Você está na página 1de 69

A Epístola aos Filipenses.

Sumário
Introdução à epístola.......................................................................2
Saudação aos filipenses...................................................................5
A gratidão de Paulo aos filipenses.................................................10
A oração de Paulo pelos filipenses................................................14
Tirando proveito de situações ruins..............................................19
Engrandecer a Cristo na vida e na morte......................................25
Conduta digna do evangelho.........................................................30
A unidade que produz alegria........................................................35
A mente de Cristo..........................................................................40
Exercite sua salvação.....................................................................44
O filho e o irmão de Paulo.............................................................50
A verdadeira circuncisão de Deus.................................................54
A arte de fazer as pazes.................................................................59
Nota de agradecimento de Paulo..................................................63
Bibliografia.....................................................................................69

1
A Epístola aos Filipenses.

Introdução à epístola
Introdução
1. De todas as cartas escritas pelo apóstolo Paulo, Filipenses
talvez seja a mais pessoal e emocionante da natureza.
2. É tão reveladora do caráter de Paulo, que a epístola foi
chamada “uma janela para o coração do apóstolo”.
3. Ao longo da epístola, a palavra chave é alegria
a. Observe com que frequência essa palavra (ou uma variação
dela) é encontrada: Fp 1:3-4, 18, 25; 2:1-2, 16-18; 3:1; 4:1, 4.
b. Em vista disso, podemos entender por que alguns chamam
essa epístola de “hino de alegria de Paulo”
4. Quando começamos a estudar esta pequena carta, pode ser útil
ver o valor que este livro tem para nós, especialmente à luz da
sociedade atual

I. A busca da paz de espírito


A. “Paz de espírito” é algo que há muito as pessoas
estão procurando
1. Para encontrá-la, muitos estão engolindo toneladas de
tranquilizantes
2. Além das drogas (medicamentos prescritos e ilegais), há
livros tranquilizadores (por exemplo, best-sellers que prometem
segredos para ter paz de espírito)
B. Mas esses “pacificadores” costumam causar mais
mal do que bem, pois em muitos casos eles falham...
1. Eles falham em proporcionar paz última em face das muitas
realidades duras
2. Eles falham em lidar com o problema do pecado, o
verdadeiro fundamento causa de muita ansiedade

2
A Epístola aos Filipenses.
3. Eles não fornecem paz com Deus, a única base verdadeira
para paz de espírito duradoura
4. Aqueles que confiam em tranquilizantes, sejam livros ou
pílulas, são tentando escapar em vez de enfrentar a realidade
O que tudo isso tem a ver com o livro de Filipenses?

II. Filipenses e a busca da paz de espírito


A. Este pequeno livro foi escrito por um homem que
encontrou a verdadeira paz...
1. Mesmo que ele estivesse preso na época! - Fp 1:12-18
2. Mesmo que em breve ele seja martirizado! - Fp 2:17-18
3. Ele teve a alegria que vem da paz de espírito e queria
compartilhe com os outros! - Fp 4:4-7, 11-13
B. Portanto, aqui estão algumas boas razões para
estudar a epístola aos Filipenses...
1. Revela a natureza da verdadeira paz e alegria!
a. A alegria é encontrada apenas “no Senhor” - Fp 4:4
b. A paz é aquela que “supera a compreensão” e é como
uma fortaleza - Fp 4:6-7
2. Ela revela um homem que fornece um exemplo do que
produz alegria e paz (novamente, a epístola é como “uma janela
para o coração do apóstolo”) - Fp 4:9
a. Seu amor por seus irmãos - Fp 1:8
b. Sua devoção ao Senhor - Fp 1:21; 3:7-11
c. Sua busca pela perfeição - Fp 3:12-14
d) Sua preocupação pelos inimigos da cruz - Fp 3:18
3. Revela Cristo a fonte última dessa alegria e paz!
a. A mentalidade deste Senhor que fornece paz e alegria - Fp
2:5-8
b. A exaltação d’Aquele que dá essa paz e alegria - Fp 2: 9-11

Conclusão
3
A Epístola aos Filipenses.
1. Estas são algumas das razões pelas quais esta epístola é
certamente muito relevante para a vida atual!
2. Você tem a paz que “ultrapassa o entendimento”? A alegria
que é "no senhor"?
a. Caso contrário, espero que você queira aprender mais sobre
isso com este epístola
b. Se não, e você sabe por que e o que deve fazer sobre isso, por
que hoje não faz isso?

4
A Epístola aos Filipenses.

Saudação aos filipenses


Fp 1:1-2

Introdução
1. Em nossa lição anterior, apresentamos o livro de Filipenses
como um livro que é muito relevante para os nossos tempos
2. Quando realmente começarmos o estudo desta epístola,
examinaremos a saudação de Paulo como encontrada nos dois
primeiros versículos...
Primeiro, notamos ...

I. O autor desta epístola


A. Identificado como Paulo...
1. Este é o apóstolo Paulo, é claro
2. Que já foi o perseguidor - At 8:1, 3
3. Mas agora é o "perseguido"
a. Pois está escrevendo enquanto está sob custódia romana -
Fp 1:12-14
b. Durante o período mencionado em At 28:30
B. Ele está acompanhado por Timóteo...
1. Um companheiro de viagem que se juntou a Paulo durante
sua segunda viagem - At 16:1-3
2. Ele era jovem, dedicado a servir a Paulo, a quem ele amava
como um filho - Fp 2:19-22
3. Mais tarde, ele recebeu duas outras epístolas de Paulo (1 e
2 Timóteo)
C. Juntos, eles se auto intitulam servos...
1. Um título de humildade, denota dependência, obediência e
reconhecimento de propriedade
2. Usado em conexão com Jesus Cristo...
a. É uma palavra com verdadeira dignidade
5
A Epístola aos Filipenses.
b. Indica intensa devoção ao Senhor
Tendo considerado os responsáveis pela epístola, daremos uma
olhada naqueles a quem é destinada...

II. Os destinatários desta epístola


A. Identificados como “santos em Cristo Jesus”...
1. O termo santo (gr. hagios) era um termo comum pelo qual
todos os cristãos eram chamados no Novo Testamento
a. Literalmente, significa separado - cf. 1Pe 2:9
b. A ideia básica por trás da palavra é a de separação, com o
objetivo de consagração
2. Mas observe que eles foram chamados santos “em Cristo
Jesus”
a. É Nele que somos separados
b. Somente em virtude de estar Nele e ter nossos pecados
perdoados pelo Seu sangue podemos ser chamados santos - cf.
Ap 1:5-6; 5:9-10
3. É interessante notar o contraste entre “servos” e “santos”
a. Ao usar esses termos, Paulo imediatamente se humilha e
exalta aqueles a quem ele está escrevendo
b. Assim praticando o que mais tarde ele prega em relação a
humildade - cf. Fp 2:3
B. Em particular, são os santos “que estão em
Filipos"...
1. Ou seja, na igreja de Filipos
2. O começo da igreja é encontrado em At 16:9-15
a. Uma visão com um “chamado à Macedônia”
b. Começou com a conversão de Lídia
3. Seu crescimento inicial também é encontrado em Atos 16
(vv 16-40)
a. Com a conversão do carcereiro de Filipos e sua família
b. Com a reunião da igreja na casa de Lídia
c. E com Lucas ficando em Filipos depois da partida de Paulo

6
A Epístola aos Filipenses.
4. Várias coisas podem ser ditas sobre as características da
Igreja
a. Parece ser predominantemente gentílica (a falta de
sinagoga em Filipos sugere isso)
b. Parece ser predominantemente feminina (implicado em se
reunir na casa de Lídia e a referência às mulheres em Fp 4:2)
c. Eles foram muito solidários na pregação do evangelho - Fp
4:15-16
d. Eles ajudaram aos santos necessitados em outras áreas -
2Co 8:1-5
e. Eles cuidaram de Paulo em sua angústia - Fp 4:10, 14
C. Também foram abordados os “bispos e
diáconos”...
1. Neste versículo, vemos a organização de uma igreja local
como Deus planejou
a. É composta de santos (os membros)
b. É supervisionada por bispos
c. É servida com a ajuda dos diáconos
2. Com relação aos “bispos” (traduzidos “superintendentes”
em algumas
versões)...
a. Eram homens encarregados de guardar o rebanho e
providenciar alimento espiritual
b. Eles também eram chamados de anciãos (ou presbíteros)
e pastores - cf. At 20:17, 28; 1Pe 5:1-2
1) Porque eles eram homens mais velhos
2) E eles deveriam alimentar (ou pastorear) o rebanho sob
sua responsabilidade
c. De acordo com o Novo Testamento...
1) Eles tinham que atender a certas qualificações antes de
serem designados para servir como "anciãos/bispos/pastores" -
1Tm 3:1-7; Tt 1:5-9
2) Havia sempre uma pluralidade na congregação, nunca
apenas um - cf. At 14:23; At 20:17; Fp 1:1
7
A Epístola aos Filipenses.
3. Com relação aos diáconos...
a. O termo significa “servos” ou “ministros”
b. Eles também tinham que atender a certas qualificações -
1Tm 3:8-13
c. Eles atendiam às necessidades da congregação, sob a
supervisão dos bispos (anciãos/pastores)
Portanto, os destinatários desta epístola eram uma congregação
bem estabelecida,
Pessoas que demonstraram amor e apoio ao apóstolo Paulo.
Finalmente, notamos brevemente as saudações que lhes foram
dadas...

III. A saudação
A. “Graça”...
1. Esta era a saudação comum dos gregos
2. Fala de desejar favor imerecido e bondade sobre eles
B. “Paz”...
1. Essa era uma saudação comum dos judeus (Shalom)
2. Fala do resultado de receber favor e bondade
C. "...da parte de Deus, nosso pai, e do Senhor Jesus
Cristo”...
1. Esta é a fonte de graça e paz que Paulo deseja que os
Filipenses recebam
2. Pois quando alguém recebe favor imerecido e bondade de
Deus por meio de seu filho Jesus Cristo, a pessoa recebe
verdadeiramente a paz:
a. Paz com Deus - Rm 5:1
b. Paz com os homens - Pv 16:7
c. Paz consigo mesmo - Fp 4:6-7

Conclusão
1. Nesse ponto, podemos ver que essa epístola é uma carta
pessoal entre...
8
A Epístola aos Filipenses.
a. Um homem acorrentado que é acompanhado por um amigo
querido
b. E uma congregação de pessoas santas cujo amor por esse
homem tinha sido demonstrado em várias ocasiões
2. Na próxima lição, examinaremos o “alegre dia de ação de
graças” no parte de Paulo para a comunhão que ele desfrutou
com a igreja em Filipos
Enquanto isso, você está experimentando a graça e a paz que vêm
apenas de “Deus nosso Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo”?

9
A Epístola aos Filipenses.

A gratidão de Paulo aos


filipenses
Fp 1:3-8

Introdução
1. No último estudo, examinamos a saudação de Paulo e Timóteo
aos irmãos em Filipos (1:1-2)
2. Como é bastante comum nas epístolas paulinas, uma expressão
de gratidão segue a saudação
3. Nesta epístola aos filipenses, encontramos a ação de graças de
Paulo nos versículos 3-8, onde podemos olhar para o coração do
apóstolo
Ao examinarmos esta passagem, três coisas se destacam, sendo a
primeira que Paulo é...

