmente os ligados à liberdade. É o que se vê, por
10 Ibid., p. 484. exemplo, no “Romance XXIV ou da Bandeira da
11 Também conhecida como “Revolta de Vila Rica” ou Inconfidência”, cujo trecho foi analisado acima (“Atrás
“Sedição de Vila Rica”. Ocorrida em 1720, teve como motivo de portas fechadas, / à luz de velas acesas, [...]).
inicial a queixa de moradores de Vila Rica, atual Ouro Preto,
contra as casas de fundição, mas acabou assumindo feições
nativistas. O movimento se fortalece, encurralando a autoridade 12 Ibid., p. 501.
local, o Conde de Assumar, que declara ceder às reivindicações 13 Ibid., p. 501.
dos revoltosos. Na verdade, ele só queria insidiosamente ganhar 14
tempo, o suficiente para que reforços chegassem. Há outra versão para esse final: Chico Rei teria sido um
Traiçoeiramente sufoca a insurreição, incendiando as casas dos liberto que se tornara proprietário de diversos escravizados.
15 No Brasil colonial, contratador era aquele que recebia de
rebeldes. O fogo se alastrou pela região hoje conhecida como
Ouro Queimado. Portugal o direito de explorar uma riqueza mineral.
6–
Nesse momento do Romanceiro da Inconfidência, sois de vento, ides no vento,
chama a atenção a figura de Tiradentes, que começa a no vento que não retorna,
emergir como uma mistura de mártir e mito. Torna-se aquele e, em tão rápida existência,
que “[f]oi trabalhar para todos”16, saindo quixotescamente tudo se forma e transforma!
por Minas Gerais para divulgar os ideais de liberdade e
independência, movido por um grande sonho17. Sois de vento, ides no vento,
A terceira parte, que vai do romance XLVIII ao LXIV, e quedais, com sorte nova!
é o relato do resultado da delação do movimento,
provocada principalmente por Joaquim Silvério dos Reis, Ai, palavras, ai, palavras,

o grande pusilânime a quem o eu lírico de Romanceiro da que estranha potência, a vossa!

Inconfidência se refere de maneira amarga. É a fase em Todo o sentido da vida

que se trata das prisões e condenações. Inicialmente, principia à vossa porta;

temos o encarceramento do poeta e advogado Cláudio o mel do amor cristaliza

Manuel da Costa, que, após responder ao primeiro seu perfume em vossa rosa;

interrogatório, apareceu enforcado na prisão.18 É também sois o sonho e sois a audácia,

o momento em que se fala da busca, prisão, condenação e calúnia, fúria, derrota...

