Você está na página 1de 534

$QDOLVDGRUFREDVF¬

Manual do Operador, versão 4.3


8GTU¿QFGUQӒYCTG
cobas c 111

Informação sobre o documento

Histórico das revisões Versão do Versão de Data da revisão Alterações


manual software
1.0 Julho de 2006 Primeira publicação.
2.0 2.0 Dezembro de Modo completo adicionado.
2007 Conceito de calibração
melhorada.
Informação adicional sobre
manutenção e resolução de
problemas.
Acrescentos, melhorias e
correcções.
3.0 3.0 Junho de 2009 Inventário, sequência do
processamento e funções de
resultados calculados
adicionados.
Melhorias e correcções.
Layout actualizado.
4.0 4.0 Abril de 2012 Melhorias no hardware.
Ajustes que reflectem a última
versão de software (indicação do
tempo de testes em curso e
indicação do espaço em disco).
4.1 4.1 Outubro de 2013 Foi adicionada a funcionalidade
Verificação de TRL.
Foram adicionadas Isenções de
responsabilidade.
Pequenos ajustes do texto.
4.2 4.2 Março de 2016 Actualização de Risco de
segurança de Produto IT.
Visor do analisador actualizado e
actualizações do design da
interface do utilizador.
4.3 4.2 Novembro de Pequenos ajustes do texto.
2016

Nota da edição O analisador cobas c 111 é um analisador de acesso aleatório contínuo que se destina
à determinação in vitro de bioquímica clínica e parâmetros dos electrólitos no soro,
plasma, urina ou sangue total (HbA1c). Está optimizado para pequenas cargas de
trabalho de até 50 amostras por dia, utilizando análise fotométrica e uma unidade
opcional de eléctrodos selectivos de iões (ISE).
Este manual destina-se a utilizadores do analisador cobas c 111 a funcionar com a
versão de software 4.2.
Foram feitos todos os esforços para assegurar que toda a informação contida neste
manual esteja correcta no momento da impressão. Contudo, a Roche Diagnostics
GmbH reserva-se o direito de efectuar todas as alterações necessárias sem aviso
prévio, no âmbito do desenvolvimento contínuo do produto.

Roche Diagnostics
2 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111

Qualquer modificação introduzida no analisador pelo cliente invalidará a garantia ou


o acordo de assistência.
As actualizações do software são efectuadas pelos representantes da assistência
técnica.

Utilização pretendida O analisador cobas c 111 é um analisador de acesso aleatório contínuo que se destina
à determinação in vitro de bioquímica clínica e parâmetros dos electrólitos no soro,
plasma, urina ou sangue total (HbA1c).
É importante que os operadores leiam este manual atentamente antes de utilizarem o
sistema.

Direitos de autor © 2006-2016, F. Hoffmann-La Roche Ltd. todos os direitos reservados.

Marcas comerciais São reconhecidas as seguintes marcas comerciais:


COBAS, COBAS C e LIFE NEEDS ANSWERS são marcas comerciais da Roche.
Todas as outras marcas comerciais são propriedade dos seus respectivos
proprietários.

Aprovações do equipamento O analisador cobas c 111 cumpre os requisitos de protecção estipulados nas seguintes
directivas:
Directiva 98/79/EC do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de Outubro de 1998
sobre dispositivos médicos de diagnóstico in vitro.
Directiva 2011/65/EU do Parlamento Europeu e do Conselho de 8 de Junho 2011
sobre a restrição de utilização de certas substâncias perigosas em equipamentos
eléctricos e electrónicos.
Os seguintes símbolos demonstram a respectiva conformidade:

A conformidade com as directivas aplicáveis é fornecida através da


Declaração de conformidade.

Emitido por Underwriters Laboratories, Inc. (UL) para o Canadá e os


EUA.
C ® US

Morada de contacto

Roche Diagnostics GmbH


Sandhofer Strasse 116
68305 Mannheim
Alemanha
Fabricado na Suiça

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 3
cobas c 111

Roche Diagnostics
4 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111

Índice

Informação sobre o documento 2 Analisar amostras B–38


Morada de contacto 3 Validar resultados de amostras B–57
Índice 5 Efectuar calibrações B–65
Prefácio 7 Efectuar o CQ B–75
Como utilizar este manual 7 Terminar o turno B–86
Sistema de Ajuda Online 7 Terminar sessão B–97
Convenções utilizadas neste manual 8 Encerrar o sistema e desligar o analisador B–97
Utilizar o leitor de códigos de barras B–98
Descrição do sistema Part A 6 Operações especiais
Eliminar pedidos de amostras B–103
1 Segurança Eliminar resultados de amostras B–104
Classificação de segurança A–5 Calibração B–105
Informação de segurança A–5 Eliminar resultados de CQ B–106
Segurança dos dados A–11 Processamento dos lotes B–108
Avisos de licença A–12 Exportar dados B–115
Responsabilidade legal A–12 Importar dados B–123
Recomendações de eliminação A–13 Preparar um disco novo B–130
Etiquetas de segurança A–14 Atribuir testes a separadores de testes B–133
Eliminar conjuntos de frascos da lista Inventário
2 Introdução ao analisador B–135
Visão geral A–17 Reabastecer papel de impressora B–136
Interface do operador A–20 Remover a água de condensação do refrigerador de
Assistentes A–22 reagentes B–138
Funcionamento diário A–23 Substituir a agulha B–139
Manutenção A–37 Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos
Estado do sistema A–38 B–141
Ajustar o ecrã táctil B–145
3 Hardware Limpar o ecrã táctil B–146
Tampas e painéis A–41
LEDs e indicadores de cor A–43 7 Configuração
Componentes principais A–45 Introdução B–149
Visão geral do hardware A–46 Aplicações B–151
Especificações técnicas A–69 Configuração B–173

4 Software
Introdução A–73
Manutenção Part C
Composição do ecrã A–74
Itens de visualização A–76 8 Manutenção geral
Fluxos de trabalho e assistentes A–77 Visão geral C–5
Trabalhar com a interface do operador A–78 Acções de manutenção C–8
Ecrã do teclado A–91
Interpretação da cor dos LEDs e botões de acção
global A–131
Resolução de problemas Part D
Botões A–133
9 Mensagens e alarmes
Sobre as mensagens D–5
Funcionamento Part B Ecrã de mensagens D–5
Sinais acústicos D–6
5 Funcionamento diário Monitor de alarme D–6
Introdução B–5 Lista de mensagens de alarme D–11
Iniciar o turno B–11
Preparar o sistema B–13
Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 5
cobas c 111

10 Alarmes de resultados
Sobre alarmes D–27
Segurança D–29
Lista de alarmes D–30

11 Resolução de problemas
Introdução D–43
Lidar com situações excepcionais D–44
Reagir a mensagens D–46
Procedimentos detalhados D–48

ISE Part E

12 Descrição do ISE
Visão geral E–5
Hardware E–10
Funcionamento básico E–13
Especificações técnicas E–14

13 Funcionamento do ISE
Funcionamento diário E–17
Substituir frascos de fluido do ISE E–33
Substituir eléctrodos E–35
Limpar a torre do ISE fora do analisador E–39

14 Manutenção do ISE
Introdução E–45
Acções de manutenção do ISE E–46

15 Resolução de problemas do ISE


Introdução E–73
Segurança E–74
Lista de alarmes do ISE E–75
Reagir às mensagens de erro E–84

Glossário e Índice remissivo Part F

Glossário F–3
Índice remissivo F–11

Revisões Part G

Roche Diagnostics
6 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111

Prefácio

O analisador cobas c 111 é um analisador de acesso aleatório contínuo que se destina


à determinação in vitro de bioquímica clínica e parâmetros dos electrólitos no soro,
plasma, urina ou sangue total (HbA1c). Está optimizado para pequenas cargas de
trabalho de até 50 amostras por dia, utilizando análise fotométrica e uma unidade
opcional de eléctrodos selectivos de iões (ISE).
Este manual descreve as características e os conceitos gerais de funcionamento do
cobas c 111 e fornece procedimentos de funcionamento, manutenção e emergência.

As partes B a D descrevem o analisador sem utilizar uma unidade ISE. As informações


específicas do ISE são fornecidas na parte E.

Como utilizar este manual

o Mantenha este Manual do Operador num lugar seguro para assegurar que este não
seja danificado e que esteja sempre disponível para utilização.
o Este Manual do Operador deve estar sempre facilmente acessível.

Para o ajudar a encontrar rapidamente a informação, existe um índice no início do


manual e de cada capítulo. Além disso, pode encontrar um índice remissivo completo
no final.

Sistema de Ajuda Online

O analisador cobas c 111 dispõe de uma funcionalidade de ajuda online sensível ao


contexto, para ajudar o operador na operação do mesmo. "Sensível ao contexto"
significa que sempre que estiver localizado dentro do software do cobas c 111, ao
seleccionar Ajuda ( ) é apresentado um texto de ajuda relacionado com essa área
do software. A Ajuda online oferece um modo rápido e prático de encontrar
informação, tal como explicações de ecrãs e de caixas de diálogo e sobre como
executar tarefas específicas.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 7
cobas c 111

Convenções utilizadas neste manual

São utilizadas pistas visuais para ajudar a localizar e interpretar rapidamente a


informação deste manual. Esta secção explica as convenções de formatação utilizadas
neste manual.

Símbolos São utilizados os seguintes símbolos:

Símbolo Utilizado para


a Iniciar o procedimento
o Item da lista
e Referência cruzada
h Chamar (caminho de navegação do software)
Cor do item de visualização no ecrã
Dica

Alerta de segurança

Os equipamentos eléctricos e electrónicos marcados com este


símbolos estão cobertos pela Directiva Europeia relativa a resíduos de
equipamentos eléctricos e electrónicos (WEEE).
O símbolo indica que o equipamento não pode ser eliminado no
sistema de lixo municipal.

Botões Quando utilizados para efeitos de identificação, é utilizada uma forma genérica de
botões, sem cor ou indicadores de navegação.

Imagens de ecrã As representações dos ecrãs apresentadas nesta publicação destinam-se apenas a fins
ilustrativos. Os ecrãs não apresentam necessariamente dados válidos.

Roche Diagnostics
8 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111

Abreviaturas São utilizadas as seguintes abreviaturas:

Abreviatura Definição
CPSA Calibrador para sistemas automáticos
CISPR Comité Internacional Especial sobre Interferência de Rádio
DIL Diluente
GD Gestão de dados
DRAM Memória de acesso aleatório dinâmica
ex. Exemplo – por exemplo
CEM Compatibilidade electromagnética
EN Norma europeia
i.e. Id est – ou seja
IEC Comissão Electrotécnica Internacional
ISE Eléctrodo de iões selectivos
LED Díodo emissor de luz
LIS Sistema de informação do laboratório
DNL Detecção do nível do líquido
n/a Não se aplica
CQ Controlo de qualidade
REF Solução de referência para a unidade do ISE
ROM Memória apenas de leitura
DS Desvio padrão
SRAM Memória de acesso aleatório estática
TRL "Test Range Low" (limite inferior do intervalo de medição)

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 9
cobas c 111

Unidades Abreviatura Descrição


°C graus centígrados
μL microlitro
μm micrómetro
A ampere
cm centímetro
h hora
Hz hertz
Plg polegada
kg quilograma
kVA quilovolt-ampere
L litro
m metro
MB mega bytes
min minuto
ml mililitro
mm milímetro
nm nanómetro
s segundo
V volt
VA volt-ampere
V CA volts corrente alternada
V CD volts corrente directa
W watt

Roche Diagnostics
10 Manual do Operador · Versão 4.3
Descrição do sistema A
cobas c 111 1 Segurança
Índice

Segurança
Protecção do utilizador e do ambiente

Este capítulo apresenta informações sobre o funcionamento seguro do analisador


cobas c 111.

Neste capítulo Capítulo 1


Classificação de segurança ..............................................................................................A–5
Informação de segurança ................................................................................................A–5
Transporte ...................................................................................................................A–5
Segurança eléctrica .....................................................................................................A–5
Segurança óptica ........................................................................................................A–6
Segurança mecânica ...................................................................................................A–6
Tampas do equipamento ...........................................................................................A–6
Funcionamento e manutenção .................................................................................A–6
Materiais de risco biológico ......................................................................................A–6
Esgoto ..........................................................................................................................A–7
Reagentes e outras soluções funcionais ...................................................................A–7
Instalação .....................................................................................................................A–7
Condições ambientais ................................................................................................A–7
Interrupção da alimentação ......................................................................................A–8
Dispositivos electromagnéticos ................................................................................A–8
Peças aprovadas ..........................................................................................................A–8
Software de terceiros ..................................................................................................A–9
Qualificação do operador .........................................................................................A–9
Funcionamento durante um período de tempo prolongado ................................A–9
Contaminação cruzada da amostra .........................................................................A–9
Contaminantes insolúveis na amostra .................................................................. A–10
Derrame .................................................................................................................... A–10
Segurança dos dados ..................................................................................................... A–11
Avisos de licença ............................................................................................................ A–12
Responsabilidade legal .................................................................................................. A–12
Recomendações de eliminação .................................................................................... A–13
Etiqueta de eliminação ........................................................................................... A–13
Eliminação de componentes externos .................................................................. A–13
Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-3
1 Segurança cobas c 111
Índice

Eliminação do analisador ....................................................................................... A–13


Restrição ................................................................................................................... A–13
Etiquetas de segurança .................................................................................................. A–14

Roche Diagnostics
A-4 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 1 Segurança
Classificação de segurança

Classificação de segurança

Antes de tentar utilizar o analisador cobas c 111, é necessário familiarizar-se


totalmente com os seguintes símbolos e respectivos significados:

Advertência
Indica uma situação de perigo que, se não for evitada, poderá resultar em morte ou feri-
ADVERTÊNCIA mentos graves.

Cuidado
Indica uma situação de perigo que, se não for evitada, poderá resultar em ferimentos
ATENÇÃO menores ou moderados.

AVISO Aviso
Indica uma situação de perigo que, se não for evitada, pode resultar em danos materiais.

Informação de segurança

Antes de trabalhar com o analisador cobas c 111, é essencial ler e compreender as


informações de segurança que a seguir se descrevem.
Leia com atenção todas as notas de segurança da Roche e certifique-se de que as
compreende.

Transporte

Lesões derivadas de cargas pesadas


Pode lesionar as mãos, dedos ou costas ao colocar o analisador no local. Carregue o ana-
ADVERTÊNCIA lisador de acordo com as instruções de transporte.

Segurança eléctrica

Choque eléctrico derivado de equipamento electrónico


Não tente trabalhar num compartimento electrónico. A instalação, a assistência e a repa-
ADVERTÊNCIA ração devem ser apenas efectuadas por pessoal autorizado e qualificado.

Segurança eléctrica
Ligue o analisador apenas a tomadas de alimentação com terra (classe de protecção IEC
1). Todos os dispositivos periféricos que estejam ligados ao analisador cobas c 111 devem
cumprir a norma de segurança IEC 60950 relativamente a equipamentos de tecnologia de
informação, ou a norma IEC/UL 61010-1 para equipamentos de utilização em laboratório.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-5
1 Segurança cobas c 111
Informação de segurança

Segurança óptica

Perda da visão
A luz intensa dos LEDs pode danificar gravemente os olhos. Não olhe fixamente para os
ADVERTÊNCIA LEDs.
O scanner de leitura que utiliza tecnologia LED está coberto pela norma internacional
EN/IEC 60825-1 relativa a Segurança de Produtos LED de Classe 1.

Segurança mecânica

Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o


mecanismo do analisador
ADVERTÊNCIA Não toque em peças móveis durante o funcionamento do analisador.

Tampas do equipamento

Lesões pessoais ou danos ao analisador devido a contacto com o mecanismo do


analisador
ADVERTÊNCIA Mantenha todas as tampas fechadas e manuseie-as conforme indicado no ecrã.

Funcionamento e manutenção

Lesões pessoais ou danos ao analisador devido a contacto com o mecanismo do


analisador
ADVERTÊNCIA Não toque em quaisquer partes do analisador que não sejam as especificadas. Durante o
funcionamento e a manutenção do analisador, proceda de acordo com as instruções.

Materiais de risco biológico

Infecção por materiais de risco biológico


O contacto com amostras que contenham material de origem humana pode resultar em
ADVERTÊNCIA infecção. Todos os materiais e componentes mecânicos associados a amostras de origem
humana têm risco biológico potencial.
o Certifique-se de que usa equipamento de protecção. Tome um especial cuidado ao
trabalhar com luvas de protecção; estas podem ser facilmente perfuradas ou cortadas,
o que pode provocar infecções.
o Se derramar algum material de risco biológico, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
o Se a solução de esgoto entrar em contacto com a sua pele, lave-a imediatamente e
aplique um desinfectante. Consulte um médico.

Roche Diagnostics
A-6 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 1 Segurança
Informação de segurança

Esgoto

Infecção por solução de esgoto


O contacto com a solução de esgoto pode resultar em infecção. Todos os materiais e com-
ADVERTÊNCIA ponentes mecânicos associados aos sistemas de esgoto têm risco biológico potencial.
o Certifique-se de que usa equipamento de protecção. Tome um especial cuidado ao
trabalhar com luvas de protecção; estas podem ser facilmente perfuradas ou cortadas,
o que pode provocar infecções.
o Se derramar algum material de risco biológico, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
o Se a solução de esgoto entrar em contacto com a sua pele, lave-a imediatamente e
aplique um desinfectante. Consulte um médico.

Reagentes e outras soluções funcionais

Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais


O contacto directo com reagentes, soluções de limpeza ou outras soluções funcionais
ADVERTÊNCIA podem causar lesões pessoais.
Ao manusear reagentes, tome as devidas precauções para o manuseamento de reagentes
de laboratório, e tenha em consideração os avisos indicados nas folhas de método e as
informações fornecidas nas Fichas de Dados de Segurança do Material disponíveis para
reagentes e soluções de limpeza da Roche Diagnostics.

Inflamação cutânea causada por reagentes


O contacto directo com reagentes pode causar irritação cutânea, inflamação ou queima-
duras.
Ao manusear reagentes, use sempre equipamento de protecção e tenha em consideração
as precauções indicadas nas folhas de método.

Instalação

Resultados incorrectos ou danos no analisador devido a uma instalação


incorrecta
ADVERTÊNCIA Siga cuidadosamente as instruções especificadas de instalação.

Condições ambientais

Resultados incorrectos ou danos no analisador devido a calor e humidade


O analisador é para utilização apenas em interiores.
ADVERTÊNCIA

e Para informação sobre as condições ambientais necessárias, ver Condições ambientais na


página A-69.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-7
1 Segurança cobas c 111
Informação de segurança

Interrupção da alimentação

AVISO Perda de dados ou danos no sistema devido a queda da tensão


A unidade de funcionamento ou o software do sistema podem ser danificados ou pode
haver uma perda de dados devido a uma falha de alimentação ou de quebra de tensão
momentânea. Utilize apenas fontes de alimentação ininterruptas.

Dispositivos electromagnéticos

Mau funcionamento do analisador e resultados erróneos devido a interferências


de campos electromagnéticos
ADVERTÊNCIA Os dispositivos que emitem ondas electromagnéticas podem causar o mau funcionamento
do analisador. Não utilize este dispositivo muito perto de fontes de radiação electromagné-
tica forte (por exemplo, telemóveis, transceptores, telefones sem fios), uma vez que podem
interferir com a operação apropriada.

AVISO Instruções para equipamento de diagnóstico in vitro (IVD) para uso profissional
Um equipamento de IVD cumpre os requisitos de emissão e imunidade descritos nos
requisitos específicos para dispositivos médicos para IVD da norma EN/IEC 61326-2-6.
O ambiente electromagnético deve ser avaliado antes do funcionamento do dispositivo.

Conformidade regulamentar com a Classe B da FCC (Comissão Federal de


Comunicações)
Este equipamento foi testado e verificou-se que cumpre os limites da Classe B para dispo-
sitivos digitais, de acordo com a parte 15 das normas da FCC. Estes limites foram concebi-
dos para fornecer uma protecção razoável contra interferências nocivas quando o
equipamento é operado numa área residencial. Contudo, este equipamento gera, usa e
pode irradiar energia de radiofrequência e, se não for instalado e utilizado de acordo com
o presente manual, pode causar interferência nociva nas radiocomunicações.
O ambiente electromagnético deve ser avaliado antes do funcionamento do dispositivo.

Regras internacionais da Classe B


O equipamento de Classe B é adequado para ser utilizado em estabelecimentos domésti-
cos e em estabelecimentos directamente ligados a uma rede pública de fornecimento de
energia de baixa tensão que fornece edifícios utilizados para fins domésticos (CISPR 11,
4.2).

Peças aprovadas

Mau funcionamento do analisador e resultados erróneos devido a peças não


aprovadas
ADVERTÊNCIA A utilização de peças ou dispositivos não aprovados pode originar o mau funcionamento
do analisador e poderá tornar a garantia nula e sem efeito. Utilize apenas peças e disposi-
tivos aprovados pela Roche Diagnostics.

Roche Diagnostics
A-8 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 1 Segurança
Informação de segurança

Software de terceiros

Mau funcionamento do analisador e resultados erróneos devido a software de


terceiros
ADVERTÊNCIA A instalação de software de terceiros que não seja aprovado pela Roche Diagnostics pode
resultar num comportamento incorrecto do sistema. Não instale qualquer software não
aprovado.

Qualificação do operador

Resultados incorrectos ou danos ao analisador devido a funcionamento


incorrecto
ADVERTÊNCIA É necessário que os operadores possuam um conhecimento profundo das directrizes e
normas relevantes, assim como da informação e dos procedimentos contidos no Manual
do Operador.
o Não coloque o equipamento em funcionamento nem efectue uma manutenção, a
menos que tenha tido formação da Roche Diagnostics.
o Observe cuidadosamente os procedimentos especificados no Manual do Operador
para a operação e a manutenção do sistema.
o Deixe a manutenção que não esteja descrita no Manual do Operador para os repre-
sentantes qualificados da assistência.
o Siga as práticas laboratoriais padrão, especialmente ao trabalhar com material de risco
biológico.

Funcionamento durante um período de tempo prolongado

Fadiga devido a longas horas de funcionamento


Olhar para o ecrã do monitor durante um período de tempo prolongado pode provocar
ATENÇÃO fadiga nos olhos ou no corpo. Faça um intervalo durante 10 a 15 minutos de hora a hora
para descontrair. Evite passar mais de 6 horas por dia a olhar para o ecrã do monitor.

Contaminação cruzada da amostra

Resultados incorrectos devido a transmissão


Os vestígios de analitos ou reagentes podem ser transmitidos de um teste para o outro.
ADVERTÊNCIA Tome medidas adequadas (p. ex. fazer alíquotas da amostra) para salvaguardar testes adi-
cionais e para evitar resultados potencialmente falsos.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-9
1 Segurança cobas c 111
Informação de segurança

Contaminantes insolúveis na amostra

Resultados incorrectos e interrupção da análise devido a amostras contaminadas


Os contaminantes insolúveis em amostras podem provocar obstrução ou falta de volume
ADVERTÊNCIA de pipetagem e a deterioração da exactidão da medição. Quando colocar amostras no
analisador, certifique-se de que as mesmas não contêm contaminantes insolúveis tais
como fibrina ou pó.

Derrame

AVISO Mau funcionamento devido a líquido derramado


Qualquer líquido derramado sobre o analisador poderá causar o mau funcionamento do
mesmo. Se for derramado líquido no analisador, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.

Roche Diagnostics
A-10 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 1 Segurança
Segurança dos dados

Segurança dos dados

Acesso não autorizado e perda de dados devido a software malicioso e ataques


de piratas informáticos
ATENÇÃO Os meios de armazenamento portáteis podem ser infectados com e transmitirem software
malicioso, o qual pode ser utilizado para obter acesso não autorizado aos dados ou efec-
tuar alterações indesejadas no software.
O cobas c 111 não está protegido contra software malicioso e ataques de piratas informá-
ticos.
Os clientes são responsáveis pela segurança da sua infra-estrutura de IT e pela protecção
da mesma contra software malicioso e ataques de piratas informáticos. O não cumpri-
mento pode resultar em perda de dados e ficar com o cobas c 111 inutilizado.
A Roche recomenda as seguintes precauções:
o Efectue a ligação apenas a dispositivos externos autorizados.
o Certifique-se de que todos os dispositivos externos estão protegidos com um software
de segurança apropriado.
o Certifique-se de que o acesso a todos os dispositivos externos está protegido por equi-
pamento de segurança apropriado.
o Não copie nem instale software no cobas c 111 a menos que faça parte do software do
sistema ou que seja aconselhado por um representante da assistência técnica da
Roche a fazê-lo.
o Se for necessário software adicional, contacte o representante da assistência técnica
da Roche para assegurar a validação do software em questão.
o Não use as portas USB para ligar outros dispositivos de armazenamento a menos que
seja aconselhado a fazê-lo por documentação oficial do operador ou um representante
da assistência técnica da Roche.
o Tenha o maior cuidado ao utilizar dispositivos de armazenamento externos tais como
USB Stick, CD ou DVD. Não os utilize em computadores públicos ou domésticos
enquanto se liga ao cobas c 111.
o Mantenha todos os dispositivos de armazenamento externos num local seguro e certi-
fique-se de que podem ser apenas acedidos por pessoas autorizadas.

e Para mais informações, contacte o representante de assistência da Roche.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-11
1 Segurança cobas c 111
Avisos de licença

Avisos de licença

Mau funcionamento do analisador e resultados erróneos devido a modificações


no software pelo cliente
ADVERTÊNCIA Partes do software do cobas c 111 poderão conter um ou mais programas de software de
código aberto ou de software comercial. Para informações sobre direitos de autor e infor-
mações de licenciamento e outros avisos incluídos no software cobas c 111, consulte a
USB stick fornecida com o produto.
O analisador cobas c 111 foi concebido para funcionar com o software não modificado
conforme fornecido. O utilizador assume toda a responsabilidade pela alteração de qual-
quer parte do software de código aberto, o que exclui qualquer responsabilidade por parte
da Roche Diagnostics GmbH.
Este programa é distribuído sem qualquer garantia, mesmo sem a garantia implícita de
comerciabilidade ou adequação para um objectivo particular. Para detalhes, consulte o
documento Notas da Licença do Sistema c 111.

Responsabilidade legal

A Roche Diagnostics GmbH apenas assume responsabilidade limitada quando o


analisador cobas c 111 é utilizado em conjunto com o Software de Programação de
Canais Abertos cobas c 111.
Para informações detalhadas sobre este assunto, consulte a versão mais recente do
Formulário de Registo de Canais Abertos do cobas c 111 e o Manual do Operador dos
Canais Abertos do cobas c 111.
É da total responsabilidade dos operadores determinar se devem activar a
funcionalidade Verificação de TRL e, se o fizerem, definir o intervalo de medição
inferior de acordo com as exigências específicas de cada país. Se os operadores
activarem a funcionalidade Verificação de TRL, serão também responsáveis pela
validação dos intervalos que definirem.

Roche Diagnostics
A-12 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 1 Segurança
Recomendações de eliminação

Recomendações de eliminação

Todos os produtos eléctricos e electrónicos devem ser eliminados separadamente do


sistema de lixo municipal. A eliminação adequada dos seus equipamentos velhos
evita potenciais consequências negativas para o meio ambiente e a saúde humana.

Etiqueta de eliminação

Os equipamentos eléctricos e electrónicos assinalados com este símbolo estão cobertos


pela Directiva Europeia relativa a resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos
(WEEE).
O símbolo indica que o equipamento não pode ser eliminado no sistema de lixo municipal.

Eliminação de componentes externos

Os componentes externos, tais como o scanner e a fonte de alimentação do ISE, que estão
assinalados com o símbolo do contentor de lixo barrado com uma cruz, estão cobertos
pela Directiva Europeia (WEEE).
Estes itens devem ser eliminados através de instalações de recolha designadas pelas auto-
ridades locais ou governamentais.
Para mais informações acerca da eliminação dos seus produtos velhos, contacte a sua
câmara municipal, os serviços de recolha do lixo ou o representante de assistência da
Roche.

Eliminação do analisador

O analisador deve ser tratado como um resíduo perigoso contaminado biologicamente. A


eliminação final deve ser organizada de modo a não colocar em perigo os transportadores
ADVERTÊNCIA de esgoto. Por regra, este tipo de equipamento deve ser esterilizado antes de passar à eli-
minação final.
Para mais informações, contacte o representante de assistência da Roche local.

Restrição

É da responsabilidade da organização do laboratório determinar se os componentes


da unidade de controlo estão contaminados ou não. Se estiverem contaminados,
devem ser tratados do mesmo modo que o analisador.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-13
1 Segurança cobas c 111
Etiquetas de segurança

Etiquetas de segurança

Leia todas as etiquetas de segurança existentes no analisador e equipamentos.


A seguinte ilustração mostra onde as etiquetas do analisador podem ser visualizadas.

A B

A Esta etiqueta no bloco de eléctrodos da unidade ISE, indica que B Esta etiqueta na tampa principal indica que existem possíveis ris-
existe o risco de surgirem situações de perigo nas imediações cos biológicos nas imediações deste etiqueta, que podem causar
desta etiqueta, que podem causar a morte ou ferimentos graves. a morte ou ferimentos graves.
Devem ser observados os procedimentos de segurança relevantes Devem ser observados os procedimentos de segurança relevan-
do laboratório. tes do laboratório.
(Esta etiqueta só está presente se uma unidade ISE estiver insta-
lada.)

Figura A-1 Etiquetas de segurança no analisador cobas c 111

Para além das etiquetas de segurança no equipamento, existem avisos de segurança


nas partes correspondentes do Manual do Operador.
Estes avisos de segurança fornecem informação mais detalhada sobre as possíveis
situações de perigo que podem surgir durante o funcionamento diário ou quando se
efectua procedimentos de manutenção.
Quando trabalhar com o analisador, tenha sempre em consideração as etiquetas de
segurança no analisador e os avisos de segurança no Manual do Operador.

Roche Diagnostics
A-14 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Índice

Introdução ao analisador
O que necessita de saber antes de começar

Este capítulo apresenta informações básicas sobre as características que são relevantes
para trabalhar com o analisador cobas c 111.

Neste capítulo Capítulo 2


Visão geral ...................................................................................................................... A–17
Princípios de funcionamento ................................................................................ A–19
Interface do operador ................................................................................................... A–20
Assistentes ...................................................................................................................... A–22
Funcionamento diário .................................................................................................. A–23
Visão geral ................................................................................................................ A–23
Manuseamento de reagentes e diluentes .............................................................. A–27
Calibração ................................................................................................................ A–28
Tipo de calibração ............................................................................................. A–29
Sequência da calibração ................................................................................... A–30
Estado da calibração de um conjunto ............................................................ A–31
Armazenamento do resultado da calibração ................................................. A–31
Validar resultados da calibração ..................................................................... A–31
Procedimentos de calibração ........................................................................... A–32
Controlo de qualidade (CQ) .................................................................................. A–32
Manuseamento de amostras .................................................................................. A–33
Processamento do pedido ...................................................................................... A–35
Resultados ................................................................................................................ A–36
Manutenção .................................................................................................................... A–37
Estado do sistema .......................................................................................................... A–38

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-15
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Índice

Roche Diagnostics
A-16 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Visão geral

Visão geral

O analisador cobas c 111 é um analisador de acesso aleatório contínuo que se destina


à determinação in vitro de bioquímica clínica e parâmetros dos electrólitos no soro,
plasma, urina ou sangue total (HbA1c). Está optimizado para pequenas cargas de
trabalho de até 50 amostras por dia, utilizando análise fotométrica e uma unidade
opcional de eléctrodos selectivos de iões (ISE).
O analisador cobas c 111 só pode ser utilizado por pessoal qualificado a trabalhar
num ambiente de laboratório profissional.

Resultados incorrectos ou danos ao analisador devido a funcionamento


incorrecto
ADVERTÊNCIA É necessário que os operadores possuam um conhecimento profundo das directrizes e
normas relevantes, assim como da informação e dos procedimentos contidos no Manual
do Operador.
o Não coloque o equipamento em funcionamento nem efectue uma manutenção, a
menos que tenha tido formação da Roche Diagnostics.
o Observe cuidadosamente os procedimentos especificados no Manual do Operador
para a operação e a manutenção do sistema.
o Deixe a manutenção que não esteja descrita no Manual do Operador para os repre-
sentantes qualificados da assistência.
o Siga as práticas laboratoriais padrão, especialmente ao trabalhar com material de risco
biológico.

Funcionalidade Como parte da família de analisadores cobas, o analisador cobas c 111 oferece aos
laboratórios pequenos as seguintes vantagens:
o Elevado desempenho analítico
A mesma quantidade de reagentes, fotómetro de 12 comprimentos de onda e
cuvetes descartáveis geram resultados que estão altamente correlacionados com
outros analisadores cobas.
o Funcionamento eficaz
Discos de reagentes refrigerados e permutáveis asseguram uma utilização
económica dos reagentes; segmentos descartáveis de cuvetes permitem a
colocação e remoção fácil das cuvetes.
o Elevada fiabilidade, baixa manutenção
O design inovador de "baixo impacto" do analisador e a manutenção preventiva
operada por software melhora o tempo de utilização e reduz os custos de
manutenção.
o Interface do operador adaptável
O ecrã táctil colorido integrado, o software guiado pelo processo e a introdução
de códigos de barras dos reagentes e das amostras adaptam-se aos operadores
com competências e níveis de acesso diferentes.
o Normas de segurança elevadas
Os dispositivos de segurança integrados, tais como detecção do nível, detecção do
fundo do frasco, controlo de qualidade da cuvete e detecção de coágulos no ISE,
antecipam possíveis perigos durante o funcionamento.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-17
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Visão geral

o Amostragem flexível
Oito posições de amostra no equipamento acomodam virtualmente qualquer tipo
de veículo de amostras e possibilitam a colocação e remoção contínua de amostras
durante o funcionamento.
o Gestão de dados
Portas USB e RS-232 bidireccionais, impressora térmica no equipamento e
controladores oferecem as técnicas mais avançadas das capacidades da gestão de
dados.

Princípios de medição As medições são efectuadas por meio de um fotómetro de absorvância e


opcionalmente de uma unidade ISE (eléctrodo de iões selectivos) que utiliza a
potenciometria de iões selectivos.

Um primeiro olhar sobre o A B C D


analisador

L M N O

A Aba de assistência esquerda (cobre a H Ecrã táctil colorido


estação de lavagem, a torre do ISE, a I Conectores de fluidos
tubagem) J Aba de assistência direita (cobre a unidade
B Tampa principal (cobre o rotor, os reagentes, do fotómetro, a área de amostras)
as cuvetes, a unidade do fotómetro) K Painel da impressora
C Interruptor principal L LED da tampa principal
D Cabeça de transferência (contém a agulha) M Ranhura do papel
E Aba de assistência traseira (cobre as placas N Botão de desbloqueio do painel da
do computador, a fonte de alimentação, o impressora
desgaseificador) O Conector USB (não representado)
F LED da área de amostras
G Área de amostras (espaço para 8 tubos de
amostras)

Figura A-2 O analisador cobas c 111

Roche Diagnostics
A-18 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Visão geral

Princípios de funcionamento

O analisador principal cobas c 111 utiliza fotometria de absorvância para determinar


a quantidade de absorvância num fluido. A absorvância é utilizada para calcular a
concentração na solução.

Colocar a amostra O operador identifica a amostra, coloca-a no analisador e define o pedido. (Se estiver
a trabalhar com um sistema host, o pedido é definido automaticamente.)

Processo de medição O processo de medição de cada teste consiste em quarenta ciclos regulares, com uma
duração de 18 segundos cada. Em cada um destes ciclos é feita uma medição,
independentemente das outras acções que têm lugar durante o ciclo. As definições da
aplicação determinam o que é feito, em que ciclo e também definem quais os
resultados que são tidos em consideração para o cálculo dos resultados.
Com cada ciclo pode ser iniciado um teste novo.
O processo básico funciona do seguinte modo:
1. Verificar a cuvete.
É feita uma medição para verificar a qualidade da cuvete.
2. Pipetar o reagente (R1) para a cuvete.
Após cada acção de pipetagem, o sistema efectua um ciclo de lavagem para
minimizar a contaminação por transporte. Durante este ciclo, a agulha e a
tubagem são lavadas com água e cleaner.
3. Aguarde.
O fluido necessita alcançar a temperatura prescrita. Esta fase pode durar vários
ciclos.
Durante os ciclos de espera são efectuadas as actividades de outros testes.
4. Pipetar o próximo fluido.
Normalmente, este é uma amostra. Os detalhes são definidos nas definições da
aplicação.
5. Aguarde.
6. Pipetar o próximo fluido.
7. Aguarde.
8. Etc.

Cálculo dos resultados O resultado do teste é calculado com base nos resultados da medição fotométrica.
Durante este processo são efectuadas várias verificações para assegurar que todo o
processo de medição estava tecnicamente correcto. Se os valores se situarem acima ou
abaixo dos limites pré-definidos, o resultado do teste é assinalado com um alarme.
Os resultados são guardados no sistema. Isto inclui tanto os quarenta resultados da
medição (dados brutos) como o resultado do teste calculado.

Sequência do processamento Para uma determinada amostra, os testes são processados pela ordem definida pelo
tempo necessário para realizar os testes (número de ciclos), começando pelo que
demora mais tempo. Este pedido pode ser alterado manualmente definindo uma lista
de sequência de processamento específica.

Estado do processo de medição Em qualquer fase do processo de medição o operador pode verificar o estado deste no
ecrã.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-19
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Interface do operador

Gestão dos dados dos resultados O sistema fornece um espaço de armazenamento dos resultados de um dia de
trabalho. Para efeitos de cópias de segurança, os resultados devem ser exportados
uma vez por dia para um dispositivo de armazenamento externo.

Interface do operador

O analisador cobas c 111 está equipado com um ecrã táctil, um teclado no ecrã e
quatro botões de acção global. Os LEDs e os sinais acústicos informam o operador
sobre quando é seguro adicionar ou remover amostras, reagentes e outros fluidos.
Nos botões e outros itens de visualização é utilizado o código de cor dos "semáforos":
Verde significa OK, amarelo: cuidado, necessária a tomada de uma medida e
vermelho significa que a sua intervenção é necessária para o processamento
continuar.
Os ecrãs têm uma composição clara e consistente e são fáceis de utilizar. Os tópicos
estão divididos nas áreas de trabalho demonstradas: Visão geral para o
processamento de pedidos e de fluidos, A. de trabalho para o processamento de
resultados e informações sobre os pedidos e Utilitários para tarefas de
administração.
e Para mais informações sobre a interface do operador, ver Capítulo 4 Software.

Segue-se um exemplo de um ecrã. Este contém uma gama completa de itens de


visualização.

Roche Diagnostics
A-20 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Interface do operador

A F

B
C

G
D

A A linha de estado apresenta o estado do F O botão de Ajuda fornece informação


sistema. concisa e relevante sobre o ecrã e a situação
B Os separadores representam as áreas de actual.
trabalho principais. G Os botões de acção global representam as
C O cabeçalho caracteriza o conteúdo ou a funções que se encontram
função do ecrã. Se o ecrã fizer parte de uma permanentemente disponíveis: Iniciar, Parar,
sequência de ecrãs (assistente), o cabeçalho Alarme, Alimentação da Linha. Os
informa-o sobre onde está situado dentro indicadores de cor indicam os respectivos
desta sequência. estados.
D A área de trabalho apresenta o conteúdo
principal do ecrã.
E Os botões variam dependendo do conteúdo
da área de trabalho e da posição do ecrã
dentro de uma série de passos (assistente).

Figura A-3 Exemplo de um ecrã

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-21
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Assistentes

Assistentes

Os ecrãs ajudam o operador a executar as suas tarefas. Se não for possível executar
todos os passos de uma tarefa num ecrã, o fluxo de trabalho concretiza-se numa
sequência de ecrãs, o chamado assistente. Os assistentes cobas c 111 normalmente
não o obrigam a desempenhar uma tarefa numa dada etapa, apenas facilitam os seu
trabalho.
e Para obter informação sobre os fluxos de trabalho, ver Fluxos de trabalho e assistentes na
página A-77.

Quando é necessária a No ecrã existem vários métodos de informar quando é necessária a intervenção do
intervenção operador:
o Os botões e os textos estão codificados por cores.

Está tudo bem.

Para assegurar o funcionamento linear é necessária a execução de uma


tarefa.
O processo ou a acção actual ainda não começou ou parou. Necessita de
fazer alguma coisa para que comece ou continue.

o Os ecrãs podem conter instruções. Por exemplo, o texto pode pedir ao operador
que coloque a amostra na área de amostras ou que remova um frasco de reagente
do disco de reagentes.
o As mensagens informam sobre o estado das acções actuais.
o Um monitor de alarme permanente dá o alerta de eventos sobre os quais o
operador deve estar informado.

Assistentes Existem três assistentes principais: O assistente de Preparação, o assistente de


Pedidos e o assistente de Final do turno. Os assistentes auxiliam o operador na
maioria das tarefas que envolvem mais do que um passo, tais como a substituição de
reagentes ou de outros frascos de fluidos.

Assistente de preparação O assistente de preparação guia o operador ao longo de tarefas que necessitam ser
efectuadas no início de cada turno. Quando este assistente tiver terminado, o sistema
está pronto para processar pedidos.

Assistente de pedidos O assistente de pedidos guia o operador ao longo do processo de criação e alteração
de pedidos.

Assistente de final do turno O assistente de final do turno guia o operador ao longo das tarefas que necessitam ser
efectuadas no final do dia ou para preparar o analisador para ser passado a outro
operador.

As tarefas individuais podem ser efectuadas fora dos assistentes


A maioria das tarefas que formam um fluxo de trabalho podem ser efectuadas sem a utili-
zação de um assistente.
Se efectuar uma tarefa independentemente, tem primeiro de navegar até ao ecrã desejado
e, em seguida, iniciar a tarefa a partir daí; enquanto utilizar o assistente, o ecrã adequado é
apresentado automaticamente.
A utilização dos assistentes também assegura que sejam efectuados todos os passos
necessários e na ordem correcta.

Roche Diagnostics
A-22 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Funcionamento diário

Visão geral

O funcionamento diário inclui as tarefas de rotina necessárias para a preparação e a


monitorização do sistema e para analisar amostras.
Quando se liga o sistema, este efectua várias verificações para se certificar de que
todas as condições prévias são cumpridas, por exemplo, que todas as tampas estão
fechadas e que há cuvetes disponíveis. Em seguida efectua auto-testes para assegurar
que todos os módulos funcionam adequadamente.
No final da fase desta fase, o ecrã é actualizado para apresentar o estado actual do
sistema.
A tabela seguinte fornece uma visão geral das tarefas que podem ser necessárias
durante um funcionamento diário.
Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
1 Inicializar o sistema 1. Ligue o sistema.

2 Iniciar sessão no sistema Visão geral > Iniciar sessão

3 Preparar o sistema Inicie o assistente Preparar. Visão geral > Preparar

1. Verifique os reservatórios de fluidos Visão geral > >


externos.
2. Efectue as acções de manutenção que Utilitários > Manutenção
estão pendentes.
3. Carregue o disco de reagentes. Visão geral >

4. Verifique os reagentes. Visão geral >

5. Verifique as cuvetes. Visão geral >

6. Efectue a agitação. Visão geral > > teste >

7. Efectue as calibrações pendentes. A. de trabalho > Calibrações > >

4 Definir pedidos Inicie o assistente de pedidos. Visão geral > Pedido (ou Visão geral > URGENTE)

1. Identificar a amostra. n/a

2. Seleccione os testes. n/a

3. Colocar a amostra. n/a

4. Inicie a execução.

5 Monitorizar o progresso n/a Visão geral >

Tabela A-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-23
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
6 Validar resultados 1. Visualize os resultados. n/a A. de trabalho > Revisão de resultados

2. Trate dos resultados com alarmes. n/a A. de trabalho > Revisão de resultados >

... > Repetir


... > Executar novamente
3. Aceitar resultados. n/a A. de trabalho > Revisão de resultados >
> Aceitar

7 Efectuar calibrações

Efectuar calibrações indi- 1. Inicie o assistente. A. de trabalho > Calibrações >


viduais
2. Seleccione o teste. n/a

3. Prepare e coloque os calibradores. n/a

4. Inicie a calibração.

5. Valide os resultados da calibração. A. de trabalho > Calibrações >

6. Remova os calibradores.

Efectuar 1. Inicie o assistente. A. de trabalho > Calibrações >


todas as calibrações pen-
dentes 2. Seleccione todos os testes com cali- n/a
brações pendentes.
ou
Seleccione todos os testes com cali-
bração pendente no período de pre-
visão.
3. Prepare e coloque os calibradores. n/a

4. Inicie a calibração.

5. Valide os resultados da calibração. A. de trabalho > Calibrações >

6. Remova os calibradores.

Tabela A-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário

Roche Diagnostics
A-24 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
8 Executar controlos

Efectuar o 1. Inicie o assistente. Visão geral > Pedido >


CQ predef.
2. Seleccione um controlo e coloque o n/a
tubo. Repita até não sobrarem mais
controlos no ecrã.
3. Inicie a medição de CQ.

4. Valide os resultados do CQ. A. de trabalho > Estado CQ >

5. Remova os controlos. n/a

Efectuar uma medição de 1. Inicie o assistente. A. de trabalho > Estado CQ >


CQ individual
2. Seleccione um teste. n/a

3. Seleccione um controlo e coloque o n/a


tubo. Repita até não sobrarem mais
controlos no ecrã.
4. Inicie a medição de CQ.

5. Valide os resultados do CQ. A. de trabalho > Estado CQ >

6. Remova o controlo.

Efectuar 1. Inicie o assistente. Visão geral > Pedido > >


todas as medições de CQ
pendentes 2. Seleccione um controlo e coloque o n/a
tubo. Repita até não sobrarem mais
controlos no ecrã.
3. Inicie a medição de CQ.

4. Valide os resultados do CQ. A. de trabalho > Estado CQ >

5. Remova os controlos.

Tabela A-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-25
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
9 Terminar o turno 1. Verifique pedidos incompletos. A. de Trabalho > Pedidos
Seleccione > Não terminado

2. Verifique se existem resultados invá- A. de trabalho > Revisão de resultados


lidos. Seleccione > Não aceite

3. Verifique se existem resultados não A. de trabalho > Revisão de resultados


transmitidos. Seleccione > Não enviado para
(Apenas se trabalhar com um sistema host
host.)

4. Inicie o assistente de Final do turno. Visão geral > Final do turno

5. Efectue a cópia de segurança diária. Utilitários > Exportar > Base de dados

6. Exporte os resultados completos. Utilitários > Exportar > Resultados

7. Limpar a base de dados. A. de Trabalho > Pedidos >

A. de trabalho > Revisão de resultados>

A. de trabalho > Estado CQ >

A. de trabalho > Histórico CQ >

A. de trabalho > Calibrações >

8. Efectue as acções de manutenção Utilitários > Manutenção


pendentes.
9. Substitua as cuvetes. Visão geral >

10. Verifique os reservatórios de fluidos Visão geral > >


externos.
11. Remova o disco de reagentes (no Visão geral > >
caso de último turno).
12. Termine a sessão no sistema. Botão de Visão geral > com o seu nome de
operador
13. Encerre o sistema e n/a
desligue o analisador (se for o último
turno).
Tabela A-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário

Roche Diagnostics
A-26 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Manuseamento de reagentes e diluentes

A B C

A Disco de reagentes
B Frasco de reagente com código de barras
C Chaminé

Figura A-4 Equipamento para o manuseamento de reagentes

Disco de reagentes No analisador, os reagentes são armazenados num disco de reagentes. Este tem
espaço para 27 frascos, permitindo ter até 14 conjuntos de reagentes instalados no
disco, assumindo que a maioria dos testes necessita de dois reagentes. No disco de
reagentes encontram-se igualmente diluentes e cleaners adicionais.
É possível trabalhar com até oito discos de reagentes diferentes num analisador
cobas c 111.
O operador coloca e remove sempre os frascos enquanto o disco está no analisador.
(O sistema necessita de saber exactamente o que é colocado no disco.)
Quando o operador tiver terminado de efectuar testes, pode remover o disco de
reagentes completo, colocá-lo num recipiente de discos de reagentes e guardá-lo num
frigorífico.

Frascos Os reagentes, diluentes e cleaners adicionais do cobas c 111 são fornecidos em frascos
adicionais. Estes são fornecidos com dois códigos de barras bidimensionais e
colocados no disco de reagentes sem a tampa.

Chaminés As chaminés são inserções nos frascos que reduzem a evaporação. Nos reagentes que
são especialmente sensíveis a alterações na concentração, a Roche recomenda a
utilização de chaminés nos frascos de reagentes. (Ver nas folhas de método dos testes
se deve ou não utilizar chaminés.)
Para reduzir a evaporação, pode utilizar chaminés em todos os frascos de reagentes.

