Você está na página 1de 58

Grão Vasco

Físico-Química, 9.º Ano


Ficha de Avaliação

Nome:______________________________________________________
Turma:______ N.º:______ Data:____ / ____ /_______
Professor/a:_____________________ Avaliação:________________
Encarregado de Educação:__________________________________

1. Associa cada situação referida na coluna I à classificação correspondente na coluna II.

I II
A - Transmissão do movimento numa 1 - Atrito prejudicial
engrenagem. 2 - Atrito útil
B - Resistência do ar que diminui a
velocidade de um patinador.
C - Desgaste das peças de uma
engrenagem com a utilização.
D - Dificuldade de deslizamento dos pneus
durante uma travagem.
E - Diminuição da velocidade de queda de
um paraquedista com a abertura do
paraquedas.
F - Tocar guitarra.
G - Oposição que a água oferece ao
nadador durante uma competição,
diminuindo a sua velocidade.

A-2; B-1; C-1; D-2; E-2; F-2; G-1.


2. Estabelece a correspondência entre as situações descritas na coluna I e o tipo de atrito referido na coluna
II.

I II
A - Transmissão do movimento numa 1 - Atrito prejudicial
engrenagem. 2 - Atrito útil
B - Resistência do ar que diminui a
velocidade de um patinador.
C - Desgaste das peças de uma
engrenagem com a utilização.
D - Dificuldade de deslizamento dos pneus
durante uma travagem.
E - Diminuição da velocidade de queda de
um paraquedista com a abertura do
paraquedas.
F - Tocar guitarra.
G - Oposição que a água oferece ao
nadador durante uma competição
diminuindo a sua velocidade.

A-2; B-1; C-1; D-2; E-2; F-2; G-1.


3. Estabelece a correspondência correta entre as forças discriminadas na coluna I e o tipo de atrito referido
na coluna II.

I II
A - Força de atrito entre as peças 1 - Atrito útil
mecânicas de um automóvel que 2 - Atrito prejudicial
permitem o seu funcionamento.
B - Força de contacto entre um pano e um
vidro enquanto este está a ser limpo.
C - Força exercida pelo ar num
paraquedas durante uma descida.
D - Força exercida pelo ar contra o corpo
de um ciclista durante uma corrida.
E - Força exercida pelo solo nas rodas de
um automóvel durante uma travagem.

A-1; B-2; C-1; D-2; E-1.


4. Utiliza as palavras da chave e completa as frases de modo a obteres afirmações verdadeiras.

Chave

· pontos de aplicação

· par

· intensidade

· corpos

· definitivas

· ação-reação

· interação

· estado

· repouso

· movimento

A. Uma força é uma interação que se estabelece entre dois corpos, capaz de alterar o seu estado de repouso
ou de movimento retilíneo e uniforme ou ainda de lhes causar deformações que podem ser definitivas ou
temporárias.
B. Sempre que dois corpos interagem, estabelece-se um par de forças que se exercem respetivamente em
cada um dos corpos.
C. As forças que estão associadas à mesma interação constituem um par ação-reação.
D. Estas forças têm a mesma direção (a mesma linha de ação), a mesma intensidade, sentido opostos e
diferentes pontos de aplicação.

5. Seleciona a(s) opção(ões) que completa(m) corretamente a frase seguinte.


A. A intensidade das forças de atrito entre dois sólidos depende…

___ - A. … da área da superfície de contacto.

___ - B. … do tamanho do corpo.

X - C. … da natureza e rugosidade das superfícies de contacto.

X - D. … da massa do corpo que se move ou quer mover.

6. A 3.ª Lei de Newton traduz o facto de as forças não atuarem isoladamente, atuarem sempre aos pares.

___ - A. Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este reage, fazendo o mesmo.

___ - B. Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este não reage.

___ - C. Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este reage exercendo sobre o primeiro, uma
força de igual direção, sentido e intensidade.

X - D. Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este reage exercendo sobre o primeiro, uma força
de igual direcção e intensidade, mas de sentidos opostos.
7. Classifica como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações.

V - A. A inércia é uma medida da resistência que um corpo oferece à alteração do seu movimento.

F - B. Um corpo só está em movimento enquanto existem forças a serem aplicadas sobre ele.

V - C. Quanto maior é a massa de um corpo, maior é a sua inércia.

F - D. Quando se aplicam forças a um corpo, ele altera sempre o seu estado de repouso ou movimento.

V - E. A aceleração de um corpo é diretamente proporcional à resultante de todas as forças que nele


atuam.

V - F. Para a mesma força aplicada, a massa de um corpo e o valor da aceleração por ele adquirida são
inversamente proporcionais.

8. Enuncia a 3.ª lei de Newton.

Proposta de solução:Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este reage, exercendo uma força sobre
o primeiro com direção e intensidade iguais mas com sentido oposto. As forças existem sempre aos pares.
9. Completa a tabela seguinte com a representação ou a caracterização de uma força ou com a apresentação
de uma situação do dia a dia ilustrativa de uma força. Respeita as escalas indicadas.

10. Cada vez que chega ao fim da pista, o nadador mergulha, vira-se e empurra a parede com os pés. Com
base na 3.ª Lei de Newton explica essa sequência.

Proposta de solução:O nadador mergulha, vira-se e empurra a parede com os pés, exercendo uma força de
ação de modo que a parede exerça sobre ele uma força de reação, de igual intensidade e direção e sentido
oposto que o empurre no sentido do centro da piscina.

11. Se um nadador mantiver os braços parados numa dada posição e nadar só com as pernas, conseguirá
atingir a mesma velocidade que consegue atingir quando utiliza os braços e as pernas? Qual é a Lei de
Newton que justifica a tua resposta?
12. Define resistência do ar.

Proposta de solução:A resistência do ar é a força que o ar exerce sobre os corpos em movimento. É uma
força de atrito.