I. Grato pelo companheirismo


A. As lembranças da companhia daqueles irmão
eram uma fonte de grande alegria para Paulo
1. Cada vez que ele se lembrava deles, ficava feliz!
2. Essas lembranças eram fonte de alegria frequente, pois toda
vez que Paulo orava, ele os incluía em suas orações.
a. Aqui temos um vislumbre da vida de oração do apóstolo
b. Evidentemente, incluía orações frequentes por aqueles
com quem ele havia trabalhado no passado - cf. Cl 1:3; 1Ts 1:2
3. As memórias felizes foram o resultado de compartilharem
juntos no obra do evangelho
a. “Desde o primeiro dia...”
1) Desde o dia em que Lídia abriu sua casa para ele
2) Conforme registrado em At 16:15
b. “...até agora”.
10
A Epístola aos Filipenses.
1) Isso incluiria o “dar e receber” quando ele partiu da
Macedônia, e também em Tessalônica - Fp 4:15-16
2) E agora que ele está em Roma, com o presente enviado
a ele por Epafrodito - Fp 4:18
B. Isto ilustra a bênção de recordações agradáveis e
a comunhão que elas criam...
1. Memórias agradáveis são uma bênção em tempos difíceis...
a. Apesar da prisão, Paulo podia orar com alegria e gratidão
quando se lembrava dos filipenses
b. Como disse uma pessoa: “Deus nos deu a memória para
que possamos ter rosas em dezembro”1.
2. Mas a memória pode ser uma maldição em vez de bênção!
a. Se passamos nossa vida em pecado e perturbamos
aqueles ao nosso redor, a memória pode ser uma maldição!
b. Como alguém disse: “A maioria das pessoas vive a
primeira metade de sua vida tornando a segunda metade
miserável”!
c. Para que as memórias sejam uma bênção para nós,
devemos ser uma bênção para outras pessoas!
3. O tipo de comunhão experimentada entre Paulo e os
filipenses cria as memórias mais preciosas!
a. Comunhão no evangelho de Cristo!
b. Cooperação na divulgação da Palavra, seja diretamente,
ensinando ou indiretamente apoiando aqueles que ensinam
Quão reconfortante deve ter sido para Paulo, embora
experimentando prisão, ser capaz de olhar para trás, para sua
relação com os filipenses com recordações tão felizes! Que tipo
de lembranças estamos criando hoje? Isso afetará o tipo de futuro
que teremos!
Enquanto Paulo continua sua expressão de gratidão, ele escreve
que está...

1
JAMES BARRIE Citado por: Therese Fowler in “Souvenir”
11
A Epístola aos Filipenses.
II. Confiante que deus concluirá sua obra
A. A base para tal confiança...
1. Certamente, envolve a fidelidade do próprio Deus, como
expresso ao longo das Escrituras
a. Ajudando-nos a lidar com as tentações - 1Co 10:13
b. Concedendo perdão quando sucumbimos às tentações -
1Jo 1:9
2. Mas Paulo também considerou a fé dos filipenses
a. Eles estavam dispostos a compartilhar de suas correntes -
cf. Fp 2:29-30
b. Eles estavam dispostos a compartilhar a defesa e a
confirmação do evangelho (através do apoio a Paulo)
c. Como tal, eles estavam compartilhando a graça de Deus!
B. Esta passagem nos lembra que não estamos
sozinhos em nosso crescimento como cristãos.
1. Que Deus começou uma boa obra em nossa conversão, uma
obra que envolve:
a. Sua providência, em nos fazer ouvir o evangelho - Tt 2:11
b. Nossa regeneração, segundo sua misericórdia - Tt 3:4-7
2. À medida que continuamos a desenvolvar nossa salvação,
Deus está bem ali conosco:
a. Certamente devemos prosseguir com Deus - Fp 2:12
b. Mas Deus está realmente trabalhando em nós! - Fp 2:13
c. E Ele fornece toda a ajuda de que precisamos - Fp 4:13
3 . Este Divino Socorro estará conosco até o dia de Jesus Cristo
a. O dia em que Cristo virá para ser glorificado - 2Ts 1:10
b. No mesmo dia seremos glorificados com Ele, em virtude
da bondade de Deus e do sacrifício de Cristo - 2Ts 1:11-12
Com essa ajuda como base de nossa confiança, temos a certeza
que somos participantes da graça de Deus e que Ele completará
Sua obra em nós! (mas observe cuidadosamente Hb 3:12-14).
Finalmente, notamos nesta ação de graças de Paulo...

12
A Epístola aos Filipenses.
III. Sua profunda afeição por eles
A. Ao expressar a profundidade de sua afeição...
1. Ele clama a Deus como testemunha!
a. Ele que conhece os corações de todos os homens
b. E certamente Quem conhece o coração de Paulo!
2. Ele o descreve como terna misericórdia de Jesus Cristo!
a. Ou seja, o mesmo tipo de amor que Jesus tem por nós
b. Assim como Jesus ordenou a Seus discípulos, que se
amassem como Ele nos amou - Jo 13:34
B. Este tipo de amor deve caracterizar todos os
discípulos...
1. É assim que o mundo saberá que somos verdadeiramente
os discípulos de Jesus - Jo 13:35
2. Tal amor só vem sendo ensinado por Deus - cf. 1Ts 4:9-10
3. E como Ele nos ensina? Por meio do exemplo de Seu próprio
Filho! - 1Jo 3:16

Conclusão
1. Quão próximo Paulo deve ter se sentido dos irmãos em Filipos!
2. E isso é compreensível, porque foram as agradáveis lembranças
de sua comunhão no evangelho de Cristo que deu a Paulo tanta
alegria e confiança no bem-estar dos filipenses
3. Observe como todas essas coisas se relacionam:
a. Alegria e confiança vêm de memórias agradáveis
b. Lembranças agradáveis vêm da comunhão no evangelho de
Cristo
4. Se nos falta a alegria e a confiança que desejamos, a chave é
criar memórias agradáveis, cooperando com outros servos de
Deus na disseminação do evangelho!
5. Finalmente...
a. Deus começou uma boa obra em você?
b. Se começou, Ele a completará até o dia de Jesus Cristo!

13
A Epístola aos Filipenses.

A oração de Paulo pelos


filipenses
Fp 1:9-11

Introdução
1. Fiel à forma encontrada em várias de suas epístolas, Paulo
segue sua saudação e ação de graças com uma oração por seus
leitores
2. Em 1:9-11, encontramos a oração que revela Paulo está
preocupado com quatro coisas no crescimento e
desenvolvimento espiritual dos irmãos em Filipos
A primeira delas é...

I. Que seu amor possa crescer.


A. “Ainda mais e mais”...
1. Vimos onde eles se destacaram no amor a Paulo e a outros
no passado
a. Para Paulo - Fp 4:15-16
b. Para os santos necessitados em Jerusalém - 2Co 8:1-5
2. Mas um princípio fundamental do crescimento cristão é que
ele nunca deveria parar!
a. Ao desenvolver as graças de um caráter semelhante a
Cristo, nós deve sempre aumentar - cf. 2Pe 1:5-8
b. Mesmo se não precisarmos de alguém para nos ensinar
"como" amor, sempre podemos usar a advertência para
"aumentar" nosso amor! - 1Ts 4:9-10
3. E assim, Paulo ora para que o amor deles seja abundante
"ainda mais e mais"
B. "Em conhecimento e todo o discernimento".

14
A Epístola aos Filipenses.
1. Estas são as "diretrizes" nas quais o amor delas deveria
abundar
a. "no conhecimento" - de acordo com os princípios morais
corretos (que vem da Palavra de Deus)
b. "todo discernimento" - usando a sabedoria para aplicar
essas princípios mais efetivamente (essa sabedoria vem de pedir
por isso em oração - Jo 1:5; Pv 2:1-9)
2. Assim, a oração de Paulo é que o amor deles seja abundante
pelo direito coisas e da maneira certa!
Se Paulo achou que isso era necessário para os filipenses, quanto
mais para nós mesmos hoje! Que nunca fiquemos satisfeitos com
o grau de amor que possamos ter, mas nos esforçamos para
aumentar nosso conhecimento e sabedoria de como amar os
outros com mais abundância.
Enquanto Paulo continua, é sua oração pelos filipenses...

II. Que possa experimentar as coisas que


são excelentes
A. O "Objetivo" De abundar o amor ainda mais e
mais?
1. É possível que Paulo esteja sendo progressivo em seus
pensamentos aqui
2. Ou seja, ao invés de apenas listar quatro pensamentos
iguais, mas não relacionados nesta oração, cada um dos quatro
está relacionado e os três últimos baseiam-se nos pensamentos
que os precedem (uma forma de paralelismo progressivo
"semelhante a um bastão" comum nos escritos hebraicos)
3. Se for esse o caso, então Paulo está explicando "por que"
nosso amor deve abundar...
B. "Pode aprovar as coisas que são excelentes"...
1. "Aprovar" é "tentar, testar, demonstrar"

15
A Epístola aos Filipenses.
2. Esta passagem é uma reminiscência de Rm 12:2, onde
aprendemos que é "provar o que é essa vontade boa, aceitável e
perfeita de Deus"
3. Prove para quem?
a. Para nós mesmos? Certamente...
b. Mais ainda, provar aos outros que o caminho de Deus é o
melhor maneira! - cf. 1Pe 2:15
Portanto, abundando no amor ainda mais com todo o
conhecimento e discernimento, somos capazes de demonstrar
por nossas "ações" que Deus caminho é o caminho mais
excelente! Mas há outra razão, pois continuamos a ver que Paulo
é preocupado com os filipenses...

III. Que possam ser sinceros e sem ofensa


A. Definir "Sincero" E "Sem ofensa"...
1. "Sincero" envolve:
a. Tendo perfeita abertura para com Deus e o homem
b. Com a consciência limpa (não hipócrita)
2. "sem ofensa" significa não proporcionar ocasiões para que
outros tropeçar - Rm 14:13
B. Tais virtudes serão encontradas naqueles que
são...
1. Abundando no amor cada vez mais, no conhecimento e em
todos discernimento!
2. Aprovar as coisas que são excelentes por sua conduta!
- Vê a progressão de Paulo no pensamento?
C. A preocupação de Paulo é que estas virtudes
durarão "Até o dia de Cristo"...
1. Esta é a segunda vez nesta epístola que Paulo se refere
neste "dia" (cf. 1:6)
2. Ele está se referindo ao dia em que Cristo voltará, um dia de
"destruição" para alguns, mas "glória" para outros! - 2Ts 1:7-12

16
A Epístola aos Filipenses.
3. Talvez a preocupação de Paulo de que essas virtudes de ser
"sinceras e sem ofensa "que dura até o dia de Cristo é baseado
em o que acontecerá com aqueles no reino que são culpados de
tais coisas - cf. Mt 13:41-43
Uma advertência tão forte do próprio Jesus deve nos encorajar a
tomar as pensamentos de Paulo muito a sério!Finalmente,
notamos na oração de Paulo pelos filipenses uma preocupação
por deles...

IV. Estar cheio de frutos da justiça


A. Que parece resultar em...
1. Abundando no amor cada vez mais no conhecimento e em
todos discernimento
2. Aprovar as coisas excelentes
3. Ser sincero e sem ofensas
- Repare novamente no paralelismo progressivo "parecido
com uma roda"!
B. Tais frutos são possíveis apenas "Por Jesus
Cristo"...
1. Pois sem Ele, não saberíamos o que realmente é o
verdadeiro amor! - Jo 3:16
2. Pois sem Ele, não teríamos a capacidade de demonstrar o
que é excelente - cf. Fp 4:13
C. Tais frutos devem ser oferecidos "à glória e ao
louvor de Deus"...
1. Assim como Jesus disse ao deixar nossa luz brilhar - Mt 5:16
2. Assim como Pedro escreveu ao falar de nossas boas obras -
1Pe 2:12
3. E com razão, pois é Deus quem, através do dom de Seu Filho
tem...
a. Nos mostrou o que realmente é o amor
b. Ensinou-nos o que as coisas são realmente excelentes aos
Seus olhos.
17
A Epístola aos Filipenses.
c. Nos capacitou a ser capaz de demonstrar a excelência de
Sua Vontade, para que sejamos sinceros e sem ofensa!

Conclusão
1. Essa é a oração de Paulo pelos Filipenses, por uma igreja que
teve demonstrou que é amor e fidelidade a Paulo uma e outra vez
2. Por mais excelente que a igreja fosse, Paulo ainda podia orar
para que eles abundam ainda mais e mais!
3. Quanto mais, então, devemos! Que possamos fazer a oração de
Paulo, e faça isso por nós mesmos e pelos irmãos que
conhecemos!