Conjunto de reagentes Podem ser necessários até três reagentes para efectuar um teste específico. Estes
reagentes são processados nos conjuntos de reagentes. Pode definir mais do que um
conjunto de reagentes para cada teste, mas apenas um pode estar activo.
Um conjunto de reagentes é definido logo que o primeiro frasco seja colocado. A
partir deste momento, sempre que o operador remova ou substitua um reagente,
deve fazê-lo com todos os reagentes do conjunto.
Cada frasco de diluente ou de cleaner é tratado como um conjunto de reagentes
separado.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-27
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Detecção do volume O número de testes disponíveis é continuamente calculado para cada conjunto de
reagentes.

Figura A-5 Indicação dos testes restantes

Agitação periódica Os reagentes podem ter um intervalo de agitação definido. Este intervalo é verificado
pelo sistema a cada 30 minutos e a agitação é efectuada sem remover os frascos de
reagentes do disco de reagentes.
Para um conjunto de reagentes que contenha mais de um reagente para o qual está
definida a agitação, o intervalo mais curto de todos os reagentes do conjunto é
utilizado para todos os reagentes.
Os testes são bloqueados se qualquer dos reagentes que utilizam necessitarem de
agitação.

Diluentes São utilizados tanto a água do sistema como os diluentes específicos. A água do
sistema é mantida no reservatório externo de água, os diluentes específicos são
fornecidos em frascos de reagentes e colocados no disco de reagentes.

Cleaners Pode ser utilizado tanto um cleaner do sistema como cleaners específicos. O cleaner
do sistema é mantido no frasco externo de cleaner, os cleaners específicos são
fornecidos em frascos de reagentes e colocados no disco de reagentes.

Calibração

A calibração é o processo que estabelece, sob determinadas condições, a relação entre


os valores indicados pelo equipamento analítico e os valores conhecidos
correspondentes de um analito.
A calibração periódica é necessária porque a concentração dos reagentes pode
alterar-se ao longo do tempo.
Os reagentes são normalmente calibrados com uma calibração em dois pontos,
medindo o valor pré-definido de um multiplicador e da água do sistema. Alguns
reagentes são calibrados utilizando um conjunto de calibradores.
No analisador cobas c 111, os reagentes são manuseados como conjuntos de até três
reagentes. (O operador coloca e retira sempre todos os reagentes de um conjunto.)

Roche Diagnostics
A-28 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Como consequência, todos os reagentes (frascos) de um conjunto são calibrados


aquando da calibração.
O sistema indica quando a calibração está pendente.

Cada conjunto de reagentes tem de ter resultados de calibração aceites para ficar disponí-
vel para a utilização em testes.

A pendência de uma calibração depende principalmente de duas definições, do tipo


de calibração e da sequência da calibração.

Tipo de calibração
Os tipos de calibração Conjunto e Lote definem o modo como o sistema determina se
existe um resultado de calibração válido para um determinado conjunto de reagentes.

Calibração de conjunto Os resultados de calibração do conjunto são apenas válidos para o conjunto
calibrado. Podem ser criados por qualquer conjunto de reagentes.

Calibração do lote Os resultados de calibração do lote são válidos para o conjunto de reagentes com o
qual foram calibrados e para todos os conjuntos de reagentes subsequentes do mesmo
lote. Normalmente, as calibrações do lote são criadas através da calibração do
primeiro conjunto de reagentes de um lote novo. Só pode existir um resultado de
calibração do lote para os reagentes de um determinado lote.
Imaginemos que coloca o primeiro conjunto de reagentes de um novo lote e o calibra
de imediato. Imaginemos ainda que as medições de controlo subsequentes sugerem
que é necessária uma nova calibração. Nas primeiras 24 horas da colocação do
conjunto no sistema, pode voltar a calibrá-lo, e os resultados de calibração do lote
possivelmente existentes para este conjunto de são substituídos. Findo este período,
deixa de poder substituir os resultados de calibração do lote. (Para criar resultados de
calibração de um lote novo teria de eliminar os resultados existentes e, em seguida,
calibrar um novo conjunto de reagentes.)

A calibração do lote é relevante se trabalhar com a sequência de calibração [Cada lote e


intervalo].

A tabela seguinte ilustra os dois tipos de calibração num exemplo.


Suposições:
o Sequência: Cada lote e intervalo.
o Intervalo: 5 dias.
(Note que o intervalo (re)inicia quando o conjunto é calibrado como resultado de
um intervalo expirado ou um novo lote ser iniciado.)

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-29
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Dia Accionador/evento Tarefa Resultado Conjunto Tipo de cal. Utilização da


utilizado cal.
1 NA 1. Coloque o primeiro conjunto de reagentes do Resultado 1 L1/1 Lote Actual
novo lote.
2. Calibre o conjunto L1/1.
2 Reagente vazio. 1. Remova o conjunto L1/1. Resultado 1 L1/2 Conjunto Actual
2. Coloque novo conjunto L1/2. L1/1 Lote -
Reagente vazio. Substitua o conjunto sempre que este esteja vazio. Resultado 1 Conjunto Actual
5 Intervalo expirado. Calibre o conjunto actual L1/n. Resultado 2 L1/n Conjunto Actual
L1/n-1 Conjunto Obsoleto
6 Reagente vazio. Coloque novo conjunto L1/n+1. Resultado 1 L1/n+1 Conjunto Actual
L1/n Conjunto Obsoleto
8 Reagente vazio. 1. Remova o conjunto L1/n+1. Resultado 3 L2/1 Lote Actual
Novo lote. 2. Coloque um conjunto novo, que é o primeiro L1/1 Lote Obsoleto
conjunto de um lote novo.
L1/n+1 Conjunto Obsoleto
3. Calibre o conjunto L2/1.
Reagente vazio. Coloque novo conjunto L2/2. Resultado 3 L2/2 Conjunto Actual
L2/1 Lote -
10 Intervalo expirado. Calibre o conjunto actual L2/n. Resultado 4 L2/n Conjunto Actual
L2/n-1 Conjunto Obsoleto
11 Reagente vazio. Coloque novo conjunto L2/n+1. Resultado 3 L2/n+1 Conjunto Actual
L2/n Conjunto Obsoleto
Tabela A-2 Exemplo da substituição do conjunto e de tipos de calibração

Sequência da calibração
A sequência da calibração é uma definição da aplicação. Define o modo como o
sistema determina quando é necessário efectuar uma calibração.

A Roche recomenda não alterar a sequência de calibração.

O intervalo de calibração define a estabilidade no equipamento de um reagente.


Uma das sequências seguintes aplica-se a cada um dos conjuntos de reagentes:

Sem intervalo O operador efectua a calibração sempre que considerar adequado. Utilize este valor
se tiver a certeza de que o reagente está estável até ficar vazio e o substituir por um
novo. A calibração fica pendente sempre que um novo conjunto de reagentes for
colocado no analisador.

Apenas intervalo A calibração é efectuada apenas quando o intervalo tenha expirado.

Cada lote e intervalo A calibração é efectuada sempre que o primeiro reagente de um novo lote é colocado
e, em seguida, sempre que o intervalo tenha expirado.
Neste caso, o intervalo está relacionado com a data quando a calibração do lote foi
gerada, e (re)inicia sempre que calibra um conjunto de reagentes (como resultado de
um intervalo expirado ou o início de um novo lote).
Pode desligar a verificação de intervalo definindo a sua duração para 0 (zero).

Roche Diagnostics
A-30 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Conj. de frascos e intervalo A calibração é efectuada sempre que um novo reagente é colocado e, em seguida,
quando o intervalo tenha expirado.
O intervalo inicia novamente sempre que calibra um conjunto de reagentes porque
intervalo expirou ou porque foi iniciado um novo lote.
Pode desligar a verificação de intervalo definindo a sua duração para 0 (zero).

Estado da calibração de um conjunto


Cada conjunto de reagentes possui um dos seguintes estados da calibração:

CU (actual) indica que o conjunto está colocado no equipamento e que os seus resultados
da calibração estão a ser actualmente utilizados.

OB (obsoleto) indica que os resultados da calibração do conjunto já não são utilizados.


Este estado aplica-se, por exemplo, às seguintes situações:
o O conjunto foi removido e está vazio.
o O conjunto foi removido e não está vazio. Foi removido há mais de 30 dias.

SB (em espera) indica que os resultados da calibração do conjunto não são utilizados
actualmente.
Este estado aplica-se, por exemplo, às seguintes situações:
o Um novo conjunto foi colocado e calibrado enquanto um conjunto idêntico ainda
estava a ser utilizado (pré-calibração).
o O conjunto foi removido há não mais de 30 dias e não está vazio.

Armazenamento do resultado da calibração


O resultado de calibração actual e até cinco resultados de calibração obsoletos são
armazenados no sistema. Se houver mais de cinco resultados de calibração obsoletos,
os resultados de calibração obsoletos mais antigos são automaticamente eliminados
como fazendo parte das actividades diárias do final do turno.

Validar resultados da calibração


As aplicações definem verificações dos intervalos e dos limites. Se estes forem
excedidos, os resultados são assinalados com um alarme.
Cada novo resultado da calibração deve ser validado. Se forem gerados alarmes, o
operador terá de determinar a causa dos mesmos e decidir se irá aceitar o resultado,
executar a calibração novamente ou continuar a utilizar os resultados da calibração
antiga.
O operador pode aceitar automaticamente resultados sem alarmes e resultados com
alarmes que estejam contidos numa lista específica de alarmes que devem ser
ignorados.
e Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-31
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Procedimentos de calibração
Existem três procedimentos básicos para a execução da calibração:

o Calibrar todos os conjuntos de reagentes que necessitam de calibração

o Calibrar todos os conjuntos de reagentes que vão necessitar de calibração durante


o período de previsão

o Calibrar conjuntos de reagentes individuais

Período de previsão O período de previsão é um período de tempo configurável. As calibrações pendentes


dentro deste período são executadas colectivamente.
e Ver Calibração na página B-184.

Tipicamente, o operador definiria este período para se adequar à duração do seu


turno, por exemplo, 8 horas. Isto possibilitaria a preparação do analisador antes do
turno iniciar e evitaria assim ter de interromper o processamento de amostras para
efectuar calibrações.

Pré-calibração Numa determinada altura existe apenas um resultado de calibração aceite para cada
teste. No entanto, o operador pode instalar e pré-calibrar um conjunto de reagentes
de reserva. Isto é feito, por exemplo, para assegurar o processamento contínuo de
amostras.

Controlo de qualidade (CQ)

O CQ é efectuado em intervalos regulares para verificar a integridade de todo o


sistema de medição. Para cada teste são definidos até três controlos. Os resultados são
comparados com intervalos ou valores pré-definidos e, em seguida, interpretados em
conformidade.

Controlo Um controlo é uma amostra que foi medida utilizando todos os testes aos quais está
associada, a fim de definir os intervalos e os valores que determinam o
funcionamento correcto do analisador. Isto é feito tipicamente tanto com a
concentração normal como com a concentração patológica do analito.

Quando um CQ está pendente No que se refere a quando o CQ se torna necessário, este está dividido nos seguintes
tipos:
o CQ após cal
A medição de CQ fica pendente após a calibração do teste.
o Intervalo de CQ
O CQ fica pendente sempre que o seu intervalo tenha expirado. As medições de
CQ deste tipo são efectuadas num lote, normalmente uma ou duas vezes ao dia.
o CQ predef.
O CQ é efectuado em determinadas alturas durante o funcionamento de rotina.
Isto é feito para se enquadrar nos processos e procedimentos do laboratório.

Roche Diagnostics
A-32 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Modos de efectuar o CQ No que se refere a como o CQ é efectuado, são fornecidos os seguintes métodos:
o CQ predef.
O CQ predefinido é um processo automático para efectuar múltiplas medições
de CQ na altura em que o operador define os pedidos de CQ. Este é o método
ideal se desejar efectuar o CQ em determinados dias ou em determinadas horas.
Este método aplica-se apenas a testes cujos controlos estejam definidos para
serem efectuados como parte do CQ predefinido. Assim, se pretender trabalhar
com a função CQ predefinido, deve configurar os testes em conformidade.
O CQ predefinido segue um procedimento optimizado em que os pedidos de CQ
necessários são automaticamente definidos logo que tenha identificado um
controlo. É definido um pedido para cada teste para o qual este controlo é
definido, a menos que o teste esteja actualmente inactivo no sistema. Um
assistente ajuda o operador a seleccionar os controlos e uma lista de colocações
ajuda na preparação e colocação dos controlos.
o Intervalo de CQ
Este método aplica-se a testes cujos controlos tenham um intervalo definido.
O intervalo de CQ é um processo adequado tanto para efectuar uma única
medição de CQ como para efectuar todas as medições de CQ pendentes. O
operador pode seleccionar todos os testes que requerem o CQ pressionando
simplesmente um botão. (Esta selecção também reflecte o CQ do tipo CQ após
cal.) Um assistente ajuda o operador a seleccionar os controlos, e uma lista de
colocações ajuda na preparação e colocação dos mesmos.

Validar os resultados do CQ Cada novo resultado do CQ tem de ser validado. Se forem gerados alarmes, o
operador terá de determinar a causa dos mesmos e decidir se irá aceitar o resultado
ou ignorá-lo.
O operador pode aceitar automaticamente resultados sem alarmes e resultados com
alarmes que estejam contidos numa lista específica de alarmes que devem ser
ignorados.
e Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

Se ignorar um resultado de CQ, está a excluir o resultado de cálculos de resultados de


CQ adicionais, tais como estatísticas de histórico de CQ.

Manuseamento de amostras

Pode colocar até oito tubos de amostras na área de amostras.

A LED da área de amostras. Um LED verde indica que pode ser colocado um tubo, um LED a
piscar que o operador deve manter-se afastado da área de amostras.

Figura A-6 Área de amostras com tubos de amostra

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-33
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Tipos de amostras O analisador cobas c 111 pode processar os seguintes fluidos de amostras:
o Soro
o Plasma
o Urina
o Sangue total para HbA1c

Resultados incorrectos devido a uma preparação inadequada da amostra


Os espécimes que contenham coágulos podem obstruir a agulha. Os espécimes que con-
ADVERTÊNCIA tenham bolhas ou espuma podem causar erros na detecção do nível e pipetagem de ar.
Consequentemente, podem ser gerados resultados incorrectos.
Tome o devido cuidado ao preparar as amostras.

Resultados incorrectos devido a fluido insuficiente


Fluido insuficiente pode provocar uma pipetagem inexacta e, consequentemente, resulta-
dos incorrectos.
Encha sempre os tubos com fluido suficiente de modo que reste pelo menos o volume
morto definido quando a pipetagem terminar.
e Ver Tubos na página A-56.

Tubos de amostra O analisador cobas c 111 pode utilizar tubos primários e tubos secundários (cups).
Pode utilizar qualquer tipo de tubo primário, desde que as suas dimensões se situem
nos limites prescritos. A Roche recomenda apenas a utilização de cups aprovados.
e Ver Tubos na página A-56.

AVISO Danos na agulha devido à não remoção das tampas dos tubos primários
A agulha não foi concebida para furar as tampas dos tubos. Esta pode ser danificada
quando tenta perfurar as tampas dos tubos.
Remova sempre as tampas dos tubos primários antes de os colocar no analisador.

ID da amostra A ID da amostra é um identificador de até 23 caracteres alfanuméricos que é único


dentro de toda a organização, por exemplo, um hospital. Este identifica a amostra e é
também utilizado para a comunicação com o host.
As IDs das amostras são definidas tanto através da leitura de um código de barras
como através da digitação manual.
Como o espaço para a apresentação de listas no ecrã é limitado, a Roche recomenda
que se limite a ID a 13 caracteres.

Código de barras das amostras Pode utilizar tubos de amostra com ou sem os códigos de barras.

Diluição A pré-diluição poderá ser utilizada quando efectua calibrações e medições. A pré-
diluição faz parte das definições da aplicação e não pode ser alterada pelo operador.
A pós-diluição é executada quando é solicitada uma reexecução pelo operador após a
conclusão de uma medição. O factor pós-diluição não pode ser alterado pelo
operador, é predefinido.
(O factor de diluição faz parte da definição da aplicação e não necessita, por isso, de
ser definido pelo operador.)

Remover tubos de amostra Pode remover tubos de amostra logo que a pipetagem tenha terminado.

Roche Diagnostics
A-34 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Funcionamento diário

Processamento do pedido

Tipo de pedido O tipo de pedido reflecte o modo de organização dos testes no ecrã de selecção de
testes.
Utilize Fácil se os reagentes couberem em um ou dois discos de reagentes e se
trabalhar com um painel de testes no ecrã (pode encaixar até 25 testes e perfis neste
painel).
Utilize Completo se distribuir os reagentes por vários (até oito) discos de reagentes e
se trabalhar predominantemente com grupos específicos de testes, por exemplo, para
situações de emergência ou para testes de diabetes. Pode atribuir até 20 testes e perfis
a cada painel (separador).

ID do pedido A ID do pedido é um identificador de até 23 caracteres alfanuméricos que é único


dentro do laboratório. A ID do pedido identifica o pedido e liga-o à amostra.
As IDs dos pedidos e das amostras são frequentemente idênticas. Utilizar IDs
separadas faz sentido ao trabalhar com um sistema host.
As IDs dos pedidos são definidas tanto através da leitura de um código de barras
como através da digitação manual.
Como o espaço para a apresentação de listas no ecrã é limitado, a Roche recomenda
que se limite a ID a 13 caracteres.

Dados demográficos do paciente O software do cobas c 111 não suporta o processamento de dados demográficos de
pacientes.

Conectividade ao host O analisador cobas c 111 pode ser ligado a um sistema de informação do laboratório
(LIS) ou a um computador host para descarregar informação sobre os pedidos e
carregar resultados ou a uma Ferramenta de Impressão cobas c 111.
Se o analisador estiver ligado a um sistema host, podem ser configuradas as seguintes
definições:
o Descarregar informação sobre o pedido
Ao identificar uma amostra mediante a leitura do código de barras, a informação
adequada do pedido é automaticamente atribuída ao pedido no sistema. (A
informação sobre o pedido foi descarregada previamente.)
o Efectuar consultas no host
Ao identificar uma amostra mediante a leitura de um código de barras é enviada
uma consulta ao host, pedindo informação sobre o pedido da amostra em
questão. Esta informação é então descarregada para o analisador cobas c 111 e
automaticamente atribuída à amostra no sistema.
o Transmitir resultados
Os resultados podem ser transmitidos automaticamente ao host assim que
tenham sido aceites.

AVISO Armazenamento seguro


As cópias de segurança transmitidas ou exportadas, ou os dados arquivados, devem ser
armazenados com segurança.

e Para a configuração ao ligar a uma Ferramenta de Impressão cobas c 111, ver o Manual do
Operador da Ferramenta de Impressão cobas c 111.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-35
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Funcionamento diário

Pedidos de rotina Os pedidos de rotina são normalmente definidos no separador Visão geral. O
software guia o operador ao longo do processo de atribuição de testes a uma amostra
e de colocação do tubo de amostra no analisador.

Pedidos URGENTES Os pedidos URGENTES (STAT - tempo de retorno curto) são processados do
mesmo modo que os pedidos de rotina, excepto que os seus testes são processados a
seguir, independentemente da programação dos testes dos pedidos de rotina.

Definir pedidos Deve haver pelo menos uma posição de tubo de amostra livre ao definir um pedido.
O operador é guiado pelo software ao pedir os testes e ao colocar as amostras.
Só pode haver um pedido para cada teste e amostra.

Modificar pedidos O processo para a alteração de um pedido é semelhante ao de o definir. O operador


identifica primeiro a amostra e, em seguida, altera os testes. Pode alterar um pedido
desde que o seu processamento não tenha ainda começado.
É sempre possível adicionar um teste a um pedido existente.

Eliminar pedidos No final de um turno deve eliminar todos os pedidos que estejam definidos no
sistema. Esta medida destina-se a libertar espaço de armazenamento para o próximo
turno. A eliminação dos pedidos faz parte integrante do assistente de final do turno.
(Eliminar um pedido também elimina os resultados de amostras correspondentes.)
Pode exportar os dados para uma USB stick e armazená-los num computador.

Controlar a execução O controlo da realização das execuções dos testes é feito através dos botões de acção
global.
Prima para iniciar a execução.
Prima para parar a execução.

Resultados

Os resultados podem ser verificados no ecrã logo que tenham sido calculados.

Unidades Os resultados são normalmente fornecidos em unidades do seu laboratório. As


unidades podem ser configuradas.

Alarmes Os alarmes dos resultados são específicos dos testes. Indicam que o limite de uma
verificação interna foi excedido ou não foi alcançado.
Os alarmes do sistema apontam para o estado do resultado dentro do processo de
análise; por exemplo, informam o operador que o resultado não foi aceite ou que este
não foi transmitido ao host com sucesso.

Imprimir os resultados Pode imprimir todos os resultados ou os resultados seleccionados na impressora


integrada.

Armazenamento de impressões
As impressões em papel térmico vão desaparecendo com o passar do tempo. Para um
armazenamento de longo prazo, guarde apenas cópias das impressões.

Roche Diagnostics
A-36 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 2 Introdução ao analisador
Manutenção

Validar resultados Todos os resultados devem ser validados (resultados aceites, testes reexecutados ou
repetidos).
Os alarmes dos resultados ajudam a identificar resultados críticos e apontam
possíveis medidas que necessitam de ser tomadas.
Cada teste deve ter resultados de calibração aceites; os testes cujos resultados de
calibração associados não são aceites não podem ser efectuados.

Resultados calculados O operador pode definir manualmente resultados calculados. Os resultados


calculados são processados como qualquer outro resultado de amostras, com a
excepção que não podem ser aceites pelo operador. Estes são aceites
automaticamente se todos os resultados dos seus constituintes tiverem sido aceites.

Repetir e reexecutar testes Se um resultado tiver um alarme, o operador pode decidir voltar a executar o teste.
Pode executar exactamente o mesmo teste (repetir) ou efectuá-lo com uma diluição
predefinida diferente (reexecutar).

Armazenar resultados O analisador cobas c 111 foi concebido para reter os resultados de amostras de um dia
de análises. Por isso, o operador deve fazer regularmente uma cópia de segurança
para um meio externo. (A cópia de segurança dos resultados faz parte integrante do
assistente de Final do turno.)
Os resultados do CQ do mês anterior e do mês actual são armazenados no sistema.
Para cada teste são armazenados até cinco resultados de calibração no sistema.

Manutenção

A realização correcta e atempada das acções de manutenção ajuda a assegurar o


funcionamento sem problemas e ininterrupto do seu analisador.

Programação da manutenção O analisador cobas c 111 facilita a execução das acções de manutenção nas alturas que
mais se adequam aos processos de trabalho do seu laboratório. Para esse efeito, pode
definir nas definições da configuração um dia da semana como dia de manutenção.
e Para informação sobre a programação de acções de manutenção, ver Programar acções de
manutenção na página B-174.

Todas as acções de manutenção podem ser efectuadas em qualquer momento.

Intervalo Para a maioria das acções de manutenção é definido um intervalo de manutenção


fixo. (Não pode alterar este intervalo.) Esta é a base a partir da qual o sistema calcula a
data em que as acções necessitam de ser executadas.
Os temporizadores e os contadores dos intervalos são repostos sempre que o
operador confirmar que a acção de manutenção foi efectuada.
As acções de manutenção sem intervalos predefinidos são efectuadas sempre que seja
necessário, ou são accionadas por outra acção de manutenção.

Data de vencimento Corresponde ao último dia de manutenção possível. Esta é a data que o operador
visualiza quando verifica o estado das acções de manutenção.

Assegurar o funcionamento Ao efectuar todas as acções de manutenção pendentes durante a fase de preparação
linear ou de final do turno assegura-se que o funcionamento de rotina não necessita de ser
interrompido para a execução das acções de manutenção.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-37
2 Introdução ao analisador cobas c 111
Estado do sistema

Estado do sistema

O analisador cobas c 111 proporciona vários meios de indicar o estado das várias
peças e processos:
o Os LEDs de códigos de cor no analisador informam o operador sobre quando as
tampas podem ou não podem ser abertas ou quando os tubos de amostra podem
ser colocados.
e Ver Interpretação da cor dos LEDs e botões de acção global na página A-131.
o As cores dos botões informam sobre a necessidade de uma intervenção.
e Ver Conceito da cor na página A-77.

Pode verificar o significado de um botão utilizando a Ajuda online .


o Os botões no separador Visão geral fornecem informação detalhada sobre o
estado dos processos e dos itens de hardware seleccionados.
o As mensagens no ecrã fornecem informação sobre as tarefas individuais e sobre
os eventos.
o O texto na linha de estado fornece informação sobre o estado e sobre as
actividades do analisador e da unidade do fotómetro.
Os seguintes estados do sistema encontram-se definidos:

Estado Comentário
Em espera As interfaces do operador e do host permanecem activas, tal
como o sistema de refrigeração dos reagentes, o sistema de
fluidos e o aquecimento das cuvetes.
Manutenção Uma acção de manutenção esta sendo efectuada. O sistema
não está disponível para efectuar testes.
Diagnósticos Está a ser efectuada uma acção de diagnóstico. O sistema não
está disponível para efectuar testes.
Em operação Processamento em progresso.
Arranque Depois de ligar o sistema, este efectua a inicialização e o teste
funcional.
Desligar O encerramento normal está em progresso.
Parado O processamento parou. É necessária a intervenção do opera-
dor para permitir que o sistema retome o funcionamento nor-
mal.
Paragem E Estado que indica que o sistema efectuou uma paragem de
emergência (Paragem E). Esta pode dever-se a uma falha no
hardware ou a um dos dispositivos de segurança que tenha
despoletado uma paragem de emergência.
Tabela A-3 Estados do sistema

Roche Diagnostics
A-38 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Índice

Hardware
Os componentes e como funcionam

Este capítulo apresenta informações sobre os principais componentes de hardware do


analisador cobas c 111.

Neste capítulo Capítulo 3


Tampas e painéis ............................................................................................................ A–41
LEDs e indicadores de cor ............................................................................................ A–43
Componentes principais ............................................................................................... A–45
Visão geral do hardware ............................................................................................... A–46
Área de amostras ..................................................................................................... A–46
Sistema de fluidos .................................................................................................... A–47
Agulha e seringa ................................................................................................ A–48
Unidade da seringa ........................................................................................... A–48
Estação de lavagem ........................................................................................... A–49
Conectores externos de fluidos ....................................................................... A–49
Unidade de transferência ....................................................................................... A–50
Reservatórios de fluidos ......................................................................................... A–52
Reservatórios de esgoto .................................................................................... A–52
Reservatório de água ........................................................................................ A–53
Frasco de cleaner ............................................................................................... A–54
Frascos de reagentes ......................................................................................... A–55
Tubos .................................................................................................................. A–56
Cuvetes ............................................................................................................... A–57
Segmentos de cuvetes ....................................................................................... A–57
Manusear cuvetes .............................................................................................. A–58
Manuseamento de reagentes ............................................................................ A–59
Rotor ......................................................................................................................... A–60
Disco de reagentes ................................................................................................... A–61
Recipiente do disco de reagentes ........................................................................... A–62
Refrigerador dos reagentes .................................................................................... A–62
Anel de cuvetes ........................................................................................................ A–63
Scanner de códigos de barras ................................................................................ A–64
Impressora ................................................................................................................ A–65
Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-39
3 Hardware cobas c 111
Índice

Fotómetro de absorvância ...................................................................................... A–66


Conectores ............................................................................................................... A–67
Fusíveis ..................................................................................................................... A–68
Especificações técnicas ................................................................................................. A–69

Roche Diagnostics
A-40 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Tampas e painéis

Tampas e painéis

A figura seguinte apresenta os painéis amovíveis e as tampas que podem ser abertas.

A B C D

A Painel lateral esquerdo E Aba de assistência traseira


B Aba de assistência esquerda F Painel lateral direito
C Tampa principal G Aba de assistência direita
D Tampa da cabeça de transferência H Painel da impressora

Figura A-7 O analisador cobas c 111

Tampa da cabeça de Dá acesso a:


transferência
o Mecanismo de transferência
o Agulha
Encerre o sistema e desligue o analisador antes de abrir esta tampa.

Aba de assistência esquerda Dá acesso a:


o Estação de lavagem
o Tubagem
o Depósito interno de esgoto
o Placa de inicialização
Manuseie conforme as indicações durante acções de manutenção ou encerre o
sistema e desligue o analisador antes de o manusear.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-41
3 Hardware cobas c 111
Tampas e painéis

Tampa principal Dá acesso a:


o Rotor
o Disco de reagentes
o Cuvetes
o Frascos de reagentes
o Unidade do fotómetro
Pode abrir esta tampa sempre que necessite de manusear cuvetes, frascos de reagentes
ou o disco de reagentes. Um LED verde indica que é necessária a intervenção do
utilizador, um LED amarelo indica que não deve abrir a tampa principal.
Prima o botão de desbloqueio na parte por baixo da dianteira da tampa para abrir o
painel.
Na altura em que deve fechar a tampa soa um sinal acústico e o ícone do sistema no
ecrã de Estado do sistema fica vermelho.

Aba de assistência traseira Dá acesso a:


o Placas do computador
o Fonte de alimentação
o Unidade de transferência
o Desgaseificador
Esta aba deve ser aberta apenas pelos representantes da assistência.

Painel lateral direito Dá acesso a:


o Unidade da seringa
Remova este painel conforme as indicações durante acções de manutenção ou
encerre o sistema e desligue o equipamento antes de o remover.

Aba de assistência direita Dá acesso a:


o Unidade do fotómetro
o Área de amostras
o Ecrã táctil colorido
o Computador de gestão de dados
Abra este painel conforme as indicações durante acções de manutenção ou encerre o
sistema e desligue o analisador antes de o abrir.

Painel da impressora Dá acesso a:


o Papel da impressora.
Pode abrir esta aba em qualquer altura desde que a impressora não esteja a imprimir.
Prima o botão para abrir o painel.

Roche Diagnostics
A-42 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
LEDs e indicadores de cor

LEDs e indicadores de cor

Os LEDs estão localizados em posições chave no analisador cobas c 111. Os mesmos


informam se é possível efectuar determinadas acções.

A LED da área de amostras C LED da tampa principal


B Botões de acção global com indicadores de
cor

Figura A-8 O analisador cobas c 111

Interpretar as cores dos LEDs LED Cor Significado


LED da tampa Desligado Sem actividades nesta área. Pode abrir a tampa
principal principal.
É necessária a intervenção do operador, por
exemplo, deve colocar ou remover um frasco.
O sistema está a efectuar uma acção. Não
manusear a tampa.
Um sinal acústico soa quando a tampa é aberta enquanto o sistema se
encontra no estado Em operação. Pode ajustar o volume (Utilitários >
Configuração > Sistema > Volume).
LED da área de Desligado Sem actividades nesta área. Pode remover tubos de
amostras amostra.
Deve colocar um tubo de amostra.

Piscar A cabeça de transferência está em movimento. Não


coloque a sua mão ou qualquer objecto na área de
amostras.
Tabela A-4 LEDs e o seu significado

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-43
3 Hardware cobas c 111
LEDs e indicadores de cor

Interpretar os indicadores de cor Botões de acção Cor indicadora Significado


dos botões de acção global global
Iniciar Desligado Não pode iniciar o processo de medição.

Pode iniciar o processo de medição.

Parar Desligado Premir conduz a várias opções de paragem.

Premir conduz a várias opções de paragem.

Alarme Desligado Não existem mensagens de alarme não


confirmadas.
Existe pelo menos uma mensagem de alarme não
confirmada. Deve tratar desta o mais depressa
possível.
Existe pelo menos uma mensagem de alarme não
confirmada. Deve tratar desta imediatamente, de
outro modo o processamento pode não continuar.
Nota: Quando a mensagem de alarme resulta de
um erro de regulação de tempo, todas as execuções
de testes ou resultados obtidos após a hora do erro
devem ser testados novamente.
Quando um alarme é criado soa um sinal acústico. Pode ajustar o
volume (Utilitários > Configuração > Sistema > Volume).

Tabela A-5 Indicadores de cor dos botões de acção global e respectivos significados

Roche Diagnostics
A-44 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Componentes principais

Componentes principais

A figura a seguir ilustra os componentes principais do analisador cobas c 111.

A B C D E

G
H

A Rotor E Dispositivo de eliminação de bolhas I Porta USB frontal


B Unidade de transferência F Área de amostras J Rack externa de fluidos
C Unidade do fotómetro G Ecrã táctil K Impressora
D Motherboard PCB H Unidade da seringa

Figura A-9 Componentes principais de hardware

Rotor Contém uma área refrigerada para os reagentes (unidade de refrigeração) e um canal
aquecido para as cuvetes. Move os reservatórios para a posição correcta para colocar,
remover, pipetar e medir.

Unidade de transferência Pipeta amostras, reagentes e outros fluidos da sua origem para os reservatórios alvo,
tais como cuvetes ou a estação de lavagem.

Unidade do fotómetro Contém o fotómetro de absorvância utilizado para efectuar medições de absorvância.

Motherboard PCB Controla o hardware do analisador.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-45
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Sistema de fluidos (sem Tubagem para transporte dos fluidos pelo analisador, incluindo amostras, reagentes,
representação) calibradores, controlos, diluentes, cleaners, água do sistema e esgoto.

Unidade da seringa Efectua a aspiração e a distribuição dos fluidos. Isto inclui o fornecimento de água e
de cleaner para limpeza das agulhas na estação de lavagem, depois de cada acção de
pipetagem, para evitar a transmissão entre os testes.

Dispositivo de eliminação de Remove possíveis bolhas de ar do sistema de água.


bolhas

Área de amostras Oito posições para colocar tubos de amostra. Esta área também é utilizada para a
colocação de calibradores, controlos e fluidos auxiliares.

Ecrã táctil O ecrã táctil proporciona a interface do operador para o controlo e a gestão do
analisador cobas c 111.

Porta USB frontal Esta porta é utilizada para a USB stick ao fazer cópias de segurança ou carregar dados
no sistema.

Visão geral do hardware

Área de amostras

A área de amostras proporciona oito posições para a colocação de tubos de amostra.


Podem ser colocados tubos primários e secundários.
e Ver Tubos na página A-56.

A O LED indica que a cabeça de transferência se está a aproximar ou que deve ser colocado um
tubo de amostra.

Figura A-10 Área de amostras com tubos de amostra

Coloque as amostras quando o sistema indica. No que se refere aos calibradores, o


sistema informa o operador sobre em que posição colocá-los, em relação aos outros
fluidos o operador pode optar por qualquer posição livre.

Roche Diagnostics
A-46 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Sistema de fluidos

O sistema de fluidos é constituído por todas as válvulas, bombas, tubagem, seringa,


sensores de fluidos, reservatórios de água e de esgoto, estação de lavagem e agulha.
Efectua o transporte de todos os fluidos pelo analisador, incluindo amostras,
reagentes, calibradores, controlos, diluentes, cleaners, água do sistema e esgoto. O
sistema de fluidos também fornece as quantidades correctas de fluidos às cuvetes.

A B C

G H I

A Estação de lavagem F Depósito interno de esgoto


B Cabeça de transferência (com agulha) G Frasco de cleaner (tampa vermelha)
C Bombas H Reservatório de água (branco)
D Dispositivo de eliminação de bolhas I Reservatório de esgoto (amarelo)
E Unidade da seringa

Figura A-11 Sistema de fluidos

AVISO Para evitar que o depósito interno de esgoto transborde quando o sistema estiver no
estado Em espera, o esgoto é bombeado periodicamente para o reservatório externo de
esgoto. (A condensação pode acumular-se na unidade refrigerada enquanto o sistema se
encontra no estado Em espera.)

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-47
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Agulha e seringa

C
B

A Sensor de fluidos C Seringa


B Agulha

Figura A-12 Agulha e seringa

A agulha está ligada pela tubagem:


o À seringa para assegurar a pipetagem das quantidades necessárias de fluido.
o Ao reservatório externo de água e ao frasco de cleaner para assegurar o
fornecimento de água limpa e de cleaner.
e Ver acção de manutenção Limpar a agulha manualmente na página C-12.
Ver acção de manutenção Desproteinizar a agulha na página C-10.
Ver Substituir a agulha na página B-139.

Unidade da seringa
A unidade da seringa controla a aspiração e a distribuição dos fluidos. Também
controla o fornecimento de água e de cleaner para limpeza das agulhas na estação de
lavagem, depois de cada acção de pipetagem, para evitar contaminações.

Roche Diagnostics
A-48 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Estação de lavagem

Figura A-13 Estação de lavagem

A agulha é lavada após cada pipetagem. Esta desce para dentro da estação de lavagem
e, de seguida, é bombeado cleaner através da agulha para a lavar por dentro e por
fora. Logo a seguir é bombeada água através da agulha para limpar o cleaner.
A estação de lavagem está ligada pela tubagem ao reservatório externo de esgoto.

Conectores externos de fluidos


Os três reservatórios externos de fluidos devem ser adequadamente ligados antes de
ligar o analisador cobas c 111.

A B C

A Conector de água C Conector de esgoto


B Conector de cleaner com peça protectora

Figura A-14 Conectores externos de fluidos

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-49
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Unidade de transferência

A unidade de transferência move a agulha para as posições correctas para todas as


acções de pipetagem e de limpeza.
A figura que se segue mostra as partes principais da unidade de transferência.

A Cabeça de transferência C Carril de transferência X


B Elevador do suporte da agulha

Figura A-15 Elementos principais da unidade de transferência robótica

Cabeça de transferência A cabeça de transferência move-se horizontalmente (ao longo do eixo X); a agulha
move-se verticalmente (eixo Z) e efectua um movimento rotativo para misturar o
conteúdo da cuvete e do frasco de reagente.

Obstrução da cabeça de Quando a cabeça de transferência é obstruída no seu movimento horizontal, esta pára
transferência imediatamente. Todas as pipetagens e acções de processamentos param.

Roche Diagnostics
A-50 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

A Motor de agitação D Agulha


B Motor de transferência Z E Eixo do movimento do agitador
C Suporte da agulha

Figura A-16 Cabeça de transferência

Motor de agitação O motor de agitação está montado sobre o elevador. Ao funcionar, este cria um
movimento circular da agulha. Este movimento é utilizado para a agitação do
conteúdo das cuvetes e dos frascos de reagentes.

Agulha A agulha possui uma ponta plana. Esta é necessária para a detecção do fundo do
frasco. Como este tipo de agulha não pode furar a tampa dos frascos, todos os frascos
devem ser colocados no analisador sem as respectivas tampas.

Detecção do fundo do tubo Um sensor detecta quando a agulha entra no fluido. Com base neste nível, o sistema
estabelece se existe fluido suficiente para efectuar a acção de pipetagem programada.

Detecção do nível Um sensor físico é activado logo que a agulha toca no fundo do tubo de amostra.
Este mecanismo também funciona quando a agulha toca num objecto fora do tubo.
Em ambos os casos, a acção da agulha pára e é gerada uma mensagem de alarme
adequada.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-51
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Reservatórios de fluidos

A tabela seguinte demonstra qual o reservatório utilizado para que tipo de fluido:

Fluido Reservatório(s) Posição


Sample Tubo Área de amostras
Controlo Tubo Área de amostras
Calibrador Tubo Área de amostras
Diluente Frasco de reagente Disco de reagentes
Cleaner do sistema Frasco externo de cleaner Rack externa de fluidos
Cleaner Frasco de reagente Disco de reagentes
Reagente Frasco de reagente Disco de reagentes
Água Frasco Rack externa de fluidos
Esgoto Frasco Rack externa de fluidos
Tabela A-6 Reservatórios de fluidos, onde e para que são utilizados

O termo tubo inclui todos os tipos de tubos, desde que as suas dimensões se situem den-
tro dos limites prescritos. Também inclui tubos secundários (cups). Ver Tubos na
página A-56.

Reservatórios de esgoto

A
C

A Adaptador da tubagem C Depósito interno de esgoto


B Reservatório externo de esgoto

Figura A-17 Reservatório de esgoto

Depósito interno de esgoto O depósito interno de esgoto acumula o esgoto da estação de lavagem e da unidade
ISE, se esta for utilizada. Também acumula a condensação da unidade de refrigeração
do rotor.
O depósito interno de esgoto está ligado por tubagem a:
o Reservatório externo de esgoto
o Estação de lavagem
o Refrigerador dos reagentes (condensação)
o Unidade ISE (se estiver instalada)

Roche Diagnostics
A-52 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Reservatório externo de esgoto O reservatório externo de esgoto amarelo está colocado no suporte dos reservatórios
externos. Foi concebido para ser lavado e reutilizado.
Visto que o sistema efectua periodicamente acções de lavagem, o reservatório externo
de esgoto deve estar permanentemente ligado. Assim, quando esvaziar o reservatório
de esgoto deve substituí-lo de imediato com o reservatório sobressalente e esvaziar
depois o reservatório original. (O analisador é fornecido com um reservatório de
esgoto sobressalente.)
Não existe uma monitorização do nível para o reservatório externo de esgoto, mas o
equipamento notifica o operador se o reservatório externo de esgoto não tiver sido
esvaziado durante mais do que um dia.
O reservatório externo de esgoto é ligado pela tubagem ao depósito interno de esgoto.
e Ver Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos na página B-141.
Ver Verificar o estado dos reservatórios externos de fluidos na página B-17.
Ver acção de manutenção Limpar os reservatórios de água e de esgoto na página C-16.

Reservatório de água
O reservatório de água branco está posicionado no suporte dos reservatórios
externos. Ligado à tampa encontra-se um tubo de aspiração que está equipado com
um filtro de água.
Não existe uma monitorização do nível para o reservatório externo de água, mas o
equipamento notifica o operador se o reservatório externo de água não tiver sido
reabastecido durante mais do que um dia.
O reservatório de água foi concebido para ser lavado e reabastecido.

B
C

A Tubagem C Filtro da entrada de água


B Reservatório

Figura A-18 Reservatório de água

O reservatório de água está ligado por tubagem a:


o Bomba de lavagem
o Unidade da seringa
o Agulha
e Ver Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos na página B-141.
Ver Verificar o estado dos reservatórios externos de fluidos na página B-17.
Ver acção de manutenção Limpar os reservatórios de água e de esgoto na página C-16.
Ver acção de manutenção Trocar filtro da entrada de água na página C-18.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-53
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Frasco de cleaner
O frasco de cleaner está posicionado no suporte dos reservatórios externos. Foi
concebido para ser substituído quando ficar vazio.
A monitorização do nível do frasco de cleaner é baseada no número de acções de
limpeza e de pipetagem efectuadas.

A Adaptador da tubagem B Frasco de cleaner

Figura A-19 Frasco de cleaner

Quando é fornecido, o frasco tem uma tampa branca. Durante a instalação esta é
substituída por uma tampa vermelha com a tubagem ligada (adaptador da tubagem).
O frasco de cleaner é ligado através da tubagem a:
o Unidade da seringa
o Agulha
e Ver Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos na página B-141.
Ver Verificar o estado dos reservatórios externos de fluidos na página B-17.

Roche Diagnostics
A-54 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Frascos de reagentes

O analisador cobas c 111 funciona exclusivamente com frascos de


reagentes equipados com um código de barras bidimensional.
Cada frasco tem uma capacidade de 20 mL de fluido. O volume real
depende do teste.
Coloque os frascos no disco de reagentes conforme as indicações do
software.
Os reagentes são processados em conjuntos de reagentes. O
conjunto consiste em até três reagentes. Deve sempre colocar e
substituir todos os frascos de um conjunto.

Chaminés As chaminés são inserções nos frascos que reduzem a evaporação.


Nos reagentes que são especialmente sensíveis a alterações na
concentração, a Roche recomenda a utilização de chaminés nos
frascos de reagentes. (Ver nas folhas de método dos testes se devem
ser utilizadas chaminés ou não.)
Para reduzir a evaporação, pode utilizar chaminés em todos os
frascos de reagentes.

Resultados incorrectos devido ao declínio da qualidade dos reagentes


Se as definições da aplicação (ver folhas de método) recomendarem a utilização de cha-
ADVERTÊNCIA minés, os intervalos de calibração correspondentes aplicam-se às condições quando tra-
balhar com chaminés.
A Roche aconselha a utilização de chaminés sempre que estas sejam recomendadas no
folheto informativo.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-55
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Tubos
O analisador cobas c 111 pode utilizar tanto tubos primários como secundários
(cups).
Pode utilizar qualquer tipo de tubo primário, desde que as suas dimensões se situem
nos limites prescritos.
o Altura máxima (incluindo tubo secundário): 102 mm
o Altura mínima: 70 mm
o Largura externa máxima: 16,3 mm
o Largura externa mínima: 11,8 mm

Resultados incorrectos devido a fluido insuficiente


Fluido insuficiente pode provocar uma pipetagem inexacta e, consequentemente, resulta-
ADVERTÊNCIA dos incorrectos.
Encha sempre os tubos com fluido suficiente de modo a que reste pelo menos o volume
morto definido quando a pipetagem terminar.
Ver Tubos na página A-56.

Resultados incorrectos devido a uma colocação inadequada do tubo e da cup


A colocação inadequada do tubo e da cup pode provocar uma pipetagem inexacta e, con-
sequentemente, resultados incorrectos.
Certifique-se de que os tubos primários se encontram colocados centralmente e perfeita-
mente na vertical nos suportes da área de amostras e que estão inseridos com firmeza.
Certifique-se de que os tubos secundários se encontram colocados centralmente nos
tubos primários e que repousam totalmente sobre os mesmos.

AVISO Danos na agulha devido à não remoção das tampas dos tubos primários
A agulha não foi concebida para furar as tampas dos tubos. Esta pode ser danificada
quando tenta perfurar as tampas dos tubos.
Remova sempre as tampas dos tubos primários antes de os colocar no analisador.

A seguinte tabela apresenta alguns tubos típicos que se adequam e fornece o volume
morto de cada um deles.

Nome do tubo Volume morto


13 x 75 mm 500 μL
13 x 100 mm 500 μL
16 x 75 mm 700 μL
16 x 100 mm 700 μL
Tabela A-7 Exemplos típicos de tubos adequados

A Roche recomenda apenas a utilização de cups aprovados. A tabela seguinte


apresenta os cups aprovados.

Nome do cup Volume morto Colocação


Cup padrão Hitachi 75 μL para um volume de Directamente na área de
amostra de 2,5 mL amostras
Micro cup Hitachi 50 μL para um volume de Directamente na área de
amostra de 1,5 mL amostras
Tabela A-8 Exemplos típicos de tubos adequados

Roche Diagnostics
A-56 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Nome do cup Volume morto Colocação


Tubo de fundo falso padrão 75 μL para um volume de Directamente na área de
da Roche Diagnostics amostra de 2,5 mL amostras
Cup de amostras Micro 13/16 50 μL para um volume de Em cima dos tubos
da Roche Diagnostics amostra de 1,5 mL. primários.

AVISO
Colocar estes tubos directa-
mente sobre a área de
amostras poderá originar
erros de posicionamento e
de reconhecimento dos
tubos.
Tabela A-8 Exemplos típicos de tubos adequados

Os cups Hitachi padrão e micro cups podem ser colocados sobre os tubos de 16 x
75 mm.
Os cups com um rebordo podem ser colocados directamente na área de amostras,
enquanto os cups sem rebordo devem ser colocados sobre os tubos primários.

Cuvetes
Todas as medições ópticas são efectuadas utilizando os mesmos reservatórios de
plástico transparente, chamados cuvetes. As amostras são automaticamente
pipetadas de um tubo de amostra para as cuvetes no anel de cuvetes.
As cuvetes são descartáveis para eliminar contaminações.

Segmentos de cuvetes
Cada segmento dispõe de 10 cuvetes.

A Manuseamento dos segmentos C Cuvetes


B Segmento de cuvetes com cuvetes
individuais

Figura A-20 Segmento de cuvetes

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-57
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Manusear cuvetes
As cuvetes são fornecidas em caixas contendo conjuntos de cuvetes. Cada conjunto
contém um número de segmentos de cuvetes. Deste modo, as cuvetes pode ser
manuseadas facilmente sem serem tocadas.
A colocação e a remoção de cuvetes são guiadas pelo software do sistema. Quando o
manuseamento se torna necessário, o rotor move os segmentos das cuvetes para a
porta das cuvetes, onde os pode colocar e remover. Deve-se manusear um segmento
de cada vez. Os segmentos de cuvetes são colocados no anel de cuvetes do rotor.
Para evitar erros de regulação de tempo, certifique-se de que todas as posições de
segmento de cuvetes disponíveis estão cheias. Substitua sempre qualquer segmento
de cuvete totalmente usado. Um segmento de cuvete usado parcialmente não tem de
ser substituído.
e Ver Preparar as cuvetes na página B-31.

Resultados incorrectos devido a cuvetes riscadas ou sujas


Os riscos ou as impurezas nas cuvetes distorcem as medições.
ADVERTÊNCIA Não toque nas cuvetes e certifique-se de que não toca noutros itens ao manuseá-las.

A Segure no segmento pela pega. Certifique-se de que não toca nas cuvetes.

Figura A-21 Manusear um segmento de cuvetes

Roche Diagnostics
A-58 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Manuseamento de reagentes
A colocação e a remoção de reagentes são guiadas pelo software do sistema. Quando
o manuseamento se torna necessário, o rotor move os frascos para a porta dos
reagentes, onde os pode colocar e remover. Deve manusear um frasco de reagente de
cada vez. Os frascos de reagentes são colocados no disco de reagentes.
e Ver Preparar os reagentes na página B-24.

