Você está na página 1de 19

Lista de Abreviaturas e Acrónimos

ENH- Empresa Nacional de Hidrocarbonetos

GN- Gás Natural

SADC- Comunidade Africana para o Desenvolvimento da África Austral

FRELIMO- Frente de Libertação de Moçambique

RN- Recursos Naturais

RENAMO- Resistência Nacional de Moçambique

SASOL- Suid Afrikaanse Steenkool EN Olie/ Carvão e Óleo Sul-Africanos


Introdução

O presente trabalho tem como tema: A Abundância do Gás Natural em Moçambique: Desafios e
Oportunidades no Desenvolvimento Económico, onde analisar-se-á os fenómenos que
decorreram de 2012-2014. Pois foi em 2012 que se descobriu o largo na bacia de Rovuma o que
fez com que o país fosse considerado como o terceiro maior possuidor de gás natural a nível de
África, também foi neste ano em que Moçambique passa a distribuir o gás natural, tendo como
primeira fase a província de Inhambane beneficiada deste projecto. Na dimensão espacial olhar-
se-á para Moçambique, visto que este e o pais que foi palco da descoberta de recursos,
concretamente gás natural.

Contexto

Após longos periodos conturbados na historia de Moçambique, caracterizados por duas guerras
(Guerra de libertação e Guerra Cívil) e graves crises que afetaram a sua economia, a primeira
decada do século XXI é sem duvidas um marco na sua historia, a economia de Moçambique
registou desenvolvimentos significativos na área dos recursos minerais e energéticos.
Apesar de há muitos anos ter sido descoberta a existência de GN em Moçambique, só nesta
decada regista-se avanços na produção do GN no país através da assinatura de acordos entre o
Governo, a ENH e a SASOL, e a partir do ano de 2004 este recurso começa a ser exportado. Esta
exploração ocorre num contexto em que o país procura desenvolver a sua economia através de
novas parcerias de cooperação, o país é assolado também dificuldades economicas que
aumentam a pobreza das populações, um outro facto importante é a emergência do conflito
politico militar entre o Governo e a RENAMO. A nível externo destacamos, a queda do preço do
GN no mercado internacional e o alto indice de procura do GN no mercado Internacional, sendo
este uma fonte alternativa ao petroléo por ser menos poluente. Conjugados todos estes factores
internos e externos, Moçambique depara-se com um conjunto de desafios e oportunidades que a
abundâcia do GN impõe-lhe, dependendo das politicas adoptadas por Moçambique, a abundancia
do GN pode ser uma benção ou uma maldição no desenvolvimento do país.

Problematização
A abundância de RN, em particular o GN é tida como uma grande oportunidade para se atingiur
o crescimento e desenvolvimento económico. Entretanto, a histÓria mostra que um conjunto de
países abundantes em RN fracassaram no processo de desenvolvimento como são os casos da
Somália e Sudão, mas existem também países abundantes em RN que conseguiram alcançar o
desenvolvimento, como é o caso do Canadá. Por um outro lado, existem países não abundantes
em RN que conseguiram atingir o desenvolvimento, este é o caso do Japão. Nestes termos,
percebe-se que a abundância de RN não significa riqueza ou desenvolvimento, significa apenas
um potencial que o país tem. A transformação destes RN em riqueza e desenvolvimento está
dependente das politicas de cada Estado, podendo estes RN ser uma benção ou uma maldição.
Tendo em conta que Moçambique é um país abundante em GN, procura-se perceber quais os
desafios e oportunidades que o país tem para transformar estes recursos em uma benção e não em
maldição, desta feita surge a seguinte questão:

Problema: Até que ponto a abundância de gás natural pode influenciar no desenvolvimento
economico de Moçambique?

Objectivos

Geral

 Analisar a influencia que a abundancia do GN pode ter no desenvolvimento economico


de Moçambique

Específico

 Apresentar um breve historial sobre a abundância do GN em Moçambique;


 Estudar os desafios colocados pela abundância de GN no desenvolvimento económico
de Moçambique;
 Avaliar as oportunidades que advem da abundância de GN no desenvolvimento
económico de Moçambique;

Questoes de Pesquisa

 Como foi o processo de descoberta de GN em Moçambique?


 Quais sao os desafios que a abundancia de GN coloca ao desenvolvimento económico de
Moçambique?
 Quais sao as oportunidades que advém da abundancia do GN no desenvolvimento
económico de Moçambique?