13. Nas seguintes situações, classifica o atrito como útil ou prejudicial.

A. O atrito que existe entre as mãos e um garfo quando o seguramos.


B. O atrito entre as peças de uma máquina em funcionamento.
C. O atrito que existe entre os pitões das chuteiras e o relvado de um campo de futebol.
D. O atrito entre as mãos e o tronco de uma árvore quando se pretende trepar à árvore.
E. O atrito entre o chão e um armário pesado que está a ser arrastado.

Proposta de solução:A., C., D. — útil. B., E. — prejudicial.


14. Observa a figura e justifica a afirmação: A existência de pouco atrito permite à patinadora movimentos
bonitos, rápidos e graciosos.

Proposta de solução:A força de atrito é essencial para que a patinadora consiga controlar os seus
movimentos, mas, para uma boa velocidade, o seu valor tem de ser pequeno, caso contrário seria necessário
que aplicasse muita força e isso tornaria os movimentos mais lentos e deselegantes.
15. Observa a figura e preenche a tabela, obtendo a caracterização dos vetores representados.

16. Observa as figuras e explica por que motivo é obrigatório o uso do cinto de segurança em Portugal.

Proposta de solução:O uso do cinto de segurança é obrigatório, porque diminui muito os danos sofridos pelo
condutor e pelos passageiros num acidente, pois, numa travagem brusca, o cinto segura os passageiros e o
condutor, impedindo-os de serem projetados.
17. O Tiago empurra o seu carrinho quando está vazio, realizando uma força de intensidade 55 N e este
desloca-se bem. Quando o irmão dele se senta lá dentro, o Tiago, exercendo a mesma força, não consegue
mover o seu carrinho. Explica porquê, utilizando as noções de inércia, massa e aceleração.

Proposta de solução:Quando o irmão do Tiago se senta dentro do seu carrinho, a massa do conjunto
aumenta consideravelmente.
Sendo FR = m × a, se a massa aumenta, a força necessária para imprimir a mesma aceleração será maior.
Pela Lei Fundamental da Dinâmica podemos concluir que, para a mesma força aplicada, a massa de um corpo
e o valor da aceleração por ele adquirida são inversamente proporcionais.
A massa do corpo é uma medida da sua inércia. Quanto maior é a massa do corpo, maior é a sua oposição à
alteração do seu estado cinético.
Assim, aplicando a mesma força, o menino não será capaz de imprimir a mesma aceleração ao carrinho
quando o seu irmão está lá dentro, uma vez que este passou a ter mais massa e, consequentemente, maior
inércia.
18. Utilizando a escala indicada na quadrícula, representa as forças seguintes através de vetores.
19. Observa a imagem do dinamómetro. Qual é o valor da força realizada pelo corpo no dinamómetro?

Proposta de solução:O valor da força realizada pelo corpo é de 12 N.


20. Observa a imagem e caracteriza cada uma das forças representadas, indicando direção, sentido e
intensidade. Considera 1 quadrícula = 10 N. (Nota que, para calculares a intensidade das forças oblíquas,
terás de aplicar o Teorema de Pitágoras.)
21. Observa as figuras A e B e identifica em cada situação, pelo menos, um par ação-reação, caracterizando
cada uma das forças.

22. Observa a figura seguinte.


A. Com base na noção de força resultante, explica por que razão estão vários amigos a empurrar o carro.

Proposta de solução:Quando sobre um corpo atuam mais de uma força, considera-se a existência de um
sistema de forças. Neste caso, as forças de cada rapaz, no seu conjunto, têm um efeito equivalente a uma
única força, a força resultante, que corresponde à soma vetorial de todas as forças que atuam no carro.

B. Sabendo que a direção e o sentido de cada uma das forças exercidas são iguais e que as intensidades são,
respetivamente, 30 N, 38 N e 29 N, calcula a intensidade da força resultante.

Proposta de solução:A força resultante é igual à soma vetorial de todas as forças aplicadas no corpo. Como,
neste caso, as forças têm o mesmo ponto de aplicação (o carro), sentido e direção, a força resultante terá o
mesmo ponto de aplicação, a mesma direção e o mesmo sentido que cada uma das forças aplicadas e a sua
intensidade será igual à soma das intensidades das forças aplicadas.
FR = F1 + F2 + F3 ⇒ FR = 30 + 38 + 29 ⇔ FR = 97 N
23. Considere a situação seguinte.

Proposta de solução:Como ambas as forças têm a mesma direção e sentido opostos, a intensidade da força
resultante calcula-se através da diferença:
FR = 100 - 80 + FR = 20 N
A força resultante terá direção horizontal, sentido da esquerda para a direita e intensidade de 20 N.
Quem ganha o jogo é o João e no final ambos se deslocam no sentido da força resultante.
Como:
FR = m × a ⇔ a = FR / m ⇒ a = 20 / 65 ⇔ a = 0,31 m/s2
No final, o Pedro adquire uma aceleração de 0,31m/s 2.

24. A um corpo com 20 kg de massa, inicialmente em repouso, é aplicada uma força constante com uma
intensidade de 45 N durante 5 s. O corpo desliza com atrito desprezável.

A. Determina o valor da aceleração adquirida pelo corpo.

B. Calcula o valor da velocidade do corpo no fim dos 5 s.


25. Observa as figuras seguintes, que representam o mesmo astronauta na Terra e na Lua. Procura encontrar
a grandeza que corresponde à constante de proporcionalidade entre o peso e a massa.

