Você está na página 1de 113

Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa

Topografia dos Meridianos e Pontos de Acupunctura

A Teoria dos Jing Luo – Trajectos dos Meridianos e


Ligações Energéticas

Trabalho realizado por um grupo de Alunos e Professores sob a Coordenação e


Orientação do Prof. José Faro – Janeiro de 2004
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 2

Os Jing Luo

Introdução

“Jing Luo é o termo genérico que engloba os meridianos e as suas ramificações. Jing
tem o sentido de “caminho”, “via”. Luo significa “rede”. Jing Luo são os locais
privilegiados que ligam os órgãos e os membros, fazem comunicar o alto e o baixo, a
superfície e o interior, regulam o funcionamento da cada parte do corpo e nos quais
circulam Qi e Sangue” (Auteroche & Navailh, 1992).

A Terra é sulcada pelos canais. O corpo semelhante à terra, é atravessado pelos canais
(meridianos) de acupunctura. O sistema dos 12 meridianos é percorrido em 24 horas. Os
meridianos Yin passam pela palma da mão, face interna do braço e pela face interna dos
membros inferiores. Do mesmo modo, os meridianos Yang seguem pela face dorsal da
mão, face externa do braço e a face externa dos membros inferiores. Designam-se
regulares porque têm um trajecto próprio, sendo cada um constituído por um trajecto
profundo e superficial, ligadas aos órgãos e às vísceras. Os 12 meridianos Yin e Yang
formam com os dois meridianos curiosos Du Mai (Vaso Governador) e Ren Mai (Vaso
de Concepção) os 14 meridianos principais Jing Mai (Ling-Shu, Ming Wong, 1995).

Os vasos secundários Luo Mai não podem passar pelas grossas articulações, mas têm
acesso aos trajectos, entradas e saídas que não podem ser alcançadas pelos vasos
principais, eles estabelecem pontes entre os meridianos principais mas também se
estendem à pele. Os Jing Jin (meridianos tendino-musculares) são as vias de passagem
dos tendino-musculares que expressam a sua acção circulante na superfície do corpo ao
nível dos tecidos tendino-musculares. Os Jing Bie (meridianos distintos) são oriundos
do sistema dos Meridianos Regulares, partem dos quatro membros e chegam em
profundidade aos órgãos internos, os ZangFu, para em seguida saírem pelo pescoço ou
pela cabeça e se unirem aos meridianos Yang da mão ou do pé. Os Qi Jing Mai
(meridianos curiosos) têm relações com as vísceras especiais, reforçam as ligações entre
os meridianos regulares a fim de regularizar o Qi e o Sangue. O excesso de Qi e de
sangue dos 12 meridianos regulares escoa-se e concentra-se nos 8 meridianos curiosos,
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 3

onde é guardado como reserva para ser distribuído quando há insuficiência de Qi e de


Sangue nos Jing Mai (Auteroche & Navailh, 1992).

“O homem está associado à noção de tríade é animado pelo Qi. O Qi circula em todos
os meridianos e participa dos mecanismos de defesa do organismo. Os meridianos não
podem ser obstruídos porque eles decidem da vida e da morte e podem determinar todas
as doenças; é necessário tonificar ou dispersar. O clínico comum trata somente dos
pontos nos quatro membros sem se preocupar com a circulação do Sangue e do Qi. O
clínico superior domina o mecanismo. Sabe controlar a energia, o mecanismo da
circulação do sangue e da energia através dos pontos de acupunctura. É preciso não
lançar uma flecha sem meta e sem conhecer o alcance da tonificação e da dispersão. O
domínio da circulação implica o conhecimento do Qi contrário ou conforme, em
excesso ou em insuficiência. O clínico superior percebe as mudanças do tempo e do
clima e conhece perfeitamente o alcance da acupunctura (Ling-Shu, Ming Wong,
1995)”.

Aplicação da Teoria dos Jing Luo em Medicina Chinesa

A teoria dos Jing Luo serve para explicar a propagação das energias patogénicas no
organismo, é ainda utilizada para guiar o diagnóstico e orientar a terapêutica. O presente
volume versa, apenas, a classificação dos Jing Luo, os seus territórios, trajectos e
ligações, deixando-se para outra disciplina o estudo da aplicação clínica desta Teoria.

Neste volume seguiram-se os seguintes documentos:

1. Auteroche, B. & Navailh P. (1992) – O Diagnóstico na Medicina Chinesa


Andrei: São Paulo (na parte inicial)
2. Chamfrault A & Nguyen Van Nghi (1969) – L´Energétique Humaine en
Médicine Chinoise (V Volume do Tratado de Medicina Chinesa) (especialmente
nos trajectos dos MP, MD e MC).
3. ESMTC - Topografia de Meridianos e Pontos de Acupunctura – Localização
dos pontos de acupunctura . Lisboa:ESMTC (em todo o documento)
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 4

4. Ming Wong (1995) – Ling-Shu – Base da Acupunctura Tradicional Chinesa –


Tradução e comentários de Ming Wong. Andrei: São Paulo. (em todo o
documento)
5. Pajares S. & Alepuz, H. - La Acupunctura Energética – (nas ligações
energéticas).
6. Roustan C. (1978) Traité D’Acupuncture – Médicine Traditionelle Chinoise 1
Bases Fondamentales – Masson:Paris. (parte inicial e meridianos tendino-
musculares)

Foram ainda consultados:

7. Archange (1986) Manual de Massagem chinesa – Andreia: São Paulo.


8. Deadman, P. & Al Khafaji (1998) A Manual of Acupuncture – Journal of
Chinese Medicine Publications: England.
9. Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Beijing (1995) Fundamentos
essenciais de Acupunctura Chinesa . Tradução de S. Maike. Icone: São Paulo
10. Liu Gong Wang (1997) Acupoints & Meridians – A complement work of
Present Acupuncture and Moxibustion. Huaxia Publishing House
11. Maciocia G. (1996) - Os Fundamentos da Medicina Chinesa –Roca:Brasil
(relativamente aos meridianos curiosos)
12. Yao Yamamura (2003) Acupunctura Tradicional – A arte de inserir (2ªed).
Roca: São Paulo.
.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 5

A teoria dos Jing Luo

Classificação do sistema dos meridianos1

O sistema dos meridianos divide-se em duas partes fundamentais2 os Jing Luo e os Luo
Mai. Este sistema têm ainda relações com o exterior, com os meridianos tendino-
musculares e com as 12 zonas cutâneas que são consideradas em “outros” por
Auteroche e Navailh (1992). Os meridianos ligam-se a todas as vísceras-órgãos, à pele,
aos músculos, e aos ossos. O sistema divide-se em três partes fundamentais:

1. Os Jing Mai
2. Os Luo Mai
3. Outros – Jing Jin e Pi Bu

1. Os Jing Mai são os meridianos mais importantes, situam-se em profundidade.


Dividem-se em 12 Jing Mai (regulares), em 12 Jing Bie (distintos) e em 8 Qi Jing Mai
(curiosos). Todos os meridianos são definidos em função do Yin e do Yang.

Os Yang são: O Tai Yang, o Shao Yang e o Yang Ming da mão e do pé dos Regulares e
dos Distintos.
O Du Mai, o Dai Mai, o Yang Qiao Mai ,o Yang Wei Mai, dos Curiosos.

Os Yin são: O Tai Yin, o Jue Yin e o Shao Yin da mão e do pé dos Regulares e
dos Distintos.
O Ren Mai, o Chong Mai, o Yin Qiao Mai, o Yin Wei Mai dos Curiosos.

Os 12 meridianos Regulares

São constituídos fundamentalmente por duas partes: uma interior - outra exterior. Estes
meridianos são bilaterais e simétricos, portanto são 24.

Os meridianos regulares Yin pertencem respectivamente aos 5(6) órgãos3. O seu trajecto
exterior ocupa a face interna dos quatro membros. Meridianos Yin da mão (Shou)

1
Segue-se nesta classificação os textos de Roustan (1978) e de Auteroche e Navailh (1992).
2
Ver (Auteroche & Navailh, 1992) pp53.
3
O Mestre do Coração foi posteriormente acrescentado aos Cinco Zang (Auteroche & Navailh, 1992,
pp68).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 6

partem do peito (zona mais Yin do corpo) para a mão. Os meridianos Yin do
pé (Zu) partem dos pés da zona onde o Yin cresce no Yang para o peito. Os
meridianos regulares Yang pertencem a cada uma das 6 vísceras. A sua parte exterior
ocupa a face postero-externa dos quatro membros. Os meridianos Yang da mão partem
da zona onde o Yang cresce no Yin para a zona mais Yang do corpo (cabeça)
. .

Sistema de União dos meridianos regulares

Na circulação do Ying Qi (energia nutritiva), o exterior e o interior, o alto e o baixo são


ligados sucessivamente, considerando-se que um anel corresponde ao ciclo semelhante
ao do dia, às estações do ano, ou seja interior-exterior; alto-baixo e regresso ao interior
(Yin-Yin) ver o Esquema 1 .

1º anel 2º anel 3ºanel


P-IG-E-BP C-ID-B-R MC-TA-VB-F

Esquema 1 – Ligação externa entre os diferentes Jing Mai na circulação do Ying Qi

Cada um dos meridianos Yin está ligado a um meridiano Yang: no interior do corpo ao
nível das vísceras e órgãos e no exterior ao nível superficial.

O trajectos dos meridianos regulares são complexos apresentando quer traçados


longitudinais quer transversais, quer ainda relações de cruzamento ou de reunião com os
outros meridianos, distintos, tendino-musculares, curiosos e vasos Luo. Esta rede
complexa contribui para a integração e unificação do indivíduo (Rostan, 1978).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 7

Os 12 meridianos Distintos4

Iniciam-se ao nível das grandes articulações dos membros, ombros, joelhos e anca dos
meridianos regulares designando-se pelos mesmos nomes daqueles a que estão ligados.
Uma parte do trajecto é mais superficial que a dos meridianos principais (e menos
superficial que os tendino-musculares). Penetram em profundidade e ligam-se aos
órgãos e vísceras correspondentes de um modo diferente dos meridianos principais. Os
meridianos Distintos, onde circula o Wei Qi, (energia defensiva) tecem uma rede
energética à volta do órgão-víscera, impedindo que a energia perversa os atinja
seriamente como acontece nos meridianos regulares5. Depois vêm à superfície ao nível
do pescoço e da face.

Os meridianos distintos dividem-se em Yin e Yang. Os meridianos distintos Yang,


quando chegam à face e ao pescoço ligam-se aos meridianos regulares com o mesmo
nome. Os meridianos distintos Yin ligam-se aos meridianos Yang aos quais os regulares
Yin do mesmo nome se encontram acoplados (ver esquema 2)

Mer. Reg. Yang correspondente

Pescoço,Cabeça
Mer Reg.Yang Ac. ao Yin cor.

Vìscera

Órgão

Ponto He (Joelho) X
Ombro
Anca
Merid. Dist. Yang Merid. Dist Yin

Esquema 2 – Esquema de um meridiano distinto (adaptado do Ling-Shu, Ming Wong, 1995)

4
Considerados por todos os autores, como ramos secundários dos meridianos principais.
5
De notar que a energia Wei tem uma natureza mais móvel, viva que a energia nutritiva, ela não circula
somente nos meridianos, a sua acção dissemina-se para fora dos meridianos (Roustan, 1978,pp26).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 8

Sistema de União

Os meridianos distintos unem-se em 6 pares Yin - Yang de acordo com a regra exterior-
interior (a numeração dos pares segue a ordem dos meridianos Yang do pé do exterior
para o interior e seguidamente dos da mão, do mesmo modo). Estas reuniões vêm
reforçar as ligações existentes entre as vísceras/órgãos e os meridianos regulares. Esta
união realiza-se em zonas e em pontos de reunião que importa conhecer (Chamfrault &
Van Nghi, 1969).

1º Par - MD da Bexiga e MD do Rim


a) Zona de união inferior - fossa popliteia ligação entre o ponto 10 R – 40 B.
b) Zona de união superior - 10B

2º Par - MD da Visicula Biliar e MD do Fígado


a) Zona de união inferior – sínfise púbica 2VC.
b) Zona de união superior - ângulo externo do olho 1VB.

3º Par - MD da Estõmago e MD do Baço/Pâncreas


a) Zona de união inferior – Zona da prega inguinal – o 30 E.
b) Zona de união superior - região sub-lingual e por baixo do canto interno do
olho – 1B

4º Par - MD do Intestino Delgado e MD do Coração


a) Zona de união inferior – fossa axilar – 1C.
b) Zona de união superior - 1B

5º Par - MD do Triplo Aquecedor e MD do Mestre do Coração


a) Existe só uma zona de união – 16TA.

6º Par - MD do Intestino Grosso e MD do Pulmão


a) Zona de união na origem – na zona escapulo-humeral (22VB e 15IG).
b) Zona de união propriamente dita – 18IG.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 9

Os 8 Meridianos Curiosos

Os meridianos curiosos (Qi Jing Mai) não têm ligação directa com os órgãos e as
vísceras e como o nome indica relacionam-se com as vísceras curiosas ou seja, com os
sistemas nervoso, ósseo, circulatório, hepato-visicular e genito-urinário. Cada meridiano
curioso tem ramos ou pontos especiais que influenciam directamente as vísceras
curiosas a que estão ligados de modo particular. Cada meridiano tem um nome que se
relaciona com a sua área de influência.

O Du Mai ou vaso Governador relaciona-se com o sistema nervoso (cérebro e medula


espinal) e é o “Mar dos meridianos Yang”, rege todos os meridianos Yang.

O Ren Mai ou Vaso de concepção ou ainda Vaso Director, relaciona-se com o sistema
genito-urinário e é o Mar dos meridianos Yin, rege todos os meridianos Yin.

Estes dois meridianos regulam, portanto, toda a energia Ying (nutritiva) que circula nos
meridianos regulares e são os únicos que possuem pontos próprios.

O Chong Mai ou “Mar de Sangue” relaciona-se com o sistema genito-urinário e liga


pontos importantes da relação dos meridianos entre si, quer dos principais quer dos
vasos secundários (Chamfrault & Van Nghi, 1969). Também designado “Mar dos cinco
sistemas Yin e dos seis sistemas Yang” (Maciocia, 1996).

O Dai Mai ou vaso da cintura, relaciona-se com o sistema hepato-biliar, estabelece a


relação alto-baixo e ordena os meridianos regulares que passam por ele, todos a um
nível mais profundo (Chamfrault & Van Nghi, 1969)..