Hipoteses

 A abundância do GN, tem impactos no desenvolvimento económico de Moçambique.


 A abundância do GN, pode por em causa a estabilidade do Estado Moçambicano.
 A boa gestão na exploração do GN, impulsiona o desenvolvimento economico.

Metodologia

Método Histórico

Segundo Marconi e Lakatos (2009:91), o método histórico consiste em investigar


acontecimentos, processos e instituições do passado para verificar sua influência na sociedade
hoje. Por seu turno, Gil (2008:17) considera que o método histórico consiste em fazer-se uma
retrospectiva de acontecimentos passados para melhor compreende os fenómenos actuais

Método Monográfico

Para Lakatos e Marconi (1992:83), este método foi criado por Le Play, que empregou ao estudar
famílias operárias na Europa. Partindo de que qualquer caso que se estude em profundidade pode
ser considerado representativo de muitos outros ou até de todos os casos semelhantes. O método
consiste no estudo de determinados indivíduos, profissões, condições, instituições, grupos ou
comunidades, com a finalidade de obter generalizações. A investigação deve examinar o tema
escolhido, observando todos os factores que o influenciaram e analisando-o em todos os seus
aspectos.

Estrutura do Trabalho
Este presente trabalho está estruturado em 4 capitulos. No primeiro capitulo será feito o debate
téorico e conceptual, no segundo procura-se entender o contexto da descoberta do GN em
Moçambique, estudando também o processo de exploração e impactos d mesma. No Nos quarto
e quinro capitulos, será feito um estudo dos desafios e oportunidades respectivamente, que o país
tem para o seu desenvolvimento perante a abundância do GN.

CAPITULO 1- REFERENCIAL TEÓRICO E CONCEPTUAL

Neste capitulo será feita a apresentação da corrente teórica usada para a realização do trabalho,
ilustrando o contexto de surgimento da mesma, os seus principais precursores, seus pressupostos
e a sua aplicabilidade para o trabalho.
O capitulo está reservado também à apresentação dos conceitos-chaves usados na realização do
trabalho.

1.1. Referencial Teórico

O presente trabalho será fundamentado com base no Paradoxo da Abundância, defendido por
Philip Le Billon.

1.1.1. Paradoxo da Abundância

Segundo Silvia (2016:8), citando Bastos e Ferreira (2008:153)1, a ideia do paradoxo da


abundância surge na década de 1990, na qual os RN são vistos como uma maldição em vez de
uma benção económica. Esta abordagem surgiu do facto de se verificar que países ricos em RN
não terem sido capazes de usar a sua riqueza para impulsionar a sua economia, muito pelo
contrário, estes países tiveramum crescimento económico inferior do que os países sem uma
abundância de RN.

A ideia de Paradoxo da Abundaância ganha relevância nas abordagens de economia política, no


qual fazem-se estudos tentando perceber os efeitos que a abundância de recuros pode trazer.
Destes estudos concluiu-se que a abundância de recursos pode trazer consequências economicas,
sociais e poíticas como: o agravento na desigualdade da destribuição do rendimento, o agravento

1
dos niveis de pobreza e o surgimento de instabilidade política que pode evoluír para um estagio
de guerra civil. Esta situação pode também resultar no aumento dos niveis de corupção, má
governação, atropelo dos princípios democrativcos ou ainda a paz e segurança (Ibid, 9).

1.1.2. Precursores

Os principais precursores do Paradoxo da Abundância são: Philipe Le Billon, Collier e Hofler.


Estes autores procuram compreender a relação e casualidade entre a abundância de recursos e a
ocorência de conflitos. Estes argumentam ainda que a abundância de recursos nem sempre é uma
benção, pode ser também uma maldição.

1.1.3. Pressupostos

A ideia central do paaradoxo da abundância é de que a abundância de recursos naturais nem


sempre é uma benção, esta pode tornar-se numa madição. Desta feita, os pressupostos do
“Paradoxo da Abundância de recursos naturais” são:

 A volatilidade dos preços dos recursos naturais, em particular o GN, criam grandes
variações nas receitas e no crescimento das economias. Para países em que não há uma
diversificão da economia, o sucesso de suas economias é dependente dos preços dos RN no
mercado internacional. A abundância de RN conduz ao declineo de outras fontes de
desenvolvimento de um país. A não diversificação da economia aumenta o nível de
dependência do Estado à industria extrativa, por consequente cria uma vulnerabilidade
macroeconomica (Biggs, 2012:5).

