Você está na página 1de 399

!

“O!PIOR!AINDA!NÃO!ACONTECEU”!
ESPETÁCULO,+MEMÓRIA+E+POLÍTICA+ENTRE+OS+LUVALE+DO+ALTO+ZAMBEZE+(ANGOLA)+

!
+
+
ISABEL+PENONI+

+
+
+
+
+
+
PPGAS+/+MN+/+UFRJ+
RIO+DE+JANEIRO+
2015+
Isabel'Penoni'
'
'
'
'
'
'

“O#PIOR#AINDA#NÃO#ACONTECEU”#
ESPETÁCULO,'MEMÓRIA'E'POLÍTICA'ENTRE'OS'LUVALE'DO'ALTO'ZAMBEZE'(ANGOLA)'
'
'
'
'
'
Tese'de'doutorado'apresentada'ao'Programa'de'PósJGraduação'em'
Antropologia'Social,'Museu'Nacional,'Universidade'Federal'do'Rio'de'
Janeiro,' como' parte' dos' requisitos' necessários' à' obtenção' do' título'
de'doutor'em'Antropologia'Social.'
'
'
'
Orientador:'Prof.'Dr.'Carlos'Fausto'
PPGASJMN/UFRJ'
'
'
'
'
'
'
Rio'de'Janeiro'
2015'
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#

Penoni,'Isabel'Ribeiro'
'
“O'pior'ainda'não'aconteceu”:'espetáculo,'memória'e'política'entre'os'Luvale'
do'Alto'Zambeze'(Angola).'Rio'de'Janeiro,'2015.'
'
378'f.'
'
Tese'(Doutorado'em'Antropologia'Social)'–'Programa'de'PósJGraduação'em'
Antropologia' Social/Museu' Nacional' –' Universidade' Federal' do' Rio' de'
Janeiro,'2015.'
'
Orientador:'Prof.'Dr.'Carlos'Fausto'
'
1.'Espetáculo'2.'Memória'3.'Política'4.'Luvale'(Angola)'
I.'Fausto,'Carlos'(Orient.)'II.'Universidade'Federal'do'Rio'de'Janeiro'III.'“O'
pior' ainda' não' aconteceu”:' espetáculo,' memória' e' política' entre' os'
Kuikuro'do'Alto'Zambeze'(Angola)'

! ii!
Isabel'Penoni'
'
'
“O#PIOR#AINDA#NÃO#ACONTECEU”#
ESPETÁCULO,'MEMÓRIA'E'POLÍTICA'ENTRE'OS'LUVALE'DO'ALTO'ZAMBEZE'(ANGOLA)'
'
'
Banca'Examinadora:'
'
______________________________'
Prof.'Dr.'Carlos'Fausto'–'orientador'
PPGASJMN/UFRJ'
'
_____________________________'
Prof.'Dr.'Federico'Neiburg'
PPGASJMN/UFRJ'
'
______________________________'
Prof.'Dr.'Marco'Antônio'Teixeira'Gonçalves'
PPGSAJIFCS/UFRJ'
'
______________________________'
Prof.'Dra.'Maria'Laura'Viveiros'de'Castro'Cavalcanti'
PPGSAJIFCS/UFRJ'
'
______________________________'
Prof.'Dra.'Adriana'Schneider'Alcure'
PPGACJECO/UFRJ'
'
_____________________________'
Prof.'Dra.'Aparecida'Vilaça'(suplente)'
PPGASJMN/UFRJ'
'
______________________________'
Prof.'Dr.'César'Gordon'(suplente)'
PPGSAJIFCS/UFRJ'
'
'
Rio'de'Janeiro'
2015'

! iii!
RESUMO#
'
'
'
'

Esta'tese'é'uma'etnografia'do'recémJcriado'Likumbi'Lya'Vaka'Cinyama,'também'conhecido'

como' Festival' Tradicional' Luvale.' TrataJse' de' um' espetáculo' realizado' desde' 2010' no'

município' do' Alto' Zambeze,' em' Angola' (África' Central).' Produzido' com' o' objetivo' de'

preservar' e' divulgar' a' “cultura”' dos' Luvale,' o' evento' situaJse' no' contexto' mais' geral' de'

internacionalização' das' políticas' de' patrimonialização,' em' que' se' multiplicam' shows' e'

festivais' indígenas,' onde' o' ritual' vem' sendo' convertido' em' verdadeiros' espetáculos' do'

“autêntico”.'PropõeJse'analisar'o'Festival'Luvale'do'ponto'de'vista'dos'estudos'do'ritual'e'da'

performance'e,'também,'da'ótica'do'campo'interétnico'no'qual'ele'se'situa.'BuscaJse,'assim,'

evitar'abordáJlo'como'um'caso'de'comércio'e'turismo'da'“cultura”'e,'antes,'como'algo'mais'

complexo,'onde'um'novo'dispositivo'de'transmissão'e,'ao'mesmo'tempo,'de'produção'de'

conhecimento' constitui' um' instrumento' estratégico' em' um' multifacetado' campo' de'

disputas'políticas.''

'

'

'

'

'

'

'

'

! iv!
ABSTRACT#
'
'
'

'
This'thesis'is'an'ethnography'of'the'recently'created'Likumbi'Lya'Vaka'Cinyama,'also'known'

as' the' Luvale' Traditional' Festival,' held' since' 2010' in' the' municipality' of' Alto' Zambeze,' in'

Angola'(Central'Africa).'Produced'with'the'purpose'of'preserving'and'divulging'the'“culture”'

of'the'Luvale,'the'event'forms'part'of'a'wider'context'of'the'internationalization'of'heritage'

policies,' in' which' indigenous' shows' and' festivals' have' multiplied,' converting' rituals' into'

spectacular' displays' of' “authentic' culture”.' The' proposal' here' is' to' analyse' the' Luvale'

Festival'from'the'viewpoint'of'studies'of'ritual'and'performance,'as'well'as'the'perspective'

of' the' interethnic' field' in' which' the' event' is' located.' The' aim,' thereby,' is' to' avoid'

approaching' it' solely' as' a' case' of' culture' marketing' and' tourism,' but' as' something' more'

complex,'where'a'new'device'for'simultaneously'transmitting'and'producing'knowledge'has'

become'a'strategic'instrument'in'a'multifaceted'arena'of'political'disputes.''

'

'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'

! v!
SUMÁRIO#
'
'
'
'

INTRODUÇÃO'.......................................................................................................................''#01#
A. [CONTEXTO'DA'PESQUISA]'.....................................................................''07'
B. [PLANO'DA'TESE]'....................................................................................''22'
C. [OS'LUVALE]'............................................................................................''25'
'
PARTE#I''''
LIKUMBI'LYA'VAKA'CINYAMA'[O'DIA'DOS'FILHOS'DE'CINYAMA]'........................................'''41'
'
CAP.'1''
ENSAIOS,'MONTAGEM'..............................................................................................''42'
A. [MUZALA'E'A'COFETRAL]'........................................................................'''42'
B. [NYAKATOLO'CILOMBO]'.........................................................................'''46'
C. [O'“HISTORIAL”'DA'FESTA]'.....................................................................'''51'
D. [A'VAMBUNDA]'......................................................................................'''54'
E. [NJAMBA'E'O'FÓRUM'DAS'AUTORIDADES'TRADICIONAIS]'...................''''58'
F. [BREVINTA'ROSA'E'AS'NYAKANDANDJI]'.................................................'''66'
G. [JOÃO,'NGUNGA'E'O'GRUPO'DA'ESCOLA]'.............................................''''72'
H. [INTERDIÇÃO'AOS'ESTRANGEIROS]'........................................................'''81'
'
CAP.'2'
FESTA'.........................................................................................................................''89'
A. [O'CORTEJO'DOS'MAKIXI]'........................................................................''89'
B. [A'ABERTURA'DO'FESTIVAL]'...................................................................'''94'
C. [KULIFUKULA]'.......................................................................................'''100'
D. [DISCURSOS'POLÍTICOS]'........................................................................''113'
E. [“PROGRAMAÇÃO'CULTURAL”]'.............................................................''119'
F. [MAKIXI]'.................................................................................................'131'

! vi!
PARTE#II#
CISEMWA'CA'LUVALE'[A'CULTURA'DOS'LUVALE]'..............................................................'''148'
'
CAP.'3'
RUÍNAS,'COLEÇÕES,'ESPETÁCULO'...........................................................................''149'
A. [CISEMWA]'............................................................................................''153'
B. [“PEÇAS'CULTURAIS”]'............................................................................''156'
C. [“GRUPOS'CULTURAIS”]'........................................................................''162'
D. [MUKANDA]'...........................................................................................''169'
E. [MWALI]'.................................................................................................'179'
F. [MAHAMBA]'...........................................................................................'183'
'
CAP.'4'
TEATRO'OU'RITUAL?'...............................................................................................''193'
A. [O'SACRIFÍCIO'NO'FESTIVAL]'..................................................................'195'
B. [SAUDAÇÕES'AOS'CHEFES]'....................................................................''198'
C. [PARA'ALÉM'DO'PÚBLICO]'.....................................................................'202'
D. [TEATRO'E'RITUAL]'...............................................................................'''205'
E. [TURNER'E'O'TEATRO]'...........................................................................''210'
F. [UM'POUCO'DE'TEORIA'DA'PERFORMANCE]'.........................................'216'
G. [BRECHT'NO'ALTO'ZAMBEZE?]'...............................................................'220'
'
PARTE#III#
“CULTURA'NÃO'SE'MISTURA'COM'POLÍTICA”[?]'.................................................................'228'
'
CAP.'5'
A'REUNIÃO'DOS'SOBAS'............................................................................................'230'
A. [OS'LUVALE'DE'ANGOLA'E'DA'ZÂMBIA]'.................................................'230'
B. [A'POLÊMICA'DAS'“LÍNGUAS'NACIONAIS”]'...........................................''242'
C. [O'“TRIBALISMO”'CONTEMPORÂNEO'NO'ALTO'ZAMBEZE]'...................'251'
'
'

! vii!
CAP.'6'
COFETRAL'E'SOBAS'FRENTE'A'FRENTE'.....................................................................'268'
A. [O'VALOR'DA'“CULTURA”]'......................................................................'268'
B. [OS'SOBAS'E'O'GOVERNO]'.....................................................................'284'
' '
'
CONSIDERAÇÕES#FINAIS#....................................................................................................'''302#
#
BIBLIOGRAFIA#......................................................................................................................'317#
'
ILUSTRAÇÕES#.......................................................................................................................'327'
#
ANEXOS#...............................................................................................................................''365'
#
'

'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
! viii!
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
'
Para'Muzala,''
que'me'ensinou'que,'depois'do'pior,''
ainda'tem'o'piorão!'

#
! ix!
AGRADECIMENTOS#
'
'
'
'

Agradeço,'em'primeiro'lugar,'aos'Luvale'do'Alto'Zambeze'(Angola),'representados'por'sua'
rainha'Nyakatolo'Cilombo,'que'tive'o'privilegio'de'conhecer,'pela'generosidade'com'que'me'
acolheram' em' suas' terras,' dando' todo' o' apoio' que' precisava' para' realizar' esta' pesquisa.'
Especialmente,'à'regedora'Kakenge'e'ao'seu'mukwetunga,'por'terem'me'hospedado'em'sua'
casa' com' tanto' carinho' e' cuidado' e' por' tudo' que' me' ensinaram.' Ao' regedor' Njamba,' por'
todo'o'incentivo'à'pesquisa'e'pela'disponibilidade'em'ajudar'no'que'fosse'preciso.'Ao'soba'
Kawisa'e'a'sua'esposa,'pela'companhia'e'o'cuidado'que'tiveram'comigo'ao'longo'de'nossa'
temporada'na'Zâmbia'em'2013.''
Aos'dirigentes'da'COFETRAL,'pela'enorme'colaboração'e'parceria'neste'trabalho.'Em'
particular,'a'Fernando'Muzala,'pela'transcrição'e'tradução'de'quase'todo'material'coletado,'
pelo'apoio'logístico'em'Cazombo'e'pela'amizade.'A'Francisco'Ciwende,'pela'generosidade'e'
confiança'ao'cederJme'uma'cópia'de'seus'manuscritos'sobre'os'Luvale.'A'Abraão'Lingoma,'
por'ter'proporcionado'a'melhor'viagem'à'Zâmbia'que'eu'poderia'ter.''
Aos'integrantes'dos'grupos'culturais'de'Cazombo,'Cavungu'e'LumbalaJKakengue,'por'
todas' as' nossas' conversas' e' por' me' deixarem' acompanhar' de' perto' os' seus' ensaios' e' as'
suas' apresentações.' Especialmente,' a' Brevinta' Rosa,' João,' Tozé,' Ngunga,' Gertrude' Cisola,'
Eduardo'Samwambila,'Lili'Samutela'e'Ninja.'A'Cibanda,'pelo'registro,'transcrição'e'tradução'
de'suas'canções.'A'Cinyama,'pelo'registro'e'tradução'do'kulifukula.''
A' Eugênia,' por' ter' separado' um' quarto' de' sua' casa' sempre' que' precisei.' E' aos'
amigos' Daní,' Mingas' e' Daniel' Samosa,' que' tantas' vezes' fizeram' com' que' me' sentisse' em'
casa,'amenizando'a'solidão'do'campo.'''
Agradeço' também' aos' integrantes' do' grupo' cultural' de' Lusaka,' especialmente' a'
Josephine'e'Samuel,'pela'atenção,'e'ao'amigo'Jonh'Kayelu,'por'tudo'que'me'ensinou'sobre'a'
cultura'luvale.'
Em'Angola,'foram'fundamentais'os'apoios'institucionais'que'recebi'do'Gabinete'de'
Intercâmbio'do'Ministério'da'Cultura'de'Angola,'da'Direção'Nacional'de'Museus'de'Angola,'
do' Museu' de' Antropologia' de' Luanda,' do' Departamento' de' Cultura' do' Moxico' e' da'

! x!
Administração' Municipal' do' Alto' Zambeze.' No' Gabinete' de' Intercâmbio,' agradeço'
especialmente' a' Ndongadi,' pela' boa' vontade' em' me' ajudar.' Na' Direção' Nacional' de'
Museus,'a'Manzambi'Vuvu'Fernado,'por'tornar'viável'a'pesquisa'em'Angola.'No'Museu'de'
Antropologia,' a' Américo,' por' todas' as' dicas' e' pelos' contatos' que' seriam' fundamentais' na'
primeira' viagem' ao' Alto' Zambeze,' e,' também,' a' Kavula,' David' e' Teca,' pelo' carinho' no'
convívio'dentro'do'Museu.'No'Departamento'de'Cultura'do'Moxico,'a'Noeli'e'Damásio,'pelo'
apoio'logístico'em'Luena.'E'na'Administração'Municipal'do'Alto'Zambeze,'a'Adelina'Cilika,'
por' colocar' todo' o' seu' departamento' de' cultura' à' minha' disposição.' Agradeço' também' a'
José' Pedro,' do' Instituto' Nacional' de' Línguas,' pela' generosidade' em' me' contar' sobre' os'
recentes'debates'em'torno'da'questão'das'“línguas'nacionais”'em'Angola.'
A'pesquisa'também'não'teria'sido'possível'sem'Anabela'Marcos,'minha'anfitriã'em'
Luanda,' a' quem' agradeço' imensamente' por' tudo!' Em' especial,' por' ter' me' recebido' com'
tanta' generosidade' em' sua' casa' e' compartilhado' comigo' seus' amigos,' sua' família' e' seus'
cantos' na' cidade;' por' ter' me' apresentado' a' Luanda' e' me' presenteado' com' sua' grande'
amizade.'Em'Luanda,'foram'também'fundamentais'Diná,'Índio,'Carla,'Flora'e'Daniel.''
Agradeço' ainda' a' todos' os' integrantes' dos' grupos' Elinga,' Henrique' Artes' e' Nzinga'
Nbande,' que' participaram' das' minhas' oficinas' de' teatro' em' Luanda,' em' 2012' e' 2013.' Em'
especial,' aos' diretores' daqueles' grupos,' respectivamente,' Mena' Abrantes,' Flávio' Ferrão' e'
Damião' Kuvula,' que' viabilizaram' as' oficinas.' E,' também,' aos' atores' Mel,' Kadete,' Nelson,'
Mara,'Mayer,'Claudia,'Zade,'Madaleno'e'Suelma,'pela'dedicada'participação.' '
Agradeço'a'CAPES'–'Coordenação'de'Aperfeiçoamento'de'Pessoal'de'Nível'Superior,'
pelos'48'meses'de'bolsa'concedida'para'a'realização'do'meu'doutorado,'e'também'a'FAPERJ'
que'financiou'parte'da'pesquisa'em'Angola.'
A'Carlos'Fausto,'pelos'quase'dez'anos'de'orientação,'parceria'e'amizade.'O'mestrado'
e' o' doutorado' tiveram' um' sentido' especial' pelo' seu' envolvimento' com' a' minha' pesquisa,'
pela' sua' interlocução' generosa' e' pelo' seu' enorme' apoio,' sem' o' qual' nada' teria' sido'
possível.'Obrigada'pela'paciência'na'reta'final'da'escrita'e'por'ter'me'ensinado'tanto.'
À'professora'Sónia'Silva,'pelo'diálogo'estimulante'na'etapa'inicial'da'pesquisa,'pelo'
incentivo'ao'trabalho'de'campo'no'leste'de'Angola'e'pela'a'gramática'luvale!'
À' banca' avaliadora' desta' tese,' composta' pelos' professores' e' professoras' Adriana'
Schneider'Alcure,'Marco'Antônio'Teixeira'Gonçalves,'Aparecida'Vilaça,'César'Gordon,'Maria'

! xi!
Laura' Viveiros' de' Castro' Cavalcanti' e' Federico' Neiburg.' Aos' dois' últimos,' agradeço,' ainda,'
aos'comentários'na'banca'de'qualificação'do'projeto'de'doutorado.'
'' Aos'colegas'e'amigos'do'mestrado'e'do'doutorado'no'PPGAS.'Em'especial,'a'Bruno'
Sotto' Mayor,' que' compartilhou' comigo' o' seu' grande' sonho' e' me' abriu' caminho,' estamos'
juntos!'Aos'colegas'do'LARMe,'Caco,'Elena,'Luana,'Malu,'Messias,'Ana,'Paulo,'Danielle,'Jean'
Baptiste,' Cyril,' Julia' e' Helena,' por' partilharem' de' um' projeto' maior.' Principalmente,' a'
Thiago,'pela'amizade;'a'Helio,'pela'ajuda'com'o'acesso'à'bibliografia'e'com'os'diagramas'de'
parentesco;''e'a'Kleyton'pela'leitura'generosa'dos'primeiros'resultados'deste'trabalho'e'por'
todos'os'comentários'que'inspiraram'a'tese.'
Aos'funcionários'do'PPGAS,'da'secretaria,'da'biblioteca,'do'restaurante'e'da'xerox,'
por'serem'sempre'atenciosos'e'eficientes.''
A'Joana,'Rita,'Júlia,'Ricardo,'Rosyane,'Tati,'Raquel,'Daniel'Fernandes,'Isadora,'Shirley,'
Bel'Pacheco,'Val,'Nanda,'Amora,'Daniel'Kucera,'Bel'Mansur'e'tantos'outros,'pela'amizade'e'
pelo' amor' que' nos' une' e' fortalece,' mesmo' quando' estamos' longe.' Aos' atores' da' Cia'
Marginal,' Wallace,' Jaqueline,' Priscilla,' Rodrigo,' Diogo,' Geandra' e' Phellipe,' pelo' teatro' e' a'
experiência'do'trabalho'coletivo.''
A'Lilian,'por'me'ouvir.''
Ao'Papai'Flávio,'in'memoriam.'A'Iá'Débora,'pelo'recomeço.'A'Nildes'e'Ana'Paula,'que'
estão'sempre'junto,'ainda'que'distantes.'E'a'todos'os'irmãos'do'Ilê'Axé'Omin,'especialmente'
a'Ronaldo,'Elaine,'Regina,'Edy,'Zé'e'Isabele,'por'toda'força,'companheirismo'e'axé,'sou'com'
vocês.'
A' minha' mãe,' Maria' do' Carmo,' agradeço' enormemente' pela' correções' e'
contribuições'valiosas'a'esta'tese.'Ao'meu'pai'Nilson,'pelas'aulas'sobre'agito'e'propaganda.'
Ao' meu' irmão' João,' pelas' ajudas' gráficas.' A' minha' irmã' Magda' e' aos' meus' tios' Joaquim,'
Marcos,'Lúcia,'Ana,'André,'Pedro,'Paulo,'Cecília'e'Camila,'pela'força'de'sempre.'E'aos'meus'
avós'Luci'e'Joaquim,'pelo'exemplo'de'resistência'e'positividade.''
A'Lana,'por'ter'segurado'toda'a'barra'do'campo'e'da'escrita;'por'ter'estado'muito'
presente'ao'longo'de'todo'esse'período,'inclusive'atravessando'o'oceano'para'me'encontrar'
em'Luanda!'E'por'deixar'tudo'sempre'mais'leve.''
A' todos' os' santos' e' ancestrais,' principalmente' aos' pilares' das' minhas' famílias' de'
sangue'e'de'santo.'Em'especial,'a'Exu,'Ogun,'Oguiã'e'Iemanjá,'pelo'tempo,'pela'sorte'e'a'
proteção.'

! xii!
'
'

#
#
#
#
#
#
#
#
(...)' un' propagandista' trata,' por' ejemplo,' el' problema' de' la' desocupación,' debe'
explicar'la'naturaleza'capitalista'de'la'crisis,'señalar'la'causa'de'su'inevitabilidad'en'
la' sociedad' socialista,' etc.' En' una' palabra,' debe' ofrecer' “muchas' ideas”,' tantas,'
que' en' su' conjunto,' sólo' puedan' ser' asimiladas' en' el' lacto' por' (relativamente)'
pocas' personas.' En' cambio' el' agitador,' cuando' aborde' ese' mismo' problema,'
tomará'un'ejemplo,'el'más'destacado'y'conocido'por'su'auditorio'–'pongamos'por'
caso,' el' de' una' familia' de' desocupados' muerta' de' hambre,' el' aumento' de' la'
miseria,'etc.'–'y,'aprovechando'este'hecho'conocido'por'todos,'orientará'todos'sus'
esfuerzos'a'inculcar'a'la'“masa”'una'solo'idea:'lo'absurdo'de'la'contradicción'entre'
el'aumento'de'la'riqueza'y'el'crecimiento'de'la'miseria;'tratará'de'despertar'en'la'
masa' el' descontento' y' la' indignación' contra' esta' flagrante' injusticia,' y' dejará' al'
propagandista'la'explicación'completa'de'dicha'contradicción.''
'
Lenin,'Que'hacer?'(1978)#
'
'
'
'
o'oculto'é'como'um'poema'–'chega'a'qualquer'momento.''
'
Ondjaki,'Os'transparentes'(2012)#

#
! xiii!
LISTA#DE#ILUSTRAÇÕES#
#
#
#
#

FIGURAS#
#
[FIGURA'1]'...........................................................................................................................''328'
Rainha'Nyakatolo'Cilombo,'sua'neta'caçula'e'Muzala.'Cazombo,'2013.''
'
[FIGURA'2]'............................................................................................................................'328'
Arena'na'vambunda'vista'de'lado.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'3]'............................................................................................................................'329'
Camarotes'das'autoridades'tradicionais'na'arena'da'vambunda.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'4]'............................................................................................................................'329'
Acampamento'dos'grupos'culturais.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'5]'............................................................................................................................'330'
Ensaio'de'fim'de'tarde'à'sombra'das'mangueiras'na'vambunda.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'6]'............................................................................................................................'330'
Idem.'
'
[FIGURA'7]'............................................................................................................................'331'
Imbala'da'rainha'Nyakatolo'na'vambunda.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'8]'............................................................................................................................'331'
Mercado'construído'na'vambunda.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'9]'............................................................................................................................'332'
Idem.'
'
[FIGURA'10]'..........................................................................................................................'332'
Brevinta'Rosa'e'sua'mãe.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'11]'..........................................................................................................................'333'
Cemitério'em'Cazombo.'Alto'Zambeze,'2012.'
'
[FIGURA'12]'..........................................................................................................................'333'
Mausoléu'exclusivo'de'Nyakatolo'Ngambo,'Cavungu,'2013.'
'
'

! xiv!
[FIGURA'13]'..........................................................................................................................'334'
Idem.'
'
[FIGURA'14]'..........................................................................................................................'334'
Cortejo'dos'makixi.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'15]'..........................................................................................................................'335'
Cortejo'dos'makixi.'Em'destaque,'o'likixi'Katotola.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'16]'..........................................................................................................................'335'
Cortejo' dos' makixi' adentrando' a' vila' de' Cazombo.' Em' destaque,' o' likixi' Mupala.' Alto'
Zambeze,'2012.'
'
[FIGURA'17]'..........................................................................................................................'336'
Cortejo' dos' makixi' adentrando' a' vila' de' Cazombo.' Da' esquerda' para' a' direita,' os' makixi'
Cikuza,'Katotola'e'Mupala.'Alto'Zambeze,'2012.'
'
[FIGURA'18]'..........................................................................................................................'336'
Kapalu.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'19]'..........................................................................................................................'337'
Cizaluke.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'20]'..........................................................................................................................'337'
Cizaluke'procurando'prendas'no'lihanga.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'21]'..........................................................................................................................'338'
Nyakandandji'com'a'cabaça'à'espera'do'cortejo'de'makixi.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'22]'..........................................................................................................................'338'
Vista'lateral'da'arena'na'vambunda,'no'dia'da'abertura'do'evento.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'23]'..........................................................................................................................'339'
Camarote'das'autoridades'governamentais'sendo'organizado'no'dia'da'abertura'do'evento.'
Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'24]'..........................................................................................................................'339'
Dossel'da'rainha'Nyakatolo,'no'dia'da'abertura'do'Festival,'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'25]'..........................................................................................................................'340'
Idem.'Kazombo,'2013.'
'
[FIGURA'26]'..........................................................................................................................'340'
Cortejo' dos' sobas' adentrando' a' arena' na' vambunda,' no' dia' de' abertura' do' Festival.'
Cazombo,'2012.'
'
'

! xv!
[FIGURA'27]'..........................................................................................................................'341'
Cortejo' dos' regedores' adentrando' a' arena' na' vambunda,' no' dia' de' abertura' do' Festival.'
Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'28]'..........................................................................................................................'341'
Rainha'Nyakatolo'dando'uma'volta'na'arena,'no'dia'de'abertura'do'Festival.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'29]'..........................................................................................................................'342'
Idem.'
'
[FIGURA'30]'..........................................................................................................................'342'
Kayipu'em'seu'dossel'durante'o'Likumbi'Lya'Mize,'Zambezi'(Zâmbia),'2013.'
'
[FIGURA'31]'..........................................................................................................................'343'
Cortejo' dos' makixi' adentrando' a' arena' na' vambunda,' no' dia' de' abertura' do' Festival.'
Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'32]'..........................................................................................................................'343'
Rainha'Nyakatolo'em'seu'trono'durante'o'Festival.'Cazombo,'2013.''
'
[FIGURA'33]'..........................................................................................................................'344'
Makixi'ajoelhados'diante'de'Nyakatolo.'Cazombo2012.''
'
[FIGURA'34]'..........................................................................................................................'344'
Apresentação'dos'tundandji'na'arena'da'vambunda.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'35]'..........................................................................................................................'345'
Likixi'Ngulu'usando'a'ciwamba'(cinturão'que'amplia'os'quadris).''
'
[FIGURA'36]'..........................................................................................................................'345'
Likixi'Cikuza'usando'o'jizombo'(saia'de'fibras'vegetais).''
'
[FIGURA'37]'..........................................................................................................................'346'
Likixi'Mupala'usando'lyilambu'lyakanyama'(pele'de'animal).''
'
[FIGURA'38]'..........................................................................................................................'346'
Likixi'Cizaluke'usando'o'fwicfwi'(aparelho'fálico).''
'
[FIGURA'39]'..........................................................................................................................'347'
Mwana'Pwo.'Kazombo,'2013.'
'
[FIGURA'40]'..........................................................................................................................'347'
Mwana'Pwo.'Zambezi,'Zambia,'2013.'
'
[FIGURA'41]'..........................................................................................................................'348'
Mwana'Pwo'dançando'sobre'os'mastros.'Cazombo,'2012.'
'

! xvi!
[FIGURA'42]'..........................................................................................................................'348'
Ndondo.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'43]'..........................................................................................................................'349'
Idem.'
'
[FIGURA'44]'..........................................................................................................................'349'
Ngulu.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'45]'..........................................................................................................................'350'
Idem.'
'
[FIGURA'46]'..........................................................................................................................'350'
Cikwekwe.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'47]'..........................................................................................................................'351'
Kapiasa.'Cazombo,'2013.'
'
[FIGURA'48]'..........................................................................................................................'351'
Cikuza.'Cazombo,'2013.''
#
[FIGURA'49]'..........................................................................................................................'352'
Idem.'
'
[FIGURA'50]'..........................................................................................................................'352'
Duas'versões'do'likixi'Kalelwa.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'51]'..........................................................................................................................'353'
Kalelwa'dançando'a'kuhunga.'Cazombo,','2013.''
'
[FIGURA'52]'..........................................................................................................................'353'
Kalelwa,'Utenu'e'Cikusa.'Cazombo,'2012.'
'
[FIGURA'53]'..........................................................................................................................'354'
Mupala.'Cazombo,'2012.''
'
[FIGURA'54]'..........................................................................................................................'354'
Gestante'submetida'a'tratamento'no'bairro'Cisasa.'Cavungu,'2013.'
'
[FIGURA'55]'..........................................................................................................................'355'
Detalhe' do' vão' de' entrada' da' área' em' que' a' gestante' encontravaJse' recolhida.' Cavungu,'
2013.'
'
[FIGURA'56]'..........................................................................................................................'355'
Gertrude'Cisola'e'sua'paciente'dentro'da'área'de'reclusão.'Cavungu,'2013.'
'
'

! xvii!
[FIGURA'57]'..........................................................................................................................'356'
Gertrude'Cisola.'Cavungu,'2013.'
'
[FIGURA'58]'..........................................................................................................................'356'
Escarificação'produzida'durante'um'ritual'de'mwali.'LumbalaJKakengue,'2013.'
'
[FIGURA'59]'..........................................................................................................................'357'
Upwango' preparado' à' frente' da' área' onde' a' gestante' encontravaJse' recolhida.' Cavungu,'
2013.'
'
[FIGURA'60]'..........................................................................................................................'357'
Idem.'
'
'
'
MAPAS#
#
[MAPA'1]'..............................................................................................................................'358'
Angola,' Zâmbia' e' República' Democrática' do' Congo.' Destaque' para' a' região' em' que' os'
Luvale'encontramJse'assentados'e'a'área'precisa'onde'realizei'a'pesquisa.'
'
[MAPA'2]'..............................................................................................................................'359'
Angola'e'suas'18'províncias.'
#
[MAPA'3]'...............................................................................................................................360#
Província'do'Moxico,'incluindo'o'município'do'Alto'Zambeze'e'a'vila'de'Cazombo.''
'
[MAPA'4]'..............................................................................................................................'361#
Bacias'hidrográficas'dos'rios'Zambeze'e'Lungwevungu.''
'
[MAPA'5]'..............................................................................................................................'362#
Distribuição' dos' grupos' étnicos' na' área' de' confluência' entre' Angola,' Zâmbia' e' República'
Democrática'do'Congo.''
'
[MAPA'6]'..............................................................................................................................'363#
Área'de'difusão'da'“língua'Cokwe”.'
'
[MAPA'7]'..............................................................................................................................'364'
Província'Noroeste'(Zâmbia)'e'seus'distritos.'
'
'
'
'
'
'

! xviii!
DIAGRAMAS#
#
[DIAGRAMA'1]'........................................................................................................................'33'
Diagrama'de'parentesco'Cinyama'ca'Ngambo'–'Cisengo'ca'Ngalango.'
'
[DIAGRAMA'2]'........................................................................................................................'36'
Diagrama'da'genealogia'de'Nyakatolo.'
'
'
'
QUADROS#
'
[QUADRO'1]'.........................................................................................................................'147'
Quadro'sinóptico'dos'20'makixi'que'estiveram'presentes'tanto'na'edição'de'2012,'como'na'
de'2013'do'Festival'Luvale.'
'
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#
#

! xix!
NOTA#SOBRE#A#LÍNGUA#
'
'
'
'

Os'termos'vernaculares'aqui'usados'estão'escritos'em'Luvale,'a'língua'predominante'no'Alto'

Zambeze' (Angola).' TrataJse' de' uma' língua' bantu,' pertencente' à' zona' K10' (11),' segundo' a'

classificação' de' Guthrie' (1967).' Os' termos' luvale' encontramJse,' quase' todos,' em' itálico,'

exceto' nomes' de' pessoas,' lugares' e' etnônimos.' Embora' a' grafia' mais' ocorrente' na'

bibliografia'seja'a'adotada'na'Zâmbia,'optei'aqui'por'usar'a'grafia'que'meus'interlocutores'

chamam' de' “antiga”,' ou' “original”,' a' qual' eles' esperam' que' seja' adotada' em' Angola,' ou'

mesmo' estabelecida' como' a' “escrita' única”' dos' Luvale,' considerados' em' sua' totalidade.'

Segundo'os'critérios'da'grafia'luvale'“original”,'usaJse'apenas'o'c'e'não'o'ch,'para'grafar'sons'

de'ch,'como'em'inglês'chair'ou'church.''E,'também,'apenas'o'x'e'não'o'sh,'para'grafar'sons'

de'x,'como'em'português'xadrez.'A'grafia'dos'etnônimos'também'obedece'aos'critérios'de'

meus' interlocutores.' Já' os' nomes' das' cidades' e' de' outras' localidades' respeitam' a' grafia'

usada' nas' nações' onde' se' encontram.' Também' estão' em' itálico,' além' dos' termos' luvale,'

termos' vernaculares' que' foram' aportuguesados' e' generalizados' no' contexto' nacional'

angolano,'como'soba'(chefe),'quimbo'(aldeia)'e'funge'(pirão'de'mandioca),'entre'outros.'

'
'
'

! xx!
!

INTRODUÇÃO!

!
! 1!
Esta!tese!é!uma!etnografia!do!recém;criado!Likumbi'Lya'Vaka'Cinyama,'também!conhecido!

como!Festival!Tradicional!Luvale.!Trata;se!de!uma!festa!realizada!anualmente!no!município!

do! Alto! Zambeze,! no! extremo! leste! de! Angola! (África! Central).! Minha! análise! se! apoia! na!

terceira!e!na!quarta!edições!do!evento,!realizadas!respectivamente!em!2012!e!2013,!período!

em!que!fiz!meu!trabalho!de!campo!entre!os!Luvale!dessa!região.!

! Angola!é!um!país!da!costa!ocidental!centro;africana,!limitado!a!Norte!pela!República!

Democrática!do!Congo,!a!Leste!pela!Zâmbia!e!a!Sul!pela!Namíbia.!Constitui!uma!das!maiores!

unidades! geográficas! da! África,! reunindo! uma! população! com! cerca! de! 19,6! milhões! de!

habitantes! (United! Nations! 2011),! em! grande! medida,! concentrada! na! capital! (Luanda).!

Embora! o! português! seja! a! única! língua! considerada! oficial1,! a! maior! parte! dos! povos! de!

Angola! é! falante! de! língua! bantu,! integrando! um! grupo! que! ocupa! quase! um! terço! do!

continente!africano.!Um!desses!povos!é!o!Luvale,!que!se!situa!na!zona!de!confluência!entre!

Angola,!Zâmbia!e!República!Democrática!do!Congo!(ver!Mapa!1).!!

! Divididos! hoje! entre! diferentes! territórios! nacionais,! os! Luvale! concentram;se,!

principalmente,! no! município! do! Alto! Zambeze! (Província! do! Moxico2),! em! Angola,! e! nos!

distritos! de! Chavuma,! Zambeze! e! Kabompo! (Northwest' Province),' na! Zâmbia,! onde!

cohabitam!uma!série!de!outros!grupos,!entre!eles,!os!Cokwe,!os!Lunda;Ndembu,!os!Lucazi!e!

os!Mbunda.!Na!última!década,!com!a!progressiva!inclusão!de!expressões!culturais!africanas!

nas! listas! do! World' Heritage! da! UNESCO! (Probst! 2011)! e! a! execução! de! uma! série! de!

projetos!de!salvaguarda!do!patrimônio!material!e!imaterial!no!continente,!multiplicaram;se!

na!região!os!chamados!“festivais!da!cultura”!e/ou!“da!tradição”.!!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
1
!A!colonização!portuguesa!teve!início!em!Angola!na!segunda!metade!do!século!XVI,!estendendo;se!até!1975,!
quando!o!país!se!tornou!independente.!
2
!Angola!encontra;se!hoje!dividida!em!dezoito!províncias.!A!província!do!Moxico!é!a!maior!em!extensão,!com!
uma! área! de! 223! 023! km².! Situada! no! leste! do! país,! inclui! nove! municípios,! entre! eles,! o! município! do! Alto!
Zambeze.!Compreende!uma!população!aproximada!de!800!mil!habitantes,!segundos!dados!oficiais!do!governo!
provincial.!(Ver!Mapas!2!e!3)!

! 2!
! Segundo!meus!interlocutores!luvale,!o!seu!festival!é!o!primeiro!do!gênero!realizado!

em! Angola.! Já! na! Zâmbia,! um! festival! similar! é! realizado! desde! 1956! por! grupos! luvale!

assentados!daquele!lado!da!fronteira.!O!Likumbi'Lya'Mize,!como!é!chamado!o!festival!luvale!

zambiano,! é! realizado! sempre! no! mês! de! agosto,! compondo! o! concorrido! calendário! de!

“cerimônias! tradicionais”! que! aquece! o! mercado! de! turismo! naquele! país.! Produzido! em!

tributo!ao!rei!Ndungo,!que!é!a!“autoridade!tradicional”3!luvale!mais!graduada!na!Zâmbia,!o!

Likumbi'Lya'Mize!constitui!também!a!maior!arena!pública!para!a!performance!dos!makixi.!

Os! makixi' (sing.! likixi)! são! ancestrais! que! vêm! a! público! na! forma! de! bailarinos!

mascarados.! Tradicionais! dos! rituais! de! circuncisão! masculina! (mukanda),! podem! aparecer!

também!em!cerimônias!de!entronização!de!chefes!e!outros!eventos!sociopolíticos.!Existem!

mais!de!cem!tipos,!ou!de!variações!de!tipos!de!makixi'(Jordán!1998,!2006),!que!apresentam!

diferenças!morfológicas!e!de!comportamento,!geralmente!associadas!às!suas!funções!rituais!

(Bastin!1982,!1984,!Wele!1993,!Jordán!1998,!2006).!Em!2005,!os!makixi'foram!proclamados!

Patrimônio! Oral! e! Imaterial! da! Humanidade! pela! UNESCO! (ver! em!

http://www.unesco.org/culture/ich/RL/00140).!

Em! decorrência! do! prêmio! atribuído! pela! UNESCO! aos! makixi,! o! festival! zambiano!

ganhou! novas! proporções,! passando! a! atrair! turistas! do! mundo! inteiro! e! a! mobilizar! um!

grande!número!de!patrocínios!públicos!e!privados.!Além!disso,!fomentou!a!emergência!de!

novos! atores! sociais,! entre! os! quais,! os! chamados! “grupos! culturais”,! formados! por!

especialistas!rituais,!e!os!inúmeros!comitês!e!associações!locais,!voltados!para!a!preservação!

da! cultura! “tradicional”.! O! festival! angolano,! que! constitui! o! objeto! central! desta! tese,! foi!

concebido! como! forma! de! restabelecer! a! autoridade! das! lideranças! luvale! de! Angola,!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
3
!Termo!genérico!usado!em!Angola!para!identificar!os!chefes!das!mais!diferentes!populações!autóctones.!Na!
Zâmbia,!o!seu!correspondente!é!“Native!Authority”.!

! 3!
enfraquecida! depois! dos! longos! anos! de! guerra! civil! no! país4,! sobretudo! face! ao! enorme!

prestígio!alcançado!pelas!lideranças!luvale!da!Zâmbia!em!função!do!sucesso!e!visibilidade!do!

seu!festival.!

Ambos! os! festivais,! o! de! Angola! e! o! da! Zâmbia,! apoiam;se! em! um! mesmo! mito! de!

origem.! Em! linhas! gerais,! conta;se! que! o! antigo! chefe! luvale! Kakenge! Civanda! Sakayongo,!

que!possivelmente!viveu!na!segunda!metade!do!século!XVIII!(Papstein!1978),!realizava!um!

evento!semelhante!em!sua!nganda!(casa!do!chefe),!na!atual!comuna!de!Lumbala;Kakengue,!

em! Angola! (epicentro! histórico! de! difusão! dos! Luvale).! Como! veremos! adiante,! Civanda!

Sakayongo! herdou! o! mais! importante! título! político! entre! os! Luvale,! no! auge! das! guerras!

étnicas! que! marcaram! o! período! de! expansão! desse! povo! pelo! Alto! Zambeze.! O! evento!

realizado! por! ele! tinha,! naquele! contexto,! um! caráter! estratégico,! na! medida! em! que,!

segundo! dizem! meus! interlocutores,! constituía! um! ponto! de! encontro! para! o! conjunto! de!

chefes!luvale,!que!se!reuniam!nos!bastidores!da!festa!para!discutirem!questões!militares.!

Para!os!organizadores!do!Festival!Luvale!de!Angola,!o!seu!evento!representa!a!volta!

da!antiga!festa!de!Kakenge,!que!fora!reeditada!na!Zâmbia!com!o!nome!de!Likumbi'Lya'Mize,!

para! o! seu! lugar! de! origem.! Realizado! em! tributo! à! rainha! Nyakatolo,! que! é! hoje! a!

autoridade! tradicional! luvale! mais! importante! em! Angola,! o! evento! vem! desempenhando!

papel! estratégico! em! um! novo! cenário! de! conflito:! um! multifacetado! campo! de! relações!

translocais,!aquecido!por!disputas!por!território,!alteridade!étnica,!e!soberania.!Nesse!novo!

contexto,!o!festival!não!serve!apenas!de!anteparo!a!reuniões!onde!se!conspira!e!se!maquina!

uma!guerra!a!ser!travada!em!outras!esferas.!Ao!contrário,!ele!agora!se!situa!na!vanguarda!
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
4
!Depois!das!guerras!de!libertação!nacional!(1960;1975),!Angola!imergiu!em!um!longo!período!de!guerra!civil,!
que!se!inicia!com!a!independência,!em!1975,!estendendo;se!até!2002,!com!poucos!intervalos.!Basicamente,!a!
guerra! civil! angolana! opôs! os! dois! principais! movimentos! anticolonialistas! e! pró;libertação! nacional,!
convertidos! depois! em! partidos! políticos,! o! Movimento! Popular! de! Libertação! de! Angola! (MPLA)! e! a! União!
Nacional! para! a! Independência! Total! de! Angola! (UNITA).! Embora! nos! anos! 1990! uma! série! de! acordos!
internacionais! tenham! procurado! garantir! o! início! da! transição! democrática! no! país,! a! paz! só! foi! alcançada!
definitivamente!em!2002,!com!a!morte!de!Savimbi!(presidente!da!UNITA).!!

! 4!
do! confronto,! já! que! a! “cultura”! celebrada! por! meio! da! festa! é,! possivelmente,! a! principal!

arma!dos!Luvale!angolanos!nesse!novo!campo!de!guerra.!

Embora,! em! virtude! do! longo! período! de! guerras! e! da! recente! redemocratização,!

Angola!permaneça!ainda!blindada!a!influências!externas!que!impliquem!em!livre!circulação!e!

aumento! do! turismo,! como! ocorreu! na! Zâmbia! em! decorrência! do! prêmio! da! UNESCO,! é!

inegável! o! impacto! do! evento! zambiano! no! processo! de! produção! do! festival! no! país.! Por!

estarem! muito! próximos! da! fronteira! com! a! Zâmbia! e! acompanharem! de! perto! a!

repercussão! do! Likumbi' Lya' Mize,! os! organizadores! do! festival! angolano! estão!

suficientemente! informados! sobre! o! valor! da! “cultura! tradicional”! nos! novos! tempos! de!

internacionalização!das!políticas!de!reconhecimento!dos!direitos!patrimoniais!de!povos!não;

ocidentais.!Não!por!acaso,!o!seu!principal!objetivo!com!a!festa,!segundo!o!que!tantas!vezes!

ouvi!eles!repetirem,!é!“preservar!a!cultura”!e!“mostrar!que!a!cultura!não!se!perdeu”.!!

É! nesse! sentido! que! o! evento! angolano! se! associa! ao! contexto! mais! abrangente! de!

globalização! das! políticas! de! patrimonialização,! orientadas! pela! “retórica! da! perda”!

(Golçalves! 1996).! Como! se! sabe,! esse! contexto! assiste! a! uma! proliferação! não! apenas! de!

projetos!de!proteção!ao!patrimônio!material!e!imaterial!de!povos,!mas!de!uma!variedade!de!

shows! e! festivais! indígenas! nos! quais! o! ritual! vem! sendo! convertido! em! verdadeiros!

espetáculos! do! “autêntico”! (DeVienne! &! Allard! 2005,! Graham! 2005,! Barcelos! Neto! 2006,!

Fiorini! &! Ball! 2006).! Com! efeito,! o! Festival! Tradicional! Luvale! exibe! um! potEpourri' das!

cerimônias! tradicionais! luvale,! em! geral! as! partes! mais! performáticas! e! públicas! de!

complexos!rituais.!!

! Geralmente! enquadrados! como! casos! de! comércio! da! “cultura”! ou! da! “identidade”!

(Comaroff! &! Comaroff! 2009),! frutos! do! contato! intercultural,! esses! espetáculos!

remontariam,! segundo! alguns! autores,! às! antigas! exposições! coloniais! onde! “autênticos!

! 5!
rituais”!eram!exibidos!como!curiosidade!exótica!(Schechner!2006).!Relegados!a!uma!posição!

marginal! pelos! estudos! do! ritual! e! da! performance,! foram! abordados! quase! que!

exclusivamente! de! uma! perspectiva! política! e! sociológica,! que,! com! poucas! exceções,! não!

reconhece!muito!mais!que!o!seu!caráter!instrumental.!Isso!se!explica!porque!os!processos!

reflexivos! (Carneiro! da! Cunha! 2009)! que! estariam! em! jogo! nesses! espetáculos! dificilmente!

escapam! a! uma! análise! orientada! pelos! paradigmas! da! aculturação! e! da! invenção! da!

tradição!que!projetam!um!“espectro!de!inautenticidade”!(Jolly!1992)!sobre!povos!indígenas!

imersos!em!contextos!pós;modernos!(Fausto!2006).!

! !Nesta! tese,! tento! escapar! desse! tipo! de! abordagem,! propondo;me! a! analisar! o!

Festival! Luvale! do! ponto! de! vista! de! meus! interlocutores.! Interessa;me! levar! a! sério! seus!

objetivos! políticos! e! patrimonialistas,! e! entender! de! que! forma! o! Festival,! enquanto!

manifestação! estética! e! performática,! contribui! para! sua! concretização.! Esse! ponto! é!

particularmente! desenvolvido! na! segunda! parte! da! tese,! onde! veremos! que! a!

performatização! da! “cultura”! em! jogo! no! Festival! não! resulta! numa! cópia! degenerada! de!

rituais! tradicionais,! ou! num! mero! souvenir! turístico,! mas! em! algo! muito! mais! complexo,!

onde!um!novo!dispositivo!de!transmissão!e!produção!de!conhecimento!se!alia!à!intervenção!

política.!

! Com!isso,!não!pretendo!negar!a!relação!do!Festival!com!o!mercado!internacional,!a!

globalização! e! os! mais! diferentes! tipos! de! agenciamento! externo,! mas! sim! evitar! os!

binarismos! modernidade/tradição,! ocidente/não;ocidente,! que,! em! geral,! subjazem! às!

análises!que!abordam!a!produção!contemporânea!indígena!apenas!do!ponto!de!vista!da!sua!

relação!com!aquele!contexto!externo.!Aqui,!o!Festival!Luvale!não!é!tido!como!um!índice!de!

ocidentalização!ou!de!mercantilização,!mas!de!complexas!articulações!(Clifford!2001,!2003).!

Nesse! sentido,! a! tese! também! oferece! um! panorama! de! como! as! noções! de! “cultura”,!

! 6!
“tradição”,! “autenticidade”,! entre! outras,! vêm! sendo! digeridas! e! ressignificadas! entre! os!

Luvale! de! Angola,! seja! para! subverter! ou! para! reproduzir! as! complexas! e! complicadas!

relações!nas!quais!eles!estão!hoje!implicados.!

A.!

[CONTEXTO!DA!PESQUISA]!

Meu!trabalho!junto!aos!Luvale!do!Alto!Zambeze!(Angola)!se!deu!entre!os!anos!2012!e!2013,!

por!meio!de!duas!viagens!limitadas!à!estação!seca!(maio;setembro),!já!que!a!área!se!torna!

inacessível! nos! demais! períodos! do! ano.! No! entanto,! até! colocar! os! pés! no! Alto! Zambeze5!

pela!primeira!vez,!tive!que!atravessar!uma!longa!estrada.!

! As! primeiras! articulações! visando! o! início! da! pesquisa! remontam! ao! final! do! meu!

mestrado! no! PPGAS,! entre! 2009! e! 2010.! Eu! finalizava! o! trabalho! entre! os! Kuikuro! do! Alto!

Xingu! (MT;Brasil),! que! resultou! na! dissertação! (Penoni! 2010),! e! tinha! que! decidir! entre!

continuar!ali!ou!arriscar;me!em!novas!paragens.!!

A!decisão!por!iniciar!uma!pesquisa!na!África!relaciona;se!a!dois!fatores!principais.!Em!

primeiro!lugar,!o!trabalho!no!Alto!Xingu!dificultava!o!desenvolvimento!de!uma!pesquisa!de!

caráter!mais!autoral,!já!que!também!se!trata!do!campo!de!Carlos!Fausto,!meu!orientador,!

que! há! mais! de! uma! década! coordena! um! amplo! projeto! de! documentação! do! complexo!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
5
!O! município! do! Alto! Zambeze! situa;se! no! extremo! leste! da! Província! do! Moxico! (Angola).! Encontra;se! hoje!
dividido! em! sete! comunas! (que! são! as! terceiras! unidades! administrativas! de! Angola,! depois! dos! municípios):!
Cavungu,! Caianda,! Calunda,! Lóvua,! Macondo,! Lumbala;Kakengue! e! Cazombo! (a! sede! municipal).! Reúne!
principalmente!grupos!luvale!e!lunda;ndembu,!somando!uma!população!total!de!125.550!habitantes,!segundo!
dados!oficinais!da!administração!municipal.!(Ver!Mapa!3)!
!

! 7!
ritual!kuikuro.!Dar!seguimento!à!pesquisa!entre!os!Kuikuro!significava!realizar!um!trabalho!

que!seria!necessariamente!complementar!ao!de!Carlos!e!dele!tributário.!Não!que!isso!fosse!

um!problema,!mas!consideramos!que!seria!mais!interessante,!inclusive!do!ponto!de!vista!da!

minha!formação!antropológica,!apostar!num!caminho!mais!independente.!

A! segunda! razão! relaciona;se! ao! fato! de! que! não! era! meu! objetivo! tornar;me!

especialista!em!povos!indígenas!da!Amazônia.!Minha!escolha!pelo!Alto!Xingu!no!mestrado!

foi! motivada! pela! oportunidade! de! realizar! uma! pesquisa! sobre! performances' rituais,! que!

era!o!meu!maior!interesse!quando!ingressei!no!PPGAS.!Devo!dizer!que,!além!de!antropóloga,!

sou!também!diretora!de!teatro!e!atriz!e!que!minha!trajetória!acadêmica!foi,!desde!o!início,!

movida!pela!possibilidade!de!articulação!entre!teoria!e!prática,!o!que!se!expressa!em!meu!

trabalho!por!uma!abordagem!interdisciplinar,!na!interface!entre!os!campos!da!antropologia!

e!do!teatro.!Dessa!perspectiva,!pareceu;me!mais!interessante!acumular!uma!experiência!em!

diferentes! áreas! de! efervescência! ritual,! possibilitando! comparações! futuras,! do! que!

especializar;me!na!etnografia!kuikuro.!!

A!decisão!pela!savana!centro;africana,!especificamente,!relaciona;se!ao!fato!de!que!

um! outro! aluno! de! Fausto! iniciara,! pouco! tempo! antes,! um! trabalho! entre! os! Cokwe! de!

Angola!–!povo!conhecido!por!suas!máscaras!rituais.6!Bruno!Sotto!Mayor!realizou!uma!longa!

pesquisa!de!campo!nas!províncias!do!Moxico!e!da!Lunda!Sul,!no!leste!e!nordeste!do!país!(ver!

Mapa! 2),! defendendo! sua! dissertação! em! 2010.! Foi! ele! quem! me! falou! pela! primeira! vez!

sobre!os!Luvale:!“um!povo!que!vive!ainda!mais!a!leste!que!os!Cokwe!e!que!também!possui!

rituais!de!máscara,!de!possessão,!além!de!uma!dança!que!só!eles!realizam,!animada!por!uma!

orquestra! de! doze! tambores,! percutida! por! apenas! um! tocador”.! O! mais! importante,!

entretanto,!segundo!Bruno,!consistia!no!fato!de!que!os!Luvale,!diferente!dos!Cokwe,!eram!
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
6
!Considerada!a!quarta!maior!população!de!Angola,!os!Cokwe!são!hoje!cerca!de!1!milhão!de!pessoas!vivendo!
no!nordeste!do!país,!sobretudo!nas!províncias!da!Lunda!Norte,!Lunda!Sul!e!do!Moxico.!

! 8!
governados!por!uma!rainha,!o!que!do!seu!ponto!de!vista!facilitaria!a!minha!pesquisa.!

Bruno!compartilhou!comigo!toda!a!sua!rede!de!contatos,!no!Ministério!da!Cultura!de!

Angola,!no!Museu!de!Antropologia!de!Luanda,!e!nas!secretarias!de!cultura!dos!municípios!e!

províncias! pelos! quais! eu! teria! que! passar,! caso! decidisse! realizar! o! trabalho! junto! aos!

Luvale,! no! leste! de! Angola.! Esses! contatos! seriam! fundamentais! para! que! eu! pudesse!

estabelecer!bases!institucionais!para!a!pesquisa,!sem!o!que!um!trabalho!de!longa!duração!

no!país!seria!inviável.!Decidimos!tentar.!

! Os! primeiros! contatos! foram! feitos! ainda! nos! primeiros! meses! de! 2011,! para! dar!

início!ao!processo!de!retirada!de!um!visto!de!longa!duração,!que!acabou!se!transformando!

num!verdadeiro!processo!kafkiano.!Naquele!ano,!o!visto!demorou!mais!de!seis!meses!para!

ser!liberado,!impedindo!que!eu!alcançasse!a!área!luvale,!uma!vez!que!o!trânsito!de!viaturas!

pela!região!já!se!tornara!inviável!em!função!das!chuvas.!Diante!disso,!pude!realizar!apenas!

uma!breve!viagem!a!Luanda!(capital!de!Angola),!entre!os!meses!de!novembro!e!dezembro,!

limitando;me! a! realizar! pesquisa! bibliográfica! no! Museu! de! Antropologia! de! Luanda! e! a!

estreitar!os!laços!com!essa!instituição!e!com!a!Direção!Nacional!de!Museus!de!Angola,!que!

se!responsabilizou!pela!minha!estadia!no!país.7!!

! No! período! compreendido! entre! os! preparativos! para! a! primeira! e! depois! para! a!

segunda! viagem! a! Angola,! dediquei;me! a! reunir! e! a! consultar! a! bibliografia! sobre! rituais!

entre! os! Luvale! e! demais! povos! do! Alto! Zambeze,! além! de! ler! e! reler! alguns! trabalhos!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
7
!Para! se! retirar! o! visto! angolano! de! longa! duração! é! preciso! estar! vinculado! a! uma! instituição! que! se!
responsabilize!pela!sua!estadia!no!país.!A!Direção!Nacional!de!Museus!de!Angola!já!havia!acolhido!o!projeto!de!
Bruno! e! assim! o! fez! com! o! meu! também.! No! mês! em! que! estive! em! Luanda! em! 2011,! procurei! articular! um!
acordo! de! cooperação! entre! essa! Direção! e! o! PPGAS,! o! que,! no! entanto,! só! veio! a! se! concretizar! dois! anos!
depois.! Até! lá,! foi! o! Dr.! Manzambi! Vuvu! Fernando,! então! diretor! daquela! instituição,! quem! intermediou!
pessoalmente! o! nosso! processo! junto! ao! Ministério! da! Cultura! de! Angola.! Ele! recebia! os! nossos! projetos! de!
pesquisa! e! solicitações! para! retirada! do! visto! e! os! encaminhava! para! o! Ministério.! No! entanto,! só! depois! de!
sancionados! pela! própria! Ministra! da! Cultura! de! Angola,! os! pedidos! podiam! ser! expedidos! para! o! consulado!
angolano! no! Rio! de! Janeiro.! Esse! trâmite! burocrático,! extremamente! moroso! e! desgastante,! teve! que! ser!
repetido! a! cada! ano! e,! embora! em! 2012! e! em! 2013! o! atraso! para! a! liberação! do! visto! não! tenha! sido! tão!
grande!como!em!2011,!ainda!assim!criou!dificuldades!para!o!trabalho.!!

! 9!
clássicos! sobre! o! tema! entre! povos! bantu! de! maneira! geral.! Em! relação! a! estes! últimos,!

destaco! os! trabalhos! de! Fortes! (1936)! sobre! os! festivais! rituais! tallensi,! de! Kuper! (1944,!

1947,! 1972)! sobre! os! rituais! da! realeza! swasi,! de! Gluckman! (1963)! sobre! os! rituais! de!

rebelião,! e! de! Mitchell! (1956)! sobre! a! dança! kalela! –! todos! eles! alinhados! por! uma!

perspectiva!geral!acerca!da!função!do!ritual!na!vida!social!(no!caso!de!Mitchell,!da!dança,!do!

entretenimento!e!da!zombaria),!de!garantir!a!coesão!e!a!unidade!sociais,!muitas!vezes!pela!

encenação!de!conflitos!latentes.!

Sobretudo,! foi! nesse! período! que! li! e! reli! os! trabalhos! de! Victor! Turner! sobre! os!

Ndembu! (1957,! 2005! [1967],! 1968,! 1974a! [1969]),! em! que! o! autor! radicaliza! e! sofistica! a!

perspectiva!funcionalista,!por!meio!de!um!empreendimento!etnográfico!dedicado!quase!que!

exclusivamente! ao! estudo! dos! rituais! e! de! seus! símbolos.! Aliás,! devo! dizer! que! uma! das!

razões!que!me!levou!a!decidir!pela!pesquisa!junto!aos!Luvale!foi!justamente!o!fato!de!eles!

estarem! localizados! na! mesma! macrorregião! em! que! Turner! realizou! o! seu! trabalho! de!

campo!entre!os!Ndembu,!nos!anos!1950.!A!proximidade!entre!os!dois!grupos,!que!se!revelou!

muito! maior! do! que! eu! podia! imaginar! naquele! primeiro! momento,! além! de! implicar! no!

diálogo!com!a!obra!de!Turner,!possibilitaria!que!esse!diálogo!não!se!desse!apenas!no!nível!

da! abordagem! teórica,! mas! dos! próprios! dados! etnográficos,! o! que! particularmente! me!

parecia!interessante.8!!

A!bibliografia!existente!sobre!rituais!entre!povos!do!Alto!Zambeze,!que!inclui!a!obra!

de!Turner,!confirmava!o!que!já!se!podia!intuir!com!a!leitura!dos!clássicos:!o!material!sobre!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
8
!Embora! a! teoria! ritual! de! Turner! não! tenha! influenciado! a! minha! análise! dos! rituais! kuikuro! no! mestrado,!
baseada!sobretudo!numa!abordagem!pragmática!(Houseman!&!Severi!1998),!na!tese!eu!procuro!articulá;la!ao!
material!luvale.!Como!veremos,!o!Festival!Tradicional!Luvale,!que!constitui!o!objeto!central!da!tese,!é!abordado!
tanto!do!ponto!de!vista!de!sua!complexidade!relacional!e!de!sua!função!mnemônica!(Severi!2002,!2003,!2004,!
2007),!como!do!ponto!de!vista!de!sua!capacidade!de!gerar!reflexão,!sentidos,!unidades.!O!diálogo!com!a!obra!
de!Turner,!nesse!caso,!não!se!dá!apenas!a!partir!dos!seus!trabalhos!sobre!os!rituais!ndembu,!mas!também!dos!
seus! trabalhos! posteriores,! em! que! opera! com! as! noções! de! teatro! e! performance! (Turner! 1974b,! 1982a,!
1982b,!1986,!1987).!

! 10!
os! Luvale,! especificamente,! era! escasso! e,! sobretudo! considerando! as! publicações! mais!

recentes,!baseava;se!quase!que!inteiramente!em!pesquisas!realizadas!na!parte!zambiana!da!

região.! Do! que! pude! concluir! que,! salvo! alguns! exemplos! de! trabalhos! executados! ainda!

antes!do!período!conturbado!que!antecedeu!à!independência!em!Angola!(1960;1975),!como!

o! de! Cabrita! (1954),! havia! cerca! de! quarenta! anos! que! não! se! realizavam! estudos! na! área!

ocupada!pelos!Luvale!em!Angola.!!

O! conjunto! de! trabalhos! que! aborda! o! complexo! ritual! comum! aos! povos! do! Alto!

Zambeze! inclui! estudos! sobre! os! rituais! de! circuncisão! masculina! (mukanda)! (Gluckman!

1949;! White! 1953;! Turner! 2005! [1967];! Mwondela! 1972;! Kubik! 1981,! Bastin! 1984;! Wele!

1993;!Jordán!1999,!2006),!os!rituais!de!puberdade!femininos!(mwali)!(White!&!Chinjavata!&!

Mukwato!1958;!White!1962;!Turner!1968;!Bastin!1986;!Cameron!1998a,!1998b),!e!os!rituais!

de!cura!(White!1949;!Turner!1968;!Bastin!1961,!1994;!Lima!1971;!Spring!1976;!Areia!1985;!

Wastiau!1998,!2000),!estes!últimos,!intimamente!relacionados!à!prática!divinatória!(Turner!

1975,! Areia! 1985;! Bastin! 1988;! DeBoeck! 1993;! DeBoeck&Devish! 1994;! Jordán! 1996;! Silva!

1998,!2004).!

Os!rituais!de!cura,!consagrados!na!literatura!como!“rituais!de!aflição”!(Turner!1968),!

e! conhecidos! entre! os! Luvale! como! “rituais! de! mahamba9”,! fascinaram;me! logo! de! início,!

sobretudo!porque!me!remetiam!às!chamadas!“festas!de!espírito”!xinguanas!(Fausto!2011a),!

tidas!como!uma!das!etapas!da!relação!que!se!estabelece!entre!humanos!e!não!humanos!via!

adoecimento!(Barcelos!Neto!2004).!A!referência!xinguana!influenciou!a!formulação!de!meu!

primeiro! projeto! de! pesquisa,! centrado! numa! análise! dos! rituais! de! cura! luvale,! que! tinha!

como!objetivo!principal!investigar!a!maneira!como!agentes!patogênicos!tornam;se!–!ou!são!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
9
!O! termo' mahamba! (sing.! lihamba)! é! usado! pelos! Luvale! para! identificar! antepassados! que! interferem!
diretamente!na!vida!de!seus!descendentes,!manifestando;se!na!forma!de!doenças!ou!infortúnios.!Os!mahamba'
são!tratados!através!de!complexos!rituais!de!cura,!chamados!genericamente!de!“rituais!de!mahamba”.!

! 11!
construídos!como!–!personagens!rituais.10!Foi!com!esse!projeto!que!pleiteei!as!minhas!duas!

primeiras!viagens!de!pesquisa!a!Angola,!em!2011!e!2012.!!

A!segunda!viagem!ocorreu!em!junho!de!2012.!Nesse!ano,!fiquei!em!Luanda!apenas!o!

suficiente! para! organizar! o! principal:! as! cartas! oficiais,! carimbadas! pelo! gabinete! de!

intercâmbio! do! Ministério! da! Cultura! e! também! pelo! Serviço! de! Migração! e! Estrangeiros!

(SME),!que!protegiam!e!legalizavam!a!minha!circulação!interna!no!país.!Essas!cartas!seriam!

exigidas!em!cada!fronteira!interprovincial,!no!trânsito!por!via!terrestre!e!por!via!aérea.!Além!

disso,!elas!eram!a!minha!única!garantia!de!ser!recebida!e!apoiada!pelos!departamentos!de!

cultura!do!Moxico!e!do!Alto!Zambeze,!que!dariam!legitimidade!à!pesquisa!no!âmbito!local,!o!

que!de!fato!ocorreu.!

O! trecho! Luanda;Luena11!(1108! km)! foi! o! único! atravessado! por! via! aérea.! Depois!

dele,!eu!viria!ainda!a!enfrentar!dois!longos!trechos!por!via!terrestre,!em!estradas!de!terra!

incluindo! extensos! areais:! Luena;Lual12!(cerca! de! 350! Km),! e! Lual;Cazombo13!(cerca! de! 250!

Km).! Antes! disso,! porém,! foi! preciso! conseguir! mais! uma! carta,! carimbada! pelo!

departamento! de! cultura! do! Moxico,! que,! anexada! às! demais,! reforçaria! o! meu! respaldo!

institucional.!A!estadia!em!Luena!se!restringiu!a!conseguir!essa!carta!e!a!preparar!provisões!

para!a!longa!temporada!no!Alto!Zambeze,!como!combustível!(para!garantir!o!funcionamento!

de!geradores!e!eventuais!deslocamentos)!e!gêneros!alimentícios!aos!quais!seria!impossível!

ter! acesso! na! área! luvale.! Não! levei! mais! de! três! dias! para! embarcar! em! um! “autocarro”!

(ônibus)! rumo! ao! Lual,! até! porque! a! permanência! em! Luena! me! custava! por! volta! de! 150!
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
10
!Nessa! época,! eu! estava! em! contato! com! a! professora! Sónia! Silva,! da! Tisch! Learning! Center! –! Skidmore!
College,!que!trabalhou!entre!grupos!de!refugiados!luvale!na!Zâmbia,!publicando!um!importante!trabalho!sobre!
cestas! divinatórias! (Silva! 2004).! Sónia! foi! uma! interlocutora! preciosa! nessa! fase! da! pesquisa,! não! apenas! por!
me!encorajar!ao!trabalho!com!os!Luvale,!mas!também!por!me!garantir!que!eles!ainda!realizavam!os!seus!rituais!
de!mahamba.!
11
!Sede!administrativa!da!Província!do!Moxico.!
12
!Sede!administrativa!do!município!de!mesmo!nome!(Lual),!localizado!a!leste!da!Província!do!Moxico,!de!onde!
parte!a!estrada!que!dá!acesso!ao!Alto!Zambeze.!
13
!Sede!administrativa!do!município!do!Alto!Zambeze.!

! 12!
USD!a!diária!em!um!dos!hotéis!mais!baratos!da!cidade.!!

Eu! sabia! que! a! permanência! nas! sedes! provinciais! e! municipais! seria!

demasiadamente! onerosa,! por! isso! meu! plano! era! ficar! o! menos! possível! tanto! em! Luena,!

como! em! Lual! e! depois! no! Cazombo,! dirigindo;me! logo! para! uma! área! de! aldeia.! A!

permanência! em! Lual! me! custou! apenas! uma! noite,! o! suficiente! para! encontrar! um!

transporte!que!me!levasse!até!o!município!do!Alto!Zambeze.!Cheguei!em!Cazombo!(a!sede!

municipal)! nos! primeiros! dias! de! julho! de! 2012,! sendo! recebida! pelo! então! secretário! de!

desporto! e! cultura! do! município,! o! Sr.! Fernando! Muzala.! Falarei! com! detalhes! sobre! esses!

primeiros! dias! em! Cazombo! e! também! sobre! Muzala! no! primeiro! capítulo! da! tese.! Aqui!

basta!dizer!que!quando!coloquei!os!pés!na!vila!faltava!menos!de!um!mês!para!a!realização!

do! Festival! Tradicional! Luvale! e! que! isso! alterou! inteiramente! os! meus! planos! iniciais! de!

pesquisa.!!

Era! inviável! tentar! me! dirigir! para! uma! área! de! aldeia! diante! da! proximidade! do!

Festival,!já!que!boa!parte!da!população!luvale!do!Alto!Zambeze!estava!se!deslocando!para!a!

sede!do!município,!em!especial!os!chefes!tradicionais,!sem!os!quais!seria!impossível!iniciar!

qualquer! pesquisa! nas! zonas! mais! afastadas.! O! fato! é! que! as! atenções! estavam! todas!

voltadas! para! o! evento,! ao! menos! as! atenções! daqueles! com! quem! primeiro! entrei! em!

contato! quando! cheguei! ao! Cazombo,! a! saber,! os! chefes! luvale! residentes! na! vila! e! um!

conjunto! de! “intelectuais”,! recentemente! organizados! em! um! comitê! (COFETRAL! –! Comitê!

Festival! Tradicional! Luvale),! voltado! para! a! organização! do! Festival.! Como! eles! mesmos!

sugeriram!que!eu!começasse!o!trabalho!por!um!registro!daquele!evento,!porque!assim!teria!

um! panorama! geral! da! “cultura”! luvale,! não! me! opus! e! a! etnografia! do! Festival! acabou! se!

tornando!o!foco!do!meu!trabalho!naquela!primeira!viagem.!Naturalmente,!ela!se!converteu!

mais!tarde!na!própria!tese.!!

! 13!
A! volta! ao! Brasil! depois! daquela! segunda! viagem! a! Angola! foi! marcada! pelo!

entusiasmo! com! o! novo! objeto! de! pesquisa,! mas! também! pela! ansiedade! decorrente! da!

mudança! abrupta! dos! planos! inicias.! Essa! mudança,! em! primeiro! lugar,! alterava! todas! as!

escalas!com!as!quais!eu!imaginava!operar.!De!uma!aldeia!que!poderia!ter!entre!150!a!500!

habitantes,!passei!a!trabalhar!numa!área!cujo!contingente!populacional!era!no!mínimo!150!

vezes!maior.14!De!pequenos!rituais!reunindo!no!máximo!a!população!total!de!uma!aldeia,!vi;

me! diante! da! tarefa! de! etnografar! um! festival! internacional,! que! mobiliza! grupos! luvale!

dispersos! por! três! países,! compondo! uma! plateia! de! centenas! de! pessoas! e! reunindo! um!

conjunto!de!cerca!de!200!especialistas!rituais,!entre!batuqueiros,!bailarinos!e!cantores.!

A!mudança!implicava!também!uma!nova!logística,!sobretudo!porque!a!pesquisa!em!

Cazombo! era! muito! mais! cara! do! que! numa! área! de! aldeia.! Em! 2012,! isso! gerou! muita!

dificuldade,!já!que,!de!início,!não!tive!outra!saída!a!não!ser!instalar;me!em!um!dos!quartos!

da! pensão! Laurentina! –! a! única! da! vila! –,! cuja! diária! custava! 50! USD.! Os! gastos! com!

hospedagem!naquela!primeira!viagem!foram!enormes!e!quase!inviabilizaram!a!continuidade!

da!pesquisa.!Com!o!tempo,!encontrei!soluções!alternativas,!alugando!quartos!em!casas!de!

família! por! cerca! de! 20! USD! a! diária,! o! que! me! permitiu,! ao! menos,! concluir! o! período!

previsto!de!trabalho!em!campo.15!

Por! fim,! a! mudança! nos! planos! iniciais! da! pesquisa! implicava! uma! inflexão!

bibliográfica.!A!relação!explícita!do!Festival!com!os!processos!de!apropriação!das!noções!de!

“cultura”! e! “tradição”! (ambas! traduzidas! em! luvale! pelo! termo! cisemwa),! levou;me! a!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
14
!Segundo!dados!oficiais!da!administração!municipal!do!Alto!Zambeze,!dos!125.550!habitantes!do!município,!
cerca!de!75.500!estão!concentrados!em!Cazombo.!!!
15
!O! aumento! no! custo! da! pesquisa,! obrigou;nos! a! procurar! novas! formas! de! financiamento.! Nesse! período,!
formulamos! o! projeto! “Arte,! Ritual! e! Memória! na! África! Central”,! selecionado! em! Edital! da! FAPERJ.!
Coordenado! por! Carlos! Fausto,! o! projeto! tinha! como! objetivo! principal! viabilizar! a! continuidade! da! minha!
pesquisa! e! da! de! Bruno! no! leste! de! Angola.! Somando! o! aporte! desse! projeto! aos! auxílios! de! pesquisa!
concedidos!pelo!PPGAS,!foi!possível!programar!uma!nova!viagem!ao!Alto!Zambeze!em!2013.!
!

! 14!
transitar!de!uma!bibliografia!especializada!nos!rituais!dos!povos!do!Alto!Zambeze,!para!uma!

bibliografia!mais!recente!em!torno!do!novo!contexto!de!internacionalização!das!políticas!de!

patrimonialização.! Essa! bibliografia! reúne! um! conjunto! de! trabalhos! sobre! reflexividade! e!

objetificação!da!cultura!(Ginsburg!1991,!2002;!Turner!1994;!2002;!Appadurai!1996;!Clifford!

2001,!2004;!Graham!2005;!Vienne!2005;!Barcelos!Neto!2006;!Fiorine!&!Ball!2006;!Carneiro!

da!Cunha!2009;!Phipps!2010),!além!de!textos!que!abordam!mais!especificamente!questões!

de! autenticidade! (Linnekin! 1991,! Jolly! 1992,! Bababzan! 2000,! 2004;! Johnson! 2008)! e! de!

propriedade! intelectual! (Strathern! et! al! 1998;! Strathern! 2005;! Harrison! 1992,! 1993,! 2002;!

Leach!2000,!2003;!Fausto!2008).!

A! necessidade! de! transitar! por! diferentes! tradições! bibliográficas! evidentemente!

impediu!que!eu!me!aprofundasse!em!cada!uma!delas.!Isso!também!se!explica!pelo!fato!de!

que! a! pesquisa! bibliográfica! se! deu! concomitantemente! ao! processo! de! elaboração! e!

sistematização!do!imenso!material!coletado!nas!sucessivas!viagens.!O!curto!tempo!para!dar!

conta! de! todo! esse! trabalho! justifica! o! fato! de! ter! podido! extrair! da! bibliografia! apenas! o!

suficiente!para!controlar!meus!dados!e!para!formular!problemas!e!perguntas!que!viriam!a!

nortear! a! sua! análise.! A! tese,! portanto,! não! apresenta! revisões! bibliográficas! substanciais,!

nem! se! propõe! a! imergir! em! profundas! discussões! teóricas.! Trata;se! de! um! trabalho!

essencialmente!etnográfico.!

Em!todo!caso,!no!que!se!refere!à!bibliografia!mencionada!acima,!a!leitura!daqueles!

textos! me! ajudou! a! situar! o! Festival! Luvale! em! um! contexto! mais! amplo,! em! que! se!

multiplicam!espetáculos!e!shows!indígenas!veiculando!uma!imagem!tradicional!estetizante!e!

autêntica,! com! o! fim,! ou! de! “vender! artesanato”! (Fausto! 2011b),! ou! de! “obter! reparações!

por! danos! políticos”! (Carneiro! da! Cunha! 2009).! O! meu! primeiro! exercício! etnográfico,! no!

entanto,!já!revelava!que!ao!menos!a!moldura!do!turismo!e!do!comércio!da!“cultura”!não!era!

! 15!
a!mais!adequada!para!uma!abordagem!do!Festival.!Em!2012,!Angola!tinha!recuperado!a!paz!

há!exatos!dez!anos,!de!modo!que!ainda!era!sensível!o!movimento!geral!de!reconstrução!em!

todo!o!país.!Não!foi!difícil!perceber!que!o!Festival!vinha!desempenhando!um!papel!central!

neste! movimento,! especificamente! no! que! se! refere! à! vida! dos! Luvale! no! Alto! Zambeze.!16!!

Sobretudo,!era!notável!a!contribuição!do!evento!para!a!restauração!do!poder!tradicional!dos!

chefes! luvale! de! Angola,! instrumentalizando;os! em! um! complexo! cenário! de! disputas!

políticas.!!

Porém,!interessava;me!também!ir!além!de!uma!abordagem!puramente!instrumental!

do! Festival,! ou! de! uma! análise! feita! apenas! de! uma! perspectiva! sociológica! e! política,!

característica!de!uma!parte!dos!trabalhos!sobre!eventos!do!gênero.!Assim,!depois!de!uma!

reunião!em!meu!laboratório!de!pesquisa!no!PPGAS,!o!LARMe!(Laboratório!de!Arte,!Ritual!e!

Memória),! onde! pude! refletir! coletivamente! sobre! o! material! produzido! após! minha!

primeira!temporada!no!Alto!Zambeze,!optei!por!não!apenas!abordar!o!Festival!do!ponto!de!

vista!do!campo!social!e!político!no!qual!ele!se!situa,!mas!também!por!levar!a!sério!o!gênero!

performático!que!vem!se!desenvolvendo!por!meio!da!festa.!Meu!novo!projeto!de!pesquisa,!

formulado!entre!a!primeira!e!a!segunda!viagens!ao!Alto!Zambeze,!centrava;se!numa!análise!

do!Festival!a!partir!dos!estudos!do!ritual!e!da!performance.!!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
16
!O!município!do!Alto!Zambeze,!em!particular,!foi!gravemente!atingido!pelas!sucessivas!guerras!que!assolaram!
o!país,!das!guerras!de!libertação!nacional!(1960;1975)!aos!conflitos!que!marcaram!o!longo!período!de!guerra!
civil! (1975;2002).! No! que! se! refere! às! guerras! de! libertação! nacional,! a! partir! de! meados! dos! anos! 1960,! o!
município!constituiu!uma!importante!frente!de!combate!do!MPLA!(a!chamada!Frente!Leste),!que!instalou!a!sua!
guerrilha! na! área! visando! incorporar! a! população! local! na! luta! armada.! Já! no! contexto! da! guerra! civil,! foi! a!
UNITA! que! praticou! guerrilha! na! região.! Este! movimento! ocupou! os! principais! centros! populacionais! do!
município!entre!1983!e!1985,!e,!depois,!entre!1992!e!1995.!Ao!longo!dos!mais!de!cinquenta!anos!de!conflitos!
sucessivos,!boa!parte!da!população!que!habitava!o!Alto!Zambeze!foi!obrigada!a!se!exilar!na!capital!da!Província!
(Luena),! ou! na! Zâmbia! e! no! Congo.! O! distrito! de! Chavuma! (província! Noroeste,! Zâmbia),! um! dos! principais!
pontos! de! entrada! dos! refugiados! angolanos! na! Zâmbia,! viu! a! sua! população! crescer! sete! vezes! em! cinco!
décadas!(Silva!2004).!A!maioria!absoluta!dos!angolanos!refugiados!em!Chavuma!tinha!origem!luvale,!devido!à!
proximidade!desse!distrito!com!o!município!do!Alto!Zambeze.!!

! 16!
A! aproximação! do! evento! com! a! teoria! da! complexidade! ritual! de! Carlo! Severi,!

somada!a!uma!inspiração!na!obra!de!Walter!Benjamin,!deram;me!a!base!para!questionar!se!

o! Festival! não! vinha! desempenhando! um! papel! na! transmissão! e! preservação! da! memória!

social,! ou! ao! menos! da! memória! dos! rituais! luvale.! Esse! era! o! objetivo! mais! explícito! dos!

organizadores!do!Festival!com!o!seu!evento!–!“preservar!a!cultura”!–!e!optei!por!levá;lo!a!

sério,! em! vez! de! encará;lo! como! mera! retórica! patrimonialista.! Além! disso,! também! me!

parecia! interessante! investigar! a! maneira! como! o! ritual! vinha! sendo! reformulado! na!

composição! do! Festival,! ou! seja,! a! forma! com! que! complexos! cerimoniais! vinham! sendo!

reduzidos!a!sketches!sumários.!O!que!estava!em!jogo!nessas!sínteses!e!também!na!junção!

dos!fragmentos?!Trata;se!de!uma!mera!conversão!do!ritual!em!um!espetáculo!destituído!de!

eficácia?!Ou!a!lógica!transformacional!do!ritual!(que!indica!que!está!em!jogo!um!contexto!

onde!humanos!transformam;se!em!ancestrais!e!vice!versa)!estaria,!em!algum!nível,!presente!

na!festa?!

Motivada! por! essas! perguntas! embarquei! em! minha! segunda! viagem! para! o! Alto!

Zambeze.! Essa! nova! temporada! de! pesquisa,! naturalmente,! envolveu! muito! menos!

dificuldades! e,! por! isso,! pude! me! concentrar! inteiramente! na! etnografia! do! Festival,!

procurando! investir! na! produção! de! dados! mais! consistentes,! sobretudo! através! de! um!

conjunto! de! entrevistas! estruturadas,! que! realizei! com! representantes! dos! principais!

coletivos! envolvidos! no! evento.! Essas! entrevistas! fazem! parte! do! extenso! material!

audiovisual! produzido! nessa! segunda! temporada! e! que! inclui! ainda! a! gravação! de! toda! a!

sequência! das! ações! festivas,! além! do! conjunto! de! narrativas! e! expressões! musicais! a! elas!

associadas! e! de! eventos! ocorridos! nos! bastidores,! tais! como! ensaios! e! reuniões! de!

preparação! e! de! avaliação! da! festa.! Esse! registro! audiovisual! foi! seguido! por! um! longo!

trabalho!de!transcrição!e!tradução!do!material!coletado.!

! 17!
A!produção!de!toda!essa!massa!de!dados!só!foi!possível!porque!contei!com!o!apoio!

dos! organizadores! do! Festival,! considerando! os! integrantes! da! COFETRAL! (Comitê! Festival!

Tradicional!Luvale)!e!os!chefes!tradicionais!envolvidos!na!promoção!do!evento.!Entre!estes!

últimos,! destaco! a! rainha! Nyakatolo! Cilombo,! a! regedora! Kakenge! Ngambo! e! o! regedor!

Njamba!Samukonga.!Detentores!dos!principias!títulos!políticos!entre!os!Luvale!de!Angola,!o!

seu!apoio!foi!fundamental!para!a!realização!da!pesquisa.!Todos!eles,!concederam;me!ainda!

extensas! entrevistas! e! a! regedora! Kakenge,! em! particular,! hospedou;me! em! sua! casa,! na!

comuna!de!Lumbala;Kakengue!(a!sul!da!comuna!de!Cazombo)!(ver!Mapa!3),!por!cerca!de!dez!

dias,!tanto!em!2012!como!em!2013.!As!temporadas!em!Lumbala!me!deram!a!possibilidade!

de! contatar! especialistas! que! residem! naquela! área! e! também! de! participar! da! vida! dos!

