Você está na página 1de 15

Artigo

publicado
na edição 70
MAI/JUN 2019

Acesse nosso site: w w w. m u n d ologistica. com . b r


A logística na Era 4.0 Empresas se preparam para a transformação,
com o implemento de novas tecnologias e
Por Sandra Cunha
sandra@mundologistica.com.br mudanças de paradigmas

54 www.revistamundologistica.com.br
O conceito de Logística 4.0 nas- o consumo de matéria-prima e pro- Algumas soluções caracterizam
ceu do modelo advindo da Indústria dutos acabados. A Logística 4.0 se esse conceito, como cloud compu-
4.0, na qual tudo é macro, com pro- tornou imperativa, para que as em- ting, Internet das Coisas, machine
dução em grande escala, resultando presas se tornem mais competitivas learning, big data, inteligência arti-
em amplas quantidades de produ- no mercado, no qual os processos ficial, digital twin, entre outras. Fer-
tos. O desafio é reduzir os estoques são agilizados e as entregas otimi- ramentas estas que tornam toda a
e, mesmo assim, fazer com que essa zadas. operação conectada, de máquinas a
produção esteja disponível para De maneira geral, a Logística 4.0 transportadoras e até aos colabora-
cumprir a demanda, sem falhas. pode ser definida como uma evo- dores. O objetivo é manter a logísti-
Para conquistar essa eficiência, lução da logística tradicional e tem ca mais conectada, inteligente e ágil.
é imprescindível que toda a cadeia como premissa básica a necessidade
de suprimentos tenha a mesma sin- de investir em tecnologia para o au-
tonia da Indústria 4.0, diminuindo mento do market share.

EMPRESAS INVESTEM EM TECNOLOGIA E do arMHAzena para equipamentos de robotização liga-


CONECTIVIDADE PARA ESSA NOVA ERA dos a processos de automação, dentro do estoque até o
A Logística 4.0 não é apenas uma perspectiva futura, desenvolvimento de interface, em teste com robô autô-
mas um conceito que já está sendo colocado em práti- nomo para a separação. “Também investimos na inteli-
ca e movimentando sobremaneira as áreas de projeto e gência artificial e conseguimos implementar em alguns
desenvolvimento de empresas que buscam a excelência módulos do produto, fazendo com que os processos de
em suas operações. execução se autoajustem pela demanda de requisição e
Esse é o caso da MHA Sistemas, que possui área de aprendizado input nos processos executados.”
aprendizado e pesquisa e desenvolvimento (P&D) para O conceito do arMHAzena é todo baseado na Logís-
novas tecnologias ou conceitos de evolução tecnológica, tica 4.0. “Uma ferramenta inteligente, que disponibiliza
que possam agregar ao seu produto de gestão de esto- a tecnologia aplicada em tempo real, utilizando níveis
que e cadeia de suprimentos, como o arMHAzena. avançados de automação e comunicação com outros
sistemas. Ferramenta aberta à internet, que pode ser
instalada e acessada de qualquer lugar do planeta, por
meio de computadores, tablets, celulares, coletores de
dados, e TVs inteligentes, compartilhando as informa-
ções das execuções realizadas dentro da gestão logística,
em tempo real, aos seus usuários e gestores”, descreve
Morari.
Segundo ele, a Logística 4.0 ocorre, de fato, quando
as empresas investem em tecnologia e automação, para
que todos os processos se conectem, proporcionando
agilidade às execuções e acesso rápido às informações.
“O arMHAzena possui toda a sua diretriz de utilização
baseada na otimização de processos, autogestão, confia-
bilidade dos processos executados e rapidez na entrega
Marcio Morari, diretor de Projetos da MHA da informação, em diversos formatos, por gráficos, re-
Sistemas. Crédito: Divulgação. latórios, consultas, telas, Application Programming In-
terface (API) e comunicações com outros sistemas ou
De acordo com Marcio Morari, diretor de Projetos
periféricos.”
da MHA Sistemas, nos últimos dois anos, a companhia
Outra empresa que trouxe o futuro para as suas ope-
vem estudando e desenvolvendo controles e interfaces
rações no presente é a Gestran, por meio da tecnologia

55
A logística na Era 4.0

Fretefy, que utiliza a inteligência artificial para conectar em 3 meses de operação, graças ao Fretefy. A empresa
as cargas de embarcadores e transportadoras com os foi motivada por uma busca mais rápida de caminho-
veículos apropriados àquela carga. O objetivo é fazer a neiros para as cargas e a conquista de frete retorno. An-
conexão que seja melhor para todas as partes, levando tes, a transportadora usava planilhas para encontrar os
em consideração a rota, os tipos de carga, a localização motoristas, mas com o Fretefy, basta entrar na platafor-
do veículo e a avaliação do motorista. Assim, em vez de ma e a inteligência artificial já encontra um caminho-
perder tempo buscando o caminhoneiro ideal, a plata- neiro disponível.”
forma indica, em questão de segundos, o veículo mais O gerente completa que o Fretefy pretende lançar
adequado para o frete. novas funcionalidades, que proporcionam facilidades
adicionais aos usuários logísticos, integrações com ge-
renciadoras de riscos, softwares de Enterprise Resour-
ce Planning (ERP) e seguradoras. “Aumentando ainda
mais a transparência e os resultados, almejamos realizar
a integração com o WhatsApp para melhorar a comu-
nicação entre os motoristas, transportadoras e embar-
cadores. Essa integração geraria mais engajamento e
aceleraria a comunicação, para que os fretes venham a
ser realizados com mais velocidade.”
A Dematic também está alinhada ao conceito da Lo-
gística 4.0, fornecendo projetos para a movimentação
e armazenagem de materiais de forma automatizada,
para vários ramos de atividade.

Glaucio Wathier, gerente de Desenvolvimento do


Fretefy. Crédito: Divulgação.

