Você está na página 1de 4

COLÉGIO E CURSO PROGRESSÃO BELFORD ROXO

Prof.: ROGÉRIO AMORIM – LÍNGUA PORTUGUESA


Exercícios Ditas essas palavras, metade de seus homens fugiu para o mato
1. (Epcar (Afa)) e outra metade fugiu para o morro.”
Poesia
No fragmento acima, para que houvesse redução de
Gastei a manhã inteira pensando um verso possibilidades interpretativas, do ponto de vista morfológico, e
que a pena não quer escrever. manutenção do sentido original desejado pelo tenente, bastaria
No entanto ele está cá dentro que ele, ao encorajar seus combatentes,
inquieto, vivo. a) acrescentasse preposições, como, por exemplo, “para”, antes
Ele está cá dentro dos substantivos, criando locuções adverbiais.
e não quer sair. b) acrescentasse determinantes às palavras, como, por exemplo,
Mas a poesia deste momento o artigo definido “o” antes dos substantivos.
inunda minha vida inteira. c) conjugasse os verbos pronunciados no tempo presente do
modo indicativo.
(ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma poesia. 8. ed. Rio de d) pronunciasse as palavras considerando-as como verbos na
Janeiro: Record, 2007, p. 45.) forma nominal do infinitivo.

Assinale a alternativa INCORRETA referente ao texto “Poesia”. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
a) “No entanto”, no terceiro verso, e “Mas”, no penúltimo verso, Gabriel, o Pensador
têm sentido adversativo; reforçam a luta do poeta com as
palavras. Que tiro foi esse?
b) No segundo verso, “que a pena não quer escrever”, a forma Não, não vou cair no chão, pelo menos agora
verbal apropriada, para o racionalismo que o poema defende, Eu também sou brincalhão, mas brincadeira tem hora
seria “quis escrever”. Lá fora, no meu Rio, cada vez mais gente chora
c) O poema fala da própria busca da poesia. Trata-se de um texto E cada vez mais gente boa tem vontade de ir embora
metalinguístico. O Rio que a gente adora comemora o carnaval
d) Em “inunda minha vida inteira” há um exagero verbal, que E a violência apavora, ou você acha normal?
recebe o nome de hipérbole; o exagero nasce do A boca que explode, o silêncio do medo
contentamento do eu-lírico. O suspiro da morte banal
O lamento de um povo que implora
2. (Eear) Leia: Por uma vitória do bem sobre o mal
Atenção: confusão, invasão
Corríamos atrás uns dos outros na nossa infância. Corremos, Tiroteio fechando a avenida outra vez
hoje, atrás da felicidade de outrora. Muita bala voando e acertando
Até mesmo as crianças; às vezes, bebês
Nas frases acima, os verbos destacados encontram-se, Criança, meu irmão, não é estatística, é gente
respectivamente, no: (...)
a) Pretérito perfeito do indicativo – Presente do indicativo. E os valores são invertidos
b) Pretérito imperfeito do indicativo – Presente do indicativo. Se o desonesto é malandro
c) Pretérito imperfeito do indicativo – Pretérito perfeito do O menor também quer ser bandido
indicativo. Alguns, né, a minoria.
d) Pretérito imperfeito do indicativo – Pretérito mais que perfeito (...)
do indicativo. A mãe desmaiou no enterro
Você não desmaiaria?
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Que força você teria pra enterrar o seu garoto?
Leia o texto abaixo e responda à(s) questão(ões) a seguir. Que forças ainda temos
Pra nos amar uns aos outros?
O lema da tropa E nos armar de indignação por justiça e educação
(...)
O destemido tenente, no seu primeiro dia como Pra que essas crianças não tenham morrido em vão
comandante de uma fração de tropa, vendo que alguns de seus Sofia, Maria Eduarda, Caíque, Fernanda
combatentes apresentavam medo e angústia diante da barbárie Arthur, Paulo Henrique, Renan
da guerra, gritou, com firmeza, para inspirar seus homens a Eduardo, Vanessa, Vitor
enfrentarem o grupamento inimigo que se aproximava: Esses foram ano passado
– Ou mato ou morro! Quem será que vai ser amanhã?
