Você está na página 1de 20

Reflexões preliminares sobre o novo

procedimento do Júri
David Medina da Silva,
Promotor de Justiça,
Coordenador do Centro de Apoio Criminal.

Índice

1. Introdução............................................................................................................................................2
2. Procedimento da primeira fase.............................................................................................................2
2.1. Principais inovações .................................................................................2
2.2. Recebimento da denúncia, resposta e réplica (arts. 406-409)........................2
2.3. Instrução concentrada (arts. 410-412)........................................................3
2.4. Debates Orais (411, §§ 4º, 5º e 6º)...........................................................3
2.5. Decisão (arts. 413-419)............................................................................4
2.6. Intimação da pronúncia (art. 420)..............................................................5
2.7. Recurso de apelação (art. 416) .................................................................5
2.8. Efeito preclusivo e alteração da pronúncia (art. 421)....................................5
2.9. Prazo máximo para encerramento da primeira fase (art. 412).......................6
3. Preparação e organização do júri .........................................................................................................6
3.1. Principais alterações.................................................................................6
3.2. Alistamento (arts. 425-426).......................................................................6
3.3. Audiência para Sorteio dos Jurados (art. 432)..............................................7
3.4. Convocação dos Jurados (arts. 434-435).....................................................7
3.5. Recusa ou não comparecimento e Responsabilidade Penal (arts. 436-446)......8
3.6. Composição do Conselho de Sentença (arts. 447-452) .................................8
3.7. Desaforamento com efeito suspensivo (art. 427) e excesso de serviço (art.
428)..........................................................................................................9
3.8. Habilitação do Assistente (art. 430)............................................................9
4. Procedimento da segunda fase...........................................................................................................10
4.1. Síntese das alterações ............................................................................10
4.2. Extinção do Libelo (arts. 422-423)............................................................10
4.3. Julgamento sem a presença do réu (art. 457)............................................11
4.4. Testemunha faltosa (art. 458)..................................................................11
4.5. Recusas imotivadas e cisão (arts. 468 e 469).............................................11
4.6. Compromisso e entrega de peças aos jurados (art. 472).............................12
4.7. Instrução (arts. 473 a 775)......................................................................12
4.8. Debates (arts. 476-481)..........................................................................13
4.9. Diligências de Plenário (art. 481)..............................................................14
4.10. Quesitos (art. 483)................................................................................14
4.11. Sentença (art. 492)...............................................................................18
4.12. Atribuições do Presidente do Tribunal do Júri (art. 497).............................19
4.13. Fim do Protesto por Novo Júri.................................................................19
5. Conclusão...........................................................................................................................................19

1
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
1. Introdução

Com a sanção presidencial, entra em vigor em 09 de agosto de


2008 a Lei n° 11.689/08, que altera profundamente o Tribunal do Júri,
cujo panorama pode ser sintetizado da seguinte maneira.

2. Procedimento da primeira fase

2.1. Principais inovações

Maior prazo para defesa prévia, concentração da audiência,


estabelecimento do interrogatório posteriormente à inquirição da vítima
e testemunhas, substituição das alegações escritas por debates orais,
recurso de apelação para as decisões de impronúncia e absolvição
sumária.

2.2. Recebimento da denúncia, resposta e réplica (arts. 406-409)

O Juiz, ao receber a denúncia, abre prazo para a defesa


responder, no prazo de dez dias.
A defesa poderá argüir preliminares e alegar tudo que interesse à
sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas
pretendidas e arrolar testemunhas, até o máximo de 8 (oito),
qualificando-as e requerendo sua intimação, quando necessário; as
exceções são processadas em apartado.
Não apresentada a resposta no prazo legal, o juiz nomeará
defensor para oferecê-la em até 10 (dez) dias, concedendo-lhe vista dos
autos

2
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
Apresentada a defesa, o juiz ouvirá o Ministério Público ou o
querelante sobre preliminares e documentos, em 5 (cinco) dias.