Nem sempre os termos que utilizamos no dia a dia estão cientificamente corretos.
Dizemos muitas vezes… «O peso dele é 70 kg», mas a massa e o peso não são o mesmo.
A massa é uma grandeza física que caracteriza a quantidade de matéria que constitui um objeto e não
depende da sua localização.
O peso é uma força. Corresponde à força de atração gravitacional e, por isso, varia com a altitude e a latitude
na Terra e é diferente noutros planetas.
m = 70 kg P = 686 N (g = 9,8 m/s2) m = 70 kg P = 112 N (g = 1,6 m/s2)

Proposta de solução:Para encontrar uma relação entre a massa e o peso vamos dividir um pelo outro:
Na Terra, P (N) / m (kg) = 686 / 70 = 9,8
Na Lua, P (kg) / m (kg) = 112 / 70 = 1,6
Comparando os valores obtidos com os dados da imagem, verifica-se que os valores obtidos correspondem
aos valores das acelerações
gravíticas na Terra e na Lua, respetivamente.
Por isso, pode-se afirmar que P = m × g e que g é a constante de proporcionalidade entre o peso e a massa.
26. Escolhe dois planetas do Sistema Solar e calcula o teu peso à sua superfície.

Proposta de solução:Sejam Mercúrio (g = 3,7 m/s2) e Júpiter (g = 22,9 m/s2) os planetas escolhidos para
calcular à sua superfície o peso de um aluno com 45 kg de massa.
Em Mercúrio:
P = m x g = 45 x 3,7 = 166,5 N
Em Júpiter:
P = m x g = 45 x 22,9 = 1030,5 N
27. Observa as imagens. Explica cada uma das situações apresentadas com base na Lei da Inércia.

Proposta de solução:Considerando que a Lei da Inércia ou 1.ª Lei de Newton diz que um corpo permanece
em repouso ou em movimento retilíneo e uniforme se a resultante de todas as forças que nele atuam for
nula, então:
Na situação A, o condutor do autocarro acelera e, em consequência, a velocidade do autocarro aumenta,
mas os passageiros tendem a manter o seu estado cinético, a sua velocidade não aumenta com a mesma
aceleração e «ficam para trás».
Na situação B, o condutor travou o camião, mas nada travou o enorme bloco de pedra que manteve o seu
estado cinético, ou seja, a sua velocidade, pelo que a pedra continuou o seu movimento e só parou ao colidir
com a cabina do camião, que exerceu força sobre o bloco de pedra.
Na situação C, a moeda colocada sobre o disco de papel está inicialmente em repouso e, por isso, tende a
permanecer em repouso, ficando no mesmo sítio. Como deixa de estar sob a ação da força de reação que o
papel fazia à força do seu peso, cai sob a ação da gravidade, até voltar a estar numa situação de equilíbrio, no
fundo do copo.
Na situação D, o motociclista embate com a mota nos pneus. A força de reação exercida pelos pneus contra a
mota fá-la parar, mas o corpo do motociclista mantém a velocidade inicial, continuando o estado de
movimento. O corpo do motociclista passa a ser atuado pela força da gravidade e passa a ser puxado para a
Terra, o que o faz cair.
Na situação E, a rocha está em repouso e assim continuará enquanto a resultante de todas as forças que
atuam sobre ela for zero.
Na situação F, os astronautas encontram-se presos à nave através de cabos porque, não havendo ar nem
gravidade no espaço, se se desprendessem da nave, deixariam de estar sob a ação de qualquer força e
passariam a deslocar-se apenas pela ação da inércia, o que faria com que mantivessem o seu movimento
para sempre. Alguns trajes espaciais também possuem pequenos foguetes a gás para
permitir que os astronautas realizem manobras. Se um astronauta se soltasse da sua nave a certa velocidade
e não tivesse nenhum tipo de foguete para fazer a manobra de retorno, permaneceria com a mesma
velocidade para sempre e não poderia regressar à nave.

28. O European New Car Assessment Programme (Euro NCAP) é um programa de segurança automóvel
responsável pela realização de testes de colisão. Conhecer o comportamento dos veículos nas diferentes
situações de impacto é o primeiro passo para o desenvolvimento de técnicas, equipamentos e estruturas
automobilísticas que promovam cada vez mais a segurança dos condutores e passageiros. Num teste do Euro
NCAP, um veículo com 1000 kg de massa desloca-se frontalmente contra um obstáculo, à velocidade
constante de 64 km/h. Desde o momento do impacto até à completa imobilização do veículo decorrem 3,8 s.

A. Desenha um esboço da situação apresentada e representa as forças envolvidas entre o veículo, o


obstáculo e o solo.

B. Calcula a aceleração média do veículo durante a colisão.


C. Calcula a intensidade da força que atua no veículo durante a colisão e caracteriza-a.

D. Calcula a intensidade da força que atua sobre o condutor, admitindo que este está sujeito à mesma
aceleração e que a sua massa é 50 kg.
29. Observa a imagem, que representa os movimentos do pescoço de um passageiro/condutor durante uma
colisão e explica a importância dos apoios de cabeça.

Proposta de solução:O apoio de cabeça é um dispositivo de segurança indispensável.


Quando um veículo bate violentamente na traseira de outro, este é submetido a uma forte aceleração para a
frente, que é transmitida ao corpo do passageiro pelo banco onde se encontra sentado. Se não houver
encosto de cabeça, esta aceleração repercute-se na coluna vertebral, ao nível das vértebras cervicais.
Dependendo da violência do choque, pode resultar numa lesão grave ou mesmo muito grave.
O encosto de cabeça é também muito útil em caso de colisão frontal. Com efeito, depois de ter sido
empurrado para a frente e retido pelo cinto, o corpo volta para trás e a cabeça sofre o chamado «efeito
chicote», resultando em hiperextensão e hiperflexão do pescoço. Esse movimento inevitável da cabeça pode
resultar em fraturas da coluna cervical e/ou lesões medulares, principalmente se o encosto de cabeça não
está corretamente posicionado ou for inexistente.
30. Tendo por base a Lei da Inércia, explica a importância do uso do cinto de segurança.

Proposta de solução:O cinto de segurança é importantíssimo porque os travões param o carro, mas nada
para os passageiros. Numa travagem, o carro para, mas o condutor e os outros passageiros mantêm o seu
estado cinético, conforme enunciado na Lei da Inércia até que alguma força atue
sobre eles e, por isso, continuam o seu movimento, sendo projetados para o exterior do veículo. Os objetos
só param quando existem forças contrárias ao movimento.

