Você está na página 1de 60

Plataforma para Grãos

2010 e 2020

Manual do Operador

84995021
ENDEREÇOS

Departamento de Assistência Técnica


Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, nº 11.825 - CIC
Caixa Postal 14.040 - CEP 81450-903 Curitiba - PR
Telefone: (041) 2107-7020
(041) 2107-7251
(041) 2107-7421
Fax: (041) 2107-7131

Departamento de Peças
Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, nº 11.825 - CIC
Caixa Postal 14.040 - CEP 81450-903 Curitiba - PR
Telefone: (041) 2107-7259
Fax: (041) 2107-7294

Departamento de Vendas
Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, nº 11.825 - CIC
Caixa Postal 14.040 - CEP 81450-903 Curitiba - PR
Telefone: (041) 2107-7217
(041) 2107-7103
(041) 2107-7393
Fax: (041) 2107-7456

CNH LATIN AMERICA LTDA.


Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, nº 11.825 - CIC
Caixa Postal: 14.040 - CEP 81450-903 - Curitiba - PR
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

AO PROPRIETÁRIO
Este Manual contém informações sobre a operação, ajuste e manutenção da sua plataforma de corte rígida
modelo 2010 e flexível modelo 2020. Você adquiriu um equipamento confiável, mas somente através do cuidado
e operação adequados poderá tirar o máximo rendimento e durabilidade da sua plataforma. Providencie para que
todos os operadores leiam este Manual com atenção e o mantenha sempre à mão para uma consulta rápida.

Esta plataforma foi projetada para ser instalada e acionada por uma colheitadeira Case IH AF ou AFX. Sua
finalidade é cortar e/ou transportar o cultivo para dentro da colheitadeira Case IH AF ou AFX.

Seu Concessionário Case IH lhe instruirá sobre a operação geral da sua plataforma de corte. (Consulte o Relató-
rio de Entrega no final deste Manual). A equipe de técnicos do Concessionário, treinada na fábrica, terá o prazer
de tirar quaisquer dúvidas que você possa ter sobre a operação de sua plataforma de corte.

Seu Concessionário Case IH possui uma linha completa de peças originais Case IH. Essas peças são fabricadas
e cuidadosamente inspecionadas para garantir a alta qualidade e uma montagem precisa das peças de que você
eventualmente venha a precisar para a sua plataforma ou colheitadeira.

Forneça sempre ao seu Concessionário o modelo e o número de série da plataforma ao fazer o pedido de peças.
Procure localizar esses números agora e os anote abaixo. Consulte a seção “Informações Gerais” neste Manual
sobre a localização do modelo e número de série.

Modelo ____________________________________________

Número de série ____________________________________

Largura da plataforma ________________________________

Data da compra _____________________________________

CUIDADO
Este símbolo é utilizado neste Manual quando a segurança pessoal estiver envolvida. Reserve um pouco
do seu tempo para ler estas instruções e procure sempre segui-las. Aja com cuidado!

CUIDADO
Algumas ilustrações neste Manual podem mostrar proteções de segurança abertas ou removidas para
melhor ilustrar um detalhe ou ajuste em particular.

Certifique-se, entretanto, de fechar ou recolocar todas as proteções antes de operar a máquina.

APERFEIÇOAMENTOS
A Case IH está continuamente melhorando seus produtos. Reservamo-nos o direito de fazer melhorias e altera-
ções quando isto for prático e possível, sem incorrer em obrigações de fazer tais modificações ou adições em
equipamentos previamente vendidos.

0-1
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

0-2
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

CONTEÚDO
SEGURANÇA ........................................................................................ 0-5

INFORMAÇÕES GERAIS ..................................................................... 1-1

OPERAÇÃO .......................................................................................... 2-1

LUBRIFICAÇÃO .................................................................................... 3-1

MANUTENÇÃO ..................................................................................... 4-1

DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS ...................................... 5-1

EQUIPAMENTO OPCIONAL ................................................................. 6-1

ESPECIFICAÇÕES ............................................................................... 7-1

ÍNDICE .................................................................................................. 7-5

RELATÓRIO DE ENTREGA .................................................................. 7-7

0-3
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

SEGURANÇA PESSOAL

Em todo este Manual e nos decalques afixados à máquina, você encontrará avisos chamando a atenção para
precauções de segurança (“PERIGO”, “ADVERTÊNCIA” e “CUIDADO”), seguido de instruções específicas. Es-
sas precauções destinam-se a resguardar a sua própria segurança e das demais pessoas que trabalham ou que
se encontram próximo à máquina. Leia-as com atenção.

PERIGO

A palavra “PERIGO” indica uma situação de perigo iminente que, se não for evitada, redundará em aci-
dente fatal ou grave. A cor associada com Perigo é o VERMELHO.

ADVERTÊNCIA

A palavara “ADVERTÊNCIA” indica uma situação de pergido potencial que, se não for evitada, pode
resultar em acidente fatal ou grave. A cor associada com Advertência é o LARANJA.

CUIDADO

A palavra “CUIDADO” indica uma situação de risco em potencial que, se não for evitada, pode resultar em
acidente moderado ou de grau médio de gravidade. É também utilizada para alertar contra práticas de
trabalho4 ou de operação inseguras. A cor associada com Cuidado é o AMARELO.

A INOBSERVÂNCIA DAS PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA “PERIGO”, “ADVERTÊNCIA” E “CUIDADO” PODE


RESULTAR EM ACIDENTES GRAVES OU FATAIS.

SEGURANÇA DA MÁQUINA
O aviso de precaução de segurança ( “IMPORTANTE”) é seguido de instruções específicas. Esse tipo de aviso de
precaução refere-se à segurança da máquina.

IMPORTANTE: A palavra ‘IMPORTANTE” é usada para informar o leitor de algo que ele precisa saber a fim evitar
pequenos danos à máquina, caso não seja observado um determinado procedimento.

INFORMAÇÕES
NOTA: Instruções utilizadas para identificar e apresentar informações complementares.

0-4
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

SEGURANÇA
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
O melhor operador é um operador cuidadoso. A maioria dos acidentes pode ser evitada observando-se determina-
das precauções de segurança. Para ajudar a evitar acidentes, leia as seguintes precauções antes de operar este
equipamento. O equipamento deve ser operado somente pelos responsáveis e devidamente treinados para o uso
do mesmo.

Repasse com cuidado os procedimentos dados neste Manual com todos os operadores. É importante que todos
os operadores estejam familiarizados e observem as precauções de segurança.

1. Assegurar-se de que todas as pessoas este-


jam afastadas da máquina antes de colocá-la
em operação.

2. Manter todas as proteções no lugar. Nunca tra-


balhar em torno da plataforma ou da
colheitadeira usando roupas folgadas que
possam ficar presas nas peças em movimen-
to.

3. Observe as seguintes precauções sempre que


estiver lubrificando a máquina ou ao fazer
ajustes:

A. Desengatar todas as alavancas de


acionamento ou interruptores.

B. Baixar a plataforma ao solo ou levantá-la


totalmente e colocar a trava de segurança
do cilindro, 1. Essa trava evitará que a pla-
taforma desça acidentalmente.

C. Desligar o motor da colheitadeira.

D. Aplicar o freio de estacionamento e colo-


car a alavanca de mudanças em primeira
ou ré.
1
4. A colheitadeira deve sempre estar equipada
com peso suficiente no eixo traseiro para uma
operação segura. Em algumas condições es-
peciais do terreno, pode ser necessário mais
peso nas rodas traseiras para uma boa estabi-
lidade.

5. Caso ocorra embuchamento da plataforma,


desligue o motor da colheitadeira antes de
desembuchar.

6. Nunca desconectar ou efetuar ajustes no sis-


tema hidráulico sem que a plataforma esteja
abaixada ao solo ou a trava de segurança, 1,
acionada (para baixo).

0-5
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

1. Baixar o molinete ou travar o cilindro com a


trava de segurança, 1.

PERIGO

Uma falha do sistema do levantador hidráulico


pode provocar a queda rápida da plataforma. As
travas de segurança do cilindro do levantador de-
vem estar na posição travada ao trabalhar em vol-
ta da plataforma ou do molinete com estes na po-
sição levantada. A não utilização das travas de
segurança do cilindro do levantador pode resultar
em acidente grave ou fatal.

2. Pratique segurança 365 dias por ano. Mante-


nha todo o seu equipamento agrícola em bom
estado de operação. Mantenha todas as prote-
ções e dispositivos de segurança no lugar.
Pare sempre a máquina antes de tentar
desembuchá-la ou ao efetuar manutenção na
mesma.

PRECAUÇÃO

Um operador cuidadoso é o melhor seguro contra


acidente. Tomar todo o cuidado de manter as mãos
e a roupa afastadas das peças em movimento.

3. Ao transportar a plataforma na estrada ou em


via pública à noite ou durante o dia, utilize
luzes adicionais e dispositivos para alertar ade-
quadamente os operadores de outros veícu-
los. Para tanto, consulte a legislação e regula-
mentos vigentes. Encontram-se disponíveis
em seu Concessionário Case IH diversos ti-
pos de luzes e dispositivos de segurança.

0-6
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

DECALQUES DE SEGURANÇA
Os seguintes decalques de segurança foram afixados à sua máquina nos locais indicados. Destinam-se a res-
guardar a sua segurança pessoal e das demais pessoas que trabalham com você. Com este manual aberto, dê
uma volta em redor da máquina, a fim de identificar e ler o conteúdo destes decalques.