Figura A-22 Manusear um frasco de reagente

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-59
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Rotor

O rotor tem as seguintes características:


o Espaço para até 27 frascos de reagentes (no disco de reagentes)
o Espaço para até 60 cuvetes (no anel de cuvetes)
o Um ambiente refrigerado para os reagentes (refrigerador de reagentes)
o Um ambiente com temperatura controlada para amostras (anel de cuvetes)
o Um mecanismo de transporte sincronizado para mover os frascos de reagentes e
as cuvetes para as posições de pipetagem, colocação e medição.

A Disco de reagentes C Anel de cuvetes com temperatura


B Refrigerador dos reagentes controlada (não visível)
D Segmento de cuvetes

Figura A-23 Elementos principais do rotor

Movimento rotativo Os frascos e as cuvetes estão posicionados de um modo que se possam mover para as
várias posições mediante um movimento rotativo. Existem posições para a colocação
e a remoção (portas de reagentes e de cuvetes), pipetagem e medição.

A A

A Posições de pipetagem B Porta de reagentes

Figura A-24 Porta de reagentes no disco de reagentes

Roche Diagnostics
A-60 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Disco de reagentes

O disco de reagentes comporta até 27 frascos de reagentes. Este está concebido para
ser manuseado como uma unidade, incluindo os frascos. Quando não está a ser
utilizado no analisador, o disco de reagentes é colocado num recipiente e armazenado
num local refrigerado.

Figura A-25 Disco de reagentes

AVISO Danos no disco de reagentes


O disco de reagentes foi concebido para manusear os reagentes enquanto está colocado
no analisador. A tampa está equipada com um mecanismo de fecho.
Remova e coloque sempre os reagentes enquanto o disco de reagentes se encontra no
analisador e utilizando os procedimentos suportados pelo software.

e Ver Preparar o disco de reagentes na página B-23.

ID do disco de reagentes Pode utilizar até oito discos de reagentes diferentes no analisador cobas c 111. Cada
disco de reagentes está equipado com separadores numerados. Para a identificação
automática do disco pelo analisador, um destes separadores é removido, e apenas um.
O número deste separador removido é a ID do disco. Quando rotular o disco,
certifique-se de que o número no rótulo corresponde ao do separador removido.

A
A

B
C

A IDs do disco de reagentes. Existem oito IDs C Separadores de identificação


possíveis. D O separador foi removido para o reconheci-
B Rótulo do disco. O número deve correspon- mento automático do disco
der à ID do disco de reagentes.

Figura A-26 ID do disco de reagentes

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-61
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Recipiente do disco de reagentes

Para o armazenamento fora do analisador, o disco de reagentes é colocado num


recipiente. Isto reduz a evaporação dos reagentes e previne a sua contaminação.

Refrigerador dos reagentes

O refrigerador dos reagentes comporta o disco de reagentes com os respectivos


frascos de reagentes. A temperatura no refrigerador é mantida no intervalo de 6 a 10
°C.

A Refrigerador dos reagentes

Figura A-27 Refrigerador dos reagentes

e Ver acção de manutenção Limpar o disco de reagentes e a área de amostras na página C-14.

Roche Diagnostics
A-62 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Anel de cuvetes

O anel de cuvetes suporta até 6 segmentos de cuvetes, contendo cada um 10 cuvetes.

B
A Anel de cuvetes B Segmento de cuvetes

Figura A-28 Anel de cuvetes

As cuvetes cabem ordenadamente no anel de cuvetes, sem tocarem nas paredes ao


serem movidas ao longo do anel.
e Ver Preparar os reagentes na página B-24.
Ver acção de manutenção Limpar o disco de reagentes e a área de amostras na página C-14.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-63
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Scanner de códigos de barras

Um scanner de códigos de barras de mão é utilizado para efectuar a leitura dos


rótulos com códigos de barras.

Perda da visão
A luz intensa dos LEDs pode danificar gravemente os olhos. Não olhe fixamente para os
ADVERTÊNCIA LEDs.
O equipamento de leitura que utiliza a tecnologia de LED encontra-se abrangida pela
norma internacional EN/IEC 60825-1 relativa a segurança de produtos LED de Classe 1.

A B

A Scanner de códigos de barras B Conector do scanner no analisador

Figura A-29 Scanner de códigos de barras de mão

Ligar à porta COM inferior do scanner


Ligue sempre o scanner de códigos de barras ao conector mais em baixo dos dois conec-
tores de série de comunicação (B).

e Para informação sobre como utilizar o scanner de códigos de barras, ver Utilizar o leitor de
códigos de barras na página B-98.

Os seguintes frascos são sempre fornecidos com códigos de barras:


o Frascos de reagentes
o Frascos de diluente
o Reagentes auxiliares (diluentes, cleaner, etc.)
Pode-se utilizar os tubos de amostra com ou sem os rótulos de códigos de barras.

Códigos de barras dos frascos de Nos frascos de reagentes são utilizados códigos de barras com o formato PDF417.
reagentes
O código de barras contém a seguinte informação:
o ID da peça
o Número do lote
o Data de validade
o Volume do reagente
o Número de série do frasco
o Dados do teste

Roche Diagnostics
A-64 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Código de barras das amostras Os seguintes tipos de códigos de barras são suportados na identificação dos tubos de
amostra:
o Codabar
o Codabar 2 de 7
o Código 3 de 9
o Código 128
o EAN
o Intercalado 2 de 5
o UPC (A, E)

O código de barras de uma amostra deve incluir o checksum no final.

Impressora

O analisador cobas c 111 possui uma impressora térmica integrada com um rolo de
papel de 112 mm. A impressora é utilizada, por exemplo, para imprimir listas de
colocações, instruções de acções de manutenção e informação sobre o estado de
vários itens, tais como os testes colocados.

A
B

A Botão de desbloqueio do painel C Painel da impressora


B Ranhura do papel

Figura A-30 Impressora

Armazenamento de impressões
As impressões em papel térmico vão desaparecendo com o passar do tempo. Para um
armazenamento de longo prazo, guarde apenas cópias das impressões.

e Ver acção de manutenção Reabastecer papel de impressora na página B-136.


Ver Para retirar o papel encravado na página D-48.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-65
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Fotómetro de absorvância

O analisador principal do cobas c 111 utiliza como método de medição a fotometria


de absorvância.

Fotómetro de absorvância

A Unidade do fotómetro

Figura A-31 Unidade do fotómetro

As medições são feitas sem retirar a cuvete do rotor.

Lâmpada de halogéneo A lâmpada de halogéneo está montada num suporte para uma fácil substituição. O
sistema informa-o quando for necessário substituir a lâmpada.
e Ver acção de manutenção Substituir lâmpada do fotómetro na página C-22.

Comprimentos de onda para o Para cada cuvete, o fotómetro de absorvância mede a intensidade da luz em 12
fotómetro de absorvância comprimentos de onda diferentes:

340 nm 449 nm 520 nm 629 nm


378 nm 480 nm 552 nm 652 nm
409 nm 512 nm 583 nm 659 nm

Princípios de medição e Ver Princípios de funcionamento na página A-19.

Roche Diagnostics
A-66 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Visão geral do hardware

Conectores

E
A F

G
H

I J K

A Fonte de alimentação G Conectores para manutenção (Não remover


B Conectores de dados e de comunicações o cabo.)
C Conectores de fluidos H Conector USB 2 (para resolução de proble-
D Porta USB frontal (não representada) mas)
E Conector da interface do host I Conector de água
F Conector para scanner de código de barras J Conector de cleaner
K Conector de esgoto

Figura A-32 Conectores

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-67
3 Hardware cobas c 111
Visão geral do hardware

Fusíveis

Choque eléctrico derivado de equipamento electrónico


Não tente trabalhar num compartimento electrónico. A instalação, a assistência e a repa-
ADVERTÊNCIA ração devem ser apenas efectuadas por pessoal autorizado e qualificado.

Os fusíveis de alimentação eléctrica estão situados na parte posterior do analisador,


por cima do conector do cabo de alimentação; os fusíveis internos encontram-se no
lado direito do analisador, por cima do painel de conectores.

A Cabo de alimentação com fusível T6.3 A H B Fusíveis de baixa tensão (T3.15 A)


250 V F1: Sistema de aquecimento
F2: Motores
F3: Conjunto de refrigeração
F4: Unidade do fotómetro e LEDs

Figura A-33 Fusíveis

e Ver Para substituir os fusíveis de rede na página D-49.


Ver Para substituir um fusível de baixa tensão na página D-51.

Roche Diagnostics
A-68 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 3 Hardware
Especificações técnicas

Especificações técnicas

AVISO Foram feitos todos os esforços para assegurar que toda a informação contida nestas espe-
cificações esteja correcta no momento da impressão. Contudo, a Roche Diagnostics
reserva-se o direito de efectuar todas as alterações necessárias sem aviso prévio, no
âmbito do desenvolvimento contínuo do produto.

Dimensões físicas Largura (com unidade ISE) 590 mm (720 mm)


Profundidade (com unidade ISE) 550 mm (550 mm)
Altura (com unidade ISE) 480 mm (480 mm)
Peso (com unidade ISE) Aproximadamente 32 kg (35 kg)

Requisitos da alimentação Tensão da linha 100-125 V e 200-240 V (-15%, +10%)


eléctrica
Frequência de alimentação 50 Hz (± 5%) e 60 Hz (± 5%)
Consumo de energia 250 VA
Coordenação de isolamento Categoria de instalação II (IEC 61010-1)
Fusíveis da alimentação eléctrica T6. 3 A H 250 V
Fusíveis de baixa tensão T3. 15 A L 250 V
Bateria Lítio 3,6 V

Requisitos da alimentação Tensão da linha 100-240 V (± 10%)


eléctrica da unidade ISE
Frequência de alimentação 50 Hz (± 5%) e 60 Hz (± 5%)
(unidade opcional)
Tensão de alimentação 19-24 V DC, mín. 2A
Consumo de energia 70 VA
Coordenação de isolamento Categoria de instalação II (IEC 61010-1)

Princípios de medição Fotometria de absorvância (enzimas, substratos, drogas de abuso)


Potenciometria ISE (eléctrodos de iões selectivos) Na+, K+, Cl-

Condições ambientais Temperatura Condições da execução: 15-32°C


Transporte e armazenamento: -25 a +60°C
Humidade Condições da execução: 30-80% a 15-32°C, sem
condensação.
Transporte e armazenamento: 10-95%, sem condensação
Poluição Grau 2 (IEC 61010-1)
Altitude Máx. 2000 m acima do nível do mar

Produtividade de testes Fotometria 85 testes/h máx.; 60 testes/h consolidados (com painel de


testes típico)
ISE 180 testes/h máx.; 60-100 testes/h consolidados
(fotométricos e ISE misturados)

Amostras Manuseamento de amostras Manual pelo operador


Tempo até ao primeiro resultado 5 -10 min (medições fotométricas)
2 min (medições do ISE)

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-69
3 Hardware cobas c 111
Especificações técnicas

Pureza da água Requisitos mínimos Resistividade eléctrica [M*cm @ 25°C] >1


Condutividade eléctrica [μS/cm @ 25°C] <1
Silicato (SiO2) [mg/L] < 0,1
Tamanho das partículas [μm] n/a
Bactérias [CFU/mL] < 1000
Sempre que o termo "água purificada" é utilizado neste documento, deve ser utilizada água
com pelo menos a qualidade especificada anteriormente.
A Roche recomenda a utilização de água com grau reagente.

Calibradores Calibradores Roche Consulte as folhas de método dos reagentes.

Frascos de reagentes Frascos de reagentes 20 mL máximo


Identificação Código de barras
Código de barras 2-D, formato PDF417
Número de testes 50-200 testes, dependendo do parâmetro

Cuvetes Segmentos de 10 cuvetes Introdução e remoção manual dos segmentos


Utilização única As cuvetes destinam-se apenas a utilização única.
Temperatura de incubação 37°C ± 0,5°C.
estática na cuvete

Fotómetro Fotómetro de absorvância Lâmpada de halogéneo, 20 W


12 comprimentos de onda 340-659 nm
Sensores Sistema de díodos fotossensíveis

Unidade ISE Eléctrodo selectivo de iões Medição indirecta


Volume das amostras 15 μL; diluição 1:6 (1 parte da amostra, 5 partes de água)
3 eléctrodos Na, K, Cl
1 eléctrodo de referência do ISE

Processamento de dados do Sistema operativo o LINUX


software o VX Works
CPUs Intel XScale
Sistema de memória o Flash ROM
o DRAM
o SRAM

Memória de massa Externo USB memory stick


Interno Flash ROM

Interfaces USB1.1/2.0 Para fazer cópias de segurança ou carregar dados no


sistema (USB memory stick)
2 x RS232 Host, leitor de códigos de barras

Ecrã Ecrã táctil a cores Matriz activa de 8,4 polegadas (SVGA, 600 x 800 píxeis)

Impressora Impressora térmica interna Largura do papel 112 mm

Roche Diagnostics
A-70 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Índice

Software
Tirar o máximo partido do analisador

Este capítulo apresenta informações sobre o como operar o analisador utilizando o


ecrã táctil. Pode-se descobrir o conceito dos assistentes e serão apresentados os ecrãs
principais.

Neste capítulo Capítulo 4


Introdução ...................................................................................................................... A–73
Composição do ecrã ...................................................................................................... A–74
Itens de visualização ...................................................................................................... A–76
Conceito da cor ....................................................................................................... A–77
Fluxos de trabalho e assistentes ................................................................................... A–77
Navegação ................................................................................................................ A–77
Trabalhar com a interface do operador ...................................................................... A–78
Ajustar o ecrã táctil ................................................................................................. A–78
Deslocar .................................................................................................................... A–78
Expandir e colapsar listas ....................................................................................... A–79
Escrever texto ........................................................................................................... A–80
Utilizar a função de filtro ....................................................................................... A–83
Imprimir informação .............................................................................................. A–85
Utilizar a Ajuda online ........................................................................................... A–86
Mensagens ................................................................................................................ A–88
Ecrã de mensagens ............................................................................................ A–88
Monitor de alarme ............................................................................................ A–88
Ecrã do teclado .............................................................................................................. A–91
Separador de Visão geral ........................................................................................ A–91
Visão geral das amostras .................................................................................. A–93
Pedidos ............................................................................................................... A–94
URGENTE ......................................................................................................... A–97
Testes ................................................................................................................... A–97
Terminar sessão ............................................................................................... A–100
Preparar ............................................................................................................ A–100
Final do turno .................................................................................................. A–100
Estado das cuvetes .......................................................................................... A–100

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-71
4 Software cobas c 111
Índice

Estado do disco e dos reagentes .................................................................... A–101


Estado do ISE ................................................................................................... A–102
Estado do sistema ............................................................................................ A–103
Separador A. de trabalho ..................................................................................... A–105
Pedidos ............................................................................................................. A–106
Lista de resultados ........................................................................................... A–107
Lista do estado de CQ .................................................................................... A–109
Histórico CQ ................................................................................................... A–110
Lista de calibrações ......................................................................................... A–112
Dados do lote ................................................................................................... A–113
Lista de lotes .................................................................................................... A–114
Lista de carregamento .................................................................................... A–115
Lista de trabalho .............................................................................................. A–116
Separador Utilitários ............................................................................................. A–117
Configuração ................................................................................................... A–118
Manutenção ..................................................................................................... A–119
Funções relacionadas com as aplicações ...................................................... A–120
Aplicações ........................................................................................................ A–121
Ciclos de lavagem extra .................................................................................. A–122
Códigos do host .............................................................................................. A–123
Agitação de reagentes ..................................................................................... A–123
Sequência do processamento ......................................................................... A–124
Diagnósticos .................................................................................................... A–125
Inventário ......................................................................................................... A–126
Importar ........................................................................................................... A–127
Operadores ...................................................................................................... A–128
Exportar ........................................................................................................... A–129
Parar uma execução .............................................................................................. A–130
Interpretação da cor dos LEDs e botões de acção global ....................................... A–131
Botões ............................................................................................................................ A–133

Roche Diagnostics
A-72 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Introdução

Introdução

Para operar o analisador cobas c 111 é utilizado o ecrã táctil. A concepção e o conceito
funcional do ecrã táctil dão-lhe apoio no seu modo de trabalho.
A tabela a seguir apresenta os principais componentes e características de um ecrã do
cobas c 111 e descreve o respectivo impacto na operação do analisador.

Item do ecrã Impacto no funcionamento


Tipos de ecrãs Os tipos de ecrãs distintos facilitam a sua orientação na inter-
face do operador. Por exemplo, sabe-se de imediato se está
num ecrã principal ou se está a ler uma mensagem.
Composição do ecrã A composição consistente permite-lhe encontrar rapida-
mente a informação necessária e localizar os vários itens do
monitor.
Botões Prima um botão para abrir e fechar um ecrã ou para iniciar
uma função.
Cores A cor de um item no ecrã aponta para o seu estado ou para o
estado do item que representa.
É utilizado o esquema cromático de "luzes de trânsito":
o Verde: Está tudo OK.
o Amarelo: O sistema está a funcionar mas tem de intervir
para que assim continue.
o Vermelho: Este item não funciona, deve-se intervir.
Os itens da interface (por ex. os botões) indicam uma cor
através de uma tira na parte superior do item.
Para ajudar os operadores daltónicos, os itens da interface do
utilizador que indicam vermelho, têm uma tira vermelha na
parte superior do item e outra na parte inferior do item.
Assistentes Um assistente mostra uma sequência predefinida de ecrãs
(passos) que representam uma determinada tarefa, por exem-
plo, definir um pedido.
Ao seguir a sequência de passos sugerida assegura a execução
adequada das tarefas e funções.
No caso de algumas tarefas críticas, é necessário seguir o
assistente exactamente, até ao final. Noutros casos, pode-se
saltar um passo e executá-lo mais tarde.
Tabela A-9 Os itens e as características mais importantes do ecrã táctil

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-73
4 Software cobas c 111
Composição do ecrã

Composição do ecrã

Todos os ecrãs são baseados na seguinte composição:

A
B
C

A Área do estado D Área de acção global


B Separadores E A. de trabalho
C Cabeçalho F Área de botões

Figura A-34 Composição do ecrã básico

Dependendo da função de um ecrã, alguns itens da composição podem não ser


apresentados. A imagem do ecrã ilustrado a seguir contém uma gama completa de
itens de visualização.

Roche Diagnostics
A-74 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Composição do ecrã

A F

B
C

G
D

A A linha de estado apresenta o estado do sis- E Os botões variam dependendo do conteúdo


tema. da área de trabalho e da posição do ecrã
B Os separadores representam as áreas de tra- dentro de uma série de passos (assistente).
balho principais. Pode-se mudar para qual- F O botão de Ajuda fornece informação con-
quer uma delas em qualquer altura. cisa e relevante sobre o ecrã e a situação
C O cabeçalho caracteriza o conteúdo ou a actual.
função do ecrã. Se o ecrã fizer parte de uma G Os botões de acção global representam as
sequência de ecrãs (assistente), o cabeçalho funções que se encontram permanente-
informa-o sobre onde está situado dentro mente disponíveis: Iniciar, Parar, Alarme, Ali-
desta sequência. mentação da Linha. Os indicadores de cor
D A área de trabalho apresenta o conteúdo indicam os respectivos estados.
principal do ecrã.

Figura A-35 Exemplo de um ecrã

As representações do ecrã, apresentadas neste capítulo e ao longo deste manual, desti-


nam-se apenas a fins ilustrativos. Os ecrãs não apresentam necessariamente dados váli-
dos.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-75
4 Software cobas c 111
Itens de visualização

Itens de visualização

Os ecrãs do cobas c 111 são compostos por áreas de texto e vários tipos de itens de
visualização tais como separadores e botões.
A tabela seguinte apresenta os itens de visualização principais e descreve a sua
utilização.

Item de visualização Utilizar


Botão Prima um botão para iniciar a função. Para além
disso, muitos botões também abrem um novo ecrã
ou fecham o ecrã actual.
Botão de Os botões de acção global encontram-se no lado
acção global direito do ecrã. Os indicadores de cor indicam os
respectivos estados.
Lista Prima um item da lista para o seleccionar. (A sua cor
fica azul.)
Utilize os botões de deslocamento para exibir os
itens que não estão visíveis.

Texto O texto fornece habitualmente informação ou ins-


truções. Pode estar codificado por cores para indicar
o seu nível de importância.

Separador Os separadores são utilizados para agruparem a


informação em unidades que possam ser exibidas
num ecrã.

Tabela A-10 Itens de visualização principais

Roche Diagnostics
A-76 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Fluxos de trabalho e assistentes

Conceito da cor

A cor dos botões e de outros itens de visualização informa sobre o estado do item de
visualização ou do item que representa.
O analisador cobas c 111 utiliza o conhecido esquema cromático do "semáforo".

Cor Significado dos botões

Verde O elemento está OK.

Amarelo A sua intervenção é necessária para assegurar o funcionamento contínuo.

Vermelho É necessária a sua intervenção imediata. O funcionamento parou.

Azul O azul é utilizado nos seguintes contextos:


o Um item está seleccionado numa lista.
o Um botão está escolhido.
o Um teste que não está definido ou não está a bordo do equipamento.

Tabela A-11 Conceito da cor

e Para informação sobre o significado das cores dos LEDs, ver Interpretação da cor dos LEDs
e botões de acção global na página A-131.
e Para informação sobre o significado das cores dos botões, consulte as explicações nas
instruções de funcionamento relevantes.

Fluxos de trabalho e assistentes

Os ecrãs e as sequências de ecrãs ajudam a executar as suas tarefas. Se não for possível
executar todos os passos de uma tarefa num ecrã, o fluxo de trabalho concretiza-se
numa sequência de ecrãs, o chamado assistente. Os assistentes cobas c 111
normalmente não o obrigam a desempenhar uma tarefa numa dada etapa, apenas
facilitam os seu trabalho.

Navegação

Movimentar-se de ecrã em ecrã Pode-se movimentar de ecrã em ecrã com a ajuda dos botões.

Saber onde se situa Os ecrãs em que pode executar tarefas fornecem um cabeçalho que exibe o caminho
da navegação do ecrã actual.

A B

A Botão onde começou C Cabeçalho


B Posição actual no fluxo de trabalho

Figura A-36 Cabeçalho com caminho de navegação

e Para uma visão geral dos botões de navegação, ver Botões na página A-133.
Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-77
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

Trabalhar com a interface do operador

Ajustar o ecrã táctil

Com um ecrã táctil é importante que o ponto em que pressiona o ecrã corresponda
exactamente ao seu equivalente de hardware. Se não for o caso, pressionar um item
no ecrã tal como um botão pode não levar ao resultado esperado.
e Ver Ajustar o ecrã táctil na página B-145.

Deslocar

Se nem todo o texto nem todos os elementos da lista couberem num ecrã ou numa
área de visualização, utilize a função de deslocamento para exibir o conteúdo
escondido.

Figura A-37 Barra de deslocamento

Deslocar para a página anterior.

Seleccione a linha anterior e desloque, caso seja necessário.

Arraste para percorrer as páginas continuamente.

Seleccione a próxima linha e desloque, caso seja necessário.

Desloque para a página seguinte.

Roche Diagnostics
A-78 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Trabalhar com a interface do operador

Expandir e colapsar listas

Em listas hierarquicamente estruturadas pode-se visualizar inicialmente apenas as


entradas do nível superior. Os itens da lista que contenham (mas ocultem) níveis de
entradas inferiores estão marcados com . Os itens da lista que exibem níveis de
entradas inferiores estão marcados com .

Figura A-38 Lista hierarquicamente estruturada

a Para expandir a lista


1 Seleccione o item da lista assinalado com .
2 Prima novamente ou prima .
3 Utilize a barra de deslocamento, caso seja necessário, para exibir os itens que lhe
interessam.

a Para colapsar a lista


1 Seleccione o item da lista assinalado com .
2 Prima novamente ou prima .

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-79
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

Escrever texto

Existem ecrãs específicos para a escrita de caracteres alfanuméricos e numéricos.


Pode-se seleccionar a partir dos seguintes ecrãs:
o Alfanumérico de maiúsculas
o Alfanumérico de minúsculas
o Caracteres especiais
o Caracteres numéricos

Teclado numérico

A Texto digitado

Figura A-39 Ecrã do teclado numérico

Eliminar o último carácter apresentado na linha de texto.

Mudar para o teclado alfanumérico de maiúsculas.

Roche Diagnostics
A-80 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Trabalhar com a interface do operador

Teclados alfanuméricos

A Texto digitado

Figura A-40 Ecrãs de teclados alfanuméricos de maiúsculas e minúsculas

Mudar para o teclado de minúsculas.

Mudar para o teclado de maiúsculas.

Eliminar o último carácter apresentado na linha de texto.

Mudar para o teclado de caracteres especiais.

Pressionar para inserir um espaço.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-81
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

A Texto digitado

Figura A-41 Ecrã do teclado de caracteres especiais

Mudar para o teclado alfanumérico.

Eliminar o último carácter apresentado na linha de texto.

Pressionar para inserir um espaço.

Mudar para o teclado apenas numérico.

Roche Diagnostics
A-82 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Trabalhar com a interface do operador

Utilizar a função de filtro

Em muitas listas pode-se aplicar um filtro, isto é, pode-se seleccionar critérios pré-
definidos para criar uma selecção de entradas.
O modo de aplicar um filtro é o mesmo em todos os ecrãs em que o filtro esteja
disponível. Eis um exemplo:

a Para aplicar um filtro a uma lista


1 Apresente a lista.

2 Prima .
É apresentado um ecrã para a selecção dos critérios do filtro.

A A linha de estado do ecrã indica onde pressionou .

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-83
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

3 Seleccione uma das opções de filtro.


4 Prima .
A lista é novamente exibida. Esta contém apenas as entradas que cumprem os
critérios que acabou de aplicar pressionando o respectivo botão.

Depois de ter aplicado o filtro, o nome do critério surgirá como parte do botão da Lista,
por exemplo em ecrãs para eliminar dados. Se utilizar o critério de filtro Não aceite, o
botão Lista será denominado Lista [Não aceite].

Figura A-42 Nomes dos botões Lista

Roche Diagnostics
A-84 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Trabalhar com a interface do operador

Imprimir informação

Em muitos ecrãs pode-se imprimir os conteúdos da área de trabalho na impressora


integrada. Em muitos casos é primeiro apresentada um ecrã para seleccionar o tipo
de dados que deseja imprimir.
A

a Para imprimir informação


1 Prima .
Se estiverem disponíveis critérios de filtro é apresentado um ecrã para a selecção
dos dados que deseja imprimir. Por exemplo:

A A linha de estado do ecrã indica onde pressionou .

2 Seleccione uma das opções de impressão.


Os dados adequados são automaticamente seleccionados e impressos.

Seleccione > para interromper a tarefa de impressão, caso seja necessário.

Armazenamento de impressões
As impressões em papel térmico vão desaparecendo com o passar do tempo. Para um
armazenamento de longo prazo, guarde apenas cópias das impressões.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-85
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

Utilizar a Ajuda online

O botão de Ajuda é uma característica permanente de todos os ecrãs.

A O botão Ajuda situa-se sempre no canto superior direito do ecrã.

Figura A-43 Botão permanente da Ajuda

Roche Diagnostics
A-86 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Trabalhar com a interface do operador

a Para exibir a Ajuda online


1 Prima .

A O separador Legenda descreve os botões B O separador Fluxo de trabalho fornece


e as suas cores. informação adicional sobre itens do ecrã
ou sobre acções que pode executar.

Figura A-44

2 Utilize a barra de deslocamento para exibir a informação ocultada.


e Para obter informação sobre o deslocamento, ver Deslocar na página A-78.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-87
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

Mensagens

As mensagens são apresentadas de duas maneiras:


o O feedback imediato em resposta às acções do operador é apresentado num ecrã
de mensagem emergente.
o A informação relacionada com um problema que tenha ocorrido durante o
funcionamento é descrita no monitor de alarme.

Ecrã de mensagens
Os ecrãs de mensagens são exibidos automaticamente logo que tenha sido criada uma
mensagem.

Figura A-45 Ecrã de mensagens

Leia a mensagem e prima para fechar o ecrã.

Monitor de alarme
As mensagens relacionadas com uma irregularidade que tenha ocorrido durante o
funcionamento podem ser visualizadas no monitor de alarme. O botão de alarme
avisa quando é gerada uma destas mensagens. A indicação de estado do botão de
alarme é desactivada quando todas as mensagens de alarme tiverem sido
confirmadas.
O botão de alarme está sempre activo, mesmo que ninguém tenha iniciado sessão
no sistema.

Roche Diagnostics
A-88 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Trabalhar com a interface do operador

Botão de alarme

A Botão de alarme

Figura A-46 Botão de alarme

Interpretar o botão de alarme

Sem cor, desligado Não existem mensagens de alarme não confirmadas.

Laranja Existe pelo menos uma mensagem de alarme não confirmada. Deve tratar desta o
mais depressa possível.

Vermelho Existe pelo menos uma mensagem de alarme não confirmada. Deve tratar desta
imediatamente, de outro modo o processamento pode não continuar.
Nota: Quando a mensagem de alarme resulta de um erro de regulação de tempo,
todas as execuções de testes ou resultados obtidos após a hora do erro devem ser tes-
tados novamente.

Sinal acústico Quando um alarme é criado soa um sinal acústico. Pode ajustar o volume (Utilitários
> Configuração > Sistema > Volume).

a Para apresentar mensagens de alarme


1 Prima .
2 Utilize para visualizar alarmes já confirmados da lista de alarmes de hoje
ou da lista de alarmes completa.
3 Seleccione a mensagem em que está interessado.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-89
4 Software cobas c 111
Trabalhar com a interface do operador

Mensagem de alarme
A B

A ID do alarme (mensagem de erro) com D Descrição de problemas e breve sugestão


data e hora. da solução.
B Número total de mensagens na lista. E Apresentar a próxima mensagem de
C Apresentar a mensagem de alarme alarme.
anterior.

Figura A-47

4 Prima para apresentar a mensagem detalhada.

Mensagem de alarme detalhada

e Para informações sobre como lidar com as mensagens de alarme, ver Reagir a mensagens
de alarme na página D-7.

Roche Diagnostics
A-90 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Ecrã do teclado

As representações do ecrã, apresentadas neste capítulo e ao longo deste manual, desti-


nam-se apenas a fins ilustrativos. Os ecrãs não apresentam necessariamente dados váli-
dos.

O ecrã principal encontra-se dividido em separadores. Estes separadores representam


áreas de trabalho distintas.
f O separador Visão geral é a sua área de trabalho principal ao executar as tarefas de
rotina diárias.
o Utilize o A. de trabalho para obter informação sobre os pedidos e os resultados
correspondentes. Também pode iniciar as funções de processamento dos lotes a
partir deste separador.
o Utilize o separador Utilitários para executar tarefas que normalmente não fazem
parte do fluxo de trabalho de análise de rotina. Tipicamente, estas serão tarefas de
administração e de manutenção.
As secções seguintes descrevem os ecrãs do teclado destes separadores e apontam as
tarefas principais que com eles pode executar.

Separador de Visão geral

O separador Visão geral é a sua área de trabalho principal ao executar as tarefas de


rotina diárias.

A Ícones de tubos C Botões


B Estado do processamento do pedido actual D Botão de estado do sistema

Figura A-48 Separador de Visão geral

Apresentar detalhes sobre o pedido desta amostra.

URGENTE Definir pedidos URGENTES.

Pedido Definir pedidos de rotina.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-91
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Testes Verificar o estado dos testes actualmente instalados.

Iniciar sessão, (Terminar Iniciar sessão e terminar sessão no sistema.


sessão)
Se alguém tiver a sessão iniciada é apresentado o seu nome de operador, por exemplo
admin; se ninguém tiver sessão iniciada, Iniciar sessão.

Preparar Executar as tarefas preliminares no início de um turno.

Final do turno Executar as tarefas necessárias no final do turno.

Verificar o estado do disco de reagentes.

Os reagentes estão OK.

Sobram menos de 10% dos testes no conjunto de reagentes ou o seu prazo de validade
expirou.

Sem disco ou com disco não identificado no equipamento.


O conjunto de reagentes não está completo ou um dos reagentes está vazio.

Verificar o estado dos segmentos das cuvetes actualmente colocadas no rotor.

Está disponível mais de um segmento.

O último segmento de cuvetes disponível encontra-se em utilização.

Não estão disponíveis cuvetes.

Estado do sistema O botão de Estado do sistema apresenta o ícone e a cor de um dos botões do ecrã de
estado do sistema subjacente (ver Estado do sistema na página A-103).
Aos ícones é dada prioridade de acordo com a cor, sendo a primeira prioridade o
vermelho, em seguida o amarelo e o verde, e depois de acordo com a sequência na
qual se encontram listados em baixo.
Este botão pode apresentar os seguintes ícones.
Analisador (tampa principal)
Refrigerador de reagentes e temperatura do anel de cuvetes
Ventoinha do módulo do visor
Reservatórios externos de fluidos
Manutenção
Impressora

Roche Diagnostics
A-92 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Visão geral das amostras

B
C

A Botões dos tubos de amostra C Resultados


B Abrir pedidos

Figura A-49 Estado do tubo de amostra no separador Visão geral

1 O número no botão indica a posição na área de amostras.

Um botão de tubo de amostra com uma borda larga simboliza um pedido


URGENTE.

Todos os testes estão concluídos e os respectivos resultados são apresentados.

Todos os testes foram pipetados.


10 O número abaixo do botão do tubo da amostra indica o tempo calculado até à
conclusão. Pode-se remover o tubo de amostra, o tempo até à conclusão desaparece
quando o fizer.

Todos os testes estão concluídos mas ainda não aceites.

Todos os testes restantes estão bloqueados por um dos seguintes motivos:


o Não existe fluido suficiente de amostra.
o A amostra não está identificada.

Não se encontra uma amostra nesta posição.

Os testes foram pedidos. O processamento ainda não iniciou.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-93
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Os testes foram pedidos, o processamento iniciou.

11 O número abaixo do botão do tubo da amostra indica o tempo calculado até à


conclusão.

A amostra foi identificada, mas não ainda não foram pedidos testes.
Se estiver a trabalhar no Modo de consulta do pedido: Não foi possível obter o
pedido do host.

Pedidos
f Visão geral > Pedido
Prima Pedido para definir pedidos de rotina.
O processo de definir um pedido e, consequentemente, os ecrãs que são
apresentados, dependem da forma como o analisador cobas c 111 está integrado na
infra-estrutura do laboratório (códigos de barras, ligação ao host).

Identificar amostras

f Visão geral > Pedido

Figura A-50

Pedir CQ de intervalo.

Pedir CQ predefinido.

Roche Diagnostics
A-94 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Digitar a ID da amostra

f Visão geral > Pedido


(Se não trabalhar com códigos de barras, prima também .)

Figura A-51

e Para informação sobre como utilizar os ecrãs do teclado, ver Escrever texto na
página A-80.

Pedir CQ de intervalo.

Pedir CQ predefinido.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-95
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Seleccionar testes, perfis e


resultados calculados,

f Visão geral > Pedido > Identificar amostra

A Quadro de testes do modo fácil, todos os C Quadro de testes do modo completo. Os


testes cabem num ecrã. testes estão agrupados em separadores.
B Os separadores assinalados com um
asterisco contêm testes seleccionados.

Figura A-52 Ecrãs de selecção de testes

Os separadores são utilizados para agruparem a informação em unidades que possam


ser exibidas num ecrã. O administrador do sistema pode definir até seis separadores
de testes, dar-lhes nomes e atribuir-lhes testes, perfis e resultados calculados.
Os testes, perfis e resultados calculados são ordenados alfabeticamente. Os perfis e os
resultados calculados precedem os testes e adoptam a cor dos respectivos testes.
Um item é seleccionado seleccionando a respectiva caixa de verificação. Um item é
desseleccionado desseleccionando a respectiva caixa de verificação.

Roche Diagnostics
A-96 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

O teste encontra-se no equipamento e pronto a utilizar.


O teste já foi pipetado.
O teste está bloqueado.
O prazo de validade do teste expirou.
Sobram apenas alguns testes.
Um CQ está pendente ou o seu resultado ainda não foi aceite.
Foi importada uma versão mais recente da aplicação.
Para um development channel: Um ciclo de lavagem extra está em falta.
O teste está definido mas não está no equipamento.
Não está instalado um diluente ou cleaner necessário.
Apresenta um ecrã que contém informação sobre o estado de cada teste.

URGENTE
f Visão geral > URGENTE
Prima URGENTE para definir pedidos urgentes (pouco tempo para efectuar).
O processo de definir um pedido URGENTE (tempo de retorno curto) é idêntico ao
de definir um pedido de rotina. A diferença reside na programação das tarefas. Ao
definir um pedido URGENTE, este será o próximo pedido a ser processado,
independentemente dos pedidos de rotina que já existam. Os pedidos URGENTES
existentes são processados em primeiro lugar.

Testes

Exibir a visão geral dos testes

f Visão geral > Testes

Separadores Os separadores são apresentados se o operador trabalhar com o tipo de pedido


Completo. Estes representam painéis de testes definidos pelo operador. Se o
operador trabalhar com o tipo de pedido Fácil, todos os testes ficarão num único
painel e não haverá separadores.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-97
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

A Ecrã de selecção de testes em tipo de B Ecrã de selecção de testes em tipo de


pedido Fácil. pedido Completo.

Figura A-53 Ecrã de selecção de testes

A cor de um botão de teste representa o seu estado:

O teste encontra-se no equipamento e pronto a utilizar.

O teste está bloqueado por um dos seguintes motivos:


o A calibração está pendente ou falhou.
o Para o conjunto de reagentes, o número de testes disponíveis é 0 ou falta um
frasco de reagente (conjunto de reagentes incompleto).
o É necessário efectuar a calibração inicial.

O prazo de validade do teste expirou.


Sobram apenas alguns testes.
Um CQ está pendente ou o seu resultado ainda não foi aceite.
Foi importada uma versão mais recente da aplicação.
Para um development channel: Um ciclo de lavagem extra está em falta.
Roche Diagnostics
A-98 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

O teste não está no equipamento.


Não está instalado um diluente ou cleaner necessário.

Apresentar informação detalhada sobre o estado deste teste.

Apresentar uma lista de todos os testes definidos, juntamente com informação sobre
o seu estado.

Substituir o disco de reagentes que se encontra no equipamento.

Apresentar os detalhes do teste

f Visão geral > Testes > botão de teste

A Descrição do estado de um teste

Figura A-54 Detalhes sobre um teste

A cor do texto indica se existe a necessidade de reagir à informação e, nesse caso, com
que urgência é necessário tratar do assunto.

Calibração Informação sobre o estado da calibração.

Controlo de qualidade Informação sobre o estado de CQ.

Testes no disco Número total de testes que estão actualmente disponíveis. (Pode haver mais de um
conjunto de reagentes para este teste no equipamento.)

Testes prontos a serem Número de testes que podem ser executados, tendo em conta todos os discos
executados reconhecidos pelo sistema. (Os conjuntos de reagentes foram calibrados e estão
prontos a serem utilizados.)

Imprimir a informação sobre o estado do teste.

Apresenta informações detalhadas (lote, n.º de série) sobre os frascos de reagentes de


um teste e os calibradores, controlos e diluentes atribuídos.

Os perfis são conjuntos de testes definidos pelo operador. São representados como qual-
quer outro teste.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-99
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Terminar sessão
f Botão de Visão geral > com o seu nome de operador
Termine a sessão no sistema.
Pode-se terminar a sessão em qualquer altura, mesmo enquanto o sistema estiver a
processar pedidos.

Preparar
f Visão geral > Preparar
Iniciar o assistente de preparação para executar as tarefas preliminares no início de
um turno.

Final do turno
f Visão geral > Final do turno
Iniciar o assistente de Final do turno para executar as tarefas necessárias para o final
do turno.

Estado das cuvetes


f Visão geral > .

A Visão geral das cuvetes necessárias e disponíveis

Figura A-55 Estado das cuvetes

Os seis segmentos de cuvetes são representados por botões. O número no botão


indica quantas cuvetes estão livres para serem utilizadas.
Prima o botão de um segmento para trocar o respectivo segmento.
Para evitar erros de regulação de tempo, certifique-se de que todas as posições de
segmento de cuvetes disponíveis estão cheias. Substitua sempre qualquer segmento
de cuvete totalmente usado. Um segmento de cuvete usado parcialmente não tem de
ser substituído.
Os botões dos segmentos são codificados por cores:

Todas as cuvetes estão usadas.

Roche Diagnostics
A-100 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Até duas cuvetes estão livres para serem utilizadas.

Mais de duas cuvetes estão livres para serem utilizadas.

Estado do disco e dos reagentes


f Visão geral >

A Um sinal de mais (+) indica que já existe um conjunto de reagentes activo idêntico no
equipamento. (Este ícone é apresentado logo que o primeiro frasco do conjunto é colocado.)
B O número à esquerda do botão indica a quantidade de posições livres no disco.

Figura A-56 Conjuntos de reagentes carregados no disco de reagentes

A cor do botão do conjunto de reagentes representa o estado do conjunto:

O conjunto de reagentes está no equipamento mas está bloqueado por um dos


seguintes motivos:
o O número de testes disponíveis é 0.
o O conjunto está incompleto.
o O teste necessita de calibração.

Restam menos de 10% de testes neste conjunto.


O prazo de validade expirou.

O conjunto de testes encontra-se no equipamento e pronto a utilizar.

o Não existe nenhuma aplicação que utilize este conjunto de reagentes.


o Não está instalado um diluente ou cleaner necessário.

Apresentar informação detalhada sobre o estado deste teste.

Carregar um conjunto de reagentes. O número à esquerda do botão indica a


2 quantidade de posições livres no disco.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-101
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Apresentar uma lista com todos os testes no equipamento, juntamente com


informação sobre o seu estado. Na lista são utilizadas as seguintes abreviaturas para
indicar o estado do conjunto de reagentes:
o C: Calibração em falta
o E: Vazio
o I: Incompleto
o N: Não utilizado
o L: Baixo
o X: Expirado

Tratar do disco de reagentes.

Estado do ISE

Este botão só fica activo se o analisador estiver equipado com uma unidade de ISE.

f Visão geral > .

Figura A-57 Estado do ISE

Na, K, Cl, Ref Apresentar informação detalhada sobre o estado do eléctrodo.


A letra D indica que está instalado um eléctrodo dummy.

O prazo de validade de um eléctrodo expirou.

O eléctrodo está pronto para ser utilizado.

Calibração requerida. (Não se aplica ao eléctrodo de referência.)


Após a instalação do novo eléctrodo, é necessário efectuar a acção de manutenção
Manutenção dos eléctrodos.

Cal, Ref Apresentar informação detalhada sobre o estado do frasco de fluidos do ISE.

Frasco de fluido vazio Substitua o frasco. (O funcionamento parou.)

O nível de fluido no frasco é baixo. (O funcionamento prosseguirá até que um dos


sensores detecte que não existe fluido.)

Roche Diagnostics
A-102 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Existe fluido suficiente.

Apresenta a lista de colocações para as acções que estão pendentes, por exemplo,
calibração ou manutenção dos eléctrodos.

Estado do sistema

Visão geral > ou ou ou ou ou

O botão do estado do sistema no separador Visão geral apresenta a cor e o ícone de


um dos botões do ecrã do estado do sistema. (Aos ícones é dada prioridade de acordo
com a cor, sendo a primeira prioridade o vermelho, em seguida o amarelo e o verde, e
depois de acordo com a sequência pela qual aparecem no ecrã.)

Figura A-58 Estado do sistema

Verifique os textos do estado dos itens de hardware e das IDs do software instalado.

Estado do analisador.

A tampa principal está aberta.

Uma aplicação Development Channel não tem lavagens extra programadas.

o A Roche recomenda vivamente a utilizar sempre lavagens extra com aplicações de


Development Channels e também de instalar sempre cleaner extra quando são utiliza-
dos testes com lavagens extra.
o A Roche Diagnostics Ltd. apenas assume responsabilidade limitada quando o analisa-
dor cobas c 111 é utilizado em conjunto com o Software de Programação de Canais
Abertos cobas c 111. Para informação detalhada sobre este assunto, consulte a última
versão do Formulário de Registo dos Development Channels cobas c 111 e o Manual
do Operador de Development Channels cobas c 111.

Estado da temperatura do refrigerador de reagentes e do anel das cuvetes.

A temperatura situa-se fora do intervalo aceitável.

Estado da ventoinha do módulo do visor.


Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-103
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

A ventoinha não está a funcionar.

Apresentar informação sobre o estado de enchimento de cada um dos frascos


externos.
É apresentada a cor dos botões subjacentes.
e Ver Verificar os frascos externos na página A-104.

Apresenta a lista de acções de manutenção.


É apresentada a cor da acção de manutenção mais urgente.
e Ver Manutenção na página A-119.

Estado do papel da impressora.

A impressora não tem papel.

Verificar os frascos externos

f Visão geral > > .

Figura A-59 Estado dos reservatórios externos

Botão de água Prima para confirmar que voltou a encher o reservatório externo de água.

O reservatório de água foi enchido pela última vez há menos de um dia.

O reservatório de água foi enchido pela última vez há mais de um dia. (O sistema não
controla o nível de enchimento. Cabe ao operador encher o reservatório de água
regularmente.)

Um sensor de fluidos detectou que não há água na tubagem do analisador. Não


podem ser processados novos testes, os testes iniciados podem ter de ser reiniciados
após o enchimento.

Botão de esgoto Prima para confirmar que esvaziou o reservatório externo de esgoto.

O reservatório de esgoto foi esvaziado pela última vez há menos de um dia.

Roche Diagnostics
A-104 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

O reservatório de esgoto foi esvaziado pela última vez há mais de um dia. (O sistema
não controla o nível de enchimento. Cabe ao operador encher o reservatório de
esgoto regularmente.)

Botão do cleaner Prima para confirmar que substituiu o reservatório externo de cleaner.

O cleaner está OK.

O nível de cleaner está baixo, a 10% ou inferior. Ver a indicação de %.

Um sensor de fluidos detectou que não há cleaner na tubagem do analisador. Não


podem ser processados novos testes, os testes iniciados podem ter de ser reiniciados
após a substituição do frasco.

Separador A. de trabalho

O separador A. de trabalho fornece informação sobre os pedidos e os resultados


correspondentes.

Figura A-60 Separador A. de trabalho

Pedidos Visualizar e processar pedidos.

Revisão dos resultados Visualizar e validar resultados de amostras.

Estado CQ Visualizar e validar resultados activos do CQ.

Histórico CQ Visualizar resultados de CQ—em ecrãs individuais—do mês de calendário actual ou


anterior, ou os resultados criados antes do mês anterior.

Calibrações Visualizar, validar e eliminar resultados de calibrações.

Dados do lote Definir e alterar dados da calibração e do lote de CQ através da leitura de códigos de
barras ou da digitação dos valores.

Lista de carregamento Lista de testes que estão prontos para serem realizados.

Lista de trabalho Informação sobre os tubos actualmente colocados na área de amostras.


Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-105
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Pedidos
f A. de Trabalho > Pedidos

Figura A-61 Lista de pedidos

Coluna St Estado

A Aceite B Todos bloqueados


C Criado D Eliminado
F Todos calculados N Sem pedido de teste
O +Tempo limite do pedido P Todos pipetados
R Pronto S Alguns bloqueados
T Tempo limite da repetição U Desconhecido
em branco: Pronto (todos os testes foram medidos e os resultados aceites)

Os pedidos URGENTES estão assinalados com um asterisco (*).

Coluna Dn Número de testes efectuados para este pedido.

Coluna # Número total de testes necessários para este pedido.

Imprimir o conteúdo da lista de pedidos.


Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Lista (Todos os pedidos na lista com os respectivos resultados. Se tiver sido
aplicado um filtro, a lista conterá apenas os resultados que cumprem os critérios
do filtro e o critério do filtro fará parte do nome do botão.)
o Detalhes do pedido (O pedido actualmente seleccionado com os respectivos
resultados.)

Alterar o pedido seleccionado.

Definir um novo pedido.

Roche Diagnostics
A-106 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Eliminar pedidos.
Pode-se escolher o tipo de pedidos para serem eliminados:
o Lista (Todos os pedidos da lista. Se tiver sido aplicado um filtro, a lista conterá
apenas os pedidos que cumprem os critérios do filtro e o critério do filtro fará
parte do nome do botão.)
o Seleccionado (Eliminar o pedido seleccionado com os respectivos resultados.)

Aplicar critérios de filtro à lista de pedidos.


Pode seleccionar um dos seguintes critérios:
o Todos
o Incompleto
o URGENTE
o Não terminado
o Não hoje
o Por ID

Lista de resultados
f A. de trabalho > Revisão de resultados

Rever resultados de amostras

Figura A-62 Lista de resultados

Esta linha contém informação sobre os resultados.

Esta linha contém informação sobre as amostras.

Esta linha está seleccionada.