2.3. Instrução concentrada (arts. 410-412)

O juiz determinará a inquirição das testemunhas e a realização


das diligências requeridas pelas partes, no prazo máximo de 10 dias. Os
esclarecimentos dos peritos dependerão de prévio requerimento e de
deferimento pelo juiz. Todas as provas serão produzidas em uma só
audiência, podendo o juiz indeferir as consideradas irrelevantes,
impertinentes ou protelatórias. Nenhum ato será adiado, salvo quando
imprescindível à prova faltante, determinando o juiz a condução
coercitiva de quem deva comparecer. A audiência terá a seguinte
ordem:
1°) declarações do ofendido, se possível; 2°) declarações de
testemunhas; 3°) interrogatório do acusado; 4°) debates; 5°) decisão.

2.4. Debates Orais (411, §§ 4º, 5º e 6º)

As alegações escritas foram substituídas por debates orais,


concedendo-se a palavra, respectivamente, à acusação e à defesa, pelo
prazo de 20 minutos, prorrogáveis por mais 10; havendo mais de 1
acusado, o tempo previsto para a acusação e a defesa de cada um deles
será individual; ao assistente do Ministério Público, após a manifestação
deste, serão concedidos 10 minutos, prorrogando-se por igual período o
tempo de manifestação da defesa.

3
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
2.5. Decisão (arts. 413-419)

Encerrados os debates, o juiz proferirá a sua decisão, ou o fará em


10 dias, ordenando a conclusão dos autos para tal fim. Espécies:

Pronúncia: a fundamentação da pronúncia limitar-se-á à indicação


da materialidade do fato e da existência de indícios suficientes de
autoria ou de participação, devendo o juiz declarar o dispositivo legal
em que julgar incurso o acusado e especificar as circunstâncias
qualificadoras e as causas de aumento de pena. Se o crime for
afiançável, o juiz arbitrará o valor da fiança para a concessão ou
manutenção da liberdade provisória, ou decidirá, motivadamente, no
caso de imposição, manutenção ou revogação da prisão ou outra medida
restritiva.

Impronúncia: enquanto não ocorrer a extinção da punibilidade,


poderá ser formulada nova denúncia ou queixa se houver prova nova.

Absolvição sumária: ocorrerá quando estiver provada a


inexistência do fato, provado não ser o réu autor ou partícipe do fato, o
fato não constituir infração penal ou estiver demonstrada causa de
isenção de pena ou de exclusão do crime. No caso de inimputáveis, a
absolvição sumária só é possível, agora por disposição expressa, se a
inimputabilidade for a única tese defensiva.

Desclassificação: O juiz poderá dar ao fato definição jurídica


diversa da constante da acusação, embora o acusado fique sujeito a
pena mais grave. Quando o juiz se convencer, em discordância com a
acusação, da existência de crime não doloso contra a vida e não for
4
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
competente para o julgamento, remeterá os autos ao juiz que o seja,
ficando à disposição deste o acusado preso.
Inclusão de pessoas: Se houver indícios de autoria ou de
participação de outras pessoas não incluídas na acusação, o juiz, ao
pronunciar ou impronunciar o acusado, determinará o retorno dos autos
ao Ministério Público, por 15 dias, aplicável, no que couber, o art. 80 do
CPP, que trata da cisão facultativa.

2.6. Intimação da pronúncia (art. 420)

Pessoal: acusado, defensor nomeado, Ministério Público.


Nota: defensor constituído, querelante, assistente do Ministério
Público.
Edital: acusado solto que não for encontrado.

2.7. Recurso de apelação (art. 416)

Contra a sentença de impronúncia ou de absolvição sumária


caberá apelação.

2.8. Efeito preclusivo e alteração da pronúncia (art. 421)

Preclusa a decisão de pronúncia, os autos serão encaminhados ao


juiz presidente do Tribunal do Júri. Havendo circunstância superveniente
que altere a classificação do crime, o juiz ordenará a remessa dos autos
ao Ministério Público, em seguida, os autos serão conclusos ao juiz para
decisão.

