Você está na página 1de 55

Promoção do Desenvolvimento Socioemocional:

O papel do psicólogo escolar na capacitação de educadores


de infância e professores do 1.º ciclo

Maria Filomena Gaspar, Andreia Fernandes Azevedo,


Mariana Pimentel e Tatiana Carvalho Homem

Coimbra . Dezembro de 2017


Roteiro
• Promoção das competências socioemocionais em contexto escolar

• O exemplo do programa Anos Incríveis

• Construção de relações positivas: professores, pais & crianças

• O professor pró-ativo

• Elogios e incentivos

• Resolução de Problemas

• Análise de situações práticas, exercícios de reflexão e de


descoberta, potenciar a autorreflexão com instrumentos de auto-
registo e planos de comportamento
Importância da promoção das competências
socioemocionais em contexto escolar
Factores parentais
Competências parentais
severas e ineficazes
Baixa monitorização
Baixa estimulação
cognitiva

Factores da criança Factores da Escola/ Problemas de


Baixas competências de dos colegas comportamento
gestão de conflitos Respostas ineficazes dos precoces
Baixas competências sociais professores
Impulsividade, défice de atenção, Agressividade na sala de aula
e temperamento difícil Colegas desviantes
Fraca receptividade à escola Fraco relacionamento com
Atrasos de linguagem e de os pais
Aprendizagem

A prevalência de problemas de
Factores contextuais/familiares
Pobreza comportamento nas crianças em idade
Actividade criminosa dos pais pré-escolar e nos primeiros anos de
Consumo de drogas pelos pais
Factores de stress / conflitos escolaridade é de cerca de 10%,
conjugais podendo chegar aos 25% em crianças
Doença mental dos pais
de meios socioeconomicamente
desfavorecidos

De acordo com os relatos dos professores, 16-30% dos alunos das suas turmas
colocam continuamente problemas relacionados com dificuldades sociais,
emocionais e comportamentais (Raver & Knitzer, 2002).
Os programas Anos Incríveis
MODELOS

Vinculação e Conexão Anos Incríveis


Aprendizagem social e
modelamento

Condicionamento operante

Escalada coerciva
No Mundo…
Em Portugal
- Programas baseados em evidência,
robustos, capacidade de adaptação a Problemas de comportamento

diferentes culturas Controlo

- Objetivo geral: prevenção/intervenção


AI Pais
precoces em problemas de
comportamento

- População-alvo (versões Contexto casa

90
equivalentes): pais, professores, criança AI Pais
80
- Experiência em Portugal com este 70

programa na investigação (amostras 60


AI Pais
+ AI Professores

universais e com risco clínico) e na 50


Pré Pós FU-12
implementação Contexto escola
Em Portugal
• Projeto com famílias em risco social financiado pelo IDT (2008-09)

• Doutoramentos: 2 (bolsas FCT): 2 estudo com crianças pré-escolares


com problemas de comportamento (ex. Azevedo, 2013 - sinais risco de
PHDA; Homem, 2014 – oposição/desafio); 1 com o TCM – amostra
universal (Vale, 2012) e 1 estudo com cuidadores de acolhimento
residencial (CAT).

• Projeto RCT (2010-13): “Prevenção/intervenção precoces em


distúrbios de comportamento: eficácia de programas parentais e
escolares” (FCT: PTDC/PSI-PED/102556/2008)

• Projeto financiado pelas EEA Grants (2015-2016):


“Anos Incríveis para a promoção da saúde mental”
AI para Educadores/Professores: TCM

Principais Objetivos:
Treinar os educadores/professores para promoverem
um ambiente emocional positivo (melhorar o clima
nas salas) e utilizarem estratégias de redução de
problemas de comportamento e incrementarem as
competências socioemocionais.

(Webster-Stratton et al., 2004; Raver, Jones, LiGrining,


Metzger, Smallwood & Sardin, 2008)
(ponte com OCEPE e filisofia TCM)
1. Visa-se criar/potenciar um ambiente positivo na sala:
- Aumenta o desempenho académico
- Melhora o ajustamento comportamental, social e emocional
(Hutchings, Martin-Forbes, Daley, & Williams, 2013; Webster-Stratton et al., 2008)

Lacuna apontada pelos profissionais

Falta de formação específica acerca de estratégias para lidar


com os desafios comportamentais que enfrentam no dia-a-dia
(Hutchings et al., 2007)
2 - Intencionalidade educativa e envolvimento de diferentes
intervenientes

(…) “O desenvolvimento deste processo, com a participação de


diferentes intervenientes (crianças, outros profissionais,
pais/famílias), inclui formas de comunicação e estratégias que
promovam esse envolvimento e facilitem a articulação entre os
diversos contextos de vida da criança”.