 A doença Holandesa é outro factor que torna a abundância de recursos em uma maldição.
A Doença Holandesa é o nome dado a alguns efeitos colaterais negativos gerados pelo
forte crescimento da exportação de RN. A exploração dos RN provoca uma apreciação da
moeda nacional, com isso o país perde a competitividade no comércio internacional
(ibid:7).
 A má governação e a fraqueza das instituições, associadas a actividade extrativa de RN,
pode originar a corupção e apropriação das receitas desta actividade extrativa pelas elites
políticas. Esta apopriação das receitas vai resultar no aumento das diferenças entre pobres
e ricos, materializndo assim a ideia de maldição de recursos. Nos países abundantes em
RN, a má gestão no processo de exploração destes recursos origina fenómenos de exlusão
social, muitas vezes baseadas em questões etnicas, culturais ou religiosas, estas que por
sua vez podem dar origem à conflitos internos (Silvia, 2015:10, citando Bastos e Ferreira,
2008:153).

1.1.4. Aplicabilidade ao Tema

A escolha deste paradoxo para a realização deste trabalho, justifica-se pelo facto dos seus
pressupostos serem largamente explicitos no que respeita aos riscos que Moçambique incore
sendo um país abundante em RN, em particular o GN. Estando Moçambique numa fase inicial da
exploração do GN, é necessario o uso deste paradoxo de modo a perspectivar os desafios que os
recaem sobre o país com vista a evitar que esta abundancia de recursos se transforme uma
maldição para o país. Tendo Moçambique um inicio tardio na exploração do GN o país tem o
beneficio do tempo ao seu favor, de modo que várias são as oportunidades que o país tem para
transformar esta abundancia de recursos em uma benção.

1.2. Marco Conceptual

Abundância-

Gás Natural

Desenvolvimento

Segundo De Sousa (2005:63), o desenvolvimento é um conjunto de mudanças no sistema


económico e social, assim como no tipo de organização, que condicionam e facilitam o
crescimento, assim como trazem um melhor bem-estar. Mosca (2013:78), acrescenta ainda que o
desenvolvimento envolve aspectos ligados ao bem estar da população, ambiente e manutenção
dos stocks de RN, liberdades políticas e econômicas.

CAPITULO 2- A ABUNDÂNCIA DO GÁS NATURAL EM MOÇAMBIQUE

Neste capitulo procura-se descrever o processo de descoberta do GN em Moçambique, até ao


ponto de considerar-se o país como sendo abundante neste recurso. O capitulo descreve ainda
como é caracterizado o processo de exploração do GN, tentando perceber ainda os impactos que
esta exploração traz ao país.

2.1. Descoberta do gás Natural em Moçambique


De acordo com o plano director do GN aprovado pelo Conselho de Ministros (2014:6), os
primeiros registros da exitência de GN em Moçambique ocorreram entre 1904 e 1920 em
Inhaminga na província de Sofala e em Pande na província de Inhambane. Entre os anos de 1948
e 1974, verificaram actividades mais intensivas nas pesquisas do GN em Moçambique, facto
justificado pelo envolvimento de algumas companhias petroliferas como Gulf & Amoco, Hunt,
Aquitaine e Sunray & Clark & Skelly. Estas descobertas foram declaradas, todavia, como não-
comerciais. Com a criação da ENH, em 1981, a actividade de pesquisa ganhou um novo ímpeto,
envolvendo várias empresas multi-nacionais.
O ano de 2012 foi marcante no processo de descoberta de GN no país, é neste ano que
Moçambique afirma-se como um país abundante emGN. Neste ano descobriu-se ao largo da
costa de Moçambique (bacia do Rovuma), quatro das cinco maiores descobertas de GN no
mundo (Abrahamson et al, -:27). As quantidades de GN em Moçambique são estimadas em mais
de 2.8 biliões de metros cubicos, comparaveis às reservas detidas pelo Iraque (Hofmann e
Martins, 2012:1). Estas descobertas atribuíaram ao país a terceira posição na lista dos países com
maiores reservas de GN em África, ficando apenas atráz da Nigéria e da Argélia, e atriuíram
igualmente à Moçambique o lugar de 15° país com maiores reservas de GN no mundo
(Rodrigues 2015:23, citando Dimande 2012:15)2.