Luvale!em!uma!área!de!aldeia.!!

Além! do! apoio! dos! chefes! tradicionais,! tive! também! o! respaldo! dos! membros! da!

COFETRAL.!Em!especial,!destaco!Remige!Kavanda,!José!Itumbo,!Francisco!Ciwende,!Abraão!

Lingoma! e! Fernando! Muzala.! Os! dois! primeiros! colaboraram! na! transcrição! e! tradução! de!

parte! do! material! registrado.17!Já! Ciwende! e! Lingoma! contribuíram! enormemente! para! a!

análise!e!reflexão!de!aspectos!do!Festival,!o!que!ficará!evidente!ao!longo!da!tese,!já!que!seus!

apontamentos!encontram;se!explicitados!em!diversos!momentos!do!texto.!Por!fim,!Muzala!

foi!meu!principal!interlocutor!nesse!trabalho.!Ele!me!auxiliou!na!transcrição!e!tradução!de!

pelo! menos! 70%! do! material! coletado,! contribuindo! também! para! sua! análise! e! reflexão.!

Além!disso,!foi!o!principal!responsável!por!tornar!viável!o!meu!plano!de!pesquisa,!ajudando;

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
17
!Com!exceção!dos!jovens!que!estão!hoje!na!escola!e!dos!homens!com!menos!de!quarenta!anos,!que,!em!sua!
maioria,! são! bilíngues,! boa! parte! da! população! luvale! fala! apenas! a! sua! língua! materna.! Os! dados! que!
apresento!na!tese!foram!coletados!em!Português!e!em!Luvale.!Para!a!transcrição!e!tradução!desses!últimos,!
contei! com! a! ajuda! de! uma! série! de! colaboradores! luvale,! já! que,! em! decorrência! do! limitado! período! em!
campo,!não!foi!possível!dominar!a!língua.!

! 18!
me! a! contatar! os! especialistas! localizados! nas! áreas! mais! distantes,! e! a! criar! as! condições!

necessárias!para!os!deslocamentos.!!

Muzala! não! apenas! articulou! minhas! viagens! paras! as! comunas! de! Cavungu! e!

Lumbala;Kakengue,!onde!se!encontra!parte!dos!“grupos!culturais”!participantes!do!Festival,!

como! também! para! o! distrito! de! Zambezi,! na! Zâmbia,! onde! ocorre! a! versão! zambiana! do!

evento,! o! Likumbi' Lya' Mize,! que! pude! presenciar! em! setembro! de! 2013.! A! viagem! para! a!

Zâmbia,!embora!mencionada!pontualmente!na!tese,!foi!essencial!para!eu!poder!identificar!

as!continuidades!e!descontinuidades!entre!as!duas!versões!do!festival!luvale.!!

Como!mencionei!no!início!desta!introdução,!o!Likumbi'Lya'Mize!é!hoje!uma!das!mais!

importantes! “cerimônias! tradicionais”! da! Zâmbia,! sobretudo! por! constituir! a! maior! arena!

pública! para! a! performance! dos! makixi,! considerados! Patrimônio! Oral! e! Imaterial! da!

Humanidade.!Realizado!desde!os!anos!1950,!o!festival!zambiano!foi!criado!em!um!contexto!

detalhadamente! mapeado! por! Papstein! em! seu! “From' Ethnic' Identity' to' Tribalism:' The'

Upper'Zambezi'Region'of'Zambia,'1830–1981”!(1989).!!

Segundo! o! autor,! entre! os! anos! 1930! e! 1970,! formaram;se! no! noroeste! da! Zâmbia!

sucessivas!gerações!de!intelectuais!luvale!motivadas!por!valorizar!a!imagem!de!seu!povo!no!

cenário!nacional,!sobretudo!como!forma!de!fortalecê;lo!em!disputas!por!território!e!poder!

político! na! região.18 !Essas! gerações! foram! responsáveis! pela! produção! de! uma! série! de!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
18
!Papstein! (1989)! mostra! como! esse! movimento! de! afirmação! identitária! e! política! dos! Luvale! foi! motivado!
não!apenas!por!um!contexto!de!disputas!locais,!mas!também!pela!consciência!da!posição!marginal!em!que!se!
encontravam! no! cenário! nacional.! Segundo! o! autor,! entre! 1930! e! 1960,! levas! de! homens! luvale! partiram! do!
Alto!Zambeze!para!trabalhar!nas!regiões!norte!e!sul!da!Zâmbia!e!também!no!Congo!(então!Zaire),!em!Angola!e!
na! África! do! Sul,! através! da! Witwatersrand! Native! Labour! Association! (WNLA).! A! possibilidade! de! se!
deslocarem!deu!àqueles!homens!a!dimensão!exata!da!situação!de!desvantagem!em!que!os!Luvale!estavam!em!
relação!a!outros!povos!bantu!da!África!Central.!De!fato,!no!clássico!de!Mitchell!sobre!a!dança!kalela!(1956),!o!
autor! menciona! uma! canção! em! que! o! compositor,! gabando;se! de! seu! poliglotismo,! diz! que,! no! entanto,!
deixou! de! falar! o! Lwena! (o! mesmo! que! Luvale),! por! ser! uma! língua! “muito! comum”.! Explica! Mitchell! que! os!
Lwena/Luvale!eram!geralmente!menosprezados!pelas!demais!tribos!nos!centros!urbanos!da!Rodésia!do!Norte!
(atual!Zâmbia)!pelo!fato!de!aceitarem!“employment!as!night!soil!removers”!(Mitchell!1956:08).!
!

! 19!
documentos!em!que!se!procuravam!provar,!por!meio!de!evidências!históricas,!não!apenas!a!

antiguidade!dos!Luvale!em!relação!a!outros!grupos!no!noroeste!zambiano,!mas!também!a!

antiguidade! de! seus! chefes.! Esse! movimento! intelectual! e! político,! que! culminou! com! a!

publicação!de!“A'History'of'the'Luvale'People'and'Their'Chieftainship”,!de!Mose!Sangambo,!

em! 1979,! marca,! portanto,! a! história! recente! da! região,! atravessada! por! intensos! conflitos!

envolvendo,! sobretudo,! grupos! luvale! e! lunda! ndembu! –! que! ficaram! conhecidos! como!

“tribalismo”!(Papstein!1989).!Foi!precisamente!nesse!contexto!que!o!Likumbi'Lya'Mize!surgiu!

como!uma!reedição!de!uma!antiga!festa!realizada!anualmente!no!auge!da!ofensiva!luvale,!

no!período!de!expansão!desse!povo!pelo!Alto!Zambeze,!como!disse!antes.!!

O! Festival! angolano,! por! sua! vez,! surge! cerca! de! cinquenta! anos! depois! do! festival!

zambiano,! intervalo! que! coincide! com! as! sucessivas! guerras! que! assolaram! Angola! e,!

particularmente,! marcaram! o! município! do! Alto! Zambeze,! obrigando! os! Luvale! assentados!

nesta! região! a! se! refugiarem,! sobretudo! na! Zâmbia.! O! evento! inscreve;se,! assim,! no!

contexto!do!pós;guerra!em!Angola,!onde!também!parece!urgente!para!os!Luvale!angolanos!

superar! uma! certa! condição! de! marginalidade,! afirmando;se! tanto! nacional! como!

localmente.! No! entanto,! esse! contexto! apresenta! novas! questões! e! novos! atores.! O!

“tribalismo”! é! apenas! uma! de! suas! faces.! Junto! à! celebração! dos! chefes! luvale,! celebra;se!

também!e!mais!do!que!nunca!a!sua!“cultura”.!!

A! ampla! participação! de! pessoas! luvale! em! meu! trabalho! deve! ser! compreendida!

dentro!desse!cenário,!caracterizado!pela!mobilização!recente!dos!Luvale!de!Angola!em!torno!

da! preservação! e! divulgação! de! sua! “cultura”.! Dando;me! todo! o! apoio! que! precisava! para!

realizar!a!pesquisa,!eles!acabaram!me!envolvendo!em!seu!próprio!projeto!–!e!eu!me!deixei!

levar.!Para!os!organizadores!do!Festival!e!todas!as!pessoas!mais!diretamente!envolvidas!na!

produção! do! evento! eu! era! a! “doutora! Isabel”.! Com! essa! expressão! eles! autorizavam! e!

! 20!
legitimavam! o! meu! trabalho,! mas! também! comprometiam;me! com! aquele! seu! projeto! de!

preservação!que!também!é,!no!bom!sentido!do!termo,!um!projeto!político.!!

Além! disso,! ao! me! chamarem! de! “doutora”,! os! meus! interlocutores! Luvale! não!

apenas! me! autorizavam! e! legitimavam,! como! também! a! si! próprios.! O! fato! de! ter! uma!

“doutora”!estudando!o!seu!Festival!dava!crédito!ao!evento!e,!por!extensão,!à!sua!“cultura”.!

Nesse! sentido,! a! minha! presença! somava;se! a! uma! série! de! outras,! como! a! de!

representantes! do! Ministério! da! Cultura! de! Angola,! a! de! líderes! políticos! do! MPLA19,! a! de!

chefes!tradicionais!provenientes!do!Congo!e!da!Zâmbia!e!a!de!funcionários!da!televisão!e!da!

rádio! nacionais,! entre! outras,! que! conferiam! legitimidade! política! à! festa,! o! que! não! era!

banal,!levando;se!em!conta!o!cenário!de!disputa!dentro!do!qual!o!evento!se!inseria.!

A! tese! é,! portanto,! fruto! dessa! relação! específica! estabelecida! entre! os! meus!

interlocutores! Luvale! e! a! “doutora! Isabel”,! que! foi! determinante! para! a! configuração! da!

pesquisa,!orientando!o!tipo!de!informação!e!de!dados!a!que!tive!acesso!em!campo.!No!fim,!

os! Luvale,! de! fato,! irão! me! tornar! uma! doutora! com! o! seu! Festival.! De! sua! perspectiva,! o!

meu!trabalho,!nos!dois!anos!em!que!estive!no!Alto!Zambeze,!era!mais!um!indício!de!que!“o!

pior! ainda! não! aconteceu”.! A! frase,! uma! espécie! de! slogan! da! festa,! criado! por! Muzala! e!

repetido! por! ele! em! tom! bem;humorado! em! muitas! de! nossas! conversas! sobre! o! Festival,!

refere;se!ao!fato!do!evento!ainda!estar!em!construção.!Indica!também!a!enorme!expectativa!

que! se! tinha! com! a! festa! e! a! certeza! de! que! muita! coisa! estava! em! jogo! por! meio! dela.! O!

“pior”!é,!naturalmente,!o!“melhor”!para!os!Luvale.!A!ironia!do!termo,!no!entanto,!acaba!por!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
19
!Depois!de!conquistar!o!poder!em!1975,!o!MPLA!converteu;se!em!partido!político,!governando!o!país!até!os!
dias!atuais.!Embora!não!tenha!consolidado!suas!bases!no!leste!de!Angola!durante!a!guerra!civil,!o!movimento!
teve! forte! atuação! na! área! durante! as! guerras! de! libertação! nacional,! como! mencionado! anteriormente.! No!
período! em! que! fez! guerrilha! no! Alto! Zambeze,! o! MPLA! conquistou! a! simpatia! de! muitos! luvale,! que! ou!
aderiram!ou!prestaram!apoio!a!ele,!segundo!meus!dados!de!campo.!

! 21!
conferir! um! certo! caráter! ambivalente! ao! Festival.! Afinal,! se! o! “pior”! é! o! melhor! para! os!

Luvale,!o!contrário!deve!sobrar!para!alguém.!

Antes! de! adentrarmos! na! etnografia! do! Festival! Luvale,! apresento! a! seguir! uma!

descrição!sumária!do!conteúdo!de!cada!capítulo!da!tese!e,!posteriormente,!uma!introdução!

mais! aprofundada! aos! Luvale! e! seus! chefes,! baseada! principalmente! na! leitura! de! “The!

Upper!Zambezi:!A!History!of!the!Luvale!People,!1000;1900”!(1978),!de!Robert!Papstein.!

B.!

[PLANO!DA!TESE]!

A! tese! encontra;se! dividida! em! três! partes.! A! primeira! é! puramente! descritiva.! A! segunda!

apresenta!uma!análise!da!festa!do!ponto!de!vista!dos!estudos!do!ritual!e!da!performance.!A!

terceira!aborda!o!campo!de!relações!sociais!e!políticas!no!qual!o!evento!se!situa.!No!que!se!

refere! ao! conteúdo! de! cada! capítulo,! o! primeiro! fornece! um! panorama! dos! dias! que!

antecedem!à!abertura!do!Festival,!descrevendo!o!espaço!em!que!a!festa!ocorre!e!também!

os!principais!atores!nela!envolvidos.!Aqui!o!leitor!é!apresentado!a!alguns!de!meus!principais!

interlocutores,! que! são,! ao! mesmo! tempo,! representantes! de! coletivos! envolvidos! na!

produção!do!Festival,!a!saber,!a!COFETRAL!(Comitê!Festival!Tradicional!Luvale),!os!“grupos!

culturais”!e!os!“chefes!tradicionais”.!

Já! o! segundo! capítulo! compreende! a! descrição! do! programa! festivo! propriamente!

dito,!incluindo!todas!as!ações!observadas!nas!edições!de!2012!e!2013.!A!descrição!se!baseia!

não!apenas!em!minhas!anotações!de!campo,!mas!também!no!extenso!material!audiovisual!

! 22!
produzido,! sem! o! qual! não! seria! possível! recuperar! todos! os! detalhes! da! festa.! Uma!

contribuição!desse!capítulo!é!o!esquema!de!classificação!proposto!com!relação!aos!makixi!

presentes!no!evento.!Diferente!dos!quadros!de!Bastin!(1984),!Wele!(1993)!e!Jordán!(2006),!

em! que! os! makixi! são! classificados! por! diferenças! de! comportamento! e! de! função! ritual,!

proponho! uma! classificação! alternativa,! baseada! exclusivamente! nos! “bailes! de! makixi”!

(cilende)! observados! durante! o! Festival.! Nesse! esquema,! os! makixi' encontram;se! divididos!

em!diferentes!grupos!de!dança,!identificados!pelo!uso!de!adereços!comuns.!

O! terceiro! capítulo! reflete! sobre! uma! categoria! central! na! etnografia! do! Festival!

Luvale.!Trata;se!da!noção!de!cisemwa,!frequentemente!traduzida!pelos!meus!interlocutores!

como! “cultura”! ou! “tradição”.! A! discussão! articula;se! a! uma! análise! da! rotina! de! ações! do!

Festival! com! base! em! teorias! do! ritual! e! da! memória.! Nela,! procuro! relacionar! a! estrutura!

fragmentária!da!festa,!composta!de!trechos!descontextualizados!de!complexos!rituais,!com!

as!“coleções”,!“topografias”!e!“constelações”!de!Benjamin!(1994,!2006),!assim!como!com!os!

objetos! e! figuras! quiméricas! de! Severi! (2002,! 2003,! 2004,! 2007).! A! comparação! é! feita! de!

modo! a! nos! perguntar! se! o! Festival! não! teria! um! papel! na! preservação! e! transmissão! da!

memória!social.!Com!efeito,!vemos!que!não!apenas!é!possível!recuperar!as!partes!ausentes!

dos!fragmentos!rituais!exibidos!durante!o!evento,!como!essa!operação!é!feita!por!meio!de!

um!tipo!específico!de!projeção!mental,!que!os!conecta!a!sequências!rituais!bem!definidas!e!

presentes!na!memória!dos!especialistas.!

No!quarto!capítulo!procuro!mostrar!como!a!lógica!transformacional!do!ritual!(Fausto!

2012)! encontra;se! presente! no! evento,! mas! de! forma! fragmentária! e! instável,! sendo!

mobilizada! apenas! durante! certas! ações.! Trata;se! aqui! de! analisar! a! constante! oscilação!

entre!o!ritual!(no!sentido!de!um!contexto!transformacional!onde!homens!convertem;se!em!

ancestrais!e!vice;versa)!e!o!que!meus!interlocutores!reconhecem!como!“teatro”.!O!caráter!

! 23!
híbrido! decorrente! dessa! oscilação,! reforçado! pela! multiplicidade! de! fragmentos! que!

compõem! o! evento,! é! abordado! ainda! nesse! capítulo! do! ponto! de! vista! das! teorias! da!

performance'de!Turner!(1974b,!1982a,!1982b,!1987)!e!Schechner!(1985,!1988,!1990,!2006),!

permitindo;nos,! por! fim,! aproximar! o! Festival! do! teatro! épico! brechtiano.! Se! no! capítulo!

anterior! estava! em! jogo! reconhecer! o! caráter! mnemônico! do! Festival,! trata;se! agora! de!

considerar!o!seu!caráter!explicitamente!didático!e!político.!

O! capítulo! cinco! delineia! o! campo! sociopolítico! no! qual! o! Festival! se! situa.! Nele!

vemos! como! o! evento! encontra;se! implicado! em! um! multifacetado! campo! de! relações!

translocais,! que! envolve! disputas! por! território,! soberania! e! alteridade! étnica! e! linguística.!

Além! disso,! vemos! de! que! forma! o! Festival! intervém! nesse! contexto,! seja! para! alterar,! ou!

para!reproduzir!as!relações!em!jogo.!!

Por! fim,! o! capítulo! seis! fecha! o! foco! sobre! os! chefes! tradicionais,! concentrando;se!

inicialmente! nas! relações! entre! esses! últimos! e! os! chamados! “grupos! culturais”.! Aqui! tem!

lugar!uma!discussão!sobre!o!“valor!da!cultura”,!feita!em!diálogo!com!os!trabalhos!de!Fausto!

(in'press)!e!de!!Fiorini!&!Ball!(2006),!que!abordam!casos!contemporâneos!de!objetificação!e!

espetacularização! da! cultura! alto;xinguana! não! como! índices! de! comodificação,! mas! de!

expansão!do!campo!social!indígena!(Fausto!in'press)!ou!de!continuidade!cultural!(Fiorini!&!

Ball! 2006).! O! capítulo! se! conclui! com! uma! discussão! em! torno! das! relações! entre! chefes!

tradicionais!e!governo!angolano,!apresentando!ao!leitor!uma!perspectiva!histórica!sobre!o!

tema.! Nele,! vemos! como! a! produção! do! Festival! Luvale! em! Angola! situa;se! em! uma!

conjuntura! política! bem! específica! do! país,! relacionada! sobretudo! ao! recente! processo! de!

democratização!e!descentralização!do!Estado!angolano,!onde!se!(re)estabelece,!entre!chefes!

e!governo,!vínculos!de!dependência!mútua,!expressos!no!contexto!do!Festival.!

! 24!
C.!

[OS!LUVALE]!

Chinyama' passou' a' Sul' das' tropas' de' Tchinguri,' flectiu' para' Ocidente' até'
atravessar' o' Cassai' e' depois' de' novo' para' Sul,' até' se' fixar' perto' do' rio' Luena,'
onde'fundou'nove'chefias'dos'Luvale,'que'o'adoram'pelo'seu'espírito'brincalhão'e'
amante' de' boa' vida,' dele' aprendendo' muitas' coisas,' como' viver' sem' procurar'
chatices' e' contar' histórias' de' arrepiar,' de' monstros' e' fantasmas,' para' que' as'
pessoas'tivessem'medo'da'violência'e'dela'se'servirem'o'mínimo.'O'nome'dele'até'
hoje'é'conhecido'como'o'grande'e'sábio'chefe'daquela'terra'de'rios'e'chanas,'e'
também'montanhas'e'florestas,'do'Cazombo'até'ao'Lual'e'Dala.''
!
Pepetela,'Lueji!(1989)!
!

Como!mencionado!anteriormente,!os!Luvale!são!uma!população!de!língua!bantu,!localizada!

sobretudo!no!leste!de!Angola!e!no!noroeste!da!Zâmbia!–!área!ocupada!pelas!cabeceiras!dos!

rios!Zambeze!e!Lungwebungu!(ver!Mapas!4!e!5).!Autodenominam;se!de!diversas!maneiras,!

em!geral,!usando!termos!que!indicam!características!específicas!do!meio!ambiente!onde!se!

encontram! assentados.! Assim,! podem! identificar;se,! entre! outras! formas,! como! valuvale!

(sing.! kaluvale),! em! referência! à! palmeira! mavale! (Raphia' farinifera),! comum! em! áreas! de!

floresta! baixa! às! margens! do! rio! Zambeze;! ou! também! como! valwena! (sing.! kalwena),!

quando! vivem! próximos! ao! rio! Luena,! em! Angola! (Silva! 2004:27).! Há,! no! entanto,! um!

elemento!constante!na!identificação!de!qualquer!luvale:!o!fato!de!reconhecerem!um!mesmo!

ancestral!fundador,!Cinyama!ca!Mukwamayi.!Portanto,!genericamente,!autodenominam;se!

vaka'Cinyama!(o!povo!de!Cinyama).!20!!

Os! Luvale! descendem! de! povos! provenientes! do! leste! da! África! Central,! mais!

precisamente!da!área!dos!grandes!lagos!Tanganyika!e!Mwero,!que!se!fixaram!na!região!sul!

da! atual! República! Democrática! do! Congo! (RDC),! dando! origem! a! três! grandes! grupos!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
20
!Na!literatura,!os!Luvale!encontram;se,!muitas!vezes,!incluídos!em!termos!mais!abrangentes,!como!mawiko,!
balovale!e!ganguelas.!Sobre!esses!etnônimos,!ver!McCulloch!(1951),!White!(1949)!e!Oppen!(1994).!

! 25!
regionais:!Luba,!Songe!e!Ruund.!Todas!as!comunidades!luvale,!cokwe,!lunda;ndembu,!lucazi,!

entre! outras! que! hoje! habitam! a! grande! área! de! confluência! entre! Angola,! Zâmbia! e! RDC!

reconhecem!suas!origens!naquele!terceiro!grupo,!os!Ruund,!por!elas!designado!Lunda.!

Os! Lunda! fundaram! um! poderoso! Estado! no! século! XVII,! cuja! capital! chamava;se!

Musumba,!localizada!na!região!da!atual!província!da!Katanga,!na!RDC,!onde!vivem!até!hoje.!

O! Estado! Lunda,! muitas! vezes! identificado! na! literatura! como! Império! e,! em! alguns! casos,!

também! como! Reino,! teve! seu! apogeu! na! primeira! metade! do! século! XIX! (Palmeirim!

1998:22).! Já! os! estágios! iniciais! de! formação! das! suas! organizações! sociais! e! políticas!

remontam,!possivelmente,!ao!começo!do!primeiro!milênio!(Papstein!1978:93).!!

As! primeiras! grandes! marchas! migratórias! que! deram! origem! aos! Mbangala21!e! aos!

Luvale! teriam! ocorrido,! segundo! Papstein,! logo! antes! da! consolidação! do! Estado! Lunda,!

entre!os!séculos!XV!e!XVI!(1978:118;123).!Como!mostra!esse!autor,!as!tradições!orais!desses!

povos!originais!do!período!que!antecede!ao!Estado!Lunda!contam!como!a!diáspora!resultou!

de!uma!disputa!de!sucessão!ao!poder!dentro!da!principal!linhagem!de!chefes!da!Musumba,!

que!implicou!em!cisões!entre!os!herdeiros!e!sucessivas!ondas!migratórias.!Conta;se!que!os!

Luvale! descendem! da! segunda! grande! marcha! dissidente,! liderada! por! Cinyama! ca!

Mukwamayi.!!

Resumidamente,! o! épico! de! formação! do! Estado! Lunda! e,! consequentemente,! da!

origem! de! uma! série! de! povos! centro;africanos,! narra! como! o! chefe! Nkonde! Matete,!

ofendido! pelos! seus! primogênitos! Cinguli! e! Cinyama,! deixa! o! poder! para! sua! filha! caçula!

Lweji,! que! se! casa! mais! tarde! com! Cibinda! Ilunga,! um! caçador! Luba.! Em! certa! ocasião,!

durante!um!dos!períodos!menstruais!de!Lweji,!em!que!ela!se!despe!de!suas!insígnias!reais22,!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
21
!Sobre!os!Mbangala,!ver!Vansina!(1963,!1966),!Miller!(1972)!e!Macedo!(2013).!
22
!A! principal! insígnia! real! proveniente! das! tradições! da! Musumba! é! o! lukano,! um! bracelete! feito! de! nervos!
humanos! e! da! genitália! masculina,! que! indica! o! poder! de! fertilidade! sobre! a! terra! associado! aos! chefes!

! 26!
Ilunga! se! apodera! desses! adornos! emblemáticos,! instituindo;se! como! chefe! máximo! da!

Musumba.!Cinguli!e!Cinyama!rejeitam!a!hegemonia!Luba,!representada!pela!figura!de!Ilunga,!

e! deixam! a! Musumba! para! fundar! suas! próprias! chefias! a! oeste! e! a! sudoeste,!

respectivamente,! adentrando! no! atual! território! angolano.! O! primeiro! virá! a! ser! o! herói!

fundador! dos! Mbangala,! instalados! no! que! é! hoje! a! província! do! Malanje,! no! norte! de!

Angola,!e,!o!segundo,!dos!Luvale,!dispersos!por!todo!o!Alto!Zambeze.!Como!Lweji!não!podia!

ter! filhos,! Ilunga! arruma! uma! segunda! mulher,! Kamongalwaza,! que! dá! a! luz! à! Yavwa!

Nyaweji,!o!primeiro!membro!da!dinastia!Mwantyavwa,!que!vigora!até!os!dias!atuais.23!

Cinguli! e! Cinyama! constituem! hoje! títulos! políticos! entre! os! Mbangala! e! os! Luvale,!

respectivamente,! sendo! transmitidos! de! geração! em! geração.! Diante! disso,! autores! como!

DeHeusch!(1982)!e!Miller!(1972)!defendem!a!hipótese!de!que!aqueles!nomes,!assim!como!

os! dos! demais! personagens! do! épico! citado,! já! representavam! títulos! na! antiga! Musumba.!

Desse!ponto!de!vista,!a!disputa!entre!Lweji,!Ilunga,!Cinyama!e!Cinguli!não!se!referiria!a!uma!

querela!localizada!entre!personagens!históricos!específicos,!mas!funcionaria!como!metáfora!

de! um! longo! período! de! conflitos! entre! títulos! políticos! estabelecidos! via! “sucessão!

posicional”! e! “parentesco! perpétuo”24!(Papstein! 1978:96).! A! chegada! do! caçador! luba! e! o!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
tradicionais!(Papstein!1978,!Wele!1993).!Além!dele,!destacam;se!também,!entre!outros:!a)!as!peles!de!leão!e!
de! leopardo;! b)! a! mucama! (coroa! feita! de! miçangas! sortidas);! c)! o! mukupelo' (tambor! de! duas! bocas)! –!
acompanha!o!chefe!em!aparições!públicas!ritualizadas,!como!a!que!se!dá!durante!o!Festival!Luvale;!d)!Kayipu!
(likixi! associado! à! chefia)! –! aparece! apenas! nas! mukandas! especiais! realizadas! para! filhos! de! chefes! e! outros!
eventos!relacionados!à!chefia,!como!festas!de!entronização!e!funerais!de!chefes!tradicionais,!além!do!próprio!
Festival! Luvale.! Todos! esses! elementos,! inclusive! o! lukano,! podem! ser! encontrados! contemporaneamente!
entre!os!Luvale,!segundo!o!que!pude!notar!durante!meu!trabalho!de!campo!no!Alto!Zambeze!(Angola),!tanto!
em!2012!como!em!2013.!
23
!Foi! esse! épico! que! inspirou! o! célebre! romance! do! escritor! angolano! Pepetela! (1989),!Lueji' –' O' nascimento'
dum' império.' A! versão! que! apresento! baseia;se! na! narração! de! Mose! Sangambo,! registrada! por! Papstein!
(1978).! De! acordo! com! ela,! Cinguli,! Cinyama! e! Lweji! não! são! os! únicos! filhos! de! Nkonde! Matete,! haveria!
também:! Kalumbu! ka! Nkonde! (mulher)! e! Ndonji! ya! Nkonde! (homem),! sendo! este! último! apontado! como! o!
fundador! dos! Cokwe.! Para! versões! lunda! e! cokwe! do! mesmo! épico,! ver! Carvalho! (1890),! Biebuyck! (1957),!
Duysters!(1958),!DeHeusch!(1982)!e!Lima!(1971).!!
24
!O! sistema! de! “sucessão! posicional”! e! “parentesco! perpétuo”! foi! primeiro! apontado! por! Audrey! Richards!
(1940;! 1950)! e! Ian! Cunnison! (1956)! para! os! Bemba! e! para! os! Lunda! do! vale! do! Luapula,! respectivamente.!
Segundo! tal! sistema,! os! heróis! míticos! associados! ao! período! de! formação! do! antigo! Estado! Lunda! são!

! 27!
seu! posterior! casamento! com! Lweji! seria,! assim,! apenas! uma! alegoria! para! a! associação!

entre! uma! facção! lunda! e! outra! luba! num! contexto! de! disputa! política! entre! grupos!

oponentes.25!!

Papstein!(1978)!defende,!no!entanto,!um!ponto!de!vista!alternativo.!Para!ele,!o!título!

de!Cinyama!veio!a!se!consolidar!apenas!com!a!migração!de!Cinyama!ca!Mukwamayi!e!seus!

aliados,! exatamente! quando! o! sistema! de! transmissão! de! títulos! na! Musumba! tornava;se!

mais! restritivo,! vindo! a! culminar! com! a! instituição! da! dinastia! Mwantyavwa.! Segundo! o!

autor,!não!é!por!acaso!que!o!Estado!Lunda!foi!a!principal!fonte!de!chefias!estabelecidas!na!

savana! ocidental! centro;africana! e,! particularmente,! em! todo! o! Alto! Zambeze! (Papstein!

1978:115).! Quanto! mais! o! sistema! de! sucessão! posicional! e! parentesco! perpétuo! se!

desenvolvia! –! e! mais! o! poder! político! se! concentrava! em! torno! de! poucos! títulos!

severamente! controlados! –,! mais! o! processo! de! fissura! dentro! de! linhagens! de! chefia! se!

acentuava.26!Nesse!contexto,!alguns!chefes!que!não!conseguiam!superar!posições!limitadas!

no! esquema! político! da! Musumba,! deixaram! a! área! para! se! estabelecer! na! periferia! da!

influência!Lunda!(1978:114).!
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
perpetuados! até! o! presente! por! pessoas! vivas! que,! sucessivamente,! assumem! seus! títulos! (Palmeirim!
2008:356;357).! Os! dignitários! desses! títulos! identificam;se! com! todos! os! seus! antecessores,! uma! vez! que!
herdam! não! apenas! seus! “nomes”,! mas! também! suas! relações! e! prerrogativas.! O! sistema! nega,! assim,! a!
passagem!do!tempo,!permitindo!a!perpetuação!de!relações!de!poder,!estabelecidas!via!alianças,!conquistas,!e!
acordos!entre!chefes.!!
25
!DeHeusch! (1972)! mostra! como! essas! duas! facções,! personificadas! pelos! títulos! de! Lweji! e! Ilunga,!
representam!princípios!antagônicos!na!ideologia!da!soberania!entre!os!Lunda!e!outros!povos!da!África!Central.!
O! primeiro! enfatizaria! a! autoctonia! e! a! ancestralidade,! o! segundo,! a! inovação.! Segundo! Palmeirim! (1994,!
1998),! tais! princípios! subjazem! à! organização! do! atual! reino! lunda,! que! distingue! dois! tipos! de! poder:! um!
representado! por! títulos! políticos! que! antecedem! ao! Estado! Lunda! e! hoje! desempenham! apenas! funções!
rituais,! e! o! outro! por! um! conjunto! de! novos! títulos/cargos,! associados! a! Ilunga! (o! caçador! Luba)! e! seu! filho!
Mwantyavwa,!responsáveis!pelo!governo!e!pela!administração!do!reino!(Palmeirim!1998:21;27).!
26
!Tal! processo! de! cisão! de! linhagens! remete! aqui! à! noção! de! segmentaridade,! introduzida! por! antropólogos!
britânicos!nas!décadas!de!30!e!40!do!século!passado.!A!ideia!básica!era!a!de!que!na!maior!parte!das!sociedades!
africanas! sem! Estado! um! outro! tipo! de! instituição! desempenhava! suas! funções:! o! sistema! de! linhagens!
segmentadas.! Em! tal! sistema,! cada! linhagem! –! entendida! como! um! grupo! de! parentes! (reais! ou! fictícios)!
descendentes!de!um!mesmo!ancestral!fundador!–!era!apenas!um!segmento!dentro!de!um!sistema!genealógico!
maior.! Ao! mesmo! tempo,! cada! um! desses! segmentos! se! constituía! à! semelhança! daquele! sistema! maior,!
incluindo!um!conjunto!de!linhas!de!descendência!dele!desdobradas!que,!por!sua!vez,!também!se!ramificavam!
em! outras! e! assim! por! diante,! indefinidamente! (ver! Evans;Pritchard! 1978,! Evans;Pritchard! &! Fortes! 1940,!
Kuper!1982).!

! 28!
Cinyama! ca! Mukwamayi27!deixou! a! Musumba! possivelmente! no! final! do! século! XV!

(1978:120),! seguindo! os! passos! de! dissidentes! lunda! anteriores,! rumo! ao! que! hoje! é! o!

nordeste! de! Angola.! As! narrativas! tradicionais! luvale! traçam! todo! o! périplo! do! herói,! que!

desvia!para!o!sul!adentrando!o!corredor!zambeziano.!No!entanto,!de!acordo!com!os!dados!

de! Papstein,! Cinyama! teria! levado! no! mínimo! duzentos! anos,! entre! os! séculos! XVI! e! XVII,!

para!alcançar!a!área!compreendida!entre!os!rios!Luena!e!Lumbala!(ver!Mapa!4),!no!coração!

do!Alto!Zambeze,!epicentro!histórico!da!ofensiva!expansionista!luvale!que!se!daria!a!partir!

do!meados!do!século!XVIII!e!começo!do!XIX!(1978:129).!Nesse!sentido,!o!autor!teria!razão!

em! afirmar! que,! embora! não! seja! possível! saber! ao! certo! se! Cinyama! já! era! um! título! na!

antiga!Musumba,!é!inquestionável!o!fato!de!ele!ter;se!consolidado!como!tal!na!diáspora.!Sua!

hipótese!é!de!que!ao!menos!sete!homens!herdaram!o!título!de!Cinyama!entre!os!séculos!XVI!

e! XVII,! período! ao! longo! do! qual! esses! chefes! se! difundiram! por! todo! o! Alto! Zambeze,!

subordinando!povos!mbwela28!que!já!se!encontravam!assentados!na!região.!!

Ainda! segundo! Papstein,! Cinyama! ca! Mukwamayi! não! deixou! a! Musumba! sozinho,!

mas!foi!acompanhado!de!um!grupo!de!seguidores,!reconhecido!nas!narrativas!tradicionais!

luvale! como! o! clã! Nama' Kungu.' Este! clã! mantém! o! controle! sobre! a! chefia! luvale! até! o!

presente! via! casamento! exogâmico! e! sucessão! matrilinear.! De! acordo! com! a! regra! da!

sucessão! matrilinear,! todo! filho(a)! de! chefe! mulher! é! considerado(a)! automaticamente'

mwangana!(chefe),!enquanto!um(a)!filho(a)!de!chefe!homem!não!pode!alcançar!esse!status,!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
27
!Os! nomes! dos! chefes! luvale! constituem;se! de! um! primeiro! nome! que! geralmente! indica! um! título! político!
(como! Cinyama,! Kakenge,! Nyakatolo,! Ndungu,! etc.),! e! de! um! segundo! nome,! que! tanto! pode! ser! um! nome!
próprio,! como! indicar! filiação.! Este! último! caso! observa;se! no! nome! Cinyama! ca! Mukwamayi,! cuja! tradução!
seria!“Cinyama!(filho)!da!Mukwamayi”.!
28
!Segundo!Papstein,!mbwela!seria!o!termo!genérico!usado!pelos!Luvale!e!outras!etnias!que!vieram!a!ocupar!o!
leste!de!Angola!e!áreas!adjacentes!da!Zâmbia!e!do!Congo!para!designar!os!povos!autóctones!que!foram!por!
elas! conquistados,! assimilados,! ou! expulsos! de! suas! terras! (Papstein! 1978:77).! Bastin! afirma! que! povos!
denominados! mbwela! vivem! hoje! a! oeste! do! rio! Zambeze! e! também! nas! margens! do! Alto! Cubango! e! do! rio!
Cuito,! no! sudeste! de! Angola! (Bastin! 1998:14).! Na! mesma! macrorregião,! Redinha! (1961)! localizou! populações!
mbwela!próximo!às!nascentes!do!rio!Cuanza.!(Ver!Mapa!5)!

! 29!
sendo! chamado(a)! mwana' uta' [filho(a)! do! arco]! (Ciwende! 20;;?a:21,! Papstein! 1978:130,!

Wele!1993:78).!29!

Ainda!na!primeira!etapa!da!expansão!dos!chefes!Cinyama,!na!região!compreendida!

entre! os! rios! Luluwa! e! Kashileji! (sul! da! atual! RDC),! teria! ocorrido! o! primeiro! contato! com!

povos!mbwela!registrado!pelas!narrativas!tradicionais.!Conta;se!que!ali!se!deu!o!casamento!

entre! o! chefe! mbwela! Mwene! Matunga! a! Ngongo! e! Ngambo! ya! Muxindwa,! sobrinha! de!

Cinyama,!implicando!na!subordinação!de!toda!a!linhagem!associada!ao!primeiro!a!uma!nova!

linha!de!chefia,!determinada!pela!descendência!Nama'Kungu.!Matunga!a!Ngongo!e!Ngambo!

ya!Muxindwa!tiveram!três!filhos:!o!primogênito!Civunda!Manganda!e!suas!irmãs!Cisengo!ca!

Ngalango!e!Nyakapeshi!Ngambo.!De!Cisengo!ca!Ngalango!descenderiam!todos!os!principais!

chefes! luvale! atuais,! como! Kakenge! (cujo! nome;título! suplantou! aquele! de! Cinyama! em!

meados! do! século! XVIII),! Nyakatolo! e! Ndungu! –! os! últimos! são! hoje! as! autoridades!

tradicionais!luvale!mais!importantes!em!Angola!e!na!Zâmbia,!respectivamente!(Ciwende!20;;

?a:11,!Papstein!1978:187).!

Dessa! forma,! casando! mulheres! Nama' Kungu! com! chefes! mbwela,! Cinyama! foi,! ao!

longo!de!sua!travessia,!estabelecendo!chefias!satélites,!que!consagraram!uma!série!de!novos!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
29
!O!termo!“clã”!(miyachi!ou!muyachi)!é!usado!aqui,!de!acordo!com!a!definição!de!White!(1955),!para!designar!
“the! groups! which! claim! a! historical! origin! from! an! original! founder;! the! members! of! such! a! clan! regard!
themselves!as!his!descendants!although!they!cannot!trace!any!genealogical!descent!from!the!founder!today.!
Every!Luvale!is!a!member!of!a!clan!and!at!least!in!the!past!regarded!it!as!conferring!a!quasi;kinship!affiliation!
with!other!clan!members.”!Os!clãs!são!as!unidades!genealógicas!mais!inclusivas!entre!os!Luvale!e!constituem!
verdadeiros!sistemas!de!linhagens!segmentadas.!Existem!doze!clãs!entre!os!Luvale,!segundo!Papstein!(1978)!e!
White!(1957),!e!treze,!segundo!Wele!(1993).!Cada!clã!possui!uma!fórmula!(kumbu),!cuja!recitação!(kulisasula'
jikumbu)!expõe!a!lista!mínima!dos!seus!ancestrais!fundadores.!O!kumbu!de!Nama'Kungu!não!só!faz!referência!
a!antigos!chefes!Lunda!como!a!chefes!que!se!consolidaram!na!diáspora!de!Cinyama,!dos!quais!descenderiam!
todos! os! chefes! luvale! atuais! (Wele! 1993:114).! Com! relação! aos! demais! clãs,! supõe;se! que! eles! remetam! a!
antigas!linhagens!mbwela,!que!já!se!encontravam!enraizadas!no!Alto!Zambeze!antes!da!expansão!dos!chefes!
Nama' Kungu.! Embora! tenham! sido! por! estes! últimos! conquistadas,! essas! linhagens,! por! sua! extensão! e!
prestígio!regionais,!mantiveram!sua!identidade!e!legitimidade!política,!(trans)figurando;se!ao!longo!do!tempo!
como!clãs!independentes!dentro!da!etnia!Luvale!(Papstein!1978:150).!!

! 30!
títulos! políticos! em! cada! uma! de! suas! áreas! de! influência.30!Cinyama,! que! passaria! a! ser!

chamado! de! Kakenge! a! partir! do! século! XVIII,! é! o! título! mais! antigo! entre! os! Luvale! e,!

embora! já! tenha! perdido! muito! de! sua! autoridade! política! para! outros! atualmente! mais!

importantes,! ele! continua! sendo! o! centro! das! tradições! orais! por! se! tratar! do! único! laço!

legítimo!com!as!genealogias!e!tradições!da!Musumba.!Apesar!de!sua!enorme!profundidade!

histórica,! a! permanência! do! título! de! Cinyama;Kakenge! não! significa! que! tenha! se!

estabelecido! entre! os! Luvale! um! governo! centralizado,! nos! moldes! do! Estado! Lunda.! Ao!

contrário,! o! que! se! constituiu! foi! uma! rede! de! chefias! de! matrilinhagens! independentes,!

fracamente!coligadas,!não!obstante!reconhecessem!e!reivindicassem!descendência!comum!

dos! mesmos! ancestrais! fundadores.! Essas! chefias! eram! organizadas! em! torno! de! títulos!

políticos!transmitidos!de!geração!em!geração,!pelos!princípios!da!sucessão!posicional!e!do!

parentesco!perpétuo!–!segundo!Papstein,!essa!foi!a!principal!herança!política!da!Musumba!

para!os!Luvale!(Papstein!1978:110).!!!

Portanto,! o! sistema! de! titulação! que! se! estabeleceu! entre! os! Luvale! não! se!

cristalizou,!fixando!um!número!determinado!e!restrito!de!títulos.!Ao!contrário,!quando!um!

segmento! de! linhagem! se! estabelecia! e! se! consolidava! politicamente! a! ponto! de! instaurar!

uma!chefia!independente!e!um!novo!título,!este,!em!geral,!se!mantinha!por!apenas!algumas!

poucas! gerações,! entre! quatro! ou! cinco! em! média,! depois! do! que! desaparecia! ou! era!

suplantado! por! outro,! imposto! por! um! novo! segmento! que,! por! motivos! diversos,! tinha!

alcançado! maior! legitimidade,! prestígio! e/ou! poder! político! (1978:17).! Dessa! forma,! uma!

série!de!títulos!desapareceram!ao!longo!de!todo!o!período!de!expansão!dos!Luvale!pelo!Alto!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
30
!Papstein! (1978)! supõe,! contudo,! que! nem! sempre! o! dispositivo! do! casamento! tenha! prevalecido! no!
estabelecimento!das!chefias!luvale.!Provavelmente,!muitos!chefes!mbwela!receberam!um'status!nama'kungu!
de! caráter! meramente! classificatório! (1978:150).! Além! disso,! o! autor! também! reconhece! que! o! princípio! da!
matrilinearidade!nem!sempre!norteou!a!transmissão!dos!títulos!de!chefia:!muitos!mwana'uta!(filhos!de!chefes!
homens),!na!falta!de!um!mwangana!legítimo!na!família,!assumiram!importantes!títulos!políticos.!!

! 31!
Zambeze,!assim!como!muitos!outros!foram!criados,!a!exemplo!de!Nyakatolo,!que!apareceu!

apenas!na!segunda!metade!do!século!XIX,!e!Ndungu,!no!começo!do!século!XX.!31!

O! período! compreendido! entre! o! final! do! século! XVII! e! o! começo! do! XVIII! foi,!

segundo!Papstein,!marcado!por!uma!forte!disputa!entre!linhagens!do!clã!Nama'Kungu!pela!

sucessão! do! título! de! Cinyama.! Cinyama! ca! Ngambo! (1715;1746)! teria! sido! o! último! a!

assumir! o! título,! antes! deste! ser! substituído! pelo! de! Kakenge.! Sua! nganda! (casa! do! chefe)!

localizava;se! numa! área! chamada! kasemu,! na! região! de! confluência! entre! os! rios! Luena! e!

Zambeze!(ver!Mapa!4),!circunscrita!à!atual!comuna!de!Lumbala;Kakengue,!Angola.!Segundo!

Ciwende!(20;;?b),!a!área!chamava;se!kasemu!(ramificação)!em!virtude!de!terem!nascido!ali!

muitos!chefes!luvale.!!

Embora!tenha!assumido!o!título!de!Cinyama!cerca!de!duzentos!anos!depois!do!início!

da!migração!de!Cinyama!ca!Mukwamayi,!Cinyama!ca!Ngambo!geralmente!aparece!associado!

nas!narrativas!tradicionais!às!primeiras!gerações!de!chefes!Nama'Kungu,!precisamente,!ao!

ramo! de! Cisengo! ca! Ngalango! (filha! de! Ngambo! ya! Muxindwa,! sobrinha! de! Cinyama! ca!

Mukwamayi).!Todas!as!genealogias!dos!atuais!chefes!luvale!datam!do!período!de!Cinyama!ca!

Ngambo.!Logo,!todas!elas!estão!associadas!a!esse!chefe!e,!por!extensão,!ao!ramo!de!Cisengo!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
31
!Com! o! impacto! da! administração! colonial! britânica! no! inicio! do! século! XX,! essa! dinâmica! de! criação! e!
desaparecimento! de! títulos! políticos! foi! interrompida.! E! operou;se! o! que! Papstein! chama! de! “realinhamento!
tribal”,! resultando! na! própria! consolidação! dos! Luvale! como! uma! unidade! formalmente! reconhecida.! Nesse!
contexto,! um! conjunto! de! títulos! até! então! arranjados! de! diferentes! maneiras! em! cada! uma! das! chefias,!
espelhando! hierarquias! complexas,! fluidas,! remodeláveis,! teve! que! se! ajustar! a! uma! estrutura! hierárquica!
simplificada!e!padrão,!legitimada!nacionalmente.!Nas!palavras!de!Papstein:!“Whith!the!introduction!of!indirect!
rule!the!tribe!appeared!in!its!finished!form!;!a!hierarchy!of!chiefs!whith!actual!political!power!over!the!entire!
tribe,! supported! by! a! hierarchy! of! dependent! headmen.! A! large! number! of! chiefs! were! ‘abolished’,! i.e.,! not!
given! official! recognition.! Other! chiefs! were! elevated! to! senior! positions! (often! due! to! their! proximity! to! the!
administrative! headquarters,! the! boma),! which! they! had! not! been! entitled! to! before.! Each! person! was!
registered!according!to!tribal!affiliation,!headman!and!chief”!(1978:9;10).!Embora!Papstein!se!refira!aos!efeitos!
da! administração! colonial! britânica,! acredito! que! o! seu! modelo! sirva! ao! menos! para! dimensionar! o! tipo! de!
realinhamento!que!se!operou!na!mesma!época!entre!os!Luvale!de!Angola.!O!estabelecimento!das!categorias!de!
“regedor”,! “soba”! e! “sobeta”,! para! identificar! diferentes! posições! na! hierarquia! do! poder! tradicional,! sugere!
que!o!que!ocorreu!nos!dois!países!não!tenha!sido!muito!diferente.!!!

! 32!
ca! Ngalango,! como! se! pode! perceber! no! diagrama! abaixo,! baseado,! principalmente,! nos!

dados!de!Papstein!(1978).!!

!
32
Diagrama!1. !

Cinyama!ca!Ngambo!foi!sucedido!por!Kakenge!Civunda!Sakayongo!(1747;1787)!que,!

segundo!fontes!bibliográficas!e!também!os!meus!próprios!dados!de!campo,!foi!quem!iniciou!

a!festa!que!daria!origem!ao!Festival!Luvale!atual.!A!partir!desses!chefes,!a!expansão!luvale!

tornou;se! mais! agressiva,! sobretudo! porque,! gradualmente,! passaria! a! ser! mediada! pelo!

interesse! dos! chefes! Nama' Kungu! pelo! comércio! internacional! de! escravos,! que! atingiu! o!

Alto!Zambeze!na!segunda!metade!do!século!XVIII!através!das!caravanas!dos!Ovimbundu33.!

Os! Luvale! transformaram;se! nos! principais! intermediários! daqueles! comerciantes! na! área,!
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
32
!As!linhas!pontilhadas!do!diagrama!indicam!relações!de!filiação!e!germanidade!imprecisas.!!
33
!Povo! bantu! do! planalto! central! de! Angola,! falante! de! umbundu,! que! constitui! cerca! de! um! terço! da!
população!de!Angola.!No!período!colonial,!uma!vertente!desse!povo!controlou!o!comércio!entre!o!leste!do!país!
e!o!porto!de!Benguela,!organizado!através!de!caravanas.!Ver!Hambly!(1934)!e!Redinha!(1975).!

! 33!
passando! a! monopolizar! as! armas! de! fogo! –! principal! moeda! de! troca! no! comércio!

escravista.! Este! monopólio! impulsionou! ainda! mais! sua! ofensiva,! que! até! o! final! do! século!

XIX! atingiria! o! rio! Lungwebungu,! na! atual! Zâmbia,! conquistando! povos! mbwela! e! também!

lunda;ndembu.!!

Ao!longo!desse!período,!as!aldeias!tornaram;se!bem!maiores!do!que!no!passado34,!já!

que!os!chefes!luvale!passaram!a!controlar!uma!população!muito!mais!numerosa!em!campos!

fortificados! (1978:167).! Além! disso,! a! expansão! política! foi! gradativamente! sendo!

abandonada!em!favor!do!comércio!de!escravos.!Com!o!tempo,!o!errante!Cinyama!deu!lugar!

ao!sedentário!Kakenge,!que!se!fixou!na!confluência!Lumbala;Zambezi,!onde!permanece!até!

hoje.! E! as! chefias! localizadas! em! áreas! estratégicas! passaram! a! abrigar! verdadeiros!

mercados.!É!nesse!contexto!que!Nyakatolo!Ngambo!despontou!como!importante!liderança,!

a!partir!de!1860.!!

Embora! Papstein! precise! a! época! em! que! o! título! de! Nyakatolo! surge! e! forneça! os!

nomes! de! todas! as! suas! herdeiras,! até! Nyakatolo! Cisengo,! que! faleceu! em! 1992,! ele! não!

reconstitui!inteiramente!a!genealogia!desse!título,!apenas!sugerindo!que!ele!originara;se!do!

grande!ramo!de!Cisengo!ca!Ngalango,!de!onde!também!descenderiam!Cinyama!ca!Ngambo!e!

todos! os! mais! importantes! títulos! luvale! atuais.! A! ausência! de! dados! mais! precisos! em!

relação!à!genealogia!do!título!de!Nyakatolo!no!trabalho!de!Papstein,!naturalmente,!explica;

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
34
!Possivelmente,!antes!das!aldeias!luvale!agigantarem;se!em!função!do!comércio!de!escravos,!elas!deviam!ser!
algo! próximo! ao! que! se! tornaram! depois! do! fim! desse! comércio.! Baseado! em! pesquisa! de! campo! realizada!
entre!os!anos!1940!e!1950,!na!Zâmbia,!é!assim!que!White!(1957:59)!define!as!aldeias!luvale:!“Luvale!villages!
have,! for! the! last! fifty! years,! been! composed! of! a! nucleus! of! matrilineally! related! males,! their! wives! being!
strangers!married!to!them!virilocally.!This!male!nucleous!was!linked,!not!only!by!common!matrilineal!descent,!
but!by!membership!of!a!common!clan.!Today!Luvale!clans!are!dispersed!throughout!Luvaleland!and!no!clan!has!
a! common! territory! peculiar! to! it.! In! addition! to! the! male! nucleus! whith! its! wives,! a! typical! Luvale! village!
contains! unmarried! female! kin! of! the! matriliny! that! forms! the! village! core! and,! in! the! past,! it! also! included!
slaves.! Luvale! villages! were! grouped! in! a! number! of! chiefdoms! of! varying! size.”! Cada! aldeia! tem! o! seu!
“headman”!(Papstein!1978,!White!1955)!–!cilolo,!em!luvale!–!e!está!conectada!a!um!ou!mais!chefes!regionais!
(se!a!chefia!a!que!ela!está!relacionada!for!muito!extensa,!pode!haver!um!chefe!sênior!e!outros!subchefes).!

! 34!
se!pelo!fato!do!autor!ter!realizado!a!sua!pesquisa!na!Zâmbia,!enquanto!o!título!de!Nyakatolo!

se!consolidou!na!região!da!atual!comuna!de!Cavungu,!em!Angola.!!

Durante! o! meu! trabalho! de! campo! no! Alto! Zambeze,! porém,! tive! acesso! a! um!

manuscrito!não!publicado,!de!autoria!de!Francisco!Ciwende,!historiador!luvale,!que!vive!em!

Luena!(capital!da!província!do!Moxico),!onde!ele!descreve!toda!a!genealogia!de!Nyakatolo,!a!

qual! apresento! sumariamente! a! seguir.! Segundo! Ciwende,! Kavangu! Mahongo,! mãe! da!

primeira!Nyakatolo,!era!prima!de!Cinyama!ca!Ngambo.!Portanto,!estava!também!associada!

ao!período!de!maior!expansão!dos!chefes!luvale!pelo!Alto!Zambeze!no!século!XVIII,!quando!

surge!a!maioria!dos!títulos!que!vigoram!até!os!dias!atuais.!Consolidando;se!como!chefe!na!

área!que!se!estende!do!atual!município!de!Léua!(província!do!Moxico)!até!as!nascentes!do!

rio! Luena! (ver! Mapas! 3! e! 4),! Kavangu! ficou! famosa! pelos! seus! conhecimentos! “mágicos;

botânicos”,! que! teria! transmitido! a! sua! primogênita,! Ngambo! Nyamimbungo,! a! primeira!

mulher!designada!como!Nyakatolo.35!!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
35
!Segundo! me! contou! um! importante! chefe! tradicional! nas! mediações! de! Cazombo! (Alto! Zambeze,! Angola),!
Nyakatolo! é! um! nome! de! guerra,! que! significa! “aquela! que! tira! a! carne! da! cabeça! dos! homens”,! ou,!
simplesmente,! “aquela! que! corta! cabeças”.! Já! de! acordo! com! os! dados! de! Ciwende,! Nyakatolo! seria! o! nome!
com! que! grupos! cokwe! chamavam! a! chefe! Ngambo! Nyamimbungo,! uma! vez! que! esta! gostava! muito! das!
“azedas”,!uma!planta!comestível,!chamada!katolo!em!cokwe!e'mutete!em!luvale!(Ciwende!20;;?b:04).!

! 35!
Diagrama'2.''
'

'
Ngambo' Nyamimbungo,' que' ficou' conhecida' como' Nyakatolo' Ngambo,' se' fixou' à'

leste'das'terras'de'Kavangu'Mahongo,'precisamente'na'região'da'atual'comuna'de'Cavungu,'

no' Alto' Zambeze.' Nessa' área' passava' a' rota' KatangaEAngola' –' a' mais' importante' rota'

comercial'a'atravessar'o'Alto'Zambeze'na'segunda'metade'do'século'XIX.'Aberta'nos'anos'

1850,'essa'rota'se'desenvolveu'rapidamente'por'ser'o'escoadouro'de'uma'série'de'outras'

rotas' menores,' de' importância' local.' Alguns' pontos' desse' grande' canal' de' comércio' eram'

mais' estratégicos' do' que' outros,' por' se' situarem' na' confluência' de' muitas' rotas'

secundárias.'Cavungu'era'um'deles.'Ali'se'constituiu'um'grande'mercado'–'sob'o'controle'de'

Nyakatolo'–,'cuja'importância'regional'durou'até'o'começo'do'século'XX.''

O'exército'de'Nyakatolo'Ngambo'–'auxiliado'pela'habilidade'mágicoEbotânica'de'sua'

chefe'–'foi'responsável'pela'conquista'e'escravização'de'muitos'grupos'lundaEndembu'que'

habitavam' a' área.' Porém,' com' a' abolição' do' tráfico' de' escravos' nas' colônias' portuguesas'

em' 1836,' esse' comércio' foi' aos' poucos' sendo' substituído' pelo' da' borracha' e' do' marfim,'

entre' outros' produtos,' também' organizado' em' caravanas.' Isso' explicaria' o' fato' de'

Nyakatolo' terEse' imortalizado' como' nana# kandundu# (mãe' da' borracha)' –' expressão' que' é'

hoje'popularmente'usada'para'designar'a'própria'região'de'Cavungu,'segundo'o'que'pude'

notar'durante'meu'trabalho'de'campo.'

' No'final'do'século'XIX,'os'portugueses'começaram'a'buscar'maior'controle'sobre'o'

leste'de'Angola'através'de'uma'série'de'incursões'militares'à'área'com'o'objetivo'de'impedir'

uma' possível' expansão' dos' britânicos.' Nyakatolo' Ngambo' encontravaEse' em' posição'

favorável'para'beneficiarEse'da'tensão'lusoEbritânica,'uma'vez'que'tinha'se'transformado'na'

principal' chefe' da' região,' em' virtude' de' seu' controle' do' mercado' de' Cavungu,' por' onde'

nenhuma' caravana' de' comerciantes' passava' sem' lhe' pagar' tributos.' Nyakatolo' foi' peça'

fundamental' na' demarcação' das' fronteiras' no' Alto' Zambeze,' garantindo' aos' portugueses'

! 37!
toda' a' área' que' estava' sob' o' seu' domínio' político' e' militar' e' que' incluía' a' região' de'

confluência'LumbalaEZambeze,'onde'se'encontrava'localizada'a'chefia'de'Kakenge.'Quando'

o' território' foi' efetivamente' ocupado' pelos' portugueses,' nas' primeiras' décadas' do' século'

XX,'o'governo'decidiu'que'a'área'de'Nyakatolo'seria'o'centro'administrativo'do'município'do'

Alto'Zambeze.1''

' Apesar'da'sua'importância'histórica,'o'título'de'CinyamaEKakenge'já'não'tinha,'então,'

o'mesmo'prestígio'político'de'antes.'Entre'o'final'do'século'XIX'e'o'começo'do'XX,'Nyakatolo'

afirmaraEse' definitivamente' como' chefe' mais' importante' da' região' e' de' sua' linha' de'

descendência' os' herdeiros' ao' título' de' Kakenge' passaram' a' ser' determinados' –' tendência'

que'se'mantém'até'os'dias'atuais.'No'trecho'abaixo,'Francisco'Ciwende'narra'essa'passagem'

do'poder'político'associado'ao'título'de'Kakenge'para'o'de'Nyakatolo.'

'
Sendo'que'Chinhama'Caquengue'era'filho'(aliás,'todos'os'que'tomam'o'título'de'
Caquengue,'ou'são'filhos'de'irmãs,'de'sobrinhas'ou'primas'da'parte'materna)'de'
Ngambo' Nhakatolo' e,' também,' pela' reputação,' bravura' e' os' seus' processos'
botânicosEmágicos,' os' Caquengue' tratavamEna' de' sua' mãe' e,' pelo' facto,'
nenhuma' decisão,' quer' fosse' para' guerra,' quer' para' comércio,' o' Caquengue'
podia' tomar' sem' a' sua' aprovação.' (...)' Embora' a' dinastia' masculina' dos'
Caquengue'fosse'a'representante'da'legítima'tradição'dos'valuena,'ela'deixouEse'
depois'secularizar'pelo'valor'da'de'Ngambo,'(...)'mormente'a'partir'de'1882,'data'
em' que' Nhacatolo' fez' Caquengue' seu' próprio' filho' Chinhama.' Daí' a' sua'
majestade.'(Ciwende'20EE?b:6E7)'
'
'
Cabe'destacar,'por'fim,'que'a'expansão'de'chefes'Nama#Kungu'pelo'Alto'Zambeze,'

implicando'a'assimilação'de'povos'autóctones'e'a'emergência'do'próprio'povo'Luvale,'não'

se'deu'apenas'pela'força,'ou'pelo'dispositivo'do'casamento'exogâmico,'mas'também'pela'

introdução'de'novas'tecnologias,'de'diferentes'símbolos'associados'à'chefia'e'de'complexos'

rituais'até'então'desconhecidos.'Nesse'sentido,'Papstein'nota'como'a'mukanda'–'o'ritual'de'

circuncisão' masculino' que' é' hoje,' reconhecidamente,' uma' das' principais' expressões'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
1
'De'fato,'segundo'meus'dados'de'campo,'o'Posto'Administrativo'de'Cavungu'foi'o'primeiro'a'ser'instalado,'em'
1919,'antes'mesmo'da'região'ser'decretada'um'município,'o'que'viria'a'acontecer'apenas'em'1922,'no'mesmo'
ano'em'que'o'Posto'Administrativo'de'Cazombo'(hoje'sede'municipal)'foi'instalado.'

! 38!
culturais' dos' povos' que' vivem' no' Alto' Zambeze' –' “was' almost' certainly' one' of' the' most'

powerful'mechanisms'of'acculturation'used'by'the'nama'kungu'(...)”'(Papstein'1978:173).''

A' mukanda' era' a' principal' instituição' onde' se' transmitia' um' conjunto' de'

conhecimentos,'práticas'e'técnicas'trazidas'da'Musumba,'o'que'se'dava'no'longo'período'de'

reclusão'dos'neófitos.'Segundo'o'autor,'ela'não'existia'na'região'antes'da'dominação'do'clã'

Nama# Kungu' e' sua' difusão' teria' respondido' a' uma' estratégia' de' “aculturação”,' que'

contribuiu' ao' mesmo' tempo' para' a' formação' de' uma' unidade' étnica:' “the' historical'

importance'of'the'mukanda'is'that'it'provides'an'important'mechanim'of'ethnic'realigment'

and' that' it' is' the' second' crossEtribal' feature,' after' the' clan,' to' give' visible' form' to' the'

cultural'unity'of'the'Upper'Zambezi.”'(1978:179)''

Papstein'também'assinala'que'a'mukanda'não'havia'sido'mencionada'nas'tradições'

orais'luvale'até'a'gestão'de'Cinyama'ca'Ngambo,'estando'assim'particularmente'associada'

ao'período'de'maior'expansão'do'clã'Nama#Kungu,'a'partir'do'século'XVIII.'Segundo'o'autor,'

aquele' chefe,' em' particular,' forçava' homens' de' grupos' mbwela' conquistados' a' passarem'

pelo'ritual.'Se,'por'um'lado,'isso'colocava'os'grupos'conquistados'em'posição'de'igualdade'

com'os'Luvale,'uma'vez'que'passavam'a'ter'acesso'aos'mesmos'códigos,'conhecimentos'e'

técnicas'que'os'últimos,'por'outro,'conduziu'à'criação'de'uma'mukanda'específica'para'os'

chefes,'restrita'aos'descendentes'legítimos'do'clã'Nama#Kungu'(1978:178).''

Kakenge'Civanda'Sakayongo'sucedeu'à'chefia'de'Cinyama'ca'Ngambo,'assumindo'o'

título' de' Cinyama' no' período' auge' da' ofensiva' luvale.' Considerando' todo' esse' contexto'

narrado' anteriormente,' é' possível' imaginar' a' sua' festa' –' a' mesma' que' deu' origem' ao'

Festival'que'é'o'objeto'desta'tese'–'como'uma'arena'comemorativa'e'ostentadora'da'nova'

cultura'emergente'e'em'que,'nos'bastidores,'se'estabeleciam'acordos'e'se'afinavam'táticas'

e'estratégias'de'guerra.''

! 39!
Já'na'minha'primeira'viagem'ao'Alto'Zambeze,'em'2012,'contaramEme'a'“história'de'

origem”' do' Festival,' que' remonta' aos' tempos' de' Civanda' Sakayongo.' Essa' história' será'

transcrita' na' íntegra' no' Capítulo' 1,' mas,' resumidamente,' ela' diz' que' Kakenge' reunia'

anualmente' todos' os' chefes' luvale' em' sua' nganda' para' discutirem' questões' políticas,'

econômicas,'sociais,'sobretudo'militares;'depois'do'que,'matavamEse'bois,'bebiaEse'muito'e'

viaEse'o'povo'dançar'e'cantar'a'noite'inteira.'A'relação'da'festa'de'Kakenge'com'a'guerra'e'a'

expansão'da'chefia'Nama#Kungu'me'parece'óbvia,'mas'quais'seriam'as'razões'e'motivações'

dela'ter'sido'reeditada'nos'novos'tempos'de'paz'em'Angola'e'quando'a'expansão'dos'povos'

tradicionais'já'se'encontra'neutralizada'pelas'fronteiras'nacionais?''

''

'

'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'

! 40!
'
'

'

'

'

'

'

'

PARTE''

I.'

'

'

LIKUMBI#LYA#VAKA#CINYAMA#

[O'DIA'DOS'FILHOS'DE'CINYAMA]'

'

'

'

'

'

'

'

'

! 41!
CAP.'1'

ENSAIOS,'MONTAGEM'

'

'

'

A.''

[MUZALA'E'A'COFETRAL]'

'

Cheguei'no'Cazombo,'em'2012,'numa'noite'de'sexta'feira.'Faltava'pouco'menos'de'um'mês'

para' o' início' do' Festival' e' boa' parte' da' população' luvale' que' vive' no' Alto' Zambeze' e'

também'representações'da'Zâmbia'e'do'Congo'se'preparavam'para'alcançar'a'vila'nos'dias'

seguintes.' Fernando' Muzala,' o' chefe' da' Seção' de' Cultura' do' Município,' estava' a' minha'

espera.''

De'olhar'sincero'e'gestos'delicados,'Muzala'se'revelou,'desde'o'princípio,'um'porto'

seguro.'Eu'viajava'há'três'dias'e'tinha'sofrido'dois'acidentes'no'caminho.'As'estradas,'ruínas'

do'tempo'colonial,'ainda'estavam'em'vias'de'serem'reparadas'por'empresas'estrangeiras'e'

incluíam' trechos' de' extensos' areais' e' outros' coalhados' de' crateras' tão' grandes,' que' a'

explicação' de' que' seriam' marcas' de' bombardeios' ocorridos' na' última' guerra' não' me'

pareceu'absurda.'Além'do'cansaço'da'viagem,'havia'também'o'medo'da'malária2'e'de'ser'

atingida' por' uma' mina3,' fora' o' receio' natural' de' viajar' sozinha,' mulher,' branca,' para' o'

interior' “profundo”' de' África.' No' entanto,' foi' a' súbita' mudança' nos' planos' originais' da'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
2
'A' malária' (ou' paludismo)' é' endêmica' nas' dezoito' províncias' de' Angola,' constituindo' a' principal' causa' de'
morte'no'país,'segundo'dados'oficiais'do'Programa'Nacional'do'Controlo&da&Malária&(Ministério&da&Saúde&de&
Angola'2011).'
3
'No' perído' em' que' realizei' meu' trabalho' de' campo' no' Alto' Zambeze,' o' município' encontravaEse' ainda' em'
pleno'processo'de'desminagem,'assim'como'muitas'outras'zonas'rurais'de'Angola.'

! 42!
pesquisa,'que'previam'permanência'mínima'em'Cazombo'e'rápido'deslocamento'para'uma'

área' de' aldeia,' o' que' particularmente' me' tirou' do' eixo.' Nesse' contexto,' a' presença' de'

Muzala'se'tornou'fundamental.''

Em'nenhum'momento,'ele'se'relacionou'comigo'como'um'mero'funcionário'público,'

cumprindo'exclusivamente'o'protocolo'necessário'para'legalizar'minha'presença'na'área'e'

criar' condições' mínimas' para' a' realização' do' meu' trabalho.' Muzala' acreditava' no' papel'

positivo'que'a'pesquisa'poderia'ter'para'os'Luvale.'Mais'que'isso,'logo'ficou'claro'que'minha'

presença'no'Alto'Zambeze'tinha'para'ele'um'interesse'particular,'talvez'compartilhado'por'

um' grupo' maior' do' qual' fazia' parte,' e' não' foi' à' toa' que' ele' se' envolveu' no' meu' projeto'

como'se'fosse'seu.''

Muzala' é' luvale' e' isso' não' era' irrelevante,' principalmente' levandoEse' em'

consideração' o' fato' de' que' o' Alto' Zambeze' é' ocupado' por' populações' LundaENdembu' e'

Luvale' e' que' os' dois' grupos' encontravamEse' em' disputa. 4 'Em' junho' de' 2012,' quando'

cheguei' a' Luena' –' entreposto' obrigatório' para' o' pesquisador' que' quer' trabalhar' no'

Cazombo'ou'imediações'–,'soube'pelo'Diretor'Provincial'da'Cultura'do'Moxico,'o'Sr.'Noeli,'

que'os'Ndembo'estavam'a'fomentar'o'“tribalismo”'na'área,'investindo'contra'os'Luvale.'A'

atual' rainha' Nyakatolo' chegara' a' ser' vítima' de' um' atentado' e,' embora' não' tenha' sido'

diretamente'atingida,'sua'casa'e'seu'carro'tiveram'os'vidros'das'janelas'partidos.'De'modo'

que,' se' o' chefe' da' Seção' de' Cultura' do' Alto' Zambeze,' na' ocasião' em' que' cheguei' ao'

Cazombo,'fosse'Ndembu,'possivelmente'uma'pesquisa'sobre'a'cultura'luvale'não'teria'tido'

uma'recepção'tão'positiva.'Mas'Muzala'é'luvale'e'isso'não'é'tudo.'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
4
'Como'mencionado'em'nota'anteriormente,'o'município'do'Alto'Zambeze'encontraEse'hoje'dividido'em'sete'
comunas:' Cavungo,' Caianda,' Calunda,' Lóvua,' Macondo,' LumbalaEKakengue' e' Cazombo,' a' sede' do' município'
(ver'Mapa'3.).'Desse'conjunto'de'comunas,'ao'menos'duas,'Calunda'e'Lóvua,'são'majoritariamente'ocupadas'
por'grupos'lundaEndembu'e'duas,'Caianda'e'Macondo,'dividida'entre'populações'lunda'e'luvale.'Entretanto,'
mesmo' nas' comunas' com' predominância' luvale' (Cazombo,' Cavungo' e' LumbalaEKakengue)' encontramEse'
grupos'ndembu,'especialmente'nas'áreas'de'maior'concentração'populacional,'como'é'o'caso'de'Cazombo;'da'
mesma'forma'que'nas'comunas'de'maior'concentração'ndembu'também'é'possível'encontrar'grupos'luvale.'

! 43!
Nasceu'num'“bairro”5'periférico'de'Cazombo,'em'1959.'Vinte'anos'depois,'assumiu'

seu'primeiro'cargo'no'governo,'como'funcionário'do'“comércio”,'ficando'responsável'pelas'

mercadorias' que' chegavam' à' vila.' Resistiu' à' primeira' ocupação' da' UNITA6'na' região,' que'

durou'três'anos,'de'1983'a'1985'–'período'marcado'por'intenso'fluxo'de'luvales'em'direção'

à' Zâmbia.' Embora,' o' MPLA' tenha' reconquistado' o' Cazombo' em' 1985,' os' conflitos' não'

cessaram'na'área.'Aqueles'que'resistiram,'viviam'num'“vai'e'vem”'constante'entre'a'sede'do'

município'e'os'bairros'mais'afastados.'Segundo'me'contou,'nos'períodos'em'que'a'guerra'se'

acirrava,'“todos'fugiam'para'os'arbustos,'ninguém'queria'receber'mísseis'na'cabeça,'a'vila'

ficava'vazia”.''

Em' 1992,' Muzala' trabalhou' para' as' eleições' presidenciais7.' Como' nunca' havia' se'

rendido,' nem' se' filiado' à' UNITA,' o' governo' entendeu' que' ele' estava' do' seu' lado' e' o'

convocou'para'atuar'como'mesário'e'fiscal'em'uma'das'sessões'eleitorais'do'Alto'Zambeze.'

Imediatamente,'passou'a'ser'perseguido'pela'oposição'e,'antes'que'“cortassem'sua'orelha”,'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
5
'Bairro'é'um'termo'bastante'difundido'na'área'do'Alto'Zambeze'em'que'trabalhei.'Normalmente,'designa'um'
aglomerado' populacional' vinculado' a' um' chefe' tradicional' (soba)' específico,' ie.,' designa' uma' chefia.' A'
população'luvale'encontraEse'organizada'na'região'em'comunas'e'bairros,'sendo'os'primeiros'unidades'mais'
abrangentes' que' os' últimos.' Comuna' é' um' termo' oficial' e' constitui' o' terceiro' nível' das' unidades'
administrativas' em' Angola,' depois' dos' municípios.' Bairro' é' um' termo' informal,' usado' para' identificar'
diferentes' chefias' dentro' de' uma' mesma' comuna.' Cada' uma' das' sete' comunas' do' Alto' Zambeze' reúne' um'
número' mais' ou' menos' grande' de' bairros' (ou' chefias).' Cada' bairro' é,' geralmente,' conhecido' pelo' nome' do'
chefe'que'o'representa.''
6
'União'Nacional'para'a'Independência'Total'de'Angola'(UNITA),'movimento'angolano'anticolonialista,'e'depois'
antiEMPLA,'fundado'em'1966.'Atualmente,'é'o'maior'partido'político'de'oposição'em'Angola.'Durante'a'guerra'
civil'(1975E2002),'a'UNITA'estabeleceu'sua'principal'base'no'leste'de'Angola'(província'do'Moxico).'Com'forte'
penetração' na' região' do' atual' município' do' Alto' Zambeze,' ela' controlou' esse' território' de' 1983' a' 1985' e,'
depois,'de'1992'a'1995.''''
7
'Na'década'de'90'do'século'passado,'uma'série'de'acordos'internacionais,'envolvendo'os'EUA,'a'URSS,'e'os'
partidos'angolanos'MPLA'e'UNITA,'procuraram'garantir'o'fim'da'guerra'civil'e'o'início'da'transição'democrática'
em'Angola.'Esse'contexto'permitiu'a'convocação'de'eleições'gerais'em'1992.'O'processo'eleitoral'ocorreu'sem'
maiores' complicações,' tendo' o' MPLA' saído' vitorioso,' conquistando' não' apenas' a' maioria' absoluta' dos'
assentos' no' parlamento,' mas' também' reelegendo' José' Eduardo' dos' Santos' (presidente' em' exercício' desde'
1979).'A'votação,'no'entanto,'não'foi'reconhecida'pela'UNITA,'que'retomou'a'ofensiva'no'final'daquele'mesmo'
ano.'O'processo'de'transição'democrática'foi'reiniciado'apenas'em'2002,'quando'morre'Savimbi'(presidente'
da'UNITA)'e'a'paz'é'finalmente'decretada'em'Angola.'
'

! 44!
entrou' no' avião' que' levava' as' atas' da' votação' para' Luena' e' não' voltou' antes' de' 2002,'

deixando'mulher'e'filhos'para'trás.''

No'período'em'que'esteve'em'Luena,'assumiu'o'cargo'que'ocupa'hoje'no'governo:'

chefe'da'Seção'de'Cultura,'Organização'e'Desporto'do'Alto'Zambeze,'o'qual'é'subordinado'à'

Repartição'da'Área'Social,'que'inclui'também'as'sessões'de'Reinserção'Social'e'Promoção'da'

Mulher.'Ainda'durante'o'exílio,'ele'e'mais'um'grupo'de'“intelectuais'luvale”'–'aqueles'que'

“foram' fortes”' e' não' deixaram' o' país,' segundo' as' palavras' de' Muzala' –' fundaram' a'

COFETRAL8,'que'é'o'comitê'responsável'pela'promoção'do'Festival'Luvale'em'Angola.'Com'

seu'português'angolano,'foi'assim'que'Muzala'definiu'as'muitas'funções'que'exerce'hoje'na'

COFETRAL:'

'(...)' Na' COFETRAL,' que' é' o' Comitê' do' Festival' Tradicional' Luvale,' eu' exerço' lá'
muitas' funções.' Eu' sou' ‘observador’,' ver' as' coisas' como' estão' a' andar...' Sou'
‘conselheiro’' lá' e,' ao' mesmo' tempo,' também' sou...' Tenho' outra' função,' por'
exemplo,'onde'haver'falhas'eu'logo'me'empenho.'Sou'também'‘portaEvoz’'e'sou'‘a'
pessoa'mais'direta'na'rainha'Nyakatolo,'a'quem'eu'recebo'informações'e'entrego'
nos' outros,' e' as' informações' que' os' outros' me' derem' também' eu' transportoEos'
para'a'rainha.'[Muzala,'25E08E2013,'clip'2045.'Falado'em'português]'
'

Não' demorou' muito' para' eu' entender' que' minha' pesquisa,' fosse' ela' baseada' em'

rituais' tradicionais' ou' no' próprio' Festival,' reforçava' um' projeto' local,' já' em' curso' e'

capitaneado'pela'COFETRAL,'de'recuperação,'preservação'e'divulgação'da'“cultura”'luvale.'

Em'setembro'de'2013,'exatamente'no'último'dia'de'meu'trabalho'de'campo'no'Leste'

de'Angola,'conversei'com'Francisco'Ciwende,'figura'muito'citada'por'Muzala'e,'segundo'ele,'

o'idealizador'da'COFETRAL.'Ciwende'vive'em'Luena,'lecionando'geografia'no'ensino'médio'

da'capital.'É'um'verdadeiro'intelectual'luvale,'pesquisador'autodidata'da'história'e'cultura'

do'seu'povo.'Nos'anos'1990,'foi'até'a'Zâmbia'acompanhar'o'Likumbi#Lya#Mize,'trazendo'na'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
8
'COFETRAL'–'Comitê'Festival'Tradicional'Luvale,'fundado'na'cidade'de'Luena'(capital'da'Província'do'Moxico,'
Angola),'em'2002.'

! 45!
volta' a' notícia' da' festa,' que' para' ele' não' tem' outro' sentido' senão' o' de' mostrar' que' “ali'

existe'um'povo”.''

'
A'festa'era'o'meio'através'do'qual'os'Luvale'seriam'reconhecidos.'Reconhecidos'no'
sentido' de' que' existe' ali' um' povo,' existe' aí' o' povo' tal,' que' é' o' povo' Luvale,' que'
tem'uma'vida.'Qual'é'essa'vida?'É'a'vida'que'a'gente'apresenta'exibindo'nesse'dia'
[da'festa].'[Ciwende,'12E09E2013,'clips'1810'e'1812.'Falado'em'português]'
'

Segundo'Ciwende,'ao'darem'visibilidade'à'vida'dos'Luvale,'eles'estariam,'ao'mesmo'

tempo,' preservando' essa' vida,' “essas' formas,' esses' usos,' esses' costumes' que' hoje' estão'

acabando,'(...)'que'a'modernidade'está'matando.”'(Ciwende,'12E09E2013,'clips'1810'e'1812)''

Quando' lembro' do' entusiasmo' de' Muzala' diante' de' minha' chegada' no' Cazombo,'

suponho'que,'para'ele,'minha'pesquisa'fosse'mais'uma'forma'de'mostrar'que,'nos'confins'

do'extremo'Leste'de'Angola,'existe'um'povo'e'esse'povo'é'o'Luvale.'Ao'mesmo'tempo,'ela'

indicava' que' o' investimento' realizado' pela' COFETRAL' até' aquele' momento,' com' a'

promoção'da'festa,'tinha'dado'certo.'Os'Luvale'já'existiam'e'por'isso'eu'estava'ali.'

'

'

'

B.'

[NYAKATOLO'CILOMBO]'

'

A' primeira' coisa' que' Muzala' fez' depois' de' encaminhar' a' papelada' que' legalizaria' minha'

presença' no' município' foi' me' conduzir' até' a' imbala' (casa)' da' rainha' Nyakatolo,' a' quem'

entreguei' uma' colcha' estampada' com' a' cabeça' de' uma' onça' –' comprada' no' mercado'

popular'de'Luena,'por'sugestão'do'Sr.'Noeli'–,'em'gesto'de'respeito'e'amizade.'

! 46!
Na'presença'da'rainha,'Muzala'se'ajoelhou,'indicando'que'eu'fizesse'o'mesmo,'e'me'

ensinou'a'saudação'ritual'dispensada'aos'reis'e'rainhas,'aos'sobas#e'regedores9:'de'cabeças'

baixas' e' olhares' voltados' para' o' chão,' batemos' palmas' ritimadas.' Ela' sorriu' ao' me' ver'

naquela' situação,' agindo' como' um' Luvale,' e,' descontraidamente,' nos' conduziu' até' a'

varanda' da' casa,' onde' sentamos' à' sombra,' para' que' eu' pudesse' lhe' contar' dos' meus'

interesses'em'sua'terra.''

Falei'da'parceria'que'vínhamos'construindo'com'o'Ministério'da'Cultura'de'Angola'e'

a'Direção'Nacional'de'Museus;'do'trabalho'iniciado'por'Bruno'Sotto'Mayor'há'mais'de'dois'

anos'entre'os'Cokwe'do'Moxico'e'de'nossa'perspectiva'de'colaboração'e'investimento'em'

um' estudo' comparativo' no' futuro;' além,' é' claro,' dos' meus' objetivos' mais' particulares' de'

pesquisa,' em' relação' aos' rituais' e' cerimônias' tradicionais' luvale.' “Aqui,' agradecemos'

quando'o'visitante'chega'em'nossa'casa'e'você'veio'de'muito'longe'para'conhecer'e'estudar'

a'cultura'luvale”,'disseEme'em'sua'própria'língua,'com'tradução'simultânea'de'Muzala'para'

o' português.' Demonstrou' estar' muito' satisfeita' com' minha' chegada' no' Cazombo,' às'

vésperas'da'festa.'“Essa'doutora'deu'sorte”,'repetiu'algumas'vezes.''

Nyakatolo' foi' quem' me' convenceu' a' não' me' precipitar' na' escolha' do' que'

exatamente' iria' estudar' entre' os' Luvale,' nem' da' área' em' que' o' faria.' Sua' sugestão' foi' de'

que'esperasse'a'festa,'porque'ela'me'daria'“pistas”.'Acatei'o'conselho.'O'que'nenhuma'de'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
9
'Nomes' usados' em' Angola' para' identificar' diferentes' posições' na' hierarquia' do' poder' tradicional,' que'
encontraEse' dividida' em' três' categorias' principais' reconhecidas' pelo' governo' angolano:' regedor' (ou' soba'
grande),' soba' e' sobeta.' Enquanto' o' regedor' é' o' representante' tradicional' no' nível' da' comuna' –' cargo'
normalmente'ocupado'pelo'chefe'tradicional'sênior'da'região'circunscrita'por'tal'unidade'administrativa'–,'o'
soba#é'o'representante'no'nível'das'chefias'(chamadas'contemporaneamente'de'bairros)'e'o'sobeta,'no'nível'
das' pequenas' povoações,' em' geral,' relacionadas' a' núcleos' familiares' específicos.' Segundo' a' estrutura'
segmentar'da'chefia'luvale,'todo'sobeta'é'subordinado'a'um#soba'e,'os'dois'juntos,'vinculados'a'um'regedor'a'
quem' deviam' respeito.' A' rainha' Nyakatolo' é' o' título/cargo' mais' inclusivo' entre' os' Luvale.' Sobas,' sobetas,'
regedores,'reis'e'rainhas'estão'incluídos'na'categoria'mais'abrangente'de'“autoridades'tradicionais”.'Segundo'
dados' oficiais' da' Administração' do' Alto' Zambeze,' só' no' município' existem' 464' “autoridades' tradicionais”,'
sendo'uma'rainha,'12'regedores,'105'sobas,'288'sobetas,'6'ajudantes'de'regedores'e'52'ajudantes'de'sobas.'
Todas'as'“autoridades'tradicionais”'de'Angola'recebem'hoje'subsídios'do'governo'e'somam'mais'de'40'mil'em'
todo'o'país'(http://novojornal.co.ao/Artigo/Default/46209,'29E04E2014).'