O Yang e Yin Qiao Mai, são vasos que comandam a força e os movimentos do corpo. O
Yang Qiao Mai comanda o movimento da parte Yang do corpo. O Yin Qiao Mai
comanda os movimentos da parte Yin.

O Yang e Yin Wei Mai, são vasos que unem os meridianos entre eles. O Yang Wei Mai
liga os meridianos Yang e circula na parte Yang. Os Yin Wei Mai liga os meridianos
Yin e circula na parte Yin.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 10

Sistema de União
Os meridianos curiosos não têm relações exterior-interior nem alto-baixo, estão
isolados. Os meridianos curiosos, tal como os distintos e os tendino-musculares correm
de baixo para cima6. Podem organizar-se em pares de acordo com a sua natureza e
partilha de vias similares (definindo, deste modo áreas de influência corporais), em que
o ponto de abertura (chave) de um vaso é combinado com o ponto chave do outro.
Podem ser ainda agrupados de acordo com a sua função (Quadro 1).

Chong Mai

Yin Qiao Mai Ren Mai


Yang Qiao Mai
Du Mai

Daí Mai

Yin Wei Mai


Yang Wei Mai

Os vasos curiosos formam um envolvimento energético a todo o organismo, que se


desenvolve a partir do Rim (todos têm uma ligação com o sistema Rim-Bexiga). O
Chong Mai localiza-se no centro desse vortex energético. O Du Mai e o Ren Mai

6
O sentido de circulação destes meridianos está de acordo com o sentido da circulação do Yuan Qi
(energia ancestral), dado que nestes meridianos também corre a energia defensiva e nutritiva, mas nalguns
deles, estas correm sentido contrário, como por exemplo nos Qiao Mai. (Chamfrault & Van Nghi, 1969).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 11

definem o plano frontal, o Daí Mai define o plano horizontal e os Qiao Mai e os Wei
Mai o plano sagital (Maciocia, 1996).

Quadro 1 – Dois tipos de Organização dos Meridianos Curiosos (Maciocia, 1996)


Áreas de influência corporais (Pontos chave) Funções Semelhantes7
Ren Mai 7P Yin Qiao Mai 6R Abdómen, tórax, pulmão garganta, Du, Ren, Chong Mai
face.
Du Mai 3ID Yang Qiao Mai 62B Região posterior das pernas, região Yang e Yin Qiao Mai
dorsal, coluna pescoço, cabeça,
olhos cérebro
Chong Mai 4BP Yin Wei Mai 6MC Face interna da perna abdómen, Yang e Yin Wei Mai
tórax, coração estômago
Daí Mai 5TA Yang Wei Mai 41VB Face externa da perna e do corpo, Dai Mai
ombros e face externa pescoço.

2. Os Vasos Luo

Os Luo Mai são meridianos secundários que se situam perto da superfície. Existem 15
Luo Mai principais, e subdivisões, ramificações na superfície destes, os Sun Luo, os Fu
Luo e os Xue Luo.

Os 15 Luo principais compreendem:

1 a) Os 12 Luo Mai longitudinais ligados a cada um dos 12 meridianos regulares.

Luo Longitudinal

Luo Transversal

Ponto Yuan X X Ponto Luo

X Ponto Yuan

Ponto Luo X

Meridiano Yin Meridiano Yang

Esquema 3 - Esquema geral dos Vasos Luo (adaptado do (Ling-Shu, Ming Wong, 1995)

7
A abordar noutro Volune – Aplicação clínica da Teoria dos Jing Luo.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 12

b) Os Luo Mai do Du Mai e do Ren Mai.


c) O Grande Luo do Baço Pâncreas. Existe também um grande Luo do Estômago
que não é considerado na contagem dos 158.

2. Os 12 Luo Mai transversais que fazem a ligação Biao-Li, da superfície para a


profundidade – víscera-órgão acoplado9.

Os Sun Luo – Ramos terciários finos dos 15 vasos luo longitudinais que se estendem à
volta destes vasos, a maioria à superfície do corpo e alguns à profundidade. Podem
ainda unir-se ou cruzar-se sem se unir aos meridianos principais. Os Sun Luo dão
origem aos Fu Luo.

Fu Luo - ramos capilares verticais dos Sun Luo que emergem e se repartem à
superfície.

Xue Luo – ramificações terminais horizontais dos Fu Luo existentes à superfície.

Os 12 meridianos Tendino-musculares

Os 12 Jing Jin, meridianos tendino-musculares – São meridianos que se iniciam pelo


ponto Jing (1º ponto shu antigo dos meridianos regulares, situados nas mãos e nos pés)
do meridiano regular correspondente e não penetram em profundidade na cavidade
corporal, mas partem para o exterior, para a zona tendino-muscular, caminhando nos
pequenos e grandes vales delimitados pelos relevos musculares e tendinosos
(Chamfraud & Van Nghi, 1969), correspondendo ao nível superficial aos 12 meridianos
regulares (Roustan, 1978).

8
Rostan (1978) refere que isto se deve ao hábito de considerar o par BP/E em conjunto, também neste
aspecto, pelo que se tornou um hábito referir o grande Luo do BP como englobando o do E, embora
possuindo trajectos distintos.
9
No Ling- Shu ,os 15 Luo longitudinais são considerados vasos secundários dos meridianos principais e
os Luo transversais, os Luo principais (Ling-Shu, Ming Wong, 1995, pp179). Para maior clareza dicidiu-
se no presente trabalho designar estes vasos como longitudinais e transversais de acordo com Chamfrault
e Van Nghi (1969)
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 13

Têm um trajecto centrípeto, estendendo-se das extremidades dos quatro membros ao


punho, tornozelo, cotovelo, joelho, à axila, ao tronco e à cabeça. São percorridos pela
energia Wei e têm a propriedade de se concentrar em certos pontos ósseos e articulares
dos quatro membros.

Sistema de união dos tendino-musculares

Para os meridianos tendino-musculares não existe um sistema de união exterior-interior,


nem alto-baixo. Eles associam-se de acordo com a sua natureza. Deste modo os três
meridianos TM Yang da mão reúnem-se entre si na zona axilar; os meridianos Yin da
mão reúnem-se, entre si na fronto-parietal. Os meridianos Yang do pé reúnem-se entre
si na região do osso malar. Por último, os meridianos Yin do pé reúnem-se entre si na
região genital que de acordo com “Su Wen” é o local onde se reúnem os tendões
essenciais (citado por Roustan, 1978).

Zona Zigomática Ângulo frontal


18ID e canto externo do olho Zona sub-axilar
13VB 22VB

Órgãos genitais externos


3VC

3 TM Yang do Pé 3 TM Yang da Mão 3TM Yin do Pé 3 TM Yin da Mão

Esquema 4 – Esquema dos meridianos tendino-musculares (adaptado do (Ling-Shu, Ming Wong, 1995)
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 14

As 12 zonas cutâneas

As 12 Pi Bu, zonas cutâneas – São partes reactivas da pele em ligação estreita com os
meridianos principais e tendino-musculares. A zonas cutâneas, como o próprio nome
indica são áreas da pele influenciadas pelos sistema de meridianos regulares e vasos
Luo correspondentes. De tal modo que as doenças localizadas nos Jing Luo têm
frequentemente uma relação precisa com os territórios cutâneos que governam.

Esquema 5 – Zonas cutâneas (Rostan, 1978)


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 15

Trajectos do Sistema Pulmão

A. Meridiano Principal do Pulmão

1. Trajecto profundo ou interno


O Meridiano Principal do Pulmão começa no Aquecedor Médio (Estômago), desce até
ao Intestino Grosso, sobe até à Cárdia, atravessa o Diafragma, entra nos Pulmões, segue
pela Traqueia até à Garganta, desce até à axila, ao ponto 1P, (1 cun abaixo do ponto
número dois, situado no sulco delto-peitoral, ao nível do bordo inferior do extremo
interno da clavícula).

2. Trajecto superficial ou externo

Começa no ponto 1P ascende até ao ponto 2P, contorna a face anterior do ombro e
desce pelo bordo antero-externo do braço. Segue esta direcção no antebraço, ao longo
do trajecto da artéria radial, precisamente onde se palpam os pulsos radiais. No ponto
7P (a 1 cun e ½ da prega transversal distal do punho, no bordo externo do tendão do
longo supinador) o trajecto torna-se interno, para sair novamente no ponto 9P (na prega
transversal distal do punho, no lado radial do osso trapézio, por fora da artéria radial).
Atravessa a eminência tenar para terminar no lado radial do dedo polegar, 2 mm atrás
do ângulo ungueal externo (11P).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 16

Trajecto Interno e Externo do Meridiano do Pulmão

Figura 1 – Meridiano Principal do Pulmão

Ligações
1. Pelo seu trajecto interno, encontra-se ligado:

 Ao Estômago (e ao Triplo Aquecedor) e


 Intestino Grosso
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 17

 Ao Diafragma
 Ao Pulmão
 À Traqueia
 À Laringe.

2. Pelo seu trajecto externo e circulação da energia Ying Qi

a)Circulação superficial (F.→ P.→ IG.)

F P

14 F 1P

P IG
Luo longitudinal (7P) 1 IG ( Jing)

b)Circulação profunda e nível energéticoTai Yin

P BP

1P 20 BP

c) Meridianos acoplados

Yin Yang

P IG

Luo transversal (7P) Yuan (4IG)


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 18

3. Com os meridianos secundários

a)Vaso Luo Longitudinal


Nasce no ponto Luo, 7P

b)Meridiano Tendino-Muscular
Parte do ponto 11 P (Jing)

c)Meridiano Distinto
Parte do ponto 1P

d)Meridianos curiosos
Ren Mai - O ponto 7P é o seu ponto chave.

B. Vasos Luo

a) Vaso Luo Transversal

Parte do ponto Luo, 7P. O vaso contorna a extremidade inferior do rádio para unir-se ao
ponto Yuan do Meridiano do Intestino Grosso, 4 IG (Figura 2).

b) Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto Luo, 7 P. O vaso segue o trajecto do Meridiano Principal do Pulmão,


depois contorna a eminência tenar para chegar ao dedo indicador, pelo seu bordo
externo e unir-se ao ponto 1IG (na raiz do ângulo ungueal 2mm acima e por fora, no
lado radial do dedo indicador) do Meridiano do Intestino Grosso.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 19

Vaso Luo Longitudinal e Transversal do Pulmão

Figura 2 – Vasos Luo Longitudinal e Transversal do Pulmão

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa no lado radial do dedo polegar, 2 mm atrás do ângulo ungueal externo (1)
(11P-Jing). Insere-se atrás da eminência tenar, passa ao lado externo da goteira radial do
punho , sobe ao ante-braço (2) e insere-se no cotovelo. Sobe pela face antero-externa do
braço (3), entra por baixo da axila, penetra na caixa torácica e desce até ao ponto 22VB,
(a 3 cun directamente por baixo da linha média axilar, no 4º espaço intercostal) , para
sair na depressão supra clavicular e se inserir à frente no ponto 15 do IG (4) e voltar a
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 20

inserir-se no ponto 12E (5), onde penetra e se insere no tórax10 (6); aí ramifica-se
atravessando o diafragma, e ramifica-se, novamente, para alcançar, pelo interior, as
costelas flutuantes.

Figura 3 - Meridiano Tendino-Muscular do Pulmão

D. Meridiano Distinto
Nasce no Meridiano Principal do Pulmão no seu ponto 1P, apresenta um trajecto muito
curto e superficial que termina no ponto 22 VB. Desde este ponto penetra em
profundidade para ramificar-se no Pulmão descendo até ao Intestino Grosso onde
também se ramifica antes de subir ao ponto 12E. Volta à superfície, segue o pescoço

10
Alguns autores referem a passagem, nesta parte do trajecto, pelo 17 VC, Pajares &Alepuz “La
Acupunctura Energética”.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 21

num trajecto curto para unir-se ao Meridiano Distinto do Intestino Grosso no ponto
18IG (ponto janela11 do céu – Figura 4).

Figura 4 – Meridiano Distinto do Pulmão

11
Pontos janela do Céu – Pontos que se situam à volta do pescoço, formando um colar. Simbolizam a
união da profundidade, ou interior (pela sua relação com os meridianos distintos) com a energia Yang do
Céu. Os ponto são – 18IG, 22VC, 9E, 16ID, 10B, 16ID, 17ID, 16TA, 20VB, 16VG – alguns autores
consideram ainda o 3 P e o 1MC, fora desta localização anatómica.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 22

Trajectos do Sistema Intestino Grosso

A. Meridiano Principal

1.Trajecto externo ou superficial:

O Meridiano do IG, começa no ponto 1IG situado na raíz ungueal, 2mm por cima e por
fora, no lado externo do dedo indicador. Segue o bordo externo do dedo, depois o bordo
externo do segundo metacarpo, passa pela tabaqueira anatómica, ascende pelo bordo
postero-externo do rádio, passa à frente do epicôndilo, ascende pelo bordo externo do
braço, chega à articulação acrómio-clavicular e sobe até ao pescoço por cima do
músculo esternocleidomastoideu entrando na face, cruzando para o lado oposto da
origem do meridiano para terminar na parte inferior da prega nasogeniana, precisamente
no ponto 20 IG (situado no sulco naso-labial ao nível da inserção do bordo externo das
asas do nariz, do lado contrário), onde se junta ao meridiano principal do Estômago.

