Você está na página 1de 25

INTERNA

COLETÂNEA TEMÁTICA - SEQUÊNCIA DIDÁTICA


TEMA Diversidade e trabalho no Brasil
Área/componentes Estudos da Sociedade e da Natureza, Língua Portuguesa e
Matemática
Segmento Ensino Fundamental – Programa de Alfabetização de Jovens e
Adultos I e II
Duração 7 aulas

Habilidades:
ESN: Eixo 3 - H49; H50; H54; H61; H63
MAT: Eixo 1: H6, H9, H11 – Eixo 4: H 23, H27, H28 – Eixo 5: H30, H37, H38 - Eixo 6: H42, H46,
H47, H48
LP: Eixo 1: H1, H2, H9 - Eixo 2: H10, H12, H13, H15 - Eixo 3: H18 - Eixo 4: H20, H22
Objetivo:
 Estudar as profissões, sua importância e as relações de trabalho da sociedade.
 Refletir sobre problemas de saúde do trabalhador decorrentes de suas condições de
trabalho.
 Apresentar as novas tecnologias e processos de geração de empregos.
Conteúdos:
ESN: Profissões, conceito de trabalho, empregabilidade, direitos, trabalho formal e informal;
Situação atual do mercado de trabalho no Brasil; Avanços tecnológicos e relações de trabalho
no processo histórico; Orçamento mensal, salário-mínimo, alternativas de trabalho, geração
de renda e relações familiares; Relações de gênero no trabalho e preconceito sexista;
Desemprego e subemprego; Diferentes formas de organização do trabalho ao longo da
história; Cooperativas de trabalhadores; Concentração da atividade industrial; Contrastes no
campo: agroindústria e agricultura familiar, minifúndio e latifúndio;
MAT: Cálculo mental, operações com técnicas operatórias envolvendo as quatro operações,
gráficos de barras, números decimais;
LP: Leitura, produção e revisão de textos.
Mapa Curricular:
ESN: Eixo 3- Plano de Ensino-Aprendizagem do ALFA - p. 60 a 67

Exercício Online:
Exercícios online - Modo de vida de grupos sociais
Exercícios online - ALFA I – O mundo do trabalho
Podcast: Roteiro/Atividade- Avanços tecnológicos e relações de trabalho

Indicações:
Vídeo - Aquecimento global e o mercado de trabalho_ Os empregos que o aquecimento
global gera (Trabalho e Meio Ambiente)
Vídeo - Aquecimento global e o mercado de trabalho (Parte 2) (Trabalho e Meio Ambiente)
Vídeo -Aquecimento global e o mercado de trabalho (Parte 3) (Trabalho e Meio Ambiente)
Vídeo - Trabalho escravo - A Liga (Escravidão, Trabalho, História do Brasil)

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
1
INTERNA

Livros - A sociedade em rede (Tecnologia da informação, seus efeitos e implicações na vida


urbana, na política global e na natureza do tempo, Trabalho)
Sites - Historianet (Períodos da História e da História do Brasil)
Sites - Museu da Pessoa (Memória, Fontes históricas)
Textos – Perguntas de um trabalhador que lê (História, Trabalho)
Artigo - Os efeitos da tecnologia no mercado de trabalho
Sites - Biblioteca Nacional - Escravidão no Brasil
Materiais e recursos:
 Coletânea Tecendo Saber: Módulos, Capítulos e páginas dos livros da Coletânea onde
localizam-se a temática em discussão:

Páginas Páginas Páginas


Livro do livro de livro de
Módulos Capítulos Professor leitura e atividades
reflexão e criação
LP LLR LAC
Viver, Livro do Livro do
Aprender- alfabetizador- aluno -
Alfabetização Nosso trabalho -
11- O que sabemos fazer. p. 90 a 105 Lição 11 a
16
12- Profissão e emprego.
– p. 64 a
13- De que se ocupam as 104
pessoas?
14- Direito ao trabalho.
15- Rendimentos e
despesas.
16- Condições de trabalho.
Módulo 1 05- Experiências, p. 79 a 81 p. 43 a 47 p. 58 a 67
expectativas e significados
do trabalho.
Módulo 2 03- Trabalho e relações de p. 63 a 76 p. 31 a 41 p. 31 a 40
gênero.
07- Trabalho: contradições p. 97 a 107 p. 77 a 86 p. 70 a 77
históricas e desafios atuais.
Módulo 3 02- A saúde do Trabalhador. P. 49 a 54 p. 25 a 33 p. 18 a 29
07- Desemprego e laços de
solidariedade. p. 91 a 98 p. 81 a 90 p. 69 a 76
Módulo 4 09- O processo de p. 119 a 126 p. 119 a p. 96 a 104
industrialização no Brasil. 132

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
2
INTERNA

 Vídeo: Coletânea Tecendo Saber

Módulos Capítulos Episódio

Serie 06- Trabalho e lazer. 06


Professor
Módulo 1 05- Trabalho nosso de cada dia - Experiências e significados 05
DVD 1 do trabalho.
Módulo 2 03- Procura-se uma babá - 03
DVD 1 Trabalho e relações de gênero.
07- Vai uma bala? 07
Trabalho, contradições históricas e desafios atuais.
Módulo 3 02- A cobra e o tijolo- A saúde do Trabalhador. 02
DVD 1 07- Uma mão lava a outra - Desemprego e laços de
solidariedade. 07
Módulo 4 09- Brasil um país de futuro? -O processo de industrialização 09
DVD 1 no Brasil.

 Cópia das atividades propostas para resolução e cadernos de anotações.


 Lápis, caderno ou folha sulfite.
 Computadores com acesso à internet.

Introdução: As relações de trabalho e a sociedade

O trabalho é a atividade por meio da qual o ser humano produz sua própria existência. Essa
afirmação reforça a discussão sobre os diferentes tipos de trabalho que surgiram ao longo
dos tempos que foi proposta pelo filosofo alemão Karl Marx, no século XIX.
A ideia não é que o ser humano exista em função do trabalho, mas é por meio dele que produz
os meios para manter-se vivo. Dito isso, o impacto do trabalho e do seu contexto exercem
grande influência na construção do sujeito. Assim, existem áreas do conhecimento dedicadas
apenas a estudar as diferentes formas em que se constituem as relações de trabalho e seus
desdobramentos na vida de cada um de nós.
Não seria difícil, então, de se imaginar que, quando as relações de trabalho alteram-se no
fluxo de nossa história, as nossas estruturas sociais também são alteradas, principalmente a
forma como se estruturavam nossas relações, posições na hierarquia social, formas de
segregação e, em grande parte, aspectos culturais erguidos em torno das relações de
trabalho.

