Você está na página 1de 6

EXMO(A). SR(A). DR(A).

JUIZ(A) FEDERAL DA ___ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL


FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE xxxxxxxxxxxx - SUBSEÇÃO DE xxxxxxxx

 
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, vem respeitosamente
perante a presença de V. Exa. por intermédio de sua procuradora infra-assinada e
cujo instrumento de mandato segue em anexo, propor:

AÇÃO PREVIDENCIÁRIA DE RETROAÇÃO DE DIB E COBRANÇA DE VALORES


ATRASADOS

 
em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL (INSS) – Pessoa Jurídica de
Direito público Interno, xxxxxxxxxxxxxxxxx,  pelos seguintes fundamentos fáticos
e jurídicos que passa a expor:

DOS FATOS

A Autora requereu, junto à Autarquia Previdenciária, a concessão do


benefício de aposentadoria por idade, uma vez que preenchia os requisitos para
tanto.

Contudo, o INSS concedeu o benefício somente a partir de , isto é,


posteriormente a primeira DER, por entender que somente nesta data a Autora
preencheu os requisitos, para o benefício pleiteado: xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Ocorre que a parte Autora já fazia jus ao benefício no momento do


primeiro requerimento administrativo, em xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, razão pela
qual se ajuiza a presente demanda.
DO DIREITO

A aposentadoria por idade possui previsão constitucional no art. 201, § 7º,


II, e regulamentação nos arts. 48 a 51 da Lei 8.213/91, sendo apontado como
marco etário os 60 anos para as mulheres. Portanto, no caso em comento o
requisito etário foi preenchido em xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

Firmou-se entendimento no Superior Tribunal de Justiça de que sua


concessão não demanda a satisfação simultânea dos requisitos idade, carência, e
qualidade de segurado, ou seja, torna-se necessário que o segurado tenha a idade
mínima e o número de contribuições necessário, mesmo que implementados em
momentos distintos.

Este entendimento está albergado pela Lei 10.666/2003, a qual dispõe que
a perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão do
benefício.

Carência

É o número mínimo de contribuições que um segurado deve ostentar para


fazer jus ao benefício previdenciário, sendo que o regramento permanente sobre
o estabelecimento da carência vem disposto nos arts. 25 e 26, de tal forma que
para a aposentadoria por idade torna-se necessário verter 180 contribuições.

Dessa forma, a carência também se mostra implementada, haja vista que


foram realizados ${calculo_carencia} recolhimentos.

INAPLICABILIDADE DAS DISPOSIÇÕES DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº


103/2019

Conforme narrado acima, a Requerente preencheu todos os requisitos para


a concessão do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição em $
{data_generica}, isto é, em data anterior à aprovação da Emenda Constitucional
nº 103/2019, da Reforma da Previdência, que foi promulgada em $
{data_generica}.
Nesse sentido, destaca-se que, conforme o art. 3º, da Emenda
Constitucional 103/2019:

Art. 3º A concessão de aposentadoria ao servidor público


federal vinculado a regime próprio de previdência social e ao
segurado do Regime Geral de Previdência Social e de pensão
por morte aos respectivos dependentes será assegurada, a
qualquer tempo, desde que tenham sido cumpridos os
requisitos para obtenção desses benefícios até a data de
entrada em vigor desta Emenda Constitucional, observados
os critérios da legislação vigente na data em que foram
atendidos os requisitos para a concessão da aposentadoria
ou da pensão por morte.

§ 2º Os proventos de aposentadoria devidos ao segurado a


que se refere o caput e as pensões por morte devidas aos
seus dependentes serão apurados de acordo com a legislação
em vigor à época em que foram atendidos os requisitos nela
estabelecidos para a concessão desses benefícios.

Com efeito, veja-se que a EC garantiu o direito adquirido àqueles que


tiverem preenchido os requisitos para a concessão de aposentadoria antes da
aprovação da Reforma, inclusive, no que tange à forma de cálculo do benefício.
Desta forma, uma vez que a Sra. ${cliente_nome} preencheu os requisitos para a
concessão de aposentadoria por idade, nos termos da legislação anterior à EC
103/2019, conforme acima demonstrado, não se aplicam as disposições da nova
legislação ao caso.

Considerando as provas anexadas, é equivocada a concessão do benefício


apenas a partir de ${data_generica}, eis que preenchidos todos os requisitos já no
requerimento elaborado em ${data_generica}.

DO PERÍODO CONTRIBUTIVO NÃO RECONHECIDO PELO INSS: $


{data_generica} a ${data_generica}
O período em análise é parte integrante do contrato de trabalho celebrado
com a empresa ${informacao_generica}, que perdurou durante o período de $
{data_generica} a ${data_generica}.

Tal vínculo empregatício foi registrado na primeira carteira de trabalho da


Autora, a qual foi extraviada. Dessa forma, no momento do requerimento
administrativo, foi apresentada a cópia da referida CTPS, na qual consta o registro
do contrato e diversas alterações de salário.

Ademais, segue em anexo a ficha de registro de empregados da empresa,


documento que confirma as datas de admissão e rescisão do referido contrato de
trabalho, as quais são idênticas aos registros do extrato do CNIS.

Todavia, ao analisar o processo administrativo, em razão de indicação de


extemporaneidade no extrato do CNIS, verifica-se que o INSS somente
reconheceu o período de ${data_generica} a ${data_generica}.

Por todo o exposto, considerando todos os documentos apresentados, é


devido também o reconhecimento do interregno de ${data_generica} a $
{data_generica}.

Logo, impõe-se a retroação da data de início do benefício de aposentadoria


por idade para ${data_generica}, com o corolário pagamento das parcelas
atrasadas até a implantação do benefício (entre ${data_generica} e $
{data_generica}), uma vez que naquela data a parte autora já preenchia os
requisitos para a concessão da benesse.

Destarte, a procedência da ação é medida que se impõe.

DA AUDIÊNCIA DE MEDIAÇÃO OU DE CONCILIAÇÃO

A parte Autora manifesta, em cumprimento ao art. 319, inciso VII do


CPC/2015, que não se opõe à realização de audiência de mediação ou de
conciliação, tendo por escopo a composição amigável da lide.

DOS PEDIDOS
EM FACE DO EXPOSTO, REQUER a Vossa Excelência:

1. O deferimento da Gratuidade da Justiça, pois a parte Autora não tem


condições de arcar com as custas processuais sem o prejuízo de seu
sustento e de sua família (vide procuração com poderes específicos);

2. A produção de todos os meios de prova admitidos, principalmente


documental;

3. O julgamento da demanda com TOTAL PROCEDÊNCIA, condenando o INSS


a:

3.1) Retroagir a data de início do benefício (DIB) da aposentadoria por


idade para a data de ${data_generica};

3.2) Pagar as parcelas atrasadas do benefício de aposentadoria por


idade, entre ${data_generica} e ${data_generica}, monetariamente
corrigidas desde o respectivo vencimento e acrescidas de juros legais e
moratórios, incidentes até a data do pagamento.

3.3) Em caso de recurso, ao pagamento de custas e honorários


advocatícios, eis que cabíveis em segundo grau de jurisdição, com fulcro no
art. 55 da Lei 9.099/95 c/c art. 1º da Lei 10.259/01.

                                                                         

    

Nesses Termos,

Pede Deferimento.

Dá à causa o valor[1] de R$ ${processo_valordacausa}.

, 23 de novembro de 2020.

 
[1] Valor da causa = ${processo_calculo_valordacausa}.