Você está na página 1de 9

Curso: Mestrado Profissional

Disciplina: Tópicos de Álgebra 20-09-2008 Matr 07101625


2a. Lista de Exercícios

1. Seja a um inteiro. Provar que um dos inteiros a, a + 2, a + 4 é múltiplo de 3.


Pelo algoritmo da divisão por 3 temos a = 3q + r, sendo 0 ≤ r < 3.
Se r = 0 temos a = 3q. Logo a é múltiplo de 3.
Se r = 1 temos a = 3q + 1, somando 2 membro a membro temos a + 2 = 3q + 1 + 2, ou
seja a + 2 = 3q + 3 = 3(q + 1). Logo a + 2 é múltiplo de 3.
Se r = 2 temos a = 3q + 2, somando 4 membro a membro temos a + 4 = 3q + 2 + 4, ou
seja a + 4 = 3q + 6 = 3(q + 2). Logo, a + 4 é múltiplo de 4.
Portanto se a é um inteiro então um dos inteiros a, a + 2 ou a + 4 é múltiplo de 3.

2. Determinar todos os inteiros positivos múltiplos de 5 que, em base 10, são representados com
3 algarismos e cuja soma dos algarismos é 19.
Seja a um inteiro positivo ou um natural representado com 3 algarismos.
Pelo teorema temos que a = r2102 + r1101+ r0 e, para cada índice i, 0 ≤ i ≤ 2, tem-se que
os ri são naturais e 0 ≤ ri <10.
Como vimos em exercícios anteriores, se a é múltiplo de 5, então r0 = 0 ou r0 = 5.
Para a soma dos algarismos de a ser igual a 19, temos que r2 + r1+ r0 = 19.
Se r0 = 0, temos que r2 + r1 = 19. Mas como pelo teorema o valor máximo de r2 e r1 é 9,
então r2 + r1 nunca será 19. Logo r0 = 5. Daí vem que r2 + r1+ 5 = 19, logo r2 + r1 = 14. Os
algarismos que somando resulta 14 são: 7 e 7, 8 e 6, 9 e 5. Portanto os inteiros são:
775, 865, 685, 955, 595.

3. (i) Demonstrar que todo quadrado perfeito é da forma 5k, 5k+1 ou 5k+4.
Pelo algoritmo da divisão por 5 temos a = 5q + r, sendo 0 ≤ r < 5.
Elevando os dois membros da igualdade ao quadrado temos a² = (5q + r)², ou seja
a² = 25q² + 10qr + r². Logo a² = 5(5q² + 2qr) + r².
Se r = 0 temos a² = 5(5q²). Fazendo k = 5q² temos a² = 5k
Se r = 1 temos a² = 5(5q² + 2q) + 1.Fazendo k = 5q² + 2q temos a² = 5k + 1

1
Se r = 2 temos a² = 5(5q² + 4q) + 4. Fazendo k = 5q² + 4q temos a² = 5k + 4
Se r = 3 temos a² = 5(5q² + 6q) + 9 = 5(5q² + 6q) + 5 + 4, ou seja a² = 5(5q² + 6q + 1) + 4
Fazendo k = 5q² + 6q + 1 temos a² = 5k + 4
Se r = 4 temos a² = 5(5q² + 8q) + 16 = 5(5q² + 8q) + 15 + 1, ou seja a² = 5(5q² + 8q + 3) + 1
Fazendo k = 5q² + 8q + 3 temos a² = 5k + 1
Portanto, todo quadrado de um inteiro é da forma 5k, 5k + 1 ou 5k + 4.

3. (ii) Como aplicação, indicar em quais algarismos pode terminar um quadrado perfeito.
Todo múltiplo de 5 é da forma 5k e termina em 0 ou 5.
Logo 5k + 1 termina em 1 ou 6.
Da mesma forma 5k + 4 termina em 4 ou 9.
Como todo quadrado perfeito é da forma 5k, 5k +1 ou 5k + 4, temos que suas terminações
possíveis são: 0, 5, 1, 6, 4 ou 9.

