Você está na página 1de 18

Análise comparativa entre o asfalto

tradicional e o asfalto-borracha
produzido com adição de pó de
borracha como ligante
Discentes: Claudinei, Fernanda, Izaura e Matheus Soni
Introdução
• Aumento da frota de veículos – estrada de qualidade – gerando
conforto e segurança;
• Tenha durabilidade;
• Aumento do número de pneus inservíveis – necessidade de
encontrar um fim ambientalmente correto;
• 450 mil toneladas de pneus/ ano
Introdução
• Surge em 1960 um estudo sobre o uso do pó de borracha –
oriundo de pneus – produção de asfalto;
• Ligante asfático;
• Através de revisão bibliografica – analisar vantagens e
desvantagens do pavimento de asfalto-borracha em relação ao
asfalto tradicional – de estudos dos últimos dez anos
Justificativa
•As pesquisas tem demonstrado a viabilidade do asfalto-
borracha, devido:
•Resistência;
•Menor manutenção;

•Necessidade de aumentar o acervo das pesquisas;

•Questão ambiental
Objetivo Geral
•Desenvolver uma análise comparativa de pesquisas sobre o
pavimento flexível convencional e asfalto-borracha

Objetivo Específico
•Descrever características do asfalto-borracha e do asfalto
convencional;
•Detalhar etapas de execução dos pavimentos;
•Comparar vantagem e desvantagens de cada um dos pavimentos
Fundamentação Teórica

Resíduos

•É um dos maiores problemas sócio ambientais


•Preocupação com a sustentabilidade
•Esforços governamentais e de iniciativa privada para solucionar
este problema
•Os pneus possuem uma estrutura resistente – dificultando a
degradação do mesmo
•É necessário o desenvolvimento de tecnologias para reduzir,
reciclar e reaproveitar esses pneus
Legislação vigente
•Impactos gerados:
•Poluição
•Contaminação do solo
•Proliferação de doenças
•Risco de incêndios
•600 anos para decomposição
•Surgem legislações que regulamentam a destinação dada a esses pneus
•Resolução 258 do Conselho Nacional do Meio Ambiente –
26/11/1999
•CONAMA nº 23 – 12/12/1996
RODRIGUES; HENKES, 2015
Composição dos pneus
•Possui um arcabouço complexo composto de vários materiais:
•Aço
•Náilon
•Vidro
•Borracha
•Polímero
•Químicos reforçadores
•Divididos em quatro partes:
•Carcaça – Sustentação e retenção da pressão
•Talão – Formato de anel e serve para que o pneu seja acoplado ao aro
•Flancos – Elasticidade e protege a carcaça
•Banda de rodagem – Alta resistência, entra em contato com o solo
•Adição de negro fumo para a confecção dos pneus – aumento da resistência e
desempenho – entre 120° e 170° C
RODRIGUES; HENKES, 2015
MELLONE; SANTOS e SHIBAO, 2013
Composição dos pneus
Pneus na pavimentação

•ABNT NBR-7207:1982 define pavimento como sendo uma


estrutura obtida após terraplanagem
•Tem como função:
•Resistir e distribuir os esforços verticais ocasionados pelo
tráfego,
•Facilitar o rolamento – proporcionando comodidade e
segurança
•Resistir aos esforços horizontais
•Ser uma estrutura durável
MELLONE; SANTOS e SHIBAO, 2013
Pneus na pavimentação

•A capacidade estrutural depende das camadas aplicadas e do


coeficientes de elasticidade dos materiais que a mistura
•Assim o uso do pó de borracha do pneu, permite uma mistura
durável e elástica, com menos deformações – aumentando o
desempenho dos pavimentos
•Esse asfalto possui um custo inicial 66% maior que o convencional
•Possui vantagem na execução e manutenção
•Vida útil de 30% maior que o convencional
MELLONE; SANTOS e SHIBAO, 2013
MASSON et al., 2017
Estrutura do Asfalto-borracha
•O revestimento ou capa de rolamento – camada impermeável –
receberá diretamente os impactos do tráfego
•Deve ser resistente e durável, proporcionar conforto ao usuário
•Para a fabricação do asfalto-borracha é realizado primeiramente a
trituração dos pneus, após isso incorporando o pó da borracha do
pneu a mistura. Podendo ser por:
•Via seca: a borracha é acrescentada diretamente ao misturador,
entrando como agregado, perde-se a característica da borracha
•Via úmida: a borracha é acrescentada juntamente com o asfalto
a quente ao misturador - obtém maior uniformidade e
aproveita melhor as propriedades
ALMEIDA e GOMES, 2018
Vantagens do Asfalto-borracha