O trabalho no decorrer da história

Tomemos como exemplo o rápido processo de mudança que atingiu a Europa no século XV,
quando as relações agrárias foram substituídas pelas comerciais. Nesse momento, dado ao
intenso comércio de especiarias, e a produção manufatureira, houve a necessidade de se
unificar os reinos formando os países, de padronizar pesos e medidas e de criar uma moeda.
Outra grande transformação, veio com a Primeira Revolução Industrial quando as relações de
trabalho, anteriormente, eram constituídas dentro do âmbito familiar. Os ofícios dos pais
eram geralmente passados aos filhos, o que garantia a construção de uma forte identidade
______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
3
INTERNA

ligada ao trabalho a que o sujeito se dedicava. Inicialmente, observamos que o indivíduo


estava ligado à terra, de onde tirava seu sustento e o de sua família. A economia baseava-se
na troca de serviços ou de produtos concretos, e não no valor fictício agregado a uma moeda.
Da mesma forma, o trabalho também estava agregado à obtenção direta de bens de
consumo, e não a um valor variável de um salário pago com uma moeda de valor igualmente
variável. A estrutura social era rígida, com pouca ou nenhuma mobilidade para os sujeitos, ou
seja, um camponês nascia e morria camponês da mesma forma que um nobre nascia e morria
nobre.

Mas as mudanças trazidas pelo surgimento da indústria alteraram profundamente o sentido


estabelecido para o trabalho e para a relação do sujeito com ele. A impessoalidade nas linhas
de montagem que a adoção do Fordismo trouxe, em que milhares de pessoas amontoavam-
se diante de uma atividade repetitiva em uma linha de montagem, sem muitas vezes nem ver
o resultado final de seu esforço, passou a ser a principal característica do trabalho industrial.

O trabalho presente e futuro


As transformações de nossas relações de trabalho não pararam na Revolução Industrial, pois
ainda hoje o caráter de nossas atividades modifica-se. Contudo, as forças que motivam essas
mudanças são outras. A globalização é um dos fenômenos mais significativos da história
humana e, da mesma forma que modificou nossas relações sociais mais íntimas, modificou
também nossas relações de trabalho. A possibilidade de estarmos interconectados a todo
momento encurtou distâncias e alongou nosso período de trabalho. O trabalho formal
remunerado, que antes estava recluso entre as paredes das fábricas e escritórios, hoje nos
persegue até em casa e demanda parte de nosso tempo livre, haja vista a crescente
competitividade inerente ao mercado de trabalho.

A grande flexibilidade e a exigência por uma mão de obra cada vez mais especializada fazem
com que o trabalhador dedique cada vez mais tempo de sua vida para o aperfeiçoamento
profissional. Essa é uma das origens das grandes desigualdades sociais da sociedade
contemporânea, uma vez que apenas aqueles que dispõem de tempo e dinheiro para dedicar-
se ao processo de formação profissional, caro e exigente, conseguem subir na hierarquia
social e econômica.

A introdução da automação na produção de bens de consumo tornou, em grande parte, a


mão de obra humana obsoleta, aumentando o tamanho do exército de trabalhadores e
diminuindo o valor da força de trabalho nos países que dispõem de grande população, mas
com baixa especialização. Como resultado, a situação do trabalho só piora, pois se preocupar
com o bem-estar do empregado é algo caro e, na concepção que prioriza o lucro monetário,
não é um investimento que garanta renda imediata.

Bibliografia Consultada
RODRIGUES, Lucas De Oliveira. "As relações de trabalho e a sociedade"; Brasil Escola. Disponível em
<http://www.brasilescola.com/sociologia/o-trabalho-futuro.htm>. Acesso em 30 de setembro de 2015.

Desenvolvimento:
A sequência de atividades a seguir poderá auxiliá-lo no aprofundamento e aprendizagem
sobre a temática Trabalho (importância, atividade profissionais, experiência no mundo do
______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
4
INTERNA

trabalho, o trabalho da mulher, os direitos e saúde do trabalhador, renda) desencadeada nas


Coletâneas “Viver, Aprender (Alfabetização)” e “Tecendo Saber”.

Educador: amplie as atividades, a leitura dos textos propostas nos módulos das Coletâneas
“Viver, Aprender (Alfabetização)” e “Tecendo Saber”, livros e vídeos dos módulos 1,2 3 e 4.
Utilize também os recursos do Portal EJ@ para mobilização, problematização e
sistematização do tema Trabalho.

Para maiores detalhes, observe as tabelas indicadas no campo “Materiais e recursos


necessários”, desta sequência.

A sequência a seguir não está programada por aulas, portanto você poderá planejá-la de
acordo com o seu foco e necessidades dos seus alunos do ALFA I e II.

Apresentamos algumas sugestões:

Explorando o tema, mobilizando e levantando conhecimentos prévios:


 Para introduzir o tema trabalho e mobilizar seus alunos você pode iniciar pela
atividade sugerida na Coletânea “Viver, Aprender” - O que sabemos Fazer.
 Apresente alguns cartazes, que podem ser os da própria coletânea p. 64, ou novas
imagens que ilustrem situações variadas de trabalho.
 Questione os aluno sobre:
 O que mostram as imagens;
 Se conhecem pessoas que exercem algumas das profissões apresentadas na
imagens;
 O trabalho/ocupação de cada um.
 Elabore uma lista coletiva das profissões/ocupações exercidas pela turma. Aproveite
para explorar a leitura e escrita. Se considerar pertinente para o ALFA I, realize as
atividades da p. 66 – Livro do estudante - Coletânea “Viver, Aprender”.

O trabalho e as relações de gêneros:

 Dialogue sobre as profissões exercidas por homens e mulheres da turma e peça que
reflitam sobre a possibilidade de um homem, nos dias atuais exercer uma profissão
considerada feminina e vice versa. Dê um tempo para as reflexões e solicite exemplos
de profissões que atualmente são exercidas por homens e mulheres as quais
anteriormente eram desenvolvidas somente por homens. Ex.: motoristas de ônibus.

Educador: para complementar/aprofundar o assunto você pode utilizar o capítulo 03-


Trabalho e relações de gênero, do módulo 2 – Tecendo Saber, bem como o vídeo 03- Procura-
se uma babá -Trabalho e relações de gênero do Módulo 2 - DVD 1. Veja, também, o texto
complementar no anexo 1: MULHER E O MERCADO DE TRABALHO

 Os alunos poderão realizar as atividades do livro de atividade e criação – Módulo 2 –


Trabalho e relações de gêneros, p. 31 a 40, para a sistematização do assunto.
 Registre no quadro informações significativas para serem retomadas, ampliadas ou
resgatadas posteriormente. Informe que nas demais aulas complementarão os
registros.
______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
5
INTERNA

 Em seguida trabalhe as diferenças entre: profissão, emprego, trabalho e ocupação.


Como suporte às reflexões, utilize a Coletânea, p.70 a 71 e 75 a 77 - Livro do aluno
Viver Aprender.
 Questione os alunos sobre as suas profissões/ocupações listadas anteriormente.
Registre no quadro de giz as principais profissões/ocupações da turma. Ex.:

Alunos Profissão Ocupação Empregado Desempregado Trabalho


Temporário
1-
2-
3-
4-
5-

Educador: Ocupação é aquilo que a gente faz de verdade no dia a dia. Profissão é aquilo que
estudo (me formo naquela área). Trabalho é o exercício material ou intelectual para fazer ou
conseguir alguma coisa; Esforço, labutação, lida, luta. Aplicação da atividade humana a
qualquer exercício de caráter físico ou intelectual. Emprego é a situação ou funções de
quem faz serviço em repartição pública ou estabelecimento particular; cargo.
Bibliografia Consultada: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-
portugues&palavra=emprego>. Acesso em: 29 set 2015. 13h54min.

 Para complementar apresente o vídeo “Tecendo Saber” -05- Trabalho nosso de cada
dia - Experiências e significados do trabalho.
 Faça uma reflexão sobre o tema e elabore um registro síntese com os alunos, no
quadro, solicitando que o anotem no caderno.

Entrevistando, pesquisando e ampliando os conhecimentos sobre Trabalho

Entrevista:
 Explore verbalmente com os alunos o que deve conter uma entrevista. Explore o
gênero textual.

Educador: a entrevista é o instrumento básico da investigação jornalística: busca coletar


informações e transmiti-las aos leitores, ouvintes ou telespectadores. Ela pode ser publicada
em forma de perfil ou de pingue-pongue. Podem ser realizadas pessoalmente, televisamente,
por rádio, telefone, e-mail, chat, etc. Ela parece uma conversa, porém tem suas
particularidades. A conversa é dirigida pelo entrevistador. Ele faz as perguntas e o
entrevistado responde. O entrevistador deve planejar suas perguntas e pesquisar
informações sobre o entrevistado ou o assunto que será publicado. Existem basicamente dois
tipos de entrevista. O primeiro é a entrevista que se concentra na pessoa do entrevistado.
Foca o que a pessoa pensa, do que ela gosta, como é a sua vida. Normalmente, esse tipo é
feito com políticos, artistas, celebridades. O segundo tipo se concentra em um assunto, em
um conteúdo específico que o entrevistado domina.
Entrevistas longas costumam trazer uma introdução que apresenta a “personagem” ao
público leitor, explicando quem ela é, o que faz e por que razão está sendo entrevistada.
Entrevistas no formato pingue-pongue (pergunta/resposta) são usadas quando se quer
valorizar cada palavra do entrevistado e sua relação diante de cada pergunta do repórter. Em
______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
6
INTERNA

formato perfil, o jornalista relata com suas próprias palavras o que o entrevistado falou,
adaptando essas palavras sem alterar seu sentido. As declarações do entrevistado dignas de
registro e destaque são destacadas entre aspas (“ “). A entrevista deve ser registrada de
alguma maneira: anotar o que diz o entrevistado, gravar, filmar, fotografar, etc. e o material
deve sempre ser verificado se está em funcionamento antes da entrevista. Se você utilizar
algum equipamento eletrônico, avise o entrevistado que a conversa será gravada ou filmada.
As perguntas podem ser organizadas por temas: infância, trabalho, visões de mudo, etc. A
seleção do que será transcrito é essencial para o resultado final da entrevista. O jornalista
deve organizar todo o material coletado, consultar as anotações e selecionar os melhores
trechos da entrevista para depois, finalmente, escrevê-la. É preciso pontuar adequadamente
o texto para que ele faça sentido. Risos, gestos e silêncio podem ser inseridos no texto com o
uso de parentes: (Risos.), (Silêncio!). Lembre-se que durante a entrevista, o entrevistador
deve ser ducado e usar formas de tratamento adequadas para com o entrevistado; se o
entrevistado não entender a pergunta, cite-a novamente e explique o que você deseja com
aquela pergunta; no final, agradeça o entrevistado
Jociane Araujo Peres da Luz
Gênero textual entrevista. Disponivel em: <http://pt.slideshare.net/jociluz/slide-gnero-textual-entrevista>.
Acesso em: 01 de outubro de 2015. 14h54min.

 Apresente o roteiro de uma entrevista (anexo 2). Se necessário, peça que o


reformulem para atender às especificidades do grupo:
 Proponha que entrevistem um profissional da família sobre a profissão que este
exerce. O aluno poderá gravar ou registrar as repostas no caderno.
 Questione os alunos:
 Quais as atividades ou profissões que apareceram nas entrevistas.
 Vocês concordam que toda profissão é importante para a sociedade? Por quê?
 Anote no quadro as profissões dos entrevistados: provavelmente vão aparecer
profissões repetidas. Registre a quantidade de vezes que cada profissão foi citada
pelos alunos. Registre, também, a quantidade de pessoas entrevistadas que estão
desempregadas e empregadas para elaboração de um gráfico.

Organizando gráficos

A partir das informações proponha aos alunos a construção de gráficos de barras,


representam a quantidade de profissionais de cada área citada. Auxilie-os nesse processo
retomando os procedimentos para a construção de gráficos. Ex.:

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
7
INTERNA

(Adaptado Paint)

Educador: os alunos poderão criar os gráficos no caderno ou você poderá imprimir a tabela
e eles colorirem de acordo com a quantidade, ou seja, com os dados obtidos.

 Compartilhe os gráficos elaborados no mural da sala.


 Para sistematização dos assuntos até então desenvolvidos, peça que os alunos
realizem o Exercícios online - O mundo do trabalho.

Imagens passado e pressente – Avanços das tecnologias

 Apresente a seguir imagens, aos alunos, como as do exemplo a seguir:

Disponível em: <http://carrosantigos.wordpress.com/2008/07/25/100-anos-do-ford-modelo-t/>. Acesso em 28


ago. 2015. 10h59min.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
8
INTERNA

Disponível em: < http://blogs.abril.com.br/blogdocarro?pageno=5>. Acesso em 29 set 2015. 11h01min.

 Peça que observem e relatem as características das duas imagens. Questione:


 Se elas são da mesma época?
 O que elas representam?
 Que trabalho está sendo feito na primeira imagem?
 O que está acontecendo na segunda?
 Que diferenças pode-se observar entre as duas imagens?
 Por que na segunda imagem não aparecem pessoas?
 As máquinas mudaram a vida das pessoas e modo de trabalhar? De que
maneira isso ocorreu? Dê alguns exemplos.

Educador para complementar as discussões leia com os alunos o texto Tecnologia e Trabalho
disponível no Livro de Leitura e Reflexão, p. 46 - Módulo 1– “Tecendo Saber”.

Para subsidiar seu trabalho, leia o artigo: Os efeitos da tecnologia no mercado de trabalho
disponível no Portal EJ@.

 Proponha que façam, em duplas, uma pesquisa sobre imagens que também mostrem
mudanças ocorridas pelo do uso de tecnologias. Disponibilize os seguintes recursos:
computadores, Internet, jornais, revistas.
 Abra espaço para que os alunos apresentem as imagens pesquisadas e façam um
debate sobre o avanço tecnológico e mercado de trabalho. Elabore um painel coletivo
no mural da sala com as imagens e o registro-síntese com as descobertas.
 Prossiga mediando a produção de novos conhecimentos dos estudantes. Questione:
 Quais são as vantagens que o desenvolvimento tecnológico proporcionou nos
processos de produção, nos setores primário, secundário e terciário? - Quais
são as desvantagens que o desenvolvimento tecnológico proporcionou nos
processos de produção, nos setores primário, secundário e terciário?
 Peça que ouçam Podcast “Avanços tecnológicos e relações de trabalho” e realizem as
atividades propostas para sistematizar o assunto.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
9
INTERNA

O trabalho ao longo da história:


 Mobilize os alunos para o assunto utilizando o vídeo nº 7- Vai uma bala? - Trabalho e
contradições históricas e desafios atuais - Módulo 2 “Tecendo Saber”, DVD 1. Instigue
a discussão enfatizando as principais formas de trabalho que apareceram ao longo da
nossa história desde a colonização até a atualidade.
 Faça a leitura compartilhada do texto anexo 3: O trabalho ao longo da história da
humanidade, elaborado pelo coordenador Marcelo Perassolo.
 Converse com os alunos sobre o texto e registre no quadro a divisão dos quatro
períodos históricos nele apresentados: Idade Antiga, Idade Média, Idade Moderna e
Idade Contemporânea.
Educador: cada período histórico é marcado por uma organização social, política e econômica
e cultural. Temos motivos para crer que esse o século XX é o início de um período de transição,
de onde passaremos da Idade Contemporânea para uma Idade Pós-Contemporânea. As
mudanças que vêm ocorrendo graças à tecnologia, principalmente a da computação-
telecomunicação, estão modificando as relações econômicas entre empresas, empregados,
governos, países, línguas, culturas e sociedades. Essas mudanças parecem estar caminhando
para uma situação tão diferente da existente ao final da Segunda Guerra Mundial, que
podemos dizer que um novo período da História está se esboçando.

 Elabore uma linha do tempo (painel) coletivamente. Utilize papel kraft/manilha e


imagens para registrar as formas de trabalho ao longo dos tempos. Mantenha o painel
exposto no mural da classe e complemente as informações ao longo do estudo se
necessário. Ex.:

(Adaptado Paint)

 Proponha a leitura compartilhada em grupo do Capítulo 7 “Trabalho: contradições


históricas e desafios atuais p. 77 a 82 - Livro de Leitura e Reflexão – módulo 2.
 Proponha um diálogo com a turma sobre as informações relevantes do texto.
Questione-os como seria o trabalho deles em outras épocas e lugares.
 Peça que façam as atividades do livro de atividades e criação - módulo 2 – p. 70 a 77.

Educador: aprofunde bem os estudos do material “Tecendo Saber” e “Viver, Aprender


(Alfabetização)” ao planejar suas aulas e estabelecer a conexão entre as propostas dos livros
e as sugestões apresentadas na sequência didática. Os textos e atividades das coletâneas
podem ser utilizados para a sistematização dos conhecimentos ou mesmo como
disparadores/mobilizadores para o assunto que será tratado na aula. O Site Historianet
(Períodos da História e da História do Brasil) poderá favorecer os estudos sobre o assunto.

Trabalho e desemprego:
 Problematize: pergunte aos alunos se eles conhecem alguém que esteja
desempregado? Por quanto tempo está sem trabalhar? Qual o nível de escolaridade
______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
10
INTERNA

dessa pessoa? - Em qual setor da economia (primário, secundário ou terciário) elas


atuavam? Vale perguntar se há alguém na turma também desempregado.
 Oriente o grupo a fazer uma pesquisa com dez pessoas desempregadas (cada aluno
poderá entrevistar uma pessoa). Eles deverão investigar, dentre outros aspectos, o
tempo de desemprego, o motivo da demissão, o setor da economia em que atuam e
o nível de escolaridade das mesmas.
 Agende uma data para compartilhar os dados das pesquisas e elaborar um diagnóstico
coletivo sobre as principais causas do desemprego observadas, bem como refletir
sobre os demais dados.
 Elabore um painel coletivo para o mural com as principais causas do desemprego. Esse
será retomado posteriormente.

Educador: aprofunde as reflexões evidencie que todas essas mudanças no mundo do trabalho
caracterizam-se, essencialmente, por:
- diminuição dos ciclos de produção;
- mudança na divisão do trabalho dentro das empresas;
- consolidação das tecnologias da informática;
- polivalência e treinamento dos trabalhadores diante dos requisitos essenciais aos novos
processos produtivos.
Após os alunos expressarem suas opiniões, ressalte que todas essas mudanças foram provocadas,
especialmente, pelo desenvolvimento tecnológico. O objetivo era o aumento da produtividade
(com otimização de tempo e de matéria-prima). Vale lembrar que o desenvolvimento tecnológico
dificulta a inserção ou permanência no emprego de trabalhadores com menor grau de instrução.

Organizando gráficos

A partir das informações sobre “empregados e desempregados” proponha aos alunos a


construção de gráficos de barras, que representem a quantidade de pessoas existentes nessas
condições, bem como a quantidade de profissionais de cada área apresentada. Auxilie-os
nesse processo retomando os procedimentos para a construção de gráficos. Ex.:

(Adaptado Paint)

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
11
INTERNA

 Apresente a manchete a seguir:

19/07/2015 07h34 - Atualizado em 19/07/2015 12h22

Crise leva geração Y a enfrentar


desemprego pela primeira vez
Desemprego bateu à porta dos brasileiros com mais intensidade este ano.
Jovens consideram que as condições de trabalho pioraram bastante.
Disponível em http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2015/07/crise-leva-geracao-y-enfrentar-
desemprego-pela-primeira-vez.html. Acesso em 02 outubro 2015. 13h49min.

 Divida os alunos em grupo e traga para sala de aula jornais e revistas. Peça que
pesquisem em grupos outras reportagens sobre o desemprego. Peça que cada grupo
comente uma notícia. Elabore uma mural na sala com as notícias.
 Proponha que elaborem uma manchete sobre o tema: Desemprego no bairro.
 Retome/trabalhe as características do gênero notícias. Elabore uma pauta coletiva de
revisão do texto.
 Proponha a autorrevisão e, em seguida, a troca de textos (em dupla) para a correção.
 Para ampliar os conhecimentos solicite que leiam em grupos, o capítulo 7 -
Desemprego e laços de solidariedade - do módulo 3 – Livro de Leitura e Reflexão, p.
81 a 86. Esse assunto pode ser abordado em maior profundidade com ALFA II.
 Faça uma reflexão com a turma de como a solidariedade e a criatividade podem
colaborar em momentos de crise e desemprego. Peça que os alunos citem exemplos
de situações da comunidade que favorecem a solidariedade e a valorização da
criatividade.
 Para sistematizar o assunto, peça que realizem as atividades do livro de atividades e
criação - módulo 3 - p. 69 a 73.

A saúde do trabalhador:
 Mobilize os alunos utilizando o vídeo - 02- A cobra e o tijolo- A saúde do Trabalhador,
“Tecendo Saber”, Módulo 3 -DVD 1.
Educador: para complementar as informações do vídeo leia de forma compartilhada o texto
do anexo 4 - 10 principais problemas de saúde desenvolvidos no trabalho.
 Proponha uma reflexão sobre o que pode ser feito para evitar doenças desenvolvidas
por meio do trabalho. Para apoio às reflexões peça que leiam individualmente o texto
da Coletânea “Tecendo Saber” – módulo 3 – Livro de Leitura e reflexão- Capítulo 2 –
p. 25 a 28.
 Para sistematização, peça que façam as atividades do Livro de atividades e criação –
“Tecendo Saber”, p. 18 a 22.

O processo de industrialização no Brasil


 Observe as orientações do livro do Professor – módulo 4 – “Tecendo Saber” aplicando
os procedimentos e sugestões das atividades das p. 120 a 121.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
12
INTERNA

Educador: partindo do uso de imagens, das questões problematizadoras e do vídeo 09 - DVD


1- módulo 4 - Brasil um país de futuro? - O processo de industrialização no Brasil, encaminhe
as discussões de como se deu o processo de desenvolvimento econômico do nosso país ao
longo dos tempos, a distribuição desigual de riquezas, a política industrial, as diferenças
regionais, o modelo de desenvolvimento, bem como o descompasso entre o desenvolvimento
econômico e social.

 Complemente as reflexões com apoio dos textos do livro de Leitura e reflexão –


Módulo 4- Capítulo 9 - O processo de industrialização do Brasil, p. 119 a 126.
 Realize as atividades propostas no Livro de Atividades e Criação, p. 96 a 99.
 Proponha um debate final relacionando o processo de industrialização no Brasil com
a questão da empregabilidade e desemprego.
 Retome o painel com as hipóteses dos alunos sobre as principais causas do
desemprego no nosso País, discutidas na aula “trabalho e desemprego”. Se
necessário, complemente o painel. Peça que os alunos façam o registro no caderno.

Algumas sugestões de atividades para sistematização:

 Observe as imagens a seguir:

Disponível em: <http://vilaclub.vilamulher.com.br/blog/outros/imagens-coloridas-painel-das-profissoes-9-


9925998-325827-pfi-aisesantos.html>. Acesso em: 29 set 2015. 14h23min. 14h24min.

Analisando as profissões, acima, responda:

 De que forma cada um desses profissionais participa de sua vida?


____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
13
INTERNA

 Você conhece alguém que trabalha em alguma dessas profissões? Quem?


____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________

 Quais desses profissionais você costuma ver na rua onde mora ou na vizinhança?
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________

 Leia o poema a seguir:

AS PROFISSÕES

— Sou lavrador — cavo a terra


Para depois semear.
— Eu, pescador, passo a vida
Na canoa sobre o mar.
— Mitigo as dores da vida
Sou solícita enfermeira.
— Eu sou mecânico perito,
Não sei de melhor carreira.
— Operário, desde cedo,
Que começa o meu labor.
— Nos incêndios, o bombeiro,
Revela o grande valor.
— Eu sou médico excelente,
Tenho curas assombrosas.
— Na cozinha, ao fogo ardente,
Faço comidas gostosas.
— Comerciante zeloso,
Não me afasto do balcão.
— Eu sou modista afamada,
Pois coso com perfeição.
— Sacerdote caridoso,
Eu trabalho pela cruz.
— Aprendiz de carpinteiro,
Eu sou o que foi Jesus.
Toda profissão é nobre

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
14
INTERNA

Exercida com carinho,


Só o homem preguiçoso
Acha o trabalho mesquinho.
Nelson Costa

Nelson Nunes da Costa (RJ 1899 – 1976) Jornalista, professor, Membro da Academia Carioca de Letras. Estudioso
da Historiografia carioca foi diretor do departamento de História e Documentação do Município do Rio de
Janeiro. Cronista, jornalista, professor, contista e escritor.

Disponível em: <https://peregrinacultural.wordpress.com/2008/07/16/as-profissoes-poema-infantil-de-nelson-


nunes-da-costa/>. Acesso em: 20 set. 2015. 14h44min.

Após a leitura do texto responda:

 O texto lido trata de:


( ) história literária ( ) poema ( ) anúncio

 O poema fala sobre o tema:


( ) esportes ( ) profissões ( ) amizade

 De acordo com o poema, o lavrador:


( ) constrói casas ( ) semeia a terra

 Para você o significado da palavra COSO é:


( ) costuro ( ) cozinho

 O poema retrata os profissionais abaixo, exceto:


( ) pescador ( ) lavrador
( ) enfermeira ( ) cozinheira
( ) sacerdote ( ) modista
( ) médico ( ) professor

 Procure no dicionário e escreva a seguir, o significado da palavra MITIGO.