! 47!
nós' poderia' imaginar' naquele' momento' era' que' o' Festival,' ele' mesmo,' se' converteria' no'

objeto'central'da'pesquisa.''

Desde' o' início,' a' rainha' sinalizou' apoio' irrestrito' ao' meu' trabalho,' tão' consciente'

quanto' Muzala' dos' benefícios' que' ele' poderia' trazer' para' os' Luvale,' no' sentido' de' dar'

visibilidade'e'legitimidade'à'sua'“vida”.'Comentei'que'no'último'ano'tinha'lido'uma'série'de'

trabalhos' sobre' os' Luvale.' Não' eram' muitos,' mas' suficientes' para' constituir' um' campo.'

Porém,' o' que' mais' me' chamou' a' atenção' é' que' todos' aqueles' estudos' se' referiam' aos'

Luvale'assentados'na'Zâmbia.'“Em'razão'da'guerra'civil,'nos'últimos'40'anos,'nada'ou'muito'

pouco' foi' publicado' sobre' os' Luvale' de' Angola”,' eu' disse.' Minha' fala' impactou' tanto' a'

rainha,' como' a' Muzala,' porque' reforçava' uma' ideia' corrente' entre' eles' de' que' o' povo'

Luvale,' de' forma' geral,' encontravaEse' marginalizado,' sobretudo' os' de' Angola,' dispersos' e'

desorganizados,'como'costumavam'dizer,'em'função'da'guerra.10''

Sobre' o' lugar' marginal' em' que' julgavam' se' encontrar,' Ciwende' comentaria,' mais'

tarde:'

Esta'região'é'conhecida'como'região'luvale'desde'a'colonização.'O'rio'é'rio'Luena,'
a'cidade'é'cidade'Luena,'o'povo'é'Luena,'mas'não'aparece'nem'na'televisão'(...).'
Acha' justo?' Eu' julgo' isso' estar' estigmatizado,' estar' marginalizado.' E' depois' os'
Luvale' tem' pouca' sorte,' sabe?' No' Congo,' estão' praticamente' na' parte' Sudoeste;'
em'Angola,'estão'na'parte'Leste;'portanto,'sempre'muito'distantes'das'capitais.'Na'
Zâmbia' estão' na' parte' Oeste,' muito' longe' das' capitais.' Nem' um,' nem' outro'
governo' prestam' muita' atenção.' [Ciwende,' 12E09E2013,' clip' 1812.' Falado' em'
português]'
'

Naquele'dia,'a'rainha'nos'convidou'para'jantar'em'sua'casa.'Durante'esse'encontro,'

ela' contou' um' pouco' de' sua' história' e' também' a' das' rainhas' que' lhe' antecederam.' Falou'

com' orgulho' do' papel' de' Nyakatolo' Ngambo' na' demarcação' das' fronteiras' nacionais.'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
10
'Papstein'(1989)'também'comenta'o'desconforto'dos'Luvale'da'Zâmbia'com'o'lugar'marginalizado'em'que'se'
encontravam' no' cenário' nacional' em' meados' do' século' XX,' e' relaciona' isso' ao' seu' esforço' em' elaborar'
documentos'que'comprovavam'sua'ligação'histórica'com'o'estado'Lunda'e,'consequentemente,'a'antiguidade'
de'seus'chefes.''

! 48!
Soberana' na' segunda' metade' do' século' XIX,' Ngambo' mantinha' boas' relações' comerciais'

com' a' coroa' portuguesa,' a' quem' garantiu' o' território' do' Alto' Zambeze,' que' controlava'

militarmente.''

Em' 2013,' quando' estive' no' Cazombo' pela' segunda' vez,' gravei' uma' nova' conversa'

com' a' rainha,' mais' uma' vez' com' tradução' simultânea' de' Muzala' para' o' português.' Na'

ocasião,' ela' me' contou' das' relações' que,' por' sua' vez,' Nyakatolo' Cisengo,' sua' avó,' que'

reinou'cerca'de'um'século'depois'de'Ngambo,'manteve'com'o'MPLA,'ainda'quando'este'era'

apenas'um'movimento'próEindependência,'na'guerrilha'contra'a'ditadura'portuguesa.''

'

O' MPLA,' quando' estava' na' sua' guerrilha,' marcava' audiência' com' a' rainha'
Nyakatolo,' nas' escondidas.' Eles' explicavam' tudo,' qual' a' sua' tendência' para' com'
essa' luta.' Então,' ela' transmitia' tudo' aos' restantes' sobas# e' eu' não' escapava,'
sempre' tinha' informações' da' avó,' e' também' a' avó' proibia' de' denunciar.' Então,'
calava'mesmo'com'aquela'informação.'(...)'Ela'tinha'um'bom'relacionamento'com'
os'guerrilheiros'do'MPLA,'com'o'próprio'MPLA'mesmo.'(...)'Foi'muito'maravilhoso'
quando'recebemos'a'independência,'porque'o'Agostinho'Neto'quando'vinha'aqui,'
que' tiveram' feito' um' encontro' entre' a' rainha' Cisengo' e' o' Dr.' Antônio' Agostinho'
Neto,' falecido,' também' eu' estava' lá' presente.' [Nyakatolo,' 26E08E2013,' clip' 1074.'
Falado'em'luvale.'Tradução:'Muzala]'
'

Lurdes' Cilombo' (seu' nome' civil)' nasceu' em' nana# kandundu,' como' é' popularmente'

chamada'a'comuna'de'Cavungu,'na#imbala'da'rainha'Nyakatolo'Kutemba,'sua'bisavó.'Ainda'

jovem,'assumiu'o'título'de#soba'Nyakaumba'e,'consequentemente,'o'bairro'que'era'próprio'

a' esse' título,' o' qual' ficava' localizado' nos' arredores' de' Cazombo,' próximo' ao' rio'

Mangwagwa.'No'período'que'antecedeu'à'independência,'com'o'acirramento'da'guerrilha'

do' MPLA' na' região,' os' portugueses' deslocaram' as' chefias' mais' afastadas' para' junto' dos'

centros'administrativos.'Nesse'processo,'o'bairro'(ou'chefia)'de'Nyakaumba'foi'transferido'

para'Cazombo.11'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
11
'Esse'processo'de'concentração'das'chefias'mais'distantes'em'torno'dos'centros'administrativos'foi'o'que'deu'
origem' às' comunas.' Segundo' meus' dados' de' campo,' no' período' préEindependência,' entre' os' anos' 1940' e'
1960,'quando'a'guerrilha'do'MPLA'avançou'sobre'a'região,'o'governo'português'interviu'significativamente'no'

! 49!
Com'o'surgimento'da'guerra'[de'independência],'foram'tirados'todos'que'estavam'
distantes'desta'vila'e,'vindo'aqui'próximo,'todos'fomos'colocados'aqui'no'centro,'
na'sede'do'município,'que'é'para'sermos'controlados,'para'sermos'vigiados,'para'
que'os'guerrilheiros'não'nos'matem,'essa'era'a'política'deles.''[Nyakatolo,'26E08E
2013,'clip'1074.'Falado'em'Luvale.'Tradução:'Muzala]'
'

Nessa' época,' muitas' famílias' seguiram' para' o' exílio,' sobretudo' aquelas' que' se'

encontravam' próximas' às' fronteiras.' Os' núcleos' assentados' na' região' do' Cazombo,' no'

entanto,'em'sua'maioria,'não'encontraram'meios'de'deixar'o'Alto'Zambeze'naquela'altura,'o'

que' veio' a' ocorrer' em' massa' apenas' mais' tarde,' com' a' guerra' civil.' Cilombo' fugiu' para' a'

Zâmbia' quando' a' UNITA' tomou' o' município,' em' 1983,' fixandoEse' em' Chavuma,' distrito'

zambiano' que' concentrava' a' maior' parte' dos' refugiados' angolanos.' Ficou' lá' até' 2002,'

quando' morreu' Savimbi12'e' a' paz' se' consolidou' em' Angola,' depois' de' quase' 40' anos' de'

guerra.'

Antes' disso,' porém,' Cilombo' já' havia' sido' procurada' por' familiares' que' viviam'

exilados'em'Luanda'e'Luena'e'que,'por'isso,'tinham'mais'facilidade'de'se'deslocar'para'fora'

do'país,'fazendoEo'por'via'aérea,'sem'que'precisassem'atravessar'as'áreas'de'maior'conflito'

armado.' Eles' a' procuraram,' porque' sua' avó,' Nyakatolo' Cisengo,' havia' falecido' e' queriam'

que'ela'assumisse'o'seu'lugar.'Mas'Cilombo'preferiu'esperar'que'a'situação'em'Angola'se'

normalizasse'por'completo.'Assumiu'o'trono'em'2003,'numa'grande'festa'de'entronização,'

realizada'no'Cazombo.'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
padrão' tradicional' de' assentamento' dominante' no' município,' deslocando' as' povoações' mais' afastadas' para'
junto'dos'centros'administrativos,'facilitando,'assim,'o'seu'controle.'Até'então,'as'chefias'luvale'localizavamEse'
em' áreas' distintas' e' separadas' por' longas' distâncias' umas' das' outras.' Por' sua' vez,' cada' uma' delas' ocupava'
uma' larga' extensão' territorial,' ao' longo' da' qual' os' núcleos' familiares' (pequenas' aldeias)' encontravamEse'
dispersos,' em' geral,' fixados' na' beira' dos' rios.' Com' a' intervenção' do' governo,' não' apenas' esses' núcleos'
familiares' foram' obrigados' a' se' concentrar' próximo' à' nganda' (casa)' do' soba# ao' qual' estavam' conectados,'
dando' origem' ao' que' passou' a' ser' chamado' de' bairro,' como' as' próprias' chefias' como' um' todo' foram'
deslocadas'para'junto'dos'postos'administrativos'–'implantados'na'região'desde'os'anos'1920'–,'formando'as'
atuais'comunas.'
12
'Principal'líder'da'UNITA,'morto'em'2002,'na'Provincia'do'Moxico'(Angola),'pelas'Forças'Armadas'Angolanas.'

! 50!
' Em' conversa' que' tivemos' em' 2013' a' respeito' do' Festival' Luvale,' ela' me' disse,' em'

tom' irônico,' segundo' a' tradução' de' Muzala:' “Se' vocês' fazem' o' vosso' carnaval,' porque' os'

outros'não'podem'fazer'também?'Esse'é'o'nosso'carnaval!”'–'deixando'claro'que'o'nível'de'

popularidade'que'ela'esperava'de'sua'festa'não'era'pequeno,'não'(ver'Fig.'1).''

'

'

'

C.'

[O'“HISTORIAL”'DA'FESTA]'

'

Muzala'se'diferenciava'dos'demais'funcionários'da'“cultura”'que'conheci'no'leste'de'Angola'

por' ser,' ao' mesmo' tempo,' funcionário' do' governo' e' um' dos' principais' conselheiros' da'

rainha' Nyakatolo.' Por' conta' de' sua' dupla' atuação,' em' quadros' do' governo' e' da' tradição,'

não'encontrei'dificuldade'para'obter'apoio'de'ambas'as'partes.''

Por' um' lado,' tive' o' respaldo' da' administração' municipal,' que' me' favoreceu' de'

maneiras' diversas,' por' exemplo,' cedendo' espaço' para' recarregar' meus' equipamentos'

eletrônicos'e'acessar'a'internet.'Além'disso,'sempre'que'havia'gente'do'governo'hospedado'

no'“Palácio'da'Administração”,'eu'podia'lá'fazer'as'minhas'refeições.'Em'2012,'isso'ocorreu'

com'muita'frequência,'já'que'estávamos'às'vésperas'das'“Eleições'Gerais”'e'a'circulação'de'

membros'do'partido'no'município'era'intensa.13''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
13
'As' “Eleições' Gerais”' de' 2012' constituíram' o' segundo' processo' eleitoral' realizado' em' Angola' desde' 1992,'
quando' uma' série' de' acordos' internacionais' procuraram' garantir,' sem' sucesso,' o' início' da' transição'
democrática' e' o' fim' da' guerra' civil' no' país.' Diante' da' retomada' da' ofensiva' ainda' naquele' ano,' a' transição'
democrática' só' foi' retomada' depois' de' 2002,' com' a' consolidação' da' paz.' Assim,' em' 2008,' realizaramEse'
eleições' parlamentares,' através' das' quais' o' MPLA' conquistou' 81%' dos' votos' e' a' UNITA' apenas' 10%,' o' que'
correspondia'a'191'assentos'para'o'primeiro'partido'e'16'para'o'segundo'(Wheeler'&'Pélissier'2011:375).'Com'
maioria' absoluta' no' parlamento,' o' MPLA' aprovou,' em' 2010,' uma' nova' constituição' que' previa,' ao' invés' da'
realização'de'eleições'presidenciais'e'legislativas'separadamente,'a'realização'de'“Eleições'Gerais”,'por'meio'

! 51!
Por'outro'lado,'desde'o'início,'tive'também'o'apoio'das'autoridades'tradicionais,'em'

especial,' o' aval' da' rainha' Nyakatolo.' Esse' apoio' legitimou' a' pesquisa' no' interior' da'

comunidade' luvale,' facilitando' minha' entrada' nos' espaços' mais' internos' e' restritos' de'

organização' e' realização' do' Festival,' assim' como' a' comunicação' com' as' pessoas' que'

circulavam'por'–'e'dinamizavam'–'aqueles'espaços.''

Muzala'me'apresentou'e'me'colocou'em'contato'com'a'maior'parte'das'pessoas'que'

vieram' a' ser' importantes' para' o' avanço' da' pesquisa,' da' rainha' Nyakatolo' e' os' chefes'

tradicionais'mais'ligados'a'ela,'aos'membros'da'comissão'organizadora'do'Festival,'passando'

pelos' líderes' dos' principais' grupos' culturais' participantes' do' evento.' Ele' me' deu' acesso'

privilegiado'a'todo'o'esquema'de'organização'da'festa'e,'consequentemente,'às'questões'e'

dilemas'que'atravessavam'o'diaEaEdia'da'comissão'organizadora,'da'qual'fazia'parte.'LevouE

me,' na' garupa' de' sua' motorizada,' em' cada' fim' de' tarde' que' antecedeu' a' festa,' para'

acompanhar'os'ensaios'e'o'avanço'progressivo'da'estrutura'que'iria'comportar'o'evento.'Foi'

um'exegeta'incansável'e'cuidadoso'e,'com'o'tempo,'se'tornou'também'um'amigo.''

Terminada'a'festa'–'considerando'as'duas'edições'que'acompanhei,'em'2012'e'2013'

–,' ele' empenhou' muitas' horas' de' seus' dias' trabalhando' comigo' na' transcrição' e' tradução'

dos'cantos'e'narrativas'tradicionais'coletados,'o'que'não'foi'fácil,'uma'vez'que'ele'se'dividia'

entre' atividades' da' igreja,' do' partido' e' da' COFETRAL,' além' de' ter' que' dar' conta' de' suas'

funções'administrativas'de'rotina.'Muzala'colaborou'comigo'em'cada'passo'da'pesquisa,'do'

planejamento' à' construção' dos' dados' propriamente' dita,' de' modo' que' é,' em' grande'

medida,'coEautor'deste'trabalho.''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
das' quais' o' “cabeça' de' lista”' do' partido' mais' voltado' convertiaEse' automaticamente' no' Presidente' da'
República.' As' “Eleições' Gerais”' de' 2012' contaram' com' cerca' de' 10' milhões' de' eleitores' registrados' e' 9'
partidos' concorrentes.' O' MPLA' conquistou' por' volta' de' 42%' dos' votos' e,' assim,' a' maioria' dos' assentos' na'
Assembleia' Legislativa' Nacional.' Consequentemente,' José' Eduardo' dos' Santos' foi' (re)eleito' presidente' da'
nação.''
'

! 52!
Foi'ele'também'quem'primeiro'me'contou'a'história'da'festa.'Embora'tudo'indicasse'

que' o' Festival' Luvale' fosse' um' evento' contemporâneo,' à' semelhança' de' tantos' outros'

espetáculos' culturais' indígenas' que' se' multiplicam' pelo' mundo' nos' novos' tempos' de'

proteção'ao'patrimônio'imaterial'dos'povos,'aquele'tinha'um'de'mito'de'origem'e'esse'mito'

começa'em'Angola:'

'
Essa'nossa'festa,'ou'essa'nossa'cultura,'tem'o'seu'historial.'(...)'Isso'originou'como:'
nos' tempos' remotos,' nos' tempos' passados,' haviam' essas' guerras' de' ocupações,'
guerras' tribais,' guerras' étnicas;' então,' quem' incentiva,' ou' quem' dá' o' primeiro'
passo'para'essa'festa,'é'o'Kakenge,'o'filho'da'primeira'rainha,'que'foi'um'grande'
guerreiro' e' ninguém' lhe' aguentava,' é' o' substituto' do' Cinyama.' Era' um' homem'
feroz,'um'homem'muito'batalhante.'Ele'anualmente'convidava'regedores,'sobas'e'
sobetas,' e' também' portaEvozes' e' alguns' representantes' dos' sobas,' para' um'
encontro,' ou' para' uma' reunião' alargada.' Ali' se' abordavam' questões' militares,'
questões' políticas,' questões' econômicas,' questões' sociais' e' questões' da'
agricultura.' Cada' soba# tinha' que' dizer' da' sua' área:' como' é' que' ele' vive,' como' é'
que'vive'com'o'povo,'como'é'que'a'situação'militar'está.'As'vezes,'ele'está'sendo'
perseguido,'ameaçado.'Então,'aquele'assunto'era'tratado'e'tinha'como'resposta'o'
combater.'Nesta'questão,'a'parte'econômica,'tinha'que'se'acumular,'por'exemplo,'
a'comida'para'os'combates.'Onde'havia'carência'de'comida,'o'objetivo'era'obrigar'
o'povo'a'cultivar.'Então,'por'exemplo,'em'questões'de'guerra,'o'peixe'não'podia'
falhar,'tinha'que'pertencer'também'à'logística.''
Quer' dizer,' ali' tratavamEse' muitas' coisas' e,' por' último,' também' da' cultura,'
falavamEse'da'cultura...'É'assim'que'se'organizava'uma'forte'festa,'aquilo'era'um'
encerramento,' encerramento' do' encontro,' encerramento' da' reunião.' Ali' havia'
comida,' bebida,' batuques,' danças' diferentes,' quer' dizer,' ali' o' divertimento' era'
maior.'Havia'muitas'modalidades'que'os'povos'lá'apresentavam'de'acordo'com'a'
sua'cultura.''
Então,' aquilo' continuou' anualmente,' anualmente..' Até' que,' ultimamente,' as'
pessoas' habituaramEse.' Quer' dizer,' bastavam' convidar' os# sobas' para' esse'
encontro,' então,' os' sobas,' nas' áreas' por' onde' eles' vinham,' já' traziam' consigo'
muita'coisa,'porque'eles'sabiam'que,'no'último,'‘vamos'ter'que'beber,'vamos'ter'
que'dançar,'vamos'ter'que'alegrar,'vamos'ter'que'cantar’.'Então,'traziam'bebidas,'
traziam'comidas,'traziam'o'seu'pessoal,'e'é'assim'que'a'festa'sempre'foi'evoluindo.'
Até' que' chegou' nos' anos' em' que' o' português' estava' já' a' estender' a' sua'
colonização...' E,' também,' o' Kakenge' morreu,' e' aquilo' [a' festa]' ficou' paralisado.'
Isso'é,'se'não'me'engano,'nos'anos'20.''
'

' Muzala'conta'como'a'festa'reapareceu'na'Zâmbia'e,'mais'tarde,'também'em'Angola.'

'
Realizavam' [a' festa]' aqui' enquanto' o' povo' luvale,' ou' o' povo' luena,' já' se'
encontrava'na'Zâmbia.'Quer'dizer,'através'das'batalhas,'(...)'foram'ocupar'mesmo'
até' na' Zâmbia,' até' no' Luapula.' Então,' quando' realizavam' essas' festas,' não' quer'
dizer'que'o'povo'Luvale'não'se'encontrava'na'Zâmbia.'Não..'Já'se'encontravam.'Ele'
14
mesmo,'o'Kakenge,'foi'quem'retomou'alguns'quimbos ,'ou'algumas'aldeias,'quem'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
14
'Termo'usado'para'designar'aldeia,'ou'pequena'povoação.'

! 53!
corria' com' os' outros' no' Luapula.' (...)' Então,' com' a' desordem' da' colonização' e,'
depois,'com'a'morte'do'Kakenge...'Ele'não'morreu'à'guerra,'não...'Morreu'já'com'a'
velhice.'Com'aquela'desordem...'Aquilo'era'chicotes,'obrigar'a'pessoa'a'trabalhar'
um' trabalho' reforçado' sem' qualquer' recompensa,' batiam...' Dali,' as' pessoas'
começaram'a'se'estroçar,'outros'fugiam'pra'Zâmbia,'outros'fugiam'mesmo'aqui'no'
interior...'Aquilo'criou'uma'desorganização'no'seio'da'população'luvale.''
Então,' houve' dois' irmãos,' de' nana# kandundo,' da' comuna' de' Cavungu,' o' Jonny'
Mondela' e' seu' irmão,' o' William' Mondela,' naturais' de' Cavungu,' são' angolanos.'
Então,'o'pai'quando'foge'daqui'para'a'Zâmbia'devido'ao'trabalho'reforçado,'postoE
os'lá,'meteu'os'filhos'na'escola.'Estudaram,'estudaram,'até'quando'foram'grandes.'
Então,' estes' recordaram' daquilo' que' o' Kakenge' fazia,' já' em' coordenação' com'
outros'sobas,'o'soba#Sakavungu'e'mais'outros#sobas'de'lá'que'eu'não'me'recordo.'
Foram,'sentaram'com'eles'e'esclareceram'daquilo'que'o'Kakenge'cá'fazia.'É'assim'
que'esses'concordaram'que'tinham'que'dar'sequência'a'essa'festa.'
Então,'estavam'a'organizar..'Você'sabe,'para'se'dar'início'a'uma'coisa'é'preciso'dar'
muitas'voltas,'pra'trás,'pra'frente,'pra'trás,'pra'frente...'Até'quando'nos'anos'50'é'
que' deram' sequência' na' Zâmbia.' O' primeiro' ano' saiu' normal,' o' segundo' ano'
normal,'o'terceiro'ano'normal...'Nos'anos'60'a'festa'começou'a'subir,'até'quando'
chegaram'agora'à'etapa'em'que'está.'Por'acaso,'é'um'povo'que'se'organizou,'é'um'
povo' que' se' dedicou...' Também' não' é' uma' cultura' palpável,' é' uma' cultura' já'
antiga,' é' uma' cultura' deles.' Aí' não' há' o' que' dizer...' É' uma' cultura' mesmo,'
severamente,'dos'Luvale,'nunca'foram'buscar'cultura'dos'outros.''
Nós' aqui,' com' a' situação' da' guerra,' não' dava' para' realizar' essa' festa,' embora' o'
governo'estava'a'exigir'que'cada'povo'devia'apresentar'sua'cultura.'Nós'tínhamos'
a' nossa' cultura' a' apresentar,' conforme' estamos' a' apresentar' agora,' mas' não'
tínhamos'como'apresentar.'Os'jovens,'as'pessoas'que'deveriam'sentar'e'chegar'a'
uma'conclusão'sobre'essa'festa...'Quer'dizer,'a'desordem'também'estava'no'meio'
deles...'Fugiam'pra'cá,'outros'iam'na'tropa,'outros'fugiam'nas'cidades...'Quer'dizer,'
não'havia'quem'pudesse'recordar'dessa'festa.'Mesmo'que'recordasse,'não'haveria'
possibilidade' de' como' realizáEla...' Ora' está' o' MPLA' no' município,' ora' está' a'
UNITA...'Quer'dizer,'as'pessoas'que'tinham'mais'ideias'começaram'a'desaparecer.'
Então,'rezávamos'sempre'a'Deus'para'que'essa'guerra'conhecesse'o'seu'término,'
como'conheceu.''
Nós'agora'pensamos'em'rebuscar'os'valores'culturais'dos'Luvales.'Como?'É'a'partir'
dessa' festa.' Recordamos' o' Kakenge.' Se' os' zambianos' realizam' também,' são'
provenientes'de'cá.'Mas'se'realizam'essa'festa'na'Zâmbia,'pensamos'nós'agora'em'
transladar' aquela' festa' para' aqui' na' terra' de' origem.' [Muzala,' 25E08E2013,' clip'
1046.'Falado'em'português]'
'

'

'

D.'

[A'VAMBUNDA]'

'

Quando'cheguei'à'vila'em'2012,'apenas'parte'da'estrutura'física'da'festa'estava'levantada.'

Em' um' terreno' relativamente' afastado' do' centro' de' Cazombo' e' conhecido' pelo' nome' de'

! 54!
vambunda' (terra' vermelha),' um' gigantesco' “palco”' de' terra' batida' era' construído,' com'

espaços'reservados'ao'público'comum'nas'laterais'e'ao'fundo.'Na'plateia'principal,'de'frente'

para' a' qual' todo' espetáculo' aconteceria,' estavam' sendo' preparados' os' camarotes'

destinados'às'entidades'de'governo'e'às'autoridades'tradicionais,'além'do'dossel'especial'da'

rainha'Nyakatolo'(ver'Figs.'2'e'3).'De'modo'geral,'a'base'dessa'estrutura'se'manteve'intacta'

até'a'nova'edição'da'festa'em'2013,'tendo'sofrido'apenas'melhorias'e'reparos.'

Na' periferia' dessa' grande' praça' festiva,' foi' construído,' nos' dois' anos,' todo' um'

complexo'de'equipamentos'provisórios'capazes'de'absorver'os'participantes'e'o'público'do'

evento.'De'um'lado,'foram'erguidas'as'tendas'de'lona'que'acolheram'os'grupos'culturais'de'

Angola,'da'Zâmbia'e'do'Congo'e,'do'outro,'as'cubatas'de'palha'que'serviram'de'hospedagem'

aos' representantes' de' cada' chefia' convidada.' As' tendas' dos' grupos' culturais' foram'

montadas' próximas' a' um' conjunto' de' frondosas' mangueiras,' à' sombra' das' quais' eles'

costumavam'ensaiar,'sempre'nos'fins'de'tarde,'reunindo'uma'pequena'multidão'à'volta'(ver'

Figs.'4E6).'Já'o'acampamento'dos#sobas'foi'montado'em'uma'área'mais'ampla,'do'outro'lado'

da'praça.'As'próprias'famílias'se'organizaram'em'multirão'para'construir'as'suas'cubatas.'Em'

alguns' casos,' elas' enviaram' homens' na' frente' de' suas' caravanas' para' adiantarem' a'

construção.''

Em'2013,'foi'construída'desse'lado'do'terreno'uma'casa'para'a'rainha'Nyakatolo'à'

semelhança' da' nganda# (casa' do' chefe)# tradicional.' Segundo' o' padrão' desta' construção,' a'

casa'propriamente'dita'deveria'ficar'no'centro'de'um'terreno'fortificado'por'uma'paliçada'

que' a' isolava' do' exterior.' “No' passado”,' explicouEme' Muzala,' “todos' os' sobas# tinham' que'

ter'uma'casa'cercada'assim'desta'maneira”'(10E07E2013,'clip'0095).'A'casa'da'rainha'foi'a'

única' construída' de' adobe.' Portanto,' não' era' provisória' como' as' demais' e,' sim,' definitiva'

(ver' Fig.' 7).' Teoricamente,' durante' os' dias' de' festa,' Nyakatolo' deveria' se' mudar'

! 55!
integralmente' para' a' vambunda.' Contudo,' como' pude' observar,' a' casa' servia' apenas' de'

base' transitória' para' a' rainha,' abrigando' encontros' protocolares' entre' ela' e' os' sobas'

participantes'do'evento'e,'também,'as'reuniões'de'avaliação'das'autoridades'tradicionais'e'

da'COFETRAL,'ambas'realizadas'após'o'término'da'festa,'como'veremos'adiante.'

Anexo'a'esse'complexo,'um'mercado'também'foi'construído,'com'dezenas'de'stands'

para' a' venda' de' bebidas,' biscoitos,' doces,' petiscos' e' pratos' típicos.' À' medida' que' se'

aproximava'o'dia'da'abertura'oficial'do'Festival'e'os'ensaios'de'fim'de'tarde'na'vambunda'

passavam'a'reunir'um'público'cada'vez'maior,'crescia'também'o'consumo'e'o'movimento'

naquele'comércio'improvisado'(ver'Figs.'8E9).'

Segundo' me' contou' Muzala,' a' vambunda' estava' em' vias' de' ser' concedida'

legalmente'à'rainha'para'funcionar'como'sede'oficial'e'definitiva'do'evento.'Na'imensa'área'

livre' que' existe' ao' redor' da' arena' festiva,' sobretudo' na' parte' destinada' ao' acampamento'

provisório' dos# sobas,' a' COFETRAL' planejava' construir' algumas' pensões' que' pudessem'

abrigar'os'convidados'estrangeiros'e'turistas'em'geral.'As'famílias'luvale,'ou'de'outras'etnias'

relacionadas,' que' vinham' de' fora' da' província' (ou' mesmo' de' fora' do' país)' para' assistir' a'

festa,'não'possuíam'meios'para'acampar'na'vambunda,'como'faziam'aquelas'provenientes'

das' redondezas.' Seria' preciso' trazer' na' bagagem' todo' o' material' necessário' para' a'

construção'das'palhoças,'além'de'comida'e'utensílios'diversos,'e,'vindo'de'muito'longe,'isto'

era'inviável.'Por'isso,'geralmente'ficavam'hospedadas'em'casas'de'parentes'ou'em'pensões'

espalhadas' pela' vila,' onde' gastavam' muito' dinheiro.' Construir' as' pensões' na# vambunda'

seria'uma'forma'de'limitar'o'público'do'Festival'ao'perímetro'do'evento'e,'assim,'reverter'

para'a'própria'festa'o'dinheiro'gasto'durante'a'sua'realização.'

Além' disso,' a' COFETRAL' pretendia' construir' na' área' uma' espécie' de' Centro' de'

Referência'da'Cultura'Luvale,'que'pudesse'abrigar'as'atividades'regulares,'como'reuniões'e'

! 56!
ensaios,'dos'diversos'grupos'e'associações'envolvidos'na'realização'do'Festival.'Ademais,'o'

Centro'reuniria'documentos,'estudos'e'registros'audiovisuais'da'cultura'luvale,'como'forma'

de' contribuir' para' sua' preservação' e' facilitar' o' seu' acesso' às' novas' gerações.' Para' a' sua'

construção,'no'entanto,'seria'necessária'a'ajuda'do'governo.'Por'isso,'em'2013,'membros'do'

Comitê'tinham'como'prioridade'formular'um'projeto'solicitando'que'fosse'incorporado'ao'

orçamento' anual' do' Departamento' de' Cultura' do' Moxico' uma' verba' destinada' ao'

desenvolvimento' e' continuidade' do' Festival,' da' qual' uma' parte' seria' usada' para' a'

construção'e'manutenção'daquele'Centro.'

A'comissão'organizadora'da'festa,'vinculada'à'COFETRAL,'estruturavaEse'da'seguinte'

forma:'havia'uma'comissãoEmãe'e'10'subcomissões'a'ela'subordinadas'(as'subcomissões'de'

cultura,' de' protocolo,' de' alojamento,' de' transporte,' de' logística,' de' propaganda' e'

divulgação,'de'assistência'médica'e'medicamentosa,'de'embelezamento,'de'asseguramento,'

de' administração' e' finanças,' e' de' fiscalização).' A' comissãoEmãe' era' formada' por' cinco'

membros' e' dirigida' por' um' coordenador' geral' e' seu' vice,' enquanto' as' subEcomissões'

variavam' de' tamanho' de' acordo' com' a' demanda' de' cada' uma,' algumas' delas' possuindo'

membros' instalados' em' comunas' estratégicas' do' Alto' Zambeze' e' também' em' Luanda,'

Luena' e' até' na' Zâmbia,' ou' seja,' nos' principais' pontos' de' apoio' ao' evento.' As' comissões,'

que,'em'última'instância,'ainda'prestavam'contas'à'rainha,'começavam'a'se'reunir'em'abril,'

três' meses' antes' da' abertura' do' Festival' e,' desde' então,' passavam' a' trabalhar' na' préE

produção'do'evento,'criando'as'condições'necessárias'para'a'sua'viabilização.''

Para' levantar' a' estrutura' física' do' evento,' a' comissão' organizadora' contava' com' o'

apoio' de' diversos' setores' sociais,' a' saber,' das' autoridades' tradicionais,' do' governo' e' de'

algumas' empresas' privadas' sediadas' na' região.' Nas' duas' edições' em' que' acompanhei' a'

festa,'em'2012'e'2013,'os#sobas'contribuíram'com:'material'(madeira'e'palha,'basicamente),'

! 57!
usado'na'construção'de'suas'palhoças'particulares'e'também'na'estrutura'maior'da'arena'

festiva;'comida'(cada'chefe'trazia'consigo'em'média'15'sacos'de'farinha'de'mandioca,'dos'

quais'5'entregavam'à'comissão'para'consumo'geral'e'10'faziam'uso'pessoal);'e,'por'fim,'os'

que'puderam,'ainda'contribuíram'com'alguma'soma'de'dinheiro.''

O'governo'provincial'forneceu'o'gerador'que'trazia'luz'e'energia'à'área'e,'também,'o'

equipamento' sonoro' utilizado' no' dia' da' festa;' além' disso,' ofertou' uma' boa' quantia' em'

dinheiro'(segundo'me'contou'Muzala,'20'mil'dólares'no'primeiro'ano'e'40'mil'no'segundo),'

usada,' em' sua' maior' parte,' no' embelezamento' e' na' manutenção' da' estrutura' montada,'

incluindo,'em'2013,'a'construção'da'imbala#(casa)'da'rainha.'Já'a'empresa'brasileira'Queiroz'

Galvão,' que' fazia' o' asfaltamento' dos' trechos' Lual' –' Cazombo' e' Cazombo' –' LumbalaE

Kakengue,' se' responsabilizou' pela' limpeza' e' o' nivelamento' da' arena' e,' também,' pelo'

abastecimento'de'água.''

Lamentavelmente,'tanto'a'chegada'do'gerador'como'a'da'água'ocorreram'sempre'às'

vésperas' da' festa,' de' modo' que' os' acampamentos' tinham' que' resistir' por' cerca' de' uma'

semana,'lotados,'sem'água'e'sem'luz,'o'que'naturalmente'trazia'grande'insatisfação'a'todos.'

'

'

'

E.'

[NJAMBA'E'O'FÓRUM'DAS'AUTORIDADES'TRADICIONAIS]'

'

Depois' daquele' primeiro' dia' em' que' conheci' a' rainha,' em' 2012,' voltei' muitas' vezes' a' sua'

casa.' Como' Muzala' estava' sempre' lá,' envolvido' em' reuniões' de' organização' da' festa,'

frequentemente'marcávamos'de'nos'encontrar'no'pátio'de'convivência'da'casa,'para'depois'

! 58!
seguirmos'juntos'até'a'vambunda,'onde'os'ensaios'ferviam'a'cada'dia.'Nesses'momentos'de'

espera'na'casa'da'rainha,'conheci'boa'parte'das'pessoas'que'viriam'a'colaborar'comigo'ao'

longo'da'pesquisa,'entre'elas,'o'regedor'Njamba,'que'era,'segundo'Muzala,'o'braço'direito'

de'Nyakatolo'e'com'quem,'terminada'a'festa'de'2013,'passei'uma'tarde'inteira'a'conversar'

na' varanda' de' sua' casa.' Ali,' em' bom' português,' ele' me' contou' como' veio' a' assumir' o'

“cargo”/título'de'regedor'Njamba.'

'

Eu'sou'o'Frutoso'Kaiombo'Samukonga,'regedor'Njamba,'exerço'essa'função'há'dois'
anos.' A' regedoria' é' composta' de' dez' sobas.' (...).' Eu' sou' filho' do' Samukonga'
Tipalapala,'mas'na'linhagem'Nyakatolo'é'a'mãe'[que'conta].'Minha'mãe'se'chama'
Lucia'Kutemba'e'eu'sou'Kaiombo,'ka'Kutemba.'Minha'mãe'é'neta'do'Tipoia,'que'foi'
irmão'da'Nyakatolo'Kutemba.'Então,'eu'entro'nessa'linhagem'por'causa'disso.'(...)'
Minha'vó'falece'muito'jovem,'deixa'minha'mãe.'Minha'mãe'teve'apenas'nós'três,'o'
único' homem' sou' eu.' Pelo' direito' da' linhagem' Nyakatolo,' fui' escolhido' para'
chefiar' essa' regedoria' Njamba.' [Njamba,' 31E07E2013,' clip' 0828.' Falado' em'
português]'
'

Interessante' notar' que' a' chefia' Njamba,' localizada' na' periferia' de' Cazombo,' não' é'

considerada,' do' ponto' de' vista' da' Administração' Municipal,' uma' regedoria' ou' comuna.'

TrataEse'apenas'de'um'“bairro”,'com'proporções'talvez'um'pouco'maiores'do'que'a'média,'

incluindo' um' número' considerável' de' subEchefias,' 10' ao' todo,' como' ele' mesmo' diz.''

Portanto,'efetivamente,'Njamba'não'é'um'regedor'e,'sim,'um'soba.'Sua'fala,'entretanto,'nos'

leva' a' crer' que' as' chefias' mais' abrangentes' e' de' maior' profundidade' histórica' sejam'

identificadas'correntemente'como'regedorias,'e'seus'chefes'principais,'como'regedores.'No'

caso'particular'de'Njamba,'de'fato,'o'status'de'regedor'cabe'muito'melhor'à'sua'figura,'não'

apenas' porque' ele' está' à' frente' de' uma' importante' chefia,' mas' especialmente' pela' sua'

posição'de'proximidade'em'relação'a'Nyakatolo.'

Sua'fala'nos'deixa'ainda'antever'como,'ao'menos'no'município'do'Alto'Zambeze,'a'

nomeação'aos'cargos'de'soba,'regedor'etc.'respeita'o'sistema'tradicional'de'transmissão'de'

! 59!
títulos'políticos'entre'os'Luvale,'passados'de'geração'em'geração,'dentro'das'linhagens'de'

chefia,' pelos' princípios' da' matrilinearidade.' Por' outro' lado,' fica' claro' a' hegemonia' da'

linhagem' de' Nyakatolo,' que' vem' determinando,' entre' seus' próprios' descendentes,' os'

titulares'das'mais'diferentes'chefias'na'região.'O'“direito'da'linhagem'Nyakatolo”'é,'segundo'

o'que'eu'mesma'pude'observar'em'campo,'condição'sine#qua#non'para'se'assumir'os'mais'

importantes'títulos'políticos'luvale'no'Alto'Zambeze,'entre'eles,'Njamba,'cujo'significado'o'

“regedor”'também'me'revelou'naquela'tarde'em'que'estivemos'juntos.''

'

Dantes,' muito' antes,' por' causa' de' algumas' guerras' entre' etnias,' ele' foi' um'
guerreiro' também,' e' lhe' deram' o' nome' de' Njamba.' Njamba' é' esse' que' significa'
elefante.' Por' causa' da' força,' bravura,' é' assim' que' deram' esse' nome' de' Njamba.'
Todo'elemento'que'vem'nesse'cargo,'tem'que'se'chamar'Njamba.'É'como'a'rainha'
Nyakatolo.' Esta' que' está' hoje' atualmente' chamaEse' Lurdes' Cilombo,' mas' entrou'
no'trono,'deixa'esse'nome,'torna'a'ser'chamada'Nyakatolo.'É'tal'e'qual'o'Njamba.'
Eu' me' chamo' Frutuoso' Kaiombo' Samukonga,' entrei' nessa' regedoria,' pronto...' O'
nome'que'me'chamam'hoje'é'só'Njamba.'[Njamba,'31E07E2013,'clip'0828.'Falado'
em'português'
'

Em'seguida'à'sua'apresentação'pessoal,'Njamba'discorreu'sobre'os'diferentes'papeis'

desempenhados'pelas'autoridades'tradicionais'e'pela'COFETRAL'na'realização'da'festa.''

'

O#soba'é'quem'arrasta'a'população.'É'quem'tem'o'papel'de'mobilizar.'Mobilizar'o'
homem,'comida,'bois,'isso'tudo'quem'organiza'é'o'soba.'E'o#soba'vai'apresentar'
no' grupo' que' é' técnico,' que' é' a' COFETRAL.' A' COFETRAL' tem' o' papel' de' juntar'
tecnicamente' várias' coisas' para' que' a' festa' esteja' bem' organizada.' A' COFETRAL'
tem' o' papel' de' escrever' convites,' criar' patrocínios,' organizar' grupos.' Porque' o'
chefe' tradicional' não' pode' estar' a' andar.' O' chefe' tradicional' fica' sentado,' a'
COFETRAL' é' que' faz' tudo,' tecnicamente.' (...)' Vai' procurar' em' longas' distâncias'
grupos'luvale'que'podem'dançar,'podem'fazer'tudo'aquilo'que'é'festa.'Então,'eles'
tem'esse'papel.'Agora...'O'chefe'tem'o'papel'de'apoiar'em'termos'logísticos,'ajudar'
15
a'encontrar'solução'de'coisas'passadas.'Por'exemplo,'palhaços ,'um'batuque'que'
muitos'não'conhecem...'Por'exemplo,'o'mukupe,'que'anda'com'o'chefe'tradicional'
quando' entram' [na' arena].' (...)' A' COFETRAL' contata,' ‘esse' ano,' queremos' esses'
grupos' assim,' assado’,' então,' os' chefes' tradicionais' procuram,' fazem' a' pesquisa,'
procuram...'Depois'de'organizar'essas'pessoas'dentro'dos'seus'bairros,'chamam'os'
homens'da'COFETRAL'para'criarem'condições'de'grupos,'fazerem'disputas,'pra'ver'
qual' é' o' grupo' que' pode' passar.' Outros' grupos' são' eliminados' porque' não' têm'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
15
'Frequentemente'os'makixi#eram'chamados'de'“palhaços”.'

! 60!
condições'de'apresentarem'uma'boa'coisa.'Então,'juntando'esse'trabalho'todo,'sai'
a'festa'como'saiu.'[Njamba,'31E07E23,'clip'0829.'Falado'em'português]'
'

Fica'claro'no'discurso'de'Njamba'o'papel'central'do'soba#na'mobilização'do'povo'em'

relação' à' festa,' assim' como' em' conferir' legitimidade' ao' evento,' ficando' a' COFETRAL'

responsável'estritamente'pela'sua'organização,'no'sentido'mais'técnico'do'termo,'para'usar'

as'palavras'do'próprio'Njamba,'o'que'Muzala'me'confirmaria'em'outra'ocasião.'

'

Sobre'o'papel'dos'sobas,'eles'é'que'tem'o'povo,'eles'é'que'são'os'donos'do'povo.'
Mesmo'eu'também'sou'o'povo'dos'sobas...'Eles'é'que'tem'o'povo...'Mesmo'esses'
grupos' culturais' estão' nos' bairros...' Nós' organizamos' apenas,' nós' organizamos' a'
festa.' Organizamos' fortemente,' mas' dependemos' dos' sobas,' porque' os# sobas' é'
que' tem' o' seu' povo' e' o' povo' é' que' vai' apoiar' a' festa.' (...)' Nós' trabalhamos' em'
coordenação'com'os'sobas.'Os'sobas#determinam'o'seu'povo'vir'fazer'parte'dessa'
festa.'Ele'pode'impedir'o'seu'povo'que'ninguém'vai'a'festa'e'ninguém'vai...'Então,'
nós'tínhamos'que'nos'concordar'primeiro'com'os'sobas'e'eles'é'que'tem'um'papel'
muito' forte,' eles' é' que' tem' que' mobilizar' o' seu' povo' para' apresentar' as' peças'
culturais,' os' que' dançam...' Os' grupos' dançarinos' vem' dos' sobas,' os' que' dançam'
nos' palhaços' vem' do' soba,' quer' dizer,' eles' é' que' tem' tudo,' nós' apenas'
organizamos,' nós' apenas' nos' limitamos' à' organização.' [Muzala,' 25E08E13,' clip'
1056.'Falado'em'português]'
'

Todo' esse' trabalho' conjunto,' realizado' pelos' chefes' tradicionais' em' coordenação'

com'a'COFETRAL,'deu'resultados.'Em'2013,'os'grupos'culturais'de'Angola'não'só'eram'mais'

numerosos,'como'estavam'melhor'preparados.'No'ano'anterior,'dos'mais'de'50'bailarinos'

mascarados'que'participaram'da'festa,'apenas'dois'eram'de'Angola.'Além'disso,'os'grupos'

culturais' zambianos' dominaram' inteiramente' a' cena.' Superiores' tecnicamente,' exibiram'

uma' variedade' tão' grande' de' números' de' dança,' que' quase' não' sobrou' espaço' para' os'

recémEformados' grupos' angolanos.' Ademais,' os' batuqueiros' eram' exclusivamente'

zambianos,' integrantes' dos' grupos' culturais' de' Luzaka,' Zambezi' e' Kabompo,' entre' outros'

que' prestigiaram' a' festa.' Surpreendentemente,' em' 2013' o' panorama' era' bastante'

diferente.'Os'principais'grupos'de'Cazombo'já'possuíam'batuqueiros'próprios,'assim'como'

cantores'e'bailarinos'especializados'na'dança'dos'makixi.''

! 61!
Desde'as'primeiras'edições'do'Festival,'a'COFETRAL'tinha'como'estratégia'convidar,'

das'comunas'mais'distantes'da'província,'primeiro'os'sobas'e'“intelectuais”,'para'que'estes,'

então,' levassem' o' mujimbo' (notícia)' da' festa' para' suas' localidades,' conscientizados' da'

importância' de' sua' realização.' A' expectativa' dos' organizadores' era' de' que,' nos' anos'

seguintes,' eles' voltassem' com' uma' participação' mais' efetiva,' trazendo' um' contingente'

maior' de' pessoas' e' quiçá' “peças' culturais”' próprias' (como' artesanato,' grupos' de' dança' e'

“palhaços”).''

Em' 2013,' refinaram' ainda' mais' a' estratégia.' Decidiram' que,' assim' que' o' Festival'

encerrasse' suas' atividades,' a' rainha' enviaria' uma' comissão,' integrada' por' representantes'

tradicionais'e'civis,'a'todos'os'municípios'luvale'do'Moxico,'onde'se'pretendia'criar,'em'cada'

um,'dois'núcleos,'um'ligado'à'COFETRAL'e'outro'ao'Fórum'das'Autoridades'Tradicionais'–'

associação' que' reunia' regularmente' importantes' chefes' tradicionais' do' Alto' Zambeze,'

fundada'no'ano'anterior'por'iniciativa'de'Njamba.'A'ideia'era'que,'com'a'formação'desses'

núcleos,'que'trabalhariam'coordenados'entre'si'(assim'como'a'COFETRAL'vinha'trabalhando'

em'colaboração'com'os#sobas'de'Cazombo'e'demais'comunas'do'município),'seria'mais'fácil,'

ágil'e'garantida'a'preparação'de'grupos'culturais'nas'localidades'mais'distantes'e,'também,'

das'condições'de'sua'participação'na'festa'da'rainha.''

A' criação' de' núcleos' ligados' ao' Fórum' das' Autoridades' Tradicionais' era' motivada,'

contudo,' por' objetivos' que' ultrapassavam' o' da' simples' realização' da' festa.' Como' me'

explicou' Njamba,' o' Fórum,' que' foi' fundado' no' começo' de' 2012,' tendo' como' Secretário'

Geral' ele' próprio' e' como' Presidente' a' rainha' Nyakatolo,' tinha' como' intuito' fortalecer' o'

soba,'de'maneira'geral,'dando'maior'projeção'às'suas'demandas'e'reivindicações.'

'
Este'Fórum'junta'grandes'chefes'e'se'apercebe'desses'chefes'quais'são'os'projetos'
que'temos,'por'exemplo,'de'desenvolvimento'do'município.'Nós'somos'parceiros'
do'governo,'mas'também'temos'condições'de'criticar'o'governo,'pra'que'ele'faça'

! 62!
aquilo'que'é'ideal'a'nível'do'município.'Então,'este'Fórum'foi'preparado'pra'essas'
questões,' pra' defender' o' município,' pra' conversar...' Em' vez' de' haver' conversas'
esporádicas,' então,' junta,' aparece' uma' ideia' e' esta' ideia' é' apresentada' no'
governo.' É' pra' isso,' pra' ter' mais' peso.' Não' é' o' regedor' Njamba' que' deve' falar'
sozinho,'né?'O'Fórum'reúne,'faz'uma'carta...'Tem'mais'peso'do'que'uma'pessoa'só'
a' falar.' Esse' Fórum' foi' mais' pra' isso.' [Njamba,' 31E07E2013,' clip' 0831.' Falado' em'
português]'
'

'

Ao' organizar' a' voz' dos' chefes' tradicionais' em' torno' de' um' ou' mais' projetos'

prioritários' de' desenvolvimento' para' o' município' –' dos' quais' a' festa' era' certamente' um,'

mas' não' o' único' –,' pretendiaEse' tiráElos' de' uma' posição' de' marginalidade.' Afinal,' quanto'

maior'fosse'sua'representatividade,'maior'também'seria'a'chance'de'apoio'do'governo'às'

suas'propostas.'

O'Fórum'também,'no'meu'pensamento'em'particular,'ajuda'a'organizar'o#soba,'no'
seu'todo,'porque'muitos'andam'desorganizados,'ajuda'a'potenciar'o'soba,'porque'
poderemos' no' futuro' ter' projetos' de' agricultura,' sei' lá,' muita' coisa...' Então,' esse'
16
soba,'que'é'dono'da'terra ,'tem'que'trabalhar,'tem'que'ter'projetos'para'fortificar'
o' soba,' porque' nós' não' queremos...' A' ideia' é:' não' queremos' ver' o# soba' a' pedir'
óleo'na'praça,'a'pedir'óleo'na'administração,'a'pedir'vinho'na'administração.'Quer'
dizer,' ele' em' sua' casa' se' sente' valente,' se' sente' organizado,' então,' acho' que' aí'
pode' haver' mais' respeito' (...).' O' objetivo' do' Fórum' também' é' esse.' Há' muitos'
bairros'que'não'tem'escolas,'não'tem'o'que...'Então,'o'Fórum'reúne'e'apresenta'
sua' ideia' no' governo' e' o' governo' talvez' com' dez' vozes' juntadas,' pode' haver'
respeito.'O'objetivo'desse'Fórum'é'isso,'não'só'pra'festa'(...).'O'objetivo'do'Fórum'
é' pro' desenvolvimento' do' próprio# soba,' do' próprio' homem.' Defender,' aliás,'
posicionarEse'bem,'defender'a'forma'como'o'povo'vive.'Isso'tudo'é'o'objetivo'do'
Fórum.'[Njamba,'31E07E2013,'clip'0831.'Falado'em'português]'
'

' Visto'desse'prisma,'como'um'projeto'de'desenvolvimento'do'próprio'soba,'o'Festival'

Luvale'encontra,'na'minha'opinião,'um'de'seus'sentidos'mais'fundamentais.'Como'veremos'

adiante,' no' dia' da' festa' se' atualizam' relações' de' vassalagem' de' muitas' ordens,' entre' o'

povo,'seus'chefes'e'os'ancestrais'(esses'últimos'representados'na'figura'do'makixi).'Todos,'

em'última'instância,'prestam'homenagem'à'rainha'Nyakatolo.'Durante'a'conversa'que'tive'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
16
'Os' chefes' são' recorrentemente' identificados' entre' os' Luvale' como' os' “donos' da' terra”.' A' noção' parece'
remeter'à'sua'ligação'com'os'ancestrais'da'chefia'luvale,'i.e.,'com'aqueles'que'primeiro'se'estabeleceram'na'
região'e'de'quem'herdam'não'apenas'os'nomes,'as'prerrogativas'e'as'relações,'mas'também'as'terras.'

! 63!
com' Francisco' Ciwende' na' minha' última' noite' no' Moxico,' ele' também' comentou' sobre' o'

papel'da'festa'na'valorização'do'chefe'tradicional.'

'
A' Isabel' viu' como' é' que' o' soba# é' tratado' naquele' dia' [da' festa].' Aquilo' é' para'
mostrar' que' aquele' era' o' prestígio,' era' o' direito,' era' a...' como' eu' diria' isso?' A'
soberania?'Aquela'vassalagem'que'todo'mundo'presta'é'só'para'ver'quem'é,'para'
ver'em'que'posição'estão.'(...)'Aquilo'é'para'mostrar'que'antigamente'o#soba'era'
sempre' tratado' daquela' maneira,' para' mostrar' que' a' vida' no' antigamente' era'
assim,' o' soba' tinha' aquele' valor' que' lhe' concedem' naquele' dia.' Porque' não'
reconquistáElo?'[Ciwende,'10E09E2013,'clip'1810.'Falado'em'português]'
'

Ao'mostrar'como'o'soba#era'tratado'no'passado,'relações'de'vassalagem'tradicionais'

são'atualizadas.'Isso'já'teria'grande'importância'apenas'levando'em'consideração'o'fato'de'

que' entre' os' Luvale,' como' me' disse' Njamba,' os' sobas' e,' em' especial,' a' rainha' Nyakatolo,'

não'podem'“andar'à'toa”,'e'por'isso,'quase'nunca'são'vistos'publicamente'durante'o'ano.''

'
[A' festa' ajuda' a]' mostrar' grandes' chefes' da' tradição' Luvale' neste' momento.'
Muitas'das'vezes,'os'chefes'Luvale,'no'caso'de'um'regedor,'ou'de'uma'rainha,'não'
andam' muito.' Então,' a' gente' é' próxima,' mas' não' conhece.' A' festa' ajuda' as'
crianças' a' conhecerem' os' seus' chefes' destacados' na' tradição.' Isso' sim' é' porque'
fazemos'essa'festa.'[Njamba,'31E07E2013,'clip'0828.'Falado'em'português]'
'

No'entanto,'ganha'ainda'maior'relevância'no'contexto'do'pósEguerra.'Cabe'lembrar'

que'a'maioria'dos'chefes'luvale'do'Alto'Zambeze'exilaramEse'durante'a'guerra,'retornando'

só'muito'recentemente'para'suas'terras.'Nyakatolo'Cisengo,'soberana'até'o'início'dos'anos'

90'do'século'passado,'faleceu'no'exílio,'e'Cilombo,'sua'sucessora,'assumiu'o'trono'apenas'

em' 2003.' De' modo' que' boa' parte' da' população' luvale,' sobretudo' a' que' vive' fora' do' Alto'

Zambeze,'até'recentemente'não'conhecia'a'nova'rainha.''

O'período'compreendido'entre'2012'e'2013,'em'que'realizei'meu'trabalho'de'campo'

no' Leste' de' Angola,' foi' marcado' por' um' forte' movimento' de' reconstrução' dos' bens'

materiais' e' imateriais' do' povo' luvale,' assim' como' das' posições' tradicionais' de' chefia' e' o'

Festival'vinha'jogando'papel'importante'nesse'processo.'Se'voltarmos'à'função'fundamental'

! 64!
do# soba' na' organização' da' festa,' de' mobilizador' popular,' segundo' o' que' me' disseram'

Njamba' e' também' Muzala,' e' a' articularmos' ao' papel' da' festa' na' produção' de' sua'

legitimidade,'chegaremos'à'seguinte'conclusão:'se'sem'o'soba#não'se'faz'a'festa,'sem'a'festa'

também'não'se'faz'o'soba.''

A'definição'básica'e'amplamente'divulgada'sobre'o'Festival,'de'que'se'trata'de'um'

evento' com' o' duplo' objetivo' de' preservação' da' cultura' luvale' e' homenagem' à' rainha'

Nyakatolo,'só'não'é'mais'precisa'porque'não'assume'a'igualdade'entre'os'termos,'i.e.,'o'fato'

de' que,' naquele' caso,' homenagear' os' chefes' luvale' é' igual' a' preservar' a' cultura' do' povo.'

Afinal,' quanto' mais' legitimidade' tem' a' rainha' em' função' da' festa,' mais' poder' de'

mobilização' ela' tem' para' garantir' a' participação' massiva' da' população' no' evento,'

fortalecendo'a'festa,'que'a'fortalece'e'assim'por'diante.''

'
Essa'festa'é'que'vai'fazer'com'que'o#soba'e'o'seu'povo'estejam'unidos.'Essa'festa'
vai' dar' valor' aos' próprio' sobas,' e' vai' dar' valor' ao' próprio' povo' e' vai' dar' valor' à'
cultura'e'à'etnia'luvale.'(...)'Temos'sobas'de'Luhacano,'sobas'do'Lumeji,'sobas#do'
Lual,' sobas' do' Lewa,' sobas' do' Luvwei,' sobas' do' Lucussi' que' não' tinham'
correspondências' com' a' rainha,' nem' tampouco' a' rainha' tinha' correspondência'
com'eles.'Mas,'pelo'que'vimos'agora,'já'estão'a'sair'de'localidades'distanciados'a'
vir'participar'dessa'festa.'Então,'significa'que'agora'nessa'festa'está'a'se'dar'uma'
boa' união' entre' eles' os' sobas# e' entre' nós' o' povo.' Porque' agora' estamos' todos'
unidos' numa' só' mãe,' que' é' a' rainha,' onde' nós' agora' prestamos' as' nossas'
homenagens.' (...)' Um' tribo' quando' não' tem' uma' boa' cultura,' esse' tribo'
enfraquece.' Mas' se' estiver' forte' numa' cultura' e' se' tiver' forte' numa' união,' num'
bom'entendimento,'ninguém'lhe'convence.'Dito'e'certo.'Porque'um'povo'unido'é'
um'povo'cultural,'é'um'povo'organizado'e'é'um'povo'decidido,'porque'daquilo'que'
a' rainha' decide,' eles' cumprem.' (...)' Então,' com' essa' união,' com' esse'
entendimento,' com' essa' organização,' então,' fortalece' a' tribo' luvale,' em' volta' da'
rainha'Nyakatolo.'[Muzala,'25E08E2013,'clip'1050.'Falado'em'português]'
'

'

'

'

'

'

! 65!
F.'

[BREVINTA'ROSA'E'AS'NYAKANDANDJI]'

'

Faltavam'menos'de'15'dias'para'o'Festival'de'2012'começar'oficialmente.'No'cacimbo17'de'

mais' um' fim' de' tarde,' cheguei' ao' campo' das' mangueiras' para' assistir' um' novo' ensaio.'

Algumas'mulheres'que'me'reconheceram'dos'dias'anteriores,'ou'das'idas'e'vindas'à'casa'da'

rainha,' acenaramEme' da' roda.' A' que' liderava' o' grupo,' puxando' os' cantos' e' marcando' o'

ritmo'do'batuque'com'o'apito'que'levava'pendurado'ao'peito,'veio'na'minha'direção,'sorriso'

enorme'estampado'no'rosto.'Sem'parar'de'dançar,'estendeu'a'mão'para'me'cumprimentar.'

Retribuí'lisonjeada,'com'sorriso'não'menor'que'o'dela.'ChamaEse'Brevinta'Rosa,'era'a'chefe'

principal' do' grupo' cultural' das' mulheres' de' Cazombo,' popularmente' conhecido' como' o'

grupo'das'nyakandandji'(mães'dos'tundandji'–'os'neófitos'do'ritual'de'circuncisão).''

O'ritmo'que'embalava'a'roda'das'mulheres'era'a#kacaca,'um'estilo'exclusivo'do'povo'

luvale'e,'por'isso,'um'forte'marcador'de'sua'identidade.'A'kacaca'é,'geralmente,'produzida'

por'uma'orquestra'de'cinco'a'sete'tambores'–'embora'possa'chegar'a'ter'doze'ou'mais'–,'

sempre'organizados'em'linha,'um'ao'lado'do'outro.'Dois'tocadores'de'apoio,'divididos'entre'

os' tambores' da' extrema' direita' e' da' extrema' esquerda,' fazem' a' base' do' ritmo,' enquanto'

um'batuqueiro'principal'improvisa'alternandoEse'nos'tambores'centrais.'A'kacaca'é'sempre'

dançada'em'roda,'reunindo'homens'e'mulheres,'que'evoluem'em'sentido'antiEhorário.'Do'

centro'da'roda,'um'cantor'(ou'cantora)'principal'puxa'o'canto,'a'que'o'público'responde'em'

coro' da' periferia.' Durante' a' kacaca' são' entoados' apenas' “cantos' de' alegria”,' segundo' a'

definição' que' me' foi' dada' em' campo,' e' nunca' cantos' específicos' de' rituais' tradicionais,'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
17
'Névoa'intensa,'comum'na'estação'seca'em'Angola'(entre'maio'a'agosto),'sobretudo'próximo'ao'nascer'e'o'
pôr'do'sol.'É'também'o'nome'com'que'se'identifica'no'país'essa'própria'estação.'

! 66!
como'a'mukanda'ou'o'mwali#(ritual'de'puberdade'feminino),'caracterizando'momentos'de'

pura'diversão'e'entretenimento.''

Alguns' dos' “cantos' de' alegria”' que' registrei' durante' a' minha' temporada' no' Alto'

Zambeze' foram' compostos' recentemente' e' dialogam' com' temas' contemporâneos.' Boa'

parte' é' de' louvor' a' Nyakatolo.' Abaixo,' segue' um' deles,' cantado' frequentemente' pelas'

nyakandandji' e' que,' segundo' a' interpretação' de' Muzala,' versa' sobre' a' importância' da'

rainha'na'reconstrução,'ou'reorganização,'da'cultura'do'povo,'identificada'na'canção'com'a'

própria'casa'do'chefe'(nganda).18'

'

Wahisa#nganda#ximbo#ucili#nangolo#nge#unazeye#twama#
Organiza'a'casa'enquanto'ainda'tem'força,'mas'se'tiver'cansada,'senta.'
Vama# vama# pwevo# twayeno# tumilongese# hamene# mikasale# nacisemwa# haya#
myaka#
Meninas,'venham'aprender'nossa'cultura,'para'amanhã'ficarem'com'ela.'
Ou#mama#Nyakatolo#mweza#mwatumeneka#Ndungu#mwatutwila#mujimbo#
Mamãe'Nyakatolo'vai'lhes'saudar'e'o'rei'Ndungu'irá'contar'a'nossa'história.'
Meya#meyowo#tunwenga#Nyakatolo#handjika#micima#yetu#iunde#lelo#meyowo#
A'fala'de'Nyakatolo'é'como'a'água'que'acalma'os'nossos'corações,'é'como'
a'água.'
Tutale#meso#kujila#Mwacisengi#nohete#mwimbo#meyawo#
Ao'virar,'vemos'o'rei'Mwacisengi'chegando'na'aldeia,'é'como'a'água.''
Vaka#cinyama#saneno#meya#meya#meyowo#
Filhos'de'Cinyama,'banhemEse'nessa'água.'
'

' Nyakatolo'Cilombo'assumiu'o'trono'luvale'em'2003,'depois'de'quase'três'décadas'de'

guerra'civil'em'Angola.'Um'anos'antes,'a'COFETRAL'foi'criada'por'um'grupo'de'“intelectuais'

luvale”'exilados'em'Luena,'com'o'objetivo'de'recuperar,'preservar'e'divulgar'a'cultura'dos'

Luvale'através'da'promoção'do'Festival,'como'vimos.'No'entanto,'àquela'altura,'faltavaElhes'

ainda'uma'rainha'que'estivesse'à'frente'da'festa'e'em'homenagem'a'qual'esta'pudesse'ser'

realizada.' Cilombo' assumiu' o' trono' com' a' responsabilidade' de' responder' aos' anseios'

expressos'pela'criação'do'Comitê.'Na'qualidade'de'chefe'máximo'entre'os'Luvale,'caberia'a'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
18
'Muzala' interpretou' o' uso' do' termo' nganda' (casa' do' chefe),' na' primeira' linha' da' canção,' como' se' ele'
estivesse'ali'fazendo'referência'à'própria'cultura'luvale.'

! 67!
ela'conscientizar'todas'as'autoridades'tradicionais'luvale'da'importância'do'Festival,'assim'

como' engajáElas' na' sua' organização.' E,' como' vimos' na' seção' anterior,' sem' a' participação'

efetiva' dos' sobas' na' produção' da' festa,' esta' seria' simplesmente' inviável,' porque' não'

haveria' adesão' popular.' Portanto,' a' rainha' tinha,' do' ponto' de' vista' dos' criadores' da'

COFETRAL,' um' papel' fundamental' no' processo' de' recuperação' da' cultura' e' da' vida' dos'

Luvale'no'pósEguerra,'sintetizado'pela'promoção'do'Festival.'A'pressão'existente'para'que'

ela'assumisse'esse'papel'fica'clara'logo'no'primeiro'verso'da'canção'(Wahisa#nganda#ximbo#

ucili# nangolo# nge# unazeye# twama/Organiza' a' casa' enquanto' ainda' tem' força,' mas' se' tiver'

cansada,'senta),#que,'segundo'a'interpretação'de'Muzala,'diz'que'se'ela'não'estiver'disposta'

a'isso,'é'melhor'desistir'do'título'de'Nyakatolo.'

' O'sentido'de'transmissão'da'cultura'às'novas'gerações,'correntemente'atribuído'ao'

Festival,'encontraEse,'por'sua'vez,'expresso'no'segundo'verso'(Vama#vama#pwevo#twayeno#

tumilongese# hamene# mikasale# nacisemwa# haya# myaka/Meninas,' venham' aprender' nossa'

cultura,'para'amanhã'ficarem'com'ela).'Já'as'últimas'linhas'da'canção'parecem'indicar'que'

essa' transmissão' se' dá' justamente' no' restabelecimento' do' vínculo' com' os' chefes'

tradicionais,'que'guardam'em'seus'próprios'nomes/títulos,'Nyakatolo,'Ndungu,'Mwacisengi,'

a'história'do'povo.'Se,'por'um'lado,'a'canção'parece'constranger'a'rainha'a'se'engajar'na'

organização'da'festa'(e'da'cultura,'em'última'instância),'por'outro,'também'incita'o'povo'a'

participar' da' festa' e' a' se' colocar' diante' de' seus' chefes,' através' dos' quais' reencontrariam'

sua' cultura.' Muitas' vezes,' Muzala' me' disse' que' “um' povo' sem' cultura' era' um' povo'

perdido”.'A'associação'entre'os'chefes'tradicionais'e'“a'água'que'acalma'nossos'corações”,'

nos' últimos' versos' da' canção,' remeteEme' justamente' a' esse' reencontro' do' povo' com' sua'

cultura' e,' consequentemente,' também' com' sua' história' e' identidade,' implicado' na'

veneração'de'seus'chefes.'''

! 68!
Retornando' àquela' roda' de# kacaca' na# vambunda,' poucos' dias' depois,' Muzala' teve'

que'se'ausentar'da'cidade'para'coletar,'em'áreas'afastadas,'peças'de'artesanato'que'seriam'

exibidas'na'festa.'Mas'antes'que'partisse,'deixouEme'aos'cuidados'de'Brevinta'Rosa.'A'partir'

daquele' dia,' Brevinta' se' tornou' meu' principal' contato' entre' os' participantes' da' festa,'

informandoEme'acerca'de'toda'a'rotina'de'ensaios'e'demais'atividades'preparatórias.'Assim'

que' pisava' na' vambunda,' ela' me' localizava,' sinalizando' para' que' ficasse' perto' dela' e' das'

mulheres'de'seu'grupo.'Nunca'me'deixaram'sozinha'e,'naturalmente,'passei'a'participar'de'

suas'rodas,'espaços'e'conversas.''

Brevinta' nasceu' em' Cazombo,' em' 1966,' mas' viveu' toda' a' infância' na' comuna' de'

Kalunda,' onde' o' avô' era' regedor.19'Em' 1985,' durante' a' ocupação' da' UNITA' no' município,'

ela'seguiu'para'o'exílio'em'Luena,'retornando'apenas'em'2002.'Decidiu'ir'para'Luena'porque'

lá'tinha'família'e'estaria'melhor'assistida.'Na'Zâmbia,'as'condições'para'os'refugiados'eram'

muito'ruins,'me'disse.'De'todo'modo,'para'chegar'até'a'capital'do'Moxico,'teve'que'“fazer'

coragem”.''

Sua' mãe' ainda' era' viva' quando' deixei' o' Alto' Zambeze,' em' 2013,' e' morava' em' um'

dos' bairros' periféricos' de' Cazombo.' Foi' prestigiosa' quimbandeira20.' Segundo' Muzala,' “de'

nível' intermunicipal”.' Mas,' àquela' altura,' estava' “na' igreja”' e' já' não' trabalhava' com'

mahamba.' Todo' o' conhecimento' e' gosto' que' Brevinta' demostrava' ter' pelas' “coisas”' da'

tradição'foi'com'ela'que'aprendeu.'Tive'o'prazer'de'conhecer'esta'senhora'numa'das'vezes'

que' veio' visitar' a' filha' no' Cazombo' (ver' Fig.' 10).' Passamos' uma' tarde' juntas' na' casa' de'

Brevinta,' ao' longo' da' qual' ela' “liquidou”' com' uma' garrafa' inteira' de' Palanca' Negra,' um'

destilado'de'cana'produzido'na'região.'No'final,'presenteouEme'com'legumes'colhidos'em'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
19
'Brevinta' é' neta' de' Martins' Kapalandanda,' sobrinho' de' Nyakatolo' Cisengo' e,' portanto,' pertencente' à'
linhagem'real.'
20
'Termo'genérico'usado'para'indicar'mulheres'especialistas'em'rituais'de'mahamba.'

! 69!
sua' roça:' batata' doce,' mandioca' e' duas' sementes' de' maiango' –' um' grão' cultivado'

tradicionalmente' entre' os' Luvale.' As' sementes' ainda' não' deram' fruto,' mas' se'

transformaram'numa'forte'trepadeira'que'cresce'a'cada'dia,'cobrindo'as'paredes'da'varanda'

de'minha'casa,'no'Brasil.'

Brevinta'teve'sete'filhos.'Conheci'bem'os'dois'primeiros.'João,'o'mais'velho,'tinha'28'

anos'em'2013.'Ele'era'um'dos'coordenadores'do'NEJAZ'(Núcleo'Esperança'da'Juventude'do'

Alto' Zambeze),' o' grupo' cultural' da' Escola' do' 1º' Ciclo.' Mingas,' a' segunda,' tinha' 24' anos' e'

sonhava'com'o'magistério.'Era'funcionária'da'Justiça'de'Cazombo,'onde'o'pai'ocupava'cargo'

de'destaque.'Além'disso,'integrava'o'“Jota”'(Jovens'pelo'MPLA'–'JMPLA)'e'por'isso'estava'

sempre'envolvida'em'atividades'do'partido.''

Depois'dos'dois'primeiros'filhos,'Brevinta'teve'uma'série'de'partos'mal'sucedidos,'o'

que'fez'com'que'“lhe'metessem'no'cipango”'–'cubata'de'palha'onde'a'gestante'de'risco'é'

submetida' à' terapia' ritual' de' longa' duração,' ficando' recolhida' durante' todo' o' período' de'

gestação'e'pósEnatal,'até'o'bebê'começar'a'dar'os'seus'primeiros'passos.'O'filho'gestado'no'

cipango#recebeu'o'nome'do'pássaro'kwiji#kajila,'para'que'pudesse'crescer'e'ser'uma'criança'

forte.' Depois' da' reclusão,' Brevinta' teve' mais' quatro' filhos,' sem' interrupções.' Ela' se'

recordava'com'aflição'do'período'da'reclusão,'contando'que'quando'o'batuque'soou'forte'

marcando' o' fim' e' o' sucesso' do' tratamento,' ela' incorporou,' sequencialmente,' um' número'

incontável'de'mahamba,'“sofrimento'que'não'vale'a'pena”,'disseEme.21'

Assim' como' a' mãe,' Brevinta' estava' “na' igreja”.' Embora' não' fosse' radical,' fazia'

tempo'que'não'participava'de'rituais'tradicionais,'como'os'de'mahamba.'Seu'ativismo'com'

o' grupo' das' nyakandandji' era' uma' forma' dela' continuar' vinculada' à' tradição.' E' como' o'

Festival' da' Cultura' Luvale' estava,' segundo' o' próprio' discurso' nativo,' mais' próximo' do'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
21
'No'Capítulo'3,'falaremos'com'mais'detalhes'sobre'os'rituais'de'mahamba,'incluindo'aqueles'voltados'para'o'
tratamento'de'problemas'reprodutivos.'

! 70!
“teatro”'do'que'do'culto'efetivo,'i.e.,'as'cantigas,'as'danças'e'os'ritmos'executados'ali'não'

tinham'um'fim'propriamente'ritual,'mas'apenas'o'de'“mostrar'a'cultura”'ou'“como'as'coisas'

eram'feitas'no'passado”,'ela'estava'isenta'da'censura'da'igreja.22'Em'conversa'gravada'com'

Brevinta'em'agosto'de'2013,'foi'assim'que'ela'definiu'o'seu'principal'objetivo'com'o'grupo:''

'

Fazer' recordar' aos' demais' que' afinal' a' cultura' não' anda' desaparecida,' que' até'
aqui' existe.' Muitos' aqueles' que' já' não' tinham' aquelas' noções' acabaram' por'
recordar'e'reforçar'o'grupo,'para'que'outras'tribos,'outras'etnias,'dessem'conta'
que' afinal' essa' cultura' não' anda' desaparecida,' está' assim' a' renascer.' [Brevinta'
03E08E2013,'clip'0833.'Falado'em'Luvale.'Tradução:'João]'
'

Brevinta'estava'à'frente'das'nyakandandji'desde'2011,'quando'o'grupo'foi'criado.'Na'

primeira' edição' da' festa,' realizada' na' comuna' de' Cavungu,' em' 2010,' sua' atuação' ficou'

restrita' à' cozinha' e' ao' protocolo.' A' ideia' de' formação' do' grupo' veio' da' COFETRAL,' mais'

especificamente' de' Muzala.' Foi' ele' também' que' chegou' à' conclusão' de' que' ela' seria' a'

pessoa'mais'indicada'para'coordenar'o'trabalho.'Reunir'as'demais'mulheres'não'foi'difícil,'

elas' eram' as' mesmas' que' atuavam' junto' à' Brevinta' nas' atividades' do' partido' –' a' maioria'

integrava'o'núcleo'da'OMA'(Organização'das'Mulheres'de'Angola)'da'comuna'do'Cazombo.'

Eram'mulheres'na'faixa'dos'40E50'anos,'que'nasceram'ainda'antes'da'independência'ou'um'

pouco'depois'dela'e'que'viveram'intensamente'dentro'da'tradição,'ao'menos'na'sua'infância'

e'adolescência,'sendo,'quase'todas,'iniciadas'no'mwali,'o'ritual'feminino'de'puberdade.''
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
22
'Brevinta' era' adepta' de' uma' das' muitas' igrejas' evangélicas' intaladas' no' Cazombo.' Segundo' dados' da'
Administração' Municipal' do' Alto' Zambeze,' em' 2013,' existiam' cerca' de' 30' igrejas' funcionando' no' município,'
considerando' as' de' origem' católica,' protestante' e' pentecostal,' entre' outras,' a' maioria' delas' com' sedes' em'
diferentes' “bairros”' e' comunas.' A' lista' das' igrejas' reconhecidas' pelo' governo' era' extensa' e' reunia,'
exatamente:' a' Igreja' Católica,' a' Igreja' Adventista' do' 7º' dia,' Igreja' Metodista' Unida,' a' Igreja' Evangélica'
Congregacional'em'Angola,'a'Igreja'Evangélica'dos'Irmãos'em'Angola,'a'Igreja'Assembleia'de'Deus'Pentecostal,'
a'Igreja'Bom'Deus,'a'Igreja'Congregacional'Cristã,'a'Igreja'Evangélica'Pentecostal'em'Angola,'a'Igreja'Apostólica'
Africana,'a'Igreja'Mensagem'do'Último'Tempo,'a'Igreja'Testemunha'de'Jeová,'a'Igreja'Luterana,'a'Igreja'Missão'
de' Reconciliação,' a' Igreja' Exército' de' Salvação,' Igreja' Nova' Apostólica,' a' Igreja' Kimbanquista,' a' Igreja'
Assembleia'de'Deus'Torre'de'Rebanho,'a'Igreja'A'Fé'Bahá’í,'a'Igreja'Missão'Pentecostal'Internacional'e'a'Igreja'
de' Cristo' em' Angola.' A' lista' das' não' reconhecidas' era' menor,' mas' assim' reunia' um' número' considerável' de'
igrejas,'entre'elas:'a'Igreja'Caminho'do'Santo'Espiritual'em'Angola,'a'Igreja'Missões'Cristão'de'África,'a'Igreja'
Comunidade' Cristão,' a' Igreja' Nova' Convenção,' a' Igreja' Comunidade' Evangélica' Cura' em' Cristo' e' a' Igreja'
Adventista'do'7º'dia'Movimento'de'Reforma.'

! 71!
Observando' seus' ensaios' na' vambunda,' percebi' que,' embora' não' tivessem' rigor'

coreográfico,' suas' roupas' fossem' improvisadas' e' seus' corpos' não' possuíssem' mais' a'

exuberância' e' agilidade' de' outros' tempos,' havia' alguma' coisa' na' roda' daquelas' mulheres'

que' fazia' com' que' se' diferenciassem' profundamente' do' “grupo' da' escola”,' liderado' por'

João,'como'veremos'a'seguir.'Existia'uma'cumplicidade'especial'entre'elas,'como'se'aqueles'

passos,' aqueles' ritmos,' aqueles' cantos' remetessem' a' todo' um' conhecimento' que' elas'

guardavam'entre'si,'como'um'segredo.''

'

'

'

G.'

[JOÃO,'NGUNGA'E'O'GRUPO'DA'ESCOLA]'

'

Cheguei'ao'campo'das'mangueiras'para'mais'um'ensaio;'tudo'estava'paralisado.'Não'havia'

sequer' um' batuqueiro' que' pudesse' animar' ao' menos' uma' pequena' roda' improvisada.'

Estávamos' a' uma' semana' da' abertura' oficial' da' festa' de' 2013.' As' mulheres' conversavam'

sentadas' sobre' os' tambores' deitados' ao' chão.' Brevinta' traduziuEme' a' conversa:' na' noite'

anterior,'oito'homens'da'etnia'LundaENdembu'tentaram'atear'fogo'à'arena'e'só'não'tiveram'

sucesso'porque'os'vendedores'do'mercado'ao'lado'os'impediram.'Apesar'da'preocupação'

generalizada,'elas'não'deixaram'de'exercitar'algumas'canções.'Brevinta'liderou,'puxando'a'

primeira'voz,'enquanto'as'outras'respondiam'em'coro.'João,'seu'filho,'estava'próximo'a'elas'

e' me' convidou' para' assistir' ao' ensaio' do' seu' grupo' no' dia' seguinte.' O' “grupo' da' escola”,'

como' era' conhecido,' vinha' ensaiando' em' uma' área' destacada,' a' meio' caminho' entre' a'

vambunda'e'o'centro'da'vila,'longe'do'assédio'do'público.''

! 72!
' João' nasceu' em' 1986,' no' exílio.' Embora' tenha' conhecido' o' Cazombo' em' 1989,'

passou'a'residir'definitivamente'na'vila'apenas'a'partir'de'2002,'com'a'consolidação'da'paz.'

Em'2007,'no'entanto,'retornou'provisoriamente'a'Luena'para'cursar'o'ensino'médio,'junto'

ao' seu' primo' Tozé.' Durante' os' quatro' anos' em' que' tiveram' que' se' alternar' entre' o'

Cazombo,'onde'passavam'as'férias,'e'a'capital'da'Província,'eles'se'envolveram'no'“Grupo'

dinamizador”'de'sua'escola,'articulando'alunos'em'torno'de'atividades'culturais'diversas.'Foi'

o' primeiro' contato' que' João' teve' com' a' “cultura”,' como' me' disse.' Quando' voltaram' ao'

Cazombo,'em'2011,'imediatamente'passaram'a'coordenar'o'grupo'cultural'da'Escola'do'1º'

Ciclo23,' que' batizaram' com' o' nome' de' NEJAZ' –' Núcleo' Esperança' da' Juventude' do' Alto'

Zambeze.'

O' NEJAZ' reunia' cerca' de' trinta' jovens' que' praticavam' regularmente' o' teatro,' a'

poesia' e,' sobretudo,' a' dança' tradicional.' Até' 2012,' o' grupo' era' formado' principalmente'

pelos'alunos'do'1º'Cilclo,'mas,'a'partir'daquele'ano,'passou'a'incorporar'adolescentes'das'

demais' escolas' da' vila' e,' também,' jovens' que' não' se' encontravam' matriculados' em'

nenhuma' escola,' mas' que' se' interessavam' em' participar' do' grupo' e' demonstravam'

“vocação'para'a'cultura”.'

A'primeira'participação'do'grupo'na'“festa'da'rainha”'foi'em'2012.'Dois'meses'antes'

do' Festival' daquele' ano,' um' integrante' da' COFETRAL' sugeriu' a' João' e' Tozé' que' o' NEJAZ'

participasse' do' evento.' Eles' aceitaram,' mas' com' a' condição' de' que' o' Comitê' lhes'

providenciasse' um' instrutor' para' treinar' os' alunos,' sem' o' que' consideravam' improvável'

conseguirem'preparar'alguma'coisa'em'tão'pouco'tempo,'já'que'a'dança'tradicional'não'era'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
23
'1º' Ciclo' em' Angola' refereEse' à' primeira' fase' do' ensino' secundário,' que' é' dividido' em' dois' “ciclos”'
sequenciais,' com' duração' total' de' seis' ou' sete' anos.' O' primeiro' compreende' a' 7ª,' a' 8ª' e' a' 9ª' classes,' e' o'
segundo,'a'10ª,'a'11ª'e'a'12ª.'O'ensino'secundário'em'Angola'é'o'estágio'que'se'segue'ao'ensino'primário'e'
que' precede' o' superior.' Em' relação' ao' sistema' educacional' vigente' hoje' no' Brasil,' o' 1º' Ciclo' de' Angola'
equivale,'de'modo'geral,'à'segunda'etapa'do'nosso'ensino'fundamental,'enquanto'o'2º'Ciclo,'ao'nosso'ensino'
médio.''