3. (iii) Demonstrar que, se três inteiros positivos a, b, c verificam a condição a2=b2+c2, então entre
eles há um múltiplo de 5 e um múltiplo de 2.
Como vimos a², b² e c² são da forma 5k, 5k + 1 ou 5k + 4.
Se um deles for da forma 5k e terminar em zero temos que este próprio número será
múltiplo de 5 e múltiplo de 2.
Vamos analisar alguns casos pela soma das teminações (apenas as unidades)
Se a² = 5k e termina em zero então a é o múltiplo de 5 e de 2.
Se a² = 5k e termina em 5 temos que a é o múltiplo de 5 e ainda:
• 5=1+4=4+1 Logo b² ou c² termina em 4 e é múltiplo de 2.
• 5=9+6=6+9 Logo b² ou c² termina em 6 e é múltiplo de 2.
Se a² = 5k + 1 e termina em 1, temos:
• 1 = 0 + 1 = 1 + 0. Neste caso b² ou c² termina em 0 e é o múltiplo de 5 e 2.
• 1 = 5 + 6 = 6 + 5. Neste caso entre b² e c² temos um que termina em 5 e é
múltiplo de 5 e o outro que termina em 6 e é múltiplo de 2.
Se a² = 5k + 1 e termina em 6 temos que a é o múltiplo de 2 e ainda:
• 6=0+6=6+0 Neste caso b² ou c² termina em 0 e é o múltiplo de 5.

• 6=5+1=1+5 Logo b² ou c² termina em 5 e é múltiplo de 5 .

2
Se a² = 5k + 4 e termina em 4 temos que a é o múltiplo de 2 e ainda:
• 4=0+4=4+0 Neste caso b² ou c² termina em 0 e é o múltiplo de 5.
• 4=5+9=9+5 Logo b² ou c² termina em 5 e é o múltiplo de 5.
Se a² = 5k + 4 e termina em 9 temos:
• 9 = 0 + 9 = 9 + 0. Neste caso b² ou c² termina em 0 e é o múltiplo de 5 e 2.
• 9 = 5 + 4 = 4 + 5. Neste caso entre b² e c² temos um que termina em 5 e é
múltiplo de 5 e o outro que termina em 4 e é múltiplo de 2.
Portanto entre três inteiros positivos a, b, c que verificam a condição a 2=b2+c2, há entre
eles há um múltiplo de 5 e um múltiplo de 2.

4. Provar que a soma dos quadrados de dois inteiros ímpares não pode ser um quadrado
perfeito. (sugestão: reunir todas as informações que já apareceram no curso sobre quadrados
perfeitos)
O quadrado de um inteiro é da forma 4k ou 4k + 1.
Um inteiro ímpar é da forma 4k + 1 ou 4k + 3.
O quadrado de um inteiro ímpar é também ímpar e, portanto é da forma 4k + 1.
Sendo a² e b² os quadrados de dois inteiros ímpares podemos dizer que
a² = 4q + 1 e b² = 4q’ + 1, para q e q’ inteiros.
Logo a² + b² = 4q + 1 + 4q’ + 1 = 4q + 4q’ + 2, ou seja a² + b² = 4(q + q’) + 2.
Fazendo k = q + q’ temos a² + b² = 4k + 2.
Portanto a soma dos quadrados de dois inteiros ímpares não pode ser um quadrado
perfeito por ser da forma 4k + 2.

5. Prove que o produto de quatro inteiros consecutivos é a diferença entre um quadrado perfeito e
um.
Seja 4 inteiros consecutivos: a, a + 1, a + 2 e a + 3.
a(a + 1)(a + 2)(a + 3) = a(a + 3)(a + 1)(a + 2) = (a² + 3a)(a² + 2a + a + 2) =
= (a² + 3a)(a² + 3a + 2) = k(k + 2) para k = a² + 3a.
Como k(k + 2) = k² + 2k, temos que k(k + 2) = k² + 2k + 1 – 1, ou ainda
k(k + 2) = (k + 1)² - 1. Logo, a(a + 1)(a + 2)(a + 3) = (k + 1)² - 1.
Portanto o produto de quatro inteiros é a diferença entre o quadrado perfeito e um.