2.2. Exploração do Gás Natural em Moçambique


A exploração do GN em Moçambique teve um início tardio, comparativamente ao período em
que se descobriu a existência deste recurso no país. Esta exploração tardia foi causada por uma
série de factores como a ausência de tecnologias apropriadas e pelo ambiente de instabilidade
política que retraía a entrada de investimentos. Esta instabilidade foi causada numa primeira fase
pela guerra de libertação de Moçambique (1964-1974) e numa segunda fase pela guerra civil que
o país viveu (1977-1992). A assinatura do Acordo Geral de Paz em Roma no ano de 1992,
marcou o fim da Guerra Civil em Moçambique e o início de uma nova fase no processo de
exploração do GN no país, pois com o fim da Guerra estavam criadas condições políticas e
sociais para a exploração deste recurso.
De acordo com Macanhengane (2013:15-16), citando Selemane (2009:10)3, a partir do ano
2000 foram assinados acordos entre o Governo, a ENH e a SASOL, estes acordos marcavam o
desenvolvimento da indústria extractiva do GN em Moçambique. Através destes acordos a
SASOL passou a ter direitos de exploração do GN nas bacias de Pande e Temane, detendo 30 %
das atividades de desenvolvimento da produção de GN e a ENH (filiada ao Governo de
Moçambique), detendo 25% de exploração.
A primeira atividade efectiva de exploração do GN foi verificada em 2004, com a construção do
gasoduto de cerca 865 km, que liga Temane e Secunda na África do Sul. Com o início da
exploração do GN, Moçambique tornou-se no maior produtor e exportador de GN na África
Austral.
No caso da bacia do Rovuma, o processo de exploração ainda não teve início, pois este é ainda
um projecto na fase de gestação, mas também devido à queda do preço do GN no mercado
internacional, bem como a contração do consumo nas principais economias asiáticas.

3
2.3. Impactos da Exploração do gás natural em Moçambique

A exploração do GN tem trazido uma conjunto de impactos à Moçambique, sendo estes impactos
positivoss e negativos. Destes impactos, destacamos os de carácter social, económico e político
que serão ilustrados neste subcapitulo.

2.3.1. Impactos Sociais


A abundancia e exploração do GN tem grandes impactos para a sociedade moçambicana,
podendo estes impactos ser positivou e negativos.
Dos impactos positivos podemos destacar a criação de postos de emprego e a construção de
infraestruturas sociais básicas como as de abastecimento de agua, hospitais, escolas, etc. Tanto o
emprego, assim como as infraestruturas basicas contribuem para a melhoria da qualidade de vida
das populações.

No caso de Moçambique, são mais notórios os impactos negativos deste processo de exploração
comparando com os impactos positivos. Neste caso é importante realçar que mesmo com a
abundância do GN na zona Sul e Norte do país de Moçambique, apenas a multinacional sul
africana SASOL é que opera na produção e exploração do GN no país, fazendo-o nas bacias de
Pande e Temane, na Provincia de Inhambane. Dos impactos negativos advindo da exploração do
GN destacam-se, o baixo indíce de empregabilidade de mão-de-obra nacional no processo de
exploração, facto que é justificado por esta não ser especializada.
A exploração do GN deveria ser uma fonte de emprego e negocios para os moçambicanos, esta
exploração deveria resultar na melhoria da qualidade de vida dos moçambicanos, mas não é o
que se verifica, pois as empresas exploradoras optam por contratar mào-de-obra e empresas de
prestação de serviços estrangeiras.

2.3.2. Impactos economicos


A exploração do GN traz varias implicações economicas à Moçambique, sendo estas positivas e
negativas.
No que concerne aos impactos positivos podemos destacar, o crescimento económico que o país
registou deste o início da exploração do gás natural. A exploração do GN melhora o desempenho
económico de Moçambique, através do aumento das receitas, crescimento do PIB, do seu
contributo o orçamento geral do Estado, o que concorre em certa medida para o início de uma
relativa autonomia, segurança e estabilidade econômica (Zeca, 2013:15).
Rodrigues (2015:24) enfatiza ainda a ideia de que a exploração do GN aumentou os níveis de
crescimento do PIB em Moçambique, como exemplo podemos tomar como exemplo o
desempenho econômico que o país teve entre os anos de 2011 à 2014, tal como ilustra a tabela 1.