Ditas essas palavras, metade de seus homens fugiu
para o mato e outra metade fugiu para o morro. (https://genius.com/13846436. Acesso em 24 de fevereiro 2018)

4. (Epcar (Afa)) Analise as afirmativas abaixo sobre a canção-


3. (Eear) Considere o seguinte trecho do texto: protesto de Gabriel, o Pensador.

“– Ou mato ou morro! I. É possível depreender da leitura do texto a existência de dois


Rios de Janeiro, que se contrapõem.
II. A valorização da malandragem é apontada como um dos tomavam o poder público, era a felicidade, mais que a verdade e
fatores responsáveis pela disseminação da violência em nossa a beleza, o que importava.” A verdade é considerada uma
sociedade. ameaça; a ciência e a arte, perigos públicos. Mas não é
III. Verbos no futuro do pretérito do indicativo são utilizados, necessário esforço totalitário para controlá-las. Todos aceitam de
para apresentar suposições – que dependem de outro fato que bom grado, fazem “qualquer sacrifício em troca de uma vida
talvez nem aconteça – com o objetivo de criar empatia no sossegada” e de sua dose diária de soma. “Não foi muito bom
leitor com a dor das famílias das vítimas. para a verdade, sem dúvida. Mas foi excelente para a felicidade.”
IV. A força expressiva dos versos “A boca que explode, o No universo de Orwell, a população é controlada pela
silêncio do medo / O suspiro da morte banal” consiste na dor. No de Huxley, pelo prazer. “Orwell temia que nossa ruína
utilização concomitante da metáfora, da metonímia e da seria causada pelo que odiamos. Huxley, pelo que amamos”,
personificação numa mesma imagem de violência e dor. escreve Postman. Só precisa haver censura, diz ele, se os tiranos
acreditam que o público sabe a diferença entre discurso sério e
Estão corretas as proposições entretenimento. (...) O alvo de Postman, em seu tempo, era a
a) I e II apenas. televisão, que ele julgava ter imposto uma cultura fragmentada e
b) I, III e IV apenas. superficial, incapaz de manter com a verdade a relação reflexiva
c) II e III apenas. e racional da palavra impressa. 11O computador só engatinhava, e
d) I, II, III e IV. Postman mal poderia prever como celulares, tablets e redes
sociais se tornariam – bem mais que a TV – o soma
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: contemporâneo. Mas suas palavras foram prescientes: “O que
MAIS QUE ORWELL, HUXLEY PREVIU NOSSO TEMPO afligia a população em Admirável mundo novo não é que
Hélio Gurovitz estivessem rindo em vez de pensar, mas que não sabiam do que
estavam rindo, nem tinham parado de pensar”.
Publicado em 1948, o livro 1984, de George Orwell,
saltou para o topo da lista dos mais vendidos (...) 1A distopia de Adaptado, Revista Época nº 973 – 13 de fevereiro de 2017, p. 67.
Orwel, mesmo situada no futuro, tinha um endereço certo em seu
tempo: o stalinismo. (...) 2O mundo da “pós-verdade”, dos “fatos Distopia = Pensamento, filosofia ou processo discursivo
alternativos” e da anestesia intelectual nas redes sociais mais caracterizado pelo totalitarismo, autoritarismo e opressivo
parece outra distopia, publicada em 1932: Admirável mundo controle da sociedade, representando a antítese de utopia.
novo, de Aldous Huxley. (BECHARA, E. Dicionário da língua portuguesa. 1ª ed. Rio de
3
Não se trata de uma tese nova. Ela foi levantada pela Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2011, p. 533).
