Você está na página 1de 17

Universidade de Cabo Verde – FCT

Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores


Disciplina: Planeamento e Gestão de Redes

Relatório do Laboratório3

Configuração básica OSPF com uma área

Aluna: Kelly Correia


Docente: Jailson Moreira
1. Introdução
O presente relatório é elaborado no âmbito da disciplina de Planeamento e Gestão de Redes para fazer
configuração básica OSPF(Open Shortest Path First é um protocolo de encaminhamento de estado de
ligação para redes IP) com uma área. Tem por objetivo:

 Parte 1: Criar a rede e fazer as configurações básicas dos dispositivos


 Parte 2: Configurar e verificar as rotas OSPF
 Parte 3: Alterar atribuições do ID do Router
 Parte 4: Configurar interfaces passivas OSPF
 Parte 5: Alterar as métricas do OSPF
 Parte 1: Configure as Configurações básicas do dispositivo e verifique a conectividade
Configure a topologia da rede e faça algumas configurações básicas, como passwords e
endereços IP.

Etapa 1: Efetue as configurações básicas para cada Router.


a) Configure o nome do dispositivo.
b) Desativar DNS lookup.
c) Configure o endereço IP da interface, conforme mostrado na tabela de
endereçamento.
d) Guarde as configurações.

 Em anexo segue as configurações de cada Router e PCs

Topologia, com toda a configuração feita

Etapa 3: Verificar a conetividade entre PCs


Os routers devem poder fazer ping entre eles e cada PC deve poder fazer ping para o seu default gateway.
Os PCs não conseguem ter conetividade até ser configurdo encaminhamento OSPF.
Os dispositivos não conseguem se comunicar porque ainda o encaminhamento OSPF não foi configurado.

 Parte 2: Configurar e verificar as rotas OSPF


Na Parte 2, irei configurar o encaminhamento OSPFv2 em todos os routers da rede e verificarei se as
tabelas de routing são atualizadas corretamente. Depois que o OSPF for verificado, configurarei a
autenticação OSPF nas ligações para aumentar a segurança (importante mas não necessário para este
trabalho).

Etapa 1: Configurar ospf no R1. Configurar R2 e R3 de acordo com a tabela de endereços


Para Router1

Para Router2

Para Router3
Etapa 2: Verificar os vizinhos OSPF, informações de routing, das configurações do protocolo e processos
ospf.

 show ip ospf neighbor

 show ip route

 show ip protocols
 show ip ospf

 show ip ospf interface brief


Etapa 3: Faça teste de conetividade entre os hosts

 Ping de PC-A para PC-B e PC_C

Parte 3: Alterar atribuições do ID do Router


O ID do router OSPF é usado para identificar de maneira exclusiva o router no domínio do encaminhamento
OSPF. Os routers Cisco podem derivar o ID do router de três maneiras e com a seguinte precedência:
1) Endereço IP configurado com o comando OSPF router-id, se presente
2) O endereço IP mais alto de qualquer um dos endereços de loopback do router, se
presente
3) O maior endereço IP ativo em qualquer uma das interfaces físicas do router
Como nenhum ID do router ou interfaces de loopback foram configuradas nos três routers, o ID do router
para cada router é determinada pelo endereço IP mais alto de qualquer interface ativa.Na parte, mudarei a
atribuição de ID do router OSPF usando endereços de loopback. Também usarei o comando router-id para
alterar o ID do router.

 Etapa 1: Alterar IDs do router usando endereços de loopback.


 Router1

 Router2

 Router3

 Etapa 2: Atribua endereços IP ao Loopback 0 em R2 e R3. Use o endereço IP 2.2.2.2/32 para R2 e


3.3.3.3/32 para R3.
 Etapa 2: Guarde as configurações. Deve fazer reload nos routers para redefinir o ID do router para
o endereço de loopback. Faz R1# reload nos três routers. Pressione Enter para confirmar a recarga.

Em anexo, print das mesmas.

 Etapa 3: verifique o novo ID do router e dos vizinhos


Para Router1

Para Router2
Para Router3

 Etapa 4: Altere o ID do router no R1 usando o comando router-id


Receberá uma mensagem informativa dizendo que deve recarregar o router ou usar o comando clear ip
ospf process para que a alteração entre em vigor. Faz clear ip ospf process em todos os três routers. Digite
yes para responder à mensagem de verificação de reinicialização e pressione ENTER.

 Etapa 5: Defina a ID do router para R2 até 22.22.22.22 e a ID do router para R3 para 33.33.33.33.
Em seguida, use o comando clear ip ospf process para redefinir o processo de encaminhamento
ospf.

Em anexo, o print do processo feito.