(OCEPE, 2016, p. 5)
3 - Organização do ambiente educativo numa perspetiva
sistémica e ecológica

“ Considera-se o ambiente educativo como o contexto


facilitador do processo de desenvolvimento e aprendizagem de
todas e cada uma das crianças, de desenvolvimento profissional
e de relações entre os diferentes intervenientes. Adotando uma
perspetiva sistémica e ecológica” (…)

(OCEPE, 2016, p. 6)
AI para Educadores/Professores: TCM

População Alvo: Educadores/Professores de crianças de 3-8 anos


Objetivos:
 Promover nos educadores estratégias para gerir de forma
eficaz a sua sala de atividades;
 Promover abordagens educativas pró-ativas;
 Promover práticas positivas e métodos disciplinares eficazes;
 Promover as competências sociais, emocionais e académicas
das crianças;
 Favorecer o envolvimento dos pais na escola;
 Promover redes de suporte e apoio entre professores.
AI para Educadores/Professores: TCM

Conteúdos:
a) Construir relações positivas e o educador pró-ativo;
b) A importância da atenção positiva, do encorajamento e do
elogio;
c) A motivação das crianças através de incentivos;
d) Redução de comportamentos inadequados (ignorar,
redirecionar);
e) Consequências negativas e Tempo de Pausa;
f) Regulação emocional e a resolução de problemas.
AI para Educadores/Professores: TCM
Procedimento:
• 6 sessões mensais com duração de 6 horas moderadas por 2
facilitadores
• Supervisão das atividades

Metodologias:
• Visionamento de vídeos
• Dramatizações/Práticas
• Discussões em pequeno e grande grupo
• Exercícios em grupo
• Atividades para implementar no jardim de infância no
intervalo das sessões; leituras de materiais; telefonemas
SATISFAÇÃO

In spite of having 25 kids aged


between 3 and 6, in spite of the
professional stress, in spite of
tiredness, in spite of…. this
program “felt good”
Construção de Relações Positivas
Construção de Relações Positivas com as crianças
- Saudação pessoal diária;

- Perguntar como se sentem (diários de diálogo: desenhos, escritos);

- Perguntar sobre a sua vida fora da escola (o urso que ouve);

- Comer de vez em quando com eles;

- Assinalar de alguma forma os aniversários;

- Mandar cartões e mensagens positivas para casa (notas alegres);


descobrir quais são os seus passatempos e talentos especiais
(levantamento de interesses);

- Partilhar alguma coisa pessoal sobre si;

- Passar momentos a brincar com eles – no recreio ou durante os


tempos livres na sala de aula; estabelecer relações positivas com
todas as crianças, independentemente das suas capacidades escolares
ou sociais; reunir periodicamente com os pais.
Construção de Relações Positivas com as crianças
- Promover o auto-discurso positivo (“continua, estás a ir bem”);
- Comunicar que acredita no seu sucesso (latas “Eu consigo”… soletrar
palavras);

- Fazer telefonemas aos alunos para elogiar os seus esforços ou


realizações especiais;

- Ajudar todas as crianças da turma a apreciar os talentos e as


necessidades especiais dos outros;

- Ouvir com atenção as suas ideias;

- Convidar os alunos a ajudar nas tarefas diárias e nas responsabilidades


da sala de aula;

- Encorajar a colaboração entre os alunos; encorajar os alunos a


ajudarem-se uns aos outros;

- Partilhar os seus pensamentos e sentimentos com eles.


Construção de Relações Positivas com os Pais

- Faça um plano para o envolvimento dos pais antes do início


do ano lectivo.
- Envie mensagens positivas para casa e faça telefonemas
positivos.
- Estabeleça mecanismos formais e informais para os pais
comunicarem com os professores.
- Mostre a sua preocupação com a criança. Seja breve, claro e
conciso quando descrever um problema de comportamento.
Peça feedback aos pais e peça-lhes que sugiram soluções.
Oiça com atenção e valorize/valide as preocupações dos
pais.
Construção de Relações Positivas com os Pais

- Concentre-se na definição do problema. Reconheça o ponto


de vista dos pais. Dê um passo de cada vez.
- Faça recomendações positivas.
- Planeie o acompanhamento com os pais.
- Incentive conversas futuras.
O EDUCADOR PROATIVO:
ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
. Importância de prevenir e antecipar dificuldades de
comportamento em contexto de sala

“Teria sido melhor se voltasses à mesma hora (disse a raposa). Se tu vens, por
exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz! Quanto mais a
hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei
inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens a qualquer
momento, nunca saberei a hora de preparar o meu coração… ”
O EDUCADOR PROATIVO: ESTRATÉGIAS DE
PREVENÇÃO
ESTABELECER:

- Rotinas e horários previsíveis


- Organizar transições
- Formular de forma clara os comportamentos esperados
- Regras formuladas com clareza e afixadas
- Ajustar estrutura física da sala de aula
- Localização física de professores e alunos
ORDENS EFICAZES

- Há mais probabilidades de encontrar crianças com


comportamentos inadequados em salas com poucos
padrões ou regras claramente definidos.