primeira vez em 1985, num livreto do teórico da comunicação
americano Neil Postman: Amusing ourselves to death (4Nos 5. (Epcar (Afa)) Assinale a opção cuja figura de linguagem
divertindo até morrer), relembrado por seu filho Andrew em NÃO tem como elemento central um verbo.
artigo recente no The Guardian. “Na visão de Huxley, não é a) “O mundo da “pós-verdade”, dos “fatos alternativos” e da
necessário nenhum Grande Irmão para despojar a população de anestesia intelectual nas redes sociais mais parece outra
autonomia, maturidade ou história”, escreveu Postman. “Ela distopia.” (ref. 2)
acabaria amando sua opressão, adorando as tecnologias que b) “No futuro pintado por Huxley, (...) não há mães, pais ou
destroem sua capacidade de pensar. Orwell temia aqueles que casamentos.” (ref. 6)
proibiriam os livros. Huxley temia que não haveria motivo para c) “O computador só engatinhava, e Postman mal poderia prever
proibir um livro, pois não haveria ninguém que quisesse lê-los. como celulares, tablets e redes sociais se tornariam...” (ref.
Orwell temia aqueles que nos privariam de informação. Huxley, 11)
aqueles que nos dariam tanta que seríamos reduzidos à d) “Orwell temia que a verdade fosse escondida de nós. Huxley,
passividade e ao egoísmo. 5Orwell temia que a verdade fosse que fosse afogada num mar de irrelevância.” (ref. 5)
escondida de nós. Huxley, que fosse afogada num mar de
irrelevância.” TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES:
6
No futuro pintado por Huxley, (...) não há mães, pais Noruega como Modelo de Reabilitação de Criminosos
ou casamentos. O sexo é livre. A diversão está disponível na
forma de jogos esportivos, cinema multissensorial e de uma O Brasil é responsável por uma das mais altas taxas de
droga que garante o bem-estar sem efeito colateral: o soma. reincidência criminal em todo o mundo. No país, a taxa média de
Restaram na Terra dez áreas civilizadas e uns poucos territórios reincidência (amplamente admitida, mas nunca comprovada
selvagens, onde 7grupos nativos ainda preservam costumes e empiricamente) é de mais ou menos 70%, ou seja, 7 em cada 10
tradições primitivos, como família ou religião. “O mundo agora é criminosos voltam a cometer algum tipo de crime após saírem da
estável”, diz um líder civilizado. “As pessoas são felizes, têm o cadeia.
que desejam e nunca desejam o que não podem ter. Sentem-se Alguns perguntariam "Por quê?". E eu pergunto: "Por
bem, estão em segurança; nunca adoecem; 8não têm medo da que não?" O que esperar de um sistema que propõe reabilitar e
morte; vivem na ditosa ignorância da paixão e da velhice; não se reinserir aqueles que cometerem algum tipo de crime, mas nada
acham sobrecarregadas de pais e mães; 9não têm esposas, nem oferece, para que essa situação realmente aconteça? Presídios em
filhos, nem amantes por quem possam sofrer emoções violentas; estado de depredação total, pouquíssimos programas
são condicionadas de tal modo que praticamente não podem educacionais e laborais para os detentos, praticamente nenhum
deixar de se portar como devem. E se, por acaso, alguma coisa incentivo cultural, e, ainda, uma sinistra cultura (mas que diverte
andar mal, há o soma.” muitas pessoas) de que bandido bom é bandido morto (a
10
Para chegar à estabilidade absoluta, foi necessário vingança é uma festa, dizia Nietzsche).
abrir mão da arte e da ciência. “A felicidade universal mantém as Situação contrária é encontrada na Noruega.
