Você está na página 1de 41

Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação

EESC-USP

“Guia de Projetos VHDL utilizando o QUARTUS II v. 12.1”

Profa. Luiza Maria Romeiro Codá


Monitor Heitor Amantini Masson

Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação 1


1

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


EESC-USP 1
1. Software Quartus II 12.1 Web Edition 3
1.1 Iniciando o Quartus II 12.1 Web Edition – Download 3
1.2 Quartus II 12.1 Web Edition – Instalação 4
1.3 ModelSim-Altera 10.1b Starter Edition – Download 6
1.1 ModelSim-Altera 10.1b Starter Edition – Instalação 7
2. Criando um novo projeto 9
2.1 Iniciando o Quartus e criando ambiente de projeto 9
2.2 Criando um arquivo de projeto VHDL 13
2.3 Compilando o Projeto VHDL 19
3. Visualizando o RTL gerado 22
4. Simulando o circuito projetado com o software ModelSim 24
4.1 Procedimento A: 24
4.1.1 Criando novo arquivo de simulação: 24
4.2 Procedimento B: 28
4.2.1 Criando novo arquivo de simulação : 28
5.2.2 Configurando e executando arquivo de simulação 30
5. Atribuição da pinagem do dispositivo 34
5.1 Método Manual 34
5.2 Método por arquivo de pinagem 36
6. Síntese do projeto no dispositivo HCPLD: 39

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


O Quartus II da altera é um software para projetos com Dispositivos Lógicos
Programáveis de Alta Complexidade (HCPLD) dispositivos esses que podem ser Field-
Programmable Gate Array (FPGA) ou Dispositivos Lógicos Programáveis Complexos
(Complex Programmable Logic Devices –CPLD). O tutorial é organizado como segue. A
primeira seção fornece ponteiros ao Web site de Altera de onde pode ser feito download
deste software assim como as instruções para instalação. A segunda seção descreve
passo a passo o projeto de uma porta OR usando o editor de programas em VHDL do
Quartus II. A terceira seção mostra como gerar o RTL do projeto criado em VHDL. A
quarta seção descreve o processo da simulação para verificação das respostas lógicas,
ou seja, se o funcionamento do projeto criado equivale ao que desejava-se projetar. Cada
seção ´e ilustrada com figuras de cada etapa que conduz ao processo seguinte.

1. Software Quartus II 12.1 Web Edition


1.1 Iniciando o Quartus II 12.1 Web Edition – Download

O download do software pode ser realizado da página da intel (necessita de cadastro)


da seguinte URL:

Quartus II 12.1 Web Edition clique aqui

Para tal, escolha a versão do seu Sistema Operacional (Figura 1.1 e clique no link de
download.

Figura 1.1: Opção de download do software

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


1.2 Quartus II 12.1 Web Edition – Instalação

Após o download, execute o arquivo e em seguida será solicitado a extração do


arquivo (Figura 1.2), apenas clique em Install.

Figura 1.2: Janela inicial de instalação

Após a extração dos arquivos necessários para a instalação, será exibido a tela de
instalação do Software (Figura 1.3).

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 1.3: Janela de instalação

Vá selecionando em Next até chegar na etapa de seleção dos produtos que serão
instalados. Nesta etapa, existe a possibilidade de deixar todos os itens marcados e
apenas avançar com a instalação ou selecionar apenas os produtos mostrados na Figura
1.4.

Figura 1.4: Janela de configuração da instalação

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Após selecionar os produtos, clique em Next até chegar na janela de instalação
(Figura 1.5) e então aguarde até todo o processo terminar.

Figura1.5: Janela de instalação

1.3 ModelSim-Altera 10.1b Starter Edition – Download

O download do software pode ser realizado da página da intel (necessita de cadastro)


da seguinte URL:

ModelSim-Altera 10.1b Starter Edition clique aqui

Para tal, escolha a versão do seu Sistema Operacional (Figura 1.6) e clique no link de
download. Se for vers˜ao Windows, fac¸a o download do Primeiro link, se for Linux, baixe
o arquivo do Terceiro link. N˜ao precisa baixar os outros arquivos.

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 1.6: Opção de download do software ModelSim

1.1 ModelSim-Altera 10.1b Starter Edition – Instalação

Após o download, execute o arquivo e em seguida será solicitado a extração do


arquivo (Figura 1.7), apenas clique em Install.