18
A Epístola aos Filipenses.

Tirando proveito de situações


ruins
Fp 1:12-18

INTRODUÇÃO
1. Ao dar continuidade às nossas reflexões, devemos realmente
começar a apreciar a afirmação de que “esta epístola é como uma
janela para o coração do apóstolo”.
2. Já vimos a bondade de Paulo pelos santos de Filipos, expressa
em sua ação de graças (1:3-8) e oração (1:9-11)
3. Nesta reflexão, veremos a alegria de Paulo, apesar das
circunstâncias pelas quais passava, o que faria com que muitas
pessoas ficassem desanimadas
4. O título deste sermão é “Tirando proveito de situações ruins”, pois
isso é o que Paulo fez, como veremos em nosso texto (1:12-18)
Observe primeiro que Paulo estava “tirando proveito de situações
ruins”, até...

I. EM PRISÃO
A. Paulo os informa do progresso do evangelho
1. Os filipenses estavam cientes das circunstâncias de Paulo -
cf. Fp 4:14
2. No entanto, ele não quer que seus leitores se preocupem
demais
a. Pois ele tinha “boas notícias” - não más!
b. O “evangelho” ainda estava sendo espalhado!
3. Agora, Paulo poderia ter olhado para o lado ruim de sua
situação...
a. Sua própria prisão
b. Sua restrição nas viagens
19
A Epístola aos Filipenses.
4. Mas Paulo olhou para a vida do ponto de vista do
evangelho...
a. Se o evangelho estava se espalhando, eram “boas novas”!
b. E sua prisão estava realmente contribuindo para o
progresso do evangelho!
Como? Vamos ler...
B. Havia sermões em suas cadeias
1. Estar sob “prisão domiciliar” (cf. At 28:30-31)
constantemente referência à causa de Jesus Cristo
a. Ele não estava lá por motivos (crimes) normais
b. Então, sua situação naturalmente despertava interesse e
discussão
2. Desse modo, a mensagem do evangelho estava sendo
divulgada à “toda a guarda pretoriana”
a. Provavelmente os próprios guardas do imperador, que
foram encarregados de prisioneiros especiais aguardando sua
apelação perante César
b. Embora tenha permitido alguma liberdade, Paulo ainda
estava sob constante guarda - cf. At 28:16
c. Mas esses guardas também estavam sob a constante
influência de Paulo e do evangelho!
1) Eles não puderam deixar de ouvir o que Paulo ensinou
aos outros! - novamente cf. At 28:30-31
2) É quase certo que Paulo teria tentado ensinar sua
“audiência cativa” (aqueles soldados acorrentados a ele)
d. Portanto, é possível que alguns deles tenham sido
convertidos (pois eles seriam incluídos naqueles “que são a casa
de César” - cf. Fp 4:22)
3. A mensagem também estava sendo espalhada para “todos
os demais”
a. Talvez de boca em boca
b. E por visitação - novamente cf. At 28:30-31
4. E assim, Paulo podia ver o bem numa situação ruim!

20
A Epístola aos Filipenses.
a. Estar sob custódia protetora deu-lhe liberdade para pregar
o evangelho aos guardas e aos seus visitantes!
b. Mas ele viu ainda mais proveito naquela circunstância...
C. Seu exemplo estava levando outros a agir
1. Sua prisão fez com que muitos irmãos ficassem mais
confiantes e ousados
a. Eles viram que Paulo tinha liberdade para pregar, “com
toda a intrepidez, sem impedimento algum” (At 28:31)
b. Isso os levou a anunciar a palavra de Deus sem medo (Fp
1:14)
2. Então o evangelho estava sendo espalhado, e para Paulo,
isso é boa notícia!
Existe uma aplicação a fazermos hoje, mas antes de fazermos isso,
vamos notar outro exemplo de como Paulo estava “tirando
proveito de situações ruins”, até...

II. EM PERSEGUIÇÃO
A. Alguns pregam para ferir Paulo
1. Esses indivíduos foram motivados por “inveja”, “porfia” e
“discórdia”
2. Pensavam estar adicionando aflição às correntes de Paulo
3. Esses indivíduos podem ser “judaizantes” ou líderes
ciumentos da igreja
B. Mas vemos a alegria de Paulo ao invés de
pessimismo
1. Primeiro, porque ele não perdeu de vista aqueles que
pregavam lá fora “por amor” e “de boa vontade”
a. Eles sabiam que Paulo estava preso por causa do
evangelho
b. Aqueles que conheciam seu ensino anunciariam o
evangelho e isto encoraja Paulo
c. E assim, Paulo não caiu na armadilha da autopiedade e do
desespero tão comum entre os pregadores de hoje
21
A Epístola aos Filipenses.
1) Que, quando perseguidos, pensam que eles são os
únicos que são fiéis
2) Que, quando perseguidos, perdem de vista os fiéis por
causa dos infiéis
2. Segundo, porque ele podia ver aqueles que procuravam
persegui-lo inadvertidamente espalhando o evangelho! - Fp 1:18
a. Embora discordassem, ainda que por inveja e disputa,
Cristo foi ainda continua sendo pregado!
b. E já que “pregar Cristo e Ele crucificado” era o principal
objetivo da vida de Paulo (cf. 1Co 2:2), ele poderia encontrar uma
causa para regozijar-se mesmo quando Cristo foi pregado por
aqueles que o quiseram prejudicar!
Então, vemos como Paulo estava “tirando proveito de situações
ruins”, mesmo na prisão e em perseguição. Que aplicações
podemos fazer com disso hoje?

III. ESBOÇANDO ALGUMAS APLICAÇÕES


A. Compreendendo o segredo para fazer o bem.
1. Para Paulo, estava em fazer da proclamação do evangelho
de Jesus Cristo seu objetivo, seu propósito na vida, sua maior
alegria!
2. Assim pode ser para nós também! Se fizermos o mesmo...
a. Podemos experimentar uma alegria maior que qualquer
outra (como João fez - cf. 3Jo 4)
b. Podemos “dar um jeito” em praticamente todas as
circunstâncias, por exemplo...
1) Internação no hospital (quando comunicamos o
evangelho em palavra e vida para aqueles que atendem às nossas
necessidades)
2) Situações difíceis no trabalho, com a família e até com
igreja (ao demonstrarmos o impacto que o evangelho pode ter ao
lidar com esses problemas)
3) Mesmo na morte (como aprenderemos mais sobre isso
em nossa próxima reflexão)
22
A Epístola aos Filipenses.
3. Se fizermos da pregação de Cristo nosso foco principal na
vida, poderemos sempre “tirar proveito de situações ruins”!
B. Tenha certeza que Deus pode usar mestres
imperfeitos.
1. Muitos desanimam com a quantidade de “falsos mestres”
que vemos e ouvimos na TV, no rádio, na internet etc.
a. Mas grande parte do erro deles é intercalada com alguma
verdade
b. Deus é capaz de usá-los para liderar outras pessoas que
buscam a verdade um pouco mais perto em Sua palavra
c. Os falsos mestres serão responsabilizados por seus erros; podemos
pelo menos nos alegrar que, até certo ponto, Cristo é pregado!
2. Muitos que deveriam ensinar outras pessoas sobre Cristo,
hesitam em fazê-lo por medo, medo de dizerem coisas erradas
a. No entanto, vemos em nosso texto que Deus poderia usar
aqueles que estavam imperfeitos no motivo de proclamar Jesus
aos outros - Fp 1:18
b. Se Deus pode usar os imperfeitos no “motivo”, também
não pode usar aqueles imperfeitos na “habilidade”?
1) Paulo certamente alegou falta de habilidade em algum
momento - cf. 1Co 2:3-4
2) Que Deus nos use, em qualquer momento que
passamos!
3) E onde quer que estejamos ausentes, Ele pode usar
outras pessoas para complementar nossos esforços!

CONCLUSÃO
1. Dito de outra maneira, Paulo não apenas estava “tirando proveito de
situações ruins”, mas Deus é capaz de converter o mal em bem!
2. E nós também, se gostamos de Paulo, podemos fazer da
“pregação de Cristo” o foco principal da nossa vida! Podemos?

23
A Epístola aos Filipenses.
Mesmo se você estiver perdido no pecado, ou ainda que você seja
um filho de Deus que se afastou, você pode deixar que Cristo tire
proveito de suas más condições, obedecendo a Seu evangelho...

24
A Epístola aos Filipenses.

Engrandecer a Cristo na vida e


na morte
Fp 1:19-26

INTRODUÇÃO
1. Enquanto continuamos a olhar para o coração do apóstolo
Paulo, encontramos um homem que apesar das circunstâncias
difíceis ainda mantinha uma forte expectativa, esperança e
confiança em relação ao futuro.
2. Em nosso texto para este estudo, encontramos Paulo
expressando essa forte esperança e confiança (leia Fp 1:19-26)
3. Muitas lições podem ser aprendidas nesta passagem, mas
vamos focar na expectativa de Paulo e esperança que “Cristo seja
engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte”
(1:20).
a. Por que Paulo desejaria “engrandecer a Cristo” com sua vida?
b. Por que ele iria querer “engrandecer a Cristo” com sua
morte?
c. Como ele faria isso?
Estas são algumas das perguntas que examinaremos nesta lição.
Para começar, vamos considerar a ideia de Paulo...

I. ENGRANDECER A CRISTO COM SUA VIDA


A. Por que Paulo queria engrandecer Cristo com sua
vida?
1. Por causa do amor de Cristo por ele - 2Co 5:14-15
2. Por causa da força que Cristo lhe deu para a vida diária - Fp
4:13
3. Por causa do que Cristo um dia faria por ele - Fp 3:20-21
B. Como Paulo engrandeceu Cristo com sua vida?
25
A Epístola aos Filipenses.
1. Pela sua atitude em relação a Cristo
a. Que era “viver é Cristo”
b. Ele fez de Jesus o foco principal de sua vida - Fp 3:7-8
2. Dedicando sua vida a servir a Cristo - cf. Gl 2:20
a. Enquanto ele vivesse, ofereceria um serviço frutífero a
Jesus Cristo - Fp 1:22
b. Enquanto ele vivesse, viveria para promover o progresso
de seus irmãos em Cristo - Fp 1:25-26
1) Pois ele sabia que o que alguém faz por seus irmãos, faz
por Cristo!
2) Cf. At 9:4-5; 1Co 8:12; Mt 25:40, 45
C. O que dizer de nós mesmos?
1. Desejamos engrandecer a Cristo com nossa vida?
2. Estamos vivendo de maneira que engrandecemos a Cristo?
a. Ou seja, deixando Cristo viver para nós mesmos, e vivendo
para Ele
b. Ou seja, vivendo de maneira a promover progresso e a
alegria na causa de Cristo entre Seus irmãos que também são
nossos
1) Incentivamos ou desencorajamos os irmãos?
2) Por exemplo, desencorajamos os irmãos com nossa
apatia, nossa negligência nas reuniões? - cf. Pv 18:9
3. Cristo não fornece motivo suficiente para fazê-lo?
a. Ele nos amou e deu sua vida por nós!
b. Ele promete nos ajudar!
c. Ele nos abençoará grandemente se o fizermos!
Todo cristão tem motivos para engrandecer a Cristo em sua vida!
Que possamos todos procurar aproveitar melhor nossa vida nesta
área. Mas lembre-se que Paulo também estava preocupado
com...