! 73!
ainda' uma' especialidade' do' grupo.' Josephine,' coordenadora' do' importante' grupo' cultural'

de'Lusaka'(Zâmbia),'passou'duas'semanas'no'Cazombo'trabalhando'exclusivamente'com'os'

jovens'da'Escola'do'1º'Ciclo,'quando'prepararam'aquilo'que'viriam'a'apresentar'na'festa.'Em'

sua' maioria,' os' integrantes' do' NEJAZ' possuíam' uma' relação' superficial' com' a' tradição'

luvale.'Criados'no'exílio,'muitos'nem'passaram'pela'mukanda,'ou'pelo'mwali.'A'experiência'

que' tiveram' com' Josephine' e' depois' com' sua' participação' no' Festival' representou' seu'

contato'mais'intenso'com'as'danças,'cantos,'ritmos,'enfim,'com'o'conhecimento'tradicional.''

Em' conversa' gravada' com' João' logo' após' a' festa' de' 2013,' ele' me' contou' sobre' as'

mudanças'que'o'grupo'sofrera'após'sua'primeira'participação'na'“festa'da'rainha”.'Lembrou'

que,' no' carnaval' daquele' ano 24 ,' mais' uma' vez,' eles' ficaram' em' segundo' lugar' numa'

competição' organizada' pela' administração' municipal,' o' que' teria' desencadeado' uma'

“mudança'de'ideias”'no'interior'do'grupo.'Como'vinha'acontecendo'em'situações'de'disputa'

similares,'o'júri'deu'o'prêmio'principal'para'o'grupo'de'Brevinta,'que'teria'levado'vantagem'

em'relação'ao'NEJAZ'por'contar'com'uma'orquestra'própria'de'tambores,'o'que'conferia'às'

suas' performances' maior' fidelidade' à' tradição,' um' dos' principais' critérios' na' seleção' dos'

vencedores.' Segundo' João,' ali,' ficou' claro' que,' se' quisessem' se' afirmar' como' o' grupo'

cultural'mais'importante'do'município,'eles'deveriam'assumir'o'batuque'acústico,'deixando'

de'lado'o'uso'do'som'eletrônico.''

A' aquisição' de' um' conjunto' de' tambores' e' sua' introdução' nas' apresentações' do'

grupo'foi,'seguramente,'a'principal'mudança'que'ocorrera'no'NEJAZ'de'2012'para'2013'e'ela'

estava'diretamente'relacionada'à'entrada'de'Antônio'Ngunga'no'grupo.'Tendo'crescido'na'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
24
'O' carnaval' é' uma' das' festas' mais' populares' de' Angola,' hoje' comemorado' de' acordo' com' o' calendário'
católico,' como' no' Brasil.' ' Em' geral,' a' festa' se' organiza' em' torno' de' desfiles' competitivos,' que' reúnem' uma'
série'de'grupos'carnavalescos.'No'Alto'Zambeze,'os'grupos'concorrentes'nas'competições'organizadas'durante'
o'carnaval'são'os'mesmo'que'participam'de'eventos'como'o'Festival'da'Cultura'Luvale,'a'exemplo'do'grupo'das'
nyakandandji,'liderado'por'Brevinta,'e'o'NEJAZ,'liderado'por'João.'

! 74!
Zâmbia,' Ngunga' chegou' a' integrar' o' grupo' de' Josephine,' em' Lusaka.' Em' 2012,' recém'

chegado' do' exílio,' ele' participou' da' “festa' da' rainha”' apenas' como' espectador.' Um' dos'

integrantes' do' NEJAZ,' que' o' conhecia' e' sabia' de' sua' experiência' como' tocador,' cantor' e'

bailarino,' o' convidou' para' conhecer' o' trabalho' do' grupo.' Mal' começou' a' frequentar' os'

ensaios,'em'abril'de'2013,'logo'assumiu'a'função'de'instrutor.''

Aquele'ensaio'do'NEJAZ'que'assisti'a'convite'de'João'às'vésperas'do'Festival'de'2013'

foi'todo'comandado'por'Ngunga.'Ele'era'o'principal'tocador,'embora'estivesse'apoiado'por'

outros' jovens' do' grupo,' que' se' descobriu' também' terem' habilidades' para' o' batuque.' Ao'

som' frenético' dos' tambores,' cerca' de' 20' meninos' e' meninas' treinavam' a' ciyanda,' dança'

tradicional'ensinada'às'noviças'do'mwali'(o'ritual'feminino'de'puberdade)'durante'o'período'

de' reclusão.' Embora' seja' tradicionalmente' feminina,' no' contexto' do' Festival' Luvale,' a'

ciyanda' é' também' executada' por' homens,' constituindo' o' principal' número' de' dança' da'

maior' parte' dos' grupos' culturais' participantes' do' evento.' Segundo' me' contou' um'

experiente' dançarino' luvale' da' comuna' de' LumbalaEKakengue,' a' ciyanda' é' a' “dança' de'

trabalho”'dos'grupos,'com'a'qual'eles'ganham'dinheiro.25''

Consistindo' basicamente' em' movimentos' lateralizados' com' os' quadris,' executados'

em' uma' velocidade' surpreendente' e' sustentados' por' um' sapateado' ritmado,' a' ciyanda'

deveEse' dançar' usando' um' aparelho' chamado' ciwamba.# Este' aparelho' consiste' numa'

espécie' de' cinturão' com' enchimento,' adornado' com' uma' enorme' quantidade' de' fitas' de'

plástico,' pano,' ou' outros' tipos' de' materiais,' que' amplia' os' quadris' do' bailarino,' tornando'

ainda'mais'expressivo'e'impressionante'o'seu'movimento.'Durante'o'ensaio'a'que'assisti,'o'

grupo' da' escola' recebeu' uma' encomenda' com' dezenas' desses' cinturões,' feitos'

especialmente'para'comporem'o'figurino'que'os'jovens'usariam'no'dia'da'festa.'O'pacote'foi'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
25
'A'ciyanda#também'constitui'a'dança'particular'de'determinados'makixi,'com'destaque'para'Mwana'Pwevo'–'
a'adolescente'acrobata'e'estilosa,'segundo'a'definição'do'pesquisador'zambiano'Patrick'Wele'(1993).''

! 75!
recebido'com'excitação'pelos'jovens,'que'se'puseram'imediatamente'a'experimentar,'cada'

um,'a'sua'ciwamba.''

Além' de' tocar,' Ngunga' cantava' e' boa' parte' do' ensaio' naquele' dia' foi' dedicada' ao'

treino'de'algumas'canções'que'ele'vinha'ensinando'ao'grupo'e'que,'mais'tarde,'soube'serem'

de' sua' própria' autoria.' Um' desses' cantos,' que' reproduzo' a' seguir,' versa' sobre' o' conflito'

recente'entre'grupos'Ndembu'e'Luvale'no'Alto'Zambeze.'

'

Etu#katombe#ciku#
Mukaci#kamiaci#yetu#
' Não'ao'separatismo''
' Em'meio'aos'nossos'clãs'
Etu#vatu#vovamwe#
Twafuma#ku#mwaciavwa#
Ohonyi#cijile#
' Todos'nós'viemos'do'Mwaciavwa'
' Aí'não'
Upwega#ukacokwe#
Katombe#cijila#
' Mesmo'sendo'Cokwe'
' Separatismo'não'
Upwenga#ukalucazi##
Katombe#cijila#
# Mesmo'sendo'Lucazi'
' Separatismo'não'
Upwenga#ukaluvale#
Katombe#cijila#
# Mesmo'sendo'Luvale'
' Separatismo'não'
Upwenga#ukalunda#
Katombe#cijila#
# Mesmo'sendo'Lunda'
' Separatismo'não'
Etu#tunasakwilila##
Kuli#mwangana#wetu#Nyakatolo#
' Nós'agradecemos'a'nossa'rainha'Nyakatolo'
Tutwame#tulihulike#mangana#vatulweze#
Omu#valunga#temo#mumuhinyi#
# Temos'que'ouvir'para'entender'como'se'mete'a'enxada'no'cabo'
Kutwama#kulisongomena#keci#camwaza#koko#
Tufumise#katombe#kuno#ku#Kazombo#
# Viver'na'desconfiança'não'é'bom'
' Não'ao'separatismo'em'Cazombo'
Enu#miangana#jetu#lingenu#ngolo#
Tufumise#katombe#kuno#ku#Kazombo#
' Os'nossos'chefes'devem'se'esforçar'
' Não'ao'separatismo'em'Cazombo'
'

! 76!
O' vínculo' do' NEJAZ' com' a' Escola' faziaEse' sentir' no' conteúdo' de' todas' as' suas'

apresentações' que,' em' geral,' tinham' forte' caráter' educativo' e' pedagógico.' A' questão' do'

“separatismo”,'por'exemplo,'era'um'tema'corrente'em'seus'esquetes'teatrais,'performances'

de'poesia'e'números'corais,'como'aquele'que'estavam'preparando'em'torno'da'canção'de'

Antônio'Ngunga.'Ao'expor'a'origem'comum'dos'diferentes'povos'que'hoje'habitam'o'Alto'

Zambeze'e'áreas'aproximadas,'como'os'Luvale,'os'Cokwe,'os'Lucazi'e'os'LundaENdembu,'a'

canção'legitima'sua'mensagem'principal,'“separatismo'não”;'afinal,'não'deveria'haver'briga'

entre'“primos”,'ou'“irmãos”.'LembroEme'do'Sr.'Administrador'Adjunto,'terminado'o'Festival'

de' 2013,' contandoEme' sobre' a' enorme' satisfação' que' sentiu' diante' da' performance' do'

“grupo'da'escola”,'com'suas'“mensagens'de'paz”.'

Voltando' ao' ensaio,' ao' final,' Ngunga,' João' e' Tozé' reuniram' os' jovens' para' uma'

conversa.'Falaram'sobre'os'atrasos'que'vinham'acontecendo'com'frequência'e'procuraram'

motiváElos'a'participar'com'mais'comprometimento'na'reta'final'de'preparação'para'a'festa.'

Disseram' que' estavam' todos' “de' olho' no' grupo”' e,' por' isso,' tinham' que' agarrar' a'

oportunidade' com' tudo,' porque' poderiam' estar' disputando,' sem' saber,' uma' vaga' para'

representar' os' grupos' culturais' de' Angola' no' Likumbi# Lya# Mize,' o' celebrado' festival'

zambiano,' que' aconteceria' cerca' de' dois' meses' depois.' Finalizaram' a' conversa'

compartilhando' a' necessidade' de' terem' de' se' mudar' o' mais' rápido' possível' para' o'

acampamento'na'vambunda,'de'preferência,'já'no'dia'seguinte.'Portanto,'cada'um'deveria'

organizar'seu'cobertor,'sua'muda'de'roupas,'prato,'talher,'caneca,'uma'bacia'para'se'banhar'

e'um'colchonete'ou'esteira'onde'pudesse'dormir.'Uma'das'meninas'comentou'que'os'pais'

estavam' muito' preocupados' e' que' talvez' pudessem' não' concordar' com' a' sua' ida' para' o'

acampamento.' Segundo' ela,' era' necessário' que' os' diretores' do' grupo' conversassem' com'

eles'para'explicar'pessoalmente'como'seria'organizada'sua'estadia'na'vambunda'e,'então,'

! 77!
conseguirem'a'sua'autorização.'Chamou'a'atenção'um'recado'que'uma'das'meninas,'que'se'

encontrava' ausente' já' há' dois' ensaios' consecutivos,' mandou' através' de' uma' de' suas'

colegas.' Ela' dizia' que' não' participaria' da' festa' porque' estava' com' “medo' dos' sobas”.' Na'

verdade,'medo'de'ser'atingida'pela'azagaia'(um'tipo'de'lança)'de'um'chefe'Ndembu.'

Três'dias'depois,'estava'eu'de'volta'a'vambunda.'As'mulheres'iniciaram'sua'roda'por'

volta' das' 16h,' como' de' costume.' Chamou' a' atenção' a' orquestra' de' tambores' composta'

inteiramente' por' homens' luvale' de' Angola,' o' que' não' se' via' no' ano' anterior,' quando,' só'

depois'da'chegada'dos'zambianos,'os'ensaios'passaram'a'ser'acompanhados'por'batuques.'

Além' disso,' o' grupo' das' nyakandandji' contava' com' o' apoio' de' alguns' bailarinos,' o' que'

também' era' novidade.' Em' 2012,' os' homens' que' dançavam' nas' rodas' –' os' mesmos' que'

depois'vestiriam'os'“palhaços”'–'eram'exclusivamente'zambianos.''

' Parte' dos' tambores' usados' na' kacaca' nos' dias' anteriores' encontravamEse'

desativados'em'meio'ao'círculo'de'mulheres.'Três'eram'usados'e'estavam'deitados'ao'chão'

em' uma' das' extremidades' da' roda,' que' se' transformara' numa' meia' lua,' completada'

exatamente'por'aquela'formação'de'tambores.'Sentados'sobre'eles,'homens'batucavam'em'

ritmo' frenético.' Um' novo' instrumento' incrementava' a' orquestra,' chamavaEse' pwita,' uma'

espécie'de'cuíca'gigante,'que'produzia'os'tons'mais'graves'da'percussão.'Um'homem'que'

aparentava' ter' entre' trinta,' quarenta' anos,' cego' de' um' olho,' dançava' no' centro' da' roda,'

esbanjando'habilidade'com'os'quadris.'

' Vi'aproximaremEse'algumas'meninas'do'grupo'da'escola'que'àquela'altura'já'estava'

acampado' na# vambunda.' Elas' exibiam' novos' penteados' –' diferentes' arranjos' de' tranças'

postiças' na' cabeça.' Ficaram' ao' longe,' sem' se' misturar' à' roda' das' mulheres.' O' único'

integrante' do' NEJAZ' que' estava' incorporado' ao' ensaio' das# nyakandandji' era' Antônio'

Ngunga.'Ele'se'somara'ao'grupo'de'batuqueiros,'tocava'um'dos'tambores'e,'eventualmente,'

! 78!
puxava'os'cantos.'De'repente,'uma'daquelas'meninas,'apoiada'por'dois'ou'três'rapazes'do'

seu' grupo,' surpreendeu' a' todos,' invadindo' a' roda' e' “roubando”' os' tambores' que' se'

encontravam' ao' centro' sem' serem' usados!' Como' se' tivessem' conquistado' um' troféu,'

fugiram' em' êxtase' em' direção' à' tenda' onde' estavam' acampados.' Atrás' dela,' havia' um'

conjunto'de'árvores'e'ali'iniciariam'o'seu'ensaio.'Arrastaram'consigo'todo'o'público,'curioso'

com'o'que'tinham'a'apresentar'as'jovens'beldades'do'Cazombo.'A'roda'das'mulheres'não'se'

sustentou'por'muito'tempo'sem'a'sua'assistência.'Logo'se'dispersaram,'decepcionadas.'Não'

tive'outra'escolha'a'não'ser'aderir'à'pequena'multidão'que'se'formara'à'volta'do'grupo'a'

escola.''

Organizados' em' linha,' de' frente' para' os' tambores,' meninos' e' meninas' levaram' a'

plateia' ao' delírio' com' sua' ciyanda# coreografada.' Por' vezes,' dois' deles' se' destacavam,'

formando'um'casal.'Com'as'pernas'entrecruzadas,'realizavam'movimentos'lentos'e'sinuosos'

com'a'bacia,'simulando'o'ato'sexual.'Esta'dança'erótica'chamaEse'mutenya.'Assim'como'a'

ciyanda,' também' faz' parte' originalmente' do' repertório' transmitido' às' noviças' do' mwali#

durante'a'reclusão.'Ali,'ela'aumentava'ainda'mais'o'nível'de'excitação'do'público.''

Não' prestigiei' por' muito' tempo' a' roda' do' grupo' da' escola,' em' solidariedade' às'

nyakandandji,' que' tiveram' a' sua' interrompida.' Saí' à' procura' de' Brevinta' Rosa,' que' não'

havia'participado'da'roda'das'mulheres'naquela'tarde.'EncontreiEa'preparando'uma'panela'

de# funge' na' imbala' da' rainha,' do' outro' lado' da# vambunda.' DisseEme' que' não' tinha'

participando'do'ensaio'por'conta'da'dor'que'sentia'nas'pernas,'em'função'do'reumatismo'

crônico.'Criticou'as'péssimas'condições'em'que'estavam'na'vambunda,'sem'água'e'sem'luz.'

Por' fim,' contouEme' que' na' noite' anterior' algumas' crianças' haviam' colocado' fogo' em' boa'

parte'do'campo'preparado'para'o'acampamento'dos'sobas,'chegando'a'atingir'a'área'mais'

distante'da'mukanda.''

! 79!
Como' já' se' sabe,' mukanda# é' o' nome' do' ritual' de' circuncisão' masculino,' ao' qual' a'

performance'dos#makixi'está'associada.'Designa'também'o'próprio'espaço'onde'os'neófitos'

ficam' recolhidos,' da' cirurgia' à' cicatrização' da' ferida.' Embora' nenhum' menino' tenha' sido'

circuncidado'durante'os'Festivais'de'2012'e'2013,'ainda'assim'uma'mukanda'foi'preparada,'

próxima'à'arena'da#vambunda,'para'acolher'os'makixi#participantes'do'evento.'Da'mesma'

forma'que'no'ritual'tradicional,'a#mukanda'do'Festival'também'era'interdita'às'mulheres'e'

aos'nãoEiniciados,'sendo'construída'longe'do'público.''

Segundo'o'que'Brevinta'me'disse'naquele'fim'de'tarde'em'2013,'como'mandava'o'

costume,'seria'cobrado'da'família'das'crianças'que'espalharam'fogo'na'vambunda'um'boi,'

que' deveria' ser' degolado' sobre' a' mukanda,' compensando,' com' o' sangue' do' sacrifício,' a'

ofensa'cometida.26''

João' apareceu' àquela' altura,' querendo' notícias' da' mãe' e' saber' se' ela' estava'

precisando'de'alguma'coisa.'Conversaram'um'pouco'sobre'as'condições'dos'acampamentos,'

dividindo' o' mesmo' desconforto' em' relação' à' falta' de' água' e' de' luz,' sobretudo' à' falta' de'

água,'razão'dos'casos'recorrentes'de'diarreia'e'vômito'na'área.'Brevinta'serviu'um'prato'de'

funge#a'ele.'Assim'que'terminou'de'comer,'João'se'despediu,'estava'indo'para'casa'preparar'

sua'mochila.'Sua'ideia'era'voltar'ainda'naquele'dia'para'o'acampamento,'de'onde'não'sairia'

até' o' término' do' Festival.' Brevinta' protestou.' Disse' que' não' queria' ver' o' filho' circulando'

pela' estrada' à' noite.' Havia' chegado' aos' seus' ouvidos' que' homens' ndembu' estavam'

ameaçando'matar'pessoas'no'caminho'entre'a'cidade'e'a'vambunda'e,'embora'a'rainha'já'

tivesse' solicitado' às' autoridades' competentes' que' fossem' tomadas' as' providências'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
26
'O' caso' do' fogo' que' atingiu' a' mukanda' em' 2013' remete' a' uma' outra' situação' que' também' me' chamou' a'
atenção'no'ano'anterior.'Às'vésperas'do'Festival'de'2012,'estava'eu'na'vambunda,'em'companhia'de'Brevinta,'
que' preparava,' com' a' ajuda' de' outras' mulheres,' alguns' panelões' de'funge# que' serviriam' de' almoço' para' os'
grupos'culturais'acampados.'Já'era'tarde,'cerca'de'16h,'e'todos'ainda'estavam'à'espera'da'primeira'refeição'do'
dia.' De' repente,' um' dos' bailarinos' zambianos' surgiu' da' mata,' vindo' da' mukanda.' Estava' furioso.' Protestava'
pelo'fato'de'ninguém'ter'levado'comida'para'os'homens'na'mukanda'até'aquela'altura.'Eles'estavam'passando'
fome'e'aquilo'era'inaceitável.'Se'a'situação'não'fosse'resolvida'logo,'ele'queimaria'tudo,'inclusive'as'máscaras.'''

! 80!
necessárias,'ela'não'se'sentia'segura.'Mas'João'seguiu'mesmo'assim.'Disse'não'ter'medo'dos'

Ndembu'e'que'achava'improvável'eles'fazerem'o'que'estavam'prometendo.'

'

'

'

H.'

'[INTERDIÇÃO'AOS'ESTRANGEIROS]'

'

Quando'cheguei'ao'Cazombo'em'junho'de'2013,'uma'das'primeiras'informações'que'recebi'

foi' que,' possivelmente,' os' zambianos' e' congoleses' convidados' a' participar' da' festa' da'

rainha'naquele'ano'seriam'impedidos'pelo'governo'de'entrar'em'Angola,'inclusive'os'grupos'

culturais' organizados' e' chefes' tradicionais' mais' renomados.' A' sanção' colocava' uma'

condição' um' tanto' quanto' complicada' para' os' organizadores' do' Festival,' visto' que,' até'

aquele' ano,' os' grupos' culturais' participantes' do' evento' eram' quase' que' exclusivamente'

zambianos' –' os' grupos' angolanos' ou' ainda' eram' muito' poucos' ou' muito' inexperientes.'

Entretanto,' até' a' véspera' da' festa,' a' efetividade' da' interdição' era' incerta,' assim' como' a'

posição'dos'Luvale'frente'à'determinação'do'governo'também'oscilou'bastante.'

A' explicação' mais' difundida' para' o' impedimento' à' entrada' dos' estrangeiros'

responsabilizava'os'LundaENdembu.27''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
27
'Assim' como' os' Luvale' e' outros' povos' relacionados' que' habitam' o' nordeste' e' leste' de' Angola,' os' LundaE
Ndembu' também' descendem' do' poderoso' Estado' Lunda,' da' região' da' Katanga' (RDC).' Embora' se' encontre'
hoje' bastante' disseminado' por' toda' a' bacia' hidrográfica' do' rio' Zambeze,' inclusive' pelo' município' do' Alto'
Zambeze'(Angola),'sua'maior'concentração'é'na'região'do'distrito'de'Mwinilunga,'no'noroeste'da'Zâmbia.'Foi'
exatamente' nessa' área' onde' Vitor' Turner' fez' seu' trabalho' de' campo' nos' anos' 50' do' século' XX,' como'
pesquisador' do' RhodesELivingstone' Institute,' publicando' uma' série' de' livros' e' artigos' com' centralidade' no'
estudos' dos' rituais' (Turner' 1957,' 2005' [1967],' 1968,' 1974a' [1969]).' A' obra' de' Turner' apresenta' um' corpus'
etnográfico'incrivelmente'extenso'que'faz'dos'Ndembu'um'dos'grupos'mais'bem'documentados'da'literatura'
antropológica'(Peirano'1990:61).''
'

! 81!
O' Festival' da' Cultura' LundaENdembu' é' realizado' sempre' um' mês' antes' do' Festival'

Luvale,' mas' naquele' ano' ele' não' acontecera.' Diante' do' mesmo' tipo' de' condição' que' o'

governo'impôs'aos'Luvale,'limitando'a'participação'em'sua'festa'apenas'aos'angolanos,'os'

organizadores'do'Festival'Ndembu,'optaram'pelo'seu'cancelamento.'DiziaEse'que'o'governo'

desconfiara' que' em' meio' aos' 200' convidados' estrangeiros' que' se' esperava' para' a' festa'

ndembu,'havia'coronéis'da'UNITA'infiltrados'e,'por'isso,'determinou'que'sua'entrada'fosse'

proibida.'Para'não'agir'com'“dois'pesos'e'duas'medidas”,'fezEse'o'mesmo'mais'tarde'com'os'

convidados'luvale'da'Zâmbia'e'do'Congo.''

Além'disso,'corria'o'boato'de'que'os'organizadores'do'Festival'Ndembu'pretendiam'

“exonerar”'uma'série'de'chefes'tradicionais'de'sua'etnia,'que'seriam'substituídos'por'outros'

vindos'da'Zâmbia,'em'meio'aqueles'mesmos'200'convidados'estrangeiros'esperados'–'o'que'

particularmente'indignava'os'Luvale'com'quem'conversei'sobre'o'assunto.'Sua'suspeita'era'

de' que' os' “elementos”' que' se' pretendia' colocar' no' lugar' dos' chefes' ndembu' efetivos'

fossem'justamente'os'tais'“coronéis”'infiltrados'da'UNITA'–'ou'pessoas'ligadas'ao'partido'de'

alguma'forma.'

O'Festival'da'Cultura'LundaENdembu,'o'qual'não'tive'a'aportunidade'de'assistir'em'

nenhum'dos'anos'em'que'estive'no'Alto'Zambeze,'é'organizado'pelo'chefe'ndembu'Cinuke,'

a' quem' o' evento,' ao' mesmo' tempo,' presta' homenagem.' Cinuke' foi' figura' muito' citada'

desde' a' minha' primeira' viagem' a' campo.' ContavaEse' que' ele' era' o' principal' responsável'

pelo'“tribalismo”'emergente'na'área'e'pelos'ataques'desferidos'contra'a'rainha'Nyakatolo.'

Durante'todo'meu'trabalho'no'Alto'Zambeze,'procurei'saber'detalhes'sobre'o'atual'conflito'

entre' grupos' ndembu' e' luvale' na' região.' No' início,' não' foi' fácil.' As' pessoas' costumavam'

desviar' do' assunto' e' eu' também' evitava' insistir.' No' último' ano,' contudo,' o' tema' era'

corrente'e'inevitável.'

! 82!
A'primeira'pessoa'a'se'deter'um'pouco'mais'no'assunto'comigo'foi'a'Administradora'

do'Município,'a'Sra.'Adelina'Cilika,'depois'de'um'dia'em'que'almoçamos'juntas'no'Palácio'da'

Administração,' ainda' em' 2012.' Foi' ela' quem' me' contou' que,' na' verdade,' o' ataque' dos'

Ndembu'à'rainha'dos'Luvale'não'era'resultado'de'uma'estratégia'bélica'elaborada'por'um'

conjunto'de'lideranças'tradicionais,'mas,'ao'contrário,'partia'do'movimento'de'um'chefe'em'

particular,' conhecido' como' Cinuke.' Segundo' ela,' Cinuke' é' o' nome' de' um' antigo' título' de'

nobreza' tradicional' e' significa' “aquele' que' suporta' o' cheiro' dos' mortos”.' Esse' título' era'

atribuído' à' pessoa' que' cuidava' dos' restos' mortais' dos' reis.' Quando' reis,' rainhas,' ou'

importantes' chefes' de' linhagem' morriam,' a' notícia' não' era' divulgada' até' que' sua' cabeça'

apodrecesse'e'pudesse'ser'separada'do'corpo.'A'prática'entrou'em'desuso'e'o'título'perdeu'

sua' efetividade' sacerdotal.' Contudo,' com' o' tempo,' passou' a' designar' uma' chefia'

determinada.''

A'administradora'me'contou'toda'a'história'do'nome'Cinuke'para'justificar'sua'tese'

de' que' a' pessoa' que,' naquele' momento,' carregava' aquele' título' não' era' um' chefe'

tradicional'legítimo,'vinculado'às'linhagens'reais.'Portanto,'todo'o'ataque'movido'contra'a'

rainha' luvale' davaEse,' segundo' ela,' nesse' contexto,' de' alguém' que' quer' conquistar' (ou'

manter),' seja' pela' força' ou' por' vias' indiretas,' um' poder' que' tradicionalmente' não' se'

sustenta.'

Ainda'durante'minha'temporada'de'2012'no'Cazombo,'José'Itumbo'–'presidente'da'

comissão'organizadora'do'Festival'Luvale'e,'como'Muzala,'membro'fundador'da'COFETRAL'–'

me'deu'mais'uma'versão'do'que'estaria'por'trás'dos'ataques'de'Cinuke'à'rainha'Nyakatolo.'

Em'primeiro'lugar,'ele'descreveu'com'detalhes'o'processo'histórico'de'formação'dos'bairros'

e,' em' maior' escala,' das' comunas' no' Alto' Zambeze,' o' qual' mencionei' em' nota'

anteriormente.' Segundo' Itumbo,' entre' 1940' e' 1960,' o' governo' português' interveio'

! 83!
significativamente'no'padrão'tradicional'de'assentamento'dominante'no'município.'“É'nesse'

período'que'começam'a'surgir'as'senzalas”,'me'disse.'Até'então'os'Luvale'organizavamEse'

em'pequenos'núcleos'familiares'dispersos'ao'longo'dos'cursos'dos'rios.'Contudo,'temendo'

que' esses' pequenos' grupos' fossem' recrutados' pelas' forças' rebeldes' do' recémEformado'

MPLA,' já' em' prática' de' guerrilha' na' região,' e' para' facilitar' o' seu' controle,' o' governo'

português' forçou' a' sua' aproximação' em' torno' dos' postos' administrativos,' que' vinham'

sendo' implantados' na' região' desde' os' anos' 1920.' Itumbo' apontou,' entretanto,' uma'

consequência'grave'desse'processo,'com'forte'repercussão'até'o'presente.'A'aproximação'

forçada'dos'núcleos'fez'com'que'importantes'chefes'de'linhagem'tivessem'que'se'submeter'

às'lideranças'das'áreas'para'onde'estavam'sendo'deslocados.'E,'segundo'Itumbo,'esse'havia'

sido' o' caso' do' soba' ndembu' Cinuke,' que' fora' deslocado' para' a' sede' de' Cazombo,' área'

dominada' tradicionalmente' pelo' soba' luvale' Tipoia.' O' governo' português' teria' solicitado'

diretamente' à' própria' rainha' Nyakatolo' que' permitisse' e' viabilizasse' a' aproximação' de'

Cinuke'da'área,'o'que'ela'acatou.'

Uma'terceira'teoria'sobre'as'motivações'de'Cinuke'contra'a'rainha'era'a'de'que'ele'

possuía' ligações' inequívocas' com' a' UNITA,' no' mínimo' como' filiado' do' partido' –' do' que'

também' tive' conhecimento' já' na' minha' primeira' viagem,' por' ser' consenso' entre' os' meus'

interlocutores.'Aqui'vale'lembrar'do'vínculo'histórico'das'rainhas'luvale'com'o'MPLA,'desde'

o' período' préEindependência,' quando' o' movimento' fez' guerrilha' na' região,' como' citado'

anteriormente.' Além' disso,' boa' parte' dos' sobas# luvale' com' os' quais' tive' contato,' assim'

como' os' integrantes' da' COFETRAL' e' demais' organizadores' do' Festival,' eram' filiados,' ou,'

pelo'menos,'expressavam'publicamente'simpatia'ao'MPLA,'muitas'vezes'integrando'núcleos'

ou'comitês'locais'associados'ao'partido.''

! 84!
Em'2013,'alguns'desses'meus'colaboradores'compartilharam'comigo'a'sua'hipótese:'

por' trás' da' festa' ndembu' havia' uma' articulação' para' fortalecer' a' UNITA' na' região.' Desse'

ponto' de' vista,' a' nomeação' de' novos' chefes' ndembu,' supostamente' simpáticos' à' UNITA,'

era'claramente'estratégica.'Segundo'eles,'Cinuke'agia'movido'por'uma'promessa.'O'partido'

lhe' teria' dito' que,' tomando' o' poder,' ele' seria' o' rei' soberano' do' Alto' Zambeze.' Portanto,'

fortalecendo' o' partido,' ele' fortalecia' a' si' mesmo.' Alguns' indícios' levavam' meus'

interlocutores' a' chegar' a' tal' conclusão.' Em' primeiro' lugar,' o' presidente' da' UNITA'

encontravaEse'na'vila'às'vésperas'do'Festival'Ndembu,'exatamente'para'prestigiar'o'evento'

promovido'por'–'e'realizado'em'homenagem'a'–'Cinuke.'Além'disso,'sabiaEse'que'esse'tinha'

enviado' um' convite' ao' Ministro' da' Segurança' Nacional.' “O' que' significava' aquilo?'

Provocação?' Uma' coisa' era' convidar' o' Ministério' da' Cultura,' mas' o' que' tem' a' ver' o'

Ministério' da' Segurança' com' o' Festival' da' Cultura' LundaENdembu,' o' que' teria' ali' de'

interesse'para'eles?”,'disseramEme.'

'O'fato'é'que'os'estrangeiros'foram'impedidos'de'entrar'no'país'e'a'interdição'atingiu'

não'apenas'o'Festival'Ndembu,'mas'também'o'Luvale.'Num'primeiro'momento,'a'posição'da'

COFETRAL'e'também'dos'chefes'tradicionais'mais'envolvidos'na'produção'do'evento'foi'a'de'

acatar'a'determinação'do'governo'e'prosseguir'com'os'preparativos'da'festa.'Era'importante'

para'eles'afirmar'sua'disposição'de'colaboração'com'o'governo'e'mostrar'que,'por'trás'do'

Festival' Luvale,' não' havia' interesses' escusos.' Não' oferecendo' resistência' à' decisão' do'

governo,'eles'achavam'que'estariam'dando'um'recado'claro:'o'seu'evento'não'dependia'da'

presença'de'zambianos'ou'congoleses'e,'muito'menos,'estava'sendo'feito'para'dissimular'o'

ingresso'de'estrangeiros'indesejáveis'no'país.'

'
Se'a'gente'entrar'agora'em'intrigas'com'o'governo,'o'governo'vai'ser'renitente'e'
vai' perguntar:' “Se' eu' impedi,' vocês' estavam' a' insistir?' O' que' que' vocês' queriam'
colocar' aqui' dentro?”.' Então,' nós' vamos' realizar' nós' mesmos,' mesmo' que' saia'

! 85!
bem,'ou'que'saia'mal.'Mas,'depois,'no'fim'disto,'nós'vamos'entrar'em'conversação'
com'o'governo'para'sabermos'o'porque.'[Muzala,'25E08E2013,'clip'1054.'Falado'em'
português]'
'

Contudo,' cerca' de' dez' dias' antes' da' abertura' do' Festival,' a' posição' dos'

organizadores'do'evento'era'outra.'Eles'pretendiam'aproveitar'a'presença'do'governador'do'

Moxico,' o' Sr.' João' Ernesto' dos' Santos' “Liberdade”,' que' se' encontrava' na' vila' para'

inspecionar'pessoalmente'uma'série'de'obras'públicas'em'curso'no'município,'para'negociar'

ao'menos'a'liberação'dos'grupos'culturais'zambianos.'ContavaEse'que'o'próprio'Liberdade'

tinha'acenado'com'essa'possibilidade;'afinal,'ele'também'possuía'interesses'na'festa'–'havia'

muitos' convidados' do' governo' confirmados' e' era' inegável' que' a' presença' dos' zambianos'

fortalecia' o' evento.' Uma' audiência' foi' então' marcada,' reunindo' o' governador,' alguns'

membros'da'COFETRAL,'os#sobas'Njamba'e'Kawiza'(filho'legítimo'de'Nyakatolo)'e'a'rainha.'

“Se' a' festa' Luvale' não' escondia' nada,' porque' a' entrada' dos' zambianos' representava' uma'

ameaça?”,'indagariam'ao'governador,'segundo'me'disse'Muzala.''

'
O' problema' não' é' conosco,' se' o' governo' tem' problema' com' os' Lunda,' não' tem'
nada' a' ver' com' a' rainha.' Se' os' Lunda' cometeram' um' erro' com' o' governo,' não'
pode' abranger' também' a' rainha.' A' rainha' é' a' rainha,' não' pode' comparar' com'
qualquer' soba# aqui,' ela' manda' e' determina.' Também' é' ela' uma' governante'
importante' do' povo.' Também' ela' governa' pessoas,' não' governa' árvores.' Então,'
nós'queríamos'que'a'Rainha'mais'ou'menos'perguntasse'ao'governo'qual'o'crime'
que' ela' tivera' feito' para' que' lhe' impeçam' a' entrada' dos' zambianos,' dos' grupos'
culturais' zambianos.' (...)' Porque' a' festa' não' é' só' dos' Luvale' daqui' de' Angola.' A'
festa'é'de'todos'os'Luvale'aonde'eles'estiverem,'quer'na'Zâmbia,'quer'no'Congo,'
quer' na' Namíbia.' A' nós' já' foi' atribuído' um' diploma' de' mérito,' diploma'
internacional'de'mérito,'que'o'Ministério'da'Cultura'nos'deu.'Então,'ele'conhece!'
Agora,'como'é'possível'nos'impedir,'qual'é'o'problema,'qual'é'o'crime?'[Muzala,'
25E08E2013,'clip'1054.'Falado'em'português]'
'

Liberdade'foi,'contudo,'irredutível.''

No' dia' seguinte,' Muzala' partiu' em' direção' à' Zâmbia' com' o' objetivo' de' comunicar'

aos'grupos'culturais'organizados'os'motivos'da'interdição'à'sua'entrada'em'Angola.''

! 86!
Para'minha'surpresa,'pouco'menos'de'três'dias'antes'da'abertura'do'Festival,'percebi'

que'o'assunto'não'estava'de'todo'encerrado.'Isto'porque'a'COFETRAL'vinha'tentando'fazer'

com'que'pelo'menos'um'pequeno'grupo'de'bailarinos'zambianos,'especialistas'na'arte'de'

dançar'o'makixi,#participasse'da'festa.''

Era' mais' um' fim' de' tarde' e' eu' estava' na' vambunda,' o' ensaio' dos' grupos' culturais'

tinha'terminado'não'fazia'nem'dez'minutos.'Subitamente,'um'dos'homens'do'Comitê,'cujo'

nome' não' me' recordo,' aproximouEse,' coberto' de' poeira.' Tinha' acabado' de' chegar' de'

viagem,'vinha'da'fronteira,'onde'tentava'solucionar'o'caso'de'dez'dançarinos'zambianos'que'

haviam' sido' impedidos' de' entrar' em' Angola.' Ele' estava' à' procura' de' José' Itumbo,' tinha' a'

expectativa'de'que'se'a'rainha'interviesse,'a'entrada'dos'homens'seria'liberada.''

Mais'tarde,'eu'ficaria'sabendo'que'a'COFETRAL'tinha'entregue'uma'soma'de'dinheiro'

àquele'grupo'de'bailarinos'para'viabilizar'seu'trânsito'para'Angola,'mas'a'orientação'era'que'

eles'entrassem'separadamente,'i.e,'cada'um'de'uma'vez,'e'que'justificassem'a'viagem'com'

razões'pessoais,'como'a'visita'a'um'parente.'No'entanto,'os'homens'devem'ter'subestimado'

o' rigor' do' governo' no' controle' das' fronteiras,' porque' viajaram' em' grupo,' todos' em' um'

mesmo' carro.' Não' deu' certo,' foram' detidos' e' a' última' possibilidade' de' participação' de'

algum'zambiano'na'festa'de'2013'desapareceu'ali.''

No' fim,' os' organizadores' do' Festival' conseguiram,' ao' menos,' negociar' que' os'

bailarinos'deixassem'seguir'viagem'as'roupas'de'makixi#que'traziam'consigo'para'vestir'na'

festa'da'rainha.'Embora'a'COFETRAL'tivesse'uma'boa'quantidade'de'máscaras'no'Cazombo,'

compradas' dos' zambianos' no' final' da' festa' de' 2012,' eles' contavam' com' as' vestimentas' e'

também' com' os' bailarinos' que' estavam' vindo' da' Zâmbia.' Vieram' as' roupas,' ficaram' os'

corpos,'menos'mal.''

! 87!
' Diante' da' efetividade' da' interdição' aos' estrangeiros' em' 2013,' a' comissão'

organizadora' tinha' uma' certeza:' terminada' a' festa,' deveriam' começar' imediatamente' a'

negociar' com' o' governo' a' garantia' de' que' o' mesmo' não' se' repetiria' nos' anos' seguintes,'

porque'isso'comprometia'um'princípio'fundamental'da'festa,'o'seu'caráter'internacional.''

'
Ainda' este' ano,' vamos' ter' que' negociar' sobre' a' entrada' dos' congoleses' e'
zambianos,'dos'grupos'culturais.'Porque'todos'esses'tem'que'voltar'à'sua'cultura,'
tem'que'conhecer'a'sua'cultura,'tem'que'vir'na'rainha'deles.'Porque'quem'tem'a'
fronteira' é' o' governo' com' outros' países,' mas' a' rainha' Nyakatolo' não' tem' a'
fronteira' dos' seus' povos.' Por' onde' estiver' um' Luvale,' tanto' faz' os' que' estão' na'
Zâmbia,' tanto' faz' os' que' estão' no' Congo,' tanto' faz' os' que' estão' na' Namíbia,' a'
rainha'é'a'mesma.'Então,'esses'todos'devem'voltar'à'sua'cultura,'ver'a'sua'cultura,'
dançar,' comer,' beber,' brincar,' são' quatro' dias,' ou' cinco' dias,' depois' voltam.' Nós'
nunca'pensamos'o'contrário'com'o'governo,'se'o'governo'desconfiar'de'nós,'nós'
nunca'lhe'pensamos'ao'contrário.'O'que'é'nosso'é'só'mandar'voltar'o'povo'Luvale'
na'sua'cultura.'[Muzala,'25E08E2013,'clip'1054.'Falado'em'português]'
'

Chiwende' reforçaria,' mais' tarde,' a' fala' de' Muzala,' condenando' firmemente' o'

governo'pela'sua'decisão,'que'julgou'“um'erro'gravíssimo”'e,'também,'a'rainha,'por'não'ter'

reagido'a'ela.28''

Um' erro' gravíssimo,' para' mim.' Porque' quando' se' trata' do' povo' não' existe' essas'
fronteiras.' A' autoridade' da' rainha' Nyakatolo,' ou' do' Kakenge,' a' autoridade' do'
Cinyama,'está'ali...'EstendeEse...'Não'tem'fronteira.'A'autoridade'do'Cinyama'não'
está' a' ver' onde' está' a' Zâmbia,' onde' está' o' Congo,' onde' está' Angola,' não,' não,'
não...' Não' há' isso.' É' o' território' dele,' onde' está' o' seu' povo,' a' sua' população.'
Então,'quando'a'atividade'é'estritamente'daquele'povo,'que'se'deixe'realizar,'que'
se'deixe'a'população'realizar.'É'uma'manifestação'popular,'não'é'política,'porque'
impediEla?' (...)' Eles' é' que' sabem' [porque' tomaram' essa' decisão].' Mas' para' mim'
deviam'reconhecer'que'cometeram'um'erro'muito'grave.'Seria'a'altura'da'rainha'
reagir'(...)'Se'fosse'a'falecida'Cisengo,'não'admitiria'isso,'creio'eu.'[Ciwende,'12E09E
13,'clip'1811.'Falado'em'português]' '
'

'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
28
'A' proibição' à' entrada' de' estrangeiros' em' Angola' em' função' da' realização' do' Festival' Luvale' não' foi' uma'
exclusividade' de' 2013.' Ela' também' ocorreu' em' 2012.' Entretanto,' de' modo' mais' discreto.' Quer' dizer,'
restringindo'apenas'a'entrada'de'um'grupo'estrangeiro'específico,'o'que'fez'com'que'a'festa'em'si'não'fosse'
gravemente'afetada.'Estávamos'às'vésperas'das'eleições'presidenciais'naquele'ano'e'o'rigor'no'controle'das'
fronteiras'era'máximo.'Nesse'contexto,'impediuEse'a'entrada'do'grupo'que'acompanhava'o'imperador'lunda'
Mwantyavwa.' DiziaEse' que' muitos' comandantes' da' UNITA' estavam' refugiados' naquele' país' e' por' isso' a'
entrada' de' congoloses' em' Angola' à' beira' das' eleições' devia' ser' evitada' –' nem' com' a' intervenção' da' rainha'
Nyakatolo,'abriram'uma'exceção'para'o'imperador'lunda.''

! 88!
CAP.'2' '

FESTA'

'

'

'

A.'

[O'CORTEJO'DOS'MAKIXI]'

'

Nos' dois' anos' em' que' acompanhei' o' evento,' a' primeira' ação' do' Festival' ocorreu' um' dia'

antes' da' sua' abertura' oficial,' com' o' cortejo' dos' makixi,' ou' “palhaços”,' como' são'

popularmente' conhecidos.' Eles' surgiram' do' cemitério' real,' que' fica' cerca' de' 20' km' do'

centro' de' Cazombo,' onde' estão' sepultadas' as' falecidas' Nyakatolo' Cisengo' e' Nyakatolo'

Kutemba29'(ver' Fig.' 11).' Saindo' de' dentro' das' matas' que' envolvem' os' túmulos,' formaram'

uma' enorme' fila,' depois' do' que' avançaram' passo' firme' rumo' à' vila.' Cada' likixi' (sing.' de'

makixi)' tinha' ao' seu' lado' um' homem' que,' com' uma' vareta' de' madeira' em' punho,'

afugentava' quem' tentasse' se' aproximar.' Uma' parte' das' nyakandandji' acompanhou' o'

cortejo,' cantando' durante' todo' o' percurso.' No' caminho,' passaram' por' uma' série' de'

pequenas' aldeias,' arrastando' um' público' crescente,' sobretudo' de' crianças.' Invadiram' a'

cidade'numa'espécie'de'parada'circense'(ver'Figs.'14E17).''

Em' 2012,' embora' tenham' participado' do' Festival' mais' de' 50' makixi,' apenas' 20'

estiveram'presentes'no'cortejo.'Naquele'ano,'a'maior'parte'das'delegações'de'“palhaços”,'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
29
'Junto'aos'túmulos'das'antigas'Nyakatolo,'encontramEse'ainda'as'sepulturas'de'alguns'de'seus'parentes'mais'
próximos.' A' única' Nyakatolo' que' não' foi' enterrada' naquele' cemitério' é' Ngambo,' cujos' restos' mortais'
encontramEse' em' um' mausoléu' exclusivo,' localizado' a' meio' caminho' entre' as' comunas' de' Cazombo' e' de'
Kavungo'(ver'Figs.'12E13).'

! 89!
vinculadas'aos'mais'diferentes'grupos'culturais'zambianos,'só'chegou'ao'Cazombo'no'dia'da'

abertura' oficial' da' festa.' Por' essa' razão,' o' cortejo' inicial' reuniu' apenas' os' 18' makixi' do'

grupo' cultural' de' Lusaka' (capital' da' Zâmbia),' que' já' se' encontrava' na' vila' há' alguns' dias,'

além'de'dois'que'eram'provenientes'de'Angola'–'os'únicos'“palhaços”'angolanos'de'todo'o'

Festival' de' 2012.' No' ano' seguinte,' por' conta' da' interdição' à' entrada' dos' estrangeiros,' o'

evento'reuniu'um'número'muito'menor'de'makixi,'20'apenas,'mas'presentes'desde'o'dia'do'

cortejo.' Além' disso,' todos' os' homens' que' “vestiram' o' palhaço”' naquele' ano' eram'

angolanos,'embora'suas'roupas'e'máscaras'tenham'sido'produzidas'na'Zâmbia.30''

Considerando' os' 20' makixi# presentes' nos' cortejos' de' 2012' e' de' 2013,' essa' foi' a'

ordem'da'fila'que'organizou'a'sua'procissão,'do'cemitério'à'entrada'de'Cazombo,'e'que'se'

manteve' mais' ou' menos' estável' nos' dois' anos:' Cizaluke' (dois' exemplares),' Ndondo' (dois'

exemplares),' Ngulo,' Cikwekwe,' Kapiasa,' Mwana' Pwevo' (dois' exemplares),' Samasengo,'

Mbwanda,'Mwendumba,'Kapapa,'Cikesa,'Kalelwa'(dois'exemplares),'Utenu,'Cikusa,'Mupala'

e'Katotola'(ver'Quadro'1).''Destacado'da'fila,'Kapalu'–'o'likixi'capataz'–'andava'de'um'lado'

para'o'outro,'do'começo'ao'fim'do'cortejo,'intimidando'a'todos'com'um'bastão'de'madeira'

nas'mãos31'(ver'Fig.'18).'

Logo' na' entrada' da' vila,' próximo' à' sede' administrativa' do' município,' um' grupo' de#

nyakandandji' aguardava' a' chegada' do' cortejo.' Elas' estavam' em' volta' de' uma' figura' que'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
30
'No' final' da' festa' de' 2012,' a' COFETRAL' comprou' as' 18' máscaras' que' o' grupo' cultural' de' Lusaka' (Zâmbia)'
trouxera'consigo.'A'ideia'era'que,'no'ano'seguinte,'os'bailarinos'zambianos'não'precisassem'viajar'com'aquele'
volume,'porque'haveriam'máscaras'no'Cazombo'“esperando'por'eles”.'Contudo,'com'a'interdição'à'entrada'
dos'estrangeiros'em'2013,'todas'aquelas'18'máscaras'foram'usadas'por'angolanos'naquele'ano.'Além'disso,'a'
caracterização'completa'desses'makixi#só'foi'possível'com'as'roupas'que'foram'enviadas'às'vésperas'da'festa'
pelos'bailarinos'zambianos'detidos'na'fronteira'(ver'pág.'87).'Somando'os'18'makixi'confeccionados'na'Zâmbia'
(considerando'as'máscaras'compradas'do'grupo'de'Lusaka'em'2012'e'as'roupas'enviadas'da'fronteira'naquele'
ano)' com' outros' dois' de' procedência' incerta,' ditos' provenientes' de' Angola,' deu' o' total' de' 20' makixi'
registrados'na'festa'de'2013.''
31
'Kapalu' era' identificado' como' “o' capataz”,' “o' secretário”' ou' “o' soldado”' de' Kayipu' (um' likixi# associado' à'
chefia' que' só' apareceria' no' dia' da' abertura' oficial' da' festa,' como' veremos' adiante).' Sempre' destacado' dos'
demais'makixi,' Kapalu' controlava' a' multidão' presente' às' cerimônias' e,' para' isso,' se' comportava' de' maneira'
violenta' e' intimidatória,' ameaçando' o' público' presente' com' uma' arma' que' trazia' às' mãos.' A' descrição'
completa'desse'likixi#encontraEse'ao'final'desse'capítulo.'

! 90!
haviam' esculpido' no' chão,' com' areia,' e' entoavam' um' canto' específico,' o' qual' reproduzo'

abaixo.'A'figura'chamavaEse'lihanga'(jacaré)'e'tinha'o'aspecto'de'uma'cruz.'Dentro'de'seu'

corpo'arenoso,'as'mulheres'tinham'escondido'uma'série'de'prendas,'basicamente'latas'de'

cerveja'e'“gasosa”'(refrigerante);'mas,'segundo'Brevinta,'também'poderiam'ter'lá'colocado:'

ginguba' (amendoim),' banana,' vinho,' whisky' e' bebidas' tradicionais,' como' a' ndoka32.' Um'

determinado# likixi,' chamado' Cizaluke 33 ,' destacouEse' dos' demais' nesse' momento' e'

aproximouEse'das'mulheres,'que'o'envolveram.'Guiado'pelas'nyakandandji,'ele'ajoelhouEse'

no'chão'para'procurar,'dentro'do'lihanga,'as'prendas'escondidas.'Toda'vez'que'encontrava'

uma,'a'pequena'multidão'que'disputava'um'lugar'à'volta,'ia'ao'delírio.'Ao'final,'reuniu'um'

número' considerável' de' prendas,' as' quais' foram' levadas' para' a' mukanda,' para' serem'

consumidas'pelos#makixi'(ver'Figs.'19E20).'Durante'todo'o'tempo,'as'nyakandandji#cantaram'

a'seguinte'canção:'

#
Lelo#ndemba#lelo#ndemba##
Oh'galo,'oh'galo'
Lelo#ndemba#mukwenu#nakulila#kasumbi#
O'outro'te'comeu'a'galinha'
Natumuyagwisa#yangwa#
Aqui,'ali,'aqui,'ali'
'

Em'conversa'gravada'com'Brevinta'em'2013,'ela'explicou'que'a'ação'descrita'acima'é'

original'dos'rituais'de'mukanda.'Segundo'me'disse,'no'dia'da'primeira'aparição'pública'dos'

makixi' numa' aldeia' organizada' para' dar' início' a' uma' mukanda,' pouco' antes' do'

recolhimento' dos' neófitos,' um# likixi' específico' também' é' levado' a' procurar' prendas' no'

lihanga.'Contudo,'naquele'caso,'há'necessariamente'uma'galinha'viva'enterrada,'a'qual'virá'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
32
'Bebida' tradicional' fermentada,' feita' à' base' de' arroz,' milho,' mandioca' e' mel,' também' conhecida' entre' os'
Luvale'como'“hidromel”.'
33
'Likixi# associado' à' mukanda,' onde' assume' função' tutelar.' Reconhecido' popularmente' como' um' ancião,' foi'
também'definido'na'bibliografia'como'“o'louco”'(Cameron'1998b,'Turner'2005).'Ver'sua'descrição'completa'no'
final'desse'capítulo.'

! 91!
a' ser' sacrificada' na' sequência.' Como' nos' Festivais' de' 2012' e' 2013' nenhuma' galinha' foi'

escondida' no' lihanga,' a' canção' trazia' a' referência' daquela' encontrada' nos' rituais' de'

circuncisão,'estabelecendo,'assim,'um'vínculo'imagéticoEsonoro'com'a'mukanda.''

Há,' ainda,' uma' outra' camada' interpretativa.' Segundo' Muzala,' os' dois' primeiros'

versos'da'canção'insinuam'que'houve'um'“roubo”,'ou'uma'“traição”,'que'um'galo'perdeu'a'

sua'galinha'para'outro'galo.'Desse'ponto'de'vista,'seja'no'contexto'da'mukanda,'ou'no'do'

Festival,' no' momento' em' que' as' nyakandandji' entoam' a' canção,' o' likixi' que' procura' as'

prendas' no' lihanga# é' identificado' com' o' galo' traidor.' O' último' verso' (Natumuyagwisa#

yangwa/Aqui,'ali,'aqui,'ali),'por'sua'vez,'faria'alusão'ao'“jogo'de'atrapalhação”'que'fazem'as'

nyakandandji'para'confundir'e,'ao'mesmo'tempo,'guiar'o'likixi'na'sua'caça'às'prendas'(ou'à'

galinha).34'

Voltando'ao'cortejo'dos'makixi,'ele'seguiu'em'frente,'adentrando'a'vila'pela'sua'via'

principal.' Ultrapassado' o' jacaré' de' areia,' os' “palhaços”' chegaram' a' um' novo' ponto' onde'

havia'uma'cabaça'no'meio'da'rua,'ladeada'por'duas'nyakandandji'(ver'Fig.'21).'Assim'que'

todos' chegaram' até' lá,' as' demais' mulheres' formaram' uma' meiaElua' em' volta' da' cabaça,'

impedindo' que' o' público' se' aproximasse.' Kapalu' (o' likixi' capataz),' sempre' muito' agitado,'

intimidava'o'povo'com'seu'porrete'de'madeira'em'punho.'Num'determinado'momento,'ele'

explodiu' a' cabaça,' golpeandoEa' com' um' facão.' De' dentro' dela,' escorreu' um' líquido,'

encharcando' o' solo.' Segundo' me' disseram,' trataEse' de' uma' bebida' fermentada,' chamada'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
34
'Segundo'os'coordenadores'de'alguns'dos'principais'grupos'culturais'de'Angola,'entre'eles'Brevinta'Rosa,'o'
lihanga' é' também' encontrado' em' rituais' de' mahamba# (sing.# lihamba),' pelo' menos' naquele' voltados' para' o'
tratamento'de'mulheres'com'problemas'reprodutivos.'Nesse'caso,'as'prendas'enterradas'seriam'encontradas'
pelo'lihamba'(espírito'ancestral)'incorporado'à'paciente'e'por'ele'mesmo'ingeridas.'Além'disso,'seria'comum,'
nesses'casos,'encontraremEse'ovos'de'galinha'enterrados'(e'não'galinhas'vivas).'

! 92!
imbukwa'(em'referência'ao'fato'de'não'ser'coada)'e'que'pode'ser'feita'à'base'de'milho,'do'

massango,'ou'da'massambala35.''

Durante'todo'aquele'momento,'as'nyakandandji#entoaram'o'canto'reproduzido'logo'

abaixo.'Embora'não'tenha'obtido'nenhuma'exegese'sobre'os'versos'em'si,'tanto'Brevinta,'

quanto' Eduardo' Samwambila' –' organizador' do' grupo' cultural' de' Cavungu,' do' qual' falarei'

mais'tarde'–'contaramEme'que'a'ação'em'torno'da'cabaça'também'remete'ao'primeiro'dia'

de' uma' mukanda' luvale,' quando' os' makixi' aparecem' pela' primeira' vez' no' bairro' e' os'

neófitos' são' recolhidos.' A' bebida' que' sangra' da' cabaça,' nesse' caso,' seria' oferecida' aos'

ancestrais,' para' que' tudo' corresse' bem' com' o' ritual.' Com' a' ação' similar' realizada' no'

contexto' do' Festival' pretendeEse,' igualmente,' agradar' os' antepassados,' os' “fundadores”,'

nas' palavras' de' Samwambila.' A' canção' entoada' faz' referência' à' oferenda' recebida' com'

regozijo'pelos'ancestrais.'

#
Vanyatundandji#lelo#lya#kusana#meya#wawawa#
Hoje'é'o'dia'de'nos'banharmos'nessa'água'
Meya#kututa#ayele#mamayami#wawawa#
Sim,'nessa'água'tão'fria'
'

A' ação' do' rompimento' da' cabaça' foi' repetida' um' pouco' mais' tarde,' em' frente' à'

imbala' da' rainha' Nyakatolo,' no' centro' da' vila,' assim' que' o' cortejo' lá' chegou.' Depois' de'

estourada'a'nova'cabaça,'as'nyakandandi'reuniramEse'à'porta'da'casa'da'rainha,'onde'um'

pano'estava'estendido'sobre'o'chão.'Mais'uma'vez,'Cizaluke'destacouEse'dos'demais'makixi'

e'ajoelhouEse'à'beira'do'pano,'sobre'o'qual'a'rainha'e'alguns'de'seus'parentes,'que'a'essa'

altura' já' tinham' aparecido' para' saudar' a' todos' e' por' todos' serem' saudados,' depositaram'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
35
'Os' dois' últimos' são' cereais' produzidos' em' Angola,' que' podem' ser' utilizados' na' produção' de' bebidas'
destiladas.' A' farinha' de' massango' pode' também' substituir' a' farinha' de' mandioca' no' preparo' do' funge,'
alimento' básico' entre' os' angolanos,' especialmente' nas' zonas' rurais.' No' Alto' Zambeze' apreciaEse' muito'
também'o'mingau'de'massango,'cujo'preparo'não'difere'muito'do'cozimento'do'funge,'salvo'pela'adição'de'
mel,'ou'de'açúcar.'''

! 93!
dinheiro'e'algumas'caixas'de'cerveja'e'de'“gasosa”.'Durante'todo'o'tempo,'as'nyakandandji#

cantaram.' Ao' fim,' ajoelharamEse' como' Cizaluke' e' juntos' fizeram' a' saudação' ritual'

dispensada' aos' chefes' luvale:' com' os' olhares' voltados' para' o' chão,' bateram' palmas'

ritmadas.''

Nos'dois'anos,'a'rainha'fez'um'breve'discurso'ali,'dando'as'coordenadas'para'onde'

os'palhaços'deveriam'se'dirigir'para'dançar'e'até'que'horas'o'batuque'deveria'durar'naquele'

dia.' A' multidão' seguiu' para' o' ponto' indicado,' assim' como' também' os' palhaços' e' as'

nyakandandji,'carregando'o'dinheiro'e'as'bebidas'ofertadas'pela'rainha.'Em'2012,'todos'se'

dirigiram'para'a'praça'da'Tribuna,'no'centro'executivo'da'vila.'Já'em'2013,'reuniramEse'num'

descampado' à' frente' de' uma' escola' abandonada,' na' periferia' de' Cazombo.' Nos' dois'

espaços,'porém,'ocorreu'o'mesmo:'um'a'um,'os'makixi'exibiram'a'sua'dança'particular'em'

meio'a'um'círculo'enorme'de'gente,'entretendo'todos'até'o'fim'do'dia.''

'

'

'

B.'

[A'ABERTURA'DO'FESTIVAL]'

'

A' abertura' oficial' do' Festival' acontece' sempre' no' dia' 22' de' julho,' data' de' falecimento' da'

antiga'rainha'Nyakatolo'Cisengo,'antecessora'de'Lurdes'Cilombo'no'trono'luvale.'Nos'dois'

anos'em'que'acompanhei'a'festa,'por'volta'das'7h'da'manhã,'os'homens'da'COFETRAL'já'se'

encontravam'em'plena'atividade'na'vambunda,'coordenando'a'finalização'da'limpeza'e'dos'

últimos' reparos' na' arena.' A' organização' das' cadeiras' nos' camarotes' das' autoridades' de'

governo' e' lideranças' tradicionais' era' escrupulosamente' checada,' assim' como' a'

! 94!
ornamentação' do' trono' da' rainha' Nyakatolo' –' forrado' com' peles' de' leão' e' de' leopardo' –'

recebia'acabamento'cuidadoso'(ver'Figs.'22E25).'Ao'mesmo'tempo,'nas'tendas'dos'grupos'

culturais,'todos'se'arrumavam,'ajudandoEse'uns'aos'outros'na'montagem'de'seus'figurinos'e'

no'retoque'de'sua'maquiagem.'Já'na#imbala'da'rainha,'Nyakatolo'recebia'os'demais'sobas'

presentes,' rigorosamente' vestidos' em' seus' trajes' de' gala.' Eles' se' concentrariam' ali' até' a'

hora'de'se'dirigirem'para'a'arena.'

'O' programa' do' dia' era' extenso,' começando' com' a' entrada' cerimonial' das'

autoridades' governamentais,' seguindoEse' a' das' lideranças' tradicionais' e,' por' fim,' a' dos'

makixi.' A' primeira' ocorreu' por' volta' das' 10h,' quando' as' galerias' laterais' destinadas' ao'

público'comum'já'estavam'todas'preenchidas.'Os'representantes'do'governo'adentraram'o'

recinto' pela' porta' da' frente,' que' dá' acesso' direto' aos' seus' camarotes.' Portanto,' não'

chamaram'muita'atenção,'uma'vez'que'não'precisaram'cruzar'o'terreno'pelo'centro.''

Ao' contrário,' a' chegada' dos' chefes' tradicionais,' que' ocorreu' logo' em' seguida,'

causou'comoção.'Entrando'por'um'dos'portões'laterais,'eles'tinham'que'atravessar'toda'a'

arena' até' alcançar' os' seus' lugares,' o' que' faziam' a' passos' muito' lentos' e' embalados' pelo'

ritmo' de' um' tambor' cerimonial,' chamado' mukupe,' tradicionalmente' associado' à' chefia.'

Além' disso,' não' vinham' todos' ao' mesmo' tempo.' Primeiro,' entravam' os' sobas' e' sobetas,'

depois'os'regedores'e,'por'fim,'a'rainha'–'a'única'a'se'deslocar'em'uma'espécie'de'riquixá36'

e'a'dar'uma'volta'completa'na'arena'antes'de'chegar'ao'seu'lugar'(ver'Figs.'26E29).'Durante'

a' entrada' da' regedora' Kakenge37,' que' veio' acompanhada' de' seu' mukwetunga' (marido' da'

soba)' e,' também,' a' da' rainha' Nyakatolo,' todos' os' Luvale' presentes,' inclusive' quadros' do'

governo'e'demais'chefes'tradicionais,'ajoelharamEse.''
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
36
'Termo'de'origem'asiática,'usado'para'designar'veículos'de'tração'humana.'
37
'Título'tradicional'que'designa'o'principal'chefe'da'região'compreendida'pela'comuna'de'LumbalaEKakengue,'
a' sul' de' Cazombo.' Quem' possui' esse' título' hoje' é' Ana' Bela' Ngambo,' filha' do' primogênito' da' antiga' rainha'
Nyakatolo'Cisengo'e,'portanto,'prima'da'atual'rainha'Nyakatolo'Cilombo.'

! 95!
As' nyakandandji' acompanharam' o' cortejo' de' cada' grupo' de' chefes.' Sempre' que'

acomodavam'um'grupo'em'seu'lugar,'ajoelhavamEse'à'sua'frente'e'batiam'palmas'ritmadas,'

em'reverência,'depois'do'que'seguiam'para'buscar'um'novo'grupo'que,'a'essa'altura,'já'se'

encontrava' a' postos' na# imbala' da' rainha,' esperando' a' sua' hora' de' entrar' na' arena.' Foi'

assim,'até'trazerem'consigo'a'rainha'Nyakatolo,'que'veio'suspensa'em'seu'riquixá.'Ao'longo'

de'cada'um'desses'percursos'ladeando'os'grandes'chefes'luvale,'elas'entoaram'o'seguinte'

canto.'

Tutambukise#ngongola#mwaulambe##
Conduzimos'o'rei'na'sua'cadência'
Ngongola#mwaulambeVeVe#yaya#eVe...#
O'rei,'na'sua'cadência,'irmã'
Ngongola#mwaulambeVeVe...#
O'rei,'na'sua'cadência'
Myangana#jetu#vaneza#mwaulambe#yaya#eVe...#
Os'nossos'sobas'chegaram'na'sua'cadência,'irmã'
Visemi#jetu#vaneza#mwaulambe##
Os#nossos#pais#chegaram#na#sua#cadência#
Ngongola'mwaulambeEeEe'yaya'eEeEe...'
O#rei,#na#sua#cadência,#irmã#
'

' A'canção'faz'referência'ao'passo'cadenciado'dos'chefes'em'seu'cortejo'de'entrada'

na' arena,' acompanhado' pelo' ritmo' do' mukupe.' Segundo' a' interpretação' de' Muzala,' a'

canção'diz'que'“para'se'acompanhar'um'rei'é'preciso'ter'humildade,'não'se'pode'andar'à'

toa'[apressadamente],'ele'deve'ser'conduzido'de'acordo'com'sua'cadência...”.''

' Depois'das'autoridades'de'governo'e'das'lideranças'tradicionais,'foi'a'vez'dos'makixi'

entrarem' em' cena.' Vindo' da' mukanda' preparada' nas' redondezas' da' vambunda,' eles'

formavam' uma' enorme' fila.' Chamou' a' atenção' o' fato' de' também' virem' acompanhados'

pelas'nyakandandji,'que'cantavam'a'mesma'canção'entoada'ao'lado'dos'sobas,'e,'é'claro,'

eles'avançaram'com'a'cadência'exata'daqueles'primeiros.'A'fila'foi'encabeçada'por'Kayipu,'

! 96!
popularmente'conhecido'como'o'“rei”'dos'makixi'e'associado'à'chefia38.'Assim'que'o'cortejo'

adentrou'a'arena,'Kayipu'imediatamente'dirigiuEse'para'o'seu'dossel'particular,'que'ficava'

no' extremo' oposto' ao' espaço' reservado' às' autoridades' tradicionais' e' do' governo,'

exatamente' em' frente' ao' camarote' especial' da' rainha' Nyakatolo,' um' como' o' espelho' do'

outro' (ver' Fig.' 30).' Os' demais# makixi' seguiram' em' frente,' dando' uma' volta' completa' na'

arena,' até' se' ajoelharem' em' linha' diante' da' rainha' e' saudaremEna' com' palmas' ritmadas.'

Fariam'o'mesmo'logo'depois'diante'de'Kayipu'(ver'Figs.'31E33).'

' O' cortejo' dos' makixi' fechou' o' ciclo' de' entradas' cerimoniais' das' autoridades'

presentes.'Muitas'vezes'me'foi'dito'que'a'ordem'das'entradas'indica'o'lugar'de'cada'um'na'

hierarquia'da'chefia'tradicional,'de'modo'que'a'rainha'Nyakatolo,'seja'no'Festival'realizado'

em'Angola,'seja'naquele'realizado'na'Zâmbia,'deveria'ser'sempre'a'última'a'entrar'na'arena,'

por'se'tratar'da'autoridade'tradicional'máxima'entre'os'Luvale'(ao'menos,'do'ponto'de'vista'

dos'Luvale'de'Angola).'Contudo,'a'entrada'derradeira'dos'makixi,'com'Kayipu'sendo'o'último'

a'ser'saudado'cerimonialmente,'indica'que,'acima'dela,'ainda'figuram'os'ancestrais.39'

À' entrada' das' autoridades' do' governo' e' da' tradição' (considerando' entre' esses'

últimos' os' sobas,' os' regedores,' a' rainha' e' os' makixi),' seguiuEse' um' bloco' de' ações' que'

marca' efetivamente' a' abertura' do' Festival,' caracterizandoEo' como' tipicamente' luvale.' A'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
38
'Associado' à' chefia,' Kayipu' aparece' apenas' em' cerimônias' funerárias' e' de' entronização' e' homenagem' a'
chefes'tradicionais'(Jordán'2006).'Em'raras'ocasiões,'também'pode'ocorrer'em'rituais'de'mukanda'organizados'
especialmente'para'filhos'de'chefes'(Wele'1993).'Kayipu'não'é'acessível'ao'público'comum.'Nos'festivais'de'
2012' e' 2013,' como' vimos,' ele' apareceu' apenas' no' dia' de' abertura' da' festa,' indo' direto' para' o' seu' dossel'
particular,'permanentemente'protegido'por'Kapalu'e'um'grupo'de'homens'assistentes'que'não'permitiam'que'
ninguém'se'aproximasse.'Ver'adescrição'completa'desse'likixi'ao'final'desse'capítulo.'
39
'Interessante' notar' como' o' esquema' de' entrada' das' autoridades' no' dia' de' abertura' do' Festival' encena' a'
estrutura' segmentar' da' chefia' luvale,' traduzida' contemporaneamente' em' Angola' pelo' estabelecimento' das'
categorias'de'“sobeta”,'“soba”,'“regedor”'e'“rainha”.'A'entrada'final'de'Kayipu'com'seu'séquito'de'“palhaços”'
sugere' que,' da' perspectiva' tradicional,' os' ancestrais' também' representam' um' segmento' dentro' daquela'
estrutura,' aliás,' o' seu' segmento' mais' abrangente.' Por' outro' lado,' pareceEme' importante' ressaltar' aqui' a'
posição'deslocada'das'autoridades'de'governo'no'esquema'de'entrada.'Em'certo'sentido,'ela'me'faz'lembrar'o'
que'Goldman'diz'em'relação'às'articulações'entre'segmentos'políticos'em'Ilhéus,'onde'“o'Estado'parece'ser'
encarado'como'um'segmento'paralelo'aos'demais,'e'o'fato'de'ser'tido'como'incomensuravelmente'mais'forte'
que' os' segmentos' locais' não' significa' necessariamente' que' seja' encarado' como' totalidade' englobante' em'
qualquer'ocasião.”'(Goldman'2001:82)'

! 97!
ordem' dessas' ações' variou' de' 2012' para' 2013,' mas' em' ambos' os' casos' elas' foram'

executadas.'Em'primeiro'lugar,'o'hino'da'etnia'foi'entoado'no'centro'da'arena'e'repetido'em'

coro'por'todo'o'público'presente.'Em'2013,'quem'puxou'o'hino'no'microfone'central'foi'o'

Sr.' Kakoma' Milonga,' da' subcomissão' de' cultura' da' COFETRAL,' acompanhado' pelos' jovens'

do'grupo'da'escola.'Segundo'o'regedor'Njamba,'“a'nível'de'Angola,'a'tribo'Luvale'talvez'seja'

a'única'que'possui'um'hino'de'bravura,'bem'cantado'e'alinhavado”.'#

'

Valuvale#tangeu#
Luvales,'estudem'
Muhindule#lifuci#lya#Luvale#
Para'elevar'o'território'Luena'
Poko#ya#Kayombo#ka#Kutemba#
A'espada'do'Kayombo'da'Kutemba'
Yatapilenga#vatu#hamyaka#
Espetava'muita'gente'no'passado'
Miyaci#yose#vayicikimine#
Muitos'clãs'a'temiam'
Yahetele#swi#naku#Lwapula#
Expandiu'até'o'Lwapula'
'

De' acordo' com' a' tradução' de' Mazula,' o' hino,' o' mesmo' entoado' pelos' Luvale' da'

Zâmbia'durante'o'seu'festival'anual,'exalta'a'expansão'do'povo'no'período'das'guerras'de'

conquista,' fazendo' referência' a' um' de' seus' heróis' principais,' Kayombo' ka' Kutemba40.' Os'

dois' primeiros' versos,' contudo,' influenciados' pelo' discurso' contemporâneo' dos' estados'

nacionais'(ao'menos'no'que'a'tradução'de'Muzala'deixava'antever),'indicam'que'as'armas'

agora' são' outras:' em' vez' de' espadas,' papel' e' caneta.' Terminado' o' hino,' uma' espécie' de'

narrativa' de' origem' e' sucessão' dos' chefes' luvale' (kulifukula)# foi' recitada' por' um' orador'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
40
'Kayombo'ka'Kutemba'é'sobrinho'de'Cinyama'ca'Ngambo,'o'último'chefe'luvale'a'herdar'o'título'de'Cinyama'
antes' de' sua' permutação' para' Kakenge' (ver' item' 3.' da' Introdução).' Ambos' relacionamEse' ao' período' mais'
ofensivo'da'expansão'luvale,'entre'os'séculos'XVIII'e'XIX,'quando'a'conquista'e'subordinação'de'outros'povos'
foi' motivada' pelo' comércio' de' escravos.' Tal' período' foi' marcado' por' intensas' guerras' contra' os' Mbwela,'
LundaENdembu'e'Lozi.'Kayombo'ka'Kutemba'foi'o'responsável'pela'expansão'luvale'da'área'de'Chavuma'até'a'
região' de' confluência' entre' os' rios' Zambeze,' Kabompo' e' Lungwebungu,' na' atual' Zâmbia.' Ficou' conhecido'
como'jindamisa#vambwela'(destruídor'de'Mbwela)'(Papstein'1978:185).''

! 98!
especializado.' Como' a' próxima' sessão' deste' capítulo' será' inteiramente' dedicada' à' sua'

análise,'passo'adiante'na'descrição'das'ações.''

Findo'o'kulifukula,'foi'a'vez'da'“dança'da'vitória”,'que'mimetiza'a'guerra'contra'os'

Mbwela.' Ela' foi' executada' por' um' bailarino' selecionado' que,' segurando' uma' espada' (“a'

espada' de' Kayombo' ka' Kutemba”),' evoluiu' com' postura' ofensiva,' intimidatória.' A' dança'

realizouEse' diante' da' rainha' e' dos' demais' chefes' tradicionais.' Duas' nyakandandji'

acompanharam'o'bailarino.'Em'seguida,'um'carneiro'foi'imolado'no'centro'da'arena,'à'vista'

de' todos,' pelas' mãos' de' Kapalu' (o' mascaradoEcapataz).' Ao' seu' lado,' Kayipu' (o' “rei”' dos'

palhaços)'acompanhou'a'ação.'Depois'que'o'sangue'escorreu,'encharcando'o'solo,'Kapalu'

colocou' o' carneiro' ainda' agonizante' às' costas' e' disparou' em' direção' a' uma' das' entradas'

laterais,'por'onde'saiu'ovacionado'pelo'público.'DisseramEme'que'o'animal'seria'levado'para'

a'mukanda,'para'servir'de'alimento'aos'makixi.'41'

Os'Cokwe'possuem'um'likixi#equivalente'a'Kaypu,'chamado'Cikungu.'Segundo'Bastin'

(1984),' no' passado' remoto,' Cikungu' acumulava' o' status' de' hamba# (lihamba,' entre' os'

Luvale),'ou'seja,'um'ancestral'manifestado'através'de'doença,'ou'infortúnio,'e'apaziguado'

por'meio'de'rituais'específicos.'Era'cultuado'pelos'mwangana'cokwe'como'espírito'protetor'

exclusivo' das' famílias' de' chefes,' para' o' qual' ofereciam' sacrifícios' regulares.' Uma' vez'

esquecido,' ou' negligenciado,' poderia' trazer' doenças' e' ou' outros' males' para' seus'

descendentes.'Nesse'caso,'uma'cabra'deveria'ser'sacrificada'em'sua'homenagem.'O'animal'

era'abatido'pelo'próprio'likixi/(li)hamba,'que,'tradicionalmente,'só'poderia'ser'vestido'por'

um' mwangana.' Embora' não' tenha' encontrado' nenhuma' referência' bibliográfica' sobre' a'

dupla'função'(ou'o'duplo'status)'atribuída'a'Kayipu'entre'os'Luvale,'creio'que'poderíamos'

interpretar'o'sacrifício'que'ocorre'durante'o'Festival'Luvale,'em'associação'com'os'dados'de'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
41
'Em'2012,'o'sacrifício'do'carneiro/cabra'ocorreu'em'sequência'à'execução'do'hino'luvale,'diferente'do'que'
aconteceu'em'2013,'quando'ele'sucedeu'à'“dança'da'vitória”.''

! 99!
Bastin,' como' expressão' de' um' culto' regular' dirigido' aquele' likixi.' Nessa' mesma' direção,'

Jordán' afirma' que' o' sacrifício' que' ocorre' durante' o' Likumbi# Lya# Mize,' similar' àquele' do'

evento' angolano,' “intended' to' honor' the' chief' and' to' celebrate' the' ominous' powers' that'

the'ruler'and'Kayipu'share”'(Jordán'2006).'Discutiremos'a'presença'do'sacrifício'no'Festival'

na' segunda' parte' da' tese,' particularmente' no' Capítulo' 4.' Portanto,' voltemos' ao' dia' de'

abertura'do'evento.'

Depois'daquela'sequência'de'ações,'que'incluiu'a'execução'do'hino,'do'kulifukula,'da'

“dança' da' vitória”' e' do' sacrifício' do' carneiro,' foi' a' vez' das' autoridades' presentes'

discursarem.' Porém,' antes' de' nos' debruçarmos' sobre' seus' discursos,' vamos' à' descrição' e'

análise'do'kulifukula.'

'

'

'

C.'

[KULIFUKULA42]'

'

O'ápice'do'bloco'inicial'de'abertura'da'festa'é,'sem'dúvida,'a'extensa'narrativa'de'origem'e'

sucessão' dos' chefes' luvale' (kulifukula),' que' atrai' uma' pequena' multidão' de' fotógrafos,'

cameramen' e' pessoas' portando' equipamentos' digitais' diversos.' Nos' dois' anos' em' que'

acompanhei'a'festa,'o'narrador'foi'o'mesmo:'Cinyama'Muzala,'proveniente'da'comuna'de'

LumbalaEKakengue' e' vinculado' à' chefia' do# soba' Nyawlembe.' Em' ambas' as' ocasiões,' o'

kulifukula' foi' recitado' de' joelhos' e' em' movimento' ascendente' na' direção' da' rainha'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
42
'Em' seu' livro' “Likumbi' Lya' Mize' and' other' Luvale' traditional' ceremonies”,' o' historiador' zambiano' Patrick'
Wele'definiu'o'kulifukula'como'“royal'salute'or'selfEreflective'eulogy”'(Wele'1993:14).'No'glossário'da'mesma'
obra,'o'termo'encontraEse'traduzido'como'“to'show'respect'by'kneeling'and'rubbing'earth'on'chest;'to'show'
deference'to,'or'worship”'(1993:117).'

! 100!
Nyakatolo,'com'o'narrador'começando'sua'performance'no'centro'da'arena'e'terminando'

diante'do'dossel'especial'da'rainha.''

A'narrativa'é'dividida'em'blocos.'A'fórmula'“wavulye,#kalombo”'(“permitaEme,'vossa'

excelência”)'marca'o'começo'e'o'fim'de'cada'bloco,'assim'como'também'o'começo'e'o'fim'

da'narrativa'como'um'todo.'Toda'vez'que'recitava'esta'fórmula,'sinalizando'a'conclusão'de'

um' determinado' bloco,' Cinyama' batia' palmas' ritmadas' e' jogavaEse' no' chão' sobre' o' lado'

esquerdo' do' seu' corpo.' Depois' de' uma' pequena' pausa,' colocavaEse' de' novo' de' joelhos,'

avançava'uma'pernada,'e'repetia'a'mesma'sequência'para'o'outro'lado:'proferia'a'fórmula'

uma'vez'mais,'batia'as'palmas'e'jogavaEse'no'chão'sobre'o'seu'lado'direito.'Só'depois'disso'

iniciava' um' novo' bloco' narrativo' e,' assim,' progressivamente,' até' chegar' aos' pés' de'

Nyakatolo,'onde'finalizava.'

Em'2013,'na'semana'que'se'seguiu'à'finalização'da'festa,'Cinyama'aceitou'fazer'uma'

sessão'de'gravação'da'narrativa,'além'de'nos'auxiliar'na'sua'transcrição'e'tradução,'sem'o'

que' dificilmente' conseguiríamos' decifrar' todo' o' seu' conteúdo,' altamente' “codificado”' e'

elaborado' numa' mistura' de' dialetos' luvale,' lunda' e' luba' (Wele' 1993).' Basicamente,' o#

kulifukula'apresenta'uma'lista'com'os'nomes'dos'principais'chefes'luvale.'Esses'nomes,'em'

sua' maioria,' são' duplos,' formados' pela' junção' do' nome' genérico' do' título' atribuído' a' um'

determinado'chefe'ao'seu'nome'próprio'(por'exemplo,'Nyakatolo'Cisengo).'Assim,'é'possível'

identificar,' em' toda' a' extensão' narrativa,' distintas' séries' de' nomes,' cada' uma' delas'

reunindo' em' sequência' as' diferentes' pessoas' que,' ao' longo' do' tempo,' ascenderam' a' um'

mesmo' título' tradicional.' Cada' um' desses' títulos' (a' exemplo' de' Nyakatolo,' Kakenge' e'

Ndungu)' configuraEse' como' uma' entidade' complexa' (Severi' 2002,' 2004,' 2006),' na' medida'

em' que' se' associam' a' ele' múltiplas' identidades.' Abaixo,' segue' um' trecho' em' que' se'

! 101!
identifica' uma' extensa' lista' de' nomes' próprios' (a' maioria' traduzida' como' atributos'

específicos)'associados'ao'título'de'Kakenge.'