2.Trajecto interno ou profundo:

Inicia-se no ponto 16 IG (na depressão situada entre o extremo acromial da clavícula e a


espinha da omoplata) passando deste ao ponto 14VG (entre a apófise espinhosa da C7-
D1).
Volta até à parte anterior passando pela fossa clavicular para iniciar o seu trajecto
profundo onde se vai ligar aos pulmões, atravessa o Diafragma e termina no Intestino
Grosso.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 23

Trajectos externo e interno do Meridiano Principal do Intestino Grosso

Figura 5 – Meridiano Principal do Intestino Grosso

Ligações
1.Pelo seu trajecto externo ou superficial e circulação da energia
a)Circulação superficial (P → IG → E)
P IG
Luo Longitudinal Jing
7P 1IG
IG E
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 24

20 IG 1B* 1E

* O Meridiano do IG envia a partir do seu ponto 20IG um vaso comunicante que passa
pelo 1B (na parte supero-externa do ângulo interno do olho, a 0,1 cun por cima do
ângulo interno) para unir-se ao 1E (encontra-se a 0,7 cun directamente abaixo da pupila,
no bordo infraorbitário, entre o globo ocular e a órbita).
O ponto 20IG do meridiano esquerdo liga-se com o 1E direito.

b)Meridianos acoplados

Yang Yin
IG P
Luo Tansversal Shu / Yuan
6 IG 9P

2.Pelo seu trajecto profundo ou interno encontra-se ligado


 Pulmões
 Diafragma
 Intestino Grosso

3.Com os meridianos Secundários

a)Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto Luo, 6IG (Contra o bordo do músculo extensor comum dos dedos, na
linha 5IG-11IG, 3 cun superiormente ao ponto 5IG)

b)Meridiano Tendinomuscular
Parte do ponto 1IG (Jing)

c) Meridiano Distinto
Segue o meridiano principal até ao ponto 15 IG 12

12
Inicia-se no ponto 1 do IG, mas só se distingue do M. Principal do IG a partir do ponto 15.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 25

d)Meridianos curiosos

O meridiano do Intestino Grosso tem ligação com o Du Mai


Nos pontos 16IG e 14VG

Os pontos
14 IG pertence ao trajecto do Yang Wei Mai,
e os pontos 15 IG e 16IG pertencem ao Yang Qiao Mai

B. Vasos Luo

a)Vaso Luo Transversal

Parte do ponto Luo, 6 IG (contra o bordo do músculo extensor comum dos dedos, na
linha 5IG-11IG, 3 cun superiormente ao ponto 5IG), contorna o bordo externo do
antebraço para chegar ao ponto Shu e Yuan do Meridiano do Pulmão, 9P (na prega de
flexão do punho do lado externo do osso trapézio, por fora da artéria radial).

b)Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto Luo, 6IG, sobe ao longo do membro superior, pelo trajecto do M.
Principal, passa ao ombro, onde se liga ao ponto 15IG, segue o trajecto do Meridiano
Principal até ao 12 do E. Sobe ao longo do pescoço e chega ao maxilar inferior para se
dividir em dois ramos. Um ramo dirige-se para os dentes e outro para o ouvido. Ao
nível do 12 E um ramo profundo penetra nos Pulmões e depois no Intestino Grosso.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 26

Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Meridiano do Intestino Grosso

Figura 6 – Vasos Luo do Intestino Grosso

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa na raiz do ângulo ungueal (2mm acima e por fora) no lado radial do dedo
indicador, insere-se na face posterior do punho (1) percorre o bordo externo do
antebraço (2), insere-se no lado externo do cotovelo, sobe pela face externa do braço (3)
e insere-se no ponto 15 IG. Um ramo contorna a omoplata (4) para se ligar à coluna
vertebral (ver figura 23).Outro, o principal sobe do 15IG até ao pescoço (5) e divide-se
ao nível do maxilar inferior em dois ramos:
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 27

Um vai para a região malar (6) e insere-se ao lado do nariz13. O outro ramo sobe ao
longo do ramo ascendente do maxiliar inferior pela frente da orelha, à frente do
meridiano tendino-muscular do ID, sobe ao ângulo da fronte (7), contorna a abóbada
crâniana e desce até ao ângulo do maxilar inferior do lado oposto, unindo-se ao
meridiano tendino-muscular contralateral (8).

Meridiano Tendinomuscular do Intestino Grosso

Figura 7 – Meridiano Tendino-Muscular do Intestino Grosso

13
Alguns autores referem a passagem pelo osso malar e ramificação nos músculos da maçã do rosto e
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 28

C. Meridiano Distinto

Segue o mesmo trajecto do Meridiano principal até ao seu ponto 15IG, na região do
ombro, onde se divide em dois ramos:
Um dirige-se até às costas para se ligar ao ponto 14 VG (entre a apófise espinhosa da
C7-D1), ponto de reunião de todos os meridianos Yang. Outro dirige-se até à parte
anterior do tórax onde se inicia um trajecto profundo ligando-se com o Pulmão e o
Intestino Grosso. Emerge à superficie ao nível do 12E e passa no 18 IG (ao nível da
maçã de Adão, no centro do músculo esternocleidomastoideu, na junção dos seus ramos
esternal e clavicular), onde se une com o meridiano principal.

Figura 8 – Meridiano Distinto do Intestino Grosso

rebordo orbital inferior, incluindo o ponto 1 E.


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 29

Trajectos do Sistema Estômago

A.Meridiano Principal do Estômago

1.Trajecto Superficial ou Externo


Começa ao lado da asa do nariz, no ponto 20IG (situado no sulco naso-labial, ao nível
da inserção do bordo externo das asas do nariz, do lado contrário), sobe ao canto interno
do olho, ao ponto 1B, na face. Desce seguindo o rebordo orbital inferior até ao ponto 1E
(directamente por baixo da pupila, no bordo infra orbitário, entre o globo ocular e a
órbita), desce verticalmente pela face até ao 3 E, passa ao lábio superior penetra na
gengiva do maxilar superior reaparece à superficie, contorna a comissura dos lábios,
percorre o lábio inferior e liga-se ao meridiano contralateral, no 24 VC. Segue para o
ângulo do maxilar inferior, sobe pelo ramo ascendente deste maxilar, percorre a região
pré-auricular, segue ao longo da linha de inserção dos cabelos interceptando o
Meridiano da VB, toma o sentido horizontal, seguindo a linha de implantação do cabelo
até ao ponto 8E, na sutura fronto-parietal. Do ponto 5E parte outro ramo descendente,
até ao ponto 9E (ao nível do osso hióide, entre a carótida e o bordo anterior do músculo
esternocleidomastoideu), desce verticalmente até ao 11E (no bordo superior da clavícula
entre os ramos esternal e clavicular do esterno). Dirige-se para fora para o ponto 12E,
continua a descer na vertical a 4 cun lateralmente à linha média torácica até ao 18E (no
5º espaço intercostal, a 4 cun lateralmente à linha média torácica). Continua a descer
inclinando-se para dentro, em direcção ao 20 E (1 cun abaixo do ponto 19E, a 2 cun
lateralmente à linha média abdominal). Depois desce ao longo de uma linha paralela ao
Ren Mai a 2 cun até ao 30 E (1 cun abaixo do ponto 29E, a 2 cun lateralmente à linha
média abdominal). Desce pela coxa até ao ponto 31E na ponta do Triângulo de Scarpa,
(directamente por baixo da espinha ilíaca antero-superior, ao nível do bordo inferior da
púbis). Segue o bordo antero-externo da coxa até ao 35E, no espaço externo inter-
articular da rótula. Desce pela face antero-externa da perna até ao ponto 39 E (a 9 cun
abaixo do ponto 35E, 1 dedo lateralmente à crista tibial, no extremo inferior do músculo
tibial anterior). Sobe ao 40 E, cruzando o extensor comum dos dedos. Volta a descer
pelo bordo externo do extensor comum dos dedos, cruza-o de novo, na sua parte inferior
para o 41E (ao nível do maléolo externo, na prega de flexão transversal anterior, da
articulação do tornozelo, entre os dois tendões do dorso do pé (os tendões do grande
extensor digital e o músculo grande extensor do dedo grande do pé). Segue o centro do
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 30

dorso do pé em linha recta entre o 2º e 3º dedo para terminar no ponto 45E, 2 mm atrás
da raiz do ângulo ungueal do lado externo do 2º dedo do pé.

2. Trajecto profundo ou interno


Do ponto 7E (no bordo inferior do arco zigomático, atrás do masseter contraído) é
enviado um ramo ao ponto 3VB (no bordo superior do arco zigomático , acima do 7E).
Do ponto 12 E, parte um ramo interno que penetra no tórax, atravessa o diafragma,
passa pelo Estômago e depois pelo Baço. Um vaso interno (intra-abdominal) parte do
piloro, ao nível do Aquecedor Inferior, segue a parede interna do abdómen e alcança o
ramo externo no ponto 30E. Do ponto 36 E parte um vaso que passa no bordo externo
da perna, paralelamente e por fora do meridiano principal e desce terminando no 3º
dedo do pé.

Figura 9 – Meridiano Principal do Estômago


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 31

Ligações
1.Através do seu trajecto externo ou superficial e circulação de energia
a) Circulação superficial IG → E→ BP
IG E
20IG 1B 1E

E BP
45E 1BP
Jing Jing

Vaso secundário
42E 1BP

b)Meridianos Acoplados
Luo transversal
Luo Yuan
40E 3P

2. Pelo seu trajecto interno ou profundo. O meridiano principal do Estômago


encontra-se em ligação com:
O Diafragma
O Estômago
O Baço Pâncreas

3.Com os meridianos Secundários


a)Vaso Luo longitudinal
Parte do ponto 40E
b) Meridiano TM
Parte do ponto 45E
c) Meridiano Distinto
Parte do ponto 30E
d) Meridianos Curiosos
Yang Qiao Mai – passa pelos pontos: 1,2,3,4 do E
Yin Qiao Mai – passa ao ponto 9E
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 32

Chong Mai – envia um ramo para o 25E e 30E


Ren Mai – Envia um ramo ao ponto 1E

B. Vasos Luo

a)Vaso Luo Transversal


Inicia-se no ponto 40E, sobre a face anterior da perna, contorna horizontalmente a crista
da tíbia, para unir-se ao Meridiano Principal do Baço, no seu ponto Yuan 3BP.

Figura 10 – Vasos Luo do Estômago


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 33

b) Vaso Luo Longitudinal


Começa no ponto 40E, segue o trajecto do Meridiano Principal até ao ponto 5 E, a partir
deste ponto segue o ramo ascendente e continua até ao 20 VG, ramifica-se na cabeça e
pescoço, junta-se à energia dos outros meridianos para descer à garganta pelo trajecto
facial do MP do Estômago.

c)Grande Luo do Estômago – Hu Ly


Começa no Estômago, atravessa o diafragma, alcança o 17VC, junta-se aos Pulmões,
passa ao Coração, volta a subir ao ponto 18E (No 5º espaço intercostal, a 4 cun
lateralmente à linha média torácica).

C Meridiano Tendino-Muscular

Inicia-se no ângulo ungueal externo do 2º, 3º e 4º dedo do pé e insere-se no dorso do pé


(1) e divide-se imediatamente em dois ramos principais:
1. um sobe obliquamente sobre o lado externo da perna e ramifica-se no perónio (2); em
cima vai inserir-se na face externa do joelho e depois na articulação da anca (3); ainda
mais acima, ladeia o flanco e insere-se na coluna vertebral (4).
2. o outro, principal, parte do dorso do pé, sobe na vertical e insere-se na frente do
joelho (5). Daqui parte um ramo que se liga ao primeiro, se insere na cabeça do perónio
e se liga ao TM da VB (6).

O ramo principal passa ao 32E, insere-se na prega inguinal (7), na região da cabeça do
fémur, passa pelos órgãos genitais, pelo ponto 3VC, sobe seguindo o trajecto do
meridiano principal dando ramificações para os outros meridianos tendino-musculares
existentes na região toráccico-abdominal. Seguidamente insere-se na região supra
clavicular, sobe pela face antero-lateral do pescoço até ao maxilar inferior (9), onde se
divide em dois ramos. O primeiro sobe até à boca, contorna-a, passa ao lado do nariz e
insere-se sobre o mesmo. Reúne-se com o meridiano TM da Bexiga, para formar com
ele como que uma rede sob o olho. O segundo ramo dirige-se para trás seguindo o ramo
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 34

horizontal do maxilar inferior (10), para terminar na parte anterior da orelha na


proximidade do 7E.

Meridiano Tendino-muscular do Estômago

Figura 11 – Meridiano Tendino-muscular do Estômago


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 35

D. Meridiano Distinto

Nasce no ponto 30E ao nível da prega inguinal. Penetra no abdómen em profundidade


para se ramificar no Estômago, Baço e Coração. Sai para a superfície ao nível do 12E.
Ascende seguindo o trajecto do Meridiano Principal até ao ponto 1 E. Comunica com o
ponto 1B, unindo-se deste modo ao Meridiano Distinto do BP.

Meridiano Distinto do Estômago

Figura 12 – Meridiano Distinto do Estômago


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 36

Trajectos do Sistema do Baço Pâncreas

A. Meridiano Principal

1. Trajecto superficial ou externo


Começa no 1BP (no lado interno do dedo grande do pé, na parte posterior ao ângulo
ungueal), segue o bordo interno do mesmo dedo, chega ao maléolo interno, segue o
bordo posterior e interno da tíbia onde se cruza com o meridiano do Fígado e também
com o meridiano do Rim, segue pela face interna do joelho, a face interna da coxa
passando pela parte inferior do triangulo de Scarpa, chega à extremidade externa da
prega inguinal ao 13 BP (a 1 cun postero-superior ao ponto 12BP, 0,7 cun medidos na
vertical, a 4 cun lateralmente à linha média abdominal). Passa pelos pontos 3VC e 4VC,
segue a face antero-externa do abdómen, num percurso ascendente, até ao tórax aos
pontos 14BP (A 1,3 cun directamente por baixo do 15 BP) e 15 BP (ao nível do umbigo,
a 4 cun lateralmente à linha média abdominal, na vertical do mamilo). Passa ao ponto
10 VC e desde este ponto inicia o seu trajecto profundo. Segue pelo ponto 16BP ( 3 cun
acima do 15BP), inclina o seu trajecto obliquamente para fora seguindo a linha para-
axilar até ao 20 BP, ao nível do 2º espaço inter-costal, a 6 cun lateralmente à linha
média. Desde este ponto desce num trajecto para fora para terminar no 6º espaço inter-
costal, directamente por baixo da linha média axilar, no 21 BP.

2. Trajecto profundo ou interno

Dos pontos 14 BP e 15 BP o meridiano passa ao ponto 10 VC, de onde envia um ramo


profundo ao Baço/Pâncreas, e outro ramo profundo ao Estômago, o qual atravessa o
diafragma e chega ao Coração, unindo-se ao meridiano principal deste órgão, no 1C.
Do 20 BP14, parte um ramo interno que ascende até à garganta e termina na base da
língua.

14
Alguns autores referem que este ramo antes de subir para a garganta passa pelo ponto 1P. Outros
autores referem a existência de outro ramo que conecta com o 1P. Ainda para outros autores: O meridiano
principal chega ao 21 BP, atinge a cavidade abdominal, chega ao Baço (órgão), atravessa o diafragma e
atinge o coração (órgão) e daí o ponto 1C (Pajares & Alepuz, op.cit.).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 37

Trajecto externo e interno do Meridiano Principal do Baço Pâncreas

Figura 13 – Meridiano Principal do Baço Pâncreas

Ligações
1. Pelo seu trajecto superficial ou externo e circulação da energia
a) Circulação Superficial (E → BP →C)
E BP
Jing Jing
45E 1BP
42E (V.Secundário) 1BP
BP C
20 BP 1C
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 38

b) Nível energético
Taiyin
P BP
1P 20 BP

c) Meridianos acoplados
BP E
Luo Transversal Yuan
4BP 42E

2. Pelo seu trajecto profundo ou interno


Com os órgãos:
 Baço
 Coração
 Pulmão
Com a víscera:
 Estômago
 Triplo Aquecedor
Com o aparelho genito-urinário:
 Através dos pontos 3VC e 4VC

3. Com os vasos secundários


a) Vaso Luo : Longitudinal
Luo longitudinal – parte do ponto 4BP
Grande Luo: Parte do 21 BP
b) Meridiano Tendinomuscular
Parte do1BP (Jing)
c) Meridiano Distinto
Parte do 12BP
d) Meridianos Curiosos
Com o Ren Mai (VC), nos pontos 3VC, 4VC e 10VC.
Com o Chong Mai, com o ponto chave 4BP.
Com o Yin Wei Mai, nos pontos 13BP, 14BP,15BP e 16BP.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 39

B. Vasos Luo

a)Vaso Luo Transversal:

Parte do 4BP do Meridiano Principal do Baço (ponto Luo), a 1 cun postero-superior ao


ponto 3BP (Tai Bai), na união da pele branca e vermelha, à frente e abaixo da base do 1º
metatarso, e termina no ponto Yuan do Meridiano Principal do Estômago, 42E (a 1,3
cun por baixo do 41E no local onde se palpa a artéria).

Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Baço Pâncreas

Figura 14 – Vasos Luo do Baço Pâncreas


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 40

b) Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto Luo, 4 BP, ascende seguindo o trajecto do meridiano principal até á sua
porção abdominal onde aprofunda até ao Intestino Grosso e Estômago.

Grande Vaso Luo

Separa-se do meridiano Principal do BP no 21 BP, ramifica-se para o peito e região


costal lateral15, unindo-se a todos os vasos Luo. O seu papel é o de controlar toda a rede
Luo.

C. Meridiano Tendinomuscular do Baço

Inicia-se no ângulo ungueal interno do dedo grande do pé, contorna o bordo interno do
pé, até ao maléolo interno onde se insere (5 BP) (1). Sobe verticalmente ao longo da
face interna da tíbia onde se insere (2). Percorre a face interna da coxa (3) e insere-se na
anca (articulação coxo-fémural) sobre a cabeça do fémur. Seguidamente dirige-se
descendo para a linha média anterior, até ao ponto 3VC (ponto de reunião dos tendino-
musculares Yin do pé) e aos órgãos genitais externos (4). Sobe ao abdómen (5), insere-
se no umbigo, percorre o interior do abdómen, insere-se nas costelas, ramifica-se no
tórax e liga-se à face anterior da coluna vertebral (6).

15
Chamfrault e Van Nghi (1969) referem que este Luo se ramifica na face anterior do tórax e em todo o
corpo.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 41

Meridiano Tendino Muscular do Baço Pâncreas

Figura 15 – Meridiano Tendino-Muscular do Baço Pâncreas


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 42

D. Meridiano Distinto

Nasce no ponto 12 BP (3,5 cun lateralmente à linha média abdominal, ao nível do bordo
superior da sínfise púbica (no bordo lateral da artéria femural), une-se ao 30 E (1 cun
abaixo do ponto 29E, a 2 cun lateralmente à linha média abdominal). Deste ponto
penetra em profundidade, ao lado do Meridiano Distinto do Estômago, ramificando-se
no E, BP e C. Volta à superfície na região clavicular, penetra em profundidade na
língua. Termina, unindo-se ao Meridiano Distinto do Estômago, no ponto 1 B (na parte
supero-externa do ângulo interno do olho, a 0,1 cun por cima do ângulo interno).

Figura 16 – Meridiano Distinto do Baço Pâncreas


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 43

Trajectos do Sistema Coração

A. Meridiano Principal do Coração

1.Trajecto Profundo ou interno

Começa no meio do Coração onde recebe a energia que lhe transmite o Meridiano do
Baço. Atravessa o Diafragma e envia ramificações ao Intestino Delgado. Um vaso
secundário sobe à garganta e depois aos olhos. Dois vasos saem do coração, um à direita
outro à esquerda. Cada um deles atravessa o pulmão para sair à superfície ao nível da
axila (no meio da cova axilar) onde o Meridiano se torna superficial no ponto 1C.

2. Trajecto Superficial ou externo

Do ponto 1 C, (no centro da fossa axilar, onde a artéria palpita), desce pela face interna
do braço, pelo bordo interno do bicípede, paralelamente ao trajecto do MC e do P e
chega ao extremo cubital da prega de flexão do cotovelo, no ponto 3 do C (no extremo
interno da prega de flexão do cotovelo, a 1,5 cun da epitróclea do úmero).

Segue ao longo do bordo interno do antebraço até ao ponto 7 C (no lado radial do
pisiforme, na primeira prega transversal do punho, no ângulo entre o pisiforme e o
tendão do flexor cubital do carpo) e vai terminar no lado radial do dedo mínimo 2mm
acima e fora da raiz do ângulo ungueal (9C).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 44

Trajecto Interno e Externo do Meridiano do Coração

Figura 17 – Meridiano Principal do Coração

Ligações

1.Pelo seu trajecto profundo ou interno

 Coração
 Diafragma
 Intestino Delgado
 Garganta, olhos
 Pulmão
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 45

2.Pelo seu trajecto superficial ou externo e circulação da energia

a) Circulação superficial (BP→C→ID)

BP C
20BP 1C

C ID
(Jing) 9C 1ID (Jing)

b) Pelo seu nível energético Shao Yin

C R

c) Meridianos acoplados

C ID
Luo Transversal Yuan
5C 4ID

3.Com os Meridianos Secundários

a)Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto Luo, 5C

b)Meridiano Tendino-Muscular
Parte do ponto 9C (Jing)

c)Meridiano Distinto
Parte do ponto 1C
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 46

B. Vasos Luo

a)Vaso Luo Transversal


Parte do ponto Luo, 5C no terço médio da cabeça do cúbito. Contorna o bordo interno
do antebraço, desce até ao bordo interno da mão para terminar no ponto Yuan do
Meridiano Principal do Intestino Delgado 4 ID entre as peles palmar e dorsal, entre o 5º
metacarpo e o unciforme.

b)Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto Luo, 5C, ascende ao longo da parte interna da face anterior do membro
superior até à fossa axilar, onde entra em profundidade dirigindo-se ao Coração.
Ascende para tornar-se superficial ao nível da clavícula, chega à base da língua,
passando ao olho, onde chega ao canto externo e se liga ao Meridiano Principal do
Intestino Delgado ao nível do seu ponto 18ID.

Figura 18 – Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Coração


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 47

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa no lado radial do dedo mínimo 2 mm acima e fora da raiz do ângulo ungueal
(9C), insere-se atrás da palma da mão (1), sobre o osso pisiforme, sobe (2) para o
cotovelo, insere-se na parte interna; continua a subir pela parte interna do braço (3)
cruza-se, seguidamente, na axila, com o tendinomuscular do Pulmão, penetra na mama
inserindo-se no meio do peito (4); atravessa o diafragma (5) e ganha o umbigo (6) onde
acaba o seu trajecto.

Figura 19 – Meridiano Tendino-Muscular do Coração


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 48

D. Meridiano Distinto

Começa no ponto 1 do Meridiano Principal do Coração, ao nível da fossa axilar. Desce


verticalmente até ao ponto 22 da Vesícula Biliar. Penetra em profundidade e chega ao
coração onde se ramifica. Sobe até à face para se conectar com o ponto 1 da Bexiga, no
ângulo interno do olho, onde se une ao Meridiano do Intestino Delgado e ao Meridiano
Principal da Bexiga (um ramo secundário une o ponto 1 B com o ponto 18 do ID).

Figura 20 – Meridiano Distinto do Coração


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 49

Trajectos do Sistema Intestino Delgado

A. Meridiano principal

1. Trajecto externo ou superficial

Começa no 5º dedo (auricular da mão), no seu ponto 1 ID (situado do lado cubital do


dedo mínimo, 2mm atrás da raiz do ângulo ungueal). Segue ao longo do bordo interno
da face dorsal da mão até à prega de flexão do punho. Passa à apófise estilóide do
cúbito, segue o bordo interno cubital da face posterior do antebraço até à depressão
entre o olecrânio e a epitróclea do úmero, ao nível do cotovelo.
Segue ascendendo pela face postero-interna do braço e chega à parte posterior da
articulação do ombro ao ponto 9 ID (1 cun acima do extremo posterior da prega axilar,
com o braço naturalmente caído, no bordo posterior do deltóide). Segue em linha recta
para cima, na vertical do ponto anterior até ao 10 ID (encontra-se directamente por cima
do ponto 9ID, abaixo do bordo posterior da espinha da omoplata). Desce até ao 11 ID (a
1 cun por baixo do ponto médio do bordo posterior da espinha escapular), sobe
verticalmente até ao 12 ID (a 1 cun acima do ponto médio do bordo posterior da espinha
escapular). Volta a descer de seguida até ao 13 ID (a 1 cun lateralmente ao extremo
interno do bordo posterior da espinha da omoplata, a meio entre a linha que une a
apófise espinhosa da 2ª dorsal e do ponto 10ID). Sobe pela face posterior do trapézio
pelo 14 ID (situado a 3 cun lateralmente ao bordo inferior da apófise espinhosa da 1ª
vértebra dorsal). Volta a subir e contorna a cintura escapular para mergulhar na fossa
supra-clavicular no 12 E. Deste ponto parte um vaso externo que sobe ao longo do
bordo posterior do esternocleidomastoideu, até ao 17 ID (encontra-se no bordo anterior
do músculo esternocleidomastoideu ao nível do ângulo da mandíbula). Daqui sai um
vaso que atravessa a face, sobe ao canto externo do olho, onde se cruza com o 1 VB16,
torna a descer até ao 19 ID (na depressão anterior ao tragus, com a boca ligeiramente
aberta). Um outro vaso vai até 18 ID, deste sobe ao canto interno do olho (1 B) e torna a
descer para o 18 ID.

16
De acordo com outros autores (S.Pajares & H. Alepuz) existe um ramo que parte do 18ID e que se
cruza com o 23TA e não do 17ID, tal como demonstra a Figura 13.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 50

2.Trajecto Profundo ou interno


Desde o ponto 12E (na fossa supraclavicular, ao nível da linha média clavicular a 4 cun
da linha média frontal), parte um trajecto profundo que vai até ao tórax, passa pelo
Coração, desce ao Esófago, atravessa o Diafragma e chega ao Estômago e termina no
Intestino Delgado; Daqui parte um vaso até ao 39 E, ponto de acção especial (He/Mar
Inferior) sobre o Intestino Delgado, (a 9 cun abaixo do ponto 35E, 1 dedo lateralmente à
crista tibial, no extremo inferior do músculo tibial anterior).

Figura 21 – Meridiano Principal do Intestino Delgado


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 51

Ligações
1. Pelo seu trajecto Profundo ou interno
 Coração
 Diafragma
 Estômago
 Intestino Delgado

2. Pelo seu trajecto superficial ou externo e circulação da energia


a) Circulação superficial (C → ID → B)
C ID
Jing Jing
9C 1 ID
ID B
18 ID 1B

b) Pelo seu nivel energético

ID Taiyang Bx
18 1

c) Meridianos acoplados
ID C
Luo Transversal Yuan
7ID 7C

2. Com os meridianos Secundários


a) Vaso Luo Longitudinal
Começa no ponto Luo, 7 ID chega ao ponto 12E

b) Meridiano Tendinomuscular
Começa no 1ID e termina no 13 VB ponto onde se reunem os meridianos Tendino-
musculares Yang do membro superior.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 52

c)Meridiano Distinto
Começa no ponto 10 ID e chega ao 22 VB para penetrar no tórax.

d)Meridianos Curiosos
Vaso de Governo (VG): os pontos 13,14,16, 17 e 2017 são pontos de controlo do nível
energético Taiyang, nível ao qual pertence o Intestino Delgado.
O ponto 3 ID (encontra-se na parte proximal da articulação metacárpico-falângica do 5º
metacarpo, entre as peles palmar e dorsal), ponto de abertura do Meridiano Curioso
Vaso do Governo.
Yang Qiao Mai
Yang Wei Mai Reúnem-se no 10 ID

B. Vasos Luo

a) Vaso Luo Transversal


Parte do ponto Luo, 7 ID, rodeia o bordo interno do antebraço para comunicar-se com o
ponto Shu / Yuan do Meridiano do Coração, 7C.

b) Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto Luo 7 ID ( a 5 cun acima do 5ID, no bordo interno do cúbito, entre este e
o flexor cubital do carpo). Ascende pelo membro superior seguindo o trajecto do
Meridiano Principal até ao ponto 9 ID. Neste ponto abandona o trajecto do meridiano
principal para contornar o ombro e dirigir-se ao 12E. A partir deste ponto penetra em
profundidade para terminar no Coração e Intestino Delgado.

17
Pontos do VG que Têm ligação com o ID via meridiano da Bexiga. Chamfrault e Van Nghi (1969)
acrescenta aos referidos por Pajares e Alepuz, os pontos 23 e 24VG
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 53

Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Intestino Delgado

Figura 22 – Vasos Luo do Meridiano do Intestino Delgado

C. Meridiano Tendinomuscular

Começa no lado cubital do dedo mínimo, 2 mm atrás da raíz do ângulo ungueal. (1).
Insere-se na face dorsal do punho, sobe percorrendo o bordo interno do antebraço (2),
insere-se atrás da epitróclea, continua a subir pela parte posterior do braço (3) inserindo-
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 54

se sob a fossa axilar. Um ramo passa por trás da axila (4), contorna a omoplata, dirige-
se para cima, ladeando o pescoço, sai à frente do Meridiano Tendinomuscular da Bexiga
(5) e insere-se no ponto 12 VB (na parte postero-inferior ao osso mastóide, ao nível do
16VG). Deste ponto um ramo tendino-muscular penetra na orelha (6). O ramo vertical
contorna o pavilhão auricular (7), desce e vai inserir-se no ângulo da mandíbula (8);
depois volta a subir para se ligar ao ângulo externo do olho (9).
Outro ramo do M TM parte da mandíbula passa à frente da orelha (10), liga-se ao
ângulo externo do olho subindo e inserindo-se no ângulo fronto-parietal (11).

Figura 23 – Meridiano Tendino-muscular do Intestino Delgado


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 55

D. Meridiano Distinto

Parte do ponto 10 ID e dirige-se até à cova axilar onde penetra. Desce para chegar à
cavidade torácica ao nível do ponto 22VB (situado a 3 cun directamente abaixo da linha
média axilar, no 4º espaço intercostal), penetrando em profundidade e ramificando-se
no Coração e Intestino Delgado.