II ENGRANDECER A CRISTO COM SUA


MORTE
26
A Epístola aos Filipenses.
A. Por que Paulo queria engrandecer a Cristo em
sua morte?
1. Certamente por alguns dos motivos já mencionados
2. Mas também por causa do que a morte significaria para
Paulo por causa de Cristo!
a. Por causa de Cristo, “morrer é lucro”
b. Morrer significa “estar com Cristo, o que é muito melhor”
1) Paulo entendeu que quando um cristão morre, ele passa
a estar com o senhor! - cf. 2Co 5:6-8; 1Ts 5:9-10
2) Assim, o próprio Jesus prometeu às igrejas da Ásia - cf.
Ap 2:10, 26-27; 3:21
3) Isso parece com o ponto de vista de João registrado em
Ap 7:9-17
3. Em vista dessa maravilhosa esperança, Paulo alegremente
engrandeceria a Cristo, mesmo por sua morte!
B. Como Paulo estava disposto a engrandecer a
Cristo por sua morte?
1. Pela disposição de morrer em serviço a Cristo e seus irmãos
- Fp 2:17-18
a. Ele estava determinado a servi-los, mesmo que isso o
levasse a morte!
b. Mas então, que melhor maneira de morrer senão a serviço
do Senhor?
2. É claro que foi assim que Paulo acabou engrandecendo
Cristo por sua morte - cf. 2Tm 4:6-8
a. Ele serviu fielmente a Seu Senhor e a seus irmãos
b. E ele morreu por causa de seu serviço a eles (a tradição diz
que ele foi decapitado por Nero)
C. E sobre nós?
1. Temos os mesmos motivos para engrandecer a Cristo por
nossa morte
a. A garantia da vida eterna
b. A certeza de estar com nosso Senhor

27
A Epístola aos Filipenses.
2. Engrandeceremos a Cristo em nossa morte?
a. A menos que o Senhor volte primeiro, todos morreremos
de qualquer maneira
b. Que melhor maneira de morrer, de uma maneira que
engrandeça Aquele que faz da morte uma bênção!
3. Como podemos engrandecer a Cristo hoje por nossa morte?
a. É improvável que soframos “martírio” por nossa fé
b. Mas ainda podemos nos “desgastar” em nosso serviço ao
Senhor, em vez de “enferrujar”!
1) Muitos cristãos “se aposentam” em seu serviço a Deus
como se aposentam de seus empregos seculares
2) Eles permitem que as dores e o cansaço da idade ou
alguma doença os tornem praticamente infrutíferos
3) Ou permitem que o medo da morte seja excessivamente
cauteloso sobre o que eles fazem
a) Por exemplo, o medo de um acidente impedem muitos
cristãos idosos de vir aos cultos
b) Mas não seria melhor morrer em serviço ao Senhor, do
que apenas “enferrujar”, sentado em casa?
c. Mais cristãos precisam ter a atitude de Paulo e de outros
cristãos que conheci - cf. At 20:22-24; 21:13
1) Eles são como os descritos em Ap 12:11
2) E também são como os descritos em Sl 92:12-15
4. De fato, a maneira como encaramos a morte iminente, seja
jovem ou idoso, pode ser um meio de engrandecer a Cristo!

CONCLUSÃO
1. Se formos capazes de dizer com Paulo: “Viver é Cristo, morrer é
lucro”, temos que engrandecer a Cristo na vida e na morte!
2. Jesus certamente nos deu todos os motivos para fazê-lo!
3. Então, vamos encorajar uns aos outros em palavras e ações
para viver assim, e para morrermos, para glória Jesus Cristo!

28
A Epístola aos Filipenses.

29
A Epístola aos Filipenses.

Conduta digna do evangelho


Fp 1:27-30

INTRODUÇÃO
1. Até esse ponto em sua epístola, Paulo tem informado a igreja
em Filipos sobre sua situação
2. Vimos que sua atitude era de alegria e confiança
3. No versículo 27, Paulo inicia uma série de exortações práticas
a respeito da vida cristã
4. A primeira exortação é encontrada nos versículos 27-30, e
refere-se a “Conduta Digna do Evangelho” (leia por favor)
5. Ao examinarmos esses versículos, primeiro notemos
algumas...

I. OBSERVAÇÕES GERAIS RELATIVAS À


NOSSA CONDUTA
A. Olhando a palavra “conduzir”.
1. A ARA traduz essa palavra como “vivei” (politeuomai)
2. No grego, significa literalmente “comportar-se como
cidadão”
3. Para aqueles em Filipos, essa palavra provavelmente teria
especial significado...
a. Para a cidade de Filipos, havia uma colônia romana
b. A maioria de seus cidadãos era na verdade cidadãos
transplantados de Roma, soldados aposentados que foram
incentivados a se estabelecer lá
c. Portanto, embora estivessem morando em Filipos,
esperava-se que “se comportassem como cidadãos” de Roma
4. Paulo aplica esse termo à vida de um cristão...
a. Cuja real “cidadania” está no céu - cf. Fp 3:20

30
A Epístola aos Filipenses.
b. Portanto, embora possamos viver na terra, devemos nos
comportar como “cidadãos do céu”!
5. Isso nos leva à nossa próxima observação...
B. Nosso “comportamento como cidadão” deve ser
“digno” do Evangelho.
1. Isso implica que existe um comportamento que não é digno
do evangelho!
2. E agir indignamente traria vergonha ao evangelho!
a. Assim como um cidadão brasileiro que se comporta mal
em um país estrangeiro lança um mau reflexo sobre o Brasil
b. O apóstolo Pedro nos faria lembrar da importância de uma
conduta adequada à medida que “peregrinamos” aqui em um
país que não é nosso - 1Pe 2:11-12
3. Se não estamos “nos comportando como cidadãos” de
maneira “digna” do evangelho, então a única alternativa é se
comportar de uma maneira “indigna”!
C. Nosso “comportamento como cidadão” deve ser
digno “com ou sem” a presença de outros cristãos...
1. Observe que Paulo disse “se eu for vê-los ou se estiver
ausente”
2. É evidente que Paulo não queria que a fé deles fosse apenas
uma “fé ambiental”
3. O que é uma “fé ambiental”?
a. Uma fé totalmente dependente do meio ambiente
1) Por exemplo, permanecer fiel enquanto estiver sob a
positiva influências da casa, igreja ou faculdade “cristã”
2) Mas tire essa pessoa de tal ambiente, e sua fé está
perdida!
b. Alguns sinais de fé “ambiental”
1) Orar em público, mas não em privado
2) Estudar a Bíblia quando está na igreja, mas não em casa
3) A falta de proximidade pessoal e dependência de Deus e
de Jesus Cristo

31
A Epístola aos Filipenses.
4. A esperança de Paulo era que o “comportamento dos
cidadãos” filipenses não dependesse de sua presença
5. Da mesma forma, nosso comportamento não deve
depender da presença de outros cristãos, mas somente da
presença de Cristo!
Tendo considerado essas observações “gerais” sobre a “Conduta
digna do Evangelho”, agora vamos ver...

II OBSERVAÇÕES ESPECÍFICAS RELATIVAS À


NOSSA “CONDUTA”
A. Envolve permanecer “firme em um só espírito”
1. “Comportar-se como cidadão” envolve “ficar firme” contra
aquelas coisas que nos assolavam:
a. A atração pelo mundo em que vivemos, com sua
imoralidade e materialismo
b. O pecado da incredulidade, que pode atingir até os mais
maduros cristãos, durante crises de dúvida
c. O engano das falsas doutrinas, que mostram grandes
promessas mas nos levam para longe de Cristo
- Todas essas são coisas contra as quais devemos “resistir”!
2. Observe também que devemos permanecer firmes “em um
espírito”
a. Não devemos permanecer fortes sozinhos, isolados uns
dos outros, mas em unidade!
b. A conduta indigna geralmente começa quando
negligenciamos as bênçãos de comunhão e união
c. A importância da unidade em nossa conduta será
desenvolvida ainda mais nesta epístola
B. Envolve “lutar pela fé evangélica”
1. “Comportar-se como cidadão” inclui:
a. Promover o evangelho de Jesus Cristo (lutando)
b. Fazer isso em união com outros cristãos
2. Nossa conduta é imprópria para o evangelho se:
32
A Epístola aos Filipenses.
a. Não lutamos pela fé no evangelho
b. Não o fazemos em união com outros irmãos
3. Não vemos aqui a necessidade de nos identificarmos com
uma congregação e trabalhar em colaboração com ela?
4. Os que andam de igreja em igreja, nunca se envolvendo
com as causas locais estão mesmo se comportando de modo
digno do evangelho?
C. Envolve “não temer seus adversários”
1. Os cristãos que andam de maneira digna do evangelho
podem até serem incomodados por aqueles que tentam
ridicularizar ou até perseguir o evangelho!
a. Pois mesmo que o mundo possa considerar “destemor”
como evidência de que somos loucos.
b. Tal coragem é realmente uma evidência de nossa
salvação! - cf. Mt 5:10-12
2. Pode haver momentos em que nós, a quem “foi concedido a
graça de crer em Jesus” também sejamos “privilegiados em sofrer
por Sua causa”
a. Esse foi o caso de Paulo, e evidentemente os filipenses o
sabiam bem
b. Se alguma vez for nosso “destino” sofrer por Cristo,
lembre-se que isso será um “privilégio”
c. Portanto, nossa atitude deve ser como a dos apóstolos em
At 5:41-42

CONCLUSÃO
1. Então, aqui estão algumas das coisas relacionadas com nosso
comportamento como cidadãos do reino dos céus e como ter
uma conduta digna do evangelho de Cristo:
a. Permanecer firme em um só espírito
b. Lutar juntos pela fé no evangelho
c. De modo algum temer nossos adversários
- E sendo esse o caso, não importa qual seja o ambiente!

33
A Epístola aos Filipenses.
2. Isso certamente não é tudo o que está envolvido, pois no
capítulo dois iremos aprender mais sobre o que se espera dos
cristãos
3. Mas, à vista dessas coisas...
a. Nossa conduta é digna do evangelho de Cristo?
b. Estamos nos comportando como cidadãos do céu enquanto
peregrinamos nesta terra?
Caso contrário... será que esquecemos os privilégios que
desfrutamos “crendo em Jesus” e até “sofrendo por Ele”?

34
A Epístola aos Filipenses.

A unidade que produz alegria.


(Fp 2:1-4)

INTRODUÇÃO.
1. Neste ponto em sua epístola aos Filipenses, Paulo está
exortando seus irmãos em relação à vida cristã.
2. Na seção anterior, percebemos que ele os encorajou a uma
“conduta digna do Evangelho” (1:27-30).
3. Em nosso texto para este estudo, Paulo exorta-os a manifestar
“a unidade que produz alegria” (2:1-4)
4. Ao fazê-lo, Paulo descreve três aspectos da tal unidade:
a. A motivação para ter unidade que produz alegria (1);
b. A natureza da unidade que produz alegria (2);
c. As atitudes necessárias para a unidade que produz alegria (3,4).
À medida que começamos, vamos considerar cuidadosamente a
descrição de Paulo...

I. A MOTIVAÇÃO PARA TER UNIDADE.


A. Não temos a “consolação em Cristo”?
1. Quando Paulo diz: “se existe algum consolo...”, ele não está
duvidando que haja.
a. Este é um uso comum da condicional “se... então”, onde, dada
a realidade da cláusula “se”, “então” um ponto deve
naturalmente seguir.
b. Por exemplo, considere Gl 3:29...
1) Sempre que Paulo escreveu: “Se sois de Cristo, então...”
2) O “se” não sugere dúvida de que eles seriam de Cristo pois no
verso anterior ele disse que eles eram!
c. Em tais casos, o “se” significa a mesma coisa que “desde”.
2. Na verdade, há muito consolo a ser encontrada em Cristo!

35
A Epístola aos Filipenses.
a. Como expresso aos irmãos de Tessalônica, há consolação de
Cristo em “toda a boa palavra e obra” - 2Ts 2:16-17.
b. E, como escreveu aos Coríntios, tal consolação abunda, mesmo
no meio da tribulação - 2Co 1:3-5.
B. Não temos o “conforto do amor”?
1. Não desfrutamos de algum conforto que vem do amor?
2. O amor que vem de Deus, de Cristo, do Espírito Santo, e até
mesmo dos nossos irmãos não nos proporciona algum conforto? -
cf. 2Co 1:3-5.
3. Na verdade, ele faz isso com quem o recebe!
C. Não temos a “comunhão do Espírito”?
1. Na verdade, todos os que foram batizados em Cristo receberam
o dom do Espírito Santo - At 2:38-39; 5:32.
2. Como a igreja (o templo de Deus), o Espírito Santo habita em
nós - 1Co 3:16.
3. Até mesmo nossos corpos individuais são templos do Espírito
Santo - 1Co 6:19.
4. Não só pelo Espírito que todos nós fomos batizados em um
corpo, mas têm todos nós foi dado beber de um só Espírito - 1Co
12:13 cf. Jo 7:37-39.
5. Na verdade, existe uma verdadeira “comunhão do Espírito
Santo”, disponível para os cristãos - 2Co 13:14.
D. Não temos “afetos e misericórdias”?
1. Há o “carinho” que vem de Jesus e de outros irmãos - por
exemplo, Fp 1:8
2. Há a “misericórdia” que vem de nosso Pai amoroso no céu - Ef
2:4-7
Desfrutar de todos esses benefícios, não deveria servir para nos
encorajar a ter “a unidade que produz alegria?” Certamente levou
Paulo a escrever e encorajar os Filipenses para essa unidade!
Mas exatamente que tipo de unidade é que produz alegria...?