De acordo com o gerente de Desenvolvimento da


plataforma, Glaucio Wathier, o Fretefy é um Softwa-
re as a Service (SaaS), em português significa software
como um serviço. “A maioria das startups, assim como
nós, utiliza esse modelo, por demandar menos recursos
financeiros e tempo. Ao contrário dos softwares tradi-
cionais, que precisam ser instalados no computador, o
SaaS funciona direto do navegador, com mais eficiên-
cia. É leve e soluciona grandes problemas de gestão de
frota e carga.”
Wathier destaca que a inteligência artificial é utiliza- Valdeci Kossar, supervisor de Negócios da Dematic.
da para conectar a carga com o motorista mais adequa- Crédito: Divulgação.
do. Para exemplificar a funcionalidade da tecnologia,
ele cita a Klabin, cliente do Fretefy, que utiliza a solução Valdeci Kossar, supervisor de Negócios da Dema-
publicando o mesmo tipo de carga em horários varia- tic, revela que os produtos fabricados e integrados aos
dos. “Esse processo único economizou 30% do tempo projetos são transportadores motorizados de vários
para a empresa, que, em vez de registrar a mesma car- modelos. “Todos os projetos são desenhados para rea-
ga diversas vezes, automatizou o processo, por meio da lizar a movimentação e a armazenagem dos materiais,
nossa plataforma. A designação de janelas para a cole- bem como coletar informações sobre toda a operação,
ta e entrega é feita rapidamente, com um único clique. que serão disponibilizadas em uma plataforma, na qual
Outro caso de sucesso é da Bom Transporte, uma trans- os gestores estarão habilitados a visualizar e controlar.
portadora que aumentou em 11,3% o seu faturamento, Todos estão diretamente ligados aos pilares do concei-

56 www.revistamundologistica.com.br
to Indústria 4.0, fornecendo meios IOT E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL A SERVIÇO DO RASTREAMENTO EM
para os gestores da operação visua- TEMPO REAL
lizarem e controlarem o sistema, A visibilidade e a localização em tempo real dos veículos reduzem os
facilitando e auxiliando na tomada custos e otimizam a operação, que são fatores inerentes ao conceito da Lo-
de decisões.” gística 4.0. A plataforma RotaExata tem exatamente essa função.
Kossar ressalta que os gestores
têm acesso a todas as informações,
por meio de relatórios de produção,
o que possibilita embasar as deci-
sões, para aumentar a eficiência do
processo. “Os gestores podem atuar
em tempo real, no processo, para
manter a qualidade e antecipar as
ações. Destaco, ainda, a movimen-
tação e a paletização utilizando os
produtos transportadores e robôs
para uma grande fábrica, onde a
produção é coletada no final de
cada linha de produção. O sistema
verifica se as condições do produto
estão dentro do especificado, faz a
separação dos que não estão con- Rodrigo Maciel Klein, diretor-executivo e CEO da
formes e realiza a movimentação RotaExata. Crédito: Divulgação.
até uma área onde todos os produ-
Rodrigo Maciel Klein, diretor-executivo e CEO da RotaExata, afirma
tos são classificados e paletizados
que a plataforma funciona por meio de um dispositivo Internet of Things
de forma automatizada, com o au-
(IoT), com inteligência artificial e que pode ser instalado no veículo. “A
xílio de robôs.”
solução garante que qualquer pessoa possa operar e ter visibilidade sobre
Toda a produção, que passa pelo
a localização, em tempo real, dos veículos, determinar as melhores rotas,
sistema, é registrada utilizando os
alertar sobre as mudanças na operação, prever os atrasos de entregas, o uso
códigos QrCodes impressos nos
de combustível, a velocidade, a quilometragem, a aceleração, a frenagem e
produtos e todas as informações
outras informações valiosas sobre a força de trabalho móvel. Sendo assim,
de produção são disponibilizadas
o sistema permite que as empresas de pequeno a grande portes superem os
para os gestores, em tempo real.
desafios associados ao gerenciamento de frotas e operações logísticas de
“Além disso, cada sensor e atuador
entregas e serviços.”
fornecem aos operadores informa-
O diretor-executivo explica que a empresa utiliza algoritmos inteligentes
ções importantes. A nossa solução
e big data com um só objetivo: extrair dados concisos, que ajudam as em-
é um projeto conectado, em que
presas a gerar valor, e resultados reais em suas operações de campo. “Nosso
o fluxo de 15 linhas de produção
hardware possui duas tecnologias de comunicação, o Sistema Global para
é transportado por meio de três
Comunicações Móveis (GSM) e a comunicação de dados digital sem fio
fábricas, que são unificadas em uma
(Lora), que permitem a redundância de cobertura e maior disponibilidade
área de paletização, com sete robôs
de sinal e segurança para casos fortuitos. Todo veículo de empresa realiza
atuando e um complexo sistema de
algum tipo de atividade em campo, seja uma coleta, entrega, visita ou ser-
transportadores de paletes para en-
viço. Dessa forma, podemos dizer que cada veículo pode ter um tipo de
tregar toda a produção ao armazém
operação específica, que atenda a uma determinada demanda.”
da indústria”, conclui o supervisor.