•Maior resistência do revestimento e capacidade de adesão aos


ligantes
•Aumento da flexibilidade
•Resistência ao envelhecimento e deformações
•Segurança ao usuário do pavimento
•Resultado da substância negro de fumo – protege os pneus do
calor e raios infravermelhos/ultravioletas
•Redução dos custos de manutenção
•Redução da espessura de massa asfáltica em 20 a 30% -
diminuindo o tempo de execução da obra

MATTIA e STEINER, 2017; MASSON et al., 2017; ALMEIDA e GOMES, 2018; RODRIGUES E HENKES, 2015
Resultados
• Almeida e Gomes (2018), a quantidade de massa asfáltica – 30 km –
é de 26.250 toneladas (convecional) e 18.375 toneladas (Asfalto-
borracha)
– Diferença de 30% de uso da massa asfáltica
– O custo de aplicação é de R$200,00 para o convencional e R$230,00 para
o asfalto-borracha. Mesmo assim o asfalto-borracha é 14, 3% mais barato
que o convencional
• Para Rosa et al. (2012), uma mistura com 28% de borracha teve um
aumento no ponto de amolecimento de 49,7° C para 66,5° C –
resultando em um ponto elástico de 81%
– Garantindo assim resistência a deformações permanentes e trincas –
movimenta conforme a temperatura e forças atuantes
Resultados
• Para Rodrigues e Henkes (2015), o tempo para aplicação do asfalto
convencional seria de 3 meses, esse tempo seria reduzido para 2
meses com o asfalto-borracha
– A espessura da massa asfáltica poderia ser reduzida entre 20 a 25% - resultando
em um custo final de 14% menor em relação ao convencional

• Para Mattia e Steiner (2017), o asfalto borracha possui maior recuperação


elástica em relação ao convencional – suporta maiores temperaturas e
possui um sistema mais estável
– Pavimentos mais duráveis – superior adesão entre o ligante e o agregado
– Absorvem maiores deflexões
– Retardo das trincas e fissuras
Conclusão

•O asfalto-borracha possui vantagens técnicas, ambientais e


econômicas
•Mesmo com um custo inicial mais elevado em sua produção –
30% maior
•Custo-benefício elevado em relação ao convencional
•Menor camada de revestimento - gastando menos massa
asfáltica
•Maior durabilidade
•Menos reparos e manutenções
•Conclui-se que o asfalto-borracha é uma alternativa viável para os
pneus inservíveis, além possui um custo-benefício maior
comparado ao convencional
Referência Bibliográfica
MASSON, Terezinha et al. Asfalto-Borracha: Incorporação de Pneus no Asfalto. Disponível em
<http://www.copec.eu/shewc2017/proc/works/14.pdf>. Acesso em: out/2018.
LOPES, Gustavo et al. Estudo da viabilidade de reciclagem de pneus e seu uso na fabricação de asfalto
ecológico. Disponível em <http://web-resol.org/textos/261-919-1-pb.pdf>. Acesso em: out/2018.
ALMEIDA, Viviane S.; GOMES, Cristina C. O asfalto convencional e o asfalto de borracha: Um estudo
comparativo. Disponível em <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/884>. Acesso em:
out/2018.
MELLONE, Gláucia et al. Pavimentação de rodovias com a utilização de resíduos de pneus inservíveis.
Disponível em <https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/REGS/article/view/3547>. Acesso
em: out/2018.
ROSA, Ana P. G. et al . Análise comparativa entre asfalto modificado com borracha reciclada de pneus e
asfalto modificado com polímeros. Disponível em
<http://www.editoradunas.com.br/revistatpec/Art4_N20.pdf>. Acesso em: out/2018.
RODRIGUES, Cristiano M. e HENKES, Jairo A. Reciclagem de pneus: Atitude ambiental aliada à
estratégia econômica. R. gest. sust. ambient., Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 448- 473, abr./set.2015.
MATTIA, Júlio C. V.; STEINER Luiz R. Análise do desempenho de misturas asfálticas quando preparadas
com diferentes tipos de ligantes. Disponível em <http://repositorio.unesc.net/handle/1/5559>. Acesso em:
out/2018.
Obrigado!!!

Você também pode gostar