Você está na página 1de 13

Betão Estrutural 2009/2010

Nélia Figueiredo Erik Santos

SUMÁRIO:

O intuito do presente trabalho centraliza-se no estudo de um estado limite último sendo este o
punçoamento, procedendo à descrição do respectivo estado, onde e como ocorre, que tipos de
punçoamento existe e respectiva metodologia de verificação de segurança ao punçoamento.

INTRODUÇÃO:

Não podemos iniciar este trabalho sem antes definirmos o que é o punçoamento.
Este estado limite é uma rotura característica de superfícies (lajes fungiformes/lajes a
descarregar em pilares, sapatas de fundação de pilares e órgãos de ancoragem) que estão sujeitas a
forças aplicadas em reduzidas áreas da estrutura, produzindo esforços que se tornam particularmente
gravosos quando essas forças são excêntricas, ou seja, estão relacionadas com a interacção entre
momentos flectores e esforço transverso.
A rotura por punçoamento é uma rotura do tipo frágil, usualmente não acompanhada pela
plastificação das armaduras, constituindo um mecanismo de colapso local.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA:

Este estado é caracterizado pelo aparecimento de fissuras circunferenciais próximas da zona


de carga, sendo seguidas de fissuras radiais provocadas pela flexão. Estas fissuras são
acompanhadas pela concentração de compressões radiais inclinadas em relação ao eixo do pilar.
Devido á complexidade e quantidade de parâmetros envolvidos, torna-se difícil proceder à
descoberta de um modelo de cálculo de rotura por punçoamento recorrendo-se assim a métodos
semi-empíricos para o tratamento das diferentes situações.
O método mais usado é o da superfície crítica do punçoamento, sendo essa superfície
determinada de diferentes modos, sendo quantificados quer os valores dos esforços actuantes quer
dos resistentes.
Neste método as tensões de punçoamento calculam-se partindo da divisão da carga de
punçoamento pela área de uma superfície crítica que contorna a referida carga, e é perpendicular ao
plano da laje.
Este cálculo pode entender-se melhor analisando a figura em baixo representada:

1
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 1

Conseguem identificar-se vários contributos relevantes para a quantificação das forças que
equilibram a força de punçoamento, tendo estas as seguintes componentes verticais:
F1 – compressão radial
F2 – força de atrito entre os inertes na fenda
F3 – força de efeito de ferrolho
Estas componentes apresentam-se da seguinte forma:

Figura 2

Verificação da Segurança:

A verificação da segurança ao punçoamento é feita tal como em outras situações,


comparando os esforços actuantes e os resistentes definido no perímetro de controlo/superfície critica
de punçoamento.
Nesta verificação o valor de cálculo do esforço actuante de punçoamento por unidade de
comprimento do contorno crítico deve ser menor ou igual ao valor de cálculo do esforço resistente de
punçoamento por unidade de comprimento do contorno referido.

(1)

Na análise do punçoamento, são tidos em conta vários critérios, sendo estes a espessura do
elemento que está a ser carregado, as formas e dimensões do pilar (existência ou não de cantos
salientes).
A verificação da segurança pode ser representada esquematicamente, descrevendo os
diferentes procedimentos:

2
Betão Estrutural 2009/2010

SIM VERIFICA
Resistência assegurada
NÃO pelo Betão

Colocação de Armadura Capitel


Estribos ou varões inclinados Aumento local da espessura da laje

VERIFICA
Resistência assegurada
pelo Betão
NÃO SIM

Aumentar VERIFICA
secção do pilar ou Resistência assegurada
espessura da laje pelo aço e betão

Primeiro perímetro de controlo:

O primeiro perímetro de controlo é fundamental!


Este é designação por u1 e caracterizado como perpendicular ao plano médio da laje ou
sapata, sendo ainda definido como uma linha fechada em torno das áreas carregadas.
O contorno deste perímetro é definido de modo a que seja mínimo e está situado a uma
distância da área de carga superior ou igual a 2d sendo d a altura útil da laje ou sapata.

3
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 3

No caso de se tratar de uma carga próxima de uma abertura, estando esta situada a uma
distância inferior a 6d então ao contorno critico subtrai-se a parcela relativa à zona entre as duas
tangentes à abertura medidas a partir do centro de gravidade da área de carga.