57
A logística na Era 4.0

Para Edson Ribeiro Filho, di-


retor-adjunto da Kei Tecnologia,
para ser um bom diretor ou gerente
logístico, nessa nova Era da Logís-
tica 4.0, é preciso tomar decisões
rápidas, baseadas em informações
corretas. “É o que chamamos de
inteligência operacional, viabiliza-
da quando se tem acesso à infor-
mação on time. Para isso, é preciso
trazer a transformação digital para
dentro das empresas, deixar traba-
lhos manuais de lado e automatizar
Tecnologia promove o planejamento e a roteirização dos itinerários. Crédito: Divulgação. a cadeia logística até a entrega do
seu produto para o cliente final. É
Estima-se que, em média, um veículo de empresa roda, mensalmente, aí que atuamos, retirando todo o
25% a mais do que o necessário. Grande parte desse problema é causada trabalho manual do embarcador,
pela falta de planejamento e controle das rotas. “Com o sistema RotaExa- automatizando a conferência de
ta, é possível planejar e roteirizar os itinerários, de modo com que possa fretes, a performance do transpor-
acompanhar e fiscalizar se as rotas estão sendo cumpridas conforme o esti- tador, os bids de contratação e o
pulado, inclusive, com parâmetros e alertas determinados. A nossa solução monitoramento em tempo real de
é empregada para aumentar a eficiência das entregas e serviços de campo, sua mercadoria. Fazemos a inte-
otimizar o uso dos veículos e reduzir o custo operacional, uma vez que au- gração total entre o embarcador e o
menta a segurança do veículo, motorista e carga”, acentua Klein. transportador, objetivando a visibi-
“Hoje, por meio do nosso sistema, conseguimos fazer com que os nos- lidade total das operações e o fácil
sos clientes economizem, aproximadamente, R$ 300,00 por mês com cada acesso a informações-chaves, tor-
veículo. Com o serviço de roteirização, por exemplo, registramos uma eco- nando os processos logísticos mais
nomia de 35% em quilômetros rodados e 20% em tempo”, comemora ele. ágeis, eficientes e lucrativos.”
A gestão de fretes e o rastreamento de mercadorias possibilitam aos em- Ribeiro acrescenta que, apesar
barcadores e transportadores trabalharem de forma integrada e em tem- de estar vivenciando a Era 4.0, há
po real, tornando as operações logísticas mais eficientes. A Kei Tecnologia muitas empresas, no Brasil, que
apostou nessas soluções. ainda não se modernizaram e tra-
balham totalmente desconectadas,
sem qualquer integração umas com
as outras, ocasionando uma grande
falta de comunicação, ineficiência,
atrasos e perdas significativas. “Por
isso, focamos os nossos esforços
para integrar e trazer transforma-
ção digital, usando o big data para
dar sentindo às operações logísticas
dos embarcadores e transporta-
dores de todos os portes. O nosso
principal foco é a acuracidade da
informação em tempo real, valiosís-
sima para diretores e gerentes, que
precisam, a todo momento, tomar
Edson Ribeiro Filho, diretor-adjunto da Kei Tecono-
decisões rápidas em relação à ope-
logia. Crédito: Divulgação.

58 www.revistamundologistica.com.br
ração logística.”
O diretor-adjunto prospecta, ainda para 2019, o im-
plemento de mais funcionalidades de rastreabilidade e
business inteligence nas plataformas da empresa, para
proporcionar maior visibilidade e controle operacional
para os embarcadores e transportadores.

Rodrigo Fávero, CEO da Everlog Brasil. Crédito:


Divulgação.

A Everlog Brasil, segundo Rodrigo Fávero, CEO da


Italo Antonucci, supervisor de ADM Vendas e empresa, está completamente alinhada ao conceito.
Gestão de Frete da Yamá Cosméticos. Crédito:
Divulgação. “Utilizamos inteligência artificial, big data, machine
learning e robotização. O principal objetivo é aumen-
tar a nossa eficiência na auditoria de frete e na torre de
Italo Antonucci, supervisor de ADM Vendas e Ges-
controle, robotizando as tarefas diárias, como a análise
tão de Frete da Yamá Cosméticos, destaca o resultado
de logs e a comunicação com as transportadoras. Além
prático da aplicação da solução de integração da Kei
disso, estamos lançando o SmartDash, uma ferramen-
Tecnologia. “Conseguimos reduzir a zero as taxas de
ta 100% SaaS, focada nos embarcadores, que permite
frete indevidamente cobradas e economizamos sig-
a troca de informações em tempo real e possui um big
nificativamente o valor gasto com as transportadoras,
data poderoso, para gerar a inteligência de mercado aos
usando os resultados dos simulados de frete para as
nossos clientes.”
novas contratações. Agora, acompanhamos todo o pro-
Fávero salienta, no entanto, que o principal recur-
cesso de entrega via o rastreamento de mercadorias on
so alinhado à Indústria 4.0 é o processo de seleção das
time, o que possibilitou aumentar a taxa de entregas
transportadoras. “Esse recurso trás poder à logística das
no prazo, acessar os comprovantes de entrega online e
indústrias para escolherem a melhor opção de trans-
controlar a performance de cada transportadora, resul-
porte para cada tipo de embarque.  A solução Smart-
tando no aumento da produtividade logística, de forma
Dash trará maior visibilidade e poder de decisão para
visível, confiável e pontual.”
o embarcador, por possibilitar a análise dos indicadores

de frete online de qualquer dispositivo conectado à in-
O FUTURO É AGORA ternet.”
A Logística 4.0 não é mais uma prospecção, é uma O CEO lembra, ainda, de um caso em que a empresa
realidade e está sendo empregada agora. O fato é que conseguiu diminuir o tempo de liberação das faturas de
está havendo uma transformação do Business to Busi- 40 para 10 dias, graças ao apoio das soluções tecnoló-
ness (B2B) e Business to Consumer (B2C) para o Consu- gicas, refletindo em maior lucro, produtividade, satis-
mer to Business (C2B), em que o cliente é o motor das fação dos transportadores e fluidez nos processos. “Em
atividades. Essa é a logística do futuro, a Era da Logís- 2018, nós crescemos 400%, fomos acelerados no Vale
tica 4.0. do Silício e teremos grandes novidades em 2019.”