31. Define pressão e indica a sua unidade SI.

Proposta de solução:A razão entre a intensidade da força que é exercida sobre uma superfície e a área da
superfície onde essa força atua é a pressão (grandeza física escalar). A sua unidade no SI é o pascal e 1 Pa = 1
N/m2.
32. Seleciona a opção que te parece mais adequada para se utilizar em cada uma das situações seguintes.
Justifica a tua escolha, com base na noção de pressão.

Proposta de solução:Situação: Passeio numa praia — A


Justificação: Um solo mais macio e fragmentado não suporta uma pressão muito elevada. Se a área de
contacto for muito reduzida, a pressão é maior e a pessoa afunda-se quando caminha. Para caminhar neste
tipo de solo, deve escolher um calçado com uma maior área de contacto.
Situação: Passeio de mota — D
Justificação: o capacete permite distribuir a força de colisão por uma área maior, diminuindo a pressão
exercida e minimizando as consequências que possam advir do impacto.

33. Uma chita tem 43 kg de massa e durante a marcha apoia-se nas 4 patas.

Considera que a área de contacto com o solo de cada uma das patas traseiras é de 20 cm 2 e de cada uma das
patas dianteiras é de 15 cm2.
Calcula a pressão exercida pela chita durante a marcha. (Considera g = 9,8 m/s2)

Proposta de solução:Seja:
m = 43 kg e g = 9,8 m/s2
P = m x g ⇒ P = 43 x 9,8 ⇔ P = 421,4 N
A = 2 x 20 + 2 x 15 ⇔ A = 70 cm2 ⇔ A = 0,0070 m2
p = F/A ⇒p = 421,4 / 0,0070 ⇔ p = 60 200 N/m2 ⇔ p = 6,02 x 104 N/m2
34. Comenta a frase, definindo atrito e dando exemplos de situações concretas que a ilustrem.

Sem atrito não conseguiríamos andar nem controlar a direção e o sentido dos nossos movimentos, mas com
muito atrito também não.

Proposta de solução:As forças de atrito são forças que surgem entre duas superfícies em contacto, quando
uma se move ou tenta mover em relação à outra. Geralmente opõem-se ao movimento. São forças que se
opõem ao deslizamento.
Na situação descrita pela frase, o atrito permite-nos controlar a direção, o sentido e a velocidade com que
fazemos o nosso movimento. Entre duas superfícies lisas há pouco atrito, como, por exemplo, entre a
superfície do gelo e a superfície de solas de sapato lisas. Por isso, com sapatos de sola lisa sobre o gelo,
escorrega-se e não se consegue caminhar.
Com muito atrito também não se consegue caminhar, uma vez que se fica «preso» ao solo, como, por
exemplo, quando se caminha numa
zona muito enlameada ou pantanosa com botas de montanha.

35. O José tenta arrastar um caixote de madeira sobre uma superfície parcialmente lisa, realizando uma força
horizontal de 145 N. O caixote tem 20 kg de massa, o solo realiza uma força de atrito de 130 N.
A. Representa o esquema de forças nesta situação.

B. Será que o José consegue deslocar o caixote? Justifica e, caso exista, caracteriza o seu movimento.

Proposta de solução:Sim, o José consegue deslocar o seu caixote.


A força que o José exerce tem a mesma direção da força de atrito mas sentido oposto, por isso, a intensidade
da força resultante calcula-se através da diferença entre os valores destas duas forças e tem a direção e o
sentido da força de maior intensidade.
O caixote desloca-se na horizontal, da esquerda para a direita, sob a ação de uma força resultante de
intensidade 15 N e com uma aceleração de 0, 75 m/s 2.
FR = m x a ⇔ a = FR / m ⇒ a = 15/20⇔ a = 0,75m/s2

36. Responde às questões seguintes, considerando as figuras e a frase apresentadas.

Em cada movimento que efetua, o nadador empurra a água para trás e, em consequência disso, o seu corpo
é empurrado pela água no sentido oposto, fazendo-o avançar.
A. Explica a frase e as figuras com base na 3.ª Lei de Newton, enunciando-a.

Proposta de solução:O enunciado da 3.ª Lei de Newton é «para toda a ação, há sempre uma reação oposta e
de igual intensidade» ou «as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em
sentidos opostos». Neste caso, sempre que o nadador empurra a água, esta exerce sobre o nadador uma
força igual e de sentido oposto que o faz avançar.

B. Identifica o par ação-reação responsável pelo avanço do nadador.

37. A um corpo com 300 g de massa, inicialmente em repouso, é aplicada uma força horizontal F de
intensidade tal que, ao fim de 5 s, o corpo adquire uma velocidade 2,3 m/s.

A. Calcula:

a) a força aplicada ao corpo;


b) a aceleração adquirida.

B. O mesmo corpo mover-se-ia, se uma força com a mesma intensidade lhe fosse aplicada, com direção
vertical, sentido de baixo para cima e durante os mesmos 5 s?

38. Um camião pesado de mercadorias e um pequeno veículo automóvel de dois lugares circulam no mesmo
sentido, numa estrada retilínea, ambos com uma velocidade de 55 km/h, quando deparam com um acidente
que os obriga a parar. O camião demorou 10,3 s a ficar totalmente imobilizado enquanto o carro demorou
apenas 6,7 s.

A. Sabendo que a massa do camião com a sua carga é de 21 000 kg e a do veículo ligeiro é de 890 kg, calcula:

a) a aceleração de travagem dos dois veículos;


b) a intensidade das respetivas forças de travagem.

