Você está na página 1de 2

Determinação experimental da queda de pressão em tê saída de lado no transporte

pneumático de grãos de arroz

Introdução
O transporte de sólidos na forma de grãos é uma operação importante em diversos
tipos de indústrias de processo, tais como as químicas e alimentícias. O tipo de
equipamento utilizado nessas operações depende principalmente de distância,
velocidade e propriedades do material a ser transportado. O transporte pneumático
consiste no deslocamento desses sólidos no interior de uma tubulação, utilizando o ar
como fluido transportador. Os sistemas de transporte pneumático podem ser divididos
em fase densa e fase diluída. As principais vantagens do transporte pneumático são:
impossibilitar a perda de material, permitir um lay-out flexível e, no caso da operação
em fase diluída, baixo custo de instalação, operação e manutenção, se comparado aos
outros sistemas de transporte de sólidos convencionais. A principal desvantagem
desse sistema é de desgaste da parte inferior da tubulação.

Objetivo
O presente estudo teve como objetivo determinar a queda de pressão no acessório
“tê” com saída de lado no transporte pneumático de arroz com a alimentação
realizada com um ângulo de 45° e 90°.

Metodologia

Utilizou-se uma unidade semi-industrial de transporte pneumático composta por uma


tubulação com diâmetro interno de 117 mm, silo, válvula rotativa, ciclone e banco de
manômetros de tubo em “U”. Como grão a ser transportado em fase diluída foi
escolhido o arroz, importante insumo da alimentação mundial. Escolheu-se 1 vazão de
sólido de 568 kg/h e 5 velocidades de ar na faixa de 15 a 24 m/s. Como acessório
utilizou-se um tê saída de lado sem prolongamento. Em cada experimento foi medida a
pressão estática na montante e jusante do acessório com o manômetro em U.
Verificou-se que nas condições estudadas, o escoamento é incompressível. Deste
modo, a queda de pressão em cada experimento foi determinada tradicionalmente
pela diferença entre as pressões medidas.
Resultados e discussão
Com os resultados calculados, plotou-se a queda de pressão em função da velocidade
do ar. Notou-se que o aumento da velocidade de ar implicou em um aumento da
queda de pressão durante o transporte pneumático do arroz, independente da
inclinação empregada na alimentação dos grãos. Em relação a inclinação, observou-se
que entre velocidades de 15 m/s e 21 m/s, a queda de pressão foi maior com a
alimentação em 45°. Enquanto para velocidades entre 21 m/s e 24 m/s, a alimentação
do arroz com ângulo de 90° foi maior que a 45°.
Conclusão
O trabalho permitiu concluir que: a) A velocidade do ar influencia de forma direta a
queda de pressão do escoamento ao passar por um acessório e b) Se a inclinação de
alimentação for de 45°, deve-se trabalhar com velocidades de ar entre 21 e 24 m/s,
uma vez que nessa condição, a queda de pressão será menor e, portanto, um menor
consumo de potência pelo soprador.

Palavras-chave: Transporte pneumático, fase diluída, arroz, queda de pressão,


inclinação.

Você também pode gostar