Você está na página 1de 3

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHO

DA VARA DO TRABALHO DE CAMPINAS.


Ômega S.A., com sede na Rua xxx, número xxx, bairro xxx, CEP
xxx, cidade Campinas-SP, inscrita no CNPJ sob o nº ..., representada
pelo sócio-gerente, senhor nome xxx, nacionalidade xxx, estado civil xxx,
profissão xxx, devidamente qualificado na procuração anexa, por seu
advogado e bastante procurador ao final assinado, vem à presença de
Vossa Excelência propor a presente AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO com fundamento no artigo Art. 539 do NCPC, em face de
João da Silva, casado, pedreiro, CPF xxx, RG xxx, portador da Carteira
de Trabalho e Previdência Social nº xxx, série xxx, residente e domiciliado
na (endereço completo), na (cidade-estado), pelos seguintes fatos e
fundamentos:
1. O consignado foi admitido aos serviços da consignante na data
de 05/01/2019, exercendo as funções de pedreiro, recebendo
remuneração mensal de R$ xxx. Em 01/07/2020 a consignante concedeu
aviso prévio na forma indenizada ao consignado, rescindindo o contrato
de trabalho na modalidade injustificada.
2. A rescisão efetivou-se com o vencimento do pré-aviso na data de
01/08/2020 e, frente à extensão temporal do pacto laboral inferior a um
(1) ano, foi designada a homologação da rescisão nas dependências da
consignante para o dia 18/07/2020 às xx:xx horas, ocorre que, nesse dia,
a sociedade empresária não tinha em caixa o dinheiro suficiente para
realizar a quitação do devido e, por isso, pediu desculpas a João, anotou
a dispensa na sua CTPS e solicitou que ele retornasse 60 dias após,
18/09/2020 às xx:xx horas, para que fossem feitos o pagamento e a
retirada dos pertences.
3. Na data e horário anotados o consignado não compareceu à
homologação, nem apresentou qualquer justificativa.
A sociedade empresária tentou contato telefônico e foram enviados
dois telegramas para o endereço informado por ele na ficha de registro
de empregados, mas tudo em vão. Até mesmo os ex-colegas de trabalho
enviaram mensagens para o Facebook de João, na tentativa de fazê-lo ir
à sociedade empresária para o acerto de contas, mas igualmente não
houve sucesso.
4. Por todo o exposto e buscando eximir-se da multa pelo atraso na
quitação da rescisão laboral prevista no artigo 477 da CLT, o Consignante
propõe a presente, oferecendo os seguintes títulos:
a) Depósito do saldo de salário - R$ xxxxx;
b) Depósito do aviso prévio - R$ xxxxx;
c) Depósito do 13º salário proporcional - R$ xxxxx;
d) Depósito das Férias proporcionais - R$ xxxxx;
e) Depósito para Saque do FGTS - R$ xxxxx;
f) Depósito para indenização de 40% sobre o FGTS - R$ xxxxx;
g) Depósito dos formulários de seguro desemprego - R$ xxxxx;
h) Consignação ou depósito da camisa do clube de futebol e das
fotografias;
Descontos da rescisão:
a) INSS - R$ xxxxx;
b) IRRF - R$ xxxxx;
c) Adiantamento de salário - R$ xxxxx;
Com Valor líquido a receber de: R$ xxxxx
5. Em face do exposto requer:
• seja recebida a presente, autuada e processada, citando-se o
Consignado, para, em dia e hora designados por Vossa Excelência,
vir receber, nesta MM. Vara do Trabalho a importância ora oferecida
de (valor e valor por extenso), bem como os documentos devidos
no ato da resilição contratual;
• seja ao final julgada procedente essa Consignatória, declarando
liberada a consignante da obrigação, afastada a referida multa do
art. 477 consolidado, segundo art. 546 do CPC;
• arcando ainda o réu com as custas processuais e demais
consectários legais e honorários de advogado, segundo art. 791-A
da CLT;
• Protesta-se pela produção de todas as provas em direito admitidas,
notadamente pela produção de prova testemunhal, pericial, juntada
de novos documentos e depoimento pessoal do Consignado.
Dá-se à causa o valor de R$ xxxxx
Termos em que, pede deferimento.
Campinas-SP, data
Advogado xxx
OAB n. xxx