Figura 4

Estando a área de carga próxima de um bordo livre então toma-se para:


(2)

4
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 5

Para a determinação do perímetro de controlo de uma sapata pode ser admitido que a sua
altura útil é constante e igual a:
(3)

sendo dx e dy = alturas úteis das armaduras ortogonais.

No caso de se tratar de uma laje ou sapata com altura útil variável (que não sejam fundações
em degrau) pode ser considerado a altura útil no perímetro da área carregada:

Figura 6

Laje sobre Capitéis:

O aumento localizado da espessura de uma laje é uma das formas de verificação de


resistência ao punçoamento. Normalmente este aumento é traduzido pela colocação de um capitel ou
num espessamento da laje. Surgem então, para as diversas secções de pilares o seguinte:

5
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 7 – Laje sobre capitel com lh < 2.0 hH

No caso de estarmos perante um pilar circular, o que normalmente, implica um capitel


circular, torna-se necessário a verificação das tensões de punçoamento na secção de controlo
exterior ao capitel à distância rcont do baricentro do pilar:
(4)

Numa situação de um pilar rectangular – capitel rectangular:

(5)

em que:
(6)
(7)
sendo c1 e c2 dimensões do pilar.

Figura 8 – Laje sobre capitel com lH>2(d+hH)

Nesta situação devem ser verificadas duas secções de controlo:


- no interior do capitel com altura útil dh;
- na laje, com altura útil d.

6
Betão Estrutural 2009/2010

Num pilar circular – capitel circular, as distâncias do centro de gravidade às secções de


controlo são dadas por:
(8)

(9)

Tipos de Punçoamento:

Chama-se punçoamento centrado quando o ponto de aplicação da carga coincide com o


Centro de Gravidade da área delimitada pelo contorno crítico.
Neste tipo de punçoamento podemos admitir que as tensões de corte são iguais em todo o
contorno.

(10)

sendo:
ui – primeiro perímetro de controle
VEd – esforço transverso actuante ao longo do perímetro de controlo, isto em lajes;
nas sapatas é a carga do pilar diminuída da parte da reacção do solo interior à
base do cone de punçoamento.

Tratando-se de um punçoamento excêntrico, só uma parte do momento resultante se


transmite como uma distribuição desigual das tensões verticais de corte, a outra parte do momento é
transmitida por torção e flexão.
Estes três esforços têm uma distribuição variável de acordo com determinados parâmetros.
De acordo com o E.C.2, estes são quantificados da seguinte forma:

(11)

Tendo em conta os diferentes tipos de pilares e a sua localização podemos utilizar os valores
aproximados de β, de acordo com a imagem seguinte presente no E.C.2. Se quisermos ser mais
precisos, β também pode ser calculado de acordo com as fórmulas apresentadas no capitulo 6.4.3 do
E.C.2.

7
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 9

Resistência ao Punçoamento sem armadura de punçoamento:

Quando estamos perante elementos sem armadura de punçoamento devemos verificar a sua
resistência e esta deve ser avaliada na secção de controlo de referência. No caso de uma laje,
calculamos através da fórmula abaixo apresentada:
(12)

em que:
VRd,c – valor de cálculo da resistência ao punçoamento;

(13)

(14)

fck – tensão de compressão característica;

(15)

ρl - percentagem de armadura longitudinal - (16)

ρlx e ρly são as armaduras de tracção nas direcções x e y. Estes devem ser
calculados usando os valores médios numa faixa de laje de largura igual á do pilar
acrescida de 3d para cada lado.
k1 = 0,1

(17)

(18)

(19)

8
Betão Estrutural 2009/2010

2
Ac – área da secção de betão associada ao esforço NEd considerado (em mm );
NEdx, NEdy – esforços normais nas faixas de laje sobre pilares interiores e esforço
normal na secção de controlo para pilares de bordo, devido às acções aplicadas ou
ao pré-esforço (em N).

Se estivermos a analisar uma sapata, a resistência deve ser avaliada nos perímetros de
controlo que se encontram a uma distância menor ou igual a 2d da periferia do pilar.
A força útil actuante, no caso de cargas centradas é:
(20)

(21)

sendo:
VEd – punçoamento actuante
∆VEd – reacção vertical no interior do perímetro de controlo considerado.