Discuta estes decalques, bem como as instruções de operação constantes deste Manual, com os operadores da
máquina.

Mantenha os decalques legíveis. Caso estejam estragados, peça decalques novos ao seu Concessionário Case
IH. Os números de peças dos decalques estão impressos no próprio decalque.

0-7
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

ADVERTÊNCIA ADVERTÊNCIA
SUPERFÍCIE ESCORREGADIA ou
No caso de uma falha do sistema hidráu- Danos à máquina.
lico, o molinete pode cair rápidamente. • Não use esta área como degrau ou
Colocar a trava de segurança ao traba- plataforma.
lhar sob o molinete. A falta de colocação A inobservância desta advertência
da trava de segurança pode resultar em pode resultar em acidentes graves ou
acidentes graves ou fatais. fatais.

1 - ADVERTÊNCIA: Aplicar a trava de segurança an- 2 - ADVERTÊNCIA: Esta superfície não se destina a
tes de trabalhar sob o molinete levantado. Uma falha servir como plataforma para uso do pessoal. Risco de
do sistema hidráulico pode fazer com que o molinete escorregar e cair, resultando em acidentes graveis ou
desça rapidamente. A inobservância desta instruções danos à máquina.
pode resultar em acidentes graves ou fatais.

PERIGO

SEM PROTETOR
NÃO OPERE

PERIGO

TRANSMISSÃO GIRANDO
O CONTATO PODE SER FATAL
MANTENHA-SE AFASTADO! SEM PROTETOR
NÃO OPERAR SEM - NÃO OPERE
• TODAS AS PROTEÇÕES DE SEGURANÇA EM
SEU LUGAR NA TRANSMISSÃO DA
COLHEITADEIRA E DA PLATAFORMA.
• TRANSMISSÃO FIRMEMENTE ACOPLADA EM
AMBAS AS EXTREMIDADES.
• PROTEÇÕES DA TRANSMISSÃO GIRANDO
LIVREMENTE SOBRE A TRANSMISSÃO.
PERIGO
3 - PERIGO: Não operar sem todas as proteções devi- 4 - PERIGO: Não operar esta unidade sem as prote-
damente instaladas e em bom estado. Sempre exa- ções devidamente instaladas. A inobservância destas
minar a transmissão e as proteções antes de operar. instruções pode resultar em acidentes graves ou fa-
O contato com partes da transmissão em movimento tais.
pode resultar em acidentes graves ou fatais.

0-8
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

CONSIDERAÇÕES ECOLÓGICAS IMPORTANTES

O solo, o ar e a água constituem fatores vitais para a 4. Evite derramamentos quando estiver drenando óleo
agricultura e a vida em geral. Onde a legislação ainda usado do motor, sistemas de arrefecimento, lubri-
não condiciona o tratamento de certas substâncias ficantes da caixa de velocidades, óleo hidráulico,
requeridas pela avançada tecnologia, deve o bom sen- óleo para freio, etc. Não misture óleo de freios
so orientar a forma de dar um destino seguro aos pro- com combustíveis ou lubrificantes. Armazene
dutos de natureza química e petroquímica. estes produtos com a devida segurança até po-
der proceder à sua destruição de forma correta e
O texto que se segue, são recomendações que pode- de acordo com as disposições legais e com os
rão ser muito úteis: recursos disponíveis.

• Familiarize-se e certifique-se de que compreende 5. As modernas misturas usadas nos sistemas de


a legislação sobre estes casos, aplicável no Bra- arrefecimento, isto é, anticongelantes e outros
sil. aditivos, devem ser substituídas a cada dois anos.
Não devem ser lançados no solo, devendo sim,
• Na inexistência de legislação, obtenha informa- ser recolhidos e dar-lhes uma destinação segura.
ções dos seus fornecedores de óleos, filtros, ba-
terias, combustíveis, anticongelantes, produtos de 6. Não abra o sistema de ar condicionado. Este sis-
limpeza, etc., em relação aos seus efeitos sobre tema contém gases que não devem ser lançados
o Homem e a natureza, bem como a forma de na atmosfera. O seu Concessionário Case IH ou
armazenar, utilizar e dar destinação adequada a o especialista de ar condicionado, dispõe de uma
essas substâncias. Os técnicos agrícolas podem, unidade especial de extração para este fim, pro-
em muitos casos, ajudá-lo neste sentido. cedendo depois à recarga do sistema.

7. Reparar, imediatamente, qualquer fuga ou defeito


SUGESTÕES ÚTEIS no sistema de arrefecimento do motor ou no siste-
ma hidráulico.
1. Evite encher os depósitos de combustível com
latas ou sistemas de entrega de combustível ina- 8. Nunca aumente a pressão num circuito pressu-
dequados sob pressão, que poderão dar origem a rizado, pois poderá dar origem à falha de algum
consideráveis derramamentos. componente.

2. De uma forma geral, evite o contato com a pele,


de todos os tipos de combustíveis, óleos, ácidos 9. Proteja tubos e mangueiras durante as operações
e solventes, etc. A maior parte destes produtos de solda, pois as fagulhas que saltam podem abrir
contém substâncias que podem ser perigosas para furos ou enfraquecer os mesmos, dando origem à
a sua saúde. perda de óleos, líquidos de arrefecimento, etc.

3. Os óleos modernos contêm aditivos. Não queime


combustíveis contaminados e/ou óleos usados,
em sistemas normais de aquecimento.

0-9
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

SÍMBOLOS INTERNACIONAIS PARA COLHEITADEIRAS


Para orientar a operação de sua colheitadeira, foram utilizados diversos símbolos universais nos instrumentos,
comandos, interruptores e caixa de fusíveis. Esses símbolos são mostrados abaixo, juntamente com uma indica-
ção do seu significado.

Alarme Backlight Modo ECU e Caixa de câmbio

Advertência Embreagem da cai-


Alto-falante Modo ECU de
xa de câmbio
Rede Relógio Combustível Temp. óleo transm.

Não usar latas Temperatura do Filtro óleo cxa.


PC (Computador) combustível cambio
Colheitadeira RHM Elétrico Pressão do freio
Freio estacionam.
Extensão MDM Bateria

Temperatura SSM Luz interna Plataforma

Pressão CCM Luz instrumentos Flut. plataforma

Tempo CCM1 Luz alta Press. levant. plat.

Manutenção Luz baixa Indic. altura corte


CCM2

Histórico Farol trab. diant. Auto-flutuação


CCM3

Diagnóstico Motor Farol trab. tras. Press. contr. alt. plat.


Aquecedor do Lanternas
New Holland Flutuação lateral
motor
Luz do tubo de des-
Via Pública Horas do motor Nova flut. lateral
carga
Logo NH1 Horas motor novo Pisca alerta Altura plataforma
Luz de seta es- Veloc. subida plat.
Logo NH2 Carga do motor
querda
Rotação(RPM) Rotação do motor Luz de seta direita Veloc descida plat.

Vazamento Press. óleo motor Pisca emergência Altura do corte

Reciclar Hidráulico Altura corte esq.


Temp. óleo motor
Altura corte direito
Tela Nível óleo hidr.
Temp. líq. arrefec.
Largura plataforma
Ponto de ajuste Pressão do boost Pressão óleo hidr.

Regulagem Temp. ar do boost Temp. óleo hidr. Uso da plataforma

Unidades Filtro óleo motor Transmissão Palhada à esq.

Ajuste Turbo Velocidade de des- Palhada à direita


locamento
Rápido Acelerador Dist. entre linhas
Dist. percorrida
Número total de li-
Lento Modo ECU Hidrostático
nhas
Temperatura do
Contraste Modo ECU d Linhas em uso
hidrostático

0-10
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

SÍMBOLOS INTERNACIONAIS PARA COLHEITADEIRAS (Continuação)

Plat. abaixada Graneleiro Massa (peso)

Molinete Retrilha esquerda Massa efetiva

Altura do molinete Retrilha direita Tempo de massa

Dist. do molinete Filtro de retorno Área de massa

Veloc. do molinete Descarga Umidade

Veloc. elev. palha Descarregando Atraso na colheita

Reversor Fazendas
Picador de palha
Distrib. de palha Marcadores
Coletor de pedras
(balizadores)
Elevador de palha DLU Cultivo
Debulha Porta do DLU PF
Rotação do bate-
Madeireiro Sumário de PF
dor
Rotação do cilindro Transferência Atributos de PF

Horas de debulha Cartão de dados PF real


Abertura côncavo GPS Central de trabalho

Rot. Rotary Sep. GPS somente Temp. do cultivo

Ventilador limpeza Pico de tensão


DGPS
(voltagem)
Sapata Latitude Base PF
Inclinação lateral
Longitude Objetos PF
da plataforma
Inclin. longitudinal Altitude Nomes PF

Press. estabilização Rumo Seco

Peneiras Velocidade GPS Úmido

Peneira inferior Satélites visíveis Massa pequena


Peneira superior
DOP Massa úmida

Saca-palhas Reparar Perda na debulha


Saca-palha es-
Área Perda deb. esq.
querdo
Saca-palha direito Área útil Perda deb. direita
Elevador de grãos
Tempo em área

0-11
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

0-12
SEÇÃO 1 - INFORMAÇÕES GERAIS

SEÇÃO 1
INFORMAÇÕES GERAIS
A plataforma rígida modelo 2010 destina-se basica-
mente à colheita de arroz e a flexível modelo 2020
destina-se à colheita de soja, bem como grãos miú-
dos como trigo e aveia.

