Você está na página 1de 7

O Corregedor e o Procurador

Repara
É habitual considerar-se a entrada do Corregedor e do Procurador como
fazendo parte de uma só cena, na medida em que ambas as personagens
pertencem ao mesmo grupo socioprofissional e percorrem o espaço cénico
simultaneamente.

Esta cena forma um amplo quadro da justiça humana, que Gil Vicente opõe à
justiça divina. O objectivo de Gil Vicente assenta em parâmetros que têm a ver com a
corrupção da magistratura e com a antítese entre a justiça divina e a justiça humana a
que bem se pode chamar (in)justiça.

A JUSTIÇA

HUMANA DIVINA

O Homem Deus

O JUIZ ………………………………………executores……………………………………….O Anjo


O Diabo

Juiz O Corregedor Réu


(…judicastis malitia) (nemo timuistis Deus)

(IN)JUSTIÇA JUSTIÇA

O Corregedor aparece-nos carregado de processos (feitos) e com uma vara na


mão. Pouco depois, junta-se-lhe o Procurador, que vem abarrotado de livros. Ambos
dialogam com o Diabo em latim jurídico deturpado, que tem função cómica (cómico de
linguagem) e também caracterizadora.
A principal e quase única acusação que o Diabo lança ao Corregedor é a de não
ter sido imparcial nas suas sentenças, deixando-se corromper por dádivas recebidas até
dos Judeus. Parece que uma das prendas mais generalizadas era a perdiz, o que originou
a exclamação do Diabo:”Oh amador de perdiz…”(v. 607). O Diabo acusa-o também de
malícia, corrupção e exploração de lavradores ingénuos.
O Corregedor não nega esta acusação e limita-se a atirar as culpas para cima da
mulher. Era ela quem recebia as prendas e, por isso, ele sentia-se isento desse pecado.
Tal como na cena do Sapateiro também Gil Vicente foca a confissão das almas
pouco antes de falecerem. O problema é resolvido aqui deste modo: o Corregedor
confessou-se, mas ocultou todos os seus roubos, enquanto o Procurador nem sequer se
confessou, porque não se apercebeu que havia chegado a sua hora derradeira. Está aqui,
mais uma vez, presente a crítica a uma falsa prática religiosa, que limita ao
cumprimento dos actos externos do culto.
Temos nesta cena dois pormenores a destacar ainda: o neologismo
descorregedor, com forte carácter satírico (o Diabo pretende apontar a falta de
imparcialidade nos julgamentos feitos pelo Corregedor) e o diálogo final entre o
Corregedor e a Alcoviteira (o Corregedor julgou-a e condenou-a em vida). A
Alcoviteira acusa o Corregedor de estar sempre a mandar persegui-la na vida terrena (a
justiça castigava as alcoviteiras, mandando-as açoitar); agora, pelo menos está em paz.
Agora o juiz do tribunal terreno torna-se réu no tribunal divino, onde é julgado e
condenado.
Devemos ainda ter em atenção a pergunta formulada pelo Corregedor,
inquirindo se não existia ali “meirinho do mar”. Trata-se de um hábito adquirido no
exercício da profissão que o tipo não abandona mesmo depois da morte. Por outro lado,
o Corregedor pretende ter um julgamento terreno, com advogados e juízes de carne e
osso, a justiça humana com certeza que lhe seria mais favorável.
Mais uma vez o Parvo se confunde com o Diabo, quando insulta e injuria o
Corregedor e o Procurador. O Parvo acusa-os de terem roubado na vida terrena, de
terem sido desonestos e de desrespeitarem a Igreja (VV. 717-720). O Anjo condena-os.

Exercícios

1. identifica as figuras de estilo utilizadas nos seguintes versos:

“Cor. – (…) À terra dos demos”

“Dia. – Santo descorregedor”


Eufemismo
“Dia. – Irês ao lago dos cães”

“Cor. – E na terra dos danados” Ironia

“Anj. – Como vindes preciosos


Sendo filhos da ciência”.

2. Completa os espaços em branco com as seguintes palavras: procurador e


corregedor.

a) Um alto magistrado judicial com poder sobre juízes ordinários é um


__________________ .
b) Um homem que trata dos negócios de outrem, por ter recebido, para tal, uma
procuração, é um __________________ .

3. Assinala com V (verdadeira) ou F (falsa) as seguintes afirmações:

a) O Procurador é cúmplice do Corregedor na prática fraudulenta da justiça.


b) Um homem que trata dos negócios de outrem, por ter recebido, para tal, uma
procuração, é um corregedor.
c) O Procurador recusa-se a entrar na Barca do Inferno, afirmando a sua crença em
Deus.
d) O Corregedor encara a confissão como uma prática superficial da religião.
e) Brízida fica feliz por finalmente encontrar o Corregedor para lhe pedir um favor.

4. Selecciona as palavras que pertencem ao campo lexical da actividade


jurídica.

a) corregedor b) meirinho c) feitos


d) ouvidor e) barca f) bolina
g) vara h) fogo i) juiz
j) escrivães l) direito m) arrais
n) terra o) confessor p) livros de direito

5. Completa o texto, preenchendo os espaços em branco, com as palavras da


seguinte lista: escrivães; confissão ; judeus; corrupção; humana; justiça;
Corregedor; hipócrita; divina; falsa.