59
A logística na Era 4.0

em tempo real e para a análise de desempenho de toda


essa logística, e que embasa as decisões tático-estratégi-
cas, com o efeito em médio e longo prazos.”
Abad explica que a solução centraliza os dados da
operação logística em um centro de controle de ope-
rações integradas, apresentando, em um grande vi-
deowall, mapas digitais de fazendas e talhões, estradas
e rodovias, com a localização em tempo real dos veícu-
los, identificando os caminhões em carregamento, em
fila no campo, retornando carregado, em deslocamento
vazio, em manutenção etc, associados aos motoristas e
tempos envolvidos em cada atividade.
O sistema também monitora a forma como os veícu-
los estão sendo conduzidos, apontando os excessos de
Guilherme Abad, diretor de Marketing da Glo-
balstar. Crédito: Divulgação. velocidade, as freadas bruscas, a formação de comboio,
a fadiga e o uso de celular, alertando os motoristas e ges-
A Logística 4.0 também está no foco da Globalstar. tores da frota para que saiam dessa condição indesejada.
Guilherme Abad, diretor de Marketing da empresa, “Os principais benefícios observados com o uso dessa
lembra que a companhia tem direcionado grande parte solução é a redução de acidentes e o aumento de produ-
dos seus recursos de desenvolvimento em equipamen- tividade pela redução de filas e tempo com o veículo pa-
tos que atendam às crescentes demandas por recursos rado, maior controle da jornada de trabalho e agilidade
de IoT, elementos fundamentais para implementar o no atendimento para as manutenções de gruas e veículos,
conceito de Logística 4.0 em uma operação. entre outros”, complementa o diretor de Marketing.
Abad destaca a linha SmartOne, com rastreadores Outro lançamento, acrescenta Abad, é o Sat-Fi2, que
satelitais para ativos fixos ou móveis, com equipamen- é um modem satelital móvel, que permite a conexão de
tos prontos para o uso, que além de informar a posição, até oito dispositivos em sua rede wi-fi, para, então, usa-
aceitam sinais seriais Transistor-Transistor Logic (TTL) rem a rede satelital Globalstar, realizar chamadas de voz
de fontes externas, que tornam os dispositivos excelentes e trafegar dados com velocidade de 72 kbps. “Iremos
opções para o gerenciamento eficiente de ativos remotos. comercializar o produto pronto para o uso e também
“Estamos lançando, inclusive, a versão solar, para ofere- em versão Original Equipment Manufacturer (OEM),
cer até 8 anos de vida útil às baterias. Além de soluções para que os desenvolvedores possam integrá-los em
prontas para o uso, temos uma variedade de modens e suas próprias soluções.”
chips satelitais, que permitem a comunicação em via úni-
ca ou bidirecional, com o envio de comandos remotos.
Todas as soluções funcionam com tecnologia via satélite.”
O diretor de Marketing cita um caso em que a solu-
ção Globalsat foi um sucesso. “A Creare Sistemas, nossa
parceira de negócios, desenvolveu uma solução para a
otimização de todo o processo logístico do carregamen-
to e transporte de madeira para as empresas da indús-
tria florestal, que é típica de IoT, que utiliza tecnologias
modernas embarcadas nas máquinas e veículos, como
computador de bordo, tablets, Radio-Frequency Identifi-
cation (RFID) e comunicação bidirecional satelital Glo-
balstar. Complementa a solução um conjunto de sof-
twares (firmwares, middlewares, webservices, dashboards,
Business Intelligence (BIs)), que integra e transforma os
Marcelo de Almeida Bueno, CEO da ULMA Handling
dados em informações úteis para a tomada de decisões Systems. Crédito: Divulgação.

60 www.revistamundologistica.com.br
O CEO da ULMA Handling Systems, Marcelo de Bueno exemplifica que o Sistema Supervisor foi im-
Almeida Bueno, revela que todas as tecnologias relacio- plantado nos Laboratórios Cinfa, proporcionando a visi-
nadas à Logística 4.0 são ferramentas que geram valor, bilidade centralizada do CD, tanto da parte mecatrônica,
pois têm um enfoque mais aberto, no negócio. “A logís- quanto de processos de tecnologia da informação e de toda
tica é a grande beneficiada com a transformação digi- a instalação logística, com a opção de se conectar comple-
tal, como consequência das mudanças na experiência tamente na nuvem. “Com essa ferramenta, o Cinfa conse-
de compras de produtos e serviços. O consumidor quer guiu otimizar os indicadores fundamentais, no momento
produtos mais personalizados, tempo de entrega menor de supervisionar o controle da instalação. O sistema colo-
e/ou de formas distintas, entre outros aspectos que faci- ca à disposição informações e ferramentas para a análise
litam a jornada de compra. Para conseguir isso, é preci- visual, com interface amigável para a rápida resolução de
so trabalhar a cadeia logística de valor, apoiando-se na ocorrências geradas na operação, além da tomada de de-
tecnologia, na qual a automatização dos processos é de cisões mais assertiva. A tecnologia também está preparada
grande ajuda.” para as futuras tecnologias, o que permite ao cliente aces-
Bueno esclarece que a companhia está focada em sar informações referentes aos diferentes processos e equi-
uma nova ferramenta-chave para a indústria do fu- pamentos da instalação, a partir de dispositivos móveis.”
turo, proporcionando aos clientes valor agregado em
seus processos logísticos, que é o sistema Supervisor de
Instalações Logísticas. “O objetivo principal dessa fer-
ramenta é englobar todo um parque de centros de dis-
tribuição (CDs) pelo mundo e que cada CD tenha um
sistema supervisor local, que interaja de forma remota
com os dados armazenados na nuvem. Com isso, será
possível dar visibilidade tanto local, quanto centraliza-
da do CD, e global dos processos e das instalações.”
Com a alta disponibilidade de informação e ferra-
mentas de análises, haverá, então, melhor e mais acer-
tada tomada de decisões, com a confiança dos sistemas Robô colaborativo realiza o picking unitário, combinando a au-
tomatização com a flexibilidade e segurança. Crédito: Divulgação.
e do software. “Apostamos em integrar um grande nú-
mero de CDs inteligentes, proporcionando maior adap- O CEO também divulga outra solução alinhada ao
tabilidade às necessidades dos clientes e, consequente- conceito de Logística 4.0, que é o robô colaborativo pes-
mente, aos processos logísticos. O mundo da tecnologia soa-robô, desenvolvido para realizar o picking unitário
da informação e físico das empresas, e a internet se fun- para a preparação de pedidos em centros de distribuição
diram em um único ente”, descreve o CEO. e proporciona um espaço híbrido de trabalho compar-
tilhado por robôs e humanos, combinando a automati-
zação com a flexibilidade e segurança. “Acreditamos que
a transformação digital está melhorando e seguirá avan-
çando na melhoria da qualidade dos processos. Dispor
de maior volume de dados, que permita tomar decisões
e trabalhar em um ambiente em que o virtual e o físico
estão interconectados, é a nova realidade, que está per-
mitindo a otimização dos processos.”
Segundo ele, o objetivo principal desses avanços, que
levam à transformação digital, é a disposição de mais
informações tratadas para facilitar a tomada de decisão.
“Graças aos novos sistemas desenvolvidos, temos a visão
global dos processos e instalações, que, com a ajuda da
nuvem, proporcionarão a melhor qualidade na prestação
Sistema Supervisor da ULMA: visibilidade centralizada com a
conexão na nuvem. Crédito: Divulgação. de serviços”, complementa Bueno.