Kakenge#Wafwa##
' Kakenge'Wafwa'(“o'morto”)'
Kakenge#Wamaiandi#
' ' ' Kakenge'Wamaiandi'(“o'dos'homens”)'
Kakenge#Wanguji##
Kakenge'Wanguji'(“o'pilar”)'
Wazengu#zengu#wazengu#kila#kumapala#
Adoeceu'e'perdeu'os'dedos'dentro'da'imbala''
Wafwa#wa#polela#kamapango#
Morreu'e'apodreceu'dentro'da'imbala'
'
Kakenge#Citeta#Mikoxi##
Kakenge'Citeta#Mikoxi'(“o'cortador'de'pescoços”)'
Kakenge#Wakuteula##
Kakenge'Wakuteula'(“o'que'arranca'os'cabelos”)'
Njungo#wakusamina#
O'que'abre'as'pessoas'
'
Kakenge#Saulombo#Cinyama#Muxindwa##
Kakenge'Saulombo'Cinyama'Muxindwa'(“o'implacável”)'
#
Kakenge#mwanauta#Mambangi#Ciwanda#Sakaiongo#
Kakenge'Ciwanda'Sakaiongo,'o'filho'do'Mambangi'
Civunda#wavunda#vanene#kuvula##
Civunda,'o'que'derrota'multidões'
#
Kakenge#Kaumba##
Kakenge'Kaumba''
Kalipa#ka#Mahongo#
Kalipa,'o'filho'da'Mohongo'
Civaji##mwanangana#
Civaji'é'chefe'
#
Kakenge#Kaumba#Kawiza##
Kakenge'Kaumba'Kawiza,#
Kixi#lyavambanda#
O'mukixi'das'mulheres'
#
Vwakwavo#vavalambwila#vaixi#ikiye#
Para'os'outros,'oferecem'peixes'
Vamulambwila#macica#
Para'ele,'seios'
#
Kaumba#Mutoxi#
Kaumba'Mutoxi'
'

! 102!
Como' vimos' na' Introdução,' White' (1955,' 1957)' diz' que' cada' clã' (miyachi)' luvale'

possui' uma' fórmula' (kumbu)' contendo' a' lista' mínima' dos' seus' ancestrais' fundadores.' O'

termo'luvale'para'a'recitação'dessa'fórmula'é,'segundo'o'autor,'kulisasula#jikumbu,#sendo'o'

primeiro' vocábulo' provavelmente' uma' variação' do' que' hoje' se' designa' por' kulifukula# no'

contexto'do'Festival.'Contudo,'segundo'Wele'(1998),'o'kumbu'de'nama#kungu'(o'clã'luvale'

associado' à' chefia)' possui' apenas' cinco' nomes:' Nyakapamba' Musopa,' Mwanti' Yavwa' ku'

Luunda,'Cisengo'ca'Ngalango,'Mushinda'wa'liwendele'lya'Mutupa'e'Cinyama'ca'Ngambo.#Já'

o'kulifukula,'ao'contrário,'apresenta'uma'lista'bem'mais'extensa,'incluindo'todos'os'chefes'

que'assumiram'os'principais'títulos'políticos'entre'os'Luvale'ao'longo'do'tempo'–'ou,'pelo'

menos,' todos' aqueles' que' a' tradição' oral' registrou.' Além' disso,' segundo' Cinyama' (o'

narrador),'essa'lista'não'é'fixa,'podendo'crescer'à'medida'que'novos'chefes'ascendem'aos'

títulos'principais,'ou'que'outros'nomes'de'pessoas'a'quem'esses'títulos'foram'atribuídos'no'

passado' forem' descobertos.' É' nesse' sentido,' que,' para' ele,' o' seu' kulifukula' é' diferente'

daquele' recitado' no' Likumbi# Lya# Mize,' na' Zâmbia,' porque' é' mais' “completo”,' ou' seja,'

apresenta'uma'lista'maior'e'mais'detalhada'de'chefes.'

Sobre' a' possibilidade' de' identificar' a' configuração' genealógica' capaz' de' revelar' a'

ligação'de'parentesco'entre'membros'de'um'determinado'clã'e'seus'ancestrais'fundadores,'

White'(1957)'diz'que:'

'

(...)' the' Luvale' recognize' two' levels' of' matrilineal' descent' which' they' themselves'
fuse'into'a'single'system.'On'the'lower'level'there'is'the'matrilineal'descent'group'
within' which' structural' amnesia' sets' in' beyond' about' five' generations:' this' is'
common'to'many'Central'African'Bantu.'But'behind'this'is'a'the'clan'descent'which'
has'a'fixed'and'permanent'structure'at'the'top'of'the'genealogy,'embodied'in'the'
clan'formulae,'and'is'linked'to'the'former'by'a'fictitious'series'of'descendants,'for'
there'is'no'reason'to'believe'that'the'memory'of'the'living'can'accurately'fill'the'
gap'between'the'last'five'generations'of'matriliny'and'the'fixed'structure'at'the'top'
of'the'clan'genealogy.'[White'1957:61]'
'

! 103!
Se' o' termo' kulisasula# jikumbu,' coletado' por' White,' refereEse' ao' mesmo' tipo' de'

evento' narrativo' que' caracteriza' o' kulifukula' dos' festivais' luvale' contemporâneos,' isso' eu'

não'sei'dizer.'Pode'até'ser'que'sim.'Porém,'desde'que'o'primeiro'inclua,'para'além'da'lista'

mínima' dos' ancestrais' fundadores' do' clã,' que,' como' disse' White,' estaria' no' topo' da'

genealogia,'também'uma'lista'mais'extensa,'que'se'desdobra'da'primeira'e'que'contém'uma'

série' de' nomes' que' acabam' por' estabelecer' conexões' (ainda' que' fictícias)' entre' os'

membros' vivos' do' clã' e' os' seus' ancestrais' fundadores.' No' caso' da' genealogia' dos' chefes'

luvale'e,'portanto,'do'clã'nama#kungu,'a'lista'dos'diferentes'nomes'que'assumiram,'ao'longo'

do' tempo,' um' mesmo' título' político' parece' ser' a' prova' mais' contundente' de' ligação' do'

último' herdeiro' daquele' título' (o' mais' recente)' com' os' ancestrais' fundadores' de' Nama#

Kungo.'O'esforço'em'reconstituir'e'armazenar'a'genealogia'Nama#Kungu'através'das'listas'

de' sucessão' dos' principais' títulos' políticos' entre' os' Luvale' é,' ao' meu' ver,' a' principal'

característica'do#kulifukula.''

O'kulifukula'encontraEse'integralmente'transcrito'e'traduzido'nos'Anexos'desta'tese'

(ver' pág.' 368).' No' entanto,' apresento' a' seguir' uma' análise' sumária' da' narrativa,' fazendo'

referência'a'trechos'específicos.'O'primeiro'nome/título'citado'na'narrativa'é'o'de'Cinyama'

ca'Mukwamayi.'Antes'de'ele'aparecer,'porém,'há'um'bloco'inicial'que,'segundo'a'tradução'

de'Muzala,'parece'se'referir'à'fertilidade'do'ramo'de'Cinyama'e'de'seu'exército'guerreiro.''

'

Wavulye,#kalombo#
PermitaEme,'vossa'excelência'
'
Kwaca#kwavamba#kwalenga##
Amanheceu,'vemos''
Mbundu#kwatoma'
Onde'há'nevoeiro,'amanhece'
#
Cisualale#ejile#cimbali#wapwamo#
O'exército'vinha,'existia'o'inimigo'
'
Hakasemu#hakalivui#katoma##

! 104!
Onde'se'nasce,'uma'nuvem'branca'
Hacau#capaku#nanguji'
A'passagem'entre'os'dois'pilares''
Hazaukile#utunda#naulamba#
Por'onde'atravessam'nobres'e'escravos'
'
Utunda#kwixi#ulamba#ngoma#
Escravos'em'baixo,'nobres'em'cima'
'
Hakiko#haceza#hejile#semi#namumba##
Os'que'fazem'filhos'e'os'que'não'fazem'
Semi#mueza#nakuseha#mumba#mueza#nakuhila#
Os'primeiros'vem'rindo,'os'segundos,'chorando'
'

O' verso' “Hakasemu# hakalivui# katoma/Onde' se' nasce,' uma' nuvem' branca”' chama'

atenção' por' remeter' à' área' denominada# kasemu,# na' região' de' confluência' entre' os' rios'

Luena' e' Zambeze' (ver' Mapa' 5),' onde' Cinyama' ca' Ngambo' (1715E1746)' fez' sua' nganda,' e'

que' se' constituiu' como' o' epicentro' histórico' da' expansão' luvale' que' se' daria' a' partir' do'

século' XVIII.' Como' já' mencionado' anteriormente,' aquele' ponto' ficou' conhecido' como'

kasemu'(ramificação)'exatamente'em'virtude'de'terem'nascido'ali'muitos'dos'chefes'luvale'

atuais' (Ciwende' 20EE?).' Possivelmente,' o' verso' de' fato' esteja' fazendo' referência' direta'

àquele' local' específico' e,' em' consequência,' a' Cinyama' ca' Ngambo' –' o' descendente' mais'

antigo' de' Cinyama' ca' Mukwamayi' registrado' pela' tradição' oral' –,' mas' isso' não' há' como'

saber' ao' certo.' De' todo' modo,' como' todos' aqueles' que' recebem' o' título' de' Cinyama'

identificamEse,'em'última'instância,'com'Cinyama'ca'Mukwamayi,'tudo'que'se'atribui'a'eles'

pode'ser'estendido'a'esse'último'e'viceEversa.'Portanto,'o'verso'e'mais'especificamente'a'

palavra#kasemu'acabam'por'servir'de'metáfora'perfeita'para'o'ancestral'fundador'de'Nama#

Kungu,' que' acumula' em' si' todas' as' identidades,' atributos,' realizações' e' linhas' de'

descendência'daqueles'que'herdaram'seu'nome'e'que'sempre'será'o'ponto'inicial'do'ramo'

popularmente'conhecido'no'Alto'Zambeze'como'o'dos'filhos,'ou'do'povo,'de'Cinyama.'

! 105!
O' verso' seguinte,' Hacau# capaku# nanguji/A' passagem' entre' os' dois' pilares,' parece'

indicar'o'fator'dominante'da'matrilinearidade'–'os'dois'pilares,'segundo'Muzala,'referemEse'

às' pernas' da' mulher,' em' meio' às' quais' nascem' seus' filhos,' envoltos' em' líquido'

esbranquiçado'(a'“nuvem'branca”'do'verso'anterior).'Por'fim,'a'menção'a'nobres'e'escravos,'

e'a'insinuação'de'que'os'primeiros'seriam'férteis'e'os'segundos'não,'remete'ao'fato'de'que'

em'seu'processo'de'expansão'pelo'Alto'Zambeze,'Nama#Kungu'assimilou'povos'inteiros'que'

já'se'encontravam'ali'antes'de'sua'chegada.'Todos'hoje'constituem'o'povo'de'Cinyama,'mas'

só'as'mulheres'nama#kungu'fazem'filhos'que'se'tornam'chefes.''

Depois'desse'bloco'inicial'e'do'segundo,'em'que'o'nome'de'Cinyama'ca'Mukwamayi'

é'mencionado,'o'terceiro'bloco,'transcrito'abaixo,'é'constituído'por'uma'lista'que'reúne,'ao'

que'tudo'indica,'nomes'de'ancestrais'dos'primeiros'povos'bantu'que'se'fixaram'na'área'da'

Katanga'(atual'RDC),'vindo'da'região'dos'grandes'lagos'centroEafricanos.''

#
Wavulye,#kalombo#
PermitaEme,'vossa'excelência'
'
Kenga#Nyaweji#
' Kenga'Nyaweji'
#
Musenga#Nyaweji#
Musenga'Nyaweji'
#
Cinyaweji#Kuvato#
Cinyaweji'Kuvato'
#
Kavilingi#Kamayandi#
Kavilingi'Kamayandi'
#
Kasongo#Kamayandi#
Kasongo'Kamayandi'
#
Mako#Iambale#
Mako'Iambale'
#
Kasuasua#Kambali#
Kasuasua'Kambali'
#
Pimbi#Yangweji#
Pimbi'Yangweji'
'

! 106!
Ciwoma#Cangweji#
Ciwoma'Cangweji'
#
Iala#Muaku#
Iala'Muaku'
#
Kabanda#Muaku#
Kabanda'Muaku'
#
Liamba#Muaku#
Liamba'Muaku'
#
Khona#Muaku#
Khona'Muaku'
'

A'lista'começa'com'Kenga'Naweji'e'cita'Iala'Muaku,'ambos'nomes'mencionados'no'

épico' de' origem' do' estado' Lunda' e' suas' diásporas.43'A' primeira' é' tida' como' a' “primeira'

chefe”'dos'povos'provenientes'do'Lago'Tanganyika'(na'atual'RDC),'e'o'segundo,'como'o'pai'

do' memorável' chefe' lunda' Nkonde' Matete,' de' quem' descende' Cinyama' ca' Mukwamayi'

(Sangambo' apud' Papstein' 1978).' A' lista' liga,' portanto,' Cinyama' e,' consequentemente,' os'

Luvale,'às'tradições'da'antiga'Musumba.44''

No' quarto' bloco,' reproduzido' a' seguir,' aparece' justamente' o' nome' de' Cinyama' ca'

Ngambo,' o' mais' antigo' chefe' registrado' pela' historiografia' luvale' a' assumir' o' título' de'

Cinyama.'Como'disse'na'Introdução,'Cinyama'ca'Ngambo'é'geralmente'associado'ao'ramo'

de' Cisengo' ca' Ngalango,' filha' de' Ngambo' ya' Muxindwa,' sobrinha' de' Cinyama' ca'

Mukwamayi'(ver'Diagrama'1).'De'suas'irmãs'e'primas'descendem'todos'os'principais'chefes'

atuais,'como'Nyakatolo,'Kakenge'e'Ndungu.'Cinyama'ca'Ngambo'é,'assim,'o'principal'ponto'

de'ligação'entre'Cinyama'ca'Mukwamayi'e'os'chefes'luvale'mais'recentes.''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
43
'O'épico'ao'qual'me'refiro'foi'narrado'por'Mose'Sangambo'e'encontraEse'transcrito'na'íntegra'em'Papastein'
(1978).'Na'Introdução,'faço'um'resumo'da'narrativa,'especificamente'da'parte'em'que'ela'expõe'o'contexto'
que'impulsionou'as'migrações'lideradas'por'Cinyama'e'Cinguli,'primogênitos'de'Nkonde'Matete'(soberano'dos'
Lunda),' que' dariam' origem' aos' Luvale' e' aos' Mbangala,' respectivamente.' Os' nomes' listados' no' kulifukula,'
Kenga'Naweji'e'Iala'Muaku,'são'mencionados'na'primeira'parte'do'épico,'que'narra'o'trajeto'que'fizeram'os'
ascendentes' de' Nkonde' Matete,' da' região' do'lago' Tanganyika' até' a' da' Musumba,' na' Katanga' Central' (atual'
RDC),'onde'viria'a'se'formar'o'Estado'Lunda.'
44
'Região'na'atual'província'da'Katanga'(RDC)'onde'se'formou'o'antigo'Estado'Lunda'(séculos'XVIIEXIX).''

! 107!
Wavulye,#kalombo#
PermitaEme,'vossa'excelência'
#
Cinyama#ca#Ngambo#
Cinyama'ca'Ngambo'(“filho'da'Ngambo”)'
Kaiombo#kakutemba#
Kaiombo'ka'Kutemba'(“filho'da'Kutemba”)'
Jindamisa#lya#vambwela#
Fizeram'os'Mbwela'recuar'além'
#
Lyatu#lyamukulu#kulumba##
Super'homem,'difícil'de'ser'queimado'
LyalunduVlundu#lyakulundula#ali##
É'como'uma'onda,'para'lhe'acompanhar'é'preciso'ter'canoa''
Nawato#keci#nawato#apilamo#
Sem'canoa,'fica'para'trás'
#
Mukamba#kamba#mukixi#kumalwa#
Leão,'mukixi'perigoso'
Mukixi#wakulenga##
Mukixi'de'muitas'cores'
'

Junto'a'Cinyama'ca'Ngambo,'o'bloco'faz'também'referência'a'Kayombo'ka'Kutemba,'

seu'sobrinho,'consagrado'como'o'principal'herói'das'guerras'de'conquista'dos'séculos'XVIIIE

XIX.' Ao' final,' certas' qualidades' e' atributos' são' associadas' a' Kayombo' e' a' Cinyama'

indistintamente'–'o'que'gera'certa'confusão'pois'não'se'sabe'se'elas'se'referem'a'um'ou'a'

outro' e,' por' isso' mesmo,' podem' estar' se' referindo' aos' dois,' que' acabam' assim' por' se'

condensarem'numa'mesma'pessoa.'Ambos'são'identificados'com'o'leão,'que,'segundo'Wele'

(1993),'é'justamente'o'totem'do'clã'Nama#Kungu.'De'fato,'como'vimos,'peles'de'leão'são'

um'dos'principais'emblemas'associados'à'chefia'entre'os'Luvale.''

O'leão'e,'consequentemente,'também'Cinyama'e'Kayombo,'são'ainda'comparados'a'

uma' categoria' intrigante,' de' difícil' tradução' –' inclusive' por' isso' optei' por' manter' o' termo'

luvale'que'a'define:'mukixi.'Segundo'Muzala'e'também'Cinyama'(o'narrador'do'kulifukula'

que' nos' auxiliou' na' transcrição' e' tradução' da' narrativa),' o' termo' mukixi' caracterizaEse'

essencialmente' pelo' seu' caráter' transformativo.' Seria' em' si' um' feitiço' e,' por' isso,'

extremamente'perigoso.'“Monstro”'e'“palhaço'gigante”'foram'algumas'das'traduções'que'

! 108!
mais'agradaram'Muzala,'mas'nenhuma'delas'dava'conta'do'que'é'essencial'ao'mukixi'e'que'

consiste'exatamente'no'fato'de'ele'não'ser'nem'monstro,'nem'palhaço;'nem'gigante,'nem'

leão;'mas,'sim,'“algo'que'não'se'vê'bem,'que'ora'parece'uma'coisa,'ora'parece'outra,'que'

está'sempre'se'transformando”.''

Segundo' Turner' (2005),' White' (1948)' e' Jordán' (1996),' que' trabalharam' na' Zâmbia'

com' povos' LundaENdembu,' Luvale' e' Cokwe,' respectivamente,' o' termo' mukishi# (pl.' akishi)'

designa' “espírito' ancestral”' de' forma' geral,' diferente' da' noção' de# mahamba' (sing.'

l/ihamba),'que'se'refere'mais'especificamente'a'ancestrais'que'se'manifestam'na'forma'de'

doenças'e'infortúnios,'ou'de'makixi#(sing.'likixi),'que'indica'ancestrais'que'vem'a'público'na'

forma' de' dançarinos' mascarados.' Já' Bastin' (1984)' e' Lima' (1971),' que' trabalharam' com'

povos'Cokwe'em'Angola,'afirmam'que'o'termo'mukishi'(pl.'akishi)'refereEse'exclusivamente'

aos' ancestrais' encarnados' como' bailarinos' mascarados.' Como' entre' os' Luvale' com' quem'

trabalhei'no'leste'de'Angola'o'termo'mais'difundido'para'nomear'os'dançarinos'mascarados'

é' makixi# (sing.' likixi),' uma' hipótese' é' a' de' que' o' termo' mukixi' que' encontramos' no'

kulifukula'refiraEse'à'categoria'mais'genérica'de'ancestral'que,'não'à'toa,'é'difícil'de'definir,'

visto' seu' caráter' altamente' transformativo,' expresso' na' multiplicidade' de' suas'

manifestações,'como'máscaras,'doenças,'esculturas'e'títulos'políticos.''

Haveria,' porém,' ainda' uma' segunda' hipótese.' Segundo' Wastiau' (1998),' que'

trabalhou'entre'os'Luvale'da'Zâmbia,'o'termo'mukixi#refereEse'a'uma'divindade'inefável'ou'

“agência'espiritual”'anterior'à'Kalunga'–'este'último,'tido'como'o'criador'do'mundo'e'dos'

homens 45 '–,' que' se' encontra' expressa' no' seguinte' aforisma:' Kalunga# mwana# Mukixi'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
45
'Comparado'contemporaneamente'com'a'figura'do'Deus'cristão,'Kalunga'é'também'associado'a'fenômenos'
naturais'como'raios'e'grandes'massas'de'água,'particularmente'com'o'oceano,'e'também'com'a'morte.'Mais'
precisamente,'com'o'lugar'para'onde'todos'vão'depois'da'morte,'o'qual'é'habitado'por'um'conjunto'de'seres'
espirituais,' incluindo' os' espíritos' de' ancestrais' (vakulu),' os' espirítos' das' máscaras' (makixi)' e' os' espíritos' de'
aflição'(mahamba),'entre'outros'(Wastiau'1998:130).'

! 109!
(Kalunga'é'o'filho'do'Mukixi).'Wastiau'nota'também'que,'no'passado,'os'Lucazi'retratavam'o'

mukixi# como' um' dragão,' chamado' Chazangombe,' que' vive' num' grande' rio,' onde' nasce' o'

arcoEíres.'Segundo'a'tradição'oral'desse'povo:'“One'day'Kalunga'and'Mukixi'fough'fiercely,'

and'the'sound'of'their'fighting'gave'birth'to'thunder.”'(Wastiau'1998:129).'Embora'eu'não'

tenha' registrado' definição' similar' em' campo,' os' dados' de' Wastiau' são' sugestivos' e' creio'

que'a'idéia'de'uma'entidade'inefável'primordial'também'poderia'se'aplicar'ao'termo'mukixi'

encontrado' no' kulifukula.' Nesse' caso,' ainda' é' mais' interessante' a' sua' associação' com' os'

grandes'chefes'luvale.46'

Retornando' ao' kulifukula,' a' fórmula' Mukamba# kamba# mukixi# kumalwa/Mukixi#

wakulenga#[Leão,'mukixi'perigoso/Mukixi'de'muitas'cores'(ou'muitas'caras)],'expressa'nos'

últimos' versos' do' quarto' bloco,' é' repetida' algumas' vezes' ao' longo' da' narrativa,'

notadamente' no' quinto' e' no' décimoEterceiro' blocos,' associada' aos' nomes' de' Sombo' –'

possivelmente' Sombo' lya' Mbumba,' irmã' de' Cinyama' ca' Ngambo' (Papstein' 1978)' –' e' de'

Ndungu.''

A'partir'do'quinto'bloco,'fazEse'referência'a'algumas'mulheresEchave'na'genealogia'

nama# kungu,' por' terem' encabeçado' as' linhas' de' descendência' que' mais' consolidaram'

títulos' políticos' entre' os' Luvale,' a' saber' Ngambo' ya' Muxindwa' (sobrinha' de' Cinyama' ca'

Mukwamayi)' Cisengo' ca' Ngalango' (filha' de' Ngambo),' Sombo' lya' Mbumba' e' Kutemba'

Mulombwe' (ambas' bisnetas' de' Cisengo' e' irmãs' de' Cinyama' ca' Ngambo).' As' três' últimas'

aparecem'no'kulifukula'associadas'ao'título'de'Nyakatolo,'como'se'pode'perceber'no'trecho'

que'se'segue,'retirado'do'sétimo'bloco.'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
46
'Resta'ainda'investigar'as'possíveis'relações'da'noção'de'mukixi#com'a'de'feitiço.'Aqui'me'lembro'de'Muzala'
falando'sobre'o'temor'que'ele'sentia'diante'dos'grandes'chefes'luvale,'justamente'daqueles'que'herdavam'os'
títulos'mais'importantes,'como'Nyakatolo,'por'exemplo,'e'que'seriam,'segundo'ele,'“feitos'de'feitiço”.'Por'isso,'
ninguém'tinha'coragem'de'fazer'qualquer'crítica'a'eles,'“ninguém'queria'morrer”,'disseEme.'

! 110!
Yove#Nyakatolo#Cisengo#ca#ngalango#
Você,'Nyakatolo'Cisengo'ca'Ngalango'
Vanavove#valilongelelele#mujimo#
Seus'filhos'enfileiraramEse'dentro'do'seu'ventre'
'

Embora' o' título' de' Nyakatolo' tenha' surgido' apenas' em' meados' do' século' XIX,' no'

momento' em' que' aquelas' ancestrais' fundadoras' aparecem' na' narrativa' associadas' a' ele,'

todas'as'rainhas'Nyakatolo'da'história'recente'são'automaticamente'identificadas'com'elas,'

sendo' reconhecidas' como' suas' herdeiras.' Levando' ainda' em' consideração' que' as' três'

últimas' Nyakatolo,' Cisengo' (1957E1992),' Kutemba' (1914E1956)' e' Ngambo' (1860E1914),'

possuem'nomes'próprios'iguais'aos'daquelas'primeiras,'o'entrelaçamento'entre'todas'elas'

tornaEse' ainda' maior.' Dessa' forma,' o' título' de' Nyakatolo,' que' é' um' dos' mais' novos' na'

história'luvale,'passa'para'o'topo'da'genealogia'nama#kungu,'associado'às'mães'fundadoras'

das'principais'chefias'que'se'consolidaram'no'Alto'Zambeze'no'século'XIX,'ou'seja,'de'quem'

todos'os'outros'títulos'descendem.'

Em'seguida,'sucedem'as'extensas'listas'de'Kakenge'e'de'Ndungu,'em'meio'às'quais'

alternamEse' séries' menores' de' nomes' associados' a' títulos' que' tiveram' considerável'

importância'histórica,'mas'que'já'perderam'muito'de'seu'prestígio.'Entre'eles,'destacamEse'

Muema'ca'Ngambo'e'Ciaze'Ngombe,'citados'no'nono'e'no'décimo'blocos,'respectivamente.'

Ambos' foram' destacados' chefes' nas' guerras' de' conquista' dos' séculos' XVIII' e' XIX,' como'

Kayombo'ka'Kutemba,'e,'assim'como'este,'eram'também'ligados'a'Cinyama'ca'Ngambo.47'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
47
'ContaEse'que'Ciaze'Ngombe'e'Muema'ca'Ngambo'conquistaram'e'escravizaram'muitos'grupos'mbwela'na'
grande'área'de'confluência'entre'os'rios'Zambeze,'Lwena'e'Lumbala,'em'atual'território'angolano.'O'primeiro'
veio'a'se'tornar'o'principal'chefe'nas'terras'de'Lumbala,'com'a'captura'do'chefe'mbwela'Lumbala.'Um'pouco'
mais'à'norte,'o'segundo'dominou'a'região'de'confluência'dos'rios'LumbalaELunyameji,'com'a'captura'de'outros'
importantes'chefes'mbwela.'Sobre'Muema'ca'Ngambo,'assim'nos'conta'Papstein:'“For'his'ferocity'Muwema'
wa'Ngambo'was'given'a'typical'praise'name'‘scorching'fire’'because'he'left'nothing'in'his'path.'Such'was'his'
fierceness,'it'is'said,'that'wherever'he'travelled,'even'to'his'own'relatives,'all'combustibles'had'to'cleared'from'
his'way'lest'he'set'them'a'fire.'It'was'Muwema'wa'Ngambo'who'captured'the'people'of'the'chimbotwe'(frog)'
matrilineage'and'their'chiefs,'Kavongo'wa'Lufumba'Poko'(Kayongo'who'bent'a'knife)'and'Likoya'lya'Matumbo,'
who'were'then'sold'as'common'slaves.”'(Papstein'1978:184)'

! 111!
Abaixo,' reproduzo' um' curto' trecho' do' nono' bloco,' que' traz' a' referência' de' Muema' ca'

Ngambo,'também'associado'na'narrativa'à'figura'do'leão.'

#
Muema#wangambo##
Muema,'filho'de'Ngambo'
Katondo#kemana#hacana#nge#ndumba#
Árvore'na'chana,'leão'
Liuluulo#walile#vana#vandumba,#Ivene#ndumba#kamulinge#cimweko#
Comia'os'filhos'do'leão,'mas'este'nada'fazia'
'

O'kulifukula'termina'com'um'bloco'em'que'se'identificam'os'heróis'da'diáspora'do'

antigo'Estado'Lunda'e'os'locais'onde'cada'um'deles'se'fixou,'fundando'novas'etnias.48''

Wavulye,#Kalombo#
PermitaEme,'vossa'excelência'
'
Cinguli#ca#Nkondi#
Cinguli,'filho'do'Nkondi'
'
Lweji#lwa#Nkondi#
Lweji,'filha'do'Nkondi'
'
Cinyama#ca#Mukwamayi#
Cinyama'ca'Mukwamayi'
#
Cinguli#mukwango#
Cinguli'foi'para'o'Kwango'
Wakusamwi#naga#pheto#wakusengelela#ilulu#
Leão,'respeitado'até'pelos'mais'velhos'
#
Ndondji#hakalipa#
Ndondji'se'fixa'no'Kalipa'
#
Cinyama#havanbeji#
Cinyama'se'fixa'no'Zambeze'
#
Litunga#haului#
Litunga'está'com'os'Lui'
#
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
48
'Como' vimos' na' Introdução,' no' contexto' de' formação' do' antigo' Estado' Lunda,' provavelmente' entre' os'
séculos'XV'e'XVI,'ocorreram'uma'série'de'migrações'que'dariam'origem'aos'Mgambala,'aos'Luvale,'aos'Cokwe,'
entre' outros' povos' que' vivem' hoje' em' Angola.' Segundo' a' tradição' oral' dos' Luvale,' essas' migrações'
decorreram'de'uma'disputa'por'poder'dentro'da'principal'linhagem'de'chefes'lunda'e'foram'lideradas'pelos'
filhos'de'Nkonde'Matete,'a'saber,'Cinguli'ca'Nkonde,'Cinyama'ca'Mukwamayi'e'Ndonji'ya'Nkonde.'O'primeiro'
é'apontado'como'sendo'o'herói'fundador'dos'Mbangala,'fixados'na'atual'província'do'Malanje,'no'norte'de'
Angola,'e,'o'segundo,'dos'Luvale,'difundidos'por'todo'o'Alto'Zambeze.'Por'sua'vez,'Ndonji'ya'Nkonde'seria'o'
herói'fundador'dos'Cokwe,'hoje'disseminados'pelas'províncias'da'Lunda'Norte,'da'Lunda'Sul'e'do'Moxico,'no'
leste'e'nordeste'de'Angola.'

! 112!
Kazembe#Kalupula#Vingenge#halwapula#
Kazembe'Kalupula'Vingenge'(machado'que'corta'o'tronco'em''
pedaços)'se'fixa'no'Lwapula'
#
Kanongesa#Ixiji#handembu#
49
Kanongesa'Ixiji'(o'que'apanha'os'restos)'está'com'os'Ndembu '
#
Wavulye,#Kalombo#
PermitaEme,'vossa'excelência'
'

'

'

D.'

[DISCURSOS'POLÍTICOS]'

'

Se' a' recitação' do' kulifukula# é' o' ápice' da' sequência' inicial' de' abertura' da' festa,' seu'

fechamento' ocorre' com' o' discurso' das' “autoridades”' presentes. 50 'Abaixo,' transcrevo'

trechos' dos' discursos' da' rainha' Nyakatolo,' em' 2012,' e' de' José' Itumbo' (presidente' da'

COFETRAL),' em' 2013.' Acredito' que' tais' fragmentos' sejam' suficientes' para' dar' uma' ideia'

geral'do'teor'das'falas.'De'todo'modo,'eles'também'encontramEse'transcritos'na'íntegra'nos'

Anexos' da' tese' (ver' pág.' 366).' Infelizmente,' por' não' ter' sido' autorizada' a' fazer,' durante'

todo' o' meu' trabalho' de' campo,' qualquer' tipo' de' registro' audiovisual' das' autoridades' de'

governo'angolanas,'não'consegui'gravar'as'falas'de'Adelina'Cilika,'administradora'municipal'

do'Alto'Zambeze.'

O'discurso'da'rainha'e'o'do'presidente'da'COFETRAL'não'divergiram'muito'nos'dois'

anos'–'o'que'talvez'seja'um'indicativo'de'que'o'primeiro'também'tenha'sido'elaborado'por'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
49
'Interessante'notar'que'o'nome'do'chefe'ndembu'Kanongesa'Ixiji#indica'que'ele'tenha'sido'o'último'a'partir,'
tendo' que' apanhar,' na' trilha' de' seus' antecessores,' os' restos' que' estes' deixaram.' De' fato,' diferente' dos'
Mbangala,'dos'Luvale'e'dos'Cokwe,'os'LundaENdembu'não'descendem'das'grandes'marchas'migratórias'dos'
séculos' XV' e' XVI,' mas' de' expedições' de' conquista' promovidas' pelo' próprio' Estado' Lunda' a' sul' do' seu'
território,'provavelmente,'na'segunda'metade'do'século'XVII'(Turner'1957:02).'
50
'Enquanto' o' hino' e' o' kulifukula' foram' executados' na' língua' nativa,' os' discursos' das' “autoridades”' foram'
feitos'em'português,'com'tradução'simultânea'para'o'Luvale.''

! 113!
membros' do' Comitê.' Ambos' relembram' a' história' do' Festival,' da' sua' origem' em' tempos'

remotos,'na'nganda'do'chefe'Kakenge,'até'a'criação'da'COFETRAL'e'a'reedição'da'festa'no'

Alto'Zambeze'contemporâneo.''

'

O' Festival' Tradicional' Luvale' é' uma' cerimônia' ritual' que' era' promovida' pelo'
mwangana'Kakenge,'rei'ca'Nkondi'Kakenge,'irmão'de'Cinguli'ca'Nkonde'e'Lweji'
ca' Nkonde,' nas' terras' de' Lumbala,' atual' comuna' de' LumbalaEKakengue,' na'
década'de'1930.'O'mwangana'rei'Cinyama'lançou'uma'estratégia'de'ações'para'a'
criação'de'condições'psicológicas,'materiais,'técnicas,'culturais'e'recreativas'para'
a'reativação,'promoção'e'preservação'da'cultura'Luvale.'Como'sequência'dessa'
atividade,' foi' festejada' pela' primeira' vez' de' forma' organizada' à' 25' de' julho' de'
1956,'no'distrito'de'Balovale,'atual'Zambeze,'República'da'Zâmbia,'que'se'realiza'
anualmente.''
A' 25' de' novembro' de' 2000,' criouEse' na' cidade' de' Luena' o' COFETRAL,' tendo'
como' objetivo' conservar,' valorizar,' divulgar' a' cultura' Luvale' e' unir' esforços' de'
todo'o'povo'Luvale,'descendentes,'amigos'e'outros'interessados'na'consolidação'
da'sua'cultura.'Neste'contexto,'em'Angola,'realizouEse'pela'primeira'vez'de'forma'
organizada' a' 22' de' julho' de' 2010,' na' sede' da' comuna' de' nana# kandundu,'
Cavungu.' Essa' data' é' para' celebração' do' falecimento' da' rainha' Nyakatolo'
Chisengo' e' da' entronização' atual' rainha.' [Trecho' do' discurso' de' José' Itumbo.'
Festival'Tradicional'Luvale,'Alto'Zambeze,'Angola,'2013.'Falado'em'português]'
'

Interessante' notar,' no' discurso' de' Itumbo,' a' naturalidade' com' que' ele' identifica'

Kakenge'com'o'filho'de'Nkonde'Matete51'e,'portanto,'com'Cinyama'ca'Mukwamayi.'Sua'fala'

expressa' uma' das' principais' características' do' sistema' de' transmissão' de' títulos' políticos'

entre' os' Luvale' e' demais' povos' originais' do' antigo' Estado' Lunda,' tal' como' apontado' por'

Richard'(1940,'1950),'Cunnison'(1956),'Papastein'(1978)'e'Palmeirim'(2008):'a'negação'da'

passagem'do'tempo.'Como'vimos,'quando'um'chefe'ascende'a'um'determinado'título,'ele'

passa' a' acumular' não' apenas' o' nome' de' seu' antecessor,' mas' também' suas' relações,'

prerrogativas,'sua'genealogia'e'linhas'de'descendência.'Em'última'instância,'ele'tornaEse'o'

seu' antecessor.' No' caso' dos' herdeiros' do' título' de' Cinyama,' a' identificação' se' dá'

diretamente' com' o' herói' fundador' da' etnia.' Assim,' a' festa,' que' segundo' Itumbu' foi'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
51
'Antigo'chefe'do'préEEstado'Lunda,'apontado'na'tradição'oral'dos'Luvale,'como'sendo'o'pai'de'Cinyama'ca'
Mukwamayi,' Cinguli' ca' Nkonde' e' Ndonji' ya' Nkonde' –' heróis' fundadores' dos' Luvale,' dos' Mbangala' e' dos'
Cokwe,'respectivamente.'

! 114!
realizada' pela' primeira' vez' em' 1930,' é,' ao' mesmo' tempo,' atribuída' ao' filho' de' Nkonde,'

antigo' chefe' da' Musumba,' que' deve' ter' vivido' há' pelo' menos' quatro' séculos.' Ou' seja,' de'

uma' cerimônia' mais' ou' menos' recente' na' história' dos' Luvale,' o' Festival' se' torna'

“tradicional”,'na'medida'em'que'se'associa'a'Cinyama.'

O' período' indicado' por' Itumbo' para' a' realização' da' festa' de' Kakenge' (década' de'

1930)'recebe'uma'outra'interpretação'do'lado'zambiano.'Segundo'o'pesquisador'zambiano'

Patrick'Wele'–'o'único'a'publicar'uma'obra'inteiramente'dedicada'ao'Likumbi#Lya#Mize'–'a'

origem' do' Festival' Luvale' é' creditada' a' Kakenge' Civanda' Sakayongo,' o' primeiro' chefe' a'

assumir'o'título'de'Kakenge,'sucedendo'Cinyama'ca'Ngambo.'Ao'que'tudo'indica,'Civanda'

Sakayongo' viveu' entre' a' segunda' metade' do' século' XVIII' e' a' primeira' do' século' XIX'

(Papstein' 1978,' Ciwende' 20EE?a),' quando' a' expansão' luvale' se' tornou' mais' violenta,'

impulsionada'pelo'comércio'de'escravos.'A'sua'nganda'localizavaEse'próximo'à'confluência'

LumbalaEZambeze'(ver'Mapa'5),'numa'área'cercada'por'um'tipo'de'árvore'conhecido'como'

mize.' Daí' o' festival' zambiano' ter' sido' batizado' com' o' nome' de' Likumbi# Lya# Mize' (dia' do'

mize)'(Wele'1993).''

É'evidente'que,'por'aquela'mesma'lógica'de'transmissão'de'títulos,'a'festa,'atribuída'

a' Kakenge' Civanda' Sakayongo,' pode,' na' verdade,' ter' sido' realizada' por' qualquer' outro'

Kakenge,' em' qualquer' época.' Nesse' caso,' a' década' indicada' por' Itumbo' em' seu' discurso'

não'precisa'corresponder'à'nossa'cronologia'e,'sim,'a'uma'lógica'de'sucessão'que'implica'na'

identificação' entre' os' portadores' dos' títulos.' Por' sua' vez,' a' versão' zambiana,' de' maior'

profundidade'temporal,'está'em'consonância'com'o'fato'do'título'de'Kakenge'ter'perdido'

muito'de'seu'prestígio'político'ao'longo'do'século'XIX,'quando'Nyakatolo'despontou'como'a'

principal' comerciante' de' escravos' da' região' e' outros' importantes' chefes' luvale' se'

estabeleceram' ao' sul,' na' atual' Zâmbia.' Segundo' Papstein' (1978),' entre' o' final' daquele'

! 115!
século' e' o' começo' do' seguinte,' a' sucessão' ao' título' de' Kakenge' passou' inclusive' a' ser'

controlada'por'Nyakatolo.''

Desse' ponto' de' vista,' faz' mais' sentido' a' associação' do' Festival' com' Civanda'

Sakayongo'e,'consequentemente,'com'o'períodoEauge'do'título'de'Kakenge,'do'que'com'um'

Kakenge'que'teria'vivido'nas'primeiras'décadas'do'século'XX,'quando'o'título'já'perdera'o'

seu'prestígio.'Nesse'contexto,'supõeEse'que'seria'improvável'Kakenge'conseguir'reunir'uma'

série' de' outras' lideranças' espalhadas' por' uma' enorme' faixa' territorial' em' torno' de' um'

evento' feito' para' homenageáElo.' De' todo' modo,' a' data' apontada' por' Itumbo' é' mais' um'

indicativo' de' uma' percepção' luvale' condensada' da' história.' Assim,' a' festa' é' atribuída' ao'

principal'herói'da'expansão'luvale,'mas'localizada'em'um'tempo,'muito'próximo'do'atual,'

em'que'aquela'expansão'já'se'encontrava'neutralizada'–'nessa'operação,'cerca'de'400'anos'

acabam'por'ser'suprimidos.''

Por'outro'lado,'penso'que'o'esforço'em'identificar'o'chefe'exato'que'teria'iniciado'a'

festa'em'terras'angolanas'e'também'o'período'preciso'em'que'isso'aconteceu'não'passa'de'

uma'armadilha.'Afinal,'o'nome'do'festival'zambiano,'Likumbi#lya#Mize,'apenas'faz'referência'

a'um'local'e,'consequentemente,'a'um'tempo'e'a'um'chefe'específicos.'Mas'a'verdade'é'que'

nunca' haverá' como' provar' ao' certo' se' essa' festa' sequer' tenha' acontecido' antes' de' 1956,'

quando'ela'foi'pela'primeira'vez'realizada'na'Zâmbia.''

Independente' da' festa' ter' sido' ou' não' criada' por' Kakenge' Civanda' Sakayongo,' a'

referência' a' ele' no' nome' do' Festival' zambiano' e,' por' extensão,' ao' períodoEauge' da'

expansão' luvale,' por' si' só,' sugere' uma' tentativa' de' transposição' do' prestígio' associado'

àquele'chefe'lendário'para'os'chefes'luvale'atuais,'em'homenagem'aos'quais'a'festa'é'hoje'

realizada.'A'reedição'de'uma'festa'que,'supostamente,'teria'acontecido'durante'o'período'

mais'expansivo'e'vitorioso'da'chefia'luvale,'acaba'por'atribuir'às'chefias'contemporâneas'o'

! 116!
mesmo' caráter' expansivo' e' vitorioso,' insinuando,' inclusive,' que' talvez' haja' um' novo'

contexto' de' conflito' e' disputa' em' jogo.' Nesse' sentido,' não' me' parece' gratuita' a' seguinte'

reflexão'de'Nyakatolo'em'seu'discurso:''

'
Passaram' períodos' de' muita' dificuldade,' mas' foram' também' períodos' que' nos'
fizeram' acreditar' cada' vez' mais' no' nosso' desenvolvimento' sócioEcultural.'
Ficamos' a' saber' que' o' nosso' povo' não' se' deixa' dominar' seja' quais' forem' as'
circunstâncias.' Os' nossos' adversários' podem' nos' tentar,' mas' finalmente' serão'
vencidos.' Com' base' nos' ensinamentos' do' nosso' saudoso' presidente' e' imortal'
poeta,' Dr.' Agostinho' Neto,' que' dizia' e' eu' cito,' “milhões' e' contra' milhões,'
ninguém'combate,'quem'tentar'será'vencido.'[Trecho'do'discurso'de'Nyakatolo'
Chilombo.' Festival' Tradicional' Luvale,' Alto' Zambeze,' Angola,' 2012.' Falado' em'
Luvale.'Tradução:'Muzala]'
'

Para' finalizar,' cabe' ressaltar' um' outro' ponto' que' me' parece' central' em' ambos' os'

discursos:' o' fato' das' duas' falas' contestarem' o' status' atribuído' pelo' governo' angolano' à'

língua' luvale,' de' variante' da' língua' cokwe.' Ao' contestarem' essa' posição' do' governo,' elas'

reivindicam,' ao' mesmo' tempo,' a' sua' reformulação.' Abaixo,' seguem' dois' trechos' dos'

discursos'de'Nyakatolo'e'Itumbo,'respectivamente,'que'fazem'referência'ao'tema.''

''

Minhas' senhoras' e' meus' senhores,' para' preservarmos' os' valores' da' nossa'
cultura' é' necessário' conservarmos,' preservarmos' e' promovermos' as' nossas'
línguas' com' base' na' paz' e' unidade' nacional.' Em' 2007,' o' Instituto' de' Línguas'
Nacionais'promoveu'o'seminário'sobre'o'alfabeto'da'língua'Luvale'na'cidade'de'
Luena.'Neste'foi'discutido'e'aguardamos'a'sua'aprovação'e'publicação,'mas'até'
agora,' não' está' entre' as' seis' já' aprovadas' oficialmente,' nem' inserida' nas'
emissões'da'TPA'–'Televisão'Pública'de'Angola.'Neste'entretanto,'solicitamos'às'
entidades'de'direito'para'que'este'fato'seja'concretizado.'[Trecho'do'discurso'de'
Nyakatolo' Chilombo.' Festival' Tradicional' Luvale,' Alto' Zambeze,' Angola,' 2012.'
Falado'em'Luvale.'Tradução:'Muzala]'
'
Os'Luvale'realizam'esse'evento'não'é'para'competição,'mas'sim'para'valorizar'e'
significar'a'sua'cultura,'também'para'tornar'um'roteiro'turístico,'cultural,'ao'nível'
dessa'província.'O'Luvale'não'é'um'subgrupo'linguístico'como'muitos'pensam.'Se'
olharmos' pela' genealogia' encontraremos' a' solução' real' e' justa:' é' um' grupo'
independente.' [Trecho' do' discurso' de' José' Itumbo.' Festival' Tradicional' Luvale,'
Alto'Zambeze,'Angola,'2013.'Falado'em'português]'
'

' Assim'que'cheguei'ao'Alto'Zambeze,'em'junho'de'2012,'percebi'que'a'questão'das'

“línguas' nacionais”' era' um' tema' bastante' atual' e' presente' na' vila,' ao' menos' entre' os'

! 117!
organizadores' do' Festival. 52 'Não' foi' preciso' muito' tempo' para' entender' que' parte' do'

investimento'na'festa'era'motivado'pelo'questionamento'desse'enquadramento'dos'Luvale'

como'uma'variante'dos'Cokwe'e'pela'vontade'de'se'afirmar'como'“grupo'independente”,'

para'usar'as'palavras'de'Itumbo.'Embora'este'diga'que'os'Luvale'não'realizam'a'festa'por'

competição,'fica'claro'tanto'na'sua'fala,'como'na'da'rainha,'que'há'um'contexto'de'disputa,'

no'qual'a'festa'serve,'entre'outras'coisas,'como'palanque'para'a'negociação'e'a'afirmação'

de'uma'autonomia'local'por'meio'da'valorização'de'uma'cultura'e'uma'língua'próprias.''

' A'“razão'genealógica”,'que'Itumbo'indica'como'sendo'a'solução'para'a'questão'da'

independência'luvale,'é'espetacularizada'durante'a'festa,'sobretudo'com'a'performance'do#

kulifukula.'Como'vimos,'a'narrativa'evidencia'a'ligação'dos'atuais'chefes'luvale'com'Cinyama'

ca'Mukwamayi,'distinguindo,'assim,'toda'a'sua'linhagem'de'uma'série'de'outras'vinculadas'

a' diferentes' ancestrais' fundadores.' Todos' eles' seriam' originais' da' Musumba,' mas' ao'

fixaremEse'em'localidades'distintas,'fundaram'povos'singulares,'como'mostra'o'bloco'final'

do#kulifukula.'Se'as'línguas'desses'diferentes'grupos'fossem'consideradas'igualmente'como'

variantes' lunda,' acredito' que' haveria' menos' controvérsia,' mas' como' variantes' uma' das'

outras,' a' polêmica' é' incontornável.' Para' os' Luvale,' especificamente,' a' categorização'

imposta' pelo' governo' é' incorreta' e' inaceitável,' sobretudo' por' abrir' precedentes' para' o'

espabelecimento' de' relações' de' subordinação' indesejáveis' e' ilegítimas' do' seu' ponto' de'

vista.' '

Sobre'a'polêmica'das'línguas'nacionais'e'o'contexto'de'disputa'e'negociação'dentro'

do'qual'a'festa'encontraEse'inserida,'falaremos'com'detalhes'no'Capítulo'5'da'tese.''

'

'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
52
'Existem' hoje' seis' línguas' consideradas' “nacionais”' em' Angola' –' Kikongo,' Kimbundu,' Cokwe,' Umbundo,'
Mbunda'e'Kwanyama.'Todas'as'demais'são'tidas'como'suas'“variantes”.'

! 118!
E.'

[“PROGRAMAÇÃO'CULTURAL”]'

'

Terminado' o' bloco' inicial' de' abertura' da' festa,' seguiuEse' a' “programação' cultural”,' que'

consiste'basicamente'na'apresentação'sequenciada'dos'diversos'grupos'culturais'presentes'

no' evento.' TrataEse' do' momento' de' entretenimento' do' Festival,' onde' ganha' a' cena' uma'

espécie' de'potVpourri' de' trechos' dos' mais' diversos' rituais' e' cerimônias' tradicionais' luvale.'

LevandoEse'em'consideração'particularmente'essa'etapa'da'festa,'o'Festival'Luvale'poderia'

ser' definido,' de' maneira' semelhante' ao' espetáculo' xavante' analisado' por' Graham,' como'

uma' exibição' roteirizada' de' uma' série' de' trechos' descontextualizados,' composta' em' sua'

maioria' pelas' partes' mais' performáticas' e' públicas' de' conjuntos' rituais' maiores' (Graham'

2005:633).'A'principal'fonte'ritual'do'Festival,'de'onde'se'origina'a'maior'parte'das'danças,'

cantos'e'toques'percussivos'apresentados,'é'o'repertório'músicoEcoreográfico'associado'às'

cerimônias'de'iniciação'feminina'(mwali)'e'masculina'(mukanda)'–'essa'última'sendo'o'locus'

tradicional'da'performance#dos'makixi.''

Em' 2012' e' 2013,' a' “programação' cultural”' excedeu' o' dia' de' abertura' da' festa,'

prolongandoEse' por' mais' dois' ou' três' dias.' As' autoridades' tradicionais' e' de' governo,'

contudo,' retiraramEse' por' volta' das' 14h' do' primeiro' dia,' para' almoçar,' e' muitos' não' mais'

retornaram,' assistindo,' assim,' apenas' a' uma' pequena' parte' da' programação.' Nos' dias'

seguintes,' um' ou' outro' soba' destacado' costumava' vir' até' a' arena' para' prestigiar' a'

performance' dos' grupos,' representando' os' demais.' A' rainha,' no' entanto,' mantinhaEse' à'

distância.' Menos' provável' ainda' era' o' retorno' das' principais' autoridades' de' governo'

presentes,' como' a' administradora' do' Alto' Zambeze,' ou' o' próprio' governador' do' Moxico,'

que' prestigiou' a' festa' de' 2012,' mas' retornou' à' Luena' logo' no' começo' da' tarde' do' dia' de'

! 119!
abertura'do'evento.'

Em'2012,'como'vimos,'a'predominância'dos'grupos'zambianos'foi'absoluta,'de'modo'

que'mal'se'conseguia'identificar'os'angolanos.'Fora'a'apresentação'de'um'trecho'do'ritual'

de'mwali,'encabeçada'pelas'nyakandandji'do'Cazombo,'os'demais'grupos'do'Alto'Zambeze,'

se' é' que' se' encontravam' presentes,' não' conseguiram' mostrar' o' que' haviam' preparado.'

Como' naquele' ano' a' festa' reuniu' mais' de' 50' makixi,' a' maior' parte' do' evento' foi' tomada'

pela'exibição'de'suas'danças'e,'ao'menos'nos'dois'dias'que'se'seguiram'ao'da'abertura'do'

Festival,'não'houve'espaço'para'mais'nada.'''

Por' isso,' opto' aqui' por' descrever' a' “programação' cultural”' de' 2013,' inteiramente'

preenchida'por'grupos'angolanos.'Além'disso,'como'nesse'ano,'ao'contrário'do'que'ocorreu'

em'2012,'a'presença'dos'makixi'não'foi'tão'expressiva,'pôdeEse'observar'uma'diversidade'

maior'de'grupos'e'de'“peças'culturais”53'apresentadas,'entre'as'quais:'números'de'dança'e'

música,' esquetes' teatrais' e' representações' de' trechos' dos' mais' diferentes' rituais'

tradicionais.'

O'primeiro'grupo'a'se'apresentar'foi'a'Banda'Nyakatolo,'um'conjunto'coral'formado'

por'homens'moradores'de'Cazombo'e'que'tinha'como'cantor'principal'Cibanda'Mutondo.'A'

banda'apresentou'três'canções,'todas'elas'de'autoria'de'Cibanda,'que'as'compôs'inspirado'

em'histórias'que'aprendeu'na'escola,'na'Zâmbia.'Embora'tenha'nascido'em'Angola,'Cibanda'

saiu'do'país'em'1983,'ano'em'que'Cazombo'foi'ocupado'por'forças'da'UNITA,'voltando'à'sua'

terra'apenas'em'2002,'com'a'consolidação'da'paz.'Passada'a'festa,'ele'e'outros'integrantes'

da' banda' me' auxiliaram' na' transcrição' e' tradução' de' suas' canções.' A' primeira' delas'

reconstrói'o'trajeto'feito'pelos'Luvale'em'seu'périplo'do'Congo'à'Zâmbia'pelo'Alto'Zambeze.'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
53
'Em' geral,' meus' colaboradores,' organizadores' do' Festival,' chamavam' de' “peças' culturais”' tudo' que' era'
trazido' para' ser' apresentado' pelos' grupos' culturais,' de' objetos' artesanais' a' números' de' dança' e' musicais,'
esquetes'teatrais,'entre'outros,'sem'distinção.'

! 120!
Interessante'notar'que,'segundo'a'canção,'a'causa'da'migração'teria'sido'a'disputa'por'uma'

mulher,'chamada'Mulevwana,'de'quem'os'Luvale'teriam'muito'ciúme.'Tal'disputa'explicaria,'

ademais,'a'origem'dos'conflitos'entre'os'Luvale'e'os'LundaENdembo,'que'antes'“viviam'no'

mesmo'quimbo,'comiam'no'mesmo'prato,'bebiam'no'mesmo'copo”.'

#
Munganda#LuvaVLunda#
Mucongo#democrática#
Valuvale#navalunda#vapwilenga#mulimbo#lyolimwe#kaha#
Nakulya#lilonga#limwe#nakunwa#mumusenga#woumwe#kaha##
Phwevo#wamwaza#mulevwana#khambu#tepu#kwilava#phwi#nge#muvule#
Liso#kumutwe#kutoma#thotototo#nge#thanganyika#wamwilu##
Hakumukwata#ujila#valuvale#lisungu#mama#mateli#
Vakaxile#thowa#yavo#nakuteta#mingwingo#ndo#mukavungu#
Hakufuma#mukavungu#vatetele#mingwingo#ndo#mulwakano##
Hakufuma#mulwakano#vatetele#mingwingo#ndo#namuluzo##
Kuheta#cavo#mulwena#vanukile#kalwiji#kavo#munene#
Ou#vanaseze#kutho#kumwioza#kumbi#valukile#yambeji#
Hakuya#nakukulisa#hikuwana#civumaji#wavayishi#
Vamwe#ceka#hikusala#mumisumba#nakuliyona#vayishi#
Hakuya#nakukulisa#hikuwana#yambeji#alinaphola##
Hinavavuluka#ngwavo#lino#limbo#lijina#lyalyo#cavuma##
Hakuya#nakukulisa#hinavaya#nakuheta#namundungu#
Hakuzauka#musali#ngwavo#lino#limbo#lyetu#MBALUVALE#
Haungeji#wavo#nawa#valiwanyna#navakwavo#vambwela#
#
O'reino'LuvaleELunda'
No'Congo'Democrático'
Os'Luvale'e'os'Lunda'viviam'no'mesmo'quimbo,'comiam'no'mesmo'prato,'bebiam'
no'mesmo'copo.'
A'mulher'bonita'Mulevwana,'com'muito'cabelo'negro,'como'a'sombra;'com'os'
olhos'bem'brancos,'como'as'estrelas'no'céu;'os'Luvale'tinham'ciúme'de'quem'
fizesse'amor'com'ela.'
Combinaram'cortar'caminho'até'Cavungu.'
Quando'saíram'de'Cavungu,'foram'até'Luhacano.'
Saindo'de'Luhakano,'foram'até'Luzo'(Luena).'
Quando'chegaram'no'Luena,'lembraram'do'seu'grande'rio,'o'rio'que'deixaram'no'
norte,'na'nascente'do'sol,'que'tinha'o'nome'de'Zambeze.'
Chegando'à'beira'do'rio,'encontraram'outro'chamado'Chivumaji,'que'tinha'muito'
peixe.'
Alguns'ficaram'em'cabanas'na'beira'do'rio,'para'apanhar'peixes'e'comer.'Outros'
seguiram'e'econtraram'uma'queda.'Quando'chegaram'ali,'disseram'logo:'–'esse'
quimbo'vai'se'chamar'Chavuma.''
Continuando'pela'beira'do'rio,'encontraram'um'quimbo'a'que'deram'o'nome'de'
Ndungu.'
Ao'atravessarem'para'o'outro'lado'(do'rio),'encontraram'um'outro'quimbo,'que'
chamaram'de'Balovale.'
Durante'sua'viagem,'encontraram'os'Mbwela.'Fizeram'guerra'e'receberam'bois.'
A'vida'dos'Luvale'é'nos'rios.'
Levaram'os'bois'para'as'chanas'(do'outro'lado'do'rio)'e'os'Mbwela'tiveram'medo'
(de'atravessar).'
'

! 121!
Interessante'notar'como'a'canção'faz'uso'de'recursos'similares'àqueles'observados'

no' kulikukula' e' até' nos' discursos' políticos,' a' saber:' uma' genealogia,' uma' cronologia' e' um'

deslocamento'no'espaço.'Ao'que'parece,'os'diferentes'gêneros'de'arte'verbal'em'jogo'no'

contexto' do' Festival' se' apropriam,' de' maneiras' específicas,' de' recursos' comuns' para' a'

construção' de' uma' narrativa.' Se' estiver' correta,' há' aqui' uma' mnemotécnica,' onde' o'

movimento' vertical' das' sucessões' temporais' é' associado' ao' movimento' horizontal' no'

território.''

' Já'a'segunda'canção'de'Cibanda'faz'uma'interessante'exposição'de'como'os'brancos'

definiram' as' fronteiras' na' África' e' dos' critérios' usados' para' determinar' as' diferentes'

unidades' administrativas' estabelecidas' dentro' de' cada' país,' no' caso' de' Angola:' província,'

município'e'comuna.'Ao'fim,'a'canção'oferece'ainda'uma'explicação'para'a'origem'do'nome'

Cazombo,'atual'sede'do'município'do'Alto'Zambeze.'

Hakwiza#cavindele#
Amuno#muAfrica#
Hakwiza#cavo#vindele#amuno#mulitungu#lya#Africa,#
Vakaxile#phunga#yavo#yakulipulila#jingiza#mafuchi#
Valihanyine#mulimo#wakutambukila#Africa#yose#
Mangana#vawane#jila#yakulipulilaVpulila#misuka#
Omo#vatamukilenga#nge#navaheta#halimbo#lyalinene#
Hinavavuluka#ngwavo#lino#limbo#lyatela#kupwa#Província#
Nge#navaheta#halimbo#lyalinene#tuho#jino#lyamweseke#
Hinavavuluka#ngwavo#lino#limbo#lyatela#kupwa#Município#
Nge#navaheta#halimbo#lyakupwa#lyakufwana#nge#lyalindende#
Hinavavuluka#ngwavo#lino#limbo#lyatela#kupwa#Comuna#
Hakuhulumuka#cavo#hinavaheta#mungenge#yayambeji#
Hinavawana#limbo#limwe#vavuluka#ngana#ngwavo#munjamba.#
Hakuwana#vathu#vafumisilenga#jizombo#javo#mumeya#
Hinavahulisa#ngwavo#vyuma#mukaze#evi#vyajingoji#ngana##
Mwomwo#haxikulu#mikanda#yapwile#ngako#xina#yamakixi,#
Hinavavalweza#ngwavo#jikhiko#jizombo#mwevwa#puhonyi#eji,#
Hinavahulisa#ceka#ngwavo#nyou#kawiji#lijina#hiya?#
HinavaVvalweza#ngwavo#yikhiye#yambeji#mwevwa#puhonyi#you#
Hakwivwa#cavo#kuwaha#halijina#lyakalwiji#najizombo#hinavavuluka#ngwavo#lino#
limbo#Alto#Zambeze,#Cazombo.##
#
A'chegada'dos'brancos'aqui'em'África'
A'chegada'dos'brancos'aqui'no'berço'de'África'
Decidiram'distribuir'as'fronteiras'dos'países'

! 122!
Se'deram'ao'trabalho'de'andar'por'toda'a'África'
Para'encontrar'os'caminhos'onde'pudessem'dividir'as'áreas'
Enquanto'andavam,'se'chegassem'num'quimbo'grande,'decidiam'que'ele'seria'
Província'
Se'chegassem'num'quimbo'menor,'decidiam'que'seria'Município'
Se'encontrassem'um'menor'ainda,'decidiam'que'seria'Comuna'
Ao'descerem'e'chegarem'à'beira'do'Zambeze'encontraram'um'quimbo'chamado'
Njamba'
54
Quando'encontraram'pessoas'a'tirar'o'Jizombo 'da'água,'perguntaram:''
–'O'que'é'isso'que'é'fabricado'de'corda?'Aqueles'responderam:''
–'Antigamente,'nas'mukandas,'era'isso'que'utilizavam'os'palhaços'(makixi).'Esses'é'
que'são'os'Jizombo'que'vocês'escutam'a'fama.'Perguntaram'mais:''
–'Como'se'chama'esse'rio?'Lhes'disseram:''
–'Esse'é'o'Zambezi'que'vocês'escutam'a'fama.''
Contentes'em'ouvir'o'nome'do'rio'e'também'o'nome'Jizombo,'disseram:''
–'Esse'quimbo'será'chamado'Alto'Zambeze,'Cazombo.'
'

' Com' a' segunda' canção' vemos,' em' primeiro' lugar,' como' a' história' dos' brancos'

também'é'uma'história'de'movimento'pelo'território.'No'entanto,'em'vez'de'fundar'lugares'

associados' a' eventos' e' a' nomes' de' chefes,' eles' “dessingularizam”' o' território,' criando'

categorias'e'divisões'genéricas.'Ao'mesmo'tempo,'a'informação'sobre'a'origem'dos'nomes'

do'município'do'Alto'Zambeze'e'de'sua'sede'administrativa,'Cazombo,'indica'uma'tentativa'

de' reconfigurar' indentidades' territoriais,' até' então' baseadas' em' nomes' de' chefes' locais,'

pela' associação' com' características' geográficas' e' traços' culturais.' A' origem' do' nome'

Cazombo,'especificamente,'traz,'nesse'sentido,'um'dado'importante,'por'estar'associado'a'

mukanda' e,' por' extensão,' aos' makixi.' Ele' é,' portanto,' um' índice' de' que' os' rituais' de'

circuncisão'eram'realizados'na'área'nas'primeiras'décadas'do'século'XX,'quando'os'postos'

administrativos'foram'fundados'no'Alto'Zambese.55'A'informação'se'torna'particularmente'

relevante' se' levarmos' em' conta' que,' segundo' o' que' me' foi' dito' em' campo,' hoje' não' se'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
54
'Saia'feita'de'fibras'vegetais,'tradicionalmente'usada'pelos'neófitos'da'circuncisão'(tundandji)'e'também'pelo'
likixi'Cikusa,'como'veremos'adiante.'
55
'Segundo'meus'dados'de'campo,'o'município'do'Alto'Zambeze'e'o'posto'administrativo'de'Cazombo'foram'
criados' em' 1922.' Todos' os' outros' postos' do' município' (convertidos' hoje' em' sedes' comunais)' foram' criados'
depois' daquela' data,' mas' ainda' ao' longo' da' segunda' década' do' século' XX.' A' única' excessão' é' o' posto' de'
Cavungu,'que'foi'criado'em'1919,'antes'mesmo'do'Alto'Zambeze'ter'sido'decretado'município.'

! 123!
realizam' mais' mukanda# de' makixi# na' região,' mas' apenas' aquelas' identificadas' como'

“medicinais”56.'

Por' fim,' a' terceira' canção' expõe' a' origem' comum' dos' diferentes' povos' que' hoje'

habitam' o' Alto' Zambeze' e' áreas' circunvizinhas,' como' os' Luvale,' os' Cokwe,' os' Lucazi' e' os'

Mbunda.'Com'isso,'o'compositor'se'posiciona'no'debate'sobre'o'“tribalismo”,'dando'a'sua'

“mensagem'de'paz”,'assim'como'também'faria'o'grupo'da'Escola'do'1º'Ciclo,'apresentando'

um' número' de' dança' em' torno' da' canção' de' Antônio' Ngunga,' que' tinha' como' bordão'

“separatismo'não”,'como'veremos'adiante.'No'caso'da'canção'de'Cibanda,'a'origem'comum'

daqueles' povos,' que' torna' o' “tribalismo”' injustificável,' baseiaEse' no' fato' de' que' todos'

compreendem'a'mesma'língua.''

#
Tunakwimba#mucisemwa#cetu#
Lilimi#lyetu#lyalonga#
Valuvale#navalunda#vacokwe#valucaji#navambunda#
Vafuma#mucako#cimwe#zango#yimwe#namihako#yimwe#kaha#
Hakupuzuka#kapoxi#vosena#vaholokelele#kusango#
Ngunamilweze#mucano#yami#mwana#Cinyama#ca#Mukwamayi#
Kaluvale#mwahanjika#kacokwe#mwevwa#evi#nambe#kaluvale#
Kambunda#nawa#mwahanjika#kalucaji#mwevyeyi#nambe#kambunda#
Kacokwe#nawa#mwahanjika#Mwaciyavwa#mwevwevi#nambe#kacokwe#
Mazu#ngwamilweze#lyehi#kangwechi#kuhilukilaho#cekako#
Salenuho#vakwetu#wawawa#
Ngunasalisa#vakwetu#wawawa.'
'
Estamos'a'cantar'a'nossa'tradição'
A'nossa'linguagem'(língua)'é'clara'
Luvale,'Lunda,'Cokwe,'Lucaji,'Mbunda'tem'a'mesma'origem,'se'reúnem'no'mesmo'
Jango,'com'os'mesmos'costumes'
Com'a'destruição'da'torre,'todos'caíram'para'o'sul'
Vos'digo'a'verdade,'sou'filho'de'Cinyama'Camukwamayi'
Cokwe'entende'quem'fala'Luvale'
Mbunda'entende'quem'fala'Lucaji''
Mwaciyavwa'entende'quem'fala'Cokwe'
Já'disse'a'verdade,'não'repito'mais.'
Não'repito'mais'
Me'despeço,'tchau!'
'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
56
'Como' veremos' no' Capítulo' 3' da' tese,' as' chamadas' “mukanda# medicinais”' limitamEse' a' operação' de'
circuncisão,'ficando'os'neófitos'recolhidos'apenas'o'suficiente'para'a'cicratização'das'feridas.'Além,'disso,'não'
há'presença'de'makixi.'

! 124!
Cibanda'relutou'muito'em'aceitar'gravar'as'canções'e'me'ajudar'na'sua'transcrição'e'

tradução.'Segundo'me'contou,'desde'a'sua'participação'na'festa,'ele'vinha'sendo'acusado'

pelos' “mais' velhos”' de' “querer' virar' soba”' e,' por' isso,' estava' com' medo' de' lançarem' um'

feitiço'contra'ele.'A'questão'é'que,'com'as'canções,'ele'demonstrava'ter'mais'conhecimento'

tradicional' do' que' deveria' ter' e,' ao' que' parece,' este' conhecimento' entre' os' Luvale' está'

necessariamente' associado' a' posições' de' poder.' Diante' do' quadro,' sua' mãe' o' teria'

advertido,' inclusive,' a' não' mais' cantar' aquelas' canções' em' público.' Aqui,' creio' que' se'

encontra' a' chave' para' compreendermos' o' desconforto' dos' sobas' com' Cibanda' e' suas'

canções.' Afinal,' o' problema' não' parecia' estar' no' fato' de' ele' conhecer' aquelas' histórias,'

ensinadas' na' escola' e,' portanto,' amplamente' difundidas,' mas' em' sua' habilidade' para'

convertêElas'num'discurso'musical'e'numa'performance'pública.''

Havia,' porém,' ainda' um' outro' constrangimento' que' envolvia' a' Banda' Nyakatolo' e'

dizia'respeito'ao'seu'nome.'O'governo'vinha'censurando'qualquer'iniciativa'que,'de'forma'

direta'ou'indireta,'favorecesse'o'faccionalismo'entre'as'diferentes'etnias'presentes'na'área.'

No'Festival'da'Cultura'LundaENdembu'de'2012,'por'exemplo,'também'apareceu'uma'banda'

com'o'nome'do'título'do'principal'chefe'ndembu'homenageado'no'evento'–'a'Banda'Cinuke'

–,' o' que' não' foi' aceito' pela' administração' do' município.' Da' mesma' forma,' a' Banda'

Nyakatolo' não' poderia' permanecer' usando' o' nome' da' rainha,' o' que' seus' integrantes' já'

tinham'acatado,'embora'ainda'não'tivessem'escolhido'um'novo'nome'para'o'conjunto.'

Passado' o' número' musical' da' Banda' Nyakatolo,' dois' fragmentos' rituais,' um' do'

mwali' e' outro' da' mukanda,' foram' encenados' na' arena.' O' primeiro' foi' apresentado' pelo'

grupo'das'nyakandanji'de'LumbalaEKakengue,'cuja'formação'não'diferia'muito'da'do'grupo'

das'mulheres'do'Cazombo,'liderado'por'Brevinta'Rosa.'Reunia,'em'sua'maioria,'mulheres'de'

meiaEidade,' mãesEdeEfamília,' algumas' delas' reconhecidamente' especialistas' rituais.' Todas'

! 125!
eram'também'integrantes'do'núcleo'da'OMA'(Organização'das'Mulheres'de'Angola/MPLA)'

de' LumbalaEKakengue.' Segundo' o' que' me' disseram,' o' trecho' do' mwali' que' apresentaram'

naquele' ano' remete' à' aparição' pública' da' iniciada' após' o' longo' período' de' reclusão.57'

Contudo,'diferente'do'que'ocorrera'em'2012,'dessa'vez'não'se'tratava'do'desfecho'de'um'

ritual' iniciado' previamente,' mas' de' uma' encenação.'58'A' jovem' que' representou' a' neófita'

evoluiu,' dançando' a' ciyanda,' do' meio' da' arena' até' bem' próximo' à' rainha' Nyakatolo.' As'

nyakandandji'acompanharamEna,'cantando'à'sua'volta.'

De'modo'similar,'o'fragmento'da'mukanda'apresentado'em'seguida'pelo'“grupo'dos'

tundandji”,'proveniente'da'comuna'de'Cavungu,'remete'ao'momento'em'que'os'neófitos'da'

circuncisão'se'revelam'ao'público,'confirmando'o'sucesso'da'operação'e'o'fim'da'reclusão.'

Mais'uma'vez,'tratavaEse'apenas'de'uma'encenação,'pois'nenhuma'circuncisão'acontecera'

de' fato' nos' bastidores' do' Festival.' Um' grupo' de' cinco' meninos,' entre' nove' e' doze' anos,'

representaram'os'neófitos'dos'rituais'de'mukanda,'chamados'tundandji.'Pintados'da'cabeça'

aos' pés' com' motivos' de' linhas' e' pontilhados,' vermelhos,' brancos' e' pretos,' e' usando' o'

jizombo' (a' saiota' de' palha' a' que' a' canção' de' Cibanda' faz' referência),' eles' dançaram' a'

kuhunga.'Segundo'Wele'(1993),'esta'dança'é'ensinada'aos'tundandji'durante'a'reclusão'pelo#

likixi# Cikuza 59 '(Fig.' 35E36).' A' kuhunga# consiste' em' movimentos' pélvicos' giratórios,' à'

semelhança' do' twist' norteEamericano' –' elevado' à' décima' potência,' porém.' Com' tais'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
57
'O'mwali'(ritual'de'puberdade'feminino)#pode'durar'de'algumas'semanas'a'quatro'meses.'Durante'o'período'
em' que' fica' recolhida' sob' os' cuidados' de' uma' instrutora' chamada' cilombola,' a' neófita' aprende'
fundamentalmente'lições'sobre'menstruação,'sexo'e'casamento,'além'de'um'conjunto'de'danças'associadas'
ao'conhecimento'feminino,'como'a'ciyanda.'O'fim'da'reclusão'é'marcado'por'uma'festa'pública,'por'meio'da'
qual'a'noviça'é'reintegrada'a'comunidade.'Falaremos'com'mais'detalhes'sobre'os'rituais'de'mwali#no'Capítulo'
3'da'tese.'
58
'Enquanto' no' Festival' de' 2013,' o' grupo' das' nyakandandji# de' LumbalaEKakengue' apresentou' apenas' uma'
encenação'de'um'curto'trecho'do'mwali,'em'2012,'segundo'o'que'pude'presenciar'e'também'o'que'Brevinta'
Rosa'me'confirmou'em'conversa'gravada'após'o'término'da'festa,'o'ritual'fora'realizado'na'íntegra.'De'fato,'
cerca'de'quatro'dias'antes'da'abertura'do'Festival'naquele'ano,'acompanhei'uma'jovem'que'havia'acabado'de'
passar' pelo' seu' primeiro' ciclo' menstrual' ser' recolhida' pelo' grupo' das' mulheres' de' Cazombo,' liderado' por'
Brevinta.'Discutiremos'este'caso'em'detalhes'no'Capítulo'3.''
59
'Ver'descrição'completa'desse'likixi#ao'final'do'capítulo.'

! 126!
movimentos,' o' jizombo' usado' pelos' neófitos' ergueEse' à' altura' da' cintura' (ver' Fig.' 34).' A'

exibição' da' dança' em' praça' pública' na' etapa' final' da' mukanda' é' um' índice' da' fertilidade'

associada'a'Cikuza'e'aos'tundandji.'

Após'a'encenação'dos'fragmentos'de'mwali#e'da'mukanda,'um'adivinho'proveniente'

de'Cazombo'fez'uma'breve'demonstração'da'prática'oracular'mais'comum'entre'os'Luvale,'

usando' uma' cesta' cheia' de' peças,' popularmente' conhecida' como' ngombo. 60 'Sua'

performance' demorou' pouco' mais' de' alguns' minutos' e' se' restringiu' a' uma' exibição' dos'

objetos'contidos'na'cesta,'precedida'por'alguns'cantos'e'danças.''

O'grupo'da'escola'de'Cazombo'veio'em'seguida,'apresentando'os'números'de'canto'

e' dança' que' foram' preparados' ao' longo' de' seus' ensaios' semanais.' Do' seu' repertório'

musical,' destacaEse' a' canção' de' autoria' de' Antônio' Ngunga,' transcrita' no' Capítulo' 1,' que'

propaga' a' mensagem' “separismo' não”.' Ela' introduziu' o' principal' número' de' dança' do'

grupo,'focado'na'exibição'da'ciyanda,'ensinada'às'noviças'do'mwali#durante'o'período'de'

reclusão,' como' vimos' anteriormente.' A' coreografia' foi' dividida' em' várias' etapas,'

começando' com' todo' o' grupo' organizado' em' linhas' sucessivas' de' frente' para' a' rainha'

Nyakatolo' e' demais' chefes' tradicionais.' Em' seguida,' o' grupo' se' dispersou' pela' arena,'

atingindo'o'público'que'se'encontrava'mais'distante.'Cada'integrante'teve,'assim,'o'seu'solo'

particular,' esbanjando' habilidade' com' os' quadris.' O' número' terminou' com' os' integrantes'

aproximandoEse' novamente' e' formando' casais' para' dançar' a' mutenya.' Com' as' pernas'

entrecruzadas,' passaram' a' mover' os' quadris' lenta' e' sinuosamente,' simulando' a' atividade'

sexual.'O'público'foi'ao'delírio.'

É' importante' notar' aqui' o' fato' de' que,' à' frente' do' dossel' especial' da' rainha'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
60
'Segundo' Silva' (2004),' ngombo' é' o' termo' genérico' usado' para' identificar' qualquer' tipo' de' objeto' oracular'
entre'os'Luvale.'O'oráculo'que'consiste'em'uma'cesta'tecida'em'espiral'(lipele),'cheia'de'peças,'é'conhecido'
como'ngombo#ya#lipele'(2004:40).'

! 127!
Nyakatolo,' havia' permanentemente' um' cesto,' no' qual' as' autoridades' presentes'

depositavam' dinheiro' para' os' grupos' culturais.' Dependendo' do' desempenho' de' cada' um'

deles,'uma'quantidade'mais'ou'menos'significativa'de'pessoas'ia'até'o'cesto'e'deixava'ali'a'

sua'contribuição.'Não'surpreendeu'o'fato'de'que'o'grupo'da'Escola'do'1º'Ciclo'tenha'sido'o'

que' mais' atraiu' pessoas' ao' cesto' e' que,' consequentemente,' terminou' a' festa' com' mais'

dinheiro'no'bolso.'

' A'sequência'de'apresentações'do'primeiro'dia'de'festa'terminou'com'dois'esquetes'

teatrais,'um'sobre'os'rituais'de'mahamba61,'o'outro'sobre'a'culinária'tradicional'e'seus'usos'

cerimoniais.''

O' primeiro' grupo' a' se' apresentar' era' original' da' comuna' de' Cavungu,' mais'

especificamente'de'um'bairro'chamado#cisasa,'localizado'na'periferia'da'sede'comunal.'Era'

formado' apenas' por' mulheres.' Possivelmente,' tratavaEse' das# nyakandandji' de' Cavungu,'

embora' não' tenha' ouvido' ninguém' se' referir' a' elas' dessa' maneira.' ChamavamEnas' “as'

mamães' do' mahamba”,' pela' especificidade' do' número' que' apresentaram' na' festa:' uma'

complexa' sequência' de' ações' baseada' nos' rituais' de' cura' tradicionais,' popularmente'

conhecidos'como'rituais'de'mahamba.''

' Segundo'o'que'elas'mesmas'me'contaram,'a'sequência'que'apresentaram'remete'a'

eventos'rituais'recorrentes'nas'etapas'inicial'e'final'de'um'tratamento'comum'de'mahamba.'

Mais' uma' vez,' o' fragmento' selecionado' associaEse' aos' períodos' de' pós' ou' préEreclusão,'

tipicamente'abertos'ao'público.'Dessa'vez,'no'entanto,'não'se'apresentou'apenas'um'traço'

específico'dessas'etapas'rituais,'como'uma'dança'característica,'a'exemplo'do'que'fizeram'

os' grupos' dos# tundandji,' de' Cavungu,' e' das' nyakandandji,# de' LumbalaEKakengue.' O' grupo'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
61
#Rituais'de'cura.'Ver'Capítulo'3.''

! 128!
das' mulheres' de' Cavungu' apresentou' um' elaborado' roteiro' de' ações' que' condensa' uma'

sequência'muito'maior.''

Resumidamente,'o'roteiro'começou'com'as'mulheres'em'roda'cantando'e'dançando'

em'torno'de'um'conjunto'de'objetos'e'elementos'naturais,'chamados'upwango.'Em'seguida,'

uma' mulher' se' destacou' das' demais' e' sentou' no' chão,' enquanto' as' outras' passaram' a'

cantar'e'dançar'à'sua'volta.'Pouco'tempo'depois,'aquela'mesma'mulher'simulou'entrar'em'

transe'e,'na'posse'de'uma'machadinha'(chimbuia),'matou'um'cabrito,'que'se'encontrava'ao'

lado,' já' preparado' para' o' sacrifício.' Dessa' vez,' não' houve' simulação,' o' animal' foi'

efetivamente' sacrificado' e' dele' retiraramEse' todas' as' vísceras' ainda' enquanto' agonizava.'

Tudo'isso'foi'feito'em'meio'à'arena,'à'vista'de'todo'o'público.'Na'sequência,'as'vísceras'do'

cabrito' foram' escaldadas' em' fogueira' improvisada,' para' serem' comidas' pela' mulher'

supostamente'incorporada'pelo'lihamba.'O'roteiro'terminou'com'ela'se'ajoelhando'diante'

do' upwango,' onde' o' lihamba' a' deixou.' Uma' análise' mais' detalhada' dessa' sequência' de'

ações'e'de'como'ela'se'conecta'a'um'script'muito'maior'e'complexo'terá'lugar'no'Capítulo'3.'

Por' ora,' fiquemos' apenas' com' a' sua' descrição,' para' termos' uma' noção' mais' completa' da'

forma'e'do'conteúdo'dos'números'que'foram'apresentados'no'Festival'de'2013.'

' Finalmente,'as'nyakandandji#de'Cazombo,'lideradas'por'Brevinta'Rosa,'apresentaram'

o' número' sobre' a' culinária' tradicional.' Vindo' do' centro' da' arena,' juntas' e' ao' som' dos'

tambores,'elas'traziam'sobre'os'ombros'e'sobre'as'cabeças'cestos,'cabaças'e'bacias'cheias'

de' alimentos.' Brevinta' trazia' ainda' uma' esteira' em' baixo' dos' braços,' a' qual' estendeu' no'

chão' quando' chegaram' próximo' ao' camarote' da' rainha' Nyakatolo.' Sobre' esta' esteira,' o'

grupo'depositou'todos'os'elementos'que'trouxeram'consigo.'Cada'um'deles'foi'apresentado'

e' exibido' ao' público' presente.' Havia' uma' enorme' quantidade' de' raízes,' legumes,' frutas' e'

sementes' típicos.' Logo' em' seguida,' uma' segunda' esteira' foi' trazida' e' sobre' ela' foram'

! 129!
colocadas'as'cabaças'carregadas'de'funge#e'matamba,#e'também'das'mais'diversas'bebidas'

tradicionais.'DeuEse'início'a'um'banquete.''

' Em'conversa'gravada'com'Brevinta'depois'de'terminado'o'Festival'de'2013,'ela'me'

disse' que' o' número' apresentado' por' seu' grupo' remete' a' um' evento' recorrente' na' etapa'

final'dos'rituais'de'mwali'e'da'mukanda.'Na'verdade,'refereEse'à'ação'derradeira'daqueles'

rituais,' quando' as# nyakandandji' preparam' um' banquete' para' oferecer' aos' especialistas'

responsáveis'pelo'cuidado'e'criação'dos'neófitos'durante'a'reclusão.62'''

A' apresentação' do' grupo' das# nyakandandji# durante' o' Festival' de' 2013' tinha' o'

objetivo'de'mostrar'o'modo'como'se'comia'no'passado,'quando'ainda'não'existiam'panelas'

de' aço' ou' de' alumínio' e' nem' tigelas' de' plástico' ou' de' vidro;' quando' tudo' era' servido' em'

cabaças'e'as'refeições'eram'feitas'com'a'mão'e'sobre'esteiras.'Para'Brevinta'isso'era'o'mais'

importante,'o'fato'de'que,'independente'de'qualquer'coisa,'o'seu'número,'o'seu'“teatro”,'

como'ela'dizia,'dava'“a'conhecer'que'no'passado'afinal'se'vivia'daquela'forma”.'

Finalizadas'as'apresentações'dos'grupos'culturais,'foi'a'vez'dos'makixi#entrarem'em'

cena.'Em'2012,'entre'50'a'80'palhaços'se'alternaram,'exibindo'suas'danças'típicas,'ao'longo'

de' toda' a' tarde' do' primeiro' dia' de' festa' e' também' dos' outros' dois' dias' inteiros' que' se'

seguiram.'Em'2013,'o'número'de'makixi'não'foi'tão'grande,'devido'à'ausência'dos'grupos'

culturais'zambianos,'mas'ainda'assim'foram'eles'que'encerraram'o'evento.'

'

'

'

'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
62
'Segundo' o' que' a' própria' Brevinta' me' disse,' o' número' apresentado' por' seu' grupo' poderia' ainda' ser'
associado'ao'banquete'oferecido'pela'família'da'neófita'do'mwali#ao'seu'noivo'e'parentes'mais'próximos'logo'
após' o' término' daquele' ritual.' A' mesma' esteira' usada' neste' banquete' serviria' depois' para' as' núpcias' dois'
recém'casados.'