5
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
2.9. Prazo máximo para encerramento da primeira fase (art.
412)

Noventa (90) dias.

3. Preparação e organização do júri

3.1. Principais alterações

Audiência para sorteio de jurados, impedimento de jurado que


tiver integrado o conselho de sentença no ano anterior, novo critério de
multa para recusa ou falta injustificadas, efeito suspensivo do
desaforamento.

3.2. Alistamento (arts. 425-426)

O alistamento compreenderá os cidadãos maiores de 18 (dezoito)


anos de notória idoneidade.
Número de jurados alistados:

a) comarcas com mais de 1.000.000 de habitantes: 800 a 1500


jurados;
b) comarcas com mais de 100.000 habitantes: 300 a 700 jurados;
c) comarcas até 100.000 habitantes: 80 a 400 jurados.

Onde for necessário, poderá ser aumentado esse número ou


organizada lista de jurados suplentes.
Para compor a lista, o juiz requisitará indicações às autoridades
locais, associações de classe e de bairro, entidades associativas e

6
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
culturais, instituições de ensino em geral, universidades, sindicatos,
repartições públicas e outros núcleos comunitários.
A lista geral de jurados será publicada pela imprensa até 10 de
outubro e fixada em editais no foro, devendo conter as respectivas
profissões.
O jurado que tiver integrado o Conselho de Sentença nos 12
(doze) meses que antecederem a publicação da lista geral fica dela
excluído.

3.3. Audiência para Sorteio dos Jurados (art. 432)

O sorteio de jurados que atuarão na reunião periódica será


realizado entre o décimo quinto e o décimo dias úteis antecedentes à
instalação da reunião, devendo ser intimados para a audiência o
Ministério Público, o representante da OAB e Defensoria Pública. A
audiência não será adiada pelo não comparecimento de qualquer das
partes. Serão sorteados 25 jurados. O jurado não sorteado poderá
integrar o sorteio das reuniões futuras.

3.4. Convocação dos Jurados (arts. 434-435)

Os jurados sorteados serão convocados pelo correio ou por


qualquer outro meio hábil para comparecer no dia e hora designados
para a reunião, sob as penas da lei. No mesmo expediente de
convocação serão transcritos os arts. 436 (obrigatoriedade) a 446
(responsabilidades).

7
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
3.5. Recusa ou não comparecimento e Responsabilidade Penal
(arts. 436-446)

Somente será aceita escusa fundada em motivo relevante


devidamente comprovado e apresentada, ressalvadas as hipóteses de
força maior, até o momento da chamada dos jurados.
O jurado somente será dispensado por decisão motivada do juiz
presidente, consignada na ata dos trabalhos.
A recusa injustificada ao serviço do júri ou não comparecimento
injustificado à sessão acarretarão multa no valor de 1 (um) a 10 (dez)
salários mínimos, a critério do juiz, de acordo com a condição
econômica do jurado.
A recusa fundada em convicção religiosa, filosófica ou política,
importará no dever de prestar serviço alternativo, sob pena de
suspensão dos direitos políticos, enquanto não prestar o serviço
imposto. Entende-se por serviço alternativo o exercício de atividades de
caráter administrativo, assistencial, filantrópico ou mesmo produtivo, no
Poder Judiciário, na Defensoria Pública, no Ministério Público ou em
entidade conveniada para esses fins. O juiz fixará o serviço alternativo
atendendo aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade.
O jurado, no exercício da função ou a pretexto de exercê-la, será
responsável criminalmente nos mesmos termos em que o são os juízes
togados.

3.6. Composição do Conselho de Sentença (arts. 447-452)

A par dos impedimentos já conhecidos, a lei expressamente dispõe


sobre o impedimento das pessoas que mantenham união estável para

8
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
compor o mesmo conselho de sentença. Além disso, não poderá servir o
jurado que:

I - tiver funcionado em julgamento anterior do mesmo processo,


independentemente da causa determinante do julgamento posterior;
II - no caso do concurso de pessoas, houver integrado o
Conselho de Sentença que julgou o outro acusado;
III - tiver manifestado prévia disposição para condenar ou
absolver o acusado.