B. Explica por que razão as duas forças apresentam valores tão diferentes.

Proposta de solução:As duas forças apresentam valores muito diferentes devido à diferença entre as massas
dos dois veículos. Quanto maior é a massa de um corpo, maior é a sua inércia, ou seja, maior é a oposição do
corpo à alteração do seu estado cinético. Assim, como o camião tem massa superior à do automóvel, é
necessário aplicar uma força maior para alterar a sua velocidade. Neste caso, é possível verificar que uma
força mais de 10 vezes superior aplicada ao camião lhe confere uma aceleração aproximadamente metade da
aceleração atingida pelo automóvel.
39. Observa o gráfico seguinte, que representa o movimento de um corpo com 2 kg de massa ao longo do
tempo e identifica os intervalos de tempo em que:

a) a força resultante aplicada ao corpo tem o sentido do movimento;


b) a velocidade do movimento é constante;
c) a aceleração é negativa;
d) o módulo da aceleração é 0,60 m/s2;
e) a força aplicada no corpo tinha a intensidade de 1,2 N.

Proposta de solução:a) [50, 80[ s


b) [80, 120[ s
c) [0, 30[ s
d) [50, 80[ s
e) [50, 80[ s

40. Um motociclo com 350 kg de massa, inicialmente em repouso, deslocou-se ao longo de uma estrada
retilínea. Sabendo que a intensidade da força resultante que sobre ele atuou, variou de acordo com o gráfico
apresentado, responde às questões seguintes.
A. Calcula a aceleração do motociclo durante os primeiros 15 s.

B. Calcula a velocidade no instante t = 15 s.

C. Classifica o movimento do motociclo nos intervalos de tempo [0, 15] s e [15, 30] s.

Proposta de solução:O movimento é retilíneo uniformemente acelerado no intervalo de tempo [0, 15[ s. O
movimento é retilíneo e uniforme no intervalo de tempo [15, 30[ s.

41. Na Lua (g = 1,6 m/s2), um astronauta pesa 141,1 N. Calcula o seu peso na Terra (g = 9,8 m/s2).
42. Comenta a frase seguinte.

Um alpinista, à medida que sobe, apresenta um peso menor.

Proposta de solução:O peso (a força gravítica com que a Terra atrai um corpo) depende do valor da
aceleração da gravidade. O peso de um corpo sofre pequenas variações ao longo da superfície da Terra,
porque esta não é uma esfera perfeita e, ainda, porque há quebra de simetria produzida pela sua rotação.
O peso de um corpo na Terra:
• aumenta do equador para os polos (o Planeta é ligeiramente achatado nos polos e dilatado no equador, o
que implica menor distância do objeto ao centro da Terra);
• diminui quando a altitude do lugar aumenta, uma vez que a distância ao centro de massa terrestre
aumenta, o que justifica a diminuição do peso do alpinista à medida que sobe.

43. Analisa as seguintes situações e refere qual é a lei de Newton que explica cada uma delas. Justifica as tuas
respostas.
a) No dia 06/08/2014, um senhor caiu ficando com uma perna presa entre o comboio e a plataforma, na
estação de Perth’s Stirling, na Austrália. Após cerca de 12 minutos de tentativas vãs, os passageiros uniram-se
e, todos juntos, exerceram uma força resultante que foi suficiente para deslocar a carruagem e desprender a
perna do senhor. Felizmente, este saiu do incidente só com alguns arranhões.

Esta situação pode ser explicada através da 2.ª Lei de Newton. A massa do comboio é elevada, por isso, é
necessário que a força resultante exercida seja muito grande para obter um valor de aceleração, mesmo que
pequeno. São muitas pessoas e empurrar o comboio e a soma das forças dessas pessoas origina uma força
resultante superior ao valor da massa do comboio. Assim, gera-se uma aceleração, o comboio move-se e o
senhor fica salvo. Nesta situação também se verifica
a 1.ª Lei de Newton, pois o comboio é forçado a mudar o seu estado de repouso devido à força que aqueles
passageiros aplicam sobre ele.
b) Um atleta participava na volta a Portugal em bicicleta quando, numa determinada etapa, sofreu um
acidente. A roda dianteira da sua bicicleta ficou presa no solo e a bicicleta parou. Contudo, o seu corpo, os
óculos e até o cantil da água continuaram o movimento.

Proposta de solução:Esta situação é explicada pela 1.ª Lei de Newton, porque um corpo em movimento
tende a manter o seu estado cinético até que alguma força atue sobre ele. O ciclista e os seus objetos
estavam em movimento quando a roda da sua bicicleta ficou presa e só pararam quando o chão exerceu
força sobre eles.
c) Numa aula de Físico-Química, um professor realizou uma experiência em que começou por colar uma
palhinha a um balão. Depois, com fita-cola, colou a palhinha a um carrinho de brincar, como na figura ao
lado. Encheu o balão e quando retirou o dedo, o balão despejou-se e o carrinho andou rapidamente para a
frente.

Proposta de solução:Nesta situação, o objetivo é demonstrar a 3.ª Lei de Newton, a Lei da Ação-Reação. O ar
que sai do balão empurra o ar
atmosférico ao redor da montagem, exercendo uma força de ação sobre ele e este exerce uma força com
igual intensidade e direção, mas sentido oposto sobre a montagem, o que a faz avançar.

44. Um veículo com 1000 kg de massa circulava a 80 km/h quando o seu condutor apanhou óleo no
pavimento, perdeu o controlo da direção e embateu contra uma árvore.
A. Calcula a aceleração média do automóvel durante a colisão, sabendo que demorou 0,65 s a imobilizar-se.

B. Calcula a intensidade da força que atuou no automóvel durante a colisão.

C. Caracteriza essa força.

Proposta de solução:A força tem direção horizontal, sentido do poste para o automóvel, ponto de aplicação
no automóvel e intensidade 3,42 x 104 N.

D. Considerando que a área de contacto entre o poste e o automóvel foi de

0,188 m2, calcula a pressão exercida pelo poste no veículo.