! 130!
D.'

[MAKIXI]'

'

Os' makixi' (sing.' likixi)' são' ancestrais' manifestados' na' forma' de' bailarinos' mascarados' e'

complexamente'customizados,'comuns'entre'os'povos'do'Alto'Zambeze'e'áreas'adjacentes.'

Mais' frequentemente' observados' em' rituais' de' circuncisão' masculina' (mukanda),' podem'

também'ocorrer'em'cerimônias'de'entronização'e'confirmação'de'chefes'tradicionais,'entre'

outros' eventos' sociopolíticos.63'Constituem' a' principal' atração' do' Festival' Luvale,' vide' sua'

participação'expressiva'desde'o'dia'que'antecede'a'abertura'do'evento,'quando'atravessam'

a' cidade' em' cortejo' ritualizado,' até' os' últimos' dias' de' festa,' inteiramente' tomados' pela'

apresentação'dos'mais'diferentes'tipos'de'makixi,'que'exibem,'um'a'um,'suas'danças'típicas.'

Isso,'para'não'falar'da'solene'aparição'de'Kayipu'–'o'“rei”'dos'makixi'–'no'dia'da'abertura'do'

Festival,' integrando' o' rol' das' autoridades' tradicionais' presentes,' como' representante'

máximo'do'segmento'ancestral.'

' Em' certa' ocasião,' o' regedor' Njamba' me' disse' que' o' lugar' central' que' os' makixi'

ocupam'no'Festival'justificaEse'pelo'fato'de'eles'representarem'a'“entidade”'dos'Luvale.'Ao'

utilizar,'talvez'inadvertidamente,'“entidade”'no'lugar'de'“identidade”,'Njamba'explicitava'de'

modo'muito'claro'o'seu'ponto'de'vista,'segundo'o'qual'a'melhor'expressão'da'identidade'

dos'Luvale'são'as'suas'entidades'ancestrais,'manifestadas'na'figura'dos'makixi.'Em'sua'fala,'

o'regedor'destacou,'particularmente,'os'makixi#de'origem'luvale'que,'mais'do'que'todos'os'

outros,'constituiriam'marcos'distintivos'do'povo.'Aqui,'vale'lembrar'o'caráter'interétnico'da'

categoria,' visível,' sobretudo,' em' situações' como' a' do' Festival,' que' reúne' um' número'

extraordinário'de#makixi,'dos'mais'diferentes'tipos'e'origens.''''
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
63
'Sobre'o'papel'dos'makixi#no'contexto'das'políticas'nacionais'e'internacionais'de'Zâmbia'e'Angola'ver'Jordán'
(1993:56E59).'

! 131!
'

Nós'temos'muito'respeito'naquilo,'porque'representa'a'nossa'entidade.'Katotola,'
por' exemplo..' Kayipu,' Cileya,' Kakelwa..' esses' só' aparecem' na' circuncisão' dos'
Luvale.'É'a'nossa'entidade.'Por'isso'que'nós'temos'muito'respeito'nesses'makixi,'
que'é'o'tal'palhaço.'[Njamba,'clip'0830,'31E07E13.'Falado'em'português]'
'

O'grande'baile'de#makixi,'chamado'cilende,'onde'todos'os#“palhaços”'presentes'no'

Festival'exibem,'um'após'o'outro,'suas'danças'características,'era'o'que'mais'a'chamava'a'

atenção' do' público' em' todo' o' evento,' pelo' seu' caráter' incrivelmente' espetaculoso.' “The'

Makishi' Masquerade”,' como' foi' intilulado' pela' UNESCO' esse' grande' baile,' foi' proclamado'

obraEprima'do'patrimônio'oral'e'imaterial'da'humanidade,'em'2005.'No'caso'específico'do'

Festival' angolando,' levandoEse' em' consideração' as' edições' de' 2012' e' 2013,' o' cilende'

ocorreu' em' duas' ocasiões:' 1)' no' dia' anterior' à' abertura' oficial' do' evento,' logo' após' o'

grande' cortejo' dos' makixi;' e' 2)' como' desfecho' da' “programação' cultural”' da' festa,' em'

seguida'aos'diferentes'números'de'dança,'música,'teatro,'entre'outros,'apresentados'pelos'

“grupos'culturais”'participantes.''

No' site' da' UNESCO64,' entretanto,' destacaEse' o' contexto' original' de' realização' do'

cilende:' os' rituais' de' mukanda,' onde' o' baile' constitui' um' evento' único,' associado' à' etapa'

final' do' complexo' ritual,' precedendo' a' apresentação' dos' neófitos' à' comunidade' e' sua'

reintegração' à' vida' social.' Porém,' também' ali' ele' se' caracteriza' por' reunir' uma' série' de'

“palhaços”,' os' quais' estiveram' presentes,' desempenhando' diferentes' funções,' durante' o'

longo'período'de'reclusão'dos'tundandji.'

'
The' Makishi' masquerade' is' performed' at' the' end' of' the' mukanda,' an' initiation'
ritual'for'boys'between'the'ages'of'eight'and'twelve.'(...)''The'whole'village'attends'
the' Makishidance' and' the' audience' is' entertained' with' pantomimeElike' artistry'
until' the' graduates' reEemerge' from' the' camp' and' are' reintegrated' as' adult' men'
into'their'communities'and'families.'[http://www.unesco.org/culture/ich/RL/00140'
acessado'em'14E04E2015]'
'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
64
'http://www.unesco.org/culture/ich/RL/00140'

! 132!
Segundo' Jordán' (1996,' 1998,' 2006)' existem' mais' de' cem' tipos' de' makixi' (ou' de'

variações' de' tipos).' Alguns' autores' empenharamEse' em' elaborar' quadros' classificatórios,'

definindo'diferentes'categorias'de'makixi,'geralmente'em'função'de'seu'comportamento'e'

dos' diferentes' papéis' que' assumem' em' contextos' rituais.' Bastin' (1982,' 1984)' identificou'

três' tipos' básicos' entre' os' Cokwe.' O' primeiro,' mukixi# wa# mwanangana,# refereEse'

especificamente'a'Cikungu'–'o'equivalente'cokwe'de'Kayipu'–'“a'powerful'royal'mask'kept'

only' by' highEranking' chiefs' and' performed' at' enthronements,' propitiatory' ceremonies,' or'

during'times'of'ominous'transition'for'society'as'a'whole”'(Bastin'1982:81E92).'O'segundo,'

mukishi# a# ku# mukanda,' faz' alusão' a' uma' série' de' makixi' que' desempenham' papéis'

específicos'na'mukanda,'sendo'essas'máscaras'queimadas'com'o'fim'do'ritual.'“They'control'

the'mukanda,'keep'women'away'from'ceremony,'and,'when'necessary,'fetch'food'prepared'

by'the'iniciate’s'mothers'from'the'village'(...).'At'the'end'of'this'rite'of'passage,'the'masks'

are' burned' with' the' bush' camp.”' (Bastin' 1984:41)' O' terceiro' tipo,' mukishi# a# kuhangana,'

inclui'máscaras'usadas'principalmente'para'fins'de'entretenimento.'A'seu'respeito,'o'autor'

destacou' um' dado' importante:' o' fato' de' que' elas' não' são' nem' do' domínio' comum' de'

mukanda'específicas,'nem'objeto'de'posse'de'chefes'tradicionais,'como'as'anteriores,'mas'

propriedade'particular'de'seus'bailarinos.''

'

They' are' the' bestEknown' Chokwe' masks,' appearing' in' numerous' museum' and'
private' collections.' Several' types' have' lost' their' ritual' meaning' (...).' Even' in' the'
past,'[they]'were'used'mainly'for'entertainment,'although'they'were'still'akishi,'
and'therefore'could'not'be'approached'or'touched'with'impunity.'Masks'of'this'
third'type'and'their'costumes'are'kept'by'their'owners,'the'only'ones'authorized'
to'wear'or'dance'them.'[Bastin'1984:41]'
'

Em' seu' “Likumbi# lya# Mize# and# other# Luvale# Traditional# Ceremonies”,' Patrick' Wele'

apresenta,' por' sua' vez,' um' esquema' mais' simplificado' que' o' de' Bastin,' embora' muito'

aproximado.' Segundo' esse' autor,' haveria' apenas' duas' classes' de' máscaras:' “circumcision'
! 133!
masks”,' entre' as' quais' Kayipu' também' estaria' incluído,' e' “dance' masks”,' equivalente' à'

terceira'categoria'identificada'por'Bastin.'A'classificação'de'Wele'considera'o'fato'de'que,'

embora' não' seja' frequente' em' rituais' de' mukanda,' Kayipu' eventualmente' possa' aparecer'

nas'circuncisões'de'filhos'de'chefes'tradicionais'luvale.'

Por' sua' vez,' Jordán' (2006),' baseado' em' performances' de' makixi' observadas' em'

eventos' sociopolíticos' e' rituais' de' mukanda' realizados' na' Zâmbia,' subdivideEos' em' quatro'

categorias:'“sociable”,'“ambiguous”,'“aggressive”,'and'“royal”.'Embora'tal'classificação'seja,'

da' mesma' forma' que' as' anteriores,' norteada' pelas' diferenças' de' comportamento' e' de'

função' desempenhada' pelos' makixi' em' contextos' rituais,' certamente' é' mais' complexa' do'

que'aquelas.'Sobretuto,'porque'o'autor'pressupõe'que'o'ritual'de'mukanda'não'se'restringe'

apenas'ao'que'acontece'dentro'do'acampamento'onde'os'neófitos'ficam'reclusos,'mas'inclui'

também' outras' esferas' de' ação' e' relação,' nas' quais' atuam' muitas' das' máscaras'

identificadas'por'Bastin'como'de'entretenimento,'ou'por'Wele'como'de'dança.'

Na' primeira' categoria,' “sociable”,' Jordán' inclui' todos' os' makixi' femininos,' que'

apresentam'uma'variedade'enorme'de'tipos,'expressando'diferenças'de'idade,'classe'social,'

estilo,' valores' morais,' entre' outros. 65 'Também' se' insere' nessa' categoria' um' número'

considerável'de'makixi'masculinos,'entre'eles,'tipos'que'atuam'como'guardiões'e'instrutores'

dos'neófitos'na'mukanda,'tipos'que'desempenham'papeis'educacionais'e'cômicos'em'suas'

performances,# parodiando' europeus,' estrangeiros' e' vizinhos,' e,' ainda,' tipos' associados' à'

eficácia' na' caça,' à' virilidade' e' à' proeza' (Jordán' 2006:24).' Na' segunda' categoria,'

“ambiguous”,' Jordán' inclui' aqueles# makixi' cuja' presença,' comportamento' e' aparência'

enigmáticos'insinuam'poderes'sobrenaturais'extraordinários.'Tais'makixi,'segundo'o'autor,'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
65
'Cabe'ressaltar'aqui'que'mesmo'os'makixi#femininos'são'sempre'vestidos'por'homens,'cabendo'às'mulheres'
apenas'acompanháElos'nas'danças'(Jordán'1998,'2006).'
'

! 134!
“symbolically' embody' principles' of' secrecy' guarded' by' men' in' relation' to' their' initiation'

practices”' (2006:25).' A' terceira' classe,' por' sua' vez,' engloba' uma' série' de' makixi' de'

comportamento'agressivo,'cuja'principal'função'ritual'é'proteger'os'neófitos'da'mukanda'de'

qualquer' tipo' de' interferência' externa.' Embora' essas' máscaras' compartilhem' com' as'

anteriores'poderes'sobrenaturais,'seu'caráter'intimidatório,'também'expresso'na'sua'forma'

–' notadamente' são' as' maiores' e' as' mais' dramáticas' (2006:26)' –' faz' com' que' sejam'

colocadas' acima' das' outras' em' uma' suposta' hierarquia' de' poder.' Em' geral,' as' máscaras'

agressivas' portam' armas,' com' as' quais' perseguem' e' ameaçam' mulheres' e' nãoEiniciados.'

Além' disso,' por' serem' geralmente' confeccionadas' com' materiais' efêmeros' e' estarem'

intimamente' ligadas' ao' ciclo' ritual' de' mukanda' específicas,' são' queimadas' naquele'

contexto,'lembrando'o'que'Bastin'diz'em'relação'ao'mukishi#a#ku#mukanda.'Finalmente,'a'

última' categoria' apontada' por' Jordán,' “royal”,' “include' a' handful' of' largerEthanElife'

characters'–'including'Chikungu'and'Kayipu'or'Kahipu'–'which'are'restricted'to'chiefs’'ritual'

or'cerimonial'contexts”'(2006:28).'

Proponho' abaixo' uma' classificação' alternativa' à' desses' autores,' baseada'

exclusivamente'nos'“bailes'de'makixi”,'ou#cilende,'que'pude'observar'nas'duas'edições'do'

Festival' angolano,' em' 2012' e' 2013,' e' também' durante' o' Likumbi# Lya# Mize' de' 2013,' na'

Zâmbia.' Diferente' dos' quadros' categóricos' apresentados' por' Bastin' (1984),' Wele' (1993)' e'

Jordán' (2006),' o' meu' esquema' de' classificação' tem' como' critério' fundamental' as'

características'morfológicas'dos'makixi#em'conexão'com'suas'particularidades'performáticas'

(por' exemplo,' com' os' seus' diferentes' estilos' de' dança).' Abstraindo' as' variações' de'

comportamento' e' de' função' dos' makixi# em' contextos' rituais,' pretendo' lançar' luz' sobre'

aspectos'que'parecem'ter'ficado'de'fora'dos'esquemas'propostos'por'aqueles'autores.'Tais'

aspectos'ganharam'relevância'apenas'quando'eu'optei'em'focalizar'um'evento'onde'todos'

! 135!
os' makixi' dançam,' inclusive' aqueles' identificados' por' Jordán' como' “agressivos”,' ou' por'

Bastin'e'Wele'como'sendo'específicos'da'mukanda.66'É'sobre'essas'diferenças,'entre'estilos'

de'dança'e'suas'ressonâncias'na'morfologia'dos#makixi,'que'vamos'falar'agora.''

Como' vimos,' os' makixi# caracterizamEse' pelo' uso' de' máscaras' e' vestimentas'

customizadas.'Suas'máscaras,'exibidas'hoje'em'importantes'museus'pelo'mundo,'podem'ser'

antropomorfas,' zoomorfas,' híbridas,' ou' semiEabstratas' (Jordán' 1996).' Alguns' tipos,' ainda'

hoje,' são' esculpidos' em' madeira.' A' maioria' é' confeccionada' com' diferentes' tipos' de'

material' resinoso,' como' cera' de' abelha' ou' breu,' entre' outros,' aplicados' sobre' estruturas'

feitas'de'fibra'ou'de'galhos'de'árvore.'As'vestimentas,'em'geral,'constituem'uma'espécie'de'

segunda' pele' trançada,' costurada' tradicionalmente' com' fibras' vegetais' e,' mais'

recentemente,' com' linhas' de' algodão' industrializadas,' exibindo' padrões' listrados'

multicolores.''

Cabe' ressaltar' que,' entre' os' Luvale,' as' máscaras' e' vestimentas' que' compõem' os'

makixi' não' são' reconhecidos' como' simples' objetos,' mas' sim' como' partes' ativas' da'

manifestação' ancestral.' É' comum,' como' nos' mostra' Jordán' (1996,' 2006),' escultores' e'

performers' de' makixi' referiremEse' a' uma' máscara' como' a' cabeça' de' um' likixi,' e' a' sua'

vestimenta,'como'seu'corpo.'A'passagem'pela'mukanda#é'o'único'requisito'obrigatório'para'

que'um'homem'possa'se'transformar'em'likixi,'o'que'se'dá'pela'simples'operação'de'vestir'a'

sua'roupa/corpo'e'colocar'a'sua'máscara/cabeça,'como'nos'mostra'Jordán:'“It'is'clear,'then,'

that'a'likishi'performer'‘enters’'the'spirit'body'to'articulate'the'likishi's'persona'through'the'

transformation'implied'in'donning'the'mask'and'costume.”'(Jordán'1996:88)''

Terminado' o' Festival' Luvale' de' 2013,' o' regedor' Njamba' me' contou' como' aquele'

requisito' básico' para' se' “entrar' no' palhaço”' garantiu' que' eles' pudessem' apresentar' uma'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
66
'A'única'excessão'seria'Kayipu,'o'“rei”'dos'makixi,'e'Kapalu,'seu'“capataz”.'De'todos'os'makixi#presentes'nos'
Festivais'que'presenciei,'tanto'em'Angola,'como'na'Zâmbia,'eles'foram'os'únicos'que'não'dançaram'no'cilende.'

! 136!
série' de' makixi# na' festa' daquele' ano,' mesmo' com' a' ausência' dos' bailarinos' zambianos,'

impedidos'de'entrar'no'país:''

'
Os'palhaços'eram'sempre'dançados'pelos'zambianos.'Mas'nessa'4ª'quarta'edição'
não' veio' nenhum' zambiano.' E' tinhamos' 60' homens' para' entrar' no' likixi.' Os'
palhaços'eram'poucos.'Havia'mais'homens'que'palhaços.'(...)'Todos'que'entraram'
na'circuncisão'do'palhaço'tem'condições'de'dançar'o'palhaço.'Pode'não'haver'boa'
técnica,'mas'dança'o'palhaço.'Por'isso'que:'60'homens,'poucos'palhaços.'(...)'Todo'
homem' circuncidado' na' mukanda' tem' essa' possibilidade' de' entrar' no' palhaço.'
[Njamba,'31E07E2013,'clip'0830.'Falado'em'português]'
!

Há,'ainda,'uma'série'de'adereços'que'compõem'a'caracterização'de'um'likixi.'Alguns'

desses'elementos'se'repetem'em'um'determinado'número'de'makixi,'formando'diferentes'

grupos,' caracterizados' pelo' uso' de' adereços' comuns.' São' eles:' ciwamba' (cinturão' que'

amplia'os'quadris'do'bailarino),'jizombo#(saia'feita'de'fibras'vegetais),'lilambu#lyakanyama'

(pele'de'animal'que'é'usada'como'saia),'e'fwiVfwi'(aparelho'fálico'fixado'à'altua'da'cintura)'

(ver' Figs.' 35E38).' Tais' adereços' estão' diretamente' relacionados' a' determinados' estilos' de'

dança'e'também'a'ritmos'percussivos'específicos.'

Em'todos'os#cilende'que'presenciei,'os'makixi'apresentaramEse'segundo'uma'ordem'

mais'ou'menos'padrão'e'equivalente'àquela'que'organizava'sua'fila'durante'o'cortejo'no'dia'

anterior' à' abertura' do' Festival.' De' acordo' com' essa' ordem,' os' primeiros' da' fila' e' os'

primeiros' a' dançarem' no' cilende' eram' aqueles' que' portavam' a' ciwamba' e,' sem' exceção,'

todos' os' makixi' que' usavam' tal' adereço,' dançavam' a# ciyanda.' Tal' dança,' como' visto'

anteriormente,'caracterizaEse'por'movimentos'laterais'com'os'quadris,'executados'em'uma'

velocidade'surpreendente'e'sustentados'por'um'sapateado'ritmado,'amplificado'pelo'som'

do'gisango'–'chocalho'preso'aos'tornozelos'do'bailarino.'IncluemEse'nesse'grupo,'todos'os'

makixi'femininos,'como'Mwana'Pwevo,'ou'Pwo,'e'a'maior'parte'daqueles'identificados'por'

Jordán'(2006)'como'“sociáveis”,'ou'como'“máscaras'de'dança'e'entretenimento”'por'Bastin'

(1984)'e'Wele'(1998).''
! 137!
Segundo' Kapalo' Lisambo,' possivelmente' o' mais' reputado' bailarino' luvale' da'

atualidade,'com'quem'conversei'durante'a'realização'do'Likumbi#Lya#Mize'em'setembro'de'

2013,' no' distrito' de' Zambeze' (Zâmbia),' “os' makixi# dançam' a# ciyanda' para' se' conseguir'

alguma'coisa'e'levar'para'a'mukanda”.'Tal'afirmação'reforçava'o'que,'pouco'tempo'antes,'

um'bailarino'de'LumbalaEKakengue'(Angola),'chamado'Ninja,'havia'me'dito'sobre'a#ciyanda:''

que'ela'seria'a'“dança'de'trabalho”'dos'bailarinos'de'makixi;'ou'seja,'aquela'com'a'qual'eles'

ganham' dinheiro' em' praças' públicas.' Não' à' toa,' Mwana' Pwevo,' entre' outros' makixi# que'

dançavam' a' ciyanda,' era' justamente' o# likixi# mais' frequente' em' eventos' sociopolíticos'

diversos,' para' além' dos' rituais' de' mukanda' e' festas' de' entronização,' ou' homenagem' a'

chefes'tradicionais,'como'o'Festival'Luvale.'Aliás,'mesmo'nestas'últimas,'eles'também'eram'

os' que' mais' apareciam,' entretendo' o' público' em' rodas' menores' que' se' formavam' em'

espaços'e'horários'alternativos'àqueles'destinados'ao'cilende,'em'que'do'mesmo'modo'se'

faziam'presentes.'

Retornando' ao' cilende,' depois' dos' makixi# que' portavam' a' ciwamba' e' dançavam' a'

ciyanda,' foi' a' vez' daqueles' que' usavam' o' jizombo' e' que' dançavam' a' kuhunga.'

Tradicionalmente' associada' à' fertilidade' e' ensinada' aos' tundandji' durante' a' sua' reclusão,'

assim'que'as'feridas'da'circuncisão'cicatrizam,'a'kuhunga#consiste'em'movimentos'pélvicos'

giratórios,'que'fazem'com'que'as'franjas'de'palha'do'jizombo'ergamEse'à'altura'da'cintura.'

Nesse'segundo'grupo,'incluiEse'Cikuza'e'outros'makixi'caracterizados'pelo'uso'do#jizombo,'

que,' em' sua' maioria,' integram' as' categorias' ligadas' a# mukanda' de' Bastin' (1984)' e' Wele'

(1993),'e'a'dos'makixi'“agressivos”'de'Jordán'(2006).''

Em' seguida,' vieram' aqueles' que' usavam' lyilambu# lyakanyama' (pele' de' animal)' e'

dançavam' a' unyanga.' Nesse' grupo,' também' incluemEse' os' makixi# diretamente' ligados' a'

mukanda'e'tidos'como'“agressivos”'por'Jordán,'embora'alguns'deles'sejam'identificados'por'

! 138!
esse' autor' como' “ambíguos”.' A# unyanga' se' caracteriza' pela' execução' de' movimentos'

giratórios'e'vigorosos'com'os'ombros,'o'que'geralmente'exige'que'o'bailarino'erga'os'braços'

à' frente' e' cerre' os' punhos.' Marcando' um' ritmo' quaternário' com' os' pés,' esses' makixi#

levantam'muita'poeira.'''

Segundo' meus' dados' de' campo,' a' unyanga' é' uma' dança' relacionada' à' caça.'

Katotola,'um'dos'makixi'que'usam'lyilambu#lyakanyama'e'dançam'a'unyanga,'é'conhecido'

por' ser' o' primeiro' a' aparecer' numa' mukanda# luvale,' sendo' responsável' por' dar' início' à'

reclusão' dos' neófitos,' tirandoEos' de' seu' contexto' cotidiano' e' levandoEos' para' o'

acampamento'onde'se'dará'a'circuncisão.'ReferindoEse'a'ele,'Kapalo'Lizambo'me'disse'que'

Katotola'é'quem'“caça'os'meninos'no'quimbo”,'para'depois'leváElos'até'a'“mata”,'onde'ele'

próprio' dançaria' a' unyanga.' Reforçando' a' associação' dessa' dança' com' a' caça,' Lisambo'

ainda'me'disse'que,'no'passado,'todo'caçador'que'chegava'em'casa'trazendo'muita'carne,'

dançava'a'unyanga,'para'expressar'e'compartilhar'a'alegria'que'sentia.'

Por'fim,'Cizaluke,'portando'o#fwiVfwi,'exibiu'a'dança'de'mesmo'nome.'Esse'likixi#foi'o'

único' a' não' se' apresentar' no' cilende# na' mesma' ordem' que' ocupara' na' fila' do' cortejo.'

Enquanto' na' fila' ele' veio' à' frente,' no' cilende' foi' o' último' a' se' apresentar.' Essa' inversão'

parece'remeter'ao'fato'de'que'Cizaluke'é'o'derradeiro'makixi'a'aparecer'na'mukanda'dos'

Luvale.' Sua' dança' característica,' o' fwiVfwi,' executada' ao' fim' do# cilende' que' marca' a'

conclusão'daquele'ritual,'indica'que'a'operação'foi'concluída'com'sucesso'e'que'os'neófitos'

já'estão'prontos'para'voltar'para'suas'casas.''

Em'todos'os'cilende'a'que'assisti,'Cizaluke,'além'de'ser'o'último'a'entrar'em'cena,'o'

fez' de' modo' apoteótico,' carregado' por' um' grupo' de' homens' que' o' sustentavam' nos'

ombros,' enquanto' ele' se' contorcia' impetuosamente,' ovacionado' pelo' público.' Depois' de'

cruzar'a'arena,'o'grupo'colocavaEo'no'chão'para'que'desse'continuidade'a'sua'performance.'

! 139!
Como'vimos,'dançaEse'o'fwiVfwi'executando'movimentos'giratórios'com'a'bacia,'de'modo'a'

exibir'o'aparelho'fálico'preso'à'altura'da'cintura'do'bailarino,'o'qual'balança'de'um'lado'para'

o'outro'com'o'auxílio'de'suas'mãos.'Possivelmente,'por'conta'de'sua'entrada'extravagante'e'

outras' estripulias' –' como' deixar' a' arena' num' rompante' e' reaparecer' no' alto' de' alguma'

árvore'próxima,'dançando'sobre'seus'galhos'(o'que'eu'mesma'presenciei'em'2013,'durante'

o' Likumbi# Lya# Mize,' na' Zâmbia)' –' Cizaluke' foi' muitas' vezes' definido' na' literatura' como' “o'

louco”'(Cameron'1998b,'Turner'2005).'

Como' disse,' com' exceção' de' Cizaluke,' a' ordem' dos' cilende' que' presenciei' quase'

sempre' correspondeu' à' ordem' dos' cortejos' realizados' um' dia' antes' da' abertura' dos'

festivais.' Segundo' me' contou' Ninja,' bailarino' de' LumbalaEKakengue' (Angola),' a' ordem' do'

cortejo,'que'posiciona'Cizaluke'entre'os'primeiros'da'fila,'logo'após'aqueles'que'vestem'a#

ciwamba,' como' Mwana' Pwo,' expressa' uma' hierarquia' entre' os' makixi,' relacionada' ao'

processo'de'transmissão'de'suas'danças'e'todo'o'conhecimento'associado'a'cada'um'deles.'

Desse' ponto' de' vista,' a' primeira' máscara' que' um' aprendiz' de' makixi' coloca' é' Ndondo' (o'

idiota),'o'primeiro'da'fila.'Depois,'Mwana'Pwo'ou'qualquer'uma'das'outras'que'tem'como'

adereço' comum' a' ciwamba.' Sendo' assim,' a' ciyanda' seria,' necessariamente,' a' primeira'

dança'que'um'aspirante'a'bailarino'de'makixi#aprende.'Em'seguida,'viria'o'fwiVfwi'e,'por'fim,'

a'kuhunga'e'a'unyanga.'Segundo'Ninja,'as'máscaras'associadas'a'esses'dois'últimos'tipos'de'

dança'não'são'acessíveis'a'alguém'que'estiver'se'iniciando'na'arte'dos'makixi,'ao'contrário,'

só'um'bailarino'experiente'poderia'vestiElas.''

Ninja' foi' o' único' bailarino' que' conversou' comigo' sobre' o' processo' de' aprendizado'

das' danças' de' makixi,' por' isso' ainda' é' necessário' confirmar' e' aprofundar' esses' dados.'

Contudo,'sua'fala'reforça'a'ideia'da'existência'de'grupos'de'dança'bem'definidos'e'marcados'

pelo' uso' de' adereços' comuns.' Essa' classificação' dos' makixi# em' função' das' suas'

! 140!
especialidades' coreográficas' parece' ter' um' papel' importante' no' processo' de' transmissão'

desse' conhecimento' específico.' Abaixo,' apresento' uma' lista' detalhada' e' também' um'

quadro'sinóptico'dos'20'makixi#que'estiveram'presentes'tanto'na'edição'de'2012'do'Festival'

Luvale,' como' na' de' 2013.' Neles' procuro' identificar' as' especificações' de' cada' um' desses'

makixi,' assim' como' as' suas' principais' características' morfológicas' e' os' nomes' de' suas'

danças/ritmos' particulares.' Acredito' que' com' essa' apresentação' esquemática' fique' ainda'

mais'clara'a'sua'organização'em'classes'definidas'por'estilos'de'dança'associados'a'adereços'

específicos.'

'

1.#Makixi'que'não'dançam'durante'o'cilende.'
'
'
1.1 Kayipu!(Fig.30)!
'
Especificação'
Tradicionalmente'associado'à'chefia,'é'tido'como'o'“rei”'dos'makixi.'Aparece'apenas'em'cerimônias'funerárias'
e'de'entronização'de'chefes'(Jordán'2006),'embora,'em'raras'ocasiões,'também'possa'ocorrer'em'rituais'de'
mukanda' organizados' especialmente' para' filhos' de' chefes' (Wele' 1993).' Kayipu' não' é' acessível' ao' público'
comum.' No' contexto' do' Festival' Luvale,' como' vimos,' ele' aparece' apenas' no' dia' de' abertura' da' festa,' indo'
direto'para'o'seu'dossel'particular,'onde'permanece'protegido'por'Kapalu'e'um'grupo'de'homens'assistentes'
que' não' permitem' que' ninguém' se' aproxime.' Segundo' Jordán' (2006),' Kayipu' (a' máscara)' deve' ser' mantida'
guardada' apenas' pelos' principais' chefes' tradicionais' luvale' –' o' que' não' pude' confirmar' durante' o' meu'
trabalho'de'campo,'em'relação'ao'Kayipu'utilizado'durante'os'Festivais'de'2012'e'2013.'
'
Morfologia'
Usa' uma' máscara' de' feições' antropomórficas,' feita' de' resina,' que' apresenta' olhos,' nariz,' boca' e' bochechas'
avantajados.' Da' parte' superior' da' máscara,' ergueEse' um' enorme' cocar' arqueado,' decorado' à' frente' com'
padrões'branco,'vermelho'e'preto'e,'atrás,'com'penas.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'malha'feita'de'fibra'
ou' de' algodão,' como' o' da' maioria' dos' outros' makixi.' Geralmente,' veste' uma' manta,' ou' um' cobertor' como'
saia.''
'
1.2 Kapalu!(Fig.!18)!
'
Especificação'
Identificado'como'“o'capataz”,'“o'secretário”'ou'“o'soldado”'de'Kayipu.'Sempre'destacado'dos'demais'makixi,'
Kapalu'é'o'responsável'por'controlar'a'multidão'presente'nas'cerimônias'e,'para'isso,'se'comporta'de'maneira'
violenta'e'intimidatória,'ameaçando'o'público'presente'com'uma'arma'que'traz'às'mãos.'
'
Morfologia'
Não' usa' uma' máscara' como' a' que' a' maioria' dos' demais' makixi' usam,' feita' de' madeira' ou' resina.'
Diferentemente,' seu' rosto' é' todo' coberto' com' uma' malha' de' fibra' ou' de' algodão,' assim' como' o' seu' corpo.'
DestacamEse'apenas'dois'grandes'olhos'redondos'e'um'nariz,'acoplados'ao'tecido.'Acima'da'cabeça,'exibe'um'
cocar'feito'de'penas.'Usa'uma'saia'feita'de'pele'de'animal'(lyalambu#lyakanyama)'e,'normalmente,'porta'uma'
arma,'como'um'bastão,'ou'uma'lança.''

! 141!
2.'Makixi'que'dançam'o'fwi$fwi.#
'
'
2.1'Cizaluke!(Fig.!19820)!
'
Especificação'
Associado' ao' complexo' ritual' da' mukanda,' onde' assume' função' tutelar,' “Chisaluke' is' the' only' character' to'
appear'in'multiples'within'an'initiation'camp.'Each'initiate'is'supposed'to'have'his'own'Chisaluke'as'a'tutelary'
ancestor”'(Jordán'2006:64)'Costuma'aparecer'nas'últimas'semanas'da'reclusão,'desempenhando'importante'
papel'no'treinamento'dos'neófitos'para'as'danças'tradicionais.'Tido'popularmente'como'um'likixi'ancião,'foi'
definido'na'bibliografia'de'diferentes'maneiras,'ora'como'um'modelo'masculino'de'poder,'riqueza'e'sabedoria'
(Jordàn' 1998),' ora' como' ' um' “louco”' (Cameron' 1998b,' Turner' 2005).' Cizaluke' é' sempre' o' último' a' se'
apresentar' no' cilende# (baile' de' makixi)' que' antecede' a' cerimônia' de' graduação' dos' neófitos' da' mukanda,'
marcando'o'fim'do'ritual.'O'seu'comportamento'extravagante'durante'essa'ocasião'foi'interpretado'por'Jordàn'
como'“expressing'the'ecstatic'exhilaration'of'the'ancestor'in'celebrating'both'the'initiates’'accomplishments'
and'the'reunion'of'humans'with'the'spirits'of'their'departed'ancestors”'(Jordàn'1998:73).''''
'
'
Morfologia'
Usa' uma' máscara' de' feições' antropomórficas,' geralmente' feita' de' materiais' resinosos,' embora' no' passado'
também' pudesse' ser' esculpida' em' madeira.' DestacaEse' uma' barba' de' fibra' ou' lã' branca,' presa' à' altura' do'
queixo'–'“um'símbolo'de'autoridade'inerente'à'chefia”'(Turner'2005:310).'Longos'retalhos'de'pele'de'leopardo'
desprendemEse'da'parte'superior'da'máscara,'caindo'sobre'seus'ombros.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'
malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Frequentemente,'usa'um'short'e'porta'o'fwi$fwi'–'aparelho'fálico,'
acoplado'à'cintura.'Embora'nenhum'outro'likixi#tenha'usado'e'dançado'o'fwifwi#durante'os'Festivais'Luvale'a'
que' assisti' em' 2012' e' 2013' no' Alto' Zambeze,' alguns' autores' sugerem' que' o' aparelho' e' a' dança' não' sejam'
exclusivos'de'Cizaluke.'
'
'
3.'Makixi#que'dançam'a'ciyanda.'
'
'
3.1'Mwana!Pwevo!(Fig.!39841)'
'
Especificação'
Um' dos' makixi' femininos' mais' populares,' identificado' especificamente' com' uma' adolescente.' Embora' seja'
muito' comum' no' complexo' ritual' da' mukanda,' onde' ajuda' a' “distensionar”' a' relação' entre' iniciados' e' nãoE
iniciados,'entre'homens'e'mulheres,'é'o'likixi#que'mais'aparece'em'eventos'sociopolíticos'diversos,'cumprindo'
função' principal' de' entretenimento.' Famoso' pelas' suas' habilidades' mágicoEacrobáticas,' frequentemente'
apresenta' números' fantásticos,' como' dançar' sobre' uma' esteira' ou' um' colchão' flutuando' no' meio' do' rio'
Zambeze,'ou'equilibrarEse'em'um'mastro'gigante,'sem'qualquer'proteção.''
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'antropomórficas,'geralmente'esculpida'em'madeira.'Possui'um'aplique'de'fibra'
sintética' fixado' no' topo' da' máscara,' que' geralmente' imita' algum' penteado' feminino' da' moda.' Enfeites' de'
miçanga'e/ou'metal'podem'eventualmente'compor'a'ornamentação'da'máscara.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'
uma' malha' feita' de' fibra' vegetal' ou' de' algodão.' Um' tecido' estilizado' pode' servir' de' saia' ou' até' de' vestido.'
Muitas' vezes,' usa' um# soutien' aparente.' Porta' a' ciwamba# –# uma' espécie' de' cinturão' com' enchimento,'
adornado' com' tiras' de' pano,' plástico' ou' outros' tipos' de' materiais,' que' amplia' os' quadris' do' bailarino.'
Chocalhos' presos' à' altura' dos' tornozelos' (gisango)' são' também' usados' para' enfatizar' os' movimentos' da'
dança.'
'
'
'
'
'

! 142!
3.2'Ndondo!(Fig.!42843)'
'
Especificação'
Tido'como'idiota'e'mal'educado,'normalmente'enfrenta'o'público'com'uma'pequena'faca'com'o'objetivo'de'
conseguir' algum' dinheiro.' DizEse' que' seu' abdômen' inchado' resulta' de' um' envenenamento' devido' à' sua'
própria'teimosia'(Wele'1993).''
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'antropomórficas.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'
ou' de' algodão.' Possui' uma' protuberância' à' altura' da' cintura,' aparentando' ter' uma' barriga' inchada.' Porta' a'
ciwamba#e#o#gisango.'
'
3.3!Ngulo!(Fig.!44845)'
'
Especificação'
Embora' seja' mais' frequentemente' identificado' com' um' porco' doméstico,' algumas' de' suas' variações'
representam'porcos'selvagens.'O'momento'mais'aclamado'de'sua'performance#é'quando'ele'se'joga'no'chão'
mimetizando'o'comportamento'bestial'do'animal'que'representa.'
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'zoomórficas,'normalmente'esculpida'em'madeira.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'
uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Geralmente'veste'um'short,'ao'invés'de'saia.'Porta'a'ciwamba'
e'o'gisango.#
'
3.4'Cikwekwe!(Fig.!46)'
'
Especificação'
Identificado'com'uma'espécie'de'pássaro'de'bico'longo,'“que'come'os'frutos'das'árvores”.''
'
Morfologia'
Usa' uma' máscara' de' feições' zoomórficas,' feita' de' resina.' Seu' corpo' é' todo' coberto' por' uma' malha' feita' de'
fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Porta'a'ciwamba'e'o'gisango.#
'
3.5'Kapiasa!(Fig.!47)'
'
Especificação'
Identificado'com'uma'espécie'de'pássaro'negro,'comum'na'estação'chuvosa.'Nos'Festivais'Luvale'de'2012'e'
2013'que'acompanhei'no'Alto'Zambeze,'Kapiasa'foi'um'dos'únicos'makixi#apontados'como'“provenientes'de'
Angola”.'Possivelmente,'tanto'a'vestimenta/corpo,'como'a'máscara/cabeça'daquele'likixi#eram'propriedade'de'
algum'bailarino'angolano'e'foram'confeccionados'exclusivamente'dentro'do'país.'
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'antropomórficas,'feita'de'resina.'Possui'uma'peruca'de'fibras'sintéticas,'volumosa'
e'emaranhada,'fixada'à'máscara.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'
Porta'a'ciwamba!e'o'gisango.#
'
'
4.'Makixi#que'dançam'a'kuhunga.'
'
'
4.1'Mbwanda!(sem!foto)'
'
Especificação'
Identificado' com' um' coelho,' é' incluído' por' Jordán' (2006)' entre' os' seus' makixi' “ambíguos”,' por' se' tratar,'
segundo'ele,'de'um'“trickster'spirit'with'supernatural'powers”.'
'

! 143!
Morfologia'
Usa'máscara'de'feições'zooantropomórficas,'feita'de'resina,'de'cujas'laterais'partem'grandes'orelhas'eretas,'
uma'de'cada'lado.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Usa'o'jizombo3
–#a'saia'de'fibras'vegetais'também'usada'pelos'neófitos'da'circuncisão.''
'
4.2'Mwendumba!(sem!foto)'
'
Especificação'
Identificado'com'um'leão,'tem'caráter'agressivo.'DiferenciaEse'de'outros'makixi#que'também'são'identificados'
com'esse'mesmo'animal,'mas'que'não'possuem'feições'antropomórficas'como'ele'e'sim'uma'forma'similar'ao'
corpo'daquele'felino'(Jordán'2006:69'e'75).'
'
Morfologia'
Usa' uma' máscara' de' feições' antropomórficas,' feita' de' resina.' Do' topo' da' máscara' ergueEse' um' cocar'
arqueado,'de'duas'abas'paralelas,'uma'voltada'para'a'frente'e'a'outra'para'trás.'Seu'corpo'é'todo'coberto'por'
uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Usa'o'jizombo.#
'
4.3'Kapapa!(sem!foto)'
'
Especificação'
Sem'informação.'
'
Morfologia'
Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Usa'o'jizombo.#
'
4.4'Cikesa!(sem!foto)'
'
Especificação'
Sem'informação.'
'
Morfologia'
Seu'corpo'é'todo'coberto'por'uma'malha'feita'de'fibra'vegetal'ou'de'algodão.'Usa'o'jizombo.#
#
4.5'Cikusa!(Fig.!48849)'
'
Especificação'
Tradicionalmente'associado'à'fertilidade,'seu'nome'refereEse,'na'língua'Cokwe,'a'uma'espécie'de'gafanhoto,'
conhecida' pelo' seu' potencial' procriativo.' Além' disso,' uma' de' suas' características' morfológicas' principais'
representa' o' chifre' de' um' antílope,' símbolo' de' poder' e' virilidade' (Bastin' 1984:42).' Desempenha' importante'
papel'no'complexo'ritual'da'mukanda,'embora'também'possa'aparecer'em'outros'eventos'sóciopolíticos.'De'
caráter'agressivo,'na'mukanda,'Cikuza'destacaEse'como'um'dos'principais'defensores'dos'neófitos'e'do'próprio'
acampamento'onde'aqueles'ficam'reclusos.'Além'disso,'é'ele'o'responsável'por'ensinar'aos'jovens'a'kuhunga,'
sua'dança'característica.''
Alguns' autores,' como' White' (1949)' e' Bastin' (1984),' incluíram' Cikusa' entre' os' makixi' aos' quais' se' atribuem'
também' o' caráter' de' li/hamba,' ou' seja,' um' ancestral' manifestado' através' de' doença,' ou' infortúnio,' e'
apaziguado'por'meio'de'rituais'específicos.'Segundo'Bastin,'há'muito'se'sabe'que'o'culto'a'esse'likixi/lihamba'é'
largamente' difundido' entre' os' Cokwe' fora' do' contexto' da' mukanda,' especialmente' entre' caçadores' e'
mulheres'inférteis.'“Small'amulets'representing'him'–'with'his'tal'headdress'in'the'shape'of'a'ringes'horn'–'are'
carried'by'hunters'on'their'rifle'butts'and'by'infertile'or'pregnant'women'on'their'belts.”'(1984:42)'
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'zooantropomórficas,'feita'de'resina,'cuja'característica'mais'saliente'é'a'estrutura'
cônica'e'pontiaguda,'consideravelmente'alta'e,'por'vezes,'ligeiramente'curva,'que'parte'do'topo'da'máscara'e'
representa'o'chifre'de'um'antílope.'Seu'corpo'é'todo'coberto'com'uma'malha'feita'de'fibra'ou'de'algodão.'Usa'
o'jizombo#e,'geralmente,'porta'uma'arma,'como'galhos'de'árvore,'ou'um'facão.'
'
'

! 144!
4.6!Kalelwa!(Fig.!50851]'
'
Especificação'
Relacionado'ao'complexo'ritual'da'mukanda.'Assim'como'Cikuza,'Kalelwa'atua'como'protetor'dos'neófitos'e'
do'acampamento'onde'aqueles'ficam'reclusos.'Além'disso,'também'pode'desempenhar'um'papel'no'ensino'da'
kuhunga'aos'jovens.'
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'antropomórficas,'feita'de'resina.'Do'topo'de'sua'cabeça'estendeEse'uma'estrutura'
tubular'que'pode'sustentar'dois,'ou'quatro'arcos'laterais.'Seu'corpo'é'todo'coberto'com'uma'malha'feita'de'
fibra'ou'de'algodão.'Usa'o!jizombo#e,'geralmente,'porta'uma'arma,'como'galhos'de'árvore'ou'um'facão.'
'
'
5.'Makixi#que'dançam'a'unyanga.3
3
3
5.1'Utenu!(Fig.!52)'
'
Especificação'
Agressivo' e' disciplinador' ligado' ao' complexo' ritual' da# mukanda.' Devido' à' sua' ferocidade,' algumas' vezes,'
encontraEse' inscrito' em' seu' cocar' expressões' que' afirmam' tal' característica,' ou' nomes' de' personagens'
públicos'e'organizações'conhecidos'pelo'seu'caráter'agressivo'(Jordán'1998,'2006)'
'
'
Morfologia'
Usa'uma'máscara'de'feições'antropomórficas,'feita'de'resina.'Do'topo'de'sua'cabeça'estendeEse'um'cocar'em'
forma' de' quilha.' Seu' corpo' é' todo' coberto' com' uma' malha' feita' de' fibra' ou' de' algodão.' Usa' lyalambu3
lyakanyama!(pele!de!animal).'
'
5.2!Mupala!(Fig.!53)'
'
Especificação'
Tido' como' “o' presidente”' ou' “o' capitão”' da' mukanda,' também' aparece' em' eventos' de' entronização' e'
homenagem' a' chefes' tradicionais.' Dos' makixi# identificados' como' “agressivos”' por' Jordán' (2006),' Mupala'
destacaEse' como' o' mais' intimidador,' pelo' tamanho' exagerado' de' suas' feições' faciais' e' de' seu' cocar,' pouco'
menor'que'o'de'Kayipu'(o'“rei”'dos'makixi).''
'
Morfologia'
Usa' uma' máscara' de' feições' antropomórficas,' feita' de' resina,' que' apresenta' olhos,' nariz,' boca' e' bochechas'
avantajados.' Da' parte' superior' da' máscara,' ergueEse' um' enorme' cocar' arqueado,' decorado' à' frente' com'
padrões'branco,'vermelho'e'preto'e,'atrás,'com'penas.'Seu'corpo'é'todo'coberto'com'uma'malha'feita'de'fibra'
ou' de' algodão.' Usa' lyalambu3 lyakanyama.' Geralmente,' porta' uma' arma,' como' um' galho' de' árvore' ou' um'
facão.'
'
5.3!Katotola!(Fig.!15)'
'
Especificação'
Facilmente'confundido'com'Mupala,'por'ter'uma'aparência'muito'similar'à'daquele'último,'possui'importante'
papel'na'mukanda#dos'Luvale,'onde'é'o'primeiro#likixi'a'aparecer,'responsável'por'levar'os'neófitos'para'dentro'
do' acampamento' onde' serão' cincuncidados.' Muitas' vezes' me' foi' dito' em' campo' que' Katotola' seria' um'
ancestral'chefeEdeEfamília'ou'mesmo'chefeEdeElinhagem.'
'
'
Morfologia'
Normalmente,'usa'uma'máscara'de'feições'antropomórficas,'feita'de'resina,'que'apresenta'olhos,'nariz,'boca'e'
bochechas'avantajados,'e'que'sustenta'um'enorme'cocar'arqueado,'decorado'à'frente'com'padrões'branco,'

! 145!
vermelho' e' preto,' como' o' de' Mupala,' embora' um' pouco' menor' e' sem' as' penas' na' parte' traseira.' Nas' duas'
edições' do' festival' angolano' que' acompanhei,' em' 2012' e' 2013,' a' máscara' usada' por' Katotola' era,' além' de'
tudo,' “duplaEface”.' O' corpo' desse' likixi,' assim' como' o' dos' demais' aqui' elencados,' é' todo' coberto' com' uma'
malha'feita'de'fibra'ou'de'algodão.'Usa'lyalambu3lyakanyama'e,'geralmente,'porta'uma'arma.''
'
'
Quadro'1.'

Nome! Especificação! Morfologia! Ritmo/Dança!


!
Kayipu' O'“rei”'dos'makixi.'Aparece'em' Máscara'antropomórfica'feita'de' E'
cerimônias'funerárias,'entronização' resina.'Possui'um'cocar'arqueado,'
de'chefes'e'em'mukanda' decorado'à'frente'com'padrões'
organizadas'para'filhos'de'chefes.' branco,'vermelho'e'preto'e,'atrás,'
' com'penas.'Usa'uma'manta'ou'
cobertor'como'saia.''
''
Kapalu' O'“capataz”'de'Kayipu.' Máscara'feita'de'malha'de'fibra'ou'de' E'
' ' algodão,' assim' como' todo' o' seu'
corpo.'Possui'um'cocar'de'penas.'Usa'
uma' saia' de' pele' de' animal' e' porta'
uma'arma.''
'
Cizaluke' O'ancião.'Possui'função'tutelar'na' Máscara'antropomórfica'feita'de' Fwi$fwi.#
(dois' mukanda.' resina.'Possui'retalhos'de'pele'de'
exemplares)' ' leopardo'fixados'à'parte'superior'da'
máscara.'Porta'o'fwi$fwi.''
'
Mwana' A'adolescente.'Conhecido'pelas' Máscara'antropomórfica'feita'de' Ciyanda.#
Pwevo' suas'habilidades'mágicoE madeira.'Possui'um'aplique'de'fibra'
(dois' acrobáticas.'Aparece'na'mukanda'e' sintética'imitando'um'penteado'
exemplares)' em'eventos'sociopolíticos'com' feminino.'Usa'um'tecido'estilizado'
função'principal'de' como'saia'ou'vestido.'Porta'a'
entretenimento.'' ciwamba#e#o#gisango.'
'' '
Ndondo' O'idiota.'Possui'a'barriga'inchada' Máscara'antropomórfica'feita'de' Ciyanda.3
(dois' em'razão'de'um'envenenamento.'' resina.'Protuberância'à'altura'da'
exemplares)' ' cintura.'Porta'a'ciwamba#e#o#gisango.'
'
Ngulo' O'porco.' Máscara'zoomórficas'de'resina.'Porta' Ciyanda.3
' a'ciwamba!e'o'gisango.#
'
Cikwekwe' Espécie'de'pássaro'de'bico'longo,' Máscara'zoomórficas'feita'de'resina.' Ciyanda.!
' “que'come'os'frutos'das'árvores”.'' Porta'a'ciwamba!e'o'gisango.#
' '
Kapiasa' Espécie'de'pássaro'negro,'comum' Máscara'antropomórfica'feita'de' Ciyanda.3
na'estação'chuvosa.'' resina.'Possui'uma'peruca'de'fibras'
sintéticas.'Porta'a'ciwamba!e'o'
gisango.#
'
Mbwanda' O'coelho.' Máscara'zooantropomórfica'feita'de' Kuhunga.3
' resina.'Possui'grande'orelhas.'Usa'o'
jizombo.##
Mwendumba' O'leão.'' Máscara'antropomórfica'feita'de' Kuhunga.!
' resina.'Possui'um'cocar'arqueado,'
com'duas'abas'paralelas,'uma'voltada'

! 146!
para'a'frente'e'a'outra'para'trás.'Usa'
o'jizombo.#
'
Kapapa' Sem'informação.' Usa'o'jizombo.# Kuhunga.!
'
Cikesa' Sem'informação.' Usa'o'jizombo.# Kuhunga.!
' '
Cikusa' Espécie'de'gafanhoto,'conhecida' Máscara'zooantropomórficas'feita'de' Kuhunga.3
pelo'seu'potencial'procriativo.'' resina.'Possui'uma'estrutura'cônica'e'
De'caráter'agressivo,'é'o'principal' pontiaguda'acima'da'cabeça.'Usa'o'
protetor'dos'neófitos'na'mukanda#e' jizombo#e'porta'uma'arma.''
o'responsável'por'ensinar'a'eles'a'
kuhunga.'
'
Kalelwa' Atua'na#mukanda'como'protetor' Máscara'antropomórfica'feita'de' Kuhunga.3
(dois' dos'neófitos'e'do'acampamento' resina.'Possui'uma'estrutura'tubular'
exemplares)' onde'estes'ficam'reclusos.'Auxilia' acima'da'cabeça,'com'dois'ou'quatro'
' Cikusa'no'ensino'da'kuhunga.' arcos'laterais.'Usa'o'jizombo#e'uma'
arma.'
'
Utenu' Agressivo'disciplinador,'associado'a' Máscara'antropomórfica'feita'de' Unyanga.3
mukanda.'' resina.'Possui'um'cocar'em'forma'de'
quilha.'Usa'lyalabu3lyakanyama3(pele!
de!animal).'
Mupala' O'“presidente”'ou'“capitão”'da' Máscara'antropomórfica'feita'de' Unyanga.3
mukanda.'Também'aparece'em' resina.'Possui'um''cocar'arqueado,'
eventos'de'entronização'e' decorado'à'frente'com'padrões'
homenagem'a'chefes'tradicionais.'' branco,'vermelho'e'preto'e,'atrás,'
com'penas.'Usa'lyalabu3lyakanyama'
e'porta'uma'arma.''
'
Katotola' Comparado'a'um'chefeEdeEfamília' Máscara'duplaEface,'antropomórfica'e' Unyanga.3
ou'de'linhagem,'é'o'primeiro#likixi'a' feita'de'resina.'Possui'um'cocar'
aparecer'numa'mukanda'luvale,' arqueado,'decorado'à'frente'com'
responsável'por'levar'os'neófitos' padrões'branco,'vermelho'e'preto.'
para'dentro'do'acampamento'onde' Usa'lyalabu3lyakanyama'e'porta'uma'
serão'cincuncidados.'' arma.''
' '
'
'

'

'

! 147!
!

PARTE''

II.'

'

'

CISEMWA#CA#LUVALE#

[A'CULTURA'DOS'LUVALE]'

'

'

'

'

'

'

'
! 148!
CAP.'3'

RUÍNAS,'COLEÇÕES,'ESPETÁCULO'

'
Há# um# quadro# de# Klee# que# se# chama# Angelus# Novus.# Representa# um# anjo# que#
parece# querer# afastarVse# de# algo# que# ele# encara# fixamente.# Seus# olhos# estão#
escancarados,#sua#boca#dilatada,#suas#asas#abertas.#O#anjo#da#história#deve#ter#esse#
aspecto.# Seu# rosto# está# dirigido# para# o# passado.# Onde# nós# vemos# uma# cadeia# de#
acontecimentos,#ele#vê#uma#catástrofe#única,#que#acumula#incansavelmente#ruína#
sobre# ruína# e# as# dispersa# a# nossos# pés.# Ele# gostaria# de# deterVse# para# acordar# os#
mortos#e#juntar#os#fragmentos.#Mas#uma#tempestade#sopra#do#paraíso#e#prendeVse#
em#suas#asas#com#tanta#força#que#ele#não#pode#mais#fecháVlas.#Essa#tempestade#o#
impele# irresistivelmente# para# o# futuro,# ao# qual# ele# vira# as# costas,# enquanto# o#
amontoado# de# ruínas# cresce# até# o# céu.# Essa# tempestade# é# o# que# chamamos#
progresso.##
'
Benjamin,'Sobre#o#conceito#da#história'(1994c)'
'

'

Todas' as' vezes' em' que' perguntei' a' um' luvale' o' que' era' aquela' festa' que' eles' vinham'

fazendo' anualmente' no' Cazombo,' a' resposta' começava' com' uma' palavra' que' foi' muito'

recorrente' durante' o' meu' trabalho' de' campo:' cisemwa' (quase' sempre,' traduzida' para' o'

português' como' “cultura”' ou' “tradição”).' Geralmente,' diziaEse' que' a' festa' servia' para'

“mostrar' a' cultura”.' Já' no' caso' dos' meus' interlocutores' da' COFETRAL,' era' comum' eles'

referiremEse' ao' evento' como' um' meio' de' “preservar' a' cultura”.' A' regedora' Kakenge,'

contudo,' numa' conversa' que' tivemos' em' sua' casa,' no' bairro' Cilombo,' formulou' uma'

definição' que' me' parece' particularmente' interessante.' Segundo' ela,' “O' dia' dos' filhos' de'

Cinyama”,' como' se' convencionou' chamar' a' festa,' era' o' dia' de' “lembrar' a' cultura”' dos'

Luvale.'

Essa' festa' é' a' lembrança' da' cultura' dos' Luvale.' Os' dias' que' nós' metemos' essa'
festa,'é'os'dias'que'morreu'a'rainha'Nyakatolo'Cisengo.'É'por'isso'que'esse'dia'é'
um' dia' de' lembrar' a' rainha' Nyakatolo' Cisengo' e' de' lembrar' a' cultura.' Hoje,' há'
muitas' miúdas,' muitas' moças' que' estão' a' crescer' e' que' não' sabem' nada.' Então,'
tem' que' ter' uma' festa' para' aprender,' para' saber' o' que' é' a' cultura,' o' que' a'
cisemwa#ca#luvale.'[Kakenge,'clip'0952,'21E08E2013.'Falado'em'português]'
'

! 149!
O' uso' insistente' da' categoria' de' cisemwa' pelos' organizadores' e' participantes' do'

Festival' revela,' a' meu' ver,' a' relação' desse' evento' com' os' processos' de' apropriação' da''

“cultura”' e' da' “tradição”' em' curso' hoje' no' Alto' Zambeze.' Esses' termos' vêm' sendo'

amplamente'difundidos'contemporaneamente'com'a'globalização'das'políticas'e'práticas'de'

reconhecimento' dos' direitos' patrimoniais' de' povos' indígenas' e,' como' muitos' autores' já'

notaram,' o' conjunto' de' conceitos' que' estrutura' essas' políticas' e' práticas,' embora' seja'

elaborado' fora' das' comunidades' indígenas' é' por' elas' digerido' e' ressignificado,' voltando'

para' o' espaço' interétnico' de' diversas' formas,' que' vão' desde' a' crítica' nativa' daqueles'

conceitos' (Sahlins' 1997,' Carneiro' da' Cunha' 2009,' Clifford' 2001)' à' sua' espetacularização'

(Graham'2005,'DeVienne'&'Allard'2005,'Barcelos'Neto'2006,'Fiorini'&'Ball'2006).''

De' fato,' na' última' década,' não' foram' poucas' as' expressões' culturais' africanas'

incluídas' nas' listas' do' World# Heritage' da' UNESCO' (Probst' 2011),' o' que' teve' como'

consequência' a' realização' de' um' conjunto' de' projetos' de' salvaguarda' do' patrimônio'

material'e'imaterial'no'continente'–'entre'eles,'o'projeto'de'proteção'à'dança'dos#makixi,'na'

Zâmbia.' Como' já' mencionei' anteriormente,' o' título' de' Patrimônio' Oral' e' Imaterial' da'

Humanidade'atribuído'aos'makixi'pela'UNESCO#em'2005,'deu'novas'dimensões'ao'Likumbi#

Lya# Mize' (a' versão' zambiana' do' Festival' Luvale),' que' passou' a' atrair' turistas' do' mundo'

inteiro'e'a'mobilizar'um'grande'número'de'patrocínios'públicos'e'privados,'encabeçando'a'

lista'das'mais'disputadas'“cerimônias'tradicionais”'da'Zâmbia.'

Embora' Angola' permaneça' ainda,' de' certo' modo,' protegida' contra' esse' tipo' de'

intervenção'externa'(que'implica'em'turismo,'livreEcirculação,'etc.),'uma'vez'que'a'paz'e'o'

processo'de'abertura'democrática'ainda'são'muito'recentes,'é'inegável'o'impacto'do'evento'

zambiano'no'processo'de'produção'do'Festival'Luvale'no'país.'Por'estarem'muito'próximos'

da'fronteira'com'a'Zâmbia'e'acompanharem'de'perto'a'repercussão'do'Likumbi#Lya#Mize,'os'

! 150!
organizadores' do' festival' angolano' estão' suficientemente' informados' do' valor' da' “cultura'

tradicional”' nos' novos' tempos' de' internacionalização' das' políticas' patrimonilização.'

Inclusive,'pareceEme'que'foi'orientados'por'este'valor'que'eles'conceberam'o'projeto'do'seu'

Festival,'que'não'tem'outro'objetivo'principal'senão'o'de'promover,'internamente,'o'mesmo'

tipo'de'valorização'da'“cultura”'que'eles'veem'acontecer'fora'do'país.''

Visto'como'mais'um'espetáculo'indígena'típico'desse'contexto'atual'de'difusão'em'

larga' escala' das' políticas' de' reconhecimento' aos' direitos' patrimoniais' dos' povos,' onde' a'

“cultura”'passa'a'ser'celebrada'como'uma'forma'de'“obter'reparações'por'danos'políticos”'

(Carneiro'da'Cunha'2009:313),'o'Festival'Luvale'poderia'ser'tachado,'como'muitos'outros'já'

o'foram,'de'inautêntico'(Jolly'1992).'Não'quero'aqui'enquadráElo'como'uma'exceção'à'regra.'

Afinal,' reconheço' inteiramente' o' seu' vínculo' com' aquele' contexto' mais' geral.' Além' disso,'

não'creio'que'o'evento'possa'ser'entendido'fora'do'campo'de'disputa'política'local'em'que'

está'inserido'e'dentro'do'qual'ele'vem'constituindo'instrumento'estratégico'para'os'Luvale'

de'Angola,'o'que'pretendo'mostrar'em'detalhes'na'terceira'parte'da'tese.''

No' entanto,' interessaEme' agora' levar' a' sério' –' e' refletir' sobre' –' o' gênero'

performático'que'acredito'esteja'se'desenvolvendo'com'a'emergência'do'Festival'Luvale'em'

Angola.' Se' o' caráter' político' desse' evento' é' indiscutível,' não' creio' que' isso' implique' uma'

ausência' da' lógica' e' da' dinâmica' rituais.' Tampouco' acredito' que' a' festa' não' desempenhe'

nenhum' papel' nos' processos' locais' de' transmissão' de' conhecimento' e' de' preservação' da'

memória' social.' Pelo' contrário,' pareceEme' que,' por' meio' do' evento,' está' em' jogo' uma'

reinvenção'desses'processos.'No'mínimo,'uma'memória'dos'rituais'luvale'está'sendo'inscrita'

e' elaborada' de' forma' específica' por' esse' espetáculo.' No' presente' capítulo,' pretendo'

justamente'investigar'essa'operação.'

! 151!
Cabe'ressaltar,'no'entanto,'que'uma'análise'feita'do'ponto'de'vista'dos'problemas'de'

memorização'e'transmissão'do'conhecimento'talvez'não'tivesse'o'mesmo'rendimento'caso'

o' objeto' dessa' análise' fosse' a' versão' zambiana' do' festival' luvale' e' não' a' angolana.' No'

festival' da' Zâmbia,' que' tive' a' oportunidade' de' assistir' em' setembro' de' 2013,' observaEse'

uma' hipertrofia' (do' lugar)' dos' makixi# na' composição' da' festa,' traço' que' possivelmente' se'

aprofundou' depois' do' prêmio' atribuído' a' eles' pela' UNESCO' em' 2005.' O' evento' gira' hoje'

quase'que'inteiramente'em'torno'da'performance'dos'makixi,'que'reúne,'por'vezes,'mais'de'

cem' tipos' (Jordán' 2006).' Não' percebi,' nesse' caso,' a' mesma' preocupação' que,' por' outro'

lado,' era' evidente' na' versão' angolana' do' festival,' em' apresentar' uma' exposição' o' mais'

completa'possível'da'“cultura”'luvale.'

Como'em'Angola'não'há'ainda'(ou'não'há'mais)'um'número'considerável'de'homens'

especializados'na'dança'dos'makixi,'abreEse'espaço'para'a'apresentação'de'um'conjunto'de'

outras' expressões.' Sobretudo' no' Festival' de' 2013,' quando' os' zambianos' foram' impedidos'

de'entrar'no'país,'entre'eles,'um'número'considerável'de'bailarinos'de'makixi,'teve'lugar'a'

exibição'de'uma'enorme'variedade'de'“peças'culturais”,'fortalecendo'o'caráter'mnemônico'

daquela' edição.' A' discussão' desse' capítulo' será' principalmente' baseada' nessa' edição' do'

Festival,'embora'eu'também'faça'referência'ao'evento'de'2012.'

'

'

'

'

'

'

'

! 152!
A.'

[CISEMWA]'

'

Frequentemente' traduzida' pelos' meus' interlocutores' luvale' por' “cultura”' ou' “tradição”,' a'

categoria' de' cisemwa' não' consta' entre' as' mais' de' cinco' mil' palavras' reunidas' em' A#

Dictionary#of#Luvale,#de'P.D'Horton'(1953).'No'entanto,'mereceu'um'verbete'no'dicionário'

em'construção'de'Francisco'Ciwende,'ao'qual'tive'acesso'durante'nosso'único'encontro,'em'

setembro' de' 2013,' em' Luena' (capital' da' Província' do' Moxico),' no' meu' último' dia' de'

trabalho' no' leste' de' Angola.' Embora' não' possa' afirmar' com' certeza,' isto' pode' ser' um'

indicativo' de' que' o' termo' cisemwa' não' tivesse' a' mesma' produtividade' na' época' da'

pesquisa'de'Horton.'No'meu'caso,'ele'estava'na'boca'de'todos.''

Segundo' Ciwende,' além' de' “cultura”' e' “tradição”,' cisemwa' poderia,' ainda,' ser'

traduzida' por' “origem”,' “essência”,' “natalidade”,' “raça”,' “geração”,' “natureza”' e' “sexo”,'

dependendo'do'contexto'em'que'for'empregada.'Nas'suas'próprias'palavras:''

'
(...)#cisemwa'é'a'originalidade,'é'a'essência...'Não'quer'dizer'outra'coisa:'cisemwa#
significa' essência,' origem.' Pode' significar' cultura' também.' Porque' a' cultura' é#
cisemwa,'quer'dizer,'significa'a'originalidade,'tudo'o'que'é'de'origem.'Por'exemplo,'
esse'meu'manual'aqui,'que'ainda'estou'a'datilografar'[mostra'um'maço'de'papel'
datilografado],' chamaEse' “Cisemwa# caLuvale”,# quer' dizer,' “A' origem' dos' Luvale”,'
ou'“A'cultura'dos'Luvale”,'é'a'mesma'coisa,'vale'conforme'empregamos'o'termo,'
ou'seja,'o'termo,'como'tal,'varia'a'sua'interpretação'de'acordo'com'o'sentido'da'
frase,' com' a' maneira' como' o' empregamos' na' frase.' Pode' refletir' uma' ou' outra'
coisa,'significar'isso,'como'aquilo.'[Ciwende,'clips'1813'e'1814,'12E09E2013.'Falado'
em'português]'
'

' Definição' diferente' desta' me' deu' Abraão' Lingoma,' colaborador' da' COFETRAL,' que'

me' ciceroneou' na' Zâmbia' nos' primeiros' dias' de' setembro' de' 2013,' sob' fortes'

recomendações' de' Muzala.' Durante' a' longa' travessia' que' fizemos' juntos,' em' sua' Land#

Cruiser,' do' município' do' Alto' Zambeze,' em' Angola,' até' o' distrito' de' Zambeze,' na' Zâmbia,'

! 153!
onde' assistiríamos' o' Likumbi# Lya# Mize' daquele' ano,' ele' me' contou' que,' do' seu' ponto' de'

vista,' cisemwa# é' como' uma' caixa' preenchida' por' um' conjunto' de' peças' sortidas' ou,' para'

usar'os'seus'próprios'termos,'por'um'“conjunto'de'mecanismos'tradicionais”.'

#
Cisemwa'é'tradição,'é'um'conjunto'de'mecanismos'tradicionais.'Cisemwa'é'como'
uma' caixa' que' contém' muitos' mecanismos' tradicionais,' ou' como' uma' panela' de'
sopa.'A'sopa'é'composta'por'muitos'ingredientes.'Tal'e'qual'é'a'cisemwa.'Cisemwa'
não'é'só'dançar,'não'é'só'comer,'não'é'só'religião,'é'tudo'de'uma'certa'tradição.'A'
cisemwa# ca# luvale' é' composta' por' tudo' aquilo' que' acabo' de' me' referir,' dança,'
culturas' religiosas,' adorações,' adivinhas...' A' idolatria' também' está' englobada' na'
cisemwa.' Tudo' aquilo' que' um' certo' grupo' tradicional,' uma' certa' tribo' realiza'
chamaEse'cisemwa.'[Lingoma,'clip'1171,'03E09E2013.'Falado'em'português]'
'

' Se' a' definição' de' Ciwende' aproximaEse,' curiosamente,' daquela' do' romantismo'

alemão' do' século' XIX' (Stocking' Jr' 1989,' Sahlins' 1997a,' 1997b),' sendo' perfeitamente'

compreensível' para' um' interlocutor' formado' em' antropologia,' a' definição' de' Lingoma' é'

muito' mais' obscura' e,' por' isso' mesmo,' interessante.' Do' ponto' de' vista' da' etnografia' do'

Festival'Tradicional'Luvale,'ela'é'particularmente'fértil,'na'medida'em'que'parece'referirEse'

justamente'à'“cultura”'que'vem'sendo'produzida'contemporaneamente'por'meio'da'festa.''

Assim,' para' Lingoma,' o' Festival' Luvale' não' seria' apenas' um' instrumento' feito' para'

mostrar,' preservar' ou' lembrar' a' cultura' dos' Luvale' –' ele' é' a' própria' cultura' dos' Luvale,'

servindo,'inclusive,'como'mais'uma'tradução'possível'para'a'categoria'de'cisemwa.'

'
Essa' é' a' razão' e' o' objetivo' de' nossa' viagem:' ver' os' preparativos' da' cisemwa,' do'
primeiro' dia' até' o' fim,' dessa' cerimônia,' que' se' chama' em' língua' nacional' luvale,'
cisemwa#ca#luvale.'Tudo'que'vamos'assistir'é'cisemwa.'Os'palhaços'vão'ressuscitar'
do'cemitério'e'depois'a'festa'continua,'com'a'apresentação'de'tudo'aquilo'que'eles'
prepararam' da' tradição:' os' mwali,' as' adolescentes' femininas' que' saem' da'
circuncisão;' os' tundandji,' os' adolescentes' masculinos' circuncisados;' a' pesca'
artesanal,' que' é' praticada' pela' nossa' tradição;' quer' dizer,' uma' exibição' de' tudo'
aquilo'que'eles'possuem,'tudo'que'é'da'tradição.'[Idem.]'
'

' Significativamente,' a' imagem' que' Lingoma' associa' à' noção' de' cisemwa' e' por'

extensão'também'ao'Festival,'de'uma'caixa'preenchida'por'variados'elementos'ou'uma'sopa'

! 154!
feita' com' diferentes' ingredientes,' remete' às' cestas' divinatórias' pelas' quais' não' apenas' os'

Luvale,'como'também'outros'povos'que'habitam'o'Alto'Zambeze'e'áreas'adjacentes,'ficaram'

conhecidos'na'literatura'antropológica'(Turner'1975,'Bastin'1988,'De'Boeck&Devisch'1994,'

Silva'1998,'2004).''

A'lipele,'como'é'chamada'pelos'Luvale,'é'uma'cesta'espiralada,'relativamente'larga,'

mas' de' pouca' profundidade,' cheia' de' pequenas' peças.' Possivelmente,' é' o' objeto' oracular'

(ngombo)'mais'difundido'entre'esse'povo,'ao'qual'Silva'(2004)'dedicou'um'estudo'inteiro.'

Enquanto'a'maior'parte'dos'autores'que'escreveram'sobre'a'adivinhação'com'a'lipele'optou'

por' focalizar' as' peças' divinatórias' (Turner' 1975,' Areia' 1985),' ou' o' adivinho' (Bastin' 1988,'

DeBoeck&Devish'1994),'Silva'foi'a'primeira'a'se'debruçar'sobre'a'cesta'em'si,'descrevendo'o'

processo' pelo' qual' “uma' simples' cesta,' aparentemente' semelhante' a' outras' usadas' pelas'

mulheres' no' contexto' doméstico,' tornaEse' um' poderoso' oráculo”' (Silva' 2004:209)' –'

processo'através'do'qual,'segundo'a'autora,'objetos'personificamEse'e'pessoas'objetificamE

se.''

Em'suas'próprias'palavras,'é'assim'que'ela'define'a'lipele:'
'

(...)'um'receptáculo'entretecido'com'cerca'de'30'centímetros'de'diâmetro'e'10'de'
profundidade,' contendo' umas' sessenta' pequenas' peças' –' sementes,' guarras,'
moedas,'esculturas'de'madeira,'etc.'denominadas'na'língua'luvale'pelo'(ou'lupelo,'
pl.' jipelo).' Como' qualquer' artefato' vulgar' –' peneira,' martelo' ou' rede' de' pesca' –,'
este' receptáculo' prolonga' e' auxilia' o' corpo' humano,' sendo' descrito' como' uma'
coisa,'ou'chuma.'Por'outro'lado,'é'claro'para'todos'que'uma#lipele#é'diferente'de'
uma' ferramenta' mundana.' (...)' Os' luvale' colocamEna,' ao' lado' de' certo' pilões,'
almofarizes,' garrafas,' espelhos,' etc.,' numa' classe' de' entidades' poderosas' e'
altamente'ambíguas'a'que'chamam#ngombo'(pl.'jingombo),'ou'objetos'oraculares.'
Um'ngombo#yalipele'é'um'oráculo'do'tipo'lipele,'ou'seja,'um'oráculo'que'consiste'
numa'cesta'tecida'em'espiral,'cheia'de'peças.'[Silva'2004:39E40]'
'

De'fato,'a#lipele,'assim'como'a'caixa'e'a'sopa'de'Lingoma,'se'não'funcionam'como'

matáfora' visual' para' a' categoria' de# cisemwa,' tal' como' a' entende' Ciwende,' são' imagens'

perfeitas' do' Festival' Luvale.' Afinal,' como' vimos' na' longa' descrição' do' capítulo' passado,' a'

! 155!
festa'constitui'uma'estrutura'fragmentária,'composta'por'intervenções'de'curta'duração''e'

de' diferentes' tipos,' que' vão' desde' discursos' políticos' a' narrativas' tradicionais,' passando'

pela'exibição'de'uma'série'de'trechos'descontextualizados'de'conjuntos'rituais'maiores.''

'

'

'

B.'

[“PEÇAS'CULTURAIS”]'

'

Nos'dois'anos'em'que'acompanhei'o'Festival'Luvale'no'município'do'Alto'Zambeze'(Angola),'

os'trechos'de'rituais'apresentados'durante'a'festa'eram'chamados'no'português'angolano'

dos' meus' interlocutores' de' “peças' culturais”' ou' ainda' de' “valores' culturais”.' Essas' peças'

representavam,'para'eles,'exemplares'legítimos'de'“como'as'coisas'eram'feitas'no'passado”,'

exibidas' na' forma' de' objetos' artesanais,' números' de' canto' e' dança,' esquetes' teatrais' e'

performances' de' bailarinos' mascarados' (makixi).' Os' chamados' “grupos' culturais”' eram' os'

principais' responsáveis' pela' produção' e' apresentação' das' peças.' Por' sua' vez,' a' COFETRAL'

era'a'responsável'por'organizar'os'grupos'e'muitas'vezes'também'por'determinar'as'peças'

que'eles'deveriam'preparar.'Em'seu'trabalho,'digamos'assim,'curatorial,'os'organizadores'do'

Festival'procuravam'apresentar'um'mosaico'cada'vez'mais'variado'de'peças'e,'assim,'uma'

exposição'cada'vez'mais'completa'da'“cultura”'(cisemwa)'luvale.''

O'trabalho'começava'no'contato'com'os'“mais'velhos”'(anciãos),'que'os'auxiliavam'

no'mapeamento'dos'rituais,'cerimônias,'práticas'e'técnicas'realizadas'pelos'Luvale'desde'os'

tempos'mais'remotos,'muitos'deles'já'desaparecidos,'outros,'em'vias'de'desaparecer.'Uma'

vez' escolhidas' as' peças,' era' preciso' encontrar' os' especialistas' capazes' de' (re)produziElas.'

! 156!
Para'isso,'eles'contavam'com'o'auxílio'dos'sobas,'que'os'ajudavam'a'localizar'essas'pessoas'

e,' o' mais' importante,' a' mobilizáElas.' Depois,' como' me' disse' o' regedor' Njamba' certa' vez,'

cabia'a'COFETRAL'criar'as'condições'para'a'formação'dos'grupos.''

Em' uma' das' tantas' conversas' que' tive' com' Muzala' durante' o' meu' trabalho' de'

campo,'ele'discorreu'em'bom'português'sobre'essa'atribuição'dos'organizadores'do'Festival,'

que'poderíamos'chamar'de'curadoria'da'“cultura”.'

'
Nós'ainda'estamos'a'buscar.'Hoje,'vamos'apresentar'essa'metade,'amanhã,'vamos'
apresentar' essa' outra' metade,' até' chegarmos' no' pior.' Há' muita' cultura' que' se'
perdeu,' a' doutora' sabe.' Nós' estamos' a' sentar' com' os' mais' velhos,' para' saber' o'
que' é' preciso' fazer:' “Epa,' vocês' apresentaram' aquilo,' mas' também' deviam'
apresentar' aquilo”.' Então,' nós' sentamos' e' pensamos' como' é' que' podemos' fazer'
para' apresentar,' para' organizar' essa' peça,' para' que' ela' possa' surgir.' Então,'
procuramos' pessoas' para' o' efeito.' É' por' isso' que' nos' três' primeiros' anos' a' festa'
apareceu' normalmente,' mas' não' foi' como' o' pior' desse' ano.' O' que' significa' que'
estamos' sempre' a' procurar' o' pior,' o' pior,' o' pior...' Até' quando' vamos' chegar' no'
piorão!'Estamos'sempre'a'buscar'os'valores'culturais...'[Muzala,'clip'1056,'25E08E
2013.'Falado'em'português]'
'

O'tema'do'risco'de'“perda'cultural”'era'recorrente'nos'discursos'em'favor'do'Festival'

e' orientava' a' seleção' das' peças' a' serem' apresentadas' no' evento,' tido,' sobretudo' pelos'

organizadores' do' evento,' como' um' meio' de' guardar' e' preservar' a' “cultura”.' A' fala' de'

Muzala'expõe'ainda,'de'modo'muito'claro,'a'concepção'que'eles'tinham'de'que'a'“cultura”'

que'se'pretendia'conservar'e'exibir'por'meio'da'festa'era'formada'de'muitas'partes'ou'de'

muitas' “metades”,' para' usar' seus' próprios' termos.' A' palavra' usada' por' Muzala' para'

identificar' as' peças' que' compõem' o' conjunto' do' Festival,' “metades”,' pareceEme'

particularmente' interessante,' no' sentido' de' que' indica,' simultaneamente,' o' caráter'

fragmentário' da' festa' (e' por' extensão' da' “cultura”' luvale)' e' das' próprias' peças' culturais.'

Além'de'sugerir'a'existência,'alhures,'de'suas'metades'ausentes.''

De' fato,' como' já' mencionei' algumas' vezes' nesse' trabalho,' os' rituais,' cerimônias,'

práticas' e' técnicas' mapeados' pela' COFETRAL' para' serem' exibidos' no' Festival,' não' eram'

! 157!
reproduzidos' na' íntegra' durante' o' evento.' Ao' contrário,' passavam' previamente' por' um'

processo' de' síntese' e' condensação,' que,' na' maioria' das' vezes,' os' reduzia' a' um' único'

episódio,'ou'até'a'um'único'objeto.'No'fim,'eram'esses'fragmentos'ou'resíduos'de'rituais'e'

práticas'mais'extensas'o'que,'de'fato,'constituíam'as'peças'apresentadas'no'Festival.''

Não' se' tratava,' portanto,' de' conservar' e' mostrar,' por' meio' da' festa,' um' passado'

intocado,' mas,' ao' contrário,' de' expor' seus' estilhaços,' vestígios,' ruínas.' Impossível' não'

lembrar' aqui' de' Walter' Benjamin,' que' dedicou' toda' uma' obra' justamente' a' essas' figuras'

inacabadas,' descontínuas,' e' aos' seus' artífices:' o' colecionador,' o' alegorista,' o' narrador,' o'

historiador' materialista' dialético,' o' ator' épico' brechtiano,' a' criança,' e' assim' por' diante'

(Benjamin'1984,'1994,'2000,'2006).'Poderíamos,'talvez,'incluir'nessa'classe'os'fazedores'do'

Festival'Luvale?'

'Em' seus' textos' sobre' livros' infantis,' brinquedos' e' brincadeiras,' contidos' na'

coletânea'“Magia'e'Técnica,'Arte'e'Política”'(1994),'Benjamin'mostra'como'para'a'criança'o'

melhor'“instrumento'de'brincar”'não'é'aquele'que'imita'a'realidade'ou'o'sonho,'mas'aquele'

que' mobiliza' a' sua' capacidade' de' sonhar,' de' imaginar,' de' criar' um' mundo' próprio,' um'

“microcosmos' dentro' do' macrocosmos”,' para' usar' as' palavras' do' autor.' Nesse' caso,' ela'

teria' especial' interesse' pelos' detritos,' pelos' resíduos,' pelas' miniaturas;' enfim,' por' tudo' o'

que' ainda' precisa' ser' completado,' preenchido,' animado,' colorido;' e' que' seria' por' ela'

combinado'segundo'uma'lógica'nova'e'original.''

'
As' crianças,' com' efeito,' têm' um' particular' prazer' em' visitar' oficinas' onde' se'
trabalha' visivelmente' com' coisas.' Elas' se' sentem' atraídas' irresistivelmente' pelos'
detritos,' onde' quer' que' eles' surjam' –' na' construção' de' casas,' na' jardinagem,' na'
carpintaria,'na'confecção'de'roupas.'Nesses'detritos,'elas'reconhecem'o'rosto'que'
o'mundo'das'coisas'assume'pra'elas,'e'só'para'elas.'Com'tais'detritos,'não'imitam'o'
mundo' dos' adultos,' mas' colocam' os' restos' e' resíduos' em' uma' relação' nova' e'
original.' assim,' as' próprias' crianças' constroem' seu' mundo' de' coisas,' um'
microcosmos'no'macrocosmos.'[Benjamin'1994b:237]'
'

! 158!
O' tema' de' um' conjunto' de' fragmentos' que' é' retirado' do' seu' contexto' original' e'

rearranjado' segundo' um' novo' tipo' de' lógica' reaparece' em' “O' Colecionador”,' do'

monumental# Passagens' (2006).' Aqui,' no' entanto,' o' princípio' que' orienta' a' escolha' dos'

fragmentos' é' a' sua' afinidade' recíproca.' Assim,' eles' são' deslocados' de' seus' universos'

particulares'para'integrar'um'novo'sistema'onde'cada'peça,'em'algum'nível,'assemelhaEse'a'

outra:'a'coleção.'Conservam,'contudo,'o'caráter'alusivo'dos'detritos'e'resíduos'manipulados'

pelas'crianças.'Segundo'Benjamin,'cada'peça'que'compõe'uma'determinada'coleção'é'uma'

“enciclopédia' mágica”' (2006:241),' um' “dicionário' secreto”' (2006:245),' capaz' de' evocar' o'

seu'contexto'de'origem.'Nesse'sentido,'as'coleções'constituiriam,'para'esse'autor,'um'tipo'

específico'de'mnemotécnica.'Assim'como'os'colecionadores,'espécies'de'videntes,'capazes'

de'remontar'o'passado'oculto'nas'coisas:'“Basta'que'acompanhemos'um'colecionador'que'

manuseia'os'objetos'de'sua'vitrine.'Mal'seguraEos'nas'mãos,'parece'estar'inspirado'por'eles,'

parece'olhar'através'deles'para'o'longe,'como'um'mago”'(2006:241).'

