Você está na página 1de 5

AL

1.3

1.3 ATIVIDADE LABORATORIAL Movimento uniformemente retardado: velocidade e deslocamento

OBJETIVO GERAL
Relacionar a velocidade e o deslocamento num movimento uniformemente retardado e determinar a aceleração e a resultante
das forças de atrito.
METAS ESPECÍFICAS
1. Justificar que o movimento do bloco que desliza sobre um plano horizontal, acabando por parar, é uniformemente
retardado.
2. Obter a expressão que relaciona o quadrado da velocidade e o deslocamento de um corpo com movimento uniformemente
variado a partir das equações da posição e da velocidade em função do tempo.
3. Concluir que num movimento uniformemente retardado, em que o corpo acaba por parar, o quadrado da velocidade é
diretamente proporcional ao deslocamento, e interpretar o significado da constante de proporcionalidade.
4. Medir massas, comprimentos, tempos, distâncias e velocidades.
5. Construir o gráfico do quadrado da velocidade em função do deslocamento, determinar a equação da reta de regressão e
calcular a aceleração do movimento.
6. Determinar a resultante das forças de atrito que atuam sobre o bloco a partir da Segunda Lei de Newton.

EXPLORAÇÃO DA ATIVIDADE LABORATORIAL

QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS

1. Considere o movimento de um bloco com a forma de um paralelepípedo que, depois de ser largado de um plano inclinado,
desliza num plano horizontal até parar. Identifique as forças que atuam sobre o bloco durante o movimento no plano
horizontal.
As forças que atuam no bloco são o peso, a reação normal e a força de atrito. No entanto o peso e a reação normal anulam-se, sendo a
resultante das forças igual à força de atrito, levando a que o bloco pare ao fim de algum tempo.

2. Relacione os sentidos da aceleração e da velocidade durante o movimento no plano horizontal e classifique o movimento.
Uma vez que o bloco se movimenta num plano horizontal, o vetor velocidade terá a mesma direção e sentido do movimento, mas como a
resultante de forças que atua no bloco tem sentido contrário ao do movimento, então a aceleração terá também sentido contrário ao do
movimento, daí que o bloco esteja animado de movimento retilíneo uniformemente retardado.

3. Preveja as alterações sofridas no movimento se a rugosidade entre o bloco e a superfície de apoio aumentar.
Se a rugosidade entre o bloco e a superfície de apoio aumentar, a força de atrito terá maior intensidade (a resultante das forças terá maior
intensidade e maior será a aceleração), logo o bloco mover-se-á uma menor distância ao longo do plano horizontal.

4. Deduza a equação de Torricelli a partir das equações que traduzem o movimento, x(t) e v(t).
Considerando as equações do movimento retilíneo uniformemente variado:
1

{ x f =x i + vi t+ at 2 (1)
2
v f =vi + at (2)
isolando t em (2)

{∆ x=vi t+ a t 2

t=
2
v f −v i
a
substituindo em (1)
v f −vi 1 v f −vi 2
∆ x=v i ( a ) (
+ a
2 a
⇔)
v i v f −v i v i v 2f −2 v f v i+ v 2i
⇔ ∆ x= +a
a 2 a2
Reduzindo-se a um denominador comum:
⇔ 2 a ∆ x =2 v i v f −2 v 2i + v 2f −2 v f v i +v 2i ⇔
⇔ 2 a ∆ x =(−2 v 2i + v2i ) + v 2f ⇔
⇔ 2 a ∆ x =−v 2i + v2f ⇔
⇔ v 2f =v 2i +2 a ∆ x

5. No caso do bloco que acaba por parar no plano horizontal, indique a relação entre os módulos da velocidade inicial e do
deslocamento sofrido pelo bloco até parar.
O quadrado do módulo da velocidade inicial é proporcional ao módulo do deslocamento sofrido pelo bloco até parar, daí que, quanto maior
for a velocidade inicial, maior será o deslocamento do bloco.

REGISTO E TRATAMENTO DE RESULTADOS

Exemplos de valores obtidos na realização da atividade.


Tabela I – Incertezas de leitura
Instrumento de medida Grandeza medida Incerteza de leitura
Digitímetro Tempo  0,0001 s
Fita métrica Comprimento  0,0005 m
Balança Massa  0,00001 kg

Como a massa do bloco e o intervalo de tempo são medidos em aparelhos digitais, considera-se a incerteza absoluta igual a uma unidade do
último dígito de leitura.