61
A logística na Era 4.0

AUTOMATIZAÇÃO ALIADA À CONECTIVIDADE E À importantes soluções voltadas à Indústria 4.0, sempre


FLEXIBILIDADE COM RESPONSIVIDADE baseadas na conectividade com os sistemas ERP ou
A automatização e a conectividade estão totalmen- Warehouse Management System (WMS) do cliente. “As
te inseridas na Logística 4.0 e a Jungheinrich entendeu soluções podem ser bem simples, como o sistema de in-
que a aplicação desses conceitos na indústria de intralo- tegração driveNavigation ou warehouseNavigation (sis-
gística é um caminho sem volta. temas que permitem o uso semiautomatizado dos nos-
sos equipamentos de empilhadeiras e selecionadoras).”
Com uma conexão simples de qualquer sistema ERP
ou WMS do cliente, por meio da Logistics Interface, as
empilhadeiras recebem as ordens dos destinos ou arma-
zenagens e conduzem, de forma semiautomatizada, até
o destino, já em um trajeto otimizado. “Sistemas mais
complexos, com alta demanda no mercado brasileiro,
são os Automated Guides Vehicles (AGVs). Também
oferecemos soluções que conectam um conjunto de
AGVs com o sistema ERP do cliente. Resumindo, essas
soluções de integração permitem o monitoramento e o
rastreamento completo do fluxo dos produtos dentro de
uma fábrica”, explica Flotho.
O coordenador afirma que, para 2019, a empresa
Vigold Georg, vice-presidente da Jungheinrich para lançará uma nova selecionadora de pedidos vertical, a
a América Latina. Crédito: Divulgação. EKS 412s, com um desempenho superior e que garante
maior capacidade na coleta de pedidos em alta elevação.
Para Vigold Georg, vice-presidente da Jungheinrich
“É 25% mais rápida do que a sua versão anterior, oferece
para a América Latina, a companhia está preparada
economia de energia superior a 10% e pode ser inte-
para atender às operações no Brasil, com alto grau de
grada ao sistema de integração warehouseNavigation. O
automatização e conectividade. “A automatização pos-
equipamento monitora, em tempo real, a sua posição
sibilita às empresas brasileiras um aumento de perfor-
no armazém e processa as informações do WMS. Essa
mance e redução de custos, além de garantir em 100% a
tecnologia contribui para que a selecionadora chegue
segurança dos operadores.”
na posição final mais rápido e, ao mesmo tempo, evita a
parada na posição errada de picking.”  
O foco em machine learning também é uma ferra-
menta essencial para a Logística 4.0 e a GKO Informá-
tica entendeu essa tendência. Para Ricardo Gorodovits,
diretor Comercial, a empresa tem dado grande ênfase
a essa ferramenta. “Capacita o software para que, por
meio dos dados, possamos aprender as características
específicas do cliente, capacitando-nos a identificar as
tendências, classificar os riscos e tomar decisões inte-
ligentes, o que tem se provado, ao longo do tempo, um
grande aliado na gestão de transporte eficiente.”
Alguns recursos, como a inteligência artificial, já são
utilizados há algum tempo, especialmente no GKO Fre-
te, para o planejamento de embarques, função esta que
Markus Flotho, coordenador de Projetos e Siste- visa reduzir o espaço ocioso nos equipamentos a serem
mas da Jungheinrich. Crédito: Divulgação. utilizados. Outros conceitos, como big data e chatbot, já
Markus Flotho, coordenador de Projetos de Siste- foram objeto da atenção da empresa, especialmente, na
mas da Jungheinrich, acrescenta que a empresa oferece solução Confirma Fácil, na qual está preparando uma

62 www.revistamundologistica.com.br
nova versão do robô para ampliar o leque de respostas e, nesse contexto, a flexibilidade e a responsividade são
que ele será capaz de oferecer. fatores críticos de sucesso. É o que pensa a TOTVS, que,
por meio de Angela Maria Gheller, diretora de Manufa-
tura e Logística, informa que a Torre Digital de Otimi-
zação e Controle Logístico da empresa é um exemplo
bem alinhado a esses conceitos.
De acordo com Angela, a solução trabalha com cir-
cuitos dinâmicos, considerando toda a malha logística
e contemplando a logística reversa. Além disso, é total-
mente personalizável, visto que o engine de otimização
permite “desenhar” regras específicas de cada negócio,
que são consideradas no algoritmo core da solução.
A diretora destaca os aspectos de colaboração, por
meio de interface web, com os transportadores e opera-
dores logísticos, e de visibilidade, por meio das funcio-
nalidades de monitoramento logístico. “Outro aspecto
intimamente ligado à Logística 4.0 é a adoção das novas
Ricardo Gorodovits, diretor Comercial da GKO
Informática. Crédito: Divulgação.
tecnologias, viabilizadas pelo aumento do poder com-
putacional e da conectividade. Essas tecnologias não
Gorodovits lembra que, por meio de machine lear- são os fins, mas representam os meios, para que seja
ning, torna-se possível a automatização de processos de possível atender às demandas desse conceito.”
forma rápida e eficaz, executando tarefas, como inter-
pretação de mensagens, detecção de anomalias e ou-
tras, visando mitigar falhas humanas, principalmente,
quando as atividades estiverem envolvidas com grande
quantidade de dados. “A nossa utilização do chatbot
tem como principal finalidade amenizar as demandas
de Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) nos
questionamentos sobre as notas fiscais e pedidos. O uso
de inteligência artificial já é aproveitado para as esco-
lhas inteligentes de cargas para os embarques conjun-
tos, formatando-as para evitar o fracionamento desne-
cessário e, com isso, reduzindo os custos.”
O diretor Comercial exemplifica como o planeja-
mento de embarque, que a empresa promoveu com
bons resultados obtidos pela HP com a solução, levou à Angela Maria Gheller, diretora de Manufatura e
redução de 25% no custo dos fretes. “A nossa estimativa Logística da TOTVS. Crédito: Divulgação.
é que o chatbot possa reduzir em, pelo menos, 30% as
consultas sobre a posição de carga.” Angela complementa, afirmando que, nesse campo,
A GKO Informática está, no momento, trabalhando existe a TOTVS Carol, que é uma plataforma de dados e
em conceitos de blockchain para o fluxo das informa- inteligência artificial, cujo componente de dados geren-
ções relativas aos transportes, inclusive, financeiras e cia as massas de dados, também conhecidas como big
fiscais, pretendendo lançar até o final deste ano. “O uso data, que são de sistemas transacionais, não estrutura-
de machine learning deve gerar os primeiros resultados dos, fontes externas como bases públicas, redes sociais
concretos a partir do próximo semestre”, prospecta Go- ou clima, ou seja, essencialmente, qualquer fonte de da-
rodovits. dos, que são tratados, saneados e disponibilizados para
Muito da Logística 4.0 consiste na adequação das ati- o uso na plataforma. “O componente de inteligência
vidades e serviços logísticos à dinâmica da Indústria 4.0 artificial compreende machine learning, linguagem na-