II. A NATUREZA DA UNIDADE.


36
A Epístola aos Filipenses.
A. Envolve “pensar a mesma coisa”...
1. O que significa que a “pensar a mesma coisa”.
2. Que esta é uma qualidade necessária da unidade é evidente a
partir de comentários de Paulo em 1Co 1:10.
B. envolve “ter o mesmo amor”...
1. Esta é uma consequência natural, se estamos em primeiro lugar
“pensando a mesma coisa”.
2. Tendo o mesmo amor, vamos amar:
a. As mesmas coisas, no que concerne a Cristo e Sua Igreja!
b. Um outro com o mesmo tipo de amor
1) O nosso amor pelo outro vai ser do mesmo tipo: sincero,
fervoroso, e de coração puro - 1Pe 1:23.
2) O nosso amor pelo outro será mútuo e não unilateral, como é
frequentemente o caso.
C. envolve “harmonia” ...
1. Literalmente, “de uma alma; tendo suas almas unidas”.
2. Ele sugere agir juntos, como se uma alma é conduzi-los.
3. Portanto, trabalhando juntos em perfeita harmonia, não como
entidades separadas em caminhos separados.
D. Envolve ser “uma só mente”...
1. A Bíblia Viva diz que “e um só propósito”.
2. Não só trabalhando juntos por fora, mas por dentro, com o
mesmo objetivo e as intenções.
Quando essas condições existem numa Igreja local, “a unidade
que produz alegria” é plenamente experimentada!
Mas quais são as atitudes necessárias para ter essa unidade?

III. AS ATITUDES NECESSÁRIAS PARA A


UNIDADE.
A. “Que nada seja feito por partidarismo ou
vanglória”.
1. Primeiro, é necessário destacar as atitudes que não se deve ter!

37
A Epístola aos Filipenses.
2. Possuir estas atitudes irá destruir a unidade.
a. Pois ambas as atitudes são egocêntricas.
b. Em vez de estarem centradas em Cristo.
3. Portanto, é necessário que nos livremos de:
a. O desejo de exaltação própria (ambição egoísta).
b. A estimativa elevada de si mesmo (vaidade).
4. No lugar delas, devemos colocar...
B. “humildade de espírito”...
1. Em outras palavras, a humildade.
2. Isto irá efetivamente resolver o problema da presunção.
3. A humildade deve ser fácil de manter, se nos lembramos de
nossos próprios defeitos.
C. “Que cada um considere os outros superiores a si
mesmo”.
1. Isso deve ser fácil para nós...
a. Porque nós somos conscientes dos nossos próprios defeitos,
mas não temos a mesma visão clara dos defeitos dos outros.
b. Nós só podemos ver a sua conduta exterior, no nosso caso,
podemos olhar para dentro.
c. Nós vemos o nosso próprio coração, com todos os seus
defeitos, não podemos olhar para o coração dos outros.
2. Ao escrever aos irmãos de Roma, Paulo exortou-os a honrar um
ao outro com respeito - “preferindo-vos em honra um ao outro” -
Rm 12:10b.
D. “olhar para fora... para os interesses dos outros”...
1. Esta atitude elimina o problema da “ambição egoísta”.
2. É a atitude da maturidade, e foi a atitude de Cristo! - Rm 15:1-
3.
3. Assim deve ser a atitude de cada cristão!

CONCLUSÃO.
1. Essas atitudes são essenciais se vamos ter “a unidade que
produz alegria”!
38
A Epístola aos Filipenses.
2. Isto não é para sugerir que essas atitudes só vai trazer a
unidade tal...
a. Pois “a unidade que produz alegria” vem apenas quando é uma
unidade baseada nas verdades que Jesus ensinou.
b. Essas atitudes, sem a qual a verdade só irá produzir uma falsa
sensação de alegria.
c. Mas sem essas atitudes, mantendo a verdade em si não nos
dará a alegria que buscamos!
Portanto, vamos cumprir a nossa alegria, certificando-se que estas
atitudes se manifestam como tentativa de viver de acordo com a
verdade que está em Jesus!

39
A Epístola aos Filipenses.

A mente de Cristo
Fp 2:5-11

INTRODUÇÃO
1. Nos versículos 1-4 deste segundo capítulo, Paulo escreveu
sobre “a unidade que produz alegria”, na qual ele descreveu:
a. A MOTIVAÇÃO para essa unidade;
b. A NATUREZA desta unidade;
c. As ATITUDES necessárias para ter essa unidade.
2. Ao descrever este último, ele pediu aos filipenses que:
a. Não façam nada por ambição ou presunção egoísta
b. Tenham humildade considerando os outros superiores a si
mesmos.
c. Atentem aos interesses dos outros, e não apenas aos seus
próprios.
3. No versículo 5, Paulo continua a exortá-los a ter essa mesma
mentalidade (atitudes dos versículos 3-4), apontando que esta
também é “a mente de Cristo”
4. Nos versículos seguintes (6-11), Paulo elabora “a mente de
Cristo” (ou a atitude de Cristo), que servirá como foco desta
reflexão em particular...
Primeiro, observe que quem tem “a mente de Cristo” não age
com...

I. USURPAÇÃO OU EGOÍSMO
A. Antes de sua encarnação.
1. Jesus estava “na forma de Deus”
a. Ou seja, “Ele existia essencialmente como Deus”
b. Isso está de acordo com o que lemos em Jo 1:1-3.
2. Ele também era “igual a Deus”
a. Observe novamente Jo 1:1.
40
A Epístola aos Filipenses.
b. Ele certamente compartilhou glória semelhante com o Pai
(Jo 17:5), algo que o Pai se recusou a compartilhar com qualquer
ser criado (cf. Is. 42:8).
B. Cristo não considerou tal igualdade como
usurpação.
1. Literalmente, “algo tomado pela força”; isto é, algo que se
apossou por ciúmes.
2. A glória da igualdade com Deus da qual Cristo desfrutou na
eternidade não era algo que ele sentia como se tivesse que se
apegar.
3. Uma verdadeira demonstração de falta de ambição e
presunção egoísta por parte do nosso Senhor!
C. Temos “a mente de Cristo”?
1. Consideramos nossa posição diante dos outros (seja lá o
que for for) algo a ser protegido?
2. Nos consideramos mais importantes que os outros, e
consideramos essa distinção algo a ser preservado a todo custo? -
Se sim, então nos falta “a mente de Cristo”!
Enquanto continuamos a ler em nosso texto, vemos também que
quem tem “a mente de Cristo”...

II CUIDA DOS INTERESSES DOS OUTROS


A. Quando Cristo se tornou carne...
1. Ele não o fez com ostentação.
a. Algumas versões dizem que “se esvaziou”.
b. Se despojou da glória que tinha com o Pai - cf. Jo 17:5.
2. Ele assumiu “a forma de servo”.
a. Ele não veio como um rei, nobre, etc.
b. Mas como o humilde filho de um simples carpinteiro
3. Ele veio “em semelhança de homens”.
a. Como tal, Ele pôde experimentar suas tentações e
sofrimentos - Hb 2:14, 17-18; 4:15; 5:7.

41
A Epístola aos Filipenses.
b. Em outras palavras, embora divino, Ele era
verdadeiramente homem (não algum tipo de super-homem)
4. Ele “a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a
morte, e morte de cruz”.
a. Observe Hb 5:8
b. Embora em todos os aspectos um homem como você ou
eu (ainda que Filho de Deus), humilhou-se, sofreu e
obedientemente morreu na cruz! - Por que Jesus fez tudo isso?
B. Ele fez tudo pelos outros!
1. Ele se tornou homem, humilhou-se como homem, foi
obediente e depois morreu na cruz... porque era do nosso
interesse!
2. Ele fez isso, para expiar nossa culpa - cf. Rm 15:1-3; Is 53:4-
6.
3. Sim, ele estava cuidando dos nossos interesses!
C. Temos “a mente de Cristo”?
1. Sim, se estamos atentos aos interesses dos outros
2. Sim, se estamos dispostos a nos humilhar, até nos sacrificar
no melhor interesse dos outros - cf. 1Jo 3:16
Essa é “a mente de Cristo”, uma mentalidade de humildade e
serviço aos outros; mas também é daquele que foi (ou será)...

III ALTAMENTE EXALTADO POR DEUS


A. No caso de Jesus.
1. Ele é um bom exemplo da máxima bíblica: “Aquele que
humilha, será exaltado”.
2. Pois Deus exaltou Jesus de duas maneiras:
a. No PRESENTE - dando a Ele “o nome que está acima todo
nome” (o nome pelo qual os homens devem ser salvos - At 4:12)
b. No FUTURO - que em Seu nome “todo joelho se dobrará...
que toda língua confesse Ele é o Senhor!” - Ap 5:11-14
B. Mas também em nosso caso.

42
A Epístola aos Filipenses.
1. Aqueles que possuem “a mente de Cristo” participarão
dessa grande futura exaltação! - Rm 8:16-18; 2Ts 1:10-12
2. Não é este um motivado maravilhoso para termos “a mente
de Cristo”?

CONCLUSÃO
1. Vimos nesta passagem que “a mente de Cristo” envolve...
a. Humildade
b. Obediência
c. Sacrifício
d. Grande recompensa
2. Nós possuímos “a mente de Cristo”? Deveríamos, pois é a
chave para:
a. A unidade que produz alegria!
b. Um dia compartilharmos da glória junto com Cristo!
3. Como cristãos, sejamos diligentes em manifestar “a mente de
Cristo” em nosso relacionamento com Deus e uns com os outros.
Se você não é cristão, por que não começar a possuir “a mente de
Cristo”, seguindo Seu exemplo de humilde obediência à vontade
de Deus?

43
A Epístola aos Filipenses.

Desenvolva sua salvação


Fp 2:12-18

INTRODUÇÃO
1. Uma das coisas que me interessa nos escritos de Paulo é que
ele é muito prático.
2. Ele sempre relaciona...
a. Ensino e dever;
b. Crença e caráter;
c. Fé e vida.
...para ele, são são coisas inseparáveis!
3. Agora, mais uma vez, tendo descrito o exemplo de Cristo, ele
baseia sua exortação a um sério esforço para o progresso
espiritual nesse exemplo (Fp 2:12-18).
4. Nesta passagem, Paulo exorta os cristãos a “desenvolverem sua
salvação”. Nesta reflexão, há várias observações que eu gostaria
de fazer sobre o que isso significa.
Primeiro, considere isso ao “desenvolver sua salvação”.

I. HÁ DOIS TIPOS DE OBEDIÊNCIA


A. Aquela apenas feita na presença de outros.
1. Essa é uma forma muito comum de obediência.
a. Feito somente quando os outros estão por perto.
b. Porque tememos o que os outros possam pensar se não
nos comportarmos corretamente.
2. No entanto, Paulo não queria que a obediência dos
filipenses fosse assim...
a. Pois seria apenas o que ele chama em outro lugar “serviço
sob vigilância” - cf. Cl 3:22.
b. Sua fé seria então uma “fé ambiental” (uma fé que é viva
somente se o ambiente lhe for favorável).
44
A Epístola aos Filipenses.
B. Aquela feita na ausência de outros.
1. Esta é a forma adequada de obediência.
a. Feita para agradar a Deus, à consciência e mais ninguém!
b. Esse tipo de obediência permanece fiel, não importa o que
outros fazem ou pensam.
2. É esse tipo de obediência...
a. Que Paulo esperava na vida de seus amados amigos
b. Que devemos prestar em nosso serviço ao Senhor e Sua
causa.
Em segundo lugar, devemos também ter em mente que
“desenvolver nossa salvação”...