Coluna S Estado
!: Este resultado ainda não foi aceite.
@: Este resultado não foi transmitido para o host.

o Os pedidos URGENTES estão assinalados com um asterisco (*).


o A indicação da hora representa a hora em que o pedido foi definido.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-107
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Imprimir resultados. Pode seleccionar uma das seguintes opções:


o Lista (Todos os resultados da lista. Se tiver sido aplicado um filtro, a lista conterá
apenas os resultados que cumprem os critérios do filtro e o critério do filtro fará
parte do nome do botão.)
o Detalhes do pedido (Todos os resultados do pedido associado)

Valide os resultados.
Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Repetir (Efectuar o mesmo teste com uma diluição idêntica.)
o Reexecutar (Efectuar o teste com uma concentração diferente.)
o Aceitar
o Retransmitir (Apenas disponível se foi configurado "Servidor host = Ligado".)

Apresentar detalhes do resultado seleccionado.

Eliminar resultados.
Pode-se escolher o tipo de resultado a ser eliminado:
o Lista (Todos os resultados da lista. Se tiver sido aplicado um filtro, a lista conterá
apenas os resultados que cumprem os critérios do filtro e o critério do filtro fará
parte do nome do botão.)
o Seleccionado

Aplicar critérios de filtro à lista de resultados.


Pode seleccionar um dos seguintes critérios:
o Todos
o Com alarme
o URGENTE
o Não aceite
o Não hoje
o Não enviado para host
o Por ID

Roche Diagnostics
A-108 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Lista do estado de CQ
f A. de trabalho > Estado CQ

Figura A-63 Lista do estado de CQ

As entradas são agrupadas primeiro pelo nome do teste e de seguida pelo controlo.

Coluna S Estado
!: O resultado ainda não foi aceite.
I: O resultado foi ignorado.
@: O resultado ainda não foi transmitido.

Coluna Indicador/Resultado Resultado no caso de não ter sido gerado um alarme.


Alarme com a prioridade mais elevada, se tiverem sido gerados alarmes.
Estado do pedido se a medição de controlo ainda não tiver sido efectuada.
Lote anterior indica que foram utilizados controlos de mais de um lote.

Imprimir resultados de CQ.

Valide os resultados do CQ.


Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Aceitar
o Ignorar
o Retransmitir (Apenas disponível se foi configurado "Servidor host = Ligado".)

Apresentar detalhes do resultado de CQ seleccionado.

Definir um novo pedido de CQ.

Eliminar resultados de CQ.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-109
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Pode-se escolher o tipo de resultado a ser eliminado:


o Todos
o Todos aceites
o Seleccionado

Histórico CQ
O histórico do CQ fornece—em ecrãs individuais—informação sobre os resultados
do CQ do mês de calendário actual e anterior, assim como sobre os resultados que
foram criados antes do mês anterior.
Uma representação gráfica dos resultados fornece um modo prático de comparar os
resultados ao longo de um período de tempo.
f A. de trabalho > Histórico CQ

Figura A-64 Histórico CQ

A lista contém, para cada teste e controlo, o resultado de CQ mais recente. As


entradas são agrupadas primeiro pelo nome do teste e de seguida pelo controlo.

Coluna Última medição Data e hora do resultado mais recente.


Lote anterior indica que o controlo foi efectuado após a substituição do lote de CQ.

Imprimir resultados de CQ.

Apresentar uma representação gráfica dos resultados de CQ.

Eliminar resultados de CQ.


Pode-se escolher o tipo de resultado a ser eliminado:
o Lista (Todos os resultados da lista. Se tiver sido aplicado um filtro, a lista conterá
apenas os resultados que cumprem os critérios do filtro e o critério do filtro fará
parte do nome do botão.)
o Mais antigo que o mês ant.
o Seleccionado

Roche Diagnostics
A-110 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Aplicar critérios de filtro à lista de resultados de CQ.


Pode seleccionar um dos seguintes critérios:
o Todos
o Lote actual
o Lote anterior
f A. de trabalho > Histórico CQ >

A B C

D
E
F

H
I
J

A Substituição do lote de calibrador F +2 s


B Substituição do conjunto de reagentes G Valor médio
C Alteração do valor alvo do CQ H -2 s
D +3 s I -2,5 s
E 2,5 s J -3 s

Figura A-65 Gráfico Histórico CQ

Imprimir o gráfico.

Apresentar os resultados numa tabela.


Os resultados são ordenados por ordem cronológica, os eventos relevantes (alteração
do lote do CQ, substituição do conjunto de reagentes, alteração do valor alvo do CQ)
precedem os resultados.

Botão do mês Apresentar os resultados do mês indicado no botão.

Antigo Apresentar os resultados criados antes do início do mês anterior.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-111
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Lista de calibrações
f A. de trabalho > Calibrações

Figura A-66 Lista de calibrações

Coluna U Calibração utilizada


CU: Calibração actual
SB: Calibração em espera
OB: Calibração obsoleta

Coluna T Tipo de calibração


L: Calibração do lote
S: Calibração de conjunto

Coluna Estado A data indica quando os resultados foram aceites. Se tiverem sido gerados alarmes
para o resultado, é apresentado o alarme com a maior prioridade. Em todos os outros
casos, é apresentado o estado do pedido.

Imprimir resultados da calibração.


Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Lista (Se tiver sido aplicado um filtro, a lista conterá apenas os resultados que
cumprem os critérios do filtro e o critério do filtro fará parte do nome do botão.)
o Detalhe da calibração.

Apresentar detalhes da calibração seleccionada.

Roche Diagnostics
A-112 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Validar a calibração.
Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Aceitar conjunto
o Aceitar lote
o Repetir
o Utilizar antigo
Utilize Utilizar antigo para substituir e repor a data prevista para a calibração e
continuar a utilizar os resultados da calibração antiga.

Definir um novo pedido de calibração.

Eliminar o resultado de calibração seleccionado.

Aplicar critérios de filtro à lista de resultados de calibração.


Pode seleccionar um dos seguintes critérios:
o Todos
o Actual

Dados do lote
f A. de trabalho > Dados do lote

Figura A-67 Seleccionar o tipo de lote

Seleccione o tipo de material para o qual deseja modificar os dados do lote.

Controlos Modificar lotes de controlo.

Calibradores Modificar lotes de calibrador.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-113
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Lista de lotes
f A. de trabalho > Dados do lote, em seguida, escolha um tipo de lote.
O conteúdo desta lista depende do tipo de material seleccionado. O ecrã seguinte é
um exemplo de dados de lotes de calibrador.

A B C

D
E

A Nome do calibrador. B Lote do calibrador


Asterisco: Os dados do lote foram C Data de validade
alterados pelo operador. D Teste associado
Não instalado: O teste associado não E Valores de lotes
está instalado.

Figura A-68 Dados de lotes de calibrador

Imprimir dados do lote.

Com um calibrador seleccionado: Expandir ou colapsar a lista.


Com um teste seleccionado: Expandir ou colapsar a lista.
Com um valor seleccionado: Alterar o valor.

Com um calibrador seleccionado: Adicionar um lote.


Com um teste seleccionado: Atribuir um teste a um lote.
Com um valor seleccionado: Não activo.

Com um calibrador seleccionado: Eliminar os valores do lote do calibrador.


Com um teste seleccionado: Eliminar os valores do lote do teste.
Com um valor seleccionado: Não activo.

Roche Diagnostics
A-114 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Lista de carregamento
Lista de testes que estão prontos para serem realizados.
f A. de Trabalho > Lista de carregamento

A B

A Número de pipetagens pendentes B Número de pipetagens disponíveis

Figura A-69 Lista de carregamento

Imprimir a lista de carregamento.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-115
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Lista de trabalho
A lista de trabalho apresenta todos os tubos actualmente colocados na área de
amostras.
f A. de trabalho > Lista de trabalho

A B

A Posição na área de amostras E: Etcher do ISE


B Tipo de fluido: P: Desproteinizante do ISE
A: Activador Q: Controlo
C: Calibrador S: Amostra
D: Diluente U: Desconhecido

Figura A-70 Lista de trabalho

Imprimir a lista de trabalho.

Roche Diagnostics
A-116 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Separador Utilitários

Utilize o separador Utilitários para executar tarefas que normalmente não fazem
parte do fluxo de trabalho de análise de rotina. Tipicamente, estas serão tarefas de
administração e de manutenção.

Figura A-71 Separador Utilitários

Configuração Visualizar e alterar valores da configuração.

Manutenção Seleccionar e efectuar acções de manutenção.

Aplicações o Introduzir/modificar aplicações e respectivas definições.


o Introduzir/modificar lavagens extra
o Apresentar, exportar e importar a tabela das IDs de testes do analisador
cobas c 111 e do sistema informático do laboratório (host).
o Manusear a definição de mistura de reagentes.
o Definir a sequência do processo.

Diagnósticos Efectuar acções de diagnóstico.

Inventário Exibir informação sobre conjuntos de frascos que se encontram definidos em


qualquer um dos discos utilizados no cobas c 111.

Importar Importar dados da aplicação, actualizações de software, o conteúdo completo de uma


base de dados, certificados, dados sobre os ciclos de lavagem extra, regras de agitação
de reagentes ou um novo idioma da interface do operador.

Operadores Definir operadores e gerir os seus direitos de operador.

Exportar Exportar o conteúdo completo da base de dados, todos os resultados e ficheiros de


registos de dados.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-117
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Configuração
f Utilitários > Configuração

Figura A-72 Tabela de configuração

Existem itens da lista de um nível inferior. Seleccione o item assinalado com e


prima novamente para expandir a lista e apresentar os itens.

A lista está expandida. Seleccione o item assinalado com e prima novamente


para ocultar os itens.

Imprimir dados da configuração.


Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Todos
o Seleccionado (Imprimir as definições do grupo de configuração seleccionado.)

Com um item seleccionado: configurar o item seleccionado.


Com um título de grupo seleccionado: expandir ou colapsar a lista.

Roche Diagnostics
A-118 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Manutenção
f Utilitários > Manutenção

A B

A Nome das acções de manutenção D Utilize a barra de deslocamento para


B Datas previstas, por ordem ascendente apresentar as acções de manutenção que
C Esta acção de manutenção está estão actualmente ocultas.
seleccionada.

Figura A-73 Lista de acções de manutenção

As acções de manutenção são listadas de acordo com a urgência com a qual


necessitam de ser efectuadas.

Actualmente não é necessária qualquer acção.

Esta acção de manutenção deve ser efectuada no dia de manutenção alargada


seguinte.

O intervalo definido para a manutenção expirou. Efectuar esta acção de manutenção


agora.

Efectuar a acção de manutenção seleccionada.

Se interromper a realização de uma acção de manutenção pendente, o seu estado perma-


necerá como pendente e terá posteriormente de voltar a realizar a acção na sua totalidade.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-119
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Funções relacionadas com as aplicações


f Utilitários > Aplicações

Figura A-74 Funções de aplicações

Parâmetros Lab. Modificar as definições das aplicações instaladas e importar e instalar novas
aplicações.

Lavagens extra Modificar e instalar lavagens extra.

Códigos do host Apresentar, exportar e importar a tabela das IDs de testes do analisador cobas c 111 e
do sistema informático do laboratório.

Agitação de reagentes Exibir, imprimir e eliminar regras de agitação.

Sequência processam. Dar prioridade a testes individuais.

Roche Diagnostics
A-120 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Aplicações
f Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais

Figura A-75 Tabela de aplicações

Existem itens da lista de um nível inferior. Seleccione o item assinalado com e


prima novamente para expandir a lista e apresentar os itens.

A lista está expandida. Seleccione o item assinalado com e prima novamente


para ocultar os itens.

Imprimir a lista de aplicação.

Com um item seleccionado que seja precedido de ou : expandir ou colapsar a


lista.
Com qualquer outro item seleccionado: alterar o item seleccionado.

Importe uma aplicação.


Defina um novo perfil ou resultado calculado.
Instale uma aplicação

Desinstale uma aplicação.


Elimine um perfil ou aplicação desinstalada.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-121
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Ciclos de lavagem extra


f Utilitários > Aplicações > Lavagens extra

Figura A-76 Tabela de lavagens extra

Imprima a definição seleccionada ou todas as definições dos ciclos de lavagem extra.

Com um item seleccionado que seja precedido de ou : expandir ou colapsar a


lista.
Com qualquer outro item seleccionado: alterar o item seleccionado.

Importe ou defina manualmente um novo ciclo de lavagem extra.

Elimine o ciclo de lavagem extra seleccionado.

Roche Diagnostics
A-122 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Códigos do host
f Utilitários > Aplicações > Códigos do host

Figura A-77 Tabela de códigos da Aplicação/HOST

Imprimir a tabela.

Importar a tabela.

Exportar a tabela no formato de ficheiro de texto.

Utilize as mesmas IDs de testes no analisador cobas c 111 e no sistema de informação


do laboratório.

Agitação de reagentes
f Utilitários > Aplicações > Agitação de reagentes

Figura A-78 Tabela das regras de agitação de reagentes

Imprima a regra seleccionada ou todas as regras de agitação.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-123
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Elimine a regra de agitação seleccionada.

Sequência do processamento
f Utilitários > Aplicações > Sequência processam.

Figura A-79 Tabela de prioridade do processamento

Imprima a lista de sequência do processamento.

Na lista Prioridade mova o item para cima.

Na lista Prioridade mova o item para baixo.

Mova o teste seleccionado para a lista Prioridade.

Mova o teste seleccionado para a lista Predefinido.

Mova todos os testes seleccionados da lista Prioridade para a lista Predefinido.

Roche Diagnostics
A-124 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Diagnósticos
f Utilitários > Diagnósticos

As acções de diagnóstico foram concebidas para serem utilizadas pelos representantes da


Roche ou quando o operador é aconselhado a fazê-las. Por isso, estas funções não se
encontram descritas neste manual.
Necessita de pelo menos direitos de Resp. do laboratório para efectuar acções de diag-
nóstico.

Figura A-80 Lista de diagnósticos

Pode seleccionar uma das seguintes opções:


o Todos
o Seleccionado (Imprimir as acções do grupo de acção seleccionado.)

Com um tópico seleccionado: expandir ou seleccionar a lista.


Com uma acção de diagnóstico seleccionada: Efectuar a acção seleccionada.

No final da realização de uma acção de diagnóstico (transição do estado do sistema de


Diagnósticos para Pronto), o sistema verifica se todos os módulos foram inicializados, se
não tiverem sido é realizada a inicialização.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-125
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Inventário
O inventário apresenta informações sobre todos os conjuntos de frascos que estão
definidos em qualquer um dos discos utilizados neste analisador cobas c 111,
incluindo os conjuntos que foram retirados do disco, desde que não estivessem vazios
ou os prazos de validade não tivessem expirado.
(Os conjuntos de frascos que foram removidos do disco e cujo prazo de validade
tenha expirado há mais de 30 dias são automaticamente eliminados da lista do
Inventário, a menos que ainda exista um conjunto válido do mesmo fluido no
equipamento. Se este não for o caso, o conjunto que foi instalado por último
permanece no inventário.)
f Utilitários > Inventário

Figura A-81 Inventário de conjuntos de frascos

Imprima a lista de conjuntos de frasco.


Pode seleccionar uma das seguintes opções:
o Lista
o Detalhes do conjunto de reagentes

Apresentar detalhes do conjunto de frascos seleccionado.

Eliminar o conjunto de frascos seleccionado da lista.


Os conjuntos de frascos devem ser removidos do disco antes de os poder eliminar da
lista.

Aplicar critérios de filtro à lista do Inventário.


Pode seleccionar um dos seguintes critérios:
o Todos
o Por ID

Roche Diagnostics
A-126 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Importar
f Utilitários > Importar

Figura A-82 Importar dados

Aplicação Importar dados da aplicação.

Software Importar actualizações do software.

Base de dados Importar o conteúdo completo da base de dados.

Certificado Importar certificados que autenticam os códigos de barras dos reagentes.

EWC/Agitação Importar lavagem extra ou informação sobre a agitação de uma aplicação específica.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-127
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Operadores
f Utilitários > Operadores

Figura A-83 Administração de operadores

Existem itens da lista de um nível inferior. Seleccione o item assinalado com e


prima novamente para expandir a lista e apresentar os itens.

A lista está expandida. Seleccione o item assinalado com e prima novamente


para ocultar os itens.

Imprimir os dados do operador seleccionado.

Com um item seleccionado: alterar o item seleccionado.


Com qualquer outro item seleccionado: expandir ou colapsar a lista.

Definir um novo operador.

Eliminar o operador.
(Não pode eliminar os seus próprios dados de operador.)

Alterar a senha de um utilizador


e Para alterar a senha de um utilizador, consulte Alterar a sua senha na página B-173

Roche Diagnostics
A-128 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Ecrã do teclado

Exportar
f Utilitários > Exportar

Figura A-84 Exportar dados

Base de dados Exportar o conteúdo completo da base de dados.

Resultados completos Exportar os dados completos dos resultados.

Log Files Exportar as mensagens do sistema, registos de alarmes e possíveis registos de


localização.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-129
4 Software cobas c 111
Ecrã do teclado

Parar uma execução

f Botão de acção global

Figura A-85 Opções de parar

Cancelar Quando o sistema se encontra no estado Em operação: Parar imediatamente todas as


actividades de processamento.
As pipetagens que não foram terminadas são consideradas não pipetadas.
As medições que ainda não produziram um resultado válido são consideradas não
medidas.

Recuperar Quando o sistema se encontra no estado Em espera ou Parado: Inicializar todos os


sistemas e módulos que actualmente não estão prontos.

Parar pipetagem Terminar a acção de pipetagem actual mas não iniciar uma nova.
Pode reiniciar o processamento pressionando .

Parar impressão Pára a tarefa de impressão actual. (Pode demorar alguns momentos antes de a
impressão parar efectivamente.)

Encerrar Encerra o software do cobas c 111 e o sistema operativo.


Esta opção está activa apenas no estado Em espera.

Reiniciar Encerra o software do cobas c 111 e reinicia-o automaticamente.


Esta opção está activa apenas no estado Em espera. É utilizada em casos em que a
alteração da configuração requer o reinício do software para que este fique
operacional.

Roche Diagnostics
A-130 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Interpretação da cor dos LEDs e botões de acção global

Interpretação da cor dos LEDs e botões de acção global

A LED da área de amostras C LED da tampa principal


B Botões de acção global com indicadores de
cor

Figura A-86 O analisador cobas c 111

Interpretar as cores dos LEDs LED Cor Significado


LED da tampa Desligado Sem actividades nesta área. Pode abrir a tampa
principal principal.
É necessária a intervenção do operador, por
exemplo, deve colocar ou remover um frasco.
O sistema está a efectuar uma acção. Não
manusear a tampa.
Um sinal acústico soa quando a tampa é aberta enquanto o sistema se
encontra no estado Em operação. Pode ajustar o volume (Utilitários >
Configuração > Sistema > Volume).
LED da área de Desligado Sem actividades nesta área. Pode remover tubos de
amostras amostra.
Deve colocar um tubo de amostra.

Piscar A cabeça de transferência está em movimento. Não


coloque a sua mão ou qualquer objecto na área de
amostras.
Tabela A-12 LEDs e o seu significado

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-131
4 Software cobas c 111
Interpretação da cor dos LEDs e botões de acção global

Interpretar os indicadores de cor Botões de acção Cor indicadora Significado


dos botões de acção global global
Iniciar Desligado Não pode iniciar o processo de medição.

Pode iniciar o processo de medição.

Parar Desligado Premir conduz a várias opções de paragem.

Premir conduz a várias opções de paragem.

Alarme Desligado Não existem mensagens de alarme não


confirmadas.
Existe pelo menos uma mensagem de alarme não
confirmada. Deve tratar desta o mais depressa
possível.
Existe pelo menos uma mensagem de alarme não
confirmada. Deve tratar desta imediatamente, de
outro modo o processamento pode não continuar.
Nota: Quando a mensagem de alarme resulta de
um erro de regulação de tempo, todas as execuções
de testes ou resultados obtidos após a hora do erro
devem ser testados novamente.
Quando um alarme é criado soa um sinal acústico. Pode ajustar o
volume (Utilitários > Configuração > Sistema > Volume).

Tabela A-13 Indicadores de cor dos botões de acção global e respectivos significados

Roche Diagnostics
A-132 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Botões

Botões

As tabelas seguintes apresentam os botões utilizados nos ecrãs do cobas c 111 e


descrevem a sua utilização. Os botões estão agrupados de acordo com o tipo de
função que representam.

Funções gerais Ícone Nome Utilizar


Ajuda Apresenta informação concisa relevante para o ecrã e a
situação actual.
Iniciar Iniciar o processamento de pedidos.

Parar Apresentar opções de parar. Prima duas vezes para entrar no


modo de calibração do ecrã táctil.
Alarme Ver alarmes.

Alimentação de Avançar o papel da impressora.


papel
Tabela A-14 Botões de acção global

Funções interactivas Ícone Nome Utilizar


Adicionar Adicionar ou definir um item.

Eliminar Eliminar o item seleccionado.

Cancelar Cancelar a operação.


Não utilizar este botão enquanto o sistema está a realizar
testes de controlo ou de calibração, uma vez que tal pode
provocar perda de dados.
Fechar Fechar o ecrã.
Imprimir Imprimir o conteúdo da área de trabalho do ecrã actual.

Lista Apresentar o conteúdo da área de trabalho do ecrã actual


numa tabela.
OK Confirmar a operação, gravar os dados e fechar o ecrã.
Guardar
Detalhe Apresentar informações detalhadas relativamente ao item
seleccionado.
Filtro Aplicar critérios de filtro à lista actual.

Editar Modificar o item seleccionado.

Efectuar Efectuar a acção seleccionada.

Exportar Exportar dados.

Importar Importar dados.

Estado do disco Tratar do disco de reagentes e dos respectivos reagentes.


Verificar o estado dos reagentes.
Tabela A-15 Botões interactivos

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-133
4 Software cobas c 111
Botões

Ícone Nome Utilizar


Estado das Apresentar o estado dos segmentos das cuvetes.
cuvetes Tratar dos segmentos das cuvetes.
Estado do ISE Apresentar o estado dos eléctrodos e dos fluidos.
Substituir eléctrodos e fluidos do ISE.
Estado do Apresentar o estado da tampa principal.
sistema
Estado do Verificar o estado dos reservatórios externos de fluidos.
reservatório Tratar dos reservatórios externos de fluidos.
Estado da Apresentar o estado de um refrigerador dos reagentes e da
temperatura temperatura do anel das cuvetes.
Estado da Apresentar o estado da impressora.
impressora
Estado da Indicar quando há uma falha na ventoinha do módulo ddo
ventoinha visor.
Estado da Apresenta a lista de acções de manutenção.
manutenção
Teclado Digitar informação manualmente.

Substituir o Tratar do disco de reagentes.


disco de
reagentes
Inserir frasco Colocar um frasco de reagente.
2
O número à esquerda do botão indica a quantidade de
posições livres no disco.
Remover frasco Remover um frasco de reagente.

Agitação Efectuar a agitação de reagentes.

Substituir cuvete Confirmar a substituição do segmento de cuvetes.

Remover cuvete Confirmar a remoção do segmento de cuvetes.

Calibrações Seleccionar todos os testes com calibrações ou CQ pendentes.


pendentes
Calibrações da Seleccionar todas as calibrações pendentes no período de
previsão previsão de tempo.
CQ predef. Efectuar o CQ predefinido.

Intervalo de CQ Efectuar intervalo CQ.

Informação Apresentar informação de contexto do resultado. (Reagentes


adicional utilizados, juntamente com a informação do lote.)
Listar códigos do Utilize códigos de aplicação idênticos no host e no analisador
host cobas c 111.
Substituir o Substituir um frasco de fluido do ISE.
frasco do ISE
Tabela A-15 Botões interactivos (Continued)

Roche Diagnostics
A-134 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 4 Software
Botões

Ícone Nome Utilizar


Remover o frasco Remover um frasco de fluido do ISE.
do ISE
Remover Remover um eléctrodo do ISE.
eléctrodo
Inserir eléctrodo Inserir um eléctrodo do ISE.

Tabela A-15 Botões interactivos (Continued)

Funções de navegação Ícone Nome Utilizar


Linha para cima Mover uma linha para cima.
Seleccionar a linha anterior.
Linha para baixo Mover uma linha para baixo.
Seleccionar a próxima linha.
Deslocamento Arraste para percorrer as páginas continuamente.
para cima ou para
baixo
Página para cima Mover uma página para cima.

Página para baixo Mover uma página para baixo.

Para a frente Abrir o ecrã seguinte num assistente.


Próximo passo
Retroceder Abrir o ecrã anterior num assistente.
Passo anterior
Tabela A-16 Botões de navegação

Funções de movimento de Ícone Nome Utilizar


elementos Mover para cima Move um elemento seleccionado uma linha para cima.

Mover para baixo Move um elemento seleccionado uma linha para baixo.

Mover para direita Move um elemento seleccionado para a lista da direita.

Mover para Move um elemento seleccionado para a lista da esquerda.


esquerda
Mover todos para Move todos os elementos da lista para a lista da esquerda.
esquerda
Tabela A-17 Botões de movimento de elementos

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 A-135
4 Software cobas c 111
Botões

Roche Diagnostics
A-136 Manual do Operador · Versão 4.3
Funcionamento B
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Índice

Funcionamento diário
Efectuar tarefas de rotina

Este capítulo apresenta informações sobre como efectuar as tarefas de rotina


necessárias para o processamento de pedidos e para manter o sistema em
funcionamento.

Neste capítulo Capítulo 5


Introdução .........................................................................................................................B–5
Informação de segurança ..........................................................................................B–5
Visão geral ...................................................................................................................B–7
Trabalhar com um sistema host .............................................................................B–10
Iniciar o turno .................................................................................................................B–11
Ligar o analisador .....................................................................................................B–11
Condições prévias ..............................................................................................B–11
Iniciar sessão no sistema .........................................................................................B–12
Preparar o sistema ..........................................................................................................B–13
Guia resumido ..........................................................................................................B–14
Iniciar o assistente da preparação ..........................................................................B–16
Verificar o estado dos reservatórios externos de fluidos ...................................B–17
Efectuar acções de manutenção .............................................................................B–21
Preparar o disco de reagentes .................................................................................B–23
Preparar os reagentes ...............................................................................................B–24
Verificar o estado dos conjuntos de reagentes ...............................................B–25
Preparar reagentes ..............................................................................................B–28
Preparar as cuvetes ...................................................................................................B–31
Efectuar a agitação de reagentes .............................................................................B–33
Efectuar as calibrações (fase de preparação) ........................................................B–34
Analisar amostras ...........................................................................................................B–38
Informação de segurança ........................................................................................B–38
Guia resumido ..........................................................................................................B–39
Configuração do sistema e fluxo de trabalho da definição de pedidos ............B–40
Definir pedidos .........................................................................................................B–42
Definir pedidos de rotina ..................................................................................B–43
Definir pedidos STAT (URGENTE). ..............................................................B–46
Efectuar alterações num pedido .............................................................................B–47

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-3
5 Funcionamento diário cobas c 111
Índice

Iniciar a execução .....................................................................................................B–49


Monitorizar o progresso da análise ........................................................................B–49
Verificar o estado do tubo de amostra ............................................................B–49
Verificar os botões do estado do analisador ...................................................B–52
Verificar mensagens de alarme ........................................................................B–54
Sinal acústico ......................................................................................................B–54
Parar e reiniciar uma execução ..............................................................................B–55
Remover tubos de amostra .....................................................................................B–56
Validar resultados de amostras .....................................................................................B–57
Repetir testes .............................................................................................................B–61
Reexecutar testes ......................................................................................................B–62
Aceitação de resultados ...........................................................................................B–63
Imprimir resultados de amostras ...........................................................................B–64
Efectuar calibrações .......................................................................................................B–65
Informação de segurança ........................................................................................B–65
Guia resumido ..........................................................................................................B–66
Processo de efectuar calibrações ............................................................................B–67
Eliminar pedidos de calibração ..............................................................................B–71
Validar resultados da calibração .............................................................................B–71
Efectuar o CQ .................................................................................................................B–75
Informação de segurança ........................................................................................B–76
Guia resumido ..........................................................................................................B–77
Efectuar o CQ predefinido ......................................................................................B–78
Efectuar medições do intervalo de CQ .................................................................B–79
Validar os resultados do CQ ...................................................................................B–80
Interpretar o histórico do CQ .................................................................................B–83
Efectuar a agitação dos reagentes ...........................................................................B–85
Terminar o turno ............................................................................................................B–86
Informação de segurança ........................................................................................B–86
Guia resumido ..........................................................................................................B–87
Verificar tarefas incompletas ..................................................................................B–89
Verificar os pedidos incompletos .....................................................................B–89
Verificar resultados de amostras não aceites ..................................................B–89
Verificar a transmissão dos resultados ............................................................B–90
Iniciar o assistente de final do turno .....................................................................B–91
Efectuar a cópia de segurança diária .....................................................................B–91
Exportar os dados dos resultados ..........................................................................B–92
Limpar a base de dados ...........................................................................................B–93
Efectuar acções de manutenção .............................................................................B–94
Substituir cuvetes .....................................................................................................B–94
Verificar os frascos externos de fluidos .................................................................B–95
Esvaziar o reservatório de esgoto .....................................................................B–95
Reabastecer o frasco externo de água ..............................................................B–95
Remover o disco de reagentes .................................................................................B–96
Terminar sessão ..............................................................................................................B–97
Encerrar o sistema e desligar o analisador ..................................................................B–97
Utilizar o leitor de códigos de barras ...........................................................................B–98
Fazer a leitura dos códigos de barras dos frascos de reagentes ..........................B–98
Fazer a leitura dos códigos de barras a partir das folhas .....................................B–99
Fazer a leitura dos códigos de barras dos tubos de amostras .............................B–99

Roche Diagnostics
B-4 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Introdução

Introdução

O funcionamento diário inclui as tarefas de rotina necessárias para a preparação e a


monitorização do sistema e para analisar amostras.

As representações do ecrã, apresentadas neste capítulo e ao longo deste manual, desti-


nam-se apenas a fins ilustrativos. Os ecrãs não apresentam necessariamente dados váli-
dos.

Informação de segurança

Antes de começar a trabalhar com o analisador cobas c 111, é essencial que leia e
compreenda as informações de segurança que a seguir se descrevem.
Leia com atenção todas as notas de segurança fornecidas nas instruções e certifique-
se de que as compreende.

Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais


O contacto directo com reagentes, soluções de limpeza ou outras soluções funcionais
ADVERTÊNCIA podem causar lesões pessoais.
Ao manusear reagentes, tome as devidas precauções para o manuseamento de reagentes
de laboratório, e tenha em consideração os avisos indicados nas folhas de método e as
informações fornecidas nas Fichas de Dados de Segurança do Material disponíveis para
reagentes e soluções de limpeza da Roche Diagnostics.

Infecção por materiais de risco biológico


O contacto com amostras que contenham material de origem humana pode resultar em
infecção. Todos os materiais e componentes mecânicos associados a amostras de origem
humana têm risco biológico potencial.
o Certifique-se de que usa equipamento de protecção. Tome um especial cuidado ao
trabalhar com luvas de protecção; estas podem ser facilmente perfuradas ou cortadas,
o que pode provocar infecções.
o Se derramar algum material de risco biológico, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
o Se a solução de esgoto entrar em contacto com a sua pele, lave-a imediatamente e
aplique um desinfectante. Consulte um médico.

Infecção por solução de esgoto


O contacto com a solução de esgoto pode resultar em infecção. Todos os materiais e com-
ponentes mecânicos associados aos sistemas de esgoto têm risco biológico potencial.
o Certifique-se de que usa equipamento de protecção. Tome um especial cuidado ao
trabalhar com luvas de protecção; estas podem ser facilmente perfuradas ou cortadas,
o que pode provocar infecções.
o Se derramar algum material de risco biológico, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
o Se a solução de esgoto entrar em contacto com a sua pele, lave-a imediatamente e
aplique um desinfectante. Consulte um médico.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-5
5 Funcionamento diário cobas c 111
Introdução

Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o


mecanismo do analisador
Não toque em peças móveis durante o funcionamento do analisador.
Mantenha todas as tampas fechadas e manuseie-as conforme indicado no ecrã.

Perda da visão
A luz intensa dos LEDs pode danificar gravemente os olhos. Não olhe fixamente para os
ADVERTÊNCIA LEDs.
O equipamento de leitura que utiliza a tecnologia de LED encontra-se abrangida pela
norma internacional EN/IEC 60825-1 relativa a segurança de produtos LED de Classe 1.

Resultados incorrectos ou danos ao analisador devido a funcionamento


incorrecto
É necessário que os operadores possuam um conhecimento profundo das directrizes e
normas relevantes, assim como da informação e dos procedimentos contidos no Manual
do Operador.
o Não coloque o equipamento em funcionamento nem efectue uma manutenção, a
menos que tenha tido formação da Roche Diagnostics.
o Inicie todas as acções de manutenção no ecrã. Não efectue acções de manutenção
sem a assistência da interface do operador.
o Observe cuidadosamente os procedimentos especificados no Manual do Operador
para a operação e a manutenção do sistema.
o Deixe a manutenção que não se encontra descrita no Manual do Operador para os
representantes qualificados da assistência técnica.
o Siga as práticas laboratoriais padrão, especialmente ao trabalhar com material de risco
biológico.

Resultados incorrectos ou danos no analisador devido a pó ou sujidade


O operador pode deixar a tampa principal aberta enquanto o sistema se encontrar no
estado Em espera ou enquanto o analisador estiver desligado. Isto pode fazer com que o
pó e a sujidade se acumulem no anel de cuvetes que, por sua vez, pode diminuir a quali-
dade das cuvetes.
Mantenha todas as tampas fechadas. Abra-as apenas para efectuar acções de operação.

Roche Diagnostics
B-6 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Introdução

Visão geral

A tabela seguinte fornece uma visão geral das tarefas que podem ser necessárias
durante um funcionamento diário. A Roche recomenda a utilização da sequência de
passos conforme abaixo indicado, mas as tarefas podem ser efectuadas de um modo
diferente. Para informação sobre os passos individuais, ver as secções relevantes neste
capítulo.
Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
1 Inicializar o sistema 1. Ligue o sistema.

2 Iniciar sessão no sistema Visão geral > Iniciar sessão

3 Preparar o sistema Inicie o assistente Preparar. Visão geral > Preparar

1. Verifique os reservatórios de fluidos Visão geral > >


externos.
2. Efectue as acções de manutenção que Utilitários > Manutenção
estão pendentes.
3. Carregue o disco de reagentes. Visão geral >

4. Verifique os reagentes. Visão geral >

5. Verifique as cuvetes. Visão geral >

6. Efectue a agitação. Visão geral > > teste >

7. Efectue as calibrações pendentes. A. de trabalho > Calibrações > >

4 Definir pedidos Inicie o assistente de pedidos. Visão geral > Pedido (ou Visão geral > URGENTE)

1. Identificar a amostra. n/a

2. Seleccione os testes. n/a

3. Colocar a amostra. n/a

4. Inicie a execução.

5 Monitorizar o progresso n/a Visão geral >

6 Validar resultados 1. Visualize os resultados. n/a A. de trabalho > Revisão de resultados

2. Trate dos resultados com alarmes. n/a A. de trabalho > Revisão de resultados >

... > Repetir


... > Executar novamente
3. Aceitar resultados. n/a A. de trabalho > Revisão de resultados >
> Aceitar

Tabela B-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-7
5 Funcionamento diário cobas c 111
Introdução

Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
7 Efectuar calibrações

Efectuar calibrações 1. Inicie o assistente. A. de trabalho > Calibrações >


individuais
2. Seleccione o teste. n/a

3. Prepare e coloque os calibradores. n/a

4. Inicie a calibração.

5. Valide os resultados da calibração. A. de trabalho > Calibrações >

6. Remova os calibradores.

Efectuar 1. Inicie o assistente. A. de trabalho > Calibrações >


todas as calibrações
pendentes 2. Seleccione todos os testes com n/a
calibrações pendentes.
ou
Seleccione todos os testes com
calibração pendente no período de
previsão.
3. Prepare e coloque os calibradores. n/a

4. Inicie a calibração.

5. Valide os resultados da calibração. A. de trabalho > Calibrações >

6. Remova os calibradores.

8 Executar controlos

Efectuar o 1. Inicie o assistente. Visão geral > Pedido >


CQ predef.
2. Seleccione um controlo e coloque o n/a
tubo. Repita até não sobrarem mais
controlos no ecrã.
3. Inicie a medição de CQ.

4. Valide os resultados do CQ. A. de trabalho > Estado CQ >

5. Remova os controlos. n/a

Tabela B-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário (Continued)

Roche Diagnostics
B-8 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Introdução

Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
Efectuar uma medição de 1. Inicie o assistente. A. de trabalho > Estado CQ >
CQ individual
2. Seleccione um teste. n/a

3. Seleccione um controlo e coloque o n/a


tubo. Repita até não sobrarem mais
controlos no ecrã.
4. Inicie a medição de CQ.

5. Valide os resultados do CQ. A. de trabalho > Estado CQ >

6. Remova o controlo.

Efectuar 1. Inicie o assistente. Visão geral > Pedido > >


todas as medições de CQ
pendentes 2. Seleccione um controlo e coloque o n/a
tubo. Repita até não sobrarem mais
controlos no ecrã.
3. Inicie a medição de CQ.

4. Valide os resultados do CQ. A. de trabalho > Estado CQ >

5. Remova os controlos.

Tabela B-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário (Continued)

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-9
5 Funcionamento diário cobas c 111
Introdução

Tarefa Passos Navegação

Com Como passos individuais


assistente
9 Terminar o turno 1. Verifique pedidos incompletos. A. de Trabalho > Pedidos
Seleccione > Não terminado

2. Verifique se existem resultados A. de trabalho > Revisão de resultados


inválidos. Seleccione > Não aceite

3. Verifique se existem resultados não A. de trabalho > Revisão de resultados


transmitidos. Seleccione > Não enviado para
(Apenas se trabalhar com um sistema host
host.)

4. Inicie o assistente de Final do turno. Visão geral > Final do turno

5. Efectue a cópia de segurança diária. Utilitários > Exportar > Base de dados

6. Exporte os resultados completos. Utilitários > Exportar > Resultados

7. Limpar a base de dados. A. de Trabalho > Pedidos >

A. de trabalho > Revisão de resultados>

A. de trabalho > Estado CQ >

A. de trabalho > Histórico CQ >

A. de trabalho > Calibrações >

8. Efectue as acções de manutenção Utilitários > Manutenção


pendentes.
9. Substitua as cuvetes. Visão geral >

10. Verifique os reservatórios de fluidos Visão geral > >


externos.
11. Remova o disco de reagentes (no Visão geral > >
caso de último turno).
12. Termine a sessão no sistema. Botão de Visão geral > com o seu nome de
operador
13. Encerre o sistema e n/a
desligue o analisador (se for o último
turno).
Tabela B-1 Visão geral das tarefas do funcionamento diário (Continued)

Trabalhar com um sistema host

A comunicação com o analisador é definida durante a instalação.


e Para uma visão geral sobre como trabalhar com o sistema host, ver Conectividade ao host
na página A-35.

Roche Diagnostics
B-10 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Iniciar o turno

Iniciar o turno

O início do turno inclui as tarefas desde ligar o analisador até ao momento em que se
inicia a sessão.
As várias tarefas são descritas na ordem pela qual devem ser efectuadas.

Ligar o analisador

Condições prévias
Antes de ligar o analisador, certifique-se de que as seguintes condições prévias são
cumpridas:
o Todas as tampas estão fechadas.
o Os reservatórios externos de fluidos encontram-se conectados.
o A área de amostras está vazia.

a Ligar o analisador
1 No interruptor basculante (A), prima I para baixo.

O sistema executa verificações internas e rotinas.


A fase de inicialização poderá demorar alguns minutos. Durante este tempo é
apresentado um ecrã de apresentação.

Aguarde que o sistema fique no estado Em espera.

Quando o sistema estiver pronto para o início de sessão é exibido o separador


Visão geral.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-11
5 Funcionamento diário cobas c 111
Iniciar o turno

Iniciar sessão no sistema

a Para iniciar sessão no sistema


1 Prima Iniciar sessão.
É exibido um ecrã para que possa escrever o seu nome de operador.
e Para informação sobre como digitar texto, ver Escrever texto na página A-80.

O nome do operador e a senha são sensíveis a maiúsculas e minúsculas. Isto significa


que, por exemplo, Operador e operador são dois nomes diferentes.

2 Digite o seu nome de operador.


Utilize caracteres do teclado alfanumérico (maiúsculas e minúsculas).
Logo que tenha digitado o primeiro carácter do seu nome de operador, o sistema
procura um nome que comece com estes caracteres e, se encontrar um, exibe o
nome completo.
3 Prima .
É exibido um ecrã para que possa escrever a senha.
4 Digite a sua senha.
Utilize caracteres do teclado alfanumérico (maiúsculas e minúsculas).
(Por motivos de segurança não pode ver os verdadeiros caracteres que estão a ser
escritos.)
5 Prima .
O separador Visão geral é novamente exibido.

Roche Diagnostics
B-12 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Preparar o sistema

Antes de iniciar a análise das amostras é necessário preparar o sistema. A preparação


do sistema inclui tanto as acções do operador como as acções executadas
automaticamente pelo sistema, tais como o aquecimento do anel de cuvetes ou o
arrefecimento do refrigerador dos reagentes. O processo está concebido de modo a
que a intervenção do operador seja necessária principalmente no início e no final da
fase de preparação. Deste modo, o operador não necessita de permanecer junto ao
analisador durante todo o tempo.
O modo mais fácil de realizar as tarefas de preparação diárias é seguir o assistente de
Preparação.

Intervenção de prevenção durante o processamento das amostras


Ao efectuar conscienciosamente todos os passos da preparação, reduz consideravelmente
a possibilidade de ter de intervir durante o funcionamento de rotina.

Seguir os passos sugeridos pelo assistente


É guiado ao longo do processo de preparação pelo assistente da preparação. Esta
sequência de ecrãs apresenta as acções que devem ser efectuadas e em que ordem.

Omitir um passo
Pode omitir um passo. Antes de o fazer, lembre-se das consequências. Em muitos casos, a
omissão de um passo significa simplesmente o adiamento da tarefa para uma altura mais
conveniente. Em outros casos, omitir um passo pode evitar que o sistema efectue uma
análise; por exemplo, se optar por não substituir um reagente que esteja baixo, o teste que
utiliza este reagente pode não ter reagente suficiente para ser efectuado.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-13
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Guia resumido

A tabela seguinte fornece uma visão geral dos passos que constituem o processo de
preparação.
Passo Acção do operador
1 Inicie o assistente de prepara- 1. No separador Visão geral prima Prepara-
ção. ção.

2 Verifique o estado dos reserva- 1. Volte a encher o reservatório de água, caso


tórios externos. seja necessário, e confirme pressionando o
botão de água. (Ao reabastecer a água, esva-
zie também o reservatório de esgoto.)
2. Esvazie o reservatório e confirme pressio-
nando o botão de esgoto.
3. Substitua o frasco de cleaner, caso seja
necessário, e confirme pressionando o botão
do cleaner.
4. Prima para proceder à próxima fase
do assistente de Preparação.

3 Efectue as acções de manu- 1. Verifique quais as acções de manutenção


tenção pendentes. que estão pendentes.
2. Efectue as ISE.
Efectue pelo menos todas as acções de
manutenção vermelhas.
3. Prima para proceder à próxima fase
do assistente de Preparação.

4 Preparar o disco de reagentes. 1. Escolha .


2. Abra a tampa principal.
3. Remova o disco do respectivo recipiente.
4. Coloque o disco no equipamento. Certifique-
se de que os indicadores de setas na tampa
do disco de reagentes ficam na frente.
5. Feche a tampa principal.
De pois do equipamento ter lido a ID do
disco, aparece um ecrã a indicar o estado do
reagente.

Tabela B-2 Passos para a preparação do sistema

Roche Diagnostics
B-14 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Passo Acção do operador


5 Preparar os reagentes. Tenha em atenção todos os botões vermelhos e
amarelos.
1. Prima um botão de reagente para verificar os
detalhes.
Substitua os reagentes vazios.
2. Prima .
3. Abra a tampa principal
4. Remova o frasco.
5. Prima para confirmar.
6. Remover os restantes frascos do conjunto.
7. Prima para confirmar.
8. Prima .
9. Coloque um novo frasco.
10. Prima para confirmar.
11. Carregue os frascos restantes do conjunto.
12. Prima para proceder à próxima fase
do assistente de Preparação.

6 Preparar as cuvetes. Para evitar erros de regulação de tempo, certifi-


que-se de que todas as posições de segmento
de cuvetes disponíveis estão cheias.
Substitua sempre qualquer segmento de cuvete
totalmente usado. Um segmento de cuvete
usado parcialmente não tem de ser substituído.
Substitua todos os segmentos de cuvetes verme-
lhos.
1. Prima o botão do segmento de cuvete.
2. Abra a tampa principal.
3. Substitua os segmentos de cuvetes.
4. Prima para confirmar a substituição.
5. Substitua os restantes segmentos que neces-
sitem de substituição.
6. Prima para proceder à próxima fase
do assistente de Preparação.
Tabela B-2 Passos para a preparação do sistema

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-15
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Passo Acção do operador


7 Efectuar a agitação de reagen- 1. Seleccione o(s) teste(s).
tes. 2. Prima .

8 Efectuar calibrações. Efectue as calibrações.


1. Verifique a selecção de testes.
2. Prima .
3. Coloque os calibradores.
4. No ecrã de substituição prima .
5. Prima .
6. Valide os resultados.

Tabela B-2 Passos para a preparação do sistema

Iniciar o assistente da preparação

a Para iniciar o processo de preparação


1 Seleccione Utilitários > Preparar.

Roche Diagnostics
B-16 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Verificar o estado dos reservatórios externos de fluidos

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.
o Infecção por solução de esgoto na página B-5.
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.

Os reservatórios externos de fluidos encontram-se colocados numa rack.

A B C

A Frasco de cleaner (tampa vermelha) C Reservatório de esgoto (amarelo)


B Reservatório de água (branco)

Figura B-1 Frascos externos de fluidos

O estado dos três reservatórios é apresentado no mesmo ecrã:

Figura B-2

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-17
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

a Para verificar o reservatório de água


1 Verifique o botão de água.

Já não há água no reservatório. (Um sensor de fluidos detectou que não tem
água no reservatório de água.)
É necessário proceder-se à substituição da água imediatamente. Não podem
ser processados novos testes, os testes iniciados podem ter de ser reiniciados
após o enchimento.

O reservatório de água foi enchido pela última vez há mais de um dia.


Deve verificar o nível de água e reabastecer se for necessário.

Não é necessária qualquer acção.

O sistema não controla o nível de enchimento. Cabe ao operador encher o reservatório


de água regularmente.

2 Reabasteça a água, caso seja necessário.

Perigo de resultados incorrectos devido à qualidade inadequada da água


A qualidade inadequada da água pode provocar resultados incorrectos. Utilize sempre
ADVERTÊNCIA água purificada da qualidade especificada na secção Especificações técnicas.

o Remova o adaptador da tubagem do reservatório branco de água e coloque-o


sobre uma superfície limpa.
o Reabasteça o frasco com água purificada.
o Insira o adaptador da tubagem. Prima para baixo com firmeza.
3 No ecrã que apresenta o estado do reservatório prima o botão de água para
confirmar que reabasteceu a água.
4 A Roche recomenda o esvaziamento do reservatório de esgoto sempre que o
reservatório de água seja reabastecido.
e Ver Para verificar o reservatório de esgoto na página B-19.

Ao reabastecer a água sem utilizar o assistente de preparação:


Seleccione Visão geral > > .

Roche Diagnostics
B-18 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

a Para verificar o reservatório de esgoto


1 Verifique o botão de esgoto.

O reservatório de esgoto foi esvaziado pela última vez há mais de um dia.


Deve verificar o nível de esgoto e esvaziá-lo se for necessário.

Não é necessária qualquer acção.

O sistema não controla o nível de enchimento. Cabe ao operador esvaziar o reservatório de


esgoto regularmente.

2 Esvazie o reservatório de esgoto, caso seja necessário.

o Tenha pronto o reservatório de esgoto sobressalente.


O sistema efectua periodicamente acções de lavagem. Por isso, o reservatório
externo de esgoto deve estar permanentemente ligado.
o Remova o adaptador da tubagem do reservatório amarelo de esgoto e coloque-
o no reservatório sobressalente.
o Remova o reservatório do suporte e coloque-o numa superfície firme e
regular.
o Coloque o reservatório sobressalente sobre o suporte.
o Verifique se o adaptador da tubagem está devidamente inserido.
o Esvazie o reservatório de esgoto removido. Trate o fluido como resíduo de
risco biológico.
o Enxagúe o reservatório com água e deixe secar.
3 No ecrã que apresenta o estado do reservatório prima o botão do esgoto para
confirmar que esvaziou o reservatório.

Ao esvaziar o esgoto sem utilizar o assistente de Preparação:


Seleccione Visão geral > > .

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-19
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

a Para verificar o frasco de cleaner


1 Verifique o botão do cleaner.

Um sensor de fluidos detectou que não há cleaner na tubagem do analisador.


É necessário proceder à substituição do frasco de cleaner imediatamente. Não
podem ser processados novos testes, os testes iniciados podem ter de ser
reiniciados após a substituição do frasco.