___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
Avaliação:
 Nos debates durante as análises, na produção e nas apresentações em forma de
painéis e exposições, verifique se cada aluno compreendeu e utilizou
adequadamente os conceitos abordados e soube analisar as informações levantadas.
Atenção à participação individual e coletiva! Avalie a postura de cada aluno e
destaque os aspectos que necessitam ser melhorados para uma ação efetivamente
colaborativa no grupo. Por meio de representações (desenhos, painéis, dentre
outras) verifique as dificuldades de cada estudante em relação à assimilação dos
conceitos estudados. Proponha a criação de um blog coletivo com a finalidade de
divulgar os conhecimentos adquiridos durante cada atividade de pesquisa.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
15
INTERNA

Materiais e recursos:
 Coletânea Tecendo Saber: Módulos 1, 2, 3 e 4, Capítulos e páginas dos livros da
Coletânea onde localizam-se a temática em discussão:

Páginas Páginas Páginas


Livro do livro de livro de
Módulos Capítulos Professor leitura e atividades
reflexão e criação
LP LLR LAC
Viver, Livro do Livro do
Aprender- alfabetizador- aluno -
Alfabetização Nosso trabalho. -
11- O que sabemos fazer? p. 90 a 105 Lição 11 a
12- Profissão e emprego. 16
13- De que se ocupam as – p. 64 a
pessoas? 104
14- Direito ao trabalho.
15- Rendimentos e
despesas.
16- Condições de trabalho.
Módulo 1 05- Experiências, p. 79 a 81 p. 43 a 47 p. 58 a 67
expectativas e significados
do trabalho.
Módulo 2 03- Trabalho e relações de p. 63 a 76 p. 31 a 41 p. 31 a 40
gênero.
07- Trabalho: contradições p. 97 a 107 p. 77 a 86 p. 70 a 77
históricas e desafios atuais.
Módulo 3 02- A saúde do Trabalhador P. 49 a 54 p. 25 a 33 p. 18 a 29
07- Desemprego e laços de
solidariedade. p. 91 a 98 p. 81 a 90 p. 69 a 76
Módulo 4 09- O processo de p. 119 a 126 p. 119 a p. 96 a 104
industrialização no Brasil. 132

 Vídeo: Coletânea Tecendo Saber

Módulos Capítulos Episódio

Série 06- Trabalho e lazer 06


Professor
Módulo 1 05- Trabalho nosso de cada dia - Experiências e significados 05
DVD 1 do trabalho.
Módulo 2 03- Procura-se uma babá - Trabalho e relações de gênero 03
______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
16
INTERNA

DVD 1 07- Vai uma bala?


Trabalho e contradições históricas e desafios atuais. 07
Módulo 3 02- A cobra e o tijolo- A saúde do Trabalhador. 02
DVD 1 07- Uma mão lava a outra - Desemprego e laços de
solidariedade. 07
Módulo 4 09- Brasil um país de futuro? -O processo de industrialização 09
DVD 1 no Brasil.

Exercícios Online:
Exercícios online - Modo de vida de grupos sociais
Exercícios online - ALFA I – O mundo do trabalho
Podcast: Roteiro/Atividade- Avanços tecnológicos e relações de trabalho

Bibliografia consultada:

 CARMO, Paulo Sérgio. O trabalho na economia Global. São Paulo: Ed. Moderna. 1998.
 DE MASI, Domenico. O futuro do trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós industrial.
Trad. De Yadyr A. Figueiredo, 6ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.
 KUPSTAS. Marcia (org). Trabalho em debate. São Paulo: Ed. Moderna, 1998.
 PASTORE, José. A evolução do trabalho humano. São Paulo: LTr, 2001.
 Brasil, trabalho e cidadania FUNDAÇÃO BRADESCO. Ciências Humanas: História e
Geografia. Ensino Fundamental. Setor de Educação de Jovens e adultos, 2008.

Sites de apoio:

 http://portaldoprofessor.mec.gov.br
 http://www.historianet.com.br (Períodos da História e da História do Brasil)
 Portal EJ@
 Portal Corporativo

Anexos 1, 2, 3 e 4 – Textos

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
17
INTERNA

Anexo 1 - MULHER E O MERCADO DE TRABALHO

São diversas as desigualdades existentes na sociedade brasileira. Uma das mais evidentes
refere-se às relações de gênero, menos relacionada à questão econômica e mais ao ponto de
vista cultural e social, constituindo, a partir daí, as representações sociais sobre a participação
da mulher dentro de espaços variados, seja na família, na escola, igreja, nos movimentos sociais,
enfim, na vida em sociedade.

Nas últimas décadas do século XX, presenciamos um dos fatos mais marcantes na sociedade
brasileira, que foi a inserção, cada vez mais crescente, da mulher no campo do trabalho, fato
este explicado pela combinação de fatores econômicos, culturais e sociais.

Em razão do avanço e crescimento da industrialização no Brasil, ocorreram a transformação da


estrutura produtiva, o contínuo processo de urbanização e a redução das taxas de fecundidade
nas famílias, proporcionando a inclusão das mulheres no mercado de trabalho.

Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) realizada pelo IBGE em 2007, a
população brasileira chega a quase 190 milhões de brasileiros, com a estimativa de 51% de
mulheres. Segundo dados do IBGE de 2000, a PEA (População Economicamente Ativa) brasileira,
em 2001, tinha uma média de escolaridade de 6,1 anos, sendo que a escolaridade média das
mulheres era de 7,3 anos e a dos homens de 6,3 anos.

Uma constatação recorrente é a de que, independente do gênero, a pessoa com maior nível de
escolaridade tem mais chances e oportunidades de inclusão no mercado de trabalho. Conforme
estudos recentes, verifica-se, mesmo que de forma tímida, que a mulher tem tido uma inserção
maior no mercado de trabalho. Constata-se, também, uma significativa melhora entre as
diferenças salariais quando comparadas ao sexo masculino. Contudo, ainda não foram
superadas as recorrentes dificuldades encontradas pelas trabalhadoras no acesso a cargos de
chefia e de equiparação salarial com homens que ocupam os mesmos cargos/ocupações.