II ENVOLVE O TRABALHO DE HOMEM E


DEUS
A. O homem tem papel na sua santificação.
1. Ele deve “desenvolver” sua santificação.
a. Como Pedro pregou no dia de Pentecostes - At 2:40.
b. E também escreveu mais tarde aos cristãos - 2Pe 1:10.
- Portanto, o homem não é totalmente passivo no processo
de sua santificação!
2. Ele também deve ter “temor e tremor” ao trabalhar sua
santificação.
a. Há lugar para o tipo certo de temor na vida de um cristão:
1) O “temor do Senhor” é o princípio do saber - Pv 1:7;
2) O “temor do Senhor” nos fará odiar o mal - Pv 8:13;
3) O “temor do Senhor” prolongará a vida - Pv 10:27;
4) O “temor do Senhor” fornece amparo e é fonte da vida -
Pv 14:26-27;
5) O “temor do Senhor” leva as pessoas a se afastarem do
mal - Pv 16:6;
6) O “temor do Senhor” leva a uma vida satisfatória, e
poupa as pessoas de muito mal - Pv 19:23;

45
A Epístola aos Filipenses.
7) O “temor do Senhor” é o caminho para a riqueza, honra
e vida! - Pv 22:4.
b. Instados pelo “temor do Senhor” a odiar o mal, afastar-se
dele e se voltar para Deus, onde encontrarão sabedoria, vida e
honra, eles também encontrarão aquele amor que dissipa
qualquer tipo impróprio de “medo” - cf. 1Jo 4:17-18.
c. Mas muitos nunca experimentaram esse amor de Deus
porque não tiveram o “temor e tremor” em primeiro lugar!
B. Mas Deus também está envolvido em nossa
santificação!
1. Observe que Paulo escreve “porque é Deus quem efetua em
vós tanto o querer como o realizar”.
a. Não estamos sós em nossos esforços para servir a Deus.
b. Deus está sempre lá para nos ajudar.
2. De que maneira Deus “efetua” em nós? Paulo identifica
duas maneiras:
a. “querer” - Deus nos ajuda em nosso desejo e motivação
para fazer Sua vontade.
b. “fazer” - Ele trabalha junto conosco!
3. Isso não nega que o homem seja um agente moral livre...
a. Paulo já disse para “desenvolver nossa salvação”.
b. Mas quando nos oferecemos em serviço a Deus, Ele se
torna nosso parceiro, nosso “co-piloto” - cf. Hb 13:20-21
1) Na nossa conversão, Ele começa um novo trabalho em
nós, e pretende completá-lo - cf. Fp 1:6.
2) Por meio de Seu Espírito, Ele nos dá a força que
precisamos - Ef 3:16; Fp 4:13.
3) Para que, o que quer que possamos nos tornar no
Senhor, é por Sua graça! - 1Co 15:10.
c. Infelizmente, muitos cristãos tentam impedir a obra de
Deus neles, sua atitude morna (ou é a falta de fé em Deus?)!
d. Deus trabalha, devemos ter uma atitude colaborativa!
4. Saber que Deus está trabalhando em nós, deve dar mais
motivação para trabalhar a nossa santificação!
46
A Epístola aos Filipenses.
Enquanto lemos, aprendemos que é preciso “desenvolver nossa
salvação”...

III FAZER ISSO SEM MURMURAÇÃO E


CONTENDAS
A. Murmurar foi o pecado de Israel...
1. Aviso 1Co 10:10-12.
2. Isso também pode ser um problema para muitos cristãos
hoje, sempre que eles enfrentam dificuldades.
3. Mas não nos dizem que Deus está sempre pronto para nos
ajudar (1Co 10:13), e que Ele está em nós para “querer” e
“realizar” (Fp 2:13), então por que reclamar?
4. Antes, alegre-se com a oportunidade que tais “tribulações”
nos dão de desenvolvimento espiritual! - Rm 5:3-5; Tg 1:2-4.
B. Depois das contendas segue a murmuração.
1. Aqueles que murmuram provavelmente são os mesmos que
começam contendas com os outros.
2. Tudo o que realiza é má vontade e, em muitos casos,
desnecessária divisão.
3. Devemos ousar destruir a unidade pela qual Cristo morreu
para alcançar?
Precisamos prestar atenção à exortação de Paulo a “desenvolver
nossa salvação”...

IV PARA BRILHAR COMO LUZES NO MUNDO


A. Para brilhar como luzes, devemos ser filhos de
Deus.
1. O que só é possível se “nos tornarmos irrepreensíveis e
sinceros”.
2. Que exige fazer todas as coisas “sem murmurações nem
contendas”.

47
A Epístola aos Filipenses.
3. O que só pode acontecer se Deus “trabalhar” em nós
levando-nos a “desenvolver” nossa salvação; em outras palavras...
a. Que Deus nos perdoe e nos leve em obediência ao
evangelho.
b. Que Deus nos fortaleça através de Sua Palavra e da
oração.
c. Que Deus nos mude em conformidade com Sua vontade.
B. Para brilhar como luzes, devemos estar “no
meio” desta geração perversa.
1. As luzes são valiosas se forem usadas para dissipar a
escuridão - cf. Mt 5:14-15.
2. Embora sejamos “separados” do mundo (2Co 6:14-18), não
devemos “nos isolar” dele - cf. Jo 17:15, 18; 1Co 5:9-11.
3. Devemos nos relacionar com os do mundo para sermos uma
influência positiva para eles.
C. Para brilhar como luzes, devemos “dar atenção”
a palavra de vida...
1. Algumas traduções dizem “preservar”.
2. Certamente devemos fazer as duas coisas...
a. “preservar a palavra da vida” - 2Tm 2:15
b. “pregar” a palavra da vida (oferecendo-a aos que estão no
mundo) - Mc 16:15
3. Nos dois sentidos, devemos ser como “A Estátua da
Liberdade”.
a. Um farol a iluminar o caminho;
b. Um símbolo a oferecer esperança aos necessitados.
Atuando como “luzes do mundo”, trazemos grande alegria para
aqueles que ensinaram nós a Palavra de Deus (16).
Finalmente, Paulo escreve que, quando você “desenvolve sua
salvação”, isso inclui...

V. ALEGRAR-SE POR SEUS SACRIFÍCIOS


A. Podemos chamar-nos para o sacrifício...
48
A Epístola aos Filipenses.
1. Pode ser a serviço de nossa fé ou a serviço da fé dos outros.
2. Pode ser sacrifício de tempo, energia, dinheiro ou até
mesmo da vida.
3. Mas é por uma boa causa, e foi assim que Paulo viu sua
possível execução pela causa de Cristo.
B. Tais sacrifícios podem ser uma ocasião de alegria!
1. Foi assim que Paulo viu.
2. Pois ele sabia que seus sacrifícios eram para salvar outros.
3. E ele sabia que a salvação deles acabaria por trazê-lo maior
alegria na vinda de Cristo - cf. 1Ts 2:19-20.
4. A perspectiva de não se encontrarem na presença do
Senhor na Sua vinda...
a. Vale a pena fazer algum sacrifício um pelo outro?
b. Constitui boas razões para se alegrar e se alegrar no
sacrifício serviço?

CONCLUSÃO
1. Essas são algumas das coisas envolvidas na salvação que Deus
oferece.
2. Elas estão incluídas nos seus esforços para “desenvolver sua
salvação”?
3. Como Fancis Spell2 sugeriu: “Trabalhe como se tudo
dependesse de você, mas ore como se tudo dependesse de Deus”.
4. De fato, deveríamos, pois, ao desenvolver nossa salvação, é
Deus quem está trabalhando em nós!
Você está fazendo a sua parte?

2
Frase atribuída a Inácio de Loyola (1491-1556).
49
A Epístola aos Filipenses.

O filho e o irmão de Paulo


Fp 2:19-30

INTRODUÇÃO
1. Já vimos que essa epístola é de natureza muito pessoal
2. Mais provas disso são vistas agora quando consideramos as
observações de Paulo a respeito de dois homens; um descrito
como “filho” para Paulo, o outro como um “irmão” (Fp 2:19-30)
3. Os comentários de Paulo revelam que esses dois homens
demonstraram ter a “mente de Cristo” o que Paulo encorajou os
filipenses a buscarem neste capítulo
Nesta reflexão, notaremos de que maneira esses dois homens
demonstraram a “mente de Cristo” em seu serviço a seus irmãos,
começando com...

I. TIMÓTEO, O “FILHO” DE PAULO

A. Quais os planos de Paulo em relação à Timóteo?


1. Enviá-lo a Filipos em breve (Fp 2.19, 23)
a. Para que, quando Timóteo voltar, Paulo possa ser
encorajado pela condição deles (19b)
b. Mas observe que Paulo confia no Senhor Jesus para fazer
isso - talvez outra maneira de dizer: “Se Deus quiser” (cf. Tg 4:15)
2. Mas o envio de Timóteo seria adiado até que a condição de
Paulo fosse mais estável (23b)
B. Por que usar Timóteo?
1. Paulo não tinha mais ninguém...
a. Que tivesse a mesma opinião (Fp 2:20a)
1) Que tivesse a mesma mente de Paulo
2) Paulo e Timóteo estavam verdadeiramente “unidos em
espírito” algo sobre o qual Paulo escreveu em Fp 2:2
50
A Epístola aos Filipenses.
3) Portanto, Timóteo foi o melhor “suplente” no lugar de
Paulo
b. Que “se importaria sinceramente com a condição deles”
(Fp 2:20b)
1) Lembre-se, Timóteo se juntou a Paulo antes de ir para
Filipos (At 16:1-12)
2) Então, Timóteo tinha boas razões para estar junto
daqueles irmãos
a) Foi “o seu” primeiro esforço missionário
b) Ele os conhecia desde o começo de sua existência
como congregação
c. Nenhuma outra pessoa era mais adequada, portanto, para
esse tarefa particular
2. Sua devoção a Cristo superou os outros (Fp 2:21)
a. Ele buscou os interesses de Cristo, o que significava os
interesses de outros - cf. Fp 2:4-5
b. Portanto, ninguém mais ultrapassou Timóteo em ter a
“mente de Cristo”
3. Ele provou seu serviço em tarefas semelhantes (Fp 2:22)
a. Por exemplo, com a igreja em Corinto - 1Co 4:17
b. Ele o fez com humildade: “como filho um filho a seu pai,
ele serviu a mim”
c. Novamente, Timóteo demonstrou a “mente de Cristo” - Fp
2:3
Tal era o jovem Timóteo: um “filho” amado do apóstolo, cujo
atitudes de humildade e serviço fizeram dele um instrumento útil
para ministério de Paulo.
Agora vamos considerar...

II EPAFRODITO, “IRMÃO” DE PAULO


A. Quem foi Epafrodito? (Fp 2:25)
1. “Meu irmão” - um irmão em Cristo para o apóstolo Paulo
2. “Cooperador” - um companheiro no trabalho de espalhar o
evangelho
51
A Epístola aos Filipenses.
3. “Companheiro de lutas” - alguém que compartilhava os
conflitos com os inimigos de Cristo
4. “Vosso mensageiro” - a pessoa que levou a oferta da igreja
de Filipos a Paulo - cf. Fp 4:18
5. “Que ministrou às minhas necessidades” - agora com Paulo,
ele se ofereceu a serviço dele
B. Que tipo de homem era ele?
1. Um homem de amor e preocupação por seus irmãos em
Filipos (Fp 2:26-27)
a. Ele ansiava por rever seus irmãos enquanto estava longe
deles
b. Ele estava doente e estava angustiado que eles soubessem
disso.
2. Um homem dedicado à obra de Cristo (Fp 2:30)
a. Que percebeu que ao servir aos outros (como Paulo e os
Filipenses) estava servindo a Cristo
b. Que estava disposto a arriscar sua vida em tal serviço - cf.
1Jo 3:16
3. Um homem que não se importava de ser um “mensageiro”
a. Ele havia trazido a oferta dos Filipenses a Paulo - Fp 4:18
b. Muito provavelmente, ele levou essa epístola de volta ao
Filipenses (Fp 2:28)
c. Essa disposição demonstra novamente humildade,
característica tão importante de quem possui a “mente de Cristo”
Na verdade, ele era um homem que cumpria o significado de seu
nome: “Epafrodito” significa “bonito, belo”!

CONCLUSÃO
1. São indivíduos como Timóteo e Epafrodito que devemos
manter em alta estima (Fp 2:29) – Por quê?
a. Porque demonstram a humildade e o amor tão essenciais
para o causa de Cristo
b. Porque eles prestaram um serviço a Deus e à Sua igreja, tão
essencial quanto o oferecido por homens como Paulo e Pedro
52
A Epístola aos Filipenses.
2. A igreja hoje precisa de mais pessoas como esses dois homens,
para fornecer o apoio necessário à causa de Cristo
3. Nós não somos um “Paulo” ou um “Pedro”, mas podemos ser
um “Timóteo” ou um “Epafrodito” (isto é, o “segundo escalão” de
Deus)!
4. Tudo o que precisamos são as mesmas atitudes que eles
tiveram:
a. Preocupação sincera pela condição alheia
b. Buscar primeiro as coisas de Cristo
c. Uma vontade de servir aos outros
d. Uma vontade de se sacrificar, até o ponto da morte
Em outras palavras, “ter a mente de Cristo”!

53
A Epístola aos Filipenses.

A verdadeira circuncisão.
Fp 3:1-16

INTRODUÇÃO.
1. Durante o seu ministério como apóstolo de Cristo, Paulo muitas
vezes teve de lidar com certo grupo de cristãos de origem judaica.
a. Conhecidos hoje como “judaizantes”, eles eram os falsos
mestres, que muitas vezes perseguiram Paulo por onde ele fosse.
b. Eles tentariam impor o ato da circuncisão (hb. Brit Milah) e a
Lei de Moisés sobre os cristãos gentios – p. ex.: At 15:1-2.
2. Ainda que ele mesmo escreva esta “Epístola da Alegria”, para
incentivar os irmãos a se alegrarem no Senhor (Fp 3:1), mesmo
assim ele acha necessário adverti-los de falsos mestres (Fp 3:2-3).
a. Nesses versículos Paulo faz um jogo de palavras...
1) Ele chama os judaizantes de “katatome” (mutilação) - Fp 3:2
2) E refere-se a verdadeiros cristãos como “peritome”
(circuncisão) - Fp 3:3
b. Ao fazer isso, ele declara que “A verdadeira circuncisão” é:
1) Adorar a Deus em Espírito;
2) Gloriar-se em Cristo Jesus;
3) Não confiar na carne.
3. Utilizando-se a si mesmo como exemplo, Paulo define ainda
mais as atitudes e as características daqueles que são
verdadeiramente circuncisos de Deus (Fp 3:4-16).
Paulo na verdade faz isso numa ordem inversa ao que
encontramos no versículo 3, ilustrando primeiro “a verdadeira
circuncisão” como aqueles que...

I. NÃO CONFIAM NA CARNE.


A. Se alguém pudesse fazê-lo, Paulo seria um...
1. Ele poderia ter se vangloriado em questões de natureza racial.
54
A Epístola aos Filipenses.
a. “Circuncidado ao oitavo dia”...
1) Um verdadeiro judeu desde o nascimento.
2) Paulo não era um prosélito.
b. ...“da linhagem de Israel”...
1) Diretamente descendentes de Jacó.
a) Os árabes podem se orgulhar de sua descendência de Abraão
b) Os edomitas podiam se gabar de Isaque (por Esaú = Edom).
c) Mas só os judeus podiam gabar-se por Abraão, Isaque e Jacó,
que tinha lutado com Deus e a quem foi dado o nome “Israel” (lit.,
“aquele que lutou com Deus”).
c. ...“da tribo de Benjamin”...
1) O filho da amada esposa de Jacó, Raquel.
2) O único filho que nasceu na terra prometida.
3) Saul, o primeiro rei de Israel, de quem Paulo herdara o nome
também era descendente desta tribo.
4) A única tribo que permaneceu fiel a Judá, quando o reino foi
dividido.
d. ...“hebreu de hebreus”...
1) Seus pais eram judeus.
2) Ele sempre foi fiel aos costumes dos judeus, não era um judeu
helenístico ou um grego convertido.
2. Ele poderia ter se vangloriado em questões de natureza
religiosa.
a. “Acerca da lei, fariseu”...
1) Uma pessoa muito religiosa.
2) Pertencia a uma seita conhecida por sua lealdade, patriotismo
e conservadorismo para com a Lei de Moisés.
b. ...“quanto ao zelo, perseguidor da igreja”...
1) Tal fato ilustra sua sinceridade e entusiasmo pela sua religião.
2) Sempre fiel à sua consciência - cf. At 23:1; 26:9-11.
c. “Quanto à justiça que há na lei, irrepreensível”...
1) Não é que ele fosse perfeito,
2) Mas que era diligente no cumprimento dos requisitos da lei
(i.e. sacrifícios de animais, guardar dias santos etc.).

55
A Epístola aos Filipenses.
B. Ele considerava tais coisas como “perda por causa
de Cristo”.
1. Todas essas coisas que poderiam ter fornecido a Paulo o
prestígio e a posição social, ele contou como perda.
2. Na verdade, ele perdeu muitas coisas, quando optou por seguir
a Cristo - cf. 1Co 4:11-13.
3. No entanto, em comparação com a excelência do
conhecimento de Cristo, elas foram para Paulo nada mais do que
“lixo” (lit., “esterco”)!
C. E quanto a nós?
1. Será que temos nos orgulhado e confiado demais em nossa
herança racial, social ou religiosa?
2. Será que não estamos confiando demais em nossas
ações/realizações religiosas?
3. Não serão todas estas coisas consideradas “refugo” em
comparação com o conhecimento de Jesus Cristo?
Como respondemos a estas perguntas ajuda-nos a determinar se
somos da “verdadeira circuncisão” de Deus! Entretanto há muito
mais! Aqueles que são da “verdadeira circuncisão”...

II. GLORIAM-SE EM CRISTO JESUS.


A. Nossa alegria não está nas coisas materiais, mas
em Cristo!
1. Como no caso de Paulo, que considerou as realizações
materiais como “lixo”.
2. Seu desejo irresistível era “ganhar a Cristo”.
B. “Ganhar a Cristo” significa:
1. “Ser achado nele”, que inclui...
a. “Não ter própria justiça, que procede da lei” (não confiar a
salvação na observação da Lei de Moisés).
b. “Mas a que vem pela fé em Cristo, a justiça que vem de Deus
pela fé” (experimentar a salvação como um dom de Deus através
da fé em Jesus).
56
A Epístola aos Filipenses.
2. “Conhecê-lo”...
a. A palavra “conhecer” aqui, significa...
1) “Reconhecer” ou “familiarizar-se com”
2) Ou seja, um conhecimento pessoal, não um teórico.
b. Em particular, conhecer “o poder da Sua ressurreição”...
1) O mesmo poder que Paulo desejava que os Efésios
conhecessem - Ef 1:18-20.
2) Tal conhecimento é a primeira experiência de batismo em
Cristo - Cl 2:12-13.
3) E, depois, por toda a nossa vida - Ef 3:20-21.
4) E, finalmente, na ressurreição do próprio corpo - Fp 3:20-21.
c. Conhecer a “comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me
com ele na sua morte”...
1) Em seu esforço para conhecer a Cristo, Paulo queria
experimentar e compartilhar até mesmo em seus sofrimentos!
2) “Tal comunhão com os sofrimentos de Cristo para Paulo
significava in fini martírio.” (Charles Erdman)
3) Devemos estar dispostos a fazer o mesmo! - Cf. 1Pe 4:1-2.
3. Para “alcançar a ressurreição dentre os mortos”...
a. Esta seria experiência final de “ganhar a Cristo!”.
b. Ou seja, um conhecimento pessoal e experimental do “poder”
da ressurreição!
C. E quanto a nós?
1. Esse foi o objetivo da vida de Paulo, a fonte de sua verdadeira
alegria! Podemos dizer o mesmo sobre nós?
2. É realmente o nosso objetivo na vida “conhecer a Cristo”?
Se for, então o que Paulo continua a dizer será a nossa atitude
também, porque “a verdadeira circuncisão” de Deus são também
aqueles que...

III. ADORAM A DEUS EM ESPÍRITO.


A. Jesus foi o primeiro a definir “culto verdadeiro”
como adoração espiritual...
57
A Epístola aos Filipenses.
1. Quando encontrou a mulher samaritana no poço - Jo 4:23-24.
2. Uma vez que Deus é Espírito, nossa adoração deve ser em
espírito, e não limitada a determinados locais ou rituais.
B. Paulo descreve as atitudes daqueles que adoram a
Deus em espírito...
1. Eles nunca estão satisfeitos com sua condição espiritual atual.
2. Com perseverança, eles esforçam... (Fp 3:13-15)
a. Sem olhar para trás:
1) Sem descansar sobre os louros do passado.
2) Ou lamentar fracassos do passado.
a. Sempre avançando, o que é um sinal de maturidade espiritual.
b. O tempo todo vivendo de acordo com o padrão de
conhecimento que têm atingido.
C. E quanto a nós?
1. Será que estas atitudes caracterizam a nossa devoção a Deus e
a Seu Filho Jesus Cristo?
2. Adoramos a Deus, permitindo que o Seu Espírito e do Espírito
da sua Palavra governem a nossa vida completamente?
3. Consideramos a relação que estamos desenvolvendo com
Cristo a nossa alegria e principal foco na vida?
4. Não depositamos nenhuma confiança na carne?

CONCLUSÃO.
1. Se assim for, então somos “a verdadeira circuncisão” de Deus!
2. E, como Paulo nos convida a fazer no verso 17, vamos com
certeza de seguir o seu exemplo!
3. Como se tornar “a verdadeira circuncisão” de Deus?
a. Ela inicia quando, pela fé, nos submetemos à vontade de Deus.
b. Quando experimentamos a “circuncisão de Cristo” (Cl 2:11-13).
c. Quando nos submetemos ao batismo.
Você já experimentou a “circuncisão não feita por mãos
humanas” (ou seja, já teve a sua vida transformada por Cristo e
recebeu o perdão dos seus pecados - At 2:38)?

58
A Epístola aos Filipenses.

A arte de fazer as pazes


Fp 4:1-3

INTRODUÇÃO
1. Mesmo nas igrejas “boas”, você frequentemente encontra
irmãos que têm diferenças um com o outro; foi o caso da igreja de
Filipos
2. Enquanto Paulo continua com várias exortações à vida cristã,
neste ponto da epístola ele aborda sobre uma divisão que
aparentemente existia entre duas pessoas em Filipos (Fp 4:1-3)
3. Como Paulo aborda a tarefa delicada de tentar fazer as pazes
entre Evódia e Síntique revela várias lições sobre o uso de tato
a. Como discípulos de Jesus Cristo, devemos ser conhecidos
como “pacificadores” (Mt 5:9)
b. De Paulo, então, vamos aprender o que podemos sobre “A
Arte de Fazer as Pazes”
A primeira lição, colhida ainda no versículo um, é que os
pacificadores devem...

I. AMAR AQUELES DE AMBOS OS LADOS


A. Paulo começa expressando seu amor...
1. Observe os termos usados por Paulo...
a. “meus irmãos”
b. “amados e mui saudosos”
c. “minha alegria e coroa”
d. “amados”
2. Paulo realmente amou a Igreja de Filipos!
B. Os pacificadores devem fazer o mesmo...
1. Eles devem ter amor sincero por aqueles de ambos os lados
de uma questão

59
A Epístola aos Filipenses.
2. Eles devem ser capazes e dispostos a expressar seu amor,
assim como Paulo
3. Caso contrário, eles não podem ser árbitros úteis para
estabelecer a paz.
a. Amar um lado, e não o outro, faz com que seja possível
julgamentos imparciais
b. O conselho do pacificador estará abertos a suspeitas
Com amor mútuo pelas pessoas de ambos os lados, o pacificador
está em posição de fazer uma avaliação justa do problema e da
solução.
Em seguida, vemos que...