- Uma definição consistente de limites contribui para fazer


as crianças sentirem-se mais tranquilas e seguras.
ORDENS EFICAZES
 Atenção: Veja se as suas ordens são necessárias? Em forma de pedido? “Vamos,
pára?”
 Dê uma ordem de cada vez.
 Seja realista nas suas expectativas (peça só o que a criança é capaz de fazer) e use
ordens apropriadas à idade.
 Use ordens “faz…” (evite ordens na negativa: “não faças…” “não…”).
 Dê ordens de uma forma positiva e educada.
 Dê à criança oportunidade para cumprir.
 Utilize avisos e lembretes.
 Ordens do tipo “Quando … então” em vez de ameaças.
 Sempre que possível, dê opções à criança.
 Dê ordens curtas e específicas/claras.
 Recompense a obediência e utilize consequências para a desobediência.
 Encontre um equilíbrio entre o controlo pelo adulto e pela criança.
 Encoraje a resolução de problemas pela criança.
 Mantenha a ordem.
 Evite justificações desnecessárias.
O EDUCADOR PROATIVO: ESTRATÉGIAS DE
PREVENÇÃO
ESTABELECER:
- Rotinas e horários previsíveis
- Organizar transições
- Formular de forma clara os
comportamentos esperados
- Regras formuladas com clareza e afixadas
- Ajustar estrutura física da sala de aula
- Localização física de professores e alunos

52
Elogio e Reconhecimento

Específico
Descritivo
Elogios, atenção positiva e reconhecimentos
• Estabeleça contacto visual, tom de voz adequado
• Descreva o comportamento e seja específico nos elogios
• Elogie com sinceridade e entusiasmo
• Após a ocorrência do comportamento desejado, elogie imediatamente
• Combine elogios verbais com contacto físico
• Não espere por comportamentos perfeitos para elogiar
• Elogie as crianças individualmente, a sala toda ou pequenos grupos
• Use elogios de forma consistente e com frequência, especialmente
quando uma criança está a aprender pela primeira vez – forma de
reconhecimento
• As crianças desatentas, que se distraem com facilidade, que são opositivas
precisam de atenção frequente e de elogios sempre que se comportam
de forma adequada
• Elogie as crianças de acordo com os objetivos individuais que estabeleceu
para elas
• Circule durante a aula, reconhecendo comportamentos positivos
Elogios, atenção positiva e reconhecimentos
• Se estiver a trabalhar com um grupo vá levantando os olhos e
fazendo comentários positivos a quem está a trabalhar de forma
positiva
• Quando der uma ordem, procure crianças que a estão a cumprir e
elogie esse comportamento (elogio de proximidade)
• Arranje um plano para se lembrar de elogiar de forma consistente
(ex. autocolante no relógio)
• Concentre-se nos esforços das crianças que aprendem e não
apenas no resultado final
• Concentre-se nos pontos fortes e em áreas a melhorar
• Mostre que acredita nas capacidades das crianças
• Expresse o que sente sobre o comportamento e efeito positivo da
ação
• Não compare uma criança com outra
• Use palavras de reconhecimento escritas – ex. notas alegres
Exemplos de comportamentos a elogiar
• Partilhar
• Falar educadamente
• Obedecer às ordens do educador/professor e seguir instruções
• Prestar atenção e ouvir o educador/professor
• Levantar a mão em silêncio para responder ou fazer uma pergunta
• Resolver um problema difícil
• Ouvir outra criança
• Ser persistente numa tarefa escolar difícil (esforçar-se)
• Pensar bem antes de responder
• Reparar em alguma coisa positiva noutro membro da sala (felicitar)
• Manter as mãos junto ao corpo
• Cooperar com os outros numa atividade de grupo
• Arrumar os materiais da sala
• Manter-se calmo e controlado numa situação de conflito
• …
Exemplos de formas de elogiar

• “Fazes um excelente trabalho de...”