Uma transição suave da barra de corte ao sem-fim de


alimentação reduz as perdas da plataforma na colhei-
ta de soja. A barra de corte flexível acompanha o con-
torno do terreno para cortar o material acamado e de
pequeno porte. O cultivo é levantado e orientado so-
bre a barra de corte pelo molinete, cortado, e em se-
guida levado ao elevador de palha da colheitadeira,
numa operação de alimentação suave e uniforme.

A barra de corte pode ser travada quando não está


cortando muito rente ao solo.

O molinete de acionamento hidráulico pode ser facil-


mente ajustado de acordo com a velocidade de deslo-
camento para evitar as perdas na plataforma e propor-
cionar uma alimentação suave e uniforme.

Pode ser efetuada uma série de ajustes, bem como


podem ser instalados opcionais para a colheita da
maioria dos cultivos e condições de operação.

Nos equipamento Case IH, os termos LADO DIREITO


e LADO ESQUERDO são determinados posicionando-
se o observador atrás da máquina e olhando no senti-
do de deslocamento da mesma.

As tampas de proteção laterais da plataforma são ar-


ticuladas para maior facilidade de acesso. Deslizar a
parte, 1, para a frente para liberar e abrir a tampa.

IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

O número de série da plataforma encontra-se gravado


no canto superior direito da mesma.

ACOPLAMENTO E DESACOPLAMENTO DA PLA-


TAFORMA

Consulte o Manual do Operador da colheitadeira para


as instruções de acoplamento e desacoplamento da
plataforma.
2

1-1
SEÇÃO 1 - INFORMAÇÕES GERAIS

DESTRAVANDO A BARRA DE CORTE


IMPORTANTE: A barra de corte não deve ser opera-
da na posição travada ao operar com a plataforma rente
ao solo.

1. Levantar a plataforma e colocar a trava do cilin-


dro, 1.

2. Partindo de umas das extremidades da platafor-


ma, soltar o parafuso e a trava, 1, da barra de
corte para destravar a chapa de proteção. 1

IMPORTANTE: Apoiar cada chapa de proteção ao gi-


rar o parafuso a fim de evitar que a mesma caia. A
mesma deve ser abaixada devagar.

3. Continuar até que todas as chapas de proteção


estejam liberadas.

2
1

1-2
SEÇÃO 1 - INFORMAÇÕES GERAIS

4. Remover todas as contraporcas da barra de corte


para destravá-la. Depois que todas as chapas es-
tiverem liberadas, remover a porca especial, a ar-
ruela de pressão, e a arruela lisa, e guardá-las na
caixa de ferramentas.
IMPORTANTE: Sempre levantar a plataforma de for-
ma que as chapas de proteção fiquem acima do solo
antes de operar a colheitadeira em marcha ré. Pode-
rão ocorrer danos na plataforma caso isso não seja
feito.

PERIGO

Sempre baixar a trava de segurança do cilindro ao 6


trabalhar embaixo da plataforma.

TRAVANDO A BARRA DE CORTE


IMPORTANTE: Ao colher lavouras com a plataforma
levantada acima do solo, a barra de corte deve estar
travada na posição rígida.
NOTA: Desligar o chicote do controle de altura da pla-
taforma e/ou Terrain Tracer (Flutuação Lateral).

1. Estacionar a colheitadeira sobre uma superfície


nivelada. Levantar a plataforma e instalar a trava
de segurança do cilindro,1. Desligar a colheitadeira
e aplicar o freio de estacionamento.

2. Levantar a barra de corte até que os parafusos


possa ser instalados no chassi. Continuar a ins-
talação os parafusos até que todos tenham sido
iniciados.

3. Apertar todos os parafusos até que a “costela” fi-


que apertada contra o chassi.

1-3
SEÇÃO 1 - INFORMAÇÕES GERAIS

4. Afrouxar o parafuso, B, de modo que as abas fi-


quem paralelas à nervura.

5. Começando de um dos lados da plataforma, le-


vantar as chapas de proteção e apertar a trava, C,
após girá-la 90 graus para travar a chapa.

6. Levantar a próxima chapa de proteção e travar a


chapa. Continuar esse processo até que todas
as chapas estejam travadas.

1-4
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

SEÇÃO 2
OPERAÇÃO
Depois de devidamente montada a plataforma, e exe- Para uma lista completa dos opcionais, consultar a
cutados todos os ajustes, manutenção e lubrificação, seção “Equipamento Opcional” neste Manual.
a plataforma estará pronta para a operação no campo.
Ao operar com o divisor longo, sempre levantar a pla-
Os controles de acionamento da plataforma, altura da taforma acima do solo para fazer uma curva. Isso pro-
plataforma, posição do molinete e velocidade do tegerá os divisores longos contra avaria.
molinete ficam todos situados na plataforma do opera-
dor da colheitadeira. Ver Manual do Operador da
colheitadeira quanto à localização e operação dos
controles. PRECAUÇÃO

Os ajustes do sem-fim e do molinete devem ser feitos Algumas ilustrações neste Manual podem mostrar
conforme detalhado neste Manual, de acordo com as as proteções removidas para melhor visualizar
condições da lavoura. uma determinada característica ou ajuste. Assegu-
rar-se sempre de fechar ou recolocar todas as pro-
Independentemente das condições da lavoura, as per- teções antes de operar a máquina.
das no campo podem ser minimizadas através da ado-
ção de bons hábitos de operação e ajustes cuidado-
sos. Assegurar-se de que a plataforma esteja correta-
mente ajustada de acordo com as condições da la- IMPORTANTE: A barra de corte não deve ser opera-
voura antes de efetuar os ajustes finais na colheitadeira. da na posição travada quando estiver operando com a
Uma plataforma mal ajustada resultará em mau de- plataforma no solo.
sempenho da colheitadeira e maior perda na lavoura.
IMPORTANTE: Não operar com a barra de corte des-
A velocidade correta do avanço é determinada princi- travada acima da posição de operação do controle de
palmente pela condição da lavoura, rendimento do cul- altura da plataforma.
tivo, e conhecimento e experiência do operador.
IMPORTANTE: Antes de conduzir a colheitadeira em
Se forem encontrados problemas na colheita que não marcha ré, levantar sempre a plataforma, de forma
possam ser resolvidos através dos ajustes normais, que as chapas de proteção fiquem acima do solo. A
encontra-se disponível uma variedade de equipamen- inobservância deste cuidado poderá resultar em da-
tos opcionais para ajudar a superar esses problemas. nos à plataforma.

2-1
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

AJUSTES DE CAMPO

Ajustes do Molinete

Ao transportar ou armazenar a plataforma, o molinete


deve ficar travado para evitar deslocamento acidental.

Ajustar manualmente a altura do molinete de forma a


deixar uma folga mínima de 50 mm (2”) acima da
barra de corte, com a plataforma pressionando o solo
e estando os cilindros de levantamento do molinete
totalmente recolhidos. Ajustar a folga entre o molinete
e a barra de corte, afrouxando a contraporca, 1, e gi-
rando o cilindro, 2. Ajustar ambas as extremidades
uniformemente de modo que a folga entre o molinete e 1
a barra de corte seja igual em ambos os lados. Aper-
tar a contraporca, 1. 2

IMPORTANTE: Assegurar-se de que o molinete não


encoste no sem-fim ou na barra de corte.
2
O molinete deve ser posicionado suficientemente adi-
antado para proporcionar uma alimentação uniforme
em toda a extensão da barra de corte para dentro do
sem-fim. Se o cultivo estiver mal alojado, deslocar o
molinete para a frente e para baixo para tentar orientar
o material sobre a barra de corte. Nas lavouras de
menor porte, aproximar mais o molinete do sem-fim, a
fim de que o material seja alimentado suavemente da
barra de corte para o sem-fim. Se o molinete estiver
muito próximo ao sem-fim para a quantidade de mate-
rial, a alimentação será ruim, com arrasto de material.

2-2
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

Normalmente, o molinete deve ser ajustado a fim de


que as barras contatem aproximadamente 1/3 da altu-
ra da planta. Se o material estiver deitado, isso exige
que o molinete seja abaixado para pegar a o material
de modo que o mesmo possa ser cortado uniforme-
mente pela barra de corte.

O deslocamento horizontal do molinete, a altura do


molinete e a velocidade do molinete são controlados a
partir da plataforma do operador. Ver Manual do Ope-
rador da colheitadeira quanto à localização dos con-
troles.

Nivelamento do Molinete

Se o molinete não subir uniformemente, provavelmen-


te existe ar aprisionado no sistema. Levantar e baixar
totalmente o molinete várias vezes. Se isso não corri-
gir o problema, sangrar o cilindro direito. Para sangrar
o cilindro, baixar o molinete e afrouxar o parafuso
sangrador 1, no cilindro direito. Levantar o molinete
até que não saia mais ar ou bolhas em volta do parafu-
so. Apertar o sangrador.
1

Inclinação dos Grampos

Normalmente, os grampos do molinete devem entrar


no material verticalmente mas podem ser ligeiramente
inclinados para trás para levantar cultivos acamado, e
emaranhados. Se os grampos ficarem muito inclina-
dos, o material pode ser transportado em volta do
molinete ou levado ao sem-fim muito alto, provocando
uma má alimentação. Para ajustar a inclinação dos
grampos, afrouxar a porca, 1, em ambos os lados do
molinete nas plataformas de 25’ e 35’ e girando a ala-
vanca, 2. A plataforma de 25’ e 35’ para arroz tem uma
alavanca de cada lado. Assegurar-se de que o molinete
esteja ajustado por igual de ambos os lados.