3.7. Desaforamento com efeito suspensivo (art. 427) e excesso


de serviço (art. 428)

O pedido de desaforamento será distribuído imediatamente e terá


preferência de julgamento na Câmara ou Turma competente. Sendo
relevantes os motivos alegados, o relator poderá determinar,
fundamentadamente, a suspensão do julgamento pelo júri.
Também poderá ser determinado o desaforamento se comprovado
excesso de serviço se o julgamento não puder ser realizado no prazo de
6 (seis) meses contados do trânsito em julgado da decisão de
pronúncia.

3.8. Habilitação do Assistente (art. 430)

O assistente somente será admitido se tiver requerido sua


habilitação até 5 (cinco) dias antes da data da sessão na qual pretenda
atuar.

9
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
4. Procedimento da segunda fase

4.1. Síntese das alterações

Extinção do libelo, possibilidade de julgamento sem a presença do


acusado, alteração na forma da cisão por recusa imotivada, entrega
obrigatória de peças aos jurados, nova ordem de inquirições, limitação à
leitura de peças, novas regras de debates, com alteração do tempo e
inclusão de proibição de menção à pronúncia, ao uso de algemas ou ao
silêncio do acusado, regulamentação dos apartes pelo juiz.

4.2. Extinção do Libelo (arts. 422-423)

Ao receber os autos, após a preclusão da pronúncia, o presidente


do Tribunal do Júri determinará a intimação do órgão do Ministério
Público ou do querelante, no caso de queixa, e do defensor, para, no
prazo de 5 (cinco) dias, apresentarem rol de testemunhas que irão
depor em plenário, até o máximo de 5 (cinco), oportunidade em que
poderão juntar documentos e requerer diligência. Deliberando sobre os
requerimentos de provas a serem produzidas ou exibidas no plenário do
júri, e adotadas as providências devidas, o juiz presidente:

I - ordenará as diligências necessárias para sanar qualquer


nulidade ou esclarecer fato que interesse ao julgamento da causa;
II - fará relatório sucinto do processo, determinando sua inclusão
em pauta da reunião do Tribunal do Júri.

10
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
4.3. Julgamento sem a presença do réu (art. 457)

O julgamento não será adiado pelo não comparecimento do


acusado solto, do assistente ou do advogado do querelante, que tiver
sido regularmente intimado. Os pedidos de adiamento e as justificações
de não comparecimento deverão ser, salvo comprovado motivo de força
maior, previamente submetidos à apreciação do juiz presidente do
Tribunal do Júri. Se o acusado preso não for conduzido, o julgamento
será adiado para o primeiro dia desimpedido da mesma reunião, salvo
se houver pedido de dispensa de comparecimento subscrito por ele e
seu defensor.

4.4. Testemunha faltosa (art. 458)

Crime de desobediência e aplicação da mesma multa de 1 a 10


salários mínimos.

4.5. Recusas imotivadas e cisão (arts. 468 e 469)

Permanece a possibilidade de cisão em virtude das recusas


imotivadas, em número de 03 para cada parte. Pelas novas regras,
porém, não ocorre mais a cisão automática, mas apenas quando, em
razão das recusas, não sobrarem 07 jurados para a composição do
Conselho de Sentença. Nesse caso, deverá ser julgado primeiro o
acusado a quem foi atribuída a autoria do fato. Em caso de co-autoria,
aplicar-se-á o critério de preferência do art. 429, ou seja, primeiro réus
presos, depois os mais antigos na prisão e, em igualdade, os
precedentemente pronunciados. Com isso, deixa de ser o Ministério
Público quem decide qual pessoa será submetida a julgamento.
11
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
4.6. Compromisso e entrega de peças aos jurados (art. 472)

Formado o conselho de sentença, os jurados prestarão


compromisso e receberão cópias da pronúncia ou, se for o caso, das
decisões posteriores que julgaram admissível a acusação e do relatório
do processo. A lei não mais prevê a realização de relatório pelo Juiz, em
plenário.