Figura1. 7: Janela inicial de instalação


7

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Após a extração dos arquivos necessários para a instalação, será exibido a tela
de instalação do Software (Figura 1.8).

Figura 8: Janela de instalação

Vá selecionando Next até chegar na etapa de seleção do destino, o software deve


sugerir o mesmo lugar onde foi instalado o software Quartus II por padrão, se foi alterado
este caminho padrão, então localize ele nesta etapa (Figura 1.9).

Figura 1.9: Janela de configuração da instalação

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Após selecionar corretamente o diretório, clique em Next até chegar na janela de
instalação (Figura 1.10) e então aguarde até todo o processo terminar.

Figura 10: Janela de instalação

2. Criando um novo projeto


2.1 Iniciando o Quartus e criando ambiente de projeto
Após iniciar o software QUARTUS II seleciona-se no menu FILE “New Project
Wizard”, e abrirá a caixa de diálogo como mostra a Figura 2.1, abaixo:

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.1 Primeira tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’

Nesta tela, clicar em “Next” e a tela da Figura 2.2 será apresentada, a qual solicita
informações sobre nome do diretório de funcionamento do projeto, nome do projeto e
nome da entidade do nível superior no projeto. Todos estes campos devem ser
preenchidos com a informação relevante. Para melhor organização, criar uma pasta com
o nome do grupo dentro da pasta usuários. Dentro da pasta do grupo criar uma pasta
exclusiva para o projeto. Ou seja, para cada projeto criar uma nova pasta. Isto é
necessário devido ao grande número de arquivos gerado pelo “Quartus”. Para o nome
do projeto recomenda-se que este seja informativo do conteúdo do projeto. No caso do
exemplo, Luiza é a pasta principal e porta_1 é a pasta do projeto. A Figura 2.2 ilustra
este processo. Atenção: nomes de pastas, de projetos, de arquivos, sinais e variáveis
não podem iniciar com número, só podem iniciar com letras, não pode conter caracter
especial a menos de underline( _ ), mas não podem ter 2 underlines seguidos. Os nomes
dos comandos em VHDL também não podem ser usados para este fim. portanto, usem
nomes curtos em português e sem acentuação. Alinguagem também não diferencia
caractere maiúsculo de minúsculo.

10

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2. 2 - -Segunda tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’

A terceira tela, mostrada na Figura 2.3 aparece a pergunta se existem outras


partes de projetos que devam ser adicionadas ao projeto atual. Nesse momento, serão
incluídos projetos parciais caso existam, caso contrário clicar em Next..

Figura 2.3- Terceira tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’, inclusão de projetos
adicionais.

A quarta tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’, possibilita a escolha da


família do dispositivo que será utilizado no projeto. No laboratório será utilizado um dos
dispositivos da família Cyclone IV E, em específico, o dispositivo EP4CE30F23C7. Esta
etapa é mostrada em Figura 2.4.

11

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.4-Quarta tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’

O Quartus permite que os usuários familiarizados com outras ferramentas de PLD


integrem seus projetos naquelas ferramentas com projetos gerados no Quartus II. A tela
4 pergunta basicamente se existem outras ferramentas a parte do Quartus II que serão
utilizadas durante o projeto. Para simular nossos programas, utilizaremos o ModelSim-
Altera. A tela 5 é mostrada na Figura 2.5.

Figura 2.5 - Quinta tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’

Finalmente a tela 6 avisa que o ‘New Project Wizard’ está terminado e o projeto
novo com os ajustes mostrados está criado. Esta etapa é mostrada na Figura 2.6.

12

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.6 - Sexta tela da caixa de diálogo ‘New Project Wizard’

2.2 Criando um arquivo de projeto VHDL

Uma vez criado o espaço do projeto,o próximo passo é criar o arquivo do projeto
para o projeto corrente. Para isso, no menu “FILE” selecionar o “NEW” o qual irá abrir
a caixa de diálogo “New File” mostrada na Figura 2.7. Nessa escolher a opção VHDL
file.