63
A logística na Era 4.0

tural (agente virtual) e reconhecimento de imagens. As portation Management System (TMS) ou ERP.
possibilidades são infinitas.” André Nyilas, CEO da Easy Doc, enfatiza que o Easy
Ela lembra que esse produto foi desenvolvido no Doc Capture é customizado para cada cliente, para cap-
TOTVS Labs do Vale do Silício, na Califórnia, e con- turar os comprovantes de entrega em filiais ou centros
ta com as tecnologias mais modernas, nesse campo. de distribuições de indústrias e transportadoras, dis-
“A plataforma pode ser comercializada em conjunto ponibilizando, em tempo real, a informação de entrega
com os pacotes de serviços, para o desenvolvimento de com a imagem do comprovante. Já no Easy Doc Cloud,
aplicativos inteligentes personalizados por cientistas de os dados são processados e é verificada a sua autentici-
dados.” dade, mediante as regras de cada operação. Os trabalhos
Segundo Angela, a empresa também adotou a estraté- manuais de rotina com pesquisa dos comprovantes de
gia de disponibilização de aplicativos embarcados em suas entrega e lançamentos para a baixa são automatizados
soluções especialistas. “Recentemente, lançamos o aplica- com as soluções Easy Doc.
tivo ‘Retenção de Clientes’, que projeta o forecasting de de- O CEO lembra que a companhia foi procurada em
manda de um cliente (considerando os inúmeros modelos dezembro de 2018 por uma das 10 maiores empresas de
e o refinando continuamente, com a projeção por meio alimentos do mundo. “A companhia implementou a so-
de  machine learning), aliado a padrões identificados no lução para a digitalização e gestão dos comprovantes de
comportamento de consumo, e antevê a perda ou a dimi- entrega, inicialmente, em três centros de distribuição.
nuição da frequência de compras dos clientes. Essa é uma O sucesso da implantação foi tão grande que, em dois
sofisticada ferramenta no campo de inteligência comercial meses do go live, a empresa decidiu ampliar a solução
e planejamento de demanda, que possui potencial para a para mais 10 centros de distribuição, no Brasil. O proje-
expansão de escopo, com a aplicação em planos de distri- to está na fase final de implantação.”
buição e nivelamento/otimização de estoques.” Nyilas informa que, em maio, a empresa lançará
um serviço complementar à gestão do comprovante de
entrega: a Central de Inteligência Logística. “Será uma
DECISÕES ESTRATÉGICAS BASEADAS EM DADOS
ferramenta muito poderosa para a gestão dos dados
SEGUROS
apurados no gerenciamento de informações logísticas
O processamento de todos os dados que compõem a
das operações dos clientes. Buscando dar maior visibili-
operação também caminha para o conceito da Logística
dade aos acontecimentos apurados de hora em hora nas
4.0. A tecnologia vem sendo empregada para integrar
operações, a Central de Inteligência Logística Easy Doc
e otimizar todo o processo. Prova disso é o Easy Doc
poderá ser internalizada também pelo embarcador, que
Capture e o Easy Cloud, da Easy Doc. O primeiro é uma
fará o uso das nossas ferramentas.”
tecnologia voltada ao processamento de dados de forma
Segundo ele, essa sempre foi uma demanda latente
descentralizada, integrada a dispositivos, como desktops,
de seus clientes. “O objetivo é mostrar, em tempo real,
tablets ou smartphones, e o segundo, um portal de BI, que
a performance de On Time In Full (OTIF) e On Time
disponibiliza e integra os dados em tempo real ao Trans-
Delivery (OTD), bem como os indicadores de custos
extras e carros parados na porta dos clientes. Com essa
ferramenta e a visão em tempo real, os nossos clientes
podem tomar decisões rápidas, evitando grandes con-
centrações de custos. Será uma ferramenta eficaz para
a operação, pois o painel mostrará os indicadores de
entrega de hora em hora e de acordo com as baixas
enviadas pelos prestadores. A tomada de decisão é um
processo presente no dia a dia das organizações e a in-
tegração entre a informação e a ação passam a ser um
fator decisivo para manter os níveis de serviço.”

André Nyilas, CEO da Easy Doc. Crédito: Divulgação.

