Você está na página 1de 4

Ficha de Física nº 1- 9º classe

Calor e Temperatura

A discussão sobre temperatura é muito antiga, muitas vezes imaginamos essa grandeza de
forma errada, confundimos calor com temperatura e a pergunta fica:

Temperatura e Calor são as mesmas coisas?

Como sabemos, os corpos são constituídos por átomos que por sua vez formam as moléculas e
estas estão em constante movimento, que chamamos de agitação térmica.

O movimento dessas moléculas produz uma forma de energia denominada de Energia Térmica
(ou energia interna). Dizemos que quanto maior for a agitação de suas moléculas maior será a
energia térmica de um corpo, consequentemente maior será sua temperatura.

Podemos então definir: Temperatura é a grandeza física que mede o grau de agitação das
moléculas de um corpo. Quanto maior for esta agitação molecular, maior será a
temperatura deste corpo e vice-versa.

Desta forma, a água fervendo possui maior temperatura que o gelo porque suas moléculas se
agitam com maior intensidade. A Energia Térmica (ou interna) pode transferir-se de
um corpo para outro, bastando para isto, haver uma diferença de temperatura entre eles.
Dizemos que a energia térmica em transito é denominada Calor.

Calor é a energia térmica de um corpo sendo transferida de um corpo para outro. Em


outras palavras, Calor é a energia térmica em trânsito.

Podemos concluir que o calor não é algo que se tem, mas sim algo que se troca. Devemos
também lembrar que o calor é transmitido de um corpo de maior temperatura para outro de
menor temperatura.

Podemos agora observar que Calor e temperatura são coisas diferentes. Nunca diga: "Está a
fazer um calor de 40 graus em Xai- Xai". Acontece que o grau serve para medir temperatura, não
calor. Diga: "A cidade de Xai-Xai está a uma temperatura de 40 graus".

Quando um corpo cede calor para outro sua temperatura diminui, pois suas moléculas passam a
vibrar com menor intensidade. O corpo que está recebendo calor sua temperatura aumenta, pois
suas moléculas vibram com maior intensidade. Evidentemente chegará a um momento em que
ambos os corpos adquirirão a mesma temperatura (mesma vibração de suas moléculas),
dizemos, então, que ocorreu um equilíbrio térmico entre esses dois corpos.

1
Dizemos que dois corpos estão em equilíbrio térmico quando possui a mesma
temperatura, isto é as moléculas de ambos os corpos vibram-se igualmente.

Termómetro e Escalas Termométricas

O Termómetro é um instrumento utilizado para medir o grau de agitação térmica de um corpo,


ou seja, a temperatura. Os termómetros mais conhecidos e utilizados são termómetros clínicos
ou similares a ele.

Um termómetro clínico pode ser dividido em três partes:

• Bolbo - Parte que contém a substância termométrica.


• Capilar - Maior parte do termómetro, ela contém a escala termométrica.
• Substância Termométrica - Substância colocada no interior do termómetro, deve
possuir dilatação regular, geralmente a substância utilizada é o mercúrio.

O termómetro funciona com base em dois fenómenos físicos: o princípio de equilíbrio térmico
e a dilatação térmica de um sólido.
Um termómetro quando é aquecido, ou ao ser colocado em contacto com um corpo (sistema)
depois de um determinado intervalo de tempo ele atinge a mesma temperatura do corpo
(equilíbrio térmico) e isto acontece porque a substância termométrica se dilata (quando aumenta
de temperatura) ou contraí. Quando isto ocorre o nível da coluna da substância termométrica
indicará um valor. Mas para ter esse valor é necessário ter escalas numéricas no Capilar.
Abordaremos três escalas mais utilizadas:

Escala Celsius: é utilizada na maior parte do mundo e foi desenvolvida pelo físico sueco Anders
Celsius (1701-1744).

Escala Fahrenheit: utilizada pelo Estados Unidos é a escala Fahrenheit desenvolvida por Daniel
G. Fahrenheit (1685-1736).

Escala Kelvin: desenvolvida por William Thomson, mais conhecido por Lord Kelvin (1824-
1907). A escala kelvin é também denominada Escala Absoluta. O Zero desta escala (Zero
absoluto) corresponde à menor temperatura possível na natureza. Sendo a temperatura a
medida do grau de agitação das moléculas de um corpo, a menor temperatura possível
corresponderia, então, ao final da agitação das moléculas do corpo, o que é impossível de se
conseguir na prática.

Relação entre Escalas

a) Escala Celsius e Fahrenheit


Dada uma temperatura Tc na escala Celsius, podemos determinar qual será sua correspondente
TF na escala Fahrenheit e vice-versa pela seguinte expressão:

b) Escala Celsius e Kelvin

2
São escalas com a mesma variação, deslocadas de um valor constante. Note que um valor de
temperatura na escala Kelvin corresponde a um valor 273 vezes maiores que se fosse expresso
na escala Celsius.

Dilatação dos Sólidos

Aqui discutiremos como os corpos sólidos se dilatam após serem aquecidos e se contraem
quando resfriados. Para um estudo mais detalhado podemos separar essa dilatação em três
tipos: dilatação linear (aquela que ocorre em apenas uma dimensão), dilatação superficial
(ocorre em duas dimensões) e dilatação volumétrica (ocorre em três dimensões).

a) dilatação linear

Uma barra de metal, por exemplo, ao ser aquecida sofrerá um aumento de tamanho. Essa é a
característica da dilatação linear. Imaginemos uma barra de comprimento inicial Lo e
temperatura inicial to. Ao aquecermos esta barra para uma temperatura t ela passará a ter um
novo comprimento L, como mostra a figura:

O comprimento final é dado por: L = ∆ L + Lo


Onde L é a dilatação térmica sofrida pelo metal. Notamos também que a dilatação linear do
corpo vai depender de três factores:

• do comprimento inicial do corpo


• da variação da temperatura sofrida pelo corpo
• do tipo do material de que o corpo é feito

Logo, com a ajuda da Matemática, temos que:

O coeficiente de dilatação linear é a grandeza que indica o material utilizado. Cada material
possui um diferente.

b) dilatação superficial

Uma placa de concreto, por exemplo, ao ser aquecida pelo sol sofrerá um aumento de área (ou
superfície). Essa é a característica da dilatação superficial. Se imaginarmos uma placa de área
inicial Ao e temperatura inicial to. Ao aquecermos esta placa para uma temperatura t ela
passará a ter uma nova área A.

3
A área final é dada por: A = Ao + A

Semelhante a dilatação linear, a dilatação superficial pode ser determinada da seguinte forma:

O coeficiente de dilatação superficial é a grandeza que indica o material utilizado. Verifica-se que
a relação do coeficiente de dilatação superficial com o linear é dada por:

c) Dilatação Volumétrica
Um cubo, por exemplo, ao ser aquecido sofrerá um aumento de volume. Essa é a característica
da dilatação volumétrica. Imaginemos um cubo de volume inicial Vo e temperatura inicial to. Ao
aquecermos este corpo para uma temperatura t ele passará a ter um novo volume V.

O Volume final é dado por: V = V + V, onde V é a dilatação volumétrica ocorrida Semelhante aos
casos anteriores, a dilatação volumétrica pode ser determinada da seguinte forma:

O coeficiente de dilatação volumétrica é a grandeza que indica o material utilizado. A relação do


coeficiente de dilatação volumétrica com o linear é dada por: