Você está na página 1de 16

artigo

A disputa de guarda de netos por avós:


dilemas, motivações e implicações*
Vanessa Silva
The dispute of grandchildren custody by grandparents: Cardoso
dilemmas, motivations and implications Psicóloga, Terapeuta
Conjugal e Familiar
Mestre em Psicologia pela
Universidade Federal de Santa
Catarina

Resumo: Trata-se de pesquisa qualitativa so- Abstract: This paper covers a qualitative re- Doutora em Psicologia pelo
Programa de Pós-graduação
bre as relações entre avós e filhos na situação search about the relationship between grandpa-
em Psicologia Clínica e
de disputa de guarda judicial de netos pedida pe- rents and children in the situation of dispute of
Cultura – UnB
los avós. Esses pedidos são um dos processos grandchildren legal custody demanded by gran-
mais autuados em Vara de Família atualmente. dparents. Such requests are one of the most EQRSW 2/3 Bloco 3 apt. 319
O método utilizado foi o da pesquisa ação e litigated in Family Court at present. The method Setor Sudoeste – Brasília-DF
sua realização foi concomitante às atividades adopted was action research and its implemen- E-mail: vanessinhasc@
inerentes ao serviço de avaliação psicossocial tation was done concomitantly to the activities gmail.com
de um tribunal de justiça. Seis famílias foram as inherent to the psychosocial evaluation service
colaboradoras. Os instrumentos foram os mes- of a justice court. Six families collaborated. The
mos da avaliação psicossocial: entrevista semi- instruments were the same of psychosocial eva-
Liana Fortunato
-estruturada, genograma e visita domiciliar. Foi luation: semi-structured interview, genogram and
possível perceber que a guarda dos netos é vista domiciliary visit. It was possible to perceive that
Costa
como um ganho, como uma forma de manter o the guard of grandchildren is seen as a gain, as Psicóloga, Terapeuta Conjugal
controle de sua descendência e a oportunidade a way to maintain descendent control and as an e Familiar, Psicodramatista
de recomeçar sua história. Em termos do ciclo opportunity to restart their history. In terms of Doutora em Psicologia Clínica
vital dos avós, o lugar de guardião representou a the vital cycle of the grandparents, the guardian pela Universidade de São
possibilidade de resgate de sua função parental. position represented the possibility of redemption Paulo
Os processos de guarda de netos sustentam, de of their parental function. The legal custody pro- Docente Permanente do Pro-
forma velada, conflitos familiares, motivo pelo cesses involving grandchildren sustain, in a veiled grama de Pós-graduação em
qual a sentença judicial não trará resolução. way, familiar conflicts and, as a consequence, ju- Psicologia Clínica e
dicial sentence will bring no resolution. Cultura PCL/IP/UnB
Palavras-chave: idoso, família, guarda judi- E-mail: lianaf@terra.com.br
cial de neto, ciclo de vida Keywords: elderly, family, legal custody of
grandchildren, life cycle
Recebido em 27 de
janeiro de 2011.
Aprovado em 21 de
fevereiro de 2011.

Este artigo trata de uma pesquisa qualitativa sobre as relações entre avós e * Esse texto apresenta parte
dos resultados da Tese “Os
filhos na situação de disputa de guarda judicial de netos pedida pelos avós. O Avós e a Concessão de
referencial teórico é o Pensamento Sistêmico: “Um sistema é um todo integrado Guarda Judicial de Netos
na Perspectiva do Ciclo de
cujas propriedades não podem ser reduzidas às propriedades das partes” (Vas- Vida Familiar”, defendida
concellos, 2002, p.200). Essa noção implica que o todo é mais complexo do que pela primeira autora sob
a soma da suas partes, que guardam uma interdependência entre si, de modo a orientação da segunda,
perante o Programa de Pós-
que os acontecimentos parecem implicar mais do que unicamente as decisões e graduação em Psicologia
ações individuais. Para se entender as partes é preciso que se tenha compreensão Clínica e Cultura da
Universidade de Brasília, em
das relações entre elas. Assim, fica evidenciada a concepção de interdependên- julho de 2010.
cia entre todos os elementos do sistema, e como esses elementos influenciam-
-se mutuamente, de modo não linear, Conforme Antonio (2006), os pe-
42 NPS 39 | Abril 2011
didos de guarda de avós por seus
recursivo e bidirecional. Assim, o
foco de análise da família como um netos em Vara de Família é um dos
sistema é voltado para o todo, preser- processos mais autuados hoje. Tais
vando as especificidades individuais, pedidos, por envolverem avós e netos,
compreendendo que as pessoas que têm provocado algum tipo de sofri-
compõem uma família têm suas vidas mento tanto para a criança quanto
interconectadas e, conforme Minu- para os avós, sobretudo em famílias
chin, Nichols e Lee (2009), o compor- empobrecidas. De acordo com os
tamento dos membros da família de- profissionais que atuam junto ao Tri-
corre da forma como interagem uns bunal de Justiça do Distrito Federal,
com os outros. O objetivo da pesquisa especificamente junto ao Serviço de
foi analisar quais são as implicações Atendimento a Famílias com Ação
geradas pela guarda judicial nos rela- Cível (SERAF), em 2007, da totalida-
cionamentos intrafamiliares. de dos processos atendidos pelo refe-
É complexa a circunstância que faz rido serviço, um terço era protago-
com que os avós venham a solicitar nizado por avós e netos envolvendo
a guarda de seus netos e essa decisão disputa de guarda.
afeta o ciclo de vida da família e dos Nesse contexto, as crianças que
avós. Vários questionamentos sur- já vivem em condições que trazem
gem: O que leva estes avós a solici- algum tipo de risco para seu desen-
tarem formalmente a guarda de seus volvimento podem, a partir do rela-
netos? O que a guarda de netos traz cionamento com seus avós, acionar
em termos de mudanças no projeto os recursos pessoais e contextuais que
de vida do avô? O que motiva avós contribuem para reduzir ou neutrali-
que são provenientes de classes so- zar os efeitos negativos presentes no
ciais menos favorecidas a assumirem ambiente, reforçando os fatores de
a responsabilidade legal de seus ne- proteção.
tos, ainda que enfrentem dificuldades Uma das formas de olhar a famí-
financeiras? A concessão de guarda lia é por meio do seu ciclo vital, ou
judicial coloca em foco as diferenças seja, das etapas na qual se desenvolve.
geracionais presentes nas famílias, e Essas etapas são esperadas em todas
estas diferenças podem oferecer pos- as famílias, apesar de vivenciadas de
sibilidades para a construção de laços maneiras distintas. O conceito de ci-
solidários e uma troca de experiências clo vital familiar não se refere a um
entre as diferentes gerações, mas tam- processo rígido ou estanque, mas é
bém podem gerar um distanciamento dinâmico e em transformação, con-
de uma geração para outra. Essa ques- textualizado social e historicamen-
tão ainda requer maior investigação te. Cada estágio de desenvolvimen-
por parte dos profissionais de Psicolo- to possui tarefas desenvolvimentais
gia no que diz respeito ao seu impac- específicas que devem ser superadas
to nos relacionamentos nas famílias tanto pelo indivíduo quanto pelo sis-
que passam a ser “multigeracionais”, tema familiar para que possam alcan-
principalmente naquelas cuja guarda çar a transição para uma nova etapa
dos netos está sob responsabilidade de do ciclo vital (Carter & McGoldrick,
avós (Groth, 2004; Cardoso, 2006). 1995). O movimento do ciclo vital

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


das famílias interage com os movi- figura, no qual podem ser destacados A disputa de guarda de
tanto aspectos positivos quanto ne- netos por avós 43
mentos inerentes a cada um de seus
Vanessa Silva Cardoso, Liana
membros. Na perspectiva de se com- gativos para os avós se tornarem res- Fortunato Costa
preender a família pelo seu ciclo de ponsáveis pelo cuidado de seus netos.
vida, vemos que a fase de envelheci- Dentre os aspectos positivos, para os
mento do avô/avó e o pedido formal avós, Lopes, Neri e Park (2005) des-
da guarda de um dos netos acarretam, tacam a satisfação em prover a nova
para as famílias, um rearranjo de suas geração, o senso de renovação e dever
funções e papéis. Acreditamos, junta- cumprido, ter companhia e afastar o
mente com Figueiredo (2008), que o sentimento de solidão. Para os mes-
prolongamento do tempo de perma- mos autores, os efeitos negativos sobre
nência do filho em casa constitui-se os idosos seriam a queda na qualidade
em um novo e importante fenômeno da saúde física e emocional, alterações
dentro do estudo dessa fase do ciclo na vida social e familiar, sobrecarga fi-
vital das famílias. Tendo em vista o nanceira e estresse.
crescimento do fenômeno do “ninho
cheio” em nossa realidade brasileira,
é comum encontrarmos famílias vi- Método
venciando o Estágio Tardio do ciclo
vital ainda com filhos residindo na Esta pesquisa é do tipo pesquisa-
mesma casa, ou que saíram mas vol- -ação (Greenwood & Levin, 2006),
taram para a casa dos pais, que agora responsável pela produção de conhe-
já estão idosos. cimento válido, do desenvolvimento
Conforme Whitbeck, Hoyt e Huck teórico e de melhorias sociais, o que
(1993), o papel dos avós tem sofrido a torna uma promissora ferramenta
significativas mudanças. Para estes para mudanças. Outro aspecto desta
autores, as mudanças nos padrões de pesquisa-ação é que foi realizada con-
fertilidade e longevidade têm resulta- comitantemente às atividades ineren-
do em um número maior de avós sau- tes ao Tribunal de Justiça do Distri-
dáveis convivendo com um número to Federal, especificamente junto ao
menor de netos que, por sua vez, tor- Serviço de Atendimento a Famílias
naram-se foco da atenção de seus avós. com Ação Cível (SERAF).
Calobrizi (2001) pesquisou sobre avós Contexto – Esse serviço tem como
que cuidavam de netos por intimação missão o assessoramento aos Magis-
judicial. Para a autora, diante de con- trados das Varas de Família, Cíveis,
dições tão hostis de vida, de condições Criminais e de Precatórias, por meio
econômicas muito precárias, esses de pareceres (relatórios) psicosso-
avós foram incumbidos de assumir ciais. Nesse Serviço, as ações mais
judicialmente o cuidado de seus netos, comuns são referentes às varas de
sem preocupação do poder público Família, destacando-se Separação Li-
em oferecer algum subsídio para essa tigiosa, Guarda e Responsabilidade,
população, desprovida de bens, “que Regulamentação de Visitas e Busca e
até deixam de comer para que não Apreensão. Seu objetivo principal é
falte aos seus netos” (Calobrizi, 2001, fornecer elementos psicossociais que
p. 147). As mudanças evidenciam que subsidiem a tomada de decisão junto
um cenário complexo e amplo se con- aos Magistrados.

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


Participantes – As seis famílias crianças foi criada por uma tia ma-
44 NPS 39 | Abril 2011
terna em São Paulo, não tendo sido
que colaboraram nesta pesquisa são
identificadas com nomes fictícios: maternada pela Sra. Beatriz. Os avós
famílias Alves, Brito, Carvalho, Dias, são assessorados por outra filha que
Espíndola e Fernandes, de modo que auxilia as crianças com as questões
seus nomes sejam preservados e suas escolares, e mostram-se preocupados
identidades mantidas em sigilo. em relação à pensão que as crianças
Família Alves – Constituída pela recebem da mãe. Além disso, o avô
avó, Sra. Júlia, 64 anos, aposentada, está construindo uma casa para cada
viúva, seus quatro filhos homens com uma das crianças no lote da família,
27, 21, 19 e 24 anos, sendo que este últi- pois sabem estar em idade avançada.
mo filho é o pai de seu neto de 2 anos e Família Carvalho – Composta pela
4 meses. São evangélicos e dispõem de Sra. Bárbara, avó materna da crian-
uma renda de R$ 2.400,00 (dois mil e ça em questão, 52 anos, divorciada,
quatrocentos reais). A mãe do neto, 18 auxiliar de educação no período ves-
anos, engravidou ainda adolescente e, pertino em um centro educacional.
durante o quinto mês de gestação, foi Declarou renda mensal no valor apro-
residir com a família da Sra. Júlia, que ximado de R$ 2.000,00 (dois mil
havia acabado de ficar viúva. Após a reais). Reside em apartamento pró-
criança completar 3 meses, a mãe saiu prio com a filha, 24 anos, e a neta, 6
de casa deixando a criança aos cuida- anos de idade. A Sra. Bárbara vive em
dos da avó paterna, e foi morar perto constante conflito com a filha, usuá-
para garantir a proximidade do filho. ria de drogas. Esta se ausenta de casa
Hoje a mãe da criança estuda e mora e dorme com frequência na casa de
com sua mãe adotiva, e concorda com amigos, sem que sua mãe saiba seu pa-
a Sra. Julia que no momento ela não radeiro. Dentre as queixas apresenta-
possui condições para melhor educar das destaca-se o fato de sua filha já ter
e criar seu filho, mas solicita que seu utilizado maconha na frente da neta,
filho passe mais tempo com ela nos fi- Fernanda, além de já ter levado pes-
nais de semana, incluindo o pernoite, soas estranhas com a intenção de per-
fato este não admitido pela Sra. Júlia. noitar em sua casa. Visando proteger a
Com relação ao pai, este pareceu ser neta dos comportamentos impulsivos
pouco envolvido com as rotinas e cui- da filha foi que a Sra. Bárbara ajuizou
dados do filho e ainda está ressentido a Ação de guarda de sua neta, que foi
com a separação da mãe. fruto de relacionamento temporário e
Família Brito – Núcleo familiar muito violento. O pai da menina fa-
formado por Sra. Beatriz, 61 anos, do leceu após ser atropelado em 2003. A
lar, analfabeta, e seu esposo, 59 anos, avó paterna da menina oferece apoio
pedreiro, e seus dois netos gêmeos bi- constante à neta, auxiliando a família
vitelinos, de 6 anos. A mãe das crian- materna. A Sra. Bárbara tem ainda
ças faleceu de câncer de mama aos 35 dois outros netos, que residem com a
anos e o pai, portador do vírus HIV, mãe, mas que foram criados por ela.
tem destino incerto. As crianças resi- Família Dias – Formada pelo Sr.
dem com os avós maternos desde os Marcelo, 77 anos, sua esposa, 69 anos,
6 meses de idade, quando o estado de analfabeta, e seus três netos, sendo
saúde da mãe estava grave. A mãe das apenas o adolescente o motivo da