45. Observa a imagem e explica a importância da utilização do cinto de segurança.

Proposta de solução:O cinto de segurança é o equipamento de segurança que evita que o condutor e/ou os
passageiros sejam projetados para fora do veículo em caso de travagem brusca ou colisão. Os corpos do
condutor e/ou dos passageiros, de acordo com a Lei da Inércia, tendem a manter o seu estado cinético (em
movimento) mesmo quando os veículos param ou diminuem bruscamente a sua velocidade até que alguma
força atue sobre eles. É um equipamento de segurança primordial. NUNCA se deve circular sem cinto de
segurança.
46. Tal como o cinto de segurança ou o capacete, o airbag é um equipamento que diminui os danos sofridos
em caso de ocorrência de acidentes. Explica o modo de funcionamento do airbag.

Proposta de solução:O airbag é um componente de segurança passiva (segurança que existe num veículo e
que protege os seus ocupantes dos efeitos de um embate) constituído por uma bolsa insuflável que se enche
automaticamente quando o veículo sofre uma grande e brusca desaceleração.
Neste caso, é libertado um propulsor sólido que desencadeia uma reação química que liberta um gás que
enche o airbag. De seguida, este esvazia-se controladamente, permitindo os movimentos e a correta
respiração do ocupante do veículo, mas servindo para absorver grande parte da energia libertada durante o
impacto, o que protege o ocupante de ferimentos graves, evitando que sofra danos físicos principalmente no
rosto, peito e coluna. O airbag não substitui o cinto de segurança e a sua utilidade sem este é limitada.
47. Uma das formas de sabermos mais sobre as espécies extintas é através do estudo dos fósseis. As pegadas
dos dinossauros são dos fósseis mais conhecidos.

Neste caso, a fossilização é o resultado da pressão exercida no solo pela passagem dos dinossauros. O seu
estudo fornece, entre muitas outras, valiosas informações sobre a morfologia das patas traseiras e dianteiras
dos animais que as produziram, o seu modo de deslocação e a sua velocidade.
O mais famoso é o Tiranossauro Rex, carnívoro, bípede, com cerca de 7 toneladas. Cada uma das suas
pegadas apresenta, em média, 83 cm de comprimento por 71 cm de largura.
Calcula, aproximadamente, a pressão exercida no solo em cada passada.
48. Aplica a noção de atrito para explicar a utilidade do calçado/utensílio das imagens apresentadas.

Proposta de solução:A — A capa para os dedos serve para alterar a natureza das superfícies em contacto.
Desta forma, diminui o atrito entre os dedos e o sapato, diminuindo possíveis feridas que este possa causar.
B — O óleo do carro serve para diminuir o atrito entre as diversas peças metálicas que contactam umas com
as outras
durante o funcionamento do veículo.
C — A lâmina dos patins é muito lisa, quase sem rugosidade, o que vai diminuir o atrito e permitir à
patinadora uma
maior facilidade e rapidez de movimentos. A frente da lâmina é raiada para aumentar a rugosidade,
aumentado o atrito e permitindo-lhe travar.
D — Os pitons das chuteiras servem para aumentar o atrito com o solo e, deste modo, aumentar o controlo
do jogador
sobre o seu movimento e evitar que escorregue.

49. O João empurra um armário, exercendo uma força horizontal de 34 N. Entre o armário e o solo
estabelece-se uma força de atrito de 23 N.
A. Conseguirá o João deslocar o armário?

Proposta de solução:Sim, o João consegue deslocar o armário porque a força que faz é superior à força de
atrito. Nenhuma das outras forças
existentes entre o móvel e o solo interfere no seu deslocamento, porque se anulam e são perpendiculares à
direção do
movimento.

B. Se o armário tiver 56 kg de massa, qual é a aceleração que lhe é impressa?


50. Explica o modo como funciona um paraquedas.

Proposta de solução:O paraquedas é um objeto que é utilizado para diminuir a velocidade de queda do
paraquedista. Quando salta, o paraquedista fica sujeito à ação do seu peso e à ação da resistência do ar.
Inicialmente, a resistência do ar é pequena, por isso a força resultante é grande e o movimento tem uma
aceleração grande. À medida que a velocidade aumenta, a resistência do ar aumenta também até ao
momento em que o seu valor iguala o valor do peso e o paraquedista passa a mover-se com velocidade
constante. Esta velocidade é muito elevada para permitir um contacto com o solo em segurança. Por isso ele
abre um paraquedas, que aumenta muito a resistência do ar e, assim, a força da resistência do ar
torna-se maior do que o peso. Deste modo, o movimento passa a ser retardado e a velocidade do
paraquedista diminui.
À medida que a sua velocidade diminui, a resistência do ar diminui também até ter o mesmo valor que o
peso. Nesse momento, o paraquedista volta a mover-se com movimento uniforme, mas a baixa velocidade, o
que lhe permite descer até ao solo em segurança.

51. Responde às questões, considerando cinco forças com as seguintes características:

A. Utilizando uma escala apropriada, representa as cinco forças.


B. Determina vetorialmente e caracteriza a força resultante da ação conjunta de:

52. Observa a figura que representa uma atleta em posição na linha de partida, antes do início de uma
corrida. Considerando que uma atleta nessa posição exerce uma força vertical de 820 N e uma força
horizontal de 610 N sobre o solo, responde às questões seguintes.
A. Representa num diagrama as forças que a atleta exerce e determina a força resultante que a mesma
exerce sobre o solo.

B. Admite que a atleta larga o bloco de partida com velocidade inicial de 1,6 m/s (adquirida quase
instantaneamente ao soar do tiro de partida) e mantém uma aceleração de módulo constante a = 1,95 m/s2
durante os 4 s iniciais. Determina o valor da velocidade ao fim dos 4 s.