O nível de cleaner está baixo, a 10% ou inferior. Ver a indicação de %.

Não é necessária qualquer acção.

2 Substitua o frasco de cleaner, caso seja necessário.

o Remova o adaptador da tubagem do frasco de cleaner e coloque-o sobre uma


superfície limpa e não corrosiva.
o Elimine o frasco.
o Retire a tampa do novo frasco.
o Coloque o novo frasco no suporte.
o Insira o adaptador da tubagem e prima-o com firmeza para baixo.
3 No ecrã que apresenta o estado do reservatório prima o botão de cleaner para
confirmar que substituiu o frasco de cleaner.
A monitorização do nível do frasco de cleaner é baseada no número de acções de
limpeza e de pipetagem efectuadas. O contador é reposto quando o botão de
cleaner for pressionado. Certifique-se que só prime o botão quando já tiver
substituído o frasco.
4 Prima para proceder à próxima fase do assistente de Preparação.

Ao substituir o cleaner sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione Visão geral > > .

Roche Diagnostics
B-20 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Efectuar acções de manutenção

As acções de manutenção devem ser efectuadas periodicamente ou após


determinados eventos.
Para assegurar o funcionamento perfeito do sistema, deve efectuar acções de
manutenção como parte das actividades de preparação ou das actividades de final do
turno.
e Para informação sobre a programação de acções de manutenção, ver Programar acções de
manutenção na página B-174.

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página C-8.

Se interromper a realização de uma acção de manutenção pendente, o seu estado perma-


necerá como pendente e terá posteriormente de voltar a realizar a acção na sua totalidade.

a Para efectuar acções de manutenção

Verificar quais as acções de 1 Verifique as cores das acções de manutenção.


manutenção que estão
pendentes A B

A Nome da acção de manutenção. C Utilize a barra de deslocamento para apre-


B Datas previstas, por ordem ascendente. sentar as acções de manutenção que
estão actualmente ocultas.

Figura B-3

As acções de manutenção são ordenadas por data até à qual a manutenção deve
ser efectuada. Utilize estas datas para planear as acções de manutenção, por
exemplo, para pedir os materiais necessários.

Interpretar as cores O intervalo definido para a manutenção expirou. Efectuar esta acção de
manutenção agora. O sistema pode não ser capaz de funcionar até que esta
acção tenha sido efectuada.

Esta acção de manutenção deve ser efectuada no dia de manutenção alargada


seguinte.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-21
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Actualmente não é necessária qualquer acção.

Esta acção de manutenção está seleccionada.

Efectuar as acções de 2 Seleccione a acção de manutenção que pretende efectuar.


manutenção
A linha seleccionada fica azul.

Resultados incorrectos ou paragens no processamento devido à omissão de


acções de manutenção
ADVERTÊNCIA Não efectuar as acções de manutenção pendentes pode provocar situações em que o
sistema não consiga continuar a processar pedidos ou possa provocar resultados
incorrectos. Se for possível, efectue as acções de manutenção quando estas estão
pendentes.

3 Prima .
É apresentado um ecrã de definição da manutenção.
e Para informação sobre como efectuar acções de manutenção individuais, ver Capítulo
8 Manutenção geral.

4 Prima para iniciar a acção.


5 Siga as instruções apresentadas no ecrã.
6 Efectue a próxima acção de manutenção pendente.
7 Quando tiver terminado as acções de manutenção, prima para prosseguir
para a próxima fase no assistente.

Ao reabastecer a água sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione Utilitários > Manutenção.

Roche Diagnostics
B-22 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Preparar o disco de reagentes

O disco de reagentes comporta frascos de reagentes e de diluente. Durante os


períodos em que não está a realizar testes, por exemplo, durante a noite ou nas férias,
o disco de reagentes é colocado no recipiente do disco de reagentes e armazenado
num local refrigerado. Os reagentes devem ser armazenados a temperaturas entre 2 e
8 °C.

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.

Derrame devido a inclinação do disco de reagentes


O recipiente do disco de reagentes pode escorregar ou inclinar-se se não estiver colocado
ATENÇÃO sobre uma superfície regular e horizontal.
Ao guardar o recipiente do disco de reagentes, certifique-se de que o coloca sobre uma
superfície firme, regular e horizontal que esteja facilmente acessível.
Ao manusear o disco de reagentes certifique-se de que não o inclina.

a Para carregar o disco de reagentes


1 Tire o disco de reagentes do frigorífico e retire-o do respectivo recipiente.
2 No ecrã Visão geral escolha e depois escolha
3 Abra a tampa principal.
4 Coloque o disco de reagentes no equipamento.
Certifique-se de que os indicadores de setas na tampa do disco de reagentes ficam
virados para a frente e alinhe os recortes com as respectivas contrapartes no rotor
do analisador.
f É apresentado um ecrã a solicitar que feche a tampa principal.
5 Fechar a tampa principal.
f O equipamento efectua a leitura da ID do disco de reagentes e indica o estado dos
conjuntos de reagentes.

Ao manusear o disco de reagentes sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione Visão geral > .

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-23
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Preparar os reagentes

Os reagentes são processados em conjuntos. O conjunto consiste em até três


reagentes. Se, por exemplo, um frasco de reagente de um conjunto estiver vazio,
todos os reagentes do conjunto devem ser substituídos. O sistema utiliza apenas
reagentes de conjuntos completos.
No ecrã, cada conjunto é representado por um botão separado.

Utilize reagentes do mesmo lote, se for possível


Ao substituir um novo conjunto de reagentes, tente utilizar um do mesmo lote do anterior.
Deste modo evita a realização de uma calibração.

Frascos de diluente e de cleaner


Um frasco adicional de diluente ou de cleaner é considerado um conjunto. Os cleaners e
diluentes adicionais estão comportados no mesmo tipo de frasco utilizado para os reagen-
tes. O seu manuseamento é o mesmo. Em seguida é descrito o procedimento para reagen-
tes.

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.
o Perda da visão na página B-6.
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.

Resultados incorrectos devido ao declínio da qualidade dos reagentes


A qualidade de uma medição pode diminuir devido ao declínio da qualidade dos reagen-
ADVERTÊNCIA tes. Isto pode provocar resultados incorrectos.
Certifique-se que utiliza reagentes cujo prazo de validade ainda não tenha expirado.

Resultados incorrectos devido a diluição do reagente por condensação


Em condições ambientais de alta temperatura e humidade pode acumular-se condensa-
ção dentro dos frascos de reagente. Isto provoca a diluição do reagente.
Nessas condições, e quando não estiver a efectuar testes, especialmente se observar con-
densação no disco de reagentes ou no refrigerador de reagentes, remova o disco de rea-
gentes do analisador e coloque-o no recipiente do disco de reagentes. Feche o recipiente
com a respectiva tampa e coloque-o no frigorífico.

Resultados incorrectos devido a condensação no frigorífico de reagentes


Em condições ambientais de alta temperatura e humidade pode acumular-se condensa-
ção no refrigerador de reagentes. A água derramada sobre a unidade do analisador pode
entrar nas cuvetes ao remover o disco de reagentes.
Em condições ambientais de alta temperatura e humidade limpe periodicamente a água
de condensação existente no refrigerador de reagentes.

Roche Diagnostics
B-24 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Resultados incorrectos devido ao manuseamento inadequado dos reagentes


A remoção e a colocação de reagentes com o disco de reagentes fora do analisador
podem provocar inconsistências entre os reagentes registados e os reagentes fisicamente
colocados e, consequentemente, resultados incorrectos.
Remova e coloque sempre os reagentes enquanto o disco de reagentes se encontra no
analisador e utilizando os procedimentos suportados pelo software.

AVISO Danos no disco de reagentes


O disco de reagentes foi concebido para manusear os reagentes enquanto está colocado
no analisador. A tampa está equipada com um mecanismo de fecho.
Remova e coloque sempre os reagentes enquanto o disco de reagentes se encontra no
analisador e utilizando os procedimentos suportados pelo software.

Verificar o estado dos conjuntos de reagentes


Existem dois modos principais de verificar o estado dos conjuntos de reagentes:
o Para obter uma visão geral do estado de todos os reagentes que estão definidos no
disco, use Utilitários > Inventário.
e Para informação sobre a eliminação dos conjuntos de reagentes da lista do Inventário,
ver Eliminar conjuntos de frascos da lista Inventário na página B-135.
o Para verificar o estado dos conjuntos de reagentes individuais, use o ícone de
testes Visão geral > Testes.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-25
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

a Para obter uma visão geral dos conjuntos de reagentes definidos


actualmente
1 Seleccione Utilitários > Inventário.
A lista de Conjuntos de frascos é exibida. Esta contém todos os conjuntos de
frascos que estão definidos em qualquer um dos discos utilizados neste analisador
cobas c 111, incluindo os conjuntos que foram removidos do disco, a menos que
estivessem vazios ou o seu prazo de validade tenha expirado.

A B

A Número de testes restantes C R indica que o conjunto foi removido do


B ID do disco de reagente em que o con- disco.
junto está definido

Figura B-4

2 Seleccione um conjunto e prima .


É apresentada uma caixa de diálogo que contém informação detalhada do
conjunto.
3 Prima .
É apresentada uma caixa de diálogo que contém informação do conjunto, da
calibração e do CQ.
4 Prima para fechar as caixas de diálogo até que o separador Utilitários seja
exibido.

a Para verificar o estado dos conjuntos de reagentes


1 Seleccione Visão geral > .
2 Verifique as cores dos botões dos conjuntos de reagentes.

Roche Diagnostics
B-26 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

B C

A Prima para adicionar um conjunto de C O número indica a quantidade de posições


reagentes. livres no disco.
B Prima para apresentar o conteúdo numa
tabela.

Figura B-5

Interpretar as cores Cor Significado Acções possíveis


Não podem ser efectuados testes com
este conjunto de reagentes.
O número de testes disponíveis é 0. Substitua o conjunto de reagentes.
O conjunto está incompleto. Adicione o reagente em falta.
O teste necessita de calibração. Efectue a calibração.
Restam menos de 10% de testes neste Coloque um novo conjunto de rea-
conjunto. gentes logo que seja possível.
O prazo de validade expirou.
Um CQ está pendente ou o seu resul- Realize um CQ logo que possível ou
tado ainda não foi aceite. aceite o resultado
Foi importada uma versão mais Instale a nova versão da aplicação para
recente da aplicação. começar a trabalhar com a mesma.
Teste dos development channels sem Active o ciclo de lavagem extra.
programação de lavagens extra. A Roche recomenda vivamente a utili-
zar sempre ciclos de lavagem extra
com aplicações de Development
Channels e também de instalar sempre
cleaner extra quando são utilizados
testes com lavagens extra.
Pronto a utilizar. Actualmente não é necessária qual-
quer acção.
Não existe nenhuma aplicação que Adicione a aplicação em falta.
utilize este conjunto de reagentes.
Não está instalado um diluente ou Instale o diluente/cleaner em falta.
cleaner necessário.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-27
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Exibir informação detalhada 3 Prima um botão dos reagentes.


sobre um conjunto de reagentes
É apresentado um ecrã que apresenta os detalhes sobre o reagente seleccionado.

A Descrição do estado

Figura B-6

Preparar reagentes
Durante a preparação substitui normalmente os reagentes que estão vazios ou cujo
prazo de validade tenha expirado ou adiciona novos reagentes.

Resultados incorrectos devido a impurezas e transmissão


Os vestígios dos analitos ou reagentes podem ser transmitidos de um teste para o outro ao
ADVERTÊNCIA reutilizar tampas dos frascos.
Não remova frascos de reagentes que não estejam vazios com o propósito de os voltar a
colocar mais tarde.

a Para preparar os reagentes


1 Seleccione Visão geral > Testes .

Preparar o conjunto de 2 Vá buscar os conjuntos de reagentes que deseja adicionar ou substituir.


reagentes
Ao substituir um conjunto de reagentes, tente utilizar um do mesmo lote do
anterior. (Deste modo, se trabalhar com a sequência de calibração Cada lote e
intervalo evita ter de realizar uma calibração.)

Remover um conjunto de 3 Prima .


reagentes
4 Seleccione o reagente que deseja eliminar.
5 Prima .
O sistema move o primeiro frasco do conjunto para a porta de reagentes.
6 Aguarde até que o LED da tampa principal fique verde.
É apresentada uma mensagem a solicitar que se abra a tampa principal e que se
remova o frasco.

Roche Diagnostics
B-28 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

7 Abra a tampa principal e remova o frasco.

8 Prima para confirmar a remoção.


O sistema não verifica se realmente removeu o frasco.
9 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Há outro frasco que pertence O sistema move este frasco para a porta de reagentes. É
ao conjunto: apresentado um ecrã a solicitar que se remova o disco.
1. Remova o frasco.
2. Prima para confirmar a remoção.
3. Comece a adicionar o novo conjunto de reagentes.
Todos os frascos do conjunto 1. Comece a adicionar o novo conjunto de reagentes.
foram removidos:

O ecrã com os botões do conjunto de reagentes é novamente exibido. O botão do


conjunto removido já não é apresentado. Se não remover todos os frascos do
conjunto, o conjunto de reagentes é desactivado e o botão fica vermelho.

Adicionar um conjunto de
reagentes

Antes de adicionar um conjunto, verifique o número à esquerda do botão , este


indica a quantidade de posições livres no disco. Se este número for inferior ao número
de frascos do conjunto, tem de adicionar, remover primeiro um conjunto. Para o
número de frascos num conjunto, consulte a respectiva folha de método.

10 Abra a tampa principal, caso seja necessário.


11 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que se efectue a leitura do código de barras do
frasco.
12 Faça a leitura do código de barras do frasco.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-29
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Ao fazer a leitura, tenha o seguinte em mente:


o A leitura do código de barras é o único modo de identificar um frasco de reagente,
diluente ou cleaner.
o Se não houver suficientes posições livres para todos os frascos do conjunto, o ope-
rador será informado mediante uma mensagem.
o Não se pode voltar a inserir frascos vazios que tenham sido anteriormente removi-
dos do sistema. Se fizer a leitura de um destes frascos, uma mensagem informará o
operador sobre isto.

É apresentado um ecrã a solicitar que coloque o frasco no disco de reagentes.

Limite de tempo para a colocação de frascos


o O sistema assume que se coloca o frasco de cujo código se acabou de fazer a lei-
tura.
o Deve colocar o frasco de reagente no disco de reagentes num prazo de 15 segun-
dos a partir da leitura do código de barras do reagente. A omissão da confirmação
da colocação no prazo de 15 segundos cancela o processo de identificação actual.
Será solicitado para voltar a efectuar a leitura do frasco.

Resultados incorrectos devido à não colocação de reagentes identificados


O sistema assume que o operador coloca o reagente que acabou de identificar. Se isto
ADVERTÊNCIA não se verificar, podem ser criados resultados errados.

13 Remova a tampa do frasco e coloque-a no compartimento dos reagentes.


14 Prima para confirmar a inserção.
Se confirmar sem colocar o frasco, o sistema assume que o frasco foi colocado.
Se pressionar após ter colocado o frasco, a posição é posta de parte como
estando vazia.
O conjunto de reagentes é definido quando o primeiro frasco de reagentes é
colocado. A partir deste momento, os reagentes são manuseados como parte do
conjunto. Já não os manuseia como reagentes individuais.
15 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Há outro frasco que pertence É apresentado um ecrã a solicitar que se efectue a leitura
ao conjunto: do frasco.
1. Fazer a leitura do código de barras do frasco
2. Insira o frasco.
3. Prima para confirmar a inserção.
Todos os frascos do conjunto 1. Fechar a tampa principal.
foram inseridos: No ecrã com os botões dos conjuntos de reagentes, o
botão para o novo conjunto está agora presente.

16 No ecrã com os botões dos conjuntos de reagentes, prima o botão do conjunto


que acabou de inserir.
É apresentado um ecrã que apresenta os detalhes sobre o conjunto.
A descrição do estado aponta a medida que deve ser tomada. Se acabou de inserir
um conjunto de reagentes, pode necessitar de efectuar a calibração inicial e o CQ.

Roche Diagnostics
B-30 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

A Descrição do estado

Figura B-7

17 Prima .
18 Quando tiver terminado a adição e a substituição dos conjuntos de reagentes,
prima para prosseguir para a próxima fase no assistente da preparação.

Ao processar os conjuntos de reagentes sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione Visão geral > .

Preparar as cuvetes

As cuvetes são fornecidas e manuseadas em segmentos de cuvetes. Cada segmento


contém dez cuvetes. Os segmentos são colocados no anel de cuvetes do rotor.
e Para informação relativa aos segmentos de cuvetes, ver Segmentos de cuvetes na
página A-57.
Para informação relativa ao anel de cuvetes, ver Anel de cuvetes na página A-63.

Cada segmento no anel de cuvetes é representado por um botão no ecrã.


Para evitar erros de regulação de tempo, certifique-se de que todas as posições de
segmento de cuvetes disponíveis estão cheias. Substitua sempre qualquer segmento
de cuvete totalmente usado. Um segmento de cuvete usado parcialmente não tem de
ser substituído.

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.
o Infecção por solução de esgoto na página B-5.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-31
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

a Para preparar as cuvetes

Verificar o estado das cuvetes 1 Verifique as cores dos botões dos segmentos de cuvetes.
Pode renovar o ecrã das cuvetes pressionando . (Se houvesse pedidos
pendentes, isto também iniciaria o seu processamento.)

Interpretar o ecrã O número no botão indica quantas cuvetes estão livres para serem utilizadas.

Ícone Significado Acções possíveis

Todas as cuvetes estão usadas. Substitua o segmento.

Até duas cuvetes estão livres para


serem utilizadas.

Mais de duas cuvetes estão livres para Actualmente não é necessária


serem utilizadas. qualquer acção.

Substituir segmentos de cuvetes 2 Prima um botão de segmento.


É apresentado um ecrã a informar que o sistema está pronto para processar as
cuvetes.
3 Aguarde até que o LED da tampa principal fique verde.
4 Abra a tampa principal.
5 Remova o segmento e trate-o como resíduo de risco biológico.

Resultados incorrectos devido a cuvetes riscadas ou sujas


Os riscos ou as impurezas nas cuvetes distorcem as medições.
ADVERTÊNCIA Não toque nas cuvetes e certifique-se de que não toca noutros itens ao manuseá-las.

6 Insira um novo segmento de cuvetes.


7 Prima para confirmar a substituição.
(Prima se tiver removido o segmento sem o substituir.)
8 Efectue uma das seguintes acções:

Roche Diagnostics
B-32 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

Se Faça isto
Deseja substituir outro segmento: Efectue os passos 2 a 7.
Este foi o último segmento que desejava tro- Fechar a tampa principal.
car:

9 Quando tiver terminado a substituição dos segmentos de cuvetes, prima


para prosseguir para a próxima fase no assistente da preparação.

Para substituir os segmentos de cuvetes sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione Visão geral > . O sistema deve estar no estado Em espera.

Efectuar a agitação de reagentes

Os reagentes que contêm grânulos de látex, por exemplo, os D-Dímeros, requerem


uma agitação periódica. O intervalo de agitação faz parte das definições da aplicação e
não pode ser alterado ou eliminado pelo operador. O sistema verifica a cada 30
minutos se existem conjuntos de reagentes a necessitarem de agitação.
Dentro da fase de preparação é exibido um ecrã que lista todos os conjuntos de
reagentes para os quais foi definido um intervalo de agitação.

a Para efectuar a agitação


1 Seleccione os conjuntos de reagentes que deseja homogeneizar.
Se estiver a trabalhar com o assistente da preparação, os conjuntos de reagentes
que necessitam de agitação são automaticamente seleccionados.
2 Prima .
A agitação inicia-se. É apresentado um ecrã a informar sobre o progresso da acção
de agitação.
(Se houver mais de um frasco no conjunto com um intervalo de agitação definido,
este também será homogeneizado, independentemente de esta estar pendente ou
não.)
3 Quando a agitação tiver terminado, prima para fechar o ecrã.
4 Prima para proceder à próxima fase do assistente de Preparação.

Ao homogeneizar reagentes sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione Visão geral > . Prima o botão do conjunto de reagentes e em seguida
. O sistema deve estar no estado Em espera.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-33
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Efectuar as calibrações (fase de preparação)

Nesta fase, o sistema verifica quais as calibrações pendentes.


e Para uma visão geral da calibração, ver Calibração na página A-28.
Para efectuar calibrações individuais, ver Efectuar calibrações na página B-65.

Por defeito, todas as calibrações pendentes ou que vão ficar pendentes dentro do
período de previsão são tidas em consideração durante a fase de preparação.

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.

Inflamação cutânea causada por reagentes


O contacto directo com reagentes pode causar irritação cutânea, inflamação ou queima-
ADVERTÊNCIA duras.
Ao manusear reagentes, certifique-se de que usa equipamento de protecção e tenha em
consideração as precauções indicadas nas folhas de método.

Resultados incorrectos devido a calibração expirada


As calibrações são efectuadas para compensar as alterações que ocorrem ao longo do
tempo em reagentes e nos sistemas de medição. A omissão das calibrações quando estão
pendentes podem provocar resultados incorrectos.
Certifique-se de que efectua as calibrações quando estas estão pendentes.

Resultados incorrectos devido a uma colocação errada do tubo


Certifique-se de que coloca os calibradores nas posições especificadas.

Roche Diagnostics
B-34 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

a Para efectuar as calibrações


É apresentado um ecrã que apresenta todos os testes activos.

Verificar quais as calibrações 1 Verifique as cores dos botões de teste.


que são necessárias

A B

A Pressionar para seleccionar a selecção de B Pressionar para seleccionar a selecção de


todos os testes que necessitam de todos os testes que necessitam de
calibração calibração dentro do período de previsão.

Figura B-8

Interpretar as cores Cor Significado Acções possíveis


Não podem ser medidos testes de
amostras. As razões possíveis são:
É necessário efectuar a calibração ini- Efectue a calibração.
cial.
A calibração falhou. Verifique o alarme para descobrir o
motivo da calibração ter falhado.
Repita a calibração, se necessário.
A calibração foi efectuada com Valide os resultados da calibração.
sucesso, mas os seus resultados ainda
não foram aceites.
O CQ está pendente. Efectue o CQ o mais brevemente pos-
sível.
A calibração está OK. Os seus resul- Actualmente não é necessária qual-
tados foram aceites. quer acção.
A calibração está OK. Isto aplica-se a Actualmente não é necessária qual-
um conjunto de reagentes que não quer acção.
está activo.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-35
5 Funcionamento diário cobas c 111
Preparar o sistema

Modificar selecções Por defeito, todos os testes, cuja calibração fica pendente imediatamente ou
dentro do período de previsão, são automaticamente seleccionados. Pode
cancelar estas selecções pressionando , ou um botão de teste.
Se não efectuar uma calibração pendente, o teste em causa é bloqueado e não
poderá efectuar este teste.

Efectuar calibrações 2 No ecrã que apresenta os testes, prima .


É apresentado um ecrã que lista todos os calibradores necessários e que mostra
em que posição estes devem ser colocados.

A C B

A Posição na área de amostras onde se deve D Não existem posições vazias suficientes, o
colocar o calibrador. sistema sugere utilizar as posições
B Número do lote ocupadas.
C Calibrador com a concentração mais alta E Calibrador com a concentração mais baixa

Figura B-9

o O sistema utiliza primeiro as posições livres, se não existirem posições livres sufi-
cientes são sugeridas posições ocupadas. Nessas deve substituir os tubos actual-
mente instalados por tubos de calibrador.
o Nos testes de absorvância que requerem vários calibradores, os calibradores são
colocados de acordo com a respectiva concentração, começando pela concentra-
ção mais alta.

Os calibradores com várias concentrações são listados de acordo com a respectiva


concentração, começando pelo calibrador com a concentração mais elevada. São
apresentados da seguinte forma:

Número de calibradores Informação apresentada


1 Posição, nome, número do lote
2 1. Posição, nome, mais alto
2. Posição, nome, número do lote
Mais de 2 1. Posição, nome, mais alto
2. Posição, nome, número do lote
3. …
4. Posição, nome, mais baixo

Roche Diagnostics
B-36 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Preparar o sistema

3 Prepare os calibradores.
4 Coloque os calibradores nas posições da área de amostras indicadas na lista de
colocações.
5 Prima para confirmar a colocação.
6 Prima para iniciar a calibração.
7 Seleccione A. de trabalho > Calibrações para verificar o estado das calibrações.

Validar os resultados 8 Valide os resultados.


e Ver Validar resultados da calibração na página B-71.

Ao efectuar calibrações sem utilizar o assistente da preparação:


Seleccione A. de trabalho > Calibrações > .

Fim da fase de preparação O analisador está pronto para a análise de amostras.


O operador pode desejar efectuar o CQ antes de analisar amostras.
e Ver Efectuar o CQ na página B-75.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-37
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Analisar amostras

Informação de segurança

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.
o Perda da visão na página B-6.

Resultados incorrectos devido a uma preparação inadequada da amostra


Os espécimes que contenham coágulos podem obstruir a agulha. Os espécimes que con-
ADVERTÊNCIA tenham bolhas ou espuma podem causar erros na detecção do nível e pipetagem de ar.
Consequentemente, podem ser gerados resultados incorrectos.
Tome o devido cuidado ao preparar as amostras.

Resultados incorrectos devido a fluido insuficiente


Fluido insuficiente pode provocar uma pipetagem inexacta e, consequentemente, resulta-
dos incorrectos.
Encha sempre os tubos com fluido suficiente de modo que reste pelo menos o volume
morto definido quando a pipetagem terminar.
e Ver Tubos na página A-56.

Tempo limite para a colocação de amostras


O sistema assume que se coloca o tubo de amostra que acabou de identificar.
Deve-se colocar a amostra na área de amostras num prazo de 10 segundos após ter con-
firmado a selecção do pedido. A omissão da colocação do tubo de amostra no prazo de 10
segundos cancela o processo de identificação actual. Será solicitado para voltar a identifi-
car o tubo da amostra.

Roche Diagnostics
B-38 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Guia resumido

A seguinte tabela apresenta uma visão geral das tarefas que o operador efectua
normalmente ao analisar amostras.
Passo Acção do operador
1 Identificar a amostra. Se estiver a trabalhar com códigos de barras de
amostras:
1. Prima Visão geral > Pedidos, ou
A. de trabalho > Pedido >
2. Faça a leitura do código de barras utilizando o
leitor de códigos de barras.

Se estiver a trabalhar sem códigos de barras de


amostras, digite a ID da amostra utilizando o
teclado do ecrã.
1. Prima Visão geral > Pedidos, ou
A. de trabalho > Pedido >
2. Prima .
3. Digite a ID.
4. Prima .

2 Seleccionar os testes, resultados 1. Prima num separador para seleccionar o painel


calculados e perfis. de testes (caso seja necessário).
Este passo não é necessário se a 2. Prima num teste, num resultado calculado ou
definição do fluxo de trabalho num perfil activo para o seleccionar. Prima num
Modo de trabalho for Host. teste seleccionado para cancelar a sua selecção.
(Utilitários > Configuração > 3. Prima .
Fluxo de trabalho.)

3 Colocar a amostra. 1. Coloque a amostra em qualquer uma das


posições livres na área de amostras.
Deve colocar a amostra num prazo de 10 segun-
dos após pressionar .
A omissão da colocação do tubo de amostra no
prazo de 10 segundos cancela o processo de
identificação actual. Será solicitado para voltar a
identificar o tubo da amostra.

4 Inicie o processamento. Prima .

Tabela B-3 Passos para a análise de amostras

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-39
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Passo Acção do operador


5 Valide os resultados. 1. Seleccione A. de Trabalho > Revisão de
resultados.
2. Valide o resultado (Pode aceitar o resultado ou
voltar a efectuar o teste.)

6 Remover as amostras. 1. Prima o separador Visão geral.


2. Verifique o estado do botão do tubo da amostra
que corresponde à amostra que deseja remover.
3. Se o botão do tubo da amostra estiver verde
remova-o.

Tabela B-3 Passos para a análise de amostras

Configuração do sistema e fluxo de trabalho da definição de pedidos

O fluxo de trabalho para a definição de pedidos depende de algumas definições da


configuração:
f Utilitários > Configuração > Fluxo de trabalho

Modo de trabalho O Modo de trabalho define o modo como selecciona os testes ao definir os pedidos.
o Seleccione Manual se utilizar o analisador cobas c 111 como um sistema
autónomo.
Durante a definição dos pedidos é apresentado um ecrã de selecção de testes,
permitindo que o operador seleccione os testes ou que efectue alterações na
selecção.
o Utilize Host se o analisador cobas c 111 estiver ligado a um computador host ou a
um computador que execute a Ferramenta de Impressão cobas c 111.
Os pedidos são automaticamente definidos, o ecrã de selecção de testes não é
exibido. Após a identificação da amostra é pedido ao operador que coloque a
amostra.

Código de barras das amostras Seleccione Ligado se desejar trabalhar com códigos de barras e/ou desejar introduzir
a ID de amostra com o teclado.
Seleccione Off quando desejar trabalhar exclusivamente com o teclado.

Roche Diagnostics
B-40 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Tipo de pedido O tipo de pedido reflecte o modo de organização dos testes no ecrã de selecção de
testes.
Utilize Fácil se os reagentes couberem num ou dois discos de reagentes e se trabalhar
com um painel de testes no ecrã (pode encaixar até 30 testes e perfis neste painel).
Utilize Completo se distribuir os reagentes por vários (até oito) discos de reagentes e
trabalhar predominantemente com grupos específicos de testes, por exemplo, para
situações de emergência ou para testes de diabetes. Pode definir até 25 testes e perfis
em cada painel (separador).
e Ver Atribuir testes a separadores de testes na página B-133.

Proc. amostra ID A ID da amostra é um identificador de até 23 caracteres alfanuméricos que é único


dentro de toda a organização, por exemplo, um hospital. Este não pode ser alterado
após o pedido ter sido guardado. Esta ID é utilizada na comunicação com o sistema
de informação do laboratório.
A ID do pedido é um identificador de até 23 caracteres alfanuméricos que é único
dentro do laboratório. Na prática esta pode ser um número automático seguido pelo
nome do paciente.

Como o espaço para a apresentação de listas no ecrã é limitado, a Roche recomenda que
se limite as IDs a 13 caracteres.

Se trabalhar apenas com uma ID, a ID da amostra é também utilizada como ID do


pedido. Há uma relação fixa entre as IDs da amostra e do pedido. Certifique-se de
que esta ID é única no analisador cobas c 111.
o Utilize ID pedido = ID amostra para que o sistema defina automaticamente a ID
do pedido idêntica à ID da amostra.
o Utilize IDs independentes para definir as IDs de amostra e do pedido
independentemente uma da outra.
o Utilize ID de amostra agrupada para utilizar IDs de pedido e de amostra
idênticos como parte constante de qualquer pedido para uma determinada
amostras e para deixar o sistema acrescentar automaticamente um número
corrente à ID de cada pedido.

ID do pedido auto Seleccione Ligado para incrementar automaticamente o número da ID do pedido em


um sempre que definir um novo pedido. (O operador necessita apenas definir o
número do primeiro pedido do turno.)
Se utilizar Ligado nesta característica, seleccione Desligado para ID do pedido = ID
da amostra.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-41
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Definir pedidos

Condições prévias o Todas as tarefas de preparação estão concluídas.


o Os testes necessários estão instalados no sistema e prontos a utilizar (calibração e
CQ efectuados).
o O estado do sistema é Em espera ou Em operação.
o Pelo menos uma posição de amostras na área de amostras está livre.

o Só pode haver um pedido por teste e amostra.


o Uma possível pré-diluição é pré-definida na definição da aplicação.

Resultados incorrectos devido ao declínio da qualidade da amostra


A evaporação do fluido da amostra pode provocar resultados incorrectos. Em temperatu-
ADVERTÊNCIA ras ambiente de mais de 25°C, certifique-se de que inicia o processamento imediatamente
após a colocação da amostra e da definição do pedido. Quando o processamento do
pedido estiver terminado, certifique-se de que remove imediatamente a amostra da área
de amostras.

Resultados incorrectos devido a fluido insuficiente


Fluido insuficiente pode provocar uma pipetagem inexacta e, consequentemente, resulta-
dos incorrectos.
Encha sempre os tubos com fluido suficiente de modo que reste pelo menos o volume
morto definido quando a pipetagem terminar.
e Ver Tubos na página A-56.

Resultados incorrectos devido a uma colocação inadequada do tubo e da cup


A colocação inadequada do tubo e da cup pode provocar uma pipetagem inexacta e, con-
sequentemente, resultados incorrectos.
Certifique-se de que os tubos primários se encontram colocados centralmente e perfeita-
mente na vertical nos suportes da área de amostras e que estão inseridos com firmeza.
Certifique-se de que os tubos secundários se encontram colocados centralmente nos
tubos primários e que repousam totalmente sobre os mesmos.

AVISO Danos na agulha e mau funcionamento do analisador devido à não remoção das
tampas dos tubos primários
A agulha não foi concebida para furar as tampas dos tubos. Pode ficar danificada se tentar
furar as tampas dos tubos, o que pode provocar o mau funcionamento do analisador.
Remova sempre as tampas dos tubos primários antes de os colocar no analisador.

Roche Diagnostics
B-42 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Definir pedidos de rotina

a Para definir um pedido


1 Seleccione Visão geral > Pedido.
É apresentado um ecrã a solicitar que se identifique a amostra.
2 Identificar a amostra. Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Se trabalha com códigos de barras de amos- Utilize o leitor de códigos de barras para
tras: fazer a leitura dos códigos.
Se não trabalha com os códigos de barras 1. Prima .
das amostras ou se o código de barras não 2. Digite a ID da amostra, em seguida
puder ser lido por qualquer motivo: prima .
3. Digite a ID do pedido, em seguida
prima .
Nota: Este passo só é necessário se a
definição da configuração ID pedido =
ID amostra não estiver seleccionada.

É apresentado um ecrã que apresenta todos os testes, perfis e resultados


calculados activos. Note que todas as aplicações de um perfil ou resultado
calculado devem ser instaladas para que fiquem activas.
(Se a definição do fluxo de trabalho Modo de trabalho for Host, este ecrã não será
exibido. Utilitários > Configuração > Fluxo de trabalho.)

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-43
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

A Quadro de testes do modo fácil, todos os C Quadro de testes do modo completo. Os


testes cabem num ecrã. testes são distribuídos por vários painéis
B Os separadores assinalados com um (separadores).
asterisco contêm testes seleccionados.

Figura B-10

Interpretar as cores O teste está bloqueado por um dos seguintes motivos:


o A calibração falhou.
o É necessário efectuar a calibração inicial.
o Para o conjunto de reagentes, o número de testes disponíveis é 0 ou falta
um frasco de reagente (conjunto de reagentes incompleto).

O prazo de validade do teste expirou.


Sobram apenas alguns testes.
Um CQ está pendente ou o seu resultado ainda não foi aceite.
Foi importada uma versão mais recente da aplicação.
Para um development channel: Um ciclo de lavagem extra está em falta.

Roche Diagnostics
B-44 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

O teste encontra-se no equipamento e pronto a utilizar.

O teste está definido mas não está no equipamento.


Não está instalado um diluente ou cleaner necessário.

Os testes são ordenados alfabeticamente. Os perfis precedem os testes. Os perfis


exibem a cor dos respectivos testes.
3 Seleccione um ou vários testes, perfis e resultados calculados.
Pode seleccionar itens de mais de um separador. (Um item pode estar contido em
mais de um separador. Se for seleccionado num separador, é automaticamente
seleccionado nos outros.)
Os separadores com itens seleccionados estão assinalados com um asterisco (*).
4 Prima para confirmar a selecção.
5 Aguarde até que o LED da área de amostras fique verde. (Certifique-se de que se
mantém afastado da área de amostras enquanto o LED estiver amarelo e a piscar.)
Aparece um ecrã a solicitar que o utilizador coloque a amostra no analisador.
6 Coloque a amostra em qualquer uma das posições livres na área de amostras.

Tempo limite para a colocação de amostras


Deve-se colocar a amostra na área de amostras num prazo de 10 segundos após ter
confirmado a selecção do pedido. A omissão da colocação do tubo de amostra no
prazo de 10 segundos cancela o processo de identificação actual. Será solicitado para
voltar a identificar o tubo da amostra.

Resultados incorrectos devido à não colocação da amostra identificada


O sistema assume que o operador coloca a amostra que acabou de identificar. Se isto
ADVERTÊNCIA não se verificar, podem ser criados resultados errados.

O sistema regista quando o operador coloca a amostra e associa essa posição ao


pedido que acabou de definir.
O ecrã para a identificação de amostras é novamente apresentado. Pode começar
a definir o próximo pedido. (Se não houver posições livres para amostras, é
apresentado o ecrã para a selecção dos testes.)
7 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Existe outro pedido a definir: Identifique a amostra e repita o processo
de definição do pedido.
Não existem mais pedidos a definir: Prima para fechar o ecrã.

8 Prima o botão de acção global para iniciar o processamento.


e Ver Iniciar a execução na página B-49.

Se tiver definido o pedido enquanto o sistema estava a processar pedidos, os


novos pedidos serão automaticamente processados sem pressionar .

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-45
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

o A Roche recomenda vivamente que instale sempre cleaner adicional quando são utili-
zados testes com lavagens extra.
o A Roche Diagnostics Ltd. apenas assume responsabilidade limitada quando o analisa-
dor cobas c 111 é utilizado em conjunto com o Software de Programação de Canais
Abertos cobas c 111. Para informação detalhada sobre este assunto, consulte a última
versão do Formulário de Registo dos Development Channels cobas c 111 e o Manual
do Operador de Development Channels cobas c 111.

Ordem de processamento Quando se começa a processar os pedidos, o pedido da amostra colocada na posição
mais à esquerda na área de amostras é processado primeiro. Os outros seguem em
sequência, da esquerda para a direita. Quando o processamento estiver em progresso,
os pedidos são processados de acordo com a sequência pela qual estão definidos.
As repetições e as reexecuções de pedidos de rotina são efectuadas antes dos pedidos
de rotina.
e Ver Repetir testes na página B-61.
Ver Reexecutar testes na página B-62.

Definir pedidos STAT (URGENTE).


Os pedidos de tempo de retorno curto (URGENTES) são definidos do mesmo modo
como os pedidos de rotina.

a Para definir um pedido URGENTE


1 No separador Visão geral prima URGENTE.
2 Continue como se estivesse definindo um pedido de rotina.
e Ver Definir pedidos de rotina na página B-43.

Se não houver espaço na área de amostras


Remova as amostras cujo botão de tubo esteja verde .

Ordem de processamento Quando se tiver definido um pedido URGENTE e se tiver iniciado a execução, o
sistema reage da seguinte forma:
o Os pedidos URGENTES existentes são processados em primeiro lugar.
o Os testes iniciados de pedidos de rotina são concluídos.
o As repetições e as reexecuções de pedidos URGENTES são tratados como pedidos
URGENTES normais. (O pedido que foi definido primeiro será o primeiro a ser
efectuado.)
o As repetições e as reexecuções de pedidos de rotina são efectuadas antes dos
pedidos de rotina.

Roche Diagnostics
B-46 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Reconhecer pedidos URGENTES No separador Visão geral, os botões de amostra para pedidos URGENTES são
nos ecrãs assinalados com uma borda mais larga.

Figura B-11 Exemplo de um ícone de pedido URGENTE

Na lista de pedidos (A. de trabalho > Pedidos), os pedidos URGENTES são


assinalados com um asterisco (*).

Efectuar alterações num pedido

Pode-se fazer alterações em pedidos que não tenham sido processados ou que
tenham sido completamente processados. (Pode-se adicionar mais testes a um
pedido em qualquer altura.)
O processo de alterar um pedido depende do tubo de amostra ainda estar ou não no
analisador.
Fazer uma alteração num pedido quando o tubo da amostra já não está na área de
amostras é basicamente a mesma coisa que definir um pedido novo.

a Para alterar um pedido


1 Identificar a amostra.

Se a amostra ainda estiver no o No separador Visão geral, prima o botão de tubo de amostra do pedido que
analisador deseja alterar.
É apresentado um ecrã que apresenta os detalhes sobre o pedido e a amostra.
o Prima .
É apresentado um ecrã para seleccionar os testes.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-47
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Se a amostra já não estiver no o Efectue uma das seguintes acções:


analisador
Se o ponto inicial foi Efectue estes passos
Visão geral > Pedido É apresentado um ecrã a solicitar ao operador que efec-
tue a leitura do código de barras ou para digitar
manualmente a respectiva ID.
1. Identifique a amostra fazendo a leitura do código
de barras ou digitando a ID da amostra.
Se o código de barras já tiver sido lido anterior-
mente (durante o mesmo dia) ou se utilizar a
mesma ID da amostra como no pedido original, o
sistema reconhece o pedido original e apresenta a
informação a este associada.
2. Prima .
É apresentado um ecrã para seleccionar os testes.
A. de Trabalho > Pedidos É apresentado um ecrã que lista todos os pedidos.
1. Seleccione o pedido que deseja alterar.
2. Prima .
É apresentado um ecrã para seleccionar os testes.

2 Seleccione os testes.
o Prima num teste disponível para o seleccionar.
o Prima num teste seleccionado para cancelar a sua selecção. (Os testes que já
estejam programados para serem efectuados não podem ser cancelados.)
3 Prima para confirmar a selecção.

Se a amostra ainda estiver no É apresentada uma mensagem que apresenta a posição na qual a amostra está
analisador colocada.
o Prima para confirmar a posição
O ecrã com detalhes sobre o pedido e a amostra volta a ser apresentado.
o Prima para fechar o ecrã.

Se a amostra já não estiver no É apresentada uma mensagem a solicitar que se coloque a amostra.
analisador
o Coloque a amostra na área de amostras.
A lista de pedidos é novamente exibida.
4 O sistema reprograma o pedido e processa-o normalmente.

Roche Diagnostics
B-48 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Iniciar a execução

a Para iniciar o processamento de um pedido


1 Prima o botão de acção global .
O sistema verifica se existem cuvetes suficientes e se todos os reagentes
necessários se encontram no disco de reagentes.
Se assim não for, é apresentado um ecrã a informar sobre o que está em falta.

Ordem de processamento Quando se começa a processar os pedidos, o pedido da amostra colocada na posição
mais à esquerda na área de amostras é processado primeiro. Os outros seguem em
sequência, da esquerda para a direita. Uma vez que o processamento esteja em
progresso, os pedidos são processados de acordo com a sequência pela qual estão
definidos.
As repetições e as reexecuções de pedidos de rotina são efectuadas antes dos pedidos
de rotina.

Monitorizar o progresso da análise

Durante a operação, deve-se verificar regularmente os seguintes itens:


o O estado dos botões no separador Visão geral
o O monitor de alarmes

Verificar o estado do tubo de amostra

a Para verificar o estado da amostra


1 Prima o separador Visão geral.

B
C

A Botões dos tubos de amostra C Informação sobre resultados que estão


B Informação sobre testes que estão asso- associados a pedidos definidos
ciados a pedidos definidos D Monitor de alarmes

Figura B-12

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-49
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Interpretar os botões dos tubos Ícone Significado Medida possível


de amostras 1 O número no botão indica a posição n/a
na área de amostras.
Um botão de tubo de amostra com n/a
uma borda larga simboliza um
pedido URGENTE.
Todos os testes foram aceites. Pode-se remover o tubo de amostra.

Todos os testes foram pipetados. Pode-se remover o tubo de amostra, o


tempo até à conclusão desaparece
10 quando o fizer.
Todos os testes estão concluídos mas Valide os resultados.
ainda não aceites.
Todos os testes restantes estão blo-
queados porque:
Não existe fluido suficiente de amos- 1. Remova o tubo de amostra e adi-
tra. cione fluido.
Não elimine o pedido antigo!
2. Faça a leitura do código de barras
ou digite a ID da amostra igual à
anterior.
3. Volte a inserir o tubo de amostra.
O processamento continua onde tinha
parado.
(Remover uma amostra e, em seguida,
voltar a colocá-la significa definir um
novo pedido. O sistema não memoriza
onde a amostra foi colocada no pedido
anterior.)
A amostra não está identificada. 1. Remova a amostra.
2. Faça a leitura do código de barras
ou digite a ID da amostra igual à
anterior.
3. Volte a inserir a amostra numa
posição qualquer.
(Remover uma amostra e, em seguida,
voltar a colocá-la significa definir um
novo pedido. O sistema não memoriza
onde a amostra foi colocada no pedido
anterior.)
Não se encontra uma amostra nesta Pode-se colocar um tubo de amostra
posição. nesta posição.
Os testes foram pedidos. O processa- Ainda se pode cancelar testes pedidos
mento ainda não iniciou. e adicionar testes adicionais ao
pedido.
Já não se pode cancelar testes pedidos,
Os testes foram pedidos. O processa-
mento iniciou. mas pode adicionar testes adicionais
12
O número abaixo do tubo da amostra ao pedido.
indica o tempo calculado até à
conclusão.

Roche Diagnostics
B-50 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Ícone Significado Medida possível


A amostra foi identificada, mas não Este deve ser um estado temporário.
ainda não foram pedidos testes. Não é necessária qualquer acção.
Se estiver a trabalhar no Modo de
consulta do pedido: Não foi possível
obter o pedido do host.

2 Prima o botão de tubo de amostras.


É apresentado um ecrã que apresenta os detalhes sobre o estado do tubo de
amostras.

B C D

A Nome do teste C Prima para adicionar testes a um pedido


B Prima para validar os resultados D Prima para eliminar o pedido

Figura B-13

3 Tome uma medida adequada.

Após a eliminação de um pedido em curso, as cuvetes e os reagentes que não foram


utilizados são novamente libertados para uma utilização futura.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-51
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Verificar os botões do estado do analisador

a Para verificar o estado do analisador


1 Prima o separador Visão geral.

A Botões do estado do equipamento

Figura B-14

Roche Diagnostics
B-52 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Interpretar os botões do estado Ícone Significado Medida possível


do analisador Os reagentes estão OK. Não é necessária qualquer acção.
Sem disco no equipamento. Carregue um disco.
Sobram menos de 10% dos testes Introduza um novo conjunto de
no conjunto de reagentes ou o seu reagentes.
prazo de validade expirou.
O conjunto de reagentes não está Complete o conjunto de reagentes
completo ou um dos reagentes está ou substitua-o.
vazio.
Um conjunto de reagentes está Efectue a calibração ou agitação.
bloqueado porque necessita de
calibração ou agitação.
Não foi possível identificar o disco. Remova o disco e certifique-se de
que foi removido apenas um sepa-
rador de ID. Volte a inserir o disco.
Está disponível mais de um seg- Não é necessária qualquer acção.
mento.
O último segmento disponível Substitua os segmentos de cuvetes
encontra-se em utilização. utilizadas o mais brevemente pos-
sível.
Não estão disponíveis cuvetes Substitua os segmentos de cuvetes.
vazias.
Estado O botão do estado do sistema apresenta tanto o ícone como a cor de um dos
do botões do ecrã de estado do sistema subjacente. (Aos ícones é dada prioridade
sistema de acordo com a cor, sendo a primeira prioridade o vermelho, em seguida o
amarelo e o verde, e depois de acordo com a sequência na qual se encontram
listados em baixo.)
Analisador (tampa principal) Prima o botão e, no ecrã do estado
do sistema, verifique o texto sobre
o estado da tampa principal.
Refrigerador de reagentes e tempe- Prima o botão e, no ecrã de estado
ratura do anel de cuvetes do sistema, verifique o texto sobre
a temperatura.
Ventoinha do módulo do visor Prima o botão e, no ecrã de estado
do sistema, verifique o texto sobre
o estado da ventilação.
Reservatórios externos de fluidos Prima o botão e, no ecrã de estado
do sistema, volte a pressionar para
apresentar o ecrã para o manusea-
mento dos reservatórios externos
de fluidos.
Manutenção Prima o botão e, no ecrã de estado
do sistema, volte a pressionar para
apresentar a lista de acções de
manutenção.
Impressora Prima o botão e, no ecrã de estado
do sistema, verifique o texto sobre
o estado da impressora.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-53
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Verificar mensagens de alarme

a Para verificar problemas durante o processamento


1 Observe o indicador de cor do alarme.

Indicador de Significado Medida possível


cor
Sem cor Não existem mensagens de alarme Não é necessária qualquer acção.
(deslig.) não confirmadas.
Amarelo Existe pelo menos uma mensagem A intervenção do operador é
de alarme não confirmada. necessária o mais brevemente pos-
sível. O processamento pode conti-
nuar por enquanto.
Verifique os detalhes da mensa-
gem.
Vermelho Existe pelo menos uma mensagem É necessária a intervenção ime-
de alarme não confirmada. diata do operador. De outro modo
o processamento não pode conti-
nuar.
Verifique os detalhes da mensa-
gem.
Nota: Quando a mensagem de
alarme resulta de um erro de regu-
lação de tempo, todas as execuções
de testes ou resultados obtidos
após a hora do erro devem ser tes-
tados novamente.
Quando um alarme é criado, é gerado um sinal acústico. Pode ajustar o volume
(Utilitários > Configuração > Sistema > Volume).

