Você está na página 1de 26

A HISTÓRIA DOS TESTES

PSICOLÓGICOS

Profa Msc. Jucimara Zacarias

1
TEXTO UTILIZADO:
 Funções e origem dos testes psicológicos

ANASTASI, Anne. Testes psicológicos. São


Paulo: EPU, 2003.

Este livro tem na Biblioteca Unigran Capital!

2
A HISTÓRIA DOS TESTES
PSICOLÓGICOS

 Qual é a função de um teste psicológico?

 Como surgiu?

 Quais as necessidades que contribuíram


para o surgimento dos testes
psicológicos?

3
O teste psicológico e a sua história...
 Medir diferenças entre indivíduos, ou entre as
reações do mesmo indivíduo em diferentes
ocasiões (ANASTASI, 2003, p. 3).

 Objetivo inicial - identificação de pessoas com


doenças mentais “retardados mentais”;

 Problemas apresentados no contexto escolar


(diagnóstico, seleção, compreensão);

 Seleção e classificação de profissionais para a


indústria;

4
O teste psicológico e a sua história...

 Psicologia contemporânea e o uso de testes


psicológicos.

Testes psicológicos: grande aplicabilidade e


contribuição para identificação de um
grande números de problemas/soluções;

5
O teste psicológico e a sua história...
Origem:

 Império Chinês – Serviço civil – durante 3 mil anos;

 Grécia: os testes como auxílio no processo


educacional (avaliava habilidades físicas e de
inteligência);

 Idade Média: Universidades européias – exames


formais para conferir títulos e honrarias.
 Dubois (1966)

 Século XIX: Início do desenvolvimento dos testes


contemporâneos.
6
O teste psicológico e a sua história...

Século XIX = Interesse inicial pela


classificação e educação das pessoas
com doenças mentais.

7
O teste psicológico e a sua história...

Século XIX:

• Doença mental
• Debilidade mental

Esquirol (1838): níveis de debilidade mental;


acreditava que o critério mais seguro para identificar
o nível intelectual seria pela linguagem.

Seguin (1866): rejeita a noção de “incurabilidade” da


deficiência mental”; 1837 estabelece a primeira escola
de crianças com deficiência mental;
8
O teste psicológico e a sua história...

Seguin desenvolve técnicas:

- Treinamento dos sentidos


- Treinamento muscular

Programas de estimulação: incluiu testes de


inteligência não verbal ou de realização.

9
O teste psicológico e a sua história...

 Os psicólogos experimentais – Século XIX –


falta de interesse pela mensuração das
diferenças individuais.

 Psicologia experimental - Sec. XIX –


desenvolvimento dos testes psicológicos:

- Controle rigoroso das condições sob as quais


eram feitas as observações (instruções, tempo
= condições padronizadas).

10
As contribuições de Francis Galton
 Sir Francis Galton, biólogo inglês;

 Interesse pela hereditariedade humana;

 Laboratório Antropométrico (medir traços físicos,


acuidade visual e auditiva, força muscular, tempo de
reação e de outras funções sensório-motoras simples).

 Conjunto sistemático de dados sobre diferenças


individuais em processos psicológicos simples.

 Régua de Galton, Apito de Galton

11
As contribuições de Francis Galton

“a única informação que nos atinge, vinda dos


acontecimentos externos, passa, aparentemente,
pelo caminho de nossos sentidos; quanto maior o
discernimento que os sentidos tenham da diferença,
maior o campo em que podem agir nosso
julgamento e nossa inteligência” (GALTON, 1883,
p. 27).

...a capacidade de discriminação sensorial “deve ser,


geralmente, mais elevada entre os intelectualmente
mais capazes” (GALTON, 1883, p. 27).