Figura 2.7 - Criando um novo arquivo VHDL baseado em VHDL.file

13

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Uma vez selecionado o “VHDL File” pressionado “OK”, o Quartus II abrirá um
editor Figura 2.8, onde serão editados os comandos para criação do projeto. Verifique
na Figura 2.8 que a janela onde o projeto será editado é criado como vhdl1.vhd, salve
esse projeto na pasta do projeto criado com o mesmo nome deste projeto, no caso
porta_1, e então o nome do projeto porta_1 aparece no programa como mostra a janela
da Figura 2.9

Figura 2.8 Tela para edição do projeto VHDL como vhdl1.vhd

14

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.9 Janela de projeto em VHDL salvo com o nome porta_1

Para aprender a editar um arquivo VHDL será projetado a porta do exemplo da Figura
2.10, a qual é uma porta OU.

Figura 2.10 Porta OU a ser editada em VHDL.

A edição do arquivo em VHDL exige a inserção correta das cláusulas, por exemplo, da
entidade e da arquitetura. A ferramenta Quartus II possibilita a inserção de templates,
15

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


facilitando a escrita de projetos em linguagem de hardware, no caso VHDL, através da
opção na barra de ferramentas:

Edit → Insert Template → VHDL

A janela da Figura 2.11 aparecerá onde tem-se vários exemplos tanto de construções
básicas em VHDL como de projetos.

Figura 2.11 Inserção de templates na edição do projeto em VHDL

No caso, escolhendo o template de entidade na opção:

Edit → Insert Template → VHDL → Constructs → Design Units → Entity

Selecionando Insert, esse texto apresentado ao lado é inserido no arquivo VHDL


que está sendo editado, como mostra a figura 2.12. São apresentados nesta declaração
de entidade, todos os comandos que podem ser declarados dentro da entidade.

16

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.12 Inserção de templates na edição do projeto em VHDL

Para o exemplo simples do projeto de uma porta OU, a declaração de GENERIC


não será utilizada então pode ser transformada em comentário, selecionando o texto que
se deseja comentar, Figura 2.13a e em seguida clicar com o botão direito do mouse e
escolher comment selection para comentá-lo, como mostra a e 2.13b, e uncomment
selection, se desejar retirar o comentário. Pode- se também excluir essas linhas de
comando de GENERIC.

(a) (b)
Figura 2.13 Tornando comentário parte de um texto em VHDL.

A ferramenta Quartus II também possibilita a substituição de qualquer nome por


outro, facilitando a edição do projeto. Isso pode ser realizado escolhendo na barra de
ferramentas:
17

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Edit → Replace

A janela da Figura 2.14 vai aparecer e então coloca-se o nome que se quer
substituir em Find what: e em Replace with: o nome desejado, nas opções à direita
desta janela tem-se a opção de substituir todos ou apenas o selecionado no projeto.

Figura 2.14 Janela edit replace para alterar de nomes no projeto

O projeto da porta OU da Figura 2.10, foi editado na tela do QUARTUS II, e é mostrado
na Figura 2.15.

Figura 2.15 Edição do projeto em VHDL de uma porta OU.

18

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Após terminar de editar os comandos deve-se salvar o arquivo do projeto na
mesma pasta que foi criada anteriormente e que leva o mesmo nome do arquivo, ou seja,
nesse exemplo salvar o arquivo porta_1 na pasta porta_1.

2.3 Compilando o Projeto VHDL

Após o salvar o arquivo, este deve ser compilado, ou seja, através do arquivo texto
são gerados arquivos com as informações para possibilitar a configuração do circuito
digital no dispositivo. Para isso, deve-se selecionar no menu “Processing” a opção
“Start Compilation,” como mostra a Figura 2.16, ou na barra de ferramentas escolhendo
o botão .

Figura 2.16 Barra de Ferramentas, botão para compilação.

Após a compilação ser completada informações sobre o projeto são apresentadas


como mostra a Figura 2.17, onde pode-se ver o nome do projeto, do dispositivo e da
família do dispositivo, número de elementos, lógicos e quantidade de pinos usados

19

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.17 Mensagens de informações sobre o projeto após compilação.

Caso algum comando tenha sido digitado errado, mensagens aparecerão em uma
tela como mostra a Figura 2.18. nesse caso a caixa de mensagem está acusando que
faltou o comando “of” na linha da edição do programa.
A janela de mensagens é ativada na barra de ferramentas em:

View→ Utility Windows →Messages

20

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 2.18 Mensagens após a tentativa de compilação, acusando erros.

Clicando no primeiro erro listado na janela de mensagens de erro, o programa


direciona para a linha de comando do arquivo VHDL onde se encontra o erro.

21

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


3. Visualizando o RTL gerado
Nos projetos de circuitos integrados, a descrição da operação de um circuito
síncrono digital recebe o nome de RTL (do inglês Register Transfer Level). Em um projeto
RTL, o comportamento do circuito é descrito em termos do fluxo de sinais (ou
transferência de dados entre os registradores presentes no hardware e as operações
lógicas conduzidas com estes sinais). A abstração RTL é usada em VHDL na
representação do circuito de baixo nível do qual derivam-se as conexões do hardware.
No Quartus, esse circuito é gerado após a verificação de erro de sintaxe e consiste
em uma interligação das estruturas necessárias para obter o circuito gerado a partir da
descrição. Nessa etapa o circuito gerado ainda não está associado a nenhuma
tecnologia de fabricação.
Para visualizar o circuito gerado, como mostrado na figura 3.1, basta selecionar
na aba:

“Tools” → “Netlist Viewers” →, “RTL Viewer”

Figura 3.1 Acessar visualizador de RTL

22

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Em seguida, será aberta uma janela contendo o RTL gerado pelo programa compilado,
como mostrado na figura 2.2.

Figura 3.2 Circuito RTL gerado

23

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


4. Simulando o circuito projetado com o software ModelSim

A simulação de um projeto se faz necessária quando o projetista quer ter certeza


de que seu projeto, ou parte de seu projeto, foi logicamente projetado.

4.1 Procedimento A:

4.1.1 Criando novo arquivo de simulação:


Com o software ModelSim-Altera Starter Edition instalado após a compilação no
software Quartus II estar correta, para simular o projeto escolha na barra de ferramentas:
Tools → Run Simulation Tool → RTL Simulation

O software ModelSim se abrirá automaticamente e as janelas mostradas na Figura


4.1 serão apresentadas.

Figura 4.1 Janela de simulação

Clicando na biblioteca work o nome do projeto compilado anteriormente, porta_1


e, clicando sobre o nome do projeto que se deseja simular, no caso, porta_1, e em
seguida na opção logica, os sinais do projeto, pinos de entrada e saída, serão listados
na janela Objects, Figura 4.2. Caso a Janela de “Wave” não esteja visível, vá na janela
de ferramentas e selecione “View” e em seguida “Wave”.

24

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 4.2 Sinais a serem simulados listados na janela Objects

A janela do meio chamada de ‘“Objects” listará os pinos de entrada e saída


definidos no projeto. Pode-se expandi-los clicando no “+”. Clicando com o lado direito do
mouse em um pino de entrada ou saída, selecione “Add Wave” (Figura 4.3), e os sinais
a serem simulados serão adicionados na janela Wave.

Figura 4.3 Adicionar waves na janela de simulação

25

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Após adicionar todos os sinais (as “waves“) dos pinos de entrada e saída, pode-
se observar que na janela de “Wave” estará listado todos os pinos adicionados. Deve-
se configurar o formato de onda dos pinos de entrada para que seja possível visualizar
as ondas dos pinos de saída. Para isso clique com o lado direito do mouse no pino de
entrada (Figura 4.4) e selecione a opção que lhe for conveniente. Em “force”, é
atribuído um valor arbitrário constante na entrada. Pode-se também definir um
comportamento periódico, como uma onda de clock. Para isso, selecione “Clock…”.

Figura 4.4 Adicionar formato de onda nos pinos de entrada

Para este exemplo, para uma das entradas, selecione “Clock…” e configure, por
exemplo, com um Período de 200 e com First Edge selecionado como Falling (Figura
4.5) em seguida clique em OK.
Para a segunda entrada, pode-se repetir o procedimento anterior, configurando o
Período para o dobro do prévio, para que ocorram todas as combinações de valores
possíveis nas entradas.

Finalmente, clique no botão na barra de ferramentas ou aperte F9 para


iniciar a simulação. Após apertar algumas vezes o botão de simulação, pode-se observar
o formato de onda no pino de saída (Figura 4.6).

