Você está na página 1de 6

Cursos: Engenharia da computação Prática

Unidade Curricular: Eletrônica digital Nota:

Nome do Professor: Jefferson Santana Martins Data: 08/11/2018

Nome dos Alunos:

COMPETÊNCIAS E/OU HABILIDADES


● Entender o funcionamento dos conversores AD/DA
Introdução

Grandezas físicas são normalmente analógicas. Tais grandezas, como temperatura, pressão,
velocidade, etc., são representadas por valores contínuos, sendo que para serem processadas
por sistemas digitais precisam ser convertidas para uma cadeia de bits. Esta conversão é
conhecida como Conversão Analógico-Digital (A/D). De forma similar, para que os sistemas
digitais possam controlar variáveis analógicas torna-se necessária a decodificação de uma
cadeia de bits em uma grandeza que possa assumir uma gama contínua de valores e não apenas
os níveis lógicos ‘0’ e ‘1’. Esta conversão é conhecida como Conversão Digital-Analógico (D/A).

Os equipamentos que convertem grandezas físicas em sinais elétricos e vice-versa são


chamados transdutores. Por exemplo, temperaturas, velocidades, posições, etc. são
transformadas em correntes, tensões ou resistências elétricas proporcionais. Como exemplo de
transdutor pode-se citar o termístor, o qual modifica o valor de sua resistência conforme a
temperatura a que estiver submetido.

A Figura 1 apresenta o ciclo completo de processamento de uma grandeza física,


envolvendo:

• A conversão inicial do sinal oriundo do processo físico, através da passagem por um


Transdutor, criando o sinal analógico convertido;
• O condicionamento desse sinal (se necessário), por meio de um Condicionador de Sinal,
gerando o sinal analógico condicionado;

• A conversão do sinal por um Conversor A/D, resultando no sinal digitalizado;

• O processamento do sinal pelo Sistema Digital;

• A conversão do sinal digital presente na saída do Sistema Digital, por um Conversor D/A;

• O condicionamento desse sinal (se necessário), por meio de um Condicionador de Sinal,


gerando o sinal analógico condicionado;

• A conversão final do sinal, através da passagem por outro Transdutor, gerando um sinal
que pode ser utilizado novamente pelo processo físico.

Figura 1 - Etapas de Tratamento de Grandeza Físicas por um Sistema Digital.

Até pouco tempo atrás, o processamento dos sinais analógicos era desempenhado, em sua
maioria, por sistemas exclusivamente analógicos, baseados em circuitos integradores,
somadores, etc. Com o rápido desenvolvimento dos sistemas digitais, no que diz respeito à
confiabilidade e custo, estes passaram a ocupar espaços antes exclusivos de sistemas
analógicos.
Os sistemas digitais apresentam maior flexibilidade e facilidade de depuração. No entanto,
a interface entre os circuitos digitais e os circuitos analógicos é um ponto crítico. Assim, deve-se
ter os cuidados necessários no projeto destas interfaces uma vez que elas é também
determinam a precisão, rapidez de resposta e confiabilidade no processamento digital de
informações.

Pesquisa:

Explique os diferentes tipos de conversão A/D e D/A existentes.

Parte experimental 1

Introdução:

Um amplificador operacional ideal possui um ganho muito elevado, uma resistência de


entrada infinita e uma impedância de saída igual à zero. No entanto, em situações práticas, a
característica de transferência de um amplificador operacional permanece linear apenas em uma
faixa limitada de tensões de entrada e saída. Além dessas restrições de ordem prática, pode existir
um desbalanceamento no estágio de entrada do amplificador operacional que leva ao surgimento
de uma tensão DC na saída. Para a eliminação da tensão DC na saída (chamada de tensão de off
set), os amplificadores operacionais têm em geral pinos adicionais que podem ser utilizados para
evitar esse problema. Outra maneira é através da configuração somadora, onde se adiciona uma
tensão DC na entrada tal que a saída sem sinal seja de zero volt DC.

Amplificador somador:
A configuração básica do amplificador operacional somador é mostrada na Figura 2. A
tensão de saída deste circuito é a soma algébrica das tensões aplicadas às entradas, multiplicada pelo
ganho que é dado pela relação entre R2 e R1.
Figura 2 – Amplificador operacional na sua configuração como somador.
Amplificador somador:

Onde: Uout é a tensão de saída em volts (V)


             U1, U2....Un são as tensões de entrada em volts (V)
             R1, R2 são as resistências em ohms (Ω)

Figura 3 – Somador com o LM 741.

a) Monte na protoboard o circuito da Figura 3.

Dimensione R1, R2 e R3 de modo que a tensão de saída seja dada pela expressão: V out = -(V1 +
2V2+3V3

Parte experimental 2

Introdução:

Na conversão Digital Analógica (D/A) o circuito aceita entradas de valores binários de,
tipicamente, 0V ou Vref e produz uma tensão de saída proporcional ao valor de entrada binária. Na
Figura 4 é apresentado um conversor Digital-analógico com o LM741>
Figura 4 - Conversor Digital –Analógico com 741

a) Monte na protoboard o circuito da Figura 4 apresentada acima.

b) Explique o funcionamento do circuito.

c) Dimensione e monte na protoboard um conversor digital-analógico de 8 bits.

Você também pode gostar