Fragmentos,' pistas,' vestígios,' peças' descontextualizadas' e' seu' caráter' alusivo'

também'encontram'lugar'na'abordagem'que'o'autor'faz'da'história'e'do'historiador,'onde'

“ruínas'do'passado”'sinalizam'não'apenas'a'perda'de'um'tempo,'o'fim'de'uma'era,'mas'a'

possibilidade' da' sua' evocação' (Otte' 1996).' Em' suas' teses' “Sobre' o' Conceito' da' História”'

(1994c),'Benjamin'diz'que'“Articular'o'passado'não'significa'‘conhecêElo'como'de'fato'foi’.'

Significa' apropriarEse' de' uma' reminiscência.”' (Benjamin' 1994c:225)' A' escolha' dos'

fragmentos,' nesse' caso,' embora' também' seja' orientada' pela' afinidade' que' eles' possuem'

entre' si,' dáEse' num' eixo' cronológico,' ou' seja,' entre' o' passado' e' o' presente.' Assim,' o'

verdadeiro'historiador'(o'historiador'materialista'dialético)'é,'para'Benjamin,'aquele'que'se'

apropria' do' passado' pela' lente' do' presente' e' viceEversa;' que' vê' um' passado' saturado' de'

“agoras”'(1994c:230)'e'um'presente'infiltrado'de'estilhaços'de'outrora'(1994c:232).'TrataE

! 159!
se,' portanto,' de' encontrar' os' elos' de' interdependência;' e,' nesse' caso,' a' evocação' do'

passado' possui' um' único' fim:' desencantar' o' futuro' (idem.);' e' um' caráter' assumidamente'

construtivo,'político'e'revolucionário.''

Voltando' ao' Festival' Luvale,' à' COFETRAL' e' às' suas' “peças' culturais”,' pareceEme'

sugestivo' traçar' um' paralelo' entre' eles' e' as' ideias' de' Benjamin' expostas' nos' últimos'

parágrafos.' De' fato,' como' vimos,' uma' parte' importante' do' trabalho' dos' organizadores' da'

festa'consiste'justamente'no'que'esse'autor'chamaria'de'uma'articulação'do'passado'pela'

apropriação' de' suas' reminiscências.' Além' disso,' esses' fragmentos,' vestígios,' ruínas,'

chamados' “peças' culturais”,' mantêm,' entre' si,' afinidades.' Como' já' mencionei'

anteriormente,'eles'remetem,'em'geral,'às'partes'mais'performáticas'e'públicas'–'aquelas'

que' se' podem' mostrar' –' de' complexos' rituais.' Reunidos,' formam' um' novo' conjunto,' uma'

nova'unidade;'ou'poderíamos'mesmo'dizer,'para'seguir'usando'os'termos'de'Benjamin,'que'

formam' uma' coleção,' exposta' temporariamente' durante' o' Festival,' e' que' dá' forma' à'

“cultura”'luvale,'ou'a'um'dos'sentidos'e'traduções'possíveis'da'cisemwa#ca#luvale.'

PodeEse'acrescentar'ainda'o'fato'de'que'essa'apropriação'específica'do'passado'tem'

para'os'organizadores'do'Festival,'assim'como'para'o'materialista'dialético'de'Benjamin,'um'

fim' político,' no' sentido' de' que' visa' uma' intervenção' no' presente' e,' por' consequência,'

também'no'futuro.'O'bordão'de'Muzala,'com'o'qual'frequentemente'se'referia'à'festa,'“o'

pior'ainda'não'aconteceu”,'indica'de'modo'muito'claro'a'direção'para'a'qual'esse'trabalho'

de'elaboração'do'passado'estava'orientado.'No'entanto,'deixemos'de'lado,'por'enquanto,'

as'implicações'políticas'da'festa,'para'nos'concentrarmos'sobre'o'seu'caráter'mnemônico.''

Para'isso,'creio'que'também'seja'interessante'fazer'referência'a'um'outro'autor'que,'

por' sua' vez,' vem' dedicando' seus' trabalhos' às' relações' entre' rituais,' imagens' e' memória.'

Reanalisando'o'material'disponível'sobre'os'iatmul'e'seus'vizinhos'na'região'do'Sepik'(Nova'

! 160!
Guiné),' Carlo' Severi' observou' o' que' chamou' de' “objetosEquimeras”67'(Severi' 2003,' 2006),'

peças'dotadas'de'uma'saliência'e'intensidade'particulares'por'reunirem'traços'heterogêneos'

e' paradoxais,' articulando' o' visível' e' o' invisível' por' meio' de' um' mecanismo' de' projeção'

mental.' Incapazes' de' suscitar' apenas' uma' única' interpretação,' esses' objetos' consistiriam,'

segundo' o' autor,' em' um' conjunto' de' índices' visuais' capazes' de' mobilizar' as' suas' partes'

implícitas,'guardadas'nas'cabeças'dos'indivíduos.'

Outra' importante' contribuição' de' Severi' é' a' sua' reflexão' sobre' a' (super)natureza'

complexa' e' plural' dos' enunciadores' e# performers' rituais' (Severi' 2002,' 2004,' 2006),' que,'

segundo' ele,' acumulam' em' si' uma' série' de' identidades' mutuamente' exclusivas' e'

usualmente' contraditórias' em' um' processo' típico' de' condensação' ritual,' tal' qual' definido'

por' Houseman' &' Severi' (1998).' Conforme' o' autor,' seriam' exatamente' tais' figuras,'

complexas,' quiméricas,' as' responsáveis' por' suscitar' o' que' ele' chamou' de' “capturing'

imagination”' (Severi' 2004)' –' operação' mental' de' projeção' que,' basicamente,' consiste' em'

“imaginar'o'invisível”'(Demarchi'2009).'

Pois'bem,'inspirada'pelas'“teorias'da'memória”'de'Walter'Benjamin'e'Carlo'Severi,'

perguntoEme:' considerando' o' Festival' Luvale' como' uma' estrutura' fragmentária,' formada'

por' citações,' resíduos,' índices' de' conjuntos' cerimoniais' maiores,' seria' possível' acessar,' a'

partir' desses' seus' “pontos' extremos”,' as' partes' ausentes?' Dito' de' outra' maneira:' em' um'

contexto'de'pósEguerra,'onde'a'vida'e'as'práticas'coletivas,'entre'elas'as'cerimoniais,'estão,'

de'fato,'ainda'em'ruínas'e'sendo'lentamente'reconstituídas,'qual'o'papel'da'festa'hoje'para'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
67
'Os' “objetosEquimeras”,' em' geral,' referemEse' a' máscaras,' instrumentos' musicais' ou' cajados' rituais'
implicados' em' situações' rituais' de' identificação' ou' relação' com' nomes' e' ancestrais.' Constituem' um' suporte'
mnemotécnico' que' tem' como' característica' principal:' a' saliência' visual' determinada' pela' condensação' de'
traços'heterogêneos'em'uma'só'imagem.'Normalmente,'reúnem'um'conjunto'de'índices'visuais'que'mobiliza'a'
imaginação,'ou'a'interpretação'do'que'está'implícito.'''

! 161!
a'preservação'e'transmissão'da'memória'social?'Enfim,'o'dia'dos'filhos'de'Cinyama'é'mesmo'

o'dia'de'“lembrar'a'cultura”'dos'Luvale,'como'queria'a'regedora'Kakenge?'

'

'

'

C.'

[“GRUPOS'CULTURAIS”]'

'

(...)#a#ruína#exibe#a#erosão#pela#história;#reclama,#para#ser#inteligível,#um#olhar#que#
justaponha# passado# e# presente,# satisfaz,# enfim,# a# imaginação,# convidandoVa# a#
preencher#os#espaços#vazios#esculpidos#pela#passagem#do#tempo.##
'
Taylor,'Dom#Quixote#na#América#(2011)'
'

A'meu'ver,'a'noção'de'“ruína”'se'aplica'melhor'que'qualquer'outra'aos'fragmentos'rituais'

encenados' durante' o' Festival' Luvale.' Em' primeiro' lugar,' porque' o' município' do' Alto'

Zambeze'foi'atravessado'por'um'longo'período'de'guerras,'que'não'apenas'deixou'marcas'

na'paisagem'(pontes'destruídas,'construções'abandonadas,'casas'partidas),'mas'também'na'

vida' das' pessoas' (famílias' divididas,' grupos' desfeitos,' práticas' extintas,' memória'

corrompida).'Sobretudo,'nos'anos'em'que'a'UNITA'ocupou'a'região,'entre'1983'e'1985,'e'

1992'e'1995,'o'número'de'pessoas'forçadas'a'refugiarEse'na'Zâmbia68,'ou'em'Luena'(capital'

do' Moxico),' alcançou' níveis' altíssimos.' ContaEse' que' as' sedes' comunais' ficaram' desertas'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
68
'Com' a' guerra' de' libertação' nacional' e' o' longo' período' de' guerra' civil' que' se' seguiu,' cerca' de' 210.000'
angolanos' foram' forçados' a' se' refugiar' na' Zâmbia.' O' distrito' de' Chavuma' (província' Noroeste,' Zâmbia),' um'
dos'principais'pontos'de'entrada'dos'refugiados'angolanos'na'Zâmbia,'viu'a'sua'população'crescer'sete'vezes'
em'cinco'décadas.'Em'1950,'contava'com'3003'residentes;'no'ano'2000,'esse'número'aumentou'para'21.617'
(Silva' 2004).' A' maioria' absoluta' dos' angolanos' refugiados' em' Chavuma' tinha' origem' luvale,' devido' a'
proximidade'desse'distrito'com'o'município'do'Alto'Zambeze.'
'

! 162!
nesses' períodos.' Quer' dizer,' houve' um' total' esfacelamento' da' vida' social' e,' com' isso,' das'

práticas'rituais'e'cerimoniais.'

Embora' a' paz' tenha' sido' decretada' em' 2002,' o' que' se' vê' hoje' no' Alto' Zambeze' é'

ainda' um' cenário' em' reconstrução.' As' pessoas' continuam' regressando' do' exílio' e,'

aparentemente,' esse' processo' só' está' começando.' O' fato' é' que' muitas' famílias' ainda'

encontramEse' “refugiadas”' na' Zâmbia' e' é' possível' que' uma' parte' delas' nunca' retorne' à'

Angola.'Nesse'contexto,'é'raro'encontrar'um'especialista'ritual.'Teriam'ido'todos'para'o'país'

vizinho' e' ficado' de' vez' por' lá?' É' uma' hipótese.' Afinal,' não' é' na' Zâmbia' onde' a' “cultura”'

luvale'“vale”'mais?'

Há,' contudo,' um' segundo' fator' que' contribuiu' e' vem' contribuindo' para' o'

progressivo' desaparecimento' dos' antigos' rituais' e' práticas' cerimoniais' luvale' na' região:' a'

multiplicação' e' difusão' em' larga' escala' dos' mais' diferentes' tipos' de' igreja,' sobretudo' das'

igrejas' evangélicas.' Como' já' mencionei' anteriormente,' segundo' dados' oficiais' da'

Administração' Municipal' do' Alto' Zambeze,' existem' atualmente' cerca' de' 30' igrejas'

funcionando'no'município,'considerando'as'de'origem'católica'e'protestante'(hoje'maioria),'

entre' outras,' a' maior' parte' delas' com' sedes' em' diferentes' bairros' e' comunas.' As' igrejas'

foram' apontadas' por' vários' de' meus' interlocutores' como' as' principais' responsáveis' pelo'

fato' de' quase' não' se' realizarem' mais' rituais' de' mukanda' e' de# mahamba# na' área,'

principalmente' nos' grandes' centros' populacionais,' como' Cazombo' (a' sede' do' município),'

onde'sua'concentração'é'maior.'

Segundo' o' que' me' foi' dito' em' campo,' as' mukanda' que' ainda' se' realizam' no'

município'são'as'chamadas'“mukanda#medicinais”.'Enquanto'as'antigas'mukanda'durariam'

de' quatro' meses' a' um' ano' (Jordán' 1999),' período' no' qual' os' neófitos,' além' de' serem'

cincuncidados,' são' introduzidos' ao' universo' de' conhecimento' masculino,' as' “mukanda'

! 163!
medicinais”' resumemEse' à' operação' de' circuncisão.' Além' de' durarem' muito' menos,' o'

tempo'necessário'para'a'cicatrização'das'feridas,'não'há'a'presença'de'makixi.'ContaEse'que'

os'makixi,'assim'como'os'mahamba,'ambos'tidos'tradicionalmente'como'manifestações'de'

antepassados,'os'primeiros,'na'forma'de'bailarinos'mascarados,'os'segundos,'de'doenças'e'

infortúnios,'são'os'principais'alvos'da'censura'e'perseguição'das'igrejas,'que'os'identificam'

com'a'figura'cristã'do'diabo.'

É' nesse' contexto' do' pósEguerra,' de' reconstrução' lenta' e' gradual' da' vida' e' das'

práticas' socioculturais,' e,' ao' mesmo' tempo,' de' expansão' das' igrejas' evangélicas,' que' os'

fragmentos'de'rituais'coletados'para'serem'exibidos'durante'o'Festival'Luvale'assumem,'a'

meu' ver,' a' forma' de' “ruínas' do' passado”.' Para' apresentáElos' na' festa' foi' preciso,' como'

vimos,'todo'um'trabalho'de'localização'e'mobilização'de'especialistas,'processo'que'ainda'

está' em' curso.' Afinal,' trataEse' de' encontrar' os' remanescentes,' nem' sempre' ainda'

praticantes;' de' mapear' os' que' regressaram' do' exílio;' de' descobrir' os' filhos' e' netos' que'

herdaram'o'conhecimento'de'seus'“mais'velhos”.''

Em' 2013,' existiam,' principalmente,' cinco' “grupos' culturais”' organizados' no'

município' para' apresentar' peças' durante' o' Festival.' Dois' deles' eram' de' Cazombo,' dois' de'

Cavungu'e'um'de'LumbalaEKakengue'–'as'principais'comunas'com'predominância'luvale'na'

região.' Todos' tinham' em' comum' o' fato' de' organizaremEse' em' torno' de' um' ou' dois'

especialistas.' Assim,' o' grupo' das' nyakandanji' do' Cazombo' era' liderado' por' Brevinta' Rosa,'

que' acumulava' em' sua' biografia' não' apenas' o' fato' de' ser' filha' de' uma' antiga' importante'

quimbandeira#(especialista'em'rituais'de'mahamba),'mas'também'de'ter'sido'submetida'a'

uma'terapia'ritual'de'longa'duração'depois'de'uma'série'de'partos'mal'sucedidos.'Já'o'NEJAZ'

ou'“grupo'da'escola”,'também'da'comuna'de'Cazombo,'tinha'na'figura'de'Antônio'Ngunga,'

bailarino' experiente,' recémEretornado' do' exílio' na' Zâmbia,' a' sua' principal' referência.' Por'

! 164!
sua' vez,' o' grupo' das' chamadas' “mamães' do' mahamba”,' proveniente' do' bairro' Cisasa'

(Cavungu),' era' representado' por' Gertrude' Cisola,' possivelmente' a' quimbandeira# de' maior'

reputação'em'atividade'no'Alto'Zambeze'(Angola)'àquela'altura.'Havia,'ainda,'o'grupo'dos'

tundandji,' de' Cavungu,' o' qual' era' coordenado' por' Eduardo' Samwambila,' profundo'

conhecedor' dos' rituais' de' mukanda.' E,' por' fim,' o' grupo' das' nyakandandji' de' LumbabalaE

Kakengue,'que'tinha'à'frente'Lili'Samutela'e'seu'filho'Ninja,'que'era'o'principal'bailarino'de'

makixi#do'município,'e'também'Cristina'Tumba,'especialista'em'rituais'de'mwali.69'

' Os' grupos' femininos' de' Cazombo,' Cavungu' e' LumbalaEKakengue' possuíam' uma'

composição'e'organização'similares.'Eram'compostos'por'mulheres'de'meiaEidade,'mães'de'

família,' algumas' delas' sendo,' reconhecidamente,' respeitáveis' especialistas' rituais.' Todas,'

entretanto,' aparentavam' ter,' em' algum' nível,' um' certo' conhecimento' ritual,' o' que' se'

expressava'na'sua'propriedade'com'relação'aos'cantos,'danças'e'demais'ações'ritualísticas'

que' compunham' o' repertório' praparado' para' ser' apresentado' durante' o' Festival.' Quando'

me'reuni'com'o'grupos'das'“mamães#do#mahamba”,'no'bairro'Cisasa,'em'Cavungu,'percebi'

que' aquelas' mulheres' mantinham' laços' que' ultrapassavam' os' do' grupo.' Dito' de' outra'

forma,'elas'já'formavam'um'grupo'antes'de'se'juntarem'para'participar'dos'Festivais'Luvale.'

Segundo'me'contaram,'todas'ou'quase'todas'tinham'passado'por'um'tratamento'de'longa'

duração' para' curar' problemas' reprodutivos,' conduzido' por' Gertrude' Cisola,' que' era'

justamente' a' líder' do' grupo,' e,' por' isso' mesmo,' podiam' auxiliáEla' em' novos' tratamentos,'

dos'quais,'eventualmente,'ela'estivesse'à'frente.''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
69
'Ao'longo'do'trabalho'de'campo'que'realizei'no'Alto'Zambeze,'entrei'em'contato'com'todos'esses'grupos.'Em'
2013,' desloqueiEme' até' Cavungu' para' conversar' pessoalmente' com' Eduardo' Samwambila' e' também' com'
Gertrude' Cisola' e' as' demais' “mamães' do' mahamba”;' e' até' LumbalaEKakengue' para' entrevistar' o' bailarino'
Ninja'e'as'nyakandandji'do'grupo'de'Lili'Samutela'e'Cristina'Tumba.'No'caso'de'Brevinta'Rosa'e'as'mulheres'do'
grupo' feminino' do' Cazombo,' e' também' de' João,' Tozé' e' Antônio' Ngunga,' do' “grupo' da' escola”,' reuniEme'
diversas'vezes'com'eles'tanto'em'2012'como'em'2013,'uma'vez'que'a'minha'base'ficava'naquela'comuna.'

! 165!
' Turner'(1957,'1968),'em'sua'etnografia'ndembu,'chama'a'atenção'para'o'fato'de'que'

os' chamados' “rituais' de' aflição”,' voltados' para' a' superação' de' infortúnios' –' como' a' máE

sorte'na'caça,'no'caso'dos'homens,'ou'problemas'reprodutivos,'no'caso'das'mulheres'–'e'

também'para'o'tratamento'e'cura'dos'mais'variados'tipos'de'doenças,'eram'realizados'por'

“grupos' culturais' ocasionais' e' efêmeros”' ou' “associações' de' culto”' ' (Turner' 1968:15E16).'

Cada'um'desses'grupos,'segundo'Turner,'reunia'pessoas'que'foram'atingidas'por'um'mesmo'

tipo' de' “aflição”' e' que' se' tornaram,' mais' tarde,' adeptos' e' especialistas' do' ritual'

correspondente.'Em'geral,'apresentavam'uma'hierarquia'interna'determinada'pelo'prestígio'

ritual'de'cada'um'de'seus'membros'e'tinham'na'figura'de'um'“curandeiro'principal”'a'sua'

referência' mais' importante.' O' pertencimento' a' uma' associação' de' culto' não' era'

determinado' pela' filiação' a' grupos' de' parentesco' específicos' ou' pela' residência' em' uma'

mesma'aldeia;'ao'contrário,'seus'adeptos'procediam'de'várias'partes'do'território'tribal,'o'

que' levou' Turner' a' afirmar' que' “the' ultimate' unity' os' all' Ndembu' is' expressed' in' the'

composition'of'ritual'assemblies”'(Turner'1957:290).''

' Seriam' os' atuais' “grupos' culturais”' participantes' dos' festivais' da' “cultura”' uma'

atualização'das'“associações'de'culto”'de'Turner?'A'meu'ver,'esse'é'exatamente'o'caso'das'

“mamães'do'mahamba”.'Como'mencionei,'todas'elas'tinham,'em'algum'momento'da'vida,'

passado' pelo' mesmo' tipo' de' tratamento,' voltado' para' a' superação' de' problemas'

reprodutivos,' sob' os' cuidados' de' Gertrude' Cisola.' E,' eventualmente,' auxiliavamEna,' na'

condução'de'novos'procedimentos'rituais'do'mesmo'tipo.'Inclusive,'na'ocasião'em'que'me'

reuni' com' elas' no' bairro' Cisasa,' na' comuna' de' Cavungu,' havia' uma' gestante' recolhida.'

Gertrude'Cisola'me'levou'pessoalmente'até'a'beira'do'cipango'–'a'palhoça'de'palha'própria'

para'a'reclusão'da'paciente'–'para'que'pudesse'confirmar'e'registrar'o'fato'(ver'Figs.'54E57).'

! 166!
Não'tenho'como'afirmar'se'o'mesmo'se'aplica'aos'grupos'femininos'de'Cazombo'e'

de'LumbalaEKakengue,'mas'é'muito'provável'que'sim,'ou'que,'ao'menos,'as'mulheres'que'

compõem' esses' conjuntos' mantenham' entre' si' laços' em' diferentes' contextos' rituais,' pelo'

conhecimento' que' detêm' por' já' terem' passado' por' um' mesmo' tipo' de' tratamento' ou' de'

iniciação,'ou'simplesmente'por'compartilharem'o'fato'de'serem'nyakandandji,'i.e.'mãe'de'

um' menino' cincuncidado 70 .' Curioso' notar' que,' de' maneira' geral,' todos' esses' grupos'

femininos' também' coincidiam' com' os' núcleos' da' OMA' (Organização' das' Mulheres' de'

Angola/MPLA)'de'cada'uma'das'comunas'das'quais'são'procedentes.'Ou'seja,''é'possível'que'

os' grupos' formados' por' pessoas' que' mantêm' ou' que' já' mantiveram' relações' em' rituais'

específicos' estejam' sendo' ressignificados' contemporaneamente' e' identificados' através' de'

novos'rótulos'pela'sua'inserção'em'diferentes'contextos.'É'uma'hipótese,'que'infelizmente'

não'pude'confirmar'durante'o'meu'trabalho'de'campo'e'que,'por'isso,'fica'em'aberto'para'

uma'futura'incursão'de'pesquisa'no'Alto'Zambeze.''

''Voltando'à'discussão'sobre'as'“peças'culturais”'exibidas'durante'os'Festivais'Luvale'

de'2012'e'2013,'de'todas'as'conversas'que'realizei'com'cada'um'dos'grupos'de'Cazombo,'

Cavungu' e' LumbalaEKakengue,' ao' menos' uma' teve' como' foco' principal' os' fragmentos' de'

rituais'por'eles'apresentados'nos'eventos'daqueles'anos.'À'medida'que'me'contavam'sobre'

aquelas'peças,'tive'acesso'a'uma'série'de'informações'referentes'aos'complexos'rituais'aos'

quais' elas' estavam' associadas.' Naquele' momento,' tive' certeza' de' que,' com' exceção' do'

“grupo' da' escola”,' que' era' formado' por' meninos' e' meninas' muito' jovens' e' que,'

basicamente,' reproduzia' os' números' apresentados' pelos' grupos' culturais' zambianos,' os'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
70
'As' mães' dos' neófitos' da' cincuncisão,' que' carregam' o' título' de' nyakandandji# (sing.' nyatundandji)' –' o' qual'
significa' exatemente' “mãe' do' iniciado”' (Cameron' 1998a)' –,' desempenham' um' papel' especial' nos' rituais' de'
mukanda'e,'segundo'Cameron,'a'execução'de'suas'tarefas'e'o'cumprimento'de'suas'proibições'nesse'contexto'
podem'afetar'diretamente'a'saúde'e'o'bem'estar'de'seus'filhos'(Cameron'1998a:81).'Para'saber'mais'sobre'o'
papel'das'nyakandandji#nos'rituais'de'mukanda,'ver'Cameron'(1998a,'1988b).'

! 167!
demais' eram' formados' por' conjuntos' de' especialistas,' mais' ou' menos' graduados,' que'

dominavam'o'conhecimento'ritual'sobre'o'qual'baseavam'suas'peças.'Não'por'acaso,'eles'

foram'capazes'de'me'fornecer'extensas'exegeses.''

No'clássico'Naven,'de'Gregory'Bateson,'há'uma'passagem'em'que'o'autor'ressalta'o'

fato'do'significado'ritual'das'cerimônias'iatmul'ser'comumente'ignorado'pela'maior'parte'de'

seus'oficiantes:'“somente'alguns'poucos'homens'estavam'conscientes'da'–'ou'interessados'

na' –' importância' ritual”' (Bateson' 2008:180).' No' caso' dos' especialistas' luvale' com' quem'

conversei,'eles'não'apenas'compartilharam'comigo'as'suas'teorias'sobre'os'significados'das'

ações,'objetos,'danças'e'cantos'por'eles'exibidos'durante'o'Festival'Luvale,'mas'também'os'

detalhes'das'sequências'rituais'das'quais'aqueles'fragmentos'foram'extraídos.'Ou'seja,'eles'

foram'capazes'de'reconstituir'as'partes'ausentes'ou'ocultas'das'suas'peças'culturais.'Nesse'

sentido,'assemelhamEse'aos'colecionadores'de'Benjamin'(2006),'que'veem'em'cada'uma'das'

peças' de' suas' coleções' uma' “enciclopédia' mágica”' (Benjamin' 2006:241),' um' “dicionário'

secreto”'(2006:245).'

Gostaria' aqui' de' referirEme' a' um' último' apontamento' de' Benjamin' (2006),' que'

acredito' ser' interessante' para' a' nossa' discussão.' Segundo' ele,' a' topografia' de' Paris' na'

passagem'do'século'XIX'para'o'XX'podia'ser'vista'como'a'“chave”'de'uma'cidade'invisível,'

equivalente' ao' subsolo' da' capital,' das' “abóbadas' antigas,' minas' de' calcário,' grutas,'

catacumbas”'(Benjamin'2006:124);'enfim,'dos'canais'de'esgoto,'dos'tuneis'do'metrô'e'toda'

uma' teia' de' galerias' subterrâneas,' algumas' delas' até' hoje' conservadas' para' passeios' e'

visitações,'muitas'vezes'identificadas'com'o'nome'das'ruas'e'avenidas'a'que'correspondiam'

na'superfície.'

Para'além'da'metáfora'da'coleção,'creio'que'a'da'topografia'(de'Paris)'também'seja'

fértil' para' se' pensar' o' Festival' Luvale,' na' medida' em' que' nos' ajuda' a' ver' o' script' do'

! 168!
espetáculo' como' um' mapa' de' todo' o' complexo' cerimonial' e' ritual' desse' povo.' Minha'

hipótese'é'que'esse'mapa,'assim'como'as'figuras'quiméricas'observadas'por'Severi'(2002,'

2003,'2004,'2006),'seja'pontuado'por'índices'capazes'de'mobilizar'as'suas'partes'implícitas'

ou' invisíveis,' guardadas' nas' cabeças' de' algumas' pessoas.' Se' estiver' correta,' o' Festival'

constitui' uma' estrutura' complexa' na' medida' em' que' condensa' em' sua' composição' séries'

inteiras'dos'mais'diferentes'rituais'luvale.''

Na'próxima'seção,'discuto'as'“peças'culturais”'exibidas'nos'Festivais'de'2012'e'2013'

que' remetem' aos' três' mais' importantes' complexos' rituais' luvale,' a' saber:' os' rituais' de'

mukanda,'de'mwali'e'de#mahamba.''

'

'

'

D.'

[MUKANDA]'

'

Os' rituais' de' mukanda' (pl.' mikanda)' encontramEse' bem' documentados' na' literatura'

especializada' no' Alto' Zambeze' e' no' Alto' Kasai,' tidos' como' um' dos' principais' traços'

transculturais' dos' povos' que' habitam' a' área.' Dentre' os' inúmeros' registros' sobre' o' tema,'

encontramEse' os' trabalhos' de' Baumann' (1932),' Delille' (1944)' e' Borgonjon' (1945,' 1962),'

entre'os#Cokwe;'de'Delile'(1930),'Gluckman'(1949),'White'(1953)'e'Mwondela'(1972),'entre'

os#Luvale;'de'Kubik,'entre'os'Lucazi'(1981);'e'de'Turner'(2005'[1967]),'entre'os'Ndembu.'Já'

em' relação' a' pesquisas' realizadas' com' povos' vizinhos,' como' os' Holo,' os' Yaka' e' os' Pende,'

importantes' são' as' contribuições' de' Burgeoise' (1984),' Batulukisi' (1998)' e' Strother' (1998),'

respectivamente.''

! 169!
Em' sua' clássica' categorização' dos' rituais' ndembu,' Victor' Turner' incluiu' a' mukanda'

entre' os' chamados' “rituais' de' crise' de' vida”,' tipicamente' liminares,' que' compreendem'

ainda' as' cerimônias' funerárias' e' o' ritual' feminino' de' iniciação' à' fase' adulta' (mwali).'

Segundo'Turner'(1968),'os'“rituais'de'crise'de'vida”,'mais'do'que'qualquer'outro,'espelham'

os' valores' fundamentais' da' sociedade' ndembu,' constituindo' alguns' de' seus' principais'

emblemas' distintivos.' “The' importance' that' matriliny,' virilocality,' seniority,' masculinity,'

femininity,'affinity,'village'solidarity'and'others'principles'(...)'can'only'be'fully'understood'

after'we'have'closely'examined'the'symbolism'and'role'structure'of'an'important'lifeEcrisis'

ritual.”'(Turner'1968:198)''

De'forma'geral,'o'termo#mukanda'aparece'na'literatura'não'apenas'para'designar'o'

complexo' ritual' de' iniciação' masculina' realizado' pelos' povos' daquela' macrorregião' citada'

acima,' mas' também' e,' ao' mesmo' tempo,' o' próprio' acampamento' montado' em' área'

afastada' da' comunidade,' longe' do' alcance' das' mulheres' e' dos' nãoEiniciados,' onde' os'

neófitos' (tundandji)' ficam' recolhidos' sob' o' cuidado' e' proteção' de' especialistas,' por' um'

período'que,'no'passado,'podia'passar'de'um'ano'(Jordán'1999,'2006;'Turner'2005).'Assim'

como' Turner' (1968),' todos' os' autores' a' que' tive' acesso' descrevem' a' mukanda' como' um'

típico' ritual' de' passagem,' na' acepção' de' Gennep' (1978),' apresentando' três' fases' bem'

definidas'e'distintas.'Segundo'tal'esquema,'na'primeira'fase,'os'neófitos'são'objetivamente'

separados' de' suas' mães' e,' simbolicamente,' de' sua' infância,' através' da' circuncisão.' Na'

segunda,' imergem' em' um' longo' período' de' reclusão,' durante' o' qual' são' introduzidos' no'

universo'de'conhecimento'masculino.'Finalmente,'na'terceira'fase,'são'reintegrados'à'vida'

social.''

! 170!
Alguns' autores' enfatizam' o' caráter# formativo' da' mukanda,' definindoEa' por' termos'

como'“instituição'educacional”'(Jordán'2006:20),'ou'mesmo'como'“escola”'(Wele'1993:33).'

Nesse'sentido,'afirma'Patrick'Wele:''

'
During' the' period' of' seclusion' the' students' are' heavily' introduced' to' adult' life.'
Handicrafts' are' also' taught' –' such' as' woodEcarving,' maskEmaking,' weaving,'
basketry,' pottery' and' ironEmaking.' Many' sporting' games' are' also' introduced' to'
enable'the'studants'to'achieve'maximum'aptitude.'The'most'interesting'is'tusona'
which'constitutes'a'tradition'of'ideographic'writing.'[Wele'1993:36]''
'

De'maneira'similar,'escreve'Manuel'Jordán:'

'
Mukanda' serves' as' an' educational' institution' where' the' initiates' learn' about'
manhood,'sexuality,'and'the'eventual'roles'they'will'fulfill'as'husbands'and'fathers.'
They' learn' as' well' about' matters' that' range' from' hunting' skills' to' historical'
narratives' and' ethical' principles.' A' significant' emphasis' is' also' placed' on' religion,'
the' spiritual' and' its' manifestations' –' ancestrals' masquerades' bringing' the' boys'
firsthand'experience'of'the'realm.'[Jordán'2006:20]'
'

Jordán' (1998,' 1999,' 2006),' sobretudo,' destaca' o' papel' central' dos' makixi' no'

contexto'da'mukanda,'desempenhando'funções'específicas'ao'longo'de'todas'as'etapas'do'

ritual.'Uma'das'principais'delas'seria'a'mediação'que'exercem'entre'os'universos'interno'e'

externo' à' mukanda,' ou' seja,' entre' homens' e' mulheres,' e' iniciados' e' nãoEiniciados,' ora'

contribuindo'para'aumentar'a'tensão'entre'eles,'ora'para'suavizar.'Segundo'o'autor,'agindo'

nessa' zona' intermediária,' eles' acabam' por' delimitar' esses' dois' campos,' reforçando' suas'

diferenças' e' complementaridades.' Os' makixi# seriam,' ainda,' os' principais' protetores' dos'

neófitos,' introduzindoEos,' ao' longo' de' sua' reclusão,' em' um' conhecimento' especializado,'

relacionado,' sobretudo,' ao' mundo' espiritual' (Jordán' 2006:21).' Por' fim,' não' são' poucos' os'

exemplos' na' literatura' que' confirmam' o' fato' dos' makixi# constituírem,' talvez,' o' mais'

importante'traço'interétnico'dos'rituais'de'mukanda,'uma'vez'que,'quase'sempre,'boa'parte'

dos'makixi'presentes'na'mukanda'de'um'determinado'grupo'são'oriundos'de'outros.'Nesse'

! 171!
sentido,'afirma'Turner,'em'sua'descrição'de'uma'mukanda'ndembu:'“a'maioria'dos'[makixi]'

que' se' veem' hoje' em' Mwinilunga,' disseEme' ele' [Muchona],' foi' emprestada' dos' Luvale”'

(Turner'2005:309).'

Embora' o' acampamento' da# mukanda' seja' interdito' às' mulheres,' elas' também'

desempenham'importante'papel'ao'longo'de'todo'o'ritual,'sobretudo,'as'mães'dos'neófitos,'

chamadas' nyakandandji.' A' principal' referência' sobre' o' tema' do' papel' das' mulheres' na'

mukanda' e,' também,' da' relação' desse' ritual' com' as' tensões' de' gênero' entre' os' Luvale,' é'

Cameron'(1998a,'1998b).''

' A'mukanda'é'o'ritual'mais'“citado”'durante'o'Festival'Tradicional'Luvale.'Reunindo'o'

conjunto' de' fragmentos' que' remetem' a' esse' ritual' durante' a' festa,' poderíamos' dizer' que'

ele' se' encontra' ali' representado' quase' que' em' sua' totalidade,' embora' de' forma'

condensada.' Os' trechos' da' mukanda' desempenhados' ao' longo' do' Festival' referemEse,'

basicamente,'às'etapas'inicial'e'final'do'ritual,'precisamente,'ao'dia'em'que'os'neófitos'são'

levados'à'reclusão'e'àquele'em'que'eles'são'reintroduzidos'na'vida'ordinária.'OcultamEse,'

portanto,' todas' as' ações' que' constituem' o' período' de' recolhimento' dos' neófitos'

propriamente'dito.'

Entre' os' fragmentos' associados' ao' dia' em' que' os' neófitos' são' postos' em' reclusão,'

destacaEse'o'cortejo'dos'makixi,'que,'tanto'em'2012,'como'em'2013,'ocorreu'um'dia'antes'

da'abertura'oficial'do'Festival.'Recordemos'que'os'maxixi#saíram'do'cemitério'real,'que'fica'

cerca' de' 20' km' do' centro' de' Cazombo,' caminhando' em' procissão,' até' adentrarem' a' vila,'

arrastando' uma' pequena' multidão' em' seu' trajeto.' O' cortejo' não' parou' aí,' mas' cruzou' as'

principais'ruas'do'centro'de'Cazombo,'parando'eventualmente'para'que'um'ou'outro'likixi'

realizasse' uma' ação' específica,' como' a' “caça”' por' prendas' dentro' do' jacaré' de' areia'

(lihanga)' (ver' pág.' 91)' e' o' rompimento' da' cabaça' carregada' de# imbukwa' (bebida'

! 172!
fermentada)'(ver'pág.'92).'

Por' sua' vez,' entre' os' fragmentos' associados' ao' dia' em' que' os' neófitos' são'

“reintegrados' à' sociedade”,' destaco,' em' primeiro' lugar,' o' número' de' dança' apresentado'

pelo'grupo'cultural'liderado'por'Eduardo'Samwambila,'de'Cavungu,'que'remete'à'aparição'

pública'dos'neófitos'no'fim'de'sua'reclusão,'confirmando'o'sucesso'do'ritual.'Como'vimos,'

um' conjunto' de' cinco' meninos,' entre' nove' e' doze' anos,' representaram' os' tundandji' –' os'

neófitos'da'circuncisão.'Pintados'da'cabeça'aos'pés'e'portando'o'jizombo'(saiota'de'palha),'

eles' dançaram' a' kuhunga' –' dança' tradicionalmente' ensinada' aos' tundandji' pelos# makixi#

Cikuza'(no'caso'de'mukanda'cokwe)'e'Kalelwa'(no'caso'de'mukanda'luvale).'A'apresentação'

do'número'de'dança'do'grupo'de'Eduardo'Samwambila'ocorreu'apenas'no'Festival'de'2013,'

compondo'a''chamada'“programação'cultural”'do'evento,'que'teve'início'no'dia'da'abertura'

da'festa,'prolongandoEse'por'mais'dois'ou'três'dias.''

O' grande' baile' de' makixi,' conhecido' pelos' Luvale' como' cilende,' sobre' o' qual'

discorremos'longamente'no'capítulo'anterior,'é'também'original'da'etapa'final'do'complexo'

ritual' da' mukanda,' ocorrendo' imediatamente' antes' da' apresentação' dos' neófitos' à'

comunidade' (Cameron' 1998b).' Já' no' contexto' do' Festival,' levando' em' consideração' as'

edições'de'2012'e'2013,'o'cilende'ocorreu,'como'vimos,'em'duas'ocasiões:'no'dia'anterior'à'

abertura' oficial' do' evento,' logo' após' o' grande' cortejo' dos' makixi;' e' como' desfecho' da'

“programação'cultural”'da'festa.'Em'ambos'os'casos,'constituiu'um'espaço'para'a'exibição'

dos'mais'diferentes#makixi,'que'apresentaram,'um'após'o'outro,'a'sua'dança'característica.'

Todas'as'peças'relativas'à'mukanda'apresentadas'durante'o'Festival'–'considerando'

tanto'aquelas'que'remetem'ao'dia'em'que'os'neófitos'são'levados'à'reclusão,'como'aquelas'

associadas' a' sua' reintrodução' à' comunidade' –' servem,' segundo' Eduardo' Samwambila' (o'

líder' do' grupo' cultural' de' Cavungu),' para' mostrar' como' eram' os' rituais' de' mukanda# do'

! 173!
passado.' Em' uma' conversa' que' tivemos' após' o' Festival' de' 2013,' ele' me' disse:' “Por' isso,'

estamos' a' lembrar,' a' lembrar...' para' todos' verem' que' afinal' os' Luvale' faziam' assim'

antigamente”.''

No'contexto'atual'em'que'não'se'fazem'mais#mukanda'com'presença'de'makixi'e'em'

que'elas'não'são'mais'um'espaço'para'a'formação'e'introdução'dos'neófitos'em'um'amplo'

campo'de'conhecimento,'a'festa'tem,'para'Samwambila,'um'sentido'especial.'“Essa'cultura'

pode'desaparecer'quando'esses'mais'velhos'não'estiverem'mais'aqui”,'afirmou,'apontando'

para'um'senhor'que'o'acompanhou'durante'toda'a'nossa'conversa'no'pátio'externo'de'sua'

casa'em'Cavungu.'“Já'não'se'fazem'mais'mukandas'como'antes;'hoje'em'dia,'estão'quase'a'

meter'[os'tundandji]'dentro'da'própria'casa”,'concluiu.''

Um' indício' de' que' o' conhecimento' transmitido' dentro' da' antigas' mukanda# vem'

desaparecendo'é,'para'Samwambila,'o'fato'das'crianças'de'hoje,'mesmo'já'tendo'passado'

pela# circuncisão,' fugirem' de' medo' quando' veem' um' likixi.' Segundo' ele,' no' passado,' uma'

criança'circuncidada,'que'convivera'com'palhaços'durante'o'longo'período'de'sua'reclusão,'

não'teria'o'menor'problema'para'se'relacionar'com'eles'em'encontros'futuros.'

Em' minhas' conversas' com' os' integrantes' dos' grupos' culturais' angolanos' após' o'

Festival'de'2013,'tive'acesso'a'uma'série'de'informações'e'dados'sobre'as'antigas'mukanda'

e' sobre' o' conhecimento' a' elas' associado.' Esses' dados' e' informações' foram' “lembrados”'

pelos' meus' interlocutores' à' medida' em' que' eles' me' “explicavam”' a' procedência' e' os'

sentidos'de'cada'um'dos'fragmentos'da'mukanda'exibidos'durante'o'Festival.'Por'exemplo,'

o'bailarino'Ninja,'de'LumbalaEKakengue,'ao'se'referir'ao'cortejo'dos'makixi'no'dia'anterior'a'

abertura'do'Festival,'lembrouEse'do'mito'de'origem'de'um'dos'palhaços#que,'segundo'ele,'

não'podem'faltar'numa#mukanda'luvale,'a'saber:'Cileya'(o'idiota).''

De'acordo'com'esse'mito,'Cileya'era'o'nome'de'uma'criança'com'problemas'mentais,'

! 174!
“tipo'maluco”.'Num'dia'em'que'as'mulheres'da'aldeia'tinham'ido'trabalhar'nas'lavras,'ele'

teve' a' ideia' de' colocar' uma' cabaça' na' cabeça.' Vestido' dessa' maneira,' apareceu' para' os'

demais'“miúdos”'da'aldeia'e'começou'a'dançar'para'divertiElos.'As'crianças'presentearamE

no'com#jinguba'(amendoim),'batata,'e'outras'coisas'de'comer.'Contudo,'um'tempo'depois,'

algumas' delas' contaram' aos' seus' “mais' velhos”' o' que' Cileya' vinha' fazendo' e' estes'

resolveram'confirmar'o'que'as'crianças'contaram.'No'dia'seguinte,'quando'Cileya'“meteu'o'

palhaço”,'os'mais'velhos'o'apanharam'e'o'levaram'até'o'soba'da'aldeia,'dizendo:'“Olha'o'

que' este' miúdo' está' a' fazer,' está' metendo' palhaço' e' pegando' coisas' com' as' outras'

crianças”.'Então,'o'soba'disse:'“Como'este'tem'dificuldade'para'arrumar'comida,'a'partir'de'

hoje'vamos'deixáElo'mesmo'assim,'e'dar'o'nome'de'Cileya'ao'seu'palhaço”.'“É'por'isso'que'

Cileya' não' pode' faltar' na' mukanda”,' disse' Ninja:' “é' ele' que' vai' dançar' nos' bairros' para'

conseguir'comida'e'depois'levar'para'o'acampamento”.71'

' Eduardo'Samwambila,'por'outro'lado,'referindoEse'ao'número'que'apresentou'com'

seu' grupo' no' Festival' de' 2013,' lembrou' de' um' outro# likixi' original' das' mukanda' luvale:'

Kalelwa.' Segundo' ele,' Kalelwa' não' é' apenas' o' responsável' por' ensinar' a' kuhunga' aos'

iniciados' (a' dança' que' os' tundandji' apresentam' ao' final' da' reclusão' e' que' o' grupo' de'

Samwambila'reproduziu'durante'o'Festival),'mas'também'por'protegêElos.'Assim,'durante'o'

período' de' reclusão' dos# tundandji,# que' podia' durar' até' um' ano,' era' comum' eles' serem''

escoltados'por'Kalelwa'–'algumas'vezes,'em'companhia'de'um'Cikuza'emprestado'de'grupos'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
71
'Segundo' Ninja,' são' três' os' makixi' que' não' podem' faltar' numa' mukanda# luvale,' além' de' Cileya,' Ndondo'
(também'tido'como'um'idiota)'e'Katotola'(o'chefe).'Enquanto'Cileya'possuiria'uma'função'utilitária,'sendo'o'
principal' responsável' por' levar' comida' para' dentro' da' mukanda,' Ndondo' teria' uma' função' moralizante' e'
pedagógica.' Ele' “ensina”' aos' neófitos' que' se' estes' algum' dia' furtarem' ou' roubarem' ficarão' com' a' barriga'
inchada'como'a'sua.'De'fato,'a'principal'característica'morfológica'de'Ndondo'é'a'sua'barriga'protuberante'e'
contaEse'que'ela'é'resultado'de'um'envenenamento'devido'ao'seu'comportamento'delitoso'(ver'pág.'143).'Já'
Katola' seria' aquele' que' confere' autoridade' à' mukanda,' uma' vez' que' representa' um' ancestralEchefe' de'
linhagem'(ver'pág.'145).''

! 175!
Cokwe 72 '–' para' irem' até' as' aldeias' das' famílias' de' seus' pais' ou' de' suas' mães,' onde'

comeriam' alguma' coisa' e' voltariam' no' dia' seguinte.' No' caminho,' caso' alguém' ousasse'

entrar'em'contato'com'os'neófitos,'aqueles'makixi#revidavam,'ameaçandoEos'com'um'facão'

ou'um'galho'de'árvore.'

' Foi,' no' entanto,' Brevinta' Rosa,' quem' me' elucidou' a' maneira' específica' como' o'

Festival'vem'desempenhando'um'papel'no'armazenamento'e'na'transmissão'de'complexos'

rituais.'Mas'precisamente'foi'ela'quem'me'esclareceu'a'maneira'como'os'fragmentos'rituais'

exibidos' durante' a' festa' conectamEse' a' conjuntos' cerimoniais' maiores.' Em' uma' de' nossas'

conversas' sobre' o' Festival,' Brevinta' me' disse' que,' embora' muitas' partes' do' ritual' de'

mukanda' sejam' apresentadas' na' festa,' ele,' contudo,' não' aparece' na' íntegra' naquele'

contexto.' Em' suas' próprias' palavras:' “os' palhaços' não' apresentam' todos' os' rituais' da'

circuncisão' no' dia' da' festa,' só' algumas' partes,' as' mais' fáceis;' aquelas' que' são' complexas,'

que'dão'mais'trabalho,'não'são'apresentadas,'mas'se'tem'ocultado”.'Em'relação'ao'cortejo'

dos'makixi'que'ocorre'no'dia'anterior'à'abertura'do'Festival,'Brevinta'me'disse'que,'embora'

ele'remeta'às'ações'do'primeiro'dia'de'uma'mukanda'luvale,'haveria'uma'série'dessas'ações'

que'não'são'desempenhadas'no'contexto'do'Festival.'

' Segundo' Brevinta,' no' primeiro' dia' de' uma' mukanda' acontece' exatamente' a'

sequência'de'ações'que'descrevo'a'seguir.'Em'primeiro'lugar,'o'palhaço'chamado'Cileya'(o'

idiota)'surge'na'aldeia'para'“brincar”'com'as'nyakandandji'e'divertir'o'povo.'Depois'disso,'

ele'vai'até'o'cemitério'e'volta'de'lá'com'os'demais'makixi'em'procissão,'tendo'Katotola'(o'

chefe)' à' frente.' Assim' que' Katotola' aparece' na' aldeia,' ele' encontra' a' “líder”' das'

nyakandandji,'que'o'espera'com'uma'galinha'(ou'galo)'nas'mãos.'Enquanto'a'mulher'segura'

a'galinha'pela'cabeça,'Katotola'puxa'o'bicho'na'direção'contrária,'sacrificandoEo'em'praça'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
72
'Além' do# likixi' Kalelwa,' de' procedência' luvale,' o' likixi# Cikuza,' de' procedência' Cokwe,' é' conhecido' por'
desempenhar'funções'similares'na'mukanda,'de'protetor'dos'neófitos'e'instrutor'da'kuhunga'(ver'pág.'144).''

! 176!
pública.' A' primeira# fica' com' a' cabeça' da' ave,' enquanto' o' palhaço' segue' com' o' resto' do'

corpo,' continuando' sua' perambulação' pela' vila.' Pouco' depois,' ele' encontra' o' lihanga# (o'

jacaré'de'areia)'que'fora'preparado'pelas'nyakandandji.'Em'sua'caça'às'prendas'escondidas'

no' corpo' da' figura' esculpida' na' areia,' ele' descobre,' além' de' uma' série' de' outros' artigos,'

uma' nova' galinha,' que' é' sacrificada' da' mesma' forma' que' o' foi' a' primeira.' Finalizada' essa'

ação,' Katotola' segue' em' frente' e' chega' a' um' novo' ponto' onde' encontra' uma' cabaça'

carregada'de'imbukwa#(bebida'fermentada).'Com'um'único'golpe,'ele'rompe'essa'cabaça,'

encharcando'o'solo'em'oferta'aos'ancestrais.'Por'fim,'encontra'um'cabrito,'o'qual'também'é'

por'ele'sacrificado.''

Em'primeiro'lugar,'devemos'notar'que'a'sequência'descrita'por'Brevinta'acerca'do'

primeiro'dia'de'uma'mukanda'luvale'refereEse'apenas'às'ações'que'acontecem'na'presença'

do'público.'Quer'dizer,'àquelas'que'são'realizadas'na'zona'de'interação'entre'os'makixi#e'as'

nyakandandji.'Além'disso,'embora'essa'sequência'seja'similar'àquela'desempenhada'pelos'

makixi#durante'o'seu'cortejo'no'dia'anterior'à'abertura'do'Festival'Luvale,'ela'contém'ações'

que' não' aparecem' nesse' último' contexto,' a' saber:' a' aparição' de' Cileya' antes' dos' demais'

makixi'e'os'sacrifícios'das'duas'galinhas,'realizados'por'Katotola'em'conjunto'com'a'“líder”'

das'nyakandandji.73''

Acredito'que'esse'tipo'de'operação,'de'supressão'de'algumas'ações'rituais,'constitua'

uma' espécie' de' padrão' do' processo' de' elaboração' das' “peças' culturais”' apresentadas' no'

Festival.' Segundo' esse' padrão,' cada' fragmento' de' ritual' desempenhado' durante' o' evento'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
73
'O'sacrifício'do'carneiro'é'o'único'dos'três'sacrifícios'que'ocorreriam'no'primeiro'dia'de'uma'mukanda'luvale'
que' se' mantém' na' composição' do' Festival.' No' entanto,' ele' não' é' desempenhado' junto' às' demais' ações'
executadas' no' dia' do' cortejo' dos' makixi' (como' a' caça' às' prendas' no' lihanga' e' o' rompimento' da' cabaça).' O'
sacrifício' do' carneiro,' como' vimos' no' segundo' capítulo' da' tese' (pág.' 99),' é' uma' das' ações' que' marca' a'
abertura' oficial' do' Festival,' ocorrendo' em' meio' à' arena' na' vambunda,' a' frente' de' todo' o' povo' e' das'
autoridades' presentes.' Há,' portanto,' um' alargamento' daquela' sequência' original' (do' primeiro' dia' de' uma'
mukanda'luvale),'fazendo'com'que'algumas'ações'ocorram'no'dia'do'cortejo'e'outras,'mais'precisamente,'o'
sacrifício'do'carneiro,'no'dia'da'abertura'do'Festival.''
'

! 177!
contém'séries'inteiras'de'ações'“ocultas”'entre'aquelas'que'são'de'fato'realizadas.'Dito'de'

outra'forma,'cada'fragmento'desempenhado'durante'o'Festival'é'um'índice'de'sequências'

rituais'maiores.'Para'o'especialista'que'seleciona'esses'fragmentos,'que'serão'encadeados'

segundo'uma'ordem'específica'na'composição'do'Festival,'eles'nunca'deixarão,'no'entanto,'

de'apontar'para'outras'“peças”'e'outras'séries,'porque'aquilo'que'o'espectador'comum'vê'

como'fragmento,'o'especialista'vê'como'sequência.'

Portanto,' está' em' jogo' no' Festival' não' apenas' um' mecanismo' de' memorização'

baseado'no'que'Severi'(2006)'chama'de'“complexidade”,'i.e.,'a'reunião'de'um'conjunto'de'

índices' capazes' de' capturar' a' imaginação' e' mobilizar' o' invisível,' mas' também' um'

mecanismo' baseado' em' ordenação' e' sequenciamento,' que,' do' mesmo' modo,' já' fora'

apontado' pelo' autor,' sobretudo' em' sua' reanalise' do' material' iatmul' (2003,' 2006)74 .' A'

articulação'desses'dois'mecanismos'parece'ser'a'chave'para'compreendermos'a'forma'como'

uma'memória'dos'rituais'luvale'vem'sendo'inscrita'por'meio'do'Festival.'

'

'

'

'

'

'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
74
'Em' sua' reanálise' do' material' iatmul,' Severi' (2003)' observou' não' apenas' os' chamados' “objetosEquimera”,'
mencionados'anteriormente,'mas'também'as'“imagensEsequências”,'que'referemEse'à'cordões'nodoados,'tais'
como'os'terços'cristãos,'embora'não'circulares'como'estes.'No'caso'dos'cordões'iatmul,'cada'um'deles'é,'em'
si,'um'nome'próprio,'o'do'ancestral'totêmico'associado'a'um'clã.'Além'disso,'os'nódulos'que'constituem'um'
cordão'são,'de'maneira'simplificada,'de'dois'tipos:'os'maiores'representam'os'lugares'míticos'por'onde'esse'
ancestral' passou,' e' os' menores,' os' nomes' de' todos' os' ancestrais' iniciados' no' clã' patrilinear' relacionado.' ' O'
cordão' estabelece' relações' entre' nomes' próprios' e' lugares,' articulando' uma' sequência' temporal' e' espacial.'
“[…]'la'cordelette'permet'une'opération'décisive:'sur'des'éléments'minimes'de'la'mémorisation'(une'séquence'
linéaire),'elle'imprime'un#premier#ordre,#en'établissant'une'correspondance'entre'une'succession'dans'l’espace'
–' les' lieux' de' la' migration' mythique' –' et' une' succession' dans' le' temps:' la' migration' des' ancêtres' du' clan.”'
(Thomas'1995:34#apud#Severi'2003)'

! 178!
E.'

[MWALI]'

'

O' termo' mwali# é' usado' pelos' Luvale' para' designar,' a' uma' só' vez,' o' ritual' de' iniciação'

feminina' por' eles' praticado' e' a' neófita' deste' mesmo' ritual.' Menos' documentado' que' a'

mukanda,' o' mwali' e' suas' variações' não' deixam,' contudo,' de' figurar' na' literatura'

especializada'nos'povos'do'Alto'Zambeze,'destacandoEse'os'trabalhos'de'Cameron'(1998a,'

1998b),' White' (1962)' e' White,' Chinjavata' &' Mukwato' (1958)' sobre' os' Luvale;' de' Bastin'

(1986)'sobre'os'Cokwe;'de'Turner'(1968)'sobre'os'Ndembu;'e'de'van'Koolwijk'(1963)'sobre'

os'Ganguela.'

Assim' como' a' mukanda,' o' mwali' é' geralmente' descrito' como' um' típico' rito' de'

passagem,' apresentando' três' fases' principais:' uma' de' separação,' marcada' pelo'

aparecimento' do' primeiro' fluxo' menstrual;' outra' de' reclusão,' que' pode' durar' de' algumas'

semanas' a' quatro' meses' (Jordàn' 1999),' período' no' qual' a' neófita' fica' sob' os' cuidados' de'

uma' instrutora' chamada' entre' os' Luvale' de' cilombola;' e' uma' última' de' reintegração' à'

sociedade,'celebrada'em'uma'festa'pública.'Contudo,'diferente'do'que'acontece'nos'rituais'

de' circuncisão,' em' que' os' meninos' são' iniciados' em' grupo,' a' mwali# é' levada' à' reclusão'

individualmente.' Durante' o' período' em' que' fica' recolhida,' a' noviça' aprende'

fundamentalmente' lições' sobre' menstruação,' sexo' e' casamento' (Cameron' 1998a,' 1998b),'

embora'seja'também'o'momento'de'se'aprender'um'conjunto'de'danças'tradicionalmente'

associadas'ao'conhecimento'feminino,'como'a'ciyanda.'Na'cerimônia'pública'que'marca'o'

término'do'ritual'ocorre'a'oficialização'de'um'noivado'envolvendo'a'mwali#e'um'jovem'da'

aldeia,'escolhido'previamente'pela'família'da'neófita.'

! 179!
' Extratos' do' ritual' de' mwali# foram' apresentados' durante' os' Festivais' de' 2012' e' de'

2013.' No' primeiro' ano' foi' o' grupo' feminino' de' Cazombo,' liderado' por' Brevinta' Rosa,' o'

responsável' por' exibir' as' peças' associadas' a' esse' ritual.' Já' em' 2013' foi' o' grupo' das'

nyakandandji' de' LumbalaEKakengue' que' ficou' com' esse' encargo.' Uma' diferença'

fundamental'marcou'as'apresentações'dos'dois'grupos.'No'caso'da'apresentação'do'grupo'

de'LumbalaEKakengue,'em'2013,'apenas'um'curto'trecho'do'mwali'foi'encenado,'enquanto'

em'2012,'o'grupo'de'Brevinta'realizou'o'ritual'na'íntegra.''

De'fato,'cerca'de'quatro'dias'antes'da'abertura'do'Festival'naquele'ano,'acompanhei'

uma'jovem'que'havia'acabado'de'passar'pelo'seu'primeiro'ciclo'menstrual'ser'recolhida'pelo'

grupo' das' mulheres' de' Cazombo.' Pouco' antes' do' nascer' do' sol,' por' volta' da' 5:00hs' da'

manhã,'as'mulheres'reuniramEse'numa'mata'próxima'à#vambunda,'formando'uma'roda'em'

torno'da'neófita,'que'se'encontrava'deitada'ao'chão,'enrolada'em'um'cobertor.'Ficaram'ali'

um'bom'tempo,'ao'longo'do'qual'entoaram'uma'série'de'cantos.'Num'certo'momento,'uma'

das'mulheres'colocou'a'menina'nas'costas'e'a'carregou'até'um'outro'ponto,'próximo'a'uma'

árvore,'onde'recomeçaram'a'cantar'a'sua'volta.'Quando'o'sol'marcou'no'céu'o'que'devia'ser'

umas'9:00hs'da'manhã,'a'mwali#foi'levada'até'uma'cubata'de'palha,'chamada'litungu,'que'

tinha'acabado'de'ser'construída'junto'ao'acampamento'dos'grupos'culturais.'Ali'ela'ficaria'

reclusa'pelos'próximos'três'dias,'até'a'abertura'da'festa,'quando'seria'apresentada'a'todos'

em'meio'à'arena.''

Em'conversa'gravada'com'Brevinta'Rosa'após'o'Festival'de'2013,'ela'me'disse'que,'

no' passado,' se' levava' muito' tempo' para' finalizar' um' ritual' de' mwali' porque' a' dificuldade'

era'grande'de'se'reunir'os'“meios”'e'criar'as'condições'necessárias'para'a'produção'da'festa'

pública'que'marcava'a'conclusão'do'ritual.'Segundo'ela,'caso'tais'condições'fossem'criadas'

rapidamente,'a'iniciação'da'mwali#poderia'durar'entre'três'a'quatro'dias,'como'aconteceu'

! 180!
em' 2012,' no' contexto' do' Festival.' Brevinta' me' garantiu' que' a' jovem' foi' de' fato' iniciada'

naquela' ocasião' e' que' todas' as' etapas' do' ritual' foram' rigorosamente' cumpridas,' sem'

exceção.''

Assim,' segundo' Brevinta,' enquanto' seria' inviável' realizar' o' ritual' da' mukanda' na'

íntegra'durante'o'Festival,'por'conta'de'sua'complexidade'e'também'de'sua'duração'que,'no'

mínimo,' equivale' ao' tempo' de' cicatrização' das' feridas' da' circuncisão,' não' haveria'

impossibilidade' alguma' para' a' realização' integral' de' um' ritual' de' mwali,' que' poderia' ser'

exibido' no' contexto' do' Festival' tanto' na' forma' de' um' “teatro”,' como' teriam' feito' as'

nyatundandji'de'LumbalaEKakengue'em'2013,'ou'em'sua'forma'integral.'''

Contudo,' em' minha' conversa' com' o' grupo' feminino' de' LumbalaEKakengue,' em'

agosto'de'2013,'Lili'Samutela,'Cristina'Tumba'e'suas'companheiras'contaram'uma'história'

um' pouco' diferente.' Para' elas,' era' impossível' realizar' mais' do' que' uma' exibição'

fragmentária'do'ritual'de'mwali'no'Festival,'uma'vez'que,'segundo'o'que'me'disseram,'ele'

pode'durar'até'um'ano.'A'partir'do'pequeno'trecho'que'apresentaram'do'ritual'no'evento'

de'2013,'referente'à'festa'pública'na'qual'a'mwali'é'exposta'à'comunidade'depois'do'longo'

período' de' reclusão,' elas' rememoraram' uma' série' de' procedimentos' realizados' durante' a'

etapa'de'recolhimento'da'neófita,'relativos'à'transmissão'de'um'conhecimento'específico,'

identificado'por'elas'como'“segredos'do'litungu”.''

Nesse'momento'da'conversa,'elas'pediram'que'se'retirassem'todos'os'homens'que'

se'encontravam'no'recinto,'entre'maridos,'filhos'e'vizinhos'curiosos.'Abriram'uma'exceção,'

no' entanto,' para' Tomás,' que' intermediou' nossa' comunicação,' auxiliandoEme' com' a'

tradução' para' o' português.' Entre' as' muitas' informações' que' elas' compartilharam' comigo,'

destaco'aqui'aquelas'relativas'às'danças'que'são'ensinadas'às'neófitas'durante'a'reclusão.'

Segundo'elas,'uma'mwali'aprende'três'danças'principais'enquanto'está'recolhida'no'litungu:'

! 181!
a'ciyanda,'o'mungongi'e'a#mutenya.'A'primeira'é'a'dançaEícone'da'feminilidade'da'mulher'

luvale,'praticada'em'rodas'públicas,'para'entretenimento'de'todos.'Como'vimos,'a#ciyanda,#

que' consiste' basicamente' em' movimentos' laterais' com' a' bacia,' constitui' hoje' o' principal'

número'de'dança'dos'grupos'culturais'luvale,'sendo'muitas'vezes'identificada'por'eles'como'

uma' “dança' (feita)' para' ganhar' dinheiro”.' É' também' a' especialidade' do# likixi' feminino'

Mwana'Pwo,'possivelmente'um'dos'palhaços'mais'populares'do'Alto'Zambeze.'

O' mungongi,' por' sua' vez,' seria' a' dança' que' a' mwali# exibe' no' dia' de' sua' aparição'

pública' no' fim' da' reclusão.' Segundo' as' mulheres' do' grupo' de' LumbalaEKakengue,' essa'

dança,' que' consiste' basicamente' em' movimentos' giratórios' com' os' ombros,' significa:' “eu'

estou' indo' ver' a' minha' mãe”.' Por' fim,' a' mutenya' estaria' ligada' a' todo' o' conhecimento'

relativo'ao'sexo'e'ao'casamento'que'é'transmitido'à'mwali#durante'a'reclusão,'tendo'sido'

traduzida' por' Tomás,' exatamente,' como' a' “dança' da' cama”.' Não' é,' segundo' elas,' uma'

dança'para'ser'exibida'publicamente,'embora,'como'vimos'anteriormente,'ela'já'constitua'

uma' variação' esperada' dos' números' de' ciyanda# apresentados' pelos' grupos' culturais,'

quando'um'casal'se'destaca'dos'demais'e'passa'a'realizar'movimentos'muitos'lentos'com'a'

bacia,' mimetizando' a' atividade' sexual.' A' “dança' da' cama”' constitui,' segundo' o' que' me'

disseram' as' mulheres' do' grupo' de' LumbalaEKakengue,' um' dos' principais' “segredos' do'

litungu”'e'não'é'ensinada'apenas'para'ser'reproduzida'como'uma'pantomima'da'atividade'

sexual,'mas'praticada'em'plena'atividade'sexual,'como'um'recurso'para'dar'mais'prazer'ao'

marido.''

A'preparação'para'o'sexo'e'o'casamento'é,'conforme'disseramEme'as'nyakandandji#

de' LumbalaEKakengue,' o' que' caracteriza' a' maior' parte' dos' conhecimentos' transmitidos' e'

dos' procedimentos' ensinados' à' mwali# no' litungu.' Uma' das' mulheres' presentes,' que' me'

pediu' expressamente' para' não' ser' identificada,' mostrouEme' uma' complexa' escarificação'

! 182!
que' possui' à' altura' da' lombar' e' que,' segundo' ela,' foi' feita' durante' o' período' de' sua'

iniciação' (ver' Fig.' 58).' Pelo' que' me' disseram,' essas' tatuagens' ainda' são' realizadas' nos'

corpos' das' neófitas' durante' os' rituais' de' mwali' e' consistem' em' um' estimulante' sexual'

natural.'Ao'tocar'nelas,'contaramEme,'os'homens'ficam'imediatamente'em'ereção.'

'

'

'

F.'

[MAHAMBA]'

'

O' termo' mahamba' (sing.' lihamba)' é' usado' mais' frequentemente' pelos' Luvale' para'

identificar'antepassados'que'se'manifestam'na'forma'de'doenças'ou'infortúnios.''Segundo'

Wastiau'(1998),'referemEse'ao'que'ele'chamou'de'“espíritos'da'aflição”'–'em'referência'ao'

clássico' de' Turner' (1968),' Drums# of# Affliction,' dedicado' à' descrição' e' análise' de' rituais'

realizados'entre'os'Ndembu'para'curar'doenças'e'reparar'danos'causados'pela'ação'punitiva'

de' antepassados.' Os' mahamba' e' seus' rituais' específicos' foram' abordados' por' diferentes'

autores,'entre'eles:'White'(1949),'Spring'(1976),'Jordán'(1996)'e'Wastiau'(1998,'2000),'com'

pesquisa'entre'os'Luvale;'Bastin'(1961,'1994),'Lima'(1971)'e'Areia'(1985),'entre'os'Cokwe;'

Devish'(1990),'entre'os'Lunda;'além'de'Turner'(1968),'entre'os'Ndembu.'

' A' maioria' desses' autores' diferencia' a' noção' mais' genérica' de' antepassado' ou'

ancestral'daquela'de'mahamba,'embora'os'termos'atribuídos'aos'primeiros'variem'muito.'

Segundo'White'(1948),'enquanto'vakixi'(sing.'mukixi)'seria'o'termo'usado'pelos'Luvale'para'

! 183!
identificar' espíritos' de' ancestrais75,' de' uma' forma' geral,' mahamba' referirEseEia' apenas' a'

certas' manifestações' especiais' desses' últimos,' precisamente,' a' manifestações' que' atuam'

sobre'os'indivíduos.'De'modo'similar,'Wastiau'(1998)'reportaEse'aos#mahamba'como'o'meio'

predileto'com'que'os'antepassados'afligem'seus'descendentes.'De'acordo'com'esse'autor,'

no' entanto,' o' termo' atribuído' pelos' Luvale' aos' espíritos' de' ancestrais' seria' vakulu# (sing.'

mukulu).' Já' o' termo' mukixi' referirEseEia' a' uma' entidade' espiritual' inefável,' anterior' à'

kalunga 76 #–' este' ' último,' tido# como# o' criador' do' mundo' e' dos' homens' e' identificado'

contemporaneamente'com'a'figura'do'deus'cristão.''

' Os' ancestrais' atingem' os' homens' por' diversos' motivos.' Basicamente,' quando' se'

sentem' negligenciados' por' não' receberem' as' devidas' homenagens,' através' de' oferendas,'

libações' e' preces' regulares.' Wastiau' (1998)' e' White' (1949)' ressaltam' que' eles' também'

podem' afligir' os' humanos' quando' querem' que' seus' descendentes' sejam' iniciados' nas'

mesmas'atividades'profissionais'que'lhes'renderam'fama'(no'caso'de'ancestrais'que'foram'

prestigiosos' adivinhos' ou' caçadores,' por' exemplo).' Turner' (1968),' por' sua' vez,' destaca' o'

fato' de' eles' comumente' atacarem' seus' parentes' vivos' quando' esses' se' envolvem' em'

conflitos' familiares,' ou' quando' representam' grupos' de' parentesco' implicados' em' brigas' e'

disputas.'Segundo'esse'autor,'os'Ndembu'reconhecem'que'uma'pessoa'pode'ser'acometida'

pela' ação' nociva' de' um' ancestral' como' “bode' expiatório”' de' seu' grupo,' caso' esse' grupo'

esteja' impregnado' de' ressentimento' e' rivalidades' (Turner' 2005:450).' De' modo' que' os'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
75
'Turner'(1968)'identifica'um'termo'similar'entre'os'Ndembu,'akishi'(no'singular,'mukishi),'para'o'qual'a'sua'
tradução'predileta'é'shades'(no'português,'sombras).'No'“Apêndice'A”'(pgs.'284E290)'de'Drums#of#Affliction,'o'
autor'reúne'uma'série'de'explicações'nativas'para'a'natureza'das'“sombras”'(shades)'e'conceitos'relacionados.'
76
'Embora' Kalunga' seja' comparado' contemporaneamente' com' a' figura' do' Deus' cristão,' há' ainda,' segundo'
Wastiau'(1998),'resquícios'de'antigas'ideias'sobre'o'termo.'De'acordo'esse'autor,'Kalunga'é'ainda'associado'a'
fenômenos' naturais' como' raios' e' grandes' massas' de' água,' particularmente' com' o' oceano.' Além' disso,' é'
também'relacionado'com'a'morte.'Mais'precisamente,'com'o'lugar'para'onde'todos'vão'depois'da'morte,'o'
qual' seria' habitado' por' um' conjunto' de' seres' espirituais,' incluindo' os' espíritos' de' ancestrais' (vakulu),' os'
espirítos'das'máscaras'(makixi)'e'os'espíritos'de'aflição'(mahamba),'entre'outros'(Wastiau'1998:130).'

! 184!
“rituais' de' aflição”' constituem,' para' Turner,' não' apenas' um' meio' de' curar' o' paciente' de'

seus'sintomas'patológicos,'mas,'simultaneamente,'de'cicatrizar'distúrbios'sociais.'

Durante' meu' trabalho' de' campo' no' Alto' Zambeze,' Gertrude' Cisola,' líder' do' grupo'

cultural'das'mulheres'de'Cavungu'e,'possivelmente,'uma'das'mais'importantes'especialistas'

em'rituais'de'cura'na'área,'deuEme'uma'definição'para'mahamba,'que'mostra,'por'sua'vez,'

a'complexa'relação'que'existe'entre'adoecimento'e'transmissão'de'nomes'entre'os'Luvale,'

sendo'os'mahamba'o'vértice'fundamental'entre'esses'dois'sistemas.''

#
Mahamba'são'os'nossos'antepassados,'que'já'morreram'há'bastante'tempo'e'que'
você'nunca'recordaste'de'lhe'dar'nome'[i.e'de'dar'o'nome'dele'para'um'de'seus'
filhos].' Então,' como' ele' vai' fazer' para' você' lhe' conhecer,' se' já' morreu' há' muito'
tempo?'Ele'transformaEse'em'lihamba#e'vem'agora'te'atacar,'e'se'você'lhe'virar'as'
costas,'ele'pode'te'proibir'de'nascer'[de'dar'a'luz]'e'se'atacar'a'criança,'a'criança'
morre.' [O' lihamba]' É' o' seu' antepassado,' que' você' nunca' recordou' dele,' nunca'
você' pelo' menos' colocou' o' nome' dele' em' uma' de' suas' filhas,' ou' num' dos' seus'
filhos.' Essa' é' a' razão' dela' ou' dele' vir' te' atacar,' para' que' você' saiba' quem' é' ele.'
Então,' te' ataca' assim' e' depois' de' você' descobrir' isso,' é' assim' que' vai' realizar' o'
mahamba:' “Você' é' o' fulano!' Agora' eu' já' descobri' que' foi' você# que' vieste' ter'
comigo!'Eu'também'sou'a'sua'família.'Então,'quero'que'essa'criança'hoje'durma'a'
vontade' e' que' eu' durma' a' vontade' também' para' amanhã' ou' depois' realizarmos'
essa'festa,'ou'esse'tratamento.”'[Gertrude'Cisola,'clip'0892,'11E08E2013.'Falado'em'
Luvale.'Tradução:'Muzala]'
'

O' grupo' de' Gertrude' Cisola,' formado' inteiramente' por' mulheres' do' bairro' Cisasa,'

localizado' na' comuna' de' Cavungu,' ficou' conhecido,' como' vimos' anteriormente,' como' o'

grupo'das'“mamães'do'mahamba”,'pela'especificidade'da'“peça'cultural”'que'apresentaram'

no' Festival' de' 2013:' uma' complexa' sequência' de' ações' baseada' nos' rituais' de' cura'

tradicionais,'ou'rituais'de'mahamba.'Segundo'o'que'elas'mesmas'me'contaram'durante'uma'

longa' conversa' que' tivemos' após' o' Festival,' o' fragmento' selecionado' remete' a' eventos'

rituais' recorrentes' nas' etapas' inicial' e' final' de' um' tratamento' comum' de' mahamba,'

tipicamente'abertas'ao'público.''

De' fato,' tanto' White' (1949)' como' Wastiau' (1998,' 2000),' além' de' Turner' (1968),' já'

haviam'notado'que'os'rituais'de'mahamba'organizamEse'segundo'uma'estrutura'tripartite,'
! 185!
que'comporta'“fases'exóticas'e'esotéricas”'(Turner'1968:78).'Basicamente,'há,'segundo'eles,'

duas'fases'principais'e'públicas,'separadas'por'um'período'de'reclusão'total'ou'parcial'da(o)'

paciente,' que' pode' durar' de' algumas' semanas' até' cerca' de' um' ano' (Wastiau' 1998),' e' ao'

longo' do' qual' ela(ele)' é' submetida(o)' a' um' conjunto' de' interditos' comportamentais' e'

alimentares.'As'duas'etapas'abertas'ao'público,'que'precedem'e'sucedem'o'confinamento'

da(o)' paciente,' compreendem' a' execução' de' uma' série' extensa' de' toques' percussivos,'

cantos'e'danças,'durante'a'qual'a(o)'doente'incorpora'uma'série'de'mahamba,'entre'eles,'o'

causador'principal'de'sua'enfermidade.'

A' última' fase,' que' marca' a' conclusão' do' tratamento,' é,' ainda' segundo' aqueles'

autores,' mais' complexa' que' a' primeira,' sobretudo' no' que' diz' respeito' ao' seu' caráter'

performático.'Segundo'Turner,'ao'longo'das'sessões'de'dança'e'batuque'que'caracterizam'

essa' etapa' do' ritual,' a(o)' paciente,' em' estado' de' transe,' é' paramentada(o)' com' os'

elementos'típicos'da'manifestação'do'antepassado'que'a(o)'aflige'(Turner'1968:85).'De'fato,'

o' mimetismo' é' um' traço' característico' da' possessão' por' mahamba,' tal' como' nos' conta'

Wastiau:' “All' these' spirits' afflicted' their' victims' with' different' ailments,' and' the' cures'

featured'the'patient'in'a'state'of'possession'trance'imitating'the'thing'or'being'after'which'

the'spirit'was'named.”'(Wastiau'1998:134)''

A'sequência'apresentada'pelo'grupo'das'“mamães'do'mahamba”'durante'o'Festival'

de' 2013' remete' àquele' evento' de' dança,' música' e' transe' realizado,' ainda' que' com'

variações,'tanto'na'fase'inicial'como'na'final'de'um'ritual'comum'de'mahamba.'A'intenção'

de'Gertrude'Cisola'e'suas'companheiras,'segundo'suas'próprias'palavras,'era'apresentar'o'

ritual' “peça' por' peça”,' mas,' devido' ao' limite' de' tempo,' tiveram' que' reduziElo.' Por' esse'

motivo,'o'trecho'que'apresentaram'condensa'uma'sequência'de'ações'muito'mais'extensa'–'

ou' seja,' ele' contém' séries' inteiras' de' ações' ocultas' –,' assim' como' a' sequência' de' ações'

! 186!
realizada'pelos'makixi'no'dia'anterior'à'abertura'dos'Festivais'de'2012'e'2013,'que'resume'a'

rotina'ritual'do'primeiro'dia'de'uma'mukanda'luvale.'

A' apresentação' das' “mamães' do' mahamba”' começou' com' todas' elas' em' roda,'

cantando'e'dançando'em'torno'de'um'conjunto'de'elementos'naturais,'chamado'upwango.'

No'momento'seguinte,'uma'mulher'se'destacou'das'demais'e'sentou'no'chão,'enquanto'as'

outras' passaram' a' cantar' e' dançar' à' sua' volta.' Pouco' tempo' depois,' esta' mesma' mulher'

simulou' entrar' em' transe.' Mais' tarde,' de' posse' de' uma' machadinha' (cimbuia),' ela' matou'

um' cabrito,' que' se' encontrava' ao' lado,' já' preparado' para' o' sacrifício.' Desse' cabrito' as'

mulheres' retiraram' as' vísceras' que,' logo' em' seguida,' foram' escaldadas' em' fogueira'

improvisada,' para' serem' comidas' pela' mulher' “incorporada”' pelo' lihamba.' A' sequência'

terminou'com'ela'se'ajoelhando'à'beira'do'upwango,'onde'a'suposta'possessão'chegou'ao'

fim.'

Gertrude'Cisola'explicouEme'que'todo'ritual'de'mahamba'começa'com'a'preparação'

do' upwango,' que' é' um' conjunto' de' medicamentos' extraídos' da' natureza,' fixado' no' chão,'

próximo'ao'local'onde'a(o)'paciente'ficará'confinada(o)'durante'o'tratamento'(ver'Figs.'59'e'

60).'A'preparação'do#upwango'é'acompanhada'por'uma'série'de'cantos,'entoados'por'um'

grupo'de'iniciados'ou'adeptos'(pessoas'que'já'passaram'pelo'mesmo'tipo'de'tratamento),'e'

só' pode' ser' realizada' na' presença' da(o)' paciente.' Como' vimos,' a' sequência' apresentada'

pelo' grupo' de' Cisola' no' Festival' começou' exatamente' com' as' mulheres' em' torno' de' uma'

representação'de'um'upwango,'fazendo'referência'aquele'procedimento'inicial.'No'entanto,'

enquanto'num'ritual'comum'de'mahamba'a'preparação'do'upwango'pode'durar,'segundo'

me' disse' Cisola,' um' dia' inteiro,' no' contexto' do' Festival,' seu' grupo' conservou' apenas' a'

execução'de'um'ou'dois'cantos,'tendo'sido'um'deles'identificado'pelo'nome'de'kaxikako.''

! 187!
O' momento' seguinte' da' performance' das' “mamães' do' mahamba”,' quando' todas'

elas'cantaram'em'torno'de'uma'mulher'que'se'destacou'das'demais,'remete,'ainda'segundo'

Cisola,' àquela' extensa' execução' pública' de' música,' canto' e' dança,' que' se' daria' logo' em'

seguida'à'preparação'do'upwango'no'primeiro'dia'de'um'ritual'de'mahamba,'e'durante'a'

qual' a(o)' paciente' é' acometida(o)' pelo' transe.' Como' vimos,' o' transe' também' foi'

mencionado' no' contexto' do' Festival,' quando' a' mulher' destacada' das' demais' simulou'

incorporar' um' lihamba,' o' que' a' levou' a' sacrificar' um' carneiro,' ingerindo' posteriormente'

suas'vísceras.'No'entanto,'no'contexto'do'ritual,'a(o)'paciente'não'recebia'apenas'um,'mas'

uma' série' de' mahamba' e,' para' cada' um' deles,' cantos' específicos' eram' entoados,'

sequenciadamente,' desde' o' entardecer,' estendendoEse' por' toda' a' noite.' De' acordo' com'

Cisola,'o#likixi'que'sacrifica'o'carneiro'chamaEse'Kawengo.'Ele'é'o'mais'violento'e,'por'isso,'o'

último'a'ser'invocado'e'a'possuir'a(o)'paciente.'Embora'a#performance'de'seu'grupo'durante'

o'Festival'tenha'feito'referência'apenas'a'esse#likixi,'com'o'sacrifício'do'carneiro,'em'nossa'

conversa,' Cisola' lembrouEse' de' uma' série' de' outros' mahamba# para' os' quais' ela' e' suas'

companheiras'não'cantaram'sequer'um'canto'específico'durante'aquela'apresentação.77''

Considerando' o' nome' do# likixi' invocado' durante' a# performance' e' também' os'

daqueles'que,'segundo'Cisola,'foram'omitidos,'tudo'indica'que'se'tratavam,'todos'eles,'de'

agentes' patogênicos' associados' a' rituais' voltados' para' o' tratamento' e' cura' de' mulheres'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
77
'Tanto'White'(1949),'como'Spring'(1978)'e'Wastiau'(1998,'2000)'dividem'os'mahamba'em'duas'categorias'
principais:' (1)' os' mahamba' de' família,' associados' a' cultos' ancestrais,' como' a' iniciação' de' adivinhos' e' de'
caçadores' e' os' rituais' ligados' à' fertilidade' feminina;' e' (2)' os' mahamba' que' não' são' atrelados' a' ancestrais'
familiares' e' que,' em' sua' maioria,' ou' foram' importados' de' outros' povos,' ou' criados' no' contexto' do' contato'
com'o'branco'e'a'sociedade'nacional.'Os'primeiros'seriam'identificados'pelos'Luvale'como'mahamba'vausoko'
e' os' segundos' como' mahamba' a# peho.' Segundo' Wastiau,' estes' últimos' “are' regarded' as' etiological' agentes'
that'flutter'in'the'air,'which'earned'them'the'name'“spirits'of'the'wind”'(Wastiau'1998:134).'Alguns'exemplos'
de' mahamba# a# peho' são:' Vimbali' (“espíritosEovimbundo”,' em' alusão' aos' mercadores' ovimbundo' que'
dominaram' o' comércio' de' artigos' europeus' na' região' entre' os' séculos' XVIII' e' XX);' Vandona' (do' português'
“dona”,'aludindo'às'mulheres'de'missionários'estrangeiros),'Vindeli'(“espíritosEbranco”'ou'“espíritosEeuropeu”,'
derivados'de'antepassados'mortos'em'áreas'colonizadas'por'europeus'em'Angola,'mais'precisamente'em'meio'
a'guerras'com'europeus)'(idem.).'