64 www.revistamundologistica.com.br
A PALAVRA É MULTIFUNCIONALIDADE passo da evolução da IoT, uma vez que são ambientes
A tecnologia que conecta também tem de ser mul- que concentram dados de diferentes canais e simpli-
tifuncional, para atender às necessidades da Logística ficam drasticamente a complexidade gerada por uma
4.0. Nesse quesito, a Dassault Systèmes afirma ter con- quantidade muito alta de informações criadas por sis-
temas distintos de IoT. “Mesmo com várias aplicações
acessando os dados de um mesmo ambiente, objeto ou
processo, qualquer alteração do objeto estudado reque-
rerá somente uma alteração no seu gêmeo digital, mas
não nas aplicações. Além disso, o digital twin proverá
dados junto a outras tecnologias, otimizando a decisão
e até a automatização de tomada de decisão. Esse assun-
to é endereçado dentro da Dassault Systèmes, na unida-
de Delmia Digital Manufacturing.”
Miyajima ressalta que a otimização é o foco. “Oti-
mização e tomada de decisão são cruciais, quando o
tema é planejamento logístico. Como exemplo, pode-se
citar o planejamento de frotas. No modal ferroviário, o
planejamento de manutenção de locomotivas pode ser
André Miyajima, líder de Soluções de Plane-
jamento e Otimização da Dassault Systèmes. utilizado em situações críticas, para a tomada de deci-
Crédito: Divulgação. sões mais rápidas. Por meio de Analytics, a ferramenta
realiza a predição de soluções prováveis para um mal
quistado o objetivo, com uma plataforma única, deno- funcionamento ou eventos não programados, e as apre-
minada 3DExperience. senta ao planejador.”
De acordo com André Miyajima, líder de Soluções Com relação ao conceito de digital twins, ele exem-
de Planejamento e Otimização da empresa, a plataforma plifica com as smart cities, em que o conceito de gêmeo
agrega diversas funcionalidades para a cadeia de valor e digital está sendo utilizado pela Dassault Systèmes para
manufatura, por meio da oferta de tecnologia moderna, a virtualização total da cidade de Cingapura. “Por 4
alinhada ao conceito de indústria/logística/Supply Chain anos, a divisão National Research Foundation (NRF) de
4.0. “A solução Delmia Quintiq possibilita a modelagem Cingapura tem construído o gêmeo digital da cidade,
matemática de problemas complexos, como o de plane- usando dados 2D e 3D para mapear as calçadas, ruas
jamento logístico ou da cadeia integrada de suprimentos, e, até mesmo, árvores em parques. Por meio de infor-
levando em consideração todos os recursos, restrições e mação dinâmica e em tempo real (obtida, por exemplo,
objetivos de negócio, que são importantes para a tomada de dispositivos de IoT), o governo coleta dados, como
de decisões, em forma de planos integrados e otimiza- temperatura, pressão, umidade, luzes e níveis de ruído,
dos. Esse conceito é conhecido como análise prescritiva, e utiliza o mundo virtual como um ambiente para a co-
que é o próximo passo do Analytics, dentro do espectro laboração entre as diversas agências. Como a questão
de big data.” da circulação de drones, por exemplo, que envolve as
Miyajima enfatiza que é um instrumento podero- autorizações de múltiplas agências governamentais e
so e de grande impacto nas operações e nos negócios regulatórias, em vez de solicitar permissão para cada
das empresas. “Enquanto a análise preditiva (predictive ministério separadamente, um operador de drone po-
analytics) leva à análise de comportamento de dados, derá submeter uma proposta de plano de voo na Cin-
encontrando combinações e fatores de causa e efeito, gapura Virtual, requisitando às agências reguladoras o
para melhor prever ou predizer algum comportamento estudo e a aprovação das licenças de operação. Enquan-
futuro, a análise prescritiva mostra “como” agir ou tomar to isso, outras agências podem estudar oportunidades
uma decisão para melhorar as operações.” de coletar dados, ao longo do mesmo voo, para os seus
Ele lembra que, da mesma forma, dentro do espectro projetos. Esse é somente um exemplo de nossas aplica-
em que os ecossistemas de dados estão inseridos, os cha- ções do conceito de digital twin para os vários tipos de
mados digital twins (gêmeos digitais) estão no próximo negócios.”

65
A logística na Era 4.0

ters mecânicos, normalmente caros e com setup pouco


flexível”, esclarece Perra.
O Company manager informa que, com a LEA, a
empresa gerencia mais de 500 sites, com mais de 7.000
devices, conectados diariamente. “Entre alguns casos de
sucesso, podemos mencionar um grande operador de
correios, junto ao qual suportamos o processo de entre-
gas e pickups com o nosso LEA Last Mile. A ferramenta
usa machine learning para a otimização de cargas e rotas,
permitindo a entrega de mais de 2 milhões de volumes
por dia. Um outro exemplo é uma das maiores plantas
automotivas do mundo, que já opera com o nosso WM,
para a qual estamos em processo de automatização do
Francesco Perra, Company manager da inventário, por meio de drone, com o uso de ML.”
Logistcs Reply do Brasil. Crédito: Divulgação.
Perra completa, afirmando que a companhia segue
a tendência recente das empresas, que, cada vez mais,
Francesco Perra, Company manager da Logistics Re-
optam por frotas dedicadas (próprias ou alugadas). “A
ply do Brasil, conta que a empresa desenvolveu uma pla-
companhia vem suportando os seus clientes com ferra-
taforma alinhada aos princípios da Logística 4.0. “Con-
mentas de visibilidade no transporte, integrando as di-
tando com uma arquitetura cloud native e orientada a
versas plataformas de rastreamento por satélite, mobile,
microsserviços, a plataforma LEA é baseada em padrões
beacon e smart badges, para fornecer controle e visibi-
abertos e capazes de integrar dinamicamente devices,
lidade online de ponta a ponta, em uma única platafor-
como warebles e IoT, e serviços de machine learning, bem
ma, e proporcionando o uso otimizado da frota.”
como analytics ou blockchain. A opção por uma platafor-
ma permite à Reply suportar, de forma ágil, a evolução,
muitas vezes disruptiva, dos modelos de negócio dos ENTREGAS EXPRESSAS E E-COMMERCE SÃO
clientes, nos quais o tempo de reação pode ser vital.” OTIMIZADOS PARA A LOGÍSTICA 4.0
Como exemplo, Perra cita a LEA Reply, plataforma As tecnologias voltadas, especificamente, às entregas
para a Logística 4.0, que fornece um conjunto de solu- expressas e ao e-commerce também são desenvolvidas
ções para a Supply Chain Execution (SCE), solução esta para atender às necessidades da Logística 4.0. Pensando
que oferece uma plataforma única, que combina a ges- nisso, a Maplink desenvolveu, ao longo dos últimos 4
tão de armazéns, a gestão e o planejamento de transpor- anos, a Maplink Urban Logistics Platform (MULP), que
tes, a gestão de recursos (pessoas, infraestrutura e  equi- é a grande aposta da empresa para os próximos anos.
pamentos) e o faturamento, desde a logística inbound
(com o Supplier Portal), no handling (por meio de yard
management, para a gestão dos pátios), dock scheduling
(que adota um modelo de logística colaborativa para
otimizar o processo de agendamento das docas) até o
LEA WM, que a Gartner (empresa de consultoria em-
presarial) coloca entre os líderes globais desse mercado.
Na outra ponta da cadeia, a Logistics Reply do Bra-
sil tem soluções, como hub e last mile, que suportam
a gestão de trânsitos e fornecem total visibilidade nas
redes logísticas. “Todas essas soluções integram equipa-
mentos suportados por machine learning, como drones,
AGV e câmeras inteligentes, que podem ser usados, por
exemplo, no controle dos pátios, na automação do in-
ventário ou no processo de sorting, substituindo os sor- Frederico Hohagen, CEO da Maplink. Crédito:
Divulgação.