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


disputa. A mãe deles, 41 anos, nun- de tratamento das vias respiratórias e A disputa de guarda de
melhor possibilidade de ensino for- netos por avós 45
ca chegou a viver com a família. O
Vanessa Silva Cardoso, Liana
requerente da Ação é o avô paterno, mal. A mãe da menina, ao se separar Fortunato Costa
aposentado por invalidez, que decla- do filho da Sra. Branca, deixou esta
rou renda de um salário mínimo mais aos cuidados paternos.
uma pensão alimentícia referente ao Família Fernandes – Sra. Naiane, 68
neto, no valor de R$ 330,00. Ademais, anos, viúva, analfabeta, avó materna
declarou ter uma renda de R$ 150,00 do adolescente em questão, 13 anos,
provenientes do aluguel de um imó- estudante, reside juntamente com seu
vel. Compõem este núcleo familiar neto. A Sra. Naiane, pensionista, de-
os netos gêmeos de 9 anos e outro de clarou renda mensal de R$ 1.400,00
13 anos, todos estudantes. A mãe dos (mil e quatrocentos reais), acres-
meninos reside com seu filho mais cida de R$ 50,00 (cinquenta reais)
novo, 7 anos. Os avós decidiram ficar provenientes de pensão alimentícia
com seus netos a partir de visita que do neto. O pai do adolescente, 33
fizeram à filha, durante a qual cons- anos, solteiro, desempregado, decla-
tataram que ela viajava e os meninos rou não dispor de renda própria e
ficavam sós. Os meninos têm contato conviver atualmente com uma mu-
esporádico com a mãe biológica. lher, 33 anos, técnica em enferma-
Família Espíndola – Núcleo fami- gem, com renda mensal de cerca de
liar composto pela Sra. Branca, avó R$ 2.500, 00 (dois mil e quinhentos
paterna da criança em disputa, 57 reais). A mãe do adolescente, 28 anos,
anos, funcionária pública, com ren- solteira, desempregada, declarou não
da mensal declarada no valor de R$ dispor de renda própria e é porta-
2.400,00 (dois mil e quatrocentos dora de problemas psiquiátricos. Os
reais). Reside com seu filho, 26 anos, pais do adolescente conviveram por
desempregado, a neta e uma babá. pouco tempo quando tinham 14 anos
Nesse caso específico, o requerente e 17 anos. Com a separação, os avós
do processo, Sr. Moisés, esposo da maternos descobriram que o neto ha-
Sra. Branca, faleceu 1 mês antes da via sido dado a uma vizinha e foram
realização do estudo psicossocial e buscá-lo. A criança estava com 2 anos
em função deste falecimento, a mãe e assim a avó materna assumiu os cui-
da menina, solteira, 25 anos, sentiu- dados do neto. Atualmente, o neto é
-se fortalecida para solicitar a guarda quem visita a mãe, às vezes. Além dis-
da filha. A mãe da menina declarou so, os avós paternos moram perto e
receber renda mensal de R$ 600,00 têm contato com o neto.
(seiscentos reais) e reside com a mãe. Instrumentos – Para a coleta dos
O pai da criança em questão é filho dados da presente pesquisa-ação fo-
de relacionamento anterior da Sra. ram utilizados os mesmos instrumen-
Branca. Seu falecido marido era uma tos que geralmente são utilizados no
figura que exercia papel social e afeti- estudo psicossocial do SERAF: entre-
vo de cuidador da criança. O pedido vistas semiestruturadas e a visita do-
de Guarda e Responsabilidade da neta miciliar. Segundo Moura e Ferreira
foi feito para poder proporcionar à (2005), o formato flexível e aberto, que
criança melhor atendimento médico é uma característica da entrevista, pos-
em função de constante necessidade sibilita maior implicação e participa-

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


ção entre entrevistado e entrevistador. sua participação via assinatura do Ter-
46 NPS 39 | Abril 2011
O roteiro da entrevista foi pensado em mo de Consentimento Livre e Esclare-
consonância com o objetivo do estudo cido acerca da voluntariedade em par-
psicossocial. A visita domiciliar é uma ticipar.
estratégia de melhor conhecimento Análise das informações – Os da-
com famílias com o intuito de apro- dos provenientes dos atendimentos e
fundar questões familiares (Bran- visitas domiciliares foram analisados a
dão & Costa, 2004). partir da proposta de Análise de Con-
Procedimentos – Após a autori- teúdo de González Rey (2005), segun-
zação do presidente do TJDFT e da do a qual a construção-interpretação
aprovação no Comitê de Ética, as pes- dos dados é feita por zonas de sentido.
quisadoras integraram a equipe téc- De acordo com este autor, as zonas de
nica participando dos atendimentos sentido consistem em campos de in-
agendados. Foram realizados em tor- teligibilidade produzidos ao longo do
no de três atendimentos com as famí- processo científico. Esses espaços vi-
lias e as partes envolvidas no proces- sam abrir novas possibilidades de aná-
so. Esses atendimentos aconteceram lises futuras, ao invés de esgotar teori-
nas salas de atendimento do próprio camente um determinado fenômeno.
Serviço e foram gravados em áudio
com o consentimento da família. Ao
longo do estudo, também foram rea- Discussão dos Resultados
lizadas visitas às residências das par-
tes. Nesses encontros com as famílias, Para a construção da interpreta-
foi realizada a entrevista do ciclo de ção, identificamos a organização e as
vida do avô, com o intuito de conhe- regras presentes nas famílias a partir
cer a história da família e caracteri- do mapeamento das posições e papéis
zar os motivos que levaram esse avô que são desempenhados no cotidiano
a requerer a guarda do neto, além de familiar e dos padrões transacionais
mapear as interações familiares. Para que determinavam os relacionamentos
a construção das informações deste entre seus membros, e a forma como
texto, as entrevistas e as visitas domi- mantém seus vínculos. A dinâmica
ciliares foram as principais fontes. As ficou evidenciada por meio das inte-
entrevistas foram gravadas e trans- rações que são estabelecidas em sua
critas na íntegra e utilizadas para a estrutura. Ancoramos nossas ideias no
interpretação e análise. A coleta de que Minuchin e cols. (2009) enfatizam:
dados foi realizada ao longo de sete as famílias são unidades e os problemas
meses (junho a dezembro de 2008). humanos são de natureza interacional.
Cuidados éticos – O estudo obteve
autorização do presidente do TJDFT.
Além disso, o projeto foi submetido Avós e filhos disputam
e aprovado junto ao Comitê de Ética netos ou filhos?
do Instituto de Ciências Humanas da
Universidade de Brasília e aprovado Nas famílias participantes da pes-
na reunião do dia 4 de julho de 2008. quisa, a disputa se configurou, em
Os participantes foram informados da sua maioria, entre mães e filhas. Em
pesquisa e, em seguida, confirmaram duas famílias, Carvalho e Fernandes,

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


as mães das crianças eram as únicas dades entre mãe e filha de estabelecer A disputa de guarda de
uma relação clara e direta de pessoa netos por avós 47
filhas mulheres e tinham uma relação
Vanessa Silva Cardoso, Liana
de proximidade com o pai, cujo fale- a pessoa ficaram evidentes e levaram, Fortunato Costa
cimento suscitou nessas moças o sen- inexoravelmente, à triangulação com
timento de abandono e a redefinição a neta. Consoante às lições de Minu-
das relações familiares:  chin (1990), o nível de diferenciação
dos pais é proporcional às suas neces-
Genitora Família Fernandes: Quando sidades de preencher o vazio interior
o meu pai era vivo não era assim, não. por meio da triangulação com o filho,
Eu até frequentava a casa deles. Agora e o que leva a acentuar essa estrutura
não tem mais pra que eu ir lá. é o fato de o sistema familiar não re-
Avó Família Carvalho: (...) ela era mui- conhecer as fronteiras. Nessa família,
to apegada ao pai. A gente nunca se deu ficou evidente ainda, a ausência de
muito bem, eu era mais grudada com o fronteiras nítidas, ou seja, a falta de li-
meu filho que morreu. Depois que o pai nhas da responsabilidade e autoridade
se foi que ela começou com essa besteira bem demarcadas.
de ir dormir em casa de colega e eu acho Na Família Alves, o conflito se es-
que as drogas também começaram. tabeleceu entre nora e sogra. Após a
  gravidez adolescente da mãe da crian-
Podemos constatar, na Família Car- ça e a viuvez da avó, a segunda, como
valho, um funcionamento de fusão chefe de família, temeu que a entrada
emocional referente à família nuclear, de outra mulher em sua residência
que inclui pai, mãe, filho da geração gerasse inimizades e ela perdesse sua
intermediária e a neta. Em decor- posição de autoridade. Nessa família
rência do falecimento do pai, a filha, encontramos uma fronteira nítida e
que era triangulada ao casal, transfe- uma rigidez na estrutura familiar:
re sua ansiedade para a criança, dei-
xando-a sob os cuidados de sua mãe Avó Família Alves: Eu tenho uma coisa
(Boszormenyi-Nagy & Spark, que eu não sei se estou certa ou não, por-
1993; Bowen, 1991). Após a morte do que eu falei pra eles assim: oh, meus fi-
pai, a mãe da criança passou a buscar lhos, seu pai morreu e eu fiquei, e eu não
nos colegas e nas drogas uma família tenho uma filha mulher e eu não acei-
substituta proveniente das relações to mulher pra morar dentro da minha
sociais. No entendimento de Bowen casa. Porque vai gerar malquerença.
(1991), essa tendência provém da for- Entrevistadora: Malquerença? De que
ça emocional de as pessoas negarem forma?
seu passado. Segundo Bowen (1991), a Avó Família Alves: Malquerença assim
busca por famílias substitutas no âm- porque eu não vou tolerar, porque sem-
bito social reduz a ansiedade imediata pre só sou eu que sou a mulher lá de casa
e pode funcionar bem por algum tem- e vai ser assim sempre.
po, mas não indefinidamente. Dessa
forma, a filha passou a estabelecer com Destacamos, nessa família, a negli-
a mãe momentos de aproximação em gência e o silêncio do pai da criança
que pernoitava e fazia suas refeições em todos os atendimentos. Na visita
na residência materna, e momentos de domiciliar, inclusive, pediu para se
distanciamento. Nesse caso, as dificul- retirar, pois o assunto dizia respeito a

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


sua mãe e à sua ex-companheira. Po- (1990) consigna: para garantir fun-
48 NPS 39 | Abril 2011
demos entender a postura negligente cionalidade na família, ou seja, para
do genitor da Família Alves, por ainda que cada membro do sistema reali-
estar ressentido com a mãe da criança ze suas funções, e ainda mantenha
que, segundo ele, o deixou por querer contato com os outros membros e
frequentar “baladas” e que preferia com o exterior, as fronteiras devem
nem estar perto dela. Esse pouco en- ser concomitantemente bem defini-
volvimento do pai estava também re- das, e ao mesmo tempo permeáveis,
lacionado com o super envolvimento capazes de permitir as transações no
de sua mãe nos cuidados da criança. sistema. A esse respeito, concorda-
Contudo, entendemos que essa pos- mos, também, com Aratangy e Pos-
tura masculina deve-se a questões de ternak (2005) quando afirmam que,
gênero, ao fato de que, historicamen- o envelhecimento, a saída dos filhos
te, o ambiente doméstico diz respeito de casa, a aposentadoria, a viuvez, en-
às mulheres. tre outros aspectos, deixam lacunas e
É imperioso salientar que encon- sentimentos amorosos à deriva, o que
tramos em todas as famílias pesquisa- leva alguns avós a ocuparem iluso-
das o predomínio de mulheres como riamente os vazios com os cuidados
chefes de seu núcleo familiar, carac- dos netos. Observamos, ainda, nessa
terizando-os em seu funcionamento família, que a avó impedia a criança
como matriarcais. De acordo com de pernoitar, eventualmente, na casa
Minuchin e cols. (2009), essa confi- materna, sendo este o único pedido
guração é, de fato, uma das formas da genitora, já que ela reconheceu
mais comuns de organização familiar que não tinha condições, naquele
em todo o mundo e aparece em cul- momento, de criar seu filho:
turas que desvalorizam as mulheres.
Para esses autores, é também o resul- Avó Família Alves: Eu não quero que
tado de uma organização social que o neném vá dormir na casa dela. Lá é
engendra mais responsabilidades e sujo, tem pelo de gatos e cachorros, eles
maiores habilidades de enfrentamen- não limpam. Para passar o dia é uma
to nas mulheres que nos homens. coisa, mas dormir eu não quero. 
Nessa família, constatamos uma rela-
ção de emaranhamento entre mãe e A partir dessas afirmações pode-
filho tal qual se pode verificar na se- mos apreender que essa avó tem a ne-
guinte afirmação: cessidade de controlar e que tomou o
ressentimento do filho com a namo-
Genitor Família Alves: Para mim é as- rada como algo pessoal, impedindo
sim, tanto faz a criança ficar comigo ou a mãe da criança de participar, ain-
com a minha mãe. Eu e a minha mãe da que eventualmente, dos cuidados
somos uma coisa só. Só não acho que ele com a mesma. Tal qual Aratangy e
tenha que ficar com a mãe dele. Posternak (2005) enfatizam, muitas
avós sentem a necessidade de valori-
Essa aliança entre mãe e filho im- zar-se aos olhos da nora, ainda inex-
pediu a transação da mãe da criança perientes, demonstrando em cada
pelo sistema familiar. Nesse sentido, oportunidade que sabem ser uma
concordamos com o que Minuchin mãe exemplar, o que pode provocar

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


sentimentos de insegurança na geni- casa paterna arrependida. Muito pelo A disputa de guarda de
netos por avós 49
tora. Além disso, a avó exercia uma contrário, manteve sua postura de
Vanessa Silva Cardoso, Liana
ação policialesca diante do exercício visitas eventuais à residência pater- Fortunato Costa
da maternidade desempenhada pela na e designou aos pais que tomassem
nora, o que desencadeava conflitos conta de seus filhos. Os motivos que
cotidianos, de forma que o conflito levavam essa mãe da criança a viver
do par parental ficou deslocado para em festas e longe dos filhos foram por
a relação nora e sogra. nós desconhecidos, mas salientamos
Por outro lado, a indefinição da que existia a condescendência dos
relação conjugal do par parental fez avós em manter o sistema funcionan-
com que alguns avós assumissem seus do dessa forma.
netos. Quanto a esse aspecto, toma- Encontramos nas famílias pesqui-
mos como exemplo a Família Espín- sadas a situação em que a geração in-
dola. A criança só foi para a casa dos termediária ainda não encontrou seu
avós em decorrência da inconstância lugar no sistema familiar, assumindo,
do relacionamento do casal que, de- muitas vezes, uma postura imatura
vido às fragilidades emocionais do diante da vida. Na Família Alves, a
par parental, fez com que o padrasto mãe da criança era colocada como
do pai passasse a assumir a criança. babá do próprio filho, e não reivindi-
Esses genitores, ao longo dos anos, cava, com a sogra, sua postura e lugar
mantiveram uma relação do tipo vai e de mãe. Na Família Fernandes o pai
vem, e nesse ínterim, às vezes não ha- tinha que pedir para a avó para sair
via um local seguro e apropriado para com seu filho. Na Família Dias, a mãe
a criança ficar. Foi nesse momento foi viver em festas na Bahia e deixou
que o padrasto do pai da criança re- seus pais idosos cuidando de seu fi-
solveu cuidar da mesma. Porém, em lho, e ainda retinha o dinheiro refe-
consequência do falecimento desse rente à pensão da criança.
avô a genitora, agora mais amadure- A esse respeito, Aratangy e Poster-
cida, resolveu assumir a criança. nak (2005) afirmam que alguns pais
Ao contrário de uma postura de utilizam-se demasiadamente dos avós
maturação adulta e de reflexão da quando têm a necessidade de sua aju-
geração intermediária, encontramos, da e confiam neles como se fossem
na Família Dias, uma metáfora elabo- babás eficientes. Todavia, quando não
rada pelo avô requerente aludindo à precisam mais deles, irritam-se com
dinâmica de funcionamento familiar: qualquer atitude dos mesmos. Essa
relação utilitária, incoerente e abu-
Genitor Família Dias: Nossa filha é siva, tem gerado mágoas profundas,
como o filho pródigo. Ela pode ir quan- das quais alguns avós queixam-se,
tas vezes quiser porque nós vamos aco- com medo de perder o contato com
lher quantas vezes for preciso.  os netos. Vale refletir a respeito da po-
sição ambígua desses avós na relação
Essa menção ao filho pródigo nos com seus filhos e com os netos. Se de
chamou a atenção. Diferentemen- um lado assumem o lugar de seus fi-
te da história narrada pela parábo- lhos, retirando deles seu lugar e fun-
la bíblica, esses avós não eram ricos ção parental, por outro, uma vez to-
e tampouco a filha retornou para a mada essa postura, fica evidente sua

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


necessidade de controlar o sistema o fato de a mãe ficar meses, e até mes-
50 NPS 39 | Abril 2011
mo anos sem visitar o filho, fez com
familiar, não permitindo a partici-
pação dos genitores no cuidado com que ambos mantivessem esse rela-
seus netos. cionamento a distância, com poucos
Assim, fica evidente que as forças contatos telefônicos. Nas demais fa-
do sistema para manter a homeostase, mílias, a relação mãe e filho necessa-
ou seja, o equilíbrio do sistema, são riamente perpassava pela avó.
maiores do que uma possibilidade de Na Família Fernandes, como con-
mudança. Nesse sentido, ter a guar- sequência dos conflitos com a avó, a
da do neto é manter uma situação genitora não frequentava a casa de
conhecida, qual seja, cuidar do neto seu filho e este pouco ia à sua residên-
em tempo integral tal qual já vinha cia por ser longe e estar em local pe-
acontecendo na informalidade. Con- rigoso. Nessa família, durante a visita
tudo, esses avós não esperavam que domiciliar, percebemos que a mãe era
diante do estudo psicossocial alguns portadora de distúrbios psiquiátricos
genitores pudessem querer ter maior e que, de fato, tinha dificuldades em
proximidade da criança, como o caso demonstrar afetividade por seu filho,
da Família Alves, em que a genitora o que não significava que não possuía
intimidou-se com a força do sistema tal sentimento. Contudo, não pode-
familiar paterna e não teria coragem mos deixar de assinalar a coalizão da
para batalhar pela guarda da criança, avó e do neto contra a mãe. Tal como
mas reivindicou que seu filho pernoi- Minuchin e cols (2009) salientam,
tasse em sua residência. Na Família esse tipo de ligação nesse subsistema
Espíndola, a genitora só conseguiu tende a ser destrutivo, uma vez que
lutar pela sua função materna após bloqueia as possibilidades da mãe
o falecimento do avô requerente. como cuidadora na família. Com base
Na Família Carvalho, a genitora deu nesse autor, é como se avó e genitora
bons motivos para a avó não confiar ainda estivessem presas na antiga ba-
nela, mas a irresponsabilidade da fi- talha da dependência, ainda que seja
lha e a perda de confiança de sua mãe pela recriminação mútua.
são complementares. Pode ser difícil Não obstante, apesar da relação
confiar em uma filha que é negligente entre mãe e filho nas famílias pesqui-
com sua própria filha, mas é bastante sadas estar associada aos avós, res-
complexo agir de forma responsável saltamos que essa interação foi per-
quando as pessoas não confiam em meada por bastante afeto e carinho.
você. Assim, concordamos com Mi- Durante a visita domiciliar à Família
nuchin e cols (2009) quando dizem Carvalho, observamos que a criança
que de certa forma as crianças nunca estava bastante envolvida com sua
crescem realmente até que seus pais as mãe, sentando em seu colo, e que esta
admirem e confiem nelas. preparou um lanche, adequado para
Discorremos, a partir daqui, a res- o horário e para a faixa etária de sua
peito de outro subsistema: netos e filha. Na Família Espíndola, apesar
geração intermediária. Importa res- das sucessivas separações do convívio
saltar que na Família Brito a genitora materno, constatamos que mãe e fi-
era falecida e que nessa família não lha estabeleciam um vínculo bastante
existia essa relação. Na Família Dias, forte e de confiança mútua. Vale res-