engrenagens em funcionamento regular; a verdade e a beleza são Considerada pela ONU, em 2012, o melhor país para se viver (1º
incapazes de fazê-lo”, diz o líder. “Cada vez que as massas no ranking do IDH) e, de acordo com levantamento feito pelo

2
Instituto Avante Brasil, o 8º país com a menor taxa de
homicídios no mundo, lá o sistema carcerário chega a reabilitar 6. (Espcex (Aman)) No trecho, "Alguns perguntariam "Por
80% dos criminosos, ou seja, apenas 2 em cada 10 presos voltam quê?". E eu pergunto: "Por que não?", os verbos grifados estão,
a cometer crimes; é uma das menores taxas de reincidência do respectivamente, no
mundo. Em uma prisão em Bastoy, chamada de ilha paradisíaca, a) Futuro do Pretérito do Indicativo e Presente do Indicativo.
essa reincidência é de cerca de 16% entre os homicidas, b) Futuro do Presente do Indicativo e Pretérito Perfeito do
estupradores e traficantes que por ali passaram. Os EUA chegam Indicativo.
a registrar 60% de reincidência e o Reino Unido, 50%. A média c) Presente do Subjuntivo e Pretérito Imperfeito do Indicativo.
europeia é 50%. d) Pretérito Imperfeito do Indicativo e Presente do Subjuntivo.
A Noruega associa as baixas taxas de reincidência ao e) Pretérito Mais-Que-Perfeito do Indicativo e Pretérito
fato de ter seu sistema penal pautado na reabilitação e não na Imperfeito do Subjuntivo.
punição por vingança ou retaliação do criminoso. A reabilitação,
nesse caso, não é uma opção, ela é obrigatória. Dessa forma, 7. (Espcex (Aman)) Assinale a alternativa em que o particípio
qualquer criminoso poderá ser condenado à pena máxima sublinhado está utilizado de acordo com a norma culta.
prevista pela legislação do país (21 anos), e, se o indivíduo não a) O policial tinha pego o bandido.
comprovar estar totalmente reabilitado para o convívio social, a b) O condenado foi prendido por dez anos.
pena será prorrogada, em mais 5 anos, até que sua reintegração c) A pena fora suspendida pelo juiz.
seja comprovada. d) Foi terrível o juiz ter aceitado aquela denúncia.
O presídio é um prédio, em meio a uma floresta, e) O preso tinha ganho a liberdade.
decorado com grafites e quadros nos corredores, e no qual as
celas não possuem grades, mas sim uma boa cama, banheiro com 8. (Espcex (Aman)) Assinale o período que contém agente da
vaso sanitário, chuveiro, toalhas brancas e porta, televisão de tela passiva:
plana, mesa, cadeira e armário, quadro para afixar papéis e fotos, a) O Brasil é responsável por uma das mais altas taxas de
além de geladeiras. Encontra-se lá uma ampla biblioteca, ginásio reincidência criminal em todo o mundo.
de esportes, campo de futebol, chalés para os presos receberem b) Há pouquíssimos programas educacionais e laborais para os
os familiares, estúdio de gravação de música e oficinas de detentos.
trabalho. Nessas oficinas são oferecidos cursos de formação c) A comida é oferecida pela prisão, mas é preparada pelos
profissional, cursos educacionais, e o trabalhador recebe uma próprios detentos.
pequena remuneração. Para controlar o ócio, oferecer muitas d) Situação contrária é encontrada na Noruega.
atividades, de educação, de trabalho e de lazer, é a estratégia. e) A reincidência é de cerca de 16% entre os homicidas,
A prisão é construída em blocos de oito celas cada estupradores e traficantes que por ali passaram.
(alguns dos presos, como estupradores e pedófilos, ficam em
blocos separados). Cada bloco tem sua cozinha. A comida é 9. (Eear) Relacione as colunas e, em seguida, assinale a
fornecida pela prisão, mas é preparada pelos próprios detentos, alternativa que apresenta a sequência correta:
que podem comprar alimentos no mercado interno para abastecer
seus refrigeradores. I. Predicado Verbal
Todos os responsáveis pelo cuidado dos detentos devem II. Predicado Nominal
passar por no mínimo dois anos de preparação para o cargo, em III. Predicado Verbo-nominal
um curso superior, tendo como obrigação fundamental mostrar
respeito a todos que ali estão. Partem do pressuposto que, ao ( ) Receava que eu me tornasse rancorosa.
mostrarem respeito, os outros também aprenderão a respeitar. ( ) As irmãs saíram da missa assustadas.