O Corregedor e o Procurador representam a _____________ terrestre, de forma que


a condenação de ambos permite a :
- denúncia da ______________ dos magistrados;
- crítica à parcialidade por parte de homens cultos e responsáveis pela justiça
humana;
- condenação da justiça ______________ pela justiça _______________ .
Nesta cena temos também uma crítica explícita à prática ________________ da
religião.
O acto de _____________ religiosa consiste na responsabilização e arrependimento
sincero do crente pelos seus pecados e na absolvição dos mesmos por parte do
confessor. Ora, o ________________ pratica a confissão de forma ____________ e
interesseira, sem franqueza, humildade e verdade. Assim, o sacramento da confissão do
Corregedor não é válido.
Nesta cena, Gil Vicente alarga a crítica de corrupção aos ____________ (“E as
peitas dos judeus” e aos ____________ (“Irês ao lago dos cães / e veres os escrivães /
como estão tão prosperados”).

Para além da nobreza, aponta Gil Vicente uma administração e uma


magistratura corrompidas, venais, insaciáveis, espoliadoras dos próprios
administrados.
Meirinhos, corregedores, juízos, altos funcionários são fustigados
impiedosamente.

António José Saraiva, in “História ilustrada das grandes literaturas


6. Responde às perguntas e completa o texto:

a) Algumas das falas do Corregedor e do Procurador estão noutra língua. Qual?


________________________________________________________________

b) O uso desta língua permite colocar as personagens num nível socioprofissional


________________ e é uma forma de mostrar a sua pretensa ______________ e
presunção.

c) Há também duas outras personagens que utilizam essa língua, embora de forma
macarrónica. Quais?
___________________________________________________________________
(calão; gíria; vulgar; elevado; baixo; latim; superioridade; Parvo; erudição; Diabo.)

A Reclamação

Quantas vítimas das injustiças do Corregedor e do Procurador


tiveram motivos para apresentar reclamações?

Como apresentar uma reclamação?

A reclamação pode ser apresentada oralmente – pessoalmente (no local) ou por


telefone – e por escrito (fax, carta, e-mail).

As reclamações com carácter oficial, por norma, são apresentadas por escrito, ao
contrário das reclamações informais, normalmente apresentadas oralmente.

Nos estabelecimentos públicos é obrigatório possuir um livro de reclamações.

Nota

Existe algum organismo que dê apoio ao consumidor?

Em Portugal existem dois organismos de defesa do consumidor – a


DECO (Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor), da qual te
poderás tornar sócio, e um organismo governamental – o Instituto Nacional de
Defesa do Consumidor.
Como escrever uma carta de reclamação

1. Identificação
A carta deverá conter os nomes do remetente e do destinatário, com moradas
completas e, se possível, com o seu contacto telefónico.

2. Situa temporalmente os factos


Menciona o local e a data em que a carta foi escrita. A data deve ser a de
envio.

3. Relata
Deverás relatar pormenorizadamente os motivos que te levaram a enviar a
carta. Não te esqueças de mencionar as datas e os locais onde ocorreram os
acontecimentos que levaram ao envio da mesma.

4. Pretensões
Refere de forma clara e precisa, o que pretendes da pessoa ou entidade a
quem estás a enviar a carta. Pode ser elaborada uma proposta de resolução,
nomeadamente, um pedido de devolução do dinheiro, a troca do produto, o
pagamento de uma indemnização ou simplesmente o melhoramento do
serviço.

5. Anexa
Junta à carta, mencionando esse facto, todos os documentos que consideres
necessários para a compreensão e prova do sucedido. Mas envia cópias,
nunca os originais.

6. Assina
Lembra-te que uma carta não assinada é como se fosse anónima!

Atenção
Aconselho-te, por último, que envies a tua carta registada, provando que de
facto a enviaste mas, envia-a também com aviso de recepção, para que possas
provar que a mesma foi, efectivamente, recebida no destinatário.
Carta de Reclamação
(exemplo)

Manuel da Silva
Rua Das Tristezas n.º 45
9000 Funchal
Tel. 291-356 938

Electrodomésticos, Lda.
Avenida das Virtudes, n.º100
9000 Funchal
Tel. 291-687 867

Assunto: Compra de Frigorífico Com Defeito

Exmos. Senhores,

No dia 12 de Novembro de 2007, adquiri no V. estabelecimento comercial


denominado Electrodomésticos Lda., localizado na Avenida das Virtudes, n.º 100,
um frigorífico conforme factura n.º 1111111, que junto fotocópia.

Todavia, 2 meses após a compra, verifiquei que o frigorífico não estava a funcionar
nas devidas condições, pois não congelava os alimentos.

Deste modo, venho pela presente...

- Denunciar o defeito mencionado, solicitando que V. Exas. se dignem mandar


repará-lo/substituí-lo no prazo de 10 dias, dado que ainda mantenho o interesse no
referido electrodoméstico, ou

- Solicitar a V. Ex.ª a redução do preço do bem em causa, ou

- Resolver o contrato celebrado com V. Ex.ª. Mais informo que procederei à


devolução do electrodoméstico, mediante a restituição do montante pago.

Entretanto, aguardarei, durante o prazo acima mencionado, uma resposta de V.


Exas., após que de imediato, farei uso dos mecanismos legais disponíveis para o
efeito.

Com os melhores cumprimentos,

Funchal, 13 de Janeiro de 2007

Assinatura
Exercícios
1. Selecciona as principais características psicológicas do Corregedor.
a) presunçoso b) bajulador c) honesto
d) resignado e) confiante f) humilde

2. Na cena do Corregedor e do Procurador estão presentes dois tipos de justiça.


Explicita-os e caracteriza-os, completando o seguinte quadro com as palavras a
seguir indicadas:

Justiça Profana Justiça Divina

Julga no interior
Respeitadora
Oportunista
Julga pelas aparências
Abusiva
Bondosa
Venal
Incorrupta
Eterna
Parcial
Pérfida
Imparcial

3. Classifica o fenómeno fonético que ocorreu na evolução das palavras seguintes:

a) breviairos > breviários Prótese


b) contrairos > contrários Metátese
c) campanairos > campanários Aférese

Maria Filomena Ruivo Ferreira