2-3
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

AJUSTES DO SEM-FIM

Ajuste do Deslocamento Horizontal

O sem-fim pode ser ajustado para a frente e para trás


para melhorar a alimentação em alguns cultivos. Os
cultivos de haste comprida ou cultivos infestados com
ervas daninhas grandes podem ser alimentados mais
uniformemente no elevador de palha se o sem-fim es-
tiver deslocado para a frente. Recuar o sem-fim para
melhorar a alimentação no elevador de palha na co-
lheita de lavouras de pequeno porte.

Para deslocar o sem-fim, afrouxar as porcas, 1, e ajus-


tar o esticador, 2, de ambos os lados do sem-fim. Ajus-
tar a tensão da corrente de acionamento do sem-fim e
as chapas de limpeza do sem-fim após o desloca-
mento do mesmo. Pode ser necessário acrescentar
ou remover elos da corrente após o deslocamento do 5
sem-fim.

NOTA: Ao deslocar o sem-fim, prestar especial aten-


ção à folga entre as espirais do sem-fim e as chapas
de limpeza, 1, 2 e 3. A folga ajustada de Fábrica é de
10 mm. (Não pode ser menor). 3

2-4
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

Altura

A altura do sem-fim é ajustada de Fábrica com 20 mm


entre as espirais do sem-fim e o piso da plataforma.
Todavia, pode ser necessário o ajuste para melhorar a
alimentação sob condições variadas da lavoura.

Se o material embuchar embaixo do sem-fim e não for


uniformemente alimentado para o centro da platafor-
ma, baixar o sem-fim para obter um melhor contato
com o material. Esta condição geralmente ocorre quan-
do o cultivo é leve e pouco material é alimentado no
sem-fim.

Durante a colheita de cultivos pesados ou cultivos in-


festados com ervas daninhas grandes, levantar o sem-
fim para deixar espaço para deslocamento do material
sob o sem-fim.

NOTA: Ao deslocar o sem-fim, prestar especial aten- 3


ção à folga entre as espirais do sem-fim e as chapas
de limpeza, 1, 2 e 3. A folga ajustada de Fábrica é de
10 mm. (Não pode ser menor). 1

Item 1, somente 25’ 7

Para ajustar o sem-fim, primeiro afrouxar os parafusos


1 e 2, de ambos os lados da plataforma. Ajustar o
parafuso, 3, para cima ou para baixo para conseguir o
1
4
ajuste desejado. Ajustar ambos os lados do sem-fim
por igual. Ajustar as chapas de limpeza do sem-fim.
Girar manualmente o sem-fim, a fim de assegurar-se
de que o mesmo não esteja prendendo.

O sem-fim está projetado para uma flutuação livre de


25 mm (1”) sobre eventuais obstáculos. 2
Na colheita de material de pequeno porte, o sem-fim
3
pode ser travado na posição, deslocando-se o bloco e
parafuso batente para o furo central, 4. Normalmente,
o bloco e parafuso batente devem ficar situados na 8
posição 1, a fim de que o sem-fim possa flutuar.

2-5
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

Sincronização dos Dedos Retráteis

Os dedos retráteis do sem-fim podem ser ajustados


através da alavanca,1, do lado direito da plataforma.
Esta alavanca é ajustada de fábrica paralela ao braço
de apoio do sem-fim, 2.

Na colheita de cultivos leves, afrouxar o parafuso, 3, e


girar a alavanca no sentido horário. Isso faz com que
os dedos se retraiam mais tarde, a fim de que possam
contatar o cultivo por mais tempo para levá-lo ao ele-
vador de palha.

Na colheita de cultivos pesados ou cultivos infestados


com ervas daninhas grandes, girar o braço no sentido somente 35’ 9
anti-horário, permitindo que os dedos retráteis liberem
o material mais cedo e evitando arrastar o material
sobre o sem-fim.

Após ajustar a sincronização dos dedos retráteis, ve-


rificar sempre a folga entre os dedos e o piso da plata-
forma.

Chapa de Limpeza

Ajustar a chapa de limpeza, 1, situada de ambos os


lados da boca do elevador de palha, o mais próximo
possível das espirais do sem-fim. Afrouxar a série de
parafusos que fixam as chapas de limpeza e seus
suportes e ajustar as chapas de limpeza com uma
folga de 10 mm. Antes de apertar os parafusos, girar o
sem-fim para assegurar-se de que o mesmo não está
prendendo. 10

Velocidade do Sem-Fim

O sistema de alimentação está equipado com uma


engrenagem dupla, que ao sair de Fábrica está para o
acionamento com a engrenagem menor.

A velocidade do sem-fim pode ser aumentada mudan-


do-se a posição da roda dentada de acionamento do
sem-fim.

Para alterar a velocidade, afrouxar o parafuso de ajus-


te, 1, deslizar a roda dentada dupla para a nova posi-
ção e alinhá-la. Reajustar a tensão da corrente.

A velocidade baixa é indicada para culturas muito se-


cas e/ou de fácil debulha.
11
NOTA: Pode ser necessário acrescentar ou remover
elos da corrente, dependendo da localização do sem-
fim.

2-6
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

Divisores Curtos (Arco)

O divisor curto, 1, deve ser usado quando a barra de


corte está travada na posição rígida. Podem também
ser usados na colheita de soja que esteja relativamen-
te livre de ervas daninhas. Os divisores curtos são tam-
bém recomendados na colheita de grãos miúdos.

12

2-7
SEÇÃO 2 - OPERAÇÃO

2-8
SEÇÃO 3 - LUBRIFICAÇÃO

SEÇÃO 3
LUBRIFICAÇÃO
A tabela de lubrificação abaixo é recomendada para PRECAUÇÃO
condições normais de colheita. Ao operar em condi-
ções muito adversas, a lubrificação deve ser mais fre- Antes de lubrificar a plataforma, observar sempre
qüente. as seguintes precações:
1. Desaplicar todas as embreagens (acionamento
Deve-se usar somente graxa de uso geral de boa qua-
da colheitadeira e da plataforma)
lidade. Antes de lubrificar, limpar a sujeira em volta
das graxeiras. 2. Baixar a plataforma ao solo ou levantar a pla-
taforma e travá-la com a trava de segurança
do cilindro.
3. Colocar o molinete em sua posição abaixada
ou colocar corretamente as travas do cilindro
de levantamento.
4. Desligar o motor da colheitadeira e aplicar o
freio de estacionamento antes de descer da
plataforma do operador.

TABELA DE LUBRIFICAÇÃO
10 h 50 h 100 h Cada
Descrição ou diaria- safra
mente

Bucha da cabeça da navalha, esquerda X


Bucha da cabeça da navalha, direita
(somente acionamento dupla da navalha) X

Pivô da polia do acionamento da navalha X

Mancal lateral do molinete, esquerdo X

Mancal lateral do molinete, direito X

Corrente de acionamento do sem-fim X

Braço pivô do molinete, esquerdo X

Braço pivô do molinete, direito X

Corrente de acionamento do molinete X

Caixa de acionamento das navalhas verificar cada 50 h


Trocar uma vez a cada ano
Junta universal do eixo do acionamento principal, esquerdo X
Junta universal do eixo do acionamento principal, direito
(somente acionamento duplo das navalhas) X
Suportes dos dedos retráteis do sem-fim (dentro do sem-fim) X

3-1
SEÇÃO 3 - LUBRIFICAÇÃO

LUBRIFICAÇÃO DA CAIXA DE NAVALHAS (CADA


50 HORAS)

1. Levantar totalmente a plataforma.

2. Remover o bujão da caixa de navalha, 1, e verifi- 1


car o nível. Se necessário, completar com lubrifi-
cante para engrenagens API 8W-90 API GL5 no
mesmo bocal.

3. Recolocar o bujão,1, da caixa de navalhas.

TROCA DO ÓLEO DA CAIXA DE NAVALHAS (ANU-


ALMENTE)
1
1. Baixar totalmente a plataforma.

2. Remover o bujão, 1, da caixa de navalhas, para


drenar o óleo da caixa de navalhas.

3. Levantar totalmente a plataforma.

4. Completar com lubrificante para engrenagens API


80W-90 API GL5.

5. Reinstalar o bujão, 1, da caixa de navalhas.

GRAXEIRAS

Usar uma pistola de graxa com graxa de usos gerais


de boa qualidade em todas as graxeiras. Recomenda-
se graxa Case IH a base de lítio BP para altas tempe-
raturas. Limpar toda a sujeira das graxeiras e do bico
da pistola de graxa. Limpar o excesso de graxa das
graxeiras apos a lubrificação. Revisar todos os pontos
de lubrificação e os níveis de óleo.

Existe muito outros pontos da plataforma que possu-


em algum movimento, mas que não possuem graxeiras
e que não são listados na tabela de lubrificação. Pro-
longaria a vida útil de algumas peças se esses ponto
fossem lubrificados com óleo ou graxa periodicamen-
te.

Bucha da cabeça da navalha, 1.

C0311

3-2
SEÇÃO 3 - LUBRIFICAÇÃO

Braço pivô do molinete, 1.

Junta universal interna do eixo de transmissão, 1.

Junta universal externa do eixo de transmissão, 1.

3-3
SEÇÃO 3 - LUBRIFICAÇÃO

Os porta-dedos retráteis, 1, devem estar livres. As guias


dos dedos, 2, se desgastarão rapidamente se os por- 1
ta-dedos estiverem apertados.

Lubrificar os porta-dedos retráteis com óleo para mo-


tor SAE 30 antes de armazenar a máquina após a
colheita. Lubrificar também os porta-dedos retráteis 2
no início da colheita.

PRECAUÇÃO

Nunca lubrificar correntes durante a operação da


plataforma. 6

Lubrificar as correntes de roletes com óleo a cada 10


horas de operação com um óleo de motor de baixa
viscosidade (SAE 30) para uma via útil mais longa.
Em condições extremamente abrasivas pode ser acon-
selhável operar as correntes de rolo sem óleo para
evitar o acumulo de sujeira.

Aplicar uma película de óleo para motor nos dedos


das facas cada 10 horas de operação se estiver traba-
lhando com a plataforma acima do solo ( piso da pla-
taforma na posição travada). Quando operar com a pla-
taforma no solo ( piso da plataforma destravado e flu-
tuando), é melhor operar sem óleo na facas.

3-4
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

SEÇÃO 4
MANUTENÇÃO
Efetuar todas as verificações e revisões recomenda- PRECAUÇÃO
dos nesta seção nos intervalos indicados.
Antes de lubrificar a plataforma, observar sempre
IMPORTANTE: A não execução da manutenção nos as seguintes precauções:
intervalos indicados pode acarretar paradas desneces- 1. Desaplicar todas as alavancas (acionamento
sárias da máquina. da colheitadeira e da plataforma)

Os intervalos de manutenção recomendados são para 2. Baixar a plataforma ao solo ou levantar a pla-
condições médias. Sob condições adversas, reduzir taforma e travá-la com a trava de segurança
os intervalos de manutenção. do cilindro.
3. Colocar o molinete em sua posição abaixada
ou travar o cilindro de levantamento.
4. Desligar o motor da colheitadeira e aplicar o
freio de estacionamento antes de descer da
plataforma do operador.

MANUTENÇÃO DIÁRIA
A cuidadosa inspeção e serviço da plataforma antes Verificar freqüentemente a tensão das mesmas.
de cada operação diária impedirão as desnecessárias O desgaste do dente na lateral de uma engrena-
interrupções e esperas no campo. Efetuar as seguin- gem de acionamento indica desalinhamento da
tes inspeções e ajustes. corrente.
1. Inspecionar cuidadosamente todas as correntes 2. Esteja atento a fixações soltas, e aperte-as ou
para verificar se estão com o alinhamento e ten- as substitua conforme necessário.
são corretos. As correias podem ser rapidamente
3. Lubrificar a plataforma conforme as instruções na
danificadas se ficarem patinando no sulco da po-
seção de “Lubrificação” deste Manual. Sob con-
lia por um certo tempo. O aquecimento excessivo
dições adversas, reduzir os intervalos de lubrifi-
de uma polia é indício de que a correia está pati-
cação.
nando. As correias novas normalmente laceiam
um pouco durante as primeiras horas de uso.

REVISÃO ANTES DA SAFRA


Antes de iniciar a próxima safra, após o período em 5. Verificar o aperto de porcas e parafusos.
que o equipamento ficou inativo, adotar os seguintes
cuidados para assegurar-se de que a plataforma en- 6. Verificar o aperto das fixações de montagem da
contra-se em boas condições de operação. caixa de navalhas.
1. Instalar as correntes (se tiverem sido removidas)
7. Verificar o nível de óleo da caixa de navalhas.
e aplicar uma leve película de óleo. Ajustar a ten-
são das correntes conforme descrito na seção 8. Verificar o correto alinhamento dos dedos e folga
“Manutenção” deste Manual. dos respectivos apertadores.
2. Verificar a embreagem deslizante da TDF para
assegurar-se de que esteja livre para deslizar con- 9. Operar a plataforma em baixa velocidade durante
forme necessário. cinco minutos e verificar se há aquecimento dos
acionamentos e mancais, bem como algum ruído
3. Lubrificar todos os pontos de graxa. anormal. Verificar o correto alinhamento das cor-
4. Limpar todo o excesso de graxa das roscas dos reias e correntes. Verificar se os comandos elétri-
parafusos de ajuste e outras áreas engraxadas cos e hidráulicos operam perfeitamente.
para evitar o acúmulo de pó durante a operação.

4-1
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

REVISÃO PÓS-SAFRA

Antes de armazenar a colheitadeira durante o período 7. Remover as correntes de rolos e limpá-las bem
de entre-safra, seguir os passos abaixo para garantir imergindo-as em querosene. Aplicar uma cama-
um preparo mais fácil para a próxima safra e uma vida da de óleo grosso nas correntes antes de
mais longa da plataforma. armazená-las.

1. Remover todo o material do piso da plataforma e 8. Para maior durabilidade das correias, removê-las.
qualquer palha ou sujeira acumuladas em todas Limpar as correias e armazená-las num lugar fres-
as partes da plataforma. co e seco. Se as correias não forem retiradas,
aliviar a tensão das mesmas.
2. Verificar se existem correntes, rodas dentadas,
correias, mancais, etc., gastos, e substituí-los 9. As partes expostas de metal que não forem
conforme necessário. recobertas com graxa ou óleo devem ser pinta-
das.
3. Para evitar a oxidação, pintar o piso da platafor-
ma ou aplicar uma camada de graxa. 10. Proporcionar proteção adequada das intempéri-
es, de preferência num galpão.
4. Aplicar uma película de óleo na barra de corte.
11. Apoiar a plataforma ligeiramente acima do solo
5. Lubrificar todos os pontos de graxa. sobre blocos estáveis e baixar totalmente o
molinete durante o período de armazenagem.
6. Aplicar graxa ou óleo nas rodas dos parafusos de
ajuste e nos dedos e porta-dedos retráteis do sem-
fim.

4-2
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

TABELA DE MANUTENÇÃO
Em condições normais de operação, observar esta tabela de manutenção. Sob condições extremas, devem ser
observados intervalos mais curtos de manutenção.

INTERVALOS MÁXIMOS DE SERVIÇO


(HORAS DE OPERAÇÃO)

5h 10 h 50 h 100 h Cada
ou diaria- ou sema- ou safra
OPERAÇÃO A EFETUAR mente nalmente quinze-
nalmente

Verificar grampos do molinete, se estão retos


e sem danos X

Verificar as navalhas e os dedos das navalhas X

Verificar dedos do sem-fim, se estão


danificados ou gastos X

Remover acúmulo de material X

Efetuar a lubrificação das 10 horas X

Verificar alinhamento e desgaste das correias X

Verificar tensão das correias e correntes X

Verificar alinhamento e desgaste da corrente


e da roda dentada X

Verificar nível de óleo da caixa de navalhas X

Efetuar lubrificação das 50 horas X

Verificar ajuste da embreagem deslizante da TDF X

Verificar aperto dos parafusos da caixa


de navalhas X

Verificar desgaste ou danos no chicote X

Efetuar lubrificação das 100 horas X

Inspecionar e apertar parafusos e porcas X X

Trocar óleo da caixa de navalhas X X

4-3
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

CORREIAS DE ACIONAMENTO DAS NAVALHAS

A tensão e ajuste corretos das correias é importante


para um longa vida útil das correias e seu perfeito fun-
cionamento.

Limpar as correias com um pano limpo. Limpar imedi-


atamente qualquer óleo ou graxa derramados. Evitar o
uso de solventes, pois os mesmos enfraquecerão a
correia.

Não se recomenda raspagem das correias. A raspa-


gem proporciona na maioria das vezes apenas um
agarre temporário, ao mesmo tempo enfraquecendo
as correias e provocando sua eventual deterioração e
encurtando sua vida útil.

PRECAUÇÃO

Não tente limpar as correias com a plataforma em


operação.
A potência de uma correia em V é transmitida por atri-
to e uma ação de cunha contra as polias. Portanto,
tanto as correias como as polias estão sujeitas ao
desgaste e devem ser verificadas com freqüência. O
desgaste normal pode ser constatado por um desgas-
te uniforme, tanto da própria correia como das laterais
da polia.
IMPORTANTE: Verificar a correia em V regularmente
durante as primeiras 50 horas de operação e ajustar o
laceamento inicial.
Se houver problema de vibração, verificar ondulações
na correia ou pontos de estreitamente provocados por
deslizamentos excessivos.
Se ocorrer falha da correia por desgaste anormal, veri-
ficar imediatamente a causa. Após corrigir a causa,
substituir a correia. Usar somente correias Case IH, a
fim de garantir uma largura e comprimento adequados
da mesma.
IMPORTANTE: Nunca tentar forçar a correia com uma
alavanca acima da polia, pois isso pode romper os
cordéis da correia, encurtando sua vida útil. Colocar a
correia no V da polia manualmente.
Verificar as polias, constatando se apresentam pare-
des deformadas ou cortadas. Verificar também se exis-
te desgaste excessivo das laterais da polia. Polias
danificadas provocam o desgaste rápido da correia.
Uma polia deformada reduz o poder de agarre da cor-
reia. Substituir imediatamente as polias que apresen-
tarem estes defeitos.
Assegurar-se de que a sujeira não ficou alojada e
compactada no V da polia. Uma vibração excessiva
pode ser causada pelo acúmulo de sujeira na parte
interna das polias. Soltar a sujeira a fim de que a mes-
ma possa ser expulsa.

4-4
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

CORRENTES E RODAS DENTADAS DAS CORREN-


TES
Remover as correntes da plataforma para limpeza e
manutenção ao término de cada safra.
Manter a tensão correta. O aperto excessivo faz com
que a corrente estire, além de colocar cargas laterais
excessivas sobre as rodas dentadas, eixos e mancais.
Uma corrente frouxa açoitará e subirá nos dentes da
roda dentada, provocando um desgaste excessivo.
Quando necessário, acrescentar ou remover elos da
corrente para assegurar-se de que haja comprimento
e tensão adequados.
As rodas dentadas expostas das correntes devem ser
limpas regularmente. Removê-las e limpá-las, emer-
gindo-as em óleo diesel durante a noite. Secar e em
seguida lubrificar bem a corrente com óleo.
Antes de usar a plataforma, limpar as correntes e
lubrificá-las com óleo de alta viscosidade ou graxa.
Ao remover a plataforma da armazenagem, limpar e
lubrificar as correntes com óleo SAE 30.
Assegurar-se de que todas as rodas dentadas este-
jam devidamente alinhadas. As rodas dentadas po-
dem ser adequadamente deslocadas para dentro ou
para fora em seus eixos para um alinhamento correto.
As rodas dentadas tensoras podem ser alinhadas,
aumentando-se ou diminuindo-se o número de arrue-
las lisas atrás do cubo da roda dentada. Inspecionar
as rodas dentadas freqüentemente para assegurar-se
de que os dentes não estejam tão gastos a ponto de
danificar a corrente.
TENSÃO DA CORRENTE DO SEM-FIM
Ajustar o tensor, 1, para eliminar a folga da corrente.
Verificar a tensão em três pontos diferentes após girar
a roda dentada. 1

A corrente está corretamente tensionada quando os


roletes arrastarem ligeiramente na parte de trás da
roda dentada.

4-5
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

Bucha da Cabeça da Navalha

Na cabeça da navalha é usado um conjunto de rótula


substituível.

Para uma maior vida útil da rótula da cabeça da nava-


lha:

1. Lubrificar a rótula conforme recomendado na se-


ção “Lubrificação” deste Manual.

2. Sempre manter a barra de corte em bom estado


de conservação e operação.

3. Usar o parafuso correto da cabeça da navalha (uti-


lize somente parafuso original).

Para remover a rótula da cabeça da navalha, remover a


vedação e os anéis-trava da cabeça da navalha. Remo-
ver a rótula, preferencialmente, utilizando uma prensa.

Antes de instalar uma nova rótula, limpar as superfícies


de contato com solvente clorado. Aguardar 10 minutos
antes de manusear as peças. Limpar o excesso.
C0311
Instalar a rótula preferencialmente em prensa. Instalar
a vedação nova e os anéis-trava da cabeça da navalha. 2

NOTA: Deixar o braço da navalha no centro do seu


curso, antes de aplicar o torque no parafuso da cabe-
ça da navalha.

Após inserir a navalha, posicionar sua caixa de


acionamento. Antes de apertar os parafusos que fi-
xam a caixa, verificar a união da cabeça da navalha ao
braço da caixa.
- Se houver folga, eliminá-la calçando a barra de
suporte dos dedos, colocando calços.
- Se houver interferência, eliminá-la colocando
calços sob a caixa de acionamento.
3
A navalha deverá deslizar livremente entre os dedos e
os apertadores.
Apertar o parafuso do apertador com torque de 200
Nm (147 ft.lb).

Facas Com Parafusos de Fácil Instalação

São usados três tamanhos diferentes de parafusos e


porcas.

Os números de peças incluem o parafuso e a porca.

Todas as facas possuem furos rebaixados para as


porcas. São necessários parafusos de comprimentos
diferentes na cabeça da navalha e na extremidade
sobreposta.
4

4-6
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

Facas Simples

Todas as cabeças de navalha requerem três parafu-


sos, 1, (27 mm de comprimento).

Os demais parafusos utilizados na navalha possuem


16 mm ou 21 mm de comprimento. Todos os parafu-
sos utilizam porcas M6.

IMPORTANTE: Apertar as porcas com torque de 10 -


12 Nm (7 - 9 ft.lb).

Facas Duplas

As facas duplas são semelhantes às facas simples.


Nas plataformas de 35’, existe um dedo central triplo
com seu correspondente apertador.

4-7
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

Instalação

Antes de instalar uma faca, assegurar-se de que to-


das as facas estejam apertadas e devidamente afia-
das. Verificar eventual desgaste na cabeça da navalha
e assegurar-se de que os parafusos estejam aperta-
dos.

Inspecionar o dorso da faca e eliminar qualquer dobra


ou deformação. Estes resultarão em uma ação de corte
inadequada e desgaste excessivo. A área da cabeça
da navalha deve ficar perfeitamente reta.

Deslizar o dorso da navalha para sua posição.

PERIGO

Manter as mãos afastadas das facas e dos dedos


das facas ao instalar a navalha.

NOTA: Manter o braço da faca no centro do seu curso


antes de aplicar o torque no parafuso da cabeça da
navalha.

Apertar o parafuso, 2, do braço da navalha com torque


de 200 Nm (147 ft.lb).

NOTA: Se a faca não ficar ligeiramente apoiada na


superfície superior do dedo, ocorrerá uma ação de corte
inadequada.

Assegurar-se de usar o parafuso da cabeça da nava-


lha. Este parafuso Case IH é um parafuso especial-
mente temperado, de rosca fina. Não use nenhum outro
parafuso neste local.

4-8
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

DEDOS DAS FACAS

O alinhamento dos dedos é muito importante para


correto funcionamento da barra de corte.

Qualquer dedo que esteja desalinhado está deforma-


do; não tente endireitá-lo. Substituí-lo por um dedo
novo.

APERTADORES DAS NAVALHAS

Os apertadores das navalhas devem ser ajustados de


modo que possam manter as navalhas apertadas con- 7
tra os dedos durante o corte, mas ao mesmo tempo
permitindo que a navalha se movimente sem ficar pre-
sa. Quando os apertadores estão corretamente ajus-
tados, a navalha poderá deslocar-se para um lado e
para outro sem prender.

Ajuste da Navalha

Posicionar as navalhas contra a superfície de corte


dos dedos e ajustar os apertadores. Deixar no má-
ximo 0,4 mm entre o apertador e a navalha, ponto A,
colocando ou retirando calços debaixo do apertador
no ponto B.

Se a navalha ficar presa, isso acarretará um esforço


extra na correia de acionamento e na caixa de nava-
lhas, provocando uma falha prematura.

Se a folga entre a faca e o apertador for muito grande,


a faca não cortará corretamente. Ocorrerá também um
desgaste rápido dos dedos e das facas.

NOTA: Ao final de todos os ajustes girar ma–


nualmente a polia de acionamento da navalha (sem
correia) observando que a navalha deslize suavemen-
te.

Substituição de Facas

As facas da navalha da plataforma são parafusadas.


Ao substituí-las, apertar as porcas de fixação com
torque de 14 Nm (1,4 kgfm).

4-9
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DO BRAÇO DA NAVALHA

Os braços direito e esquerdo da navalha são idênti-


cos. O eixo de saída da caixa de navalhas possuem
duas marcas de sincronização, 1, separadas a 180
graus. A marca de sincronização ficará alinhada com
uma das duas marcas, 1, no eixo de saída.

REGISTRO DA NAVALHA

O registro da navalha é atingido quando uma das mar-


cas de sincronização, 1, na extremidade do eixo de
saída na caixa de navalhas estiver corretamente ali-
nhada com a marca de sincronização, 2, na parte infe-
rior do braço da navalha.

O registro da navalha está correto quando a superfície


de corte da navalha cruza a superfície superior do dedo.

AJUSTE DO REGISTRO DA NAVALHA

Pode-se obter um ajuste limitado do registro da nava-


lha, adicionando-se ou removendo-se calços confor-
me necessário em 1.

IMPORTANTE: Se for feito o ajuste do registro da


navalha, verificar o alinhamento da correia de
acionamento das navalhas. Para alinhar a correia de
acionamento das navalhas, movimentar a polia de
acionamento das navalhas para dentro ou para fora,
conforme necessário, mudando a posição do eixo de
acionamento.

NOTA: A sincronização incorreta do braço da navalha


com a caixa de navalhas resultará em má qualidade 10
do corte, vibração da cabeça da navalha, e possível
avaria da caixa de navalhas e/ou da plataforma.

4-10
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

DEDOS DO SEM-FIM
2
Verificar periodicamente eventual deformação, desgaste
ou quebra dos dedos retráteis. Se constatar algum 1
dedo deformado, remova-o do seu suporte e substi-
tua-o. Para remover o dedo, remova a porta de acesso
e o parafuso, 1. Ao instalar o dedo, alinhar o furo do
parafuso de ajuste do dedo com o parafuso de ajuste. 3
Substituir quaisquer guias gastas.

Os dedos do sem-fim possuem uma ranhura usinada


nos mesmos, a fim de que o dedo possa quebrar ao
atingir um obstáculo ou resistência, para evitar danifi-
car o sem-fim.
11
Os porta-dedos, 2, devem estar livres. As guias dos
dedos, 3, sofrerão um desgaste rápido se os porta-
dedos estiverem apertados.

Lubrificar os porta-dedos retráteis com óleo para mo-


tor SAE 30 antes e após a colheita, a fim de evitar
oxidação do eixo.

DEDOS DO MOLINETE

Substituir os dedos danificados ou perdidos para ga-


rantir uma alimentação adequada.

Substituir as barras de dedos deformadas ou


danificadas o mais cedo possível para evitar a quebra
total do molinete.

12
BUCHAS DA BARRA DE DEDOS

As buchas, 1, devem fixar as barra de dedos de forma


segura, mas sem prender.

Para substituir a bucha, remover o parafuso M10x50


mm, 2, e o retentor de metal. A bucha é de duas pe-
ças e pode ser removida. Uma leve película de óleo
melhorará o amaciamento inicial e a vida útil da bu-
cha.

13

4-11
SEÇÃO 4 - MANUTENÇÃO

EMBREAGEM DESLIZANTE DA TDF

A embreagem de pinos radiais da TDF está ajustada a


750 Nm.

14

4-12
SEÇÃSEÇÃO 5 - DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS

SEÇÃO 5
DETECÇÃO E CORREÇÃO
DE ANOMALIAS
GENERALIDADES

PROBLEMA POSSÍVEIS CAUSAS CORREÇÃO

Perda de grãos na frente da bar- Velocidade do molinete não coorde- Ajustar a velocidade do molinete ligeira-
ra de corte. nada com a velocidade de avance. mente acima da velocidade de deslocamen-
to.
Molinete não está sendo operado na Normalmente, o molinete deve ser ajusta-
altura correta. do de forma que contate aproximadamen-
te 1/3 da parte superior da cabeça e do
caule do cultivo.

Velocidade de deslocamento muito Reduza a velocidade até que o cultivo seja


rápida para as condições da lavoura. lentamente alimentado no molinete e na
barra de corte.
Cultivos mais baixos ou acamados Baixar a plataforma.
não são cortados.
Plataforma muito alta. Baixar a plataforma de forma que os cau-
les sejam cortado num comprimento sufi-
ciente para uma boa alimentação no sem-
fim.

Facas segas ou quebradas Afiar ou substituir as facas.

Dedos das facas gastos. Substituir os dedos das navalhas.


Apertadores das facas desalinhados. Colocar calços nos apertadores das nava-
lhas de forma a deixar uma folga de 0,4
mm.

O material cortado acumula e cai Molinete não ajustado baixo o sufici- Ajustar o molinete suficientemente baixo
na frente da barra de corte. ente para uma alimentação adequa- para pegar o material da barra de corte e
da do material cortado. levá-lo ao sem-fim.

Molinete ajuste muito adiantado. Recuar o molinete de modo a proporcionar


uma alimentação uniforme do material no
sem-fim.
Folga muito grande entre o piso da Em operações normais, as espirais do
plataforma e o sem-fim. sem-fim devem ficar a aproximadamente
20 mm do piso. Nos cultivos muito den-
sos, essa distância deve ser ligeiramente
aumentada. Em cultivos muito leves, pode
ser necessário reduzir a distância.

Plataforma demasiado alta, resultan- Baixar a plataforma de modo a permitir um


do em caules muito curtos. maior fluxo de material na máquina.

Velocidade do molinete muito baixa. Aumentar a velocidade do molinete.


Cultivo leve e de pequeno porte. Aumentar a velocidade de avance.

5-1
SEÇÃO 5 - DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA CORREÇÃO

Material verde acumulando na Molinete muito alto. Baixar o molinete mais próximo à barra
barra de corte rígida, com má de corte.
transferência do material para o
sem-fim.

Ação de corte inadequada (em Barra de corte não opera à velocida- Verificar a rotação (RPM) do eixo princi-
zigue-zague e irregular). de correta. pal da colheitadeira. Ver regulagem cor-
reta no Manual do Operador.

Navalhas, apertadores ou dedos das Substituir todas as peças gastas,


navalhas danificados ou quebrados. danificadas ou quebradas.

Faca deformada, prendendo. Endireitar a navalha e verificar o alinha-


mento dos dedos das navalhas. Alinhar,
se necessário.

Apertadores não ajustados correta- Ajustar os apertadores de forma que as


mente. facas trabalhem livremente, mas sem le-
vantar dos respectivos dedos das facas.

Velocidade de avance muito rápido Reduzir a velocidade de deslocamento.


para a condição da lavoura.

Embuchamento na barra de corte. Remover o embuchamento e ajustar o


molinete de forma que pegue o material
na barra de corte.

Bucha da cabeça da navalha gasta. Substituir a bucha da cabeça da nava-


lha.

Vibração excessiva da barra de Velocidade incorreta do mecanismo Verificar a rotação (RPM) do eixo princi-
corte e peças relacionadas. de corte. pal da colheitadeiras. Ver regulagem cor-
reta no Manual do Operador da
Colheitadeira. Assegurar-se de que todas
as correias estejam corretamente
tensionadas.

Conexão navalha-a-navalha solta. Apertar conforme necessário.

Bucha da cabeça da navalha gasta. Substituir a bucha da cabeça da nava-


lha.

Registro incorreto da navalha. Verificar alinhamento das marcas de sin-


cronização na caixa de navalhas e no bra-
ço da navalha.

Rolamentos soltos ou gastos na cai- Verificar e substituir as peças, conforme


xa de acionamento das navalhas. necessário.

Navalhas e dedos das navalhas ce- Afiar as facas. Substituir os dedos das
gos (sem corte). navalhes conforme necessário.

Barra de corte ou dorso da navalha Endireitar de modo que a navalha se mo-


deformados. vimente livremente.

Dedos deformados. Verificar alinhamento dos dedos das na-


valhas.

5-2
SEÇÃSEÇÃO 5 - DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA CORREÇÃO

Caule muito comprido ou pontas dos Inclinação incorreta da chapa frontal Posicionar a chapa frontal do eleva-
dedos penetrando no solo. do elevador de palha. dor de palha conforme recomendado
para diversos tamanhos de pneus.
Ver Manual do Operador da
Colheitadeira.

Enrolamento no molinete ou arrastan- Controle automático de altura da pla- Ajustar a pressão sobre o solo atra-
do a palha. taforma incorretamente ajustado. vés do cabo de controle na cabine do
operador.

Velocidade do molinete muito alta. Reduzir a velocidade do molinete de


forma que o material caia na platafor-
ma de corte. A velocidade do molinete
deve ser ligeiramente mais rápida que
a velocidade de deslocamento.

Altura do molinete incorreta. Ajustar o molinete de forma que as


barras contatem aproximadamente 1/
3 da parte superior do caule e das
espigas.

Inclinação dos grampos do recolhedor Reduzir a inclinação dos grampos.


muito acentuada.

Extremidades laterais do recolhedor Instalar o molinete e as proteções.


desprotegidas. Instalar os divisores longos.

Molinete muito recuado. Avançar o molinete.

Dificuldade para colheita de cultivos Necessário levar muito material para Reduzir a velocidade de deslocamen-
acamados ou emaranhados. dentro da colheitadeira para conse- to.
guir mais grãos.

Necessário fazer o corte demasiado Usar levantadores de cultivo pós-ven-


baixo para colher todo o material. das ou recolhedor, nas lavouras
acamadas ou emaranhadas.

Posição incorreta do molinete. Ajustar o molinete avançado e para


baixo para levantar o cultivo.

Má alimentação de material no sem- Grampos do recolhedor muito incli- Reduzir a inclinação dos grampos.
fim. nados.

Tinta ou oxidação no piso da plata- Eliminar a tinta ou oxidação.


forma.

Molinete muito avançado ou recuado. Ajustar a posição do molinete para


proporcionar uma alimentação unifor-
me do material.

Material verde ou em manta preso nas Dedos incorretos das navalhas. Substituir os dedos normais por de-
pontas dos dedos das navalhas. dos curtos, mais encorpados.

5-3
SEÇÃO 5 - DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA CORREÇÃO

Alimentação não uniforme do materi- Material acumula e permanece na Baixar o molinete e recuá-lo a fim de
al no centro da plataforma de corte. barra de corte. Entra no sem-fim em que o material possa ser alimentado
chumaços. uniformemente no sem-fim.

Dedos retráteis não levam o material Ajustar a altura do sem-fim e os de-


adequadamente ao elevador de palha. dos retráteis conforme explicado nos
“Ajustes de Campo”.

Embreagem da TDF regulada muito Apertar a embreagem deslizante da


folgada. TDF. Ver “Manutenção da Embreagem
Deslizante da TDF”, neste Manual.

Sem-fim regulado muito alto. Ajustar o sem-fim para reduzir a fol-


ga entre o mesmo e o piso. Verificar
a folga das espirais, depois de ajus-
tar a altura do sem-fim.

Chapas de limpeza do elevador de Recuar o sem-fim.


palha mais baixas do que as chapas
de limpeza da plataforma.

Alimentação não uniforme do materi- Sem-fim muito avançado. Recuar o sem-fim o máximo possí-
al na esteira do elevador de palha. vel.

Cultivo leve, de pequeno porte. Avançar o rolo do elevador de palha


(adicionar elos, se necessário).

5-4
SEÇÃO 6 - EQUIPAMENTO OPCIONAL

SEÇÃO 6
EQUIPAMENTO OPCIONAL
A Case IH possui uma série de equipamentos opcionais
que podem ser instalados na plataforma para melho-
rar a eficiência em várias condições da lavoura, bem
como para aumentar a flexibilidade da plataforma na
colheita de uma grande variedade de cultivos. As infor-
mações de montagem de todos os opcionais são
fornecidas com os respectivos opcionais. Consulte seu
Concessionário Case IH para informações adicionais
sobre os opcionais disponíveis.