3
5. Outras resoluções:
a) 1.2.3.4 = 24 = 25 – 1 = 52 – 1
2.3.4.5 = 120 = 121 – 1 = 112 – 1 ((1° x 4°) + 1)2 – 1
3.4.5.6 = 360 = 361 – 1 = 192 – 1
a.(a + 1).(a + 2).(a + 3) = (a.(a + 3) + 1)2 - 12

partindo do 2° membro temos:


(a.(a + 3) + 1)2 - 12 = a2.(a + 3)2 + 2.a.(a + 3) + 1 – 1 = a.(a + 3).(a.(a + 3) + 2) =
= a.(a + 3).(a2 + 3.a + 2)=a.(a + 3).(a2 + 2.a + a + 2) = a.(a + 3).(a.(a + 2) +(a + 2) =
= a.(a + 3).(a + 2).(a + 1)
Colocando em ordem: a.(a + 1).(a + 2).(a + 3) ou seja 4 inteiros consecutivos.

b) x2 - y2 = (x - y)(x + y)
1.2.3.4 = 52 - 1 => (5 -1)(5+1) = 4.6 = (1.4).(2.3)
2.3.4.5 = 112 - 1 => (11-1)(11+1)= 10.12 = (2.5).(3.4)
A ordem do produto é: (1ºx4º)x(2ºx3º)

6. Provar que nenhum inteiro da seqüência 11, 111, 1111,.... é um quadrado perfeito. (Sugestão:
um inteiro arbitrário dessa seqüência pode ser escrito na forma:
111...111=111...108+3=4k+3, para algum k)

Demonstração da sugestão:
11=4.2+3=4k+3 para k=2

Para os números formados por n algarismos, n>2, temos:


• 111=4.27+3=4.(25+2)+3=4[25(100)+2]+3
1111=4.277+3=4.(250+25+2)+3=4[25(10¹+100)+2]+3
11111=4.2777+3=4.(2500+250+25+2)+3=4[25(10²+10¹+100)+2]+3
111111=4.27777=4.(25000+2500+250+25+2)+3=4[25(10³+10²+10¹+100)+2]+3
111...111=4[25(10n-3+10n-4+...+100)+2]+3
para k=25(10n-3+10n-4+...+100)+2 tem-se 111...111=4k+3

4
• 111=100+10+1=10²+10+1=10²+8+3

1111=1000+100+10+1=10³+10²+10¹+1=10²(10+1)+8+3

11111=10000+1000+100+10+1=104+10³+10²+10+1=10²(10²+10+1)+8+3

111111=100000+10000+1000+100+10+1=105+104+10³+10²+10+1=10²(10³+10²+10+1)+8+3

111...111=10²(10n-3+10n-4+...+100)+8+3=4.25(10n-3+10n-4+...+100)+4.2+3
=4.[25(10n-3+10n-4+...+100)+2]+3 . Fazendo k=[25(10n-3+10n-4+...+100)+2] temos:
111...111=4k+3 para algum k inteiro.

• 111=108+3= 4k+3 para k=27

Para os números formados por n algarismos, n>3, temos:

1111=1000+108+3=10².10+108+3

11111=10000+1000+108+3=10².10²+10².10+108+3

111111=100000+10000+1000+108+3=10².10³+10².10²+10².10+108+3

111...111=10²(10n-3+10n-4+...+10)+108+3=4.25(10n-3+10n-4+...+10)+4.27+3
=4.[25(10n-3+10n-4+...+10)+27]+3 . Fazendo k=[25(10n-3+10n-4+...+10)+27] temos:
111...111=4k+3 para algum k inteiro.

Logo todos os inteiros dessa seqüência podem ser escritos na forma 4k + 3, para k inteiro.
Como vimos anteriormente um quadrado perfeito é da forma 4k ou 4k + 1.
Portanto nenhum número dessa seqüência é um quadrado perfeito.

7. Seja n um natural de 5 algarismos, todos iguais a 2 ou a 5. A soma destes algarismos é 19 e n


é um quadrado perfeito. Calcule n.
n é um quadrado perfeito, logo as terminações possíveis são: 0, 1, 4, 5, 6 e 9.
n é formado de algarismos 2 e 5. Logo o último algarismo de n é 5.
n é quadrado perfeito, logo é da forma 4k ou 4k + 1. Daí vem que os dois últimos
algarismos de n formam um múltiplo de 4 ou um sucessor desse. Como 55 é da forma
4k + 3 e 25 é da forma 4k + 1, vem que n termina em 25.

5
A soma dos cinco algarismos de n é 19 e como a soma dos dois últimos é 7, então a soma
dos três primeiros é 19 – 7 = 12. Logo entre os três primeiros algarismos temos dois
algarismos 5 e um algarismo 2. Fazendo as combinações possíveis temos:
55225 = 235²
52525 e 25525 não são quadrados perfeitos.
Portanto n é 55225.