! 188!
com' problemas' reprodutivos,' ou' seja,' tratavamEse' do' que' White' (1949),' Spring' (1978)' e'

Wastiau' (1998,' 2000)' identificaram' como' mahamba# vausoko' (mahamba' de' família);'

sugerindo' consequentemente' que' a' apresentação' do' grupo' das' “mamães' do' mahamba”'

baseavaEse,' exclusivamente,' nesses' rituais' de' cura.' Cisola' apresentouEme' uma' lista' com'

cerca'de'nove'mahamba'que'são'invocados'no'contexto'do'ritual,'mas'que'tiveram'que'ser'

ocultados'no'do'Festival,'são'eles:'Khula,'Kamaio,'Civumina,'Luango,'Jinga,'Tembwe,'Cisola,'

Kongolo'e'Litotola.'78'

Todos'esses'mahamba,'segundo'Cisola,'atacam'mulheres,'impedindo'ou'dificultando'

a' sua' gestação,' ou' ainda' matando' seu' filho' depois' do' nascimento.' Em' relação' a' alguns'

deles,'ela'me'forneceu'um'pouco'mais'de'detalhes.'Por'exemplo,'Kongolo'seria'o'arcoEíris.'

“Quando' penetra' no' ventre' da' mulher”,' disseEme' ela,' “a' criança' já' não' nasce,' a' gravidez'

desaparece,' ele' chupa' todo' o' feto”.' Kongolo' teria' ainda' uma' relação' com' problemas'

menstruais.' Cisola' me' contou' que,' quando' ele' ataca' uma' mulher,' pode' ficar' em' sua'

menstruação' por' um' mês,' quer' dizer,' o' fluxo' de' sangue' não' cessa' por' todo' esse' período.'

“Então,'a'pessoa'se'preocupa'e'vai'no'adivinho,'que'lhe'acusa:'o'Kongolo”,'disseEme.''

Já' Litotola' seria' identificado' pelo' adivinho' quando' a' pessoa' afligida' sonha' com' um'

mascarado.'“No'sonho,'ele'diz:'‘dáEme'o'filho’.'Então,'você'tem'que'dizer'que'não'tem'filho.'

Se' você' lhe' entrega' o' filho,' em' dois' dias,' uma' criança' morre' em' sua' casa”.' Uma' pessoa'

possuída'por'Litotola'age,'segundo'Cisola,'como'um'palhaço'–'“correndo'atrás'das'pessoas”'

–,'embora'não'seja'paramentada'com'uma'máscara,'nem'com'a'vestimenta'comum'de'um'

likixi.''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
78
'White'identificou'pelo'menos'três'mahamba'que'foram'citados'por'Cisola:'Kula,'Jinga'e'Tembwa.'Segundo'o'
autor,' todos' eles' são' mahamba# de' família,' que' atacam' mulheres' causando' problemas' menstruais' ou'
reprodutivos.'O'primeiro,'especificamente,'é'derivado'de'um'ancestral'feminino'que'faleceu'de'morte'violenta,'
quase' sempre' envolvendo' derramamento' de' sangue.' Já' o' segundo' deriva' de' um' ancestral' feminino' que' foi'
grande'dançarino'e'que'deseja'que'sua'descendente'herde'seu'nome'e'sua'fama'(White'1949:326).'

! 189!
Por' fim,' Kawengo' seria' o' derradeiro' lihamba# a' ser' invocado' e' a' possuir' a' paciente'

em' rituais' de' mahamba' voltado' ao' tratamento' de' mulheres' com' problemas' reprodutivos.'

Ele' é' diagnosticado' quando' a' pessoa' “sonha' com' uma' espécie' de' pássaro,' com' as' garras'

enormes'e'prontas'para'te'levar”.'Uma'mulher'atacada'por'Kawengo'pode'ter'uma'sucessão'

de'partos'mal'sucedidos,'contouEme'Cisola:'“a'criança'nasce'e'morre,'nasce'e'morre”.79#

' A' apresentação' das' “mamães' do' mahamba”' no' Festival' de' 2013' terminou' com' a'

mulher' que' “incorporou”' Kawengo# ajoelhandoEse' à' beira' do' upwango,' onde' o' lihamba' a'

deixou.'ExplicouEme'Cisola'que,'de'fato,'ao'fim'da'noite'de'dança'e'batuques'que'marca'a'

conclusão'de'um'tratamento'de'mahamba'(associado'a'problemas'reprodutivos),'a'paciente'

é' levada' até' o' upwango,' sobre' o' qual' repousa' sua' cabeça.' Depois' disso,' o' upwango' é'

destruído' e' tudo' que' o' compõe' –' entre' raízes,' folhas' e' galhos' de' árvores' medicinais' –' é'

enterrado.'A'partir'daí,'“a'pessoa'fica'livre”,'porque'se'acredita'que'o'mahamba'também'é'

deixado'ali.'Assim'que'termina'o'transe'da'paciente'e'que'o'mahamba'é'“enterrado”'com'os'

restos'do#upwango,'uma'galinha'é'preparada'e'servida'com'funge'à'mulher,'a'seu'marido'e'

à' criança.' Terminado' o' “banquete”,' eles' fazem' o' pagamento' à' curandeira' principal'

(cilombola),'o'que'caracteriza'o'fim'do'ritual.'

' Se'o'início'da'performance#do'grupo'de'Cisola'remete'à'preparação'do'upwango'e,'

portanto,' ao' dia' inaugural' de' um' tratamento' de' mahamba,' quando' ocorre' a' “primeira'

dança”' (White' 1949),' antes' do' confinamento' da(o)' paciente,' o' final' daquela' apresentação'

remete'à'destruição'do'upwango#e,'portanto,'ao'último'dia'do'tratamento,'quando'ocorre'a'

“segunda'dança”'(White'1949),'depois'do'confinamento.'Há'uma'operação'de'condensação'

interessante' no' caso' da' performance' do' grupo' de' Cisola,' uma' vez' que,' como' disse'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
79
'Não'ficou'claro,'contudo,'se'Kawengo'é'sempre'o'último'a'ser'invocado'em'rituais'desse'tipo,'independente'
de'ser'ou'não'o'causador'principal'da'doença,'ou'se'Cisola'estava'exatamente'se'referindo'a'casos'em'que'ele'
é'identificado'como'o'causador'principal.'

! 190!
anteriormente,' ela' faz' referência' às' fases' de' abertura' e' fechamento' de' um' ritual' de'

mahamba,'simultaneamente.'Logo,'tanto'uma'como'a'outra'estão'a'ela'indexadas.80'

' Mais' uma' vez,' vemos' aqui' o' mesmo' processo' observado' na' análise' das' peças'

relacionadas'a'mukanda:'os'fragmentos'escolhidos'para'comporem'a'sequência'do'Festival'

apontam'para'outras'séries.'Ao'meu'ver,'esse'é'o'procedimentoEchave'por'meio'do'qual'o'

Festival'vem'armazenando'uma'memória'dos'rituais'luvale,'precisamente,'uma'memória'das'

suas' rotinas' de' ações.' Assim,' ao' mesmo' tempo' que' as' peças' apresentadas' na' festa' são'

capazes' de' mobilizar' um' amplo' conhecimento' associado' àqueles' rituais' –' inclusive' aos'

períodos' de' reclusão' dos' neófitos,' nos' casos' dos' rituais' de' iniciação,' e' das' pessoas' em'

tratamento,' no' caso' dos' rituais' de' cura' –,' elas' também' mobilizam' sequências' de' ações'

muito'precisas.'

O'processo'de'memorização'dessas'sequências,'implicado'na'composição'do'Festival,'

utilizaEse'de'dois'mecanismos'já'apontados'por'Severi'(2002,'2003,'2004,'2006)'–'a'ordem'e'

a'potência,'a'sequência'e'a'saliência.'Por'um'lado,'trataEse'de'escolher'e'reunir'fragmentos,'

índices,' citações,' capazes' de' mobilizar' as' suas' partes' implícitas.' Por' outro' lado,' de' formar'

sequências'que'indexam,'indefinidamente,'outras'sequências.'

Para'finalizar,'gostaria'de'mencionar'um'ponto'importante'de'minha'conversa'com'

Gertrude' Cisola,' que,' no' entanto,' já' não' dialoga' com' a' discussão' sobre' as' relações' do'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
80
'Como' ocorreu' com' as' demais' peças' apresentadas' no' contexto' do' Festival,' a' do' grupo' de' Cisola' também'
associavaEse'diretamente'apenas'às'etapas'públicas'de'complexos'rituais.'No'entanto,'naquela'tarde'em'que'
passamos'juntas'no'bairro'Cisasa,'Cisola'não'deixou'de'me'contar'detalhes'sobre'o'período'de'reclusão'de'uma'
gestante'submetida'a'tratamento.'Segundo'ela,'depois'de'passar'pelo'primeiro'dia'de'preparação'do'upwango'
e' pela' primeira' noite' em' que' incorpora' uma' série' de# mahamba,' a' paciente' é' confinada' em' uma' cubata' de'
palha,'chamada'cipango,'geralmente'construída'próximo'à'sua'casa.'A'reclusão'compreenderia'todo'o'período'
de'gestação'e'pós'natal,'até'o'bebê'começar'a'dar'os'seus'primeiros'passos.'Mãe'e'filho'só'poderiam'sair'do#
cipango'quando'o'último,'já'depois'de'estar'engatinhando,'furar'a'parede'de'palha'da'cubata'com'as'próprias'
mãos,'descobrindo'o'espaço'externo.'É'nesse'dia'que,'segundo'Cisola,'ocorre'a'segunda'noite'de'música,'dança'
e' possessão,' depois' do' que' o' upwango' é' destruído.' O' período' de' reclusão' que' separa' as' duas' fases' ditas'
“exóticas”'do'ritual'poderia,'assim,'durar'até'três'anos.''
'

! 191!
Festival' com' os' processos' de' memorização' e' transmissão' do' conhecimento,' mas' com' um'

outro'debate,'que'terá'lugar'no'próximo'capítulo'da'tese.'Naquela'tarde'em'que'passamos'

juntas,' perguntei' a' ela' e' às' demais' mulheres' de' seu' grupo' o' motivo' de' terem' mantido' o'

sacrifício'do'carneiro'em'sua'apresentação'já'que'se'tratava'apenas'de'uma'representação'

teatral;'ou'seja,'o'por'quê'de'não'terem'optado'por'simular'essa'ação,'como'pareciam'ter'

feito'no'caso'do'transe,'que'até'onde'pude'perceber'não'acontecera'de'fato.'Foi'aí'que'elas'

me' disseram' que,' ao' contrário' do' que' eu' pensava,' o' transe' havia' ocorrido,' porque' o'

carneiro' não' poderia' ter' sido' sacrificado' se' não' fosse' pelo' próprio' lihamba.' Portanto,'

segundo'elas,'por'um'curto'período,'apenas'no'momento'da'imolação'do'carneiro,'Kawengo'

teria'possuído'a'mulher'que'na'performance'ocupava'a'posição'ou'representava'o'papel'da'

paciente.' Esse' episódio' desencadeou' uma' longa' discussão' entre' nós' sobre' o' caráter'

“teatral”'ou'“ritual”'das'peças'apresentadas'no'Festival,'que'será'desdobrada'a'seguir.'

!
'

'
!
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
'
! 192!
CAP.'4'

TEATRO'OU'RITUAL?'

'
E#agora,#José?#/#A#festa#acabou,#/#a#luz#apagou,#/#o#povo#sumiu,#/#a#noite#esfriou,#/#e#
agora,# José?#/# e# agora,# Joaquim?#/# e# agora,# você?#/# Você# que# é# sem# nome,#/# que#
zomba#dos#outros,#/#Você#que#faz#versos,#/#que#ama,#protesta?#/#e#agora,#José?###
'
Andrade,#José#(1967)'
'

'

Antes'de'iniciar'meu'trabalho'de'campo'na'África,'sonhava'encontrar'um'ritual'como'o'dos'

hauka,'filmado'por'Jean'Rouch'na'periferia'de'Accra,'Gana,'e'que'deu'origem'ao'seu'clássico'

e'também'polêmico'“Mestres'Loucos”'(Jean'Rouch,'Gana,'1955,'24min).'Em'outras'palavras,'

sonhava'encontrar'um'ritual'que'estivesse'nascendo'e'não'um'que'estivesse'desaparecendo'

(Gonçalves'2008:40).'Minhas'expectativas,'no'entanto,'foram'por'água'abaixo'quando'meu'

objeto' de' pesquisa' se' consolidou:' o' Festival' Tradicional' Luvale.' Para' mim,' aquele' evento'

estava' muito' mais' próximo' do' show' e' do' pastiche' do' que' do' ritual,' mesmo' tendo' como'

referência'um'ritual'“degenerado”'e'transformado'como'o'dos'hauka'(idem.).''

' Contudo,'hoje'vejo'que,'sem'o'saber,'acabei'por'encontrar'algo'muito'mais'próximo'

daquilo' que' se' vê' em' “Mestre' Loucos”' do' que' poderia' ter' imaginado.' Afinal,' trataEse'

também,'se'não'exatamente'de'um'ritual,'de'uma'cerimônia'ainda'em'vias'de'se'consolidar,'

que' a' cada' nova' edição' “fixaEse' e' estabeleceEse”' (Rouch' apud' Gonçalves' 2008:51)' e' cuja'

pragmática'possui'uma'margem'considerável'de'invenção,'o'que'fica'claro'quando'Muzala'

diz:' “Nós' ainda' estamos' a' buscar.' Hoje,' vamos' apresentar' essa' metade,' amanhã,' vamos'

apresentar'essa'outra'metade,'até'chegarmos'no'pior.”'Por'outro'lado,'perguntoEme:'estaria'

mesmo'o'Festival'Luvale'tão'longe'assim'do'ritual'quanto'supunha'inicialmente?'

! 193!
' Fausto'(2012),'referindoEse'às'atividades'rituais'desencadeadas'inesperadamente'em'

uma' aldeia' kuikuro' (Alto' Xingu,' Brasil)' por' um' eclipse' lunar,' sugere' que' a' categoria'

ontológica' de' itseke# (espíritos' nãoEhumanos)' funciona' como' um' índice' do' contexto'

extraordinário'do'ritual.'Segundo'o'autor,'entre'os'Kuikuro,'essa'categoria'é'acionada:''

'
(...)' sempre' que' se' quer' indicar' que' a' ontologia' ordinária' e'intuitiva' do' cotidiano'
deve'ser'suspensa'e'substituída'por'outra,'de'caráter'transformacional.'Temos'aqui'
um' ‘efeito' de' colchete’:' aquilo' que' era' o' background' passa' a' foreground' –' o'
mundo'transformacional,'condição'primeira'do'cosmos,'se'reatualiza'e'o'mundo'do'
cotidiano'recolheEse'ao'segundo'plano.'[Fausto'2012:5E6]'
'

Poderíamos' atribuir' um' mesmo' tipo' de' “efeito' colchete”' às' mais' variadas'

manifestações' de' ancestrais,' como' os' makixi' e' os' mahamba,' recorrentes' no' contexto' do'

Festival'Luvale?'Faço'essa'pergunta'porque,'ao'que'me'parece,'a'lógica'e'a'dinâmica'rituais'

não'se'encontram'ausentes'do'Festival.'Ao'contrário,'elas'atravessam'todo'o'evento,'mas'de'

forma' fragmentária' e' instável,' mobilizadas' e' experimentadas' apenas' durante' certas' ações'

previstas' pelo' roteiro' do' espetáculo,' precisamente' naquelas' que' envolvem' makixi,'

mahamba' e' também,' é' preciso' ressaltar,' os' grandes' chefes' luvale.' Afinal,' não' são' eles'

também,'através'dos'títulos'que'carregam,'manifestações'de'ancestrais?'

Antes'de'seguirmos,'creio'ser'importante'reforçar'que'sempre'que'falar'em'ritual'no'

presente' capítulo' estarei' me' referindo' a' um' contexto' transformacional' do' tipo' do' que'

menciona' Fausto' (2012),' onde' espíritos' nãoEhumanos,' sobreEhumanos,' ou' simplesmente'

ancestrais,' como' parece' ser' o' caso' entre' os' Luvale,' fazemEse' presentes' nas' mais' variadas'

formas.'

'

'

'

! 194!
A.'

[O'SACRIFÍCIO'NO'FESTIVAL]'

'

Em'primeiro'lugar,'quero'chamar'a'atenção'para'o'lugar'do'sacrifício'no'Festival,'que,'a'meu'

ver,' é' um' dos' componentes' mais' evidentes' de' que' a' lógica' do' ritual' está' presente' no'

evento.' Recordemos' que,' na' edição' de' 2013,' ele' ocorreu' publicamente' duas' vezes:' uma,'

logo'após'a'entrada'dos'makixi'na'arena'festiva,'tendo'sido'executado'pelo'likixi'Kapalu;'a'

outra,' durante' a' apresentação' das' “mamães' do# mahamba”,' efetuado,' dessa' vez,' pelo'

lihamba'Kawengo.'Considerando'o'primeiro'sacrifício,'vimos'que,'segundo'a'explicação'de'

Brevinta'Rosa,'ele'remete'ao'dia'inaugural'de'uma'mukanda'luvale,'quando'ocorrem'ainda'

mais' dois' sacrifícios,' sendo' um' deles' o' da' galinha' encontrada' em' meio' ao' jacaré' de' areia'

(lihanga).''

Se,'por'um'lado,'o'fato'de'se'ter'preservado'apenas'um'dos'sacrifícios'do'primeiro'

dia' de' uma' mukanda# luvale' indica' a' operação' de' síntese' e' condensação' implicada' na'

elaboração'de'quase'todas'as'peças'exibidas'no'Festival,'por'outro,'é'significativo'o'fato'de'

eles' terem' sido' reduzidos' ao' mínimo' possível,' mas' não' suprimidos' inteiramente.' Nesse'

sentido,'perguntoEme:'poderia'haver#makixi'sem'sacrifício?''

O' sacrifício' que' ocorreu' durante' a' apresentação' das' “mamães' do' mahamba”,' por'

sua' vez,' mostra' que' a' inversão' dos' termos' desta' pergunta,' não' altera' o' resultado.'

Lembremos' que,' segundo' Gertrude' Cisola,' aquele' último' sacrifício' não' poderia' ter' sido'

executado' senão' por' um' lihamba# específico,' chamado' Kawengo.' Por' isso,' ela' me' garantiu'

que' a' mulher' que' representava' o' papel' da' paciente' na# performance' de' seu' grupo' foi,' de'

fato,' possuída' por' aquele' espírito' no' momento' exato' da' imolação' do' cabrito.' O' sacrifício'

realizado' em' meio' à' apresentação' do' grupo' de' Cisola' levaEnos,' portanto,' não' só' a' nos'

! 195!
perguntar'se'poderia'haver#makixi'e#mahamba'sem'sacrifício,'mas'também'se'poderia'haver'

sacrifício'sem'os'dois'primeiros.''

Vejamos' o' que' Cisola' disse' sobre' o' assunto,' no' dia' de' nossa' conversa' no' bairro'

Cisasa,'logo'após'o'Festival'de'2013:'“O'lihamba#só'aconteceu'com'aquela'canção'que'se'faz'

para' o' lihamba' atacar' a' pessoa' [referindoEse' à' canção' que' invoca' Kawengo]' e' ela' poder'

matar' o' animal.' O' lihamba' só' veio' naquela' senhora' no' instante' de' matar' o' cabrito,' é' por'

isso'que'ela'comeu'aquela'carne'crua.”'Quando'perguntei'a'ela'se'outros'mahamba'podiam'

ter'vindo,'ou'se'fora'uma'escolha'sua'invocar'apenas'Kawengo,'Cisola'respondeu'que,'se'eu'

quisesse,'elas'fariam'uma'apresentação'com'todos'os'mahamba'no'ano'seguinte'e'atribuiu'à'

distância'do'“batuque”'(a'orquestra'de'tambores)'–'que,'efetivamente,'não'se'encontrava'

muito' próximo' à' área' em' que' o' grupo' realizou' a' sua' performance' –' o' fato' de' outros'

espíritos,'além'de'Kawengo,'não'terem'aparecido'naquele'ano.''

'
(...)'O'batuque'estava'um'bocado'distante.'Aquilo'era'para'estar'próximo'para'fazer'
o'coração'bater..'Junto'com'as'canções'e'as'palmas...'Aquilo'tudo'é'para'chamar'o'
lihamba,'mas'como'o'batuque'estava'distante,'o'lihamba'também'estava'distante.'
Só'no'final,'quando'chegou'já'a'vez'do'cabrito'é'que'tivemos'que'nos'aproximar'da'
mulher,'com'palmas'e'cantando,'foi'aí'que'o'lihamba#aconteceu.'[Gertrude'Cisola,'
clip'0893,'11E08E2013.'Falado'em'Luvale.'Tradução:'Muzala]'
'

Minha'hipótese'é'que'o'sacrifício'seja'um'índice'da'(super)natureza'dos'makixi#e'dos#

mahamba,'enfim,'dos'ancestrais,'nas'suas'mais'variadas'formas.'Nesse'sentido,'não'poderia'

haver' makixi# ou' mahamba# sem' sacrifício,' nem,' muito' menos,' sacrifício' sem' eles.' Acredito'

que,'na'medida'em'que'estes'últimos'aparecem'na'festa,'não'se'pode'abrir'mão'de'certos'

protocolos'elementares'(como'o'sacrifício,'no'caso).'Esses'protocolos'indicam'que'a'lógica'

do' ritual' foi' acionada,' uma' vez' que' está' em' jogo' um' contexto' extraordinário' em' que'

homens' transformamEse' temporariamente' em' ancestrais,' pela' possessão' (no' caso' dos'

mahamba)'ou'pelo'uso'de'máscaras'(no'caso'dos'makixi).''

! 196!
O' primeiro' sacrifício' realizado' em' meio' à' arena' na# vambunda,' pelo' likixi' Kapalu,'

suscita,' ainda,' alguns' desdobramentos' interessantes.' Se,' segundo' o' que' me' contou'

Brevinta,' ele' seria' uma' reminiscência' da' rotina' ritual' do' primeiro' dia' de' uma' mukanda'

luvale,'por'outro'lado,'também'poderia'ser'encarado'como'uma'homenagem'feita'a'Kayipu'

(o' rei' dos' makixi)' e' aos' chefes' luvale,' sobretudo' à' rainha' Nyakatolo,' no' caso' do' Festival'

angolano,' e' ao' rei' Ndungu,' no' do' zambiano.' Aliás,' essa' é' a' explicação' mais' frequente,' tal'

como'nos'mostra'Jordán'ao'afirmar'que'a'imolação'do'cabrito'efetuada'durante'o'Likumbi#

Lya#Mize,'na'Zâmbia,'“is'intended'to'honor'the'chief'and'to'celebrate'the'ominous'powers'

that'the'ruler'and'Kayipu'share”''(Jordán'2006:81).'

Como'mencionei'no'Capítulo'2,'Bastin'(1984)'conta'que'os'Cokwe'possuem'um'likixi#

equivalente' a' Kayipu,' chamado' Cikungu,' que,' no' passado' remoto,' acumulava' o' status' de'

hamba#(lihamba,'entre'os'Luvale),'ou'seja,'de'um'ancestral'manifestado'através'de'doença,'

ou'infortúnio'e'apaziguado'por'meio'de'rituais'específicos.'Segundo'esse'autor,'Cikungu'era'

cultuado'pelos'mwangana'(chefes)'cokwe'como'um'espírito'protetor'exclusivo'das'famílias'

de' chefes,' para' o' qual' ofereciam' sacrifícios' regulares.' Caso' fosse' negligenciado,' poderia'

trazer'doenças'ou'outros'males'para'seus'descendentes.'Nas'palavras'de'Bastin:'“If'Cikungu'

was'abandoned,'or'if'a'person'forgot'to'honor'him,'the'diviner'could'attribute'the'illness'of'

someone'in'the'chief's'family'to'the'spirit's'anger.'Usually'this'person'would'be'his'nephew,'

brother,' son,' or' principal' wife”' (Bastin' 1984:43).' Nesse' caso,' uma' cabra' deveria' ser'

sacrificada' em' sua' homenagem.' O' animal' era' abatido' pelo' próprio' likixi/lihamba,' cuja'

máscara'só'poderia'ser'usada'por'um'mwangana'cokwe.''

Embora' não' tenha' encontrado' nenhuma' referência' bibliográfica' sobre' essa' dupla'

função' ou' esse' duplo' status' atribuído' a' Kayipu' entre' os' Luvale,' perguntoEme' se' não'

poderíamos'ainda'interpretar'o'primeiro'sacrifício'realizado'no'contexto'do'Festival'Luvale'a'

! 197!
partir'dos'dados'cokwe'de'Bastin'(1984),'i.e.,'como'expressão'de'um'culto'regular'dirigido'

contemporaneamente'àquele'likixi.'Certamente,'não'um'culto'que'se'dá'em'resposta'a'um'

infortúnio' ou' uma' doença' que' assola' a' família' do' chefe' principal' promotor' da' festa,' mas'

que'intenciona'assumidamente'a'preservação'e'o'fortalecimento'do'seu'poder.''

'Em' todo' caso,' seja' interpretado' como' uma' reminiscência' dos' rituais' de' mukanda,'

seja' como' um' culto' dirigido' a' Kayipu' especificamente,' ou' a' ele' e' aos' chefes' luvale'

simultaneamente,' o' primeiro' sacrifício' observado' no' Festival' expressa' a' relação' que' se'

estabelece'nesse'contexto'entre'humanos'e'ancestrais,'sendo,'ao'menos'tempo,'um'índice'

da'presença'desses'últimos'na'festa.''

'

'

'

B.'

[SAUDAÇÕES'AOS'CHEFES]'

'

Os'chefes'luvale'mobilizam,'no'contexto'do'Festival,'além'do'sacrifício'do'carneiro'que,'visto'

de' uma' certa' perspectiva,' é' a' eles' e' a' Kayipu' dirigido,' todo' um' conjunto' de' etiquetas.'

Evidentemente,'trataEse'aqui'de'construir'a'figura'do'chefe.'No'entanto,'como,'no'caso'dos'

Luvale,'os'chefes'atuais'possuem'o'mesmo'nome/título'de'seus'antecessores,'identificandoE

se'com'eles,'ao'construir'o'chefe,'produzEse,'ao'mesmo'tempo,'a'presença'dos'ancestrais'na'

festa,' e,' inversamente,' ao' produzir' a' presença' dos' ancestrais,' constróiEse' o' chefe.' Abaixo,'

listo' uma' série' desses' procedimentos,' alguns' deles' executados' em' meio' à' arena' na'

vambunda,'no'dia'da'abertura'do'Festival,'outros'nos'bastidores'do'evento.'

! 198!
Em' primeiro' lugar,' vale' lembrar' que' a' entrada' dos' chefes' tradicionais' na' arena' da'

vambunda'no'dia'da'abertura'do'Festival'seguiu'um'rigoroso'cerimonial.'Como'vimos,'esse'

cerimonial'previa'que'os'chefes'não'entrassem'todos'juntos,'mas'separados'em'diferentes'

blocos,' organizados' de' acordo' com' o' nível' que' ocupam' na' escala' do' poder' tradicional.'

Assim,'primeiro'entraram'os'sobas'e#sobetas,'depois,'os'regedores'e,'por'fim,'a'rainha,'que'

foi' carregada' em' uma' espécie' de' liteira,' dando' uma' volta' completa' na' arena' antes' de'

chegar'ao'seu'lugar'(ver'pág.'95E96).''

Além' disso,' independente' da' graduação' de' cada' um,' os' chefes' deviam' caminhar' a'

passos' muito' lentos' e' embalados' pelo' ritmo' de' um' tambor' cerimonial,' chamado' mukupe.'

RecomendavaEse' ainda' que' eles' usassem' as' insígnias' associadas' à' chefia:' roupas' que'

imitavam'ou'eram'feitas'de'peles'legítimas'de'leopardo'e,'em'alguns'casos,'uma'coroa'de'

miçangas' coloridas.' As' nyakandandji# acompanharam' cada' uma' daquelas' entradas' e,' ao'

longo'de'todo'o'trajeto'que'fizeram'ao'lado'dos'chefes,'elas'entoavam'um'canto'específico'

que,' segundo' a' interpretação' de' Muzala,' remete' à' cadência' compassada' com' que' eles' se'

deslocavam' (ver' pág.' 96).' Ademais,' durante' a' entrada' da' rainha' Nyakatolo,' todos' tiveram'

que' se' ajoelhar,' inclusive' as' autoridades' governamentais' e' os' demais' chefes' tradicionais'

presentes.''

À'medida'que'as'nyakandandji'acomodavam'cada'grupo'de'chefes'em'seus'devidos'

assentos'–'alguns'deles,'deveEse'ressaltar,'mais'paramentados'que'outros,'e'ornamentados'

com'peles'de'leão'e'leopardo'–,''elas'se'ajoelhavam'à'sua'frente'e'entoavam'um'novo'canto,'

depois'do'que'levavam'suas'mãos'ao'chão'e'ao'peito'e'batiam'palmas'ritmadas.'Só'então,'

levantavamEse'para'buscar'um'novo'grupo.'Transcrevo'abaixo'esse'canto,'o'qual'ainda'não'

havia'apresentado'ao'leitor.'Como'veremos'a'seguir,'essa'não'foi'a'única'ocasião'em'que'o'

registrei.'

! 199!
#
Kalombo,#Kalombo#kili#thungi#ya#lymbo#ndende#
Salve,'salve'o'dono'da'aldeia,'a'quem'nós'damos'boas'vindas'
Tuneza#kuno#ku#nganda#ndende##
Viemos'aqui'na'sua'casa'para'darElhes'boas'vindas'
Na#kulinga#cilika#cetu#ndende#
Para'fazermos'a'sua'festa'e'darElhes'boas'vindas'
Miangana#jetu#vavaze#nguvulu#yetu#yauze#ndende#
Os'nossos'chefes'vieram'e'o'nosso'governo'também'está'ali'
Kalombo#kuli#mwata#walimbo#ndende#
Salve,'salve'o'dono'da'aldeia'a'quem'nós'damos'boas'vindas'
'

' É' interessante' notar' que,' embora' o' chefe' tradicional' participe' efetivamente,' não'

apenas' da' concepção,' mas' também' da' organização' da' festa,' publicamente,' é' como' se' ele'

não'tivesse'participação'alguma'e'tudo'não'passasse'de'uma'homenagem'espontânea'feita'

pelo'povo.'Chama'atenção'também'o'fato'do'“governo”'ser'citado'em'um'dos'versos,'mas'

como' um' elemento' secundário' em' relação' ao' “dono' da' aldeia”' que,' de' sua' condição' de'

imobilidade' aparente,' será' saudado' e' venerado.' A' expressão' “dono' da' aldeia”,' similar' a'

“dono'da'terra”,'remete,'como'já'mencionei'em'outra'ocasião,'aos'primeiros'chefes'que'se'

estabeleceram' na' região,' ou' seja,' aos' ancestrais' fundadores' do' povo,' dos' quais' os' chefes'

atuais' herdam' não' apenas' os' nomes,' como' também' as' terras.' O' uso' da' expressão' na'

saudação'é,'portanto,'um'dispositivo'de'identificação'entre'os'primeiros'e'os'últimos.'

' Presenciei'as'nyakandandji#executarem'esse'canto'diversas'vezes'nos'bastidores'do'

Festival,'sobretudo'nos'dias'que'antecediam'a'abertura'do'evento.'Toda'vez'que'um'chefe'

tradicional' convidado' chegava' à' vila,' era' por' elas' saudado' com' esse' canto.' Por' exemplo,'

cerca'de'quatro'dias'antes'da'abertura'do'Festival'de'2012,'despertei'no'quarto'da'pensão'

em' que' estava' instalada,' com' um' canto' coral' vindo' de' muito' perto.' Não' passava' das' oito'

horas'da'manhã.'LevanteiEme'e'fui'ver'o'que'estava'acontecendo.'Na'entrada'da'pensão,'o'

grupo'das'nyakandandji'de'Cazombo,'liderado'por'Brevinta'Rosa,'encontravaEse'quase'todo'

presente.' Ajoelhadas,' elas' entoavam' aquele' canto' à' frente' de' um' rei' cokwe,' que' tinha'

! 200!
chegado'à'noite'anterior'e'se'instalado'na'mesma'pensão'em'que'eu'estava.'Ele'era'um'dos'

principais' convidados' para' o' Festival' daquele' ano.' Terminado' o' canto,' as' mulheres'

procederam' da' mesma' forma' que' viriam' a' fazer' poucos' dias' depois' à' frente' dos' chefes'

tradicionais,'na'arena'da#vambunda:'de'cabeças'baixas,'levaram'às'mãos'ao'chão'e,'depois,'

ao'peito,'e'bateram'palmas'ritmadas.'Em'seguida,'foram'embora.''

Um' ano' mais' tarde,' no' último' dia' de' minha' temporada' na' Zâmbia' para' assistir' o'

Likumbi# Lya# Mize' daquele' ano,' acompanhei' a' regedora' Kakenge,' que' se' encontrava' nas'

terras'de'Ndungu'pelos'mesmos'motivos'que'eu,'ser'saudada'por'um'grupo'de'nyakandandji#

zambianas.' A' saudação' lembrava' aquela' executada' diante' do' rei' cokwe' no' ano' anterior,'

embora' o' canto' entoado' fosse' diferente.' Além' disso,' a' regedora' não' estava' chegando' às'

terras' de' Ndungu,' mas' preparandoEse' para' regressar' a' Angola,' o' que' sugere' que' cantos'

cerimoniais'em'honra'aos'chefes'são'executados'nos'bastidores'do'Festival'não'apenas'para'

“dar'boas'vindas”'a'eles,'mas'também'para'marcar'a'sua'partida.'

Voltando' ao' dia' da' abertura' do' Festival' Luvale,' além' dos' cantos' entoados' pelas'

nyakandandji,' não' posso' deixar' de' mencionar' a' presença' do' kulifukula' –' a' narrativa' de'

origem' dos' Luvale' que,' no' contexto' do' Festival,' é' recitada' em' direção' à' Nyakatolo.' No'

Capítulo' 2,' sugeri' que' essa' narrativa' e' o' que' foi' registrado' na' literatura' como' kumbu'

(fórmula' clânica)' (White' 1955,' 1957;' Wele' 1998;' Wastiau' 1998,' 2010)' talvez' fossem' a'

mesma'coisa,'uma'vez'que'ambas'consistem,'basicamente,'numa'lista'de'nomes'equivalente'

à' linha' de' descendência' que' liga' um' determinado' chefe' aos' seus' antepassados' (Wastiau'

2010).''Segundo'White'(1955,'1957),'o'termo'luvale'para'a'recitação'do'kumbu'é'kulisasula#

jikumbu,#cuja'semelhança'com'o'termo#kulifukula'pode'não'ser'mera'coincidência.''

De'acordo'com'Wastiau'(1998),'a'homenagem'a'ancestrais'(vakulu)'ocorre'de'forma'

irregular'nas'aldeias'luvale,'embora'seja'protocolar'em'rituais'de'entronização'de'chefes.'A'

! 201!
invocação'aos'espíritos'de'ancestrais'se'dá,'segundo'ele,'diante'de'altares'constituídos'por'

uma' árvore' chamada' muyombo# ou' mukumbi# (Lannea# stuhlmanii)' (Wastiau' 1998:131),'

começando' invariavelmente' com' a' recitação' da' fórmula' clânica' (kumbu)' que' evoca' os'

antepassados' do' chefe' da' aldeia.' Nas' palavras' de' Wastiau,' de' maneira' geral,' “(...)' the'

invocation' of' the' ancestors' and' the' recitation' of' the' clan' formula' at' the' muyombo' shrine'

emphasize'the'perpetual'existence'of'the'title,'names,'and'insignia'of'power'that'have'been'

inherited'from'exemplary'lineage'ancestors.”'(Wastiau'1998:133).'

Caso' o' kulifukula' observado' durante' o' Festival' Luvale,' de' fato,' corresponda' à'

recitação' da' fórmula' clânica' da' linhagem' de' Nyakatolo,' poderíamos,' então,' interpretáElo'

como' uma' invocação' e' homenagem' públicas' aos' ancestrais' da' rainha,' personificados' nas'

figuras'dos'mais'variados'chefes'presentes,'inclusive'ela'mesma,'que'carregam'seus'nomes'

ilustres.' Por' meio' dessa' invocação,' os' chefes' atuais' são' identificados' sucessivamente' com'

todos'os'seus'antecessores,'de'modo'que'ela'não'apenas'indica'a'presença'dos'ancestrais'na'

festa,'mais'também'produz'essa'presença.'

'

'

'

C.'

[PARA'ALÉM'DO'PÚBLICO]'

'

Até'agora,'focalizamos'uma'série'de'procedimentos'rituais'associados'às'figuras'dos'makixi,'

dos'mahamba'e'dos'chefes'luvale'no'contexto'do'Festival.'No'entanto,'a'maior'parte'desses'

procedimentos'situaEse'na'esfera'pública,'ou'seja,'trataEse'apenas'daquilo'que'se'pode'ver'e'

é'feito'para'ser'visto.'Tal'característica'se'estende'aos'fragmentos'de'rituais'escolhidos'para'

! 202!
serem' exibidos' no' Festival.' Como' vimos,' todos' eles' remetem' às' etapas' públicas' de'

conjuntos'cerimoniais'maiores.'

Recordemos'as'conversas'que'tive'com'Brevinta'Rosa'e'também'com'Gertrude'Cisola'

após'o'Festival'de'2013,'onde'elas'descreveram'as'rotinas'de'ações'dos'rituais'aos'quais'as'

peças' que' seus' grupos' apresentaram' na' festa' estavam' associadas.' Em' ambos' os' casos,'

foram'descritas'apenas'as'ações'que'acontecem'na'presença'do'público.'Porém,'o'que'dizer'

daquelas'que'são'realizadas'em'esferas'mais'internas'do'complexo'cerimonial?'Seriam,'de'

fato,' todas' suprimidas' no' momento' da' reformulação' do' ritual' na' composição' do' Festival?'

Invertendo' os' termos' da' pergunta:' não' haveria' na' sequência' da' festa' nenhum' fragmento'

que'se'referisse'a'elas?''

Como' veremos' a' seguir,' alguns' de' meus' interlocutores' afirmaram' exatamente' o'

contrário,' descrevendo' uma' série' de' procedimentos' litúrgicos' que' geralmente' são'

realizados'longe'do'alcance'do'público'em'rituais'de'mukanda,'de'mahamba#e'etc.,'e'que'

foram' mantidos' no' contexto' do' Festival.' A' meu' ver,' tais' procedimentos' constituem' parte'

daqueles' protocolos' elementares,' como' o' sacrifício,' dos' quais' não' se' pode' abrir' mão'

quando'se'tem'a'presença'de'makixi,'de#mahamba'e'de'chefes'tradicionais.'Se,'por'um'lado,'

eles'indicam'a'sua'(super)natureza,'por'outro,'muitas'vezes,'eles'também'a'produzem.'Em'

todo'caso,'são'reminiscências'do'ritual'na'festa.'

Especificamente' em' relação' aos' rituais' de' mukanda,' Eduardo' Samwambila,' da'

comuna'de'Cavungu,'e'também'o'bailarino'Ninja,'de'LumbalaEKalengue,'em'conversas'que'

mantive' com' os' dois' separadamente,' falaram' de' uma' série' de' procedimentos' que' são'

realizados'nos'acampamentos'montados'para'acolher'os'neófitos'da'circuncisão'e'que,'do'

mesmo'modo,'foram'executados'dentro'da'mukanda#do'Festival.'Como'já'se'sabe,'embora'

! 203!
nenhum'menino'tenha'sido'circuncidado'durante'o'evento,'ainda'assim,'uma'mukanda'foi'

preparada'na'periferia'da'vambunda'para'acolher'os'makixi#participantes'da'festa.''

Em'primeiro'lugar,'Samwambila'destacou'o'fato'da'mukanda#do'Festival'também'ser'

restrita' a' homens' iniciados' (i.e.' circuncidados).' A' interdição,' assim' como' acontece' nos'

rituais' de' circuncisão,' visa' evitar' que' homens' nãoEiniciados' e' mulheres' descubram' os'

“segredos'da'mukanda”.'Em'suas'próprias'palavras:'“Se'entra'alguém'lá'que'nunca'passou'

pela' mukanda,' pode' descobrir' aquelas' coisas' todas' e,' às' vezes,' falar' à' toa.”' Samwambila'

comentou' também' que' “medicamentos”' similares' aos' que' seriam' colocados' nos'

acampamentos'da'circuncisão'são'enterrados'dentro'da'mukanda'do'Festival'e'no'caminho'

que'dá'acesso'a'ela,'para'impedir'que'pessoas'coloquem'fogo'na'área,'ou'que'ela'seja'alvo'

de'feitiço'e'confusão.'“A'pessoa'que'passa'por'aquelas'folhas,'se'vinha'com'confusão'para'

fazer'na'mukanda,'fica'já'com'o'coração'moralizado”,'disseEme.''

Colocar' fogo' em' uma' mukanda' implica,' segundo' Samwambila,' fortes' sanções,'

porque' pode' ter' como' consequência' a' morte' ou' a' perda' da' sanidade' de' um' dos' neófitos'

recolhidos,''“algum'menino'pode'morrer'ou'ficar'maluco”,'falou.'Por'isso,'a'pessoa'acusada'

deve'pagar'entre'três'a'quatro'bois,'dos'quais'ao'menos'um'é'sacrificado'dentro'da'própria'

mukanda,' uma' vez' que' o' sangue' do' sacrifício' tem,' assim' como' os' “medicamentos”'

plantados' no' chão,' um' efeito' profilático' sobre' a' área.' Como' vimos' no' Capítulo' 1,' às'

vésperas'do'Festival'de'2013,'Brevinta'contou'que'um'grupo'de'crianças'tinha'colocado'fogo'

em' boa' parte' do' campo' preparado' para' o' acampamento' dos' sobas,' chegando' a' atingir' a'

área' mais' distante' em' que' ficava' a' mukanda.' E,' ainda' que' não' houvesse' nenhum' neófito'

recolhido'naquela'mukanda,'um'boi'seria'cobrado'de'suas'famílias.81'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
81
'O'caso'do'fogo'que'atingiu'a'mukanda'em'2013'remete'a'uma'outra'situação'que'ocorreu'poucos'dias'antes'
da' abertura' do' Festival' de' 2012.' Era' mais' um' final' de' tarde' na' vambunda' e' Brevinta' e' suas' companheiras'
preparavam'o'funge'que'seria'servido'de'almoço'para'os'grupos'culturais'acampados.'Apesar'do'avançado'da'

! 204!
Se'o'fogo'constitui'um'dos'maiores'riscos'para'o'sucesso'de'um'ritual'de'mukanda,'

mobilizando' uma' série' de' procedimentos' preventivos,' é' conhecido' na' literatura' o' fato' de'

que,' com' o' término' do' ritual,' não' apenas' algumas' máscaras' são' queimadas' (Bastin' 1984,'

Jordán' 2006),' como' também' o' próprio' acampamento' (Cameron' 1998b).' Em' minhas'

conversas' com' Eduardo' Samwambila' e' com' o' bailarino' Ninja' após' o' Festival' de' 2013,'

pergunteiElhes'se'alguma'máscara'também'era'queimada'ao'fim'do'Festival,'ao'que'ambos'

me' responderam' negativamente.' Contudo,' quando' perguntei' a' eles' se' o' acampamento'

montado'para'acolher'os'makixi#durante'o'Festival'era'queimado'com'o'término'do'evento,'

não' houve' consenso.' Enquanto' Ninja' me' assegurou' que' a' mukanda' era' destruída,'

Samwambila'riu'da'pergunta,'garantindoEme'que'até'então'eles'nunca'tinham'feito'aquilo'

no'contexto'do'Festival,'porque'aquela'mukanda'era'só'um'“teatro”,'era'só'para'“mostrar'

como'as'coisas'eram'feitas'no'passado”.'No'entanto,'prometeuEme:'“(...)'se'a'doutora'disser'

que'no'ano'que'vem'tem'que'queimar'para'ver,'então,'nós'vamos'fazer”'(mais'risos).''

'

'

'

D.'

[TEATRO'E'RITUAL]'

'

Ao' que' parece,' há' uma' fronteira' muito' tênue' e' flexível' entre' os' terrenos' do' ritual' e' do'

“teatro”'no'Festival'Luvale,'sendo'“teatro”,'aqui,'uma'categoria'nativa,'uma'vez'que'meus'

interlocutores' frequentemente' identificavam' as' peças' apresentadas' no' evento' com' esse'
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
hora,' todos' ainda' estavam' à' espera' da' primeira' refeição' do' dia.' De' repente,' um' dos' bailarinos' zambianos'
surgiu'da'mata,'vindo'da'mukanda.'Estava'furioso.'Protestava'pelo'fato'de'ninguém'ter'levado'comida'para'os'
homens'que'lá'se'encontravam.'Eles'estavam'passando'fome'e'aquilo'era'inaceitável.'Se'a'situação'não'fosse'
resolvida,'ele'queimaria'tudo,'inclusive'as'máscaras!'

! 205!
termo'(em'português).'Na'verdade,'falavam'em'“teatro”'quando'queriam'justificar'o'caráter'

fragmentário'das'peças.'Por'exemplo,'quando'eu'lhes'pedia'que'me'explicassem'o'que'era'

uma'determinada'peça,'eles'se'referiam'geralmente'ao'seu'contexto'de'origem,'como'o'fez'

Brevinta' ao' relatar' a' rotina' do' primeiro' dia' de' uma' mukanda' luvale' a' partir' da' sequência'

observada' durante' o' cortejo' dos' makixi' no' Festival.' No' entanto,' quando' eu' perguntava' o'

por'quê'deles'não'terem'realizado'uma'ou'outra'coisa'que'se'fazia'orginalmente'e'que'fora'

ocultada'no'contexto'do'Festival,'eles'diziam'que'não'o'tinham'feito'porque'o'que'exibiam'

na'festa'era'só'um'“teatro”,'ou'só'para'“mostrar'como'as'coisas'eram'feitas'no'passado”.''

' No' entanto,' no' momento' em' que' homens' “entram”' em' máscaras' e' roupas' de'

makixi,' não' há' “teatro”;' quando' mulheres' fazem' um' sacrifício' para' um' determinado'

lihamba,'não'há'transe'simulado;'uma'vez'que'se'organiza'um'Festival'em'homenagem'aos'

grandes'chefes'luvale,'não'há'atores'que'possam'representáElos.'Além'disso,'na'medida'em'

que' essas' figuras' se' fazem' presentes' na' festa,' elas' arrastam,' como' um' imã,' todo' um'

conjunto' de' protocolos,' etiquetas' e' procedimentos,' alguns' deles,' aparentemente,'

indispensáveis.'Há,'evidentemente,'uma'margem'considerável'em'relação'ao'que'entra'e'o'

que'não'entra'na'festa,'ao'que'se'opta'por'realizar,'prescindir'ou'mesmo'ocultar.'Além'disso,'

essa' seleção' é' negociada' em' diversas' esferas,' inclusive' com' a' pesquisadora,' a' quem,' por'

diversas'vezes,'como'vimos,'foi'dado,'ironicamente,'o'“direito”'de'definir'detalhes'do'script'

de'uma'próxima'edição'do'evento.'

Assim,' num' próximo' Festival,' a' mukanda' pode' ser' queimada,' ou' não;' todos' os'

mahamba'podem'aparecer'durante'a'apresentação'do'grupo'de'Cisola,'ou'apenas'um;'um'

ritual'de'mwali'pode'ser'de'fato'realizado'nos'bastidores'do'Festival,'ou'somente'um'trecho'

seu' representado' no' centro' da' arena.' No' entanto,' não' creio' que' vá' se' deixar' de' colocar'

medicamentos' dentro' da' mukanda;' que' os' cantos' em' louvor' aos' chefes' venham' a' ser'

! 206!
suprimidos;' e,' caso' seja' realizado' um' novo' sacrifício' para' os' mahamba' durante' a' festa,'

considero'improvável'que'não'seja'Kawengo'a'“comer'aquela'carne'crua”.'

Por'mais'fragmentária'que'seja'a'estrutura'da'festa'e'entrecortada'por'intervenções'

de' diferentes' tipos,' a' lógica' ritual' se' faz' presente,' ainda' que' de' maneira' efêmera,'

perceptível'apenas'em'certas'passagens'lampejantes'e'descontínuas.'Aquele'efeito'colchete'

(Fausto' 2012)' que' indica' que' a' ontologia' cotidiana' foi' substituída' por' outra' de' caráter'

transformacional' está' o' tempo' todo' sendo' acionado' e' desarmado' durante' o' Festival.' Ou'

seja,' há' uma' permanente' oscilação' entre' “teatro”' e' ritual' no' evento.' Nesse' sentido,' vejo'

que'estava'equivocada'quando'insistia'com'meus'interlocutores'para'que'me'respondessem'

se' o' que' eles' apresentavam' no' Festival' era' “teatro”' ou' ritual.' Os' termos' não' são'

excludentes'nesse'caso.'A'festa'se'constitui'dos'dois:'é'“teatro”'e'ritual,'ao'mesmo'tempo.'

Aproximações' entre' o' teatro' e' o' ritual' marcaram' não' apenas' a' antropologia' como'

também' a' produção' intelectual' e' artística' de' encenadores' e' pesquisadores' teatrais,'

sobretudo'entre'os'anos'1960'e'1980.'No'campo'do'teatro,'destaco'o'pioneirismo'de'Jerzy'

Grotowski,' que' se' dedicou,' ao' longo' de' quase' toda' a' vida,' a' um' estudo' sistemático' das'

diferentes' práticas' rituais' observadas' entre' povos' tradicionais,' abordandoEas' do' ponto' de'

vista' do' trabalho' do' ator' e' do' encenador.' Em' suas' palavras:' “foi' esta' orientação' que' de'

imediato' abriu' um' terreno' virgem,' permitindoEme' fazer' várias' perguntas' fundamentais'

relativas' às' leis' que' dirigem' o' comportamento' humano' numa' situação' extraEcotidiana”'

(Grotowski' 1997).' As' pesquisas' de' Grotowski' sobre' as' relações' entre' práticas' rituais' e'

técnicas'dramáticas'foram'determinantes'para'a'elaboração'de'sua'estética'e'metodologia'

de' trabalho.' Ele' tornouEse' a' principal' referência' da' corrente' identificada' pelo' nome' de'

! 207!
“antropologia' teatral”,' fundada' por' discípulos' seus' nos' anos' 1970,' dentre' os' quais' se'

destaca'a'figura'de'Eugenio'Barba82.'

No' campo' da' antropologia,' Victor' Turner' (1957,' 1967,' 1968,' 1969,' 1974b,' 1982a,'

1986,'1987)'está'entre'os'que'primeiro'investiram'em'uma'leitura'da'realidade'social'à'luz'

dos'paradigmas'do'teatro.'A'produção'desse'autor'situaEse'em'um'período'da'disciplina'em'

que'se'fazia'um'diálogo'intenso'entre'os'estudos'do'ritual,'do'teatro'e'da'interação'social,'

motivado' por' uma' discussão' mais' geral' em' torno' do' papel' dos' símbolos' na' vida' social.'

Como' resultado' deste' diálogo,' uma' nova' vertente' antropológica' despontou' no' cenário'

internacional.' A' chamada' “antropologia' da' performance”' surgiu' nos' anos' 1970' como' um'

espaço'interdisciplinar'dedicado'principalmente'à'compreensão'de'um'conjunto'de'“human'

actions' ranging' from' ritual,' play,' sports,' popular' entertainments,' the' performing' arts'

(theatre,'dance,'music),'and'everyday'life'to'the'enactment'of'social,'professional,'gender,'

race,' and' class' roles,' and' on' to' healing' (from' shamanism' to' surgery),' the' media,' and' the'

internet”'(Schechner'2006:02).83''

Filiado'a'uma'tendência'que'procura'olhar'para'os'rituais'do'ponto'de'vista'de'sua'

pragmática' e' não' de' sua' simbologia,' Carlo' Severi' também' propôs,' a' seu' modo,' uma'

aproximação' entre' teatro' e' ritual,' nos' últimos' parágrafos' de' “Memory,' reflexivity' and'

belief”'(2002).'No'entanto,'se'estes'dois'campos'foram'mais'frequentemente'abordados'na'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
82
'Em' 1979,' Eugenio' Barba' fundou' a' ISTA' –' International' School' of' Anthropology,' que' está' sediada' na'
Dinamarca.'O'resultado'das'pesquisas'desenvolvidas'pela'ISTA'podem'ser'encontrados'em'Sevarese'(1995)'e'
Barba'(1994).'
83
'Turner'contribuiu'para'a'fundação'desse'novo'campo'de'estudo'na'última'fase'de'sua'produção'intelectual,'
marcada'pela'publicação'de'From#ritual#to#theatre'(1982)'e'pela'edição'póstuma'de'Anthropology#of#experience#
(1986)' e' Anthropology# of# performance# (1987).' Segundo' Cavalcanti,' esses' últimos' trabalhos' de' Turner'
“alimentaram'o'diálogo'interdisciplinar'entre'antropologia'e'as'artes'cênicas'e'narrativas'configurando'a'área''
dos'estudos'de'performance”'(Cavalcanti'2012:105).'O'diretor'teatral'e'antropólogo'Richard'Schechner'(1985,'
1988,'1990,'2002),'importante'colaborador'de'Turner'nessa'etapa'final'do'seu'trabalho,'até'hoje,'desempenha'
papel' decisivo' no' desenvolvimento' e' legitimação' do' novo' campo,' afirmandoEse' possivelmente' como' a' sua'
principal'referência.'

'

! 208!
literatura'antropológica'um'à'luz'do'outro,'como'se'houvesse'entre'eles'pontos'de'contato'

inquestionáveis,' ao' fazer' a' sua' aproximação,' Severi' acaba' por' construir' uma' antianalogia,'

sugerindo,'ao'inverso,'que'os'contextos'de'comunicação'e'os'tipos'de'ficção'produzidos'pelo'

ritual'e'pelo'teatro'são'radicalmente'diferentes.''

Para' Severi,' a' primeira' diferença' é' de' natureza' formal.' TrataEse' da' maneira' como'

num'e'noutro'contexto'se'constrói'a'presença'do'performer.'Assim,'enquanto'no'ritual'ele'

acumularia'uma'série'de'identidades'que'não'se'excluem,'no'teatro'ele'apenas'transitaria'

por'identidades'mutuamente'exclusivas.'A'segunda'diferença'refereEse'à'natureza'paradoxal'

do'enunciador'ritual.'Para'Severi,'o'ritual'é'menos'um'espaço'de'crença'e'antes,'de'dúvida:'a'

dúvida'sobre'a'real'identidade'do'performer,'sobre'a'sua'natureza'ordinária'ou'sobrenatural.'

No'teatro,'ao'contrário,'não'haveria'dúvida'sobre'a'identidade'do'ator,'mas'simplesmente:'

“As' we' enter' the' theatre,' we' accept' the' kind' of' fiction' which' a' performance' of' this' kind'

implies”'(Severi'2002:38).''

Em'outra'ocasião,'eu'já'havia'mostrado'como'a'concepção'de'Severi'sobre'o'teatro'

me'parece'insuficiente'para'se'pensar,'por'exemplo,'a'produção'teatral'contemporânea,'em'

que'se'celebra'“um'jogo'complexo'onde'a'verdade'e'a'ficção'menos'se'alternam'e'mais'se'

sobrepõem”'(Penoni'2010:129).'Mais'uma'vez,'pareceEme'que'a'formulação'de'Severi'não'

dá' conta' de' se' pensar' o' “teatro”' ou' o' gênero' performativo' em' jogo' nos' Festivais' Luvale,'

que,'como'vimos,'não'se'constitui'em'oposição'ao'ritual,'mas,'ao'contrário,'o'inclui.'

Portanto,'sugiro'voltarmos'ao'início,'i.e.,'a'Turner.''

'

'

'

'

! 209!
E.'

[TURNER'E'O'TEATRO]'

'

A'abordagem'de'Turner'sobre'o'teatro'não'pode'ser'dissociada'de'sua'abordagem'do'ritual,'

baseada'em'seu'trabalho'de'campo'entre'os'Ndembu'nos'anos'1950,'como'pesquisador'do'

RhodesELivingstone'Institute84.'Então,'façamos'uma'breve'digressão'acerca'do'que'o'autor'

formulou' sobre' o' ritual' para' que' possamos,' enfim,' chegar' a' suas' considerações' sobre' o'

teatro.''

Turner'entende'a'sociedade'como'processo,'embora'nunca'tenha'renunciado'à'idéia'

de' estrutura.' Seu' interesse' moviaEse,' simultaneamente,' em' direção' ao' que' para' ele'

constituía' as' duas' faces' da' vida' social,' “movimento' tanto' quanto' estrutura,' persistência'

tanto' quanto' mudança' e,' na' verdade,' persistência' enquanto' um' notável' aspecto' da'

mudança.”'(Turner'1974b:27)'O'caráter'criativo'do'“processo'social”,'no'entanto,'situavaEse'

notadamente' nos' períodos' de' mudança,' que' o' autor' convencionou' chamar' de' “dramas'

sociais”85.''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
84
'Como'um'exemplo'de'instituição'fundada'na'associação'entre'cientistas'e'técnicos,'onde'o'investimento'à'
produção'do'saber'sobre'populações'indígenas'está'diretamente'relacionado'à'formulação'de'planos'de'ação'e'
políticas' de' estado' (de' L´Estoile,' Neiburg' &' Sigaud' 2002:20),' o' RhodesELivingstone' Institute' reuniu'
pesquisadores' provenientes' do' Departamento' de' Antropologia' Social' da' Universidade' de' Manchester,' sob' a'
liderança'de'Max'Gluckman,'publicando'uma'quantidade'significativa'de'trabalhos'sobre'a'“vida'das'tribos'da'
África'Central”'(Turner'1974a:18).'
85
'A' metáfora' do' drama,' aplicada' de' modo' extensivo' e' sistemático' ao' longo' de' toda' a' obra' de' Turner,' para'
além' da' inovação' sociológica' stricto# sensu,' conferiu' ao' trabalho' do' autor' implicações' no' nível' da' escrita'
etnográfica'propriamente'dita,'como'recurso'dramatúrgico,'conforme'sugeriu'Cavalcanti'(2007).'Em'“Dramatic'
Ritual' /' Ritual' Drama:' Performative' and' reflexive' anthropology”' (1982b),' por' exemplo,' Turner' narra' a' sua'
participação'em'um'“workshop'intensivo”,'que'reuniu'estudantes'de'antropologia'e'de'teatro,'com'o'objetivo'
de' testar' a' aplicação' de' dados' etnográficos' em' playscripts,' ou' estruturas' dramatúrgicas.' Para' Turner' foi,' ao'
mesmo'tempo,'uma'oportunidade'para'experimentar'uma'nova'maneira'de'escrever'etnografias,'o'que,'para'
ele,' deveria' se' dar' por' meio' de' três' etapas:' primeiro,' um' material' etnográfico' deveria' ser' transformado' em'
uma' ou' mais' estruturas' dramatúrgicas;' depois,' essas' estruturas' deveriam' ser' performatizadas;' e,' então,'
poderia' ser' escrita' a' etnografia.' Encarar' etnografias' como' estruturas' dramatúrgicas' significou' para' o' autor'
uma' possibilidade' concreta' de' medir' e' garantir' a' sua' eficácia,' como' duplo' que' deve' ser' dos' dramas' sociais'
observados.' É' claro' que' essa' preocupação' de' que' “Perhaps' we' should' not' merely' read' and' comment' on'
ethnographies' but' actually' perform' then”' (Turner' 1982b:83)' refereEse' a' um' estágio' bastante' avançado' do'
desenvolvimento'e'desdobramento'reflexivo'da'própria'analogia'do'drama'dentro'da'obra'de'Turner.'

! 210!
'“Dramas' sociais”' são,' segundo' Turner,' episódios' de' irrupção' pública' de' tensões' e'

conflitos' sociais' latentes,' que,' embora' se' situem' em' zonas' de' quebra' ou' interrupção'

estrutural,' também' possuem' a' sua' estrutura,' ou' como' queria' Turner,' a' sua' antiestrutura.'

Tipicamente,' caracterizamEse' por' quatro' fases' principais' e' acessíveis' à' observação 86 ,'

revelandoEse' aos' olhos' do' antropólogo' como' unidades' isoláveis' no' curso' geral' da' ação'

social' e' passíveis' de' descrição' detalhada' –' algo' que' o' autor' explorou' já' em' Schism# and#

Continuity# in# an# African# Society' (1957),' propondo' uma' “microssociologia' diacrônica' que'

complementaria'a'análise'sincrônica'das'aldeias'ndembu”'(Peirano'1990:60).''

A'forma'do'drama,'caracteristicamente'processual,'com'suas'quatro'fases'acessíveis'

à' observação,' cada' uma' evoluindo' da' anterior,' possui' um' aspecto' de' circularidade,' no'

sentido'de'que'há'uma'intenção'de'restauração'da'condição'anterior,'ou'seja,'do'equilíbrio'

social' (Turner' 1968:276).' Assim,' ao' mesmo' tempo' que' consiste' em' uma' ruptura' com'

contextos'mais'ou'menos'estáveis'de'relacionamento'social,'o'“drama'social”'é'também'o'

que'possibilita,'adiante,'a'criação'de'novos'contextos'de'estabilidade,'uma'vez'que,'na'sua'

terceira'fase'–'onde'a'performance'de'rituais'geralmente'se'faz'presente'–,'a'reparação'do'

conflito'é'garantida'por'um'amplo'acordo'popular'sobre'valores'e'significados'(1982a:111).''

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
86
'Na' primeira' fase,' ocorre' a' ruptura' com' aquelas' relações' socialmente' estabelecidas' por' normas' e'
regularidades'–'gatilho'do'drama.'Normalmente,'isso'se'dá'através'de'um'ato'público'e'simbólico.'Na'segunda,'
instauraEse'a'crise:'momento'onde'a'“comunidade”,'em'geral,'se'divide'e'assume'posições'contrárias:'facções'
são'formadas,'a'violência'é'comum'e'o'conflito,'contagioso.'Esse'segundo'estágio'é'aquele'que'o'autor'definiu'
como'caracteristicamente'liminar,'na'medida'em'que'marca'a'zona'de'limite'entre'contextos'de'significado'e'
ação' mais' ou' menos' estáveis' dos' processos' sociais.' A' terceira' fase' é' compensatória' ou' de' reparação.' Nessa'
fase,' é' comum' que' agentes' responsáveis' pela' integridade' e' continuidade' das' comunidades,' sociedades' ou'
nações'entrem'em'ação,'para'conter'e'dissipar'a'crise,'através'de'mecanismos'formais,'institucionalizados,'ou'
não.'Tais'mecanismos'variam'de'tipo'e'em'complexidade'de'acordo'com'o'caráter,'a'profundidade'e'a'extensão'
da' crise,' com' a' natureza' dos' grupos' sociais' envolvidos' e' com' o' grau' de' autonomia' desses' grupos' para'
solucionar' suas' contendas' em' relação' a' outras' esferas' e' sistemas' de' relações.' Vão' de' mediações' informais,'
passando' pela' arbitrariedade' da' maquinaria' legal' e' judicial,' até' a' performance' de' rituais' públicos.' A' quarta' e'
última'fase'caracterizaEse'pela'reintegração'do'grupo'ou'grupos'sociais'insurgentes'e'pelo'restabelecimento'da'
ordem' e' regularidade' estruturais;' ora' pelo' reconhecimento' e' legitimação' do' cisma,' ora' pela' retomada' de'
antigas'formações'e'alianças'(Turner'1974b:33E37).'

! 211!
Segundo'Turner,'a'unidade'da'sociedade'ndembu'não'se'encontrava'assentada'em'

um'modelo'estático'de'organização'social,'mas'sim'na'consciência'de'um'sistema'comum'de'

valores'e'normas,'produzida'por'meio'de'rituais.'Porém,'se'a'ação'ritual'é'o'que'promove'a'

unidade'social,'ela'mesma'só'pode'resultar'de'uma'condição'de'desunião'e'conflito,'real'ou'

potencial' (1968:270).' “Drama' social”' e' ritual' estão,' portanto,' organicamente' relacionados'

no' esquema' desenvolvido' por' Turner.' Em' um' contexto' dinamizado' por' crises' e' conflitos'

periódicos,' tal' como' seria' a' sociedade' ndembu,' os' rituais' públicos' assumem'

privilegiadamente' a' função' de' assegurar' a' unidade' social,' nesse' caso,' menos' política,' que'

moral.87''

' Constituindo'uma'das'fases'do'drama,'o'ritual'é,'ao'mesmo'tempo,'uma'espécie'de'

duplo'do'primeiro,'apresentando'uma'forma'similar,'processual'e'dramática.'

'
The'ritual'remedy'thus'invoked'itself'possess'a'form'similar'to'the'whole'process'of'
crisis'and'redress.'It'originates'in'trouble,'proceeds'througt'the'symbolization'and'
mimesis' of' tradicional' causes' of' trouble' and' feelings' associated' whith' it,' and'
concludes' in' an' atmosphere' of' reEachieved' amity' and' cooperativeness,' with' the'
hope'of'restored'health,'prosperity'and'fertility.'[Turner'1968:52]'
'
'
' No'entanto,'enquanto'o'drama'equivale'a'um'evento'aleatório'ou'a'uma'sequência'

de'ações'mais'ou'menos'dispersas'no'fluxo'da'vida'cotidiana,'que'para'ganhar'a'forma'e'a'

ordem' idealizadas' pelo' autor' precisa' passar' por' um' processo' de' transposição' ficcional'

(Cavalcanti'2007:137),'o'ritual'é'um'drama'rotinizado'por'excelência'e'fixado'pela'tradição.'

Turner' via' os' rituais' ndembu' como' aglomerados' de' símbolos' e' estes,' por' sua' vez,' como'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
87
'Max'Gluckman,'em'análises'precedentes'sobre'os'Zulu'da'África'Central,'já'havia'reconhecido'o'papel'central'
do'ritual'no'processo'social,'simultaneamente,'como'deflagrador'e'reparador'de'conflitos'e'tenções.'Segundo'
Cavalcanti,'para'Gluckman,'o'ritual'não'apenas'afirmava'a'coesão'social'ou'exprimia'os'valores'e'sentimentos'
do'povo,'como'queria'Durkheim,'o'ritual'mostrava'que'a'unidade'social'se'faz'através'de'conflitos'–'tese'que'o'
autor' já' havia' admitido' que' Turner' teria' levado' muito' adiante' em' “Cisma' e' continuidade”' (Cavalcanti'
2007:129).'
'

! 212!
reservatórios'de'informação,'mas'não'de'qualquer'tipo'de'informação:'uma'informação'que'

estivesse'associada'aos'valores'constitutivos'e'axiomáticos'da'sociedade'(Turner'1968:02).'

Notavelmente,' o' modelo' de' Van' Gennep' (1978)' inspira' tanto' a' análise' social' de'

Turner,'como'sua'abordagem'dos'rituais.'Assim,'se'o'“drama'social”'é'visto,'de'forma'geral,'

como'um'espaçoEtempo'reservado'à'liminaridade'e'às'mudanças'substanciais,'é'apenas'na'

sua' terceira' fase,' através' do' ritual,' que' os' sujeitos' envolvidos' no' drama' concluem' um'

processo'gradativo'de'tomada'de'consciência'de'si'e'do'todo,'que'é'exatamente'o'que'faz'

com'que'as'coisas'possam'retornar'à'estabilidade.''

O' ritual' representa,' portanto,' a' etapa' propriamente' liminar' dos' “dramas' sociais”,'

onde' os' indivíduos' encontramEse' de' fato' “betwixt# and# between”.' Dissociados' de' suas'

antigas' posições' sociais' e' a' partir' de' uma' nova' condição' de' invisibilidade' passageira,' eles'

experimentam'um'sentimento'único'de'coletividade,'que'o'autor'denominou'communitas88.'

Ao'mesmo'tempo,'esses'indivíduos'são'investidos'por'um'processo'reflexivo'desencadeado'

por' complexas' operações' simbólicas.' Para' tais' operações,' Schechner' (2006)' atribuiu' uma'

definição'mais'sintética:'a'desconstrução'lúdica'e'a'recombinação'de'configurações'culturais'

familiares'–'“In#others#words,#art”#(Schechner'2006:76).''

'
(...)'A'liminaridade'pode'ser'em'parte'descrita'como'um'estágio'de'reflexão.'Nele'aquelas'ideias,'
sentimentos' e' fatos' que,' até' aqui,' tinham' aparecido' ao' neófito' enfeixados' em' configurações' e'
foram' aceitos' sem' pensar,' são,' por' assim' dizer,' decompostos' em' seus' elementos.' Esses'
elementos'são'isolados'e'transformados'em'objetos'de'reflexão'(...)'por'meios'de'processos'tais'
como'o'exagero'e'a'dissociação'por'variações'concomitantes.'A'comunicação'dos'sacra'e'outras'
formas' de' instrução' esotérica' realmente' envolvem' três' processos,' ainda' que' estes' devam' ser'
encarados' não' como' seriados,' mas' paralelos.' O' primeiro' é' a' redução' da' cultura' aos' seus'
componentes' ou' fatores' reconhecidos;' o' segundo' é' a' recombinação' destes' configurando'

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
88
'Termo' de' difícil' tradução,' geralmente' remete' na' obra' do' autor' à' relação' que' se' cria' entre' pessoas' que'
atravessam'juntas'uma'experiência'de'transição'ou'transformação'por'meio'de'rituais.'Tal'relação'seria'mediada'
por'uma'espécie'de'cumplicidade'de'sentimento'que'surge'espontaneamente'naqueles'contextos'de'passagem'
e'suspensão'de'papeis.'Segundo'Cavalcanti'(2007),'o'conceito'de'communitas,'desenvolvido'pela'primeira'vez'
por'Turner'em'“O'processo'ritual”#(1974a'[1969]),'marca'o'início'de'uma'nova'etapa'da'obra'do'autor,'onde'“a'
etnografia' dos' Ndembu# passaria' a' dialogar' com' os' mais' diversos' fenômenos' das' chamadas' sociedades'
ocidentais' –' dos' movimentos' milenaristas' às' comunidades' hippies# –' e' finalmente' desembocaria' nas' ideias' de'
uma'antropologia'da'performance'e'da'experiência'(Dawsey'2005).”'(Cavalcanti'2007:128)'

! 213!
padrões' e' formas' fantásticas' ou' monstruosas;' e' o' terceiro' é' a' sua' recombinação' de' modo' a'
fazerem'sentido'no'que'se'refere'ao'novo'estado'e'estatuto'que'os'neófitos'vão'assumir.'[Turner'
2005:151]''
'
'
A' meu' ver,' aqui' se' situa' um' pontoEchave' de' divergência' entre' as' teorias' rituais' de'

Victor'Turner'e'Carlo'Severi:'trataEse'da'maneira'como'um'e'outro'manipulam'a'noção'de'

“reflexividade”.' Ainda' que' ambos' os' autores' atribuam' ao' ritual' um' caráter' ambíguo' e'

paradoxal,' caracterizandoEo' como' um' espaçoEtempo' onde' se' operam' relações' complexas'

entre'elementos'heterogêneos,'frequentemente'contraditórios,'pareceEme'que'a'noção'de'

“reflexividade”'inflete'de'modo'diferente'sobre'os'dois'trabalhos.''

Para' Severi,' aquela' noção' não' estaria' tanto' associada' ao' potencial' do' ritual' em'

produzir' consensos' ou' comentários' sobre' a' realidade,' como' sugere' Turner,' mas' à' sua'

pragmática.' Ou' seja,' a' “reflexividade”' estaria' mais' ligada' ao' mecanismo' típico' através' do'

qual'um'ritual'se'constitui'como'um'complexo'de'índices'de'uma'série'de'situações'sociais'

fragmentadas' historicamente,' do' que' a' um' processo' de' construção' de' sentido,' ainda' que'

produzido' pela' contraposição' ou' reconfiguração' rituais' de' aspectos' da' realidade.' Para'

Severi,'a'“reflexividade”'não'está'no'fim,'mas'no'meio.'É'através'dela'que'um'ritual'tornaEse'

efetivo.' Talvez,' menos' para' transformar' indivíduos,' consciências,' ou' realidades' sociais,' do'

que'para'armazenar,'reproduzir'e'atualizar'a'memória'de'uma'determinada'tradição.'

'
The' effectiveness' of' a' ritual' is' not' necessarily' to' be' understood' as' the'
establishment'of'a'symbolic'consensus.'It'is'on'the'contrary'much'more'realistic'to'
describe'ritual'as'a'context'that'can'involve'a'range'of'more'fragmented,'divided'
and'historically'selfEconscious'social'situations.'[Severi'2002:27]'
'

Essa'“reflexividade”'é'também,'para'Severi,'exatamente'o'que'diferencia'o'ritual'do'

teatro.'Como'mencionei'anteriormente,'segundo'esse'autor,'os'tipos'de'ficção'em'jogo'nos'

dois'contextos'são'radicalmente'diferentes:'um'implica'a'dúvida'sobre'a'real'identidade'do'

performer,'enquanto'o'outro'fundaEse'no'fato'de'que'o'ator'apenas'transita'por'identidades'

! 214!
mutuamente' excludentes.' Ao' contrário,' para' Turner,' os' processos' em' jogo' num' e' noutro'

contexto' são' exatamente' da' mesma' ordem.' Ele,' no' entanto,' adota' um' novo' termo' para'

designar'as'ações'simbólicas'tipo'liminares,'como'seriam'o'teatro'e'as'artes'da'performance'

de' forma' geral,' observadas' nas' sociedades' modernas' e' industriais:' o' “liminoid”' (Turner'

1982a).''

Segundo' Turner,' enquanto' nas' sociedades' préEindustriais,' o' “drama' social”' é'

limitado' temporalmente,' nas' sociedades' complexas' contemporâneas,' marcadas' pelo'

individualismo' e' pela' diversidade,' e' onde' o' consenso' é' pouco' provável,' a' resolução' do'

drama'é'retardada'indeterminadamente,'levando'a'um'estado'de'crítica'permanente,'plural'

e' sofisticado,' atravessado' por' uma' enorme' variedade' de' meios' de' comunicação' e'

persuasão,' e' pelos' mais' variados' gêneros' de# performance' cultural.' TrataEse' de'

microssistemas' e' modelos,' religiosos,' políticos,' filosóficos,' artísticos,' onde' processos' de'

simbolização'e'metaforização'da'experiência,'de'“desconstrução'lúdica'e'recombinação'de'

configurações'familiares”,'ocupam'um'lugar'central;'momentos'de'“suspensão'de'papeis”,'

em'que'se'procura'reconstituir'provisoriamente'a'unidade'do'mundo'ao'redor,'produzindo'

um'certo'conhecimento'sobre'ele,'ainda'que'parcial'e'passageiro'(Dawsey'2005:15E34).'

Haveria,' no' entanto,' segundo' Turner,' uma' diferença' crucial' entre' o' liminar' nas'

sociedades' “tribais”' e' o' “liminoid”' nas' sociedades' industriais:' o' fato' do' primeiro' estar'

geralmente'associado'a'eventos'obrigatórios'que'envolvem'toda'a'comunidade,'enquanto'o'

segundo,' a' eventos' produzidos' voluntariamente' por' pequenos' grupos' de' indivíduos,'

embora'muitas'vezes'tenham'um'efeito'sobre'o'coletivo'(Turner'1982a:54).'O'teatro'é,'para'

Turner,' um' evento' “liminoid”' por' excelência.' Seja' por' constituir' um' espaço' de' lazer' nos'

interstícios'de'um'diaEaEdia'desempenhado'por'papeis'socialmente'estabelecidos,'ou'o'locus#

privilegiado'de'uma'ação'simbólica'subversiva'e'crítica,'potencialmente'criativa.'

! 215!
Depois'dessa'nem'tão'breve'digressão,'perguntoEme'se'não'poderíamos'olhar'para'o'

“teatro”' Luvale' ou' para' o' gênero' performativo' em' jogo' no' Festival,' realizado'

contemporaneamente' na' mesma' área' em' que' Turner,' nos' anos' 1950,' elaborou' suas'

hipóteses' sobre' o' “liminar”,' como' um' evento' “liminoid”.' A' questão' tem' como' pano' de'

fundo'a'hipótese'de'que,'enquanto'a'teoria'ritual'de'Carlo'Severi,'como'vimos'no'capítulo'

anterior,' nos' ajuda' a' ver' o' Festival' como' um' dispositivo' mnemônico,' que' aponta' para' o'

passado,' a' teoria' de' Turner' e' mais' precisamente' a' noção' de' “liminoid”' nos' ajudaria,' não'

apenas'a'abordáElo'em'relação'aos'mais'variados'gêneros'das'artes'da'performance,'como'

também' a' reconectáElo' ao' seu' sentido' político,' ou' seja,' ao' fato' de' ele' consistir' em' um'

evento'que'visa'assumidamente'uma'intervenção'no'presente,'dirigindoEse'para'o'futuro.'

'

'

'

F.'

[UM'POUCO'DE'TEORIA'DA'PERFOMANCE]'

'

Segundo' Schechner' (2006),' a' noção' de# performance' refereEse' a' uma' vasta' gama' de'

atividades' que' vão' desde' o' desempenho' de' papeis' sociais' na' vida' cotidiana,' até' o' ritual,'

passando' pelos' mais' variados' tipos' de' entretenimento,' pelo' esporte,' e' pelas' artes' da'

performance,' como' o' teatro,' a' dança' e' a' música,' para' citar' alguns' exemplos.' No' fundo,'

segundo' o' autor,' toda' ação' pode' ser' vista' “como”' performance,' embora' apenas' algumas'

sejam'socialmente'reconhecidas'como'tal'(Schechner'2006:38E40).'As'noções'de'ritual'(aqui'

referindoEse' à' tendência' mais' ou' menos' comum' de' rotinizar' ou' padronizar' o'

comportamento'e'as'ações'cotidianas)'e'de'jogo,'brincadeira'e'representação'(estas'últimas,'

! 216!
todas' embutidas' na' noção' mais' geral' de' “play”)' são,' para' Schechner,' o' coração' da'

performance,' que,' frequentemente,' aparece' definida' em' seu' trabalho' pela' seguinte'

fórmula:'“ritualized#behavior#conditioned/permeated#by#play”#(Schechner'2006:89).'

Na'perspectiva'de'Schechner'toda'performance#se'origina'da'tensão'entre'eficácia'e'

entretenimento,' no' sentido' de' que,' ainda' que' os' mais' diferentes' tipos' de' performance'

enfatizem' sempre' um' ou' outro' extremo,' todos' eles,' em' algum' grau,' “both' entertains' and'

ritualizes”'(Schechner'2006:87).'Cito:'

'
Performances' originates' in' the' need' to' make' things' happen' and' to' entertain;' to'
get'results'and'to'fool'around;'to'show'the'way'things'are'and'to'pass'the'time;'to'
be'transformed'into'another'and'to'enjoy'being'oneself;'to'disappear'and'to'show'
off;' to' embody' a' transcendent' other' and' to' be' “just' me”' here' and' now;' to' be' in'
trance'and'to'be'in'control;'to'focus'on'one’s'own'group'and'to'broadcast'to'the'
largest' possible' audience;' to' play' in' order' to' satisfy' a' deep' personal,' social,' or'
religious'need;'and'to'play'only'under'contract'for'cash.'[Schechner'2006:81]'
'

' No' capítulo' intitulado' From# ritual# to# theater# and# back:# the# efficacyVentertainment#

braid,' do' seu' Performance# Theory# (1988),' Schechner' descreve' uma' série' de' exemplos' em'

que'se'observam'mutações'do'ritual'para'o'teatro'e'viceEversa.'O'trânsito'do'primeiro'para'o'

segundo'ocorre,'segundo'o'autor,'sempre'que:'1)'performers#e'audiência'deixam'de'formar'

um'todo,'ou'quando'a'última'se'converte,'de'comunidade'participante,'em'público'pagante;'

2)'especialistas'se'profissionalizam;'e'3)'necessidades'econômicas'impõem'uma'situação'em'

que# as' performances' passam' a' ser' feitas' para' satisfazer' uma' audiência' e' não' pelo' seu'

vínculo'com'uma'determinada'tradição'(Schechner'1988:152).''

Os'exemplos'em'que'esse'trânsito'se'observa'referemEse,'por'um'lado,'a'situações'

que'o'próprio'autor'presenciou'em'viagens'para'PapuaENova'Guiné'e'Indonésia,'onde,'em'

uma' série' de' aldeias' rurais,' rituais' tradicionais' eram' adaptados' para' serem' consumidos'

como' entretenimento' por' turistas.' Segundo' Schechner,' a' interação' dos' povos' tradicionais'

com' o' crescente' mercado' de' turismo' intercultural,' internacional,' intracultural' e'
! 217!
intranacional' (Schechner' 2006:286)' orienta' o' que' poderia' ser' chamado' de' uma'

performatização'do'“autêntico”'–'uma'espécie'de'duplo'dos'rituais'tradicionais,'destituído,'

porém,' de' sua' “eficácia”' e' modificado' por' uma' série' de' fatores' provenientes' do' contato'

cultural,' como:' “opportunism,' audience' pressures,' professionalism' (itself' often' a' new'

concept),'new'technology'(...)”'(Schechner'1988:143).'O'deslocamento'do'ritual'para'o'show#

business,' como' diz' Schechner' (1988,' 2006),' ocorre' desde' as' antigas' exposições' coloniais,'

que' já' exibiam' “autênticos' rituais”' como' curiosidade' exótica' e' ganha' novo' impulso' no'

contexto' mais' recente' da' globalização,' sob' a' rubrica' dos' chamados' “festivais'

internacionais”.''

Por' outro' lado,' o' autor' mostra' como' uma' série' de' artistas,' sobretudo' ocidentais,'

apropriamEse'do'ritual,'ressiginificandoEo'em'suas'obras'artísticas.'Os'exemplos'vão'desde'as'

apropriações' que' fez' Antonin' Artaud' da' dança' ritual' balinesa,' ao' extensivo' trabalho' de'

síntese'de'rituais'das'mais'variadas'culturas'ao'qual'se'dedicou'Jerzy'Grotowski,'passando'

pela' 5º' Sinfonia' de' Philip' Glass,' em' que' ele' associa' músicas' de' povos' autóctones'

australianos' e' africanos' ao' seu' próprio' estilo.' Ou,' ainda,' o' espetáculo' de' Yoshi' Oida,'

apresentado'nos'EUA'em'1975,'em'que,'do'mesmo'modo,'observaEse'essa'reformulação'do'

ritual'como'performance'artística,'ou'estética.'

'
At' The' Yoshi' Show,' presented' at' the' Public' Theater' in' New' York' in' 1975,' a'
Buddihist' monk,' a' shinto' priest,' a' martial' arts' expert,' and' a' Tibetan' monk'
performed' with' Yoshi' Oida,' a' Japanese' actor' and' member' of' Peter' Brook’s'
company.' The' show' combined' elements' of' different' religious' ceremonies' with'
martial'arts'and'theatrical'performing.'(...)'The'Yoshi'Show'was'excitingly'confusing'
because'it'was'between'theater'and'ritual.'This'ambiguity'gave'it'a'special'almost'
sacrilegious' power.' (...)' Performances' like' The' Yo