26

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 4.5 Configurar formato de onda nos pinos de entrada

Figura 4.6 Resultado da simulação

27

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


4.2 Procedimento B:

4.2.1 Criando novo arquivo de simulação :

Primeiramente abra o software ModelSim-Altera Starter Edition e aparecerá uma


janela conforme a Figura 4.7.

Figura 4.7 Janela inicial do ModelSim

Na barra de Arquivos, selecione “Change Directory…” e em seguida localize a


pasta do projeto montado no Quartus II (Figura 4.8).

28

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 4.8 Janela de mudança de diretório

Em seguida, selecione na barra de Arquivos, “New” e em seguida “Library…”,


deverá abrir uma janela como mostra a Figura 4.9. Ser ́a sugerido um nome padrão
(work), você pode deixar o nome padrão ou renomear para o nome que desejar,
lembrando as regras do nome são iguais às da criação do projeto no Quartus II.

Figura 4.9 Janela de criação de nova biblioteca

Continuando, selecione na barra de ferramentas, a opção Compile e em seguida


Compile..., abrirá uma janela (Figura 4.10) mostrando os arquivos do projeto, entre na
29

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


pasta simulation e subsequentemente, entre na pasta modelsim, dentro da mesma,
haverá alguns arquivos, dentre eles, um com extensão .vho com o mesmo nome do
projeto feito no Quartus II, selecione-o e clique em Compile e em seguida em Done.

Figura 4.10 Janela de compilação

5.2.2 Configurando e executando arquivo de simulação


Após realizar os passos acima, vá na barra de ferramentas e selecione “Simulate”
e em seguida “Start Simulation”, abrirá uma janela listando as bibliotecas, localize a
biblioteca criada no passo anterior (Figura 4.9) e expanda os arquivos da biblioteca até
aparecer um arquivo escrito structure (Figura 4.11),selecione-o e clique em “OK”.

30

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 4.11 Janela de início da simulação

Executando o passo anterior, abrirá a janela de simulação ModelSim (Figura 4.12). Se


a Janela de “Wave” não estiver visível, vá na janela de ferramentas e selecione “View”
e em seguida “Wave”.

Figura 4.12 Janela de simulação

31

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


A janela do meio chamada de ‘“Objects” listará os pinos de entrada e saída
definidos no projeto. Pode-se expandi-los clicando no “+”. Clicando com o lado direito do
mouse em um pino de entrada ou saída, selecione “Add Wave” (Figura 4.13).

Figura 4.13 Adicionar waves na janela de simulação

Após adicionar todas as “waves“ dos pinos de entrada e saída, pode-se


observar que na janela de “Wave” estará listado todos os pinos adicionados. Vamos
configurar o formato de onda dos pinos de entrada para que seja possível visualizar as
ondas dos pinos de saída. Para isso clique com o lado direito do mouse no pino de
entrada (Figura 4.14) e selecione a opção que lhe for conveniente. Em “force”, é
atribuído um valor arbitrário constante na entrada. Podemos também definir um
comportamento periódico, como uma onda de clock. Para isso, selecione “Clock…”.

32

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 4.14 Adicionar formato de onda nos pinos de entrada

Para este exemplo, para uma das entradas, selecione “Clock…” e configure, por
exemplo, com um Período de 200 e com First Edge selecionado como Falling (Figura
4.15) em seguida clique em OK.

Figura 4.15 Configurar formato de onda nos pinos de entrada

33

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Para a segunda entrada, repita o procedimento anterior, mas configure o Período
para o dobro do prévio, para que ocorram todas as combinações de valores possíveis.
Finalmente, clique no botão na barra de ferramentas ou aperte F9 para
iniciar a simulação. Após apertar algumas vezes o botão de simulação, pode-
se observar o formato de onda no pino de saída (Figura 4.16).

Figura 4.16 Resultado da simulação

5. Atribuição da pinagem do dispositivo

Antes de passar o programa para o dispositivo FPGA que se encontra na placa a


ser utilizada, é preciso atribuir cada uma das entradas e saídas do programa escrito aos
pinos do dispositivo. Isso pode ser feito de maneira manual ou automática, através da
importação dos pinos.

5.1 Método Manual

Para atribuição manual, é feito uso da ferramenta Pin Planner. Para acessá-la,
basta acessar a barra “Assignments”, como mostrado na figura 5.1..

