Você está na página 1de 23

MECÂNICA NAVAL

TURMAS MN- 1 E 2

8- Soldadura a gás como fonte de calor


8.1 - Soldadura Oxiacetilénico

Agostinho Júnior
Soldadura Oxiacetilénico

Principio do processo de soldadura oxiacetilénico


Outline
Acetileno e o oxigénio

Equipamento necessário

Parâmetros associados ao processo

Técnica operatória

Vantagens do processo

Aplicações
PROCESSO DE SOLDADURA À GÁS
INTRODUÇÃO
Trata-se de um processo de soldadura por fusão

Solubilidade se processa na fase líquida

A energia (calor) é aplicada com o objetivo de fundir os materiais envolvidos


INTRODUÇÃO Trata-se de uma soldadura termoquímica

O calor responsável pela fusão dos materiais é gerado por reações químicas

A soldadura oxi-gás inclui qualquer operação que usa a combustão do


oxigênio com um gás combustível como meio de calor para fundir os
materiais envolvido
8. 1 - SOLDADURA OXIACETILÉNICA

Determinados gases são reconhecidos como uma boa


fonte de energia, na solda sua aplicação é também de
extrema importância, normalmente sob a forma de
mistura, sendo comum o uso de um maçarico, para
promover a mistura dos dois gases utilizados:

❑ - O oxigénio como gás comburente


❑ - Acetilénico como gás combustível
8.2 - PRINCÍPIO DO PROCESSO

Estes sistemas, são normalmente constituídos

por duas garras de aço, providas dos respetivos

redutores e manómetros de pressão, bem como

um maçarico responsável pela mistura dos gases

na proporção desejada
Relativamente à conservação e manuseamento das
garrafas deverão ser tido os seguintes aspetos:
Manómetros redutores que normalmente são montados
à saída das garrafas de gás
O maçarico é o principal item deste processo, assumi no
entanto particular importância na ignição da chama e
regulação do fluxo de cada um dos gases utilizados.
No qual os gases são misturados e do
qual eles saem para produzir a chama.

❑ - Corpo, no qual estão as Ele é composto basicamente de:


entradas de gases e os
reguladores da passagem dos
gases;

❑ - Misturador, no qual os gases


são misturados;

❑ - Lança, na qual a mistura de


gases caminha em direção ao
bico;

❑ - Bico, que é o orifício calibrado


por onde sai a mistura dos gases.
Basicamente, existem dois tipos de maçaricos:

➢ - Maçarico de baixa pressão, do tipo injetor

1 - Entrada de oxigênio
2 - Entrada de gás
3 - Injetor
4 - Mistura entre os gases
5 - Câmara de mistura
6. Bico

Estes tipos de maçaricos normalmente são os que fornece


uma mistura de gás e oxigênio sem variação de proporção
➢ - Maçarico misturador
1 - Entrada de oxigênio
2 - Entrada de gás
3 - Ponto de encontro dos gases
4 - Misturador de gases
5 - Câmara de mistura
6 - Bico

Os maçaricos misturadores são usado com cilindros de gás de média pressão.


Nele, os gases passam por válvulas que permitem controlar a proporção da
mistura, e continuam através de tubos independentes até o ponto de encontro
dos gases sem sofrer alterações significativas de volume e pressão
8.3 - ACETILÉNICO E OXIGÉNIO
É importante relembrar que esse
processo precisa de dois gases tal
como dissemos na introdução:
o oxigênio e um gás combustível

❖ O oxigênio é gás comburente utilizado na


queima de gases combustíveis

❖ O gás combustível, por exemplo: ele deve ter alta temperatura de chama, alta
taxa de propagação de chama, alto potencial energético e mínima reação
química com os metais de base e de adição. Gases como acetileno e outros
8.4 - EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS NO PROCESSO

▪ Garrafas de oxigénio e acetileno

▪ Maçarico

▪ Monorredutoes

▪ Mangueiras flexíveis

▪ Equipamentos de proteção individual


Os metais de adição são usados para preenchimento da

junta e para melhorar as propriedades dos metais de base,


Metais de adição

quando necessário. Encontram-se no comércio sob a

forma de varetas com comprimentos e diâmetros

variados. São escolhidos em função da quantidade de

metal a depositar, da espessura das peças a serem unidas

e das propriedades mecânicas e/ou da composição

química do metal de base.


8.5 - PARÂMETROS ASSOCIADOS AO PROCESSO

Diâmetro do Espessura do Velocidade de Regulação da


bico do material que se transição ao mistura dos
maçarico pretende soldar longo da junta gases
ETAPAS DO PROCESSO

1 - Abertura dos cilindros e regulagem das pressões.


2 - Acendimento e regulagem da chama.
3 - Formação do banho de fusão.
4 - Deslocamento da chama e realização do cordão.
5 - Interrupção da solda.
6 - Extinção da chama.
8.6 – TÉCNICAS OPERATÓRIAS

A soldadura à esquerda ocorre quando a vareta do

Soldadura metal de adição precede o maçarico ao longo do

à cordão. Nesse caso, o metal de adição é depositado à

esquerda frente da chama

A soldadura à direita acontece quando o metal


de adição é depositado atrás da chama. O Soldadura
ângulo entre o maçarico e a chapa deve ficar à direita
entre 45 e 60º e o ângulo entre a vareta e a
chapa é de aproximadamente 45º
Soldadura vertical permite a realização de cordões
Soldadura duplo, em que o maçarico é movimentado segundo
vertical uma linha recta ao longo da junta, normalmente
da direita para esquerda
Funcionamento do
processo
A soldadura a esquerda a técnica é usada
para a soldadura de peças com até 6 mm
de espessura, e de metais não-ferrosos

Na soldadura a direita é uma técnica em que, o maçarico


se desloca em linha reta, enquanto a vareta da solda
avança em movimentos de rotação no banho de fusão e é
empregue fundamentalmente para a soldadura de
materiais com espessura acima de 6 mm.
8.7 - VANTAGENS DO PROCESSO

– Fácil controlo do operador sobre a energia térmica

– Fácil controlo sobre o tamanho, viscosidade da zona fundida

– Baixo custo de equipamento

- Equipamento portátil e versátil


8.8 - APLICAÇÕES
Soldadura das chapas finas

Soldadura de reparação

Soldaduras de tubos de pequenos diâmetros


FIM

Você também pode gostar