Ainda nos dias de hoje é recorrente a concentração de ocupações das mulheres no mercado de
trabalho, sendo que 80% delas são professoras, cabeleireiras, manicures, funcionárias públicas
ou trabalham em serviços de saúde. Mas o contingente das mulheres trabalhadoras mais
importantes está concentrado no serviço doméstico remunerado; no geral, são mulheres
negras, com baixo nível de escolaridade e com os menores rendimentos na sociedade brasileira.

Segundo o Seade – Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados, do governo do Estado de


São Paulo – quanto ao “comportamento do desemprego feminino na Região Metropolitana de
São Paulo, observa-se que, em 1985, essa taxa era de 15,5% para as mulheres e de 10,1% para
os homens, aumentando, em 2000, para 20,9% e 15,0%, respectivamente. Isso significa que na
RMSP [Região Metropolitana de São Paulo], em 2000, uma em cada cinco mulheres que
integravam a População Economicamente Ativa, encontrava-se na condição de desempregada.”

O total das mulheres no trabalho precário e informal é de 61%, sendo 13% superior à presença
dos homens (54%). A mulher negra tem uma taxa 71% superior à dos homens brancos e 23%
delas são empregadas domésticas. Necessariamente, a análise da situação da presença feminina
no mundo do trabalho passa por uma revisão das funções sociais da mulher, pela crítica ao
entendimento convencional do que seja o trabalho e as formas de mensuração deste, que são
efetivadas no mercado.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
18
INTERNA

O trabalho não remunerado da mulher, especialmente o realizado no âmbito familiar, não é


contabilizado por nosso sistema estatístico e não possui valorização social - nem pelas próprias
mulheres - embora contribuam significativamente com a renda familiar e venha crescendo. O
que se conclui com os estudos sobre a situação da mulher no mercado de trabalho é que ocorre
uma dificuldade em separar a vida familiar da vida laboral ou vida pública da vida privada,
mesmo em se tratando da participação no mercado de trabalho, na população economicamente
ativa.
Orson Camargo
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Sociologia e Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP
Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Disponível em: <http://www.brasilescola.com/sociologia/a-mulher-mercado-trabalho.htm>. Acesso em: 30 set


2015.10h02min.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
19
INTERNA

Anexo 2- Entrevista

Entreviste um profissional de sua família sobre a profissão que exerce. Você poderá gravar ou
registrar as repostas em seu caderno.

Roteiro de entrevista

Qual é o seu nome?


___________________________________________________________________________

Qual é a sua idade?


___________________________________________________________________________

Qual é o seu grau de parentesco com o entrevistador?


___________________________________________________________________________

Qual é a sua profissão?


___________________________________________________________________________

Há quanto tempo você trabalha nessa profissão?


___________________________________________________________________________

Por que escolheu esse trabalho?


___________________________________________________________________________

O que fez para ter essa profissão?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Do que você mais gosta no seu trabalho?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
O que é mais difícil em seu trabalho?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
Qual a importância do seu trabalho?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
20
INTERNA

Como é o seu local de trabalho?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
Necessita de algum instrumento para realizar seu trabalho? Qual?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Como você resolve as dificuldades do dia a dia?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Para a sua vida profissional, seria importante continuar estudando? Por quê?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Você faz algum outro trabalho? Qual?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

O que você gosta de fazer nas horas de lazer?


_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
21
INTERNA

Anexo 3- A história do trabalho ao longo do tempo

Os seres humanos são os únicos animais que têm consciência das suas atividades
produtivas e, por isso, as denominam de trabalho. O trabalho pode aparecer de duas formas
diferentes: braçal e intelectual.

No decorrer da história, o trabalho intelectual sempre foi melhor remunerado que o


trabalho braçal e nas Idades Antiga e Média o ato de “não trabalhar” era considerado um
privilégio. Nas grandes civilizações desses períodos históricos, as classes privilegiadas, como
filósofos e políticos gregos, generais que comandavam o Império Romano, senhores feudais e
seus cavaleiros, além de reis e dos nobres das cortes, orgulhavam-se, todos, de não precisarem
trabalhar.

Dessa forma, foi apenas na Idade Moderna, com o nascimento do capitalismo e o


advento das reformas protestantes (sobretudo do Calvinismo), que o trabalho passou a ser visto
como algo capaz de transformar o homem em um ser digno perante Deus. Desse modo, o ato
de “não trabalhar” passou a ser visto como negativo, ou seja, o que antes era um privilégio
passou a ser algo ruim (coisa de vagabundo). Em síntese, podemos dizer que a cultura do capital,
que também marcou a Idade Contemporânea, passou a valorizar o trabalho como uma atividade
a ser exaltada como qualidade, diante disso, as novas elites se orgulhavam quando eram
consideradas trabalhadoras, justificando que toda a riqueza que possuíam vinham da sua
dedicação ao trabalho. Mas, não se esqueça: para alguém enriquecer, outros precisam ser
explorados.

A exploração da mão de obra também foi um fato que modificou no decorrer da


evolução histórica. Na Europa, por exemplo, o trabalho existiu de três formas:
 Escravo - é aquele cuja mão de obra é explorada (sem remuneração), de forma
compulsória, ou seja, obrigatória. No geral, esse indivíduo é reduzido à condição de
mercadoria, isto é, uma propriedade de outra pessoa.
 Servil - não é remunerado, apesar de, em geral, ser compulsório e coletivo. O
trabalhador fica apenas com uma pequena parte da produção, mas permanece como
um homem livre.
 Assalariado – aquele que vende suas habilidades, que desempenha uma tarefa em troca
de uma remuneração. Nesse caso, o trabalhador é considerado livre, mas a necessidade
pode submetê-lo a severas condições de exploração.

A servidão foi o meio de exploração do trabalho mais comum na Idade Média, enquanto
a escravidão foi a mais severa marca da exploração nas Idades Antiga e Moderna. O trabalho
livre e assalariado, surgiu com bastante força apenas com o advento do Capitalismo Comercial
e Industrial, ou seja, ele predominou durante as Idades Moderna e Contemporânea, épocas em
que até mesmo a exploração da mão de obra feminina e infantil condenava os operários a

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
22
INTERNA

condições desumanas de exploração pois não havia leis que regulamentassem essa forma de
trabalho.

Observe a seguir o esquema que representa uma linha do tempo sobre o trabalho aos longo do
tempo:
Idade Antiga Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea

Em menor número existia m

Em menor número existia m

Em menor número existia m


assalariados (militares) e os
trabalhadores autônomos

os trabalhadores autônomos

os trabalhadores autônomos

os trabalhadores autônomos
Predominava o trabalho
Em menor número existiam
Predominava o trabalho

trabalhadores

Predominava o trabalho

Predomínio do trabalho

(comerciantes, artesãos e
(comerciantes e artesãos)

(comerciantes e artesãos)

(comerciantes e artesãos)

profissionais liberais)
escravo e servil.