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


saltar que um “ponto de encontro” da das as famílias pesquisadas por meio A disputa de guarda de
da forma como as crianças se referiam netos por avós 51
geração intermediária com os netos
Vanessa Silva Cardoso, Liana
foi a tecnologia: aos avós. Exceto na Família Espíndo- Fortunato Costa
la, na qual a criança citava sua mãe
Neto Família Fernandes: A única coisa como figura de referência materna,
que não tem na minha casa e que tem lá todos os demais netos chamavam as
(casa do pai) é o videogame. avós de mãe. Entendemos esse fenô-
Genitor Família Fernandes: (...) Quan- meno como resultado de mudanças
do ele ia menorzinho para minha casa, das relações familiares, como o au-
a gente ficava no computador, no video- mento da longevidade, o alargamen-
game (...) são coisas que ele não faz na to da adolescência, crises econômicas,
casa da dona Naiane. entre outros aspectos, que tornaram
   a família um cenário complexo e
Como era algo que as duas gera- amplo em que se configuram novos
ções tinham em comum, sem a pre- protagonistas, destacando-se o rela-
sença dos avós, tanto os filhos como cionamento entre avós e netos.
os netos ressaltaram a questão da Especificamente na Família Brito,
tecnologia como uma espécie de li- encontramos uma avó que percebia
gação geracional. Assim, entendemos que sua participação no cuidado com
que a relação pais e filhos manteve- os netos era algo diferente do que
-se fortalecida, com uma vinculação uma mãe pode fazer:
afetiva forte, apesar das interferências
dos avós. Entretanto, a participação Avó Família Brito: Jamais iria cuidar
desses avós se faz pertinente, pois a de neto se tivessem pais saudáveis e vi-
geração intermediária não dispu- vos. Quer coisa melhor que uma mãe?
nha, naquele momento, de condições Que dia eu vou dar assim amor para os
para assumir essas crianças como um meus netos igual uma mãe dá? Eu dou,
todo. No entanto, entendemos que as eu dou assim, eu faço uma aparência,
famílias fazem escolhas que possibi- mas eu não dou igual à mãe. A mãe é
litam que o sistema familiar no qual mais forte, é tudo para um filho.
estão inseridos evolua de modo a au-
torizar quem vai desempenhar certos Sublinhamos que, nessa família,
papéis. Nesse sentido, concordamos além de a mãe da criança ser falecida,
com Ausloos (1996) quando afirma esta não tinha sido criada pela avó, e
que nós, profissionais, tornamos a fa- sim por uma tia, dos sete anos até a
mília autônoma quando permitimos idade adulta. Entendemos que essa
que esta siga suas próprias regras. fala pode evidenciar, ainda, culpa por
A respeito do subsistema avós e ne- não ter criado sua filha e até mesmo
tos, perfilhamos o pensamento de Lo- insegurança diante da necessidade de
pes e cols. (2005), que dizem que nas ter que assumir o cuidado integral de
últimas décadas foi significativo o au- seus netos.
mento do número de idosos que dei- Com relação aos sentimentos sus-
xaram de exercer apenas seus papéis citados diante da iminência da guar-
de avós e passaram a desempenhar da de netos pelos avós, ressaltamos
também a função dos pais diante de a preocupação e a apreensão diante
seus netos. Isso foi percebido em to- da responsabilidade, o medo de fa-

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


lhar e fracassar, o orgulho de poder Assim, aludimos ainda que nesse
52 NPS 39 | Abril 2011
subsistema, os netos foram percebi-
passar bons valores para as crianças
e a alegria que os netos trazem para dos pelos avós como uma fantasia,
a vida do avô. Além disso, enfatiza- cujo objetivo era reparar a sua pró-
mos que as novas configurações fa- pria vida, dar um novo sentido diante
miliares trouxeram, para os avós, o de uma velhice repleta de perdas:
sentimento de satisfação em prover
a nova geração, o senso de renovação Avô Família Dias: Meus netos são tudo
e dever cumprido, ter companhia e para mim. Não sei o que seria de mim
afastar o sentimento de solidão. A sem eles.
esse respeito, sublinhamos que na Avó Família Carvalho: Agora vai ser a
Família Alves o nascimento da crian- minha hora com ela (neta), vamos viver
ça em questão sucedeu logo após a nossas vidas tranquilas.
viuvez da avó:
Entendemos que, para esses avós,
Genitora Família Alves: Depois que especialmente para aqueles que vie-
meu marido morreu, sabe, nos primei- ram com histórico de lutas e de per-
ros meses eu só chorei (...) aí eu entrei das, assumir o compromisso com o
em depressão mesmo, eu achei que eu ia neto foi visto como uma forma de
morrer mesmo, eu só tinha vontade de manter o controle de sua descendên-
morrer mesmo. Foi aí que meu filho veio cia, e a possibilidade de reviver o reco-
com a notícia da gravidez da namora- meço de uma história da qual também
da. Aquilo para mim foi uma alegria fazem parte por meio de sua imorta-
tão grande, tão grande que eu parei de lidade genética. Contudo, em algumas
chorar.  famílias pesquisadas, como Carvalho
e Fernandes, observamos o apego an-
Destacamos que a dedicação dessa sioso entre os avós e as crianças. Além
avó por seu neto ocorreu como uma de as crianças dividirem a cama, o es-
estratégia de enfrentamento do luto paço do quarto com os avós, ficou evi-
que estava vivendo. A nosso ver, en- dente a perda das fronteiras, visto que
tretanto, essa perda poderia ser tra- a transmissão da ansiedade era tão
tada como tal e não pela substituição intensa que cada uma delas chegou a
de uma figura de afeto por outra, pois convencer-se de que não poderia so-
a criança recebeu, inclusive, o nome breviver sem a outra:
do avô falecido. Diante desse panora-
ma, ficaram evidentes as motivações Avó Família Fernandes: Se ele não está
da avó para ajuizar a ação de guarda no quarto, eu não consigo dormir.
do neto. Além disso, acompanhamos Neto Família Fernandes: Eu tenho que
o entendimento de Kipper e Lopes dormir no quarto com ela, senão eu te-
(2006), pois afirmam que os avós têm nho pesadelo. 
a tendência a idealizar seus netos, tor-
nando esse vínculo muito particular. Do ponto de vista do desenvolvi-
Para as mesmas autoras, essa ideali- mento psicológico, este funciona-
zação pode ser vista como uma ma- mento pode impedir que o indivíduo
nobra para lidar contra as aflições da alcance sua autonomia e esteja livre
idade avançada e a morte inevitável. para realizar suas escolhas, como por