2 Tome uma medida adequada.


e Para informações sobre como lidar com mensagens de alarme, ver Monitor de alarme
na página D-6.

Sinal acústico
Um sinal acústico informa o operador de que todos os testes estão concluídos e o
estado do sistema se alterou para Em espera.

Roche Diagnostics
B-54 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Analisar amostras

Parar e reiniciar uma execução

a Para parar uma execução


1 Prima o botão de acção global .
É apresentado um ecrã que oferece vários tipos de paragem, representando cada
uma delas um determinado nível de interrupção.

Figura B-15

Interpretar o ecrã Cancelar Quando o sistema se encontra no estado Em operação: Parar ime-
diatamente todas as actividades de processamento.
As pipetagens que não foram terminadas são consideradas não pipe-
tadas.
As medições que não produziram um resultado válido são conside-
radas não medidas.
Recuperar Quando o sistema se encontra no estado Em espera ou Parado: Ini-
cializar todos os sistemas e módulos que actualmente não estão
prontos.
Parar pipetagem Terminar a acção de pipetagem actual mas não iniciar uma nova.
Pode reiniciar o processamento pressionando o botão de
acção global.
Parar impressão Pára a tarefa de impressão actual. (Pode demorar alguns momentos
antes de a impressão parar efectivamente.)
Encerrar Encerra o software do cobas c 111 e o sistema operativo.
Esta opção só pode ser efectuada no modo Em espera.
Reiniciar Encerra o software do cobas c 111 e reinicia-o automaticamente.
Esta opção está disponível apenas no estado Em espera. É utilizada
em casos em que a alteração da configuração requer o reinício do
software para que este fique operacional.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-55
5 Funcionamento diário cobas c 111
Analisar amostras

Remover tubos de amostra

Uma amostra pode ser removida quando o respectivo botão de tubo estiver verde.

Todos os testes foram aceites.

Todos os testes foram pipetados.

Se remover um tubo de amostras antes da pipetagem ter terminado, os testes que tenham
sido pipetados serão efectuados normalmente. O pedido permanece incompleto.
Pode verificar os detalhes resultantes do pedido em A. de trabalho > Pedido > .

e Ver Verificar o estado do tubo de amostra na página B-49.

Roche Diagnostics
B-56 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Validar resultados de amostras

Validar resultados de amostras

O analisador cobas c 111 fornece várias ajudas para a validação dos resultados:
o Na lista de resultados, os resultados que se situam fora dos intervalos técnicos
predefinidos têm alarmes.
o Pode apresentar informação detalhada dos resultados que lhe permita tomar uma
decisão.
o Os resultados sem alarmes podem ser aceites automaticamente.
o O operador pode imprimir os resultados.
o Pode exportar os resultados e processá-los num computador externo.
Estão disponíveis os seguintes modos de tratar os resultados:
o Aceitar o resultado.
o Voltar a efectuar o teste idêntico (Repetir).
o Voltar a efectuar o teste utilizando uma diluição predefinida diferente
(Reexecutar).

Os resultados devem ser aceites antes de poderem ser transmitidos a um host ou antes de
poderem ser impressos automaticamente.
Todos os resultados calculados devem ser aceites manualmente. Estes são aceites auto-
maticamente se todos os resultados dos seus constituintes tiverem sido aceites.

Armazenamento de impressões
As impressões em papel térmico vão desaparecendo com o passar do tempo. Para um
armazenamento de longo prazo, guarde apenas cópias das impressões.

O efeito dos resultados com alarme depende da configuração (Utilitários >


Configuração > Processamento de resultados). A tabela seguinte demonstra como.

Definições da configuração Efeito


Aceitação automática da amostra: Ligado Os resultados que não contêm um alarme são
automaticamente aceites. Os resultados com
alarmes que estejam marcados numa lista
pré-definida de alarmes que devem ser igno-
rados também são aceites.
Aceitação automática da amostra: Todos os resultados devem ser aceites
Desligado manualmente.
Alarmes aceit. amostra Os alarmes que se encontram marcados nesta
lista serão ignorados pelo sistema.
Tabela B-4 Configuração do alarme da amostra e o respectivo efeito

e Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

Existem duas abordagens principais para validar resultados:


o Para validar os resultados da amostra de um pedido cuja amostra ainda se
encontre no equipamento, prima o botão do tubo no separador Visão geral.
o Em todas as outras situações, seleccione A. de trabalho > Revisão dos resultados.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-57
5 Funcionamento diário cobas c 111
Validar resultados de amostras

a Para validar os resultados de amostras que se encontram no


equipamento
1 No separador Visão geral prima o botão de amostra.
É apresentado um ecrã que lista os resultados do pedido que está associado à
amostra.

A B C

D E F
A Estado C Resultados.
!: O resultado ainda não foi aceite. D Prima para validar os resultados.
@: O resultado ainda não foi transmitido. E Prima para adicionar mais testes ao
B Nome do teste. pedido.
->-: Reexecutar. F Prima para eliminar o pedido e os
respectivos resultados.

Figura B-16

Se Verificação de TRL estiver activada, o resultado poderá ser apresentado, por


exemplo, como <0,5, e o alarme <Test Rng será adicionado. Significa que o valor
medido está abaixo do valor definido de TRL.
2 Seleccione o resultado se existir mais de um teste.
3 Continue com Validar os resultados na página B-60.

Roche Diagnostics
B-58 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Validar resultados de amostras

a Para validar resultados de amostras da lista de resultados


1 Seleccione A. de Trabalho > Revisão de resultados.
É apresentado um ecrã que lista os resultados.

B C D

A E

G H
A Número do pedido. F Este teste foi novamente efectuado:
B Estado ->-: Reexecutar.
!: O resultado ainda não foi aceite. -v-: Repita com diluição.
@: O resultado ainda não foi transmitido. G Prima para validar o resultado
C Nome do teste. seleccionado.
D Resultados. H Prima para exibir apenas determinados
E Hora quando o pedido foi definido. tipos de resultados (filtro).

Figura B-17

Se Verificação de TRL estiver activada, o resultado poderá ser apresentado, por


exemplo, como <0,5, e o alarme <Test Rng será adicionado. Significa que o valor
medido está abaixo do valor definido de TRL.

o Para verificar quando o resultado foi gerado prima .


o Para os resultados, que não tenham sido criados no próprio dia, só é exibida a data
da criação. Pode-se visualizar os resultados pressionando .
o Para apresentar a informação detalhada dos fluidos utilizados para obter este
resultado, prima , em seguida prima no ecrã de detalhes.

Interpretar alarmes e Para informação detalhada sobre os alarmes, consultar Lista de alarmes na página D-30.

Apresentar detalhes de um 2 Seleccione o resultado.


resultado
3 Prima para apresentar informação detalhada sobre o resultado
seleccionado.
4 Prima para fechar o ecrã.
O ecrã com a lista de resultados é novamente apresentado.
5 Seleccione um resultado.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-59
5 Funcionamento diário cobas c 111
Validar resultados de amostras

Validar os resultados O sistema pode ser definido para aceitar automaticamente resultados sem
alarmes. Além disso, pode ser configurado para aceitar resultados com alarmes
que estejam marcados numa lista editável de alarmes que devem ser ignorados,
que é particularmente adequado se os alarmes forem em todo o caso avaliados no
sistema host.
e Ver Processamento dos resultados na página B-183.
Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

6 Prima .
É apresentado um ecrã para seleccionar a sua acção.
7 Efectue uma das seguintes acções:
o Prima Repetir para repetir o teste utilizando a mesma diluição.
e Ver Repetir testes na página B-61.
o Prima Reexecutar para reexecutar o teste utilizando uma diluição pré-
definida (diferente).
e Ver Reexecutar testes na página B-62.
o Prima Aceitar para aceitar o resultado.
e Ver Aceitação de resultados na página B-63.
o Prima Retransmitir para enviar o resultado novamente para o host. Utilize
esta função se suspeitar que o resultado não foi armazenado adequadamente
no sistema host, por exemplo devido a um problema de comunicação.
Tenha em atenção que isto só está disponível quando estiver configurado
Servidor host = On.

Roche Diagnostics
B-60 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Validar resultados de amostras

Repetir testes

Repetir Efectuar uma repetição significa voltar a executar o mesmo teste com uma diluição
idêntica. Normalmente efectua repetições se o resultado tiver um alarme e se desejar
confirmar o resultado.

Resultados incorrectos devido a fluido insuficiente


Fluido insuficiente pode provocar uma pipetagem inexacta e, consequentemente, resulta-
ADVERTÊNCIA dos incorrectos.
Encha sempre os tubos com fluido suficiente de modo que reste pelo menos o volume
morto definido quando a pipetagem terminar.
e Ver Tubos na página A-56.

a Para repetir um teste


1 Valide o resultado.
e Se a amostra ainda estiver no equipamento, ver Para validar os resultados de amostras
que se encontram no equipamento na página B-58.
e Se a amostra já não estiver no equipamento, ver Para validar resultados de amostras da
lista de resultados na página B-59.

2 Prima Repetir.
O sistema cria automaticamente um novo pedido e selecciona o teste. Em seguida
efectua o teste.
Na lista de resultados, o resultado da repetição é demonstrado numa linha
separada:

A
B

A Primeiro resultado B Resultado da repetição (->-)

Figura B-18

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-61
5 Funcionamento diário cobas c 111
Validar resultados de amostras

Reexecutar testes

Reexecutar Reexecutar significa voltar a executar o mesmo teste com uma diluição pré-definida
diferente. Tipicamente, efectua reexecuções se o resultado se situar fora do intervalo
do teste.

Resultados incorrectos devido a fluido insuficiente


Fluido insuficiente pode provocar uma pipetagem inexacta e, consequentemente, resulta-
ADVERTÊNCIA dos incorrectos.
Encha sempre os tubos com fluido suficiente de modo que reste pelo menos o volume
morto definido quando a pipetagem terminar.
e Ver Tubos na página A-56.

a Para reexecutar um teste


1 Valide o resultado.
e Se a amostra ainda estiver no equipamento, ver Para validar os resultados de amostras
que se encontram no equipamento na página B-58.
e Se a amostra já não estiver no equipamento, ver Para validar resultados de amostras da
lista de resultados na página B-59.

2 Prima Reexecutar.
O sistema cria automaticamente um novo pedido e selecciona o teste. (O factor de
diluição faz parte da definição do teste e, por isso, é automaticamente
seleccionado. Este não pode ser alterado.) Em seguida efectua o teste.
Na lista de resultados, o resultado da reexecução é demonstrado numa linha
separada:

A
B

A Primeira medição B Resultado de repetição


-v-: Repita com diluição.

Figura B-19

Roche Diagnostics
B-62 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Validar resultados de amostras

Aceitação de resultados

Os resultados devem ser aceites antes de poderem ser imprimidos, enviados para o
host ou eliminados.

Aceitação automática O sistema pode ser definido para aceitar automaticamente resultados sem alarmes.
Para além disso, pode ser configurado para aceitar resultados com alarmes que
estejam assinalados numa lista editável de alarmes que devem ser ignorados
(Utilitários > Configuração > Processamento de resultados).
e Ver Processamento dos resultados na página B-183.
Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

a Para aceitar um resultado


1 Valide o resultado.
e Se a amostra ainda estiver no equipamento, ver Para validar os resultados de amostras
que se encontram no equipamento na página B-58.
e Se a amostra já não estiver no equipamento, ver Para validar resultados de amostras da
lista de resultados na página B-59.

f Prima Aceitar.
A lista de resultados é novamente exibida.

Todos os resultados calculados devem ser aceites manualmente. Estes são aceites
automaticamente se todos os resultados dos seus constituintes tiverem sido aceites.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-63
5 Funcionamento diário cobas c 111
Validar resultados de amostras

Imprimir resultados de amostras

a Para imprimir resultados:


1 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Deseja imprimir todos os resultados de um Seleccione A. de trabalho > Pedidos.
pedido:
Deseja imprimir resultados individuais: Seleccione A. de Trabalho > Revisão de
resultados.

2 Prima .
É apresentado um ecrã para a selecção dos resultados que devem ser imprimidos.
3 Prima um dos botões.
Prima Lista para imprimir os itens actualmente apresentados na lista. Se tiver
sido aplicado um filtro, a lista conterá apenas os itens que cumprem os critérios
do filtro e o critério do filtro fará parte do nome do botão.
Prima Informação sobre o pedido para imprimir todos os resultados do pedido
associado.
Em pedidos repetidos ou reexecutados, todos os resultados deste pedido são
imprimidos, incluindo os que foram anteriormente aceites.

Impressão automática Pode configurar o sistema para imprimir automaticamente os resultados logo que
todos os resultados de um pedido tenham sido aceites (Configuração > Fluxo de
trabalho > Impressão automática).

Seleccione > para interromper a tarefa de impressão, caso seja necessário.

Armazenamento de impressões
As impressões em papel térmico vão desaparecendo com o passar do tempo. Para um
armazenamento de longo prazo, guarde apenas cópias das impressões.

Roche Diagnostics
B-64 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar calibrações

Efectuar calibrações

e Para uma visão geral dos conceitos da calibração, ver Calibração na página A-28.
Para efectuar calibrações na fase de preparação, ver Efectuar as calibrações (fase de
preparação) na página B-34.
Para informação sobre a configuração da calibração, ver Definir definições e lotes de
calibrador na página B-165.

Os testes com calibração pendente são bloqueados.


e Para validar resultados da calibração, ver Validar resultados da calibração na página B-71.

Informação de segurança

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.

Inflamação cutânea causada por reagentes


O contacto directo com reagentes pode causar irritação cutânea, inflamação ou queima-
ADVERTÊNCIA duras.
Ao manusear reagentes, certifique-se de que usa equipamento de protecção e tenha em
consideração as precauções indicadas nas folhas de método.

Resultados incorrectos devido a calibração expirada


As calibrações são efectuadas para compensar as alterações que ocorrem ao longo do
tempo em reagentes e nos sistemas de medição. A omissão das calibrações quando estão
pendentes podem provocar resultados incorrectos.
Certifique-se de que efectua as calibrações quando estas estão pendentes.

Resultados incorrectos devido a uma colocação errada do tubo


Certifique-se de que coloca os calibradores nas posições especificadas.

Resultados incorrectos devido a uma colocação inadequada do tubo e da cup


A colocação inadequada do tubo e da cup pode provocar uma pipetagem inexacta e, con-
sequentemente, resultados incorrectos.
Certifique-se de que os tubos primários se encontram colocados centralmente e perfeita-
mente na vertical nos suportes da área de amostras e que estão inseridos com firmeza.
Certifique-se de que os tubos secundários se encontram colocados centralmente nos
tubos primários e que repousam totalmente sobre os mesmos.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-65
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar calibrações

Guia resumido

A tabela seguinte fornece uma visão geral dos passos que constituem o processo de
calibração.

Passo Acção do operador


1 Efectue as calibrações.
Efectue todas as calibrações pen- 1. Seleccione A. de trabalho > Calibrações >
dentes. .
2. Prima para seleccionar todos os testes
que necessitem actualmente de calibração.
3. Prima para abrir a lista de colocação de
calibradores.
4. Verifique e, se for necessário, imprima a lista de
colocações.
5. Prepare e coloque os calibradores de acordo
com a lista de colocações.
6. Prima .
Efectue todas as calibrações que 1. Seleccione A. de trabalho > Calibrações >
estejam pendentes no período .
de previsão. 2. Prima para seleccionar todos os testes
que irão necessitar de calibração no período de
previsão.
3. Prima para abrir a lista de colocação de
calibradores.
4. Verifique e, se for necessário, imprima a lista de
colocações.
5. Prepare e coloque os calibradores de acordo
com a lista de colocações.
6. Prima .
Efectue uma calibração indivi- 1. Seleccione A. de trabalho > Calibrações >
dual. .
2. Seleccione o teste.
3. Se houver mais de um conjunto de reagentes no
equipamento para este teste, opte entre calibrar
o conjunto actual ou pré-calibrar um conjunto
em espera.
4. Prima para abrir a lista de colocação de
calibradores.
5. Verifique e, se for necessário, imprima a lista de
colocações.
6. Prepare e coloque os calibradores de acordo
com a lista de colocações.
7. Prima .
Tabela B-5 Passos para efectuar calibrações

Roche Diagnostics
B-66 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar calibrações

Passo Acção do operador


2 Valide os resultados. 1. Seleccione A. de trabalho > Calibrações.
2. Seleccione o resultado da calibração.
3. Prima para visualizar os detalhes do
resultado.
4. Prima para validar a calibração.
5. Remova os calibradores.

Tabela B-5 Passos para efectuar calibrações

Processo de efectuar calibrações

O processo de definir pedidos de calibração depende do que pretende alcançar:


o Calibrar todos os testes que necessitem de calibração
o Calibrar todos os testes que vão necessitar de calibração durante o período de
previsão
o Calibrar testes individuais
O Calibrar o conjunto actual
O Pré-calibrar um conjunto em espera
e Para informação sobre como efectuar calibrações na fase de preparação, ver Efectuar as
calibrações (fase de preparação) na página B-34.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-67
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar calibrações

a Para efectuar calibrações


1 Seleccione A. de trabalho > Calibrações.
É apresentado um ecrã que lista todos os testes e a respectiva calibração válida
actual.
2 Prima .
É apresentado um ecrã que apresenta todos os testes activos.

A B

A Prima para seleccionar todos os testes que B Prima para seleccionar todos os testes que
necessitem agora de calibração. necessitem de calibração no período de
previsão.

Figura B-20

Interpretar as cores Cor Significado Acções possíveis


A calibração está pendente. Efectue a calibração.
Calibração falhou. Verifique o alarme do resultado para
descobrir o motivo da calibração ter
falhado. Repita a calibração, se neces-
sário.
A calibração foi efectuada com Valide os resultados da calibração.
sucesso, mas o seu resultado ainda
não foi aceite.
Irrelevante para a calibração.

A calibração está OK. O seu resul- Actualmente não é necessária qual-


tado foi aceite. quer acção.
A calibração está OK. Isto aplica-se a Actualmente não é necessária qual-
um conjunto de reagentes que não quer acção.
está activo.

Roche Diagnostics
B-68 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar calibrações

3 Para seleccionar os testes tome uma das seguintes medidas:

Se Faça isto
Deseja efectuar todas as 1. Prima .
calibrações pendentes: Todos os testes com calibração pendente são seleccio-
nados. (Os lotes e conjuntos actualmente activos são
utilizados para a calibração.)
2. Prima .
Deseja efectuar todas as 1. Prima .
calibrações que fiquem Todos os testes cuja calibração ficará pendente no
pendentes durante o período de previsão estão seleccionados. (Os lotes e
período de previsão: conjuntos actualmente activos são utilizados para a
calibração.)
2. Prima .
Deseja calibrar o conjunto 1. Seleccione o teste.
actual: 2. Prima .

É apresentado um ecrã que lista os calibradores necessários para as calibrações


pedidas e mostra em que posição de amostra estes devem ser colocados.

A C B

A Posição na área de amostras onde se deve D Não existem posições vazias suficientes, o
colocar o calibrador. sistema sugere utilizar as posições ocupa-
B Número do lote das.
C Calibrador com a concentração mais alta E Calibrador com a concentração mais baixa

Figura B-21

o O sistema utiliza primeiro as posições livres, se não existirem posições livres sufi-
cientes são sugeridas posições ocupadas. Nessas deve substituir os tubos actual-
mente instalados por tubos de calibrador.
o Nos testes de absorvância que requerem vários calibradores, os calibradores são
colocados de acordo com a respectiva concentração, começando pela concentra-
ção mais alta.

4 Prepare os calibradores.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-69
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar calibrações

5 Coloque os calibradores nas posições da área de amostras indicadas na lista de


colocações.
6 Prima para confirmar a colocação.
7 Prima para iniciar a calibração.

Pode eliminar um pedido de calibração em curso. Após a eliminação do pedido, a cali-


bração retém o estado Pendente se este já fosse pendente antes

8 Valide os resultados da calibração.


e Ver Validar resultados da calibração na página B-71.

9 Remova os tubos de calibrador.

a Para substituir a calibração do lote actual


1 Seleccione A. de trabalho > Calibrações.
É apresentado um ecrã que lista todos os testes e a respectiva calibração válida
actual.
2 Seleccione o teste cuja calibração do lote deseja substituir.
3 Prima para eliminar o resultado.
4 Prima para confirmar a eliminação.
5 Carregue o conjunto de reagentes novo. (Ver Adicionar um conjunto de reagentes
na página B-29.)
Só se pode gerar um resultado da calibração de um lote novo ao calibrar um novo
conjunto de reagentes.
6 Seleccione A. de trabalho > Calibrações.
7 Prima .
8 Seleccione o teste.
9 Prima .
Se for apresentado um ecrã para a selecção do tipo de calibração, seleccione Lote
principal.
10 Prepare os calibradores.
11 Coloque os calibradores nas posições da área de amostras indicadas na lista de
colocações.
12 Prima para confirmar a colocação.
13 Prima para iniciar a calibração.

Roche Diagnostics
B-70 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar calibrações

Eliminar pedidos de calibração

Pode eliminar um pedido de calibração enquanto este está a ser processado.

a Para eliminar um pedido de calibração


1 Seleccione A. de trabalho > Calibrações.
2 Seleccione o pedido.
3 Prima .

É apresentada uma caixa de diálogo de confirmação.


4 Prima para confirmar a eliminação.
As actividades de processamento deste pedido são interrompidas. As medições
que não produziram um resultado válido são consideradas não medidas.

Após a eliminação do pedido, a calibração retém o estado Pendente se este já fosse pen-
dente antes.

Validar resultados da calibração

Para que uma calibração fique activa é necessário aceitar o respectivo resultado.

Resultados da calibração com Se forem gerados alarmes, o operador deve determinar a causa dos mesmos e decidir
alarmes se aceita o resultado, continua a trabalhar com os resultados antigos ou reexecuta a
calibração.
O efeito dos resultados da calibração com alarme depende da configuração.

Definições da configuração Efeito


Validação auto de calibração: Ligado Os resultados que não contêm um alarme são
automaticamente aceites. Os resultados com
alarmes que estejam marcados numa lista
pré-definida de alarmes que devem ser igno-
rados também são automaticamente aceites.
Validação auto de calibração: Desligado Todos os resultados devem ser aceites
manualmente.
Validação calibração Os alarmes que se encontram marcados nesta
lista serão ignorados pelo sistema.
Tabela B-6 Configuração do alarme da calibração e o respectivo efeito

e Ver Processamento dos resultados na página B-183.


Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-71
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar calibrações

a Para validar os resultados da calibração


1 Seleccione A. de trabalho > Calibrações
É apresentado um ecrã que lista todos os testes e a respectiva calibração válida
actual.

A B C D

E F G H

A ID do teste. E Prima para validar o resultado.


B Utilização de calibração. F Prima para definir um novo pedido de
C Tipo de calibração. calibração.
D Indicação do estado. G Prima para eliminar a calibração
seleccionada e os respectivos resultados.
H Prima para apresentar todos ou apenas os
resultados actuais.

Figura B-22

Interpretar o ecrã Item Valor Interpretação


U (Utilização) CU Actual.
Os resultados da calibração deste conjunto são actualmente
utilizados.
SB Em espera.
Os resultados da calibração deste conjunto não são actual-
mente utilizados. (Um conjunto idêntico está actualmente a
ser utilizado ou o conjunto foi removido e não está vazio.)
OB Obsoleto.
Os resultados da calibração deste conjunto já não são utili-
zados. (O conjunto estava vazio e foi removido ou foi
removido há mais de 30 dias).
T (Tipo) L Calibração do lote (primeira calibração do lote, também se
aplica aos conjuntos seguintes do mesmo lote).
S Calibração do conjunto (aplica-se apenas ao conjunto
calibrado).

Roche Diagnostics
B-72 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar calibrações

Item Valor Interpretação


Estado A data indica quando os resultados foram aceites. Se tive-
rem sido criados alarmes para o resultado, é apresentado o
alarme com a maior prioridade. Em todos os outros casos, é
apresentado o estado do pedido.

e Para informação sobre tipos de calibração, ver Tipo de calibração na página A-29.

2 Seleccione o resultado.
3 Prima para exibir informação sobre a calibração seleccionada e os
respectivos resultados.

A B C D

F
G
H
I

J K L

A ID do teste. H alarmes.
B Utilização de calibração. I Resultados da calibração.
C Tipo de calibração. J Prima para validar os resultados.
D Estado da calibração. K Prima para apresentar os detalhes dos
E Cálculo da data e da hora. resultados.
F Calibrador, lote, prazo de validade. L Prima para apresentar informação do con-
G Aceite por: Nome de operador. $SYS$ texto dos fluidos utilizados para obter este
significa automaticamente aceite. resultado.

Figura B-23

4 Prima .
É apresentado um ecrã para confirmar a sua selecção.
5 Efectue uma das seguintes acções:
o Prima Aceitar conjunto para aceitar os resultados da calibração do conjunto
do teste seleccionado.
o Prima Aceitar lote para aceitar os resultados da calibração do lote do teste
seleccionado.
Este botão só está activo se a sequência de calibração Cada lote e intervalo
tiver sido definida para a aplicação e se não tiverem sido gerados alarmes para
o resultados.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-73
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar calibrações

e Para informação sobre a calibração do lote e do conjunto, ver Tipo de calibração na


página A-29.
o Prima Repetir para voltar a repetir a calibração.
o Prima Utilizar antigo para eliminar o resultado novo, repor a data prevista
para a calibração e continuar a utilizar os resultados da calibração antiga.
Esta possibilidade está disponível se seleccionar um resultado aceite. Ao
pressionar Utilizar antigo é feita uma cópia do resultado antigo e é
apresentada uma entrada nova na lista de resultados da calibração. Note que
os intervalos são repostos como se tivesse sido gerado um resultado de
calibração novo.

Resultados incorrectos ao utilizar Utilizar antigo


As calibrações são efectuadas para compensar as alterações que ocorrem ao longo do
ADVERTÊNCIA tempo em reagentes e nos sistemas de medição. A omissão das calibrações quando
estão pendentes podem provocar resultados incorrectos.
o A Roche recomenda que se realize uma medição de CQ antes de se continuar a
trabalhar com os resultados antigos da calibração.
o Nas definições da aplicação, escolha On para CQ após Cal.
(Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais > Controlo >
CQ após Cal)

Aceitar resultados da calibração


Os resultados da calibração serão apenas utilizados pelo sistema quando os tiver
aceite.

Só pode existir um resultado de calibração não aceite de um teste.


Se já existir uma calibração não aceite de um teste e se fizer um novo pedido de cali-
bração para o mesmo teste, o pedido é bloqueado.

Roche Diagnostics
B-74 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar o CQ

Efectuar o CQ

O CQ é efectuado em intervalos regulares para verificar a integridade de todo o


sistema de medição.

Controlo Um controlo é uma amostra que foi medida utilizando todos os testes aos quais está
associada, a fim de definir os intervalos e os valores que determinam o
funcionamento correcto do analisador. Isto é feito tipicamente tanto com a
concentração normal como com a concentração patológica do analito.
e Para uma visão geral do CQ, ver Controlo de qualidade (CQ) na página A-32.
Para informação sobre a configuração do CQ, ver Definir definições e lotes de controlo na
página B-164.

Existem dois modos básicos de efectuar o CQ no analisador cobas c 111:

CQ predef. O CQ predefinido é um processo automático para efectuar as medições de CQ de


uma só vez. Este é o método ideal se desejar efectuar o CQ em determinados dias ou
em determinadas horas.
Este processo aplica-se apenas a testes cujos controlos estejam definidos para serem
efectuados como parte do CQ predefinido. Assim, se pretender trabalhar com o CQ
predefinido, deve configurar os testes em conformidade.
e Ver Definir definições e lotes de controlo na página B-164.

A realização do CQ predefinido segue um procedimento optimizado em que os


pedidos de CQ são automaticamente definidos logo que tenha identificado um
controlo. É definido um pedido para cada teste para o qual este controlo é definido
como o CQ predefinido, a menos que o teste esteja actualmente inactivo no sistema.

Intervalo de CQ O intervalo de CQ é um processo adequado tanto para efectuar uma única medição
de CQ como para efectuar todas as medições de CQ pendentes. O operador pode
seleccionar todos os testes que requerem o CQ pressionando simplesmente um botão
( ). (Esta selecção também reflecte o CQ do tipo CQ após Cal.) Um assistente
ajuda o operador a seleccionar os controlos, e uma lista de colocações ajuda na
preparação e colocação dos mesmos.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-75
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar o CQ

Informação de segurança

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.

Resultados incorrectos devido a uma colocação inadequada do tubo e da cup


A colocação inadequada do tubo e da cup pode provocar uma pipetagem inexacta e, con-
ADVERTÊNCIA sequentemente, resultados incorrectos.
Certifique-se de que os tubos primários se encontram colocados centralmente e perfeita-
mente na vertical nos suportes da área de amostras e que estão inseridos com firmeza.
Certifique-se de que os tubos secundários se encontram colocados centralmente nos
tubos primários e que repousam totalmente sobre os mesmos.

Roche Diagnostics
B-76 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar o CQ

Guia resumido

A tabela seguinte fornece uma visão geral dos passos que constituem o processo de
CQ.

Passo Acção do operador


1 Efectuar o CQ
Efectuar o CQ predefinido. 1. Seleccione Visão geral > Pedido.
2. Prima .
3. Seleccione um controlo e coloque o tubo. Repita
até não sobrarem mais controlos no ecrã.
4. Prima .

Efectuar todas as medições pen- 1. Seleccione Visão geral > Pedido > ou
dentes de intervalo de CQ. A. de Trabalho > Estado CQ > .
2. Prima .
3. Prima .
4. Seleccione um controlo e coloque o tubo. Repita
até não sobrarem mais controlos no ecrã.
5. Prima .

Efectuar uma única medição de 1. Seleccione A. de trabalho > Estado CQ.


intervalo de CQ. 2. Prima .
3. Seleccione o teste.
4. Prima .
5. Seleccione um controlo e coloque o tubo. Repita
até não sobrarem mais controlos no ecrã.
6. Prima .

2 Valide os resultados. 1. Seleccione A. de trabalho > Estado CQ.


2. Prima para visualizar os detalhes do
resultado. Feche o ecrã de detalhes.
3. Prima e prima um botão para validar o
resultado do CQ.
4. Remova os controlos.

Tabela B-7 Passos para efectuar o CQ

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-77
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar o CQ

Efectuar o CQ predefinido

A realização do CQ predefinido segue um procedimento optimizado em que os


pedidos de CQ são automaticamente definidos logo que tenha identificado um
controlo. É definido um pedido para cada teste para o qual este controlo é definido
como o CQ predefinido, a menos que o teste esteja actualmente inactivo no sistema.

a Para efectuar o CQ predefinido


1 Seleccione Visão geral > Pedido.
2 Prima .
É apresentado um ecrã que contém um botão para cada um dos controlos que são
necessários.
3 Prepare os controlos.
4 Prima um botão de controlo.
É apresentado um ecrã a solicitar que se coloque o controlo seleccionado.
5 Coloque o tubo de controlo em qualquer uma das posições livres na área de
amostras.
O sistema regista a posição e define automaticamente um pedido para cada teste
que tenha este controlo definido como CQ predefinido.
O ecrã com os botões de controlo é novamente apresentado. O botão do controlo
que acabou de colocar já não está activo.
6 Prima o próximo botão de controlo activo.
É apresentado um ecrã a solicitar que se coloque o controlo.
7 Coloque o controlo numa posição livre na área de amostras.
8 Seleccione e coloque os restantes controlos conforme descrito nos passos 6 a 7.
Quando todos os controlos estiverem colocados é apresentado o ecrã para a
identificação das amostras.
9 Prima para fechar o ecrã.
10 Prima para iniciar o processamento dos pedidos de controlo.

Roche Diagnostics
B-78 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar o CQ

Efectuar medições do intervalo de CQ

a Para definir um pedido de CQ


1 Para definir um novo pedido tome uma das seguintes medidas:
o Seleccione Visão geral > Pedido > .
o Seleccione A. de trabalho > Estado CQ > .
É apresentado um ecrã de selecção de testes.

A Prima para seleccionar todos os testes com CQ pendente. Prima novamente para cancelar a
selecção.

Figura B-24

Interpretar o ecrã O teste está bloqueado por um dos seguintes motivos:


o É necessário efectuar a calibração.
o A calibração falhou.
o Para o conjunto de reagentes, o número de testes disponíveis é 0 ou falta
um frasco de reagente (conjunto de reagentes incompleto).

Um CQ está pendente ou o seu resultado ainda não foi aceite.

O conjunto de testes encontra-se no equipamento e pronto a utilizar.

O conjunto de reagentes não está no equipamento.

2 Para seleccionar os testes tome uma das seguintes medidas:


o Prima para seleccionar todos os testes com CQ pendente.
Esta selecção também se aplica a controlos do tipo CQ após cal.
o Prima um botão de teste.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-79
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar o CQ

3 Prima .
É apresentado um ecrã que contém um botão para cada um dos controlos que são
necessários.

Se nesta fase os controlos necessários já estiverem colocados no analisador, os pedi-


dos de CQ são criados automaticamente.

4 Prepare os controlos.
5 Prima um botão de controlo.
É apresentado um ecrã a solicitar que se coloque o controlo seleccionado.
6 Coloque o tubo de controlo em qualquer uma das posições livres na área de
amostras.
O sistema regista a posição e define automaticamente um pedido.
Se houver mais controlos a serem colocados, é novamente apresentado o ecrã com
os botões de controlo. O controlo que acabou de colocar já não está activo.
7 Seleccione e coloque os restantes controlos conforme descrito nos passos 5 a 6.
Quando todos os controlos tiverem sido seleccionados e colocados, é apresentado
o separador Visão geral.
8 Prima para iniciar o processamento dos pedidos de controlo.

Validar os resultados do CQ

Resultados do CQ com alarme Se forem gerados alarmes, o operador terá de determinar a causa dos mesmos e
decidir se irá aceitar o resultado ou ignorá-lo.
O efeito dos resultados do CQ com alarme depende da configuração.

Definições da configuração Efeito


Validação auto de CQ: Ligado Os resultados que não contêm um alarme são
automaticamente aceites. Os resultados com
alarmes que estejam marcados numa lista
pré-definida de alarmes que devem ser igno-
rados também são automaticamente aceites.
Validação auto de CQ: Desligado Todos os resultados devem ser aceites
manualmente.
Validação CQ Os alarmes que se encontram marcados nesta
lista serão ignorados pelo sistema.
Tabela B-8 Configuração do alarme do CQ e o respectivo efeito

e Ver Processamento dos resultados na página B-183.


Ver Editar a lista de alarmes aceitáveis na página B-178.

Roche Diagnostics
B-80 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar o CQ

a Para validar os resultados do CQ


1 Seleccione A. de trabalho > Estado CQ.
É apresentado um ecrã que lista os resultados do CQ mais recente para cada teste
que esteja instalado no sistema.

A B C D

A Estado D Resultado, no caso de não ter sido criado


!: O resultado ainda não foi aceite. um alarme.
I: O resultado foi ignorado. Alarme com maior prioridade, se tiver sido
@: O resultado ainda não foi transmitido. criado um alarme.
B Nome do teste. Estado do pedido, se a medição de
C ID do controlo. controlo ainda não tiver sido efectuada.

Figura B-25

2 Seleccione um resultado.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-81
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar o CQ

3 Prima para visualizar os detalhes do resultado.

A B C D

E
F

A Nome do teste D Cálculo da data e da hora.


B Aceite por: Nome de operador. $SYS$ E Result
significa automaticamente aceite. F Hora da aceitação.
C Nome do controlo G Prima para apresentar informação deta-
lhada dos fluidos utilizados para efectuar o
CQ para este teste.

Figura B-26

4 Prima para fechar o ecrã.

Se o resultado do CQ se situar fora do intervalo definido, volte a efectuar o CQ. Se os


resultados continuarem a situar-se fora do intervalo, examine quanto a outras causas.
Se tudo falhar, efectue uma calibração.

5 Prima .
6 Efectue uma das seguintes acções:
o Prima Aceitar para aceitar os resultados do CQ do teste seleccionado.
o Prima Ignorar para excluir o resultado de cálculos de resultados de CQ
adicionais, tais como estatísticas de histórico de CQ.
Ao ignorar um resultado, o estado de pendente não se altera.
Nas tabelas de resultados do CQ, os resultados de CQ ignorados são
assinalados com "I".
Os alarmes de resultados ignorados não são assumidos pelos resultados
dependentes.
o Prima Retransmitir para enviar novamente o resultado.
(Esta opção fica activa se o analisador estiver ligado a um sistema host.)

Roche Diagnostics
B-82 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar o CQ

Interpretar o histórico do CQ

O histórico CQ fornece—em ecrãs individuais—informação sobre os resultados do


CQ do mês de calendário actual e anterior, assim como sobre os resultados que foram
criados antes do mês anterior.
Uma representação gráfica dos resultados fornece um modo prático de comparar os
resultados ao longo de um período de tempo.

a Para interpretar o histórico CQ


1 Seleccione A. de trabalho > Histórico CQ.
É apresentado um ecrã que contém uma entrada de resultados de CQ para cada
lote de cada teste.

A B C

A Nome do teste. C Data da medição de controlo mais


B ID do controlo. recente. Se o controlo não pertencer ao
lote actual é apresentado Lote anterior
em vez da data.

Figura B-27

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-83
5 Funcionamento diário cobas c 111
Efectuar o CQ

2 Prima .
É apresentado um gráfico que demonstra os resultados do CQ do mês actual e do
mês anterior ou os resultados criados antes do mês anterior.

A B C

D
E
F

H
I
J

K L M N O

A Substituição do calibrador I -2,5 s


B Substituição do conjunto de reagentes J -3 s
C Alteração do valor alvo do CQ K Pressionar para imprimir o gráfico
D +3 s L Pressionar para apresentar os resultados
E 2,5 s numa tabela
F +2 s M Pressionar para apresentar os resultados
G Valor médio do mês anterior
H -2 s N Pressionar para apresentar os resultados
do mês actual
O Prima para apresentar os resultados que
tenham sido criados no mês passado

Figura B-28

o O formato da data nos botões de selecção do mês é sempre mês/ano.


o Os resultados de CQ ignorados não são apresentados no gráficos mas são incluí-
dos na impressão do Histórico CQ. Esses resultados estão assinalados com "I" no
final.
o Os resultados de CQ ignorados não considerados nas estatísticas do histórico CQ.

Roche Diagnostics
B-84 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Efectuar o CQ

3 Prima para apresentar os resultados numa tabela.


Os resultados são ordenados por ordem cronológica. A visão geral é seguida pelos
dados de estatística de todos os resultados armazenados e dos resultados do mês
actual. (Se tiver havido uma alteração do valor alvo de CQ apenas os resultados a
partir desta data serão tidos em conta para ambas as estatísticas.)

A B C

A Data da medição de CQ C Alarme (caso tenha sido criado)


B Resultado ou evento

Figura B-29

4 Prima para fechar o ecrã.

Efectuar a agitação dos reagentes

Os reagentes que contêm grânulos de látex, por exemplo, os D-Dímeros, requerem


uma agitação periódica. O intervalo de agitação faz parte das definições da aplicação e
não pode ser alterado pelo operador. O sistema verifica a cada 30 minutos se existem
conjuntos de reagentes a necessitarem de agitação.
e Para agitar durante a fase de preparação, ver Efectuar a agitação de reagentes na
página B-33.

a Para efectuar a agitação


1 Seleccione Visão geral > .
2 Prima o botão do conjunto de reagentes que deseja homogeneizar.
É apresentado um ecrã que contém os detalhes do conjunto.
3 Prima .
(Este botão está disponível se tiver sido definido um intervalo de agitação para
este conjunto de reagentes.)
A agitação inicia-se. É apresentado um ecrã a informar sobre o progresso da acção
de agitação.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-85
5 Funcionamento diário cobas c 111
Terminar o turno

4 Quando a agitação tiver terminado, prima para fechar o ecrã.


Fechar a caixa de diálogo enquanto a agitação está em curso interrompe a acção
de agitação. A agitação teria de ser realizada de novo.

Terminar o turno

As actividades típicas do final do turno estão organizadas num único assistente. Ao


efectuar os passos conforme são sugeridos por este assistente, o analisador é colocado
numa condição que permite entregar o funcionamento a outro operador ou encerrar
o sistema e desligar o analisador.

Informação de segurança

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de segurança em particular são relevantes:
Mensagens de advertência:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5

Inflamação cutânea causada por reagentes


O contacto directo com reagentes pode causar irritação cutânea, inflamação ou queima-
ADVERTÊNCIA duras.
Ao manusear reagentes, certifique-se de que usa equipamento de protecção e tenha em
consideração as precauções indicadas nas folhas de método.

Roche Diagnostics
B-86 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Terminar o turno

Guia resumido

A tabela seguinte fornece uma visão geral dos passos que constituem o processo de
final do turno.
Passo Acção do operador
1 Verifique tarefas incompletas. 1. Verifique pedidos incompletos.
2. Verifique resultados inválidos.
3. Verifique resultados que não tenham sido
transmitidos.

2 Inicie o assistente de Final do 1. No separador Visão geral prima o botão Final


turno. do turno.

3 Efectuar backup. 1. Prima .


2. Inserir a USB stick.
3. Prima .
4. Seleccione a directoria.
5. Prima .
6. Prima para prosseguir para a fase
seguinte no assistente de Final do turno.

4 Exporte os dados de apoio. 1. Prima .


2. Insira a USB stick se a tiver removido.
3. Prima .
4. Seleccione a directoria.
5. Prima .
6. Remova a USB stick.
7. Prima para prosseguir para a fase
seguinte no assistente de Final do turno.

Tabela B-9 Passos para terminar o turno

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-87
5 Funcionamento diário cobas c 111
Terminar o turno

Passo Acção do operador


5 Limpar a base de dados. 1. Prima .
2. Prima para confirmar a eliminação.
3. Prima para prosseguir para a fase
seguinte no assistente de Final do turno.

6 Efectuar acções de manutenção. 1. Verifique quais as acções de manutenção que


estão pendentes.
2. Efectue as acções de manutenção.
Efectue pelo menos todas as acções de manu-
tenção vermelhas.
3. Prima para prosseguir para a fase
seguinte no assistente de Final do turno.

7 Verificar o estado das cuvetes. Para evitar erros de regulação de tempo, certifi-
que-se de que todas as posições de segmento de
cuvetes disponíveis estão cheias.
Substitua sempre qualquer segmento de cuvete
totalmente usado. Um segmento de cuvete usado
parcialmente não tem de ser substituído.
Substitua pelo menos todos os segmentos de cuve-
tes vermelhos.
1. Prima o botão de cuvetes.
2. Abra a tampa principal.
3. Substitua os segmentos de cuvetes.
4. Fechar a tampa principal.
5. Prima para prosseguir para a fase
seguinte no assistente de Final do turno.
8 Remover o disco de reagentes. 1. Seleccione Visão geral > .
2. Prima
1. Abra a tampa principal.
2. Levante o disco do analisador.
3. Coloque o disco no recipiente respectivo.
4. Prima .
5. Fechar a tampa principal.
6. Armazene o disco de reagentes em local fresco.

Tabela B-9 Passos para terminar o turno

Roche Diagnostics
B-88 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Terminar o turno

Passo Acção do operador


9 Esvazie o reservatório de esgoto. 1. Esvazie o reservatório de esgoto.
2. Prima o botão Esgoto para confirmar.
3. Reabasteça o reservatório de água.
4. Prima o botão Água para confirmar.

10 Termine o seu turno. 1. Efectue uma das seguintes acções:


- Termine a sessão no sistema.
- Encerre o sistema e desligue o equipamento
principal, se não houver outro turno.

Tabela B-9 Passos para terminar o turno

Verificar tarefas incompletas

Verificar os pedidos incompletos

a Para verificar pedidos incompletos


1 Seleccione A. de trabalho > Pedidos.
2 Seleccione > Não terminado.
3 Prima .
É apresentado um ecrã que contém todos os pedidos incompletos.
4 Faça o que for necessário para completar os pedidos.

Verificar resultados de amostras não aceites

Os resultados devem ser aceites antes de poderem ser impressos ou transmitidos ao host.

a Para verificar resultados não aceites


1 Seleccione A. de Trabalho > Revisão de resultados.
É apresentado um ecrã que contém todos os resultados de amostras do dia.
2 Seleccione > Não aceite.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-89
5 Funcionamento diário cobas c 111
Terminar o turno

3 Prima .
É apresentado um ecrã que contém todos os resultados de amostras que ainda não
tenham sido aceites.
4 Seleccione um resultado.
5 Prima para validar o resultado.
É apresentado um ecrã para confirmar a sua selecção.
e Ver Aceitação de resultados na página B-63.
Ver Repetir testes na página B-61.
Ver Reexecutar testes na página B-62.

6 Prima um dos botões.


7 Seleccione e valide os restantes resultados conforme descrito nos passos 4 a 6.
Se não tiver aceite todos os resultados, trate dos não aceites e verifique novamente
os resultados.

Verificar a transmissão dos resultados


Este passo só é relevante se trabalhar com um sistema host.
Antes de eliminar os resultados deve certificar-se de que estes foram adequadamente
transmitidos ao host.

Os resultados devem ser aceites antes de poderem ser transmitidos ao host.


Ver também a informação em Processamento dos resultados na página B-183, em particu-
lar nas definições da Validação auto.

AVISO Armazenamento seguro


As cópias de segurança transmitidas ou exportadas, ou os dados arquivados, devem ser
armazenados com segurança.

a Para verificar resultados que não tenham sido transmitidos


1 Seleccione A. de Trabalho > Revisão de resultados.
É apresentado um ecrã que contém todos os resultados de amostras do dia.
2 Seleccione > Não enviado para host.
3 Prima .
É apresentado um ecrã que contém os resultados de amostras que não tenham
sido transmitidos com sucesso para o host.
4 Seleccione um resultado.
5 Prima .
É apresentado um ecrã para validar resultados.
6 Prima Retransmitir.
A lista de resultados que não foram transmitidos com sucesso é novamente
apresentada. O resultado que acabou de retransmitir já não deve estar presente.
7 Seleccione e retransmita os restantes resultados conforme descrito nos passos 4 a
6.

Roche Diagnostics
B-90 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Terminar o turno

8 Seleccione > Não enviado para host.


A lista deve estar agora vazia.
9 Se os resultados não tiverem sido transmitidos com sucesso, contacte o
administrador do computador host.

Iniciar o assistente de final do turno

O modo mais fácil de efectuar as tarefas de final do turno é o de seguir o assistente de


Final do turno.

a Para iniciar o assistente de Final do turno


1 Seleccione Visão geral > Final do turno.
É apresentado um ecrã para efectuar a cópia de segurança diária.

Efectuar a cópia de segurança diária

O analisador cobas c 111 pode armazenar dados de pedidos e de resultados de um dia


de trabalho. É por isso necessário exportar para um meio externo todos os dados que
deseje manter.
Durante a exportação da base de dados, o conteúdo completo da base de dados é
copiado para a USB stick.
Os dados da base de dados podem ser recuperados para o analisador, caso seja
necessário (Utilitários > Importar > Base de dados).
e Para informação sobre como recuperar a base de dados, ver Importar uma base de dados
na página B-127.

a Para efectuar a cópia de segurança diária


1 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
2 Inserir a USB stick.
É apresentado um ecrã que demonstra a estrutura do directoria da USB stick.
3 Seleccione o directoria onde deseja guardar o ficheiro de segurança.
4 Prima para confirmar a selecção.
Os dados são copiados para a stick.
Os nomes dos ficheiros da base de dados possuem o seguinte formato de nome:
dba_aaaammddhhmmss.tgz.
5 Prima para prosseguir para a fase seguinte no assistente de Final do
turno.
É apresentado um ecrã para eliminar todos os resultados de amostras.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-91
5 Funcionamento diário cobas c 111
Terminar o turno

Ao efectuar uma cópia de segurança sem o assistente de Final do turno:


Seleccione Utilitários > Exportar > Base de dados.

Exportar os dados dos resultados

Ao exportar resultados, são exportados os dados completos dos resultados. Os


seguintes resultados são copiados para a USB stick (cada um dos conjuntos encontra-
se contido num ficheiro separado):

Conjunto de dados Nome de ficheiro


Resultados de amostras res_aaaammddhhmmss.csv
Resultados do CQ qcs_aaaammddhhmmss.csv
Resultados do histórico de qch_aaaammddhhmmss.csv
CQ
Resultados da calibração cal_aaaammddhhmmss.csv
Registo de eventos do pev_aaaammddhhmmss.csv
processo

Formato do ficheiro Os dados dos resultados são exportados na forma de ficheiros de valores delimitados
por vírgulas (csv). As entradas encontram-se separadas por ponto e vírgula (;).
e Para informação sobre definições csv, ver Exportar resultados na página B-116.

Estes ficheiros podem ser processados com qualquer folha de cálculo que possa
importar ficheiros csv.

a Para exportar os resultados


1 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
2 Inserir a USB stick.
É apresentado um ecrã que demonstra a estrutura do directoria da USB stick.
3 Seleccione o directoria onde deseja guardar os ficheiros de resultados.
4 Prima para confirmar a selecção.
Os dados são copiados para a stick.
5 Prima para prosseguir para a fase seguinte no assistente de Final do
turno.
É apresentado um ecrã para eliminar todos os resultados de amostras.

