Você está na página 1de 13

SNC-AP:

Uma transição simples para o novo sistema contabilístico


CONTABILIDADE DE GESTÃO

SNC – AP: NCP 27

Gilda Melo
A Contabilidade de Gestão – SNC - AP

 O objetivo da NCP 27 – Contabilidade de Gestão é estabelecer a


base para o desenvolvimento de um sistema de contabilidade de
gestão nas Administrações Públicas, definindo os requisitos gerais
para a sua apresentação, dando orientações para a sua estrutura e
desenvolvimento e prevendo requisitos mínimos obrigatórios para o
seu conteúdo e divulgação.

 O tratamento contabilístico do gasto corresponde à reclassificação


por funções, atividades, programas, objetivos ou outra finalidade de
interesse para a entidade e utilizadores externos.

1
Âmbito

 A contabilidade de gestão destina-se a produzir informação relevante e analítica


sobre custos, e sempre que se justifique, sobre rendimentos e resultados, para
satisfazer uma variedade de necessidades de informação dos gestores e
dirigentes públicos na tomada de decisões, designadamente nos seguintes
domínios:
 No processo de elaboração de orçamentos (por exemplo, por atividade,
serviços ou objetivos);
 Nas funções de planeamento e controlo, e na justificação para um plano de
redução de custos;
 Na determinação de preços, tarifas e taxas;
 No apuramento do custo de produção de ativos fixos ou de bens s serviços;
 Na mensuração e avaliação de desempenho de programas;
 Na fundamentação económica de decisões de gestão.

2
Afetação de gastos e rendimentos

3
Critérios de Afetação

 Os critérios de afetação visam repartir os gastos indiretos que são comuns a


dois ou mais objetos de custo (por exemplo amortizações, seguros,
comunicação segurança vigilância, limpeza e rendas).
 Definição de bases de imputação adequadas para relacionar os gastos indiretos
com os objetos de custo, podendo ser utilizados critérios de afetação, baseados
numa base de repartição única (apenas uma base de imputação para repartir
todos os gastos indiretos) ou múltipla (bases de imputação distintas que
traduzem uma relação de causa-efeito com os fatores que provocaram o custo).
 A relação de causa-efeito entre o gasto e o objeto de custo determina se o gasto
é direto ou indireto a um determinado objeto.
 Por exemplo, os gastos com a segurança e limpeza do edifício constituem um gasto direto
do edifício X, mas constitui um gasto indireto aos vários departamentos ou unidades que
operam nesse edifício. Pode também ser direto a uma unidade orgânica, mas comum a
várias atividades desenvolvidas por esse serviço ou departamento.
4
Critérios de Afetação

 Para o relato financeiro de finalidade geral das entidades públicas, devem ser
utilizadas bases de imputação múltiplas, nomeadamente quando os gastos
indiretos têm um valor significativo em relação aos gastos totais.
 Numa primeira fase (repartição primária) pode haver uma afetação dos gastos
indiretos de acordo com a estrutura organizacional (departamentos, unidades,
divisões) ou com as atividades desenvolvidas pela entidade (sistema baseado
nas atividades — ABC), o que resulta na afetação dos gastos indiretos por
centros de custos principais (prestam serviços e produzem bens finais) e
auxiliares (servem de suporte aos centros principais).
 Numa segunda fase (repartição secundária), o gastos indiretos são repartidos
pelos objetos de custos finais (bens, serviços, etc.) através das bases de
imputação.

5
Critérios de Afetação

 Quando há rendimentos gerados pela atividade devem ser imputados aos


bens e serviços respetivos.

 Por exemplo, nas Autarquias, os rendimentos originados pelas Piscinas


devem ser balanceados com o custo por utilizador.

6
Repartição
Exemplo de utilização do Método ABC – activiti-based costing Primária

Centros de custos principais Centros de Custo Secundários

Piscina Piscina Serviços


Elementos do custo Custo Total Imputação Ginásio
Coberta Descoberta Administrativos

Remunerações 34.000,00 Processamento 18.000,00 9.000,00 2.000,00 5.000,00

Rendas 23.000,00

Área (m^2) 10 000 5.000 3.000 1.500 500

Imputação/rendas (%) 2,3% 11.500,00 6.900,00 3.450,00 1.150,00

Depreciações 14.000,00

Ativos 140.000,00 47.000,00 60.000,00 30.000,00 3.000,00

Imputação depreciações 0,1% 4.700,00 6.000,00 3.000,00 300,00

Eletricidade 27.000,00

Horas 9 000 4000 2000 2000 1000

Imputação eletricidade 3 € hora 12.000,00 6.000,00 6.000,00 3.000,00

Total 98.000,00 46.200,00 27.900,00 14.450,00 9.450,00


7
Exemplo de utilização do Método ABC – activiti-based costing Repartição
Secundária
Centros de custos principais

Piscina Piscina
Elementos do custo Custo Total Imputação Ginásio
Coberta Descoberta

Serviços Administrativos
9.450,00

Nº Utilizadores 250 100 70 80

Imputação S A 37,80Pu 3.780,00 2.646,00 3.024,00

Total Repartição Primária 46.200,00 27.900,00 14.450,00

Total Repartição Secundária 49.980,00 30.546,00 17.474,00

8
Etapas de implementação - Sistema de custeio ABC

1. Identificar as atividades (principais e auxiliares). Recomenda-se a elaboração


de uma matriz de atividades;
2. Atribuir os custos às atividades;
3. Identificar os indutores de custo mais indicados para cada atividade que
devem ser utilizados para imputar os gastos das atividades ao objeto de custo
final (bens e serviços). Estes indutores de custo devem ser selecionados com
base em relações causais ou em critérios de razoabilidade;
4. Calcular o custo unitário de cada indutor de custo;
5. Atribuir os custos das atividades aos bens e serviços produzidos
multiplicando o custo unitário de cada indutor de custo pelas quantidades
desse indutor consumidas por cada bem ou serviço.

9
Sistema de custeio ABC

 Nesta situação todos os custos podem ser considerados diretos relativamente a


uma atividade e uma só, isto é, o facto de executar uma ação e de a fazer de uma
dada forma é que está na origem do consumo de recursos.

10
Obrigada