Parte 4: Configurar interfaces passivas OSPF
O comando passive-interface impede que as atualizações de encaminhamento sejam enviadas através da
interface do router especificado. Geralmente, isto é feito para reduzir o tráfego nas LANs, pois não precisam
receber comunicação de protocolo de encaminhamento dinâmico. Na Parte 4, usará o comando de
interface passiva para configurar uma única interface como passiva. Também configurará o OSPF para que
todas as interfaces no router sejam passivas por defeito e, em seguida, ative o OSPF routing advertisements
nas interfaces selecionadas.

 Etapa 1: Configurar a interface G0/0 no R1 como passiva.


Etapa 2: Faz show ip route no R2 e R3 para verificar se a rota para a rede 192.168.1.0/24 ainda está
disponível.

Etapa 3: Defina a interface passiva como default no router


a) Verifique que R2 está listado como vizinho de R1 e no R2 e coloque todas as

interfaces OSPF como passivo por defeito

b) Depois do dead timer expirar R2 não estará listada como OSPF neighbor

Abaixo segue o print confirmando

c) Veja o estado ospf da interface s0/0/0 no R2

d) No R2, faz no passive-interface para o router enviará e receberá atualizações de routing OSPF.

 Parte 5: Alterar as métricas do OSPF


Na Parte 5, altere as métricas OSPF usando os comandos, auto-cost referencebandwidth, bandwidth, e o ip ospf cost.
Por defeito a reference-bandwidth para OSPF é 100Mb/s (Fast Ethernet speed). No entanto, a maioria dos
dispositivos de infraestrutura moderna tem links que são mais rápidas que 100Mb/s. Porque a métrica OSPF cost
deve ser inteiro, todas as ligações links com velocidades de transmissão 100Mb/s ou maior tem custo 1, resultando
em interfaces Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10G Ethernet todos têm o mesmo custo. A reference-bandwidth deve
ser mudado para um valor maior para conter as redes com ligações mais rápidas que 100Mb/s.

 Etapa 1: Verifique as configurações por defeito no R1 e R3, e a rota para 192.168.3.0/24

A soma dos custos das duas interfaces é o custo acumulado para rota até a rede 192.168.3.0/24 no R3 (1 + 64 = 65),
como se pode ver usando show ip route.

Em anexo

Etapa 2: Altere o default reference bandwidth para 10000 no R1. Com este valor a interface, 10Gb/s terá custo 1, 1
Gb/s s terá custo 10 e 100Mb/s s terá custo 100.
Etapa 2: Altere a bandwidth das intefaces serial s0/0/0 e s0/0/1 para 128kbit/s e verifique as alterações.

Etapa 2: Altere a bandwidth para 128kbit/s em todas intefaces serial restantes da topologia.
Qual é o novo custo acumulado para a rede 192.168.32.0/24 no R1? Porque?

Etapa 3: Alterar o custo do router

Por defeito OSPF usa a configuração de largura de banda para calcular o custo de uma ligação. No entanto, pode
substituir este cálculo configurando manualmente o custo de um link usando o comando de ip ospf cost. Como o
comando de largura de banda, o ip ospf cost só afeta o lado do link onde foi aplicado.

Alterar o custo da interface serial 0/0/1 no R1 para 1565 e verifique a mudança na tabela de routing.

Porque a rota para a rede 192.168.3.0/24 no R1 está passando por R2?


R: A rota para a rede 192.168.3.0/24 no R1 esta passando por R2, porque essa rota tem menor custo
comparado com o outro, que é 1565 +100=1665, que antes era 6574.

Questões

1. Explique qual é a importância de controlar a atribuição do ID do router ao usar o


protocolo OSPF?
O ID do router OSPF é usado para identificar de maneira exclusiva o router no domínio do encaminhamento
OSPF. A importância de controlar a atribuição do ID do router ao usar o protocolo OSPF é que com o OSPF
é mais fácil criar loopback com Ids de fácil “memorização/compreensão” para controlar os routers ou
também usar o router-id.

2. Porquê o processo de eleição Designated Router(DR) / (Backup Designated Router)BDR


não é uma preocupação neste laboratório?
O processo de de eleição Designated Router(DR) / (Backup Designated Router)BDR não é uma preocupação
neste laboratório porque não é uma rede de acesso múltiplo.

3. Por que deseja configurar uma interface OSPF para passiva?

Para que impede que as atualizações de encaminhamento sejam enviadas através da interface do router
especificado. Geralmente, isto é feito para reduzir o tráfego nas LANs, pois não precisam receber
comunicação de protocolo de encaminhamento dinâmico.
2. Conclusão
Ao realizar este trabalho, pude ver que uma boa utilização do algoritmo OSPF pode ser muito vantojasa,

em redes pequemos em uma área, pois possui funções que ajudam muito na configuração e no controlo da rede.

Você também pode gostar