Figura 24 – Meridiano Distinto do Intestino Delgado


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 56

Trajectos do Sistema Bexiga

Meridiano Principal

1.Trajecto Superficial ou Externo

a) Trajecto cefálico

O meridiano da Bexiga recebe a energia do Intestino Delgado ao nível da parte supero-


externa do ângulo interno do olho (a 0.1 cun por cima do ângulo interno) ponto 1 B de
onde inicia o seu trajecto. Sobe pela frente e segue uma linha paralela à linha média do
crânio, a 1.5 cun por fora desta, até à nuca por baixo do bordo inferior da protuberância
externa do occipital, onde se encontra o ponto 10 B (a 0,5 cun acima da linha posterior
do cabelo a 1.3 cun lateralmente ao ponto médio da linha), na mesma linha do 15 VG,
para se dividir em dois ramos, um interno e outro externo no trajecto dorso-lombo-
sagrado.

O meridiano continua a partir do ponto 10B, descendo vertical e paralelamente à linha


média posterior do corpo (a que une as apófises espinhosas das vértebras) dando lugar
ao:

Ramo interno18

b) Trajecto dorso-lombo-sagrado

O ramo interno do meridiano dirige-se obliquamente para baixo e para dentro, em


direcção à apófise espinhosa da C7, para o 14VG, seguidamente passa à apófise
espinhosa da D1, ao 13 VG, para depois descrever um ângulo recto para fora , atingindo
o ponto 11B, a 1,5 cun do 13 VG (entre a 1ª e a 2ª apófise espinhosa D1-D2). Percorre,
seguidamente as regiões dorso-lombo-sagradas a 1.5 cun da linha média posterior
passando ao ponto 23B, a 1,5 cun do 4VG (entre a apófise espinhosa da L2-L3), até ao

18
Trata-se do ramo interno do trajecto externo do meridiano da Bexiga, não confundir com o ramo
interno propriamente dito.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 57

ponto 30B (ao nível do 4ª buraco sagrado). A partir deste ponto sobe obliquamente, para
dentro, em direcção ao ponto 31B no 1º buraco sagrado, para voltar a descer seguindo a
linha dos buracos do sacro, até ao 34B, no 4º buraco sagrado. Depois passa ao 35B, a
0.5 cun lateralmente ao extremo do cóccix.

c) Trajecto inferior – Do 35B desce ao longo da face posterior da coxa e dirige-se


obliquamente para baixo e para fora, até ao 38B, 1 cun acima do 39B, que se encontra
na extremidade externa da prega de flexão do joelho na fossa popliteia, no lado interno
do tendão do músculo bícipede fémural. Termina no ponto 40B (no ponto médio da
prega transversal poplíteia, entre os tendões do músculo bicipede fémural e do músculo
semi-tendinoso.).

Ramo externo

b) Trajecto dorso-lombo-sagrado

O ramo externo parte do ponto 10B, dirige-se obliquamente para baixo e para fora, até
ao ponto 41B (a 3 cun lateralmente ao bordo inferior da apófise espinhosa da 2ª vértebra
torácica).

Desce verticalmente a partir deste ponto até ao 54B, a 1.5 cun do 30B e a 3 cun do
bordo inferior da apófise espinhosa da 2ª vértebra sagrada, sobre a horizontal do 4º
buraco sagrado.

c) Trajecto inferior. Daqui desce verticalmente ao longo da face posterior da coxa,


cruzando o ramo interno entre os pontos 37 e 38 B (entre os 6 e os 13 cun da prega
transversal do glúteo), e termina no 40B no meio da fossa popliteia.

Meridiano reunificado

c)Trajecto inferior

Os dois ramos unem-se no ponto 40B, e o meridiano desce ao longo da face posterior
da perna até ao 57B, a 8 cun abaixo da vertical do 40B, seguindo obliquamente para
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 58

baixo e para fora, em direcção ao 58B, a 1cun infero lateral ao 57B, entre o gémeo
lateral e o solear e depois verticalmente até ao 60B (entre a proeminência do maléolo
externo e o tendão do calcâneo).

A partir do 60B desce ao 61B (a 2 cun directamente por baixo do ponto 60B - na junção
das peles plantar e dorsal), para tornar a subir para a frente ao 62B (numa depressão
situada a 0,5 cun por baixo do bordo inferior do maléolo externo, directamente abaixo
da sua proeminência). Por fim segue ao longo do bordo externo do pé até ao ângulo
externo do dedo mínimo do pé, no ponto Jing 67B (no bordo lateral do pequeno dedo, 2
mm atrás da raiz do ângulo ungueal).

b)Trajecto Profundo ou Interno

Trajecto cefálico - no seu trajecto cefálico, o meridiano passa pelo 24VG e no ponto 7B
une-se ao Du Mai, no 20VG, para a partir desse ponto penetrar no cérebro. Deste ponto
um ramo externo atinge o ângulo superior da orelha, no ponto 7 VB (está a um dedo
transversalmente anterior ao ponto 20 TA, no cruzamento vertical da implantação
anterior da orelha com a horizontal da implantação superior). Um vaso interno parte do
cérebro, emergindo no ponto 8B, a 1.5 cun do 19VG (1.5 cun posterior ao 20VG).

Trajecto dorso-lombo-sagrado – Ramo interno – Quando o meridiano atinge o ponto


23B, um vaso interno penetra nos rins e de seguida na bexiga.

Trajecto inferior – Do ponto 40B o meridiano envia uma conexão ao 30 VB.


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 59

Trajecto externo e interno do Meridiano Principal da Bexiga

Figura 25 – Meridiano Principal da Bexiga

Ligações
1. Pelo seu trajecto superficial ou externo e pela circulação da energia
a) Circulação superficial (ID B R)
18ID 1B
67B 1R
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 60

b) Pelo seu nível energético


18ID Tai Yang 1B
c) Meridianos Acoplados
Luo Transversal Yuan
58B 3R

2. Pelo seu trajecto profundo


Cérebro (através do 24 e 20VG)
Rim
Bexiga

3. Com os meridianos secundários

a) Vaso Luo Longitudinal – Parte do ponto 58B

b) M. Tendino-muscular – Começa no ponto Jing 67B do meridiano principal e termina


no ponto 18 do ID (ponto de reunião dos meridianos Yang do membro inferior).

c) Meridiano distinto.
Começa no ponto 40B

d) Meridianos Curiosos
Com o Du Mai tem ligações com os seus pontos: 1VG (por intermédio do meridiano
distinto) 13, 14, 16, 17, 20, 23 e 24VG.
O meridiano da Bexiga recebe vasos do Du Mai nos pontos: 1, 11 e 12B.
Yin Qiao Mai – ao nível do 1 B
Yang Qiao Mai – liga-se ao nível dos pontos: 1, 59, 61B, sendo o ponto 62B o seu
ponto chave.
Yang Wei Mai – ao nível do ponto 63B.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 61

B. Vasos Luo
a) Luo Transversal – Parte do ponto 58 B, contorna a parte posterior da perna. Liga-se
ao meridiano do Rim, no ponto 3R.
b) Luo Longitudinal – Parte do ponto 58 B, segue o trajecto do meridiano principal da
Bexiga (membro inferior, ramo externo dorso-lombo-sagrado, trajecto crânial) até ao
ponto 1 B, no ângulo interno do olho. Deste ponto sai um ramo interno que penetra na
boca.
Vasos Luo Transversal e Longitudinal

Figura 26 – Vasos Luo da Bexiga

C. Meridiano Tendino-Muscular da Bexiga


Inicia-se no lado lateral do pequeno dedo, 2 mm atrás da raiz do ângulo ungueal externo
do 5º dedo do pé, no ponto 67B (1), insere-se no maléolo externo (2), dirige-se
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 62

obliquamente para cima, seguindo o bordo anterior do perónio e insere-se na face


externa do joelho (3) depois desce pelo bordo posterior do perónio e insere-se no
calcanhar e na face externa do pé (4)19 . Sobe do calcanhar à fossa popliteia e insere-se
na parte interna (5) (39B). Um outro ramo desce ao meio dos gémeos (6), onde se
insere, sobe ao longo da perna, seguindo o rebordo muscular do gémeo interno, até à
parte interna da região popliteia (10R)20.

Figura 27 – Meridiano Tendino-Muscular da Bexiga

Os dois ramos sobem ao longo da parte posterior da coxa (7) e inserem-se na nádega. O
meridiano sobe ao longo da coluna (8) e chega à nuca; um ramo penetra na nuca e liga-
se à base da língua (9). O ramo principal sobe e insere-se no occipital (10), segue para o

19
Verficando-se uma discordância na descrição do trajecto e figura em Rostan (1978) decidiu-se seguir,
neste parte, trajecto 4 a 5 a descrição de Chamfrault e Van Nghi, 1969).
20
onde se une ao ramo descrito anteriormente Chamfrault e Van Nghi, pp143, (1969)
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 63

cimo da cabeça, desce à zona frontal (11), insere-se no nariz; um ramo estende-se como
uma rede por cima do olho (12) depois desce para se inserir ao lado do nariz.

Um outro ramo nasce atrás da prega axilar, segue por fora e insere-se no 15 IG (13). Um
ramo penetra na axila, em baixo, e dirige-se para cima para o sulco sub-clavicular (14);
sobe e insere-se no ponto 12VB. Um último ramo sai do sulco sub-clavicular e sobe
obliquamente para chegar à asa do nariz (15).

D. Meridiano Distinto
Inicia-se no ponto 40B situado na fossa popliteia. Sobe seguindo o trajecto do
Meridiano Principal da Bexiga, até à região glútea, a 5 cun da linha média posterior
(LMP). Dirige-se para a LMP, até ao cóccix. Penetra em profundidade no ânus Bexiga e
Rim. Segue o bordo lateral da coluna vertebral, ramificando-se no Coração. Atinge a
nuca, onde se liga ao meridiano principal da Bexiga, no ponto 10B.

Figura 28 – Meridiano Distinto da Bexiga


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 64

Trajectos do Sistema do Rim

A. Meridiano Principal

a) Trajecto Superficial ou externo

Começa na planta do pé no 1R (na depressão onde se junta o terço anterior com o médio
da planta do pé). Chega ao bordo interno do pé, no ponto 2R (na depressão infero-
anterior à tuberosidade do osso navicular) cruza o maléolo interno para atingir o ponto
médio entre a proeminência do maléolo interno e o tendão do calcâneo (3R). Desce ao
longo do bordo anterior do tendão do calcâneo, até ao seu bordo interno a 1 cun
directamente por baixo do 3R e sobe ligeiramente passando a 0.4 cun por baixo do
bordo inferior do maléolo interno. Segue ascendendo obliquamente para trás para o 7R a
2 cun por cima da proeminência do maléolo interno, no bordo anterior do tendão do
calcâneo. Daqui sobe pelo lado interno da perna até à extremidade da prega de flexão do
joelho, ao ponto 10R (entre os dois tendões dos músculos semi-tendinoso e semi-
membranoso, no lado interno da fossa popliteia). Sobe ao longo da face postero-interna
da coxa; chega ao períneo e mergulha em profundidade. Emerge ao nível do bordo
superior da sínfise púbica, a 0.5 cun lateralmente à linha média abdominal (11R), segue
ascendendo paralelamente à linha anterior a 0.5 cun até ao ponto 21 R (a 6 cun
superiormente ao ponto 15R - ao nível do umbigo), desvia-se, então, para fora
ascendendo em linha vertical a 2 cun lateralmente à linha média torácica para terminar
entre a clavícula e a primeira costela no 27 R ( no bordo inferior da clavícula, 2 cun
lateralmente à linha média)

b) Trajecto Profundo ou interno

Chegando ao períneo, o Meridiano do Rim emite um ramo que se conecta com o 1 VG.
Segue a coluna vertebral e ascende para penetrar nos Rins, e envia uma conexão até à
Bexiga, passa através do Fígado, atravessa o Diafragma e os Pulmões, passa à garganta
para terminar na raiz da língua. Um ramo interno sai dos pulmões, passa pelo coração e
conecta com o Mestre do Coração (ligação interna Rim – Coração).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 65

Trajecto Externo e Interno do Meridiano Principal do Rim

Figura 29 – Meridiano Principal do Rim

Ligações
1. Pelo seu trajecto superficial ou externo e circulação da energia
a) Circulação Superficial (B →R → MC)
B R
(Jing) (Jing)
67B 1R
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 66

R MC
27R 1MC

b) Pelo seu nível energético


C Shaoyin R
23 VC

c) Meridianos acoplados

R B
Luo Transversal Yuan
4R 64 B

2. Pelo seu trajecto Profundo ou Interno


Órgãos:
 Rim
 Coração
 Fígado
 Pulmão
Vísceras:
 Bexiga
 Aquecedor Inferior (10VC)
Com as vísceras curiosas
 Medula óssea
 Cérebro
 Sistema genital de reprodução

3. Com os Meridianos Secundários


a) Vaso Luo Longitudinal
Parte do ponto Luo 4 R.
b) Meridiano Tendinomuscular
Parte do ponto Jing, 1R.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 67

c) Meridiano Distinto
Parte do 10 R
d)Meridianos Curiosos
Yin Qiao Mai
Começa no 2R, sendo o seu ponto de abertura o 6R.
Yin Wei Mai
Parte do 9R.
Chong Mai
O tronco comum deste meridiano parte do Rim.
Todos os pontos entre o 11 R e o 27R recebem
vasos secundários do Chong Mai.

B.Vasos Luo

a) Vaso Luo Transversal

Parte do ponto Luo, 4R (a 0.5 cun por baixo do 3R, no bordo anterior do calcâneo),
cruza o maléolo interno para chegar à face externa do pé onde se liga ao ponto Yuan do
Meridiano da Bexiga, o 64 B (no lado externo do pé no bordo antero-inferior da
protuberância do 5º metatarso).

b) Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto Luo, 4R em direcção ascendente seguindo o trajecto do Meridiano


principal do Rim nos membros inferiores. A partir do períneo entra em profundidade e
vai até ao nível do 17 VC penetra em profundidade para chegar ao Coração e à parte
posterior da Coluna vertebral, terminando no 11VG, situado debaixo da apófise
espinhosa da D5.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 68

Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Meridiano do Rim

Figura 30 – Vasos Luo do Meridiano do Rim


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 69

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa no ponto Jing 1R, situado na depressão onde se junta o terço anterior com o
médio da planta do pé (1), ladeia o Meridiano do Baço Pâncreas e passa sob o maléolo
interno e insere-se no calcanhar. Liga-se ao meridiano tendino-muscular da Bexiga (2) e
insere-se na parte interna do joelho, sob a cabeça da tíbia; sobe seguidamente com o
Meridiano do Baço Pâncreas pela face interna da coxa (3) de onde se ramifica para os
órgãos genitais; destes e ao nível do 3 VC parte um vaso que contorna os glúteos e
atinge a coluna vertebral (4), ascendendo até à nuca onde se insere sobre o osso
occipital e se une ao meridiano da Bexiga (ao nível dos mastóides).