53. Considera as situações ilustradas pelas figuras seguintes e responde às questões.

A. Representa os vetores que constituem os pares ação-reação.

B. Descreve a situação e a ação das forças envolvidas, para cada par ação-reação.

54. Calcula a intensidade da força necessária para que um corpo de 5,8 kg adquira uma aceleração de 3,7
m/s2.
55. Observa a figura, que representa um skate que se desloca com valor de aceleração de 4,95 m/s2, quando
lhe é aplicada uma força de intensidade 14,5 N. Determina a massa do skate.

56. Supõe-se que, quando Neil Armstrong desceu sobre a Lua, fez as operações programadas e deixou alguns
objetos, entre os quais uma fotografia sua com os três filhos embalada a vácuo.

Se o conjunto de objetos que Neil Armstrong deixou na Lua (gLua = 1,6 m/s2) tivesse um peso de 0,32 N, qual
seria a sua massa?

57. Observa a figura, que representa um automobilista que ficou sem combustível e se viu forçado a
empurrar o seu veículo. O automóvel tem 1100 kg de massa. A força exercida pelo automobilista é horizontal
e da esquerda para a direita e de intensidade 1350 N. A força de atrito exercida entre as rodas e a estrada é
de 750 N. Responde às questões seguintes.
A. Representa, com uma escala adequada, o conjunto de todas as forças que atuam no carro.

B. Calcula a força resultante que atua no automóvel.

C. Representa e caracteriza a força resultante obtida.

Proposta de solução:A força resultante que atua no automóvel tem: direção: horizontal; sentido: da
esquerda para a direita; intensidade: 750 N; ponto de aplicação: no automóvel.

D. Calcula a força que o condutor deve fazer para que o automóvel se desloque com movimento retilíneo e
uniforme.

E. Representa e caracteriza a força referida na questão anterior.


F. Se, nas mesmas condições, em vez de empurrar um automóvel, o mesmo automobilista empurrasse um
bloco de madeira, com a mesma massa e a mesma área de contacto com o solo que o automóvel, como seria
a força de atrito desenvolvida entre o bloco e o solo? Justifica a tua resposta.

Proposta de solução:O carro está assente sobre rodas, logo, o atrito é atrito de rolamento; o bloco está
assente no chão, logo, o atrito é atrito de deslizamento. Nas mesmas condições, o atrito de deslizamento é
sempre maior do que o atrito de rolamento.

58. Lê com atenção o texto seguinte e responde às questões.

Cientistas explicam técnicas de egípcios para construir pirâmides


Água colocada sobre a areia ajuda a transportar os blocos de pedra pela região.
Elas foram construídas há milhares de anos, quando não havia escavadoras nem gruas. Porém,
continuam a maravilhar o Mundo, especialmente os cientistas, pelo enorme esforço e pelos engenhos usados
na sua construção.
Para construir, suas imponentes pirâmides, os egípcios tiveram de transportar gigantescos blocos de pedra e
estátuas que pesavam toneladas pelo deserto. Para fazer isso, usaram grandes trenós de madeira.
Especialistas em Física da Fundação para a Investigação Fundamental sobre a Matéria e da Universidade de
Amesterdão disseram ter descoberto recentemente um truque simples e efetivo que pode ter sido utilizado
pelos egípcios para facilitar a passagem dos trenós de madeira carregados com pedras. Eles humidificariam a
areia sobre a qual os trenós deslizavam.
E os pesquisadores afirmam que, para facilitar a tração dos pesados trenós pelo deserto, o mais provável é
que os egípcios tenham feito justamente isso: molharam a areia à frente do trenó.
Esses cientistas realizaram experiências para mostrar que a quantidade adequada de humidade reduz para
metade a força necessária para empurrar um objeto […] e determinaram que a força necessária para mover o
trenó diminuía de maneira proporcional à firmeza da areia.
A razão é que quando se adiciona água à areia surgem as chamadas pontes capilares, pequenas gotas de
água que unem os grãos entre si. Dessa forma, um trenó desliza com muito mais facilidade sobre a areia
firme simplesmente porque ela não se acumula em frente ao veículo, como acontece com a areia seca.
Segundo os cientistas, os construtores egípcios conheciam este truque útil. Eles baseiam a sua afirmação
numa pintura encontrada numa das paredes da tumba de Djehutihotep, governante de uma das regiões do
Alto Egito durante os reinados de Amenemhat II , Sesostris II e Sesostris III (1914-1852 a. C.). Essa
representação mostra claramente uma pessoa parada na parte dianteira do trenó a deitar água sobre a areia.

Até hoje não se compreende completamente o comportamento físico dos materiais granulares, nem mesmo
dos mais comuns, como a areia, o asfalto e o carvão.
Os cientistas acreditam que esta descoberta pode ser útil para optimizar o transporte e o processamento de
material granular, que atualmente representa cerca de 10 % do consumo de energia do Mundo.
BBC , 03-05-2014 (adaptado)
A. Observa a figura, que representa um dos blocos de pedra utilizados na construção das pirâmides a ser
puxado, e representa todas as forças que nele atuam, através de vetores.

B. Na figura da questão anterior, identifica dois pares ação-reação.


C. Refere a força que os egípcios pretendiam diminuir quando deitavam a água no solo.

D. Explica a importância do procedimento dos egípcios referido na questão anterior.

E. Define força resultante.


F. Outra técnica dos egípcios para transportar os blocos de pedra consistia em utilizar troncos de madeira,
sobre os quais as pedras rolavam. Neste caso, em vez de atrito estático, há atrito de rolamento. Explica a
vantagem do atrito de rolamento.

59. Refere o que é mais difícil quando se pretende mover uma rocha com cinco toneladas, colocar a rocha
em movimento ou manter o movimento da rocha depois de iniciado. Justifica a tua resposta.

60. Calcula a aceleração imposta à rocha da questão anterior se nela atuasse uma força de atrito de 1500 N e
se os construtores, no seu conjunto, realizassem sobre o trenó uma força de 3200 N.