8. Verdadeiro ou Falso? Prove ou dê contra-exemplo.


(a) O número 15 tem exatamente 4 divisores.
Falso D(15) = { ± 1, ± 3, ± 5, ± 15} 15 tem 8 divisores.
(b) Considere 10 inteiros consecutivos. Entre eles, existem 2 múltiplos de 3.
Verdadeiro
São dez inteiros consecutivos: a, a+1, a+2, a+3, a+4, a+5, a+6, a+7, a+8 e a+9.
Pelo algoritmo da divisão por 3 temos a = 3q + r, com 0 ≤ r < 3.
Para r = 0 temos a = 3q. Somando 3 membro a membro temos a+3 = 3q + 3 ou seja,
a+3 = 3(q+1).
Logo 3 divide a e a+3
Para r = 1 temos a = 3q + 1. Somando 2 membro a membro temos a+2 = 3q + 1 + 2, ou
seja a+2 = 3q + 3 = 3(q + 1).
Ainda temos a+5 = 3q + 1 + 5 = 3q + 6 ou seja a+5 = 3(q+2).
Logo 3 divide a+2 e a+5.
Para r = 2 temos a = 3q + 2. Somando 1 membro a membro temos a+1 = 3q + 2 + 1, ou
seja a+1 = 3q + 3 = 3(q+1).
Ainda temos a+4 = 3q + 2 + 4, ou seja, a+4 = 3q + 6 = 3(q+2).
Logo 3 divide a+1 e a+4.
Portanto entre 10 inteiros consecutivos existem 2 múltiplos de 3.
(c) Considere 6 múltiplos de 5 consecutivos. Entre eles, existe um múltiplo de 3.
Verdadeiro
São seis múltiplos de 5 consecutivos: 5k, 5k+5, 5k+10, 5k+15, 5k+20, 5k+25
Pelo algoritmo da divisão por 3 temos k = 3q + r , sendo 0 ≤ r < 3.
Para r = 0 temos 5k= 15q = 3(5q). Logo 3 divide 5k

6
Para r = 1 temos 5k = 5(3q + 1), ou seja 5k = 15q + 5. Somando 10 membro a membro
temos 5k+10 = 15q + 5 + 10. Daí vem 5k+10 = 15q + 15 = 3(5q + 5).
Logo 3 divide 5k+10.
Para r = 2 temos 5k = 5(3q + 2), ou seja 5k = 15q + 10. Somando 5 membro a membro
temos 5k+5 = 15q + 10 + 5. Daí vem 5k+5 = 15q + 15 = 3(5q + 5).
Logo 3 divide 5k+5.
Portanto entre seis múltiplos de 5 consecutivos existe um múltiplo de 3.
(d) Existem inteiros n que se escrevem na forma 6l+5 e também na forma 6t+2, para certos
inteiros l e t.
Falso.
Suponhamos n = 6l+5 e ao mesmo tempo n = 6t+2. Então 6l+5 = 6t+2. Subtraindo 2
membro a membro temos 6l+5-2 = 6t+2-2, ou seja 6l+3 = 6t. Subtraindo 6l membro a
membro vem 6l+3-6l = 6t-6l, ou seja 3 = 6(t-l). Desta expressão resulta que 6 divide 3.
Como isto é um absurdo temos que n não pode ser escrito na forma 6l+5 e também 6t+2.

(e) seja k um inteiro; todo inteiro da forma 6k+5 é também da forma 3l+2, para algum inteiro l.
Verdadeiro
Suponhamos n = 6k+5 e ao mesmo tempo n = 3l+2. Então 6k+5 = 3l+2. Subtraindo 2
membro a membro temos 6k+5-2 = 3l+2-2, ou seja, 6k+3 = 3l. Subtraindo 6k membro a
membro vem 6k+3-6k = 3l-6k, ou seja, 3 = 3(l-2k). Para esta expressão ser verdadeira
temos que I-2k = 1, logo l = 1+2k.
Portanto sendo k inteiro, todo inteiro da forma 6k+5 é também da forma 3l+2 para l = 1+2k.
(f) seja l um inteiro; todo inteiro da forma 3l+2 é também da forma 6k+5, para algum inteiro k.
Falso
20 = 3.6+2, ou seja, 20 = 3l + 2 para l = 6.
Suponhamos 20 = 6k+5. Subtraindo 5 membro a membro temos que 20-5 = 6k+5-5, ou
seja 15 = 6k. Daí vem que 15 = 2(3k). Dessa expressão resulta que 2 divide 15, o que é
um absurdo,pois 15 é ímpar. Portanto nem todo inteiro da forma 3l+2 é também da forma
6k+5, para algum inteiro k.