66 www.revistamundologistica.com.br
O CEO da empresa, Frederico  Hohagen, explica
que a MULP é uma plataforma de entregas last mile,
criada, especificamente, para solucionar falhas de de- As pessoas
livery de comida e de entregas expressas do mercado precisam estar
de e-commerce. “Com essa solução, grandes operações
podem usar a inteligência artificial e machine learning
preparadas para
para ganhar agilidade e eficiência no preparo/picking, as mudanças
agrupamento, coleta e roteirização dos seus pedidos. O na execução e
principal objetivo é dar controle e visibilidade aos res-
monitoramento
taurantes e operadores logísticos sobre toda o processo
de entrega. Dessa forma, é possível reduzir o risco de dos processos.
erro humano, diminuir o tempo de entrega, melhorar a Esse pode ser o
experiência do cliente final e reduzir os custos de forma maior desafio a ser
eficiente, sem impactar negativamente a eficiência da
operação.”
enfrentado.
Hohagen enfatiza que a empresa mantém um time
de labs, composto por especialistas em machine lear-
e same day delivery. Contudo, cada dia é maior a preo-
ning e inteligência artificial de diversas nacionalidades,
cupação com o custo de frete, visto que isso impacta
dedicado 100% ao aprimoramento da MULP. “A nossa
diretamente o sucesso de uma empresa de e-commerce.
solução de entregas last mile automatiza todo o pro-
Por isso, ter entregas expressas e com custo reduzido é
cesso de expedição do pedido, utilizando princípios da
a maneira ideal para melhorar esse resultado, uma vez
robotização e permitindo o aumento do número de pe-
que as condições de frete se posicionam entre as prin-
didos com a mesma equipe. Além disso, com o uso de
cipais razões de abandono de carrinho em lojas online.
big data, a MULP capta dados históricos de cada opera-
Investindo na eficiência dessas entregas, uma empresa
ção, analisando fatores específicos, como a variação da
pode aumentar a receita, por meio da experiência do
quantidade de pedidos ao longo do dia, o tipo de pedi-
consumidor (com o aumento de vendas) e reduzir os
do e a sazonalidade, para determinar exatamente qual
custos básicos da sua operação”, completa o CEO.
será o tempo de preparo e expedição. Tudo isso garante
maior satisfação dos clientes, uma vez que se tem um
ganho enorme na qualidade dos serviços prestados.” VANTAGENS E DESAFIOS DA LOGÍSTICA 4.0
A MULP se especializou no mercado de food deli- Muitos são os benefícios da Logística 4.0 para o mer-
very, que tem alguns dos desafios mais complexos para cado, entre eles, destacam-se a redução das perdas, vis-
uma operação, tanto do lado do restaurante, quando to que, conhecendo mais sobre os produtos, planeja-se
dos operadores logísticos. “Com o uso da nossa solução, melhores soluções, evitando as perdas com avarias e ex-
alguns dos maiores restaurantes e redes de franquias de travios, por exemplo; o foco na estratégia de negócios,
food, bem como grandes empresas de operadores logís- com processos conectados por meio de softwares que
ticos (entregadores) do Brasil já conseguiram simplifi- monitoram os fluxos de trabalho e informações aces-
car a expedição dos pedidos e melhorar a experiência síveis e sempre atualizadas; a melhoraria da análise de
dos seus clientes finais. Um dos nossos maiores exem- dados, uma vez que com tecnologia de ponta, potencia-
plos de sucesso é a parceria com a Voxline, responsável lizam-se os resultados, otimizando os processos e crian-
pelas operações de redes, como Habib’s e Ragazzo, deli- do estratégias mais eficazes; entre outros.
verys de food com o maior número de entregas, no País”, Contudo, como o conceito está embasado no au-
afirma Hohagen. mento da integração, por meio da conectividade, e para
A Maplink quer ir além e expandir a MULP para que o processo se beneficie na sua plenitude, há de se
outras operações, com foco maior no mercado de promover uma mudança na cultura organizacional. As
e-commerce. “A ideia é garantir as mesmas vantagens pessoas precisam estar preparadas para as mudanças na
das entregas de comida para as operações maiores de execução e monitoramento dos processos. Esse pode
lojas online, seguindo as tendências de entrega expressa ser o maior desafio a ser enfrentado.

67