Ao efectuar uma cópia de segurança sem o assistente de Final do turno:


Seleccione Utilitários > Exportar > Resultados completos.

Roche Diagnostics
B-92 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Terminar o turno

Limpar a base de dados

O analisador cobas c 111 pode armazenar dados de pedidos e de resultados de um dia


de trabalho. É por isso necessário eliminar resultados e pedidos para assegurar que
existe espaço suficiente no sistema para o próximo turno.

Ao eliminar os resultados de amostras está a eliminar igualmente os pedidos correspon-


dentes.

a Para limpar a base de dados


1 Prima .
Os seguintes resultados serão eliminados:
o Resultados de amostras aceites.
o Os resultados do CQ que tenham sido aceites são eliminados da lista de Estado
CQ (permanecem no histórico CQ).
o Os resultados do CQ que tenham sido gerados antes do primeiro dia do mês
anterior serão eliminados do histórico CQ.
o Resultados obsoletos da calibração, desde que existam mais de cinco
resultados obsoletos para o mesmo teste.
(Os resultados tornam-se obsoletos se o conjunto vazio for removido ou se o
conjunto tiver sido removido há mais de 30 dias.)
2 Prima para confirmar a eliminação.
Os resultados são eliminados.
3 Prima para prosseguir para a fase seguinte no assistente de Final do
turno.
É apresentado um ecrã para manusear as cuvetes.

Ao eliminar resultados fora do assistente de Final do turno:


Pode eliminar resultados aceites de amostras, calibrações, pedidos e resultados de CQ
aceites e ignorados pressionando na respectiva lista de resultados.
e Para eliminar pedidos na página B-103
e Para eliminar resultados de amostras na página B-104
e Para eliminar uma calibração na página B-105
e Para eliminar os resultados de CQ da lista do Estado de CQ na página B-107
e Para eliminar os resultados de CQ do Histórico CQ na página B-107

Acção de manutenção Limpar a base de dados


A acção de manutenção Limpar a base de dados destina-se a situações em que o sis-
tema deixa de funcionar eficientemente. Não se destina a limpar a base de dados no final
do turno.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-93
5 Funcionamento diário cobas c 111
Terminar o turno

Efectuar acções de manutenção

Para assegurar o funcionamento perfeito do sistema, deve efectuar todas as acções de


manutenção pendentes. Efectuar todas estas acções como parte das actividades de
final do turno assegura que no início do próximo turno, quando pode haver muitos
testes a efectuar, o sistema esteja rapidamente pronto para o processamento.

a Para efectuar acções de manutenção


1 Siga as instruções fornecidas em Para efectuar acções de manutenção na página B-21.
2 Prima para prosseguir para a fase seguinte no assistente de Final do
turno.
É apresentado um ecrã que apresenta o estado das cuvetes.

Ao efectuar acções de manutenção sem utilizar o assistente da Final de turno:


Seleccione Utilitários > Manutenção.

Substituir cuvetes

a Para substituir cuvetes


1 Siga as instruções fornecidas em Para preparar as cuvetes na página B-32.
2 Prima para prosseguir para a fase seguinte no assistente de Final do
turno.
É apresentado um ecrã que apresenta o estado dos frascos externos de fluidos.

Para substituir as cuvetes sem utilizar o assistente de Final do turno:


Seleccione Visão geral > .

Roche Diagnostics
B-94 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Terminar o turno

Verificar os frascos externos de fluidos

Esvaziar o reservatório de esgoto

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.
o Infecção por solução de esgoto na página B-5.

Para evitar cheiros desagradáveis e a contaminação do ambiente deve-se esvaziar o


esgoto no final do turno.

a Para esvaziar o reservatório de esgoto


1 Remova o adaptador da tubagem do reservatório amarelo de esgoto e coloque-o
no reservatório sobressalente.
2 Remova o reservatório do suporte e coloque-o numa superfície firme e regular.
3 Coloque o reservatório sobressalente sobre o suporte.
4 Siga as instruções fornecidas em Para verificar o reservatório de esgoto na página B-19.

A Roche recomenda o reabastecimento do reservatório de água sempre que esvazia o


reservatório de esgoto.

Para esvaziar o esgoto sem utilizar o assistente de Final do turno:


Seleccione Visão geral > > .

Reabastecer o frasco externo de água

Perigo de resultados incorrectos devido à qualidade inadequada da água


A qualidade inadequada da água pode provocar resultados incorrectos. Utilize sempre
ADVERTÊNCIA água purificada da qualidade especificada na secção Especificações técnicas.

a Para reabastecer o reservatório externo de água


1 Remova o adaptador da tubagem do reservatório branco de água e coloque-o
sobre uma superfície limpa.
2 Siga as instruções fornecidas em Para verificar o reservatório de água na página B-18.

A Roche recomenda o esvaziamento do reservatório de esgoto sempre que o reservatório


de água seja reabastecido.

Para reabastecer a água sem utilizar o assistente de Final do turno:


Seleccione Visão geral > > .

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-95
5 Funcionamento diário cobas c 111
Terminar o turno

Remover o disco de reagentes

Durante os períodos em que não são efectuados testes, o disco deve ser armazenado
num local limpo e refrigerado a temperaturas entre 2 e 8 °C.

Certifique-se de que leu e compreendeu a secção Informação de segurança na


página B-5. As seguintes mensagens de advertência são particularmente relevantes:
o Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais na página B-5.
o Infecção por materiais de risco biológico na página B-5.
o Lesões pessoais ou danos materiais no analisador devido a contacto com o mecanismo
do analisador na página B-6.

Derrame devido a inclinação do disco de reagentes


O recipiente do disco de reagentes pode escorregar ou inclinar-se se não estiver colocado
ATENÇÃO sobre uma superfície regular e horizontal.
Ao guardar o recipiente do disco de reagentes, certifique-se de que o coloca sobre uma
superfície firme, regular e horizontal que esteja facilmente acessível.
Ao manusear o disco de reagentes certifique-se de que não o inclina.

a Para remover o disco de reagentes


1 Seleccione Visão geral > > .
É apresentado um ecrã a solicitar que se remova o disco de reagentes.
2 Abra a tampa principal.
3 Remover o disco de reagentes.
4 Coloque o disco de reagentes no recipiente do disco de reagentes.
5 Fechar a tampa principal.
6 Armazene o recipiente do disco de reagentes em local refrigerado.

Roche Diagnostics
B-96 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Terminar sessão

Terminar sessão

Deve terminar a sessão no sistema antes de o entregar a outro operador. (Só pode
estar uma pessoa de cada vez com sessão iniciada.)
Pode-se terminar a sessão em qualquer altura, mesmo enquanto o sistema estiver a
processar pedidos.

a Para terminar a sessão no sistema


1 Seleccione o botão Visão geral > com o seu nome de operador.

Terminar sessão automático


Pode configurar o sistema para terminar a sessão do operador automaticamente após um
período de inactividade configurável (Utilitários > Configuração > Sistema >
Activ.protecção ecrã  0; Utilitários > Configuração > Sistema > Terminar sessão auto =
Ligado).

Visualizar alarmes com a sessão terminada


Pode-se visualizar os alarmes em qualquer altura, mesmo que se tenha terminado a
sessão.

e Para configurar o terminar sessão automático, ver Sistema na página B-184.

Se não houver mais turnos, pode encerrar o sistema e desligar o analisador.

Encerrar o sistema e desligar o analisador

Quando se desliga o sistema, a refrigeração dos reagentes pára. Por isso, é necessário
remover o disco de reagentes e armazená-lo em local fresco antes de desligar o sistema.

Condições prévias O sistema deve estar no estado Em espera.


O utilizador tem de estar em sessão.

a Para encerrar o sistema e desligar o analisador principal


1 Prima
2 É apresentado o ecrã Parar.
3 Prima Encerrar para encerrar o sistema.

Aguarde até que o ecrã fique negro.


4 Prima O no interruptor.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-97
5 Funcionamento diário cobas c 111
Utilizar o leitor de códigos de barras

Utilizar o leitor de códigos de barras

e Para informação sobre os códigos de barras, ver Scanner de códigos de barras na


página A-64.

Como os códigos de barras nos frascos de reagentes e nos tubos de amostras são
diferentes, o operador utiliza o leitor de códigos de barras de modos diferentes. Os
vários procedimentos são descritos nas secções que se seguem.

Perda da visão
A luz intensa dos LEDs pode danificar gravemente os olhos. Não olhe fixamente para os
ADVERTÊNCIA LEDs.
O equipamento de leitura que utiliza a tecnologia de LED encontra-se abrangida pela
norma internacional EN/IEC 60825-1 relativa a segurança de produtos LED de Classe 1.

Lesões devido a reagentes e outras soluções funcionais


O contacto directo com reagentes, soluções de limpeza ou outras soluções funcionais
podem causar lesões pessoais. Ao manusear reagentes, tome as devidas precauções para
o manuseamento de reagentes de laboratório, e tenha em consideração os avisos indica-
dos nas folhas de método e as informações fornecidas nas Fichas de Dados de Segurança
do Material disponíveis para reagentes e soluções de limpeza da Roche Diagnostics.

Mau funcionamento devido a líquido derramado


Qualquer líquido derramado sobre o analisador poderá causar o mau funcionamento do
ATENÇÃO mesmo. Se for derramado líquido no analisador, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
Certifique-se de que não inclina o frasco ou o tubo de amostra ao efectuar a leitura dos
códigos de barras.

Fazer a leitura dos códigos de barras dos frascos de reagentes

a Para utilizar o leitor de códigos de barras para a leitura dos códigos de


barras dos frascos de reagentes
1 Quando é apresentado um ecrã a solicitar a leitura, utilize o leitor de códigos de
barras e faça a leitura dos códigos.
2 Certifique-se de que não inclina o frasco ao fazer a leitura do respectivo código de
barras.
3 Mantenha o leitor a uma distância de, aproximadamente, 20 cm do código de
barras, prima o gatilho do leitor e aponte a luz vermelha para o ponto logo a
seguir ao código de barras.
4 Mova a luz lentamente ao longo do código de barras.
5 Aguarde até ouvir um bip e liberte o gatilho.
Se a leitura tiver sido efectuada com sucesso, é apresentado um ecrã a solicitar que
se coloque o frasco no disco de reagentes.

Roche Diagnostics
B-98 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 5 Funcionamento diário
Utilizar o leitor de códigos de barras

Fazer a leitura dos códigos de barras a partir das folhas

a Para utilizar o leitor de códigos de barras para a leitura dos códigos de


barras a partir das folhas
1 Quando é apresentado um ecrã a solicitar a leitura, utilize o leitor de códigos de
barras e faça a leitura dos códigos.
2 Coloque a folha de transferência do código de barras numa superfície plana e
alise-a.
3 Mantenha o leitor a uma distância de, aproximadamente, 20 cm do código de
barras, prima o gatilho do leitor e aponte a luz vermelha para o ponto logo a
seguir ao código de barras.
4 Mova a luz lentamente ao longo do código de barras.
5 Aguarde até ouvir um bip e liberte o gatilho.
Se a leitura tiver sido efectuada com sucesso, é apresentado um ecrã a solicitar que
se coloque o item.

Fazer a leitura dos códigos de barras dos tubos de amostras

Por razões de segurança, o leitor de códigos de barras está definido para ler apenas códi-
gos de barras que contenham uma checksum.

a Para utilizar o leitor de códigos de barras para a leitura dos códigos de


barras dos tubos de amostras
1 Quando é apresentado um ecrã a solicitar a leitura, utilize o leitor de códigos de
barras e faça a leitura dos códigos.
2 Certifique-se de que não inclina o tubo de amostra ao fazer a leitura do respectivo
código de barras.
3 Mantenha o leitor a uma distância de, aproximadamente, 20 cm do código de
barras, prima o gatilho do leitor e aponte a luz vermelha para o código de barras.
4 Aguarde até ouvir um ruído e liberte o gatilho.
Se a leitura tiver sido efectuada com sucesso, é apresentado um ecrã para a
selecção dos testes.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-99
5 Funcionamento diário cobas c 111
Utilizar o leitor de códigos de barras

Roche Diagnostics
B-100 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Índice

Operações especiais
Tarefas que não são efectuadas diariamente

Neste capítulo encontrará informação sobre as tarefas do operador que não fazem
parte da rotina diária da análise de amostras.

Neste capítulo Capítulo 6


Eliminar pedidos de amostras ....................................................................................B–103
Eliminar resultados de amostras ................................................................................B–104
Calibração ......................................................................................................................B–105
Eliminar resultados de calibração ........................................................................B–105
Definir a sua programação de calibração ............................................................B–106
Eliminar resultados de CQ .........................................................................................B–106
Processamento dos lotes ..............................................................................................B–108
Visualizar as definições do lote actual .................................................................B–108
Lotes do calibrador e do CQ ...........................................................................B–108
Lotes de reagentes ............................................................................................B–109
Visualizar os detalhes dos lotes de fluidos que foram utilizados .....................B–111
Adicionar um novo lote .........................................................................................B–112
Exportar dados .............................................................................................................B–115
Exportar a base de dados ......................................................................................B–115
Exportar resultados ................................................................................................B–116
Interpretar os dados dos resultados .....................................................................B–117
Exportar ficheiros de registo .................................................................................B–122
Importar dados .............................................................................................................B–123
Importar aplicações ................................................................................................B–123
Importar software ..................................................................................................B–126
Importar uma base de dados ................................................................................B–127
Importar certificados .............................................................................................B–129
Importar definições automáticas de homogeneização e de ciclos de
lavagem extra ..........................................................................................................B–129
Preparar um disco novo ..............................................................................................B–130
Atribuir testes a separadores de testes .......................................................................B–133
Eliminar conjuntos de frascos da lista Inventário ....................................................B–135
Reabastecer papel de impressora ................................................................................B–136

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-101
6 Operações especiais cobas c 111
Índice

Remover a água de condensação do refrigerador de reagentes ..............................B–138


Substituir a agulha ........................................................................................................B–139
Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos ...............................................B–141
Ajustar o ecrã táctil ......................................................................................................B–145
Limpar o ecrã táctil ......................................................................................................B–146

Roche Diagnostics
B-102 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Eliminar pedidos de amostras

Eliminar pedidos de amostras

Os pedidos de amostras são normalmente eliminados como fazendo parte das


actividades diárias do final do turno. Esta secção descreve como proceder se
necessitar de eliminar pedidos de amostras fora da rotina diária normal.
e Para eliminar pedidos no final de um turno, ver Limpar a base de dados na página B-93.

Condições prévias para a Os pedidos devem estar totalmente processados antes de os eliminar.
eliminação

a Para eliminar pedidos


1 Seleccione A. de trabalho > Pedidos.
É exibido um ecrã que lista todos os pedidos de amostras actualmente definidos.
2 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Deseja eliminar um pedido individual: 1. Seleccione a entrada do pedido na lista.
2. Prima .
3. Prima Seleccionado.
Deseja eliminar todos ou um grupo 1. Prima .
específico de pedidos: 2. Prima o botão de filtro adequado.
3. Prima para confirmar a selecção.
4. Prima .
5. Prima Listar [critério do filtro].

Os pedidos são eliminados. Já não é possível recuperá-los do sistema.

o Ao eliminar um pedido de amostra está a eliminar igualmente os resultados associa-


dos.
o Pode eliminar um pedido em curso. Após a eliminação do pedido, as cuvetes e os rea-
gentes que não foram utilizados são novamente libertados para uma utilização futura

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-103
6 Operações especiais cobas c 111
Eliminar resultados de amostras

Eliminar resultados de amostras

Os resultados de amostras são normalmente eliminados como fazendo parte das


actividades diárias do final do turno. Esta secção descreve como proceder se
necessitar de eliminar resultados de amostras fora da rotina diária normal.
e Para eliminar resultados no final de um turno, ver Limpar a base de dados na página B-93.

Condições prévias para a Os resultados de amostras devem ser aceites e impressos ou enviados para o host
eliminação antes de os eliminar.

a Para eliminar resultados de amostras


1 Seleccione A. de trabalho > Revisão de resultados.
É apresentado um ecrã que lista todos os resultados.
2 Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Deseja eliminar um resultado de amostras 1. Seleccione a entrada do resultado na
individual: lista.
2. Prima .
3. Prima Seleccionado.
Deseja eliminar todos ou um grupo espe- 1. Prima .
cífico de resultados de amostras: 2. Prima o botão de filtro adequado.
3. Prima para confirmar a
selecção.
4. Prima .
5. Prima Listar [critério do filtro].

Os resultados são eliminados. Já não é possível recuperá-los do sistema.

Ao eliminar todos os resultados de amostras está a eliminar igualmente o pedido corres-


pondente.

Roche Diagnostics
B-104 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Calibração

Calibração

Eliminar resultados de calibração

Se houver mais de cinco resultados de calibração obsoletos do teste, os resultados de


calibração obsoletos mais antigos são automaticamente eliminados como fazendo
parte das actividades diárias do final do turno. (Os resultados da calibração tornam-
se obsoletos se o conjunto vazio for removido ou se o conjunto tiver sido removido
há mais de 30 dias.)
Esta secção descreve como proceder se necessitar de eliminar resultados fora da
rotina diária normal.
e Para eliminar resultados da calibração no final de um turno, ver Limpar a base de dados na
página B-93.

a Para eliminar uma calibração


1 Seleccione A. de trabalho > Calibrações.
2 Seleccione a entrada da calibração.
3 Prima .
É apresentado um ecrã de confirmação.
4 Prima .
O pedido e os resultados são eliminados. Já não é possível recuperá-los do
sistema.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-105
6 Operações especiais cobas c 111
Eliminar resultados de CQ

Definir a sua programação de calibração

O analisador cobas c 111 fornece procedimentos práticos suportados por software


para os seguintes cenários principais de calibração:
o Efectuar todas as calibrações que são actualmente pendentes
o Efectuar todas as calibrações que estejam pendentes num período de previsão
configurável
o Efectuar calibrações individuais
Efectuar a calibração como parte do assistente de preparação inclui efectuar todas as
calibrações que estão pendentes e que o serão durante o período de previsão.
A tabela seguinte apresenta as definições configuráveis e descreve o seu efeito.

Item da definição Caminho da Efeito


configuração
Previsão de horas Utilitários > Período de tempo, iniciando com a data
Configuração > actual, em que a calibração fica pendente.
Calibração Definir um período de previsão (valor dife-
rente de zero) permite concentrar a calibra-
ção em dias específicos.
Validação auto de Utilitários > Se estiver ligado, os resultados que não tive-
cal Configuração > rem alarmes são automaticamente aceites.
Processamento de Os resultados com alarmes que estejam
resultados indicados numa lista predefinida de alarmes
aceitáveis também são automaticamente
aceites.
Validação Utilitários > Lista de alarmes relevantes para a calibra-
calibração Configuração > ção. Os alarmes que estejam indicados são
Processamento de automaticamente aceites se a Validação
resultados auto de cal estiver ligada.
Tabela B-10 Definições da calibração e o seu efeito

Eliminar resultados de CQ

o Os resultados do CQ são apresentados na lista do Estado CQ logo que tenham sido


gerados. Uma cópia dos resultados também é colocada na lista do Histórico CQ. Esta
lista contém os resultados do mês anterior e do mês actual.
o Ao eliminar os resultados de CQ está também a eliminar os pedidos associados.

Os resultados de CQ aceites são normalmente eliminados da lista do Estado CQ


como fazendo parte das actividades diárias do final do turno, simultaneamente, os
resultados que foram criados antes do primeiro dia do mês anterior são eliminados
da lista do Histórico CQ.
Esta secção descreve como proceder se necessitar de eliminar resultados de CQ fora
da rotina diária normal.
e Para eliminar resultados de CQ no final de um turno, ver Limpar a base de dados na
página B-93.

Roche Diagnostics
B-106 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Eliminar resultados de CQ

a Para eliminar os resultados de CQ da lista do Estado de CQ


1 Seleccione A. de trabalho > Estado CQ.
2 Prima .
É apresentado um ecrã para seleccionar os resultados.
3 Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Deseja eliminar todos os resultados de CQ: 1. Seleccione Todos.
2. Prima para confirmar a elimi-
nação.
Deseja eliminar todos os resultados de CQ 1. Seleccione Todos aceites.
aceites: 2. Prima para confirmar a elimi-
nação.
Deseja eliminar o resultado seleccionado: 1. Seleccione Seleccionado.

Os resultados são eliminados. Já não é possível recuperá-los do sistema.

a Para eliminar os resultados de CQ do Histórico CQ


1 Seleccione A. de trabalho > Histórico CQ.
2 Prima .
É apresentado um ecrã para seleccionar os resultados.
3 Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Deseja eliminar todos os resultados da lista: 1. Seleccione Listar.
(Se tiver sido aplicado um filtro, esta lista 2. Prima para confirmar a elimi-
conterá apenas os resultados que cumprem nação.
os critérios do filtro e o critério do filtro
fará parte do nome do botão.)
Deseja eliminar todos os resultados que 1. Seleccione Mais antigo que o mês ant..
tenham sido gerados antes do primeiro dia 2. Prima para confirmar a elimi-
do mês anterior: nação.

Deseja eliminar os resultados do controlo 1. Seleccione Seleccionado.


seleccionado:

Os resultados são eliminados. Já não é possível recuperá-los do sistema.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-107
6 Operações especiais cobas c 111
Processamento dos lotes

Processamento dos lotes

Tanto os dados dos lotes como o seu processamento dependem do item a que o lote
se refere:
o Calibradores (lote de calibrador)
o Controlos (lote do CQ)
o Reagentes, diluentes (lote de reagente)

Visualizar as definições do lote actual

Lotes do calibrador e do CQ

a Para visualizar os dados da calibração ou do lote


1 Seleccione A. de Trabalho > Dados do lote.
2 Prima Controlos ou Calibradores.
É apresentado um ecrã que lista todos os lotes instalados.

A seguinte descrição apresenta um exemplo da visualização de um lote de calibrador.

A B C

A Nome do calibrador. B ID do lote


Asterisco: Os dados do lote foram altera- C Data de validade
dos pelo operador.
[não instalado]: A aplicação associada
não está instalada.

Figura B-30

3 Seleccione o calibrador e expanda a entrada.

Roche Diagnostics
B-108 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Processamento dos lotes

4 Seleccione um teste e expanda a entrada.

B
C

A Nome do calibrador B Teste associado


Asterisco: Os dados do lote foram altera- C Valores alvo
dos pelo operador.
[não instalado]: A aplicação associada
não está instalada.

Figura B-31

Os calibradores que tenham sido definidos ou alterados manualmente


encontram-se marcados com um asterisco.

Lotes de reagentes
Pode visualizar o número do lote nos detalhes do conjunto de reagentes.

a Para verificar o estado de um conjunto de reagentes individual


1 Seleccione Visão geral > .
2 Prima o ícone de um conjunto de reagentes.
É apresentado um ecrã que contém informação sobre o conjunto de reagentes
seleccionado, incluindo o respectivo número do lote.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-109
6 Operações especiais cobas c 111
Processamento dos lotes

a Para obter uma visão geral dos conjuntos de reagentes definidos


actualmente
1 Seleccione Utilitários > Inventário.
A lista de Conjuntos de frascos é exibida. Esta contém todos os conjuntos de
frascos que estão definidos em qualquer um dos discos utilizados neste analisador
cobas c 111, incluindo os conjuntos que foram removidos do disco, a menos que
estivessem vazios ou o seu prazo de validade tenha expirado.

A B

A Número de testes restantes C R indica que o conjunto foi removido do


B ID do disco de reagente em que o con- disco.
junto está definido

Figura B-32

2 Seleccione um conjunto e prima .


É apresentada uma caixa de diálogo que contém informação detalhada do
conjunto.
3 Prima .
É apresentada uma caixa de diálogo que contém informação do conjunto, da
calibração e do CQ.
4 Prima para fechar as caixas de diálogo até que o separador Utilitários seja
exibido.

Roche Diagnostics
B-110 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Processamento dos lotes

Visualizar os detalhes dos lotes de fluidos que foram utilizados

Nos resultados de amostra, calibração e CQ pode verificar a que lote os fluidos


utilizados pertencem (reagentes, calibradores, controlos).

a Para verificar a informação de contexto de um resultado


1 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Deseja verificar a informação de contexto 1. Seleccione A. de trabalho > Visão geral
de um resultado de amostra: de resultados.
2. Seleccione um resultado.
3. Seleccione > .

Deseja verificar a informação de contexto 1. Seleccione A. de trabalho > Estado


de um resultado de CQ: CQ.
2. Seleccione um resultado.
3. Seleccione > .

Deseja verificar a informação de contexto 1. Seleccione A. de trabalho > Calibra-


de um resultado da calibração: ções.
2. Seleccione um resultado.
3. Seleccione > .

É apresentado um ecrã que lista as IDs do lote dos conjunto de reagentes,


calibradores e controlos utilizados. (A figura seguinte apresenta um exemplo de
dados do lote de resultados de CQ)

2 Desloque para apresentar a informação, caso seja necessário.


3 Prima para fechar o ecrã.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-111
6 Operações especiais cobas c 111
Processamento dos lotes

Adicionar um novo lote

Os dados dos lotes encontram-se normalmente contidos no código de barras do item


e pode defini-los fazendo a leitura do código de barras. Com a excepção dos lotes de
reagentes e de diluentes— estes podem ser definidos apenas através da leitura dos
seus códigos de barras—todos os lotes podem igualmente ser definidos
manualmente.

Introduzir lotes manualmente requer um zelo máximo


Durante a introdução do lote deve-se digitar os dados que são directamente relevantes
para a criação do resultado.

Por exemplo, introduza os dados do lote manualmente se, por qualquer motivo, não
conseguir efectuar a leitura do código de barras ou no caso em que trabalha com
controlos específicos do laboratório ou com controlos de terceiros que não incluem
folhas de transferência de códigos de barras para os dados do lote.

Tarefas de preparação Certifique-se de que os controlos e os calibradores estão atribuídos à aplicação.


e Ver Preparar aplicações na página B-154.

a Para definir um lote de controlo


1 Seleccione Á. de trabalho > Dados do lote.
2 Prima Controlos.
É apresentado um ecrã que lista todos os lotes de controlo instalados.
3 Prima .
É apresentado um ecrã a pedir que efectue a leitura da folha de transferência dos
códigos de barras ou que digite manualmente os dados.

Roche Diagnostics
B-112 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Processamento dos lotes

4 Defina os valores do lote.


Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Os dados do lote 1. Faça a leitura do código de barras.
estão disponíveis É apresentado novamente um ecrã que lista todos os lotes de
num código de bar- controlo instalados. O novo lote é seleccionado.
ras
Deseja escrever os 1. Prima .
dados manual- 2. Digite o nome e prima .
mente 3. Digite o código do material e prima .
Pode encontrar este código em Utilitários > Aplicações > selec-
cione um teste > > Controlo.
4. Digite a ID do lote e prima .
5. Digite a data de expiração. Utilize o formato da data conforme
indicado no ecrã.
6. Prima para confirmar as definições.
Se já existir um lote com a mesma ID no sistema, é apresentado
um ecrã a questionar se deseja substituir o lote existente.
Prima para confirmar as definições.
7. Prima *Adicionar novo teste*.
8. Prima .
É apresentado um ecrã que contém todos os testes que utilizam
este controlo e que não tenham sido ainda atribuídos a este lote.
9. Seleccione um teste e prima .
10. Digite o valor para a concentração média e prima .
11. Digite o valor do desvio padrão.
12. Prima para confirmar as definições.
O ecrã para o processamento dos dados do lote de controlo é
novamente apresentado.
13. Efectue os passos 7 a 12 para todos os testes que deseja utilizar.

a Para definir um lote de calibrador


1 Seleccione A. de Trabalho > Dados do lote.
2 Prima Calibradores.
É apresentado um ecrã que lista todos os lotes de calibrador instalados.
3 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que efectue a leitura do código de barras ou que
escreva manualmente os dados.
4 Defina os valores do lote. Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Os dados do lote 1. Faça a leitura do código de barras.
estão disponíveis É apresentado novamente um ecrã que lista todos os lotes de cali-
num código de bar- brador instalados. O novo lote é seleccionado.
ras

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-113
6 Operações especiais cobas c 111
Processamento dos lotes

Se… Faça isto…


Deseja escrever os 1. Prima .
dados manualmente 2. Digite o nome (até 10 caracteres alfanuméricos) e prima .
3. Digite o código do material e prima .
Consulte o folheto informativo.
4. Digite a ID do lote (até nove caracteres alfanuméricos) e prima
.
5. Digite a data de validade e prima .
Utilize o formato da data conforme indicado no ecrã.
6. Digite o número de calibradores (cups) que necessita de colocar
no analisador. Utilize a informação fornecida no folheto informa-
tivo. (Exclua deste número os calibradores que utilizem água do
sistema. Ver passo 14.)
7. Prima para confirmar as definições.
8. Prima *Adicionar novo teste*.
9. Prima .
É apresentado um ecrã que apresenta todos os testes que têm este
calibrador definido e que não tenham sido ainda atribuídos a este
lote.
10. Prima um dos botões de teste.
11. Prima .
12. Defina o primeiro valor da calibração (valor alvo).
13. Defina o valor seguinte da calibração.
Pode definir até seis valores da calibração e deve defini-los por
ordem descendente.
14. Seleccione o valor de O último é água.
Prima Ligado se desejar calibrar com água do sistema como cali-
brador zero. (Neste caso, não é necessário colocar cups no sis-
tema. (Ver passo 7).
Prima Desligado se desejar um calibrador zero especial para a
calibração. (O calibrador zero especial deve ser colocado na área
de amostras.)
15. Prima para confirmar as definições.

Os valores da calibração (valores alvo) nas fichas de método podem ser definidos por
ordem crescente de concentração. Defina sempre os valores por ordem decrescente no
analisador cobas c 111.

Roche Diagnostics
B-114 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Exportar dados

Exportar dados

f Utilitários > Exportar

Exportar a base de dados

A base de dados é normalmente exportada como fazendo parte da cópia de segurança


diária durante as actividades do final do turno.
e Ver Efectuar a cópia de segurança diária na página B-91.

Durante a exportação da base de dados, o conteúdo completo da base de dados é


copiado para a USB stick.
Os dados da base de dados podem ser recuperados para o analisador, caso seja
necessário.
e Ver Importar uma base de dados na página B-127.

AVISO Armazenamento seguro


As cópias de segurança transmitidas ou exportadas, ou os dados arquivados, devem ser
armazenados com segurança.

a Para exportar a base de dados


1 Seleccione Utilitários > Exportar > Base de dados.
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
2 Inserir a USB stick.
3 Prima .
4 Seleccione a directoria.
5 Prima para confirmar a selecção.
Os dados são copiados para a USB stick.
Os nomes dos ficheiros da base de dados possuem o seguinte formato de nome:
dba_aaaammddhhmmss.tgz.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-115
6 Operações especiais cobas c 111
Exportar dados

Exportar resultados

Ao exportar os resultados, os dados completos dos resultados são copiados para um


ficheiro na USB stick.

AVISO Armazenamento seguro


As cópias de segurança transmitidas ou exportadas, ou os dados arquivados, devem ser
armazenados com segurança.

O ficheiro possui o formato de nome csv_aaaammddhhmmss.tgz e contém os


seguintes ficheiros:

Conjunto de dados Nome de ficheiro


Resultados de amostras res_aaaammddhhmmss.csv
Resultados do CQ qcs_aaaammddhhmmss.csv
Resultados do histórico de qch_aaaammddhhmmss.csv
CQ
Resultados da calibração cal_aaaammddhhmmss.csv
Registo de eventos do pev_aaaammddhhmmss.csv
processo

Formato do ficheiro Os dados dos resultados são exportados na forma de ficheiros de valores delimitados
por vírgulas (csv).
Aplicam-se as seguintes definições:
o Conjunto de caracteres: ISO1LATIN1 - ANSI - ISO8859-1 - ISO Latin 1, Western
o Separador: Ponto e vírgula (;)
o Qualificador dos elementos: Aspas (") (Código ASCII 34 (0x22))
o Elemento vazio: Duas aspas ("") (Código ASCII 34 (0x22))
o Delimitador de linha: Estilo padrão de Win (CRLF) Código ASCII 13+10 (0x0D +
0x0A)
Estes ficheiros podem ser processados com qualquer folha de cálculo que possa
importar ficheiros csv.

a Para exportar os dados de resultados


1 Seleccione Utilitários > Exportar > Resultados completos.
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
2 Inserir a USB stick.
3 Prima .
4 Seleccione a directoria.
É apresentado um ecrã para a selecção da directoria.
Prima <*.csv> apenas para arquivar os ficheiros.
Prima <*.*> para visualizar todos os ficheiros e directorias.
5 Prima para confirmar a selecção.
Os dados são copiados para a USB stick. O ecrã para a exportação de dados é
novamente apresentado.

Roche Diagnostics
B-116 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Exportar dados

Interpretar os dados dos resultados

As seguintes tabelas listam, nos ficheiros de resultados de amostras, calibração e de


CQ, os cabeçalhos das colunas da folha de cálculo e fornecem informação sobre o
tipo de informação contida nas colunas.

res_aaaammddhhmmss.csv Título da coluna Descrição


Instr ID do equipamento (sempre 30 para cobas c 111)
Msg Tipo de mensagem:
7 Resultado de amostra, controlo ou calibração
Index 166 ID do conjunto de dados utilizado
App Código da aplicação
Date Data em que o resultado foi calculado
Time Hora em que o resultado foi calculado
SW-Version Versão do software instalado no analisador
Serial Número de série do analisador
Test Nome abreviado da aplicação
User Nome do operador ($SYS$ se Aceitação automática estiver
ligada)
Sample ID da amostra
Order-Time Hora quando o pedido foi iniciado
Result Resultados da medição
Unit Unidade de laboratório definida
Indicadores Nome do alarme
Rates Valor da taxa calculado em Abs. Último ponto do cálculo -
Primeiro ponto do cálculo)
Raw1 - Raw40 Valor da absorvância do ciclo 1 ao 40 em As. (um ciclo = 18 s)
isSTAT Gerado como parte de um pedido URGENTE (STAT)
Tabela 33 Explicações sobre os resultados dos testes

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-117
6 Operações especiais cobas c 111
Exportar dados

cal_aaaammddhhmmss.csv Título da coluna Descrição


Instr ID do equipamento (sempre 30 para cobas c 111)
Msg Tipo de mensagem:
7 Resultado de amostra, controlo ou calibração
Index 151 Dados da calibração
152 Valor Std-1
153 Valor Std-2
154 Valor Std-3
155 Valor Std-4
156 Valor Std-5
157 Valor Std-6
App Código da aplicação
Date Data em que o resultado foi gerado
Time Hora em que o resultado foi calculado
SW-Version Versão do software instalado no analisador
Serial Número de série do analisador
Cal/Std ID do calibrador (C.f.a.s. = 401) e número padrão
User Nome do operador ($SYS$ se Aceitação automática estiver
ligada)
Lote Número do lote
LS/Value Tipo de calibração/Valor alvo do calibrador correspondente
L Calibração do lote
S Calibração de conjunto
Unit Unidade de laboratório definida
Indicadores Nome do alarme
R0/Rate Offset e factor da curva de calibração
Kc/Raw01 Valor do parâmetro Kc ou valor da absorvância no ciclo 1 em
Abs.
A/Raw02 Valor do parâmetro A ou valor da absorvância no ciclo 2 em Abs.
B/Raw03 Valor do parâmetro B ou valor da absorvância no ciclo 3 em Abs.
C/Raw04 Valor do parâmetro C ou valor da absorvância no ciclo 4 em Abs.
Raw05 - Raw40 Valor da absorvância do ciclo 5 ao 40 em As. (um ciclo = 18 s)
Test Nome abreviado da aplicação
Tabela 34 Explicações sobre os resultados da calibração

Se os resultados da calibração tiverem sido aceites com Utilizar antigo, "???" é apresen-
tado como valores da Date e da Time, e os valores correspondentes para Raw1 - Raw40
estão em falta.

Roche Diagnostics
B-118 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Exportar dados

qcs_aaaammddhhmmss.csv Título da coluna Descrição


Instr ID do equipamento (sempre 30 para cobas c 111)
Msg Tipo de mensagem:
7 Resultado de amostra, controlo ou calibração
Index 161 Valores dos dados
App Código da aplicação
Date Data em que o resultado foi gerado
Time Hora em que o resultado foi calculado
SW-Version Versão do software instalado no analisador
Serial Número de série do analisador
Ctrl ID do controlo
User Nome do operador ($SYS$ se Aceitação automática estiver
ligada)
Lote ID do lote
Mean Valor médio
Result Valor do resultado
Unit Unidade de laboratório definida
Indicadores Nome do alarme
Rate Valor da taxa calculado em Abs. (Primeiro ponto do cálculo -
Último ponto do cálculo)
Raw1 - Raw40 Valor da absorvância do ciclo 1 ao 40 em As. (um ciclo = 18 s)
Test Nome abreviado da aplicação
Ignored "I" se o resultado de CQ tiver sido ignorado
Tabela 35 Explicações sobre os resultados do CQ

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-119
6 Operações especiais cobas c 111
Exportar dados

qch_aaaammddhhmmss.csv Título da coluna Descrição


Instr ID do equipamento (sempre 30 para cobas c 111)
Msg Tipo de mensagem:
8 Resultado do histórico de CQ
Index 151 Valores dos dados
App Código da aplicação
Date Data em que o resultado foi calculado
Time Hora em que o resultado foi calculado
SW-Version Versão do software instalado no analisador
Serial Número de série do analisador
Ctrl ID do controlo
User Nome do operador ($SYS$ se Aceitação automática estiver
ligada)
Lote ID do lote
Mean Valor médio
Result Valor do resultado
Unit Unidade de laboratório definida
Indicadores Nome do alarme
DS Desvio padrão
Test Nome abreviado da aplicação
Ignored "I" se o resultado de CQ tiver sido ignorado
Tabela 36 Explicações sobre os resultados do CQ

pev_aaaammddhhmmss.csv Título da coluna Descrição


Instr ID do equipamento (sempre 30 para cobas c 111)
Msg Tipo de mensagem:
9 Evento do processo
Index 191 Alteração da utilização do reagente
192 Valor atribuído ao calibrador mudou
193 Valor atribuído ao CQ mudou
199 Outro evento do processamento
App Código da aplicação
Date Data em que o evento teve lugar
Time Hora a que o evento teve lugar
SW-Version Versão do software instalado no analisador
Serial Número de série do analisador
Event Descrição do evento
User Nome de operador ($SYS$ "system user" = ??? se ninguém tiver
sessão iniciada)
Test Nome abreviado da aplicação
Tabela 37 Explicações sobre os eventos do processamento

A figura seguinte é um exemplo de um ficheiro de resultados do teste que foi aberto


numa ferramenta de folha de cálculo. As linhas 11 e 12 representam os dados não

Roche Diagnostics
B-120 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Exportar dados

processados de uma aplicação do development channel com o nome abreviado


DCBLG.

Figura 3 Exemplo de uma representação em folha de cálculo de um ficheiro de dados não processados de resultados do teste

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-121
6 Operações especiais cobas c 111
Exportar dados

Exportar ficheiros de registo

Durante a resolução de problemas pode ser-lhe solicitado pelo representante da


assistência que exporte os ficheiros de registo e que lhos envie para verificação.
Os ficheiros de registo contêm as mensagens de alarme e os registos do sistema.

a Para exportar os ficheiros de registo


1 Seleccione Utilitários > Exportar > Log Files.
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
2 Inserir a USB stick.
3 Prima para confirmar a inserção.
É apresentado um ecrã para a selecção da directoria.
Prima *.tgz para visualizar apenas os ficheiros do sistema cobas c 111.
Prima *.* para visualizar todos os ficheiros e directorias.
4 Seleccione a directoria.
5 Prima para confirmar as definições.
Os dados são copiados para a USB stick. O ecrã para a exportação de dados é
novamente apresentado.

Roche Diagnostics
B-122 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Importar dados

Importar dados

f Utilitários > Importar


Pode importar os seguintes tipos de dados:
o Dados da aplicação (definições da aplicação)
o Software (actualizações de software)
o Base de dados (conforme exportada utilizando Utilitários > Exportar > Base de
dados)
o Certificados (registos digitais que asseguram a autenticidade dos códigos de
barras dos reagentes)
o Definições da homogeneização e dos ciclos de lavagem extra

Importar aplicações

A importação de uma aplicação consiste em dois passos:


1. Importar os dados para o analisador através da leitura de um código de barras ou
um ficheiro de dados. Este passo armazena os dados no analisador.
2. Instalar a aplicação. Este passo activa a aplicação no analisador e torna-a assim
disponível para utilização.

a Para importar dados da aplicação


1 Efectue uma das seguintes acções:
o Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais, depois
continue com o passo 2.
o Seleccione Utilitários > Importar > Aplicação, depois continue com o passo
5.
2 Prima .
3 Prima Importar aplicação.
É apresentado um ecrã a solicitar que efectue a leitura do código de barras ou para
importar os dados de uma USB stick.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-123
6 Operações especiais cobas c 111
Importar dados

4 Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Pretende fazer a leitura do código de barras: 1. Faça a leitura do código de barras da
folha de códigos de barras.
Pretende importar da USB stick: 1. Prima .
2. Inserir a USB stick.
3. Prima .
4. Seleccione a directoria que contém o
ficheiro da aplicação.
Pode reconhecer os pacotes da aplica-
ção pela sua extensão .tsb.
5. Prima para confirmar a selec-
ção.

5 Faça a leitura do código de barras da folha de códigos de barras.


O sistema verifica se já existe uma aplicação no sistema com um código e um
nome abreviado idêntico.
A seguinte tabela lista as situações básicas.

Se… Isto acontece…


Existem ambos, o código e o Os parâmetros laboratoriais, por exemplo, o nome
nome abreviado da aplicação: abreviado, são conservados pela aplicação existente.
As definições da aplicação são substituídas no sistema
por novas.
O código da aplicação existe e o Os parâmetros laboratoriais da nova aplicação são
nome abreviado não existe em utilizados, por exemplo, o nome abreviado.
qualquer aplicação no sistema: As definições da aplicação são substituídas no sistema
por novas.
O nome abreviado existe, mas o É apresentado um ecrã para a alteração do nome abre-
código da aplicação não: viado para um nome abreviado único.
Se não alterar o nome abreviado, a aplicação não será
importada.

e Para informação detalhada sobre os possíveis conflitos durante a importação de


aplicações, ver a secção sobre a instalação e a configuração de aplicações de
Development channel no Manual do Operador de Development channel do
cobas c 111.

Se desejar substituir tanto os parâmetros laboratoriais como as definições da aplica-


ção, deve primeiro desinstalar e eliminar a aplicação existente e, em seguida, importar
a nova aplicação.

o Se Verificação de TRL não estiver activada, o valor do limite inferior do intervalo


de medição é substituído ao importar novamente a aplicação.
o Se Verificação de TRL estiver activada, o valor do limite inferior do intervalo de
medição não é substituído ao importar novamente a aplicação. Para obter o valor
exacto, verifique a documentação da aplicação; poderá ser necessário ajustar
manualmente. Ver Definições do cálculo na página B-156.
o Existem aplicações nas quais não é possível alterar o limite inferior do intervalo de
medição, por ex., com ALBU2.

Roche Diagnostics
B-124 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Importar dados

Se a aplicação que está a importar for uma aplicação de Development channel,


note as seguintes situações excepcionais possíveis:

Situação Explicação e possíveis acções


Não está instalado nenhum É apresentada uma mensagem informando o opera-
módulo crypto. dor deste facto.
O sistema não importa a aplicação.
O número máximo de aplicações É apresentada uma mensagem informando o opera-
development channel já está ins- dor deste facto.
talado. 1. Desinstale e, em seguida, elimine a aplicação
development channel.
2. Volte a iniciar o processo de importação.

A lista de aplicações (Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais) é


apresentada. O nome da aplicação é apresentado entre parênteses rectos, por
exemplo, [GLU2], para indicar que a aplicação ainda não está instalada.
Para tornar a aplicação disponível para efectuar testes, deve instalá-la.
6 Se tiver importado a partir de uma USB stick, aguarde que a acção de cópia seja
concluída antes de remover a USB stick.

a Para instalar uma aplicação


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Seleccione uma aplicação cujo nome se situa entre parênteses rectos, por exemplo
[GLU2].
3 Prima .
4 Seleccione Instalar aplicação.
O sistema verifica se já existe uma aplicação instalada no sistema com um código
e um nome abreviado idêntico.
Na lista de aplicações, o nome da aplicação é exibido sem parênteses e nos
detalhes do perfil é exibido o nome abreviado.
Os perfis que utilizam esta aplicação estão incluídos no ecrã de selecção de testes,
desde que estejam instaladas todas as aplicações dos perfis.
5 Preparar a aplicação.
e Ver Preparar aplicações na página B-154.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-125
6 Operações especiais cobas c 111
Importar dados

Importar software

Esta função é habitualmente utilizada para instalar actualizações de software.

a Para importar software do sistema


1 Seleccione Utilitários > Importar > Software.
É apresentado um ecrã questionando se deseja o carregamento forçado do
software do controlador, isto é, se deseja substituir o firmware de controlador
actual independentemente do seu estado actual.
2 Efectue uma das seguintes acções:
o Prima para substituir o firmware do controlador.
o Prima para realizar a importação padrão.
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
3 Inserir a USB stick.
4 Prima .
5 Seleccione o conjunto de software.
Pode reconhecer os pacotes de software pela sua extensão de ficheiro .tar.
6 Prima para confirmar a selecção.
O software é instalado no sistema. Uma mensagem informará o operador quando
a instalação está completa.
O sistema reiniciará automaticamente.
Quando a importação estiver concluída, o separador Visão geral é apresentado e
o sistema fica no estado Em espera.

Roche Diagnostics
B-126 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Importar dados

Importar uma base de dados

Compatibilidade o Se a versão da base de dados importada for mais antiga do que a que se encontra
no sistema alvo, a base de dados importada será convertida para a versão do
sistema.
o Se a versão da base de dados importada for mais recente que a que se encontra no
sistema alvo, a base de dados não pode ser importada.

Situações típicas A importação da base de dados é feita principalmente nas seguintes situações:
o Deseja recuperar o sistema existente para um estado anterior, por exemplo, a
partir de uma versão de segurança da base de dados que tenha sido criada no
mesmo sistema.
o Deseja instalar uma configuração conhecida do sistema noutro sistema
(clonagem).
A tabela seguinte ilustra os efeitos diferentes nas duas situações.

Item de dados Sistemas fonte e alvo Sistemas fonte e alvo


idênticos diferentes
Aplicações instaladas Substituir Escrever, substituir se presente
Configuração do sistema Substituir Escrever, substituir se presente
Inventário de conjuntos de Substituir Escrever, substituir se presente
frascos
Conjuntos de frascos Assinalar como Assinalar como removido
removido
Informação do lote para Substituir Escrever, substituir se presente
calibradores e controlos
Pedidos de amostras e Substituir Eliminar se presente
resultados
Pedidos de CQ e resultados Substituir Eliminar se presente
Resultados do histórico de Substituir Eliminar se presente
CQ
Pedidos de calibração e Substituir Eliminar se presente
resultados
Abs. Calibração de ar/água Eliminar Eliminar se presente
Senha de Administrador Repor para valor Repor para valor predefinido
predefinido
Definições do eléctrodo Eliminar Eliminar se presente
Definições do frasco de Eliminar Eliminar se presente
fluido do ISE
Tabela B-11 Efeitos sobre os dados existentes ao importar uma base de dados

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-127
6 Operações especiais cobas c 111
Importar dados

a Para importar a base de dados


1 Remova todos os frascos de todos os conjuntos de frascos de todos os discos que
se situam no sistema alvo, utilizando as propriedades de software adequadas.
e Ver Preparar os reagentes na página B-24.

2 Seleccione Utilitários > Importar > Base de dados.


É exibido um ecrã de confirmação que informa sobre os efeitos principais da
importação.
e Para detalhes, ver Tabela B-11 na página B-127.

3 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
4 Inserir a USB stick.
5 Prima .
6 Seleccione o ficheiro da base de dados.
Tipicamente, o formato de ficheiro tem esta apresentação:
dba_aaaammddhhmmss.tgz.
Prima *.tgz para visualizar apenas os ficheiros do sistema cobas c 111.
Prima *.* para visualizar todos os ficheiros e directorias.
7 Prima para confirmar a selecção.
Quando os dados são importados, é apresentada uma mensagem solicitando que
se reinicie o sistema.
8 Seleccione > Reiniciar para reiniciar o sistema.

Após a instalação da base de dados


o Instale todos os conjuntos de frascos definidos utilizando as propriedades de software
adequadas.
o Execute a acção de manutenção Abs. cal. de ar/água.
o Se Verificação de TRL estiver activada, o valor do limite inferior do intervalo de medi-
ção não é substituído ao importar a base de dados. Para obter o valor exacto, verifique
a documentação da aplicação; poderá ser necessário ajustar manualmente. Ver Defini-
ções do cálculo na página B-156. (Repare que existem aplicações nas quais não é pos-
sível alterar o limite inferior do intervalo de medição, por ex., ALBU2.)