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


exemplo, decidir dormir no quar- obstante, salientamos que essa lógica A disputa de guarda de
netos por avós 53
to sozinho. Além disso, partindo da incongruente de poder por parte dos
Vanessa Silva Cardoso, Liana
compreensão sistêmica da estrutura avós foi algo que, paradoxalmente, os Fortunato Costa
familiar, tornaram-se visíveis as exi- aprisionava na medida em que or-
gências funcionais que organizavam ganizavam suas vidas em função do
as interações familiares, onde ficaram neto, tornando-se prisioneiros do seu
evidentes as dificuldades de acesso da próprio poder:
geração intermediária.
No que diz respeito a esses aspec- Avó Família Alves: Depois que o neném
tos, aquiescemos com Minuchin e nasceu eu não tenho tempo mais para
cols. (2009). Estes autores firmam que nada. Eu não faço nada (...). Fico só em
em famílias matriarcais é um desafio casa cuidando das coisinhas dele. Nem
confrontar as figuras que controlam, na igreja mais eu vou.
tornando-se onerosa a inclusão da Entrevistadora: E a senhora sente falta
geração intermediária como uma de ir à igreja? Sair?
participante dos cuidados paren- Avó Família Alves: Sinto sim, mas não
tais. Nesse sentido, para as famílias posso né?
pesquisadas, a entrada no contexto  
judiciário, especialmente no serviço Nesse contexto surgem os efeitos
psicossocial, possibilitou que fossem negativos para os avós em serem os
descortinadas essas dinâmicas e nas detentores da guarda de netos. Sobre
quais se tornaram possíveis reflexões o assunto, Lopes e cols. (2005) enfati-
que permitissem a inserção da figu- zam os aspectos contrários para que
ra parental, ainda que parcialmente, uma avó se torne guardiã de neto,
com intervenções que não confronta- quais sejam, a queda na qualidade da
vam os avós, mas que traziam à luz o saúde física e emocional, alterações
custo pessoal do mesmo para reinar. na vida social e familiar, sobrecarga
Aludimos à questão do controle por financeira e estresse. Assim, são trazi-
parte dos avós, pois, em algumas famí- dos à tona aspectos que até então es-
lias, os netos eram considerados por tavam encobertos por essas famílias:
seus respectivos avós como posse, como ter a guarda de uma criança significa
algo de sua propriedade e, portanto, ser o detentor das relações familiares
sentiam-se detentores de suas vidas: como um todo? Assumir um neto in-
tegralmente constitui-se numa abdi-
Avó Família Dias: Desde o útero mater- cação da própria vida? Dividir as res-
no essa criança é minha, ficou comigo ponsabilidades dos papéis parentais
desde que nasceu e agora vai ficar para com um filho é renunciar o lugar do
sempre. controle do sistema familiar?
Avó Família Fernandes: Peguei ele com À guisa de síntese, ressaltamos que
3 meses. (...) Eu não quero que ele fique a complexidade interacional dos sis-
com a mãe. Ele tem que ficar comigo.  temas familiares pesquisados foi com-
preendida como um todo. A separação
Nesse sentido, torna-se até contra- em subsistemas foi realizada apenas
ditória a participação do Judiciário com o objetivo de facilitar o entendi-
num contexto de resolução em que mento, sem que fossem perdidas de
já existe uma decisão tomada. Não vista as diversas possibilidades de rela-

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


cionamentos entre as partes e suas res- conseguir a minimização dos vácuos
54 NPS 39 | Abril 2011
geracionais.
pectivas conexões. Aderimos ao pensa-
mento de Carter e McGoldrick (1995)
quando consideram que as famílias
podem ser vistas como uma rede de Considerações Finais
triângulos conectadores, em que cada
membro está próximo de alguns e dis- Com relação ao ciclo de vida do
tante de outros, numa complicada teia idoso, diferentemente de representa-
de alianças e tensões. Desses fatos, po- ções sobre a velhice como uma fase de
de-se inferir que o envolvimento dos fraqueza, deparamo-nos, no presente
avós com o processo de guarda de seus trabalho, com mulheres idosas, che-
respectivos netos seria uma tentativa fes-de-família, autônomas, capazes e
de um relacionamento com seus filhos corajosas para lutar por seus netos.
e um conectivo entre as gerações, con- Esta constatação corroborou para
firmando a complexidade dos relacio- a compreensão do envelhecimen-
namentos familiares. to humano como uma fase do ciclo
Por fim, acreditamos que para com- vital que, apesar de ser um processo
preender a dinâmica e a estrutura fa- gradual individual, está integrado ao
miliar foi preciso retirar o foco do pro- contexto familiar, social e cultural.
blema nos indivíduos ou nas díades, e Contudo, vale ressaltar que, apesar
concentrar nas várias possibilidades do papel fundamental que ocupam
de relações do grupo familiar para ob- em seu sistema familiar, os avós pes-
servar a mútua influência das partes e quisados procuraram a Justiça como
suas conexões. Associado ao que Car- última opção para a resolução de seus
ter e McGoldrick (1995) preconizam, dilemas, ante a perspectiva de serem
concordamos que, para destriangular, escutados nesse contexto.
ou seja, uma relação de dois a dois, é Sobre os avós participantes foi pos-
preciso uma intervenção profissional sível ponderar que, apesar de apre-
que venha mudar deliberadamente sentarem um histórico de lutas e de
a dedicação de uma parte excessiva- perdas, assumir o posto de guardião
mente próxima (no caso das famílias de netos foi visto como um ganho,
pesquisadas, os avós) para aquele dis- como uma forma de manter o con-
tante (pai ou mãe), com o intuito de trole de sua descendência e a opor-
alcançar um relacionamento funcio- tunidade de recomeçar sua história.
nal com a criança e cada uma das par- Além disso, em termos de análise do
tes entre si. Em outras palavras, o que ciclo vital do avô, o lugar de guardião
queremos registrar é que a procura representou a possibilidade de resga-
pela Justiça por essas famílias elucidou te de sua função parental. Associa-se
a dinâmica dos seus relacionamentos também a esse fato a disponibilidade
e as intervenções nesse contexto servi- de tempo que esses avós possuem e a
ram como uma forma para percebe- estabilidade financeira que conquis-
rem novas alternativas para seus jogos taram ao longo do ciclo vital.
relacionais, incluindo a possibilidade A respeito do impacto do pedido
do desenvolvimento de uma relação da guarda judicial de netos pelos avós
genuína de dois a dois, sem a interfe- e os relacionamentos familiares, po-
rência de um terceiro elemento, para demos compreender que, embora os