• “Aprendeste a...”
• “Deves sentir-te orgulhoso por...”
• “Boa ideia para...”
• “Vê como o ________ melhorou em...”
• “Esforçaste-te tanto a...”
• “É uma forma criativa de...”
• “Consegues resolver problemas porque...”
• “Bem pensado...”
• “Obrigado por...”
• “Que bom trabalho de...”
• “Ei, estás mesmo a pensar; tu...”
MOTIVAR AS CRIANÇAS ATRAVÉS DE
INCENTIVOS
• Para algumas crianças a utilização de elogios não é
suficiente promover determinados comportamentos
positivos.

• É importante usar programas de incentivos para


problemas sociais, como a desobediência, a falta de
atenção, a falta de cooperação, a hiperatividade, ou
problemas académicos.

• Os programas de incentivos GRUPAIS são muito


importantes em contexto educativo.
MOTIVAR AS CRIANÇAS ATRAVÉS DE INCENTIVOS

. Usar marcadores materiais, como autocolantes ou símbolos, recompensas


especiais e comemorações, para dar aos alunos evidências concretas dos seus
progressos.

• Planear antecipadamente com o aluno quais os comportamentos que darão


lugar a uma recompensa.

• Para crianças mais novas os autocolantes, cartões ou cromos são recompensas


suficientes. Para as mais crescidas, podemos juntar cartões e trocarem-nos por
alguma coisa desejável fornece um duplo reforço e desenvolve a sua
capacidade para permanecerem motivados perante uma gratificação adiada.
IDEIAS PARA INCENTIVOS DE GRUPO
• Festa da pizza

• Poderem escolher o lugar onde se sentam na semana seguinte

• Tabela de elogios de grupo.

54
53
IDEIAS PARA INCENTIVOS DE GRUPO
• Festa da pizza

• Poderem escolher o lugar onde se sentam na semana seguinte

• Tabela de elogios de grupo.

• Visita de estudo

• Festa da pipoca

• Filme especial
RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS
• .

. Importância de ajudarmos as crianças a pensarem como cientistas.


• Ensaiar/praticar diferentes soluções.

• Promover a autonomia, comprometimento e responsabilidade pelas


escolhas.
PLANO DE COMPORTAMENTO

• Exemplo de plano e análise funcional

55
Bibliografia
 Baker-Henningham, H., Scott, S., Jones, K., & Walker, S. (2012). Reducing child conduct
problems and promoting social skills in a middle-income country: Cluster randomised
controlled trial. The British Journal of Psychiatry, 201(2), 101-108.

 Cruz, F. (2017). Envolvimento dos pais na educação: Impacto a médio prazo do


programa Anos Incríveis-TCM na transição para o 1º ciclo. (Dissertação de Mestrado
não publicada).

 Deming, D. (2015). The growing importance of social skills in the labor market. Harvard
University and NBER. Retrieved from http:// scholar.harvard.edu/ les/ddeming/
les/deming_socialskills_ august2015.pdf. 


 Durlak, J., Weissberg, R., Dymnicki, A., Taylor, R., & Schellinger, K. (2011). The impact of
enhancing students’ social and emotional learning: A meta-analysis of school-based
universal interventions. Child development, 82(1), 405-432.

 Cunha, F., & Heckman, J. (2008). Formulating, identifying and estimating the technology
of cognitive and noncognitive skill formation. J. Human Resources, 2(43), 738-782.
Bibliografia
 Heckman, J. (2008). The case for investing in disadvantaged young children. CESifo
DICE Report, ISSN 1613-6373, 6(2), 3-8.

 Heckman, J., Pinto, R., & Savelyev, P. (2013). Understanding the mechanisms
through which an influential early childhood program boosted adult outcomes.
American Economic Review, 103(6), 2052–2086.

 Hutchings, J., Martin-Forbes, P., Daley, D., & Williams, M. (2013). A randomized
controlled trial of the impact of a teacher classroom management program on the
classroom behavior of children with and without behavior problems. Journal of
school psychology, 51(5), 571-585.

 Hutchings, J. Gardner, F., & Lane, E. (2004). Making evidence based interventions
work in clinical settings: common and specific therapy factors and implementation
fidelity. In Carole Sutton David Utting and David Farrington (Eds): Support from
the start: Working with young children and their Families to reduce the risks of
crime and antisocial behaviour. Research Report 524. ISBN: 1 84478 203 4.
London: Department for Education and Skills.
Bibliografia
 Major, S., Gaspar, M. F., Seabra-Santos, M. J., Azevedo, A., Homem, T., Pimentel, M.
& Baptista, E. (no prelo). “Incredible Years Teacher Classroom Management
Program” na promoção da saúde mental: Que comportamentos mudam nos
educadores de infância e nas crianças? Atas do 3º Congresso da Ordem dos
Psicólogos Portugueses, Porto, 2016.