Figura 31 – Meridiano Tendino-Muscular do Rim


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 70

D.Meridiano Distinto
Parte do 10R (entre os dois tendões dos músculos semitendinoso e semimembranoso, no
lado interno da fossa popliteia) dirigindo-se horizontalmente ao 40 B (no ponto médio
da prega transversal poplíteia entre os tendões do musculo bíceps femural e do músculo
semitendinoso) onde se une ao meridiano Distinto da Bexiga. Ascende pela face
posterior da coxa e região glútea. Penetra em profundidade até ao órgão Rim. Daí
caminha para a superfície para chegar à segunda vértebra lombar (L2) e unir-se ao Dai
Mai. Segue o trajecto circular da cintura até à face anterior do abdómen, junta-se ao Ren
Mai, na linha média anterior e sobe ao lado deste meridiano até à base da língua ao
23VC, (na depressão entre o osso hióide (maçã de Adão) e o maxilar, na linha média
anterior do pescoço) desde este ponto mergulha em profundidade para depois sair ao
nível da nuca no ponto 10 B (a 0,5 cun acima da linha posterior do cabelo a 1,3 cun
lateralmente ao ponto médio da linha) onde se une aos meridianos Distinto e Principal
da Bexiga.

Figura 32 – Meridiano Distinto do Rim


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 71

Trajectos do Sistema Mestre do Coração

A. Meridiano Principal do Mestre do Coração

1.Trajecto Profundo ou interno

O meridiano começa no meio do tórax, no ponto 17 VC (na linha média anterior, ao


nível do 4º espaço inter-costal, entre os dois mamilos) onde se liga internamente com o
Pericárdio. Desce atravessando o diafragma e entra em ligação com os três aquecedores
(Aquecedor Superior, Médio e Inferior). Do 17 VC sai outro vaso que segue pela parede
interna do tórax dirigindo-se até ao 4º espaço inter-costal, de onde sai para o exterior no
ponto 1MC, primeiro ponto do Meridiano, iniciando-se assim o seu trajecto superficial
ou externo.

2.Trajecto Superficial ou externo

Começa no ponto 1 (situado a 1 cun, lateralmente ao mamilo no 4º espaço intercostal).


Segue um caminho ascendente passando por cima do bordo anterior da axila; desce para
percorrer a face antero-interna do braço situando-se entre o Meridiano do Pulmão por
fora (Tai Yin da mão) e do coração por dentro (Shao Yin da Mão). Chega ao ponto 3
MC no meio da prega de flexão do cotovelo, no lado cubital do tendão do bicipede
braqueal, segue pela face anterior do antebraço, entre os tendões dos músculos longo
palmar e flexor radial do carpo, passa pela face anterior do punho entre os dois tendões,
atravessa a palma da mão e termina na ponta do dedo médio (ponto 9MC)21.

21
Para alguns autores no ângulo ungueal externo, do dedo médio, como Chamfrault e Van Nghi, (1969)
ver Figura 5.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 72

Trajecto Interno e Externo do Meridiano do Mestre do Coração

Figura 33 – Meridiano Principal do Mestre do Coração

Ligações

1. Pelo seu trajecto profundo ou interno


 Pericárdio
 Diafragma
 Triplo Aquecedor (Superior, Médio, Inferior).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 73

2. Pelo seu trajecto superficial ou externo e circulação da energia Ying Qi


a) Circulação superficial (R→MC→TA)

R MC
27R 1 MC
(conexão profunda que se realiza na
caixa torácica união interna).

MC TA
(Jing) (Jing)
9MC 1TA

MC TA
8MC 1TA

b) Pelo seu nível energético Jue Yin

MC F

Realiza-se por meio de uma ligação superficial (união externa) com o meridiano do
Fígado através de um vaso secundário que vai até ao 1MC. Esta ligação é assegurada
pelo ponto 18 VC (Vaso de Concepção).

MC C
18VC

c) Meridianos acoplados

MC TA
Luo Transversal Yuan
6MC 4TA
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 74

3. Com os Meridianos Secundários


a)Vaso Luo Longitudinal
 Parte do ponto Luo, 6MC

a) Meridiano Tendino-Muscular
 Parte do ponto Jing, 9MC

b) Meridiano Distinto
 Parte do ponto 1MC

c) Meridianos Curiosos
 Yin Wei Mai: O ponto 6MC é o seu ponto de abertura.

B. Vasos Luo

a)Vaso Luo Transversal

Parte do ponto Luo (6MC) a 2 cun por cima da prega transversal distal do punho,
contorna o bordo radial do antebraço para unir-se ao ponto 4 do Meridiano do Triplo
Aquecedor, situado na prega transversal dorsal do punho, entre os tendões do músculo
extensor próprio do dedo mínimo e do músculo extensor comum dos dedos.

b)Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto Luo (6MC) ascende seguindo o trajecto do seu meridiano principal até
ao ponto 1MC. Afunda no peito, chega à região cardíaca e envia um vaso ao Triplo
Aquecedor.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 75

Vasos Luo do Mestre do Coração

Figura 34 – Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Mestre do Coração

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa na ponta do dedo médio (ponto Jing), mistura-se com o meridiano tendino-
muscular do Pulmão (1), insere-se no lado interno da prega de flexão do cotovelo, sobe
pela face interna do braço (2) para se inserir na axila. Desce e em seguida e ramifica-se
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 76

na parte antero-externa da grelha costal, um ramo penetra no tórax ao nível da axila e


insere-se na face profunda do peito (4) e do diafragma22.

Meridiano Tendino-Muscular do Mestre do Coração

Figura 35 – Meridiano Tendino-Muscular do Mestre do Coração

22
Alguns autores referem a passagem, também pelo triplo Aquecedor.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 77

D. Meridiano Distinto

Parte do ponto 1MC e, num trajecto curto, une-se ao ponto 22VB. Aprofunda-se na
cavidade torácica para chegar ao Coração e Triplo Aquecedor. Um ramo sobe até ao
ponto 23VC (na depressão entre o osso hióide e o maxilar, na linha média anterior do
pescoço), segue pela face externa do pescoço e emerge na parte posterior da cabeça na
região mastóide, no ponto 16 TA (no bordo posterior do músculo
esternocleidomastoideu), onde se une ao meridiano Distinto e Principal do TA.

Figura 36 – Meridiano Distinto do Mestre do Coração


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 78

Trajectos do Sistema Triplo Aquecedor

A. Meridiano do Triplo Aquecedor

1.Trajecto Superficial ou externo

Começa no lado interno do dedo anelar, 2 mm atrás do ângulo ungueal no ponto 1TA,
ascende pela face postero-interna da mão entre o 4º e 5º metacarpo, chega ao punho e
passa pelo 4TA (situado na prega transversal dorsal do punho, entre os tendões do
músculo extensor próprio do dedo mínimo e do músculo extensor comum dos dedos)
para continuar pela face posterior do antebraço entre o cúbito e rádio (com a excepção
do 7TA – no lado radial do cúbito), passa na depressão que se encontra 1 cun
directamente acima do olecrânio (com o cotovelo flectido) e pela face posterior do
braço. Topograficamente situa-se entre o meridiano do Intestino Delgado (Tai Yang) e
do Intestino Grosso (Yang Ming).
Chega ao ombro, segue o bordo superior do trapézio para atingir a base do pescoço e
tocar a ponta dos mastóides. Segue a curva do hélix, desce ao longo do ramo ascendente
do maxilar inferior, para subir até ao rebordo orbital inferior e terminar na depressão
que se forma no extremo externo da sobrancelha (23 TA).

2.Trajecto Profundo e interno


Do ponto 15 TA (a meio da linha que vai da extremidade do acrómio ao ponto 13VG, 1
cun postero-inferior ao ponto 21VB) envia umas ligações internas até ao 12E (na fossa
supraclavicular, a 4 cun lateralmente à linha média). Penetra no peito conectando o
Mestre do Coração (pericárdio), atravessa o diafragma e penetra no Triplo Aquecedor.
Refere-se à existência de um vaso que parte do 17VC sobe ao 13E e depois ao 12E,
passa à nuca, ao 14VG, contorna a base do pescoço e chega ao 16TA, seguindo depois o
trajecto superficial (do 17TA ao 23TA).
Do ponto 18 TA23 (no bordo antero-inferior da apófise mastóide), parte um ramo que
atravessa a orelha, passa pelo 21 e 22 TA para unir-se ao ponto 3 VB (no bordo superior
do arco zigomático, acima do 7E). De seguida desce ao longo do ramo ascendente do

23
Existem bastante divergências quanto ao trajecto interno do Meridiano do Triplo Aquecedor. Segue-se
neste texto a descrição de Chamfrault e Van Nghi (op.cit.) de acordo com a Figura17.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 79

maxilar inferior, cruza o vaso precedente ao nível do ângulo do maxilar e torna a subir
até ao ponto 23TA, depois de se ter unido ao 1VB.

Meridiano Principal da Triplo Aquecedor

Figura 37 – Meridiano Principal do Triplo Aquecedor

Ligações

1. Pelo seu Trajecto Profundo ou interno


 Mestre do Coração (Pericárdio)
 Diafragma
 Triplo Aquecedor
 Ligações internas com a cabeça
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 80

2. Pelo seu trajecto Superficial ou externo e circulação da energia.


a) Circulação superficial (MC → TA → VB)
MC TA
8 MC 1 TA
9MC 1 TA

b) Pelo seu nível energético


TA Shaoyang VB
17 TA 3VB
23 TA 1 VB

c) Meridianos acoplados

TA MC
Luo Transversal Shu / Yuan
5 TA 7 MC

3. Com os Meridianos Secundários

a) Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto Luo, 5 TA

b)Meridiano Tendinomuscular
Parte do ponto Jing, 1 TA

c) Meridiano Distinto
Parte do ponto 20 TA

d)Meridianos Curiosos
Yang Wei Mai: O ponto 5 TA vai ser o seu ponto-chave.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 81

B. Vasos Luo

a)Vaso Luo Transversal


Parte do ponto Luo (5 TA). Contorna o bordo radial do antebraço para unir-se ao ponto
Yuan do Mestre do Coração, ponto 7 MC.

b)Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto Luo (5 TA - na face posterior do antebraço, a 2 cun acima do 4TA entre
o cúbito e o rádio). Segue o trajecto ascendente do Meridiano Principal até aos
deltóides. Dirige-se até à clavícula para o ponto 12 E e desde aí, atingir o ponto 17 VC e
a região do Mestre do Coração.

Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Meridiano do Triplo Aquecedor

Figura 38 – Vasos Luo do Intestino Delgado


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 82

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa no lado interno do dedo anelar (1TA). Insere-se no dorso do punho (1),
percorre a área mediana da face dorsal do antebraço (2) insere-se na extremidade do
cotovelo, percorre a face externa do braço (3) do ombro e do pescoço para se reunir ao
TM do Intestino Delgado. Um dos ramos que nasce sob o ângulo do maxilar inferior
penetra na garganta e termina na base da língua (4); outro ramo sobe a partir do ângulo
do maxilar, passa diante da orelha, liga-se ao ângulo externo do olho (5) passando,
seguidamente, à fronte onde se insere no ângulo fronto-parietal (6).

Figura 39 – Meridiano Tendino-Muscular do Triplo Aquecedor


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 83

D. Meridiano Distinto
Parte do ponto 20 TA (com a orelha dobrada, encontra-se o ponto, na ponta do ápice da
orelha) sobe para se encontrar com o ponto 20 VG (no cruzamento da linha que une os
dois ápices auriculares, com as orelhas dobradas e a linha média antero-posterior da
cabeça). Desde este ponto desce seguindo a abóboda craniana passando por detrás do
pavilhão auricular para chegar ao ponto 16 TA (no bordo posterior do músculo
esternocleidomastoideu, ao nível do ângulo do maxilar). Desce até ao ponto 12 E
penetrando em profundidade no tórax e ramificando-se na região do Coração e Triplo
Aquecedor.

Figura 40 – Meridiano Distinto do Triplo Aquecedor


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 84

Trajectos do Sistema Vesícula Biliar

A. Meridiano Principal

1. Trajecto Superficial ou Externo

a) Trajecto cefálico, nuca e pescoço – inicia-se a 0.5 cun lateralmente ao ângulo externo
do olho, numa depressão no lado externo da órbita (1VB), atravessa o osso malar em
direcção ao 2 VB (na depressão anterior à incisura intra-trágica, com a boca aberta), no
bordo posterior do ramo ascendente do maxilar inferior. Torna a subir, de acordo com
uma curva convexa para baixo e para a frente ao longo da calote craniana parietal, até
ao ponto 4VB, desce ao longo da linha de implantação dos cabelos, na linha que une o
ponto 8E ao ponto 7VB, contorna o pavilhão auricular, por trás, até ao ponto 12VB (na
parte postero-inferior ao osso mastóide, ao nível do 16VG), volta a subir ao longo duma
curva de convexidade semelhante à do pavilhão auricular, posterior a esta, até ao ponto
13VB (a 3 cun lateralmente à linha média da cabeça, 0,5 cun posterior à linha anterior
do cabelo). Voltar a descer pelo crânio por um trajecto paralelo ao do meridiano da
Bexiga até à nuca, onde se situa o ponto 20VB (a 1 cun acima do plano horizontal do
ponto médio da linha posterior do cabelo, entre o ponto médio e o bordo inferior do
osso mastóide, na depressão entre o trapézio e o esternocleidomastoideu).
Desce ao longo da nuca cruzando o Meridiano do TA, segue o bordo superior do
músculo Trapézio e chega ao ponto 21VB (no ponto médio entre a clavícula e o bordo
superior da omoplata, a 1/2 distância entre o 14VG e a ponta do acrómio, na parte mais
alta do ombro). Desde este ponto emite conexões para o 14VG, para o 11B, e para o
12ID através de ramos secundários, contorna a parte anterior do ombro e chega ao 12E.

b) Trajecto dorsal – Ao chegar à fossa supra-clavicular (12E) segue ao longo da linha


axilar anterior até ao 22VB (a 3 cun directamente abaixo da linha média axilar, no 4º
espaço intercostal). Continua em seguida, obliquamente, para baixo e para a frente até
ao ponto 24VB (por baixo do mamilo entre a 7ª e a 8ª costelas), seguidamente dirige-se
para baixo e para trás, em direcção à extremidade livre da 12ª costela (25VB), passa ao
26VB (directamente por baixo do extremo livre da 11ª costela, ao nível do umbigo).
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 85

c) Trajecto Sagrado - Por fim atinge o 27 VB (a 0,5 cun anterior à espinha ilíaca antero-
superior), passa ao 28VB (a 0,5 cun oblíquo-inferior ,e anterior ao ponto 27VB). Dirige-
se para baixo e para trás, passa ao 29VB (no ponto médio entre a espinha ilíaca antero-
superior e o grande trocânter) onde envia um ramo profundo (ver trajecto profundo)
para chegar ao 30VB (na junção do 1/3 médio com o 1/3 lateral da linha entre o bordo
antero-superior do trocânter e o hiato-sacro).

d) Membro Inferior – Do 30 VB desce ao longo da face externa da coxa, do joelho e da


perna, até ao ponto 35 VB (a 7 cun acima da proeminência do maléolo externo, no
bordo posterior do perónio). Passa então ao 36 VB (a 7 cun acima da proeminência do
maléolo externo, no bordo anterior do perónio), desce obliquamente para frente até ao
40VB (Na depressão antero-inferior do maléolo externo, fora do grande extensor dos
dedos). Segue ao longo da face dorsal do pé entre o 4º e o 5º metatarso, até ao lado
externo do 4º dedo do pé, na parte posterior do ângulo ungueal.