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


genitores pudessem exercer normal- exercerem uma postura voltada para A disputa de guarda de
as possíveis soluções e leva à repetição netos por avós 55
mente a guarda de seus respectivos
Vanessa Silva Cardoso, Liana
filhos, não estavam se dedicando para de intervenções inúteis às famílias. Fortunato Costa
isso. Ante essa constatação, vemos Por fim, propomos que o significa-
que os processos envolvendo avós do da luta dos avós pela guarda de seu
como requerentes da guarda de netos neto representou para os primeiros um
sustentam, de forma velada, conflitos conectivo com a sua história e com a
familiares, motivo pelo qual a senten- sua família, pois o respaldo da Lei di-
ça judicial não trará resolução. Dessa minuiria as possibilidades de esse elo
forma, mesmo findando os processos se diluir. Dessa forma, as expectativas
judiciais, as questões familiares per- provenientes da obtenção da guarda de
manecerão, pois os problemas hu- netos apontaram para uma mudança
manos são de natureza interacional. de vida ao idoso e para a redefinição de
Contudo, se a participação das famí- um projeto de vida para a velhice.
lias no âmbito judiciário propiciar a
construção de novas narrativas, no-
vos sentidos serão suscitados e novas Referências
interações poderão decorrer em fun-
ção da experiência nesse contexto. ANTONIO, M.L.B. Avós, pais e netos: re-
Foram descortinadas, ainda, as di- lações socioafetivas intergeracionais
ficuldades desses avós se colocarem em situações de Pedido de Guarda
como figuras de autoridade diante na Vara da Infância e Juventude na
dos seus filhos, e a procura ao Judiciá- Comarca de Santos/SP. Dissertação
rio poderia denotar a crença de que de Mestrado não publicada, Pro-
esta função poderia ser resgatada por grama de Estudos Pós-Graduados
meio da figura do Juiz. em Serviço Social, Pontifícia Uni-
Entendemos a questão do processo versidade Católica de São Paulo.
de guarda de netos por seus respec- São Paulo, SP, 2006.
tivos avós como um fenômeno que ARATANGY, L.R.; POSTERNAK, L. Livro
exige uma multiplicidade de olhares dos avós: na casa dos avós é sempre
que devem ser considerados. Não domingo? São Paulo: Artemeios,
obstante, promovem a formulação de 2005.
questionamentos mais do que respos- AUSLOOS, G. As competências das fa-
tas, sobretudo quando se referem ao mília: tempo, caos, processo. Lisboa:
futuro de uma criança. Dessa forma, Climepsi editores, 1996.
salientamos a importância do diálogo BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília:
entre os profissionais envolvidos no Liber Livros, 2002 (Original Publi-
contexto judiciário, uma vez que um cado em 2001).
saber não deve se sobrepor ao outro, BOSZORMENYI-NAGY, I.; SPARK, G.M.
mas associados devem garantir que os Invisible loyalties. Nova York:
direitos da criança e o do adolescen- Harper & Row, 1973.
te sejam assegurados. Contudo, não BOWEN, M. De la familia al individuo.
podemos perder de vista o que Minu- Buenos Aires: Paidós, 1991.
chin (1985) preconiza a respeito de BRANDÃO, S.N.; Costa, L.F. Visita do-
que atribuição de culpa presente no miciliar como proposta de inter-
Judiciário impede os profissionais de venção comunitária. In: RIBEIRO,

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.


M.A.; Costa, L.F. (orgs.). Família trução da informação. São Paulo:
56 NPS 39 | Abril 2011
e problemas na contemporaneida- Thomson, 2005.
de: reflexões e intervenções do grupo GREENWOOD, D.J.; LEVIN, M. Recons-
Socius. Brasília: Universa, 2004, p. truindo as relações entre as univer-
157-179. sidades e a sociedade por meio da
CALOBRIZI, M.D.D. As questões que pesquisa-ação. In: Denzin, N.K.;
envolvem a responsabilidade assu- Lincoln, Y.S. (orgs). O planeja-
mida pelos avós enquanto guardi- mento da pesquisa qualitativa teo-
ões de seus netos, no que se refere rias e abordagens. 2ª Ed, Porto Ale-
à formação de referenciais sociais e gre: Artes Médicas, 2006 (original
aos legados, passados de geração em publicado em 2003).
geração. Dissertação de Mestrado GROTH, S.M. Envelhecimento e defi-
não publicada, Programa de Estu- ciência mental: uma emergência
dos Pós-Graduados em Psicologia, silenciosa. São Paulo: Instituto
Pontifícia Universidade Católica APAE, 2004.
de São Paulo. São Paulo, SP, 2001. KIPPER, C.D.; LOPES, R.S. O tornar-se
CARDOSO, V.S. Tudo que eu fiz eu não avó no processo de individuação,
tenho nada que me arrepender: per- Psicologia Teoria e Pesquisa, 22(1),
cepções e vivências do estágio tardio 2006, p. 29-34.
na perspectiva de casais idosos. Dis- LOPES, E.S.L.; NERI, A.L.; PARK, M.B.
sertação de Mestrado não publica- Ser avós ou ser pais: os papéis dos
da. Programa de Pós-Graduação avós na sociedade contemporânea,
em Psicologia da Universidade Fe- Textos sobre Envelhecimento, 8(2),
deral de Santa Catarina. Florianó- 2005, p. 239-253.
polis, SC, 2006. MINUCHIN, S. Famílias: funcionamento
CARTER, B.; MCGOLDRICK, M. As mu- & tratamento. Porto Alegre: Artes
danças no ciclo de vida familiar: Médicas, 1990.
uma estrutura para a terapia fami- MINUCHIN, S.; NICHOLS, M.P.; LEE,
liar. Porto Alegre: Artes Médicas, W.Y. Famílias e casais: do sintoma
1995 (trabalho original publicado ao sistema. Porto Alegre: Artes Mé-
em 1980). dicas, 2009.
COSTA, L.F.; BRANDÃO, S.N. Aborda- MOURA, M.L.S.; FERREIRA, M.C. Pro-
gem clínica no contexto comunitá- jetos de pesquisa: elaboração, reda-
rio: uma perspectiva integradora. ção e apresentação. Rio de Janeiro:
Psicologia e Sociedade, 17 (2), 2005, EdUERJ, 2005.
p. 33-41. VASCONCELLOS, M.J. Pensamento sis-
FIGUEIREDO, M.G. Ninho cheio, gera- têmico: o novo paradigma da ciên-
ção canguru: a permanência do filho cia, Campinas: Papirus, 2002.
adulto em casa segundo a perspec- WHITBECK, L.B.; HOYT, D.R.; HUCK, S.
tiva dos pais. Dissertação de Mes- Family Relationship History, Con-
trado não publicada. Programa de temporary Parent-Grandparent Re-
Pós-Graduação em Psicologia da lationship Quality and the Grand-
Pontifícia Universidade Católica parent-Grandchild Relationship.
de São Paulo. São Paulo, SP, 2008. Journal of Marriage and the Family,
GONZÁLEZ REY, F. Pesquisa qualitativa 55, 1993, p. 1025-1035.
e subjetividade: os processos de cons-

Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 39, p. 41-56, abr. 2011.

Você também pode gostar