 OECD (2015). Skills for social progress: The power of social and emotional skills.
Paris: OECD Skills Studies, OECD Publishing. Retrieved from
http://dx.doi.org/10.1787/9789264226159-en

 Rigney, D. (2010). The Matthew Effect: How advantage begets further advantage.
NY: Columbia University Press.

 Santos, M. (2017). O impacto do programa Anos Incríveis – Teacher Classroom


Management nas competências socioemocionais de crianças após a transição para
o primeiro ciclo (Dissertação de Mestrado não publicada).

 Schweinhart, L., & Weikart, D. (1981). Effects of the Perry Preschool Program on
youths through age 15. Journal of the Division for Early Childhood, 4(1), 29-39.
Bibliografia
 Seabra-Santos, M., Gaspar, M., Tatiana, H., Azevedo, A., Silva, I., Vera, V. (2016).
Promoção de competências sociais e emocionais: Contributos dos programas Anos
Incríveis. In A. M. Pinto & R. Raimundo (org.). Avaliação e promoção de
competências socio-emocionais em Portugal. Vialonga: Coisas de Ler, 227-261.

 Seabra-Santos, M. J., Gaspar, M. F., Azevedo, A., Homem, T. C., Guerra, J., Martins,
V., Leitão, S., Pimentel, M., Almeida, M., & Moura-Ramos, M. (2016). The
Incredible Years parent training in Portuguese families: What changes, for whom,
how, and for how long? Journal of Applied Developmental Psychology. Journal of
Applied Developmental Psychology, 44, 93–104. doi:10.1016/j.appdev.2016.04.004

 Silva, I. (coord.), Marques, L., Mata, L., & Rosa, M. (2016). Orientações curriculares
para a educação pré-escolar. Lisboa: Ministério da Educação/Direção-Geral da
Educação (DGE)

 Vale, V. (2012). Tecer para não ter de remendar: O desenvolvimento


socioemocional em idade pré-escolar e o programa Anos Incríveis para educadores
de infância (Dissertação de Doutoramento não publicada). Disponível em
https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/handle/10316/18273

 Webster-Stratton, C. (2017). Como promover as competências sociais e emocionais


das crianças. (Coord. Científica de M. Gaspar & M. Seabra-Santos). Braga:
Psiquilibrios.
Bibliografia
 Webster-Stratton, C., & Bywater, T. (2015). Incredible partnerships: Parents and
teachers working together to enhance outcomes for children through a multi-modal
evidence based program. Journal of Children's Services, 10(3), 202-217.
doi:10.1108/JCS-02-2015-0010

 Webster-Stratton, C., & Taylor, T. (2001). Nipping early risk factors in the bud:
Preventing substance abuse, delinquency, and violence in adolescence through
interventions targeted at young children (0-8 years). Prevention Science, 2, 165–192.
doi: 10.1023/A:1011510923900

 Webster-Stratton, C. (2007). Tailoring the Incredible Years Parenting Program


according to children´s developmental needs and family risk factors. In J. M.
Briesmeister & C. E. Schaefer (Eds.), Handbook of Parent Training, Hoboken, New
Jersey: John Wiley & Sons.

 Webster-Stratton, C., & Reid, J. (2014). Tailoring the Incredible Years: Parent, Teacher,
and Child Intervetions for young children with ADHD. In J. K. Ghuman and H. S.
Ghuman (Eds.), ADHD in Preschool Children: Assessment and Treatment (pp. 113-131).
Oxford University Press.
Bibliografia
 Webster-Stratton C., Gaspar, M., Seabra-Santos, M. (2012). Incredible
Years parent, teachers and children’s series: Transportability to Portugal
of early intervention programmes for preventing conduct problems and
promoting social and emotional competence. Psychosoc Interv , 21(2),
157-169. doi: 10.5093/in2012a15

 World Economic Forum (WEF) (2015). New vision for education: Unlocking
the potential of technology. Retrieved from
http://www3.weforum.org/docs/WEFUSA_NewVisionforEducation_Repor
t2015.pdf

 World Economic Forum (WEF) (2016). New vision for education: Fostering
social and emotional learning through technology. Retrieved from
http://www3.weforum.org/docs/WEF_New_Vision_for_Education.pdf
Obrigada!
ninigaspar@fpce.uc.pt

aazpsi@gmail.com

homem.tatiana@gmail.com

paiscomonos@gmail.com

marianarita.pimentel@gmail.com

https://www.facebook.com/paiscomonos/

www.paiscomonos.pt

http://www.uc.pt/fpce/anosincriveis