Como o comprimento da tira opaca e o deslocamento do bloco no plano horizontal são medidos com uma fita métrica (instrumento de
medida analógico), a incerteza absoluta é igual a metade do valor da menor divisão da escala.
Tabela II – Intervalo de tempo, distância percorrida e velocidade
Largura da tira opaca: 6,10  10– 2 m ± 0,05  10– 2 m; Massa do bloco: 24,00  10– 3 kg ± 0,01  10– 3 kg
Posição x / m x / m t / s t / s v / m s– 1 v2 / m2 s– 2
0,0950 0,0675
A 0,0900 0,0917 ± 0,0033 0,0679 0,0679 ± 0,0004 0,898 0,806
0,0900 0,0683
0,1100 0,0625
B 0,1400 0,1283 ± 0,0183 0,0574 0,0584 ± 0,0041 1,05 1,09
0,1350 0,0552
0,1700 0,0498
C 0,1600 0,1733 ± 0,0167 0,0500 0,0491 ± 0,0017 1,24 1,55
0,1900 0,0474
0,1700 0,0504
D 0,1750 0,1783 ± 0,0117 0,0498 0,0489 ± 0,0028 1,25 1,55
0,1900 0,0466
0,2100 0,0433
E 0,2050 0,2117 ± 0,0083 0,0448 0,0441 ± 0,0008 1,38 1,91
0,2200 0,0442

1. Para cada uma das posições em que o bloco foi largado, determine o valor mais provável do módulo do deslocamento e do
tempo de passagem na célula fotoelétrica, e a respetiva incerteza absoluta, e registe os resultados na tabela II.
Cálculo da incerteza absoluta de observação para a distância percorrida medida na posição A:
d1 = |0,0950 – 0,0917| = 0,0033 m
d2 = |0,0900 – 0,0917| = 0,0023 m
d3 = |0,0900 – 0,0917| = 0,0003 m

A incerteza absoluta será 0,0033 m, pois é o maior dos desvios calculados.


A incerteza absoluta associada ao valor mais provável será 0,0033 m, pois é a maior das incertezas associadas à medição uma vez que a
incerteza absoluta de leitura é 0,0005 m.

Cálculo da incerteza absoluta de observação para os intervalos de tempo medidos na posição A:


d1 = |0,0675 – 0,0679| = 0,0004 s
d2 = |0,0679 – 0,0679| = 0,0000 s
d3 = |0,0683 – 0,0679| = 0,0004 s

A incerteza absoluta de observação será 0,0004 s, pois é o maior dos desvios calculados.
A incerteza absoluta associada ao valor mais provável será 0,0004 s, pois é a maior das incertezas associadas à medição uma vez que a
incerteza absoluta de leitura é 0,0001 s.

2. Calcule os módulos da velocidade do bloco a partir do quociente entre a largura da tira opaca e o valor mais provável do
intervalo de tempo da sua passagem pela célula fotoelétrica. Registe os resultados na tabela II.
Módulo da velocidade para a posição A:
largura da tira 0,061 0
v= ⇒ v= ⇒ v = 0,898 m s -1
intervalo de tempo 0,0679
3. Complete a tabela II calculando o quadrado do módulo da velocidade.
4. Utilizando a calculadora gráfica ou uma folha de cálculo, trace o gráfico do quadrado do módulo da velocidade em função
do módulo do deslocamento e determine a equação da reta que melhor se ajusta ao conjunto de pontos experimentais.

QUESTÕES PÓS-LABORATORIAIS

1. Estabeleça a relação entre a posição inicial do bloco no plano inclinado e a distância percorrida no plano horizontal.
Quanto maior for a altura a que é largado o bloco, maior é a distância percorrida ao longo do plano horizontal.

2. Pela análise do gráfico, qual é a relação entre o quadrado do módulo da velocidade e o módulo do deslocamento do bloco?
Qual é o significado da constante de proporcionalidade?
O gráfico obtido é uma linha reta que passa na origem pelo que o quadrado do módulo da velocidade é diretamente proporcional ao módulo
do deslocamento do bloco.
Dado que o movimento é uniformemente retardado (a aceleração é negativa) e que a velocidade final é nula, a equação de Torricelli pode
simplificar-se:
2 2 v 2i 2
v = v + 2 a ∆x ⇒ v = 2 a ∆x ⇒
f i =2ai
∆x
Logo a constante de proporcionalidade corresponde ao dobro do módulo da aceleração.

3. Com base na equação da reta obtida experimentalmente, calcule o módulo da aceleração do movimento.
2
A análise da expressão vi = 2a x permite concluir que o declive da reta corresponde a 2 a. Então:

Declive = 2 a  9,2332 = 2a ⇔ a = 4,6166 m s- 2

4. Determine a resultante das forças de atrito que atuam sobre o bloco a partir da Segunda Lei de Newton.
O movimento realiza-se ao longo de um plano horizontal, logo:
F a ⇒ m a = Fa ⇒ F a = 24,00 × 10 -3 × 4,6166 = 0,1108 N
FR = ⃗

5. Recorrendo aos dados experimentais obtidos para a posição A, calcule o trabalho das forças de atrito aplicando o Teorema
da Energia Cinética. Considere desprezável a resistência do ar.
Pelo Teorema da Energia Cinética: W ⃗F =∆ Ec
R

Ao longo do plano horizontal: W ⃗


F R =W ⃗
Fa

1 1
W ⃗F = Ec - Ec ⇒ W ⃗F = 0 - m v 2i ⇔ W F⃗ = - × 24,00 ×10-3 × (0,989)2 ⇒ W ⃗F = - 0,00968 J
R f i a
2 a
2 a