61. Lê com atenção os textos seguintes e responde às questões.

Texto A
Novos testes Euro NCAP estão mais exigentes
Dos seis modelos analisados pelo organismo, apenas dois atingiram a nota máxima.
A Euro NCAP anunciou hoje os resultados dos testes de segurança a que foram submetidos seis novos
modelo e apenas um atingiu a nota máxima. Esta avaliação espelha a forma como o organismo responsável
pela segurança das viaturas na Europa está mais exigente este ano, devido à introdução de novos parâmetros
para análise. Entre os novos requisitos necessários para atingir as cinco estrelas de nota máxima estão, por
exemplo, os avisos de cinto de segurança nos bancos traseiros ou os sistemas de travagem de emergência
para a cidade.
Turbo, 25/06/2014 (adaptado)

Texto B
A elevada classificação foi conseguida, em parte e segundo a marca, mercê da inclusão das mais recentes
tecnologias estreadas no modelo e inéditas no seu segmento, como é o caso do Sistema de Proteção de
Peões, airbag oculto na base do para-brisas e que é ativado em menos de 60 milissegundos no caso de
embate com um transeunte.
Outra das novidades incorporadas é o Sistema Autónomo de Travagem de Emergência, que deteta objetos
que possam constituir perigo de colisão, avisando, através de sinais sonoros e visuais, o condutor do embate
iminente. Caso este não responda aos avisos e o sistema chegue à conclusão de que a colisão é inevitável,
um segundo aviso será emitido ao mesmo tempo que é aplicada pressão máxima no sistema de travagem
para parar o veículo.
Diário Digital, 04/12/2014 (adaptado)
A. Num teste de colisão frontal, é mais difícil parar um camião do que um automóvel ligeiro de passageiros.
Refere a Lei de Newton que explica esta situação e justifica a tua resposta.

B. Escreve a expressão que permite calcular a intensidade da força de colisão sofrida por um veículo.

C. Um dos novos requisitos necessários para atingir as cinco estrelas nos testes Euro NCAP é a presença de
avisos de cinto de segurança nos bancos traseiros. Explica a importância da utilização dos cintos de
segurança, mesmo para os ocupantes dos bancos traseiros.
D. Um novo equipamento de segurança é o Sistema de Proteção de Peões, que consiste num airbag oculto na
base do para-brisas e que é ativado em menos de 60 milissegundos em caso de embate com um peão.
Explica como pode este sistema pode contribuir para a segurança dos peões. (Utiliza todas as noções de
forças, força resultante, pressão, área de contacto, tempo de colisão, utilização simultânea de cinto/airbag,
funcionamento dos airbags, etc., de que disponhas para responder a esta questão.)
E. Um dos testes efetuados aos veículos é o túnel de vento. Esta fotografia foi tirada em túnel de vento e
mostra a força de resistência do ar sobre um carro desportivo. Se o mesmo teste fosse efetuado com uma
carrinha verificar-se-ia que a força de resistência do ar seria maior. Refere o tipo de força que é a resistência
do ar e dá um exemplo em que seja útil.

62. O Rodrigo foi passear o seu cão, Farrusco, mas este está com medo e recusa-se a continuar. O Rodrigo
exerce sobre a coleira do Farrusco uma força de 25 N e o Farrusco exerce uma força de igual direção mas
sentido contrário, de 10 N.
A. O Rodrigo consegue passear o Farrusco?

Proposta de solução:Sim. O Rodrigo consegue passear o Farrusco, porque exerce uma força maior do que a
exercida pelo Farrusco.

B. Determina a intensidade da força resultante.

63. Observa a imagem seguinte, que representa a colisão de um automóvel com um muro e responde às
questões.
A. Desenha na figura o vetor que representa a força de colisão exercida pela parede sobre o carro.

B. Das expressões apresentadas, seleciona a que permite calcular a força de colisão sofrida pelo carro.

Proposta de solução:C
64. Classifica as afirmações seguintes como verdadeiras (V) ou falsas (F), corrigindo as falsas.

F - a) A unidade SI de força é o kg.

F - b) As forças são grandezas escalares.

V - c) Uma força traduz uma interação entre dois corpos.

F - d) Todas as forças são de contacto.

V - e) As forças podem deformar um corpo.

F - f) Todas as interações entre corpos fazem variar o estado de repouso/movimento de um corpo.

V - g) Há forças que atuam nos corpos sem fazer variar a sua forma ou os estados de repouso ou de
movimento.

F - h) Os equipamentos utilizados para medir as forças são as balanças.

65. Classifica como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações. Corrige as falsas.

A. A pressão é uma grandeza vetorial.


B. Quanto maior a área, maior a pressão que uma determinada força exerce.
C. Só existe pressão exercida por sólidos.
D. A pressão é uma grandeza física que traduz a ação de uma determinada força numa superfície de
contacto.
E. A unidade SI de pressão é o pascal, (Pa) ou N/m 2.
F. O valor da pressão pode ser calculado através da expressão p = A/F

Proposta de solução:A. Falsa. A pressão é uma grande escalar.


B. Falsa. Quanto menor é a área, maior é a pressão que uma determinada força exerce.
C. Falsa. Existe pressão exercida por sólidos, líquidos (exemplo: pressão arterial) e gases (exemplo: pressão
atmosférica).
D. Verdadeira.
E. Verdadeira.
F. Falsa. O valor da pressão pode ser calculado através da expressão: p = F/A
66. Observa as figuras seguintes e classifica as afirmações como verdadeiras (V) ou falsas (F).

F - A. O airbag é um equipamento que previne acidentes.

V - B. O airbag não pode prevenir acidentes, mas pode diminuir os danos físicos causados pelos acidentes.

F - C. O apoio de cabeça presente nos veículos é meramente decorativo.

V - D. Em caso de colisão, o apoio de cabeça pode fazer a diferença entre sair ileso ou com graves danos
na coluna.