Tabela 1, Nível de crescimento do PIB de Moçambique

Indicador 2011 2012 2013 2014


Macroeconomico
Crescimento real 7.3% 7.4% 8.5% 8.%
do PIB
Adaptado pelo grupo, tendo como fonte o portal eletrônico www.africneconomicoutlook.org4

Dos impactos econômicos, podemos destacar ainda o melhoramento da balança comercial, visto
que a produção e exploração do GN deixa o país com um superávit na balança comercial
(Macanhangane, 2013:29). A exploração do GN possibilitou o desenvolvimento dos outros
sectores da economia moçambicana tais como, o sector da agricultura, transportes, entre outros.
Com a abundância e exploração de GN Moçambique fica integrado no circuito do comércio
Internacional, tornando-se assim em um actor importante na economia internacional.

A abundância e exploração do GN traz impactos positivos ao país (bênçãos), mas também


origina impactos negativos para a economia (maldições).

4
http//www.africaeconomicoutlook.org, Perspectivas económicas em África 2012, consultado no dia 03
de Setembro de 2016, as 16h:22 min.
A exploração do GN aumenta o nível de crescimento do país, mas em contrapartida este aumento
no crescimento econômico não se reflete no desenvolvimento econômico do país.

2.3.3. Impactos Políticos


A abundância e exploração de GN em Moçambique contribui em grande medida na esfera
política do país, podendo ser de forma positiva e negativa.

Dos impactos positivos podemos destacar, o aumento da renda e Moçambique que contribui para
a redução da dependência externa do país. Com esta redução da dependência, o país torna-se
mais autônomo.
A abundancia do GN influência ainda na política externa de Moçambique, dando ao país mais
relevância ao nível internacional.

De acordo com Macanhangane (2013:32), a abundancia e exploração do GN em Moçambique


aumenta os níveis de exclusão política, econômica e social, originando assim um sentimento de
privação relativa por parte dos excluídos.
O abundancia do gás natural é fonte de conflitos em Moçambique, visto que diferentes grupos de
interesse tem ambição pela riqueza que o GN representa e pelo poder. Como exemplo podemos
referenciar, o início no ano de 2013 do conflito político militar entre o Governo e a RENAMO.
Este conflito surge numa altura em que o país registra um boom econômico, após a descoberta de
nos reservas de GN na bacia do Rovuma em 2012. Outro facto que associa o conflito no país ao
gás natural é o facto da RENAMO reivindicar o poder em 6 províncias do país, nas quais alega
ter ganho nas eleições gerais em 2014. As províncias reivindicadas por este partido são Sofala,
Manica, Tete, Zambézia, Nampula e Niassa de referenciar que as 6 províncias reivindicadas pela
RENAMO são ricas em RN, em particular a província de Niassa que é rica em GN, visto que
parte da bacia do Rovuma localiza-se nesta província.

CAPITULO III- A ABUNDÂNCIA DO GÁS NATURAL E OS DESAFIOS PARA O


DESENVOLVIMENTO DE MOÇAMBIQUE
Neste capitulo pretende-se estudar os desafios que a explorção do GN traz à Moçambique.
Destes desafiosos, serão abortados os de caracter social, económico e político.

3.1. Desafios Sociais

Segundo Zeca (2013: 11-12), o anuncio da descoberta do GN na bacia do Rovuma, fez com que
a população pensasse que Moçambique é um Estado rico e que os rescursos constituem uma
oportunidade imediata para resolver problemas sociais e estruturais nacionais. Contudo, a
realidade é que os ganhos que Moçambique pode obter através da exploração do GN são a médio
e longo prazo e não a curto prazo como se é esperado pela população. Deste modo, o Estado
moçambicano tem o desafio de fazer uma boa gestão das expectativas da população, facto que só
é possivel através do estreitamento dos canais de comunicaçào entre o Governo, as empresas
exploradoras e a população, de modo que haja transparência neste processo de exploração. Com
a boa gestão das expectativas pode-se evitar o aumento da frustração que é a diferença entre as
expectativas e as capacitades de responde-las, e o descontentamento social como resultado da sua
não satisfação imediata.

Perante a abundancia do GN, o Governo moçambicano é desafiado a investir na formação de


moçambicanos, de modo a incluír cada vez mais moçambicanos no processo de exploração deste
recurso. O Governo tem o desafio ainda de promover o respeito dos Direitos Humanos, aquando
dos reassentamento das populações situadas nas regiões onde decorem os projectos de
exploração.

3.2. Desafios Económicos

A abundância do GN em Moçambique constittui um factor para catapultar o desenvolvimento da


sua economia. Neste ambito o principal desafio de Mocambique consiste em transformar a
abundancia de GN no pais em desenvolvimento e riqueza.

De acordo com Zeca (2013:5), Moçambique deve evitar se tornar numa economia dependente do
GN, para isso o pais deve usar os dividendos obtidos desta exploração para potenciar os outros
sectores da sua economia. A não diversificação da economia torna o pais vulneravel a crises
financeiras. A Venezuela é um exemplo deste facto, as receitas do pais eram dependentes da
exploração e exportação do petróleo, com a queda do preço do barril do petroleo as receitas do
pais diminuiram de forma radical, tendo influenciado no nivel e qualidade de vida da população,
provocou uma subida geral de precos, desemprego, escassez de dinheiro etc.

3.3. Desafios Políticos

Segundo Collier (2010:1), a historia da extracção dos RN em África não é encorajante, visto que
esta extração de recursos muitas vezes está relacionada com o surgimento de conflitos. Para Zeca
(2013:12), os recursos constituem umas das fontes de tensões, disputas, crises e conflitos intra e
interestatais. Como exemplo disto, temos os casos do Sudão, Congo e Serra Leoa, etc. Tendo em
conta estes factos, Moçambique tem como desafio evitar a ocorrência de conflitos.

Conflitos ligados a abundância de recursos tem tido origem por factores como falta de
transparência na gestao de rendimentos resultantes da exploração destes RN e redistribuicao de
desenvolvimento desequilibrado (Macanhengane, 2013:19).

Perante essa problematica Moçambique tem como desafios garantir a transparência no processo
de exploração, fortificar as instituicoes responsaveis pelo processo de fiscalização, fazer uma
redistribuição justa da renda obtida dessa exploração.

De acordo com Barma et al (2012), a paz e a estabilidade constituem pressupostos


fundamentais para que países abundantes em recursos alcancem desenvolvimento. Neste sentido,
Mocambique é desafiado a continuar a envidar esforcos para garantir um ambiente de paz e
estabilidade, uma vez que o país encontra-se numa situação de conflito politico-militar entre o
governo e a RENAMO que teve inicio no ano de 2013, o que pode retraír o investimento para a
exploração destes recursos.

Para garantir essa paz e estabilidade, o pais deve não só promover politicas mais inclusivas, mas
também remodelar a arquitetura de seguranca nacional.

CAPITULO IV- A ABUNDÂNCIA DO GÁS NATURAL E AS OPORTUNIDADES


PARA O DESENVOLVIMENTO DE MOÇAMBIQUE
Neste capitulo pretende-se avaliar as oportuniades que a abundância do GN coloca para o
desenvolvimento de Moçambique. Essas oportunidades podem ser sociais, economicas e
politicas.

4.1. Oportunidades sociais

A abundância de GN em Moçambique cria diversas oportunidades para a melhoria das condições


de vida das populações. Antes que se iniciem os projectos de exploração, as companhias de
exploração desenvolvem acções de responsabilidade social que reforçam as acções pragmaticas
do governo contribuindo para a melhoria de vida das comunidades onde os tais projectos são
desenvolvidos. As zonas por onde passa o gasoduto de Pande e Temane são exemplos de regiões
que registaram um rápido e abrangente processo de desminagem, foram construidas escolas,
hospitais, furos de abastecimento de água , desenvolvimento de projectos agricolas, construção
de novas vias de acesso, factos que constituem melhoria de condicao de vida dos cidadãos
nacionais. Tal como advoga o relatório da ENH (2011:10), a abundância do GN traz como
oportunidades, a criação de postos de emprego e a formação de moçambicanos envolvidos no
processo de exploração, sendo assim, estes factores vão impulsionar no desenvolvimento da
sociedade Moçambicana.

4.2. Oportunidades Económicas

A abundância de GN coloca Moçambique numa situação estratégica no mapa da economia e


finanas internacionais no que se refere a disponibilidade energética e viabilidade da industria
extractiva.

A abundancia de GN atrai o investimento directo estrangeiro a Moçambique e pode acelerar


ainda mais o crescimento economico do país. Rodrigues (2015:22) enfatiza a ideia de que a
abundância de GN pode impulsionar o crescimento, sobretudo a industriliação de Mocambique.
A exploração do GN tem protagonismo na melhoria dos sectores da economia como agricultura,
infraestrutura e outros. Com o crescimento económico e a diversificação da sua economia o pais
podera reduzir a sua dependência economica.

4.3. Oportunidades Políticas


A abundância do GN traz à Moçambique um conjunto de oportunides ao nivel político. A
exploração do GN vai aumentar o nivel de crescimento económico, possibilitando assim uma
maior idependência do país e uma redução da dependência externa. Com a abundância do GN
Moçambique tem a oportuniade de tornar-se numa potência enérgetica a nivel da região da
SADC, tendo em conta que o país tem as maiores reservas de GN na região, mas também
também possui em abundância outras fontes de energia, sendo elas renovaveis e não renovável.
Tal como advoga (Biggs, 2012:51), a abundância de GN possibilita o crescimento e
desenvolvimento de Moçambique, sendo assim, esta é uma oportunidade para as autoridades de
criar políticas de modo a criar um bem-estar economico e social pois só assim se podem evitar a
ocorrência de conflitos causados pela abundância do GN.
Conclusão

Com a realização deste trabalho, concluiu-se que a abundância do GN em Moçambique não é


garantia de desenvolvimento económico do país, esta abundância pode ser uma bençào ou
maldição para o país. Com este trabalho concluiu-se ainda que a abundância de GN pode ter
grande influência no desenvolvimento económico do país, trazendo à este um conjunto de
desafios e oportunidades ao país. O desenvolvimento economico de Moçambique está
dependente das políticas que o país adopta, o país deve conseguir superar os desafios e explorar
as oportunidades que advém da abundância do GN.

A abundância do GN trz um conjunto de impactos para Moçambique, esta abundância coloca em


causa a estabilidade social, económia e política de Moçambique, podendo deste modo originar
conflitos violentos no país. A boa gestão na exploração do GN é a condição sine qua non para a
estabilidade e desenvolvimento económico de Moçambique.
Bibliografia

A)Livros

BARMA; N. H., et al (2012), “The Political Economy of Natural Resource-Led Development”,


World Bank, Washington DC.
DE SOUSA; Fernando (2005), "Dicionário de Relações Internacionais", Edição 954, Edições
Afrontamento/CEPESE, Lisboa.
Gil, António Carlos (2008), “Métodos e Técnicas de Pesquisa Social”, 6ª edição, Editora Atlas,
São Paulo.

MARCONI, Mariana de Andrade e LAKATOS, Eva Maria (2009), “Metodologia cientifica”.


5ª Edição, São Paulo.
MOSCA; João, et al (2013), “Economia de Moçambique 2001-20010: Uma Mix de popularismo
econômico e mercado selvagem”, Escolar Editoras, Maputo.

B)Artigos e Monografias

ENH (2011), “30 anos pesquisando petróleo e gás”, Maputo.

HOFMANN; Katharina, MARTINS; Adrian De Souza, (2012), “ Descoberta de Recursos


Naturais em Moçambique”.

MACANHANGANE; José Paulino (2013), “ Exploração de hidrocarbonetos como factor para


eclosão de conflitos em Moçambique: Caso do Gás natural”, ISRI, Maputo.

BIGGS; Tyler (2012), “Explosão Emergente de Recursos Naturais em Moçambique”, CTA.

ABRAHAMSON; David, et al, “Moçambique: Recursos Naturais/ Sector Extractivo para a


Prosperidade”, Columbia University.
RODRIGUES; Ana Margarida (2015), “Gás Naturl como Fonte de uma posição Financeira
Sólida de Moçambique: Uma possibilidade de projecção de poder geoeconômico no Índico”,
ISRI.

SILVIA

ZECA

COLLIER; Paul (2010), “The Political Economy of Natural Resources”.

C) Publicações Oficiais

Conselho de Ministros (2014), “Plano Director do Gás Natural”, 16.ª Sessão Ordinaria.

Você também pode gostar