7
9. Demonstre o critério de divisibilidade por 9 para um natural de 3 algarismos.

Demonstração da Ida:

Hipótese: Seja a um natural, a = r2102 + r1101+ r0 e, para cada índice i, 0 ≤ i ≤ 2, tem-se


que os ri são naturais e 0 ≤ ri <10.
Temos que 9 divide a.

Tese: 9 divide r2 + r1 + r0

a = r2102 + r1101+ r0 = r2(99 + 1) + r1(9 + 1) + r0 = r2(9.11 + 1) + r1(9 + 1) + r0 .


Então, a = 9.11.r2 + r2 + 9r1 + r1 + r0 = 9(11r2 + r1) + r2 + r1+ r0 . Fazendo k = 11r2 + r1,
temos a = 9k + r2 + r1+ r0 . Por hipótese, 9 divide a, então existe um natural x tal que
a = 9x. Daí vem que 9x = 9k + r2 + r1+ r0 , ou seja, 9x – 9k = r2 + r1+ r0 .
Logo, 9(x – k) = r2 + r1+ r0. Portanto 9 divide r2 + r1+ r0 como queríamos demonstrar.

Demonstração da Volta:

Hipótese: Seja a um natural, a = r2102 + r1101+ r0 e, para cada índice i, 0 ≤ i ≤ 2, tem-se


que os ri são naturais e 0 ≤ ri <10.
Temos que 9 divide r2 + r1 + r0

Tese: 9 divide a.

a = r2102 + r1101+ r0 = r2(99 + 1) + r1(9 + 1) + r0 = r2(9.11 + 1) + r1(9 + 1) + r0 .


Então, a = 9.11r2 + r2 + 9r1 + r1 + r0 = 9(11r2 + r1) + r2 + r1+ r0 .Fazendo k = 11r2 + r1,
temos a = 9k + r2 + r1+ r0 . Por hipótese, 9 divide r2 + r1 + r0 , então existe um natural x tal
que r2 + r1 + r0 = 9x. Daí vem que a = 9k + 9x. Logo: a = 9(k + x). Portanto 9 divide a
como queríamos demonstrar.

8
10. Demonstre o critério de divisibilidade por 2 .

Demonstração da Ida:

Hipótese: Seja a um natural, a = rn10n+ rn-110n-1 +.....+r110 +r0 em que n≥0, rn≠0
e, para cada índice i, 0 ≤ i ≤ n, tem-se que os ri são naturais e 0 ≤ ri <10.
Temos que 2 divide a.

Tese: 2 divide r0

Temos que a = rn10n+ rn-110n-1 +.....+r110 +r0 . Colocando 10 em evidência temos


a = 10( rn10n-1+ rn-110n-2 +.....+r1) +r0, ou ainda a = 2.5( rn10n-1+ rn-110n-2 +.....+r1) +r0.
Seja k = 5(rn10n-1+ rn-110n-2 +.....+r1), logo a = 2k + r0 (I)
Por hipótese 2 divide a, então existe o natural x tal que a = 2x. Substituindo essa
expressão em (I), temos que 2x = 2k + r0, ou ainda r0 = 2x – 2k. Logo r0 = 2(x – k).
Portanto 2 divide r0 como queríamos demonstrar.

Demonstração da Volta:

Hipótese: Seja a um natural, a = rn10n+ rn-110n-1 +.....+r110 +r0 em que n≥0, rn≠0
e, para cada índice i, 0 ≤ i ≤ n, tem-se que os ri são naturais e 0 ≤ ri <10.
Temos que 2 divide r0

Tese: 2 divide a

Temos que a = rn10n+ rn-110n-1 +.....+r110 +r0 . Colocando 10 em evidência temos


a = 10( rn10n-1+ rn-110n-2 +.....+r1) +r0, ou ainda a = 2.5( rn10n-1+ rn-110n-2 +.....+r1) +r0.
Seja k = 5(rn10n-1+ rn-110n-2 +.....+r1), logo a = 2k + r0 (I)
Por hipótese 2 divide r0, então existe o natural x tal que r0 = 2x. Substituindo essa
expressão em (I), temos que a = 2k + 2x. Logo a = 2(k + x).
Portanto 2 divide a como queríamos demonstrar.