Você está na página 1de 3

Código da Redação

ELE2019A

ELETROCHOQUE: TERAPIA NECESSÁRIA OU RETROCESSO?

Com base na leitura do texto motivador abaixo e nos conhecimentos construídos ao


longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em norma padrão
da língua portuguesa sobre o tema: ELETROCHOQUE: TERAPIA NECESSÁRIA OU
RETROCESSO? Argumente de modo a apresentar e sustentar um ponto de vista.

TEXTO 1

O tratamento pode ocorrer em um hospital ou instituição psiquiátrica em regime de


internação integral ou ainda em nível ambulatorial, dependendo da gravidade. É
necessário o consentimento por escrito do paciente (eventualmente também dos
familiares) para a sua realização. Envolve de duas a três sessões semanais (em um
total de seis a 12), ao longo de duas a quatro semanas.

O principal efeito adverso que pode ocorrer durante o período de tratamento da ECT,
é o prejuízo da memória, eventualmente com duração de alguns meses em alguns
poucos pacientes. Por este motivo, a ECT é reservada como última opção,
particularmente em pacientes com “depressão resistentes ao tratamento” ou em casos
mais graves com sintomas psicóticos e/ou ideação suicida.

Entretanto, diferentemente do que se imagina, a ECT não causa nenhum dano


cerebral, não “queima neurônio” e, na verdade, pode prevenir alterações no
funcionamento e estrutura do cérebro sabidamente causadas pelo curso crônico da
depressão.
https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/eletrochoque-mentiras-e-verdades-que-voce-precisa-saber/

TEXTO 2

Tratamento com eletrochoque que provoca polêmica no Brasil é usado na


Europa

O Ministério da Saúde no Brasil vai financiar a compra de aparelhos de eletrochoque


para o tratamento de transtornos mentais na rede hospitalar do Sistema Único de
Saúde (SUS). A medida, em processo de regularização pela Anvisa, assusta muitas
pessoas que ainda guardam a imagem desses aparelhos como instrumentos de
tortura.

Na França, hospitais da rede pública com serviços de psiquiatria utilizam a


eletroconvulsoterapia (ECT) – ou eletrochoque, como a técnica é mais
conhecida – para tratar pacientes com depressão grave, transtorno bipolar
(também conhecido como psicose maníaco-depressiva) e em alguns casos

1
Código da Redação

ELE2019A
de esquizofrenia refratários aos medicamentos. As aplicações
costumam ser realizadas em ambulatório.

Há pelo menos uma década, psiquiatras franceses praticam a eletroconvulsoterapia


(ECT) sob anestesia geral. O tratamento é recomendado quando a pessoa enfrenta
um sofrimento intenso, não reage bem aos antidepressivos ou apresenta sintomas
ameaçadores para sua própria integridade física – risco de suicídio – ou das pessoas
à sua volta. Muitos pacientes com depressão profunda, por exemplo, param de se
alimentar e ficam ameaçados de desnutrição, desidratação e complicações
cardiorespiratórias, por passarem a maior parte do tempo prostrados na cama, sem
conseguir se movimentar.

O psiquiatra Frédéric Haesebaert, médico do maior hospital francês nessa área, o


Centro Le Vinatier, em Lyon, diz que a ECT demonstrou sua eficácia até em pacientes
idosos que não reagem mais aos tratamentos químicos. Os eletrochoques também
podem ser indicados em casos de delírio esquizofrênico ou de um surto psicótico
impossível de ser dominado com remédios. É um tipo de tratamento que evoluiu muito
nos últimos anos e não carrega mais o estigma da tortura.
http://br.rfi.fr/brasil/20190216-tratamento-com-eletrochoque-que-provoca-polemica-no-brasil-e-amplamente-usado-na-fra

TEXTO 3

O psiquiatra Paulo Amarante, uma das principais referências do movimento brasileiro


de reforma psiquiátrica, não há evidências científicas suficientes sobre os efeitos
colaterais do uso da ECT. Ele teme ainda um mau uso desse instrumento, uma vez
que costumava ser utilizado como "castigo" a alguns pacientes no passado.

"O mecanismo de ação da ECT não é conhecido. Há dezenas de teorias, mas


nenhuma é consensual. Só o que se sabe é que o tratamento provoca convulsão, uma
grave agressão ao sistema nervoso", afirma Amarante, pesquisador do Laboratório de
Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (Laps) da Fiocruz e
presidente de honra da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme).
https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/eletrochoque-tretrocesso,0bcdff141c98a96b4a5e0e182bcdffe0h0akt163.html

TEXTO 4

2
Código da Redação

ELE2019A

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO TEXTO:

Receberá nota zero, em qualquer das situações expressas a seguir, a redação que:
- Tiver até 7 (sete) linhas escritas, sendo considerada “insuficiente”.
- Fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo.
- Apresentar parte do texto, deliberadamente, desconectado com o tema proposto