2. Trajecto Profundo e Interno

a) Trajecto cefálico, nuca e pescoço – Um vaso auricular parte atrás da orelha, atravessa
a orelha interna e sai à frente desta no ponto 1VB, no ângulo externo do olho. Um
segundo vaso parte do 1VB desce ao 5E, sobe ao bordo inferior da orbita, onde se reúne
ao Meridiano do TA, volta a descer para o ponto 6E, segue pela face lateral do pescoço
até ao ponto 12E. O ponto 3VB recebe um vaso do ponto 17TA.

b) Trajecto dorsal – Entra na fossa supra-clavicular e penetra no peito:


Atravessa o Diafragma, comunica com o Fígado e entra na Vesícula Biliar, segue ao
longo das falsas costelas, para voltar a sair na zona inguinal, no ponto 30E, perto da
artéria fémural. O ponto 21VB emite ramos para o 14VG, o 11B e o 12ID.

c) Trajecto Sagrado - Do ponto 29VB envia uma conexão interna para o 1º buraco
sagrado (31B) unindo-se ao Meridiano da Bexiga até ao 33B (3º sagrado), segue para o
coccis, de onde regressa ao ponto 30VB, contornando a nádega.

d) Membro Inferior – Do ponto 41VB parte outro ramo que termina no 1 F.


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 86

Trajecto externo e interno do Meridiano Principal da Vesícula Biliar

Figura 41 – Meridiano Principal da Vesícula Biliar


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 87

Ligações

1. Pelo seu trajecto superficial ou externo e pela circulação da energia


a) Circulação Superficial TA → VB → F

TA VB
17TA 3VB
23TA 1VB

VB F
44VB 1F

VB F
41VB 1F
(vaso secundário)

b) Pelo seu nível energético

TA ← ShaoYang → VB
17TA 3VB
23TA 1VB

c) Meridianos Acoplados

VB F
Luo Transversal Yuan
37VB 3F

2. Pelo seu Trajecto Profundo ou Interno


Diafragma
Fígado
Vesícula Biliar
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 88

3. Com os meridianos Secundários


a) Vaso Luo Longitudinal
Parte do ponto Luo, 37VB
b) Meridiano Tendino-muscular
Parte do ponto Jing, 44VB
c) Meridiano Distinto
Parte do ponto 30VB
d) Meridianos Curiosos
Yang Wei Mai - Faz conexão com os pontos 13,14,15, 16,17,18,19,20,21,24, 29 e
35VB.
Yang Qiao Mai – Faz conexão com os pontos 20, 29 e 35 VB.
Dai Mai – Faz conexão com os pontos 26, 27, 28VB e o ponto 41VB é o seu ponto
chave
4. Ligações com outros meridianos24
a)Ligações com o Tai Yang (ID e B) e TA
Nos pontos 1,2,10,11,12,15 da VB
b) Ligações com o Yang Ming (IG e E) e TA
Nos pontos 4,5,14,21VB
c) Ligações com o Tai Yang (ID e B)
Os pontos 7,8,9,11,12,23 e 30 recebem vasos do ID e da B

B. Vasos Luo

a) Vaso Luo Transversal

Inicia-se no ponto 37VB, dirige-se para baixo, para o pé, contornando a crista da tíbia,
percorrendo a face anterior da perna e o dorso do pé até ao ponto 3F (na parte proximal
do espaço inter ósseo entre o 1º e o 2º metatarso do pé).

24
No caso do Meridiano da VB a extensão das ligações com outros meridianos principais justificou que
se abrisse o ponto 4.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 89

b)Vaso Luo Longitudinal


Parte do ponto 37VB, desce para os dedos do pé, onde se ramifica.

Vasos Luo Longitudinal e Transversal da Vesícula Biliar

Figura 42 – Vasos Luo da Vesícula Biliar

D. Meridiano Tendino-Muscular

Inicia-se no lado externo do 4º dedo do pé, na parte posterior do ângulo ungueal (1),
insere-se, mais acima na parte anterior do maléolo externo (2), sobe ao longo do bordo
externo da perna e insere-se no lado externo do joelho. Um ramo nasce por cima do
côndilo fémural externo (3) sobe obliquamente para a frente e insere-se por cima do 32E
(4); O ramo principal sobe ao longo da face externa da coxa e da anca donde nasce um
ramo que chega ao sacro (5). O vaso que sobe verticalmente passa pela extremidade
livre das costelas flutuantes (6); daqui um ramo sobe para a frente para o peito e mama e
vai-se inserir na fossa supra-clavicular.

O ramo principal, vertical, sobe à frente da axila (7), atravessa a fossa supra-clavicular,
sai para a frente do Meridiano TM da Bexiga e sobe por trás da orelha (8) até ao ângulo
temporo-frontal. Cruza o seu homólogo do lado oposto, no cimo da cabeça (9). Um
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 90

ramo desce ao longo do ramo ascende até ao maxilar inferior (10), e divide-se em dois
ramos: Um insere-se ao lado do nariz, outro no ângulo externo do olho (11).

Figura 43 – Meridiano Tendino-muscular da Vesícula Biliar


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 91

D. Meridiano Distinto

Parte do ponto 30VB, dirige-se horizontalmente para a parede abdominal anterior, para
o ponto 2VC. A partir deste ponto aprofunda-se até à cavidade abdominal25, para se
ligar ao Fígado, Vesícula Biliar, atravessar o Diafragma e a região cardíaca emergindo à
superfície, ao nível da clavícula. Ascende pela face antero-externa do pescoço, segue
pela face e chega ao ângulo externo do olho (ponto 1VB), onde se liga ao Meridiano
Distinto do F e Meridiano Principal da VB.

Meridiano Distinto da Vesicula Biliar

Figura 44 – Meridiano Distinto da Vesícula Biliar

25
Para Chamfrault e Van Nghi (op.cit.), o meridiano só aprofunda o seu trajecto a partir do bordo inferior
das costelas flutuantes, para onde segue pela parte lateral do corpo depois de passar ao ponto 2VC.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 92

Trajectos do Sistema Fígado

A. Meridiano Principal

1. Trajecto Superficial ou externo

Começa a meia distância entre o ângulo ungueal interno do dedo grande do pé e a


articulação inter-falângica distal (1F), percorre a face dorsal do pé, no prolongamento
do sulco que separa os dois primeiros metatarsos, para chegar ao lado interno do tendão
do músculo extensor próprio do dedo grande ao nível da proeminência do maléolo
interno. Passa à face interna da perna, cruza o meridiano do Baço Pâncreas na face
interna da tíbia atingindo a extremidade interna da linha articular no ponto 8F (na
depressão que se encontra sobre o bordo superior do epicôndilo interno do fémur e à
frente da inserção dos músculos semi-membranoso e semi-tendinoso). A partir daí
percorre a face interna da coxa sobre uma linha mais posterior do que a do Meridiano do
Rim; chega ao púbis, contorna os órgãos genitais e chega ao ponto do 2VC (trajecto
interno, ver seguidamente) passa ao ponto 3 e 4 do mesmo vaso. Daí, continua
obliquamente para cima e para fora até à extremidade livre da 11ª costela flutuante
(13F) e termina o seu trajecto no 14 F (directamente por baixo do mamilo no 6º espaço
intercostal).

2. Trajecto Interno ou profundo

O Meridiano Principal chega à região púbica contorna os genitais externos, penetra no


abdómen e contacta com o aparelho genito-urinário (genitais internos e bexiga) e chega
ao ponto 2VC (no bordo superior da sínfise púbica). Ao chegar à extremidade flutuante
da 11ª costela (13 F) e antes de chegar ao 14 F, conecta novamente com o Vaso de
Concepção no ponto 10VC relacionando-se com o Aquecedor Inferior e Estômago. A
partir do 14 F, penetra em profundidade para passar pelo Fígado e Vesícula Biliar.
Atravessa o Diafragma, ramificando-se na região costal, sobe ao longo da garganta,
passa aos maxilares, chega ao olho, segue pela parte interna da fronte, sobe até à zona
mais alta do crânio para terminar no 20 VG (no cruzamento da linha que une os dois
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 93

ápices auriculares com as orelhas dobradas e a linha média (antero-posterior) da


cabeça).
 Do olho parte um vaso que desce até maçã do rosto e contorna os lábios.
 Do Fígado parte um vaso que atravessa o diafragma para dirigir-se ao 1 P.
 Um vaso conecta com o coração.

Trajecto externo e interno do Meridiano do Fígado

Figura 45 – Meridiano Principal do Fígado

Ligações
1. Pelo Trajecto Superficial ou externo e circulação da energia
a) Circulação superficial (VB → F → P)
VB F
(Jing) (Jing)
44 VB 1F
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 94

VB F
(Vaso Secundário)
41 VB 1F

F P
14 F 1P

b) Pelo seu nível energético


MC JueYin F
Esta conexão faz-se por intermédio de um
vaso superficial secundário e é assegurada pelo 18 VC.
MC F
←18VC→

c) Meridianos Acoplados
F VB
Luo Transversal Yuan
5F 40 VB

2. Pelo seu trajecto Profundo ou interno


- Fígado
- Vesícula Biliar
- Diafragma
- Garganta
- Maxilares (superior e interior)
- Olho
- Lábios
- Pulmão (F → 1P)
- Coração
- Mestre do Coração (F ← 18 VC → MC)
- Bexiga (pelo 4 VC)
- Aparelho Genital (pelo 2, 3 e 4 VC)
- Estômago (pelo 10 VC)
- Aquecedor Inferior (pelo 10 VC)
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 95

3. Com os Meridianos Secundários


a) Vaso Luo Longitudinal
Parte do ponto Luo, 5 F

b) Meridiano Tendinomuscular
Parte do ponto Jing, 1 F

c) Meridiano Distinto
Parte do 5 F

d) Meridianos Curiosos
Yin Wei Mai: no seu ponto comum 14 F
Vaso de Concepção: conecta com os pontos 2, 3, 4 e 10 B
Chong Mai: ao nível do dedo grande

B.Vasos Luo

a) Vaso Luo Transversal

Parte do ponto Luo, 5 F, rodeia a tíbia pela sua parte anterior, dirige-se até à ponta do
maléolo externo para unir-se ao ponto Yuan do Meridiano da Vesícula Biliar 40 VB (na
depressão antero-inferior do maléolo externo, fora do grande extensor dos dedos).

b) Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto Luo, 5 F (junto ao bordo interno da tíbia, 5 cun acima da proeminência
do maléolo interno). Segue o trajecto do Meridiano principal para dirigir-se e ramificar-
se nos órgãos genitais externos.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 96

Vasos Luo Transversal e Longitudinal do Fígado

Figura 46 – Vasos Luo do Fígado


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 97

C. Meridiano Tendino-Muscular

Começa no ponto Jing 1F, a ½ distância entre o ângulo ungueal externo do halux e a
articulação interfalângica distal (1), insere-se à frente do maléolo interno, percorre a
face interna da perna, inserindo-se no joelho sobre a cabeça da tíbia (2), sobe pela face
interna da coxa (3), segue para o abdómen, em direcção ao triângulo de Scarpa, para se
inserir nos genitais externos (4), onde se liga aos outros meridianos tendino-musculares,
no ponto 3 VC.

Meridiano Tendino-Muscular do Fígado

Figura 47 – Meridiano Tendino-Muscular do Fígado


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 98

D. Meridiano Distinto

Inicia-se no ponto 5F (a 5 cun por cima da proeminência do maléolo externo, no lado


interno da tíbia, junto ao bordo interno), sobe ao longo da face interna da perna para
chegar ao ponto 2VC onde se une ao meridiano Distinto da VB. A partir deste ponto
penetra em profundidade no abdómen26 e mantém conexões energéticas com a Vesícula
Biliar e o Fígado, atravessa o diafragma, passa pela região cardíaca e emerge à
superfície, ao nível da clavícula. Ascende pelo pescoço para terminar no ângulo externo
do olho, no 1VB.

Meridiano Distinto do Fígado

Figura 48 – Meridiano Distinto do Fígado

26
Para alguns autores, como Chamfrault e Van Nghy (1969), do ponto 2VC o meridiano caminha ao
longo da face superficial da parede abdominal até ao 13 F e só depois é que entra em profundidade.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 99

Trajectos dos Meridianos Curiosos

1. Meridiano do Vaso Governador – Du Mai

Trajecto Principal27

Nasce nos Rins28 desce aos órgãos genito-urinários, insere-se no períneo no ponto 1VC
( entre o ânus e a raiz posterior do escroto nos homens; entre o ânus e a comissura
posterior dos lábios da vulva nas mulheres), passa pelo ponto do cóccix 1VG (entre o
extremo do osso do cóccix e o ânus) sobe ao longo da coluna vertebral, chega à nuca no
ponto 16VG e penetra no cérebro. Sobe ao cume do crânio, ao ponto 20VG passa pela
fronte, desce ao longo do nariz e pelo meio do lábio superior até ao ponto 28VG (no
freio do lábio superior, na inserção da gengiva), onde se une ao meridiano TM do
Estômago e ao Ren Mai.