A diferença do sistema de execução penal norueguês ( ) Da janela da igreja, os padres assistiam à cena.
em relação ao sistema da maioria dos países, como o brasileiro, a) II – I – III
americano, inglês, é que ele é fundamentado na ideia de que a b) III – I – II
prisão é a privação da liberdade, e pautado na reabilitação e não c) I – III – II
no tratamento cruel e na vingança. d) II – III – I
O detento, nesse modelo, é obrigado a mostrar
progressos educacionais, laborais e comportamentais, e, dessa TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:
forma, provar que pode ter o direito de exercer sua liberdade Passeio à Infância
novamente junto à sociedade.
A diferença entre os dois países (Noruega e Brasil) é a Primeiro vamos lá embaixo no córrego; pegaremos dois
seguinte: enquanto lá os presos saem e praticamente não pequenos carás dourados. E como faz calor, veja, os lagostins
cometem crimes, respeitando a população, aqui os presos saem saem da toca. Quer ir de batelão, na ilha, comer ingás? Ou vamos
roubando e matando pessoas. Mas essas são consequências ficar bestando nessa areia onde o sol dourado atravessa a água
aparentemente colaterais, porque a população manifesta muito rasa? Não catemos pedrinhas redondas para atiradeira, porque é
mais prazer no massacre contra o preso produzido dentro dos urgente subir no morro; os sanhaços estão bicando os cajus
presídios (a vingança é uma festa, dizia Nietzsche). maduros. É janeiro, grande mês de janeiro!
Podemos cortar folhas de pita, ir para o outro lado do
LUIZ FLÁVIO GOMES, jurista, diretor-presidente do Instituto Avante morro e descer escorregando no capim até a beira do açude. Com
Brasil e coeditor do Portal atualidadesdodireito.com.br. Estou no dois paus de pita, faremos uma balsa, e, como o carnaval é só no
blogdolfg.com.br. mês que vem, vamos apanhar tabatinga para fazer formas de
** Colaborou Flávia Mestriner Botelho, socióloga e pesquisadora do máscaras. Ou então vamos jogar bola-preta: do outro lado do
Instituto Avante Brasil. jardim tem um pé de saboneteira.
FONTE: Adaptado de http://institutoavantebrasil.com.br/noruega-como-
modelo-de-reabilitacao-de-criminosos/.
Se quiser, vamos. Converta-se, bela mulher estranha,
Acessado em 17 de março de 2017. numa simples menina de pernas magras e vamos passear nessa

3
infância de uma terra longe. É verdade que jamais comeu angu sei lhe ensino; são pequenas coisas do mato e da água, são
de fundo de panela? humildes coisas, e você é tão bela e estranha! Inutilmente tento
Bem pouca coisa eu sei: mas tudo que sei lhe ensino. convertê-la em menina de pernas magras, o joelho ralado, um
Estaremos debaixo da goiabeira; eu cortarei uma forquilha com o pouco de lama seca do brejo no meio dos dedos dos pés.
canivete. Mas não consigo imaginá-la assim; talvez se na praia Linda como a areia que a onda ondeou. Saíra grande!
ainda houver pitangueiras... Havia pitangueiras na praia? Tenho Na adolescência e torturaria; mas sou um homem maduro. Ainda
uma ideia vaga de pitangueiras junto à praia. Iremos catar assim às vezes é como um bando de sanhaços bicando os cajus
conchas cor-de-rosa e búzios crespos, ou armar o alçapão junto de meu cajueiro, um cardume de peixes dourados avançando,
do brejo para pegar papa-capim. Quer? Agora devem ser três saltando ao sol, na piracema; um bambual com sombra fria, onde
horas da tarde, as galinhas lá fora estão cacarejando de sono, ouvi um silvo de cobra, e eu quisera tanto dormir. Tanto dormir!