4.7. Instrução (arts. 473 a 775)

Aspectos e ordem:
a) inquirição de testemunhas: com perguntas diretas pelo
Ministério Público e defesa; jurados perguntam por intermédio do juiz;
b) requerimentos: as partes e os jurados poderão requerer
acareações, reconhecimentos de pessoas e coisas e esclarecimentos
periciais;
c) leitura de peças: poderão ser lidas pelo juiz ou servidor, a
requerimento das partes e dos jurados, as peças relativas a precatórias
ou cautelares consideradas irrepetíveis;
d) interrogatório: ao final, o Ministério Público, o assistente, o
querelante e o defensor, nessa ordem, poderão formular, diretamente,
perguntas ao acusado; os jurados formularão perguntas por intermédio
do juiz presidente;
e) proibição de algemas: não se permitirá o uso de algemas no
acusado durante o período em que permanecer no plenário do júri, salvo
se absolutamente necessário à ordem dos trabalhos, à segurança das
testemunhas ou à garantia da integridade física dos presentes.

12
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
4.8. Debates (arts. 476-481)

Encerrada a instrução, será concedida a palavra ao Ministério


Público, que fará a acusação, nos limites da pronúncia ou das decisões
posteriores que julgaram admissível a acusação, sustentando, se for o
caso, a existência de circunstância agravante. O assistente falará depois
do Ministério Público.
O tempo destinado à acusação e à defesa será de uma hora e
meia para cada, e de uma hora para a réplica e outro tanto para a
tréplica.
O § 1° do art. 477 não resolve a polêmica sobre o tempo do
assistente, pois se refere ao acusador, ou seja, ao caso de litisconsórcio
ativo. Melhor solução é utilizar, por analogia, o tempo do assistente nos
debates orais da primeira fase, ou seja, 50% do tempo do Ministério
Público, acrescido a este. Nesse caso, deverá ser acrescido, também, o
tempo da defesa, em analogia ao art. 411, §6°.
É vedado às partes:
a) fazer referência à decisão de pronúncia, às decisões posteriores
que julgaram admissível a acusação ou à determinação do uso de
algemas como argumento de autoridade que beneficiem ou prejudiquem
o acusado, bem como ao silêncio do acusado ou à ausência de
interrogatório por falta de requerimento, em seu prejuízo (trata-se de
dispositivo nitidamente direcionado ao Ministério Público, com
prejuízo à acusação);
b) a leitura de documento ou a exibição de objeto que não tiver
sido juntado aos autos com a antecedência mínima 3 (três) dias úteis,
dando-se ciência à outra parte, abrangendo a leitura de jornais ou
qualquer outro escrito, bem como a exibição de vídeos, gravações,
fotografias, laudos, quadros, croqui ou qualquer outro meio
13
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
assemelhado, cujo conteúdo versar sobre a matéria de fato submetida à
apreciação e julgamento dos jurados.
O artigo 497, XII, nova redação, prevê a atribuição do juiz de
regulamentar, durante os debates, a intervenção de uma das partes,
quando a outra estiver com a palavra, podendo conceder até 3 (três)
minutos para cada aparte requerido, que serão acrescidos ao tempo
desta última. Entendemos que essa atribuição destina-se a preservar o
contraditório nos debates, não podendo operar em sentido contrário.
Assim, limita-se às hipóteses em que uma das partes requeira a
intervenção judicial, sob pena de ofensa ao contraditório e à própria
plenitude de defesa.

4.9. Diligências de Plenário (art. 481)

Se a verificação de qualquer fato, reconhecida como essencial


para o julgamento da causa, não puder ser realizada imediatamente, o
juiz presidente dissolverá o Conselho, ordenando a realização das
diligências entendidas necessárias. Se a diligência consistir na produção
de prova pericial, o juiz presidente, desde logo, nomeará perito e
formulará quesitos, facultando às partes também formulá-los e indicar
assistentes técnicos, no prazo de 5 (cinco) dias.