II. TRATAR IGUALMENTE AMBOS OS LADOS


A. No caso de paulo...
1. Observe o uso do verbo “rogo” - parakaleo {par-ak-al-eh'-o}
a. Chamar para o (meu) lado, chamar, convocar
b. Dirigir-se a, falar a, (recorrer a, apelar para), o que pode
ser feito por meio de exortação, solicitação, conforto, instrução,
etc., etc.
- Em vez de ordenar, Paulo escolhe suplicar a elas
2. Observe o uso repetido e igual do verbo “rogar”
a. “Rogo a Evódia e Síntique”
b. Em vez de tomar partido, Paulo as trata com ternura e
igualmente
B. Há uma necessidade de tais pacificadores hoje...
1. Indivíduos que usam ternura e justiça no tratamento
daqueles em disputa
2. Novamente, permanecendo imparcial, para que o conselho
não seja contaminado com qualquer acusação de preferência
A próxima visão que podemos obter de Paulo em “A arte de fazer
as pazes” é que um pacificador deve...

III. PROCURAR A UNIDADE DE MENTE


60
A Epístola aos Filipenses.
A. Note o objetivo de Paulo...
1. Que Evódia e Síntique “pensem concordemente, no Senhor”
2. Uma preocupação de Paulo já expressa nesta epístola - Fp
1:27; 2:2
3. Mas agora aplicado especialmente a essas duas senhoras
B. Para fazer paz, deve existir uma unidade de
pensamento...
1. Em muitos “acordos de paz”, os participantes não têm
verdadeiramente alcançado uma unidade mental, apenas um
compromisso
2. Tais “acordos” são frequentemente temporários, destruídos
quando as diferenças remanescentes acabam ressurgindo
3. Para os cristãos, procurando “ter a mesma mente no
Senhor” fica fácil se todos nós nos esforçarmos para ter “a mente
de Cristo” - Fp 2:2-5
Não contente apenas com a “cessação das hostilidades”, o
pacificador procura ir muito mais longe, lidando com a divisão da
mente que é a verdadeira causa do problema.
Note também que um pacificador deve...

IV. USAR A AJUDA QUANDO DISPONÍVEL


A. Paulo não é orgulhoso demais para pedir ajuda.
1. Ele procurou a assistência de um “syzygus”
a. Literalmente, “companheiro de jugo, verdadeiro
companheiro”
b. Possivelmente seu nome verdadeiro, que, se assim for, ele
estava sendo chamado por Paulo para cumprir o seu nome!
2. Paulo queria que esse indivíduo ajudasse essas senhoras
B. Os pacificadores usam alegremente a ajuda que
outros possam dar...
1. Os humildes sabem que não precisam fazer tudo

61
A Epístola aos Filipenses.
2. Ciente de outras pessoas que possam estar em condições de
prestar aconselhamento ou outros meios de ajuda, eles terão
prazer em utilizá-los
3. O objetivo deles é fazer as pazes, não reputação para si!
Finalmente, podemos aprender de Paulo que um pacificador
deve...

V. RECONHECER O BEM QUE FIZERAM


A. Paulo não perdeu a vista de quem estas mulheres
foram...
1. Elas haviam trabalhado com Paulo no evangelho
2. Elas haviam trabalhado com Clemente
3. Elas haviam trabalhado com outros colegas de trabalho de
Paulo (que embora não mencionados pelo nome, tiveram seus
nomes no “Livro da Vida” - cf. Ap 3:5; 13:8; 17:8; 20:12, 15; 21:27;
22:19)
B. Assim devemos nos lembrar o bem que fizeram
no passado...
1. É tão fácil esquecer aqueles com problemas
2. Reconhecer isso e dar crédito onde é devido aumenta a
probabilidade de que o conselho de alguém seja atendido

CONCLUSÃO
1. Em um mundo tão dividido quanto o nosso, há uma
necessidade grave daqueles que podem servir como
“pacificadores” fiéis e eficazes
2. Esperemos que, ao considerar e aplicar “A Arte de Fazer as
Pazes” como exemplificado pelo apóstolo Paulo nesta passagem,
podemos ser úteis para o Senhor, quando chamado a reunir
pessoas divididas!

62
A Epístola aos Filipenses.

Agradecimento de Paulo
Fp 4:10-23

INTRODUÇÃO
1. Em nosso estudo de Filipenses, chegamos ao ponto em que
Paulo menciona a ocasião que levou à redação desta epístola
2. Nestes versículos, encontramos uma expressão da gratidão de
Paulo, uma “Nota de agradecimento”, se preferir - Fp 4:10-23
3. Nestes versículos finais, há várias coisas notáveis que eu
gostaria de enfatizar: A primeira é...

I. A GENEROSIDADE DOS FILIPENSES


A. Conforme descrito por Paulo...
1. Observe especialmente os versículos 10, 14-18
2. Eles demonstraram claramente apoio e preocupação pelo
apóstolo
a. Quando Paulo partiu da Macedônia, eles o ajudaram
b. Mesmo antes de deixar a Macedônia, enquanto ainda
estava em Tessalônica, eles enviaram ajuda em várias ocasiões
c. Agora, finalmente, em Roma, eles enviaram uma
contribuição pelas mãos de Epafrodito
B. Que maravilhosa comunhão entre uma igreja e
um pregador!
1. É o tipo de comunhão que deveria existir hoje!
2. Onde igrejas e pregadores continuam a manter sua
comunhão no evangelho de Cristo, conforme a necessidade exige,
muito tempo depois que o pregador passou a outras obras.
3. É triste que, em muitos casos, os pregadores deixam a
congregação de tal maneira que não há desejo por parte da
congregação para manter essa comunhão e vice-versa!
Outra coisa notável nesta passagem é...
63
A Epístola aos Filipenses.

II O CONTENTAMENTO DE PAULO
A. Expresso por Paulo.
1. Sua expressão de gratidão não foi para sugerir que ele
estava em grande necessidade - Fp 4:11a
2. Pois ele estava bastante satisfeito com o “estado” ou
condição em que se encontrava - Fp 4:11b
3. Esse “contentamento” era algo que ele havia aprendido - Fp
4:11b-12
B. Qual a chave do contentamento de Paulo?
1. Como vemos em Fp 4:13, era uma força dada pelo Senhor
a. Que permitiu a ele se contentar com fartura ou com fome
b. Que permitiu a ele se contentar, na abundância ou na
escassez
2. Parte dessa força do Senhor pode ter sido a adequada
perspectiva que Paulo provavelmente recebeu do Senhor
a. Sobre a vida e a morte - cf. Fp 1:21-24
b. Sobre as verdadeiras necessidades da vida - cf. 1Tm 6:6-8
Tendo mencionado a força dada pelo Senhor, vejamos um pouco
mais perto...

III O PODER DE CRISTO


A. Há um poder maravilhoso disponível para o
cristão!
1. Como diz Paulo, esse poder permite fazer todas as coisas
necessárias ao serviço do Senhor - Fp 4:13
2. Aprendemos mais sobre esse maravilhoso poder na epístola
de Paulo aos efésios...
a. É sobre o poder que Paulo queria que eles soubessem - Ef
1:18-19

64
A Epístola aos Filipenses.
b. É um poder que está de acordo com o poder usado para
ressuscitar Jesus dentre os mortos e assentá-lo à direita de Deus!
- Ef 1:19-21
c. Paulo atribui esse poder ao Espírito Santo, habitando no
cristão - cf. Rm 8:11-14
d. Ele orou para que Deus fortalecesse os efésios com tal
poder, que é descrito como capaz de realizar grandes coisas - Ef
3:16, 20-21
3. Em outras palavras, com o Espírito como agente
instrumental, Deus e Cristo capacita o cristão a fazer tudo o que
ele ou ela precisa fazer!
B. As ramificações deste poder.
1. Não estamos sozinhos em nossos esforços para
“desenvolver nossa própria santificação” - cf. Fp 2:12-13
2. Não há desculpa para não fazer o que Deus deseja!
3. Quando caímos, geralmente é um problema da vontade,
não da habilidade! (ao contrário daqueles fora de Cristo, onde é
um problema de habilidade - cf. Rm 7:18, 22-25)
4. Para os cristãos que pecam conscientemente, não é que
eles NÃO POSSAM viver segundo a vontade de Deus, mas eles
NÃO querem!
a. Obviamente, porque temos conhecimento imperfeito,
podemos às vezes pecar ignorantemente e, portanto, sempre
precisar do sangue purificador de Jesus
b. Mas quando conhecemos a vontade de Deus, não há
desculpas para não fazendo isso!
Que bênção maravilhosa é para os que estão em Cristo ter esse
poder! Mas há ainda uma sugestão de mais bênçãos em nosso
texto, pois observe o que é dito sobre...

IV AS RIQUEZAS DE DEUS
A. Como definido por Paulo.

65
A Epístola aos Filipenses.
1. Estas são “riquezas em glória” que Deus fornece por Jesus
Cristo - Fp 4:19
a. Ou seja, é preciso estar “em Cristo” para desfrutar dessas
“riquezas”
b. De fato é “em Cristo” que Deus provê todas as bênçãos
espirituais - cf. Ef 1:3-13 (observe o uso do frase “em Cristo” ou
“nele”)
2. Mas Deus provê não apenas necessidades espirituais, mas
“todas as suas necessidades”
a. O que inclui as necessidades da vida, como comida e
roupas
b. Como o próprio Jesus ensinou em Mt 6:30-33
B. Com “riquezas” como estas...
1. Como não podemos nos contentar?
2. Temos uma abundância de bênçãos “espirituais” e uma
garantia de necessidades “físicas”, como poderíamos ficar menos
do que satisfeitos?
Que Deus nos perdoe quando desvalorizamos essas “riquezas” e
começamos a sentir-nos descontentes com o que temos!
Finalmente, notamos...

V. SAUDAÇÕES DO SANTO
A. Como lido aqui em Filipenses.
1. Paulo primeiro envia suas saudações - Fp 4:21a
2. Os irmãos com ele (Lucas? Timóteo?) enviam suas
saudações - Fp 4:21b
3. Então “todos os santos... especialmente os da casa de
César” enviam suas saudações - Fp 4:22
B. O simples ato de cumprimentar pode servir para
uma função importante...
1. Claramente, Paulo pensava assim - cf. Rm 16:3-16, 21-23
2. Alguns benefícios possíveis de se cumprimentar:
a. Cumprimentar um ao outro expressa nosso amor e apreço
66
A Epístola aos Filipenses.
b. Saudando uns aos outros com frequência (em carta ou
pessoalmente) nutre o relacionamento que temos como irmãos
em Cristo
3. Observe que Paulo desejava cumprimentar “a cada um” dos
santos em Cristo Jesus; não há espaço para favoritismo aqui! - Fp
4:21
4. Como cumprimentamos (ou deixamos de cumprimentar)
outros cristãos em nossa assembleias revela muito sobre nós
mesmos
a. Ou que estamos cuidando e amando sem parcialidade
b. Ou frio e insensível, exceto para aqueles em nossa
companhia!

CONCLUSÃO
1. Essas são algumas das coisas que podemos obter com um
simples “obrigado”...
a. A generosidade dos filipenses
b. O contentamento de Paulo
c. Poder de Cristo
d. As riquezas de Deus
e. Saudações dos santos
2. O que isso revela é a alta qualidade de vida experimentada por
aqueles Cristo!
a. Que apesar do tipo de circunstâncias que Paulo enfrenta...
b. Ainda podia sentir-se a vontade para escrever uma carta
como a epístola ao Filipenses!
3. Ao encerrarmos este estudo sobre essa maravilhosa epístola,
deixo com vocês duas palavras: “doxa” e “charis”
a. “Ora, a nosso Deus e Pai seja a glória pelos séculos dos
séculos. Amém.” - Fp 4:20
b. “A graça do Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito” -
Fp 4:23

67
A Epístola aos Filipenses.
Você recebeu a maravilhosa graça de nosso Senhor em sua vida,
ao crer no Seu evangelho? Você está vivendo para glória de Deus,
tanto em palavras com em atitudes?
Que porções da Palavra de Deus como a Epístola aos Filipenses
inspire-o a fazer as duas coisas!

68
A Epístola aos Filipenses.

Bibliografia

69

Você também pode gostar