(22)

a – distância do pilar ao perímetro de controlo considerado

Figura 10

A fórmula usada em caso de cargas excêntricas é:

(23)

em que:
k – é definido em função das dimensões do pilar
- função de c1/c2 para pilares centrados
- função de c1/2c2 para pilares de canto ou de bordo.
w – similar a w1, mas relativo ao contorno u.

9
Betão Estrutural 2009/2010

Aqui se resumiu algumas das fórmulas e maneiras de calcular a Resistência ao


punçoamento, de elementos sem armadura para tal.

Resistência ao Punçoamento com armadura de punçoamento:

No caso dos cálculos anteriores não conseguirem ser verificados, temos de recorrer à
introdução de armadura de punçoamento, a área dessa armadura pode ser determinada pela
expressão:

(24)

sabendo que:
2
Asw – área de um perímetro de armaduras em torno de um pilar (mm )
Sr – é o perímetro radial dos perímetros de armaduras (mm)
fywd,ef – representa o valor de cálculo da tensão efectiva de cedência das armaduras e
obtém-se por:
(25)

d – obtém-se pela média das alturas úteis nas direcções ortogonais


α – representa o ângulo entre o plano da laje e as armaduras de punçoamento.

Na resistência ao punçoamento necessitamos ainda de fazer uma verificação de esforços na


vizinhança dos pilares através de:

(26)

em que:
- coeficiente de redução de resistência do betão fendilhado por esforço transverso e
é dado por:

(fck em MPa) (27)

u0 – perímetro de controlo (em mm)

10
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 11

Quando usamos armadura de punçoamento, esta pode ser constituída por estribos ou varões
inclinados de acordo com o 9.4.3 do E.C.2. A área desses ramos de estribos pode ser calculada por:

(28)

sr – define o espaçamento radial da armadura


st – define o espaçamento tangencial da armadura

Para armaduras verticais (α=90º), temos:

(29)

A pormenorização das armaduras deve obedecer ao representado na figura:

11
Betão Estrutural 2009/2010

Figura 12
em que:
u1 – representa o primeiro perímetro de controlo
uout – representa o primeiro perímetro de controlo o qual não é necessária a armadura
de punçoamento

(30)

ua – primeiro perímetro de controlo exterior que necessita de armadura de


punçoamento (não deve ser colocada a uma distância superior a 1,5d de uout ou
uout,ef)

Após a análise da figura podemos retirar o seguinte.


- deverão existir pelo menos dois perímetros de estribos;
- os espaçamentos tangenciais (st) devem respeitar os seguintes valores:
- st ≤ 1,5d para estribos interiores a u1 ;
- st ≤ 2,0d para estribos exteriores a u1 e interiores a uout .
- os espaçamentos radiais (sr) devem ser inferiores a 0,75d;
- a distância entre a face do pilar e o primeiro perimetro deve ser >0,3d e <0,5d
- a distância entre o ultimo perímetro (ua) e o contorno uout deve ser ≤ 1,5d

12
Betão Estrutural 2009/2010

NOTAS FINAIS:

É aconselhável colocar armadura interior sobre o pilar para evitar a rotura frágil em cadeia, no
caso de existir uma rotura por punçoamento num dos pilares. Devemos lembrar que é de evitar o uso
de armaduras de punçoamento, devendo para tal optar por outras soluções que aumentem a
resistência a este tipo de rotura. A baixo estão referidas algumas das soluções que podemos adoptar:
- aumentar a espessura da laje na sua totalidade;
- aumentar a secção do pilar, ou seja, aumentar as dimensões da zona de carga;
- proceder ao uso de capitéis ou espessamento, procedendo assim ao aumento local da laje;
- introdução de capitéis metálicos embebidos na laje.

BIBLIOGRAFIA:

Ramos, A.; Lúcio, V. – “Estruturas de betão armado II – 11. Lajes fungiformes –


Punçoamento”, Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade Nova de Lisboa, 2006
http://www.dec.fct.unl.pt/seccoes/S_Estruturas/Betao_armado_II/downloads/11%20Lajes%
20fungiformes-%20Puncoamento-cor.pdf
Norma Europeia 1992-1-1 – “Eurocódigo 2: Projecto de estruturas de betão – parte 1-1:
Regras gerais e regras para edifícios”
Apontamentos Teóricos da Betão Estrutural – “Parte 10. Estado limite último –
Punçoamento”, Escola Superior de Tecnologia de Viseu – Instituto Superior Politécnico de
Viseu, 2008.

13