4.10. Quesitos (art. 483)

A legislação inova profundamente na forma de redação dos


quesitos. Embora o artigo 483 estabeleça a matéria da quesitação em
incisos, isto não implica rigor inflexível na formulação. Tal como no
sistema antigo, os incisos encerram uma orientação, sem amarras, para

14
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
a elaboração do questionário. Abaixo, apresentamos, como sugestão,
reflexão e adaptação aos casos concretos, um exemplo de quesitação
em crime de homicídio:

1. No ... (dia, hora e local), foram efetuados disparos na


vítima, produzindo-lhe a morte em decorrência das lesões
registradas no auto de necropsia?
Sim: prossegue
Não: absolve

2. O réu concorreu para o crime efetuando disparos na vítima?


Sim: prossegue
Não: absolve

3. O jurado absolve o acusado?


Sim: absolve
Não: prossegue

4. O réu agiu sob o domínio de violenta emoção, logo após


injusta provocação da vítima?
Sim: reconhece a causa de diminuição
Não: afasta a causa de diminuição

5. O réu agiu mediante recurso que dificultou a defesa da


vítima?
Sim: reconhece a qualificadora
Não: afasta a qualificadora

6. O réu praticou o crime contra pessoa maior de 60 anos?


Sim: reconhece a causa de aumento
Não: afasta a causa de aumento

No caso de tese desclassificatória para crime diverso da


competência do Tribunal do Júri, após afirmada a materialidade e a
autoria, deve ser formulado quesito a respeito (art. 483, § 4º). No
nosso exemplo:

15
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
3 – O réu quis ou assumiu o risco de matar a vítima?
Sim: afirma a competência do do Júri
Não: afasta a competência do Júri

Assim, está proscrita, ao que parece, a esdrúxula figura da


desclassificação imprópria, pela qual o Tribunal do Júri realizava
condenações por crimes não dolosos contra a vida. Ocorre que, extinta a
hipótese de quesitação complexa das teses defensivas (ex.: legítima
defesa, que culminava com indagação sobre o excesso doloso ou
culposo), bem como havendo expressa obrigação de quesitar a tese
desclassificatória alegada, cumpre ao juiz, desde logo, formular quesito
apto a afastar ou não, de pronto, a competência do tribunal popular.
Vale dizer: doravante, ao que parece, toda a desclassificação permite
julgamentos pelo presidente, à guisa de desclassificação própria.

No caso de tese desclassificatória para crime da competência do


Tribunal do Júri, inclusive tentativa, após afirmada a materialidade e a
autoria, deve ser formulado quesito a respeito (art. 483, § 5º). No
nosso exemplo:

3 – Ao agir, o réu deu início ao ato de matar a vítima, o que


não se consumou por circunstância alheia à vontade do
agente?”
Sim – desclassificação para tentativa
Não – mantém a forma consumada

Ou

3 – O jurado reconhece a prática de crime diverso, qual seja,


infanticídio?
Sim – desclassifica para infanticídio
Não – mantém a acusação original

16
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
A lei afastou a quesitação de agravantes e atenuantes, que passa
a ser objeto de exame pelo juiz, na sentença (art. 492, I, b).

Impõe-se observar que, no caso de acusação por tentativa, esta já


integra os primeiros quesitos, respeitantes a autoria e materialidade,
criando hipótese desclassificatória distinta, a saber:

1. No ... (dia, hora e local), o alguém efetuou disparos em...,


produzindo-lhe as lesões descritas no auto de exame de corpo
de delito?
Sim: prossegue
Não: absolve

2. Assim agindo, esse alguém deu início ao ato de matar a


vítima, o que não consumou por circunstância alheia à sua
vontade?
Sim: prossegue
Não: desclassifica

Veja-se, portanto, que a tentativa pode surgir como fato principal


ou como tese de uma das partes. No primeiro caso, figura na quesitação
do fato principal. No segundo, figura como tese desclassificatória,
ocupando o terceiro lugar.