34

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 5.1 Acessar Pin Planner

Com isso, a ferramenta será aberta. As entradas e saídas estabelecidas na


entidade do programa estarão listadas no ambiente “All Pins”, com suas direções já
definidas (input, output ou input/output). Para atribuir cada uma das interfaces à um pino
físico da placa, basta selecionar o pino desejado na coluna “Location”. Na Figura5.2
pode ser visto o OUTPUT f é associado ao pino J7. Os INPUTS a e b estão associados
aos pinos V21 e W22. Em seguida compilar o projeto para que as modificações de
pinagem sejam realizadas no projeto.

35

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 5.2 Pinos associados na ferramenta Pin Planner

Como é possível observar na figura acima, o Pin Planner apresenta


graficamente o dispositivo com seus pinos posicionados em forma de matriz, com letras
identificando as linhas e números as colunas.

5.2 Método por arquivo de pinagem


Após realizar a atribuição da pinagem pelo método anterior e compilar
novamente o projeto, o Quartus irá gerar um arquivo na pasta do projeto com o nome
da entidade e extensão .qsf (neste caso, porta_1.qsf). Esse arquivo também pode ser
gerado em Assignments -> Export Assignments
Esse arquivo contém as informações da atribuição feita aos pinos da placa e
pode ser importado em projetos futuros que usem a mesma atribuição.

Para importar o arquivo .qsf do projeto anterior, basta acessar a opção


“Assignments” -> “Import Assingments...”, como representado na figura 5.3

36

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 5.3 Acessar Import Assignments

Feito isso, será aberta uma nova caixa de diálogo, como mostrado na Figura 5.4.
Nessa caixa, deverá ser inserido o arquivo a ser importado. Para selecionar o arquivo
.qsf do projeto porta_1, é preciso clicar no botão “…” e navegar até a pasta do projeto,
como mostrado na figura 5.5.

Figura 5.4 Caixa de diálogo para importar atribuição

Figura 5.5 Selecionar arquivo QSF do projeto anterior

Uma vez selecionado o arquivo, o mesmo poderá ser importado e os pinos, após
compilação, serão automaticamente associados às entradas e saídas da entidade
descrita pelo programa VHDL, como mostrado na figura 5.6.
37

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 5.6 Pin Planner após importação

Essa ferramenta é útil para fazer a atribuição de pinos de diferentes projetos que
usam a mesma interface. Também é possível importar arquivos prontos fornecidos pelo
fabricante da placa a fim de economizar tempo na associação com cada periférico da
placa utilizada.

38

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


6. Síntese do projeto no dispositivo HCPLD:

Caso a simulação corresponda com o funcionamento desejado do projeto, o


próximo passo é fazer a síntese desse projeto no dispositivo. Deve-se inserir os pinos
como mostrado no item 5, recompilar o projeto para reconhecimento dos pinos e partir
para configurar o circuito projetado no dispositivo lógico programável. O dispositivo
FPGA que será configurado é o EP4CE30F23C-7 da família CYCLONE IV-E que se
encontra na placa didática Mercúrio IV da MACNICA. Essa placa deve ser conectada
corretamente ao computador através de uma saída USB com suas chaves ON/OFF
ligadas e a chave Prog FPGA selecionada. Na barra de ferramentas do software Quartus
II pode selecionar o botão mostrado na figura 6.1, ou, alternativamente, acessá-lo através
do menu de ferramentas, como mostrado na figura 6.2.

Figura 6.1 Acesso ao programador pelo botão

39

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Figura 6.2 Acesso pelo menu de ferramentas

Selecionado o programador, a janela mostrada na figura 6.3 será aberta. Nela


pode ser visto o dispositivo que será configurado (EP4ce30F23), o hardware selecionado
USB-Blaster [USB-0] e então é só selecionar Program/Configure, e em seguida START.

Figura 6.3 Janela do programado

40

Profª Luiza Maria Romeiro Codá


Caso Apareça NO Hardware como mostra a figura 6.4, Deve-se clicar em Hardware
Setup... para inserir o hardware e selecionar o USB-Blaster

Figura 6.4 Janela de programação sem identificação do hardware

41

Profª Luiza Maria Romeiro Codá

Você também pode gostar