Você está na página 1de 2

FDUNL – DIREITO PROCESSUAL PENAL

FORMAS DE PROCESSO - Casos Práticos (Out. 2019)

Frederico de Lacerda da Costa Pinto

CASO 1
Livre directo

À saída de um complicado jogo de futebol, António insulta Carlos e atira-lhe uma pedra
de calçada à cabeça, mas não lhe acerta, praticando dessa forma o crime de injúrias (art.
181.º do CP) e de tentativa de ofensas à integridade física (arts. 143.º, 22.º e 23.º CP).
Os factos acontecem na presença de um guarda da PSP que, perante a queixa e o pedido
de intervenção feito por Carlos, pede a António a sua identificação. António recusa
identificar-se e ameaça o guarda da PSP, cometendo dessa forma o crime de resistência
(art. 347.º, n.º 1, do CP).
a) Em que condições pode António ser identificado e detido?

b) Em que forma de processo poderá António ser julgado pelos crimes referidos?

CASO 2
Lançamentos

Através da câmara de videovigilância instalada numa passagem de peões sobre a


autoestrada A5 (Lisboa-Cascais), a GNR viu dois jovens (António e Bruno) a lançar
garrafas sobre os carros que passavam. Um dos condutores atingidos (Vaz) despistou-
se e morreu no acidente. Os guardas perseguiram de imediato os jovens, mas estes
esconderam-se na oficina de um amigo e a GNR perdeu-lhes o rasto. Duas horas depois,
um cliente da oficina ouviu a notícia na rádio e ligou para o posto da GNR, revelando
onde os jovens estavam escondidos. A GNR deslocou-se ao local e deteve os jovens no
interior da oficina. Pelos factos descritos, António e Bruno cometeram os crimes de
lançamento de projéctil contra veículo (artigo 293.º do CP) e homicídio por negligência
grosseira (artigo 137, n.º 2, do CP). Os dois jovens resistiram com violência à detenção
na oficina, tendo cometido ainda o crime de resistência (artigo 347.º, n.º 1 do Código
Penal).

Qual a forma de processo aplicável ao caso descrito?


CASO 3
Queimadas

Alves e Bernardo realizaram uma queimada num terreno agrícola de que eram
proprietários, numa altura em que as queimadas estavam proibidas. A falta de cuidado
de ambos provocou um incêndio de larga escala numa mata contígua ao seu terreno. A
GNR deteve Alves e Bernardo quando estes estavam ainda a tentar controlar sem êxito
a queimada que iniciaram; nessa altura verificou que Bernardo tinha 15 anos de idade.
Durante o incêndio, Carlos, um vizinho que estava profundamente embriagado, deu
informações erradas a todas as viaturas dos bombeiros vindas de fora do concelho para
auxiliar o combate ao incêndio, achando tal facto muito divertido. Em consequência, o
reforço dos bombeiros de fora do concelho atrasou-se uma hora, permitindo a
progressão do incêndio durante esse período. Carlos foi detido pela GNR, ainda durante
o incêndio, quatro horas depois de ter dado as informações erradas aos bombeiros. O
incêndio provocou a morte de duas pessoas que moravam na mata contígua e que não
tiveram tempo de abandonar o local. Alves e Bernardo cometeram o crime previsto no
artigo 274.º, n.º 5, agravado pela morte das duas pessoas, nos termos do artigo 285.º, e
Carlos praticou o crime do artigo 274.º, n.º 7, também agravado pelo artigo 285.º, todos
do Código Penal.

Qual a forma de processo aplicável ao caso descrito?

CASO 4
Fintas

António, Bernardo, Carlos, Daniel e Eduardo (A, B, C, D e E) envolveram-se em desacatos


entre si quando assistiam a um jogo de futebol, pela televisão, num café em Oeiras. O dono
do estabelecimento, Victor, tentou apaziguar os ânimos, mas foi insultado e agredido na
cabeça com uma garrafa lançada por um deles, sem que na altura se soubesse exactamente
quem, pois o conflito rapidamente se agravou, provocando vários estragos no mobiliário
do estabelecimento. Um cliente chamou a polícia e uma ambulância. Ao ouvir as sirenes A,
B, C, D e E pararam o conflito. A polícia deteve no local, ainda dentro do estabelecimento,
as cinco pessoas que estiveram envolvidas, por indicação dos demais clientes. Victor foi
levado para o hospital em Lisboa, onde veio a morrer nessa noite devido a um grave
traumatismo craniano. Com os factos praticados, A, B, C, D e E cometeram indiciariamente
os crimes de participação em rixa (art. 151.º), dano (art. 212.º) e injúrias (art. 181.º, todos
do Código Penal).

a) Qual o tribunal competente para julgar este caso?

b) Em que forma de processo poderá o mesmo ser julgado?