Roche Diagnostics
B-128 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Importar dados

Importar certificados

Os certificados são registos digitais que asseguram a autenticidade dos códigos de


barras dos reagentes. Em cada analisador cobas c 111 deve haver um certificado
instalado.

a Para importar certificados


1 Seleccione Utilitários > Importar > Certificado.
É apresentado um ecrã que lista todos os certificados actualmente instalados.
2 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira a USB stick.
3 Inserir a USB stick.
4 Prima .
5 Seleccione o certificado.
Pode reconhecer um certificado pela sua extensão do ficheiro .prm.
6 Prima para confirmar a selecção.
O certificado é instalado no sistema.
É novamente apresentado o ecrã que lista todos os certificados actualmente
instalados.

Importar definições automáticas de homogeneização e de ciclos de lavagem


extra

As informações sobre homogeneização e ciclos de lavagem extra encontram-se num


código de barras separado numa folha de transferência dos códigos de barras.

a Para importar a informação relativa à homogeneização e aos ciclos de


lavagem extra
1 Seleccione Utilitários > Importar > EWC/Agitação.
É apresentado um ecrã a solicitar que se efectue a leitura do código de barras.
2 Faça a leitura do código de barras.
Os dados são instalados no sistema. Uma mensagem informará o operador
quando a instalação está completa. O ecrã para a importação de dados é
novamente apresentado.
e Para informação sobre a definição de lavagens extra ver Definir lavagens extra na
página B-187.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-129
6 Operações especiais cobas c 111
Preparar um disco novo

Preparar um disco novo

Lesões devido a reagentes e outras soluções de trabalho


O contacto directo com reagentes, soluções de limpeza ou outras soluções funcionais
ADVERTÊNCIA podem causar lesões pessoais.
Ao manusear reagentes, tome as devidas precauções para o manuseamento de reagentes
de laboratório, e tenha em consideração os avisos indicados nas folhas de método e as
informações fornecidas nas Fichas de Dados de Segurança do Material disponíveis para
reagentes e soluções de limpeza da Roche Diagnostics.

Infecção por materiais de risco biológico


O contacto com amostras que contenham material de origem humana pode resultar em
infecção. Todos os materiais e componentes mecânicos associados a amostras de origem
humana têm risco biológico potencial.
o Certifique-se de que usa equipamento de protecção. Tome um especial cuidado ao
trabalhar com luvas de protecção; estas podem ser facilmente perfuradas ou cortadas,
o que pode provocar infecções.
o Se derramar algum material de risco biológico, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
o Se a solução de esgoto entrar em contacto com a sua pele, lave-a imediatamente e
aplique um desinfectante. Consulte um médico.

Lesões pessoais ou danos ao analisador devido a contacto com o mecanismo do


analisador
O contacto com peças móveis do analisador pode causar lesões pessoais, impedir o anali-
sador de processar e causar danos materiais em peças do analisador.
o Não toque em peças móveis durante o funcionamento do analisador.
o Mantenha todas as tampas fechadas e manuseie-as conforme indicado no ecrã.

AVISO Danos no disco de reagentes


O disco de reagentes foi concebido para manusear os reagentes enquanto está colocado
no analisador. A tampa está equipada com um mecanismo de fecho.
Remova ou insira frascos apenas quando o disco de reagentes estiver colocado no anali-
sador e utilize sempre as funções de software para efectuar estas tarefas.

Roche Diagnostics
B-130 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Preparar um disco novo

Pode utilizar até oito discos de reagentes diferentes no analisador cobas c 111. Cada
disco de reagentes está equipado com separadores numerados. Para a identificação
automática do disco pelo analisador, é eliminado um—e apenas um—destes
separadores. O número deste separador removido é a ID do disco. Quando rotular o
disco, certifique-se de que o número no rótulo corresponde ao do separador
removido.

A
A

B
C
D

A IDs do disco de reagentes. Existem oito IDs C Separadores de identificação


possíveis. D O separador foi removido para o reconheci-
B Rótulo do disco. O número deve correspon- mento automático do disco
der à ID do disco de reagentes.

Figura B-38 ID do disco de reagentes

a Para preparar um disco de reagentes novo

Definir a ID do disco 1 Certifique-se de que escolhe uma ID que não é utilizada por outro disco de
reagentes que pretende utilizar neste analisador cobas c 111.
Pode escolher um número entre um e oito.
2 Imprima o número num rótulo e cole-o no disco (A).
3 Com uma pinça, quebre a lingueta da ID (C. D) com o número igual ao que foi
imprimido no rótulo.

Colocar o disco 4 No sistema seleccione Visão geral > .


É exibido um ecrã de visão geral do disco.
5 Prima .
É apresentado um ecrã a solicitar que se insira o disco.
6 Abra a tampa principal.
7 Coloque o disco de reagentes no refrigerador de reagentes.
Certifique-se de que a porta dos reagentes fica virada para a frente e alinhe os
recortes com as suas contrapartes no refrigerador de reagentes.
O sistema detecta automaticamente se foi inserido um disco.
É apresentado um ecrã a solicitar que feche a tampa principal.
8 Fechar a tampa principal.
Nesta altura, o sistema identifica o disco.
É apresentado um ecrã que apresenta o estado dos conjuntos de reagentes.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-131
6 Operações especiais cobas c 111
Preparar um disco novo

Colocar conjuntos de reagentes 9 Prima .


É apresentado um ecrã a solicitar que se efectue a leitura do código de barras do
frasco.
10 Faça a leitura do código de barras do frasco.
11 Remova a tampa do frasco e coloque-a no compartimento dos reagentes.
12 Prima para confirmar a inserção.
Se confirmar sem colocar o frasco, o sistema assume que o frasco foi colocado.
Se pressionar após ter colocado o frasco, a posição é posta de parte como
estando vazia.
O conjunto de reagentes é definido quando o primeiro frasco de reagentes de um
conjunto é colocado. A partir deste momento, os reagentes são manuseados como
parte do conjunto. Já não os manuseia como reagentes individuais.
13 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Há outro frasco que pertence É apresentado um ecrã a solicitar que se efectue a leitura
ao conjunto: do frasco.
1. Fazer a leitura do código de barras do frasco
2. Insira o frasco.
3. Prima para confirmar a inserção.

Todos os frascos do conjunto 1. Fechar a tampa principal.


foram inseridos: No ecrã com os botões dos conjuntos de reagentes, o
botão para o novo conjunto está agora presente.

14 Prima .
15 No ecrã de visão geral do disco, prima para colocar o reagente seguinte.
Prossiga conforme descrito nos passos 10 a 15.

Roche Diagnostics
B-132 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Atribuir testes a separadores de testes

Atribuir testes a separadores de testes

O sistema fornece dois modos de pedido: Fácil e Completo. Ao trabalhar no modo


Fácil, o ecrã de selecção de testes consiste num painel, se trabalhar no modo
Completo, o ecrã contém até seis painéis, estando cada um identificado por um
separador.
Para tornar um teste disponível para a selecção a partir do ecrã de selecção de testes
deve atribuí-lo a um separador de testes. Esse procedimento é constituído por dois
passos:
1. Atribuir nome aos separadores (caso seja necessário).
2. Atribuir os testes aos separadores.

Necessita de direitos de Administrador do laboratório ou de Administrador para atribuir


testes aos separadores.

Sem espaço num separador


Os testes e os perfis instalados mantêm as suas alocações de espaço nos seus separado-
res de testes respectivos.
o Se um separador estiver cheio quando desejar atribuir outro teste, verifique se existem
testes desinstalados:
o Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais. Os nomes dos
testes são exibidos dentro de parenteses rectos.
o Remova um desses testes do separador. Ver Para remover um teste de um separador
na página B-134.

Atribuição durante a Ao importar aplicações, os testes são atribuídos aos separadores do seguinte modo:
importação das aplicações
o Se trabalhar no modo Fácil, os testes são adicionados ao painel Fácil. (Se o painel
estiver cheio, estes não serão exibidos.)
o Se trabalhar no modo Completo, os testes são adicionados ao painel Fácil (se
houver espaço) e ao primeiro separador do modo Completo. Se não houver
espaço suficiente no primeiro separador do modo Completo, o teste é adicionado
ao separador seguinte que tenha espaço disponível.

a Atribuir nome a um separador de testes


1 Seleccione Utilitários > Configuração > Fluxo de trabalho.
2 Expanda a entrada Fluxo de trabalho, desloque para baixo e seleccione
Separador de testes 1...6 Nome.
3 Prima .
É apresentado um ecrã para a digitação do texto.
e Para detalhes sobre como digitar texto, ver Escrever texto na página A-80.

4 Digite até quatro caracteres.


Este é o nome do separador no ecrã para a atribuição de testes.
5 Prima .
O nome do separador está agora disponível no ecrã para a atribuição de testes.
Ver em baixo.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-133
6 Operações especiais cobas c 111
Atribuir testes a separadores de testes

a Para atribuir um teste a um separador


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Seleccione o teste que deseja atribuir a um separador.
3 Prima .
4 Seleccione Geral e expanda a entrada.
5 Seleccione Tab. de teste.
6 Prima .
É apresentado um ecrã com um botão para cada um dos possíveis separadores.
O botão Fácil está sempre disponível. É o painel padrão para trabalhar no modo
de pedido Fácil. (Não lhe pode dar outro nome.)
7 Seleccione os botões de todos os separadores onde os testes devem ser
apresentados.
8 Prima .
Os testes estão agora disponíveis nos separadores correspondentes no ecrã de
selecção de testes.

a Para remover um teste de um separador


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Seleccione o teste que deseja remover.
3 Prima .
4 Seleccione Geral e expanda a entrada.
5 Seleccione Tab. de teste.
6 Prima .
7 Cancele a selecção do botão do separador ao qual o teste está atribuído.
8 Prima .
O teste já não está disponível no separador correspondente no ecrã de selecção de
testes.

Para mover um teste de um separador para outro, elimine-o do separador original e atri-
bua-o ao novo separador.

Roche Diagnostics
B-134 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Eliminar conjuntos de frascos da lista Inventário

Eliminar conjuntos de frascos da lista Inventário

A lista Inventário serve para obter uma visão geral do estado de todos os conjuntos
de frascos que estão definidos em qualquer um dos discos de reagentes utilizado no
analisador cobas c 111.
Pode eliminar os conjuntos de frascos da lista, o que é apropriado se tiver removido
um conjunto do disco e não tencionar utilizá-lo.

o Antes de poder eliminar um conjunto de frascos da lista Inventário tem de o remover


do disco.
o Os conjuntos de frascos que tenham sido removidos do disco e cujo prazo de validade
tenha expirado há mais de 30 dias são automaticamente eliminados da lista Inventá-
rio, a menos que ainda exista um conjunto válido do mesmo fluido no equipamento. Se
este não for o caso, o conjunto que foi instalado por último permanece no inventário.

a Eliminar um conjunto de frascos da lista Inventário

Remover o conjunto de frascos 1 Remova o conjunto de frascos do disco.


e Remover um conjunto de reagentes na página B-28.

Se o conjunto de frascos que deseja eliminar não estiver no disco actualmente


instalado, deve trocar primeiro o disco.
e Remover o disco de reagentes na página B-96, Preparar o disco de reagentes na
página B-23.

Eliminar o conjunto de frascos 2 Seleccione Utilitários > Inventário.


A lista de Conjuntos de frascos é exibida. Esta contém todos os conjuntos de
frascos que estão definidos em qualquer um dos discos utilizados neste analisador
cobas c 111, incluindo os conjuntos que foram retirados do disco, desde que não
estivessem vazios ou os prazos de validade não tivessem expirado.

Figura B-39

Na coluna D os conjuntos de frascos removidos estão assinalados com R (A).


3 Seleccione o conjunto de frascos que deseja eliminar.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-135
6 Operações especiais cobas c 111
Reabastecer papel de impressora

4 Prima
É apresentada uma caixa de diálogo de confirmação. Uma mensagem informará o
operador se o conjunto não puder ser eliminado.
5 Prima para confirmar a eliminação.

Não é possível voltar a colocar um conjunto de frascos no disco de reagentes a partir do


momento em que este foi eliminado da lista Conjuntos de reagentes.

Reabastecer papel de impressora

Pode reabastecer o papel de impressora em qualquer altura, desde que a impressão


não esteja em curso.

a Para verificar o estado da impressora


1 No separador Visão geral prima o botão Estado do sistema.
O botão da impressora fica vermelho se o papel da impressora tiver
acabado.
2 Desloque para apresentar a entrada da Impressora e leia o texto.

a Para substituir o papel de impressora


1 Certifique-se de que a impressora não está actualmente a imprimir.
2 Abra o painel da impressora.

Certifique-se de que pressiona o botão de desbloqueio (A) com firmeza antes de puxar
o painel. O painel deve abrir sem resistência.

3 Levante o rolo de papel de impressora vazio do seu suporte.


4 Retire o pino do rolo.

Roche Diagnostics
B-136 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Reabastecer papel de impressora

5 Insira o pino no novo rolo.


6 Coloque o novo rolo no suporte.
Certifique-se de que o papel se desenrola no topo e na sua direcção.

7 Insira o papel na ranhura no painel da impressora e puxe algum através dela.

8 Feche o painel da impressora.


O sistema alimenta algum papel.
Se o sistema tiver ficado sem papel durante a impressão, este retomará a
impressão.
9 No separador Visão geral prima o botão Estado do sistema.
O botão da impressora deve estar agora verde e a descrição do estado deve
ser OK.

Armazenamento de impressões
As impressões em papel térmico vão desaparecendo com o passar do tempo. Para um
armazenamento de longo prazo, guarde apenas cópias das impressões.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-137
6 Operações especiais cobas c 111
Remover a água de condensação do refrigerador de reagentes

Remover a água de condensação do refrigerador de reagentes

a Para remover água do refrigerador de reagentes


1 Certifique-se de que o sistema se encontra no estado Em espera.
2 Seleccione Visão geral > > .
3 Abra a tampa principal.
4 Remover o disco de reagentes.
Certifique-se de que não o inclina e coloque-o sobre uma superfície plana.
5 Limpe o interior do refrigerador de reagentes com um pano ou papel para
remover a água.

6 Insira o disco de reagentes.


7 Feche a tampa.

Roche Diagnostics
B-138 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Substituir a agulha

Substituir a agulha

Se a agulha ficar dobrada, partida ou corroída deve substituí-la.

Ferramentas e materiais o Agulha e conjunto de tubagem


necessários o Tubo com desproteinizante do ISE
o Tubo com activador
o Proveta de vidro

Lesões por soluções funcionais


O contacto directo com soluções de limpeza ou com outras soluções funcionais pode cau-
ADVERTÊNCIA sar lesões pessoais. Ao manusear esse tipo de soluções, tome as precauções necessárias
para o seu manuseamento, tenha em consideração as precauções indicadas nas folhas de
método e tenha em consideração as informações fornecidas nas Fichas de Dados de
Segurança do Material disponíveis para as soluções de limpeza da Roche Diagnostics.

Infecção por materiais de risco biológico


O contacto com amostras que contenham material de origem humana pode resultar em
infecção. Todos os materiais e componentes mecânicos associados a amostras de origem
humana têm risco biológico potencial.
o Certifique-se de que usa equipamento de protecção. Tome um especial cuidado ao
trabalhar com luvas de protecção; estas podem ser facilmente perfuradas ou cortadas,
o que pode provocar infecções.
o Se derramar algum material de risco biológico, limpe-o imediatamente e aplique desin-
fectante.
o Se a solução de esgoto entrar em contacto com a sua pele, lave-a imediatamente e
aplique um desinfectante. Consulte um médico.

a Para remover a agulha


1 Certifique-se de que o sistema se encontra no estado Em espera.
2 Encerre o sistema e desligue o analisador.
3 Remova a tampa da cabeça de transferência.
Prima os botões de desbloqueio de ambos os lados e levante.
4 Solte o tubo que conduz à agulha a partir de todos os clipes da tubagem.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-139
6 Operações especiais cobas c 111
Substituir a agulha

5 Remova o adaptador da tubagem do sensor (A).

A Adaptador da tubagem do sensor D Suporte da agulha


B Exemplo de clipe de tubagem E Parafuso de fixação do tubo ao bloco de
C Parafuso de fixação do tubo no suporte distribuição

Figura B-40

6 Remova o suporte da agulha (D) do elevador.


Prima o botão de desbloqueio do lado do elevador do suporte da agulha e levante
o suporte da agulha juntamente com a agulha.
7 Desenrosque a agulha do respectivo suporte e remova-a.
8 Coloque a agulha na proveta e o suporte da agulha sobre uma superfície limpa.
9 Desenrosque a tubagem do bloco de distribuição (E).
10 Levante a tubagem e aguarde até que todo o fluido tenha corrido para dentro da
proveta.
11 Elimine o conjunto da agulha. Trate-o como um resíduo de risco biológico.

a Para instalar uma agulha nova


1 Insira cuidadosamente a agulha no suporte da agulha e aperte o parafuso que fixa
a tubagem ao suporte (C).
2 Volte a instalar o suporte da agulha juntamente com a agulha.
Prima o botão de desbloqueio do lado do elevador do suporte da agulha enquanto
insere o suporte da agulha. Liberte o botão quando o suporte estiver inserido.
Prima o suporte com firmeza até ao engate do botão de desbloqueio.
3 Volte a instalar o adaptador do sensor da tubagem.
Carregue até que os clipes engatem.
4 Enrosque a tubagem no bloco de distribuição.

Roche Diagnostics
B-140 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos

5 Fixe o tubo a todos os clipes da tubagem. Comece perto do suporte da agulha.


6 Instale a tampa da cabeça de transferência.
Empurre para baixo até ao engate dos botões de desbloqueio.
7 Ligue o sistema.
O sistema executa verificações internas e rotinas.
A fase de inicialização poderá demorar alguns minutos.
Quando o analisador estiver pronto para der utilizado, aparece o separador Visão
Geral e fica no estado Em espera.
8 Inicie a sessão no sistema.
9 Execute a acção de manutenção Desproteinizar agulha.
e Ver Desproteinizar a agulha na página C-10.

Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos

Antes de ligar o sistema, certifique-se de que todos os reservatórios externos de


fluidos se encontram colocados no suporte e devidamente ligados.

a Para ligar o reservatório de água


1 Coloque o reservatório de água branco reabastecido no tabuleiro. (Utilize sempre
água purificada com a qualidade especificada na secção Especificações técnicas.)
2 Ligue a tubagem de água ao conector no analisador empurrando com firmeza o
bocal.

A B C

A Reservatório de água C Conector de água


B Adaptador da tubagem

Figura B-41

3 Insira o adaptador da tubagem no reservatório e empurre-o para baixo com


firmeza.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-141
6 Operações especiais cobas c 111
Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos

a Para ligar o reservatório de esgoto


1 Coloque o reservatório de esgoto amarelo vazio no tabuleiro.
2 Ligue a tubagem de esgoto empurrando com firmeza ao bocal específico no
equipamento.

A B C

A Reservatório de esgoto C Conector de esgoto


B Adaptador da tubagem

Figura B-42

3 Insira o adaptador da tubagem no reservatório e empurre-o para baixo com


firmeza.

a Para ligar o frasco de cleaner


1 Coloque o frasco no tabuleiro.

A B

A Frasco de cleaner B Adaptador da tubagem

Figura B-43

2 Enfie o tubo através da manga protectora, certificando-se de que a extremidade


mais larga da manga está virada para o lado de fora do analisador.

Roche Diagnostics
B-142 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos

3 Enrosque a tubagem do cleaner no conector do analisador (C). Não aperte o


parafuso demasiado.

C Conector de cleaner

Figura B-44

4 Empurre a manga protectora firmemente para a respectiva base no analisador


(D).

D Conector de cleaner com peça protectora

Figura B-45

5 Insira o adaptador da tubagem no reservatório e empurre-o para baixo com


firmeza.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-143
6 Operações especiais cobas c 111
Ligar e desligar os reservatórios externos de fluidos

a Para desligar um tubo do analisador


1 Remover o painel do lado direito.
2 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Deseja desligar a tubagem de água: Prima o grampo de desbloqueio (A) para
baixo na tomada de ligação e puxe o conec-
tor afastando-o da tomada.
Deseja desligar a tubagem do cleaner: 1. Puxe para fora a peça protectora (B) e
mova-a pelo tubo o suficiente para
poder agarrar o parafuso de ligação.
2. Rode o parafuso de ligação (D) no
sentido contrário ao dos ponteiros do
relógio até que o conector fique solto.
Deseja desligar a tubagem de esgoto: Prima o grampo de desbloqueio (C) para
baixo no conector e puxe o conector afas-
tando-o da tomada.

A B C D

A Grampo de desbloqueio na tomada de C Grampo de desbloqueio do conector de


ligação de água esgoto.
B Conector de cleaner com peça protectora D Parafuso do conector do cleaner

Figura B-46

Roche Diagnostics
B-144 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 6 Operações especiais
Ajustar o ecrã táctil

Ajustar o ecrã táctil

Se um item no ecrã não corresponde exactamente aos respectivos elementos


subjacentes de hardware e software, pressionar um determinado item no ecrã pode
não provocar o efeito desejado. Ajustar o ecrã de toque assegura que todas as partes
correspondem.

a Para ajustar o ecrã de toque


1 Prima o botão global.
É apresentado um ecrã que apresenta vários tipos de paragem. Ignore-o.
2 Prima novamente o botão global .
É apresentada um ecrã para o ajuste do ecrã.

3 Prima exactamente no centro da cruz negra.


Se a tiver tocado correctamente, esta fica amarela e a cruz seguinte fica negra.
4 Faça o mesmo em todas as cruzes.
5 Quando todas as cruzes tiverem sido confirmadas, aparece uma nova mensagem a
informar que o sistema tem de ser reiniciado para que os novos valores de
calibração tenham efeito.
6 Prima para fechar o ecrã de calibração.
Se não for possível premir , é necessário desligar directamente o
equipamento utilizando o botão de alimentação eléctrica verde. Em seguida,
reinicie o equipamento.
7 Reinicie o sistema.
o Prima .
o Prima Reiniciar.
O sistema encerra-se e reinicia-se automaticamente.
o Aguarde até o separador Visão geral ser exibido e o sistema ficar no estado
Em espera.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-145
6 Operações especiais cobas c 111
Limpar o ecrã táctil

Limpar o ecrã táctil

Uma vez que o ecrã táctil fica facilmente sujo, deve limpá-lo regularmente.

Ferramentas e materiais m Álcool etílico a 70%


necessários m Papel absorvente
m Luvas de protecção

a Para limpar o ecrã táctil


1 Verta ou pulverize um pouco de solução alcoólica num pano.
2 Limpe o ecrã.
Exerça a menor pressão possível.
3 Limpe o ecrã com um lenço de papel limpo.

Roche Diagnostics
B-146 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Índice

Configuração
Integrar o sistema no seu ambiente

Este capítulo apresenta informações sobre como definir a maneira como o operador
vai trabalhar com o analisador cobas c 111.

Neste capítulo Capítulo 7


Introdução .....................................................................................................................B–149
Visualizar valores ...................................................................................................B–149
Alterar valores .........................................................................................................B–150
Aplicações ......................................................................................................................B–151
Instalar aplicações ..................................................................................................B–151
Activar e desactivar aplicações .............................................................................B–153
Preparar aplicações ................................................................................................B–154
Desinstalar aplicações ............................................................................................B–157
Eliminar aplicações ................................................................................................B–158
Definir o pedido de processamento .....................................................................B–160
Definir aplicações de resultados calculados .......................................................B–161
Perfis ........................................................................................................................B–163
Definir perfis ....................................................................................................B–163
Adicionar testes a um perfil ............................................................................B–163
Remover testes de um perfil ...........................................................................B–164
Eliminar perfis ..................................................................................................B–164
Definir definições e lotes de controlo .................................................................B–164
Definir definições e lotes de calibrador ...............................................................B–165
Guia resumido de definições da aplicação ..........................................................B–167
Versão ................................................................................................................B–167
Código ...............................................................................................................B–167
Definições gerais das aplicações ....................................................................B–167
Definições da calibração .................................................................................B–168
Definições de controlos ...................................................................................B–169
Definições do cálculo ......................................................................................B–170
Definições de cálculos (aplicações de resultados calculados) ....................B–171
Correlações laboratoriais (aplicações de resultados calculados) ...............B–171
Definições do intervalo de referência (aplicações de resultados
Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-147
7 Configuração cobas c 111
Índice

calculados) ........................................................................................................B–171
Definições da conversão de resultados .........................................................B–172
Configuração ................................................................................................................B–173
Alterar a sua senha .................................................................................................B–173
Programar acções de manutenção .......................................................................B–174
Abordagem do idioma da interface do operador ...............................................B–174
Desinstalar um idioma ....................................................................................B–176
Gestão de operadores ............................................................................................B–177
Definir um operador .......................................................................................B–177
Eliminar um operador .....................................................................................B–178
Editar a lista de alarmes aceitáveis .......................................................................B–178
Mapear os códigos do host ....................................................................................B–179
Guia resumido de definições de configuração ...................................................B–180
Definições do fluxo de trabalho .....................................................................B–180
Definições do host ...........................................................................................B–182
Processamento dos resultados ........................................................................B–183
Calibração .........................................................................................................B–184
CQ ......................................................................................................................B–184
Sistema ...............................................................................................................B–184
Data e hora ........................................................................................................B–186
Manutenção ......................................................................................................B–186
Ajuste da Abs ....................................................................................................B–186
Definir lavagens extra ............................................................................................B–187
Activar, desactivar e eliminar lavagens extra ......................................................B–188
Guia resumido das definições de ciclos de lavagem extra ................................B–189
Definições de lavagens extra ..........................................................................B–189
Guia resumido de regras de agitação de reagentes ............................................B–190
Definições de regras de agitação de reagentes .............................................B–190
Imprimir regras de agitação ..................................................................................B–190
Eliminar regras de agitação ...................................................................................B–191

Roche Diagnostics
B-148 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Introdução

Introdução

É da total responsabilidade dos operadores determinar se devem activar a funcionalidade


Verificação de TRL e, se o fizerem, definir o intervalo de medição inferior de acordo com as
exigências específicas de cada país. Se operadores activarem a funcionalidade Verificação
de TRL, serão também responsáveis pela validação dos intervalos que definirem.
e Consultar Definições do cálculo na página B-170 e Instalar aplicações na página B-151.

O processo para visualizar e alterar os valores da configuração e da aplicação é o


mesmo. Os procedimentos seguintes utilizam o exemplo de um valor de calibração.

Visualizar valores

a Para visualizar os valores


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Expanda a lista.
o Seleccione o item da lista assinalado com .
o Prima .
o Seleccione um item da sublista marcado com .
o Prima .
o Utilize a barra de deslocamento, caso seja necessário, para exibir os itens que
lhe interessam.
São apresentados os itens de definição e os seus valores actuais.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-149
7 Configuração cobas c 111
Introdução

Alterar valores

Se a alteração de um valor resultar num ou vários outros valores a necessitarem de


alteração, ao alterar o primeiro valor é iniciado um assistente. Pode reconhecer o
assistente pela presença dos botões e .

a Para alterar um valor


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Expanda a lista para apresentar os itens e os respectivos valores.
3 Seleccione um item que apresente um valor.
4 Prima .
É apresentado um ecrã no qual se pode digitar um novo valor ou seleccionar um
valor pressionando o botão correspondente.

5 Digite o novo valor ou prima um botão de valor.


6 Efectue uma das seguintes acções:

Se Faça isto
Está num assistente e deseja alterar outro 1. Prima .
valor: É apresentado um ecrã para a alteração
do valor.
2. Digite o novo valor ou prima um botão
de valor.
3. Continue com o passo 6.
4. Quando já não estiver activo,
prima para confirmar as altera-
ções.

Este era o único valor que desejava alterar: 1. Prima para confirmar as altera-
ções.

Roche Diagnostics
B-150 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

Aplicações

Instalar aplicações

Para tornar uma nova aplicação disponível no analisador cobas c 111, é necessário
efectuar os seguintes passos:
1. Importar os dados para o analisador, efectuando a leitura do respectivo código de
barras ou através da leitura de uma USB stick. Este passo armazena os dados no
analisador..
É possível importar uma nova versão de uma aplicação com um código de
aplicação idêntico, mas não a pode instalar.
e Para importar dados da aplicação na página B-151.
2. Instalar a aplicação. Este passo activa a aplicação no analisador e torna-a assim
disponível para utilização.
e Instalar aplicações na página B-151.
3. Preparar a aplicação. Este passo associa a aplicação aos dados do lote e dos fluidos
auxiliares, como calibradores e controlos.
e Para preparar uma aplicação na página B-154.

a Para importar dados da aplicação


1 Efectue uma das seguintes acções:
o Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais, depois
continue com o passo 2.
o Seleccione Utilitários > Importar > Aplicação, depois continue com o passo
5.
2 Prima .
3 Prima Importar aplicação.
É apresentado um ecrã a solicitar que efectue a leitura do código de barras ou para
importar os dados de uma USB stick.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-151
7 Configuração cobas c 111
Aplicações

4 Efectue uma das seguintes acções:

Se… Faça isto…


Pretende fazer a leitura do código de barras: 1. Faça a leitura do código de barras da
folha de códigos de barras.
Pretende importar da USB stick: 1. Prima .
2. Inserir a USB stick.
3. Prima .
4. Seleccione a directoria que contém o
ficheiro da aplicação.
Pode reconhecer os pacotes da aplica-
ção pela sua extensão .tsb.
5. Prima para confirmar a selec-
ção.

5 Faça a leitura do código de barras da folha de códigos de barras.


O sistema verifica se já existe uma aplicação no sistema com um código e um
nome abreviado idêntico.
A seguinte tabela lista as situações básicas.

Se… Isto acontece…


Existem ambos, o código e o Os parâmetros laboratoriais, por exemplo, o nome
nome abreviado da aplicação: abreviado, são conservados pela aplicação existente.
As definições da aplicação são substituídas no sistema
por novas.
O código da aplicação existe e o Os parâmetros laboratoriais da nova aplicação são
nome abreviado não existe em utilizados, por exemplo, o nome abreviado.
qualquer aplicação no sistema: As definições da aplicação são substituídas no sistema
por novas.
O nome abreviado existe, mas o É apresentado um ecrã para a alteração do nome abre-
código da aplicação não: viado para um nome abreviado único.
Se não alterar o nome abreviado, a aplicação não será
importada.

e Para informação detalhada sobre os possíveis conflitos durante a importação de


aplicações, ver a secção sobre a instalação e a configuração de aplicações de
Development channel no Manual do Operador de Development channel do
cobas c 111.

Se desejar substituir tanto os parâmetros laboratoriais como as definições da aplica-


ção, deve primeiro desinstalar e eliminar a aplicação existente e, em seguida, importar
a nova aplicação.

o Se Verificação de TRL não estiver activada, o valor do limite inferior do intervalo


de medição é substituído ao importar novamente a aplicação.
o Se Verificação de TRL estiver activada, o valor do limite inferior do intervalo de
medição não é substituído ao importar novamente a aplicação. Para obter o valor
exacto, verifique a documentação da aplicação; poderá ser necessário ajustar
manualmente. Ver Definições do cálculo na página B-156.
o Existem aplicações nas quais não é possível alterar o limite inferior do intervalo de
medição, por ex., com ALBU2.

Roche Diagnostics
B-152 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

Se a aplicação que está a importar for uma aplicação de Development channel,


note as seguintes situações excepcionais possíveis:

Situação Explicação e possíveis acções


Não está instalado nenhum É apresentada uma mensagem informando o opera-
módulo crypto. dor deste facto.
O sistema não importa a aplicação.
O número máximo de aplicações É apresentada uma mensagem informando o opera-
development channel já está ins- dor deste facto.
talado. 1. Desinstale e, em seguida, elimine a aplicação
development channel.
2. Volte a iniciar o processo de importação.

A lista de aplicações (Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais) é


apresentada. O nome da aplicação é apresentado entre parênteses rectos, por
exemplo, [GLU2], para indicar que a aplicação ainda não está instalada.
Para tornar a aplicação disponível para efectuar testes, deve instalá-la.
6 Se tiver importado a partir de uma USB stick, aguarde que a acção de cópia seja
concluída antes de remover a USB stick.

a Para instalar uma aplicação


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Seleccione uma aplicação cujo nome se situa entre parênteses rectos, por exemplo
[GLU2].
3 Prima .
4 Seleccione Instalar aplicação.
O sistema verifica se já existe uma aplicação instalada no sistema com um código
e um nome abreviado idêntico.
Na lista de aplicações, o nome da aplicação é exibido sem parênteses e nos
detalhes do perfil é exibido o nome abreviado.
Os perfis que utilizam esta aplicação estão incluídos no ecrã de selecção de testes,
desde que estejam instaladas todas as aplicações dos perfis.
5 Preparar as aplicações.
e Ver Preparar aplicações na página B-154.

Activar e desactivar aplicações

Quando uma aplicação é instalada no sistema, esta é automaticamente activada.


e Instalar aplicações na página B-151.

Pode desactivar uma aplicação para tornar o teste temporariamente indisponível no


painel de testes. Todos os fluidos e dados associados permanecem inalterados. Pode
activar a aplicação novamente mais tarde e continuar a utilizar o teste.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-153
7 Configuração cobas c 111
Aplicações

a Para activar ou desactivar uma aplicação


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Expanda a entrada da aplicação.
3 Expanda a entrada Geral.
4 Seleccione Activo.
5 Prima .
6 Seleccione Ligado se desejar utilizar a aplicação.
Seleccione Desligado se não desejar utilizar a aplicação.
7 Prima .

Preparar aplicações

Efectue os seguintes passos para cada nova aplicação. (Utilize os assistentes para
efectuar as definições.)
e Para o procedimento geral de alterações nas definições, ver Para alterar um valor na
página B-150.

a Para preparar uma aplicação


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Expanda a entrada da aplicação.

Código O código das aplicações da Roche identifica a aplicação. Este é utilizado para a
comunicação com o host. Se trabalhar com um código diferente para uma aplicação
específica, tem de mudar o código das aplicações da Roche para o seu próprio código.
e Ver Mapear os códigos do host na página B-179.

Este código também é utilizado na Ferramenta de Impressão cobas c 111. (Os códigos
do sistema cobas c 111 e da Ferramenta de Impressão devem corresponder.)

Versão A versão identifica unicamente um conjunto específico de definições das aplicações.


O número da versão aumenta sempre que ocorra uma alteração nas definições das
aplicações, por exemplo, da versão 1.0 para a 1.1.

Definições gerais 3 Expanda a entrada Geral, seleccione Nome abreviado e prima .


4 Modifique o nome abreviado (até 5 caracteres alfanuméricos), caso seja
necessário.
O nome abreviado afecta a apresentação do nome do teste na interface do
operador (por exemplo, botões de teste ou nomes de teste nos pedidos e nas listas
de resultados, assim como em todas as impressões).
5 Prima e modifique o nome por extenso (até 30 caracteres alfanuméricos)
do teste, caso seja necessário.
O nome por extenso é uma descrição significativa do teste. É particularmente útil
se o nome abreviado não for muito familiar no ambiente do laboratório.

Roche Diagnostics
B-154 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

6 Prima e em seguida Ligado para activar a aplicação.


Se uma aplicação não estiver activa, os testes relacionados com esta aplicação não
estão disponíveis para a utilização. Não pode seleccioná-los no ecrã de selecção de
testes. As definições da aplicação permanecem no sistema.
7 Prima e seleccione os botões dos separadores a partir dos quais o teste
deve ficar disponível.
e Para detalhes, ver Atribuir testes a separadores de testes na página B-133.

8 Prima para confirmar as definições.

Definições da calibração Para os calibradores Roche, as definições recomendadas são automaticamente


definidas para cada aplicação. Pode alterar a sequência, o intervalo e o valor repetido,
caso seja necessário.

A Roche recomenda não alterar as definições da calibração dos reagentes da Roche.

9 Expanda a entrada Calibração, seleccione Sequência e prima .


10 Altere a sequência, caso seja necessário. (Os valores da sequência definem o
momento em que a calibração fica pendente e o sistema informa
automaticamente o operador sobre as calibrações pendentes.)
Sem intervalo: O sistema não informa o operador sobre o estado pendente. Utilize
este valor se o reagente for suficientemente estável durante todo o período até
ficar vazio e ser substituído. A calibração fica pendente sempre que um novo
conjunto de reagentes for colocado no analisador.
Apenas intervalo: Efectuado quando o intervalo do reagente tiver expirado.
Cada lote e intervalo: Efectuado sempre que é introduzido o primeiro reagente de
um novo lote e depois sempre que o intervalo tiver expirado.
Conj. de frascos e intervalo: Efectuado sempre que um reagente é introduzido ou
quando o intervalo do reagente tiver expirado.
11 Altere o intervalo (número de dias, horas das aplicações do ISE), caso seja
necessário.
12 Altere o número de réplicas, caso seja necessário.
Possíveis valores: 1, 2, 3. (O valor pré-definido é 2.)
13 Prima para confirmar as definições.

As alterações à definição da calibração requerem a calibração subsequente dos testes.

Definições de controlos 14 Expanda a entrada Controlo, seleccione Sequência e prima .


15 Defina a sequência.
Seleccione Sem intervalo para os casos em que, por exemplo, tenciona realizar
um CQ como parte de um teste padrão a uma amostra e não como tarefa
separada.
Seleccione Apenas intervalo se desejar que o CQ seja efectuado sempre que o
intervalo do reagente tenha expirado. O sistema informa o operador
automaticamente sobre os CQ pendentes.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-155
7 Configuração cobas c 111
Aplicações

16 Defina o intervalo em horas.


17 Para cada controlo, efectue os seguintes passos:
o Defina o código do material.
Identificador único dos controlos. Consulte a folha de método do controlo.
o Defina se o CQ deve ser efectuado após a calibração do teste (CQ após cal).
o Defina se o teste deve ter um CQ realizado como parte da função CQ pré-
definido.
O CQ pré-definido é um processo automático para a realização de todas as
medições de CQ que se encontram actualmente em falta. Este é o método ideal
se desejar efectuar um CQ periodicamente durante o funcionamento de rotina
Ligado: O CQ será efectuado colectivamente para todos os testes que utilizam
um determinado controlo.
Desligado: O CQ deve ser pedido manualmente para cada teste.
18 Prima para confirmar as definições.

Definições dos resultados 19 Para as aplicações que utilizam resultados calculados, efectue os seguintes passos:
calculados
o Expanda a entrada Resultados calculados, seleccione Coeficiente w e prima
.
o Defina um ou dois coeficientes.
o Defina a fórmula.

Resultados incorrectos devido a fórmula inadequada


A fórmula define o modo como os valores das aplicações e dos coeficientes são mate-
ADVERTÊNCIA maticamente combinados para criar um resultado.
É da responsabilidade do operador assegurar que a fórmula é adequada para a aplica-
ção que está a ser definida.

20 Prima para confirmar as definições.

Definições do cálculo 21 Expanda a entrada Cálculo, seleccione Factor e prima .


22 Altere o factor e o offset se correlacionar dois métodos diferentes.
23 Seleccione se a avaliação (intervalo de referência) deve ser empregue ou não.
Se seleccionar Intervalo de referência, deve definir um limite superior e um
limite inferior e decidir se um dos dois ou ambos devem ser tidos em
consideração.
24 Defina se o limite inferior é utilizado, caso seja necessário.
25 Defina se o limite superior é utilizado, caso seja necessário.
26 Altere o valor do limite inferior, caso seja necessário.
27 Altere o valor do limite superior, caso seja necessário.
28 Se a Verificação de TRL estiver ligada (Configuração > Sistema), insira o valor
de TRL (limite inferior do intervalo de medição) conforme definido na
documentação da aplicação.
e Ver também Sistema na página B-184.

29 Defina, para cada controlo, se os resultados da amostra devem ter assinalados


como tendo sido criados utilizando um teste cujos resultados de CQ estivavam
assinalados com um alarme.
Roche Diagnostics
B-156 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

30 Prima para confirmar as definições.

Se um dos testes iniciais do resultado calculado não tiver produzido um resultado


válido (o resultado seria assinalado com um alarme), o resultado calculado exibido
será N/A.

Definições da conversão de 31 Expanda a entrada Conversão resultados, seleccione Unidade lab. e prima
resultados .
32 Altere a unidade laboratorial se pretender trabalhar com unidades diferentes das
unidades actualmente especificadas.
33 Digite o factor de conversão, caso seja necessário.
Este factor é necessário se tiverem sido definidas as unidades do laboratório
necessárias.
34 Seleccione se os valores devem ser apresentados em unidades padrão ou de
laboratório.
Esta definição afecta as apresentações nos ecrãs, assim como as impressões.
35 Modifique a posição decimal, caso seja necessário.
Este valor corresponde ao número de dígitos após o ponto decimal que são
apresentados nos ecrãs.
36 Prima para confirmar as definições.

Desinstalar aplicações

Desinstalar uma aplicação significa tornar a aplicação indisponível para a utilização


nos testes.
Pode voltar a instalar uma aplicação desinstalada.
e Ver Instalar aplicações na página B-151.

Antes de poder desinstalar uma aplicação deve efectuar algumas tarefas de


preparação:

a Para preparar a desinstalação de uma aplicação


1 Elimine todos os resultados de amostras associados.
e Ver Eliminar resultados de amostras na página B-104.

2 Elimine todos os resultados de CQ, tanto da lista Estado CQ como do Histórico


CQ.
e Ver Eliminar resultados de CQ na página B-106.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-157
7 Configuração cobas c 111
Aplicações

a Para desinstalar uma aplicação


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Seleccione a aplicação.

Seleccione uma aplicação que não se encontre entre parênteses rectos, por exemplo,
ALTL. (Os parênteses indicam que a aplicação não está actualmente instalada.)

3 Prima .
É apresentado um ecrã de confirmação.
4 Prima para confirmar a acção.
Todos os resultados de calibração associados e dados do lote são eliminados.
Na lista de aplicações, o nome da aplicação é cercado por parênteses rectos, por
exemplo [GLU2], e nos detalhes do perfil, em vez do nome abreviado é exibido o
respectivo código da aplicação.
Os perfis que utilizam esta aplicação são removidos do ecrã de selecção de teste.
Se, no entanto, desejar utilizar estes perfis, deve remover a aplicação.
e Ver Remover testes de um perfil na página B-164.

Eliminar aplicações

Eliminar uma aplicação significa remover os dados do sistema.


O processo de remoção de uma aplicação do sistema consiste nos seguintes passos:
1. Elimine todos os resultados de amostras associados.
e Ver Eliminar resultados de amostras na página B-104.
2. Elimine todos os resultados de CQ, tanto da lista Estado CQ como do Histórico
CQ.
e Ver Eliminar resultados de CQ na página B-106.
3. Desinstale a aplicação. Este processo torna a aplicação indisponível para a
utilização nos testes.
e Ver Desinstalar aplicações na página B-157.
4. Remova todos os conjuntos de reagentes associados de todos os discos de
reagentes. (O disco pode estar fora do equipamento e pode ter de o colocar para
remover os reagentes.)
e Consulte Para carregar o disco de reagentes na página B-23
Consulte Remover um conjunto de reagentes na página B-28.
5. Elimine a aplicação. Este processo remove os dados da aplicação do sistema.

Roche Diagnostics
B-158 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

a Para eliminar uma aplicação


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Seleccione a aplicação.
3 Prima .
A seguinte tabela apresenta possíveis situações e como estas afectam o processo de
eliminação.

Situação Prossiga do seguinte modo


Existe uma entrada para a aplicação na lista 1. Confirme para prosseguir com a
e a aplicação está actualmente instalada desinstalação.
(sem parênteses). 2. Na lista de aplicações, seleccione a apli-
cação desinstalada (agora situa-se entre
parênteses).
3. Prima .
4. Confirme para prosseguir com a elimi-
nação da aplicação.
Existe uma entrada para a aplicação na lista Confirme para prosseguir com a eliminação
e a aplicação não está actualmente instalada da aplicação.
(entre parêntesis).
Existe uma segunda entrada para a aplica- Confirme para prosseguir com a eliminação
ção na lista. A aplicação seleccionada está da aplicação.
instalada (sem parênteses) Nota: Só pode eliminar a aplicação insta-
lada.
O item seleccionado é um perfil. Confirme para prosseguir com a eliminação
do perfil.
Ainda existem reagentes associados num Remova o conjunto de reagentes associado
dos discos. do disco.
(O disco pode estar fora do equipamento e
pode ter de o colocar para remover os rea-
gentes.)

É apresentado um ecrã de confirmação.


4 Prima .
Os dados da aplicação são eliminados.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-159
7 Configuração cobas c 111
Aplicações

Definir o pedido de processamento

Por exemplo, os testes são processados pela ordem definida pelo tempo necessário
para realizar os testes (número de ciclos), começando pelo que demora mais tempo.
Este pedido pode ser alterado manualmente definindo uma lista de sequência de
processamento específica.

a Para definir a sequência de processamento


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Sequência processam.

2 Na lista Pré-definido, seleccione um teste que deseja processar com prioridade


elevada.
3 Prima para o mover para a lista Prioridade.
Os testes são processados pela ordem apresentada nesta lista. Quando os testes
contidos nesta lista são processados, o resto dos testes são processados pela ordem
normal.
4 Efectue os passos 2 e 3 para mover os outros testes que deseja processar com
prioridade elevada.
5 Para mover um teste da lista Prioridade para a lista Pré-definido, seleccione o
teste na lista Prioridade e prima . Para mover todos os testes para as listas
Predefinido, prima .
6 Na lista Prioridade seleccione um teste e use e para o mover para
cima e para baixo na lista.
7 Prima para guardar a sequência de processamento.

A sequência de processamento definida na lista Prioridade aplica-se a todos os testes


realizados no analisador cobas c 111 actualmente.
As amostras de ISE são sempre executadas primeiro.

Roche Diagnostics
B-160 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

Definir aplicações de resultados calculados

O operador pode definir manualmente aplicações de resultados calculados. Essas


aplicações fornecem resultados que são obtidos matematicamente e se baseiam em
resultados de testes que foram gerados utilizando até quatro aplicações diferentes.
Na lista de resultados serão exibidos tanto os resultados do teste ou testes como os
resultados calculados.

a Para definir uma aplicação de resultado calculado


1 Seleccione Utilitários > Aplicações > Parâmetros laboratoriais.
2 Prima .
3 Prima Adicionar resultado calculado.
4 Digite o código e prima .

O código é um número entre 910 e 930 e identifica a aplicação.


5 Digite o nome abreviado e prima .

O nome abreviado deve ser único no sistema cobas c 111 e consiste em até 5
caracteres alfanuméricos. É utilizado nos ecrãs, por exemplo, no ecrã de selecção
de teste ou na lista de resultados.
6 Digite o nome por extenso e prima .

O nome por extenso deve ser único no sistema cobas c 111 e consiste em até 30
caracteres alfanuméricos. Use um nome que seja conhecido no seu ambiente
laboratorial.
7 Seleccione a primeira aplicação e prima .

Pode definir entre uma e quatro aplicações.


8 Defina as outras aplicações, caso seja necessário.
9 Digite o primeiro coeficiente e prima .

Pode definir entre um e quatro coeficientes.


10 Defina os outros coeficientes, caso seja necessário.

Roche Diagnostics
Manual do Operador · Versão 4.3 B-161
7 Configuração cobas c 111
Aplicações

11 Digite a fórmula e prima .


A fórmula refere-se às aplicações com os coeficientes. Pode usar os seguintes
operandos: +, -, *, /, (, ), espaço, e sub-índices de aplicações 1 e 2.

Resultados incorrectos devido a fórmula inadequada


A fórmula define o modo como os valores das aplicações e dos coeficientes são mate-
ADVERTÊNCIA maticamente combinados para criar um resultado.
É da responsabilidade do operador assegurar que a fórmula é adequada para a aplica-
ção que está a ser definida.

12 Digite o factor para compensar as diferenças nos métodos de medição dos


analisadores diferentes e, em seguida, prima .

13 Digite o offset e prima .

14 Seleccione se o offset/factor de correlação vai ser usado ou não, em seguida prima


.

15 Seleccione o tipo de avaliação, em seguida prima .

Sem avaliação significa que não será realizada uma avaliação.


Intervalo de referência significa que o resultado será comparado com os
intervalos de referência definidos.
16 Seleccione se o intervalo inferior vai ser usado ou não, em seguida prima .

17 Seleccione se o intervalo superior vai ser usado ou não, em seguida prima .

18 Digite o limite inferior, em seguida prima .

19 Digite o limite superior, em seguida prima .

20 Digite a unidade padrão, em seguida prima .

21 Digite a unidade laboratorial, em seguida prima .

22 Digite o factor de conversão, em seguida prima .

23 Seleccione se deve ser exibida a unidade padrão ou a unidade laboratorial para o


resultado final calculado, em seguida prima .

(Para o cálculo dos resultados individuais, o sistema utiliza unidades padrão.)

Roche Diagnostics
B-162 Manual do Operador · Versão 4.3
cobas c 111 7 Configuração
Aplicações

24