você gosta de fruta-pão assada com manteiga? Eu lhe vou aipim Preciso de um sossego de beira de rio, com remanso, com
ainda quente com melado. Talvez você fosse como aquela cigarras. Mas você é como se houvesse demasiadas cigarras
menina rica, de fora, que achou horrível nosso pobre doce de cantando numa pobre tarde de homem.
abóbora e coco.
Mas eu a levarei para a beira do ribeirão, na sombra fria Julho, 1945
do bambual; ali pescarei piaus. Há rolinhas. Ou então ir Crônica extraída do livro 200 crônicas escolhidas, de Rubem
descendo o rio numa canoa bem devagar e de repente dar um Braga
galope na correnteza, passando rente às pedras, como se a canoa
fosse um cavalo solto. Ou nadar mar afora até não poder mais e
depois virar e ficar olhando as nuvens brancas. Bem pouca coisa 10. (Efomm) Assinale a opção que apresenta um predicado
eu sei; os outros meninos riram de mim porque cortei uma iba de verbo-nominal.
assa-peixe. Lembro-me que vi o ladrão morrer afogado com os a) Estaremos debaixo da goiabeira; eu cortarei uma forquilha
soldados de canoa dando tiros, e havia uma mulher do outro lado com o canivete.
do rio gritando. b) (...) você gosta de fruta-pão assada com manteiga?
Mas como eu poderia, mulher estranha, convertê-la em c) Talvez você fosse como aquela menina rica, de fora, que
menina para subir comigo pela capoeira? Uma vez vi uma urutu achou horrível nosso pobre doce de abóbora e coco.
junto de um tronco queimado; e me lembro de muitas meninas. d) (...) mas quando a olhei, você estava distraída (...).
Tinha uma que para mim uma adoração. Ah, paixão da infância, e) Na adolescência me torturaria; mas sou um homem maduro.
paixão que não amarga. Assim eu queria gostar de você, mulher
estranha que ora venho conhecer, homem maduro. Homem 11. (Efomm) A crônica Passeio de Infância, de Rubem Braga, é
maduro, ido e vivido; mas quando a olhei, você estava distraída, um texto:
meus olhos eram outra vez daquele menino feio do segundo ano a) que apresenta, simultaneamente, elementos narrativos e
primário que quase não tinha coragem de olhar a menina um descritivos, valendo-se da primeira pessoa do plural para
pouco mais alta da ponta direita do banco. convidar a mulher a desfrutar com ele tanto da fauna e da
Adoração de infância. Ao menos você conhece um flora como de suas experiências já vividas.
passarinho chamado saíra? É um passarinho miúdo: imagine uma b) predominantemente descritivo, com vocabulário regional
saíra grande que de súbito aparecesse a um menino que só variado, linguagem objetiva e, por vezes, irônica.
tivesse visto coleiros e curiós, ou pobres cambaxirras. Imagine c) de caráter narrativo, apresentando contrastes de sentimentos e
um arco-íris visto na mais remota infância, sobre os morros e o uma reflexão sobre os problemas da vida rural.
rio. O menino da roça que pela primeira vez vê as algas do mar d) descritivo, apresentando marcas de subjetividade para
se balançando sob a onda clara, junto da pedra. contrastar com o mundo em que vivemos.
Ardente da mais pura paixão de beleza é a adoração da e) predominantemente narrativo, em primeira pessoa, fazendo
infância. Na minha adolescência você seria uma tortura. Quero uso da fauna e da flora para retratar problemas sociais e
levá-la para a meninice. Bem pouca coisa eu sei; uma vez na cotidianos da vida no campo.
fazenda rira: ele não sabe nem passar um barbicacho! Mas o que