Em se tratando de co-autoria ou participação, deve ser impessoal


o primeiro quesito da série, a exemplo do que já ocorre atualmente. A
participação deve constar de quesito autônomo, desdobrado em quantas
forem as formas descritas na denúncia e acolhidas na pronúncia. Não se
desfez a polêmica, ainda existente, sobre o quesito genérico.
Finalmente, no caso de inimputabilidade, com possibilidade de
aplicação de medida de segurança, não pode a tese absolutória ser
quesitada genericamente, impondo-se, nesse caso, a elaboração de
17
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
quesito especial sobre a matéria, nos seguintes termos: “O Jurado
absolve o acusado em razão de doença mental que, ao tempo da ação
ou omissão, tornou-o incapaz de compreender o caráter ilícito do fato
ou de determinar-se de acordo com esse entendimento”?
Isso é necessário, especialmente, quando houver duas ou mais
teses absolutórias. Figure-se o exemplo de legítima defesa e
inimputabilidade por doença mental. Caso efetuado um só quesito – O
Jurado absolve o acusado? – não se poderia aquilatar a real vontade do
jurado, qual seja, de absolver própria ou impropriamente, já que esta
última hipótese implica aplicação de medida de segurança.

4.11. Sentença (art. 492)

Hipóteses:

a) condenação: agravantes e atenuantes deixam de ser quesitadas


e passam a ser deliberadas pelo juiz. Prisão deve ser fundamentada e
condicionada aos requisitos da prisão preventiva.
b) absolvição: revoga prisão e medidas restritivas, aplicando
medida de segurança, se for o caso de absolvição imprópria.
d) desclassificação: se houver desclassificação da infração para
outra, de competência do juiz singular, ao presidente do Tribunal do Júri
caberá proferir sentença em seguida, aplicando-se, quando o delito
resultante da nova tipificação for considerado pela lei como infração
penal de menor potencial ofensivo, os artigos 69 e seguintes da Lei nº
9.099, de 26 de setembro de 1995. Em caso de desclassificação, o crime
conexo que não seja doloso contra a vida será julgado pelo juiz
presidente do Tribunal do Júri, aplicando-se, também, a Lei 9.099/95,
18
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
se for o caso. Veja-se, a propósito, o item supra, quanto à
desclassificação imprópria.

4.12. Atribuições do Presidente do Tribunal do Júri (art. 497)

Inova a lei ao conferir ao juiz, no inciso XII do art. 497, atribuição


de regulamentar, durante os debates, a intervenção de uma das partes,
quando a outra estiver com a palavra, podendo conceder até 3 (três)
minutos para cada aparte requerido, que serão acrescidos ao tempo
desta última. Como dito alhures, trata-se de dispositivo destinado a
preservar o contraditório, não podendo operar em sentido contrário.
Portanto, entendemos que essa atribuição deve limitar-se às hipóteses
em que uma das partes requeira a intervenção judicial, sob pena de
lesão aos princípios do contraditório e da plenitude de defesa.

4.13. Fim do Protesto por Novo Júri

Mantida a sistemática recursal, está finalmente extinto o protesto


por novo júri. Cumpre lembrar que, na primeira fase, a impronúncia e a
absolvição sumária tornam-se atacáveis por recurso de apelação.

5. Conclusão

É seguro que o tempo, como sempre, haverá de amadurecer


muitas das questões ora expostas, especialmente a partir das reflexões
hauridas da prática processual efetiva.
Cumpre-nos, por ora, dar início ao enfrentamento da matéria,
assumindo responsabilidades no processo de reestruturação do Tribunal

19
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br
do Júri, superando dificuldades e contribuindo para o aprimoramento de
sua histórica vocação democrática.

20
Centro de Apoio Operacional Criminal
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 10º andar - Torre Norte - CEP 90050-190 - Porto Alegre/RS.
Tels.: (51) 3295.1166, 3295.1167, 3295.1168 e 3295.1182 – Fax: (51) 3295.1182.
caocrim@mp.rs.gov.br