Você está na página 1de 2

CURSO DE DIREITO

Vila Velha - Reconhecido pela Portaria MEC nº. 591 de 17/03/2011, publicada no D.O.U. de 21/03/2011.
Autorizado pela Portaria MEC nº. 2.778, publicada no DOU de 10/09/2004.

Disciplina: Prática Simulada V Direito Civil Código: CCJ0151


Professor: Cristiano Dias Mello Turma: 10º Período
Identificação da prova: AV2 Semestre: 2020/2 Turno: Matutino
Aluno(a): Matrícula:
Instruções para realização da prova: Valor da
8,0
 Será atribuída nota zero a quem usar meio ilícito ou não prova:
autorizado na realização da avaliação ou comunicar-se com outro Pontos
aluno. Obtidos:
 A avaliação deverá ser feita à caneta de cor azul ou preta.
 A interpretação faz parte da avaliação.
 Os telefones celulares e/ou aparelhos eletrônicos, deverão
permanecer desligados e guardados fora do alcance da visão.
 Durante a avaliação as respostas não serão verificadas pelo
professor.
 Não será permitido o uso de corretivo.
Data da Realização: 25/11/2020
 Utilização apenas da legislação seca (sem comentários e/ou
com marcações que remetam a referências doutrinárias)
 OBS: Não serão aceitos os escritos que ultrapassarem as 150
linhas do texto definitivo.
 A mera citação dos dispositivos legais não induz a pontuação,
sendo necessário a fundamentação jurídica completa da questão.
 Leia atentamente as questões antes de respondê-las.

Importante:
 Caso a peça profissional exija identificação, utiliza apenas a palavra ADVOGADO. Ao texto que
contenha outra forma de identificação será atribuída nota ZERO, correspondente à identificação do
examinando em local indevido.
 Escreva com letra legível. No caso de erro, risque, com um traço simples, a palavra, a frase, o trecho
ou o sinal gráfico e escreve, logo após o trecho riscado, o respectivo substituto. Lembre-se: parênteses
não podem ser utilizados para tal finalidade.
 Na elaboração do texto da peça profissional, inclua todos os dados que se façam necessários, sem,
contudo, produzir qualquer identificação além daquelas fornecidas no caderno de prova.

Questão

O Secretário de Segurança Pública do Estado do Espírito Santo edita Resolução que fixa o
horário de funcionamento de bares e restaurantes situados na capital capixaba. A Resolução
dispõe que tais estabelecimentos não poderão funcionar depois das 23h. Os comerciantes
locais, surpreendidos, solicitam à consultoria jurídica da Associação Comercial que investigue o
fundamento de validade do ato. Constatam, então, que o ato pretende retirar fundamento de
validade diretamente da Constituição, que valora positivamente o bem jurídico "segurança
pública", e que inexiste lei determinando a providência. O bar e restaurante "Boteco da meia
noite" empresa de personalidade jurídica privada resolve impetrar mandado de segurança
contra a decisão do Secretário, para poder funcionar depois do horário estabelecido. Contudo,
não obtém sucesso. Após analisar as questões de constitucionalidade suscitadas, o Tribunal de
CURSO DE DIREITO
Vila Velha - Reconhecido pela Portaria MEC nº. 591 de 17/03/2011, publicada no D.O.U. de 21/03/2011.
Autorizado pela Portaria MEC nº. 2.778, publicada no DOU de 10/09/2004.

Justiça do Estado do Espírito Santo se nega a emitir a ordem, por considerar inexistir violação
ao texto constitucional. (Autor: NIVEA MARIA DUTRA PACHECO – ADAPTADO)

COM BASE NO TEXTO ACIMA RESPONDA AS SEGUINTES PERGUNTAS DE FORMA


FUNDAMENTADA:

1) (2.0) Qual é a ação cabível e para qual juízo deverá ser endereçado as razões recursais?

2) (2.0) Indique quais são partes que devem figurar nos polos ativo e passivo da presente ação.

3) (2.0) No mérito indique quais são os fundamentos jurídicos aplicáveis ao caso (indique a
fundamentação pertinente, tanto os de cunho material e processual, desde a Constituição
Federal as Leis Infraconstitucionais e súmulas).

4) (2.0) Quais são os pedidos e/ou requerimentos imprescindíveis que deverão constar na
presente ação?

BOA PROVA!