enforcamento de Tiradentes. Marcante, sobre esse


A liberdade das almas,
episódio, é o “Romance LIII ou das Palavras Aéreas”, que
ai! com letras se elabora...
trata do clímax do evento (o enforcamento), poeticamente
E dos venenos humanos
associando-o ao poder das palavras e ideias, ou seja, dos
sois a mais fina retorta:
ideais iluministas, que geraram todo o contexto em que
frágil, frágil como o vidro
está mergulhada a Inconfidência Mineira e as suas
e mais que o aço poderosa!
consequências:
Reis, impérios, povos, tempos,
pelo vosso impulso rodam...
Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Detrás de grossas paredes,
Ai, palavras, ai, palavras,
de leve, quem vos desfolha?
16 Ibid., p. 585. Pareceis de tênue seda,
17 Há abordagens históricas que apontam que Joaquim José da sem peso de ação nem de hora...
Silva Xavier, o Tiradentes, não era movido unicamente por
– e estais no bico das penas,
altruísmo. Enxergava no movimento a chance de finalmente
obter ascensão social, que lhe fora constantemente negada no – e estais na tinta que as molha,
decorrer da vida. Além disso, tais estudos permitem inferir que – e estais nas mãos dos juízes,
essa figura foi usada como uma marionete pelos demais
– e sois o ferro que arrocha,
conspiradores, pois, como dentista (daí o apelido), seria um
divulgador que poderia circular por várias residências sem – e sois barco para o exílio,
levantar suspeitas. – e sois Moçambique e Angola!
18 Esse é um dos episódios mais nebulosos da Inconfidência
Mineira. Cláudio Manuel da Costa respondera a um
Ai, palavras, ai, palavras,
interrogatório que não seguira os procedimentos legais, pois não
contava com a presença das devidas autoridades jurídicas íeis pela estrada afora,
necessárias. Além disso, o médico que teve o primeiro contato erguendo asas muito incertas,
com o morto atestou assassinato, mas seu laudo estranhamente
entre verdade e galhofa,
se extraviara, sendo substituído por outro, que atestava suicídio.
No entanto, celebrou-se missa para a morte do poeta – deve-se desejos do tempo inquieto,
lembrar que a Igreja Católica não dedica rituais fúnebres a quem promessas que o mundo sopra..
dá fim à própria vida.. Suspeita-se então que a sua morte teria
Ai, palavras, ai, palavras,
sido conveniente para figuras importantes da elite mineira, que
não queriam ver-se incriminadas. mirai-vos: que sois, agora?
–7
– Acusações, sentinelas; algo que era muito comum na política colonial
bacamarte, algema, escolta; portuguesa: a queda para cima. Em Moçambique, o
– o olho ardente da perfídia, exilado conheceu Juliana Mascarenhas, filha de um
a velar, na noite morta; riquíssimo comerciante de escravizados. Casa-se com ela,
– a umidade dos presídios, o que prova mais uma vez uma das teses de Cecília
– a solidão pavorosa; Meireles: a efemeridade – até o amor, como o tão
– duro ferro de perguntas, celebrado de Dirceu por Marília, se acaba, sendo
com sangue em cada resposta; rapidamente substituído e esquecido.
– e a sentença que caminha, Outro condenado que aparece é Alvarenga Peixoto.
– e a esperança que não volta, Além do degredo, vê sua vida mergulhada em infortúnios,
– e o coração que vacila, como a morte de sua filha e a de sua esposa tão amada,
– e o castigo que galopa... Bárbara Heliodora, que já fora tema de sua poesia.
A quinta e última parte é dedica ao contexto pós-
Ai, palavras, ai, palavras, Inconfidência Mineira. Vemos o sofrimento de Doroteia
que estranha potência, a vossa! Seixas, já bastante idosa e solitária, dona de um amor que
Perdão, podíeis ter sido! não é mais correspondido, já que seu noivo há muito se
– sois madeira que se corta, tornara feliz com outra mulher em outra terra. Vemos
– sois vinte degraus de escada, também o tormento da rainha D. Maria, vinte anos depois,
– sois um pedaço de corda... no Rio de Janeiro20, justamente o mesmo ambiente em
– sois povo pelas janelas, que padecera os inconfidentes que ela condenara. Por fim,
cortejo, bandeiras, tropa... antes do desfecho da obra, com o “Romance LXXXV ou
do Testamento de Marília” e a “Fala as Inconfidentes
Ai, palavras, ai, palavras, Mortos”, aparece o memorável “Romance LXXXIV ou
que estranha potência, a vossa! dos Cavalos da Inconfidência”, em que o eu poemático, de
Éreis um sopro na aragem... maneira poética e um tanto sociológica, fala da
– sois um homem que se enforca!19 participação dos cavalos em vários momentos da
Conjuração Mineira. E, como de se esperar na visão
A quarta parte, que vai do romance LXV ao LXXX, existencial da poeta, todos eles agora estão mortos,
centra-se em outras condenações. A primeira é a do desaparecidos.
desembargador e poeta árcade Tomás Antônio Gonzaga,
autor de Marília de Dirceu. Condenado ao degredo, vê-
se castigado não só por se afastar da pátria, mas também
por se separar da amada, Doroteia Seixas, a pastora
Marília. Todavia, a punição acabou se transformando em
20 Deve-se lembrar que em 1808 a família real chegara ao
Brasil, fugindo das tropas napoleônicas que haviam invadido
19 Ibid., p. 575-577. Portugal.