DIVISORES CURTOS (ARCO)


O divisor curto deve ser usado quando a barra de corte
estiver travada na posição rígida. Podem também ser
usados na colheita de soja, que esteja relativamente
livre de ervas daninhas. Os divisores curtos são tam-
bém recomendados na colheita de grãos miúdos.

6-1
SEÇÃO 6 - EQUIPAMENTO OPCIONAL

6-2
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

SEÇÃO 7
ESPECIFICAÇÕES
Tamanho da Plataforma
7,6 m 10,6 m
(25’) (35’)

Dimensões
Largura total ...................................................................... 8,07 m NA
(acionamento facas simples) (26’6”)

Largura total ...................................................................... NA 11,25 m


(acionamento facas duplo) (36’)

Largura - recolhimento cultivo ............................................ 7,60 m 10,82 m


(25’) (35')

Largura - corte cultivo ........................................................ 7,47 m 10,67 m


(24’6”) (35’)

Comprimento - sem divisores ............................................ 2,03 m 2,03 m


(6’8") (6’8")

Comprimento - com divisores curtos ................................. 2,77 m 2,77 m


(9’1”) (9’1”)

Comprimento - com divisores compridos ........................... 3,39 m 3,39 m


(11’2“) (11’2“)

Altura (sem molinete) ........................................................ 1,28 m 1,28 m


(4’3”) (4’3”)
Altura do corte
Plataforma no solo ............................................................ 32 mm 32 mm
(1-1/4") (1-1/4”)

Mínimo (abaixo do solo) .................................................... 406 mm 406 mm


(16”) (16”)

Máximo ............................................................................. 1270 mm 1270 mm


(50") (50")

Peso
Aproximado ....................................................................... 1.955 kg 3.155 kg

Acionamento navalhas
Número de acionamentos ................................................. Simples Duplo
Tipo de correia .................................................................. Correia em V Correia em V
Mecanismo de acionamento ............................................ Caixa de navalhas - selada em banho de óleo
Velocidade das facas ........................................................ 575 rpm 575 rpm

7-1
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

Tamanho da Plataforma
7,6 m 10,6 m
(25’) (35’)

Barra de Corte
Barra de corte flexível, flutuação vertical ............................ NA 114 mm
(4-1/2”)

Navalhas (aparafusadas) ................................................... parafuso especial 3” - sobreserrada

Dedos das navalhas .......................................................... fofo nodular - tratado termicamente

Curso das navalhas ........................................................... 76 mm 76 mm


(3”) (3”)

Sem-Fim Transversal
Velocidade standard .......................................................... 113 - 130 rpm 134 - 160 rpm

Diâmetro externo ............................................................... 660 mm 660 mm


(26”) (26”)

Passo das espirais ........................................................... 610 mm 610 mm


(24”) (24”)

Largura das espirais .......................................................... 127 mm 127 mm


(5”) (5”)

Número de dedos do sem-fim


(extenção total) ................................................................. 36 46

Diâmetro dos dedos .......................................................... 16 mm 16 mm


(0,625”) (0,625”)

Alcance além do tubo central ............................................ 173 mm 173 mm


(6-13/16”) (6-13/16”)

Ajustes do sem-fim ........................................................... 4 direções 4 direções

Montagem do sem-fim ....................................................... flutuação livre flutuação livre


verticalmente verticalmente

7-2
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

Tamanho da Plataforma
7,6 m 10,6 m
(25’) (35’)

Molinete
Número de barras .................................................... 6 barras 6 barras

Dedos ..................................................................... aço (std.) plástico (std.)

Diâmetro ................................................................. 1067 mm 1067 mm


(42”) (42”)

Faixa de velocidade standard 5 rpm a 65 rpm 5 rpm a 65 rpm

Ajuste de altura do molinete .................................... mec. - mec. -


parafusos tensores parafusos tensores

Levante do molinete ................................................ cilindros hidráulicos cilindros hidráulicos

Avanço e recuo do molinete .................................... cilindros hidráulicos cilindros hidráulicos


(Hidráulico Standard)

Peso (aproximado) .................................................. 335 kg 5188 kg


(739 lb.) (1142 lb.)

Acionamento Velocidade Molinete ................... Motor hidráulico Motor hidráulico

Controle Automático de Altura .......................... Standard Standard

Flutuação Lateral ................................................ Automática (std.) Automática (std.)

7-3
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

7-4
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

ÍNDICE
Acoplamento e Desacoplamento Identificação do Produto ................................... 1-1
da Plataforma ................................................... 1-1 Índice ............................................................... 0-2
Ajuste do Registro da Navalha ........................ 4-10 Informações Gerais .......................................... 1-1
Ajustes de Campo ........................................... 2-2 Lubrificação da Caixa de Navalhas
Ajustes do Sem-Fim ........................................ 2-4 (Cada 50 Horas) .............................................. 3-2
Ao Proprietário ................................................. 0-1 Lubrificação ...................................................... 3-1
Aperfeiçoamentos ............................................ 0-1 Manutenção ..................................................... 4-1
Buchas da Barra de Dedos ............................ 4-11 Manutenção Diária ........................................... 4-1
Considerações Ecológicas Importantes ............ 0-9 Operação ......................................................... 2-1
Correias de Acionamento das Navalhas ............ 4-4 Precauções de Segurança ............................... 0-4
Correntes e Rodas Dentadas ........................... 4-5 Prendedores das Navalhas ............................... 4-9
Decalques de Segurança ................................. 0-7 Registro da Navalha ....................................... 4-10
Dedos das Navalhas ......................................... 4-9 Relatório de Entrega ......................................... 7-7
Dedos do Sem-Fim ........................................ 4-11 Revisão de Entre-Safra ..................................... 4-1
Dedos do Molinete ......................................... 4-11 Revisão Pós-Safra ............................................ 4-2
Destravando a Barra de Corte ........................... 1-2 Segurança ........................................................ 0-5
Detecção e Correção de Anomalias ................. 5-1 Símbolos Internacionais ................................. 0-10
Divisores Curtos (Arco) ..................................... 6-1 Tabela de Lubrificação ...................................... 3-1
Embreagem Deslizante da TDF ...................... 4-12 Tabela de Manutenção ..................................... 4-3
Equipamento Opcional ..................................... 6-1 Tensão da Corrente do Sem-Fim ...................... 4-5
Especificações ................................................. 7-1 Trava da Barra de Corte .................................... 1-3
Graxeiras ......................................................... 3-2 Troca do Óleo da Caixa de Navalhas
Identificação do Braço das Navalhas .............. 4-10 (anualmente) .................................................... 3-2

7-5
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

7-6
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

VIA DO PROPRIETÁRIO

RELATÓRIO DE ENTREGA
PLATAFORMA DE CORTE MODELO 2010 E 2020

Data de Entrega ______________________________________________________________________

Nome do Proprietário __________________________________________________________________

Endereço ___________________________________________________________________________

Nome do Concessionário _______________________________________________________________

Endereço ___________________________________________________________________________

No. de Série _________________________________________________________________________

Usando o Manual do Operador como guia, foram passadas instruções ao proprietário sobre os seguintes
itens:

( ) Precauções e práticas de segurança

( ) Pontos e tabela de lubrificação

( ) Pontos de manutenção, ajustes e tabela de manutenção

( ) Ajustes de campo para variadas condições de colheita

( ) Ajuste do ontrole de altura da plataforma / flutuação lateral

( ) Operação

( ) Uso do equipamento opcional

( ) Revisão antes da safra

( ) Revisão pós-safra

( ) Uso correto do Manual do Operador

( ) Entrega do Manual do Operador ao Cliente

Assinatura do Concessionário Case IH ___________________________________ Data ___________

“Recebi instruções sobre o funcionamento, manutenção, e precauções de segurança relativos a esta máquina
conforme consta no Manual do Operador”.

Assinatura do Proprietário _____________________________________________ Data _____________

7-7
SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

7-8





SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES



VIA DO CONCESSIONÁRIO




RELATÓRIO DE ENTREGA





PLATAFORMA DE CORTE MODELO 2010 E 2020







Data de Entrega ______________________________________________________________________



Nome do Proprietário __________________________________________________________________




Endereço ___________________________________________________________________________

Nome do Concessionário _______________________________________________________________




Endereço ___________________________________________________________________________

No. de Série _________________________________________________________________________






Usando o Manual do Operador como guia, foram passadas instruções ao proprietário sobre os seguintes

itens:


( ) Precauções e práticas de segurança




( ) Pontos e tabela de lubrificação





( ) Pontos de manutenção, ajustes e tabela de manutenção




( ) Ajustes de campo para variadas condições de colheita




( ) Ajuste do ontrole de altura da plataforma / flutuação lateral





( ) Operação


( ) Uso do equipamento opcional




( ) Revisão antes da safra





( ) Revisão pós-safra


( ) Uso correto do Manual do Operador




( ) Entrega do Manual do Operador ao Cliente







Assinatura do Concessionário Case IH ___________________________________ Data ___________




“Recebi instruções sobre o funcionamento, manutenção, e precauções de segurança relativos a esta máquina

conforme consta no Manual do Operador”.





Assinatura do Proprietário _____________________________________________ Data _____________





7-9







SEÇÃO 7 - ESPECIFICAÇÕES

7-10
CNH LATIN AMERICA LTDA.
Av. Juscelino K. de Oliveira, 11825
CIC - Curitiba - PR - Brasil
Impresso no Brasil CEP: 81450-903 08.06