12
As contribuições de Francis Galton
 Foi o pioneiro nos métodos da escala de
avaliação e do questionário;

 Emprego da técnica de associação livre;

 Métodos estatísticos para a análise de dados


sobre diferenças individuais;

 Ampliou a aplicação de processos estatísticos à


analise de dados de teste;

13
As contribuições de Cattell
 Psicólogo americano;

 Responsável pela associação da Psicologia Experimental


e aplicação de testes;

 Doutorado em Leipzig – influência das ideias de Galton;

 Ao retornar para os EUA – organização de laboratórios


de Psicologia Experimental e ampliação do movimento
de testes;

 1890 – usa o termo “teste mental”;

14
As contribuições de Cattell
 Psicólogo americano;

 Responsável pela associação da Psicologia Experimental e


aplicação de testes;

 Doutorado em Leipzig – influência das ideias de Galton;

 Ao retornar para os EUA – organização de laboratórios de


Psicologia Experimental e ampliação do movimento de testes;

 1890 – usa o termo “teste mental”;

 Testes mentais: força muscular, velocidade de movimento,


sensibilidade à dor, acuidade visual e auditiva, discriminação de
peso, tempo de reação e outras medidas.

15
As contribuições de Cattell
 Resultados desanimadores: havia pouca
correspondência entre os resultados;

 Outros psicológos Kraepelin (1895), Ebbinghaus


(1897), Guicciardi e Ferrari (1896);

 Binet critica: são testes muito sensoriais e se


concentravam em habilidades simples e
especializadas;

16
As contribuições de Binet
 Dedicou-se muito em relação as maneiras de
avaliar a inteligência;

 Inicialmente as formas de estudos: traços físicos,


análise de caligrafia e quiromancia;

 1904 – Escolas em Paris – avaliação de alunos


“subnormais” – Escala Binet-Simon (1905);

17
As contribuições de Binet

 Escala de 1905:
30 problemas, organizados em ordem
crescente e descrente de dificuldade;
níveis de dificuldade por faixa etária;
variedades de funções avaliadas:
julgamento, compreensão, raciocínio...

Escala de 1908: aumenta o número de


subtestes; retirados alguns; os testes
foram agrupados por idades;
18
As contribuições de Binet
 Conceito de idade mental;

 1911 – Terceira revisão da escala – sem


modificações fundamentais;

 Terman (1916) na Universidade de Stanford –


Escala Stanford-Binet:

- Quoficiente Intelectual – QI: Relação entre idade


mental e idade cronológica.

• Kuhlmann-Binet (1912): avaliação de bebês até 3


meses;
19
As contribuições de Binet
 As escalas Binet eram escalas individuais;

 Respostas orais, tempo cronometrado, exigia um


examinador bem treinado;

 Característica: teste fundamentalmente clínico;

 Primeira Guerra Mundial X testes coletivos

 1917 – American Psychological Association – Robert


M. Yerkes, percebeu a necessidade e rápida
classificação de 1 milhão e meio de recrutas;
20
TESTES COLETIVOS
 Arthur Otis – construiu um teste de inteligência e
cedeu para o exército americano;

 Army Alpha e Army Beta

 Aplicações coletivas

 Utilização dos testes em escolas, em estudos com


prisioneiros,

 1920 – 1930 : expansão dos testes, conclusões


práticas, ceticismo e hostilidade: avanço e retrocesso;
21
TESTES APTIDÕES
 Alcance limitado dos testes na época;

 Teste de inteligência = testes de aptidão escolar;

 Primeira Guerra Mundial: testes de aptidões especiais


associados ao teste de inteligência global;

 QI geral e resultados específicos dos subtestes;

 Charles Spearman (1904, 1927) – aptidões diferenciais

22
TESTES APTIDÕES
 Método Análise Fatorial:

Exemplo:
- Compreensão Verbal
- Velocidade de Processamento
- Organização Perceptual

- Baterias de Aptidões Múltiplas: compreensão


verbal, aptidão numérica, visualização espacial,
raciocínio aritmético e rapidez perceptual.
23
TESTES APTIDÕES
 Teste de aptidão

- Habilidades

 Teste de inteligência

- Resultado global

24
TESTES PADRONIZADOS DE
APROVEITAMENTO
 Provas escolares
 Escolas públicas de Boston, em 1845:
exames orais substituídos por provas
escritas

 Baterias de aproveitamento

 Exames dissertativos e objetivos

25
MENSURAÇÃO DA
PERSONALIDADE
 Inventário de autodescrição = escalas de
autorrelato

 Testes situacionais ou de realização

 Técnicas projetivas

 Técnicas expressivas

26

Você também pode gostar