8–
Exercícios
Texto para a questão 1. d) Uso da métrica, rima, ritmo, melodia e estrofação
como centro do trabalho poético.
“Toda vez que um justo grita, e) Visão de fatos e processos por meio da enumeração
um carrasco o vem calar; de elementos de natureza metonímica.
quem não presta fica vivo;
quem é bom, mandam matar.” Texto para a questão 3.
(Cecília Meireles, Romanceiro da Inconfidência)
“Pareceis de tênue seda,
1. (UFOP – adaptado) – Assinale a alternativa incorreta. sem peso de ação nem de hora...
a) A fala é apresentada como símbolo do exercício de – e estais no bico das penas,
liberdade. – e estais na tinta que as molha,
b) O discurso é visto como um instrumento para a luta – e estais nas mãos dos juízes,
política. – e sois o ferro que arrocha,
c) O condenado era proibido de falar para não atrapalhar
– e sois o barco para o exílio,
a execução.
– e sois Moçambique e Angola!”
d) A condenação se dá como forma de bloqueio de
(“Romance III ou das Palavras Aéreas”)
difusão de ideias.
e) O papel da fala é o de conscientizar as pessoas por
3. (UFES – adaptado) – Cecília Meireles, nesse trecho
meio do debate.
de uma composição inserida no Romanceiro da
Inconfidência, dirige-se às palavras através de
Texto para a questão 2.
a) processo anafórico / catacrese / versos isométricos.
b) processo metafórico / antonomásia / versos heteromé-
“CENÁRIO
tricos.
c) processo anafórico / metonímia / versos isométricos.
Eis a estrada, eis a ponte, eis a montanha
d) processo metafórico / alegoria / versos heteromé-
Sobre a qual se recorta a igreja branca.
tricos.
Eis o cavalo sobre a verde encosta.
e) processo anafórico / símbolo/ versos isométricos.
Eis a solteira, o pátio, e a mesma porta.
E a direção do olhar. E o espaço antigo
para a forma do gesto e o vestido. Texto para as questões de 4 a 6.
E o lugar da esperança. E a fonte. E a sombra.
E a voz que já não fala e se prolonga. A dois séculos de distância, o espetáculo ainda é
E eis a névoa que chega, envolve as ruas, assombroso (...) Que de tão longe uma Rainha enlouqueça
move a ilusão de tempos e figuras. e venha a morrer no cenário final do drama; que os
A névoa que se adensa e vai formando sonhos dos Inconfidentes se cumpram depois de tantas
nublados reinos de saudade e pranto.” sentenças; e que o Brasil se torne independente dali a 31
(Romanceiro da Inconfidência) anos, e a República seja proclamada exatamente ao
cumprir-se um século sobre aquelas prisões − tudo parece
2. (UFOP – adaptado) – O poema exemplifica uma impregnado de um mistério claro, desejoso de revelar-se
técnica poética central do Romanceiro da Inconfidência, e de se fazer compreender.
de Cecília Meireles. Assinale-a. (Cecília Meireles. “Como escrevi o Romanceiro da
a) Descrição minuciosa da atmosfera de lugares e cenas Inconfidência”, anexo a Romanceiro da Inconfidência.
em oposição ao lirismo dos fatos narrados. São Paulo: Global, 2012. p. 255)
b) Ficcionalização de personagens históricas que
convivem com outras de natureza irreal. 4. (PUCCAMP) – É correto afirmar que a indepen-
c) Transfiguração de dados histórico-sociais em dência do Brasil realizou os sonhos dos Inconfidentes,
elementos de caráter fantasioso e ficcional. como afirma Cecilia Meireles, no que diz respeito

–9
a) à participação massiva do povo na luta política pela d) tem como finalidade espelhar de modo bastante fiel os
soberania do país, uma vez que a adesão popular não elementos essenciais da formação de uma sociedade.
aconteceu a tempo, durante a Inconfidência, dado que e) deve alicerçar-se na força da documentação histórica,
o movimento foi desbaratado em seu início. sem a qual se arrisca a ser um exercício gratuito de
b) ao combate à escravidão, perspectiva presente no imaginação.
movimento mineiro e que, logo após a independência,
foi uma bandeira assumida como prioridade pela 7. A Inconfidência Mineira inspirou-se em ideais
princesa Isabel. iluministas que estão associados à ascensão da burguesia,
c) ao rompimento dos vínculos coloniais com Portugal, o que indica um certo grau de exaltação das propostas
pondo fim ao ônus da pesada tributação imposta, que dessa classe social. Opondo-se a essa conjuntura, há obras
cerceava o desenvolvimento econômico nacional, que criticam esse ideário, como
bem como ao poder da coroa portuguesa em decidir os a) Poemas escolhidos, de Gregório de Matos, e Nove
noites, de Bernardo Carvalho.
rumos do país.
b) A relíquia, de Eça de Queirós, e “Campo Geral”, de
d) à instituição de um Estado soberano, independente,
Guimarães Rosa.
unificando toda a Nação sob a égide do governo da
c) Quincas Borba, de Machado de Assis, e Nove noites,
província de Minas Gerais, legitimado pelos símbolos
de Bernardo Carvalho.
pátrios consagrados, como a bandeira e o hino nacional.
d) Angústia, de Graciliano Ramos, e Mayombe, de
e) ao fim da situação de atraso no país, pois, com a
Pepetela.
abertura dos portos após a Independência, o comércio e) “Campo Geral, de Guimarães Rosa, e Claro enigma,
e as exportações sofreram grande impulso, atraindo, de Guimarães Rosa.
principalmente, investimentos ingleses.
8. (UFPR – adaptado) – Sobre o livro Romanceiro da
5. (PUCCAMP – adaptado) – Tendo como centro os Inconfidência, de Cecília Meireles, considere as
sonhos dos Inconfidentes, Cecília Meireles criou a obra- afirmativas a seguir:
prima que é o Romanceiro da Inconfidência, poema
a) composto em decassílabos, voltado para a exposição 1. Os documentos históricos legados à posteridade não
didática da ideologia dos seguidores de Tiradentes. esclarecem de fato certos episódios relacionados à
b) em prosa, que se tornou exemplo máximo desse gênero Inconfidência Mineira. Em face dessa situação, Cecília
literário, logo adotado por vários outros modernistas. Meireles optou por desprezar a fidelidade histórica e
c) épico, decalcado de  Os Lusíadas, em que a autora dedicar-se à abordagem lírico-poético-filosófica.
demonstra grande familiaridade com a retórica clássica. 2. Coerente com sua proposta épica, a obra emprega tanto
d) em que se alternam o tom épico e o lírico, o modo o verso longo, que imita o discurso político, quanto o
reflexivo e o narrativo, tudo se sustentando numa decassílabo, que remonta à grandiosidade clássica.
grande variedade de ritmos. 3. Além das personagens diretamente envolvidas no
e) em que, mesmo buscando afastar-se dos fatos movimento sedicioso do título, o poema também trata
históricos, se entrevê aqui e ali alguma referência de outras, como Chica da Silva, que embora não
inequívoca à Conjuração mineira. estejam diretamente envolvidas, ajudam a compor o
ambiente histórico do texto.
6. (PUCCAMP) – Referindo-se no texto à origem e à 4. Tiradentes, o alferes que a história transformou em
herói, é apresentado na obra como indivíduo ambíguo
motivação do Romanceiro da Inconfidência, Cecília
e de moral discutível, numa clara contraposição
Meireles sugere que uma obra literária
literária à imagem apresentada pelos historiadores
a) importa muito mais do que o fato histórico a partir do
mais conservadores.
qual supostamente tenha sido gerada.
b) pode nascer a partir da atualização de um fato cujo Assinale a alternativa correta.
sentido fundamental não perde força na história de um a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira.
país. b) Somente a afirmativa 2 é verdadeira.
c) impõe-se com mais força quando, rejeitando os c) Somente a afirmativa 3 é verdadeira.
valores do passado, propõe novos caminhos políticos d) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras.
para um país. e) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
10 –
RESOLUÇÃO
PORTUGUÊS
AS OBRAS DA FUVEST

ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA
1) A proibição de discurso a que se refere o texto 4) A independência do Brasil fez com que nosso país,
vincula-se ao cerceamento dos ideais que obviamente, não estivesse mais subordinado a
comprometiam o status quo. Portugal, desobrigando-se de pagar impostos à
Resposta: C antiga metrópole.
Erros das demais alternativas:
2 O Romanceiro da Inconfidência apresenta de a) a independência do Brasil não contou com
maneira expressiva o trabalho poético com “participação massiva do povo”;
“métrica, rima, ritmo, melodia e estrofação”, mas b) os inconfidentes não tinham como proposta a
esse não é o foco da elaboração literária de Cecília abolição da escravatura – no máximo, alguns
Meireles. A poeta faz com que sua obra, ao defendiam a libertação apenas dos
abordar um momento específico da História do escravizados nascidos no Brasil; além disso, os
Brasil, a Inconfidência Mineira, mantenha-se fiel ideais abolicionistas que culminaram na
aos fatos históricos, sem deixar de lado o imagem da princesa Isabel como tutora são do
tratamento estético da linguagem, como se percebe Segundo Reinado e não de uma era
na enumeração de diversos elementos que imediatamente após a Independência;
compõem uma paisagem, forma metonímica (a d) havia inconfidentes que tinham como
parte no lugar do tudo) por meio da qual o eu lírico esperança a obtenção de apoio vindo de São
reconstitui o ambiente em que se deu a Conjuração Paulo e do Rio de Janeiro, o que chega a
Mineira. revelar um ideal de nação unificada; no
Resposta: E entanto, o país que se estabeleceu anos depois,
com a Independência, não ficou sob a égide de
3) O trecho em estudo apresenta a anáfora, figura de Minas Gerais;
linguagem que consiste no uso de uma mesma e) a abertura dos portos brasileiros não ocorreu
expressão no começo de vários versos: “e estais” e com a Independência (1822), mas com a
“e sois”. Exibe também a metonímia, que é a troca chegada da família real (1808).
de uma palavra por outra, havendo entre elas uma Resposta: C
relação de contiguidade: bico das penas, tinta que
as molha e mãos de juízes substituem o ato de 5) Romanceiro da Inconfidência é uma amálgama da
lavrar uma sentença; ferro que arrocha está no matéria histórica, literária, lírica e reflexiva. Além
lugar de prisão; barco para o exílio, Moçambique disso, Cecília Meireles exercerá seus dotes
e Angola substituem o degredo. Por fim, os versos neossimbolistas, imprimindo na obra uma
empregados são isométricos, ou seja, têm a mesma musicalidade leve, em boa parte graças ao domínio
métrica: redondilha maior. da metrificação, o que faz com que o livro assuma
Resposta: C uma musicalidade leve.
Resposta: D

– 11
6) Cecília Meireles, como que justificando a escolha burgueses. Esse confronto se dá também em
da Inconfidência Mineira como fonte para sua Mayombe, pois seus personagens são guerrilheiros
obra poética, permite perceber que essa socialistas – e, obviamente, contrários à burguesia.
insurreição, apesar de abortada, apresentou Resposta: D
sonhos que seriam parcialmente concretizados
com a Independência do Brasil (1822), parcial- 8) A afirmação 1 é falsa, pois, ainda que haja fatos a
mente com a Proclamação da República (1889). respeito da Inconfidência Mineira sobre os quais
Trata-se, portanto, de ideais que não perderam sua paira uma indefinição, como os relacionados à
força durante a história do nosso país. morte de Cláudio Manuel da Costa, tais não foram
Resposta: B capazes de inspirar em Cecília Meireles uma
disposição de se afastar da fidelidade histórica
7) Luís da Silva, narrador protagonista de Angústia, durante a abordagem dessa conjuração. Já a
é um fracassado. Parte de sua derrocada se deve a afirmação 2 é falsa porque o relato que a poeta faz
uma desigualdade social que se baseia na opressão da Conjuração Mineira não se alimenta de formas
advinda dos que entende como os endinheirados, poemáticas da era clássica - mas medieval. Por fim,
os privilegiados – representados na figura de a afirmação 4 é falsa, pois, no Romanceiro da
Julião Tavares. Isso o faz veicular em sua narrativa Inconfidência, Tiradentes é engrandecido ao ser
traços do que poderia ser entendido como um apresentado como uma figura que oscila entre o
despeito ligado a um clima de luta de classes. Há mártir e o mito.
nesse romance, portanto, um ataque aos valores Resposta: C

12 –

Você também pode gostar