Trajecto Profundo ou Interno29

Ao nível dos orgãos genito-urinários, emerge um vaso interno no ponto 2VC e bifurca-
se:

Ramo ascendente ou abdominal – Ramo que segue o MTM do Baço e se lança no


umbigo no ponto 8VC, sobe ao longo da parede interna do abdómen, atravessa o
Coração e sai novamente no peito para se ligar ao meridiano TM da Bexiga. Chega à
garganta e à face, penetra no centro do olho e termina no 1B.

Ramo descendente ou dorsal – este ramo passa aos órgãos genito-urinários, ao recto,
contorna o grande glúteo e liga-se ao TM da Bexiga, volta a subir ao canto interno do
olho 1B e penetra no cérebro. Deste ponto 1B, segue o MP da Bexiga descendo

27
Preferiu-se com Roustan (1978) denominar o trajecto principal e não superficial dado que nenhum
autor o designa como tal e alguns consideram-no interno.
28
Apenas Chamfrault & Nguyen van Nghi (op cti.) referem a origem do Du Mai nos Rins. Roustan
reporta a origem ao ponto 1VC.
29
Roustan, C. (1978) e Pajares & Alepuz – descrevem 4 partes no trajecto interno, conciliando os
diferentes autores, incluindo o Chamfrault e Nguyen van Nghi (op cit.). Contudo a opção deste último
autor pareceu-nos a mais clara e portanto de mais fácil utilização em clínica.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 100

novamente ao longo do pescoço, para a região renal pelo ramo interno do MP da


Bexiga, até ao ponto 23B e penetra nos Rins.

Trajectos externo e interno do Meridiano Curioso Du Mai

Figura 49 – Meridiano Curioso Du Mai

Vaso Luo Longitudinal

Parte do ponto 1VG sobe ao pescoço numa linha paralela à coluna vertebral a 0.5 cun da
linha média posterior, passa ao 16VG e daí:

Um ramo sobe à cabeça e ramifica-se. Outro desce ao ombro e comunica com o MP de


Bexiga, penetra profundamente nos músculos dorso-lombares, alcança a região genital e
une-se ao Ren Mai e ao MP dos Rins.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 101

Figura 50 – Vaso Luo e trajectos internos do Meridiano Curioso Du Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 102

2. Meridiano do Vaso de Concepção – Ren Mai

Trajecto Principal

Tem a sua origem nos Rins chega aos órgãos genito-urinários, insere-se no períneo no
ponto 1 VC, atravessa a região púbica no ponto 2VC, sobe ao longo da linha mediana
ventral, passa ao ponto 4VC segue ao longo da linha mediana do abdómen, peito,
garganta e chega ao queixo ao ponto 24VC. Deste ponto um vazo contorna os lábios e
as gengivas e une-se ao ponto 28 VG, depois divide-se em dois ramos e alcança a face
no ponto 1 do Estômago, penetrando nos olhos30.

Figura 51 – Meridiano Curioso Ren Mai

30
Alguns autores Roustan (op.cit.), Pajares & Alepuz , consideram um segundo ramo que parte da
cobertura uterina Bao Zhong, contorna o útero – penetra no interior da coluna vertebral e sobe até ao
crânio.
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 103

Luo Abdominal

Parte um Luo abdominal do ponto 15VC e insere-se no abdómen, ramificando-se ao


longo dos bordos costais.

Figura 52 – Vaso Luo do Meridiano Curioso Ren Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 104

3. Meridiano Chong Mai

Trajecto

Tem inicio num tronco comum que vai do Rim ao períneo, de onde alcança o 1 VC
Daí divide-se em dois ramos:

1. Um ramo anterior que segue o Ren Mai até ao 4 VC ( a 2 cun por cima do bordo
superior da sinfise púbica). Liga-se ao MP do Rim, no ponto 11 R ( a 0,5 cun
lateralmente à linha média abdominal, ao nível do bordo superior da sínfise púbica) e a
partir deste ponto o meridiano toma três direcções distintas.

Vaso torácico ou ascendente - Do 11 R vai até ao 21 R ( a 1 cun directamente por cima


do 20 R), através das ramificações superficiais do MP do Rim. No decurso deste
trajecto, o Chong Mai envia numerosas ramificações para os MTM dos Intestinos e do
Estômago. No percurso torácico, do 21 R (último ponto do abdómen) até ao 27 R (no
bordo inferior da clavícula) envia numerosas ramificações para os espaços inter-costais.
Sobe à garganta e junta-se ao 23 VC ( na depressão entre o osso hióide, maçã de adão e
o maxilar, na linha média anterior do pescoço). Continua até à face e contorna os lábios.

Vaso da perna ou descendente - Do 11R parte igualmente um outro ramo que vai
seguir o trajecto do MP do Rim ao nível do membro inferior. Percorre a face interna da
coxa, do joelho, da perna, do maléolo interno para ir terminar no bordo interno do pé.
No decorrer deste trajecto envia várias ramificações para diferentes regiões do membro
inferior.

Vaso do pé - Do 11 R, um outro vaso vai ao 30 E ( bordo superior da sínfise pública, 2


cun lateralmente à linha média do abdómen). Desce em linha obliqua na direcção do
maléolo, chega ao dedo grande do pé, contornando-o, para voltar ao maléolo interno,
passa pelos pontos 2R, 1B e 1 F.

2. Um ramo posterior que caminha ao longo da face interna da coluna vertebral.


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 105

Trajecto do Meridiano Chong Mai

Figura 53 –Meridiano Curioso Chong Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 106

4. Meridiano Dai Mai

Trajecto

Depende do meridiano principal da VB e indirectamente do Rim pelo seu meridiano


Distinto. Começa no 26 VB (na vertical do extremo livre da 11ª costela, ao nível do
umbigo), ponto do mesmo nome que o meridiano curioso. Une-se ao meridiano
principal da VB passando pelo 27 VB (0,5 cun anterior à espinha iliaca antero-superior)
e pelo 28 VB (0,5 obliquo inferior e anterior ao 27 VB). Contorna o abdómen e a região
renal como se fosse um cinto.

Figura 54 –Meridiano Curioso Dai Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 107

5. Meridiano Yin Qiao Mai

Trajecto

Depende do Meridiano principal da Bexiga. Começa no 2 R (na depressão infero-


anterior à tuberosidade do osso navicular).

Figura 55 –Meridiano Curioso Yin Qiao Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 108

Passa pelos pontos 6 R (ponto chave, directamente por baixo da proeminência do


maléolo interno, a 0,4 cun por baixo do bordo inferior do maléolo interno) e o 8 R (entre
o 7 R e o bordo posterior da tibia).

Segue ao longo da face interna do membro inferior até penetrar nos órgãos genitais.
Entra no abdómen seguindo a parede interna do mesmo e chega ao tórax. Volta a sair no
12 E ( na fossa supra-clavicular ao nível da linha média clavicular a 4 cun da linha
média frontal). Passa ao 9 E ( ao nível do osso hióide, maçã de adão, entre a carótida e o
bordo anterior do esternocleidomastoideu).

6. Meridiano Yang Qiao Mai

Trajecto
Depende do meridiano principal da Bexiga. Começa no 63 B ( directamente por baixo
do bordo anterior do maléolo externo, na depressão, que se encontra por baixo do osso
cubóide, atrás da tuberosidade, do 5º metatarso) e passa pelo 62 B, ponto chave ( numa
depressão situada a 0,5 cun directamente por baixo do bordo inferior do maléolo externo
e directamente por baixo da sua proeminência).

Passa ao 61 B (a 2 cun directamente por baixo do 60 B na junção entre as peles plantar e


dorsal do pé), e sobe ao longo da face externa do membro inferior pelos pontos 59B (a 3
cun directamente por cima do 60 B, atrás do perónio) e 29 VB ( no ponto médio entre a
espinha ilíaca antero-superior e o grande trocânter).

Daí encontra o 10 ID ( encontra-se directamente por cima do 9ID, abaixo do bordo


posterior da espinha escapular), depois o 15 IG ( no ombro, na depressão situada por
debaixo e à frente da articulação acrómio-clavicular, com o braço na horizontal, entre a
porção média e anterior do deltóide) e o 16 IG ( na depressão entre o extremo acromial
da clavícula e a espinha da omoplata).

Deste último ponto vai à face passando sucessivamente pelos pontos 4 E ( a 0,4 cun
lateralmente ao ângulo da boca), 3 E ( directamente por baixo da pupila, onde está a
cavidade (foramen) infraorbitária), 1 E ( directamente por baixo da pupila, no bordo
infra-orbitário, entre o globo ocular e a órbita) e 1 B ( na parte supero-externa do ângulo
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 109

interno do olho, 0,1 cun por cima do ãngulo interno), ligando-se aí ao meridiano curioso
Yin Qiao Mai.

Termina no 20 VB ( a 1 cun acima do plano horizontal do ponto médio da linha


posterior do cabelo, entre o ponto médio e o bordo inferior do osso mastóide, na
depressão entre o trapézio e o esternocleidomastoideu). depois de ter percorrido o crânio
da frente para trás, no sentido contrário ao Yang Wei Mai.

Figura 56 –Meridiano Curioso Yang Qiao Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 110

7. Meridiano Yin Wei Mai


Trajecto
Está ligado ao meridiano principal do Rim. Começa no ponto 9R (a 5 cun por cima da
proeminência do maléolo interno, no bordo anterior do tendão do calcâneo). Segue a
face interna da coxa e chega ao abdómen, onde percorre os pontos 13 BP (a 1 cun
postero-superior ao 12 BP, 0,7 cun medindo na vertical, a 4 cun lateralmente à linha
média abdominal, vertical do mamilo), 15 e 16 BP (a 3 cun directamente acima do 15
BP). Percorre o tórax para terminar na garganta passando sucessivamente pelos 14F
(directamente por baixo do mamilo, no 6º espaço intercostal), 22 VC (no centro da
depressão que se encontra no bordo superior do esterno), 23 VC ( na depressão entre o
osso hióide, maçã de Adão, e o maxilar, na linha média anterior do pescoço).

Figura 57 –Meridiano Curioso Yin Wei Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 111

8. Meridiano Yang Wei Mai

Trajecto
Depende do meridiano principal da Bexiga. Começa no 63 B (directamente por baixo do
bordo anterior do maléolo externo, na depressão, que se encontra por baixo do osso
cubóide, atrás da tuberosidade do 5º metatarso).

Percorre a face externa do membro inferior passando pelo 35 VB (7 cun acima da


proeminência do maléolo externo, no bordo posterior do perónio) e pelo 29 VB ( no
ponto médio entre a espinha ilíaca antero-superior e o grande trocânter).

Daí vai ao 10 ID (directamente por cima do 9 ID, com o braço naturalmente caído, a 1
cun acima do extremo posterior da prega axilar no bordo posterior do deltóide, abaixo
do bordo posterior da espinha escapular), dirige-se para a linha média posterior,
passando pelos pontos 15 TA (a meio da linha que vai da extremidade do acrómio ao
ponto 14 VG, 1 cun postero-inferior ao ponto 21 VB) e 21 VB, para chegar ao ponto
15 VG ( a 0,5 cun superior ao ponto médio da linha posterior do cabelo) e 16 VG ( a 1
cun superior ao ponto médio da linha posterior do cabelo).

Depois percorre a zona Shao Yang do crânio passando pelos pontos 20 VB (a 1 cun
acima do plano horizontal do ponto médio da linha posterior do cabelo, entre o ponto
médio e o bordo inferior do osso mastóide, na depressão entre o trapézio e o
esternocleidomastoideu), 19 VB (no ponto médio entre o centro do bordo superior da
protuberância occipital e o bordo superior do osso mastóide (ao nível do 17 VG, a 2 cun
da linha média, 1,5 cun acima do 20 VB), 18 VB (a 1,5 cun posterior ao ponto 17 VB,
2,25 cun lateralmente à linha média da cabeça), 17 VB ( a 1,5 cun posterior ao 16 VB,
2,25 lateralmente à linha média da cabeça), 16 VB ( a 1,5 cun posterior ao 15 VB), 15
VB (a 0,5 cun posterior à linha anterior do cabelo, entre a linha média da cabeça e o 8
E, na vertical da pupila), 14 VB ( a 1 cun por cima do ponto médio da sobrancelha, na
vertical da pupila), 13 VB ( a 3 cun lateralmente à linha média da cabeça, 0,5 cun
posterior à linha anterior do cabelo) onde o Yang Wei Mai termina.
Para certos autores o meridiano, no seu trajecto entre o 10 ID e o 15 TA, passa
igualmente pelos pontos 24 VB (por baixo do mamilo entre a 7ª e a 8ª costelas), 13 TA
ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 112

(no bordo posterior do músculo deltóide, contra o úmero, a 3 cun do 14 TA) e 14 IG (à


frente da inserção inferior do deltóide na linha 11 IG – 15 IG, a 7 cun do 11 IG).

Figura 57 –Meridiano Curioso Yang Wei Mai


ESMTC – A Teoria dos Jing Luo – Os Trajectos dos Meridianos e as suas Ligações 113

Índice

Introdução.............................................................................................................. ........ 2
Bibliografia consultada ......................................................................................... ........ 3
A Teoria dos Jing Luo........................................................................................... ........ 5
Os 12 meridianos regulares................................................................................... ........ 5
Os12 meridianos distintos..................................................................................... ........ 7
Os 8 meridianos curiosos...................................................................................... ........ 9
Os Vasos Luo......................................................................................................... .......11
Os 12 meridianos Tendino- musculares................................................................ .......12
As 12 zonas cutâneas............................................................................................. .......14

Os Trjactos dos Sistemas dos Meridianos que se seguem incluem :


Meridiano Principal - trajecto externo e interno; Ligações energéticas;
Trajectos dos Vasos Luo; Trajecto do Meridiano Tendino-Muscular; Trajecto
do Meridiano Distinto.

Trajectos do Sistema Pulmão................................................................................. .......15


Trajectos do Sistema Intestino Grosso.................................................................. .......22
Trajectos do Sistema Estômago............................................................................. .......29
Trajectos do Sistema Baço Pâncreas..................................................................... .......36
Trajectos do Sistema Coração............................................................................... .......43
Trajectos do Sistema Intestino Delgado................................................................ .......49
Trajectos do Sistema Bexiga................................................................................. .......56
Trajectos do Sistema Rim...................................................................................... .......64
Trajectos do Sistema Mestre do Coração.............................................................. .......71
Trajectos do Sistema Triplo Aquecedor............................................................... .......78
Trajectos do Sistema Vesícula Biliar..................................................................... .......84
Trajectos do Sistema Fígado................................................................................. .......92

Trajectos dos Meridianos Curiosos....................................................................... .......99