Você está na página 1de 2

Olavo de Carvalho

Diário do Comércio, 17 de fevereiro de 2015

Os fatos são patentes e inegáveis:


1. O PT é filiado a uma organização estrangeira, o Foro de São Paulo, que ele reconhece como
“coordenação estratégica da esquerda na América Latina” (sic) e cujas resoluções, unanimemente
assinadas nas suas assembleias anuais, ele acata e cumpre. Consultem-se, a respeito, o vídeo do III
Congresso do partido (veja aqui), as atas das assembleias do Foro de São Paulo (leia aqui) e o discurso
comemorativo pronunciado pelo sr. Luís Inácio Lula da Silva, então presidente da República, no
décimo-quinto aniversário da entidade – discurso publicado na própria página oficial da Presidência,
depois comentado e linkado no meu artigo (leia aqui). As provas não poderiam ser mais abundantes
nem mais inquestionáveis.

A Lei dos Partidos Políticos (Lei número 9.096 de 19 de setembro de 1995) determina que o STF casse
o registro desse partido, por violação do artigo 28, alínea II: “estar subordinado a entidade ou governo
estrangeiros.”

A violação independe de o partido ter ou não recebido fundos dessa entidade, o que é crime
suplementar a ser investigado.

2. O PT tem sob o seu comando e alimenta com vultosas verbas públicas uma entidade paramilitar,
armada, clandestina e sem registro legal, treinada por técnicos estrangeiros para atividades de guerrilha,
especializada em invadir e queimar propriedades rurais e em bloquear pela força o direito do cidadão
brasileiro de circular livremente pelo território nacional, e não hesita em convocar essa entidade,
chamando-a mui apropriadamente de “exército”, a mostrar o seu poder e interferir na política nacional
como instrumento de pressão e intimidação.

Isso viola a alínea IV da Lei dos Partidos Políticos (“manter organização paramilitar”), obrigando o
STF a cancelar o registro do partido, mediante “denúncia de qualquer eleitor, de representante de
partido, ou de representação do Procurador-Geral Eleitoral”.

O PT é portanto um partido ilegal, cuja possibilidade de existência continuada só é garantida por um


conluio criminoso, regado a dinheiro público, do qual participam políticos, juízes e altos funcionários
das estatais, tudo sob a proteção da “grande mídia”.

3. O governo Dilma Rousseff concedeu empréstimos ilegais a várias nações comunistas, violando o
artigo 49 da Constituição Federal, segundo o qual assinar tratados e compromissos internacionais que
impliquem despesas para os cofres públicos “é de competência exclusiva do Congresso
Nacional”. Reconhecendo cinicamente que esses empréstimos são inconstitucionais e ilegais, o
governo Rousseff ainda os tornou secretos, roubando ao Congresso e à nação a mera possibilidade de
investigá-los.
Não poderia haver prova mais patente de crime de improbidade administrativa, tornando o
impeachment da Sra. Rousseff não apenas legal, mas obrigatório, mesmo sem Mensalão, Petrolão e
demais crimes coadjuvantes que esse governo jamais se eximiu de praticar.
Para maiores informações, veja.

4. A sra. Rousseff deve o seu segundo mandato à fraude eleitoral maciça e ostensiva da apuração
secreta dos votos, que nega o mais elementar princípio de transparência sem o qual nenhuma eleição é
válida ou legítima à luz da razão e do Direito. Para dar viabilidade ao truque sujo, colocou na
presidência do Tribunal Eleitoral, após tê-lo feito passar pelo STF, um advogado do seu partido e
homem notoriamente desprovido das qualificações para cargos superiores da magistratura.

Nessas condições, proclamar, como o faz praticamente a totalidade da classe política e da mídia, que a
sra. Rousseff governa o país com base num mandato legítimo e democraticamente instituído é atitude
de uma mendacidade e de um cinismo que raiam a amoralidade psicopática pura e simples.

Cansados de esperar e implorar que o Congresso e as autoridades judiciárias fizessem cumprir a lei,
dois ou três milhões de cidadãos saíram às ruas, no maior protesto político de toda a nossa História,
apenas para ver, no dia seguinte, o governo, auxiliado pelos políticos ditos “de oposição” e pela mídia,
tentar tirar proveito do seu próprio descrédito e da sua própria torpeza, utilizando-se da ira popular
como pretexto para vender, de novo, a fraudulenta proposta da “reforma política” bolivariana.

Com toda a evidência, a elite política e midiática deste país entrou num pacto calculado para impor a
autoridade do PT acima da Constituição e das leis, incondicionalmente e sem possibilidade de
discussão.

No tempo de Collor e FHC, qualquer passeata de umas dezenas de milhares de manifestantes,


convocados e dirigidos por organizações políticas, era glorificada como “clamor popular” e alegada
como razão iminente para um impeachment.

Dois milhões de pessoas clamando espontaneamente nas ruas pelo simples cumprimento das leis não
bastam para demover essa elite da sua firme e inabalável decisão de vender como “democracia” um
ritual grotesco de legitimação do crime e da iniquidade.

A ruptura entre o povo e a elite mandante é hoje profunda, radical e insanável. Não há diálogo nem
conciliação possível. A vida política nacional tornou-se uma queda de braço entre os happy few e a
massa indignada, entre a palhaçada de cima e a realidade de baixo.

Mais dia, menos dia, a realidade vencerá, mas quanto sofrimento isso ainda vai custar aos brasileiros?