Assalariado.

Assalariado.
servil.
os

Brasil: Colônia Império República

mos

Em menor número existem os trabalhadores


os trabalhadores autônomos (comerciantes

trabalhadores autônomos (comerciantes e

autônomos (comerciantes, artesãos e


trabalhadores assalariados (imigrantes) e os

Predomínio do trabalho Assalariado.


existia
Predominava o trabalho escravo.
Predominava o trabalho escravo.
Em menor número existia m

número

profissionais liberais)
menor
e artesãos)

artesãos)
Em

Deste modo, foi com muitas lutas e mobilizações que os trabalhadores conseguiram
algumas garantias trabalhistas, que visam minimizar a exploração e garantir as condições
mínimas de dignidade. No caso do Brasil, essas leis chegaram com a CLT (Consolidação das Leis
do Trabalho) aprovada durante a Ditadura do Estado Novo (1937-1945) do Presidente Getúlio
Vargas.

Atualmente, apesar de existirem leis que regulam o trabalho no Brasil, a falta de


oportunidades ainda leva muitos cidadãos a se dedicar ao trabalho informal. Estes trabalham
por conta própria e recebem apenas pela sua produção, sem quaisquer direitos garantidos no
trabalho formal.

Colaboração

Coordenador de Ciências Humanas – Prof. Marcelo Lopes Perassolo

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
23
INTERNA

Anexo 4 - 10 principais problemas de saúde desenvolvidos no trabalho

Data: 10/02/2014 / Fonte: iBahia

Ao contrário de uma dor de cabeça ou gripe que surge após um período intenso de trabalho,
alguns problemas de saúde podem estar relacionados ao desempenho da atividade profissional
que dão ao trabalhador, do ponto de vista legal, os mesmos direitos de um acidente de trabalho.

De acordo com Eduardo Jesuíno, Médico do Trabalho, para que um problema de saúde seja
considerado uma doença ocupacional, o trabalho deve ter o vínculo nexo causal, ou seja, causa
e efeito específico na situação.

O médico alerta que certas doenças ocupacionais aparecem de forma silenciosa. "Algumas
doenças só aparecem após 10 ou 15 anos de trabalho e acabam fazendo tamanho estrago que,
muitas vezes, a pessoa não tem condições de voltar para o trabalho, seja pelas limitações
decorrentes da própria doença ou por ser o único local que o trabalhador consiga desenvolver
atividades e isso [retornar para este único local] acabaria agravando a doença", disse.

Ele informou que pessoas que sofreram alguma doença no trabalho e tiveram que ser afastadas
têm o direito de receber até 40% do salário base durante o período de afastamento. Para esse
benefício, deve-se comprovar a ligação que a doença tem com o trabalho através de perícia no
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), e ter, no mínimo, 12 anos de contribuição
previdenciária.

Em entrevista ao iBahia, o médico listou as 10 principais doenças que podem ser desenvolvidas
no trabalho. Confira abaixo e fique atento a possíveis alterações em sua saúde:

LER/DORT (Lesão por Esforços Repetitivos/ Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao


Trabalho). Provocada por movimentos repetitivos ou por posturas inadequadas, chamadas de
posturas anti-ergonômicas. Deve-se ter cuidado no diagnóstico, pois muitas pessoas confundem
a LER com uma simples torção ou mal posicionamento em algum movimento.
Antracose
Lesão pulmonar ocasionada por diferentes agentes que são adquiridos nas áreas de carvoarias.
A doença pode ser o ponto de partida para outros problemas ainda mais graves e afeta,
principalmente, os trabalhadores que têm contato direto com a fumaça do carvão.
Bissinose
Doença causada pela poeira das fibras de algodão, que afeta principalmente as pessoas que
trabalham na indústria algodoeira.
Surdez temporária ou definitiva
Quando o trabalhador está exposto em uma área a ruídos constantes, ele começa a perder a
sensibilidade auditiva e isso pode se tornar irreversível. A perda auditiva se torna definitiva de
forma lenta, silenciosa e prolongada. É mais comum entre operários de obras de construção que
utilizam equipamentos que emitem ruídos e operadores de telemarketing.
Dermatose ocupacional
Pessoas que trabalham com graxa ou óleo mecânico podem desenvolver reações alérgicas
crônicas, de forma que a pele cria placas.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
24
INTERNA

Câncer de pele
Pessoas que trabalham, por exemplo, em lavouras, têm grandes chances de desenvolver o
câncer de pele devido à excessiva exposição ao sol. A doença é bastante comum no Brasil, mas
só pode ser considerada ocupacional se estiver relacionada à atividade profissional
desenvolvida. Uma pessoa que trabalha em um escritório, sem se expor ao sol, por exemplo,
pode ter câncer de pele por outros motivos e não terá assistência do INSS.
Siderose
Pessoas que trabalham nas minas de ferro acabam inalando partículas microscópicas de ferro.
Estas partículas acabam se alojando nos bronquíolos, provocando falta de ar constante.
Catarata
Quem trabalha em lugares de altas temperaturas pode desenvolver a perda do cristalino,
ocasionando a cegueira. Assim como o câncer de pele, a doença atinge uma parcela significativa
da população brasileira, principalmente os idosos, e precisa ter relação direta com o trabalho
para ser considerada ocupacional.
Doenças por função
Pessoas que trabalham com alimentos, por exemplo, podem se contaminar pelos produtos
orgânicos que são utilizados.
Doenças psicossociais
Problemas como depressão, ou de outra ordem emocional, muitas vezes estão associados a
carga horária excessiva, a pressão no trabalho, ou algum desentendimento na área de trabalho.
Elas podem acabar desenvolvendo no trabalhador um desânimo prolongado no convívio de
trabalho, ocasionando uma tristeza profunda.

Disponível em:
<http://www.protecao.com.br/noticias/doencas_ocupacionais/10_principais_problemas_de_saude_desenvolvidos
_no_trabalho/AAyAAJji/8648>. Acesso em: 05 de out. 2015. 14h45min.

______________________________________________________________________________________________
“Este documento foi classificado pelo DEPEJA – Setor de Educação de Jovens e Adultos e o acesso está
autorizado exclusivamente para colaboradores da Fundação Bradesco”
25